BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE"

Transcrição

1 Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016

2 Índice 1. Situação Monetária Base Monetária (BM) Massa Monetária (M3) Activo Externo Líquido Crédito à Economia Preços Sector Externo Reservas Internacionais Líquidas (RIL) Taxas de Câmbio Bilaterais... 5 ANEXOS ESTATÍSTICOS... 6 Tabela 1 Indicadores Monetários... 7 Tabela 2 Agregados monetários (M0, M1, M2, M3)... 7 Tabela 3 Crédito à Economia... 7 Tabela 4 Inflação... 8 Tabela 5 Taxa de câmbio bilaterais... 9

3 Índice de Gráficos GRÁFICO 1 - ESTRUTURA E VARIAÇÃO DA BM... 1 GRÁFICO 2 - FACTORES DE EXPANSÃO DA BASE MONETÁRIA TOTAL (EM % DE BM T-1 )... 1 GRÁFICO 3 - RESERVAS BANCÁRIAS (EM MIL MILHÕES DE DOBRAS)... 1 GRÁFICO 4 - FACTORES DE EXPANSÃO DE LIQUIDEZ (VALORES EM % DA M3T-1) GRÁFICO 5 - CRÉDITO LÍQUIDO AO GOVERNO (MILHÕES DE DOBRAS)... 2 GRÁFICO 6 - VARIAÇÃO DE ACTIVO EXTERNO LÍQUIDO (%)... 3 GRÁFICO 7 - CRÉDITO À ECONOMIA (MILHÕES DE DOBRAS)... 3 GRÁFICO 8 - CRÉDITO AO SECTOR PRIVADO (VALORES EM %)... 4 GRÁFICO 9 - VARIAÇÃO EM CADEIA (%)... 4 GRÁFICO 10 - PRODUTOS COM CONTRIBUIÇÃO PARA A VARIAÇÃO DA INFLAÇÃO (%)... 4 GRÁFICO 11 - INFLAÇÃO ACUMULADA (%)... 4 GRÁFICO 12 - RESERVAS INTERNACIONAIS LÍQUIDAS (MILHÕES USD)... 5 GRÁFICO 13 TAXA DE CÂMBIOS BILATERAIS... 5

4 Abreviaturas AEL Activo Externo Líquido BCSTP Banco Central de São Tomé e Príncipe CLE Crédito Líquido A Economia CNP Conta Nacional de Petróleo CPM Comité de Política Monetária Dbs Dobras EUR Euro FMI Fundo Monetário Internacional GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais INE Instituto Nacional de Estatísticas IPC Índice de Preços no Consumidor ITCER Índice de taxa de câmbio efectiva real M0 Base Monetária M3 Massa Monetária ME Moeda Estrangeira MN Moeda Nacional OAP Outros Activos e Passivos RIB Reservas Internacionais Brutas RIL Reservas Internacionais Líquidas USD Dólar Americano

5 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 1. Situação Monetária No mês de Maio registou-se uma modesta expansão da oferta monetária comparativamente ao mês anterior, estimulada pela evolução positiva do Crédito ao Governo Base Monetária (BM) No período em análise, a Base Monetária Total registou um crescimento de 1,8%, reflexo, principalmente, da expansão da circulação monetária (+9,2%), num contexto de diminuição dos depósitos dos clientes (-1%). Gráfico 1 - Estrutura e Variação da BM ,0% ,0% ,0% ,0% 300-8,0% 0-16,0% Gráfico 2 - Factores de expansão da Base Monetária Total (em % de BM t-1 ) 10,0 5,0 0,0-5,0-10,0-15,0 Em termos de estrutura, continua-se a verificar que as reservas em moeda nacional correspondem mais de 80% do total. AEL CLG OAL C.B.Com. CE BMT 1,8 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 Gráfico 3 - Reservas bancárias (Em mil milhões de Dobras) Reservas dos Bancos no BCSTP (eixo à esquerda) Notas e Moedas em Circulação (eixo à esquerda) Variação da BM (%) eixo à direita) 0 O aumento da Base Monetária foi impulsionado, essencialmente pela contribuição do Crédito Líquido ao Governo (+1,3%) (cf. gráfico 2) decorrentes de diversas operações de pagamentos correntes do Governo. Reservas Bancárias em Moeda Estrangeira Boletim mensal Maio/2016 Página 1

