REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES"

Transcrição

1 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional de Proteção Civil) no âmbito da Portaria n.º773/2009, de 21 de julho? Este registo é obrigatório para as entidades que exerçam a atividade de comercialização, instalação e ou manutenção de produtos e equipamentos de segurança contra incêndio em edifícios (SCIE), constantes do artigo 2.º da Portaria n.º773/2009, de 21 de julho. 2. A certificação das entidades, ao abrigo do disposto no artigo 7.º da Portaria n.º773/2009, de 21 de julho é obrigatória? Não. A certificação apenas é obrigatória para as entidades com atividade de manutenção de extintores (NP 4413), pelo disposto no n.º 9, do artigo 8.º, do Anexo I à Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro. 3. O referencial de qualidade previsto na alínea b) do n.º 2 do artigo 7.º da Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho já está definido pela ANPC? Não. As entidades que pretendam obter a certificação ao abrigo de um referencial de qualidade específico para a atividade no âmbito do comércio, instalação e ou manutenção de produtos e equipamentos de SCIE terão de se certificar com base na NP EN ISO 9001, devendo cumprir o disposto na alínea a), do n.º2, do artigo 7.º da Portaria n.º773/2009, de 21 de julho. 4. Quais os passos para solicitar o registo de uma entidade na ANPC? Recomenda-se a consulta do documento Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC, disponível no sítio da ANPC na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/ Que requerimentos (s) têm de se preencher para proceder ao registo da entidade na ANPC? Onde os posso obter? Têm de ser preenchidos os três requerimentos (SCIE - Requerimento para o registo de entidade na ANPC; SCIE - Requerimento para a acreditação de técnicos responsáveis e SCIE - Avaliação curricular do técnico responsável), disponíveis no sítio da ANPC na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/ de setembro de 2016 Página 1 de 6

2 6. É suficiente o envio dos requerimentos, devidamente preenchidos em papel? Os requerimentos deverão ser devidamente preenchidos e assinados. Posteriormente, juntamente com a documentação constante dos anexos, deverão ser remetidos, por correio, para a sede da ANPC (Av. do Forte em Carnaxide, Carnaxide). Só após a receção da documentação via correio será apreciada a candidatura. 7. A entidade candidata a registo pode propor para acreditação mais do que um técnico responsável? Sim, indicando para cada um deles as áreas para que solicita acreditação. 8. Qual o valor da taxa a pagar pelo registo de entidade se a mesma propuser mais do que um técnico responsável a acreditar? O valor da taxa a pagar por entidade é de 54,08 independentemente do número de técnicos propostos a acreditação, correspondendo à taxa prevista na alínea h), do n.º 1, do artigo 2.º e no Anexo II da Portaria n.º 1054/2009, de 16 de setembro, tendo em conta a atualização prevista no despacho n.º 2689/2016, de 22 de fevereiro. 9. Quem deve entregar na ANPC as medidas de autoproteção? A exigência da apresentação das medidas de autoproteção decorre do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro (n.º 2 do artigo 34.º). As medidas de autoproteção a aplicar encontram-se discriminadas na Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro. As medidas de autoproteção são exigidas para todos os edifícios e recintos, à exceção dos edifícios de habitação das 1.as e 2.as categorias de risco (artigo 198.º da Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro). As medidas de autoproteção solicitadas no âmbito da Portaria n.º º773/2009, de 21 de julho são as referentes à sede da entidade a registar. Sempre que a sede da entidade coincida com a sua habitação, a entidade está dispensada de apresentar as medidas de autoproteção. Em todas as outras situações o estabelecimento deverá ser enquadrado numa utilização-tipo e categoria de risco, tendo de ser elaboradas as medidas de autoproteção. 10. Como é que devo entregar as medidas de autoproteção na ANPC? Devem ser entregues na ANPC dois exemplares em papel com as medidas de autoproteção, os quais podem ser enviados pelo correio ou entregues em mão na ANPC (se se tratar de um estabelecimento até à 3.ª categoria de risco inclusive no CDOS do distrito respetivo, se forem referentes a estabelecimentos da 4.ª categoria de risco devem ser encaminhadas para os serviços centrais da ANPC em Carnaxide). O envio por via eletrónica ainda não está operacional. O requerimento disponível no sítio da ANPC na secção segurança contra incêndio em edifícios, devidamente preenchido, e o comprovativo do pagamento da taxa devem ser remetidos com as medidas de autoproteção. Os contactos da ANPC encontram-se disponíveis em na secção contactos. 11. O que deve ser entregue na ANPC para comprovar a entrega das medidas de autoproteção? Deve ser apresentada cópia do requerimento entregue na ANPC com as medidas de autoproteção. Esse requerimento, disponível no sítio da ANPC na secção segurança contra incêndio em edifícios, deve estar devidamente preenchido, com a área reservada à ANPC preenchida (como comprovativo da receção das medidas de autoproteção e pagamento da taxa). Se o requerimento não tiver 8 de setembro de 2016 Página 2 de 6

3 a área reservada à ANPC preenchida, o requerente deverá juntar cópia do recibo remetido pela ANPC, relativo ao pagamento da respetiva taxa. 12. O que se entende por documento comprovativo do cumprimento da NP 4413? Trata-se da cópia do certificado emitido pela entidade certificadora, quanto ao serviço de Manutenção de Extintores. 13. Para o registo na ANPC, as entidades devem requerer o reconhecimento da capacidade técnica do(s) técnico(s) responsável(eis) ao abrigo de que legislação? Desde o dia 21 de julho de 2012 a acreditação do técnico responsável é obtida exclusivamente em conformidade com os requisitos fixados no Regulamento da ANPC, estabelecido pelo Despacho n.º 10738/2011, de 30 de agosto. 14. O que acontecerá caso o meu registo tenha sido efetuado ao abrigo da norma transitória e o(s) meu(s) técnico(s) não realizem a formação exigida pelo Despacho 10738/2011, de 30 de agosto? Se os técnicos possuírem mais de cinco anos de experiência na atividade e escolaridade mínima obrigatória podem requerer a acreditação direta, ao abrigo do artigo 2.º do Despacho 10738/2011, de 30 de agosto. Se não for cumprida nenhuma das opções requeridas para os técnicos ao abrigo do referido despacho ( Cinco anos de experiência na atividade e escolaridade mínima obrigatória" ou Um ano de experiência na atividade, escolaridade mínima obrigatória e formação, de acordo com os requisitos descritos no Despacho n.º 10738/2011, de 30 de Agosto ) o registo da entidade será suspenso (Artigo 9º da Portaria 773/2009, de 21 de julho). 15. Somos uma empresa espanhola fabricante de portas e envidraçados resistentes ao fogo e ao fumo, e seus acessórios. Uma determinada empresa portuguesa, com atividades em Portugal enquadradas na Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho, pretende comprar-nos os referidos produtos, com o objetivo de os comercializar e instalar em Portugal. Necessitamos de fazer o registo em Portugal no âmbito da Portaria nº 773/2009, de 21 de julho? Não. É a empresa portuguesa que tem de efetuar o registo na ANPC, ao abrigo da Portaria nº 773/2009, de 21 de julho. 16. A empresa X contratou a empresa Y para instalar sistemas automáticos e dispositivos autónomos de deteção de incêndios e gases. A empresa Y está devidamente registada na ANPC, ao abrigo da Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e por sua vez subcontrata a empresa Z para instalar o referido equipamento de SCIE, a qual não se encontra registada na ANPC. A empresa Z deveria estar registada? Sim. Só em casos muito particulares em que a empresa Z forneça apenas mão-de-obra, mantendo-se a empresa Y responsável pela referida instalação (está registada e tem técnicos responsáveis acreditados pela ANPC para o efeito) é que a empresa Z pode ficar dispensada do registo na ANPC. 8 de setembro de 2016 Página 3 de 6

4 17. Como se processa a formação do técnico responsável da entidade, ao abrigo do Despacho nº /2011, de 30 de agosto? A formação terá de seguir os critérios da tabela abaixo representada. Momento de realização da formação Tipo de formação Formação a frequentar N.º de horas mínimo Técnicos com, no mínimo, 1 ano de experiência comprovada. Acreditação ao abrigo do nº2 do artigo 2.º, do despacho 10738/2011 Antes de solicitar a acreditação à ANPC Inicial Geral 16 Específica (1) e (2) 19 (por cada produto ou equipamento) Segundo o Quadro I do Despacho 10738/2011 Geral 6 Técnico com 5 anos de experiência comprovada. Acreditação ao abrigo do nº1 do artigo 2.º, do despacho 10738/ anos após a acreditação pela ANPC Contínua Específica 8 (por cada produto ou equipamento) Segundo o Quadro II do Despacho 10738/ Tenho 5 anos de experiência profissional na atividade de comercialização, instalação e manutenção de um determinado produto ou equipamento de SCIE, e possuo a escolaridade mínima obrigatória. Pretendo solicitar a minha acreditação ao abrigo da Portaria 773/2009, de 21 de julho. Necessito de realizar alguma ação de formação para a minha acreditação inicial? Não. Tendo em conta o nº 1 do artigo 2.º do Despacho n.º 10738/2011, de 30 agosto a sua acreditação é direta. 19. Obtive a minha acreditação direta, ao abrigo do nº 1 do artigo 2.º do Despacho n.º 10738/2011, de 30 de agosto, em maio de Quando terei que realizar a minha formação para a renovação da minha acreditação? Terá de realizar a sua formação de acordo com o referido despacho, ou seja até maio de de setembro de 2016 Página 4 de 6

5 20. Frequentei com aproveitamento a formação inicial (teórica e prática) ao abrigo do disposto na NP 4413:2012 (Segurança contra incêndios - manutenção de extintores). Que formação inicial necessito realizar ao abrigo do Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto, a fim de ser técnico responsável pelo equipamento extintores? Os candidatos a técnico responsável pela manutenção de extintores que frequentem com aproveitamento a formação inicial (teórica e prática) ao abrigo do disposto na NP 4413:2012 (Segurança contra incêndios - manutenção de extintores) ficam dispensados de realizar a formação inicial específica para extintores prevista no Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto, mesmo que requeiram a acreditação também para a comercialização e/ou instalação de extintores. Se o candidato a técnico responsável requerer acreditação apenas para a comercialização e/ou instalação de extintores, não realizará, em princípio, a formação ao abrigo do disposto na NP 4413:2012, pelo que deverá realizar a formação inicial específica para extintores prevista no Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto. Esclarece-se que em qualquer um dos casos o candidato a técnico responsável deverá realizar a formação geral prevista no Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto. 21. Frequentei com aproveitamento a formação contínua (teórica e prática) ao abrigo do disposto na NP 4413:2012 (Segurança contra incêndios - manutenção de extintores). Que formação contínua necessito realizar ao abrigo do Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto, a fim de renovar a acreditação enquanto técnico responsável pelo equipamento extintores? O técnico responsável pela manutenção de extintores que frequente com aproveitamento a formação contínua (teórica e prática) ao abrigo do disposto na NP 4413:2012 (Segurança contra incêndios - manutenção de extintores) fica dispensado de realizar a formação contínua específica para extintores prevista no Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto, mesmo que requeira a acreditação também para a comercialização e/ou instalação de extintores. Se o técnico responsável requerer a renovação da acreditação apenas para a comercialização e/ou instalação de extintores, não realizará, em princípio, a formação ao abrigo do disposto na NP 4413:2012, pelo que deverá realizar a formação contínua específica para extintores prevista no Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto. Esclarece-se que em qualquer um dos casos o técnico responsável deverá realizar a formação geral prevista no Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto. 22. Pretendo candidatar-me a técnico responsável, no âmbito do registo da entidade ao abrigo da Portaria nº 773/2009, de 21 de julho, para comercializar, instalar e fazer a manutenção de extintores e de sistemas de extinção por água ( Um ano de experiência na atividade, escolaridade mínima obrigatória e formação, de acordo com os requisitos descritos no Despacho n.º 10738/2011, de 30 de agosto ). Paralelamente a estas atividades sou formador num curso de formação específica de extintores e num curso de formação geral, enquadrados na formação constante do Quadro I (Formação inicial) do despacho n.º 10738/2011, de 30 de agosto. Que certificados necessito de apresentar? O técnico candidato a técnico responsável deverá frequentar com aproveitamento uma formação específica para os sistemas de extinção por água, realizada de acordo com os requisitos descritos no Despacho n.º 10738/2011, de 30 de agosto e apresentar o respetivo certificado, o qual deverá ser acompanhado pela declaração mencionada no artigo 9.º do referido despacho. Assim sendo, o técnico não terá de frequentar a formação geral e a formação específica de extintores. Procedimento análogo será seguido pela ANPC para os candidatos a técnico responsável com atividade de formação em áreas para as quais requeiram acreditação. 8 de setembro de 2016 Página 5 de 6

6 23. Que entidades podem dar formação ao abrigo do Despacho 10738/2011, de 30 de agosto? Todas as que cumpram o estipulado nos artigos 6.º, 7.º, 8.º e 9.º do referido despacho. A ANPC disponibiliza no seu sítio ( na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/2009 ) uma lista de entidades que dispõem de ações de formação segundo a referida portaria. O cumprimento do estipulado no Despacho nº 10738/2011, de 30 de agosto, é da inteira responsabilidade das entidades formadoras. 24. A ANPC emite certificados de registo para as entidades registadas ao abrigo da Portaria 773/2009, de 21 de julho? Não. A ANPC cria e mantém, no âmbito da Portaria 773/2009, de 21 de julho, o registo das entidades que exercem a atividade de comercialização, instalação e ou manutenção de produtos e equipamentos de segurança contra incêndio em edifícios (SCIE). Tratando-se de um registo público, em que a informação está disponível no sítio da ANPC ( na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/2009 ), será a consulta a esta página o meio de consulta e verificação do cumprimento da Portaria 773/2009, de 21 de Julho pelas entidades abrangidas pela referida portaria. 8 de setembro de 2016 Página 6 de 6

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC)

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC) O Enquadramento Legal da Manutenção de O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra

Leia mais

Qualificação dos Profissionais de Segurança contra Incêndio em Edifícios

Qualificação dos Profissionais de Segurança contra Incêndio em Edifícios Qualificação dos Profissionais de Segurança contra Incêndio em Edifícios Seminário Projeto, Certificação e Instalação de Equipamentos de Proteção contra Incêndios Ordem dos Engenheiros 28 de junho de 2017

Leia mais

Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE

Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE Alexandra Santos 1 QUALIFICAÇÃO DE AUTORES DE PROJETO/MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO E DE TÉCNICOS RESPONSÁVEIS

Leia mais

Regulamento de Certificação de Técnicos

Regulamento de Certificação de Técnicos Regulamento de Certificação de Técnicos O presente documento estabelece o Regulamento de certificação dos técnicos responsáveis pela instalação, deteção de fugas, recuperação e manutenção ou assistência

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APSEI. Referencial APSEI para certificação serviço instalação e manutenção de sistemas SCIE

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APSEI. Referencial APSEI para certificação serviço instalação e manutenção de sistemas SCIE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APSEI Referencial APSEI para certificação serviço instalação e manutenção de sistemas SCIE PARA QUE SERVE A CERTIFICAÇÃO? COMO SE FAZ A CERTIFICAÇÃO? A INTERVENÇÃO DA APSEI A CERTIFICAÇÃO

Leia mais

O Regime de Segurança Contra Incêndio em Edifícios na Região Autónoma dos Açores. Irene Mealha

O Regime de Segurança Contra Incêndio em Edifícios na Região Autónoma dos Açores. Irene Mealha O Regime de Segurança Contra Incêndio em Edifícios na Região Autónoma dos Açores Irene Mealha Temas Breve introdução histórica e evolutiva : Âmbito de aplicação Competências e responsabilidades Medidas

Leia mais

Medidas de Prevenção Contra Incêndio: A Garantia da Proteção dos Edifícios. Susana Bernardo

Medidas de Prevenção Contra Incêndio: A Garantia da Proteção dos Edifícios. Susana Bernardo Medidas de Prevenção Contra Incêndio: A Garantia da Proteção dos Edifícios. Susana Bernardo Enquadramento Projeto Construção/ Instalação Vistoria Exploração Enquadramento Responsabilidades no caso de edifícios

Leia mais

TIM2. Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006)

TIM2. Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006) TIM2 Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006) 1. Candidatos COM curso de Eletromecânico de Refrigeração e Climatização, nível 2, e 2 anos de prática na instalação ou manutenção de equipamentos de AVAC.

Leia mais

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO 2017 EM ATUALIZAÇÃO CURSOS CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 Portfólio com 37 cursos de formação Mais de 2.900 formandos desde 2008 Mais de metade dos nossos formandos realizam mais do

Leia mais

Regulamento de Certificação de Técnicos

Regulamento de Certificação de Técnicos Regulamento de Certificação de Técnicos O presente documento complementa o Regulamento de Certificação dos Técnicos responsáveis pela Instalação, Deteção de fugas, Recuperação e Manutenção ou Assistência

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR N.º [ ]/2019-R, DE [ ]DE [ ] QUALIFICAÇÃO ADEQUADA, FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR N.º [ ]/2019-R, DE [ ]DE [ ] QUALIFICAÇÃO ADEQUADA, FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR N.º [ ]/2019-R, DE [ ]DE [ ] QUALIFICAÇÃO ADEQUADA, FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL CONTÍNUO O regime jurídico da distribuição de seguros e de resseguros, aprovado

Leia mais

Serviços Externos de Segurança e Saúde no Trabalho

Serviços Externos de Segurança e Saúde no Trabalho Existe uma grande diversidade de empresas de segurança a operar no mercado, capazes de oferecer as mais variadas e avançadas soluções de segurança. Para os proprietários dos sistemas e utilizadores de

Leia mais

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Ativa Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Ativa Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Ativa Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 3 ÂMBITO Proteção Contra Incêndio 230 membros 2 ASSOCIADOS Manutenção Consultoria

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 16 de setembro de Série. Número 162

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 16 de setembro de Série. Número 162 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 16 de setembro de 2016 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS Despacho n.º 352/2016 Estabelece o procedimento para a

Leia mais

CAPÍTULO I. Âmbito de aplicação. Artigo 1.º Objeto e âmbito

CAPÍTULO I. Âmbito de aplicação. Artigo 1.º Objeto e âmbito Documento que estabelece as Regras do procedimento de acreditação/renovação da acreditação de entidades candidatas à avaliação e certificação de manuais escolares estabelecidas pela Direção-Geral da Educação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES, APRESENTADAS NO ÂMBITO DO CONCURSO ABERTO ATRAVÉS

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES, APRESENTADAS NO ÂMBITO DO CONCURSO ABERTO ATRAVÉS PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES, APRESENTADAS NO ÂMBITO DO CONCURSO ABERTO ATRAVÉS DO AVISO N.º 10946-A/2015, PUBLICADO NO DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE, N.º 188, 1º SUPLEMENTO, DE 25 DE SETEMBRO. Pergunta

Leia mais

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Passiva Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Passiva Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Passiva Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 3 ÂMBITO Proteção Contra Incêndio Proteção Ativa Proteção Passiva 163 membros 2

Leia mais

Exames para Atribuição do Título de Especialista em Farmácia Hospitalar. Lista de Dúvidas colocadas por candidatos FAQ s 2019

Exames para Atribuição do Título de Especialista em Farmácia Hospitalar. Lista de Dúvidas colocadas por candidatos FAQ s 2019 1. Dúvida: Embora tenha 4 anos de exercício profissional seguidos no mesmo centro hospitalar onde me encontro atualmente, também tenho exercido a mesma atividade durante o período aproximado de 1 ano noutro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito 1 O

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES HUMANO

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES HUMANO REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ÁGUA Modo PARA Produção CONSUMO Biológico HUMANO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS...

Leia mais

GUIA PRÁTICO SEGURANÇA PARA CONDOMÍNIOS

GUIA PRÁTICO SEGURANÇA PARA CONDOMÍNIOS GUIA PRÁTICO SEGURANÇA PARA CONDOMÍNIOS Cofinanciado por: Revisão e verificação efetuada por: Índice 1. Introdução 2. Segurança Contra Incêndio (Safety) 2.1. Que espaços de um condomínio estão obrigados

Leia mais

Principais Alterações da Norma Nacional de Certificação Voluntária de Serviços de Segurança contra Incêndio. Ana Ferreira APSEI

Principais Alterações da Norma Nacional de Certificação Voluntária de Serviços de Segurança contra Incêndio. Ana Ferreira APSEI Principais Alterações da Norma Nacional de Certificação Voluntária de Serviços de Segurança contra Incêndio Ana Ferreira APSEI Norma de certificação de serviços de comercialização, instalação e manutenção

Leia mais

DESPACHO N. 295/2011

DESPACHO N. 295/2011 Reitoria DESPACHO N. 295/2011 Ao abrigo da alínea q) do n 1 do Art. 48 dos Estatutos da Universidade dos Açores, homologados pelo Despacho Normativo n 65-A/2008, de 10 de Dezembro, publicado no dia 22

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR PCIP. Versão setembro 2017

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR PCIP. Versão setembro 2017 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR PCIP Versão 1.0 - setembro 2017 Índice 1. Objetivo... 2 2. Âmbito de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores PCIP...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROCESSO DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROCESSO DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito 1 O presente

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão janeiro 2018

PROCEDIMENTO PARA A VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão janeiro 2018 PROCEDIMENTO PARA A VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 - janeiro 2018 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Lista atualizada

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão janeiro 2017

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão janeiro 2017 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 2.0 - janeiro 2017 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores

Leia mais

1. EDIFÍCIOS OU FRAÇÕES AUTÓNOMAS SUSCETÍVEIS DE UTILIZAÇÃO INDEPENDENTE INSTALAÇÃO DESPORTIVA... 6

1. EDIFÍCIOS OU FRAÇÕES AUTÓNOMAS SUSCETÍVEIS DE UTILIZAÇÃO INDEPENDENTE INSTALAÇÃO DESPORTIVA... 6 NORMAS TÉCNICAS AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO APÓS OBRAS SUJEITAS LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA 1. EDIFÍCIOS OU FRAÇÕES AUTÓNOMAS SUSCETÍVEIS DE UTILIZAÇÃO INDEPENDENTE... 2 2. INSTALAÇÃO DESPORTIVA...

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2016-R, DE 18 DE MAIO CERTIFICAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DE FUNÇÕES COMO ATUÁRIO RESPONSÁVEL

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2016-R, DE 18 DE MAIO CERTIFICAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DE FUNÇÕES COMO ATUÁRIO RESPONSÁVEL Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2016-R, DE 18 DE MAIO CERTIFICAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DE FUNÇÕES COMO

Leia mais

2.6 O documento CP Ficha de inscrição deve ser assinado de forma a garantir a autenticidade da informação prestada.

2.6 O documento CP Ficha de inscrição deve ser assinado de forma a garantir a autenticidade da informação prestada. 1. Introdução 1.1 Este regulamento tem como objetivo descrever os requisitos gerais do funcionamento do organismo de certificação de pessoas (OCP) da AIPOR. 1.2 O processo de acreditação do OCP foi concebido

Leia mais

CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MÚSICA DE GAIA REGULAMENTO REGIME APLICÁVEL AO TRABALHADOR-ESTUDANTE

CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MÚSICA DE GAIA REGULAMENTO REGIME APLICÁVEL AO TRABALHADOR-ESTUDANTE CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MÚSICA DE GAIA REGULAMENTO REGIME APLICÁVEL AO TRABALHADOR-ESTUDANTE MARÇO 2014 ÍNDICE ARTIGO 1º (OBJECTO)... 3 ARTIGO 2º (LEGISLAÇÃO APLICÁVEL)... 3 ARTIGO 3º (PRINCÍPIOS GERAIS)...

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Introdução A Lei nº 5/2004, de 10 de Fevereiro, estabelece o regime jurídico aplicável às redes e serviços de comunicações

Leia mais

PROPOSTA. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Criação e registo dos cursos

PROPOSTA. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Criação e registo dos cursos Regulamento Geral para Ciclos de Estudos de 1.º Ciclo e 1.º ciclo de Mestrado Integrado FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROPOSTA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito O presente

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

Despacho n.º 796/2019 Regulamento de Candidatura ao Subsídio para Pagamento de Propinas de Ensino Objeto Carácter contínuo Candidatos

Despacho n.º 796/2019 Regulamento de Candidatura ao Subsídio para Pagamento de Propinas de Ensino Objeto Carácter contínuo Candidatos Despacho n.º 796/2019 O Decreto-Lei n.º 76/2018, de 11 de outubro, procedeu à aprovação do Regulamento de Incentivos à Prestação de Serviço Militar nos Diferentes Regimes de Contrato e no Regime de Voluntariado

Leia mais

CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL

CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL EDITAL CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL De acordo com o estipulado no Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional a ciclos de estudo

Leia mais

[INFORMAÇÃO SOBRE O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DA NATURALFA]

[INFORMAÇÃO SOBRE O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DA NATURALFA] 1. Objetivo e âmbito Esta instrução de trabalho define a metodologia para o acesso dos operadores aos serviços de certificação da NATURALFA. Este documento aplica-se a todos os potenciais clientes e clientes

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO E DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL. Artigo 1º. (Enquadramento Legal)

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO E DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL. Artigo 1º. (Enquadramento Legal) Artigo 1º (Enquadramento Legal) O presente Regulamento pretende concretizar os procedimentos em vigor no ISTEC Instituto Superior de Tecnologias Avançadas, doravante apenas designado por ISTEC, relativos

Leia mais

Procedimento interno que regula o processo de integração dos Organismos que prestam serviços de Avaliação da conformidade no Sistema Nacional da

Procedimento interno que regula o processo de integração dos Organismos que prestam serviços de Avaliação da conformidade no Sistema Nacional da 2016 Procedimento interno que regula o processo de integração dos Organismos que prestam serviços de Avaliação da conformidade no Sistema Nacional da Qualidade de Cabo Verde (SNQC) SUMÁRIO: O presente

Leia mais

Renovação de Matrícula

Renovação de Matrícula Renovação de Matrícula 1. Ensino Secundário 1.1. Renovação de matrícula para os alunos que pretendem continuar a frequentar a Escola Secundária de Sebastião da Gama: a. Os alunos que frequentaram no ano

Leia mais

Guia PRÁTICO de Seleção de

Guia PRÁTICO de Seleção de Guia PRÁTICO de Seleção de fornecedores de segurança Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Sistemas de Segurança Eletrónica Segurança Contra Incêndios Certificação de Qualidade Cofinanciado por: Revisão

Leia mais

Regras de procedimentos para transporte de bens e mercadorias. Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado

Regras de procedimentos para transporte de bens e mercadorias. Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Regras de procedimentos para transporte de bens e mercadorias Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Qualificação e Certificação dos Técnicos de Instalação e Manutenção (TIMs)

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 13 de janeiro de 2017

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 13 de janeiro de 2017 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 13 de janeiro de 2017 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa Email:

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A ATIVIDADE E VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DO VERIFICADOR SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA A ATIVIDADE E VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DO VERIFICADOR SGSPAG PROCEDIMENTO PARA A ATIVIDADE E VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DO VERIFICADOR SGSPAG Procedimento SGSPAG n.º 2 4.ª revisão setembro 2018 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência...

Leia mais

Procedimento de Notificação de Organismos, no âmbito do Regulamento (UE) n.º 305/2011, relativo aos Produtos de Construção

Procedimento de Notificação de Organismos, no âmbito do Regulamento (UE) n.º 305/2011, relativo aos Produtos de Construção PORTUGUESE INSTITUTE FOR QUALITY Rua António Gião, 2 2829-513 CAPARICA PORTUGAL Tel (+ 351) 21 294 81 00 Fax (+ 351) 21 294 81 01 E-mail: ipq@ipq.pt URL: www.ipq.pt Procedimento de Notificação de Organismos,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NO ISMT

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NO ISMT REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NO ISMT Em conformidade com o Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 de março, que regula o Estatuto do Estudante Internacional,

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do Diretor do

Leia mais

Procedimento. P.5.3 Funcionamento de Recintos e Licença Especial de Ruído LISTA DE ALTERAÇÕES. Descrição da alteração Páginas Edição Data

Procedimento. P.5.3 Funcionamento de Recintos e Licença Especial de Ruído LISTA DE ALTERAÇÕES. Descrição da alteração Páginas Edição Data Pág. n.º 1/7 LISTA DE ALTERAÇÕES Descrição da alteração Páginas Edição Data ELABORADO VERIFICADO APROVADO Pág. n.º 2/7 1. OBJECTIVO: Descrever a forma como se processa, na Câmara Municipal de Portimão,

Leia mais

Emitir certidões, diplomas e suplementos

Emitir certidões, diplomas e suplementos Emitir certidões, diplomas e s 1. OBJETIVO Este procedimento visa normalizar as atividades necessárias à emissão de certidões, diplomas e s dos alunos e antigos alunos da Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL

REGULAMENTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL Rua Rodrigues Faria, 7 e 7A 1300-501 Lisboa, Portugal Telf.: +351 213 964 086 Fax.: +351 213 950 567 E-mail: estal@estal.pt Site: www.estal.pt REGULAMENTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL No cumprimento do art.º

Leia mais

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR CERTIFICAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DE FUNÇÕES COMO ATUÁRIO RESPONSÁVEL

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR CERTIFICAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DE FUNÇÕES COMO ATUÁRIO RESPONSÁVEL PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR CERTIFICAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DE FUNÇÕES COMO ATUÁRIO RESPONSÁVEL O novo regime jurídico de acesso e exercício da atividade seguradora e resseguradora,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPINAS DE LICENCIATURA

REGULAMENTO DE PROPINAS DE LICENCIATURA Regulamento aprovado pela Presidência do Instituto Superior de Economia e Gestão em 2014-04-21 MO-PR01-03/V05 Página 1 de 8 Nos termos previstos na Lei nº 37/2003, de 22 de Agosto (Lei que define as bases

Leia mais

Regulamento n.º /2018

Regulamento n.º /2018 Regulamento n.º -------/2018 Considerando o disposto nos art.ºs 15º e seguintes da Lei do Financiamento do Ensino Superior Lei nº 37/2003 de 22 de agosto alterada pela Lei nº 49/2005 de 30 de agosto e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR SGSPAG PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR SGSPAG Procedimento SGSPAG n.º 1 4.ª revisão setembro 2018 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação

Leia mais

EXERCICIO DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA DOMICILIÁRIA DE GASES MEDICINAIS

EXERCICIO DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA DOMICILIÁRIA DE GASES MEDICINAIS EXERCICIO DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA DOMICILIÁRIA DE GASES MEDICINAIS São considerados gases medicinais os gases ou mistura de gases, liquefeitos ou não, destinados a entrar em contacto directo

Leia mais

REGULAMENTO DE TAXAS

REGULAMENTO DE TAXAS REGULAMENTO DE TAXAS Aprovado em Reunião de Direção de 03 de Janeiro de 2015 1/8 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º OBJECTO 1) O presente Regulamento define os quantitativos das quotizações federativas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 100/2013 de 8 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 100/2013 de 8 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 100/2013 de 8 de Outubro de 2013 A Resolução do Conselho do Governo n.º 18/2013, de 19 de fevereiro, criou o programa para integração de ativos,

Leia mais

Nome: Contribuinte n.º, B. I./ C.C. n.º Morada: Freguesia: Concelho: Código Postal - Telefone, Correio

Nome: Contribuinte n.º, B. I./ C.C. n.º Morada: Freguesia: Concelho: Código Postal - Telefone, Correio MUNICÍPIO DE MÊDA Setor de Serviços Urbanos Despacho: Deferido Data / / O Presidente, Entrada: N.º de Registo Data / / O Funcionário: Pedido de Autorização de Utilização (Edifícios e suas Fracções) Ex.

Leia mais

Concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional na Universidade dos Açores

Concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional na Universidade dos Açores EDITAL Concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional na Universidade dos Açores 2016-2017 Nos termos do Decreto-lei n.º 36/2014, de 10 de março, alterado pelo Decreto-Lei, n.º 113/2014,

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO PARA MEMBRO

FICHA DE INSCRIÇÃO PARA MEMBRO FICHA DE INSCRIÇÃO PARA MEMBRO Reservado aos serviços Categoria do Membro: Fundador(a) Regular Não Regular Honorário Categoria Profissional: Pessoa Singular Empresário em Nome Individual Pessoa Coletiva

Leia mais

CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRÍCIA (CPLEESMO) EDITAL

CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRÍCIA (CPLEESMO) EDITAL CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRÍCIA (CPLEESMO) EDITAL 1. Nos termos do disposto no Artigo 11º do Decreto-Lei n.º 33/99, de 3 de setembro e em conformidade

Leia mais

Município de Alcobaça

Município de Alcobaça Processamento de Registo de Utilizadores nos Serviços Online Descrição do Serviço Permite efetuar o registo de um utilizador para aceder à área reservada da plataforma de serviços online do Município.

Leia mais

REGULAMENTO DE TAXAS

REGULAMENTO DE TAXAS REGULAMENTO DE TAXAS (Aprovado em Reunião de Direcção de 19 de Julho de 2017) Filiada: Federação Mundial de Karate (WKF) Federação Europeia de Karate (EKF) Confederação do Desporto de Portugal (CDP) Comité

Leia mais

Diploma de Competências Básicas em TI. Guia de Apoio

Diploma de Competências Básicas em TI. Guia de Apoio Diploma de Competências Básicas em TI Guia de Apoio Ano Letivo 2017/2018 Diploma de Competências Básicas em TI 2018 Direção de Serviços de Investigação, Formação e Inovação Educacional Gabinete de Modernização

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 25-09-2012; 26-09-2012 Organização Câmara Municipal de Valongo Morada Sede Av. 5 de Outubro, nº 160 4440-503 Valongo Representante da Organização Engª Alexandra Ribeiro

Leia mais

ELABORADO VERIFICADO APROVADO

ELABORADO VERIFICADO APROVADO Pág. n.º 1/6 LISTA DE ALTERAÇÕES Descrição da alteração Páginas Edição Data ELABORADO VERIFICADO APROVADO Pág. n.º 2/6 1. OBJECTIVO: Descrever a forma como se processa, na Câmara Municipal de Portimão,

Leia mais

Estudante Internacional. Respostas a perguntas frequentes

Estudante Internacional. Respostas a perguntas frequentes Estudante Internacional. Respostas a perguntas frequentes 1. O que é o concurso especial de acesso e ingresso em ciclos de estudos de licenciatura para estudantes internacionais? É um novo regime de acesso

Leia mais

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS Regulamento de Certificação de Entidades Formadoras Página 1 de 16 Índice Capítulo I Disposições gerais... 4 Artigo 1.º Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO. Subsídio "Apoio ao Estudante"

CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO. Subsídio Apoio ao Estudante CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO Subsídio "Apoio ao Estudante" A educação é a forma mais simples de transformar uma sociedade. Uma população mais culta permite acolher novas ideias de futuro e

Leia mais

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso?

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso? 1. Quando termina o prazo de candidaturas No dia 13 de abril de 2015 (inclusive) 2. Quais são os requisitos de candidatura? De acordo com o indicado no nº 5, do aviso de abertura do concurso, o candidato

Leia mais

REGULAMENTO HOMOLOGAÇÃO DE GRADUAÇÕES

REGULAMENTO HOMOLOGAÇÃO DE GRADUAÇÕES REGULAMENTO HOMOLOGAÇÃO DE GRADUAÇÕES Aprovado em Reunião de Direcção de 28 de Julho de 2014 1/8 Artigo 1º OBJECTO 1) O presente regulamento tem por objectivo estabelecer regras que permitam a Federação

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor REGULAMENTO DE PROPINAS As instituições de Ensino Superior prestam um serviço de ensino que deve ser qualitativamente exigente e adaptado aos objetivos de formação global do cidadão e de formação específica

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS 2014 1 CAPÍTULO I - ÂMBITO Art.º 1.º (ÂMBITO) O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores

Leia mais

REGULAMENTO DE AQUISIÇÃO, RENOVAÇÃO, SUSPENSÃO E CASSAÇÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA

REGULAMENTO DE AQUISIÇÃO, RENOVAÇÃO, SUSPENSÃO E CASSAÇÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA REGULAMENTO DE AQUISIÇÃO, RENOVAÇÃO, SUSPENSÃO E CASSAÇÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA Aprovado pelo Decreto-Regulamentar nº 11/2004, de 20 de Dezembro Publicado no Boletim Oficial nº 37, I Série

Leia mais

TREINADORES DE CÃES PERIGOSOS OU POTENCIALMENTE PERIGOSOS INSTRUÇÃO PARA CANDIDATOS

TREINADORES DE CÃES PERIGOSOS OU POTENCIALMENTE PERIGOSOS INSTRUÇÃO PARA CANDIDATOS TREINADORES DE CÃES PERIGOSOS OU POTENCIALMENTE PERIGOSOS INSTRUÇÃO PARA CANDIDATOS ENQUADRAMENTO LEGAL O DL nº 315/2009, de 29 de outubro, com a redação dada pela Lei nº 46/2013, de 4 de julho prevê que

Leia mais

FICHA DE REGISTO DE FAQ S DE ATENDIMENTO

FICHA DE REGISTO DE FAQ S DE ATENDIMENTO FICHA DE REGISTO DE FAQ S DE ATENDIMENTO U. Orgânica (s): DSMDS - DGAPF TEMA: COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SUB-TEMA: HABILITAÇÃO DE TÉCNICOS RESPONSÁVEIS QUESTÃO: P10. Como

Leia mais

Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso do Estudante Internacional no Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro

Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso do Estudante Internacional no Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso do Estudante Internacional no Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro Artigo 1.º Objeto O presente regulamento visa regular o concurso especial

Leia mais

Licenciatura em Desporto

Licenciatura em Desporto Licenciatura em Desporto CANDIDATURA 2018-2019 GUIA DE PRÉ-REQUISITOS REGULAMENTO DAS PROVAS DE APTIDÃO FUNCIONAL, FÍSICA e DESPORTIVA SETÚBAL 2018 1 INTRODUÇÃO Com o objetivo de cumprir os dispositivos

Leia mais

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito)

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito) (Preâmbulo) Conforme disposto no Decreto-Lei nº 113/2014 de 16 de julho, aprova-se o Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior a aplicar no Instituto Superior de Ciências

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS PRINCIPAIS DIFICULDADES PROJETOS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Elaboração de projeto de SCIE (em simultâneo com o projeto de arquitetura)

Leia mais

Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A.

Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Sociedade anónima com o capital aberto ao investimento público Sede: Av. 5 de Outubro, n.º 125, Loja 2, em Lisboa Capital Social de 14.638.691,00

Leia mais

Recintos de Diversões Aquáticas. Licença de Funcionamento

Recintos de Diversões Aquáticas. Licença de Funcionamento Recintos de Diversões Aquáticas Licença de Funcionamento 1. FINALIDADE O início e a realização das atividades em recintos com diversões aquáticas (Parques Aquáticos) depende da posse de licença de funcionamento

Leia mais

RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA

RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA Proposta Regulamento de: RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA Cédulas de Treinador de Desporto Proposta Regulamento de: RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA Cédulas de Treinador de Desporto

Leia mais

Manual para inscrição online dos alunos que se inscrevem pela 1ª vez

Manual para inscrição online dos alunos que se inscrevem pela 1ª vez Manual para inscrição online dos alunos que se inscrevem pela 1ª vez Processo de Matricula - Alunos 1º Ano 1ª Vez O processo de matrícula consiste em 3 passos: 1. Apresentação de documentos, entrega de

Leia mais

Condições de Venda Fora das Farmácias de Medicamentos Para Uso Humano Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM)

Condições de Venda Fora das Farmácias de Medicamentos Para Uso Humano Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM) Condições de Venda Fora das Farmácias de Medicamentos Para Uso Humano Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM) O Decreto Lei n.º 134/2005, de 16 de agosto, aprovou o regime de venda de medicamentos não sujeitos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS DO IPSN

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS DO IPSN Artigo 1º - Objeto e âmbito O presente regulamento disciplina o concurso especial de acesso e ingresso de estudantes internacionais nos ciclos de estudo de licenciatura do IPSN, ao abrigo do disposto no

Leia mais

E R A S M U S + Guia do Estudante ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S + Guia do Estudante ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Mobilidade de Estudantes Nacionais Normas Gerais A mobilidade de estudantes inclui duas vertentes de atividade: Realização de estudos ou formações

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1º Objeto e âmbito

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1º Objeto e âmbito Nos termos do artigo 25º da Portaria nº 181-D/2015, de 19 de junho, aprova-se o Regulamento dos Regimes de Reingresso e de Mudança de Par Instituição/Curso a aplicar na Escola Superior de Saúde Egas Moniz.

Leia mais

RELATÓRIO DA QUALIDADE DO SERVIÇO

RELATÓRIO DA QUALIDADE DO SERVIÇO RELATÓRIO DA QUALIDADE DO SERVIÇO 2018 ÍNDICE PÁGINA 02 PÁGINA 02 PÁGINA 03 PÁGINA 06 PÁGINA 07 PÁGINA 09 PÁGINA 10 PÁGINA 11 PÁGINA 12 PÁGINA 13 01. ENERGIA SIMPLES 02. RELATÓRIO DE QUALIDADE COMERCIAL

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR SGSPAG PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR SGSPAG Procedimento SGSPAG n.º 1 3.ª revisão outubro 2015 Índice 1 Objetivo 2 2 Campo de aplicação 2 3 Documentos de referência 2 4 Qualificação de verificadores

Leia mais

MANUAL DE APOIO AO UTILIZADOR DA PLATAFORMA DO SISTEMA DE ACREDITAÇÃO

MANUAL DE APOIO AO UTILIZADOR DA PLATAFORMA DO SISTEMA DE ACREDITAÇÃO MANUAL DE APOIO AO UTILIZADOR DA PLATAFORMA DO SISTEMA DE ACREDITAÇÃO O processo de acreditação de entidades formadoras em emergência médica, da responsabilidade do INEM, é totalmente suportado por uma

Leia mais

ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO TRANSPORTE ESCOLAR

ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO TRANSPORTE ESCOLAR ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO TRANSPORTE ESCOLAR Preâmbulo Sendo o reforço da descentralização do Estado através da atribuição de mais competências às autarquias, uma realidade a partir de 1983, veio o Decreto

Leia mais

Regulamento de Propinas da Universidade da Beira Interior

Regulamento de Propinas da Universidade da Beira Interior Regulamento de Propinas da Universidade da Beira Interior O Projeto de Regulamento de Propinas da Universidade da Beira Interior nos termos do artigo 101.º do Código do Procedimento Administrativo (CPA),

Leia mais