Modelando microevolução GENÉTICA DE POPULAÇÕES E EVOLUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelando microevolução GENÉTICA DE POPULAÇÕES E EVOLUÇÃO"

Transcrição

1 Modelando microevolução GENÉTICA DE POPULAÇÕES E EVOLUÇÃO

2 Modelando microevolução Evolução: mudança na frequência de alelos ou combinações de alelos no pool gênico. Modelos de evolução deve incluir a passagem do material genético de uma geração para a próxima.

3 Modelando microevolução Portanto, a unidade de tempo fundamental será a transição entre duas gerações consecutivas em estágios comparáveis. Podemos então examinar a frequência dos alelos ou suas combinações na geração parental e na progênie para inferir se está ou não ocorrendo evolução.

4 Todos estes modelos transgeracionais de microevolução devem fazer pressupostos sobre três mecanismos principais: Mecanismos de produção de gametas Mecanismos de união de gametas Mecanismos de desenvolvimento de fenótipos.

5 Arquitetura genética Para se especificar como gametas são produzidos temos que especificar a arquitetura genética. A arquitetura genética refere-se ao número de loci e suas posições genômicas número de alelos por locus taxa de mutação modo e regras de herança dos elementos genéticos.

6 Arquitetura genética Por exemplo, uma arquitetura genética de um locus único com dois alelos sem mutação. A arquitetura genética fornece a informação necessária para se especificar como os gametas são produzidos.

7 Arquitetura genética Para um locus único e um modelo de dois alelos autossômicos sem mutação: precisamos apenas primeira lei da herança de Mendel para especificar como genótipos produzem gametas. Outras arquiteturas genéticas de locus único podem apresentar modelos diferentes de herança: loci ligados ao X, loci no cromossomo Y ou DNA mitocondrial.

8 Arquitetura genética Com mais de um locus: modelos de herança mistos nos quais a segunda lei de Mendel e/ou frequência de recombinação entre loci ligados pode fazer parte das regras pelas quais os gametas são produzidos.

9 Arquitetura genética Podemos ter desvios nas regras básicas de herança como especificar que o locus está sujeito a desvios da primeira lei de Mendel de segregação 50:50 na produção de gametas a partir dos heterozigotos.

10 Arquitetura genética Em um modelo multiloci, podemos especificar que crossing-over desigual pode acontecer, portanto produzindo variação no número de genes transmitidos aos gametas.

11 Arquitetura genética Os pressupostos que fazemos sobre arquitetura genética obviamente limitam os tipos de processos evolutivos que podemos modelar. Portanto, a especificação da arquitetura genética é o primeiro passo crítico em qualquer modelo de microevolução.

12 Estrutura populacional Organismos diplóides com reprodução sexuada: a transição de uma geração à próxima envolve não apenas a produção de gametas, mas o pareamento de gametas para formar novos zigotos diplóides.

13 Estrutura populacional Portanto, temos que especificar os mecanismos ou regras pelas quais os gametas são pareados em populações em reprodução. Estes mecanismos para unificar gametas são chamados de estrutura populacional.

14 Estrutura populacional A estrutura populacional inclui: o sistema de acasalamento da população; o tamanho da população; a presença, quantidade e padrão de troca genética com outras populações; e a estrutura etária dos indivíduos na população.

15 Estrutura populacional Esses fatores podem ter um impacto sobre quais gametas têm maior probabilidade de se parearem e serem transmitidos à próxima geração. O sistema de acasalamento pode ser: o pareamento aleatório de indivíduos pode ser influenciado por níveis distintos de parentesco biológico outros fatores.

16 Estrutura populacional Podemos optar por ignorar o impacto do tamanho populacional ao assumir o tamanho infinito ou podemos examinar pequenas populações em que o tamanho populacional tem um grande impacto na probabilidade de dois gametas se unirem em um zigoto.

17 Estrutura populacional Podemos modelar um único deme, ou podemos permitir que gametas de fora dos demes entrem com uma probabilidade ou taxa específica, que por sua vez pode ser em função da distância geográfica, barreiras ecológicas, etc.

18 Estrutura populacional Podemos assumir gerações discretas nas quais todos os indivíduos nascem e se reproduzem ao mesmo tempo, seguida pela morte ou senescência reprodutiva ao mesmo tempo.

19 Estrutura populacional Alternativamente, podemos assumir que indivíduos possam reproduzir-se muitas vezes ao longo de sua vida, possam se acasalar com indivíduos de idades diferentes, e que a progênie possa coexistir com os parentais.

20 Estrutura populacional Até que especifiquemos tais parâmetros da estrutura populacional, não podemos modelar a microevolução porque a união de gametas é um passo necessário à transmissão de genes de uma geração à próxima e em organismos que se reproduzem sexuadamente.

21 Desenvolvimento fenotípico Na maioria das espécies, o zigoto resultante da união dos gametas não é capaz de reprodução imediata, mas deve crescer, se desenvolver, sobreviver e amadurecer reprodutivamente.

22 Desenvolvimento fenotípico Tudo isso ocorre em um ambiente ou conjunto de ambientes. Os fenótipos são interações entre genes e ambiente, então a replicação do DNA depende dos fenótipos dos indivíduos que o contém. Portanto, também devemos especificar o desenvolvimento fenotípico; isto é, os mecanismos que descrevem como os zigotos formam fenótipos no contexto ambiental

23 Desenvolvimento fenotípico Os pressupostos podem variar: mais simples: a arquitetura genética não produz impacto no fenótipo sob nenhum dos ambientes encontrados pelos indivíduos na população mais complexos: fenótipos são entidades dinâmicas constantemente em alteração à medida que o meio ambiente muda e/ou à medida que o indivíduo envelhece com padrões alterados de epistasia e pleiotropia.

O MODELO DE HARDY-WEINBERG

O MODELO DE HARDY-WEINBERG Modelo simples de genética de populações: modelo de Hardy-Weinberg (Hardy 1908; Weinberg 1908). Embora faça vários pressupostos simplificadores que não são realistas, ele se mostra bastante útil para descrever

Leia mais

Sistemas de Acasalamento. Acasalamento ao acaso. Acasalamento ao acaso. O ciclo de vida de uma população. Pressupostos de Hardy Weinberg.

Sistemas de Acasalamento. Acasalamento ao acaso. Acasalamento ao acaso. O ciclo de vida de uma população. Pressupostos de Hardy Weinberg. Pressupostos de Hardy Weinberg Produção de alelos: 1 locus autossômico 2 alelos sem mutação 1ª Lei de Mendel União de alelos: Sistema de acasalamento aleatório Tamanho populacional infinito Troca genética

Leia mais

Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica

Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica Um indivíduo possui duas cópias de cada partícula de herança (gene). Essas duas cópias são separadas durante a formação dos gametas e juntam-se novamente quando

Leia mais

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Deriva Genética. Desvios de Hardy-Weinberg

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Deriva Genética. Desvios de Hardy-Weinberg Definição de Evolução A definição operacional de evolução em nível de deme é mudanças na freqüência alélica ou genotípica. Forças evolutivas Fatores ou processos que podem alterar a freqüência alélica

Leia mais

Introdução a Algoritmos Genéticos

Introdução a Algoritmos Genéticos Introdução a Algoritmos Genéticos Tiago da Conceição Mota Laboratório de Inteligência Computacional Núcleo de Computação Eletrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Outubro de 2007 O Que São? Busca

Leia mais

Conceitos Básicos de Genética. Relação Fenótipo-Genótipo

Conceitos Básicos de Genética. Relação Fenótipo-Genótipo Conceitos Básicos de Genética Relação Fenótipo-Genótipo Genética É a disciplina dentro da Biologia que estuda os mecanismos da hereditariedade. O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão

Leia mais

Ligação, permuta e mapas genéticos: ligação e permuta genética, estimativa da freqüência de permuta

Ligação, permuta e mapas genéticos: ligação e permuta genética, estimativa da freqüência de permuta Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Ligação, permuta e mapas genéticos: ligação e permuta genética, estimativa da freqüência de permuta Após

Leia mais

GENÉTICA. Profª Fernanda Toledo

GENÉTICA. Profª Fernanda Toledo GENÉTICA Profª Fernanda Toledo O que é Genética? É a ciência que estuda os genes e sua transmissão para as gerações futuras. As características são transmitidas de pais para filhos. Essa atividade é coordenada

Leia mais

Seleção Natural. Fundamentos de Ecologia e Modelagem Ambiental Aplicados à Conservação da Biodiversidade

Seleção Natural. Fundamentos de Ecologia e Modelagem Ambiental Aplicados à Conservação da Biodiversidade Seleção Natural Fundamentos de Ecologia e Modelagem Ambiental Aplicados à Conservação da Biodiversidade Aluna: Michelle Andrade Furtado Profº Dalton e Profª Silvana Definição Seleção Natural pode ser definida

Leia mais

Origem da variação. Conceitos importantes. Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução

Origem da variação. Conceitos importantes. Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução Variabilidade genética Origem da variação Professor Fabrício R Santos fsantos@icb.ufmg.br Departamento de Biologia Geral, UFMG 2011 Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados

Leia mais

Neodarwinismo ou Teoria sintética de evolução

Neodarwinismo ou Teoria sintética de evolução Neodarwinismo ou Teoria sintética de evolução O desenvolvimento dos conhecimentos de genética e as novas descobertas sobre hereditariedade, permitiram fazer uma nova interpretação da teoria da evolução

Leia mais

2 vertical: 5 letras, plural. 1 vertical: 11 letras

2 vertical: 5 letras, plural. 1 vertical: 11 letras 1 vertical: 11 letras São organismos originados da alteração molecular do DNA. 2 vertical: 5 letras, plural Fatores que condicionam as características genéticas de um organismo, sendo um proveniente do

Leia mais

Como os alelos localizam-se em um mesmo. dos gametas, a não ser que ocorra permutação ou crossing over;

Como os alelos localizam-se em um mesmo. dos gametas, a não ser que ocorra permutação ou crossing over; Devido um organismo possuir milhares de genes e apenas alguns pares de cromossomos, é de se esperar, portanto, que um número razoável de pares de genes esteja localizado num mesmo par de cromossomos homólogos.

Leia mais

Curso de Licenciatura em Biologia Evolução Biológica

Curso de Licenciatura em Biologia Evolução Biológica INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Campus Macau Curso de Licenciatura em Biologia Evolução Biológica IFRN/Macau - Curso de Licenciatura em Biologia - Parasitologia

Leia mais

NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR 18/07/2014 1

NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR 18/07/2014 1 NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR 18/07/2014 1 DEFINIÇÕES CROMATINA: É o DNA desespiralizado, desenrolado. CROMOSSOMOS: estrutura formada pelo DNA completamente compactado pelas proteínas histonas e por um grande

Leia mais

GENÉTICA DE POPULAÇÃO

GENÉTICA DE POPULAÇÃO GENÉTICA DE POPULAÇÃO Eng. Agr. Msc. Franco Romero Silva Muniz Doutorando em Genética e Melhoramento de Soja Departamento de Produção Vegetal UNESP Jaboticabal/SP Molecular e Biotecnologia Quantitativa

Leia mais

Definições. Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes

Definições. Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes Seleção Natural Definições Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes Essas definições são inexatas e insuficientes Seleção Natural Para Huxley,

Leia mais

LGN215 - Genética Geral

LGN215 - Genética Geral LGN215 - Genética Geral Aula 5: Ligação I Prof. Dr. Antonio Augusto Franco Garcia Maria Marta Pastina Piracicaba SP Ligação Dois genes próximos no mesmo par cromossômico não segregam independentemente

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Genética Clássica 1. Conceito: É a ciência voltada para o estudo da hereditariedade, bem como da estrutura e função dos genes. Características Fundamentais

Leia mais

QUESTÕES SOBRE MEIOSE/MITOSE

QUESTÕES SOBRE MEIOSE/MITOSE 1) Durante a meiose, o pareamento dos cromossomos homólogos é importante porque garante: (A) a separação dos cromossomos não homólogos. (B) a duplicação do DNA, indispensável a esse processo. (C) a formação

Leia mais

Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel. Profa. Vanessa Kava

Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel. Profa. Vanessa Kava Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel Profa. Vanessa Kava 1a Lei de Mendel VOCÊ JÁ SABE QUE Os cromossomos situam-se no núcleo das células 1 cromossomo 1 molécula de DNA 1molécula de DNA vários genes

Leia mais

SUBESTRUTURA POPULACIONAL E FLUXO GÊNICO

SUBESTRUTURA POPULACIONAL E FLUXO GÊNICO SUBESTRUTURA POPULACIONAL E FLUXO GÊNICO AULA 5 Mariana Fonseca Rossi mfonsecarossi@gmail.com RELEMBRANDO... Equilíbrio de Hardy-Weiberng: RELEMBRANDO... Equilíbrio de Hardy-Weiberng: Frequência dos genótipos

Leia mais

1ª e 2ª Leis de Mendel e Extensões do Mendelismo. Page 1

1ª e 2ª Leis de Mendel e Extensões do Mendelismo. Page 1 1ª e 2ª Leis de Mendel e Extensões do Mendelismo Page 1 Genética Clássica Principais eventos Page 2 Page 3 Page 4 Meiose Page 5 Meiose Page 6 Pareamento dos cromossomos homólogos Page 7 Separação dos cromossomos

Leia mais

SISTEMÁTICA VEGETAL. Aula 01: O Processo de Evolução

SISTEMÁTICA VEGETAL. Aula 01: O Processo de Evolução SISTEMÁTICA VEGETAL Aula 01: O Processo de Evolução INTRODUÇÃO Em 1831, Charles Darwin inicia sua viagem de cinco anos como naturalista do navio HMS Beagle. INTRODUÇÃO Por fornecer evidências meticulosamente

Leia mais

Ligação e Recombinação Gênica Elaboração de Mapas Cromossômicos QTLs e sua detecção

Ligação e Recombinação Gênica Elaboração de Mapas Cromossômicos QTLs e sua detecção Ligação e Recombinação Gênica Miguel H.A. Santana mhasantana@usp.br Genética Básica e Evolução (ZVM 0215) Quarta, 21 de Setembro 2016 Visão geral Meta Importância dos princípios que regem a diversidade

Leia mais

Genética Conceitos Básicos. Professor Fláudio

Genética Conceitos Básicos. Professor Fláudio Genética Conceitos Básicos Professor Fláudio O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: - Genética Clássica Mendel (1856 1865) - Genética Moderna

Leia mais

PROTOCOLO - Utilização de Drosophila em Genética: 2ª Parte

PROTOCOLO - Utilização de Drosophila em Genética: 2ª Parte PROTOCOLO - Utilização de Drosophila em Genética: 2ª Parte Rui Artur P. L. Gomes Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Edifício. C2 - Piso 4, Campo Grande 1749-016

Leia mais

Genética de Populações e Evolução

Genética de Populações e Evolução Genética de Populações e Evolução Populações Genética de populações a palavra população geralmente não se refere a todos os indivíduos de uma espécie, mas sim a um grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Genótipo e Fenótipo ECOLOGIA IBB-057. Como ocorre o processo de Seleção Natural? Como ocorre o processo de Seleção Natural?

Genótipo e Fenótipo ECOLOGIA IBB-057. Como ocorre o processo de Seleção Natural? Como ocorre o processo de Seleção Natural? ECOLOGIA IBB-057 Genótipo e enótipo AULA 8 e 9 I. Evolução, Adaptação e Historias de vida Genótipo e enótipo Como atua a seleção natural? Plasticidade fenotípica Que são as historias de vida? Alocação

Leia mais

a) Qual é o mecanismo de herança dessa doença? Justifique.

a) Qual é o mecanismo de herança dessa doença? Justifique. É sabido que indivíduos homozigotos recessivos para alelos mutados do gene codificador da enzima hexosaminidase desenvolvem uma doença conhecida como Tay-Sachs, e morrem antes do quarto ano de vida. Nos

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. 1) Uma das formas de controle populacional é o uso de métodos contraceptivos. Analise as afirmativas a seguir.

QUESTÕES OBJETIVAS. 1) Uma das formas de controle populacional é o uso de métodos contraceptivos. Analise as afirmativas a seguir. QUESTÕES OBJETIVAS 1) Uma das formas de controle populacional é o uso de métodos contraceptivos. Analise as afirmativas a seguir. I) A camisinha e o diafragma têm como fundamento de sua ação contraceptiva

Leia mais

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Desvios de Hardy-Weinberg. Desvios de Hardy-Weinberg

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Desvios de Hardy-Weinberg. Desvios de Hardy-Weinberg Definição de Evolução Forças evolutivas A definição operacional de evolução em nível de deme é mudança na freqüência alélica ou genotípica em gerações. Fatores ou processos que podem alterar a freqüência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética Profa Angelica Boldt BG403 - GENÉTICA ANIMAL Lista de Exercícios T7 GENÉTICA DE POPULAÇÕES 1) As propriedades genéticas

Leia mais

Extensão da herança Mendeliana

Extensão da herança Mendeliana Extensão da herança Mendeliana Genética Básica Licenciatura em Biologia Victor Martin Quintana Flores Diferentes Tipos de padrões de herança mendeliana Mendeliana simples Herança: Este padrão é comumente

Leia mais

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Professor: Robson Fernando Missio 1ª Avaliação 1) Um pesquisador trabalhando com o melhoramento de milho realizou o cruzamento controlado

Leia mais

Neodarwinismo Teoria Sintética da Evolução

Neodarwinismo Teoria Sintética da Evolução Neodarwinismo Teoria Sintética da Evolução Aula nº45, 46 e 48 26 e 28 Jan e 2 Fev09 Prof. Ana Reis Principais críticas apontadas à Teoria de Darwin: não explicar o surgimento de variações naturais nos

Leia mais

Tamanho populacional 31/08/2010. Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Relação entre o Censo (N) e tamanho efetivo (Ne)

Tamanho populacional 31/08/2010. Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Relação entre o Censo (N) e tamanho efetivo (Ne) Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Equilíbrio de Hardy-Weinberg (EHW) Os fatores evolutivos e a dinâmica populacional (p + q) 2 = p 2 + 2pq + q 2 Professor Fabrício R. Santos

Leia mais

GENÉTICA QUANTITATIVA

GENÉTICA QUANTITATIVA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL GENÉTICA QUANTITATIVA CONCEITOS ESTATÍSTICOS USADOS NO MELHORAMENTO

Leia mais

Fundamentos da Genética. Professor: Anderson Marques de Souza 2016

Fundamentos da Genética. Professor: Anderson Marques de Souza 2016 Fundamentos da Genética Professor: Anderson Marques de Souza 2016 Genética: Conceitos Básicos 1º estuda a transmissão de características da célula-mãe para a célula-filha; 2º estuda as características

Leia mais

Herança das Características de Interesse

Herança das Características de Interesse Herança das Características de Interesse Algumas características dos bovinos podem ser classificadas em classes fenotipicamente distintas Presença de chifres Susceptibilidade a doenças Musculatura dupla

Leia mais

Colégio Argumento Interação Gênica e Herança Quantitativa

Colégio Argumento Interação Gênica e Herança Quantitativa Colégio Argumento Interação Gênica e Herança Quantitativa 1ª lei de Mendel 1 par de genes 1 característica genética Ex: Aa x Aa proporção 3:1 2ª lei de Mendel 2 pares de genes 2 características genéticas

Leia mais

Bases da Hereditariedade. Profa. Vanessa Silveira

Bases da Hereditariedade. Profa. Vanessa Silveira Bases da Hereditariedade Profa. Vanessa Silveira Roteiro de Aula 1. A informação genética: conceitos básicos 2. Base da Hereditariedade Leis de Mendel 3. Padrões clássicos de herança 4. Padrões não clássicos

Leia mais

Ficha de estudo Biologia

Ficha de estudo Biologia Unidade 2 Património genético Transmissão de características hereditárias Ficha de estudo Biologia 12º ANO DE ESCOLARIDADE MÓDULO 1 Mendel, segundo filho de uma família de agricultores, nasceu em 1822,

Leia mais

Ligação, Recombinação e Mapeamento gênico em eucariotas

Ligação, Recombinação e Mapeamento gênico em eucariotas Ligação, Recombinação e Mapeamento gênico em eucariotas A lei da segregação independente estelece que: Em um cruzamento envolvendo mais de um gene, os genes diferentes se separam ou segregam independentemente

Leia mais

AULA Nº 4. Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez

AULA Nº 4. Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez AULA Nº 4 Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez que até aqui tratamos dos aspectos qualitativos. Para tanto teremos que apreender alguns conceitos de genética de

Leia mais

Pode-se pensar que a deriva genética seja importante apenas em poucas espécies. Entretanto, a maioria das espécies é formada por demes pequenos e com

Pode-se pensar que a deriva genética seja importante apenas em poucas espécies. Entretanto, a maioria das espécies é formada por demes pequenos e com Pode-se pensar que a deriva genética seja importante apenas em poucas espécies. Entretanto, a maioria das espécies é formada por demes pequenos e com localização estável Essas populações podem divergir

Leia mais

a) T2 e T3. b) T1 e T3. c) T3 e T4. d) T1 e T4.

a) T2 e T3. b) T1 e T3. c) T3 e T4. d) T1 e T4. Lista de Exercícios (BIO-LEO) 1. (Faculdade Albert Einstein 2016) O gráfico abaixo refere-se ao processo de divisão celular que ocorre durante a espermatogênese humana: Nesse processo de divisão ocorre:

Leia mais

Bases da Hereditariedade. Profa. Vanessa Silveira

Bases da Hereditariedade. Profa. Vanessa Silveira Bases da Hereditariedade Profa. Vanessa Silveira Roteiro de Aula 1. A informação genética: conceitos básicos 2. Base da Hereditariedade Leis de Mendel 3. Padrões clássicos de herança 4. Padrões não clássicos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM GENÉTICA

CONCEITOS BÁSICOS EM GENÉTICA CONCEITOS BÁSICOS EM GENÉTICA HISTÓRICO: Veio ao Serviço de Aconselhamento Genético do Hospital de Clínicas, um casal jovem com o seguinte relato: a) homem fenotipicamente normal, com 35 anos, obeso, pertencente

Leia mais

Aula 4: Genética da Transmissão III

Aula 4: Genética da Transmissão III LGN215 - Genética Geral Aula 4: Genética da Transmissão III Prof. Dr. Antonio Augusto Franco Garcia Monitora: Maria Marta Pastina Experimentos de Mendel Inicialmente, Mendel estudou cruzamentos considerando

Leia mais

QUESTÕES DE GENÉTICA - PROFESSORA: THAÍS ALVES 30/05/2015

QUESTÕES DE GENÉTICA - PROFESSORA: THAÍS ALVES 30/05/2015 QUESTÕES DE GENÉTICA - PROFESSORA: THAÍS ALVES 30/05/2015 01. Em situações problemas relacionadas à genética mendeliana, um dos cálculos probabilísticos utilizados é a aplicação da denominada regra da

Leia mais

Aula: Genética I. (1ª e 2ª leis de Mendel e Polialelia).

Aula: Genética I. (1ª e 2ª leis de Mendel e Polialelia). Aula: Genética I (1ª e 2ª leis de Mendel e Polialelia). PROFESSOR: Brenda Braga DATA:26/06/2014 Conceitos Básicos A genética básica estuda os princípios da hereditariedade ou herança biológica. Gene =

Leia mais

BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec GRUPO I

BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec GRUPO I A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 2º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Organismos em seus ambientes. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho UESPI

Organismos em seus ambientes. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho UESPI Organismos em seus ambientes Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho UESPI Em biologia, nada tem sentido, exceto à luz da evolução (Theodosius Dobzhansky) O significado da Adaptação É muito comum dizermos

Leia mais

Teoria da Evolução. Computação Evolucionária: Um pouco de biologia. Teoria da Evolução. Teoria da Evolução e os Genes. Cromossomos

Teoria da Evolução. Computação Evolucionária: Um pouco de biologia. Teoria da Evolução. Teoria da Evolução e os Genes. Cromossomos Computação Evolucionária: Um pouco biologia Teoria da Evolução Até o século XIX os cientistas mais proeminentes acreditavam em duas teorias principais: Criacionismo ( Deus criou o universo da forma que

Leia mais

Meiose. Texto extraído do site:

Meiose. Texto extraído do site: Meiose Texto extraído do site: http://www.sobiologia.com.br/ Diferentemente da mitose, em que uma célula diplóide, por exemplo, se divide formando duas células também diplóides (divisão equacional), a

Leia mais

Noções de Genética: COLÉGIO DIOCESANO SERIDOENSE CURSINHO PRÉ-ENEM PROFESSORA: MSc MONYKE LUCENA

Noções de Genética: COLÉGIO DIOCESANO SERIDOENSE CURSINHO PRÉ-ENEM PROFESSORA: MSc MONYKE LUCENA Noções de Genética: COLÉGIO DIOCESANO SERIDOENSE CURSINHO PRÉ-ENEM PROFESSORA: MSc MONYKE LUCENA Noções de Genética: Genética: É o estudo da hereditariedade. Hereditariedade: fenômeno que explica as semelhanças

Leia mais

Genética Quantitativa. Genética de características com herança complexa

Genética Quantitativa. Genética de características com herança complexa Genética Quantitativa Genética de características com herança complexa DIFERENÇAS ENTRE CARÁTER QUANTITATIVO 1 E QUALITATIVO 2 1 herança poligênica 1 estudadas em nível de população; descritas através

Leia mais

Quantitative Trait Loci

Quantitative Trait Loci Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Departamento de Fitotecnia - Programa de Pós-Graduação em Agronomia Quantitative Trait Loci (LOCOS DE CARACTERES QUANTITATIVOS) Alunos

Leia mais

Ficha de trabalho n.º 6 Hereditariedade Humana Turma: 12º A

Ficha de trabalho n.º 6 Hereditariedade Humana Turma: 12º A ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO BIOLOGIA - 12º ANO Ficha de trabalho n.º 6 Hereditariedade Humana Turma: 12º A Professora Isabel Lopes Em relação à teoria cromossómica da hereditariedade, podem

Leia mais

Cromossômicas Monogênicas Poligênicas ou Multifatoriais Mitocondriais

Cromossômicas Monogênicas Poligênicas ou Multifatoriais Mitocondriais Distúrbios Monogênicos ou MENDELIANOS DISTÚRBIOS MONOGÊNICOS E PRINCIPAIS PADRÕES DE HERANÇA Profa. Dra. Milena Flória-Santos Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola de Enfermagem

Leia mais

Ligação Gênica e Mapeamento

Ligação Gênica e Mapeamento Ligação Gênica e Mapeamento 09/02/2017 Profa. Dra. Angela Ikeda Adaptada da aula da Profa. Dra. Vanessa Kava 1 Princípio Mendeliano 2 Segregação Independente 3 Número de CROMOSSOMOS x Número de GENES 4

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS Unidade 2 - PATRIMÓNIO GENÉTICO Situação Problemática Que desafios se colocam à genética no melhoramento da qualidade de vida? Cap. 1.1 Transmissão

Leia mais

OS GENES NAS POPULAÇÕES. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

OS GENES NAS POPULAÇÕES. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas OS GENES NAS POPULAÇÕES Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas GENÉTICA POPULACIONAL Estudo dos genes e frequência dos alelos nas populações EQUILÍBRIO DE HARDY-WEINBERG

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Ciências 8 o ano Unidade 3 5 Unidade 3 Nome: Data: 1. As bactérias não têm núcleo nem DNA. Você concorda com essa afirmação? Justifique. 2. Uma mulher de 40 anos de idade está

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ECOLOGIA EVOLUTIVA

PRINCÍPIOS DE ECOLOGIA EVOLUTIVA PRINCÍPIOS DE ECOLOGIA EVOLUTIVA RELEMBRANDO... O que é Ecologia? Biosfera Ecossistema Comunidade População Organismo PENSAMENTO EVOLUTIVO E ECOLÓGICO Em biologia, nada tem sentido, exceto à luz a evolução

Leia mais

REVISÃO RECUPERAÇÃO FINAL DE ANO. 1ª LEI DE MENDEL (Cálculo de apenas 1 característica)

REVISÃO RECUPERAÇÃO FINAL DE ANO. 1ª LEI DE MENDEL (Cálculo de apenas 1 característica) Foz do Iguaçu, 10 de Novembro de 2016. Nome: Série Prof o : Ailton Pastro. 1 as séries A, B e C REVISÃO RECUPERAÇÃO FINAL DE ANO 1ª LEI DE MENDEL (Cálculo de apenas 1 característica) Cada característica

Leia mais

PATRIMÓNIO GENÉTICO. Hereditariedade - Consiste na transmissão das características de um indivíduo à sua descendência

PATRIMÓNIO GENÉTICO. Hereditariedade - Consiste na transmissão das características de um indivíduo à sua descendência PATRIMÓNIO GENÉTICO Hereditariedade - Consiste na transmissão das características de um indivíduo à sua descendência Para todas as características estudadas, Mendel verificou: -Existia uma uniformidade

Leia mais

Exercícios de Especiação

Exercícios de Especiação Exercícios de Especiação 1. (UEPB) Vários conceitos são utilizados para definir uma espécie. De maneira geral podemos dizer que uma espécie representa um conjunto de indivíduos com potencial, em condições

Leia mais

Segunda Lei de Mendel e Ligação Gênica

Segunda Lei de Mendel e Ligação Gênica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Campus Guanambi CURSO: Ensino Médio Integrado ANO: 3º DISCIPLINA: Biologia PROFESSORA: Dra. Jaqueline Figuerêdo Rosa Segunda Lei de Mendel e Ligação

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 36 MEIOSE

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 36 MEIOSE BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 36 MEIOSE Ploidia 2n n 4 3 2 interfase meiose I meiose II 4x 3x 2x x M M 1 Como pode cair no enem A meiose e a fecundação na reprodução sexuada são processos complementares,

Leia mais

As bases evolutivas da Saúde Pública Teoria da evolução

As bases evolutivas da Saúde Pública Teoria da evolução As bases evolutivas da Saúde Pública Teoria da evolução Claudia Torres Codeço codeco@procc.fiocruz.br 22 de Julho de 2003 Página 1 de 24 1. Epidemiologia: dinâmica de doenças na população Genética de populações:

Leia mais

3) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a:

3) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a: LISTA REVISÃO BIOLOGIA DIVISÃO CELULAR E GENÉTICA 1) Em urtigas o caráter denteado das folhas domina o caráter liso. Numa experiência de polinização cruzada, foi obtido o seguinte resultado: 89 denteadas

Leia mais

Desequilíbrio de ligação

Desequilíbrio de ligação Desequilíbrio de ligação Associação não aleatória de alelos em loci diferentes. É um indicador sensível das forças da genética de populações que estruturam o genoma. Crescimento de métodos para avaliar

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredogramas

Primeira Lei de Mendel e Heredogramas Primeira Lei de Mendel e Heredogramas Primeira Lei de Mendel e Heredogramas 1. O heredograma refere-se a uma característica controlada por um único par de genes (A e a). Assim, em relação a esta característica,

Leia mais

Teoria cromossômica da herança e genes ligados ao sexo. Herança a ligada ao sexo. Prof. Victor Martin Quintana Flores

Teoria cromossômica da herança e genes ligados ao sexo. Herança a ligada ao sexo. Prof. Victor Martin Quintana Flores Teoria cromossômica da herança e genes ligados ao sexo Herança a ligada ao sexo Genética BásicaB Prof. Victor Martin Quintana Flores 1 Nesta aula veremos como a transmissão de cromossomos está relacionada

Leia mais

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net

Leia mais

Introdução à Genética da Conservação: Diversidade Genética e Evolução das Populações Naturais

Introdução à Genética da Conservação: Diversidade Genética e Evolução das Populações Naturais Biologia da Conservação: Genética Professor: Fabrício R. Santos Bibliografia: Fundamentos de Genética da Conservação [Frankham et al. 2008] e artigos científicos http://www.icb.ufmg.br/labs/lbem/aulas/grad/biolcons

Leia mais

BIODIVERSIDADE E V O L U Ç Ã O. Qual a origem de tamanha variedade de seres vivos?

BIODIVERSIDADE E V O L U Ç Ã O. Qual a origem de tamanha variedade de seres vivos? EVOLUÇÃO BIODIVERSIDADE Qual a origem de tamanha variedade de seres vivos? FIXISMO Teorias A Fixismo 9 As espécies surgiram independentemente umas das outras (tal como se conhecem hoje) e mantiveram-se

Leia mais

DIVISÃO CELULAR MÓDULO 2 CITOLOGIA

DIVISÃO CELULAR MÓDULO 2 CITOLOGIA DIVISÃO CELULAR MÓDULO 2 CITOLOGIA DIVISÃO CELULAR DIVISÕES CELULARES são processos através dos quais uma célula-mãe dá origem a duas ou mais células-filhas. Elas são necessárias para o crescimento de

Leia mais

Gene tica. O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as futuras gerações. Genética Clássica -> Mendel(1856)

Gene tica. O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as futuras gerações. Genética Clássica -> Mendel(1856) Gene tica Conceitos básicos Na semente estão contidas todas as partes do corpo do homem que serão formadas. A criança que se desenvolve no útero da mãe tem as raízes da barba e do cabelo que nascerão um

Leia mais

Seleção Natural. Seleção Natural. Seleção Natural. Valor Adaptativo ( Fitness )

Seleção Natural. Seleção Natural. Seleção Natural. Valor Adaptativo ( Fitness ) eleção Natural eleção Natural: obrevivência e reprodução diferencial de indivíduos na população Valor daptativo: progênie gerada que sobrevive e reproduz na próxima geração eleção natural requer variação

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓLGICAS Disciplina: Ecologia e Diversidade Biológica

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓLGICAS Disciplina: Ecologia e Diversidade Biológica UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓLGICAS Disciplina: Ecologia e Diversidade Biológica 01. Considerando os níveis de complexibilidade e interrelações, distinguem-se

Leia mais

Unidade 6 Reprodução nos seres vivos

Unidade 6 Reprodução nos seres vivos Unidade 6 Reprodução nos seres vivos Reprodução sexuada Os descendentes apresentam carateres comuns entre si e em relação aos progenitores de típicos da espécie a que pertencem, mas diferem significativamente

Leia mais

geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje. Fonte: Ciências da natureza e suas tecnologias Biologia 1. Adaptado.

geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje. Fonte: Ciências da natureza e suas tecnologias Biologia 1. Adaptado. Atividade extra Questão 1 Um monge britânico dedicou grande parte de sua vida ao estudo da transmissão de características de uma geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje.

Leia mais

Teoria neutralista da evolução molecular

Teoria neutralista da evolução molecular Teoria neutralista da evolução molecular Polimorfsmos genétcos Um locus gênico é considerado polimórfco se a frequência de um dos alelos na população é menor que 99% O polimorfsmo, obviamente, é resultado

Leia mais

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): BRUNO RAMELLO DIA: MÊS: 06. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( )

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): BRUNO RAMELLO DIA: MÊS: 06. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( ) LISTA: 09 2ª série Ensino Médio Professor(a): BRUNO RAMELLO Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: 01 - (USP/2015) Localizado no cromossomo Y, o gene SRY é responsável pela síntese de um fator

Leia mais

Cov(P p, P o ) = Cov(g ap, g ao ) + Cov(g dp, g do ) Cov(P p, P o ) = Cov(g ap, ½g ap + α m ) Cov(P p, P o ) = Cov(g ap, ½g ap ) + Cov(g ap, α m )

Cov(P p, P o ) = Cov(g ap, g ao ) + Cov(g dp, g do ) Cov(P p, P o ) = Cov(g ap, ½g ap + α m ) Cov(P p, P o ) = Cov(g ap, ½g ap ) + Cov(g ap, α m ) Como etudar genética em genótipo? Correlação entre parente epota à eleção Cruamento controlado Correlação entre parente Covariância fenotípica - mede o quanto o fenótipo de doi indivíduo deviam da média

Leia mais

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Piracicaba, 2013 1 -Introdução Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexuadamente ou sexuadamente

Leia mais

MAPEAMENTO CROMOSSÔMICO

MAPEAMENTO CROMOSSÔMICO LOCOS DE CARACTERÍSTICAS QUANTITATIVAS HERANÇA QUANTITATIVA Onde estão os genes que contribuem com as características quantitativas? MAPEAMENTO CROMOSSÔMICO 1 LOCOS DE CARACTERÍSTICAS QUANTITATIVAS MAPEAMENTO

Leia mais

BC.09: Herança de um par de alelos BIOLOGIA

BC.09: Herança de um par de alelos BIOLOGIA ATIVIDADES A provável fórmula genética dos cruzantes é: 1. Pessoas de mesmo genótipo para o caráter cor da pele podem adquirir fenótipos diferentes expondo-se mais ou menos às radiações solares. Tal fato

Leia mais

Genética Conceitos Básicos

Genética Conceitos Básicos Genética Conceitos Básicos O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: Genética Clássica Mendel (1856 1865) Genética Moderna Watson e Crick (1953).

Leia mais

Sala de Estudos Biologia Professor Gustavo Baviera Genética

Sala de Estudos Biologia Professor Gustavo Baviera Genética 1ª Lei de Mendel Sala de Estudos Biologia Professor Gustavo Baviera Genética 1. No porquinho-da-índia existe um par de genes autossômicos que determina a cor da pelagem: o alelo dominante B determina a

Leia mais

GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos

GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos FONTE: www.klickeducacao.com.br GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos História Mentor Gregor Mendel (1822 a 1884); Formação Matemática e Ciências Naturais; Pesquisa Variabilidade genética de plantas

Leia mais

AU01. Aspectos Genéticos da Mitose e Meiose. Emanuele Cristina Pesenti. Doutoranda PPG-GEN

AU01. Aspectos Genéticos da Mitose e Meiose. Emanuele Cristina Pesenti. Doutoranda PPG-GEN AU01 Aspectos Genéticos da Mitose e Meiose Emanuele Cristina Pesenti Doutoranda PPG-GEN emanuelepesenti@gmail.com Resumo Cromossomos Eucarióticos: Intrudução acerca da estrutura e organização dos cromossomos

Leia mais

1. Na família abaixo há três indivíduos afetados por uma doença neurológica muito rara.

1. Na família abaixo há três indivíduos afetados por uma doença neurológica muito rara. 1. Na família abaixo há três indivíduos afetados por uma doença neurológica muito rara. I Dê as razões para que essa doença tenha ou não tenha herança: a ligada ao X dominante. Não é esse o padrão de herança,

Leia mais

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Cap.1.1.Transmissão das Características Hereditárias (1ªParte) Genética Mendeliana Biologia 12º ano UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO

Leia mais

Por quê? Mendelismo após Ronald A. Fisher. Dois aspectos essenciais à maioria de características genéticas

Por quê? Mendelismo após Ronald A. Fisher. Dois aspectos essenciais à maioria de características genéticas Dois aspectos essenciais à maioria de características genéticas Complexidade da relação entre genótipo e fenótipo que representa uma interação entre múltiplos fatores genéticos e ambientais A confusão

Leia mais

LGN GENÉTICA. Aula 2 - Genética da Transmissão I. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello

LGN GENÉTICA. Aula 2 - Genética da Transmissão I. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello LGN 215 - GENÉTICA Aula 2 - Genética da Transmissão I Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz

Leia mais