Coligadas, Controladas e Método da Equivalência Patrimonial (MEP)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coligadas, Controladas e Método da Equivalência Patrimonial (MEP)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA Coligadas, Controladas e Método da Equivalência Patrimonial (MEP) 1

2 Nova Definição de Coligada São coligadas as sociedades nas quais a investidora tenha influência significativa. Considera-se que há influência significativa quando a investidora detém ou exerce o poder de participar nas decisões das políticas financeira ou operacional da investida, sem controlá-la. É presumida influência significativa quando a investidora for titular de vinte por cento ou mais do capital votante da investida, sem controlá-la. 2

3 Definição de Controlada Considera-se controlada a sociedade na qual a controladora, diretamente ou através de outras controladas, é titular de direitos de sócio que lhe assegurem, de modo permanente, preponderância nas deliberações sociais e o poder de eleger a maioria dos administradores. 3

4 Divulgação: Coligadas e Controladas A companhia aberta divulgará as informações adicionais, sobre coligadas e controladas, que forem exigidas pela Comissão de Valores Mobiliários. O relatório anual da administração deve relacionar os investimentos da companhia em sociedades coligadas e controladas e mencionar as modificações ocorridas durante o exercício. 4

5 As Notas Explicativa Sobre Coligadas e Controladas Devem Indicar: I - A denominação da sociedade, seu capital social e patrimônio líquido; II - O número, espécies e classes das ações ou quotas de propriedade da companhia, e o preço de mercado das ações, se houver; III - O lucro líquido do exercício; IV - Os créditos e obrigações entre a companhia e as sociedades coligadas e controladas; V - O montante das receitas e despesas em operações entre a companhia e as sociedades coligadas e controladas. 5

6 Quando utilizar o MEP? A Lei nº de 2009 apresentam novidades na definição de quando avaliar investimentos societários permanentes ao custo e quando fazê-lo pelo método da equivalência patrimonial. Quais foram as novidades? 6

7 Quando utilizar o MEP? Art No balanço patrimonial da companhia, os investimentos em coligadas ou em controladas e em outras sociedades que façam parte de um mesmo grupo ou estejam sob controle comum serão avaliados pelo método da equivalência patrimonial, de acordo com as seguintes normas: (veja próximos slides) 7

8 Como utilizar o MEP? I - o valor do patrimônio líquido da coligada ou da controlada será determinado com base em balanço patrimonial ou balancete de verificação levantado, com observância das normas desta Lei, na mesma data, ou até 60 (sessenta) dias, no máximo, antes da data do balanço da companhia; no valor de patrimônio líquido não serão computados os resultados não realizados decorrentes de negócios com a companhia, ou com outras sociedades coligadas à companhia, ou por ela controladas; 8

9 Como utilizar o MEP? II - o valor do investimento será determinado mediante a aplicação, sobre o valor de patrimônio líquido referido no número anterior, da porcentagem de participação no capital da coligada ou controlada; III - a diferença entre o valor do investimento, de acordo com o número II, e o custo de aquisição; somente será registrada como resultado do exercício: 9

10 Como utilizar o MEP? a) se decorrer de lucro ou prejuízo apurado na coligada ou controlada; b) se corresponder, comprovadamente, a ganhos ou perdas efetivos; c) no caso de companhia aberta, com observância das normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários. 10

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 1 de 8 31/01/2015 15:02 EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Tamanho do Texto + tamanho do texto - A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente

Leia mais

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU Contabilidade Avançada Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU E-mail: geovane_camilo@yahoo.com.br Questões Sala de aula Avaliação de Investimentos 1. Quais

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos 1) A Cia. Investidora adquiriu por $ 72.000, em 31-12-1, 60% das ações da Cia. Investida, cujo patrimônio líquido nessa data era de $ 120.000. Em 31-12-2, a Cia. Investida apurou

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE. 1. Introdução O IAS 28 Investments in Associates é aplçicado ao registro de investimentos

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone: Tatuapé

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone: Tatuapé de Oliveira 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa Energética-2010-Cesgranrio) Considere a operação a seguir. A Cia. Ordem e Progresso, após a apuração do seu resultado, efetuou

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA Prof. Mauricio Pocopetz OBJETIVOS O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer: a contabilização de investimentos em coligadas e em controladas; e definir

Leia mais

Profa. Divane Silva. Unidade I CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

Profa. Divane Silva. Unidade I CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva Unidade I CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Objetivos Gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: Enfatizar a consciência

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis

Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis Profa. Márcia Ferreira Neves Tavares, Doutora em Ciências Contábeis. Profa. de Ciências Contábeis da UFPE e sócia da Ferreira & Associados Auditores Independentes.

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01- FCC 2014 A Cia. Investidora adquiriu 90% das ações da Cia. Gama por R$ 5.000.000,00. Na data da aquisição, o Patrimônio Líquido da Cia. Gama era de R$ 3.500.000,00 e o valor justo líquido dos ativos

Leia mais

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores:

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª.: Márcia

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 038, de 27 de junho de 1996 DOU de 28/06/1996 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital

Instrução Normativa SRF nº 038, de 27 de junho de 1996 DOU de 28/06/1996 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital Instrução Normativa SRF nº 038, de 27 de junho de 1996 DOU de 28/06/1996 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de

Leia mais

Contabilidade Societária

Contabilidade Societária Contabilidade Societária Professora conteudista: Maria José Teixeira Sumário Contabilidade Societária Unidade I 1 AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PERMANENTES...1 1.1 Classificação contábil dos investimentos

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Professor conteudista: Walter Rodrigues Dominas Sumário Contabilidade Avançada Unidade I 1. INTRODUÇÃO...1 1.1 Legislação e pronunciamentos... 1.2 Técnicas de consolidação...9 1.3

Leia mais

CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇOS

CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇOS CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇOS (EAC0549) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 Atuação do Contador Administração

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1 de 5 31/01/2015 15:30 Tamanho do Texto + tamanho do texto - NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A publicação de Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras está prevista no 4º do artigo

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

EXERCÍCIO DE REVISÃO. 03. (FCC/TRT/2012) Considere as seguintes operações realizadas pela Cia. Compra Tudo:

EXERCÍCIO DE REVISÃO. 03. (FCC/TRT/2012) Considere as seguintes operações realizadas pela Cia. Compra Tudo: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 PROFA: MÁRCIA TAVARES MONITORES: CAIO LIDINGTON,

Leia mais

Curso de Revisão Exame de Suficiência Contábil Comentários Gerais sobre a Prova e Análise de Questões Controversas

Curso de Revisão Exame de Suficiência Contábil Comentários Gerais sobre a Prova e Análise de Questões Controversas Material publicado em 20/10/2016 Curso de Revisão Exame de Suficiência Contábil 2016.2 Comentários Gerais sobre a Prova e Análise de Questões Controversas Equipe de Professores - Este material poderá ser

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

Contabilidade Decifrada Participações Societárias

Contabilidade Decifrada Participações Societárias Contabilidade Decifrada Participações Societárias Luiz Eduardo Santos Roteiro Geral Participações X Ativo Permanente Investimentos Métodos de avaliação de participações societárias Método do Custo Custo

Leia mais

HUGO OLIVEIRA CONTABILIDADE GERAL

HUGO OLIVEIRA CONTABILIDADE GERAL HUGO OLIVEIRA CONTABILIDADE GERAL 53 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Hugo Oliveira Coordenação e Organização:

Leia mais

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Universidade Federal de Pernambuco Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profa. Márcia Ferreira E- mail: marcia@ferreiraauditores.com.br

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Situação: PARCIALMENTE CONVERGENTE 1. Introdução O IAS 31 Interests in Joint Ventures trata da contabilização das

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

HG Allocation Strategy II Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores

HG Allocation Strategy II Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores HG Allocation Strategy II Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006

Leia mais

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A.

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.8 IT.01 ENTIDADES COOPERATIVAS Esta Interpretação Técnica (IT) visa esclarecer critérios e procedimentos específicos de avaliação, de

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Aula 6 Investimentos: Método da Equivalência Patrimonial Contabilidade Avançada 1 Ágio ou Deságio Ocorre quando a investidora adquire um investimento, que será avaliado pelo Método

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE MENDES JUNIOR

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

DIREITOS DOS ACIONISTAS

DIREITOS DOS ACIONISTAS DO GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO EMPRESARIAL FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIREITO SOCIETÁRIO APLICADO Mário Tavernard Martins de Carvalho Patrocinadores: 2 Direitos essenciais

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

LEI Nº 6.404/76 - DAS SOCIEDADES POR AÇÕES

LEI Nº 6.404/76 - DAS SOCIEDADES POR AÇÕES LEI Nº 6.404/76 - DAS SOCIEDADES POR AÇÕES REDAÇÃO A VIGORAR Lei nº 11.638 de 28.12.2007 Medida Provisória 449 de 03.12.2008 REDAÇÃO VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2008 De acordo com a Lei nº 11.638 de 28.12.2007

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Disciplina: Contabilidade Societária 2. Professora: Márcia.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Disciplina: Contabilidade Societária 2. Professora: Márcia. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Disciplina: Contabilidade Societária 2. Professora: Márcia. Monitores: Caio Lidington, Carlos Alberto e Fernando Volpato.

Leia mais

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs Instruções: - responda apenas 10 perguntas desta lista. A folha com as respostas entrega deverá ser realizada ao início do próximo encontro (21

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.154, de 12/5/ DOU 1 de 13/5/2011

Instrução Normativa RFB nº 1.154, de 12/5/ DOU 1 de 13/5/2011 Instrução Normativa RFB nº 1.154, de 12/5/2011 - DOU 1 de 13/5/2011 Dispõe sobre a dedutibilidade dos juros pagos ou creditados por fonte situada no Brasil à pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada

Leia mais

Demonstrações Financeiras BTG Pactual Stigma Participações S.A.

Demonstrações Financeiras BTG Pactual Stigma Participações S.A. Demonstrações Financeiras BTG Pactual Stigma Participações S.A. Período de 13 de setembro a 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa como instrumento da Governança

Demonstração dos Fluxos de Caixa como instrumento da Governança Demonstração dos Fluxos de Caixa como instrumento da Governança ANTECEDENTES Na década de 80, no ambiente empresarial-societário dos Estados Unidos, uma das questões mais discutidas foi a da governança

Leia mais

Legislação Tributária Aplicável às Novas Normas Contábeis

Legislação Tributária Aplicável às Novas Normas Contábeis Legislação Tributária Aplicável às Novas Normas Contábeis Tema: Combinação de Negócios São Paulo, dezembro de 2.014 1 Investimentos em Participações Societárias BP da Investida B : Exemplos 1 e 2 2 Contas

Leia mais

Aspectos Tributários Relevantes

Aspectos Tributários Relevantes Aspectos Tributários Relevantes Fundos de Investimento em Participações e Holdings Estrutura FIP Cumprimento dos Requisitos Histórico Regra 40% Fiscalização Principais Considerações Características Gerais

Leia mais

CURSO AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PELO MEP

CURSO AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PELO MEP CURSO AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PELO MEP Objetivo Oferecer aos profissionais uma visão abrangente e prática acerca da avaliação de investimento em participações societárias, por meio do MEP. Sumário Conceito

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º / FATO RELEVANTE

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º / FATO RELEVANTE DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 FATO RELEVANTE Em cumprimento ao disposto na Instrução CVM n.º 319, de 3 de dezembro de 1999 ("ICVM 319") e Instrução CVM n.º

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

AMC - CONSTRUÇÕES E PARTICIPAÇÕES LTDA. C.N.P.J./M.F /

AMC - CONSTRUÇÕES E PARTICIPAÇÕES LTDA. C.N.P.J./M.F / 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Sociedade tem como objetivos a prestação de serviços de construção civil e edificações, a participação no capital de outras empresas, do mesmo ramo ou não, de qualquer natureza

Leia mais

sociedade anônima características

sociedade anônima características sociedade anônima características capital social dividido em ações (títulos de crédito) responsabilidade limitada dos sócios denominação : SOCIEDADE ANONIMA ou S/A. no início ou no final do nome COMPANHIA

Leia mais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Palestrantes Natanael Martins José Antonio Minatel São Paulo, 20 de junho de 2012 Lei 11.638/07 (convergência aos padrões

Leia mais

IRPJ e CSLL - Compensação de Prejuízos Fiscais COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS FISCAIS

IRPJ e CSLL - Compensação de Prejuízos Fiscais COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS FISCAIS Page 1 of 6 COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS FISCAIS O contribuinte optante pelo Lucro Real, poderá compensar eventuais prejuízos fiscais existentes (controlados na Parte B do LALUR). A partir de 01.01.1995, as

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL Instituído pela Lei nº 10.637, de 2002 1) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (CSLL) * Silvério das Neves * Adherbal Corrêa Bernardes 1.1) Alíquotas O art. 6º da Medida

Leia mais

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis CPC 26 / NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis FAS 205 Histórico Emitida em 1997, já foi revisada em 2003,2004,2005 e 2007 Substituiu: IAS 1

Leia mais

Materiais de Avaliação

Materiais de Avaliação Materiais de Avaliação Índice Hipóteses Legais Código Civil Lei de S/A Outras Hipóteses Critérios de Avaliação Competência para a Escolha Deveres e Responsabilidades Principais Discussões Hipóteses Previstas

Leia mais

Safra Exportação - Fundo de Investimento em Ações (Administrado pelo Banco Safra S.A.)

Safra Exportação - Fundo de Investimento em Ações (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Safra Exportação - Fundo de Investimento em Ações Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2004 e parecer de auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Quotistas e ao Administrador

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO DE CISÃO PARCIAL DA SÃO CARLOS EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. COM VERSÃO DE PARCELA CINDIDA PARA NOVA SOCIEDADE.

JUSTIFICAÇÃO DE CISÃO PARCIAL DA SÃO CARLOS EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. COM VERSÃO DE PARCELA CINDIDA PARA NOVA SOCIEDADE. JUSTIFICAÇÃO DE CISÃO PARCIAL DA SÃO CARLOS EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. COM VERSÃO DE PARCELA CINDIDA PARA NOVA SOCIEDADE Que celebra SÃO CARLOS EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A., companhia

Leia mais

ANO XXV ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 41/2014

ANO XXV ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 41/2014 ANO XXV - 2014-2ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 41/2014 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA CONTROLE FISCAL CONTÁBIL DE TRANSIÇÃO (FCONT) - NORMAS GERAIS... Pág.573 REGIME TRIBUTÁRIO DE TRANSIÇÃO

Leia mais

Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009 com Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009 com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Parecer dos auditores independentes...1 Demonstrações financeiras Balanço patrimonial...3

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de

Leia mais

CIRCULAR N d) contabilização das quotas de depreciação e amortização;

CIRCULAR N d) contabilização das quotas de depreciação e amortização; CIRCULAR N 3017 Altera e consolida procedimentos contábeis a serem observados nos processos de incorporação, fusão e cisão. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 6 de

Leia mais

V E N E Z I A N I AUDITORES INDEPENDENTES

V E N E Z I A N I AUDITORES INDEPENDENTES AUDITORES INDEPENDENTES LAUDO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO VENEZIANI AUDITORES INDEPENDENTES, com sede no município de São Paulo Estado de São Paulo, na Praça Padre Manoel da Nóbrega, Nº 21 6º andar conjunto

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 Altera e revoga disposições da Resolução nº 4.192, de 1º de março de 2013, que dispõe sobre a metodologia para apuração do Patrimônio de Referência (PR). O

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG COMPANHIA ABERTA CNPJ / NIRE

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG COMPANHIA ABERTA CNPJ / NIRE COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG COMPANHIA ABERTA CNPJ 17.155.730/0001-64 NIRE 33300266003 FATO RELEVANTE COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG, companhia aberta, com ações negociadas

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 07. Distribuição de Lucros In Natura

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 07. Distribuição de Lucros In Natura COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 07 Distribuição de Lucros In Natura Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 17 Índice REFERÊNCIAS Item ANTECEDENTES 1 2

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) 1 de 8 31/01/2015 14:50 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais

Relatório do Administrador 1º Semestre 2015

Relatório do Administrador 1º Semestre 2015 Relatório do Administrador 1º Semestre 2015 Em conformidade com o Artigo n. 39 da Instrução desta CVM n. 472, de 31 de outubro de 2008, apresentamos o relatório do administrador do Fundo de Investimento

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações IR: Lei 12.973/2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações Ricardo Antonio Carvalho Barbosa AFRFB/DRJ/FOR Ágio - Instrução CVM nº 01 de 1978 a) Ágio ou deságio

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

Acer Consultores em Imóveis S/A

Acer Consultores em Imóveis S/A Acer Consultores em Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e 31 de Dezembro de 2006 e 2005 Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006 Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 1 Tributação sobre o lucro (%) Lucro Real Lucro Presumido Lucro Arbitrado 2 Tributação sobre o lucro Lucro Real Obrigatoriedade:

Leia mais

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi Direito Societário IV Prof. Henrique Subi 1 8. Sociedades institucionais 8.1. Sociedade em comandita por ações - Tem o capital dividido em ações - Os diretores possuem responsabilidade ilimitada pelas

Leia mais

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Parecer dos Auditores Independentes...1 Demonstrações Financeiras Auditadas Balanços Patrimoniais...2 Demonstrações

Leia mais

M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S

M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S IN/RFB N 1.154/2011 DEDUTIBILIDADE DE JUROS PAGOS OU CREDITADOS POR FONTE DO BRASIL A PF OU PJ NO EXTERIOR Data 24/05/2011 Como sabido, no dia 14 de junho de 2010,

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

Avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013

Avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013 Marck Holdings S.A. contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013 KPDS 80638 KPMG Auditores Independentes Rua Sete de Setembro, 1.950 13560-180 - São Carlos, SP - Brasil Caixa Postal 708

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DE ARACRUZ CELULOSE S.A. POR FIBRIA CELULOSE S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DE ARACRUZ CELULOSE S.A. POR FIBRIA CELULOSE S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DE ARACRUZ CELULOSE S.A. POR FIBRIA CELULOSE S.A. FIBRIA CELULOSE S.A. (nova denominação social de Votorantim Celulose e Papel S.A.), sociedade com sede na cidade

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Aplicação do MEP 1. A entidade A adquiriu 40% do capital da entidade X por

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA. Prof. Eric Duarte Campos

PARECER DE AUDITORIA. Prof. Eric Duarte Campos PARECER DE AUDITORIA Prof. Eric Duarte Campos Objetivos da aula: O objetivo desta aula é esclarecer sobre o que é o parecer de auditoria e a sua importância como documento final dos trabalhos de auditoria.

Leia mais

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

BANCO PINE S.A. EXERCÍCIO DE 2013

BANCO PINE S.A. EXERCÍCIO DE 2013 BANCO PINE S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DAS LETRAS FINANCEIRAS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Credores das Letras Financeiras, Na qualidade

Leia mais

TIM PARTICIPAÇÕES S.A. Laudo de Avaliação de Patrimônio Líquido Valor Contábil

TIM PARTICIPAÇÕES S.A. Laudo de Avaliação de Patrimônio Líquido Valor Contábil Laudo de Avaliação de Patrimônio Líquido Valor Contábil Data de Emissão: 10 de Dezembro de 2009 2 LAUDO DE AVALIAÇÃO DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO A ACAL CONSULTORIA E AUDITORIA S/S, empresa especializada em avaliações,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ BRASMOTOR SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ BRASMOTOR SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1 Nota Preliminar, xvii Introdução, 1 1 Comentários gerais, 3 1.1 Finalidade, 3 1.2 Do patrimônio, 4 1.3 Dos fatos, 5 1.3.1 Do fato administrativo permutativo, 5 1.3.2 Do fato administrativo modificativo,

Leia mais

A Proposta de Reforma do Estatuto Social segue anexa.

A Proposta de Reforma do Estatuto Social segue anexa. Senhores Acionistas da Companhia Siderúrgica Nacional A Administração da Companhia Siderúrgica Nacional submete à deliberação dos Srs. Acionistas proposta de reforma do Estatuto Social com o objetivo de

Leia mais