FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE LICENÇAS FEDERATIVAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE LICENÇAS FEDERATIVAS"

Transcrição

1 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE LICENÇAS FEDERATIVAS Em Vigor desde 01 de Janeiro de 2009

2 1. Por cada Atirador regularmente inscrito na Federação Portuguesa de Tiro, será emitida e entregue uma Licença Federativa (LF), pessoal, intransmissível e numerada, válida até ao último dia do ano civil em que foi concedida. 2. Sem prejuízo do disposto no Regulamento das Provas da Federação Portuguesa de Tiro, apenas os Atiradores titulares de LF em vigor, e cujos Clubes se mostrem regularmente inscritos na FPT, se poderão inscrever e participar nas Provas Oficiais da FPT a que o seu tipo de licença garanta o acesso. Único: Para efeitos do disposto no presente regulamento, consideram-se provas oficiais, as de Clubes, Distritais, Regionais, Nacionais ou Internacionais que tenham sido reconhecidas pela Direcção da FPT, tenham sido inscritas no calendário oficial de provas da FPT para essa época e, desenvolvam-se de acordo com a regulamentação aprovada e sejam arbitradas por juízes nomeados pelo Conselho de Arbitragem. 3. As Licenças Federativas (LF) concedidas pela FPT são de quatro tipos: a) Tipo A concedida a todos os praticantes de tiro de competição, que se inscrevam pela primeira vez na Federação Portuguesa de Tiro, nos termos do Anexo A ao presente Regulamento, e que dele faz parte integrante. b) Tipo B concedida aos Atiradores, inscritos regularmente na Federação Portuguesa de Tiro, que cumpram o disposto no Anexo B ao presente Regulamento, e que dele faz parte integrante. c) Tipo C concedida aos Atiradores, inscritos regularmente na Federação Portuguesa de Tiro que cumpram o disposto no Anexo C ao presente Regulamento, e que dele faz parte integrante. d) Tipo D concedida a todos os praticantes de tiro de recreio, que se inscrevam pela primeira vez na Federação Portuguesa de Tiro, nos termos do Anexo A ao presente Regulamento, e que dele faz parte integrante. 4. As Licenças Federativas são revogadas nos casos seguintes: a) Se o seu titular for alvo de sanção disciplinar federativa por violação das regras de segurança ou por práticas antidesportivas; b) Se o seu titular, por vontade, irresponsabilidade ou manifesta incapacidade, provocar danos nas Infra-estruturas ou outros bens sob tutela ou responsabilidade da respectiva federação ou dos clubes seus filiados, ou nelas utilizar armas ou munições inadequadas; c) Se o seu titular não tiver cumprido as determinações legais relativas à sua manutenção; d) Se o seu titular cessar a actividade desportiva. 5. As licenças federativas caducam quando: a) Não sejam renovadas até à data do seu termo; b) Não seja emitida ou cesse, por qualquer motivo, a licença de tiro desportivo referida na alínea a) do artigo 3.º da Lei 42/2006 de 25 de Agosto; c) Ocorra a dissolução do clube em que o titular se mostre filiado, sem que este se transfira para um outro, dentro dos 30 dias subsequentes. 2

3 6. Sem prejuízo do disposto nos números 4 e 5 deste Regulamento, os Atiradores que interrompam temporariamente, e justificadamente, a prática regular da modalidade, mas que continuem a manter a sua situação regularizada junto da Federação Portuguesa de Tiro, manterão as respectivas qualificações. Único: A interrupção temporária não pode estender-se para além uma época desportiva, correspondente ao ano civil e o impedimento deve ser comunicado à FPT logo que ocorra. 7. Os militares, membros da Forças Militares e Forças de Segurança ou equiparados podem aceder directamente às LF tipo B e C, desde que cumpram com aproveitamento os cursos de formação das modalidades que os exijam, designadamente de tiro com pólvora preta e de tiro dinâmico. Único: A obtenção de aproveitamento num exame prévio de aptidão é sempre exigida, quando se trate de uma inscrição, pela primeira vez, na FPT. 3

