Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil"

Transcrição

1 Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 19/05/2016 Próxima Atualização 15/06/2016

2 Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe Preparado pelo PE Probe para Índice I. Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil 1. Principais indicadores macroeconómicos. 2.Taxas de câmbio e Notações de rating 3. Evolução dos Indicadores Macroeconómicos 4. Principais Índice Bolsistas 5. Comércio Internacional de bens.. 6. Investimento direto estrangeiro (IDE) 7. Turismo III. Região Nordeste 1. Perfil empresarial e industrial Comparação com o Brasil Comparação com outras Economias (Brasil, Portugal, Angola, Argentina, Colômbia e Perú) IV. Estados do Nordeste Brasileiro Selecionados 1. Bahia Paraíba Pernambuco V. Outros Estados Brasileiros 1. Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo

3 Copyright 2016 PE Probe 3 Preparado pelo PE Probe para I. Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

4 1. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2015 População, Produto per capita, Crescimento económico, Inflação, Desemprego, Câmbio População (2015) 10.3 milhões milhões PIB per capita (PPC) Dólares internacionais ($) Preços Correntes Preços Constantes de 2005 $ $ $ $ Taxa de crescimento do PIB real WEO Outubro f 2020f f 2020f Saldo da balança corrente % -3.3% Inflação (CPI variação anual) Abril % 9.27% Taxa de desemprego 1T % 10.90% Taxa de câmbio Real/Euro 17/05/ / max: 4,53 (21/01/2016) min: 3,93 (15/04/2016) Fontes:FMI, INE, Banco Mundial Abreviaturas: PPC - Paridade de Poder de Compra; IPC Índice de Preços no Consumidor Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 4

5 2. Taxas de câmbio e Notações de rating Portugal e Brasil 2015 Taxas de Câmbio BRL por Moeda Estrangeira Notações de rating do Brasil Agências Data da última alteração Moeda Estrangeira Longo Prazo Moeda Local Longo Prazo Outlook DBRS mar/16 BB (high) BBB Negativo Fitch Ratings mai/16 BB BB Negativo Moody s fev/16 Ba2 Ba2 Negativo Standard & Poor s fev/16 BB BBB- Negativo JCR mar/16 BBB BBB+ Negativo R&I ago/15 BBB - Negativo Notações de rating de Portugal Agências Data da última alteração Curto Prazo Longo Prazo Outlook DBRS jan/13 R-2 (middle) BBB (low) Estável Fitch Ratings nov/11 B BB+ Estável* Moody s jul/14 Not Prime Ba1 Estável Standard & Poor s set/15 B BB+ Estável *Outlook atualizado a 4 de março Rating permanence igual. Fontes: IGCP, Forex, Macrobond Financial Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 5

6 3. Evolução de indicadores macroeconómicos Portugal e Brasil 2015 Produto e Taxas de juro de referência PIB e Taxa de variação anual do PIB Taxas de juro de referência dos títulos de dívida pública (benchmark) Fontes:INE, Macrobond Financial Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 6

7 3. Evolução de indicadores macroeconómicos Portugal e Brasil 2015 Inflação Índice de Preços Brasil 20% 18% 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Inflação Annual anual SMMA 12 Índice de Preços Portugal 5% 4% 3% 2% 1% 0% % -2% Fontes: Macrobond Financial, INE Inflação annual anual SMMA 12 meses Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 7

8 3. Evolução de indicadores macroeconómicos Portugal e Brasil 2015 População População e projeções - Brasil População e projeções - Portugal Fontes: Organização das Nações Unidas, Macrobond Financial Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 8

9 3. Evolução de indicadores macroeconómicos Portugal e Brasil 2015 Desemprego e Custos unitários do trabalho Taxas de desemprego Custos unitários do trabalho Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 9

10 % % Preparado pelo PE Probe para 4. Principais Índice Bolsistas Portugal e Brasil Retornos anualizados e volatilidade anualizada Retorno anualizado dos princípais índices bolsistas Ibovespa PSI-20 Volatilidade anualizada dos princípais índices bolsistas 25% 20% 15% 10% 5% 0% Ibovespa PSI-20 Fonte: Cálculos do PE Probe com base em dados da Euronext e Macrobond Financal Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 1

