PROJETO DE RELATÓRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE RELATÓRIO"

Transcrição

1 Parlamento Europeu Comissão do Desenvolvimento Regional 2016/2303(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre perspetivas futuras para a assistência técnica ao abrigo da política de coesão (2016/2303(INI)) Comissão do Desenvolvimento Regional Relatora: Ruža Tomašić PR\ docx PE v01-00 Unida na diversidade

2 PR_INI Í N D I C E Página PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU... 3 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS... 8 PE v /10 PR\ docx

3 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU sobre perspetivas futuras para a assistência técnica ao abrigo da política de coesão (2016/2303(INI)) O Parlamento Europeu, Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia e, em particular, o seu Título XVIII, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1303/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, que estabelece disposições comuns relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão, ao Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, que estabelece disposições gerais relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1083/2006 do Conselho (seguidamente designado «o RPC») 1, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo às disposições específicas aplicáveis ao apoio prestado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional ao objetivo da cooperação territorial europeia 2, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1300/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao Fundo de Coesão e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1084/2006 do Conselho 3, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1301/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e que estabelece disposições específicas relativas ao objetivo de investimento no crescimento e no emprego, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1080/2006 4, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1304/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao Fundo Social Europeu e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1081/2006 do Conselho 5, Tendo em conta o Regulamento Delegado (UE) n.º 240/2014 da Comissão, de 7 de janeiro de 2014, relativo ao código de conduta europeu sobre parcerias no âmbito dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento 6, 1 JO L 347 de , p JO L 347 de , p JO L 347 de , p JO L 347 de , p JO L 347 de , p JO L 74 de , p. 1. PR\ docx 3/10 PE v01-00

4 Tendo em conta a proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo à criação do Programa de Apoio às Reformas Estruturais para o período e que altera os Regulamentos (UE) n.º 1303/2013 e (UE) n.º 1305/2013 (COM(2015)0701), Tendo em conta a sua Resolução intitulada Investir no emprego e no crescimento maximizar o contributo dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento: avaliação do relatório nos termos do artigo 16.º, n.º 3, do RDC 1, Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de setembro de 2015, sobre o investimento no crescimento e no emprego: promover a coesão económica, social e territorial da União 2, Tendo em conta a sua Resolução, de 10 de maio de 2016, sobre as novas ferramentas de desenvolvimento territorial da Política de Coesão : Investimento Territorial Integrado (ITI) e Desenvolvimento Local de Base Comunitária 3, Tendo em conta o Relatório especial n.º 19/2015 do Tribunal de Contas intitulado É necessário prestar mais atenção aos resultados para melhorar a assistência técnica à Grécia, Tendo em conta a análise aprofundada intitulada Assistência técnica por iniciativa da Comissão publicada pela Direção-Geral das Políticas Internas (Departamento Temático B: Políticas Estruturais e de Coesão) em setembro de 2016, Tendo em conta o artigo 52.º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão do Desenvolvimento Regional e o parecer da Comissão dos Orçamentos (A8-0000/2017), A. Considerando que a assistência técnica, quer por iniciativa da Comissão quer dos Estados-Membros, desempenha um papel importante em todas as fases de aplicação da política de coesão; B. Considerando que as autoridades locais, regionais e nacionais não dispõem, muitas vezes, da capacidade necessária para aplicar eficazmente os fundos europeus estruturais e de investimento (fundos EEI); considerando que a capacidade administrativa difere consideravelmente entre Estados-Membros e regiões; C. Considerando que as autoridades nacionais, locais e regionais têm dificuldade em manter pessoal qualificado, que tende a preferir empregos com uma melhor remuneração no setor privado; considerando que isto constitui um obstáculo de monta para a capacidade das autoridades públicas de implementarem com êxito os fundos EEI; D. Considerando que existe uma margem para melhorar a monitorização e a avaliação da assistência técnica, não obstante o facto de no período de programação de haver uma maior orientação para os resultados; 1 Textos Aprovados, P8_TA(2017) Textos Aprovados, P8_TA(2015) Textos Aprovados, P8_TA(2016)0211. PE v /10 PR\ docx

5 Assistência técnica por iniciativa da Comissão (artigo 58.º do RDC) 1. Observa que os recursos disponíveis para assistência técnica por iniciativa da Comissão foram aumentados, em comparação com o período de programação anterior, para 0,35 % da dotação anual do FEDER, do FSE e do Fundo de Coesão, após as deduções para o Mecanismo Interligar a Europa (CEF) e para o Fundo de Auxílio Europeu às Pessoas mais Carenciadas (FEAD); 2. Congratula-se com as atividades da Comissão financiadas pela assistência técnica, em particular com o seu trabalho sobre o instrumento TAIEX REGIO PEER 2 PEER, o quadro de competências, o instrumento de autoavaliação e os pactos de integridade; convida os Estados-Membros a utilizarem tanto quanto possível estas iniciativas; sublinha que estes instrumentos devem desempenhar um papel de maior relevo no âmbito da política de coesão pós-2020; 3. Congratula-se com o impacto positivo dos trabalhos da Task Force para a Grécia e do Grupo de Apoio a Chipre na aplicação dos fundos EEI em ambos esses países e, em particular, nas taxas de absorção; 4. Regista a criação do Programa de Apoio às Reformas Estruturais (PARE) e reconhece as suas potenciais vantagens para a política de coesão, entre outros domínios; considera, no entanto, que, no caso de uma eventual prorrogação do programa, os recursos não devem ser retirados da assistência técnica dos fundos EEI; insta a Comissão a garantir um máximo de coordenação entre as ações financiadas pelo PARE e a assistência técnica prestada no âmbito dos fundos EEI; 5. Toma nota da estratégia da Comissão em matéria de assistência técnica elaborada pela DG Política Regional e Urbana; sugere uma estratégia de assistência técnica alargada ou outro mecanismo de coordenação que abarque todas as direções-gerais que lidam com fundos EEI, bem como as atividades do Serviço de Apoio à Reforma Estrutural relacionados com a política de coesão, a fim de racionalizar o apoio prestado, evitar a duplicação de esforços e maximizar as sinergias e complementaridades; 6. Sublinha a importância da assistência técnica no domínio dos instrumentos financeiros, cuja utilização está a crescer exponencialmente não obstante a sua complexidade; congratula-se, a este respeito, com a parceria entre a Comissão e o Banco Europeu de Investimento para a criação da plataforma fi-compass ; salienta, no entanto, que uma maior capacidade e simplificação neste domínio deverá refletir-se, em última análise, numa redução da assistência técnica; 7. Congratula-se com o apoio prestado aos Estados-Membros no âmbito do instrumento de assistência técnica Assistência Conjunta de Apoio a Projetos nas Regiões Europeias (JASPERS), que presta assistência aos Estados-Membros para os preparar para projetos de grande envergadura cofinanciados pelo FEDER e pelo Fundo de Coesão; aguarda, com interesse, o Relatório Especial do Tribunal de Contas Europeu previsto para 2017, em que será apurado se a JASPERS contribuiu para melhorar o desenvolvimento de projetos de grande envergadura assistidos e cofinanciados pela UE e se, assim, contribuiu para uma maior qualidade dos seus projetos e para aumentar a capacidade administrativa dos Estados-Membros; PR\ docx 5/10 PE v01-00

6 Assistência técnica por iniciativa dos Estados-Membros (artigo 59.º do RDC) 8. Salienta que o cofinanciamento da UE disponível para assistência técnica à disposição dos Estados-Membros no âmbito dos cinco fundos EEI no período de programação se eleva a cerca de 13,4 mil milhões de euros; 9. Salienta que a assistência técnica é, na sua essência, diferente de outras ações financiadas pelos fundos EIE e que é particularmente difícil quantificar os seus resultados; salienta, no entanto, que, atendendo à sua necessidade, ao nível de recursos disponíveis ao abrigo da mesma e ao seu potencial, é absolutamente necessário que haja uma abordagem coordenada, estratégica e transparente; 10. Salienta que a análise do desempenho em 2019 irá lançar alguma luz sobre os resultados da utilização da assistência técnica no período de programação de , que, não obstante, não chegarão a tempo para os debates sobre o período pós-2020; 11. Manifesta a sua preocupação relativamente ao facto de, em alguns Estados-Membros, a assistência técnica não chegar de forma eficaz aos órgãos de poder local e regional; realça que é fundamental estabelecer canais de comunicação mais eficazes entre os vários níveis do governo, a fim de implementar com êxito os fundos EEI, mas também para restabelecer a confiança no funcionamento eficaz da União e das suas políticas; 12. Salienta que a capacidade dos níveis mais baixos de governação é igualmente fundamental para o êxito das novas ferramentas de desenvolvimento territorial, tais como o Desenvolvimento Local de Base Comunitária e o Investimento Territorial Integrado; 13. Observa com preocupação que, aquando da implementação das ações integradas para o desenvolvimento urbano sustentável, embora as tarefas sejam delegadas nas autoridades urbanas que atuam como organismos intermediários, estas amiúde não recebem a assistência técnica necessária para reforçar as respetivas capacidades; 14. Chama a atenção para o Código de Conduta Europeu sobre Parcerias, que define a necessidade de ajudar os parceiros relevantes no reforço da sua capacidade institucional com vista à preparação e implementação dos programas; 15. Salienta que a maior parte dos recursos para assistência técnica é despendida com custos com o pessoal necessário para a execução dos fundos EEI; considera, no entanto, que esse financiamento não deve, em circunstância alguma, funcionar como um substituto dos financiamentos nacionais neste domínio e que deve existir uma evolução progressiva estratégica para atividades suscetíveis de gerar um valor acrescentado para a política de coesão em geral, tais como a comunicação ou a troca de experiências; 16. Salienta que a assistência técnica no futuro deve centrar-se cada vez mais no beneficiário/nível do projeto; 17. Apela a uma melhoria da comunicação por parte dos Estados-Membros no período de programação pós-2020 sobre os tipos de ação financiadas ao abrigo da assistência técnica e os resultados alcançados; salienta que é necessária mais transparência para reforçar a PE v /10 PR\ docx