4 ANEXO A AO REGULAMENTO DE LICENÇAS 1. As Licenças Federativas (LF) A e D são concedida aos atiradores que se inscrevam pela primeira vez na FPT e dependem da obtenção de aproveitamento num exame prévio de aptidão. 2. Os exames de aptidão terão uma periodicidade trimestral, e serão presididos por um elemento nomeado pela Direcção da FPT, que a representa para todos os efeitos. 2.a. Os exames de aptidão serão presididos por um elemento nomeado pela Direcção da FPT, que a representa para todos os efeitos, e realizados na 4ª semana dos meses de Fevereiro, Maio, Setembro e Novembro. 3. Os exames, a que se refere o número anterior, versarão as seguintes matérias e objectivos: a) Regime jurídico das armas e suas munições; b) Regulamentação da utilização das armas para fins desportivos; c) Segurança no manuseamento; d) Noções de balística e de balística de efeitos. 4. O processo de avaliação é composto pelas seguintes fases, sucessivas e eliminatórias: a) Teste escrito sobre a matéria constante do número 3 do presente Anexo; b) Teste prático de manuseamento, tendo o candidato de executar correctamente as operações de segurança, de carregar e descarregar uma pistola e uma carabina de calibre.22 LR, apontar numa direcção segura, colocar a arma em segurança, verificar a câmara e pousar a arma aberta e apontada igualmente numa direcção segura. c) Teste prático de execução técnica, verificando se o candidato é capaz de executar em segurança uma concentração de 10 tiros com 20 cm de diâmetro, à distância de 10 metros, usando uma pistola de ar comprimido, ou de 10 cm de diâmetro, nas mesmas condições, utilizando uma carabina de ar comprimido. 5. A instrução prévia dos candidatos, bem como a sua apresentação nos locais determinados para os exames, é da responsabilidade dos respectivos Clubes, ou da Associação de Clubes a que estes pertençam, quando seja esta a conduzir o processo. 6. As datas e local dos testes, bem como a lista dos candidatos são, nos termos da Lei, previamente comunicados à DN/PSP, que destaca um seu elemento para o local. 7. O exame escrito constará de um teste de escolha múltipla, com 16 perguntas distribuídas pelos 4 grupos, com o valor de 1,25 pontos cada, tendo o candidato de obter 15 valores, correspondentes a 75% do total. 8. A FPT emitirá um documento contendo as perguntas tipo sobre as várias matérias que os candidatos poderão encontrar nos testes de exame. 9. A LF tipo A, uma vez concedida, permite a prática do tiro desportivo de precisão, em que se utilizam revolveres, pistolas ou carabinas de ar comprimido (AC) do calibre até 5,5 mm e de revolveres, pistolas ou carabinas do calibre até.22, desde que a munição seja de percussão anelar e de velocidade standard. 10. A LF tipo D, uma vez concedida, permite a prática do tiro desportivo de recreio, em que se utilizam revolveres, pistolas ou carabinas de AC dos calibres permitidos por lei, bem como de revolveres, pistolas ou carabinas do calibre até.22, desde que a munição seja de percussão anelar, e ainda de espingardas até ao calibre 12 mm. 11. A manutenção das LF tipo A e D obriga os seus titulares a participarem em pelo menos uma prova do calendário da FPT. 4

5 ANEXO B AO REGULAMENTO DE LICENÇAS 1. Os candidatos à LF tipo B devem preencher os seguintes requisitos: a. Geral Serem detentores de uma LF tipo A há 2 anos ou mais (2 anos civis completos); Terem participado anualmente em duas ou mais provas do calendário oficial da FPT; Não terem sido alvo de sanção federativa por violação das regras de segurança ou por práticas antidesportivas. b. Pistola Terem obtido, em provas oficiais, uma pontuação igual ou superior a 420 pontos (280 para senhoras) em PAC, ou 420 pontos em, PSpt, PStd, PV ou 400 em PL. c. Carabina Terem obtido, em provas oficiais, uma pontuação igual ou superior a 420 pontos (280 para senhoras) em CAC, ou 420 pontos em CD 50, ou 900 pontos 3x40, ou 500 pontos em CStd. 2. A LF tipo B, uma vez concedida, permite a prática das disciplinas de Tiro de Precisão em que se utilizem carabinas de calibre entre 6 e 8 mm (utilizando munições FMJ não perfurantes, não tracejantes, de perfil ogival), e.32 S&W Long Wadcutter ou.38 Special Wadcutter para pistola ou revolver, com exclusão de quaisquer outros projécteis ou cargas, mesmo de calibres inferiores, não admitidos nas competições ISSF. 3. Os detentores da LF tipo B podem também praticar o tiro com armas de antecarga (pólvora preta), desde que complementados os requisitos mencionados no Número 1 com um curso específico, ministrado por formadores credenciados pela FPT e devidamente aprovado pela sua Direcção. 5

6 ANEXO C AO REGULAMENTO DE LICENÇAS 1. Os candidatos à LF tipo C devem preencher os seguintes requisitos: a. Geral Serem detentores de uma LF tipo B há 2 anos ou mais (2 anos civis completos); Terem participado anualmente em duas ou mais provas do calendário oficial da FPT; Não terem sido alvo de sanção federativa por violação das regras de segurança ou por práticas antidesportivas. b. Pistola Terem obtido, em provas oficiais, uma pontuação igual ou superior a 450 pontos (300 para senhoras) em PAC, ou 450 pontos em PPC, PSpt, PStd, PV ou 430 pontos em PL. d. Carabina Obtenção de uma pontuação igual ou superior a 430 pontos (287 para senhoras) em CAC, ou 430 pontos em CD-50, ou 920 pontos 3x40-50, ou 520 pontos em CStd, ou 420 pontos em CD-300 ou 280 pontos em 3x A LF tipo C, uma vez concedida, permite a prática das disciplinas de Tiro de Precisão em que se utilizem carabinas de calibre entre 6 e 7,92 mm (utilizando munições FMJ não perfurantes, não tracejantes, de perfil ogival), e 7,65mm a 9mm para pistola (RN, FMJ), com exclusão de quaisquer outros projécteis ou cargas, mesmo de calibres inferiores, que não são admitidos nas competições desenvolvidas sob a égide a FPT. 4. Os detentores da LF tipo C podem também praticar tiro dinâmico utilizando os calibres até 11,4 mm para pistola (RN ou FN, FMJ) e.45 para revolveres, desde que complementados os requisitos mencionados no Número 1 com um curso específico, ministrado por formadores credenciados pela FPT e devidamente aprovado pela sua Direcção. 6