11 Milhões Preparado pelo PE Probe para 5. Comércio Internacional de bens entre Portugal e Brasil Comércio Internacional entre Portugal e Brasil, Rácio de cobertura Balança comercial Portugal-Brasil Milhões de euros Taxa de variação /10 12/11 13/12 14/13 15/14 Exportações 439,5 583,1 680,8 738,9 638,7 569,3 32,7% 16,8% 8,5% -13,6% -10,9% Importações 1 046, , ,8 831,9 864,8 860,0 39,7% -6,4% -39,2% 4,0% -0,6% Balança comercial -607,0-878,9-687,9-92,9-226,2-290,7-44,8% 21,7% 86,5% - 143,3% -28,5% Rácio de cobertura 42,1% 40,9% 50,2% 89,6% 74,5% 66,8% % 90.0% 80.0% 70.0% 60.0% 50.0% 40.0% 30.0% 20.0% 10.0% 0.0% Exportações Importações Rácio de Cobertura Fonte: Cálculos do PE Probe baseados em dados do INE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 1

12 Milhões Preparado pelo PE Probe para 5. Comércio Internacional de bens entre Portugal e Brasil Comércio Internacional entre Portugal e Brasil, Rácio de cobertura Balança comercial Portugal-Brasil Milhões de euros Taxa de variação /10 12/11 13/12 14/13 15/14 Exportações 439,5 583,1 680,8 738,9 638,7 569,3 32,7% 16,8% 8,5% -13,6% -10,9% Importações 1 046, , ,8 831,9 864,8 860,0 39,7% -6,4% -39,2% 4,0% -0,6% Balança comercial -607,0-878,9-687,9-92,9-226,2-290,7-44,8% 21,7% 86,5% - 143,3% -28,5% Rácio de cobertura 42,1% 40,9% 50,2% 89,6% 74,5% 66,8% % 90.0% 80.0% 70.0% 60.0% 50.0% 40.0% 30.0% 20.0% 10.0% 0.0% Exportações Importações Rácio de Cobertura Fonte: Cálculos do PE Probe baseados em dados do INE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 1

13 5. Comércio Internacional, Portugal e Brasil Peso no total do comércio internacional, Portugal e Brasil Peso do Brasil no comércio internacional total de Portugal Importações 2,45% 2,43% 1,46% 1,47% 1,43% Exportações 1,36% 1,51% 1,56% 1,33% 1,14% 3.00% 2.50% 2.00% 1.50% 1.00% 0.50% 0.00% Exportações Importações Peso de Portugal no comércio internacional total do Brasil Importações 0,37% 0,45% 0,45% 0,48% 0,47% Exportações 0,80% 0,67% 0,35% 0,47% 0,43% 0.90% 0.80% 0.70% 0.60% 0.50% 0.40% 0.30% 0.20% 0.10% 0.00% Exportações Importações Fonte: Cálculos do PE Probe baseados em dados do FMI Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 1

14 5. Comércio Internacional, Portugal e Brasil Balança comercial entre Portugal e o Brasil: exportações por tipo de bem Exportações portuguesas para a Brasil Milhões 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Bens de Consumo não Especificados noutra Categoria Material de Transporte e Acessórios Máquinas, outros Bens de Capital (excepto material de transporte) e seus acessórios Combustiveis e Lubrificantes Fornecimentos industriais não Especificados noutra categoria Produtos Alimentares e Bebidas Total Em 2015 o Brasil foi para Portugal 1 Fornecedor # 12 Cliente # 11 Em 2015 Portugal foi para o Brasil 1 Fornecedor Cliente # 38 # 40 Notas: 1. O ranking mede apenas o comércio de bens BEC é um método de classificação de bens por atividade económica, Fonte: Cálculos do PE Probe baseados em dados do INE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 14

