AFETIVIDADE E EMOÇÃO NA SALA DE AULA: um diálogo com Henri Wallon 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AFETIVIDADE E EMOÇÃO NA SALA DE AULA: um diálogo com Henri Wallon 1"

Transcrição

1 AFETIVIDADE E EMOÇÃO NA SALA DE AULA: um diálogo com Henri Wallon 1 Ronize Peixoto Silva Rocha 2 Resumo: Este artigo discute o afeto e emoção como elementos-chaves do desenvolvimento humano, bem como para fornecer conceitos importantes para a compreensão da pessoa como um todo e da relação entre professor-aluno. Portanto o texto prevê um estudo bibliográfico com base em Henri Wallon e seus seguidores: Almeida (1999), Galvão (2000), Wallon (1971). Também procura destacar a influência que o afeto e emoção têm na aprendizagem da criança e as relações entre professor-aluno, aluno-aluno e professor-conhecimento em sala de aula. Palavras chaves: Afetividade. Emoção. Sala de aula. Wallon INTRODUÇÃO Esta pesquisa trata-se de um artigo baseado em estudos bibliográficos, e vem abordar a questão da afetividade e emoção na sala de aula. Este estudo tem por objetivo despertar o interesse pela aprendizagem estabelecida na relação afetiva que influencia a motivação da sala de aula. A afetividade abordada por Wallon não se resume em ternura e permissividade, mas sim a considerar o ser humano em sua totalidade por toda sua vida. Para esta pesquisa, buscamos complementação em diversos autores que são: Almeida (1999), Galvão (2000), Wallon (1971), o que procura resposta para a seguinte pergunta: de que forma a afetividade e emoção presentes na relação professor-aluno pode de fato favorecer a aprendizagem e a socialização da criança nas séries iniciais? 1 Artigo elaborado para fins da conclusão de curso de Pedagogia da Faculdade Alfredo Nasser sob orientação da professora Ms. Milna Martins Arantes. 2 Graduanda do 8º período do curso de Pedagogia da Faculdade Alfredo Nasser.

2 2 Sendo assim, percebemos cada vez mais a necessidade de abordarmos de modo contínuo a importância das dimensões do movimento, afetividade, inteligência, e formação do eu para a aprendizagem e desenvolvimento da criança, preferindo verticalizar nosso olhar sobre a teoria de Henri Wallon, a qual vem tendo crescente influencia nos debates do âmbito escolar nas séries iniciais. O presente trabalho esta dividido em quatro tópicos. No primeiro tópico, discutiremos sobre quem foi Henri Wallon. Para tanto retomamos alguns dados sobre a vida do autor a fim de compreendermos melhor a constituição de sua obra, sua visão de mundo, de educação, de homem e criança. Já no segundo tópico, resgatamos a psicogenética walloniana: a aprendizagem e o desenvolvimento, focando as dimensões de movimento, afetividade, inteligência e formação do eu. No terceiro tópico, buscamos aprofundar a discussão sobre o conceito de afetividade e emoção na perspectiva de Henri Wallon. No quarto tópico, ressaltamos o lugar da emoção na sala de sala de aula destacando os desafios da relação professor-aluno, aluno-aluno e professor conhecimento A última parte deste artigo refere-se às considerações finais. Nela pretendemos destacar a importância da afetividade e emoção na sala de aula desde as séries iniciais. E ainda ressaltar o papel imprescindível do estudo sobre a perspectiva walloniana para melhor compreender a concepção de mundo, homem e criança presente na sala de aula. Quem foi Henri Wallon Discutir a afetividade na perspectiva Walloniana nos leva a conhecer um pouco da vida de Henri Wallon, para tanto buscamos a biografia deste autor para compreender seu contexto histórico-social, bem como suas produções acadêmicas. Segundo Galvão (1995), Henri Wallon foi um homem que deixou suas marcas na educação. Nasceu em Paris França no dia 13 de Junho de 1879, com vinte e três anos Wallon graduou-se em Filosofia pela Escola Normal Superior, foi um estudioso de Psicologia. Na época em que fez seus estudos ainda não existia um curso

3 3 específico de psicologia, então levado pelo interesse de conhecer a organização biológica do homem cursou medicina formando-se em Wallon viveu em um período marcado por tensões políticas, vivenciou as duas guerras mundiais que aconteceram em (1914 e 1939). Sua participação na primeira guerra mundial foi como médico do exército francês, permanecendo vários meses no front de combate ajudando a cuidar dos feridos da guerra. Em 1931 atuou como médico de instituições psiquiátricas que foi o que despertou seu interesse ainda mais pela psicologia. Já na segunda guerra mundial Wallon participou das forças de resistências e conviveu com uma França invadida pelos alemães. Para Zazzo (1978) Wallon foi considerado um homem cheio da contradição num universo onde os problemas eram considerados a cada dia mais agudos e explosivos. Porém Wallon soube enfrentar bem os problemas de sua época, demonstrando ser um homem flexível, usando a sua reflexão para criticar e modificar as questões políticas e sociais em que viveu. De acordo com Galvão (1995) no ano de 1925 fundou-se o laboratório de Psicobiologia da criança destinado a pesquisa e ao atendimento de crianças com deficiências. Este laboratório funcionou por quatorze anos junto a uma escola na periferia de Paris e só 1939 mudou-se para sua sede definitiva. Zazzo (1978) afirma que Wallon foi o criador da psicologia além de inovar com suas pesquisas deixou várias contribuições científicas. Como um pesquisador e debatedor Wallon foi se aproximando cada vez mais da educação e viu o estudo da criança como uma oportunidade para entender o psiquismo humano. Para Galvão (1995) ainda no ano de 1925, foi publicada a tese de doutorado de Wallon que foi nomeado de A criança Turbulenta e a partir daí iniciou um período de grande apresentação de suas obras que foram voltadas à psicologia da criança. Galvão (1995) destaca algumas das obras de Wallon que foram: Origens do Pensamento na Criança publicado em 1945, em 1948 cria a revista Ênfase, publicação para fonte de pesquisa. Em A Evolução Psicologia da Criança destaca a ligação entre o desenvolvimento psíquico e o biológico da criança. Do ato ao pensamento, visa à relação entre o organismo e o meio físico. Wallon ainda publicou

4 4 alguns artigos que atestam seu interesse pelos campos onde se dá atividade da criança. A originalidade de Wallon consiste em dar função motora e, sobretudo a tonicidade um sentido humano. O Tônus não é apenas um estado de tensão necessário a execução da contração muscular ele é também atitudes posturas (ZAZZO, 1978, p.9) Wallon (1971) vê a criança como um ser complexo, integral na qual suas dimensões afetivas, sociais motoras e cognitivas estão interligadas, isto constitui a pessoa completa. E diante desse direcionamento entende-se que a pessoa se constrói progressivamente em estados de alternância. E é neste sentido que pude perceber a importância de conhecer um pouco da vida de Wallon que favorece a compreensão do ser humano em sua totalidade. Desta forma a obra de Wallon apresenta as preocupações com o desenvolvimento da criança. Portanto se faz necessário refletir sobre as contribuições científicas de cada etapa evolutiva que a criança possui dando ênfase as suas condições mentais e sociais. A Psicogenética Walloniana: a aprendizagem e o desenvolvimento humano. Compreender o desenvolvimento humano passa necessariamente por uma escolha teórica consciente. Neste contexto busca-se entender a criança como um ser completo, complexo e em constantes transformações, cujo desenvolvimento se dá a partir das condições bio-psiquico-social, isto é, a criança se constitui tendo como base inicial um corpo biológico que lhe dá condições primárias para seu desenvolvimento, mas são as relações afetivas, sociais e culturais que impulsionam seu desenvolvimento. Para Galvão (1995) a psicogenética Walloniana estuda a criança como pessoa completa e considera o seu desenvolvimento como uma relação de integração constante com meio. O desenvolvimento da pessoa como um ser completo que ocorre através de quatro elementos fundamentais que estão sempre interligados entre si, esses elementos são: o movimento, a afetividade, a inteligência, e a formação do eu.

5 5 Na teoria de Wallon o movimento é indispensável na cognição e na afetividade, possui uma grande contribuição para a formação do pensamento da criança. Considerando que o movimento já começa desde a vida fetal, a forma em que a criança manifesta suas necessidades é através das suas expressões, assim podemos dizer que a primeira função no desenvolvimento infantil é afetiva. Desta forma Wallon (1971) afirma que no final do primeiro ano de vida, com o desenvolvimento das praxias, gestos como o ato de abrir, fechar, pegar, empurrar, se inicia a dimensão cognitiva do movimento. É a atividade tônica que dá estabilidade ao corpo, o tônus garante a estabilidade das relações entre as forças corporais e as forças do mundo exterior, entre os movimentos e os objetos. A função postural está ligada também a atividade intelectual e ao mesmo tempo dá à sustentação a atividade de reflexão mental e entre ambos há uma relação de reciprocidade. Segundo Wallon (1971) a percepção também é uma função tônica e a imitação é uma forma de atividade que revela de maneira incontestável, as origens motoras do ato mental, pois o gesto precede a palavra. A criança usa os objetos como instrumento para sua comunicação expressiva e para exercício de sua imaginação que se mantém predominante na motricidade infantil. Nesta perspectiva a afetividade é considerada extremamente necessária para o desenvolvimento humano. Até os primeiros três meses de vida o bebê está imerso na vida orgânica, já no primeiro ano de vida a afetividade e a inteligência estão misturados. Nos primeiros anos de nossas vidas, a afetividade se expressa por manifestações somáticas, epidérmicas que garantem a nossa existência, pois mobiliza o meio humano a suprir nossas necessidades, assim explica Arantes, (2000), professora, estudiosa da obra de Wallon, segundo ela a afetividade ocupa uma posição central na psicogenética por favorecer a formação do sujeito e a construção do conhecimento, a atividade emocional realiza a transição entre o estado orgânico do ser e sua etapa cognitiva, isto é, as relações afetivas possibilitam que o psiquismo se desenvolva. O vínculo afetivo se estabelece entre a cultura, permitindo a posse dos instrumentos necessários para a atividade psíquica. Galvão (1995) afirma que ao longo do desenvolvimento humano o equipamento sensório-motor favorece a exploração da afetividade e a partir deste

6 6 momento reflui para dar espaço a atividade cognitiva que promove e incorpora as construções da inteligência e é a cultura e a linguagem que fornecem ao pensamento os instrumentos para sua evolução. A inteligência depende essencialmente do acordo de como cada pessoa se integra com o meio e compreende os seus signos de forma que lhe permita uma participação efetiva na realidade em que está inserida. Nesse sentido, o processo de desenvolvimento da inteligência está marcado a cada período, ora pela dimensão afetiva, seja pela dimensão cognitiva em um processo de funções a criança esta voltada para a realidade das coisas e no conhecimento do mundo. Assim, Galvão (1995) ressalta que, não é possível definir um limite terminal para o desenvolvimento da inteligência, nem tampouco da pessoa, pois dependem das condições oferecidas pelo meio e do grau de apropriação que o sujeito fizer delas. As funções psíquicas prosseguem num permanente processo de especialização mesmo que os pontos de vista orgânica já tenham atingindo a maturação, sendo assim, a efetividade corresponde à energia que mobiliza o ser em direção ao ato, enquanto a inteligência corresponde estruturação do ato, vivência crônica modela a partir dos esquemas disponíveis naquele momento. Nesse sentido para Wallon (1971) a gênese da inteligência é genética e organicamente social, afinal ele entende o desenvolvimento da pessoa como uma construção progressiva em que se sucedem fases com predominância afetiva e cognitiva. De acordo com Galvão (1995) a formação do eu, depende essencialmente do outro. A partir de quando a criança começa a vivenciar a crise de oposição na qual a negação do outro funciona, como espécie de descoberta de si própria, isso acontece por volta dos 3 anos de idade, é quando chega hora de saber que eu sou, as características como imitação, sedução. Em relação ao outro, manipulação, são momentos voltados para interação social e formação do eu, bem como as relações afetivas com o outro, completando os processos intelectuais, que possibilitam a substituição dos objetos pelas palavras correspondentes a partir da apropriação da linguagem. Para Galvão (1995) a construção do eu corporal é a condição para a construção do eu psíquico, pois a primeira forma de relação da criança é de

7 7 natureza afetiva, a partir do toque da carência, do contato visual e manual com as pessoas e objetos, da apreciação musical, entre outros que o bebê está experimentando o mundo, ampliando a consciência do seu próprio corpo, de suas possibilidades psicomotoras. Segundo Wallon (1971) é contra a natureza tratar a criança fragmentariamente, pois este considera o desenvolvimento como um processo não acabado, em cada idade ela constitui um conjunto indissociável e original que implicam a integração, os conflitos e as alternâncias nas transformações que acontecem ao longo da vida. A criança dispõe de atividades predominantes que correspondem recursos para interagir com o ambiente. A psicogenética Walloniana nos indica cinco estágios de desenvolvimento que são: Impulsivo: emocional que abrange o primeiro ano de vida, a predominância da afetividade orienta as primeiras reações do bebê, as pessoas, as quais intermediam sua relação com o meio físico; a exuberância de suas manifestações afetivas é diretamente proporcional a sua inaptidão para agir diretamente sobre a realidade interior. Sensorio-motor: é projetivo, que vai até o terceiro ano, o interesse da criança se volta para exploração sensório-motor do mundo físico. A aquisição da marcha e da preensão possibilita-lhe maior autonomia na manipulação de objetos e na exploração de espaços. Outra marca fundamental deste estágio e o desenvolvimento da função simbólica e da linguagem. O termo projetivo deve-se a característica do funcionamento mental neste período: ainda nascente, o pensamento precisa do auxilio dos gestos para se exteriorizar, o ato mental projetose em atos motores, predominam as relações cognitivas com o meio (inteligência prática e simbólica). Personalismo: que cobre a faixa dos três aos seis anos à tarefa central é o processo de formação da personalidade, a construção da consciência de si, eu se dá por meio das interações sociais, re-orienta o interesse da criança para as pessoas, definindo o retorno da predominância das relações afetivas. Categorial: inicia por volta dos seis anos graças às consolidações da personalidade realizadas no estágio anterior, traz importantes avanços no plano da

8 8 inteligência. Os progressos intelectuais dirigem o interesse da criança para as coisas, para o conhecimento e conquista do mundo exterior, imprimindo as suas relações com o meio tendo preponderância do aspecto cognitivo. Adolescência: a crise pubertária rompe a tranqüilidade afetiva que caracterizou o estágio categorial e impõe a necessidade de uma nova definição dos contornos da personalidade, desestruturados devido a modificações corporais resultantes da ação hormonal. Este processo coloca a tona questões pessoais, morais, e existenciais numa retomada da predominância da afetividade. Galvão (1995) afirma que a momentos predominantes afetivos, isto é, subjetivos de acúmulo de energia, sucedem outros que são predominantemente cognitivos, isto é, objetivos e de dispêndio de energia. E o que chamamos de predominância funcional. O predomínio do caráter intelectual corresponde às etapas em que a ênfase está na elaboração do real e no conhecimento do mundo físico. Na sucessão dos estágios há uma mudança nas formas de atividades que assumem a preponderância em cada fase. A cada nova fase inverte a orientação da atividade e do interesse da criança: do eu para o mundo da pessoa e para as coisas. De acordo com a perspectiva Walloniana a integração funcional não é definitiva, mesma que as capacidades já tenham se subordinado aos centros de controles, podem ser provisoriamente desintegrados. Neste sentido, isso explica os freqüentes retrocessos que marcam o desenvolvimento, esses retrocessos entendidos como reaparecimento de forma mais arcaicos de atividade, são observáveis na relação da criança com tarefas escolares, por exemplo, uma atividade de desenho a criança que mesmo já dominando os recursos de representação gráfica, vez ou outra só rabisca. O ritmo descontínuo que Wallon assinala ao processo de desenvolvimento infantil assemelha-se ao movimento de um pendula que oscilando entre pólos opostos, imprime características próprias a cada etapa do desenvolvimento. Como Galvão (1995) afirma na vida adulta, vimos que esse momento pendular continua presente. Esse faz visível na permanente pulsar a que está sujeito cada um de um nós. (...) a criança, ao se desenvolver psicologicamente, vai se nutrir principalmente das emoções e dos sentimentos disponíveis nos

9 9 relacionamentos que vivencia. São esses relacionamentos que vão definir as possibilidades de a criança buscar seu ambiente e nas alternativas que a cultura lhe oferece a concretização de sua possibilidade de estar sempre se projetando na busca daquilo que ela pode vir a ser. (MAHONEY 1993, p.68) Portanto, pode-se perceber que a psicogenética Walloniana imprime um novo olhar sobre a criança e seu desenvolvimento. Visto que a criança passa a ser entendida de forma completa, isto é, inter relacionando as dimensões motoras, cognitivas, afetivas e sociais, num processo contínuo, no qual os avanços alcançados em uma dessas dimensões impulsionam e são condições para o desenvolvimento das outras. Outro ponto central de sua obra refere-se à relação entre afetividade e cognitiva, criando um elo entre ambos, indissociável e de extrema importância para a aprendizagem e desenvolvimento. Portanto passa-se agora a discutir de forma mais específica a função da afetividade na vida humana, em especial da criança. Afetividade e Emoção: Perspectiva Henri Wallon Diante do pressuposto que a afetividade é o ponto de partida para o desenvolvimento humano e que sua evolução parte de uma socialização para uma individualização psicológica, Almeida (1999), afirma que a vida afetiva da criança organiza-se a partir do contato com o outro. Segundo Wallon (1971) a afetividade representa o primeiro e mais forte elo na elaboração do pensamento, tornando-se fundamental para a formação da personalidade da criança. Para Wallon (1971) a afetividade e a inteligência não surgem pronta e acabada, ambos desenvolvem de acordo com as aprendizagens e desenvolvimento da criança. Wallon (1971) destaca que a inteligência cumpre uma função de orientar, descobrir, explicar e transformar o mundo externo sejam os seres e as coisas. Já a afetividade vincula-se as pré-disposições internas, motivações e envolvimento que nos afetam ao relacionarmos com o outro e com o mundo material concreto. De acordo com Almeida (1999), existe uma diferenciação entre o sentimento, a emoção e a paixão. O sentimento é psíquico e durável a emoção é

10 10 orgânica e passageira, a paixão surge quando a criança já consegue ter autocontrole de si. Neste sentido, falar de afetividade integra estas três dimensões que são o sentimento, a paixão e a emoção. O estudo que ora se propõe, tem como eixo central as emoções na sala de aula, portanto, abre - se uma discussão maior as emoções tendo clareza, que sentimento, emoção e paixão, estão sempre interligadas. Para Almeida (1999) as emoções, uma das formas de afetividade é concretizada tanto pela cólera, medo, tristeza, quanto pela alegria. Wallon (1971) ressalva que a emoção em sua totalidade apresenta disposições orgânicas e sofrem influência do meio social. Desta forma, a emoção pode estabelecer uma revolução orgânica que ocorre através do próprio corpo, isto é a sensibilidade exteriorizada pelas modificações nos gestos e na expressão facial. O corpo se torna tradutor das emoções para o meio social estabelecendo uma reciprocidade com outro. Wallon (1971) identificou três maneiras de atuação das emoções que manifesta no mundo social. São elas: o contágio emocional, que tem a capacidade de contaminar o outro e de transmitir o seu prazer ou desprazer; a plasticidade que tem a capacidade de refletir no corpo os sinais da emoção, como por exemplo, a expressão facial e a contração dos músculos; e a regressividade que é a capacidade que a emoção tem de fazer regredir ou não o raciocínio. E nesse mecanismo que se evidenciam as relações com o domínio funcional do conhecimento. O autor afirma que vem da necessidade de sobrevivência o esforço do ser humano para se comunicar, se relacionar com seu meio e por isso o corpo e as emoções se integram diante das necessidades de expressar sentimentos. Dentro deste contexto que Wallon (1971), ressalta que são as emoções que unem as relações de carinho, os gestos, as posturas ocasionando as trocas afetivas e intelectuais. Emoção e inteligência são suas dimensões inseparáveis da atividade humana. Como sinaliza Almeida (1999): A emoção está sempre na vida do indivíduo; mesmo em estado de serenidade ela se encontra como que latente. Portanto, se nenhuma atividade, por mais intelectual que seja, suprime a emoção, nenhuma situação emocional, por mais intensa que seja elimina completamente a presença da razão. Convivendo em estado de perfeita comunhão, quando uma sobressai na atividade é porque a outra se encontra eclipsada. Dessa

11 11 relação de complementaridade entre a emoção e a inteligência depende o desenvolvimento do sujeito. (p.82) Sendo assim, as emoções são manifestações da afetividade e a expressão dos sentimentos e é por meio dessas emoções que ocorre a aprendizagem. Portanto, é extremamente necessário conservar a qualidade das relações de interação com o meio para que sejam feitas as mediações da aprendizagem. A emoção impõe á inteligência o desafio de superá-la, instigando-a ao uso de todas as habilidades e capacidades lógicas do indivíduo. (ALMEIDA, 1999, p. 88). A partir do entendimento da dimensão que a afetividade tem na vida do ser humano, em especial da criança, buscam-se entender o significado da emoção na sala de aula, vistas a melhor integrá-la na prática pedagógica, isto é, entender o que fazer pedagógico está permeado por emoções que são constitutivas e podem contribuir ou não na relação ensino-aprendizagem. Almeida (1999) eleva também o seu pensamento sobre o lugar da emoção na sala de aula, ela afirma que a sala de aula é um espaço onde ocorre o vinculo de convivência com as trocas de valores, culturas, crenças, relações sociais que se interagem de forma favorável ou não para o desenvolvimento emocional e intelectual no processo de ensino aprendizagem. A Emoção na sala de aula: desafios da relação professor-aluno, aluno-aluno e professor-conhecimento-aluno. A escola está sujeita a lidar com várias situações, tais como: os conflitos, as emoções, o afeto, as oposições, limites, preconceitos e o despreparo para lidar com questões emocionais tanto por parte do professor, quanto por parte do aluno. Almeida (1999) aponta que as manifestações de afetividade como: o medo, a cólera e a alegria são constantes emoções que influenciam nas relações, nas ações e a produção do conhecimento que acontecem na sala de aula. Desta forma as emoções que surgem na sala de aula podem intervir de forma positiva ou negativa, tanto nas relações professor-aluno, aluno-aluno, professor-conhecimento-aluno.

12 12 Neste sentido, o medo pode expressar-se pela falta de movimento, de controle, de atitudes, causando a falta de habilidades em novas situações. O que se percebe muitas vezes no âmbito da sala de aula é que a posição autoritária do professor faz com que o aluno se afaste provocando conflitos na relação com a aprendizagem. O aluno se retrai diante do professor e com isso acaba formando uma barreira entre ambos, o aluno tem dúvidas no conteúdo proposto, mas não faz perguntas por que teme as respostas do professor que em sua postura se firma na relação de poder, impondo ser o dono da situação. E desta maneira geram dificuldades na execução de algumas atividades tais como: responder questionários, realizar provas, apresentar trabalhos, questionamentos, o que pode gerar dificuldade de relacionamento interpessoal, bem como dificuldade de aprendizagem. Na relação aluno-aluno é possível perceber entre crianças e adolescentes situações em que o medo interfere na construção de elos afetivos na sala de aula, como é o caso do bullying 3, hoje tão presente e discutido, neste caso o aluno agressor intimida e ridiculariza o colega. Portanto, é possível perceber que o medo pode promover situações constrangedoras no contexto emocional. A cólera é uma forma de contágio emocional e possui um caráter resolutivo e pode manifestar por um simples incômodo no corpo ou na expressão facial, ou até mesmo na incompatibilidade na relação postural e profissional. A cólera pode expor o professor diante da sala de aula ocasionando desgastes tanto físicos, emocionais quanto cognitivos. Pode-se perceber nas séries iniciais, por exemplo, que é comum a manifestação de contágios emocionais, o choro repetitivo de uma criança pode levar a irritabilidade tanto da própria turma quanto do professor. Neste caso, colegas podem chorar, agredir com mordidas e tapas o colega que chora,gerando um desequilíbrio emocional na sala de aula que poderá dificultar a construção de um ambiente socializador, aconchegante, rico em interações e aprendizagens. A alegria é considerada como um excesso de movimento que provoca uma agitação no corpo. A criança sente prazer em realizar as atividades que são propostas porque tem a liberdade de expressar na sala de aula sua criatividade, espontaneidade, isto é aprende de forma prazerosa. 3 Bullying é o termo que significa humilhar, constranger, ofender, perseguir e difamar. Esse desvio de comportamento parte de um agressor que faz com que seu alvo receba abusos morais ou físicos.

13 13 Assim, a relação professor-aluno, aluno-aluno, e professor- conhecimentoaluno assume uma dimensão lúdica. Neste sentido, é possível perceber que a dimensão da alegria se faz presente quando o professor assume posturas democráticas na sala de aula, promove o diálogo, a expressão oral e corporal. E comum percebermos tais posturas em aulas de arte, educação física, entre outras nas quais o processo de apreensão do conhecimento, interação, trabalho coletivo e cooperativo é mais relevante que o produto final. Almeida (1999) ressalta que o professor deve sempre observar com muita atenção as reações posturais da criança, levando em consideração as situações emotivas no contexto da sala de aula, pois a falta de movimento ou o exagero representa uma emoção que deve ser melhor compreendida,principalmente nas series iniciais, na qual é comum práticas de contenção dos movimentos,visto que para muitos professores: O movimento é sinônimo de desatenção, e como a atenção é necessária, passa-se a eliminar ao máximo os movimentos, em alguns casos chegando ao ponto de considerar que se resolve a situação da aprendizagem pela exclusão das crianças que ameaça sua concentração. Em virtude de interferir nas atividades das crianças e, conseqüentemente nas relações com os outros, o movimentos, geralmente é interpretado como indisciplina. As crianças mais agitadas exaurem os adultos, sendo a inquietação na sala de aula motivo de irritação. (ALMEIDA, 1999, p.90) Diante disso não tem como prever as situações emocionais que podem acontecer na sala de aula e por este motivo o professor deve manter uma reciprocidade para o conhecimento emocional do outro e de si mesmo desde o primeiro dia de aula. A falta de clareza a respeito ligação entre movimento e emoção interfere, muitas vezes na relação professor aluno. (ALMEIDA, 1999 p.91). Portanto, Almeida (1999) aponta que o movimento não deve ser interpretado de forma errônea, visto que a criança se expressa corporalmente, tanto nas suas emoções, quanto em suas aprendizagens. Neste contexto, nem sempre o movimento deve ser compreendido como desatenção, o professor precisa estar atento a linguagem corporal e seus possíveis significados. A aprendizagem passa necessariamente pelo corpo, o professor das séries iniciais deve promover situações de ludicidade, interação, aprendizagens que consideram o corpo e o movimento das crianças.

14 14 Em geral os professores demonstram ter dificuldade em lidar com as situações emotivas da sala de aula, o que é compreensível pela própria natureza da emoção. Conforme apontado por Wallon (1971), a emoção, por ser imprevisível, surge nos momentos de completa vulnerabilidade do indíviduo. Por não considerarem a imprevisibilidade, os indivíduos, ao se depararem com reações emocionais de outrem, ficam mais suscetíveis ao seu contagio e, conseqüentemente, passam a fazer parte do circuito perverso 4. (ALMEIDA, 1999, p.91) Então, neste sentido Almeida (1999) destaca a importância de o professor manter-se em equilíbrio entre a razão e a emoção, podendo assim, desenvolver habilidades com o estado emocional da criança com o objetivo de trabalhar a emoção de forma significativa no momento de exercer a atividade cognitiva na sala de aula. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esse artigo teve a intenção de apresentar a importância da perspectiva walloniana sobre a aprendizagem e o desenvolvimento humano na séries iniciais. Neste sentido, buscamos refletir a psicogenética proposto por Wallon, relacionandoa com a relação professor aluno, aluno-aluno e professor-conhecimento-aluno no contexto da sala de aula. Estudar a perspectiva walloniana se torna um grande desafio, pois ela nos coloca uma nova visão de mundo, criança e homem baseado na concepção sóciohistorico-dialética. A partir dessa visão que o homem estabelece relações com o meio humano, sócio-cultural e físico. Essas relações são dialéticas e dinâmicas e permite ao homem transformar, ser transformado, ao mesmo tempo em que se autotransforma. Para compreender melhor a aprendizagem e o desenvolvimento humano, segundo a perspectiva da teoria de Wallon abordamos as dimensões movimento, da afetividade, da inteligência, da formação do eu acreditando que estas contribuem de 4 Conforme H. Dantas (1999), o circuito perverso instala-se quando o indíviduo não consegue reagir de forma corticalizada diante de reações emocionais alheias. O perigo de se estabelecer o circuito perverso é o fato de que, uma vez instaurado, o sujeito torna-se ainda mais vulnerável à ampliação das reações emotivas. Envolvido de tal forma nas ondas do circuito, ele fica completamente alheio à realidade circundante.

15 15 forma significativa para a prática pedagógica do professor que atua nas séries iniciais. Com isso a prática pedagógica se torna mais próxima da dialeticidade que marca o desenvolvimento da criança. Nesta perspectiva o movimento possui um teor expressivo, é a partir dele que a criança manifesta suas necessidades e seu estado de bem estar ou mal estar. A afetividade é um elemento primordial que contribui significamente na formação e construção do sujeito. A inteligência se integra com a afetividade o que propicia uma relação afetiva na qual uma evolui para a outra e nasce uma grande conquista no campo intelectual. A formação do eu se faz importante porque é através dela que a criança amplia suas relações com o meio e toma consciência da importância do outro em sua vida. As dimensões do movimento, da afetividade, da inteligência e da formação do eu influenciam profundamente nas aprendizagens e no desenvolvimento da criança ampliando seu comportamento, hábitos conceitos e valores. Este autor também nos leva a refletir sobre a função da emoção na sala de aula espaço onde a criança tem uma convivência diária com colegas e professor. E diante desta convivência é que gera a interação de ambos. Cabe ao professor fazer a mediação necessária para que essa interação ocorra de forma harmoniosa. Então, através deste estudo podemos perceber o quanto é importante conhecer a obra de Wallon. Para concluirmos, nosso dialogo com Wallon serviu para reafirmarmos que a afetividade e a emoção estão presentes desde as séries iniciais na sala de aula constituindo-se como um dos pontos principais do desenvolvimento humano. Abstrat: This article discusses the affection and emotion as key elements of human development as well as to provide important concepts for understanding the whole person and the relationship between teacher. Therefore the text provides a bibliographical study based on Henri Wallon and his followers: Almeida (1999), Galvan (2000), Wallon (1971). Also tries to highlight the influence that the affection and emotion have on the child s learning and relationship between teacher and student, student-student and student-teacher-knowledge in the classroom. Keyworks: Affectivity. Emotion. Classroom. Wallon.

16 16 REFERÊNCIAS ALMEIDA, Ana Rita silva A emoção na sala de aula. Campinas, SP: Papirus, ARANTES, Milna, Martins. Dialogando com Wallon. 47 f. Trabalho de conclusão de curso Pós graduação especialização em educação infantil, Faculdade de Educação da U.F.G,Goiânia,2000. GALVÃO, Isabel, Henri Wallon: Uma concepção dialética do desenvolvimento infantil, Petrópolis, RJ: vozes, MAHONEY, Abigail Afetividade e o processo-aprendizagem. São Paulo: Loyola, WALLON. Henri, A evolução psicológica da criança. Lisboa, 70 ed ZAZZO, René. Henri Wallon: Psicologia e Marxismo. Editorial Vega, Lisboa, 1978.

Introdução à obra de Wallon

Introdução à obra de Wallon Henri Wallon Introdução à obra de Wallon A atividade da criança: conjunto de gestos com significados filogenéticos de sobrevivência. Entre o indivíduo e o meio há uma unidade indivisível. A sociedade é

Leia mais

Henry Wallon. Psicologia do Desenvolvimento Pedagogia 2º período Profª Renatha Costa ARQUIVO VI

Henry Wallon. Psicologia do Desenvolvimento Pedagogia 2º período Profª Renatha Costa ARQUIVO VI Henry Wallon Psicologia do Desenvolvimento Pedagogia 2º período Profª Renatha Costa renathakcosta@gmail.com ARQUIVO VI 2016.2 A gênese da inteligência para Wallon é genética e organicamente social. O ser

Leia mais

TEORIAS DA APRENDIZAGEM

TEORIAS DA APRENDIZAGEM TEORIAS DA APRENDIZAGEM Professora Mônica Caetano Vieira da Silva UNIDADE DE ESTUDO 08 HENRI WALLONS E A PSICOGÊNESE DA PESSOA Henri Wallon nasceu na França em 1879. Dedicou-se ao estudo da medicina, filosofia

Leia mais

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Mariana Roncarati Mestranda em Educação - UNIRio/ CAPES; Psicomotricista Uni-IBMR; Especialista em Educação Infantil PUC-Rio m_roncarati@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO I EMENTA

PLANO DE ENSINO I EMENTA PLANO DE ENSINO CURSO: Psicologia SÉRIE: 4º período TURNO: Diurno e Noturno DISCIPLINA: Psicologia Sócio-Interacionista CARGA HORÁRIA SEMANAL: 2 horas CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 horas I EMENTA Estudo

Leia mais

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

ARTIGO. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget.

ARTIGO. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget. ARTIGO 13 As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget. Ana Lúcia Jankovic Barduchi Mestre em Psicologia pela USP, Doutoranda em Educação pela Unicamp. Professora

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

RELAÇÃO: AFETIVIDADE E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELAÇÃO: AFETIVIDADE E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELAÇÃO: AFETIVIDADE E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL Sonia Cristiana da Silva Andrade Fundação Francisco Mascarenhas Faculdades Integradas de Patos E-mail: posgraduacao@fiponline.com.br Resumo: O presente

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA.

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA. CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA. Eduardo Oliveira Sanches (DTP/UEM) Andrey Amorim Sargi (G Educação Física/UEM) Felippe Hakaru Hirayama

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECERES DOS RECURSOS PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 11) De acordo com a Proposta

Leia mais

Desenvolvimento Corporal

Desenvolvimento Corporal Desenvolvimento Corporal Esquema Corporal Esquema corporal é a representação que cada um faz de si mesmo e que lhe permite orientar-se no espaço. Baseado em vários dados sensoriais proprioceptivos e exteroceptivos,

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

82 TCC em Re-vista 2012

82 TCC em Re-vista 2012 82 TCC em Re-vista 2012 MARTINS, Juleide Lopes de Miranda 1. Reflexões sobre a medicalização do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. 2012. 20 f. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO

CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO ESTRUTURA DE TRABALHO Os CCEB atendem a comunidade escolar no contra turno com oficinas diversificadas que atendem os alunos da faixa etária de 6 à 12 anos que estudam

Leia mais

AUTOR(ES): REGIANE DE MORAIS SANTOS DE ASSIS, EDNADJA CARVALHO DO NASCIMENTO GALDINO

AUTOR(ES): REGIANE DE MORAIS SANTOS DE ASSIS, EDNADJA CARVALHO DO NASCIMENTO GALDINO 16 TÍTULO: AS CONSEQUÊNCIAS DO BULLING PARA APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO - UNIAN-SP AUTOR(ES):

Leia mais

Influência da educação psicomotora na educação infantil

Influência da educação psicomotora na educação infantil Influência da educação psicomotora na educação infantil Carina Barbosa Bússolo 1 INTRODUÇÃO As atividades lúdicas facultam à criança a possibilidade de expressar-se verdadeiramente, o brincar da forma

Leia mais

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica,

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica, PROJETO TECENDO CIDADANIA: PROJETO DE APOIO AO ESTUDO DOS TEMAS TRANSVERSAIS Autores: Leonardo Cristovam de JESUS, aluno do IFC Campus Avançado Sombrio e bolsista do projeto. Ana Maria de MORAES, Pedagoga

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

OS PENSADORES DA EDUCAÇÃO

OS PENSADORES DA EDUCAÇÃO OS PENSADORES DA EDUCAÇÃO PAULO FREIRE, PIAGET, VYGOTSKY & WALLON 01. De acordo com Paulo Freire quando trata da importância do ato de ler, para a construção da visão crítica são indispensáveis: (A) Trabalhar

Leia mais

Serão as emoções importantes? Sim

Serão as emoções importantes? Sim As emoções Emoções Uma reação complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reações fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afetivas, sentimentais

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo (gravewild@yahoo.com.br) APRESENTAÇÃO Fabiano Silva Cruz Graduado em composição e arranjo

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Jaciara Barbosa Carvalho Faculdade Anhanguera, Bauru\SP e-mail:

Leia mais

Psicologia da Educação. A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem

Psicologia da Educação. A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem Psicologia da Educação A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem Objetivos Definir a Teoria Psicologica da aprendizagem Sócio-cultural Conceituar a Teoria de Vigostki e descrever os conceitos

Leia mais

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento.

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 1ª Série 6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 6DES002 ASPECTOS TEÓRICO-METODOLOGICOS DE MODALIDADES

Leia mais

Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta. Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici

Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta. Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho 2016 1 Sondar

Leia mais

Teorias Motivacionais

Teorias Motivacionais Teorias Motivacionais A perspectiva biológica A perspectiva Biológica da Motivação pode subdividir-se em 3 categorias: As contribuições genéticas para o comportamento motivado A Motivação como estimulação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS GERAIS Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, a melhoria

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica.

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Equipe Trabalho em Equipe São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Objetivo comum. Objetivos do grupo acima dos interesses

Leia mais

OS EFEITOS DA DANÇA NO DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS

OS EFEITOS DA DANÇA NO DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS OS EFEITOS DA DANÇA NO DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS SILVA, Thayssa Lorrane Falce da 1 LEITE, Regina Aparecida de Almeida 2 1 Acadêmica do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Educação infantil Creche e pré escolas O QUE É? Os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN - são referências de qualidade para os Ensinos Fundamental e Médio do país,

Leia mais

A Pedagogia da Aventura

A Pedagogia da Aventura A Pedagogia da Aventura Os PCN s destacam a cultura corporal de movimento, explicitando a intenção de trabalhar com as práticas: Jogos Lutas Atividades Rítmicas e Danças Esportes Ginástica Como produções

Leia mais

Designação do Módulo: Técnicas de Animação

Designação do Módulo: Técnicas de Animação Módulo N.º 3258 Designação do Módulo: Técnicas de Animação Planificar e dinamizar a animação com caráter interdisciplinar, como forma de desenvolver competências e autonomias. Expressão livre e animação

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Prof. Me. Luana Serra Secretaria Municipal de Educação de Santos DOCUMENTO PRELIMINAR PARA A CONSTRUÇÃO DA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Material adaptado de Beatriz Ferraz Educação Infantil na BNCC A Base Nacional

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

Dançar Jogando para Jogar Dançando - A Formação do Discurso Corporal pelo Jogo

Dançar Jogando para Jogar Dançando - A Formação do Discurso Corporal pelo Jogo 1 Dançar Jogando para Jogar Dançando - A Formação do Discurso Corporal pelo Jogo Fabiana Marroni Della Giustina Programa de Pós-Graduação em Arte / Instituto de Artes IdA UnB A forma como o indivíduo apreende

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO

DESENVOLVIMENTO HUMANO DESENVOLVIMENTO HUMANO Sumário 1.1. O que é Desenvolvimento Humano... 3 1.2. Fatores que influenciam o desenvolvimento humano... 3 1.3. Princípios gerais do desenvolvimento humano... 5 1.4. Aspectos do

Leia mais

ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA UNIVERSITÁRIOS: UMA PORTA PARA O CONHECER

ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA UNIVERSITÁRIOS: UMA PORTA PARA O CONHECER ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA UNIVERSITÁRIOS: UMA PORTA PARA O CONHECER Elisa Maria Pitombo Faculdade Sumaré E-mail: elisa.pitombo@sumare.edu.br 2 RESUMO: O atendimento psicopedagógico para universitários

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

NOVIDADES E PARCERIAS

NOVIDADES E PARCERIAS ......... Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-1712 / 3371-2265 / 98837-0282 Site: www.escolafazendinhafeliz.com.br / Email: contato@escolafazendinhafeliz.com.br

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE JOGOS E BRINQUEDOS: Veremos como sua utilização contribui para o desenvolvimento da criança.

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 TURMA: Nível 1 PERÍODO: 23/02 a 22/05 DISCIPLINA/PROFESSOR/A OBJETIVO CONTEÚDOS Viviane Bhoes Identidade e Autonomia * Reconhecer colegas e professores pelo nome; * Ampliar

Leia mais

Fundamentos do Movimento Humano

Fundamentos do Movimento Humano Fundamentos do Movimento Humano CORPOREIDADE Corporeidade é a maneira pela qual o cérebro reconhece e utiliza o corpo como instrumento relacional com o mundo. manifesta-se através do corpo, que interage

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget

O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget Epistemologia Genética Epistemologia genética Teoria sobre a gênese e do desenvolvimento cognitivo da criança (em específico,

Leia mais

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart 11. Estágio personalismo (3 a 6 anos) A predominância funcional é AFETIVA (relações afetivas) e o conflito é de natureza endógena (centrípeta). Período de formação da personalidade, marcado por conflitos

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - FACIBIS CURSO DE PSICOLOGIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO 2009.2 COORDENAÇÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA BELO

Leia mais

Segue o texto do Dr. Mário Sérgio Vasconcelos para o I Encontro Temático de Marília. Seguir o padrão dos textos anteriores.

Segue o texto do Dr. Mário Sérgio Vasconcelos para o I Encontro Temático de Marília. Seguir o padrão dos textos anteriores. Aprender a Fazer Produções Educacionais Curitiba, maio de 2007-05-23 Segue o texto do Dr. Mário Sérgio Vasconcelos para o I Encontro Temático de Marília. Seguir o padrão dos textos anteriores. Professor

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA

ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA A visão de educação da Escola Sonho de Criança é de concepção humanista, já que valoriza o ser humano no desenvolvimento das suas potencialidades. Acreditamos

Leia mais

Planejamento de ensino

Planejamento de ensino Planejamento de ensino Ensino O ENSINO: é um processo de aprendizagem que objetiva a formação ou transformação da conduta humana. A educação de hoje interessa-se pelo desenvolvimento harmônico do educando

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Jean Piaget (1896-1980) FERRARI, Márcio. Jean Piaget: o biólogo que pôs a aprendizagem no microscópio. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores.

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

Auto-Estima. Elaboração:

Auto-Estima. Elaboração: Auto-Estima Elaboração: www.searadomestre.com.br Estima 1. Apreciação favorável de uma pessoa ou coisa; amizade, apreço, afeição. 2. Consideração. 3. Estimativa, avaliação. O que é Qualidade de Vida? Requisitos

Leia mais

AFETIVIDADE, DESENVOLVIMENTO INFANTIL E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO À LUZ DA TEORIA WALLONIANA

AFETIVIDADE, DESENVOLVIMENTO INFANTIL E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO À LUZ DA TEORIA WALLONIANA AFETIVIDADE, DESENVOLVIMENTO INFANTIL E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO À LUZ DA TEORIA WALLONIANA Cicera Alteniza Duarte de Castro Universidade Federal de Campina Grande alteniza_@hotmail.com Zildene Francisca

Leia mais

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT Futsal Escolar Prof. Ivan Gonçalves dos Santos Lucas do Rio Verde MT - 2009 Introdução A Educação Física é uma disciplina pedagógica permeada de

Leia mais

Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico

Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico Profa. Dra. Nádia Aparecida Bossa Doutora em Psicologia e Educação USP, Mestre em Psicologia da Educação PUC-SP, Neuropsicóloga, Psicopedagoga, Psicóloga, Pedagoga.

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Kamila Pimentel dos Santos Leila Márcia Azevedo Nunes Lionela da Silva Corrêa Universidade Federal do Amazonas - UFAM Práticas Pedagógicas inclusivas

Leia mais

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo IV

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo IV PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO Módulo IV A criança no Ciclo de Alfabetização: ludicidade nos espaços/tempos escolares Kellen Cristina Costa Alves Bernardelli LUDICIDADE RECURSO PEDAGÓGIC FRUIÇÃO

Leia mais

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO 2º CICLO DOMÍNIO DA CRITÉRIOS GERAIS PERFIL DO ALUNO: DESCRITORES GERAIS INSTRUMENTOS INDICADORES DE % Coordenação psico-motora. Sentido de pulsação/ritmo/harmonia/ fraseado. COGNITIVOS: APTIDÕES CAPACIDADES

Leia mais

RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE. Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012

RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE. Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012 RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012 Homem: Ser Social Só existe em relação. Subjetividade e individualidade: se formam a partir de sua convivência social.

Leia mais

Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando

Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando potenciais. Brasília, DF: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial. Resenhado por: Lara Carolina de Almeida (Universidade

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

O PIBID COMO DIVISOR DE ÁGUAS PARA UMA PEDAGOGIA LIVRE E CRIATIVA

O PIBID COMO DIVISOR DE ÁGUAS PARA UMA PEDAGOGIA LIVRE E CRIATIVA O PIBID COMO DIVISOR DE ÁGUAS PARA UMA PEDAGOGIA LIVRE E CRIATIVA Laurena Fragoso Martinez Blanco Acadêmica do Curso de Pedagogia da UNICENTRO Irati e bolsista do Programa Institucional de Iniciação á

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Profa. Fátima Soares Definições: A psicologia é a ciência que estuda o comportamento e os processos mentais do ser humano e todos os animais. Psicologia como ciência A psicologia

Leia mais

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE É sabido que através da prática esportiva, o indivíduo pode ser norteado a caminhos contrários a violência,

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio TEMA CADERNO 3 : O CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO, SEUS SUJEITOS E O DESAFIO DA FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Moderadora: Monica Ribeiro da Silva Produção: Rodrigo

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

Jogos de Alfabetização

Jogos de Alfabetização Jogos de Alfabetização Sistematização: Leila Nascimento Baseado em: LEAL, T. F; ALBUQUERQUE, E. B. C. de e LEITE, T. M. R. Jogos: alternativas didáticas para brincar alfabetizando (ou alfabetizar brincando?).

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO/UFRGS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO/UFRGS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO/UFRGS ASSESSORIA DE JOGOS 2009 PROJETO AMORA (CAP/UFRGS) PROCESSOS DE APROPRIAÇÃO DAS AÇÕES E DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS. Orientadora:

Leia mais

Ensinar e aprender: Processos e relações interdependentes. Profa. Dra. Maria Regina Cavalcante Profa. Dra. Alessandra de Andrade Lopes

Ensinar e aprender: Processos e relações interdependentes. Profa. Dra. Maria Regina Cavalcante Profa. Dra. Alessandra de Andrade Lopes Ensinar e aprender: Processos e relações interdependentes Profa. Dra. Maria Regina Cavalcante Profa. Dra. Alessandra de Andrade Lopes Eixo 2: Práticas Pedagógicas no Ensino Superior: epistemologia do ensinar

Leia mais

Fundamentos e Práticas de Braille II

Fundamentos e Práticas de Braille II Fundamentos e Práticas de Braille II Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA

Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA Concepção Inatista Eventos que ocorrem após o nascimento não são essenciais para o desenvolvimento. As capacidades, a personalidade,

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (4º E 5º ANOS) PROFESSORA ANDRESSA CESANA CEUNES/UFES/DMA FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS AGOSTO DE 2015 A PEDAGOGIA DO TEXTO é

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

A teoria genética de Piaget. Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP

A teoria genética de Piaget. Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP A teoria genética de Piaget Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP Jean Piaget (1896-1980) biólogo suíço estudou a interação de moluscos com o meio ambiente Jean Piaget (1896-1980) os moluscos, como

Leia mais

Roteiro para análise do filme Escritores da. Liberdade

Roteiro para análise do filme Escritores da. Liberdade Roteiro para análise do filme Escritores da Liberdade É importante reforçar que toda a comunidade escolar é responsável e participante no processo educativo e que a ação dos funcionários na escola é, sobretudo,

Leia mais

AFETIVIDADE NA SALA DE AULA: o olhar Walloniano sobre a relação professor-aluno na educação infantil

AFETIVIDADE NA SALA DE AULA: o olhar Walloniano sobre a relação professor-aluno na educação infantil FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA AFETIVIDADE NA SALA DE AULA: o olhar Walloniano sobre a relação professor-aluno na educação infantil Grazyelle Iaccino Faria APARECIDA

Leia mais