MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov"

Transcrição

1 MRS Logística Negócios nos Trilhos Nov

2 Quem somos Concessionária Pública de Transporte Ferroviário, que interliga os três principais centros industriais do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais Acesso ao Porto do Rio, Itaguaí, Mangaratiba, Porto Sudeste e Porto de Santos Principais ativos: vagões 677 locomotivas km de vias Mapa da malha MRS

3 MRS em números Informações financeiras R$ milhões S2011 Receita Bruta EBITDA Lucro líquido Dívida líquida Número de colaboradores % * * Número de colaboradores em 30/set

4 Volume transportado Milhões toneladas % 40 Real 20 Projeção E Em 2011 a carga transportada será aproximadamente 3,5x o volume do período pré-privatização MRS tem 6% da malha total brasileira e transporta 28% da TU

5 Portfólio de clientes ANTES da concessão Mineração Siderurgia Construção

6 Portfólio de clientes DEPOIS da concessão Mineração Siderurgia Construção Agrícolas Químicos Automotivo III ITRI Outros

7 Investimentos R$ milhões * * Orçamento 2011 A MRS investiu quase R$ 6 bilhões desde a concessão

8 Perspectiva de crescimento Realizado Projeção Cenário Base Projeção Cenário Agressivo E A MRS vai continuar na sua trajetória de crescimento, em função de projetos já anunciados

9 Necessidade de mudanças para atendimento da demanda Grande crescimento do volume transportado Aumento de densidade da malha e complexidade da operação, com interferências gerando impacto crescente A B C Consolidação do novo modelo operacional Ferrovia unidirecional, com eliminação dos cruzamentos em trechos críticos Aumento do tamanho e peso dos trens, visando reduzir o número de trens circulando na malha Melhoria da confiabilidade dos ativos Novo modelo de manutenção da malha, com aumento da mecanização e melhores resultados em confiabilidade Modernização da frota de ativos e oficinas, de forma a minimizar os impactos gerados à operação Iniciativas para expansão da capacidade Sinalização e discretização para ganho de segurança e capacidade Expansões e duplicações nos gargalos da malha Retirada de interferências de comunidades para viabilizar crescimento sustentável do volume Novos postos, oficinas e sedes de equipagem Melhorias contínuas em processos, contratação e capacitação de mão-de-obra

10 A Consolidação do novo modelo operacional Heavy Haul: Retirada dos trens de retorno dos auxílios na Ferrovia do Aço Eliminação de contra fluxo na Linha do Centro (carrossel) Aumento da carga por eixo nos trens de minério Aumento do tamanho dos trens, com utilização de tração distribuída Carga Geral: Alteração do modelo de operação, com a utilização de pátios concentradores de carga (HUB s) e minimização do nº de trens circulando em trechos críticos Trens Expressos: trens longos, com o máximo de vagões possíveis, em paradas intermediárias e com horário de saída e chegada respeitados Trens coletores: trens menores, coletam a carga na origem ou entregam no destino, para ou a partir dos pátios concentradores Trens locais: trens menores, que carregam cargas curtas, só entre pátios intermediários (não passam por concentradores)

11 B Melhoria da confiabilidade dos ativos Manutenção de Material Rodante: Construção de novas oficinas e ampliação de oficinas existentes para atender a frota expandida de forma mais eficiente e garantir a confiabilidade dos ativos Criação de postos avançados de manutenção Substituição de locomotivas antigas por modelos novos, com foco em no aumento da eficiência e produtividade da frota e redução da necessidade e custos de manutenção Alteração do modelo de inspeção de locomotivas para reduzir o impacto na operação Manutenção de Malha: Adoção do modelo de renovação total da via, onde há desguarnecimento total com limpeza de lastro e substituição completa de trilhos e dormentes Aquisição de equipamentos para possibilitar manutenção mais eficiente e confiável em janelas de tempo progressivamente reduzidas

12 C Iniciativas para expansão de capacidade Construção de pátios e duplicações de via em gargalos da malha MRS Expansão da frota de vagões e locomotivas para atendimento das demandas de transporte Sinalização de via e tecnologia embarcada para garantir maior aproximação de trens com segurança e aumentar capacidade da malha Vedação de faixa, construção de passagens em nível e passarelas para melhor convívio com comunidades, mais segurança e melhoria operacional Construção de pátios concentradores de Carga Geral (HUB s) para melhoria do nível de serviço aos clientes deste segmento São Paulo: Aumento da capacidade da Cremalheira, com a aquisição de novas locomotivas Segregação linhas CPTM (trecho inicial: MF a Suzano) Outras iniciativas

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS CONCESSIONÁRIAS 1- NOVOESTE Ferrovia Novoeste S.A. 2- FCA Ferrovia Centro-Atlântica S.A. 3- MRS MRS Logística S.A. 4- FTC Ferrovia Tereza Cristina S.A. 5- ALL

Leia mais

Desenvolvimento do Modal Ferroviário FIESP

Desenvolvimento do Modal Ferroviário FIESP Desenvolvimento do Modal Ferroviário FIESP Julho/2015 Principais Investimentos da MRS em São Paulo Julho/2015 Para suportar o crescimento futuro a MRS vem realizando investimentos significativos como forma

Leia mais

Modelo de Negócios Objetivo

Modelo de Negócios Objetivo JULIO FONTANA Modelo de Negócios Objetivo Heavy haul do agronegócio Dominância dos principais corredores de exportação Expansão do setor agrícola DEMANDA DO AGRONEGÓCIO LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA Grandes

Leia mais

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA INICIATIVAS E INVESTIMENTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA INICIATIVAS E INVESTIMENTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Projeto Trainee ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA INICIATIVAS E INVESTIMENTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 AGENDA PARTICIPAÇÃO DO MODAL FERROVIÁRIO PORTO DE SANTOS PROJETOS DE EXPANSÃO DO MODAL MALHA NORTE DUPLICAÇÃO

Leia mais

RUMO ALL. Reunião Anual com Investidores. Dezembro 2015

RUMO ALL. Reunião Anual com Investidores. Dezembro 2015 RUMO ALL Reunião Anual com Investidores Dezembro 2015 2 Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

Os Desafios da Expansão ferroviária na RMSP Obra Segregação Leste. Caio de Vilhena Petroni 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

Os Desafios da Expansão ferroviária na RMSP Obra Segregação Leste. Caio de Vilhena Petroni 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Os Desafios da Expansão ferroviária na RMSP Obra Segregação Leste Caio de Vilhena Petroni 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP 2 Introdução Construção de linha para transporte de carga eliminando

Leia mais

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas 7º Seminário sobre Ferrovias: Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário Vicente Abate - Presidente da ABIFER

Leia mais

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Guilherme Quintella Chairman UIC South America 13 de Setembro de 2012 UIC União Internacional de Ferrovias» Fundada em 1922 com sede em Paris»

Leia mais

2T05 DESEMPENHO DA MRS LOGÍSTICA HYPERLINK 2 TRIMESTRE DE 2005

2T05 DESEMPENHO DA MRS LOGÍSTICA HYPERLINK 2 TRIMESTRE DE 2005 DESEMPENHO DA MRS LOGÍSTICA HYPERLINK 2 TRIMESTRE DE 2005 2T05 MRS BATE NOVOS RECORDES: 9,35 MILHÕES DE TONELADAS EM MAIO E ATINGE LUCRO LÍQUIDO DE MAIS DE R$199 MILHÕES NO 1 SEMESTRE A MRS Logística S.A.

Leia mais

HIDROVIAS E SUA LOGÍSTICA PARTE 2. Os desafios e perspectivas do transporte ferroviário no Brasil

HIDROVIAS E SUA LOGÍSTICA PARTE 2. Os desafios e perspectivas do transporte ferroviário no Brasil HIDROVIAS E SUA LOGÍSTICA PARTE 2 Os desafios e perspectivas do transporte ferroviário no Brasil Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 18 de setembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER

Leia mais

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES Apresentar proposta de classificação de vias em âmbito nacional, de forma a permitir padronização de conceitos entre as diversas ferrovias brasileiras. Normas e conceitos mundiais;

Leia mais

PRINCIPAIS DESTAQUES

PRINCIPAIS DESTAQUES RESULTADOS DO 1T16 Divulgação Imediata A MRS atinge marcas históricas no 1T16, com recordes de transporte tanto no Heavy Haul (minério de ferro, carvão e coque) quanto na Carga Geral (demais produtos transportados).

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Jun/2012 Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento e Projetos Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras

Leia mais

VALEC. Ministério dos Transportes

VALEC. Ministério dos Transportes VALEC Ministério dos Transportes Outubro de 2007 LOCALIZAÇÃO MAPA DA FERROVIA NORTE-SUL AÇAILÂNDIA (MA) / PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) Extensão: 361 km OBRAS CONCLUÍDAS PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) / PÁTIO DE GUARAÍ

Leia mais

Painel "Logística como Fator de Competitividade. "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE".

Painel Logística como Fator de Competitividade. Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE. Painel "Logística como Fator de Competitividade "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE". Agenda Painel "Logística como Fator de Competitividade A Transnordestina Indução de Oportunidades

Leia mais

VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário. Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010

VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário. Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010 VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010 INFORMAÇÕES GERAIS FCA Com mais de 8 mil quilômetros de

Leia mais

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem.

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. A EMPRESA Empresa privada de logística, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste Opera com 95 locomotivas,

Leia mais

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Painel 4 - A Competitividade da Indústria Metroferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 12 de setembro de 2012 ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar

Leia mais

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Modais de Transporte no Brasil Características dos Modais Modal Ferroviário Maior concentração das ferrovias no Brasil As ferrovias

Leia mais

Principais Destaques. 1. Desempenho Operacional:

Principais Destaques. 1. Desempenho Operacional: Rio de Janeiro, Brasil - MRS Logística S.A. informa os resultados relativos ao 3º trimestre de 2012 e ao acumulado de janeiro a setembro de 2012. As comparações se referem aos resultados do trimestre anterior

Leia mais

A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT

A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT Mário Machado Barcellos Consultor Técnico da ANTF Juiz de Fora, 28 de outubro de 2011 A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com

Leia mais

Os Clientes e as Ferrovias Siderurgia Brasileira

Os Clientes e as Ferrovias Siderurgia Brasileira Os Clientes e as Ferrovias Siderurgia Brasileira IV Brasil nos Trilhos 2010 Paulo Fraga Diretor de Planej. Vendas e Logística Agosto de 2010 A Siderurgia Brasileira A capacidade instalada de produção da

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas SUFER Gerência de Regulação e Outorga de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Carga - GEROF EVOLUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERAÇÕES DE DIREITO DE PASSAGEM E TRÁFEGO MÚTUO DO SISTEMA FERROVIÁRIO FEDERAL SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO PARA OPERAÇÕES DE DIREITO DE PASSAGEM E TRÁFEGO MÚTUO DO SISTEMA FERROVIÁRIO FEDERAL SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO PARA OPERAÇÕES DE DIREITO DE PASSAGEM E TRÁFEGO MÚTUO DO SISTEMA FERROVIÁRIO FEDERAL SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Disciplinar os procedimentos relativos ao compartilhamento de infraestrutura

Leia mais

Resultados do 1T17 27 de Abril de 2017

Resultados do 1T17 27 de Abril de 2017 Resultados do 27 de Abril de 2017 Transformação Negócio Online Evolução Estratégica do Marketplace 4 mil parceiros, 2 milhões de SKUs selecionados pelo nível de serviço e alinhamento com a nossa visão

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos XVII Assembleia Geral da CIT 27 e 28/06/2012 - Manaus/AM Sávio Neves Diretor Institucional ANPTrilhos Presidente ABOTTc

Leia mais

J.P. Morgan - 7th Annual Brazil Retail Check Up

J.P. Morgan - 7th Annual Brazil Retail Check Up J.P. Morgan - 7th Annual Brazil Retail Check Up 21 de agosto de 2013 Magazine Luiza - Overview Destaques 2T13 E-commerce Aquisição Época Cosméticos Loja Virtual Comunidade de Heliópolis Expectativas para

Leia mais

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ A Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô foi constituída no dia 24 de abril de 1968; Hoje, o Metrô de São Paulo possui

Leia mais

Vagão Plataforma Multifuncional para o Transporte de Produtos Siderúrgicos

Vagão Plataforma Multifuncional para o Transporte de Produtos Siderúrgicos Vagão Plataforma Multifuncional para o Transporte de Produtos Siderúrgicos Autor: Felipe César Moreira Ciríaco Co autor: Cezar Sales Marques Engenharia de Vagões MRS Logística S.A. Resumo O Vagão Plataforma

Leia mais

ENCONTRO COM O METRÔ. Obras em andamento, Concessões e PPP. Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016

ENCONTRO COM O METRÔ. Obras em andamento, Concessões e PPP. Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016 ENCONTRO COM O METRÔ Obras em andamento, Concessões e PPP Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016 Antecedentes do Serviço Metroferroviário na RMSP Anterior à Constituição

Leia mais

Ultrapar Participações S.A.

Ultrapar Participações S.A. Ultrapar Participações S.A. 1 Previsões acerca de eventos futuros Este documento pode conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia.

Leia mais

Administração do Transporte 2008

Administração do Transporte 2008 Administração do Transporte 2008 A cadeia de suprimento começa com o cliente e sua necessidade de obter o produto. O próximo estágio dessa cadeia de suprimento é uma loja que o cliente procura. Por exemplo:

Leia mais

Destaques do 1T12: Mensagem da Administração

Destaques do 1T12: Mensagem da Administração Vigor registra Receita Líquida de R$ 314,1 milhões e EBITDA de R$ $24,9 milhões, representando um crescimento de 8,2% e 167,9%, respectivamente, quando comparado com igual período do ano anterior Destaques

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA. Aula 06

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA. Aula 06 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 06 MALHA FERROVIÁRIA

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE TRANSPORTE FERROVIÁRIO. Junho de 2006

EVOLUÇÃO RECENTE TRANSPORTE FERROVIÁRIO. Junho de 2006 EVOLUÇÃO RECENTE DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Junho de 2006 O processo de privatização da operação ferroviária teve início, praticamente, com a inclusão da Rede Ferroviária Federal S. A. RFFSA no Programa

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

A Empresa. Soluções Integradas. Qualidade de Gestão

A Empresa. Soluções Integradas. Qualidade de Gestão A Empresa A ES Engenharia, empresa dedicada à engenharia de equipamentos surgiu, em 2009, da união de engenheiros e técnicos qualificados e experientes, oriundos de indústrias químicas e petroquímicas.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES SINALIZAÇÃO E SEGURANÇA NO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES SINALIZAÇÃO E SEGURANÇA NO TRANSPORTE FERROVIÁRIO AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES SINALIZAÇÃO E SEGURANÇA NO TRANSPORTE FERROVIÁRIO São Paulo 14 de Agosto de 2007 HISTÓRICO DO SETOR FERROVIÁRIO DE TRANSPORTES - ATÉ A DÉCADA DE 40: FERROVIA

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F

Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas - SUFER Roteiro 1. Investimentos em Infraestrutura Ferroviária 2.

Leia mais

Gargalos dos portos do Rio de Janeiro. Sistema FIRJAN

Gargalos dos portos do Rio de Janeiro. Sistema FIRJAN Gargalos dos portos do Rio de Janeiro Sistema FIRJAN 14 de fevereiro de 2014 Principais portos do Rio de Janeiro (incluindo novas unidades em estágio avançado) Açu (São João da Barra) Angra dos Reis Itaguaí

Leia mais

Malha Ferroviária de São Paulo Proposta de Antecipação da Prorrogação do Contrato da Malha Paulista

Malha Ferroviária de São Paulo Proposta de Antecipação da Prorrogação do Contrato da Malha Paulista Malha Ferroviária de São Paulo Proposta de Antecipação da Prorrogação do Contrato da Malha Paulista Proposta de Abordagem do Grupo de Concessão da Frente Parlamentar 1. A questão A forma como está ocorrendo

Leia mais

4Q 2008 Figures Março 2009,

4Q 2008 Figures Março 2009, 4Q 2008 Figures Março, 2009 Agenda Cenário Atual Estratégia Plano de Investimentos Usiminas e o Setor de Distribuição 2 Cenário Atual 3 A maior produtora de aços planos da América Latina e a 35 produtora

Leia mais

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012 MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO Rio de Janeiro Janeiro de 2012 AVISO Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia

Leia mais

Vigor Alimentos S.A. Apresentação de Resultados 4º Trimestre e ano de 2015

Vigor Alimentos S.A. Apresentação de Resultados 4º Trimestre e ano de 2015 Vigor Alimentos S.A. Apresentação de Resultados 4º Trimestre e ano de 2015 Teleconferência de Resultados (Tradução Simultânea) 16 de março de 2016 15:30 (horário de Brasília) 14:30 (horário de Nova York)

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

12 de maio de Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização

12 de maio de Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Redução de 81% na perda de furos para detonação na Mina Morro

Leia mais

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza Regional Nordeste Concessões e Parcerias Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de Fortaleza Programa de Gestão de PPPs do Estado do Piauí Viviane Moura Bezerra Superintendente de Parcerias

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 Disclaimer 2 Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

TUFI DAHER FILHO Presidente da Transnordestina

TUFI DAHER FILHO Presidente da Transnordestina TUFI DAHER FILHO Presidente da Transnordestina Juiz de Fora, 28 de outubro de 2011 A g e n d a A TRANSNORDESTINA: O PROJETO: Situação da Malha Atual Clientes Trajetória A Transnordestina Indução de Oportunidades

Leia mais

Clique para editar o estilo. Clique para editar os estilos do texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

Clique para editar o estilo. Clique para editar os estilos do texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível 1 Agenda Clique para editar o estilo 1. Institucional ALL 2. Rotas de Atuação Container 3. Histórico / Projeção 2009 4. Características Mercado / Estratégia Atuação 5. Próximos Passos 1. Institucional

Leia mais

Porf. Rodrigo de Alvarenga Rosa 16/08/2010

Porf. Rodrigo de Alvarenga Rosa 16/08/2010 Departamento de Eng. Produção Sistemas de Comunicação e Sinalização Sinalização Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 A operação ferroviária consiste em imprimir

Leia mais

Líderes e Práticas Especial Filantropia

Líderes e Práticas Especial Filantropia Líderes e Práticas Especial Filantropia 60 healthcaremanagement.com.br edição 42 HEALTHCARE Management Planejamento financeiro Com cerca de 75% dos procedimentos destinados ao SUS, Hospital Márcio Cunha

Leia mais

DNIT SETOR FERROVIÁRIO NACIONAL NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM Diretoria de Infra-Estrutura Ferroviária. Ministério dos Transportes

DNIT SETOR FERROVIÁRIO NACIONAL NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM Diretoria de Infra-Estrutura Ferroviária. Ministério dos Transportes SETOR FERROVIÁRIO NACIONAL NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Diretoria de Infra-Estrutura Ferroviária DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes Ministério dos Transportes GESTÃO GOVERNAMENTAL

Leia mais

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Corredores Logísticos Legenda Ferrovias Estrada de Ferro Carajás - EFC Ferrovia Norte Sul FNS Ferrovia Norte Sul FNS (em construção)

Leia mais

O SR. JOSUÉ BENGTSON (PTB/PA) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o

O SR. JOSUÉ BENGTSON (PTB/PA) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o O SR. JOSUÉ BENGTSON (PTB/PA) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o reaquecimento da economia brasileira a partir do ano passado, deixou em alerta todo o sistema produtivo

Leia mais

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos 24/01/2017 Iniciou suas atividades em 1998 Oferece um amplo conjunto de serviços especializados de consultoria

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

Reunião do COINFRA / FIESP

Reunião do COINFRA / FIESP Brasília, 09 de março de 2016 Reunião do COINFRA / FIESP Fernando Paes Diretor-Executivo www.antf.org.br ASSOCIADAS Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.rumoall.com Malhas Centro-Leste (FCA) e Tramo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS TRENS REGIONAIS. Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento Companhia Paulista Trens Metropolitanos - CPTM

A IMPORTÂNCIA DOS TRENS REGIONAIS. Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento Companhia Paulista Trens Metropolitanos - CPTM A IMPORTÂNCIA DOS TRENS REGIONAIS Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento Companhia Paulista Trens Metropolitanos - CPTM REDE DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS SOBRE TRILHOS NA MACROMETRÓPOLE

Leia mais

Complexo Industrial em Cubatão: fábrica de blocos navais

Complexo Industrial em Cubatão: fábrica de blocos navais Complexo Industrial em Cubatão: fábrica de blocos navais Osmar Martins Luz Superintendente de Planejamento Estratégico 09/08/10 Sobre a Usiminas Mecânica 2 Estrutura Organizacional ORGANOGRAMA Diretor

Leia mais

DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA - DIF COORDENAÇÃO GERAL DE PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - CGPF PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO

DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA - DIF COORDENAÇÃO GERAL DE PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - CGPF PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - DIF COORDENAÇÃO GERAL DE PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - CGPF PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO Brasília, 4 de setembro de 2012 LEI Nº. 11.483/2007 Art. 8º Ficam transferidos ao Departamento Nacional de Infra-Estrutura

Leia mais

Azul iniciará voos com os Airbus A320neo para 14 destinos domésticos a partir de novembro

Azul iniciará voos com os Airbus A320neo para 14 destinos domésticos a partir de novembro Azul iniciará voos com os Airbus A320neo para 14 destinos domésticos a partir de novembro Enviado por DA REDAÇÃO 06-Jul-2016 PQN - O Portal da Comunicação A Azul Linhas Aéreas Brasileiras dá mais um importante

Leia mais

Novo Trem de Passageiros Estrada de Ferro Vitória a Minas

Novo Trem de Passageiros Estrada de Ferro Vitória a Minas Novo Trem de Passageiros Estrada de Ferro Vitória a Minas Perguntas rápidas: Vocês conhecem o único Trem de Passageiros diário de longa distância do Brasil? Vocês sabiam que mais de 1 milhão de pessoas

Leia mais

A proposta da criação do Anel Ferroviário surgiu, basicamente, em função destas citadas condições.

A proposta da criação do Anel Ferroviário surgiu, basicamente, em função destas citadas condições. Mesmo a construção mais recente do ramal Paratinga-Perequê, interligando as linhas da Ferroban e da MRS, tornou a primeira cativa dos serviços operacionais da MRS para os acessos às margens direita e esquerda

Leia mais

AUMENTO DA CONFIABILIDADE DOS SISTEMAS DE FREIO E DE AR COMPRIMIDO NOS TRENS METROPOLITANO.

AUMENTO DA CONFIABILIDADE DOS SISTEMAS DE FREIO E DE AR COMPRIMIDO NOS TRENS METROPOLITANO. AUMENTO DA CONFIABILIDADE DOS SISTEMAS DE FREIO E DE AR COMPRIMIDO NOS TRENS METROPOLITANO. SÍNTESE: HISTÓRICO PROJETO E IMPLANTAÇÃO CONCLUSÃO HISTÓRICO: Diante dos problemas, ocasionados ao material rodante

Leia mais

Lucro líquido da BRF cresce 109,4% e chega aos R$2,2 bilhões em 2014

Lucro líquido da BRF cresce 109,4% e chega aos R$2,2 bilhões em 2014 Lucro líquido da BRF cresce 109,4% e chega aos R$2,2 bilhões em 2014 Aumento da eficiência operacional resultou em EBITDA de R$4,9 bilhões no acumulado do ano, 56,4% superior ao de 2013 São Paulo, 26 de

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país 2 O mercado brasileiro de derivados possui uma concentração na costa litorânea e no sul sudeste do país e o potencial de crescimento

Leia mais

Modais de Transporte. Claudio Barbieri da Cunha. Escola Politécnica. Claudio Barbieri da Cunha

Modais de Transporte. Claudio Barbieri da Cunha. Escola Politécnica. Claudio Barbieri da Cunha Modais de Transporte Escola Politécnica Funções do Transporte Movimentar geograficamente e posicionar os estoque (produtos/bens/materiais) Abastecer instalações (fábricas) com matérias primas e insumos

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO Palestrante: MILTON XAVIER Secretaria dos Transportes 28 abr 2006 SECRETARIA DOS TRANSPORTES A demanda de transporte

Leia mais

SUPERVIA EM TRANSFORMAÇÃO

SUPERVIA EM TRANSFORMAÇÃO SUPERVIA EM TRANSFORMAÇÃO 1 SUPERVIA EM TRANSFORMAÇÃO Força trabalho 3.835 profissionais Frota atual Operacional: 163 Abrangência 12 Municípios Operação Pontualidade: > 92% Com ar condicionado: 59 270

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

O TRANSPORTE DO ETANOL PELA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

O TRANSPORTE DO ETANOL PELA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ O TRANSPORTE DO ETANOL PELA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ Câmara dos Deputados 2º Seminário de Portos e Vias Navegáveis 22/09/2011 Agenor Junqueira Diretor de Transporte Marítimo Projeção do Aumento da FROTA ANO

Leia mais

CASE SAMARCO INOVAÇÕES AMBIENTAIS

CASE SAMARCO INOVAÇÕES AMBIENTAIS CASE SAMARCO INOVAÇÕES AMBIENTAIS CRI CENTRO DE REFERÊNCIA DE INOVAÇÃO Denilson Rodrigues de Araujo OUTUBRO/2012 INOVADORA DESDE O BERÇO E LÁ SE VÃO 35 ANOS... Nascida de um projeto inovador e ousado,

Leia mais

IV Seminário Internacional Mobilidade e Transportes. Universidade de Brasília. Segurança Viária. André Vital SeinfraRodovia TCU

IV Seminário Internacional Mobilidade e Transportes. Universidade de Brasília. Segurança Viária. André Vital SeinfraRodovia TCU IV Seminário Internacional Mobilidade e Transportes Universidade de Brasília Segurança Viária André Vital SeinfraRodovia TCU Outubro de 2016 Reflexão Stop. A vida parou ou foi o automóvel? Carlos Drummond

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10

Apresentação de Resultados 2T10 Apresentação de Resultados 2T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Novembro de 204 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 3T4 2 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO

Leia mais

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Ministério dos Transportes PAULO SÉRGIO PASSOS Ministro de Estado dos Transportes Florianópolis, 27 de fevereiro de 2013 ASPECTOS NACIONAIS INFRAESTRUTURA

Leia mais

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos Trens Regionais e Turísticos João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos O início Decreto nº 55.564, de 15 de março de 2010 amplia as atribuições da STM e permite que atue no transporte

Leia mais

Aco. Presente na. sua vida do começo a cada recomeço

Aco. Presente na. sua vida do começo a cada recomeço Aco Presente na sua vida do começo a cada recomeço SUSTENTABILIDADE DOS PROCESSOS E PRODUTOS O aço está presente em todos os momentos de nossas vidas. Na construção da casa, no café da manhã em família,

Leia mais

Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS)

Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS) Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS) André Carvalho Deborah Baré Hubner Mario Monzoni FGV-EAESP Centro de Estudos em Sustentabilidade

Leia mais

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-Estrutura Salvador, 16 de novembro de 2005 www.bndes.gov.br

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Como Acelerar a Implantação dos Empreendimentos Metroferroviários Vicente Abate Diretor Comercial ANPTrilhos Brasília,

Leia mais

Principais Destaques. Resumidamente, tem-se:

Principais Destaques. Resumidamente, tem-se: Rio de Janeiro, Brasil - MRS Logística S.A. informa os resultados relativos ao 1º trimestre de 2011. As comparações se referem aos resultados do trimestre anterior e do mesmo período de 2011, de acordo

Leia mais

Objetivos Fundamentais do Sistema de Transporte Público de Passageiros

Objetivos Fundamentais do Sistema de Transporte Público de Passageiros Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos METROFOR TREM DO CARIRI SOLUÇÃO PARA O TRANSPORTE REGIONAL Objetivos Fundamentais do Sistema de Transporte Público de Passageiros Transporte público como

Leia mais

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL CAOS LOGÍSTICO REGIONAL O POLO, O PORTO E AS CIDADES NÃO PODEM PARAR Carolina Lembo Gerente do Departamento de Infraestrutura ÍNDICE 1. Contextualização 2. Vantagens do Polo de Cubatão 3. Entraves Logísticos

Leia mais

29/07/2009. Trem de passageiros Estrada de Ferro Vitória a Minas

29/07/2009. Trem de passageiros Estrada de Ferro Vitória a Minas 29/07/2009 Trem de passageiros Estrada de Ferro Vitória a Minas Perguntas rápidas Vocês conhecem o único Trem de Passageiros diário do Brasil? Vocês sabiam que mais de 1 milhão de pessoas usam o trem para

Leia mais

Expansão do Modal Ferroviário Vetores de Investimento e Projeto da Malha Paulista. Julio Fontana São Paulo, 28 de julho de 2016

Expansão do Modal Ferroviário Vetores de Investimento e Projeto da Malha Paulista. Julio Fontana São Paulo, 28 de julho de 2016 Expansão do Modal Ferroviário Vetores de Investimento e Projeto da Malha Paulista 1 Julio Fontana São Paulo, 28 de julho de 2016 AGENDA 1 EXPANSÃO DO MODAL FERROVIÁRIO vetores de investimento 2 PROJETO

Leia mais

Divisão Internacional de Engenharia e Via Permanente

Divisão Internacional de Engenharia e Via Permanente Divisão Internacional de Engenharia e Via Permanente Aparelhos de Via Sinalização Soldagem de Trilhos Manutenção / Construção Serviços Venda de Trilhos Aparelhos de Via AMVs e Cruzamentos Componentes para

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO

RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO Módulo I Apresentação do Setor Engº Henrique José Boneti TIISA SA MATRIZ de TRANSPORTES de CARGA Ano 2000 (%)* Ano 2006 (%)** PNLT 2023 Rodoviário 60,49 58

Leia mais

Jairo Henrique da Costa Pedro Cosme Bruzaca Ailde Pedroso

Jairo Henrique da Costa Pedro Cosme Bruzaca Ailde Pedroso 1 Jairo está na Vale há 28 anos. Ingressou na empresa em 1989 desempenhando atividades nas áreas de Manutenção Mecânica de MGP, Trem Socorro de Marabá, Manutenção Eletroeletrônica de Marabá, PCM Maquinas

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 451 Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS FEIXES DE DESVIOS Denomina-se comprimento útil de um desvio, a parte do desvio onde poderão

Leia mais

MRS Logística Acessibilidade ao Porto de Santos

MRS Logística Acessibilidade ao Porto de Santos MRS Logística Acessibilidade ao Porto de Santos Apresentação institucional A MRS Logística é uma concessionária que controla, opera e monitora a Malha Sudeste da Rede Ferroviária Federal. A empresa atua

Leia mais