15 6. Investimento direto estrangeiro (IDE) entre Portugal-Brasil Saldo do Investimento direto estrangeiro Investimento direto estrangeiro entre Portugal e Brasil Fluxos IDE de Portugal no Brasil -96,9-44,1-578,9-611, , IDE do Brasil em Portugal 593,6-144,6-601,4 91, ,9-995,6 Saldo Líquido -690,5 100,5 22,5-703, Stock IDE de Portugal no Brasil IDE do Brasil em Portugal Saldo Líquido 1 810, IDE de Portugal no Brasil IDE do Brasil em Portugal Saldo Líquido Fonte: Banco de Portugal; aicep Portugal Global, E,P,E,, Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 15

16 7. Turismo entre Portugal e Brasil Turistas brasileiros em Portugal (Lazer) Hóspedes Brasileiros em Portugal (milhares) Portugal é cada vez mais um destino preferido pelo turista brasileiro, Registando 1,36 milhões de dormidas em 2014, os turistas brasileiros são responsáveis por 344 milhões de euros em receitas, cerca de 3,3% do total da procura externa, Até agosto de 2015, já se tinham verificado 904 mil dormidas, um aumento de 3,87% face ao período homólogo, Receitas provenientes dos turistas brasileiros (milhões ) Número médio mensal de dormidas nos últimos 8 anos (milhares) ( ) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fontes: INE, Turismo de Portugal, Macrobond Financial Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 16

17 7. Turismo entre Portugal e Brasil Número de dormidas de turistas brasileiros, por região Norte 290,4 mil dormidas em 2014 Quota 21,24% Centro 121,1 mil dormidas em 2014 Quota 8,86% Alentejo 40,8 mil dormidas em 2014 Quota 2,98% Área Metropolitana de Lisboa 831,3 mil dormidas em 2014 Quota 60,81% Algarve 48,3 mil dormidas em 2014 Quota 3,53% Açores 3,9 mil dormidas em 2014 Quota 0,29% Madeira 27,0 mil dormidas em 2014 Quota 1,98% Fontes: INE, Turismo de Portugal, Macrobond Financial Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 17

18 7. Turismo entre Portugal e Brasil Turistas portugueses no Brasil (Lazer) 25 Número médio de dormidas, por pessoa Em 2014 Portugal foi o 10º principal país emissor de turistas para o Brasil, Principais destinos dos turistas portugueses (72,8% do total) Gasto médio por pessoa/ dia, US$ Fontes: Ministério do Turismo do Brasil Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 18

19 Copyright 2014 PE Probe 19 Preparado pelo PE Probe para Região do Nordeste Brasileiro

20 1. Perfil empresarial e industrial Perfil empresarial e industrial Nº de empresas industriais Proporção nacional Dimensão das empresas Micro Pequena Média Grande Número de trabalhadores na indústria Salário médio na indústria ,4% 68,2% 24,0% 6,4% 1,4% R$ Número de empresas indústriais Estados Alagoas Bahia Ceará Maranhão Paraíba Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Sergipe Empresas Peso no Brasil 0,6% 3,4% 2,9% 0,8% 1,2% 2,8% 0,8% 1,2% 0,6% Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 20

21 2. Informação e comparação com o Brasil Nordeste Brasileiro Área Proporção do Brasil População (est. 2015) % da população brasileira Economia PIB 2014 (corrente) % do PIB brasileiro PIB per capita 2013 % do PIB pc brasileiro km 2 18,25% habitantes 28% US$ 13,59% US$ 39,07% Estados Alagoas Bahia Ceará Maranhão Paraíba Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Sergipe Peso no PIB brasileiro 0,70% 3,84% 2,05% 1,27% 0,87% 2,65% 0,59% 0,97% 0,66% Peso na população brasileira 1,60% 7,40% 4,40% 3,40% 1,90% 4,60% 1,60% 1,70% 1,10% Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 2

22 3. Comparação com outras Economias (Brasil, Portugal, Angola, Argentina, Colômbia e Perú) Indicadores económicos Portugal Brasil Nordeste População Milhões de habitantes PIB per capita 2005 US$ Taxa de crescimento do PIB (p) Balança corrente (p) Inflação anual (p) Taxa de desemprego (p) , US$ US$ US$ 1,6% 1,4% -3,8% -3,8% -3% n.d 0,5% 0,9% -3,3% -2,0% n.d n.d 0,5% 0,7% 9,0% 8,7% n.d n.d. 12,4% 11,3% 6,8% 9,2% 10,5%* n.d 4º trimestre 2015 População Milhões de habitantes PIB per capita 2005 US$ Taxa de crescimento do PIB (p) Angola Argentina Colômbia Perú 24,3 43,4 47,4 31, US$ US$ US$ US$ 3,0% 2,5% 1.2% -1.0% 3,1% 2,5% 3.3% 3.7% Balança corrente (p) Inflação anual (p) Taxa de desemprego (p) -8,5% -11,6% -2.8% -1.7% -6,5% -6,0% -4.4% -3.9% 10,3% 19,1% n.d 5,0% 7,3% 3.5% 3.1% n.d 6.5% 7.8% 8,9% 9,8% 6.0% 6.0% Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 2

23 3. Comparação Nordeste Brasileiro com outras Economias (Brasil, Portugal, Angola, Argentina, Colômbia e Perú) PIB - Dados de 2013 Mil Milhões US$ Milhões US$ PIB Total Angola Argentina Brasil Colômbia Nordeste Brasileiro PIB pc Fonte: IBGE Angola Argentina Brasil Colômbia Nordeste Brasileiro Perú Perú Portugal Portugal 25% Crescimento do PIB em % 20% 15% 10% 5% 0% -5% % Angola Argentina Brasil Colômbia Nordeste Brasileiro Perú Portugal Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 23

24 3. Comparação Nordeste Brasileiro com outras Economias (Portugal, Angola, Argentina, Colômbia e Perú) PIB - Dados de 2013 Mil Milhões US$ PIB Total Angola Argentina Colômbia Nordeste Brasileiro Perú Portugal Milhões US$ PIB pc Fonte: IBGE Angola Argentina Colômbia Nordeste Brasileiro Perú Portugal 25.00% Crescimento do PIB em % 20.00% 15.00% 10.00% 5.00% 0.00% -5.00% % Angola Agentina Colômbia Nordeste Brasileiro Perú Portugal Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 24

25 3. Comparação com outras Economias (Brasil, Portugal, Angola, Argentina, Colômbia e Perú) Comércio Internacional Dados de 2013 Grau de Abertura ( Importações+Exportações PIB 87% 87% ) 11% 26% 38% 16% Nordeste Brasil Colômbia Angola Argentina Perú % 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% 10.00% 0.00% Exportações em % do PIB % 70.00% Importações em % do PIB 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% 10.00% 0.00% Angola Argentina Brasil Colombia Nordeste Perú Portugal Fonte: Banco Mundial, Banco Central do Brasil Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 25

26 Copyright 2016 PE Probe 26 Preparado pelo PE Probe para Estados Selecionados do Nordeste Brasileiro (Bahia, Paraíba e Pernambuco)

27 1. Estado de Bahia Infografia Estado de Bahia Região Capital Nordeste Salvador Governador Área População (est. 2015) % do total nacional Economia PIB 2013 % do total nacional PIB per capita 2013 Indicadores Sociais Esperança média de vida Homens Mulheres Mortalidade infantil Rui Costa km habitantes 7,4% 145,2 mil milhões R$ 3,84% R$ 73,0 anos 68,6 anos 77,6 anos 18,9/mil nascidos vivos Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 27

28 1. Estado de Bahia Infografia Perfil empresarial e industrial Nº de empresas das quais industriais proporção nacional Dimensão das empresas Micro Pequena Média Grande Emprego c/ carteira assinada Total na indústria proporção nacional Salário médio na indústria Escolaridade do trabalhador Indústria ensino médio ,4% 69,3% 22,6% 6,6% 1,5% ,7% R$/mês 53,4% Derivados do petróleo e biocombustiveis Químicos Alimentos 25,9% 15,1% 7,5% Estes setores representam 48,5% da indústria de Bahia Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 28

29 2. Estado de Paraíba Infografia Estado de Paraíba Região Capital Nordeste João Pessoa Governador Área População (est. 2015) % do total nacional Economia PIB 2013 % do total nacional PIB per capita 2013 Indicadores Sociais Esperança média de vida Homens Mulheres Mortalidade infantil Ricardo Coutinho km habitantes 1,90% 46,3 mil milhões R$ 0,87% R$ 72,6 anos 68,7 anos 76,5 anos 18,0/mil nascidos vivos Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 29

30 2. Estado de Paraíba Infografia Perfil empresarial e industrial Nº de empresas das quais industriais proporção nacional Dimensão das empresas Micro Pequena Média Grande Emprego c/ carteira assinada Total na indústria proporção nacional Salário médio na indústria Escolaridade do trabalhador Indústria ensino médio ,2% 69,5% 23,8% 5,4% 1,2% ,2% R$/mês 38,5% Couro e calçados Alimentos Produtos minerais não metálicos 27,9% 16,7% 16,0% Estes setores representam 60,6% da indústria de Paraíba Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 30

31 3. Estado de Pernambuco Infografia Estado de Pernambuco Região Capital Nordeste Recife Governador Área População (est. 2015) % do total nacional Economia PIB 2013 % do total nacional PIB per capita 2013 Indicadores Sociais Esperança média de vida Homens Mulheres Mortalidade infantil Paulo Câmara km habitantes 4,60 % 140,7 mil milhões R$ 2,65% R$ 73,1 anos 69,0 anos 77,1 anos 14,0/mil nascidos vivos Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 31

32 3. Estado de Pernambuco Infografia Perfil empresarial e industrial Nº de empresas das quais industriais proporção nacional Dimensão das empresas Micro Pequena Média Grande Emprego c/ carteira assinada Total na indústria proporção nacional Salário médio na indústria Escolaridade do trabalhador Indústria ensino médio ,8% 67,5% 24,8% 6,4% 1,4% ,4% R$/mês 41,2% Indústria Alimentar Químicos Extração de Petróleo e Gás Natural 24,3% 10,0% 9,0% Estes setores representam 33,3% da indústria de Pernambuco Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 32

33 Copyright 2016 PE Probe 33 Preparado pelo PE Probe para Outros Estados Brasileiros (Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo)

34 1. Estado de Minas Gerais Infografia Estado de Minas Gerais Região Capital Sudeste Belo Horizonte Governador Área População (est. 2015) % do total nacional Economia PIB 2013 % do total nacional PIB per capita 2013 Indicadores Sociais Esperança média de vida Homens Mulheres Mortalidade infantil Fernando Pimentel km habitantes 10,2% 486,9 mil milhões R$ 9,2% R$ 76,7 anos 73,8 anos 79,7 anos 12,0/mil nascidos vivos Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 34

35 1. Estado de Minas Gerais Infografia Perfil empresarial e industrial Nº de empresas das quais industriais proporção nacional Dimensão das empresas industriais Micro Pequena Média Grande Emprego c/ carteira assinada Total na indústria proporção nacional Salário médio na indústria Escolaridade do trabalhador Indústria ensino médio ,5% 72,8% 21,3% 4,8% 1,1% ,9% R$/mês 43,3% Extração de minerais metálicos Alimentos Metalurgia 28,2% 12,9% 12,0% Estes setores representam 53,1% da indústria de Minas Gerais Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 35

36 2. Estado do Rio de Janeiro Infografia Estado do Rio de Janeiro Região Capital Sudeste Rio de Janeiro Governador Área População (est. 2015) % do total nacional Economia PIB 2013 % do total nacional PIB per capita 2013 Indicadores Sociais Esperança média de vida Homens Mulheres Mortalidade infantil Luiz Fernando Pezão km habitantes 8,1% 626,3 mil milhões R$ 11,8% R$ 75,6 anos 71,9 anos 79,0 anos 12,3/mil nascidos vivos Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 36

37 2. Estado do Rio de Janeiro Infografia Perfil empresarial e industrial Nº de empresas das quais industriais proporção nacional Dimensão das empresas industriais Micro Pequena Média Grande Emprego c/ carteira assinada Total na indústria proporção nacional Salário médio na indústria Escolaridade do trabalhador Indústria ensino médio ,1% 64,9% 26,4% 6,7% 1,9% ,4% R$/mês 49,2% Extração de petróleo e gás natural Derivados do petróleo e biocombustíveis Metalurgia 31,1% 19,9% 6,9% Estes setores representam 57,9% da indústria do Rio de Janeiro Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016Portugal Economy Probe PE Probe 37

38 3. Estado de São Paulo Infografia Estado de São Paulo Região Capital Sudeste São Paulo Governador Área População (est. 2015) % do total nacional Economia PIB 2013 % do total nacional PIB per capita 2013 Indicadores Sociais Esperança média de vida Homens Mulheres Mortalidade infantil Geraldo Alckmin km habitantes 21,7% 1 708,2 mil milhões R$ 32,1% R$ 77,5 anos 74,2 anos 80,6 anos 10,5/mil nascidos vivos Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 38

39 3. Estado de São Paulo Infografia Perfil empresarial e industrial Nº de empresas das quais industriais proporção nacional Dimensão das empresas industriais Micro Pequena Média Grande Emprego c/ carteira assinada Total na indústria proporção nacional Salário médio na indústria Escolaridade do trabalhador Indústria ensino médio ,5% 63,9% 27,2% 7,2% 1,6% ,4% R$/mês 56,3% Alimentos Veículos automóvel Derivados do petróleo e biocombustíveis 15,0% 12,8% 10,7% Estes setores representam 38,4% da indústria de São Paulo Fontes: CNI Confederação Nacional da Indústria, IBGE Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe 39

40 Explore outros documentos preparados pela equipa PE Probe Resultados das empresas cotadas, 2015, PE Probe Economic Outlook Resumo, PE Probe Atividade de emissão de dívida Portugal ID Portugal BI Evolução da Execução Orçamental, PE Probe Visit PE Probe

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Brasil Setembro Mercado em números

Brasil Setembro Mercado em números Setembro 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Brasil Junho Mercado em números

Brasil Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

BNB Conjuntura Econômica Nº40

BNB Conjuntura Econômica Nº40 BNB Conjuntura Econômica Nº40 Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE 4. Mercado de Trabalho O cenário atual da economia brasileira, que experimentou queda sucessiva do PIB nos dois

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 44 - Dezembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Coreia do Sul Março Mercado em números

Coreia do Sul Março Mercado em números Março 2017 Mercado em números Designação oficial: República da Coreia Capital: Seul Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: Sua única fronteira terrestre é com a Coreia do Norte Área total: 99

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Hungria Setembro Mercado em números

Hungria Setembro Mercado em números Setembro 2016 Mercado em números Mercado em números setembro 2016 Designação oficial: Capital: Budapeste Localização: Europa Central Fronteiras terrestres: 2.106 km com a Áustria (321 km), Croácia (348

Leia mais

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011 O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA 2011 Funchal, 10 de Novembro de 2011 BUSINESS PLAN Financial Analysis Agenda O tecido empresarial

Leia mais

Coreia do Sul Junho Mercado em números

Coreia do Sul Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: República da Coreia Capital: Seul Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: Sua única fronteira terrestre é com a Coreia do Norte Área total: 99

Leia mais

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos janeiro de 2016 Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA 8 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A crise econômico-financeira originada nos Estados Unidos, em 2008, denominada Crise dos Subprime, afetou toda a economia mundial. A atual crise da União Europeia, chamada

Leia mais

IAPC VALE DO PARANHANA

IAPC VALE DO PARANHANA IAPC VALE DO PARANHANA SÍNTESE DOS INDICADORES DA PESQUISA Indicador Variação de Fevereiro de 2013 em relação a Janeiro 2013 (%) Variação da produção de Fevereiro de 2013 em relação a Fevereiro de 2012

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

Brasil Março 2016. Mercado em números

Brasil Março 2016. Mercado em números Março 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA Minas Gerais Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais FIEMG. Ficha Técnica Elaboração:

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

Bélgica Dezembro Mercado em números

Bélgica Dezembro Mercado em números Dezembro 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Bruxelas Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.297 km com a Alemanha (133 km), França (556 km), Holanda (478 km)

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 Tabela 1 - Projeções para 2011 e 2012 Mercado 2012 2013 PIB (%) 2,99 4,50 Indústria Geral (%) 1,58 4,20 IPCA (%) 5,17 5,60 Taxa Selic fim de ano 8,00 9,50 Taxa

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016 OBSERVATÓRIO Exportações e Investimento Externo Novembro O presente documento constitui uma análise do desempenho recente das relações económicas de Portugal com o estrangeiro, ao nível das exportações

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé Turismo Interno Mercado em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Competitividade na indústria brasileira e momento econômico Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Julho/2016 Evolução do PIB a preços de mercado (em US$ correntes) Fonte: World

Leia mais

Bélgica Junho Mercado em números

Bélgica Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Bruxelas Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.297 km com a Alemanha (133 km), França (556 km), Holanda (478 km) e Luxemburgo

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010.

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010. Sumário Executivo FEV/2016 No mês de fevereiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a janeiro (4.793 postos e variação de 0,2%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E O INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL-PORTUGAL

DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E O INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL-PORTUGAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E O INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL-PORTUGAL BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

Leia mais

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1%

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1% 09 de agosto de 2013 Estatísticas do Comércio Internacional Junho 2013 Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3 e as importações 2,1 As exportações de bens aumentaram 6,3 e as importações

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A NORUEGA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A NORUEGA BALANÇA 2010 2011 COMERCIAL Janeiro Janeiro 10/11 Exportações 110.358 102.076 109.757 84.033 82.639-6,3 7.679 7.339-4,4 Importações 690.390 691.848 695.311 587.216 529.486-6,2 46.491 23.918-48,6 Saldo

Leia mais

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 7 1. Carta de Conjuntura... 8 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 9 3. Análise macroeconômica... 12

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Dinamarca Junho Mercado em números

Dinamarca Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Copenhaga Localização: Norte da Europa Fronteiras terrestres: 140 km com a Alemanha Holanda Alemanha Bélgica Luxemburgo Rep. Checa Polónia

Leia mais

Suíça Junho Mercado em números

Suíça Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Mercado em números junho 2016 Designação oficial: Confederação Capital: Berna Localização: Europa Central Fronteiras terrestres: 1.770 km com a Alemanha (348 km), Áustria

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

Itália Junho Mercado em números

Itália Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: República Italiana Capital: Roma Localização: Sul da Europa. Península que se estende pelo Mar Mediterrâneo a nordeste da Tunísia Fronteiras terrestres:

Leia mais

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr.

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr. 98 5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA Álvaro Alves de Moura Jr. O principal destaque na análise do nível de atividade econômica se refere à mudança na metodologia do cálculo do PIB, que passou a incluir informações

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Índice 1. Situação Monetária... 4 1.1. Base Monetária... 4 1.2. Massa Monetária... 5 1.2.1. Crédito à Economia... 6 1.2.2. Activo Externo

Leia mais

Itália Março Mercado em números

Itália Março Mercado em números Março 2016 Mercado em números Designação oficial: República Italiana Capital: Roma Localização: Sul da Europa. Península que se estende pelo Mar Mediterrâneo a nordeste da Tunísia Fronteiras terrestres:

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL REUNIÃO APIMEC BH BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DA ABIT PRESIDENTE DA CEDRO TÊXTIL Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA Documento Interno para discussão Nº LC/BRS/R.289/Add.10-12 Outubro-Dezembro 2014 Original: Espanhol CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório em Brasília INFORME ESTATÍSTICO

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 6 no 42 janeiro/2013 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br home page:

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Agosto de 2016 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Agosto de 2016 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Agosto de 2016 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia apresentou queda de 5,3%, na comparação dos últimos 12 meses, terminados em agosto,

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%)

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) 9.0 8.0 7.6 7.0 6.0 5.0 4.0 3.0 2.0 1.0-1.0 4.4 1.3 3.1 1.2 5.7 3.1 4.0 6.0

Leia mais

Áustria Junho Mercado em números

Áustria Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: República da Capital: Viena Localização: Europa Central Alemanha Rep. Checa Eslováquia Liechtenstein Hungria Suíça Eslovénia Itália Fronteiras terrestres:

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Espanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Espanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Espanha Dezembro de 2015 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Novembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014 Janeiro/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Janeiro/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%)

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) 7.5 7.0 5.0 3.0 1.0 4.4 1.4 3.1 1.1 5.8 3.2 4.0 6.1 5.1 3.9 1.9 3.0

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais