Introdução de (EN) ISO Dispositivos de intertravamento associados às proteções

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução de (EN) ISO 14119 Dispositivos de intertravamento associados às proteções"

Transcrição

1 Introdução de (EN) ISO Dispositivos de intertravamento associados às proteções Derek Jones Gerente de desenvolvimento de negócios (Engenheiro de segurança funcional TÜV Rheinland) David Reade Consultor de desenvolvimento de negócios (Especialista em segurança funcional TÜV Rheinland) Muitos tipos de máquinas usam portas de proteção intertravadas para segurança. A norma que rege as diretrizes sobre o design e seleção dos dispositivos de intertravamento de segurança foi significativamente revisada. A nova norma, (EN) ISO Interlocking Devices Associated with Guards Principles for Design and Selection (Dispositivos de intertravamento associados às proteções Princípios para design e seleção), foi aceita por votação em agosto de Haverá uma sobreposição de dezoito meses com a versão previamente existente (EN 1088/ISO 14119:1998), mas seria prudente começar a se familiarizar com a nova edição assim que possível. Essa publicação pode ter novas implicações no design de alguns sistemas de intertravamento para proteção. A norma se aplica aos desenvolvedores de sistemas de intertravamento (por exemplo, fabricantes de máquinas, integradores) e aos fabricantes de dispositivos de intertravamento. É importante observar que isso se aplica ao design de novas máquinas. As instalações existentes não são necessariamente afetadas. Contudo, há alguns requisitos referentes à manutenção, teste funcional e substituição de componentes. A nova norma esclarece muitas áreas obscuras existentes, além de reconhecer o uso da tecnologia contemporânea no design de chaves de intertravamento. Essa publicação tem o intuito de resumir as alterações da edição anterior. Então, como a (EN) ISO vai afetá-lo? Características gerais Instalação (Distância de segurança mínima) A norma esclarece um equívoco comum sobre as proteções de intertravamento. O equívoco tem a ver com a distância de separação mínima entre a porta da proteção e o perigo. As proteções de intertravamento devem ser instaladas em uma distância mínima de modo que uma pessoa não consiga ter acesso ao perigo antes dele ser controlado (por exemplo, as paradas de máquinas). Isso significa que podem ser necessárias proteções com travamento de proteção. A distância mínima é calculada de acordo com a ISO

2 2 Introdução de (EN) ISO Dispositivos de intertravamento associados às proteções Contatos sem tensão conectados em série (por exemplo, eletromecânicos) O mascaramento ou obscurecimento da falha e a possibilidade de reset não intencional em decorrência de condição de falha sempre foram problemas nos sistemas de segurança em que vários dispositivos com contatos sem tensão (eletromecânicos) são conectados em série. A nova normal deixa claro que o efeito da Cobertura de Diagnóstico (DC) e o Nível de Desempenho (PL) ou Haverá uma sobreposição de 18 meses com a versão previamente existente (EN 1088/ISO 14119:1998), mas seria prudente começar a se familiarizar com a nova edição assim que possível. Nível de Integridade de Segurança (SIL) devem ser levados em consideração ao calcular esses parâmetros tanto com relação a (EN) ISO quanto a IEC Esse problema será tratado em detalhes em um Relatório Técnico (TR) informativo da ISO, que está sendo elaborado. Até agora, foi comumente aceito que os intertravamentos com contatos sem tensão simples conectados em série podem atingir 60% da CC e até PLd, mas não PLe. O TR deve confirmar a restrição de PLe, além de fornecer orientações para determinação da CC máxima que pode ser atingida. Dependendo das características da aplicação, isso pode provocar alterações para alguns sistemas. Em alguns casos, pode ser possível que os sistemas que antigamente foram considerados como atingindo 60% da CC e PLd, no futuro possam ser considerados como atingindo apenas zero % da CC e CLP. É importante observar que esse problema está relacionado apenas com a conexão em série dos dispositivos de intertravamento com contatos sem tensão simples. Os dispositivos de intertravamento com capacidade de automonitoração integrada e saídas de estado sólido (por exemplo, chaves sem contato RFID SensaGuard ) podem atingir o nível de desempenho máximo de PLe mesmo quando vários dispositivos estiverem conectados em série. Avaliação de falhas Restrição de exclusão de falha ao PLd para ponto único de falha A norma esclarece que os dispositivos de intertravamento que dependem do uso de exclusão de falha porque têm um único ponto de falha são, em geral, limitados ao PLd máximo. A falha única pode ser a chave (lingueta) ou parte do vínculo mecânico. Uma falha única como essa pode fazer com que ambos os contatos de saída elétrica forneçam um sinal errado. Os contato devem sempre concordar certo ou errado. A possibilidade de uma única falha mecânica provocar uma perda da função de segurança pode ser evitada usando uma tecnologia de intertravamento sem contato de canal duplo. Por exemplo, o SensaGuard e TLSZ-GD2 da Rockwell Automation, com o recurso de automonitoração integrado e as saídas de semicondutores, atingem o desempenho PLe e não ficam sujeitos à tais considerações de exclusão de falha Linha SensaGuard de chaves de intertravamento SensaGuard com trava integrada