7 visibilidade da assistência técnica e monitorizar a forma como é despendida; considera que, neste contexto, devem ser tidas em consideração as bases de dados regularmente atualizadas e tornadas públicas contendo as ações previstas e aplicadas pelos Estados- Membros; 18. Observa que, no atual período de programação, os Estados-Membros podiam optar entre incluir a assistência técnica como um eixo prioritário no âmbito de um programa operacional ou ter um programa operacional específico consagrado à assistência técnica; insta a Comissão a analisar qual destas opções obteve os melhores resultados e permitiu um melhor acompanhamento e avaliação, tendo em conta os diferentes regimes institucionais dos Estados-Membros; 19. Apela a uma utilização reforçada da assistência técnica nos programas de Cooperação Territorial Europeia (CTE), que têm as suas próprias especificidades e carecem de apoio em todas as suas de sua aplicação; 20. Insta a Comissão a ter em conta todos estes elementos no contexto da preparação das propostas legislativas para a política de coesão pós-2020; 21. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente resolução ao Conselho e à Comissão. PR\ docx 7/10 PE v01-00

8 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Embora a assistência técnica seja utilizada no âmbito da política de coesão desde 1988, nunca foi efetuada, no Parlamento Europeu, uma análise global do seu contributo e do seu papel. A assistência técnica é um domínio de despesas transversal para o qual não existe uma definição única e clara, sendo difícil fazer uma avaliação exaustiva da sua importância e do seu contributo para apoiar o reforço institucional e desenvolver as capacidades administrativas com vista a uma gestão eficaz dos fundos europeus estruturais e de investimento (fundos EEI). Para o período de programação , a assistência técnica está definida no Regulamento Disposições Comuns e pode ser prestada quer por iniciativa da Comissão (artigo 58.º) quer dos Estados-Membros (artigo 59.º). As novas disposições em matéria de assistência técnica introduziram determinadas inovações, a saber: apoio ao reforço institucional e ao desenvolvimento de capacidades administrativas; assim como medidas visando identificar, hierarquizar e aplicar reformas estruturais e administrativas em resposta a desafios económicos e sociais em determinados Estados- Membros. De acordo com o artigo 118.º do Regulamento Disposições Comuns, os recursos afetados à assistência técnica por iniciativa da Comissão para o período de programação em curso elevam-se a 0,35 % dos fundos da dotação anual. Isto representa um aumento de 0,1 % em comparação com o período de O financiamento da assistência técnica pode ser efetuado a partir de várias rubricas orçamentais e pode ser utilizado de forma flexível, pelo que é difícil obter montantes finais ou uma compreensão clara dos seus mecanismos orçamentais e atividades financiadas. Ao nível da UE, a assistência técnica apoia, entre outras medidas, o reforço institucional e o desenvolvimento de capacidades administrativas para uma gestão eficaz dos fundos. A relatora gostaria de aproveitar esta oportunidade para se congratular com os instrumentos recentemente desenvolvidos pela Comissão Europeia com os seus recursos em matéria de assistência técnica: o Quadro de Competências, o respetivo Instrumento de Autoavaliação e os Pactos de Integridade - Mecanismo de Controlo Civil para a Salvaguarda dos Fundos da UE. O Quadro de Competências e o Instrumento de Autoavaliação são instrumentos que permitem que as instituições que gerem os fundos reforcem a sua capacidade em termos de recursos humanos. O Quadro de Competências e o Instrumento de Autoavaliação são flexíveis e personificáveis, pelo que se aplicam às diferentes estruturas organizacionais nos Estados- Membros. Por outro lado, o projeto-piloto «Pactos de Integridade - Mecanismo de Controlo Civil para a Salvaguarda dos Fundos da UE» visa explorar e promover a utilização de Pactos de Integridade para proteger os fundos da UE contra a fraude e a corrupção, e, enquanto PE v /10 PR\ docx

9 instrumento destinado a reforçar a transparência e a responsabilização, reforçar a confiança nas autoridades e nos contratos públicos e contribuir para uma boa reputação das autoridades adjudicantes, assim como reduzir custos e melhorar a concorrência através de concursos públicos de melhor qualidade. A assistência técnica ao nível dos Estados-Membros ronda os 13,4 mil milhões de euros para os cinco fundos EEI. A assistência técnica pode ser considerada como um impulsionador de mudança e todas as suas vantagens só poderão emergir no futuro depois de as atividades e reformas terem sido integralmente postas em prática. Por este motivo, o planeamento, a coordenação e a transparência das atividades de assistência técnica devem ser assegurados em todas as fases. Em termos mais gerais, importa monitorizar com atenção o papel da assistência técnica no âmbito da contribuição para as reformas institucionais, administrativas e estruturais nos Estados-Membros de molde a salvaguardar a transparência e a legitimidade. Quanto ao reforço das capacidades institucionais e técnicas, verifica-se que muitos Estados- Membros nunca ofereceram às autoridades regionais ou locais a possibilidade de utilizarem fundos da assistência técnica. Isto significa que esta assistência tem sido utilizada a nível nacional para dar formação às autoridades regionais ou locais, no âmbito da qual os representantes locais e regionais não tiveram oportunidade de exprimir as suas necessidades, o que significa que as ações de formação não foram dirigidas para as necessidades locais ou adaptadas ao grupo específico de participantes. A relatora espera que se tirem ensinamentos dos erros cometidos e que, no futuro, a utilização da assistência técnica seja melhorada. O objetivo da assistência técnica não consiste apenas em despender dinheiro, mas em investi-lo num grupo específico de participantes e informar os agentes locais e regionais em tempo útil sobre todas as possibilidades oferecidas, por forma a que as ações de formação organizadas pelos Estados-Membros possam efetivamente gerar o valor acrescentado necessário e melhorar a avaliação das ações de formação por parte dos participantes. Por outro lado, é muito importante salientar, no contexto do desenvolvimento urbano sustentável integrado, que as cidades têm o direito de utilizar a assistência técnica para todas as atividades relacionadas com a criação do sistema e a preparação e execução de projetos através do Investimento Territorial Integrado (ITI), na medida em que as cidades são os organismos intermediários na gestão e no controlo da utilização dos fundos EEI através do mecanismo Investimento Territorial Integrado. Por outro lado, foram implementadas, com êxito, em vários Estados-Membros, instalações específicas de assistência técnica (TAIEX-REGIO Peer 2 Peer, JESSICA e JASPERS); no entanto, há uma grande necessidade de mais informações sobre estas oportunidades tanto a nível nacional como local. Um importante fator de sucesso de qualquer projeto ou programa é a sensibilização. Os potenciais candidatos necessitam de explicações claras e de informações adequadas sobre as possibilidades de assistência técnica. A crise na Europa requer uma certa flexibilidade em relação à afetação dos fundos EEI: isto reflete-se nas disposições relativas à gestão da assistência técnica. Neste momento, o artigo 25.º do Regulamento Disposições Comuns só pode ser aplicado aos Estados-Membros que PR\ docx 9/10 PE v01-00

10 estão a atravessar dificuldades financeiras temporárias. No entanto, no âmbito da nova proposta legislativa sobre o Programa de Apoio às Reformas Estruturais (PARE), está a ser debatida uma eventual extensão do âmbito geográfico desse artigo a todos os Estados- Membros. Também está previsto que o PARE complemente a assistência técnica ao abrigo dos fundos EEI, mas a questão é saber como garantir essa coordenação. Assim, é necessário um relatório mais exaustivo sobre a utilização dos recursos da assistência técnica à disposição dos Estados-Membros. Assim, é oportuno avaliar o contributo das atividades no âmbito da assistência técnica e reforçar a transparência orçamental. PE v /10 PR\ docx

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2016/2148(INI) 22.7.2016 PROJETO DE RELATÓRIO Investir no emprego e no crescimento maximizar o contributo dos Fundos Europeus Estruturais

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 9.12.2014 C(2014) 9621 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 9.12.2014 que aprova determinados elementos do programa operacional "Inclusão Social e Emprego" para apoio do

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.2.204 C(204) 00 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 6.2.204 que aprova determinados elementos do programa operacional «Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos»

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2014 C(2014) 10188 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 18.12.2014 que aprova determinados elementos do «Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020» do apoio

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 8.2.204 C(204) 076 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 8.2.204 que aprova determinados elementos do programa operacional «Regional dos Açores 204-2020» do apoio do Fundo

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.11.2015 C(2015) 8642 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 30.11.2015 que aprova o programa operacional «Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas Programa Operacional

Leia mais

Comissão do Desenvolvimento Regional PROJETO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional

Comissão do Desenvolvimento Regional PROJETO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2016/0276(COD) 20.12.2016 PROJETO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional dirigido à Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários

Leia mais

RESUMO PARA OS CIDADÃOS

RESUMO PARA OS CIDADÃOS RESUMO PARA OS CIDADÃOS Relatório Anual de Execução 2015 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA Para o Programa Operacional de Assistência Técnica 2014-2020 (POAT2020) foi determinante a aprovação do Acordo

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2011/0177(APP) da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2011/0177(APP) da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural 17.7.2012 2011/0177(APP) PROJETO DE PARECER da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural dirigido à Comissão dos

Leia mais

6693/17 mc/jc 1 DGE 2A

6693/17 mc/jc 1 DGE 2A Conselho da União Europeia Bruxelas, 28 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6693/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 28 de fevereiro de 2017 para: Delegações TRANS 82 MAR 47

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2016/0282(COD) da Comissão dos Transportes e do Turismo

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2016/0282(COD) da Comissão dos Transportes e do Turismo Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Transportes e do Turismo 2016/0282(COD) 7.2.2017 PROJETO DE PARECER da Comissão dos Transportes e do Turismo dirigido à Comissão dos Orçamentos e à Comissão do

Leia mais

TEXTOS APROVADOS. Quitação 2014: Empresa Comum Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores 2 (IMI)

TEXTOS APROVADOS. Quitação 2014: Empresa Comum Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores 2 (IMI) Parlamento Europeu 204-209 TEXTOS APROVADOS P8_TA(206)097 Quitação 204: Empresa Comum Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores 2 (IMI). Decisão do Parlamento Europeu, de 28 de abril de 206, sobre a quitação

Leia mais

Assuntos Económicos e Monetários PROJECTO DE PARECER. da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários

Assuntos Económicos e Monetários PROJECTO DE PARECER. da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Assuntos Económicos e Monetários 17.9.2009 2009/0096(COD) PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários dirigido à Comissão do Emprego e dos Assuntos

Leia mais

Comissão dos Transportes e do Turismo PROJETO DE PARECER. da Comissão dos Transportes e do Turismo

Comissão dos Transportes e do Turismo PROJETO DE PARECER. da Comissão dos Transportes e do Turismo Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Transportes e do Turismo 2016/0287(COD) 7.2.2017 PROJETO DE PARECER da Comissão dos Transportes e do Turismo dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 15.12.2016 2017/0000(INI) PROJETO DE RELATÓRIO que contém uma proposta de recomendação do Parlamento Europeu ao Conselho

Leia mais

RELATÓRIO. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu A8-0098/2016 7.4.2016

RELATÓRIO. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu A8-0098/2016 7.4.2016 Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão A8-0098/2016 7.4.2016 RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência Europeia para a Segurança das Redes e da Informação para o exercício

Leia mais

13023/1/15 REV 1 hs/ec/ml 1 DGG 2B

13023/1/15 REV 1 hs/ec/ml 1 DGG 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 30 de outubro de 2015 (OR. en) 13023/1/15 REV 1 NOTA PONTO "I/A" de: para: Secretariado-Geral do Conselho FIN 685 FSTR 64 FC 63 REGIO 78 SOC 585 Comité de Representantes

Leia mais

Orçamento Plurianual da UE

Orçamento Plurianual da UE Orçamento Plurianual da UE 2014/2020 José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspetivas financeiras Estratégia Europa 2020 Crescimento Inteligente

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Plano de ação para 2017 da Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos Comité das Regiões Europeu

Plano de ação para 2017 da Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos Comité das Regiões Europeu Plano de ação para 2017 da Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos Comité das Regiões Europeu A Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos é uma forma de cooperação entre o Comité das Regiões Europeu

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO 2015 Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL Relatório Anual 2015 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PO MAR 2020 ANO DE 2015 CCI: 2014PT14MFOP001 PROGRAMA OPERACIONAL: PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

Eixo Prioritário 5: Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na Administração Pública

Eixo Prioritário 5: Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na Administração Pública Eixo Prioritário 5: Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na Administração Pública Identificação 5 Título Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na administração pública A totalidade

Leia mais

Investimento nas regiões: A Política de Coesão reformada da UE

Investimento nas regiões: A Política de Coesão reformada da UE Investimento nas regiões: A Política de Coesão reformada da UE 2014-2020 Apresentação por política de coesão Princípios básicos da Política de Coesão da UE política de coesão A União Europeia caracteriza-se

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

Discurso proferido por Vítor Caldeira, Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Discurso proferido por Vítor Caldeira, Presidente do Tribunal de Contas Europeu TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU DISCURSO Luxemburgo, 22 de novembro de 2012 ECA/12/46 Discurso proferido por Vítor Caldeira, Presidente do Tribunal de Contas Europeu Apresentação do Relatório Anual relativo

Leia mais

TEXTOS APROVADOS. Quitação 2014: Agência de Cooperação dos Reguladores da Energia (ACER)

TEXTOS APROVADOS. Quitação 2014: Agência de Cooperação dos Reguladores da Energia (ACER) Parlamento Europeu 204-209 TEXTOS APROVADOS P8_TA(206)060 Quitação 204: Agência de Cooperação dos Reguladores da Energia (ACER). Decisão do Parlamento Europeu, de 28 de abril de 206, sobre a quitação pela

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 101 final.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 101 final. Conselho da União Europeia Bruxelas, 1 de março de 2017 (OR. en) 6799/17 FIN 148 SOC 155 PROPOSTA de: Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor data de receção:

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2015/1971 DA COMISSÃO

REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2015/1971 DA COMISSÃO L 293/6 REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2015/1971 DA COMISSÃO de 8 de julho de 2015 que complementa o Regulamento (UE) n. o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho com disposições específicas sobre a comunicação

Leia mais

PORTUGAL 2020: A IMPORTÂNCIA DA ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS

PORTUGAL 2020: A IMPORTÂNCIA DA ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS 21 de maio de 2015 PORTUGAL 2020: A IMPORTÂNCIA DA ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS Ao abrigo do Acordo de Parceria estabelecido entre Portugal e a Comissão Europeia, denominado Portugal 2020, as empresas portuguesas

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Documento de sessão 6.3.2013 B7-0126/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência de declarações do Conselho e da Comissão nos termos do artigo 110.º, n.º 2, do Regimento

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2016/2302(INI) 20.12.2016 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a correta combinação de financiamentos para as regiões da Europa: equilibrar os instrumentos

Leia mais

DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 1.6.2017 L 141/21 DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 16 de novembro de 2016 sobre a delegação de poderes para a adoção de decisões relativas à adequação e idoneidade e a avaliação dos requisitos

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC2020/2030) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 O Programa

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal 2 Ficha 7.0 Auxílio estatal Índice 1 Princípio... 5 2 Definição do conceito de auxílios estatais... 6 3 Quem

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

Quadro Estratégico Comum

Quadro Estratégico Comum Quadro Estratégico Comum 2014-2020 Objetivos Prioridades Estrutura Orgânica Sociedade de Geografia de Lisboa, 8 de Julho de 2013 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Quadro Estratégico

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 2013/0027(COD) 2.9.2013 PROJETO DE PARECER da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos

Leia mais

(Atos legislativos) REGULAMENTOS

(Atos legislativos) REGULAMENTOS 19.5.2017 L 129/1 I (Atos legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) 2017/825 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de maio de 2017 relativo à criação do Programa de Apoio às Reformas Estruturais

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Promoção da Mobilidade Urbana: Variantes a centros urbanos; Planos de Mobilidade Urbana Sustentável Aviso de Abertura de Concurso

Leia mais

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo Apresentação do Projecto Teresa Pinto-Correia e José da Veiga ICAAM Universidade de Évora e Direcção Regional

Leia mais

Deliberação n.º 3/2016. Recursos Hierárquicos do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Deliberação n.º 3/2016. Recursos Hierárquicos do Quadro de Referência Estratégico Nacional Deliberação n.º 3/2016 Recursos Hierárquicos do Quadro de Referência Estratégico Nacional O Decreto-Lei n.º 312/2007, de 17 de setembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 74/2008, de 22 de abril, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 2. OS APOIOS. Relatório Anual de Execução 2016 Resumo para os Cidadãos. Eixo 4 Qualidade e Inovação 176 Milhões

1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 2. OS APOIOS. Relatório Anual de Execução 2016 Resumo para os Cidadãos. Eixo 4 Qualidade e Inovação 176 Milhões 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA O Programa Operacional Capital Humano (PO CH), aprovado pela Comissão Europeia a 12 de Dezembro de 2014, constitui o principal instrumento de financiamento do Portugal 2020

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.3.2016 COM(2016) 159 final 2016/0086 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que fixa a taxa de ajustamento dos pagamentos diretos prevista no Regulamento

Leia mais

Tendo em conta a Comunicação da Comissão (COM(2002) 431 C5-0573/2002),

Tendo em conta a Comunicação da Comissão (COM(2002) 431 C5-0573/2002), P5_TA-PROV(2003)0486 Tributação dos veículos de passageiros Resolução do Parlamento Europeu sobre a Comunicação da Comissão relativa à tributação dos veículos de passageiros na União Europeia (COM(2002)

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário 4 Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL Centro-VQA-2009-13-BM-13 1 Nos termos do Regulamento Específico Acções

Leia mais

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 9 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6170/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações COHOM 16 CONUN 54 SOC 81 FREMP 11 n.º doc. ant.:

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Junho de /11 FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 NOTA

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Junho de /11 FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 NOTA CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 8 de Junho de 2011 11268/11 NOTA de: para: Assunto: FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 Secretariado-Geral do Conselho Conselho (Justiça e Assuntos Internos) Projecto

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 17.6.2016 L 160/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/959 DA COMISSÃO de 17 de maio de 2016 que estabelece normas técnicas de execução para as sondagens de mercado no que se refere aos sistemas e modelos

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento SWD(2016) 26 final.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento SWD(2016) 26 final. Conselho da União Europeia Bruxelas, 16 de fevereiro de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0030 (COD) 6225/16 ADD 2 ENER 29 CODEC 174 IA 6 PROPOSTA de: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória.