6 1.2. Massa Monetária (M3) Os fluxos de operações dos agentes económicos e os bancos traduziram numa ligeira contracção da massa monetária em circulação em 0,1% comparativamente -1,4% registada no mês de Abril do corrente ano. Esta evolução foi determinada, pelas contracções registadas nos activos externos líquidos (0,8%) e o crédito à economia (0,5%), enquanto o crédito líquido ao Governo (0,9%), contribuiu para abrandar a contracção verificada no M3. Gráfico 4 - Factores de expansão de liquidez (valores em % da M3t-1). efectuados pelo Governo. Este indicador situou-se no final de Maio em milhões de Dobras contra milhões no mês precedente, correspondendo uma diminuição de milhões de Dobras (7,2%), reflectindo um aumento das necessidades de financiamento do Governo. Gráfico 5 - Crédito Líquido ao Governo (milhões de Dobras) jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 15,0 10,0 5,0 AEL CLG CE OAP M Activo Externo Líquido 0,0-5,0-10, Crédito Líquido ao Governo O Activo Externo Líquido registou um ligeiro decréscimo (1,0%) comparativamente a mês anterior (cf. gráfico 6), determinado pelos diversos pagamentos externos realizados, em particular, os pagamentos da dívida, serviços das embaixadas, bolsa de estudo e as operações de cobertura cambial dadas aos Bancos Comerciais. A situação líquida do Governo foi marcada por diversos pagamentos Boletim mensal Maio/2016 Página 2

7 Gráfico 6 - Variação de Activo Externo Líquido (%) Gráfico 7 - Crédito à Economia (milhões de Dobras) 0,0-2,0-4,0-6,0-8,0-10,0 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16-1,0-1,1-4,2-4,2-7, , , , , , ,0 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% -0,6% -0,5% -1,0% jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 CE Variação mensal CE (%) Crédito à Economia No final de Maio de 2016, a síntese monetária apresentou uma desaceleração do Crédito à Economia em 12,5 mil milhões de Dobras (0,6%), correspondendo uma redução de 2,2 p.p. comparativamente ao período homólogo (1,6%) (cf. gráfico 7). É de se referir que esta evolução de crédito à economia reflecte a persistência de constrangimentos associado a níveis elevado de risco de crédito no país, nomeadamente o elevado nível de crédito mal parado, dificuldades de execução de garantias de crédito etc. O decréscimo deste indicador foi justificado, essencialmente, pela diminuição da sua componente destinada ao sector privado (0,8%), enquanto a ténue participação positiva de crédito a administrações estaduais e locais (0,1%) permitiram, em partes, atenuar a contracção desta rubrica. A análise de evolução do crédito evidenciou que cerca de 71% do total de crédito ao sector privado está denominado em moeda nacional, representando de 4,8% quando comparado com Abril de Já a sua componente em moeda estrangeira apresentou uma redução de 78,4 mil milhões (12,3%) (cf. gráfico 8). Boletim mensal Maio/2016 Página 3

8 Gráfico 8 - Crédito ao Sector Privado (Valores em %) 9,0% 6,0% 3,0% 0,0% -3,0% -6,0% -9,0% -12,0% -15,0% 4,8% -12,3% jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 O nível da inflação verificada no período em análise reflectiu as variações dos seguintes grupos de produtos: vestuários e calçados (1,4%), restauração e alojamento em hotéis similares (1,3%) e produtos alimentares, bebidas não alcoólicas (0,7%) (cf. gráfico 10). Gráfico 10 - Produtos com Contribuição para a Variação da Inflação (%) Variação de crédito em MN Variação de crédito em ME Produtos alimentares, Bebidas não alcóolicas 0,7 2. Preços Restauração e Alojamento em Hotéis Similares 1,3 A inflação medida pela variação do índice de Preços no Consumidor, apresentou em Maio de 2016 uma variação mensal de 0,5% contra variações de 1,6% e 0,9% observadas no mês precedente e no período homólogo, respectivamente (cf. gráfico 9). Gráfico 9 - Variação em cadeia (%) Vestuários e Calçados 1,4 0,0% 0,8% 1,6% Fonte: INE, Tratamento do BCSTP A taxa de inflação acumulada situou-se em 3,9% contra 1,7% no período homólogo de 2015, correspondendo a um aumento de 2,2 pontos percentuais (cf. gráfico 11). 1,8 1,2 0,6 0,5 Gráfico 11 - Inflação Acumulada (%) 3,9 6,0 4,0 2,0 0,0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0,0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fonte: INE, Tratamento do BCSTP Fonte: INE, Tratamento do BCSTP Boletim mensal Maio/2016 Página 4

9 Em termos homólogos, registou-se uma taxa de inflação de 6,2% em linha com a verifida em Maio de 2015 (6,0%). 3. Sector Externo 3.1. Reservas Internacionais Líquidas (RIL) No final de Maio de 2016, o saldo das Reservas Internacionais Líquidas (RIL) foi de 47,2 milhões de Dólares, correspondente a uma redução percentual de aproximadamente 0,5% em relação ao mês de Abril. O valor das RIL no final do período em análise traduziu-se num rácio de 2,9 meses de importações de bens e serviços, situando-se no limite dos 3 meses de importação recomendado. Gráfico 12 - Reservas Internacionais Líquidas (milhões USD) 3.2. Taxas de Câmbio Bilaterais Relativamente as taxas de câmbio bilaterais, verificou-se em Maio de 2016, uma depreciação do Euro face ao Dólar Americano de 0,3%, causada sobretudo, pelo movimento da valorização do dólar resultante da expectativa de subida da taxa de juro dos fed funds por parte do FED. Consequentemente, observou-se uma depreciação da Dobra face ao Dólar em 1,1%. Gráfico 13 Taxa de câmbios bilaterais , , , , , ,00 O N D J F MAM J J A S O N D J F MAM DBS/EUR (eixo à esquerda) DBS/USD (eixo à esquerda) USD/EUR (eixo àdireita) 1,40 1,20 1,00 0,80 70,000 60,000 50,000 40,000 30,000 20,000 10,000-7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 - RIL em milhões de USD RIL em meses de importações (eixo à direita) Metas RIL em meses de importação (eixo à direita) Boletim mensal Maio/2016 Página 5

10 ANEXOS ESTATÍSTICOS Boletim mensal Maio/2016 Página 6

11 Tabela 1 Indicadores Monetários Banco Central de S. Tomé e Príncipe (Indicadores Monetários) (Em mil milhões de Dobras) dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 Base Monetária Total 1 561, , , , , ,52 Base Monetária Moeda Nacional 1 295, , , , , ,21 Notas e Moedas em Circulação 315,30 262,02 284,75 282,01 257,60 281,38 Depósitos dos Bancos no BCSTP 1 246, , , , , ,14 Reservas Bancárias em Moeda Nacional 980,39 923,28 825,98 847,91 883,37 884,83 Reservas Bancárias em Moeda Estrangeira 266,16 248,60 245,34 230,09 210,75 210,31 Reservas Internacionais Líquidas - milhões USD 56,34 51,90 47,13 46,97 47,41 47,19 RIL em meses de Importação 5,91 3,25 2,95 2,94 2,97 2,95 Fonte: BCSTP Tabela 2 Agregados monetários (M0, M1, M2, M3) Fonte: BCSTP Banco Central de S. Tomé e Príncipe Agregados Monetários (M1, M2,M3) (Em milhões de Dobras) dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 M0 (Base Monetária) , , , , , ,14 Emissão , , , , , ,18 M , , , , , ,30 Emissão ao Poder do Público , , , , , ,87 Depositos (transferíveis) a ordem em MN , , , , , ,42 M , , , , , ,97 M , , , , , ,30 Outros Depositos em MN , , , , , ,68 M , , , , , ,19 M , , , , , ,97 Deposito em ME , , , , , ,22 Tabela 3 Crédito à Economia Banco Central de S. Tomé e Príncipe Crédito à Economia (Em milhões de Dobras) dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 Crédito à Economia , , , , , ,24 Crédito ao Sector Privado , , , , , ,55 Moeda Nacional , , , , , ,10 Moeda Estrangeira , , , , , ,45 Fonte: BCSTP, Bancos Comerciais Boletim mensal Maio/2016 Página 7

12 Tabela 4 Inflação Fonte: INE BANCO CENTRAL DE S.TOMÉ E PRÍNCIPE INFLAÇÃO (Em %) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Taxa inflação acumulada ,7 0,9 1,7 3,4 3, ,3 0,6 1,1 1,5 1,7 1,9 2,2 2,3 2,4 2,7 3,2 4, ,3 0,8 1,0 1,7 2,6 3,2 3,5 3,7 3,9 4,7 5,2 6, ,4 1,1 2,1 2,5 2,8 3,0 3,2 3,7 4,0 4,6 5,6 7, ,4 1,0 1,3 2,2 3,6 6,1 7,0 7,6 7,9 8,4 9,1 10, ,5 1,4 3,6 5,9 6,8 7,1 7,3 8,1 8,4 8,9 10,0 11, ,6 1,4 1,9 2,4 2,7 3,7 5,3 6,2 7,5 8,6 10,7 12, ,7 1,6 3,0 4,8 6,7 7,9 8,7 9,3 10,3 11,6 13,7 16, ,8 5,7 9,2 11,4 13,2 14,2 17,6 19,2 20,5 21,4 22,8 24, ,7 2,8 4,2 5,2 6,3 7,7 9,5 12,4 15,9 18,9 23,3 27, ,7 6,5 11,1 16,9 17,4 18,3 19,3 20,6 21,1 21,8 22,7 24, ,9 6,1 9,4 10,6 11,2 11,3 11,6 12,1 13,1 14,7 15,8 17, ,6 5,1 7,6 8,4 8,9 9,4 9,7 10,2 11,2 12,7 13,9 15, ,3 3,0 4,9 5,2 5,5 6,2 6,8 7,5 8,1 8,4 9,1 10, ,0 3,1 3,6 4,9 5,1 5,6 5,8 6,1 6,8 7,7 8,2 9, ,9 2,1 3,0 3,5 4,1 4,7 4,9 5,3 6,0 6,9 8,2 9, ,3 2,9 3,6 3,7 3,8 4,4 5,2 5,8 6,6 7,6 8,8 9, ,8 1,5 2,3 3,1 4,3 5,0 5,4 6,1 7,7 8,6 10,5 12, ,9 8,0 9,4 10,6 12,3 13,6 14,6 15,2 16,1 17,2 18,7 20,9 Variação em cadeia ,7 0,2 0,8 1,6 0, ,3 0,3 0,5 0,4 0,2 0,2 0,3 0,1 0,1 0,3 0,5 0, ,3 0,5 0,2 0,7 0,9 0,6 0,3 0,2 0,2 0,8 0,5 1, ,4 0,7 1,0 0,4 0,3 0,2 0,2 0,5 0,3 0,6 1,0 1, ,4 0,6 0,3 0,9 1,4 2,4 0,9 0,6 0,3 0,5 0,7 1, ,5 0,9 2,2 2,3 0,9 0,3 0,2 0,8 0,3 0,5 1,0 1, ,6 0,8 0,5 0,5 0,3 0,9 1,6 0,9 1,2 1,0 1,9 2, ,7 0,9 1,4 1,8 1,8 1,2 0,7 0,6 0,9 1,2 1,9 2, ,8 3,8 3,3 1,9 1,6 0,9 2,9 1,3 1,1 0,8 1,2 1, ,7 1,1 1,3 0,9 1,1 1,4 1,6 2,7 3,1 2,6 3,6 3, ,7 3,7 4,3 5,1 0,5 0,7 0,9 1,1 0,4 0,6 0,8 1, ,9 3,2 3,3 1,2 0,5 0,2 0,3 0,5 0,9 1,7 1,1 1, ,6 3,5 2,5 0,8 0,5 0,5 0,3 0,5 1,0 1,5 1,2 1, ,3 1,7 1,8 0,4 0,3 0,7 0,6 0,7 0,5 0,3 0,6 0, ,0 2,1 0,5 1,3 0,2 0,5 0,2 0,3 0,7 0,8 0,5 0, ,9 1,2 0,9 0,4 0,6 0,5 0,2 0,4 0,7 0,8 1,3 1, ,3 1,7 0,7 0,1 0,1 0,6 0,8 0,6 0,7 0,9 1,2 0, ,8 0,7 0,8 0,8 1,2 0,6 0,4 0,7 1,5 0,9 1,7 1, ,9 5,0 1,3 1,1 1,5 1,2 0,9 0,5 0,8 1,0 1,3 1,8 Variação Homóloga 2016/2015 4,5 4,3 4,7 6,0 6,2 2015/2014 6,4 6,2 6,5 6,1 5,4 5,0 5,0 5,0 4,8 4,3 3,9 4,0 2014/2013 7,0 6,8 7,4 6,3 6,9 7,3 7,4 7,1 7,1 7,3 6,7 6,4 2013/ ,4 10,5 11,3 10,7 9,6 7,2 6,5 6,4 6,4 6,5 6,8 7,1 2012/ ,8 11,5 9,5 8,0 8,6 10,9 11,6 11,4 11,4 11,4 11,1 10,4 2011/ ,8 12,9 14,8 16,7 17,4 16,6 15,1 14,9 13,8 13,2 12,2 11,9 2010/ ,9 15,9 14,8 13,4 11,8 11,5 12,4 12,8 13,2 13,0 13,0 12,9 2009/ ,5 20,0 17,7 17,5 17,7 18,0 15,4 14,6 14,3 14,8 15,6 16,1 2008/ ,7 31,2 33,8 35,1 35,8 35,3 37,0 35,2 32,5 30,2 27,1 24,8 2007/ ,7 20,2 16,8 12,1 12,7 13,5 14,3 16,1 19,2 21,6 25,1 27,6 2006/ ,0 17,7 19,0 23,8 23,8 24,5 25,2 26,1 25,6 24,5 24,2 24,6 2005/ ,7 16,3 17,2 17,6 17,6 17,2 17,2 17,2 17,1 17,2 17,2 17,2 2004/ ,3 12,3 12,9 13,3 13,6 13,3 13,0 12,7 13,2 14,4 14,9 15,2 2003/2002 9,4 8,9 10,3 9,3 9,4 9,6 10,1 10,5 10,3 9,7 9,9 10,0 2002/2001 9,5 10,6 10,0 11,0 10,5 10,4 10,4 10,2 10,2 10,3 9,4 9,0 2001/2000 9,2 8,7 9,0 9,3 9,9 9,8 9,3 9,1 9,0 8,9 9,0 9,4 2000/ ,1 14,2 14,0 13,3 12,1 12,0 12,4 12,3 11,4 11,5 10,9 9,6 1999/ ,4 13,6 13,1 12,7 12,3 11,7 11,1 11,3 12,1 12,0 12,5 12,6 1998/ ,7 86,8 84,8 79,8 59,5 55,6 48,9 44,4 41,9 31,5 22,7 20,9 Boletim mensal Maio/2016 Página 8

13 Tabela 5 Taxa de câmbio bilaterais Banco Central de S. Tomé e Príncipe Taxa de Câmbio Bilaterais Fonte: BCSTP Mês dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 DBS/USD , , , , , ,51 DBS/EUR , , , , , ,00 USD/EUR 1,09 1,09 1,09 1,11 1,13 1,13 Boletim mensal Maio/2016 Página 9

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Índice 1. Situação Monetária... 4 1.1. Base Monetária... 4 1.2. Massa Monetária... 5 1.2.1. Crédito à Economia... 6 1.2.2. Activo Externo

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Fevereiro 2016 Índice 1. Política Monetária e Financeira... 1 1.1. Evolução dos Agregados Monetários... 1 1.2. Base Monetária (BM)... 1 1.3.

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Agosto 2015 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 1 1.2.1. Crédito à Economia... 2

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA IIIº trimestre 2013 Disponível em: www.bcstp.st/publicações Índice 1. SUMÁRIO EXECUTIVO 6 2. CONJUNTURA

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA Iº Semestre 2014 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 Índice 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 7 2.1

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA Iº Trimestre 2016 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 ÍNDICE 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 6 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 7 2.1.

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A EVOLUÇÃO MACROECONÓMICA

RELATÓRIO SOBRE A EVOLUÇÃO MACROECONÓMICA RELATÓRIO SOBRE A EVOLUÇÃO MACROECONÓMICA PRIMEIRO TRIMESTRE 2017 BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 BCSTP ÍNDICE 1. SUMÁRIO EXECUTIVO 6 2. CONJUNTURA ECONÓMICA

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

Relatório Anual 2013

Relatório Anual 2013 Relatório Anual 2013 W WW. B C S T P. S T, T E L 0 0 2 3 9 2 2 4 3 7 0 0 F A X 0 0 2 3 9 2 2 2 2 7 7 7 RELATÓRIO ANUAL 2013 Relatório Anual 2013 Pág. 1 Índice PREFÁCIO... 6 1. EVOLUÇÃO ECONÓMICA INTERNACIONAL...

Leia mais

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. Dez-13. Jun-14. Ago-14. Abr-14. Fev-14

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. Dez-13. Jun-14. Ago-14. Abr-14. Fev-14 Dez-12 Fev-13 Abr-13 Ago-13 Out-13 Fev-14 Abr-14 Ago-14 Out-14 Fev-15 Abr-15 Ago-15 Out-15 Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação Dezembro de 2015 22 de janeiro de 2016 Taxa de juro 1 manteve

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. abr-15. ago-15. jun-15. fev-15

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. abr-15. ago-15. jun-15. fev-15 dez-13 fev-14 abr-14 ago-14 out-14 fev-15 abr-15 ago-15 out-15 fev-16 abr-16 ago-16 out-16 Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação Dezembro de 2016 23 de janeiro de 2017 Taxa de juro 1 continuou

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC)

ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) Informação à Comunicação Social 22 de Fevereiro de 2001 ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) Indicador para a comparação da inflação entre os Estados-membros da União Europeia Janeiro de 2001

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição

Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição 25 de novembro de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Outubro de 2014 Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País diminuiu 1,5%

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes.º trimestre de 1 Redigido com informação disponível até 3 de setembro de 1 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

Relatório Anual da Economia Santomense

Relatório Anual da Economia Santomense Relatório Anual da Economia Santomense 2015 Relatório Anual da Economia Santomense 2015 Pág. 2 ÍNDICE PREFÁCIO... 10 1. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL... 14 2. ECONOMIA NACIONAL... 21 2.1.

Leia mais

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente - 5 - Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de 2.5 1.5 0.5 à ordem das famílias com prazo até 1 ano das famílias com pré-aviso até 3 meses das famílias à ordem

Leia mais

Relatório Anual da Economia sãotomense

Relatório Anual da Economia sãotomense Relatório Anual da Economia sãotomense 2014 Relatório Anual da Economia Sãotomense 2014 Índice PREFÁCIO... 7 1. EVOLUÇÃO ECONÓMICA INTERNACIONAL... 11 2. ECONOMIA NACIONAL... 15 2.1. Produção e Preços...

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA IIIº Trimestre 2015 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO... 5 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 6 2.1

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel: +238 260

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017 13 de março de 2017 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017 Índice de Volume de Negócios nos Serviços 1 desacelerou O índice de volume de negócios

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 02 fevereiro 2017

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 02 fevereiro 2017 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 02 fevereiro 2017 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1

COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1 10 de Dezembro de 2003 COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1 O Banco Central Europeu (BCE) publica hoje um novo conjunto de estatísticas harmonizadas

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 16 Redigido com informação disponível até 3 de dezembro de 16 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

COMITÉ DE POLÍTICA MONETÁRIA COMUNICADO Nº 12/2015 Maputo, 14 de Dezembro de 2015

COMITÉ DE POLÍTICA MONETÁRIA COMUNICADO Nº 12/2015 Maputo, 14 de Dezembro de 2015 COMITÉ DE POLÍTICA MONETÁRIA COMUNICADO Nº 12/2015 Maputo, 14 de Dezembro de 2015 O Comité de Política Monetária do Banco de Moçambique (CPMO) reunido hoje, na sua décima segunda sessão ordinária do presente

Leia mais

Banco Nacional de Angola

Banco Nacional de Angola Banco Nacional de Angola RELATÓRIO 3º TRIMESTRE DE. Introdução: Em, entrou em vigor o novo plano de conta das instituições financeiras - CONTIF, tendo-se fixado o mês de Março como o período de reporte

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS . ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS.. CONTEXTO MACROECONÓMICO Em a atividade económica permaneceu relativamente contida. O crescimento nas economias emergentes e nas economias em desenvolvimento abrandou

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais

A evolução do crédito e dos depósitos - Portugal no contexto europeu

A evolução do crédito e dos depósitos - Portugal no contexto europeu E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 215 A evolução do crédito e dos depósitos - Portugal no contexto europeu De forma a obter o retrato comparativo da evolução do crédito e dos depósitos, optámos por

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P D E Z E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 9,0 bilhões Saldo: R$ 516,0 bilhões Financiamentos

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro 13 de janeiro de 2014 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2013 A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro Em 2013, o Índice de Preços

Leia mais

Em 2010 a taxa de variação média aumentou para 1,4% e em Dezembro a taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 2,5%

Em 2010 a taxa de variação média aumentou para 1,4% e em Dezembro a taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 2,5% Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2010 12 de Janeiro de 2011 Em 2010 a taxa de variação média aumentou para 1,4% e em Dezembro a taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 2,5% Em 2010, o Índice

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 novembro 2016 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Fevereiro de 2010 26 de Março 2010 Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 de habitação no

Leia mais

A taxa de variação média anual do IPC foi 0,6% em 2016 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,9% em dezembro

A taxa de variação média anual do IPC foi 0,6% em 2016 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,9% em dezembro 11 de janeiro de 2017 Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2016 A taxa de variação média anual do IPC foi 0,6% em 2016 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,9% em dezembro Em 2016, o Índice

Leia mais

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1%

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1% 09 de agosto de 2013 Estatísticas do Comércio Internacional Junho 2013 Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3 e as importações 2,1 As exportações de bens aumentaram 6,3 e as importações

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Índice de Preço no Consumidor Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Abril-2015 1 Índice I.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ÍNDICE... 4 1 - Amostra de bens e serviços seleccionados... 4 2 - Amostra

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012 Em Percentagem (%) RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 212 I. Balança de Pagamentos 1. A Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011 O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA 2011 Funchal, 10 de Novembro de 2011 BUSINESS PLAN Financial Analysis Agenda O tecido empresarial

Leia mais

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes Atividade Turística Fevereiro 2013 16 de Abril de 2013 Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes As dormidas na hotelaria atingiram 1,9 milhões, o que correspondeu a uma variação

Leia mais

estatísticas rápidas - junho de 2012 Nº 86

estatísticas rápidas - junho de 2012 Nº 86 estatísticas rápidas - junho de 212 Nº 86 1/16 Índice A. Resumo B. Consumo de Combustíveis no Mercado Interno C. Consumo e preços de Derivados do Petróleo no Mercado Interno C1. Consumos Globais C2. Gasolina

Leia mais

SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA - Dezembro de 2012

SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA - Dezembro de 2012 SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA - Dezembro de 2012 Em dezembro, o indicador de confiança dos consumidores da Área Euro (AE) voltou a agravar-se, enquanto o indicador de sentimento económico recuperou ligeiramente.

Leia mais

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo ARTIGOS GPEARI-MFAP Abril, ART/ Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e Clara Synek * Resumo O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2017 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Relatório de Inflação II Trimestre de 2013

Relatório de Inflação II Trimestre de 2013 Relatório de Inflação II Trimestre de 2013 2 Av. 4 de Fevereiro, nº 151 - Luanda, Angola Caixa Postal 1243 Tel: (+244) 222 679 200 - Fax: (+244) 222 339 125 www.bna.ao Objectivo do Relatório de Inflação

Leia mais

Síntese Económica de Conjuntura - Setembro de 2016

Síntese Económica de Conjuntura - Setembro de 2016 mm3m/%... Versão retificada em 26/10/2016 Alteração no quadro da pág. 13 Síntese Económica de Conjuntura - Setembro de 2016 Em setembro, o indicador de confiança dos consumidores diminuiu e o indicador

Leia mais

BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO. Fundo de Investimento Aberto Flexível. Tipo de Fundo: Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000

BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO. Fundo de Investimento Aberto Flexível. Tipo de Fundo: Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000 BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO Tipo de Fundo: Fundo de Investimento Aberto Flexível Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000 Objectivo: Política de Distribuição de Rendimentos: Banco Depositário: Locais de Comercialização:

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa em 2016

Projeções para a economia portuguesa em 2016 Projeções para a economia portuguesa em 2016 95 Projeções para a economia portuguesa em 2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma desaceleração do PIB, de 1,6 por cento em 2015 para

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014 Índice de Preço no Consumidor Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014 Janeiro-2015 1 Índice I.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ÍNDICE... 4 1 - Amostra de bens e serviços seleccionados... 4 2 - Amostra

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2016 Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2015 A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro Em 2015, o Índice de Preços

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Apreciação Global A análise dos diversos indicadores relativos ao primeiro trimestre de 2014, para além de confirmar a tendência de abrandamento

Leia mais

IAPC VALE DO PARANHANA

IAPC VALE DO PARANHANA IAPC VALE DO PARANHANA SÍNTESE DOS INDICADORES DA PESQUISA Indicador Variação de Fevereiro de 2013 em relação a Janeiro 2013 (%) Variação da produção de Fevereiro de 2013 em relação a Fevereiro de 2012

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos Proveitos e Custos nos Estabelecimentos Hoteleiros Ano de 2004 Página 2

Leia mais

Apresentação disciplina ECO034

Apresentação disciplina ECO034 215 Apresentação disciplina ECO34 Panorama do primeiro semestre de 215 Alguns fatores no primeiro semestre de 215 vêm afetando a economia, e fazendo com que a população diminua o seu consumo. Aceleração

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 2,8% em 2012 e a taxa de variação homóloga situou-se em 1,9% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 2,8% em 2012 e a taxa de variação homóloga situou-se em 1,9% em dezembro 11 de janeiro de 2013 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2012 A taxa de variação média do IPC foi 2,8% em 2012 e a taxa de variação homóloga situou-se em 1,9% em dezembro Em 2012, o Índice de Preços

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% 10 de agosto de 2016 Índice de Preços no Consumidor Julho de 2016 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% A variação homóloga do IPC passou de 0,5% em junho para 0,6% em julho de 2016. O indicador

Leia mais

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer GEE - UFRJ Milhões de Reais Importância do Setor de Petróleo na Economia Brasileira (I) Desde de 2006 os investimentos na indústria

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC.

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC. O Gráfico 1 nos mostra a evolução das exportações do Brasil, estado de São Paulo e estado de São Paulo sem região metropolitana. O número 1 (um) após o nome de cada região na legenda da Figura 1 indica

Leia mais

Funding da Banca Nacional. Fevereiro de 2011

Funding da Banca Nacional. Fevereiro de 2011 Funding da Banca Nacional Fevereiro de 211 Índice Parte I: Entorno Macro Difícil Parte II: Alteração de Paradigma do Funding da Banca Nacional Parte III: Financiamento Bancário Continua a Fluir Para a

Leia mais

Atividade Turística Abril 2013

Atividade Turística Abril 2013 Atividade Turística Abril 2013 17 de junho de 2013 Hotelaria com reduções nos hóspedes, dormidas e proveitos As dormidas na hotelaria ascenderam a 3,1 milhões em abril de 2013 (-4,0% que em abril de 2012).

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Internacional - Destaques Mercados globais: avanço (modesto) da economia americana, bom desempenho(ainda) da China e melhora (discreta) da Zona do Euro

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,7%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,7% 10 de setembro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Agosto de 2015 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,7% Em agosto de 2015, a variação homóloga do IPC situou-se em 0,7%, taxa inferior em

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana que passou foi marcada pelo forte movimento de correção nas bolsas mundiais ocorrido na sexta-feira (9), após declarações hawkish

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Ancoragem das expectativas inflacionárias Por motivos internos e externos, na semana de 08 a 15 de abril, o prêmio de risco soberano brasileiro reduziu-se em 48 pontos básicos. A expectativa de um eventual

Leia mais

Indicadores de consumo privado e de FBCF aumentam em novembro

Indicadores de consumo privado e de FBCF aumentam em novembro mm3m/%... Síntese Económica de Conjuntura Dezembro de 2016 18 de janeiro de 2017 Indicadores de consumo privado e de FBCF aumentam em novembro Em dezembro, os indicadores de confiança dos consumidores

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Abril de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Números de Mercado 2 Mercado de Cartões 2008 Indicadores

Leia mais

Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015

Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015 ...... Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015 Na Área Euro (AE), o PIB em termos reais registou uma variação homóloga de 1,0% no 1º trimestre de 2015 (0,9% no trimestre anterior). Em abril, os

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 2,6 bilhões Saldo: R$ 503,8 bilhões Financiamentos

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO 2010 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico AD HOC Revisão Técnica: José Varela Donato SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS

Leia mais