3 3 Introdução de (EN) ISO Dispositivos de intertravamento associados às proteções Observe que é permitida uma exceção à restrição de PLd para a exclusão de falha com relação a função de travamento, que, em algumas circunstâncias, pode atingir PLe (consulte o texto posterior Exclusão de falha para travamento de proteção ). Dispositivos de intertravamento usados com pouca frequência Alguns tipos de dispositivos de intertravamento de portas de proteção dependem da abertura da porta de proteção para iniciar os testes de todas as falhas até então não identificadas. As situações descritas acima foram esclarecidas nessa nova norma e, onde este for o caso e a porta de proteção for usada com pouca frequência, haverá necessidade de realizar o teste funcional pelo menos uma vez por mês para PLe e pelo menos a cada 12 meses para PLd para detectar um possível acúmulo de falhas. O teste funcional normalmente envolve a abertura e fechamento da porta de proteção. Resistência à anulação A nova norma fornece informações específicas sobre as medidas que devem ser usadas para minimizar a possibilidade de anular os dispositivos de intertravamento. Um desses métodos é o uso de dispositivos com codificação de alto nível (por exemplo, chaves sem contato TLSZ-GD2 GuardLocking e SensaGuard). Foram definidos três níveis de codificação de dispositivos: baixo nível (<10 códigos), nível médio (10 a 1000 códigos) e alto nível (>1000 códigos). A norma também fornece um método para os fabricantes de máquinas identificarem as possíveis motivações de anulação dos dispositivos de intertravamento de modo que possam impedir ou dificultar tal anulação. Dispositivos de intertravamento com travamento de proteção Funcionalidade distinta enfatizada, por exemplo, monitoração da porta, monitoração da trava, travamento Tem sido uma prática comum considerar os dispositivos de intertravamento como algo que tem apenas uma função de segurança, mas a nova norma nos incentiva a ir mais fundo. Por exemplo, um dispositivo de intertravamento com travamento de proteção pode oferecer a função de monitoração da posição da porta de proteção além da função de travamento da porta de proteção. Cada uma dessas funções necessita de um PL diferente. De acordo com a norma, os dispositivos de travamento devem ter um novo símbolo que mostra que a função de travamento é monitorada. Técnicas de travamento biestáveis (Alimentação para Travar e Alimentação para Liberar) são reconhecidas e recebem o mesmo status preferencial do princípio Alimentação para Liberar para aplicações em que a função de travamento tem relação com a segurança. Travamento eletromagnético (Alimentação para Travar) também é reconhecida, mas agora existem requisitos específicos adicionais que devem ser atendidos. Por exemplo, a força de retenção deve ser monitorada continuamente e deve haver medidas para intimidar a anulação através da força. Na maioria das travas eletromagnéticas, as disposições do princípio Alimentação para Travar também devem ser levadas em conta (consulte o Princípio Alimentação para Travar a seguir). Princípio Alimentação para Travar A norma esclarece que a perda da alimentação resulta no desbloqueio da proteção. Para uma aplicação em que a função de travamento tem implicações de segurança (consulte Instalação Distância de segurança mínima ), a norma afirma que deve ser proporcionado um nível de segurança equivalente aos princípios de Alimentação para Liberar ou de travamento biestáveis. Para algumas aplicações, isso pode impedir o uso de uma solução de Alimentação para Travar.

4 4 Introdução de (EN) ISO Dispositivos de intertravamento associados às proteções Liberação auxiliar, de escape e de emergência Para algumas aplicações, pode ser necessário um recurso de liberação suplementar do travamento de proteção. Quando o dispositivo de intertravamento é fornecido com recurso de liberação, há alguns requisitos que devem ser atendidos: Se a liberação auxiliar for fornecida: a. a liberação deve exigir o uso de uma ferramenta, b. o reset deve exigir o uso de uma ferramenta ou medida do sistema de controle adequado. Se a liberação de escape (para saída de dentro da proteção) for fornecida: a. a liberação deve ser possível sem ferramentas. Se a liberação de emergência (para acesso dentro da proteção) for fornecida: a. a liberação deve ser possível sem ferramentas. b. o reset deve exigir o uso de uma ferramenta ou medida do sistema de controle adequado. Teste da força de retenção da trava Foi introduzido um novo teste com coeficiente de segurança de 130%. Por exemplo, um dispositivo com força de retenção máxima especificada (FZh) de 1000N requer um teste com passagem de força (F1máx) a 1300N. Força máxima da porta de proteção O anexo fornece orientações sobre a força estática máxima que uma pessoa pode exercer em uma porta de proteção. Isso é muito útil para determinar qual força de retenção (FZh) especificada é necessária de um dispositivo de travamento para uma aplicação. Exclusão de falha para travamento de proteção O PL ou SIL da função de travamento de proteção não fica necessariamente limitado ao uso da exclusão de falhas para quebra de um parafuso de bloqueio mecânico se os requisitos específicos forem satisfeitos. Isso significa que a força de retenção (F Zh ) especificada do dispositivo de travamento de proteção deve ser suficiente para suportar as forças estáticas esperadas sobre o parafuso de bloqueio e que quaisquer efeitos sobre o dispositivo, decorrentes de forças dinâmicas devido ao movimento da proteção, sejam impedidos. Por exemplo, em algumas aplicações, Guardmaster 440G-TLSZ e 440G-LZ atingem PLe tanto na função de monitoração da proteção quanto na função de travamento. Entretanto, a norma também proporciona a perspectiva de que, às vezes, o PL necessário da função de monitoração de travamento pode ser inferior ao PL necessário da função de monitoração da proteção. Sistemas de chave com segredo O escopo da norma explica que seus requisitos não fornecem necessariamente todos os requisitos específicos para sistemas e dispositivos de chaves com segredo.

5 5 Introdução de (EN) ISO Dispositivos de intertravamento associados às proteções Classificação do dispositivo de intertravamento Foi fornecido um novo sistema de classificação para os dispositivos de intertravamento, que agora são designados como tipos 1 a 4 (consulte a Tabela 1 abaixo). Esses tipos não são hierárquicos e não devem ser confundidos com outros tipos de produtos, por exemplo, cortinas de luz. RESUMO Produto Um dos aspectos mais importantes da nova edição da (EN) ISO é que ela reconhece e oferece orientações úteis sobre o design e seleção dos dispositivos de intertravamento com tecnologia contemporânea, incluindo o uso de tecnologia programável e eletrônica complexa, como, por exemplo, codificação RFID. Há uma variedade de produtos da Rockwell Automation que incorporam as funções descritas na (EN) ISO Por exemplo, as linhas de chaves de travamento de proteção TLSZ-GD2 e 440G-LZ foram os produtos introduzidos mais recentemente. Ferramentas A Rockwell Automation tem uma variedade de ferramentas poderosas que permitem aos designers quantificarem as economias e ganhos de produtividade decorrentes de investimentos de segurança, determinando a eficácia da fábrica em melhorias contínuas de segurança através de bibliotecas de funções de segurança, planejamento de sistemas de segurança, seleção de produtos e análise de sistemas.

6 6 Introdução de (EN) ISO Dispositivos de intertravamento associados às proteções Por exemplo, o Safety Automation Builder ajuda os usuários a elaborar, validar e implementar o design do sistema de segurança com resultados da qualificação do nível de desempenho do sistema e lista completa de materiais. A Safety Functions Library oferece uma variedade de funções de segurança predefinidas e alimenta o sistema com dados para a entrada, lógica e atuação da função requisitada. Os diagramas de conexão e a seleção de produtos também foram incluídos. Outras ferramentas, como o kit de ferramentas aceleradoras de segurança, também ajudam na elaboração, desenvolvimento e entrega dos sistemas de segurança Competência A Rockwell Automation orgulha-se de ter uma ampla equipe de engenheiros de segurança funcional TÜV Rheinland para auxiliar em vários tópicos desde legislação até seleção de produtos e, que, certamente estarão disponíveis para consultas gratuitas se necessário e mediante disponibilidade. Guardmaster, Rockwell Automation e SensaGuard são marcas comerciais da Rockwell Automation, Inc. Número da publicação: SAFETY-WP019A-PT-P Copyright 2014 Rockwell Automation, Inc. Todos os direitos reservados.

Chaves de segurança. Segurança e produtividade aprimoradas

Chaves de segurança. Segurança e produtividade aprimoradas Chaves de segurança Segurança e produtividade aprimoradas R UMA FAMÍLIA ABRANGENTE DE CHAVES DE SEGURANÇA As chaves de segurança Guardmaster Allen-Bradley da Rockwell Automation ajudam a proteger o pessoal

Leia mais

Função de segurança: Monitoração e travamento de porta Produtos: Relés de segurança TLSZR-GD2/Guardmaster

Função de segurança: Monitoração e travamento de porta Produtos: Relés de segurança TLSZR-GD2/Guardmaster Função de segurança: Monitoração e travamento de porta Produtos: Relés de segurança TLSZR-GD2/Guardmaster Classificação de segurança: PLe, Cat. 4 para EN ISO 13849.1 2008 Sumário Introdução 3 Informações

Leia mais

Proteção do Gate de Segurança Simples Usando o Pacote do Controlador de Segurança SmartGuard 600

Proteção do Gate de Segurança Simples Usando o Pacote do Controlador de Segurança SmartGuard 600 Exemplo de Aplicação de Segurança Proteção do Gate de Segurança Simples Usando o Pacote do Controlador de Segurança SmartGuard 600 Exemplo de Rede de Segurança habilitada Classificação de Segurança: Categoria

Leia mais

Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão

Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão Projetados para inteligência, segurança e confiabilidade Centros de controle de motores e distribuição de cargas de alto desempenho que atendem

Leia mais

Função de segurança: Monitoração de porta Produtos: Controlador Trojan 5 Switch/GuardLogix

Função de segurança: Monitoração de porta Produtos: Controlador Trojan 5 Switch/GuardLogix Função de segurança: Monitoração de porta Produtos: Controlador Trojan 5 Switch/GuardLogix Classificação de segurança: PLe, Cat. 4 para EN ISO 13849.1 2008 Sumário Introdução 3 Informações importantes

Leia mais

Função de segurança: Controle bimanual Produtos: Botões 800Z Zero-Force Controlador GuardLogix Módulo POINT Guard Safety I/O

Função de segurança: Controle bimanual Produtos: Botões 800Z Zero-Force Controlador GuardLogix Módulo POINT Guard Safety I/O Função de segurança: Controle bimanual Produtos: Botões 800Z Zero-Force Controlador GuardLogix Módulo POINT Guard Safety I/O Classificação de segurança: PLe, Cat. 4 para EN ISO 13849.1 2008 Sumário Introdução

Leia mais

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P 1 Blocos de segurança para Prensas tipo N e P Conteúdo Introdução Referências normativas Bloco tipo N Bloco tipo P Considerações finais 2 Introdução Prensas hidráulicas são máquinas responsáveis pela conformação,

Leia mais

Uma abordagem holística para a automação da segurança

Uma abordagem holística para a automação da segurança Uma abordagem holística para a automação da segurança Como a tecnologia, padrões globais e sistemas abertos ajudam a aumentar a produtividade e a eficácia global do equipamento Por: Dan Hornbeck Todos

Leia mais

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 3 PROTEÇÕES MECÂNICAS MÓVEIS

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 3 PROTEÇÕES MECÂNICAS MÓVEIS MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 3 PROTEÇÕES MECÂNICAS MÓVEIS INTRODUÇÃO Este trabalho é uma compilação de informações sobre várias formas de proteções em máquinas e equipamentos. A Norma

Leia mais

Controle de Parada de Emergência Usando o Pacote do Controlador de Segurança SmartGuard 600

Controle de Parada de Emergência Usando o Pacote do Controlador de Segurança SmartGuard 600 Exemplo de Aplicação de Segurança Controle de Parada de Emergência Usando o Pacote do Controlador de Segurança SmartGuard 600 Exemplo de Rede de Segurança habilitada Classificação de Segurança: Categoria

Leia mais

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 1 DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA (DE EMERGÊNCIA)

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 1 DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA (DE EMERGÊNCIA) MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 1 DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA (DE EMERGÊNCIA) INTRODUÇÃO Este trabalho é uma compilação de informações sobre várias formas de proteções

Leia mais

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Portaria n.º 197, de 17 de dezembro de 2010 17 de outubro 2011 Eng João Baptista Beck Pinto REVISÃO NR-12 Art. 2º Criar a Comissão Nacional Tripartite

Leia mais

Função de segurança: Trava e monitoração de portas Produtos: TLS3-GD2 Controlador GuardLogix Módulos POINT Guard Safety I/O

Função de segurança: Trava e monitoração de portas Produtos: TLS3-GD2 Controlador GuardLogix Módulos POINT Guard Safety I/O Função de segurança: Trava e monitoração de portas Produtos: TLS3-GD2 Controlador GuardLogix Módulos POINT Guard Safety I/O Classificação de segurança: PLe, Cat. 4 para EN ISO 13849.1 2008 Sumário Introdução

Leia mais

Opção Safe Torque Off (Série B) para inversores PowerFlex 40P e PowerFlex 70 de controle aprimorado

Opção Safe Torque Off (Série B) para inversores PowerFlex 40P e PowerFlex 70 de controle aprimorado Manual do usuário Opção Safe Torque Off (Série B) para inversores PowerFlex 40P e PowerFlex 70 de controle aprimorado Código de catálogo 20-DG01 Assunto Página Generalidades 2 O que é a opção DriveGuard

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

NR 12 e os Anexos VI e VII:

NR 12 e os Anexos VI e VII: TREINAMENTO FIEMG - 28/02/2013 NR 12 e os Anexos VI e VII: Diagnóstico em Fev/2013 Marcos Ribeiro Botelho Auditor-Fiscal do Trabalho SRTE/MG 31-32706151 Paralelo entre as duas NR-12 Antiga NR-12 NR-12

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Manfred Peter Johann Gerente de Vendas da WEG Automação A crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de uma máquina ou

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Chave de segurança codifi cada por transponder CTP com bloqueio

Chave de segurança codifi cada por transponder CTP com bloqueio Chave de segurança codifi cada por transponder CTP com bloqueio A chave de segurança CTP A chave de segurança CTP combina o comprovado princípio de funcionamento das chaves de segurança eletromecânicas

Leia mais

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355.

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Sócio do Grupo Rumo Engenharia www.rumoengenharia.com.br Telefone: (15) 3331-2300 Celular: (15) 9 9742-9819 Diretor da Área de Engenharia

Leia mais

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores SIRIUS 3RM1 Multifuncionais e com apenas 22,5 mm de largura siemens.com/motorstarter/3rm1 Answers for industry. Acionamento de motores

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Segurança Chaves de Intertravamento e Sensores de Segurança

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Segurança Chaves de Intertravamento e Sensores de Segurança Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Soluções em Segurança de Intertravamento e Sensores de Segurança de Intertravamento de Segurança Operada por Lingueta sem Solenóide CISC - Compacta

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50 www.giovenzana.com A nova EN 81-20 substitui o EN 81-2 & EN 81-1. EN 81-20: Passageiros e Mercadorias / Elevadores de Passageiros Contém requisitos para a instalação completa

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência 2 Serviços para gerenciar o ciclo de vida dos inversores de média

Leia mais

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA.

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA. Política e Termos de Suporte da CA 1. Visão Geral O Suporte para softwares da CA consiste em assistência operacional e suporte técnico oferecidos pela CA, a seu critério razoável, durante o prazo estabelecido

Leia mais

COMPONENTES. Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW

COMPONENTES. Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW COMPONENTES Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW Informações gerais A chave SW sem carga é uma gama completa projetada para cobrir todas as aplicações a serem cumpridas em subestações

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Instruções de funcionamento originais Dispositivo de comutação de segurança com saídas de relé G1501S 706326 / 00 01 / 2014

Instruções de funcionamento originais Dispositivo de comutação de segurança com saídas de relé G1501S 706326 / 00 01 / 2014 Instruções de funcionamento originais Dispositivo de comutação de segurança com saídas de relé G50S 706326 / 00 0 / 204 Índice Introdução 4. Símbolos utilizados 4 2 Instruções de segurança 4 3 Material

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios Descrição do serviço Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios CAA-1013 Visão geral do serviço Esta Descrição do serviço ( Descrição do serviço ) é firmada por você, o cliente, ( você ou Cliente ) e

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C

Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C Isolamento da Energia Pneumática Categoria 4 Líder na Tecnologia de Válvulas de Segurança Desde 1950 2005 Tecnologia e experiência 1995 2000 1980 1976 1967 1962 1954

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Estudo técnico Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Aumento da segurança da cozinha através da monitoração de gás estratégica Visão geral Cozinhas comerciais são uma das áreas

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

Auto-programáveis de controlo de acesso Cartão de Proximidade

Auto-programáveis de controlo de acesso Cartão de Proximidade Auto-programáveis de controlo de acesso Cartão de Proximidade Fechadura Design estreito permite a instalação em todos os tipos de portas. Ela pode incorporar diferentes alças e trava de encaixe. Dois modelos

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção 2008: issue 3 A publication of Caterpillar Global Mining Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção Minas de sucesso usam medidas-chave para melhorar a disponibilidade O

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Manual MOVIFIT -MC/-FC Segurança de funcionamento

Manual MOVIFIT -MC/-FC Segurança de funcionamento Tecnologia do Acionamento \ Automação \ Sistemas Integrados \ Manual MOVIFIT -MC/-FC Segurança de funcionamento Edição 07/2011 19300581 / BP SEW-EURODRIVE Driving the world Índice 1 Informações gerais...

Leia mais

Função de segurança: Velocidade zero, velocidade limitada segura, direção segura

Função de segurança: Velocidade zero, velocidade limitada segura, direção segura Técnica de aplicação Função de segurança: Velocidade zero, velocidade limitada segura, direção segura Produtos: Módulo opcional PowerFlex 750 Safe Speed Monitor / Seccionadora TLS3-GD2 / Controlador GuardLogix

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR

CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR SATISFAÇA HOJE AS NECESSIDADES DE PRODUÇÃO DO FUTURO CONTROLE INTELIGEN PARTE INTEGRAL DE SUA ARQUITETURA INTEGRADA Sabemos que você precisa controlar o rendimento, reduzir

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Solitaire Interglobal

Solitaire Interglobal Solitaire Interglobal POWERLINUX OU WINDOWS PARA IMPLANTAÇÃO SAP Escolher entre as plataformas concorrentes de sistema operacional Linux e Windows para SAP pode ser uma tarefa confusa para as organizações.

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

Segurança em Máquinas Soluções Rexroth

Segurança em Máquinas Soluções Rexroth Segurança em Máquinas Soluções Rexroth 2 Produtividade necessita de segurança Sistema ABS de antibloqueio de frenagem, controle eletrônico do chassis e sensores de aviso de distância são características

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

PanelView 800. Soluções de vizualização para máquinas de pequeno porte da Allen-Bradley

PanelView 800. Soluções de vizualização para máquinas de pequeno porte da Allen-Bradley PanelView 800 Soluções de vizualização para máquinas de pequeno porte da Allen-Bradley PanelView 800 Terminais gráficos PanelView 800 Quando você busca agregar valor e reduzir o custo da sua interface

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Manual do Usuário [Ver.V4] Página 1 SUMARIO 1- Identificação e suas FUNCIONALIDADES:... 3 2- Características... 5 3- Cadastrando 1 ou mais números na discadora...

Leia mais

Produtos pneumáticos para sistemas de segurança

Produtos pneumáticos para sistemas de segurança E Produtos pneumáticos para sistemas de segurança Conteúdo (BS EN 983 EN692) EN 983 Válvula de alívio (5.1.2) Suprimento de pressão (5.1.4) Fechamento (desligar) Cilindros com travamento Conexão-retenção

Leia mais

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica Manual do Usuário Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica MANUAL DO USUÁRIO Introdução A norma para Instalações elétricas de baixa tensão, NBR 5410:2004,

Leia mais

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto Aplicação da Preditiva on-line Como Ferramenta para o Aumento da Disponibilidade e Confiabilidade dos Equipamentos Rotativos em uma Empresado Ramo Petrolífero Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Leia mais

IBM Managed Security Services for Agent Redeployment and Reactivation

IBM Managed Security Services for Agent Redeployment and Reactivation Descrição de Serviços IBM Managed Security Services for Agent Redeployment and Reactivation EM ADIÇÃO AOS TERMOS E CONDIÇÕES ESPECIFICADOS ABAIXO, ESSA DESCRIÇÃO DE SERVIÇOS INCLUI AS IBM MANAGED SECURITY

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15):

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em 25 de Junho de 2015 pela Portaria MTE 857 do Ministério do Trabalho

Leia mais

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz SENAC GO Gestão da Tecnologia da Informação Tópicos especiais em administração Professor Itair Pereira da Silva Alunos: Eduardo Vaz Jalles Gonçalves COBIT COBIT (CONTROL OBJETIVES FOR INFORMATION AND RELATED

Leia mais

CommandCenter Geração 4 SO Geração 4 10.0.49-65 Observações Sobre a Versão da Atualização de Software 2015-2

CommandCenter Geração 4 SO Geração 4 10.0.49-65 Observações Sobre a Versão da Atualização de Software 2015-2 Observações Importantes As ativações de software são intransferíveis nos casos de perda, roubo ou destruição do equipamento. Recomenda-se fazer seguro das máquinas com um CommandCenter Geração 4 no valor

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Cilindro eletrónico STX

Cilindro eletrónico STX Cilindro eletrónico STX A instalação é igual ao de um cilindro de perfil europeu mecânica. Ele opera de forma autónoma e não necessita de instalação de cabos. Simplesmente chave. Os elementos de comando

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO F 19

GUIA DE INSTALAÇÃO F 19 GUIA DE INSTALAÇÃO F 19 1. Instalação do equipamento (1)Cole o modelo de montagem na (2) Remova o parafuso na parte (3) Tire a placa traseira. parede, Faça os furos de acordo inferior do dispositivo com

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

Imóvel Mix SGI. 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários

Imóvel Mix SGI. 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários Imóvel Mix SGI Imóvel Mix SGI 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários 5. Controle de Acesso 6. Cadastro de Clientes 7. Cadastro de Imóveis 8. Vistoria

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Soluções de proteção do motor. Protegendo seus investimentos

Soluções de proteção do motor. Protegendo seus investimentos Soluções de proteção do motor Protegendo seus investimentos Soluções de proteção do motor A linha de dispositivos de proteção de motores da Allen-Bradley abrange equipamentos de proteção simples para fins

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

Engenharia de Sistemas de Computador

Engenharia de Sistemas de Computador Engenharia de Sistemas de Computador Sistema é um conjunto ou disposição de elementos que é organizado para executar certo método, procedimento ou controle ao processar informações. Assim, o que é um Sistema????????

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA The High Performance Company ÍNDICE 1.0 Introdução...1 1.1 Termos e abreviações... 1 1.2 Acrônimos... 1 1.3 Suporte ao produto... 2 1.4 Literatura

Leia mais

Segurança de sistemas de comando. Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1

Segurança de sistemas de comando. Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1 Segurança de sistemas de comando Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1 EN ISO 13849-1:2008 (ISO 13849-1:2006) Segurança de máquinas - Partes dos sistemas de comando relativos à segurança - Parte

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo animal Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo animal Visão rápida O FDA oferece esta tradução como um serviço para um grande público internacional. Esperamos que você a ache útil. Embora a agência tenha tentado obter uma tradução o mais fiel possível à versão em inglês,

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Fotovoltaico de Qualidade

Fotovoltaico de Qualidade Análise de Problemas ao Longo da Vida Útil de um Sistema Solar Rodolfo Henrique Engº de Aplicações SICES BRASIL Conteúdo da Palestra o o o o Inversor Solar Introdução Topologias de Conversão Problemas

Leia mais

Este sistema impede o funcionamento do motor por qualquer outro meio que não seja através da chave de ignição pertencente ao veiculo.

Este sistema impede o funcionamento do motor por qualquer outro meio que não seja através da chave de ignição pertencente ao veiculo. SISTEMA DE IMOBILIZAÇÃO DE VEÍCULOS IMOBILIZADOR Este sistema impede o funcionamento do motor por qualquer outro meio que não seja através da chave de ignição pertencente ao veiculo. 0 sistema de imobilização

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

Gestão de escopo do projeto

Gestão de escopo do projeto Nome Número: Série Gestão de escopo do projeto Assegura que o projeto contemple todo o trabalho, e apenas o trabalho necessário, para que a missão do projeto seja atingida. Escopo do projeto Quantidade

Leia mais

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08 COMPONENTES Contatores de potência Tipo 09.08 / 18.08 Informações gerais O contator, com mais de cem mil unidades em operação em todo o mundo, é um contator valorizado pelos construtores de vagões e operadores

Leia mais