Regulamento. Licenças Federativas. Em vigor desde 01 de Janeiro de 2007

Regulamento. Licenças Federativas. Em vigor desde 01 de Janeiro de 2007 Regulamento de Licenças Federativas Em vigor desde 01 de Janeiro de 2007 1 - Por cada Atirador regularmente inscrito na Federação Portuguesa de Tiro, será emitida e entregue uma Licença Federativa (LF),

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE LICENÇAS FEDERATIVAS

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE LICENÇAS FEDERATIVAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE LICENÇAS FEDERATIVAS 14 de Janeiro de 2016 INDICE Preâmbulo 4 Capítulo I Das Licenças em Geral 4 Artigo 1º Emissão de Licença Federativa 4 Artigo 2º Dos Direitos

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP 10 DE NOVEMBRO DE 2010 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP Artigo 1º Âmbito do Regulamento

Leia mais

Campeonato. Portugal. Pistola Sport 9mm

Campeonato. Portugal. Pistola Sport 9mm Campeonato de Portugal de Pistola Sport 9mm Em vigor desde 01 de Janeiro de 2005 INTRODUÇÃO O Campeonato de Portugal com Armas de Ordenança perdeu as suas características próprias, as de um campeonato

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento de Provas de Pistola Sport 9mm

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento de Provas de Pistola Sport 9mm FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929 Instituição de Utilidade Pública Desportiva (D.R. 288 de 11/12/1993) Oficial da Ordem Militar de Cristo Medalha de

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento da Carreira de Juiz Árbitro de Tiro Desportivo. Capítulo I Disposições gerais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento da Carreira de Juiz Árbitro de Tiro Desportivo. Capítulo I Disposições gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929 Instituição de Utilidade Pública Desportiva (D.R. 288 de 11/12/1993) Oficial da Ordem Militar de Cristo Medalha de

Leia mais

Lei n.º 42/2006 de 25 de Agosto Publicado no DR 164, Série I de

Lei n.º 42/2006 de 25 de Agosto Publicado no DR 164, Série I de ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 42/2006 de 25 de Agosto Publicado no DR 164, Série I de 2006-08-25 Estabelece o regime especial de aquisição, detenção, uso e porte de armas de fogo e suas munições e acessórios

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS ISSF

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS ISSF FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS ISSF 24 DE MAIO DE 2017 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929 Instituição de Utilidade Pública Desportiva

Leia mais

6192 Diário da República, 1. a série N. o de Agosto de 2006

6192 Diário da República, 1. a série N. o de Agosto de 2006 6192 Diário da República, 1. a série N. o 164 25 de Agosto de 2006 Artigo 8. o Regulamentação 1 Compete ao Governo, através dos Ministérios da Administração Interna e da Economia e da Inovação, regulamentar

Leia mais

Regulamento do Campeonato de Portugal com Armas de Ordenança

Regulamento do Campeonato de Portugal com Armas de Ordenança FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929 Instituição de Utilidade Pública Desportiva (D.R. 288 de 11/12/1993) Oficial da Ordem Militar de Cristo Medalha de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 231/X

PROJECTO DE LEI N.º 231/X PROJECTO DE LEI N.º 231/X ESTABELECE O REGIME ESPECIAL DE AQUISIÇÃO, DETENÇÃO, USO E PORTE DE ARMAS DE FOGO E SUAS MUNIÇÕES E ACESSÓRIOS, DESTINADAS A PRÁTICAS DESPORTIVAS E DE COLECCIONISMO HISTÓRICO-CULTURAL

Leia mais

Regulamento. Tiro. com. Armas de Pólvora Preta

Regulamento. Tiro. com. Armas de Pólvora Preta Regulamento de Tiro com Armas de Pólvora Preta Em vigor desde 01 de Janeiro de 2007 1 Regulamentos Aplicáveis Artigo 1º As competições de Tiro com Armas de Pólvora Preta desenvolvem-se, tecnicamente, de

Leia mais

Torneio de Tiro de Precisão

Torneio de Tiro de Precisão Torneio de Tiro de Precisão REGRAS GERAIS: Armas: Qualquer tipo de arma com mira aberta, desde que não seja dióptro de qualquer tipo, ou seja com ou sem lente. Não poderá ser usado nenhum tipo de mira

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS DE TIRO COM CARABINA DE CANO ARTICULADO. Capitulo I Âmbito. Art.º 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS PROVAS DE TIRO COM CARABINA DE CANO ARTICULADO. Capitulo I Âmbito. Art.º 1º Âmbito REGULAMENTO DAS PROVAS DE TIRO COM CARABINA DE CANO ARTICULADO Capitulo I Âmbito Art.º 1º Âmbito 1.O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis às provas de carabina de cano articulado do calendário

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DAS ESCOLAS DE TIRO 13 DE ABRIL DE 2010 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DAS ESCOLAS DE TIRO As Escolas de Tiro Desportivo são um pilar essencial no desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DESPORTIVO DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE

REGULAMENTO DESPORTIVO DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE REGULAMENTO DESPORTIVO DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE Regulamento Desportivo da Federação Portuguesa de Golfe CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I REGIME DE INSCRIÇÃO DE PRATICANTES CAPÍTULO II DISPOSIÇÕES

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE ALTO RENDIMENTO SELECÇÕES NACIONAIS E RANKING

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE ALTO RENDIMENTO SELECÇÕES NACIONAIS E RANKING FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE ALTO RENDIMENTO SELECÇÕES NACIONAIS E RANKING 06 DE DEZEMBRO DE 2016 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM 18 DE JANEIRO DE 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Conselho

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE AR 50 22 DE JANEIRO DE 2016 Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929 Instituição de Utilidade Pública Desportiva (DR 288, de 11/12/93) Renovação

Leia mais

V - Torneio Interno de Tiro de Precisão do Clube de Tiro Barra Bonita 2017

V - Torneio Interno de Tiro de Precisão do Clube de Tiro Barra Bonita 2017 V - Torneio Interno de Tiro de Precisão do Clube de Tiro Barra Bonita 2017 Finalidade - Implementar a realização de prova de carabina Mira Aberta (fogo central e circular), de Ar comprimido (4.5 e 5.5

Leia mais

CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES (Fase de Apuramento)

CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES (Fase de Apuramento) CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES (Fase de Apuramento) 1. NORMAS REGULAMENTARES 1.1- Normas Gerais 1.1.1 A participação nas provas coletivas organizadas pela FPA é reservada aos clubes portugueses que tenham

Leia mais

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ÉPOCA 2014-2015 TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA REGULAMENTO Regulamento da Taça de Promoção da Associação de Futebol da Guarda Época 2014-2015 Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE XADREZ DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES

ASSOCIAÇÃO DE XADREZ DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES ASSOCIAÇÃO DE XADREZ DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES Aprovado em Assembleia Geral de 13 de Outubro de 2014 PRIMEIRA PARTE Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito de Aplicação) 1. O presente

Leia mais

MANUAL DE FORMAÇÃO PARA O EXAME DE ACESSO ÀS LICENÇAS FEDERATIVAS E DE TIRO DESPORTIVO

MANUAL DE FORMAÇÃO PARA O EXAME DE ACESSO ÀS LICENÇAS FEDERATIVAS E DE TIRO DESPORTIVO MANUAL DE FORMAÇÃO PARA O EXAME DE ACESSO ÀS LICENÇAS FEDERATIVAS E DE TIRO DESPORTIVO Autorizada a publicação deste manual pelo seu autor: Adalberto de Almeida Fernandes GENERALIDADES Este manual destina-se

Leia mais

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA Art.º 1 Objeto 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITES ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VIANA DO CASTELO

REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITES ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VIANA DO CASTELO REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITES ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VIANA DO CASTELO APROVADO EM ASSEMBLEIA GERAL DE 31.01.2014 REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITE I.

Leia mais

Regras. Tiro Rápido de Precisão (TRP)

Regras. Tiro Rápido de Precisão (TRP) Regras Tiro Rápido de Precisão (TRP) Atualização de Abril de 2015 Regulamento de Tiro Rápido de Precisão Atualização de Abril de 2015 1 - DA ARMA a. O comprimento do cano não deverá exceder a 6" (seis

Leia mais

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS (Documento aprovado na 7ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da ESTBarreiro/IPS, de 20 de Outubro de 2010) CAPÍTULO

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

Regulamento Tiro IPSC

Regulamento Tiro IPSC Regulamento de Tiro IPSC REGIÃO IPSC - PORTUGAL INTERNATIONAL PRACTICAL SHOOTING CONFEDERATION Página 2 de 15 Capítulo I Disposições Gerais Artº 1º Modalidade IPSC O Tiro IPSC constitui uma modalidade

Leia mais

PROVA DE LICENCIAMENTO DE JOGADORES, TREINADORES E ENQUADRAMENTO HUMANO

PROVA DE LICENCIAMENTO DE JOGADORES, TREINADORES E ENQUADRAMENTO HUMANO COMUNICADO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM COMUNICADO Nº 09 ÉPOCA: 2015/2016 DATA: 16/09/2015 Para conhecimento geral, a seguir se informa: PROVA DE LICENCIAMENTO DE JOGADORES, TREINADORES E ENQUADRAMENTO HUMANO

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO TIRO DE PISTOLA

REGULAMENTO ESPECÍFICO TIRO DE PISTOLA REGULAMENTO ESPECÍFICO TIRO DE PISTOLA I - DA FINALIDADE E DA PARTICIPAÇÃO Art. 1º - As regras aplicadas nodo I Jogos Nacionais de Integração dos PRF/2015, para as competição do Tiro Pistola será realizada

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO REGULAMENTO DE CARTOGRAFIA. I Parte Âmbito e competências

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO REGULAMENTO DE CARTOGRAFIA. I Parte Âmbito e competências FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO REGULAMENTO DE CARTOGRAFIA I Parte Âmbito e competências Art.º 1.º (Âmbito) Nos termos do art.º 49.º, alínea p), dos Estatutos da FPO, são aprovadas as presentes normas,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Page 1 of 6 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Calendário 00 - Nacional e Internacional 1º Semestre Jan Prova-Actividade Organização - CT Obs F 1 6 1 0 Fev 3 10 Hell Open Air Gun 00 1 - Trondheim - Noruega E

Leia mais

CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES EM PISTA COBERTA (Fase Apuramento)

CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES EM PISTA COBERTA (Fase Apuramento) CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES EM PISTA COBERTA (Fase Apuramento) 1. NORMAS REGULAMENTARES 1.1. Normas Gerais 1.1.1. A participação nas provas colectivas organizadas pela FPA é reservada aos Clubes Portugueses

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO SANÇÕES DESPORTIVAS APENSO AO REGULAMENTO DE PROVAS PÓLO AQUÁTICO

REGULAMENTO ESPECÍFICO SANÇÕES DESPORTIVAS APENSO AO REGULAMENTO DE PROVAS PÓLO AQUÁTICO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE SANÇÕES DESPORTIVAS APENSO AO REGULAMENTO DE PROVAS DE PÓLO AQUÁTICO Aprovado em Assembleia Geral de 17Nov06 1 CAPITULO I Artigo 1º 1- O presente documento aplica-se a todas as

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS PREÂMBULO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS PREÂMBULO NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS PREÂMBULO NOTA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Municipal de Desportos de Santiago do Cacém, propriedade do Município de Santiago do

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL N.º 1

COMUNICADO OFICIAL N.º 1 COMUNICADO OFICIAL N.º 1 Quadros Competitivos 1 BAMBIS / MINIS (misto) 1.1 Calendarização Propõe-se assim a realização de 8 Encontros / Festand s, distribuídos por toda a época desportiva, nas seguintes

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa

Associação de Futebol de Lisboa Associação de Futebol de Lisboa Conselho de Arbitragem FUTSAL NORMAS REGULAMENTARES PARA CRONOMETRISTAS EDIÇÃO - 2010 INDICE 5 / 00. TEMAS NOMEAÇÃO PARA JOGOS 01 TESTES ESCRITOS 02 ASSIDUIDADE E COLABORAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS Regulamento de Certificação de Entidades Formadoras Página 1 de 16 Índice Capítulo I Disposições gerais... 4 Artigo 1.º Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA Artigo 1º Objecto O presente Regulamento visa a adopção de medidas preventivas ao caso de manifestações de violência associadas à Vela, com vista a garantir a existência de condições de segurança em recintos

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PROFESSORES Em vigor a partir de 13 de Setembro de 2013-1 - PARTE 0 PREÂMBULO 0.1 Introdução Uma das principais finalidades

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS MLAIC. Capítulo I Disposições Gerais

REGULAMENTO DE PROVAS MLAIC. Capítulo I Disposições Gerais REGULAMENTO DE PROVAS MLAIC Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º As provas regidas pelo MLAIC são conduzidas por Juízes Árbitros nomeados pelo Conselho de Arbitragem e desenvolvem-se de acordo com o

Leia mais

O Circuito será realizado em dois escalões etários (rapazes e raparigas juntos).

O Circuito será realizado em dois escalões etários (rapazes e raparigas juntos). Época 2010 Regras de Jogo Serão Realizadas: 10 Etapas. A inscrição da prova na ATPorto será obrigatória, Taxa de 25,00 Valor de Inscrição na Etapa será de 8,00. Os participantes deverão ter licença FPT

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA Preâmbulo A atividade física e desportiva é, no quotidiano, um fator primordial na formação do ser humano enquanto indivíduo que busca a integração plena na sociedade contemporânea.

Leia mais

Associação de Futebol do Porto

Associação de Futebol do Porto RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, 96 4100. PORTO COMUNICADO OFICIAL Circular n.º 215 = 2016/2076= Para o conhecimento e orientação dos Clubes Filiados, SAD s, SDUQ s, Árbitros, Órgãos de Comunicação Social e

Leia mais

Regulamento das Entidades Formadoras

Regulamento das Entidades Formadoras Regulamento das Entidades Formadoras Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Norma habilitante O presente Regulamento é adotado ao abrigo do disposto no artigo 10.º e nas alíneas a) e c) do número 2 do

Leia mais

Regulamento Taça dos Campeonatos Académicos do Porto

Regulamento Taça dos Campeonatos Académicos do Porto Regulamento Taça dos Campeonatos Académicos do Porto I. Disposições Iniciais Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento estabelece o funcionamento da Taça dos Campeonatos Académicos do Porto, organizados

Leia mais

CAPÍTULO I Localização, extensão e limites. CAPÍTULO II Licenciamento e taxas diárias

CAPÍTULO I Localização, extensão e limites. CAPÍTULO II Licenciamento e taxas diárias (Aprovado pela Câmara Municipal e pela Assembleia Municipal, em 5 de Julho e 6 de Agosto de 1999, respectivamente, com alterações introduzidas aos artigos 3.º, 7.º, 8.º, 10.º, 11.º, 17.º e 24.º, aprovadas

Leia mais

Para conhecimento de todos os nossos filiados, Conselho de Arbitragem, Órgãos de Comunicação Social e demais interessados, comunicamos o seguinte:

Para conhecimento de todos os nossos filiados, Conselho de Arbitragem, Órgãos de Comunicação Social e demais interessados, comunicamos o seguinte: Para conhecimento de todos os nossos filiados, Conselho de Arbitragem, Órgãos de Comunicação Social e demais interessados, comunicamos o seguinte: ALTERAÇÃO REGULAMENTO PROVAS OFICIAIS (Art.º 102.05, Art.º

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL REGULAMENTO DE EXAMES N.: 187 DATA: ASSUNTO: ARBITRAGEM

COMUNICADO OFICIAL REGULAMENTO DE EXAMES N.: 187 DATA: ASSUNTO: ARBITRAGEM COMUNICADO OFICIAL N.: 187 DATA: 2005.11.24 ASSUNTO: ARBITRAGEM REGULAMENTO DE EXAMES Para conhecimento geral, divulga-se em anexo, o Regulamento de Exames, recentemente aprovado. Pel A Direcção da F.P.F.

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

VI CAMPEONATO DE PORTUGAL JUVENIS 2009

VI CAMPEONATO DE PORTUGAL JUVENIS 2009 VI CAMPEONATO DE PORTUGAL JUVENIS 2009 ANÚNCIO DE REGATA A Autoridade Organizadora, constituída pela Federação Portuguesa de Vela e pela Associação Regional de Vela dos Centro e as Associações de Classe

Leia mais

Federação de Ju-Jitsu e Disciplinas Associadas de Portugal Fundada em Regulamento de Arbitragem

Federação de Ju-Jitsu e Disciplinas Associadas de Portugal Fundada em Regulamento de Arbitragem Federação de Ju-Jitsu e Disciplinas Associadas de Portugal Fundada em 18-04-2001 Regulamento de Arbitragem Regulamento de Arbitragem Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º As presentes normas aplicam-se

Leia mais

SORTEIO DA TAÇA DA MADEIRA DE JUVENIS E INICIADOS DE FUTEBOL DE 11 (MASCULINO)

SORTEIO DA TAÇA DA MADEIRA DE JUVENIS E INICIADOS DE FUTEBOL DE 11 (MASCULINO) ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA MADEIRA COMUNICADO OFICIAL Nº 155 DATA: 27.02.2017 SORTEIO DA TAÇA DA MADEIRA DE JUVENIS E INICIADOS DE FUTEBOL DE 11 (MASCULINO) ÉPOCA 2016/2017 Para conhecimento de todos os

Leia mais

Decreto-Lei n.º 303/99 de 6 de Agosto

Decreto-Lei n.º 303/99 de 6 de Agosto Decreto-Lei n.º 303/99 de 6 de Agosto Reconhecimento do carácter profissional das competições desportivas... 3 Objecto... 3 Conteúdo do pedido de reconhecimento... 3 Remuneração dos praticantes e treinadores...

Leia mais

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia 1 Artigo 1º Organização 1.1. A FPF organiza a competição designada: Campeonato Nacional de Futebol de Praia, para a categoria sénior. 1.2. O Campeonato

Leia mais

Comentários à Proposta de Lei n.º 119/XII

Comentários à Proposta de Lei n.º 119/XII Comentários à Proposta de Lei n.º 119/XII 1- Pensamos que a proposta de alteração que nos merece uma análise crítica é a estabelecida no artigo 3º, nº 3. Esta, refere: O valor amortizável do direito de

Leia mais

Fuzil Militar de Combate

Fuzil Militar de Combate Regulamento de Prova de Tiro Numero 4/2013 Fuzil Militar de Combate FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Fuzil Militar de Combate no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito.

Leia mais

REGULAMENTO DO VOO BILUGAR EM ASA DELTA E PARAPENTE

REGULAMENTO DO VOO BILUGAR EM ASA DELTA E PARAPENTE REGULAMENTO DO VOO BILUGAR EM ASA DELTA E PARAPENTE Federação Portuguesa de Voo Livre 2006 CAPÍTULO I [Disposições Gerais] Artigo 1.º [Objecto] O presente documento tem por objectivo, no âmbito da FPVL,

Leia mais

ÉPOCA 2016/2017 PO02 - A PROVA DE APURAMENTO AO CAMPEONATO NACIONAL SENIORES MASCULINOS 2ª DIVISÃO REGULAMENTO DA PROVA. Artigo 2 Participantes

ÉPOCA 2016/2017 PO02 - A PROVA DE APURAMENTO AO CAMPEONATO NACIONAL SENIORES MASCULINOS 2ª DIVISÃO REGULAMENTO DA PROVA. Artigo 2 Participantes PO02 - A PROVA DE APURAMENTO AO CAMPEONATO NACIONAL SENIORES MASCULINOS 2ª DIVISÃO (Regulamento aprovado em Reunião de Direção de 21-06-2016) REGULAMENTO DA PROVA Artigo 1 Prémios 1. Os primeiros classificados

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Nos termos do disposto no artº 10º da Portaria nº 401/2007, de 5 de Abril, é aprovado o Regulamento dos

Leia mais

DESPACHO N. GR.03/05/2011

DESPACHO N. GR.03/05/2011 DESPACHO N. GR.03/05/2011 Regulamento Estatuto de Trabalhador-Estudante da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o) do n 1 do artigo 400 dos Estatutos da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS REGIONAIS DE ESGRIMA

REGULAMENTO DE PROVAS REGIONAIS DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS REGIONAIS DE ESGRIMA 1. RESPONSABILIDADE Os atiradores armam-se, equipam-se, vestem-se e combatem sob a sua própria responsabilidade e por sua conta e risco, nos termos do art.º 10º.

Leia mais

id pdfmachine by Broadgun Software - a great PDF writer! - a great PDF creator! -

id pdfmachine by Broadgun Software - a great PDF writer! - a great PDF creator! - FUTEBOL 01. OBJECTIVOS 01.1. Promover o gosto pela prática desportiva, tentando incutir nas crianças a percepção dos seus benefícios ao longo de uma vida saudável. 01.2. Favorecer o desenvolvimento da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO REGULAMENTO REGIONAL DE COMPETIÇÕES NATAÇÃO PURA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO REGULAMENTO REGIONAL DE COMPETIÇÕES NATAÇÃO PURA ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO REGULAMENTO REGIONAL DE COMPETIÇÕES NATAÇÃO PURA ÉPOCA 2015/2016 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 Introdução: O documento que se apresenta regulamentará todas as provas de Atletas

Leia mais

REGULAMENTO TREINADORES DANÇA DESPORTIVA

REGULAMENTO TREINADORES DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO TREINADORES DANÇA DESPORTIVA Aprovado em reunião de Direção a 1 de outubro de 2014 Em vigor a partir de 5 de outubro de 2014 CAPITULO I TUTELA E ÂMBITO Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento

Leia mais

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas A, no contexto do compromisso de responsabilidade partilhada estabelecido no Congresso do Desporto, com o movimento associativo

Leia mais

expressamente a nacionalidade do/a candidato/a; CPF (para o caso de candidatos brasileiros); domiciliado; deste regime (descarregar modelo);

expressamente a nacionalidade do/a candidato/a; CPF (para o caso de candidatos brasileiros); domiciliado; deste regime (descarregar modelo); EDITAL Concurso especial de acesso e ingresso para estudantes internacionais candidatos aos ciclos de estudos da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti (ESEPF) para o ano letivo de 2017/2018

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã III TORNEIO FUTSAL INTER-FREGUESIAS DO CONCELHO DE CANTANHEDE REGULAMENTO 1. INTRODUÇÃO 1.1 O presente regulamento aplica-se ao III Torneio de Futsal Inter-Freguesias do concelho de Cantanhede. 1.2. A

Leia mais

Associação de Basquetebol de Lisboa

Associação de Basquetebol de Lisboa Associação de Basquetebol de Lisboa ORGÃOS SOCIAIS GABINETE TÉCNICO DIRECÇÃO Sel.Distritais Comissão Formação CONSELHO DISCIPLINA Disciplina Reuniões Inquéritos ASSEMBLEIA GERAL Minibasquete Sorteios CONS.JURISDICIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Proposta - Julho 2013 FPTA. Federação Portuguesa de Tiro com Arco Instituição de Utilidade Pública Desportiva

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Proposta - Julho 2013 FPTA. Federação Portuguesa de Tiro com Arco Instituição de Utilidade Pública Desportiva REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Proposta - Julho 2013 FPTA Federação Portuguesa de Tiro com Arco Instituição de Utilidade Pública Desportiva ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETO 3 ARTIGO 1º - OBJETO

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

TROFÉU ILHA PNEU PNEU ZARCO HISTÓRICOS DESPORTIVOS

TROFÉU ILHA PNEU PNEU ZARCO HISTÓRICOS DESPORTIVOS TROFÉU ILHA PNEU PNEU ZARCO HISTÓRICOS DESPORTIVOS REGULAMENTO Atualização em data: 1 DEFINIÇÃO E ORGANIZAÇÃO 1.1 O Clube Desportivo Nacional, em parceria com os seus patrocinadores, organiza na época

Leia mais

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011 CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub 18 2010 / 2011 O Departamento de Competições da FPR vai organizar o Circuito Nacional de Rugby de 7, para os escalões Sub 16 e Sub 18. Este Circuito realiza-se

Leia mais

CAMPEONATO NACIONAL DE JUVENIS EM PISTA COBERTA

CAMPEONATO NACIONAL DE JUVENIS EM PISTA COBERTA CAMPEONATO NACIONAL DE JUVENIS EM PISTA COBERTA 1. NORMAS REGULAMENTARES 1.1- Poderão participar atletas masculinos e femininos, dos escalões de Juvenis, que tenham obtido os resultados de qualificação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS ÍNDICE Capítulo I página 3 Participação na Selecção Distrital Artigo 1º - Principio geral Artigo 2º - Participação na Selecção

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 O estágio dos candidatos a solicitadores rege-se pelas disposições do Estatuto da Câmara dos Solicitadores e pelo presente regulamento, aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DE FILIAÇÕES E INSCRIÇÕES. Federação Portuguesa de Xadrez (FPX)

REGULAMENTO DE FILIAÇÕES E INSCRIÇÕES. Federação Portuguesa de Xadrez (FPX) REGULAMENTO DE FILIAÇÕES E INSCRIÇÕES Federação Portuguesa de Xadrez (FPX) (Aprovado em Reunião de Direcção em 14 de Outubro de 2010) 1 REGULAMENTO DE FILIAÇÕES E INSCRIÇÕES DA FPX (aprovado em Reunião

Leia mais

REGULAMENTO III DUATLO POLICIAL DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

REGULAMENTO III DUATLO POLICIAL DA POLÍCIA JUDICIÁRIA REGULAMENTO III DUATLO POLICIAL DA POLÍCIA JUDICIÁRIA Artigo 1º Objeto A Associação Desportiva Cultural e Recreativa da Polícia Judiciária (ADCRPJ) em parceria com a Escola de Polícia Judiciária (EPJ)

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário

Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Pedro Álvares Cabral - Belmonte Regulamento para a Eleição do Director do Agrupamento

Leia mais

Regulamento Para a Concessão de Pesca Desportiva no Troço do Rio Sorraia

Regulamento Para a Concessão de Pesca Desportiva no Troço do Rio Sorraia Regulamento Para a Concessão de Pesca Desportiva no Troço do Rio Sorraia Aprovado em Assembleia Municipal, na reunião de 30 de Setembro de 2011 Publicado no Boletim Municipal nº 46 1-5 REGULAMENTO PARA

Leia mais

NORMAS ESPECIFICAS NATAÇÃO.

NORMAS ESPECIFICAS NATAÇÃO. NORMAS ESPECIFICAS NATAÇÃO www.inatel.pt NATAÇÃO NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direção Desportiva, em complemento do Código Desportivo, para as provas organizadas

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

Madeira Island International Swim Marathon II. Prova Aberta

Madeira Island International Swim Marathon II. Prova Aberta Madeira Island International Swim Marathon II Prova Aberta 1. ORGANIZAÇÃO Clube Naval do Funchal Associação de Natação da Madeira Federação Portuguesa de Natação 2. APOIOS Câmara Municipal do Funchal Protecção

Leia mais

Regulamento de Organização de Provas no âmbito da FPT

Regulamento de Organização de Provas no âmbito da FPT Regulamento de Organização de Provas no âmbito da FPT Preâmbulo O Calendário Oficial de Provas da FPT permite definir, em cada época desportiva, o quadro competitivo que melhor serve os interesses da FPT

Leia mais

COMPETIÇÃO ÁGUAS ABERTAS FAFE Sala de Visitas do Minho 6ª EDIÇÃO BARRAGEM DA QUEIMADELA

COMPETIÇÃO ÁGUAS ABERTAS FAFE Sala de Visitas do Minho 6ª EDIÇÃO BARRAGEM DA QUEIMADELA COMPETIÇÃO ÁGUAS ABERTAS FAFE Sala de Visitas do Minho 6ª EDIÇÃO BARRAGEM DA QUEIMADELA 1. Organização: Associação de do Norte de Portugal 2. Apoios: Câmara Municipal de Fafe Associação Desportiva de Fafe

Leia mais

Regulamento de curso de treinadores de andebol de Grau 1

Regulamento de curso de treinadores de andebol de Grau 1 Regulamento de curso de treinadores de andebol de Grau 1 ORGANIZAÇÃO A responsabilidade dos Cursos de Treinadores de Andebol é da Federação de Andebol de Portugal, através do seu Departamento de Formação,

Leia mais

REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA

REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA Federação Portuguesa de Damas Aprovado em reunião de Direcção realizada em 05 Abril de 2010 Homologado em Assembleia Geral a 25 de Fevereiro de 2012 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia 1 Artigo 1º Organização 1.1. A FPF organiza a competição designada: Campeonato Nacional de Futebol de Praia, para a categoria sénior. 1.2. O Campeonato

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA PLANO FORMAÇÃO DE TREINADORES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA PLANO FORMAÇÃO DE TREINADORES PLANO FORMAÇÃO DE TREINADORES 1 Curso de 40 horas Estágio + Relatório Instrutor 1 Ano de actividade instrutor + praticante competição Curso de 80 horas Treinador de 3º grau 1 ano de actividade treinador

Leia mais

As aulas teóricas e práticas serão realizadas em local a definir. O curso tem início previsto para Novembro, com a seguinte carga horária:

As aulas teóricas e práticas serão realizadas em local a definir. O curso tem início previsto para Novembro, com a seguinte carga horária: Organização O Curso de Treinadores de Futebol UEFA Basic / (Grau II) será organizado pela Associação Futebol de Bragança (AFB), nos termos das Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores da Federação

Leia mais

Carabina.22 à 25 metros

Carabina.22 à 25 metros Regulamento de Prova de Tiro Numero 3/2013 Carabina.22 à 25 metros FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Carabina.22 à 25 metros no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito. MODALIDADE

Leia mais

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL 2001/2002 INDICE INTRODUÇÃO... 2 1. CONSTITUIÇÃO / IDENTIFICAÇÃO DAS EQUIPAS... 3 2. DURAÇÃO DOS JOGOS... 3 3. A BOLA... 5 4. CLASSIFICAÇÃO,

Leia mais

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Titulares de um diploma de técnico superior profissional Artigo 1.º Âmbito São abrangidos pelo concurso especial os titulares de

Leia mais

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO AND PRAIA 2016 18ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO 1 Organização: A organização deste conjunto de eventos é da responsabilidade da Associação de Andebol do Porto, em colaboração com diversas entidades.

Leia mais

Disposições gerais. Artigo 1º (Objectivo)

Disposições gerais. Artigo 1º (Objectivo) REGULAMENTO DESPORTIVO DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE ARQUITECTURA DA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º (Objectivo) A Associação

Leia mais