O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013"

Transcrição

1 O papel da AICEP nas Feiras Internacionais 20 de fevereiro de 2013

2 Tópicos da apresentação 1. Feiras Internacionais no contexto da globalização 2. Papel da AICEP nas feiras internacionais 2.1 Organização de pavilhões nacionais 2.2 Apoio às empresas 3. Alguns exemplos de pavilhões nacionais

3 1. Feiras internacionais no contexto da globalização

4 Feiras Internacionais no contexto da globalização Globalização FEIRAS Plataformas de Negócios Vantagens Ação de marketing com um dos melhores rácios/custo por contato estabelecido; Contacto direto com o cliente, permitindo testar produto/serviço no(s) mercado(s); Presença que resulta numa combinação de elementos como: força de venda, publicidade, promoção e relações públicas Resultados Iniciar ou reforçar a venda no(s) mercado(s) Angariar agente/representante Conhecer mercado (perfil do consumidor) Conhecer concorrência Reforçar notoriedade de marca própria Potenciar parcerias com empresas complementares

5 Feiras Internacionais no contexto da globalização Espaço de exposição disponível (recintos de feiras com um mínimo de 5.000m 2 de área de exposição coberta) Número de Recintos Área total de espaço coberto ,6 milhões m 2 Aumento desde 2006 até ,4 milhões m 2 (acréscimo de 12%) Aumento médio anual de 2,3% Fonte: UFI Global association of the Exhibition Industry Global Exhibition Industry Statistics Novembro 2012

6 Feiras Internacionais no contexto da globalização Recinto de Feiras com um mínimo de 5.000m 2 de área de espaço coberto 496 Locais 15.6 M. m 2 (48%) Escala 5 Milhões m Locais 7.9 M. m 2 (24%) 70 Locais 1.3 M. m 2 (4%) 25 Locais 0.5 M. m 2 (2%) 33 Locais 0.8 M. m 2 (2%) 184 Locais 6.6 M. m 2 (20%) Fonte: UFI Global association of the Exhibition Industry Global Exhibition Industry Statistics Novembro 2012

7 Feiras Internacionais no contexto da globalização Recinto de Feiras com um mínimo de 5.000m 2 de área de espaço coberto 15 países representam 80% do espaço da exposição mundial (2011) Área Total (m 2 ) % Mundial Aumento desde 2006 USA CHINA ALEMANHA % % % +5% +48% +2% Estes 3 países Representam 46% do total da área de exposição ITÁLIA FRANÇA ESPANHA HOLANDA BRASIL REINO UNIDO CANADÁ RÚSSIA SUÍÇA BÉLGICA TURQUIA MÉXICO % % % % % % % % % % % % +3% +3% +13% +15% +6% +13% +6% +17% +1% +1% +25% +15% Fonte: UFI Global association of the Exhibition Industry Global Exhibition Industry Statistics Novembro 2012

8 Feiras Internacionais no contexto da globalização Aumento da área bruta de exposição coberta, por zonas geográficas, entre 2006, 2010 e Ásia e Pacífico Médio Oriente / África América Europa Fonte: UFI Global association of the Exhibition Industry Global Exhibition Industry Statistics Novembro 2012

9 2. Papel da AICEP nas feiras internacionais

10 Papel da AICEP nas feiras internacionais A aicep Portugal Global tem por missão apoiar a expansão internacional dos negócios das empresas portuguesas, posicionando-nos como facilitadores. Lógica de proximidade às empresas Gestor de Cliente como contacto privilegiado na AICEP Uma Rede Externa reforçada com a integração nas Apoio personalizado Embaixadas de Portugal durante todo o processo de internacionalização Oportunidades Negócio Capacitação Segmentos de Clientes Produtos / Serviços Listas de Importadores Feiras Internacionais Informação / Mercados Missões Empresariais Estudos Setoriais

11 Papel da AICEP nas feiras internacionais CAPACITAÇÃO / FORMAÇÃO AICEP NAS FEIRAS INTERNACIONAIS FACILITAÇÃO Preparação da Empresa na Abordagem ao mercado EXECUÇÃO Organização dos Pavilhões Nacionais Apoio às Empresas nas Participações Individuais em Feiras Promoção da Oferta Nacional Promoção da Competência das Empresas Portuguesas Promoção da Imagem País

12 Papel da AICEP nas feiras internacionais Produtos de informação sobre mercados Externos, disponibilizados no site da AICEP CAPACITAÇÃO / FORMAÇÃO (www.portugalglobal.pt) Desenvolvimento de ações de capacitação ABC Mercados Como vender em Módulos Temáticos

13 Papel da AICEP nas feiras internacionais FACILITAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL PAPEL DA REDE EXTERNA Identificação da feira mais adequada no mercado Facilitação do contacto com a organização da feira Aspetos regulamentares do mercado Obtenção de listagem de fornecedores locais (ex: construtores de stands) Apoio na identificação de suportes de promoção Identificação de contactos comerciais para a empresa preparar a sua presença na feira Apoio no agendamento de reuniões

14 Papel da AICEP nas feiras internacionais PAVILHÕES NACIONAIS PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CHAVE NA MÃO ÀS EMPRESAS PARTICIPANTES Preparação da Logística da presença Marketing da Representação Oficial Preparação da Feira com o Expositor Follow up da Participação Oficial OBJECTIVOS Estratégicos Operacionais

15 Papel da AICEP nas feiras internacionais Organização de Pavilhões nacionais Facilitador da logística da presença da empresa na feira Negociação com a organização da feira Localização do espaço da representação oficial Melhores condições financeiras de participação

16 Papel da AICEP nas feiras internacionais Organização de Pavilhões nacionais (cont.) Facilitador da logística da presença da empresa na feira Negociação com todos os prestadores de serviços envolvidos: Construção, decoração e equipamentos dos stands Transporte e desalfandegamento dos mostruários Serviços de viagem, alojamento e tratamento de vistos Serviços de limpeza, segurança do pavilhão, sinal de internet, potência elétrica necessária ao funcionamento do Pavilhão Gestão e fornecimento de livre trânsito para o período de acesso à feira e fase de montagem e desmontagem Acompanhamento presencial de toda a fase de montagem do pavilhão e entrega de cargas das empresas

17 Papel da AICEP nas feiras internacionais Organização de Pavilhões nacionais (cont.) Marketing sobre a participação oficial Produção do catálogo da representação oficial portuguesa Inserção dos expositores no catálogo oficial da feira (produção do organizador do certame) Direct mail junto dos agentes económicos relevantes no mercado Dinamização de ações de promoção associadas à representação nacional Realização do dia de Portugal no decorrer da Feira Organização de Conferências Publicidade em OCS

18 Papel da AICEP nas feiras internacionais Organização de Pavilhões nacionais (cont.) Apoio à preparação da presença da empresa na feira: Reunião de preparação da feira com todos os expositores Disponibilização de informação económica sobre o mercado Identificação de empresas locais Apoio ao agendamento de reuniões com empresas locais Apoio ao nível do follow up da presença na feira: Monitorização de resultados, nível colectivo Gestor de cliente

19 Papel da AICEP nas feiras internacionais Objetivos Estratégicos a) Alargar a atual base exportadora, permitindo às empresas portuguesas o acesso à participação em feiras internacionais b) Contribuir para a dinamização de contatos no decorrer das feiras que se traduzam em oportunidades de negócio para as empresas expositoras c) Reforçar a visibilidade da oferta nacional de bens e serviços de maior valor acrescentado, criando sinergias de suporte às estratégias individuais das empresas nos mercados. Objetivos Operacionais Proporcionar às empresas participantes um serviço Chave na mão para participação numa feira com o melhor binómio relação qualidade/preço.

20 Papel da AICEP nas feiras internacionais Objetivos estratégicos: FEIRAS 2012 Área ocupada pelo Pavilhão de Portugal (m 2 ) Nº de empresas expositoras Nº de novas empresas em relação à edição anterior % de novas empresas em relação à edição anterior FIA % FILDA % FACIM % FARNBOROUGH International Air Show % IZB - International Supplier Fair %

21 Papel da AICEP nas feiras internacionais Objetivos estratégicos: FEIRAS 2012 Nº médio de contactos estabelecidos por empresa Negócios prespetivados (100% do universo) (+ de 2 negócios) Nº de negócios realizados por empresa (100% do universo) Satisfação média com a presença na Feira (escala até 100%) FIA 34 54% 14% 74% FILDA 26 69% 38% 71% FACIM 37 67% 24% 80% FARNBOROUGH International Air Show 21 29% 18% 75% IZB - International Supplier Fair 22 23% Não há reporte de negócios realizados 77%

22 Papel da AICEP nas feiras internacionais Objetivos estratégicos: Prémio da melhor representação oficial estrangeira na FACIM nos últimos 3 anos Prémio da melhor representação oficial estrangeira na FILDA em 2011

23 Papel da AICEP nas feiras internacionais Objetivos operacionais: EVOLUÇÃO DO PREÇO MÉDIO DE CONSTRUÇÃO NAS FEIRAS INTERNACIONAIS Variação Preço médio do m 2 área bruta intervencionada 157,38 156,00 119,00-24,3% Valores s/ IVA

24 3. Alguns exemplos de pavilhões nacionais

25 Alguns exemplos de pavilhões nacionais FACIM 2012

26 Alguns exemplos de pavilhões nacionais FILDA 2012

27 Alguns exemplos de pavilhões nacionais FARNBOROUGH INTERNATIONAL AIR SHOW 2012

28 Alguns exemplos de pavilhões nacionais IZB INTERNATIONAL SUPPLIER FAIR 2012

29 Alguns exemplos de pavilhões nacionais FIA 2012

30 Obrigado Promoção e Gestão de Eventos

Como participar em Feiras Internacionais. 19 de Junho de 2012

Como participar em Feiras Internacionais. 19 de Junho de 2012 Como participar em Feiras Internacionais 19 de Junho de 2012 Como participar em Feiras Internacionais A - Tipologias de Feiras B -Vantagens de Participar numa Feira C - Principais fases envolvidas nas

Leia mais

Apoio a fornecedores Palmela 14 de Abril de 2011

Apoio a fornecedores Palmela 14 de Abril de 2011 Apoio a fornecedores Palmela 14 de Abril de 2011 1.A aicep Portugal Global 2.Portfolio de Produtos e Serviços 3.Programa Qualificar para Exportar 4.Estudo de caso Agência de Desenvolvimento de Negócios

Leia mais

In DOURO WINE EXPORT BUSINESS

In DOURO WINE EXPORT BUSINESS In DOURO WINE EXPORT BUSINESS POTENCIAR OS NEGÓCIOS E A EXPORTAÇÃO O In Douro Wine Export Business, realiza-se desde 2006 (anteriormente com a designação Festa do Vinho) e tem como objetivo principal proporcionar

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO. NERBA; Bragança;

GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO. NERBA; Bragança; GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO NERBA; Bragança; 29.03.2017 GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO CAPACITAÇÃO DAS PME PARA CONTACTOS INTERNACIONAIS NERBA;

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015 PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de 2016 May 2015 Uma oportunidade económica Área: 92,152 Km 2 (108 º maior país do Mundo) Linha de Costa: 1,859 Km (incluindo

Leia mais

SAÚDE, EQUIPAMENTO MÉDICO E HOSPITAR. AEP - Associação Empresarial de Portugal

SAÚDE, EQUIPAMENTO MÉDICO E HOSPITAR. AEP - Associação Empresarial de Portugal SAÚDE, EQUIPAMENTO MÉDICO E HOSPITAR AEP - Associação Empresarial de Portugal Direcção de Serviços às Empresas - Internacionalização e Promoção Externa FEIRA MEDICAL EXPO CASABLANCA MARROCOS 14 A 17 DE

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO PLANO DE APRESENTAÇÃO Apex-Brasil Principais Soluções Programa de Internacionalização Ações de internacionalização e promoção para o México Juarez Leal Coordenador de Internacionalização A APEX-BRASIL

Leia mais

Feiras no Contexto da Globalização. Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013

Feiras no Contexto da Globalização. Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013 Feiras no Contexto da Globalização Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013 Do comércio mundial à globalização Pós Guerra: Aumento intensivo das trocas

Leia mais

ACÇÕES FUNDAÇÃO AIP EM MOÇAMBIQUE EM 2016

ACÇÕES FUNDAÇÃO AIP EM MOÇAMBIQUE EM 2016 ACÇÕES FUNDAÇÃO AIP EM MOÇAMBIQUE EM 2016 11 a 14 de Maio Expoconstrução Tektónica Moçambique (parceria Fundação AIP com o Ministério da Industria e do Comércio de Moçambique através do Ipex) e apoio da

Leia mais

Formação Empresários -nível 5. Número formandos padrão. Número formandos padrão. Horas

Formação Empresários -nível 5. Número formandos padrão. Número formandos padrão. Horas N.º de horas e de formandos por Entidade Destinatária Tipologia Escalão Horas Consultoria Formativa (Empresários e Ativos ) Formação Empresários e Ativos - nível 3 Horas Número formandos padrão Formação

Leia mais

ACADEMIA EMPRESARIAL

ACADEMIA EMPRESARIAL 1 As missões empresariais têm como principal objetivo auxiliar as empresas nos seus projetos de internacionalização. Organizadas por diversas associações, estas ações potenciam negócios entre empresas

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

A AICEP e os Apoios à Internacionalização

A AICEP e os Apoios à Internacionalização A AICEP e os Apoios à Internacionalização Guimarães, 12 de junho de 2015 Índice 1. Enquadramento / Desafios 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP 4. O Processo de Internacionalização

Leia mais

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Universidade de Aveiro BTL 2014 Lisboa, 13.03.2014 01. Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada Enquadramento da atividade Evolução

Leia mais

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal 14:58 Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal Projeto Programa Brasileiro para a Expansão das Exportações das Farinhas e gorduras de origem animal Objetivo Identificar a situação encontrada

Leia mais

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança /

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança / Mercado 1º cliente (25% de quota) e 1º fornecedor (cerca de 33%) Mais de 6.000 empresas portuguesas exportam para Espanha Portugal é o 5º cliente de Espanha (7%) e 8º fornecedor (quase 4%) Espanha vende

Leia mais

CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O seu Aliado no Mercado Ibérico

CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O seu Aliado no Mercado Ibérico CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA O seu Aliado no Mercado Ibérico A Câmara Hispano Portuguesa de Comércio e Indústria em Espanha (CHP) foi constituída no ano de 1970, como uma organização

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização 1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização Faro, 7 de Maio de 2009 Índice Posicionamento AICEP AICEP - Produtos e Serviços Apoios à Internacionalização Posicionamento AICEP Posicionamento

Leia mais

Indíce. Índice. 1. Conceito. 2. Abordagem. 3. Onde nos pode encontrar?

Indíce. Índice. 1. Conceito. 2. Abordagem. 3. Onde nos pode encontrar? Indíce Índice 1. Conceito 2. Abordagem 3. Onde nos pode encontrar? Conceito das Lojas da Exportação Conceito das Lojas da Exportação As Lojas da Exportação representam uma oportunidade para alargar a base

Leia mais

78ª Feira Internacional de Agricultura Sérvia - Novi Sad 14 a 21 Maio 2011 Dossier de Divulgação

78ª Feira Internacional de Agricultura Sérvia - Novi Sad 14 a 21 Maio 2011 Dossier de Divulgação Dossier de Divulgação 01 Este documento tem como objectivo lançar o desafio às empresas para participação na Feira Internacional de Agricultura a ter lugar em Novi Sad (Sérvia) em Maio de 2011, promovida

Leia mais

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE?

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? Ligia Amorim Diretora geral da NürnbergMesse Brasil 1ª vice-presidente do capítulo América Latina da UFIthe Global Association of the Exhibition Industry. Vice-presidente

Leia mais

Missão Empresarial Brasileira à China 2012

Missão Empresarial Brasileira à China 2012 Missão Empresarial Brasileira à China 2012 A Missão é organizada pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC, com o apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos

Leia mais

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011 Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011 Lisboa, 2 de Junho de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Rede Nacional e Lojas da Exportação 3. Rede Externa 4.

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2013 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

FORMAÇÃO DE LÍDERES. Hilton José Da Veiga Faria (47) Cristiane Leal da Silva

FORMAÇÃO DE LÍDERES. Hilton José Da Veiga Faria (47) Cristiane Leal da Silva FORMAÇÃO DE LÍDERES Case WEG Hilton José Da Veiga Faria hiltonfaria@weg.net (47) 3276-4985 Cristiane Leal da Silva cristianes@weg.net (47) 3276-4997 Objetivos Mostrar os resultados e a relevância de ter

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 Qualificação PME Esta candidatura consiste num plano de apoio financeiro a projetos que visam ações de qualificação de PME em domínios imateriais com o objetivo de

Leia mais

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO Castelo Branco 19 de Fevereiro de 2015 DO S AND DONT S DA INTERNACIONALIZAÇÃO DONT S Aventureiro Internacionalização para salvar a minha empresa Follow up 1 mês depois Mercados

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Prof. Braga de Macedo

GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Prof. Braga de Macedo GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Prof. Braga de Macedo ALGUMAS NOTAS SOBRE ARQUITECTURA INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ALGUNS ORGANISMOS DE APOIO ÀS EMPRESAS E À INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Tendências & Agenda Internacional

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Tendências & Agenda Internacional LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO Tendências & Agenda Internacional PORTO, 13 de outubro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

Saiba como vender Feiras em tempo de Crise

Saiba como vender Feiras em tempo de Crise Saiba como vender Feiras em tempo de Crise Apresentação» Quanto é importante para a sua organização aumentar as vendas?» Quanto é importante para a sua organização incrementar o valor do seu negócio?»

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

LIFE Projeto de Capacitação LIFE14 CAP/PT/000004

LIFE Projeto de Capacitação LIFE14 CAP/PT/000004 LIFE Projeto de Capacitação LIFE14 CAP/PT/000004 Sessão Nacional de Divulgação e Informação sobre o Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE) 2017 Auditório do LNEC, Lisboa, 25 de janeiro de 2017

Leia mais

Plano de Formações. Consultoria e Formação Focada em Gestão, Estratégia e Produtividade Pessoal e Empresarial

Plano de Formações. Consultoria e Formação Focada em Gestão, Estratégia e Produtividade Pessoal e Empresarial Plano de Formações Consultoria e Formação Focada em Gestão, Estratégia e Produtividade Pessoal e Empresarial I F P Introdução As nossas Formações advêm do conhecimento e experiência com os nossos Clientes,

Leia mais

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE AMBIENTE DE NEGÓCIOS 03 CULTURA DE NEGÓCIOS 04 O MERCADO 05-09 REACIONAMENTO ECONÓMICO BILATERAL 10-12 OPORTUNIDADES

Leia mais

Deutsche Bank. Protocolo Deutsche Bank com o LEAP Janeiro de 2016

Deutsche Bank. Protocolo Deutsche Bank com o LEAP Janeiro de 2016 Deutsche Bank Protocolo Deutsche Bank com o LEAP Janeiro de 2016 A Empresa e os seus Colaboradores Empresa O Protocolo Deutsche Bank, sem custos e sem obrigações, permite à sua Empresa ser líder na negociação

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

Missão: o que fazemos e porque existimos

Missão: o que fazemos e porque existimos Fundada em 1991. Estatutos, Artigo 4º: A Movijovem tem como objeto principal promover, apoiar e fomentar acções de mobilidade juvenil na sua vertente social, possibilitando aos jovens portugueses, em especial

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Município de Viana do Alentejo NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Município de Viana do Alentejo  NORMAS DE PARTICIPAÇÃO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Feira D Aires Norma 1 Âmbito de Aplicação As presentes normas aplicam-se aos participantes na Feira D Aires que se realiza anualmente em Viana do Alentejo e é organizada pelo Município

Leia mais

PORTUGAL - COLÔMBIA Disseminação, Resultados e Oportunidades BRAGA 12/12/2014

PORTUGAL - COLÔMBIA Disseminação, Resultados e Oportunidades BRAGA 12/12/2014 PORTUGAL - COLÔMBIA Disseminação, Resultados e Oportunidades BRAGA 12/12/2014 PROGRAMA 16h45 - Boas Vindas RICARDO RIO - Presidente - Câmara Municipal de Braga DOMINGOS BARBOSA - Presidente Associação

Leia mais

EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS

EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 27/02/2013, Governo quer mais investimento de Angola para tornar Portugal plataforma para a Europa e a América Latina

1. (PT) - Diário Económico, 27/02/2013, Governo quer mais investimento de Angola para tornar Portugal plataforma para a Europa e a América Latina Tema de Pesquisa: Internacional 27 de Fevereiro de 2013 Revista de Imprensa 27-02-2013 1. (PT) - Diário Económico, 27/02/2013, Governo quer mais investimento de Angola para tornar Portugal plataforma para

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA AICEP 2011

PLANO DE ACTIVIDADES DA AICEP 2011 PLANO DE ACTIVIDADES DA AICEP 2011 Janeiro 2011 1 Nota Introdutória Na sequência do processo de planeamento para 2011, a AICEP definiu um conjunto de iniciativas promocionais, tendo em consideração os

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS Balança Comercial de Conservas de Frutos e de Produtos Hortícolas (NC 20) (Milhares de Euros) Saídas 171.860 219.416 253.244 316.567 294.753 15,3-6,9 Entradas 186.911 215.700 237.052 246.592 256.774 8,4

Leia mais

Indicadores de Performance para a gestão de resultados. Fabiano Simões Coelho

Indicadores de Performance para a gestão de resultados. Fabiano Simões Coelho Indicadores de Performance para a gestão de resultados Fabiano Simões Coelho Norte de nossas vidas Quando finalmente descobrimos todas as respostas... aparece a vida e muda todas as perguntas... Medindo

Leia mais

Antonio Huertas Presidente da MAPFRE

Antonio Huertas Presidente da MAPFRE ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS PARA ONDE VAMOS? Antonio Huertas Presidente da MAPFRE 11 de março de 2016 Plano Estratégico 2016-2018 Áreas Regionais Compromissos Estratégicos Triênio 2 A nova estratégia

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos em Viagens e Eventos. Evandro Correa BEKUP Soluções em Seguros / 14 Jun 2016

Programa de Prevenção de Riscos em Viagens e Eventos. Evandro Correa BEKUP Soluções em Seguros / 14 Jun 2016 Programa de Prevenção de Riscos em Viagens e Eventos Evandro Correa BEKUP Soluções em Seguros / 14 Jun 2016 Perguntas Importantes O que representa uma Viagem? O que é um Seguro Viagem? O que define a contratação

Leia mais

PLANO AQUARELA

PLANO AQUARELA PLANO AQUARELA 2007-2010 Evolução do Turismo no Mundo TABELA 1 TENDÊNCIAS DO TURISMO MUNDIAL - ENTRADA DE TURISTAS (MILHÕES) 2003 2004 2005 2006 Previsão 2010 Previsão 2020 MUNDO 694,0 764,0 806,0 842,0

Leia mais

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi Agenda O ICA/Procobre Gestão de Energia e a ISO 50001 O setor industrial brasileiro Conclusões O avanço

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ 2015 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós é o tema da participação do Turismo de Portugal na BTL Feira Internacional de Turismo, que se realiza de 12 a

Leia mais

Município de Viana do Alentejo NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Município de Viana do Alentejo  NORMAS DE PARTICIPAÇÃO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Feira do Chocalho Norma 1 Âmbito de Aplicação As presentes normas aplicam-se aos participantes na Feira do Chocalho que se realiza anualmente em Alcáçovas e é organizada pelo Município

Leia mais

estudo das tendências

estudo das tendências estudo das tendências de INTERNACIONALIZAÇÃO estudo das tendências de INTERNACIONALIZAÇÃO Ficha técnica Título Estudo das Tendências de Internacionalização CTCP - Centro Tecnológico do Calçado de Portugal

Leia mais

A NOSSA PROPOSTA É O SEU SUCESSO AS DIFICULDADES TRAZEM OPORTUNIDADES

A NOSSA PROPOSTA É O SEU SUCESSO AS DIFICULDADES TRAZEM OPORTUNIDADES A NOSSA PROPOSTA É O SEU SUCESSO AS DIFICULDADES TRAZEM OPORTUNIDADES A empresa A CONFIDUCIA foi constituída em 2007, com os objectivos estratégicos de prestação de Serviços de Contabilidade e Consultoria

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO NA FEIRA EXTEMIN Página 1

TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO NA FEIRA EXTEMIN Página 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO NA FEIRA EXTEMIN 2015 Página 1 TERMOS E CONDIÇÕES Informações Gerais A participação na 32 Edição da Feira Extemin 2015, a ser realizada em Arequipa, Peru, de 21 a 25

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE Museu do Douro PESO DA RÉGUA, 6 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico GRANDES

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Portugal Uma estratégia para o crescimento Grupo de Trabalho III. Exportação e Subcontratação Especializada. Relatório sectorial

Portugal Uma estratégia para o crescimento Grupo de Trabalho III. Exportação e Subcontratação Especializada. Relatório sectorial Portugal Uma estratégia para o crescimento Grupo de Trabalho III. Exportação e Subcontratação Especializada Relatório sectorial 8 de Maio de 2017 Membros do Grupo de Trabalho... 2 Resumo executivo... 3

Leia mais

Prezado Empresário, CeBIT Brasil, País Parceiro 06 a 10 de março de 2012, em Hannover, na Alemanha

Prezado Empresário, CeBIT Brasil, País Parceiro 06 a 10 de março de 2012, em Hannover, na Alemanha Prezado Empresário, A Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX), com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), do Ministério das Comunicações (MC), do Ministério

Leia mais

História das juniores empresas

História das juniores empresas História das juniores empresas A primeira Júnior Empresa surgiu na ESSEC (L'Ecole Empresarial Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales de Paris) no ano de 1967, na FRANÇA em PARIS. Os alunos

Leia mais

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO Criatividade e Economia Identificamos 4 pilares complementares que deveriam ter um papel dinamizador para a promoção do empreendedorismo e a articulação

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial, cuja Atrair investimento

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012 A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Porto, 25 de Setembro de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial,

Leia mais

Alberto Umbelino Gonçalves

Alberto Umbelino Gonçalves CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA Alberto Umbelino Gonçalves Membro Conselho Executivo da CHP A Câmara Hispano Portuguesa de Comércio e Indústria em Espanha (CHP) foi constituída no ano

Leia mais

Como Vender em Marrocos Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Marrocos Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Marrocos Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Lisboa AICEP (Av. 5 de Outubro, n.º 101) 21 (tarde)

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

FERRAMENTAS DE MARKETING

FERRAMENTAS DE MARKETING FERRAMENTAS DE MARKETING 1 EXTERIOR Passadeira Exterior Entrada Principal 4 4 INTERIOR Check-In de Acesso à feira Roll-Up Colunas Foyer Colunas Redondas Planta da Feira Prisma Central Display Digital Alcatifa

Leia mais

Internacionalização de Marcas Brasileiras Brazil for Export. Sérgio Frota CEO WTC Business Club

Internacionalização de Marcas Brasileiras Brazil for Export. Sérgio Frota CEO WTC Business Club Internacionalização de Marcas Brasileiras Brazil for Export Sérgio Frota CEO WTC Business Club WTC INTERNACIONAL...Rockfellers 334 CIDADES 92 PAÍSES 450 PROJETOS INTERNACIONAIS Internacionalização Contexto

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

Grandes Congressos um desafio estimulante

Grandes Congressos um desafio estimulante Grandes Congressos um desafio estimulante Estrutura da apresentação Introdução ao tópico como captar negócio Análise circunstancial perguntas e respostas Sendo Portugal um destino turístico de excelência

Leia mais

BREVE ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM Informe 08/2013

BREVE ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM Informe 08/2013 Informe 08/2013 BREVE ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM 2012 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista, 1313 8º andar sala 805 Bela

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração. Portimão, 24 de junho de 2015

Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração. Portimão, 24 de junho de 2015 Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração Portimão, 24 de junho de 2015 Plano Estratégico para as Migrações Plano Estratégico para as Migrações 2015-2020 Novos desafios» Governação integrada para

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA PATROCINADORES CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA A Câmara de Comércio e Indústria Árabe-Portuguesa (CCIAP), Associação sem fins lucrativos/entidade de Utilidade Pública, tem como objectivo

Leia mais

Gestão Operacional de Redes Hoteleiras: Conceitos e Boas Práticas Objetivos Gerais Este curso pretende dotar os participantes de conhecimentos e competências das boas práticas na área do turismo e hotelaria.

Leia mais

MAISON & OBJET PARIS 2016 Termos e condições de participação Apex-Brasil Europa

MAISON & OBJET PARIS 2016 Termos e condições de participação Apex-Brasil Europa MAISON & OBJET PARIS 2016 Termos e condições de participação Apex-Brasil Europa Sumário 1 Descrição da Maison & Objet 2 Categorias de produtos promovidas na feira 3 Informações gerais 4 Participação brasileira

Leia mais

Em anexo, Ficha de Inscrição e demais condições de participação no Como Vender em Alemanha.

Em anexo, Ficha de Inscrição e demais condições de participação no Como Vender em Alemanha. Assunto: Como Vender em Alemanha Alemanha Sinónimos: Economia, Finanças, Segurança Social, Indústria Pesada, Competitividade, Cultura. Economia de Mercado, a mais importante da Europa, a quarta a nível

Leia mais

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI Albino Oliveira O que é o Programa Leonardo da Vinci? É um Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional que agora se encontra na sua segunda fase (01 de

Leia mais

Exmo(s) Senhor(es), A FEIRA DA ÁGUA irá decorrer em Beja, no Parque de Feiras e Exposições, de 21 a 23 de Março.

Exmo(s) Senhor(es), A FEIRA DA ÁGUA irá decorrer em Beja, no Parque de Feiras e Exposições, de 21 a 23 de Março. Exmo(s) Senhor(es), A água constitui-se como um fator essencial para o desenvolvimento socioeconómico dos países, das sociedades e das empresas, e como tal deve ser encarado como um recurso estratégico

Leia mais

Assunto: ABC Mercado Argélia

Assunto: ABC Mercado Argélia CIRCULAR 04/2010 (SF) RF / MS Lisboa, 12 de Janeiro de 2010 Assunto: ABC Mercado Argélia Prezado Associado, A aicep PortugalGlobal, com vista a proporcionar informações e conhecimentos sobre o mercado,

Leia mais

Espaço de Exposição 3 módulos (3x2m) 2 módulos (3x2m) Inscrições no Congresso 4 3. Site do Congresso Logotipo e Link para site Logotipo no site

Espaço de Exposição 3 módulos (3x2m) 2 módulos (3x2m) Inscrições no Congresso 4 3. Site do Congresso Logotipo e Link para site Logotipo no site Patrocínios A Comissão Organizadora do 10º Congresso Nacional de Educação Física coloca à disposição da das empresas/organizações e outras instituições, diferentes formas de apoio à realização do Congresso.

Leia mais

Criando uma Líder Global no setor de Cosméticos

Criando uma Líder Global no setor de Cosméticos Criando uma Líder Global no setor de Cosméticos 1 Visão Geral da Transação (CFO 5 min.) Racional Estratégico (CEO 10 min,) Destaques da The Body Shop (VP Internacional 15 min.) Perguntas e Respostas (30

Leia mais

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar ALTO MINHO Desafio 2020 Isabel Braga da Cruz Vila Nova de Cerveira, 19 de Abril 2012 O Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar

Leia mais

A experiência URBACT II em Portugal

A experiência URBACT II em Portugal 1 / 20 URBACT Infoday Portugal A experiência URBACT II em Portugal 2 / 20 Sistema nacional de gestão e participação no URBACT II desde 2007 DGT (ex-dgotdu) AD&C (ex-ifdr) - Representação nacional no Comité

Leia mais

Portugal e o Vinho. Wine Spectator elege Portugal como a melhor região vinícola para se visitar

Portugal e o Vinho. Wine Spectator elege Portugal como a melhor região vinícola para se visitar Portugal e o Vinho PORTUGAL É O 2º MAIOR CONSUMIDOR DE VINHO PER CAPITA DO MUNDO com um consumo médio de 42,2 litros, apenas atrás de Franca com 55 litros. Reino Unido 19,90l; USA 12,80l; China 1,30l;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

Quem somos? Sede em Madri e escritórios em Palma de Mallorca, Buenos Aires, Paris, São, Petersburgo Shanghai São Paulo.

Quem somos? Sede em Madri e escritórios em Palma de Mallorca, Buenos Aires, Paris, São, Petersburgo Shanghai São Paulo. ApresentaçãoIdiso Quem somos? Sede em Madri e escritórios em Palma de Mallorca, Buenos Aires, Paris, São, Petersburgo Shanghai São Paulo. 2.000 clientes em 35 países, presente nos 4 continentes. Com mais

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO ALENTEJO

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO ALENTEJO LABORATÓRIO ESTRATÉGICO ALENTEJO Évora Hotel ÉVORA, 13 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico FOCO EM ATIVOS

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Competitividade global: métodos e experiências

Competitividade global: métodos e experiências Competitividade global: métodos e experiências Nicola Minervini Caxias do Sul, RS 02/10/2013 Competitividade Método Inovação Internacionalização Os desafios da empresa na globalização Custo Brasil X

Leia mais