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. 2 Apresentação do formulário completo. 3 Orçamento FEDER em conformidade com o que está

Leia mais

127.ª REUNIÃO DA MESA DO COMITÉ DAS REGIÕES 26 DE JANEIRO DE 2011

127.ª REUNIÃO DA MESA DO COMITÉ DAS REGIÕES 26 DE JANEIRO DE 2011 Bruxelas, 10 de Janeiro de 2011 127.ª REUNIÃO DA MESA DO COMITÉ DAS REGIÕES 26 DE JANEIRO DE 2011 PONTO 6 CONSTITUIÇÃO DA PLATAFORMA DE AGRUPAMENTOS EUROPEUS DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL (AECT) Apresentado

Leia mais

Guia Prático. Fundos Estruturais

Guia Prático. Fundos Estruturais Fundos Estruturais 2014-2020 Guia Prático Como conceber um Programa Operacional Multifundos para a Renovação Energeticamente Eficiente do Parque Imobiliário Está a conceber os Programas Operacionais que

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 17 de junho de 2016 (OR. en) 10434/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações SOC 419 EMPL 278 ECOFIN 630 SAN 271 EDUC 243 n.º

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.2.2003 L 43/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 291/2003/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de Fevereiro de 2003 que institui o Ano Europeu da Educação

Leia mais

Orçamento da UE e perspetivas financeiras

Orçamento da UE e perspetivas financeiras Orçamento da UE e perspetivas financeiras 06 de julho de 2013 José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu O atual modelo de financiamento As receitas e despesas orçamentais da UE estão limitadas

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural são uma

Leia mais

TEXTOS APROVADOS. Mobilização do Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização: candidatura EGF/2015/010 FR/MoryGlobal

TEXTOS APROVADOS. Mobilização do Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização: candidatura EGF/2015/010 FR/MoryGlobal Parlamento Europeu 2014-2019 TEXTOS APROVADOS P8_TA(2016)0229 Mobilização do Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização: candidatura EGF/2015/010 FR/MoryGlobal Resolução do Parlamento Europeu, de 26 de

Leia mais

Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia PROJETO DE PARECER. da Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia PROJETO DE PARECER. da Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2016/0280(COD) 2.3.2017 PROJETO DE PARECER da Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia dirigido à Comissão dos

Leia mais

RELATÓRIO (2016/C 449/20)

RELATÓRIO (2016/C 449/20) 1.12.2016 PT Jornal Oficial da União Europeia C 449/107 RELATÓRIO sobre as contas anuais da Autoridade Europeia dos Seguros e Pensões Complementares de Reforma relativas ao exercício de 2015 acompanhado

Leia mais

PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2015/2284(INI) da Comissão dos Orçamentos

PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2015/2284(INI) da Comissão dos Orçamentos Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Orçamentos 2015/2284(INI) 25.5.2016 PARECER da Comissão dos Orçamentos dirigido à Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais sobre as realizações, o impacto e

Leia mais

TEXTOS APROVADOS. Introdução de medidas comerciais autónomas de emergência para a Tunísia ***I

TEXTOS APROVADOS. Introdução de medidas comerciais autónomas de emergência para a Tunísia ***I Parlamento Europeu 2014-2019 TEXTOS APROVADOS P8_TA(2016)0056 Introdução de medidas comerciais autónomas de emergência para a Tunísia ***I Alterações aprovadas pelo Parlamento Europeu, em 25 de fevereiro

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, L 337/46 REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 1255/2014 DA COMISSÃO de 17 de julho de 2014 que completa o Regulamento (UE) n. o 223/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo ao Fundo de Auxílio Europeu

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 28.1.2013 2012/2293(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a habitação social na União Europeia 2012/2293(INI)) Comissão do Emprego e dos

Leia mais

Anexo II. 3: Modelo de projeto de Apoio às DIN de Nível 1

Anexo II. 3: Modelo de projeto de Apoio às DIN de Nível 1 Anexo II. 3: Modelo de projeto de Apoio às DIN de Nível 1 Compendium dos documentos do QIR: Manual do Utilizador do QIR 67 QUADRO INTEGRADO REFORÇADO PROPOSTA DE PROJETO DE «APOIO ÀS DIN» DE NÍVEL 1 SECÇÃO

Leia mais

Coordenadores: Conceição Gomes e José Igreja Matos Horas: 35

Coordenadores: Conceição Gomes e José Igreja Matos Horas: 35 Plano Curricular UC 1: Governação e organização do sistema de justiça Coordenadores: Conceição Gomes e José Igreja Matos Horas: 35 Objetivos: Refletir sobre o papel e as funções dos tribunais nas sociedades

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE)

Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE) Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE) O que é o Programa LIFE? O Programa LIFE - cujo acrónimo traduz L Instrument Financier pour l Environment é um instrumento financeiro comunitário que

Leia mais

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 347 de 20 de dezembro de 2013)

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 347 de 20 de dezembro de 2013) L 200/140 26.7.2016 RETIFICAÇÕES Retificação do Regulamento (UE) n. o 1303/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, que estabelece disposições comuns relativas ao Fundo Europeu

Leia mais

Quadro geral relativo à informação e à consulta dos funcionários e empregados públicos da administração central do Estado. Acordo (Tradução) Preâmbulo

Quadro geral relativo à informação e à consulta dos funcionários e empregados públicos da administração central do Estado. Acordo (Tradução) Preâmbulo TUNED Trade Union s National and European Delegation EUPAE European Public Administration Employers Quadro geral relativo à informação e à consulta dos funcionários e empregados públicos da administração

Leia mais

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50%

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50% ANO: 2017 Ministério da Justiça Direção-Geral da Política de Justiça MISSÃO: A DGPJ tem por missão prestar apoio técnico, acompanhar e monitorizar políticas, organizar e fomentar o recurso aos tribunais

Leia mais

União Europeia Bruxelas, 14 de novembro de 2014 (OR. en) Assegurar o respeito pelo Estado de direito na União Europeia

União Europeia Bruxelas, 14 de novembro de 2014 (OR. en) Assegurar o respeito pelo Estado de direito na União Europeia Conselho da União Europeia Bruxelas, 14 de novembro de 2014 (OR. en) 15206/14 FREMP 198 JAI 846 COHOM 152 POLGEN 156 NOTA de: para: Assunto: Presidência Conselho Assegurar o respeito pelo Estado de direito

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.4.2016 COM(2016) 208 final 2016/0111 (NLE) Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que altera o Regulamento (UE) n.º 1370/2013, que determina medidas sobre a fixação de certas

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Dezembro de 2008 (11.12) (OR. fr) 16775/08 RECH 411 COMPET 551

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Dezembro de 2008 (11.12) (OR. fr) 16775/08 RECH 411 COMPET 551 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Dezembro de 2008 (11.12) (OR. fr) 16775/08 RECH 411 COMPET 551 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Conselho (Competitividade) de 1-2 de Dezembro de 2008 n.º doc. ant.:

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI Fundo de Coesão Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI Fundo de Coesão Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI Fundo de Coesão 2 Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo de Coesão são uma forma eficiente e sustentável de investir no reforço da coesão económica,

Leia mais

Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais PROJETO DE PARECER. da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais PROJETO DE PARECER. da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2016/0265(COD) 11.1.2017 PROJETO DE PARECER da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais dirigido à Comissão dos Assuntos Económicos

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho sobre:

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho sobre: Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de dezembro de 2016 (OR. en) 15508/16 AGRI 676 AGRILEG 197 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Assunto: Secretariado-Geral do Conselho Delegações O reforço da posição

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO EIXO 4 Protecção e Valorização Ambiental PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS Acções Materiais Aviso nº: Centro-PRM-2011-04 Nos termos do Regulamento Específico

Leia mais

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up)

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO 2014-2020 Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) julho 2016 Orientações para o acompanhamento da implementação

Leia mais

O Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) enquanto Organismo Intermédio do PO APMC na Tipologia de Operação 1.2

O Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) enquanto Organismo Intermédio do PO APMC na Tipologia de Operação 1.2 Agenda 1 2 3 4 5 6 Breve apresentação do Fundo Europeu de Auxílio Europeu às Pessoas Mais Carenciadas (FEAC) e do Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas (PO APMC) O Instituto da Segurança

Leia mais

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

***I PROJETO DE RELATÓRIO

***I PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2016/0287(COD) 31.1.2017 ***I PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que

Leia mais

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de abril de 2015 (OR. en) 8096/15 SPORT 14 EDUC 108 JEUN 32 NOTA de: para: Secretariado-Geral do Conselho Comité de Representantes Permanentes/Conselho n.º doc.

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão para a Cultura, a Juventude, a Educação, os Meios de Comunicação Social e os Desportos 30 de Maio de 2001 PROVISÓRIO 2001/2086(COS) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o terceiro

Leia mais

8833/16 fmm/tmc 1 DG C 1

8833/16 fmm/tmc 1 DG C 1 Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2016 (OR. en) 8833/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 12 de maio de 2016 para: Delegações n.º doc. ant.: 8577/16 Assunto:

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais