O comportamento fonológico das vogais médias em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O comportamento fonológico das vogais médias em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte"

Transcrição

1 O comportamento fonológico das vogais médias em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte Marlúcia Maria Alves Faculdade de Letras Universidade Federal de Minas Gerais (FALE UFMG) Abstract. Belo Horizonte dialect shows quite complex behavior of vowels in pre-stressed-syllable position, including the following c[o]brança, pr[ç]jeto and m[u]tivo. The same manifestations are found for the fronted mid-height pre-stressed vowel: s[e]mana, [E]xcesso and [i]scola. For a single lexical item, it is possible to identify variations, such as: p[e]squisa ~ p[i]squisa or c[o]légio ~ c[ç]légio. Thus having identified such possibilities in the dialect of Belo Horizonte, the logical next step is wider and more extensive research in order to understand the behavior of these vowels. Optimality Theory can provide the tools needed to elucidate such variation, as it relies on analysis of linguistic phenomena through actual output. Keywords. mid vowels; linguistic variation; optimality theory Resumo. O dialeto de Belo Horizonte apresenta o comportamento das vogais médias em posição pretônica de forma bem complexa, pois é possível encontrar três realizações: m[o]delo, pr[ç]jeto e g[u]verno. O mesmo ocorre para a realização da vogal média anterior pretônica: r[e]torno, [E]xcesso e [i]scola. Também ocorre variação em p[e]squisa ~ p[i]squisa ou c[o]légio ~ c[ç]légio. Tendo em vista esta possibilidade de casos encontrados no dialeto de Belo Horizonte, é necessário que se faça uma pesquisa mais aprofundada para entender o comportamento destas vogais em posição pretônica. Através da Teoria da Otimalidade, podemos encontrar meios de elucidar os fenômenos relacionados à variação lingüística. Palavras-chave. vogais médias; variação lingüística; teoria da otimalidade 1. Introdução As vogais médias no sistema vocálico do português brasileiro constituem em posição tônica quatro fonemas, /e, o, E, ç/, que se reduzem a dois, /e, o/, em posição pretônica, devido ao processo de neutralização. No dialeto de Belo Horizonte, há a tendência destas vogais serem fechadas. Contudo, é observado que as vogais médias são pronunciadas neste dialeto de três formas diferentes. Ou ocorre a vogal média fechada, r[e]boco, ou ocorre a vogal média aberta, r[e]lógio, ou ainda acontece a vogal alta, m[i]nino. Além disso, são observados dois tipos de variação: a) a variação condicionada por processos fonológicos, como em s[e]mana (neutralização), [E]xc[E]sso (harmonia vocálica) e [i]scola (redução vocálica) e b) a variação livre, como em m[e]rcado ~ m[e]rcado, ou ainda, p[e]squisa ~ p[i]squisa. ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr

2 A partir destas informações, julgamos que as vogais médias no dialeto de Belo Horizonte devem ser investigadas mais detalhadamente, a fim de esclarecer melhor que fatores motivam a variação destas vogais em posição pretônica. Além disso, é importante explicar esta variação conforme uma teoria lingüística e a Teoria da Otimalidade (doravante OT) parece ser a melhor opção para descrever e analisar os casos relacionados à variação. Esta teoria postula que a análise dos dados e propriamente do fenômeno lingüístico deve partir do output e permite que as restrições possam ser violadas. Desta forma, os principais objetivos deste estudo são analisar os fatores lingüísticos relacionados à variação das vogais médias em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte e explicar a variação lingüística encontrada segundo a OT, destacando o ranqueamento parcial de restrições, proposto por Anttila e Cho (1998). 2. As vogais médias e o dialeto de Belo Horizonte As vogais médias em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte foram analisadas conforme três corpora distintos: a) corpus POBH (Magalhães, 2000); b) corpus extraído de Alves (1999) e c) corpus extraído a partir da observação de fala espontânea. Este procedimento é necessário para se verificar um número considerável de ocorrências das vogais médias nesta posição. Em comum, os corpora apresentam informantes nascidos e criados em Belo Horizonte, com 3º grau completo e faixa etária de 20 a 38 anos. A diferença entre os corpora reside no fato de a gravação dos dados não ter sido feita da mesma forma. O corpus POBH apresenta uma entrevista entre o informante e o documentador, o corpus de Alves (1999) mostra uma leitura de frases e o corpus de fala espontânea mostra uma gravação sem o informante perceber que estava sendo gravado. Apesar desta diferença, os dados mostram uma uniformidade com relação aos fatores lingüísticos observados e a variação encontrada. Os resultados obtidos mostram que neste dialeto há três formas fonéticas distintas da vogal média em posição pretônica, como mostra (1) abaixo. (1) Vogais anteriores Vogais posteriores [e]: c[e]rteza [o]: m[o]delo [E]: [E]xc[E]sso [ç]: pr[ç]j[e]to [i]: m[i]n[i]no [u]: m[u]tivo Conforme os três corpora analisados,observou-se que a tendência dos falantes do dialeto de Belo Horizonte é pela realização da vogal média fechada em posição pretônica. A grande maioria dos resultados apresentou a vogal média fechada nesta posição, tanto na série anterior como na série posterior. Com relação à elevação da vogal média, observa-se que os contextos lingüísticos favorecedores mostram-se diferenciados para as vogais anteriores e posteriores. A vogal alta anterior ocorre motivada pelos fatores lingüísticos apresentados em (2). (2) Fatores favorecedores à elevação da vogal média anterior em posição pretônica a) Posição inicial de sílaba associada ao travamento silábico por /S/ [i]scola b) Posição inicial de sílaba associada à nasalidade [i]nsino c) Presença de vogal alta na sílaba tônica ou contígua m[i]nino, [i]strutura d) Presença da consoante nasal precedente gam[i]leira 22 ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr. 2008

3 Os dois primeiros fatores, ou seja, a posição inicial de palavra associada ao travamento silábico por /S/ e a posição inicial de palavra formando uma sílaba nasalizada se mostram categóricos para a realização da vogal alta em posição pretônica. Entretanto, o corpus de Alves (1999) mostra itens lexicais contendo estes fatores e podendo ser realizados ora com a vogal alta ora com a vogal média fechada. Neste caso, a realização da vogal média fechada se deve mais à preocupação pela pronúncia correta das palavras no momento da leitura feita em cabine acústica 1. Os dois últimos fatores apresentados em (2) mostram que a presença da vogal alta em posição tônica ou na sílaba imediatamente seguinte e da consoante nasal precedente favorecem a realização da vogal alta em posição pretônica. Estes contextos não são categóricos porque permitem a realização da vogal média fechada também. Com relação às vogais posteriores, observou-se os seguintes fatores. (3) Fatores favorecedores à elevação da vogal média posterior em posição pretônica a) Vogal alta em posição tônica ou contígua m[u]tivo, p[u]licial b) Consoante velar precedente g[u]verno c) Consoante labial precedente b[u]nito Estes fatores favorecem a realização da vogal alta em posição pretônica. Entretanto, o falante pode optar pela realização da vogal média fechada nestes mesmos contextos. Os fatores lingüísticos que favorecem o abaixamento da vogal média anterior e da vogal média posterior são os mesmos, como pode ser visto em (4). (4) Fatores favorecedores ao abaixamento da vogal média em posição pretônica a) Vogal média aberta na sílaba tônica ou contígua [E]xc[E]sso, c[ç]l[e]gas b) Vogal baixa na sílaba tônica ou contígua m[e]rcado, f[ç]rmação Estes contextos são considerados apenas favorecedores porque a vogal média fechada também pode ser realizada nestes ambientes. Sobre os processos fonológicos envolvidos, observou-se que a maioria das palavras que possui a vogal média em posição pretônica é realizada com a vogal média fechada. Este fato reforça o processo de neutralização presente no português brasileiro. Segundo Mattoso Câmara (1970), em posição pretônica, há uma redução do número de fonemas. A oposição entre as vogais médias fechadas e a vogais médias abertas não existe nesta posição, e apenas as vogais médias fechadas ocorrem fonemicamente. Além do processo de neutralização, outros dois processos atuam na realização das vogais médias pretônicas: a harmonia vocálica e a redução vocálica. O processo de harmonia vocálica tem como gatilho a vogal presente em posição tônica. A vogal em posição pretônica assimila os traços característicos da vogal tônica. Assim, pode-se relacionar três tipos de harmonia vocálica encontrados no dialeto de Belo Horizonte: a) a harmonia vocálica pelo traço [-ATR] 2, como em pr[ç]j[e]to ; b) a harmonia vocálica pelo traço [+ATR], como em m[o]d[e]lo, e c) a harmonia vocálica pelo traço [alto], como em m[i]n[i]no. O processo de redução vocálica está mais fortemente relacionado aos casos categóricos da realização da vogal alta em posição pretônica, como a posição inicial de palavra associada ao travamento silábico por /S/ ou formando sílaba nasalizada. ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr

4 Entretanto, foi visto que a consoante labial precedente e a consoante velar precedente também favorecem a elevação da vogal média posterior. Especificamente sobre o fenômeno da variação lingüística, observaram-se dois formatos de variação, como pode ser visto em (5). (5) Variação das vogais médias em posição pretônica a) Variação entre a vogal média fechada e a vogal média aberta: c[o]l[e]gio ~ c[ç]l[e]gio b) Variação entre a vogal média fechada e a vogal alta: p[e]squisa ~ p[i]squisa É bom ressaltar que são poucas as palavras que apresentam variação. Além disso, o mesmo falante varia a vogal média de algumas palavras, evidenciando a variação intradialetal. Neste caso específico, os informantes apresentam a variação em posição pretônica de modo diferenciado. Isto é, há falantes que tendem para a variação apenas entre a vogal média fechada e a vogal média aberta, outros já apresentam os dois formatos de variação apresentados acima. Sobre a variação interindividual, notou-se que o falante tende a realizar a vogal média fechada. Caso ocorra um ambiente favorecedor da realização da vogal alta ou da vogal média aberta, o falante também pode optar por estes timbres em posição pretônica. Portanto, observa-se que as vogais médias, apesar de mostrarem um comportamento complexo em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte, em alguns contextos lingüísticos bem definidos, podem ser produzidas de forma diferenciada pelos falantes, que podem optar pela vogal média fechada, pela vogal média aberta ou pela vogal alta. A partir do que foi exposto sobre o dialeto de Belo Horizonte surgem algumas questões: a) Como estudar a variação das vogais médias em posição pretônica neste dialeto? b) É possível a gramática da língua adequar a variação apresentada? É possível tentar responder estas questões conforme a Teoria da Otimalidade. Primeiro porque, nesta teoria, é possível explicar casos específicos de variação como esta encontrada no dialeto de Belo Horizonte. Segundo porque é uma teoria que trata de restrições que podem ser violadas, conforme o fenômeno estudado e seu comportamento na gramática da língua. Por último, é uma teoria que lida com as formas de superfície (output) e da sua relação com a forma subjacente (input). 3. Teoria da Otimalidade e variação lingüística A Teoria da Otimalidade é um modelo de análise gramatical e os principais objetivos desta teoria são estabelecer as propriedades universais da linguagem e caracterizar os limites possíveis de variação lingüística entre as línguas naturais. Este modelo teórico analisa as formas de superfície e permite a presença de restrições que podem ser violadas. Os primeiros estudos que abordam esta teoria datam de 1993, com os trabalhos publicados por Prince e Smolensky e por McCarthy e Prince. Segundo Kager (1999), é nas formas de superfície de uma dada língua que é possível encontrar soluções para os conflitos entre as restrições que competem entre si. Uma forma de superfície é considerada ótima se ela apresenta menos violações graves, considerando-se um conjunto de restrições ranqueadas conforme a hierarquia de uma língua específica. As restrições são universais e diretamente codificadas por critérios de marcação e princípios que reforçam a preservação de contrastes. 24 ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr. 2008

5 Os componentes da Gramática OT são o léxico, o gerador e o avaliador. Segundo Archangelli (1997), a relação entre o input e o output é mediada por dois mecanismos formais, o gerador (generator GEN) e o avaliador (evaluator EVAL). O primeiro cria estruturas lingüísticas e verifica suas relações de fidelidade com a estrutura subjacente. O segundo usa a hierarquia de restrições da língua para selecionar o melhor candidato entre todos criados. Além destes dois mecanismos, é necessário considerar também o grupo universal de restrições (CON) no qual o avaliador usa o ranqueamento específico de restrições deste conjunto. Este teoria é adequada para estudar os fenômenos relacionados à variação lingüística, uma vez que considera a forma de superfície, o output. Entretanto, o principal desafio ao estudar a variação nesta teoria é que é necessário interferir em um de seus pilares: a dominação estrita. Quando se trata de variação, temos mais de um candidato escolhido como ótimo. Autores como Anttila e Cho (1998), Boersma (1997), Coetzee (2005) e outros estudam a variação com base na Teoria da Otimalidade, buscando alternativas de explicação deste fenômeno lingüístico, e partem de uma abordagem não-clássica da teoria. Dentre estas alternativas, será analisada a de Anttila e Cho (1998) que trata do ordenamento parcial de restrições. No modelo proposto por Antilla e Cho o ranqueamento parcial de restrições permite exibir os fenômenos de invariância e variáveis na mesma estrutura e derivar as predições estatísticas. Combinando o ordenamento parcial com as restrições universais e as hierarquias de restrições, é possível derivar as tipologias de dialetos com variação dentro da abordagem OT. Segundo os autores, um ordenamento parcial oferece uma nova perspectiva sobre a hipótese de que a variação ocorre graças a gramáticas que competem na comunidade ou no indivíduo. 4. Teoria da Otimalidade e o dialeto de Belo Horizonte O dialeto de Belo Horizonte será considerado, em nossa análise, como uma língua específica, possuindo uma gramática particular que pode fornecer indícios para explicar os casos de variação encontrados nesta língua. Em termos de OT, e pelo comportamento das vogais médias pretônicas neste dialeto, será estabelecida a existência de um único input, representado pela vogal média fechada, sendo mapeado por dois ou mais outputs. Para a análise dos dados do dialeto de Belo Horizonte conforme a OT, julgamos que cinco restrições são necessárias: duas restrições de fidelidade e três de marcação, apresentadas em (6) abaixo. (6) a) IDENT [alto]: O traço [alto] do output deve ser idêntico ao do input. b) IDENT [ATR]: O traço [ATR] do output deve ser idêntico ao do input. c) AGREE [ATR]: O traço [ATR] da posição pretônica é idêntico ao da vogal contígua. d) AGREE [alto]: O traço [alto] da posição pretônica é idêntico ao da vogal contígua. e) *MID: As vogais médias devem ser evitadas. As restrições eleitas para esta análise partem do estudo do processo mais recorrente neste dialeto, a neutralização. Para isto foi seguida a tipologia de contrastes de altura em ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr

6 relação ao acento, apresentada por McCarthy (1999: 24). É necessária esta tipologia para diferenciar o sistema de 7 vogais em posição tônica e a sua redução para 5 vogais em posição pretônica. Além disso, foi considerado o quadro de traços vocálicos referentes ao português brasileiro, em (7) abaixo. (7) Traços vocálicos [alto] e [ATR] /i, u/ /e, o/ /E, ç/ /a/ [alto] [ATR] Estes traços são os mais relevantes porque distinguem as vogais médias fechadas das médias abertas e as vogais médias das vogais altas. As vogais médias fechadas são consideradas [-alto, +ATR], as vogais médias abertas [-alto, -ATR] e as vogais altas [+alto, +ATR]. Especificamente sobre as restrições, as restrições de fidelidade IDENT[alto] e IDENT[ATR] são ranqueadas em uma posição superior na hierarquia para preservar a presença da vogal média fechada em posição pretônica. As restrições de marcação AGREE[ATR] e AGREE[alto] são específicas e se ranqueadas acima das restrições de fidelidade conseguem explicar os casos de harmonia vocálica no dialeto de Belo Horizonte. Com relação à restrição *MID, é possível verificar que posicionando esta hierarquia em uma posição superior acima das restrições de fidelidade, os casos relacionados à redução vocálica ocorrem, mostrando que apenas a vogal alta poderia aparecer em posição pretônica. Sobre a proposta de Anttila e Cho (1998), verifica-se que se trata de casos relacionados à co-fonologia, isto é, cada co-fonologia corresponde a uma hierarquia de restrições que seleciona o candidato ótimo pelo seu próprio ranqueamento estipulado. É possível também afirmar que há variação porque há várias gramáticas que competem na comunidade ou no indivíduo. No caso específico do dialeto de Belo Horizonte, pode-se definir este dialeto como uma única gramática com vários ordenamentos parciais. Conforme a proposta do ordenamento parcial, parte-se da noção de que no input tem-se as formas subjacentes concernentes aos segmentos fonológicos relevantes no português brasileiro. Por isso, as vogais médias fechadas serão consideradas as formas de input. Em (8), são apresentados os tableaux referentes à produção da vogal média em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte. (8) Produção das vogais médias em posição pretônica Tableau 1: Neutralização c/e/rteza IDENT [alto] IDENT[ATR] AGREE[ATR] AGREE [alto] *MID 1. c[e]rteza * 2. c[e]rteza *! * * 3. c[i]rteza *! * Tableau 2: Harmonia vocálica /e/xc/e/sso AGREE[ATR] AGREE[alto] IDENT [alto] IDENT[ATR] *MID 1. [e]xc[e]sso *! * 26 ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr. 2008

7 2. [E]xc[E]sso * * 3. [i]xc[e]sso *! * * Tableau 3: Redução vocálica /e/scola *MID IDENT[alto] IDENT[ATR] AGREE[ATR] AGREE[alto] 1. [e]scola *! * 2. [E]scola *! * 3. [i]scola * * * O tableau 1 mostra a hierarquia de restrições para os casos voltados ao processo de neutralização. Para que o candidato que contém a vogal média fechada se torne o candidato ótimo, é necessário que as restrições de fidelidade estejam posicionadas acima das restrições de marcação. Assim, somente o candidato 1, c[e]rteza, é escolhido como o melhor candidato, pois viola apenas a restrição *MID ranqueada na posição mais abaixo nesta hieraquia. Com relação ao tableau 2, as restrições de marcação AGREE estão ranqueadas em uma posição superior na hierarquia. Neste caso específico, haverá um acordo entre as vogais em posição tônica e pretônica, garantindo que o processo de harmonia vocálica ocorra. Desta forma, o candidato 2, [E]xc[E]sso, é selecionado como o candidato ótimo porque viola apenas a restrição de fidelidade e a restrição *MID ranqueadas na posição inferior na hierarquia. No tableau 3, observa-se um caso de redução vocálica. Para que o candidato realizado com a vogal alta seja escolhido como o melhor candidato é necessário que a restrição *MID ocorra acima das restrições de fidelidade. Neste caso, as vogais médias não ocorrem em posição pretônica. Assim, o candidato [i]scola é selecionado como o candidato ótimo porque viola a restrição de fidelidade ranqueada abaixo da restrição *MID. Com relação aos casos de variação propriamente dito, verifica-se que são necessários dois tableaux, um para cada candidato selecionado como ótimo. (9) Variação das vogais médias em posição pretônica Tableau 4 pr/o/j/e/to IDENT [alto] IDENT[ATR] AGREE[ATR] AGREE [alto] *MID 1.pr[o]j[E]to * * 2.pr[ç]j[E]to *! * 3.pr[u]j[E]to *! * * Tableau 5 pr/o/j/e/to AGREE[ATR] AGREE[alto] IDENT [alto] IDENT[ATR] *MID 1. pr[o]j[e]to *! * 2. pr[ç]j[e]to * * 3. pr[u]j[e]to *! * * Os tableaux 4 e 5 apresentam um caso de variação entre vogal média fechada e a vogal média aberta. No tableau 4, o candidato selecionado como ótimo é o candidato 1, ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr

8 pr[o]j[e]to, pois satisfaz as restrições de fidelidade ranqueadas acima das restrições de marcação. Já no tableau 5, o candidato escolhido como ótimo é o canididato 2, pr[ç]j[e]to, porque viola as restrições IDENT[ATR] e *MID ranqueadas na posição inferior na hierarquia. A alternativa de análise proposta por Anttila e Cho (1998) sobre o ordenamento parcial de restrições é interessante por destacar uma hierarquia para cada caso de produção das vogais médias em posição pretônica no dialeto de Belo Horizonte, além de mostrar os candidatos ótimos nos casos de variação de modo separado. Contudo, esta fragmentação da gramática em vários ordenamentos parciais pode enfraquecer a noção de língua. 5. Considerações finais A variação encontrada no dialeto de Belo Horizonte é bastante complexa. A variação das médias pretônicas ocorre devido a processos fonológicos diferentes, como neutralização, harmonia vocálica e redução vocálica. Além disso, há a variação que ocorre em um mesmo item lexical. A Teoria da Otimalidade fornece alternativas de análise para a explicação da variação lingüística intradialetal. O ordenamento parcial de restrições explica de modo apropriado a variação das vogais pretônicas no dialeto de Belo Horizonte, levando-se em conta os processos fonológicos e os contextos favorecedores à elevação e ao abaixamento da vogal média. Notas 1 O corpus de Alves (1999) foi obtido por meio de uma leitura de frases, para se observar a produção das vogais médias em posição tônica nos nomes no dialeto de Belo Horizonte. 2 [ATR] é um traço articulatório que mostra o avanço da raiz da língua na produção do som. Referências bibliográficas ALVES, Marlúcia Maria. As vogais médias em posição tônica nos nomes do português brasileiro f. Dissertação (Mestrado em Lingüística. Área de concentração: Fonologia) Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. ANTILLA, Arto; CHO, Young-mee Yu. Variação e mudança na Teoria da Otimalidade. Lingua, n. 104, p , ARCHANGELLI, Diana. Optimality Theory: an introductory to linguistics in the 1990s. In: ARCHANGELLI, D.; LANGENDOEN, D. T. Optimality Theory: an overview. Oxford: Blackwell Publishers, Cap. 1, p BOERSMA, Paul. How we learn variation, optionality, and probability. University of Amsterda, ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr. 2008

9 COETZEE, Andries W. Variation as accessing non-optimal candidates a rankordering model of EVAL. Draft, 2005 KAGER, René. Optimality Theory. Cambridge: Cambridge University Press, McCARTHY, Jonh, J. Introductory OT on CD-ROM. Version 1.0. GLSA. Amherst, McCARTHY, John; PRINCE, Alan. Generalized alignment. In: BOOIJ, G. E.; MARLE, J. van (eds.). Yearbook of morphology. Dordrecth: Kluwer, p MAGALHÃES, José Olímpio de. Corpus do POBH (Projeto Português de Belo Horizonte / norma culta). LABFON/FALE/UFMG, MATTOSO CÂMARA JR, Joaquim. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, PRINCE, Alan; SMOLENSKY, Paul. Optimality Theory: constraint interaction in generative grammar. Ms., Rutgers University, New Brunswick and University of Colorado, Boulder, ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (1): 21-29, jan.-abr

10

HARMONIA VOCÁLICA NO DIALETO DE BELO HORIZONTE

HARMONIA VOCÁLICA NO DIALETO DE BELO HORIZONTE HARMONIA VOCÁLICA NO DIALETO DE BELO HORIZONTE Marlúcia Maria Alves Resumo: A produção e a variação das vogais médias em posição pretônica nos nomes no dialeto de Belo Horizonte são investigadas, levando

Leia mais

Caracterização fonológica dos segmentos vocálicos em Prata - MG

Caracterização fonológica dos segmentos vocálicos em Prata - MG Acta Scientiarum http://www.uem.br/acta ISSN printed: 1983-4675 ISSN on-line: 1983-4683 Doi: 10.4025/actascilangcult.v37i2.25148 Caracterização fonológica dos segmentos vocálicos em Prata - MG Marlúcia

Leia mais

a) houve uma mudança na direção de cliticização do PB (NUNES, 1996); b) os pronomes retos estão sendo aceitos em função acusativa;

a) houve uma mudança na direção de cliticização do PB (NUNES, 1996); b) os pronomes retos estão sendo aceitos em função acusativa; A ordem pronominal do português brasileiro atual: uma análise via Teoria da Otimidade Rubia Wildner Cardozo 1 1 Introdução Apresentamos um estudo acerca da ordem pronominal do português brasileiro (PB)

Leia mais

RESENHA DE EXERCÍCIOS DE FONÉTICA E FONOLOGIA, DE THAÏS CRISTÓFARO-SILVA

RESENHA DE EXERCÍCIOS DE FONÉTICA E FONOLOGIA, DE THAÏS CRISTÓFARO-SILVA OTHERO, Gabriel de Ávila; FERREIRA-GONÇALVES, Giovana. Resenha de Exercícios de Fonética e Fonologia, de Thaïs Cristófaro-Silva. ReVEL, v. 8, n. 15, 2010 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE EXERCÍCIOS DE FONÉTICA

Leia mais

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na variedade do interior paulista Márcia Cristina do Carmo (FAPESP 06/59141-9) Orientadora: Profa. Dra. Luciani Ester Tenani UNESP Câmpus

Leia mais

Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de falar sulista, à área de falar fluminense e à área de falar mineiro, conforme Nascentes (1953)

Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de falar sulista, à área de falar fluminense e à área de falar mineiro, conforme Nascentes (1953) VARIAÇÃO DAS VOGAIS MÉDIAS PRÉ-TÔNICAS NO FALAR DE BELO HORIZONTE: UM ESTUDO EM TEMPO APARENTE Amanda Felicori de Carvalho e Maria do Carmo Viegas Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de

Leia mais

Fonêmica. CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

Fonêmica. CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. Fonêmica CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. Prof. Cecília Toledo cissa.valle@hotmail. com 1) Sali 2)

Leia mais

Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro

Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro Estudos da Língua(gem) Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro Characteristics of the duration of the fricative noise of a sample of Brazilian Portuguese

Leia mais

VARIAÇÃO INTER- E INTRA-DIALETAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UM PROBLEMA PARA A TEORIA FONOLÓGICA

VARIAÇÃO INTER- E INTRA-DIALETAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UM PROBLEMA PARA A TEORIA FONOLÓGICA VARIAÇÃO INTER- E INTRA-DIALETAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UM PROBLEMA PARA A TEORIA FONOLÓGICA Seung-Hwa LEE & Marco A. de OLIVEIRA Universidade Federal de Minas Gerais 1 Introdução O português brasileiro

Leia mais

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1.

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1. QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. ¹FaE (FAPERGS)UFPel,luisagrassi@hotmail.com;²PPGE-FaE/UFPel,ramil@ufpel.tc

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSCA E REPRESENTAÇÃO SUBJACENTE * KEYWORD: OT; Language Variation; Underlying Representation.

VARIAÇÃO LINGÜÍSCA E REPRESENTAÇÃO SUBJACENTE * KEYWORD: OT; Language Variation; Underlying Representation. VARIAÇÃO LINGÜÍSCA E REPRESENTAÇÃO SUBJACENTE * Seung Hwa LEE (UFMG/CNPq) ABSTRACT: In this paper I discuss an Optimality Theoretic analysis of the interdialectal variation of pretonic vowel alternation

Leia mais

SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1

SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1 SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1 335 Gabriel de Ávila Othero * Introdução Neste artigo, veremos alguns

Leia mais

SOBRE A INTERAÇÃO ENTRE PALAVRA FONOLÓGICA E PALAVRA MORFOLÓGICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SOBRE A INTERAÇÃO ENTRE PALAVRA FONOLÓGICA E PALAVRA MORFOLÓGICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO P 19: Fonologia: Teoria e Análise SOBRE A INTERAÇÃO ENTRE PALAVRA FONOLÓGICA E PALAVRA MORFOLÓGICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Luiz Carlos Schwindt (UFRGS, Brasil) 0 Introdução Neste trabalho, tratamos da

Leia mais

RESENHA DE TEORIA DA OTIMIDADE: FONOLOGIA

RESENHA DE TEORIA DA OTIMIDADE: FONOLOGIA ULRICH, Camila Witt. Resenha de Teoria da Otimidade: Fonologia. ReVEL, vol. 15, n. 28, 2017. [www.revel.inf.br] RESENHA DE TEORIA DA OTIMIDADE: FONOLOGIA Camila Witt Ulrich 1 camilawittulrich@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE FONOLOGIA

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE FONOLOGIA UFRGS INSTITUTO DE LETRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ÁREA DE TEORIA E ANÁLISE LINGÜÍSTICA PROGRAMA DA DISCIPLINA DE FONOLOGIA Aula 1 Fonologia: fundamentos (fonemas, sistemas fonológicos, alofones)

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Comissão de Pós-Graduação e Pesquisa DO TRATAMENTO FORMAL DA FALA CONECTADA EM FRANCÊS

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Comissão de Pós-Graduação e Pesquisa DO TRATAMENTO FORMAL DA FALA CONECTADA EM FRANCÊS Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Comissão de Pós-Graduação e Pesquisa DO TRATAMENTO FORMAL DA FALA CONECTADA EM FRANCÊS por RICARDO ARAUJO FERREIRA SOARES Tese de Doutorado apresentada

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA ESTRATÉGIAS DE REPARO UTILIZADAS NA SUBSTITUIÇÃO DE SEGMENTO CONSONANTAL EM PORTADORES DA SÍNDROME DE MOEBIUS: UMA ANÁLISE OTIMALISTA Claudia Sordi (UFSE) claudia.sordi@gmail.com RESUMO Este estudo tem

Leia mais

As vogais médias pretônicas no noroeste paulista: comparação com outras variedades do Português Brasileiro

As vogais médias pretônicas no noroeste paulista: comparação com outras variedades do Português Brasileiro As vogais médias pretônicas no noroeste paulista: comparação com outras variedades do Português Brasileiro (The pretonic mid-vowels in the Northwest of the State of São Paulo: comparison with other dialects

Leia mais

Fonêmica do português

Fonêmica do português Fonêmica do português CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. Prof. Cecília Toledo cissa.valle@hotmail. com

Leia mais

Aula 6 Desenvolvimento da linguagem: percepção categorial

Aula 6 Desenvolvimento da linguagem: percepção categorial Aula 6 Desenvolvimento da linguagem: percepção categorial Pablo Faria HL422A Linguagem e Pensamento: teoria e prática Módulo 1: Aquisição da Linguagem IEL/UNICAMP 19 de setembro de 2016 SUMÁRIO PRELIMINARES

Leia mais

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG 1 O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG Dayana Rúbia CARNEIRO 1 Universidade Federal de Uberlândia day_carneiro@yahoo.com.br Resumo: Este trabalho consiste

Leia mais

TAÍSE SIMIONI A ALTERNÂNCIA ENTRE DITONGO CRESCENTE E HIATO EM PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE OTIMALISTA

TAÍSE SIMIONI A ALTERNÂNCIA ENTRE DITONGO CRESCENTE E HIATO EM PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE OTIMALISTA TAÍSE SIMIONI A ALTERNÂNCIA ENTRE DITONGO CRESCENTE E HIATO EM PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE OTIMALISTA Porto Alegre 2005 TAÍSE SIMIONI A ALTERNÂNCIA ENTRE DITONGO CRESCENTE E HIATO EM PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE

Leia mais

Juliana Ludwig-Gayer 1

Juliana Ludwig-Gayer 1 SILVA, Thaïs Cristófaro. Dicionário de fonética e fonologia. Colaboradoras Daniela Oliveira Guimarães e Maria Mendes Cantoni. São Paulo: Contexto, 2011, 239p. Juliana Ludwig-Gayer 1 325 Este dicionário

Leia mais

O ESTATUTO DA PALAVRA PROSÓDICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO 63 Sofia Martins Moreira Lopes (UFMG)

O ESTATUTO DA PALAVRA PROSÓDICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO 63 Sofia Martins Moreira Lopes (UFMG) O ESTATUTO DA PALAVRA PROSÓDICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO 63 Sofia Martins Moreira Lopes (UFMG) sofiammoreira@hotmail.com Na literatura linguística, a palavra prosódica é analisada distintamente da palavra

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo.

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo. A REDUÇÃO DO DITONGO ORAL FINAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA Dúnnia HAMDAN Universidade Federal de Uberlândia hamdan.dunnia@gmail.com RESUMO: O presente projeto visa estudar a variação ocorrente em ditongos

Leia mais

HARMONIA VOCÁLICA DE ALTURA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO EM FORMAS NOMINAIS NÃO DERIVADAS: ANÁLISE DE UM PROCESSO VARIÁVEL PELA TEORIA DA OTIMIDADE

HARMONIA VOCÁLICA DE ALTURA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO EM FORMAS NOMINAIS NÃO DERIVADAS: ANÁLISE DE UM PROCESSO VARIÁVEL PELA TEORIA DA OTIMIDADE BATTISTI, E.; FERNANDES, D. F. Harmonia vocálica de altura no português brasileiro em formas nominais não derivadas: análise de um processo variável pela Teoria da Otimidade. ReVEL, vol. 15, n. 28, 2017.

Leia mais

O PAPEL DA SONORIDADE NA REALIZAÇÃO DOS ENCONTROS CONSONANTAIS EM PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE BASEADA EM RESTRIÇÕES

O PAPEL DA SONORIDADE NA REALIZAÇÃO DOS ENCONTROS CONSONANTAIS EM PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE BASEADA EM RESTRIÇÕES 4484 O PAPEL DA SONORIDADE NA REALIZAÇÃO DOS ENCONTROS CONSONANTAIS EM PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE BASEADA EM RESTRIÇÕES INTRODUÇÃO Tatiana Keller (PPGL PUCRS/ CNPq) Desde o final do século XIX, linguistas

Leia mais

Abertura das vogais médias pretônicas na cidade de Piranga/MG

Abertura das vogais médias pretônicas na cidade de Piranga/MG Abertura das vogais médias pretônicas na cidade de Piranga/MG (Half-open production of pretonic mid vowels in Piranga/MG) Melina Rezende Dias 1 1 Faculdade de Letras Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Em busca da melodia nordestina: as vogais médias pretônicas de um dialeto baiano

Em busca da melodia nordestina: as vogais médias pretônicas de um dialeto baiano Lingüística / Vol. 29 (1), junio 2013: 165-187 ISSN 1132-0214 impresa ISSN 2070-312X en línea Em busca da melodia nordestina: as vogais médias pretônicas de um dialeto baiano In search of melody northeast:

Leia mais

Variação linguística e o ensino de Língua Portuguesa Prof.ª Dr.ª Marlúcia Maria Alves 1 (UFU)

Variação linguística e o ensino de Língua Portuguesa Prof.ª Dr.ª Marlúcia Maria Alves 1 (UFU) Variação linguística e o ensino de Língua Portuguesa Prof.ª Dr.ª Marlúcia Maria Alves 1 (UFU) Resumo: O presente artigo apresenta considerações sobre a variação linguística, principalmente a fonológica,

Leia mais

Assimetrias nos encontros de sibilante + C e obstruinte + C em início de palavra em português e em catalão

Assimetrias nos encontros de sibilante + C e obstruinte + C em início de palavra em português e em catalão Anais do CELSUL 2008 Assimetrias nos encontros de sibilante + C e obstruinte + C em início de palavra em português e em catalão Tatiana Kellerl 1 1 Faculdade de Letras PUCRS/CNPq kellertatiana@yahoo.com

Leia mais

Fonologia Aula # 08 Outros Modelos Fonológicos

Fonologia Aula # 08 Outros Modelos Fonológicos 1 Fonologia Aula # 08 Outros Modelos Fonológicos 22-06-09 A Fonologia Gerativa Clássica, baseada no modelo de Chomsky & Halle (1968), reinou absoluta até meados da década de 70. Daí em diante outros modelos

Leia mais

A fricativa coronal /z/ em final de morfemas no PB Uma análise pela Teoria da Otimidade

A fricativa coronal /z/ em final de morfemas no PB Uma análise pela Teoria da Otimidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE LETRAS Patrícia Rodrigues Barbosa A fricativa coronal /z/ em final de morfemas no PB Uma análise pela Teoria da Otimidade Porto Alegre, 2005 UNIVERSIDADE

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA

A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1259 A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA Juliana Radatz Kickhöfel * Liliane da Silva Prestes ** Carmen Lúcia

Leia mais

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS 2177 O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS Juliana Camargo Zani USP Introdução O objetivo do presente trabalho é verificar o papel do morfema no bloqueio e/ou alçamento das vogais

Leia mais

Bruno Cavalcanti Lima 1.

Bruno Cavalcanti Lima 1. LIMA, Bruno Cavalcanti. Hipocorização com reduplicação: um enfoque otimalista para o padrão de cópia dos segmentos à direita. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Edição especial n. 1, 2007.

Leia mais

APOIO PEDAGÓGICO. Fonêmica Premissas e conceitos básicos. Nívia Aniele PosLin - FALE

APOIO PEDAGÓGICO. Fonêmica Premissas e conceitos básicos. Nívia Aniele PosLin - FALE APOIO PEDAGÓGICO Fonêmica Premissas e conceitos básicos Nívia Aniele PosLin - FALE A organização da cadeia sonora da fala é orientada por certos princípios. Tais princípios agrupam segmentos consonantais

Leia mais

SÍNCOPE VOCÁLICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SÍNCOPE VOCÁLICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul SÍNCOPE VOCÁLICA NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Marianne Pesci de MATOS (Instituto de Estudos da Linguagem - Unicamp) Profª Drª Maria Filomena

Leia mais

Observações Morfofonológicas na Análise dos Acrônimos de Duas Letras: uma Visão Otimalista

Observações Morfofonológicas na Análise dos Acrônimos de Duas Letras: uma Visão Otimalista Observações Morfofonológicas na Análise dos Acrônimos de Duas Letras: uma Visão Otimalista Resumo: Prof. Dr. Bruno Cavalcanti Lima i (IFRJ) Há, em Português, processos que formam novos vocábulos a partir

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL THE RISING OF THE MIDDLE UNSTRESSED VOWELS /E/ AND /O/ WITHOUT APPARENT MOTIVATION: A STUDY IN REAL TIME

Leia mais

Aquisição da Fonologia e Teoria da Otimidade

Aquisição da Fonologia e Teoria da Otimidade Aquisição da Fonologia e Teoria da Otimidade UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Chanceler D. Jayme Henrique Chemello Reitor Alencar Mello Proença Vice-Reitor Cláudio Manoel da Cunha Duarte Pró-Reitor de

Leia mais

VARIAÇÃO DITONGO/HIATO

VARIAÇÃO DITONGO/HIATO VARIAÇÃO DITONGO/HIATO Viviane Sampaio 1 1 Introdução Este estudo é parte integrante do projeto Epêntese Consonantal Regular e Irregular da prof. Dr. Leda Bisol 2 que trata das consoantes e do glide. Contudo,

Leia mais

Percurso da Aquisição dos Encontros Consonantais e Fonemas em Crianças de 2:1 a 3:0 anos de idade

Percurso da Aquisição dos Encontros Consonantais e Fonemas em Crianças de 2:1 a 3:0 anos de idade Percurso da Aquisição dos Encontros Consonantais e Fonemas em Crianças de 2:1 a 3:0 anos de idade Palavras-Chave: Desenvolvimento Infantil, Medida da Produção da Fala, Distribuição por Idade e Sexo. INTRODUÇÃO:

Leia mais

A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES

A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES Letícia Cotosck Vargas (PUCRS/PIBIC- CNPq 1 ) 1. INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem por objetivo examinar um dos processos de sândi externo verificados

Leia mais

Hiato: estratégias de evitação.

Hiato: estratégias de evitação. Hiato: estratégias de evitação. IX Salão de Iniciação Científica PUCRS Rita de Cássia Glaeser Stein 1, Fernanda de Marchi 2, Prof. Dr. Leda Bisol 1 (orientadora). 1 Faculdade de Letras, PUCRS. Resumo O

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos VOGAIS SEMIABERTAS ÁTONAS NO PORTUGUÊS DO BRASIL Afrânio Garcia (UERJ) INTRODUÇÃO De maneira geral, os estudiosos da fonética e da fonologia do português são unânimes em identificar três sistemas vocálicos

Leia mais

Dicionário De Termos Gramaticais

Dicionário De Termos Gramaticais Dicionário De Termos Gramaticais Professor Leo Página 2 Este dicionário vai ajudar o candidato a entender melhor todos os assuntos gramaticais do português, além de auxiliá-lo na hora de estudar. Muitas

Leia mais

FONOLOGIAS DE LÍNGUAS MACRO-JÊ: UMA ANÁLISE COMPARATIVA VIA TEORIA DA OTIMALIDADE

FONOLOGIAS DE LÍNGUAS MACRO-JÊ: UMA ANÁLISE COMPARATIVA VIA TEORIA DA OTIMALIDADE FONOLOGIAS DE LÍNGUAS MACRO-JÊ: UMA ANÁLISE COMPARATIVA VIA TEORIA DA OTIMALIDADE por GEAN NUNES DAMULAKIS Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal

Leia mais

Análise fonológica da entoação: estudo constrastivo entre o português e. o espanhol

Análise fonológica da entoação: estudo constrastivo entre o português e. o espanhol Análise fonológica da entoação: estudo constrastivo entre o português e o espanhol Kelly Cristiane Henschel Pobbe de Carvalho (FCL/ UNESP-Assis) Introdução Este trabalho consiste na apresentação de um

Leia mais

HARMONIA VOCÁLICA NO DIALETO RECIFENSE VOWEL HARMONY IN RECIFE DIALECT

HARMONIA VOCÁLICA NO DIALETO RECIFENSE VOWEL HARMONY IN RECIFE DIALECT HARMONIA VOCÁLICA NO DIALETO RECIFENSE VOWEL HARMONY IN RECIFE DIALECT Dermeval da Hora 1 Ana Vogeley 2 63 Resumo: O dialeto do Nordeste brasileiro licencia o uso de vogais médias baixas em posição pretônica,

Leia mais

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ *

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * Rodriana Dias Coelho Costa 1 Christiane Cunha de Oliveira 2 Faculdade de Letras/UFG rodrianacosta@gmail.com christiane.de.oliveira@hotmail.com

Leia mais

Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se

Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se A NEUTRALIZAÇÃO DAS ÁTONAS Leda Bisol * Introdução Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se a Câmara Jr. (1977) que, chamando atenção para a variedade de timbre das átonas,

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 324 O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 The raising of pre-stressed mid-high vowels in the speech of Coromandel-MG and Monte Carmelo-MG

Leia mais

PROCESSO DE NASALIZAÇÃO AUTOMÁTICA EM UMA VARIEDADE DO PORTUGUÊS FALADO NO RECIFE

PROCESSO DE NASALIZAÇÃO AUTOMÁTICA EM UMA VARIEDADE DO PORTUGUÊS FALADO NO RECIFE PROCESSO DE NASALIZAÇÃO AUTOMÁTICA EM UMA VARIEDADE DO PORTUGUÊS FALADO NO RECIFE PROCESS OF AUTOMATIC NASALIZATION IN A VARIETY OF PORTUGUESE SPOKEN IN RECIFE Ana Maria Santos de Mendonça 1 Miguel de

Leia mais

Aquisição dos ditongos orais decrescentes: contribuições da teoria da otimidade conexionista

Aquisição dos ditongos orais decrescentes: contribuições da teoria da otimidade conexionista LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE Aquisição dos ditongos orais decrescentes: contribuições da teoria da otimidade conexionista Giovana Ferreira Gonçalves Bonilha

Leia mais

OBSERVAÇÕES ACÚSTICAS SOBRE AS VOGAIS ORAIS DA LÍNGUA KARO

OBSERVAÇÕES ACÚSTICAS SOBRE AS VOGAIS ORAIS DA LÍNGUA KARO ARAÚJO, Fernanda Oliveira. Observações acústicas sobre as vogais orais da língua Karo. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Edição especial n. 1, 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. OBSERVAÇÕES

Leia mais

O SISTEMA VOCÁLICO PRETÔNICO DO TRIÂNGULO MINEIRO ENFOQUE SOBRE AS CIDADES DE COROMANDEL E MONTE CARMELO

O SISTEMA VOCÁLICO PRETÔNICO DO TRIÂNGULO MINEIRO ENFOQUE SOBRE AS CIDADES DE COROMANDEL E MONTE CARMELO PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA O SISTEMA VOCÁLICO PRETÔNICO DO TRIÂNGULO MINEIRO ENFOQUE SOBRE AS CIDADES DE

Leia mais

REDUÇÃO DAS VOGAIS ÁTONAS FINAIS NO FALAR DE UM MANEZINHO

REDUÇÃO DAS VOGAIS ÁTONAS FINAIS NO FALAR DE UM MANEZINHO Página31 REDUÇÃO DAS VOGAIS ÁTONAS FINAIS NO FALAR DE UM MANEZINHO Beatriz de Oliveira 1 Sara Farias da Silva 2 RESUMO: Neste trabalho são analisados fenômenos que envolvem vogais em posição final de vocábulos,

Leia mais

GERADOS. Juliene Lopes R. Pedrosa 1 Dermeval da Hora 2.

GERADOS. Juliene Lopes R. Pedrosa 1 Dermeval da Hora 2. PEDROSA, Juliene Lopes R.; HORA, Demerval. Análise do /S/ em coda silábica: uma proposta de hierarquização dos candidatos gerados. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Edição especial n. 1, 2007.

Leia mais

O COMPORTAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NA FALA DE NOVA IGUAÇU-RJ

O COMPORTAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NA FALA DE NOVA IGUAÇU-RJ Universidade Federal do Rio de Janeiro O COMPORTAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NA FALA DE NOVA IGUAÇU-RJ FABIANE DE MELLO VIANNA DA ROCHA Fevereiro de 2013 Faculdade de Letras/UFRJ 1 O COMPORTAMENTO

Leia mais

ABORDAGEM OTIMALISTA DA AUSÊNCIA DE ASSIMILAÇÃO REGRESSIVA DE VOZEAMENTO DIANTE DE VOGAL NO PORTUGUÊS COMO L2 POR APRENDIZES ANGLÓFONOS

ABORDAGEM OTIMALISTA DA AUSÊNCIA DE ASSIMILAÇÃO REGRESSIVA DE VOZEAMENTO DIANTE DE VOGAL NO PORTUGUÊS COMO L2 POR APRENDIZES ANGLÓFONOS ABORDAGEM OTIMALISTA DA AUSÊNCIA DE ASSIMILAÇÃO REGRESSIVA DE VOZEAMENTO DIANTE DE VOGAL NO PORTUGUÊS COMO L2 POR APRENDIZES ANGLÓFONOS Miley Antonia Almeida Guimarães 1 INTRODUÇÃO Apesar de a aquisição

Leia mais

O papel do léxico na aquisição das fricativas interdentais do inglês: uma abordagem via Teoria da Otimidade Conexionista

O papel do léxico na aquisição das fricativas interdentais do inglês: uma abordagem via Teoria da Otimidade Conexionista ARTIGO Letrônica v. 3, n. 1, p. 164, julho 2010 O papel do léxico na aquisição das fricativas interdentais do inglês: uma abordagem via Teoria da Otimidade Conexionista Emilia Lorentz de Carvalho Leitão

Leia mais

Vogais Médias Pretônicas na Fala da Região Sudeste: um panorama geo-sociolinguístico

Vogais Médias Pretônicas na Fala da Região Sudeste: um panorama geo-sociolinguístico DOI: 10.5433/2237-4876.2015v18n1p333 Vogais Médias Pretônicas na Fala da Região Sudeste: um panorama geo-sociolinguístico MID PRETONIC VOWELS IN THE SPEECH OF SOUTHEAST REGION: A GEO-SOCIOLINGUISTIC OVERVIEW

Leia mais

21467)7 5 $4#5+.'+41 &+#.'6#. 6'/#5)4#/#6+%#+5

21467)7 5 $4#5+.'+41 &+#.'6#. 6'/#5)4#/#6+%#+5 21467)7 5 $4#5+.'+41 &+#.'6#. 6'/#5)4#/#6+%#+5 , 0+#/4#/15 57'.+/#4+#%1'.*1 14)#0+

Leia mais

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq)

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Ditongos derivados: um adendo Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Em artigo precedente (1994), fez-se a distinção entre ditongos verdadeiros que correspondem a duas vogais na subjacência, como reitor e pauta e falsos

Leia mais

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica.

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica. APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL Maria do Carmo Viegas UFMG Alan Jardel de Oliveira UFMG RESUMO Nosso objetivo neste texto é o estudo do apagamento da vogal átona em sílaba

Leia mais

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL Maria do Carmo VIEGAS UFMG Alan Jardel de OLIVEIRA UFMG RESUMO Nosso objetivo neste texto é o estudo do apagamento da vogal átona em sílaba

Leia mais

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica.

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica. APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL Maria do Carmo VIEGAS UFMG Alan Jardel de OLIVEIRA UFMG RESUMO Nosso objetivo neste texto é o estudo do apagamento da vogal átona em sílaba

Leia mais

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 índice Geral Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 Raimundo Tavares Lopes 27 Descrição isocrónica contrastiva das variedades das ilhas do Fogo e de Santiago

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS Márcio Palácios de Carvalho¹; Elza Sabino da Silva Bueno². ¹Aluno do 4º ano do Curso de Letras Português/Espanhol.

Leia mais

FONOLOGIA. [»bobu] [»bobu] este par mínimo permite-nos ver que os sons [b] e [l] têm função distintiva dentro do

FONOLOGIA. [»bobu] [»bobu] este par mínimo permite-nos ver que os sons [b] e [l] têm função distintiva dentro do FONOLOGIA Fonemas e segmentos fonológicos A noção de fonema resulta de questões de funcionalidade (cf. escola funcionalista, estruturalismo pós-saussuriano). Nem todos os sons que ocorrem na cadeia fonética

Leia mais

O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO

O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO Prof. Dr. Flávio Carvalho Departamento de Música e Artes Cênicas/ UFU e-mail: fcarvalho@demac.ufu.br www.demac.ufu.br Resumo: Este Grupo de Trabalho pretende consolidar os

Leia mais

Revisão para o simulado

Revisão para o simulado Revisão para o simulado LÍNGUA PORTUGUESA Patrícia Lopes São as variações que uma língua apresenta, de acordo com as condições sociais, culturais, regionais e históricas em que é utilizada. Variedade linguística

Leia mais

Aula7 SISTEMA FONOLÓGICO DO PORTUGUÊS: AS VOGAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DA NOMECLATURA GRAMATICAL BRASILEIRA E A PROPOSTA DE MATTOSO CÂMARA JR.

Aula7 SISTEMA FONOLÓGICO DO PORTUGUÊS: AS VOGAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DA NOMECLATURA GRAMATICAL BRASILEIRA E A PROPOSTA DE MATTOSO CÂMARA JR. Aula7 SISTEMA FONOLÓGICO DO PORTUGUÊS: AS VOGAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DA NOMECLATURA GRAMATICAL BRASILEIRA E A PROPOSTA DE MATTOSO CÂMARA JR. META Apresentar os traços distintivos das vogais do sistema

Leia mais

ANÁLISE DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS [e] e [o] NOS FALANTES DO MUNICÍPIO DE DOUTOR PEDRINHO

ANÁLISE DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS [e] e [o] NOS FALANTES DO MUNICÍPIO DE DOUTOR PEDRINHO 57 ANÁLISE DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS [e] e [o] NOS FALANTES DO MUNICÍPIO DE DOUTOR PEDRINHO THE ANALYSIS OF FINAL POSTTONIC VOWELS [e] AND [o] IN SPEAKERS FROM THE MUNICIPALITY OF DOUTOR PEDRINHO Morgana

Leia mais

A EPÊNTESE VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DAS PLOSIVAS FINAIS DO INGLÊS (L2): GRAMÁTICA HARMÔNICA

A EPÊNTESE VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DAS PLOSIVAS FINAIS DO INGLÊS (L2): GRAMÁTICA HARMÔNICA Universidade Católica de Pelotas Programa de Pós-Graduação em Letras A EPÊNTESE VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DAS PLOSIVAS FINAIS DO INGLÊS (L2): TRATAMENTO PELA OT ESTOCÁSTICA E PELA GRAMÁTICA HARMÔNICA Ubiratã

Leia mais

Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda. silábica: um estudo de caso em E/LE

Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda. silábica: um estudo de caso em E/LE Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda silábica: um estudo de caso em E/LE Fernanda R. P. Allegro (Universidad de Buenos Aires/ FUNCEB) Sandra Madureira (PUC-SP) Introdução

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa Catarina)

Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa Catarina) A EXPRESSÃO DO TEMPO FUTURO NA LÌNGUA FALADA DE FLORIANÓPOLIS: VARIAÇÃO (THE EXPRESSION OF FUTURE TIME IN THE SPOKEN LANGUAGE OF FLORIANÓPOLIS: VARIATION) Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE DURAÇÃO SEGMENTAL E PERCEPÇÃO DE FRICATIVAS SURDAS E SONORAS

RELAÇÃO ENTRE DURAÇÃO SEGMENTAL E PERCEPÇÃO DE FRICATIVAS SURDAS E SONORAS 3378 RELAÇÃO ENTRE DURAÇÃO SEGMENTAL E PERCEPÇÃO DE FRICATIVAS SURDAS E SONORAS Audinéia Silva (UESB/ FAPESB) Vera PACHECO (UESB) 1) CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1) Duração segmental Em algumas línguas, como

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM VOLUME ESPECIAL - 2012 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- A teoria fonológica em estudos sobre a aquisição

Leia mais

As Vogais Médias Pretônicas no Falar Paraense

As Vogais Médias Pretônicas no Falar Paraense As Vogais Médias Pretônicas no Falar Paraense PRETONIC MID-VOWELS IN THE STATE OF PARÁ SPEECH Abdelhak RAZKY* Alcides Fernandes de LIMA** Marilúcia Barros de OLIVEIRA*** Resumo: O presente trabalho aborda

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Fonética e Fonologia da Língua Portuguesa Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 4 Semestre:

Leia mais

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola. HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

Leia mais

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação F a c u l d a d e d e L e t r a s d a U n i v e r s i d a d e d e L i s b o a D e p a r t a m e n t o d e L i n g u í s t i c a G e r a l e R o m â n i c a E s t r u t u r a d a s F r a s e s e m P o r

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO DA ASSIMETRIA DA LATERAL EM ONSET E EM CODA DE SÍLABA NO PORTUGUÊS DOS CAMPOS NEUTRAIS PELA OT ESTOCÁSTICA

A FORMALIZAÇÃO DA ASSIMETRIA DA LATERAL EM ONSET E EM CODA DE SÍLABA NO PORTUGUÊS DOS CAMPOS NEUTRAIS PELA OT ESTOCÁSTICA A FORMALIZAÇÃO DA ASSIMETRIA DA LATERAL EM ONSET E EM CODA DE SÍLABA NO PORTUGUÊS DOS CAMPOS NEUTRAIS PELA OT ESTOCÁSTICA Aline NEUSCHRANK * Carmen Lúcia B. MATZENAUER ** Javier E. S. LUZARDO *** Miriam

Leia mais

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução aos estudos de língua materna

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução aos estudos de língua materna CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras 2017 5º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução aos estudos de língua materna 04h/a xxx xxx 60 h/a xxx xxx EMENTA Iniciação ao estudo de problemas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCOLA DE EDUCAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM LETRAS A FONOLOGIA NA AQUISIÇÃO PRECOCE DE UMA LE.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCOLA DE EDUCAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM LETRAS A FONOLOGIA NA AQUISIÇÃO PRECOCE DE UMA LE. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCOLA DE EDUCAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM LETRAS A FONOLOGIA NA AQUISIÇÃO PRECOCE DE UMA LE Magliane De Marco Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do

Leia mais

ATAQUE COMPLEXO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

ATAQUE COMPLEXO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO COSTA, Luciane Trennephol da. Ataque complexo no português brasileiro. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 7, agosto de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. ATAQUE COMPLEXO NO PORTUGUÊS

Leia mais

Simetrias e assimetrias no mapeamento de sequências consonantais iniciais em português e em catalão

Simetrias e assimetrias no mapeamento de sequências consonantais iniciais em português e em catalão Simetrias e assimetrias no mapeamento de sequências consonantais iniciais em português e em catalão Tatiana Keller 1 Resumo: Em português e em catalão, a distância mínima de sonoridade entre consoantes

Leia mais

DISPERSÃO E HARMONIA VOCÁLICA EM DIALETOS DO PORTUGUÊS DO BRASIL DISPERSION AND VOWEL HARMONY IN BRAZILIAN PORTUGUESE DIALECTS

DISPERSÃO E HARMONIA VOCÁLICA EM DIALETOS DO PORTUGUÊS DO BRASIL DISPERSION AND VOWEL HARMONY IN BRAZILIAN PORTUGUESE DIALECTS 13 DISPERSÃO E HARMONIA VOCÁLICA EM DIALETOS DO PORTUGUÊS DO BRASIL DISPERSION AND VOWEL HARMONY IN BRAZILIAN PORTUGUESE DIALECTS Filomena Sandalo 1 Maria Bernadete M. Abaurre 2 Magnun Rochel Madruga 3

Leia mais

AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 A 8 ANOS: A INFLUÊNCIA DO NÍVEL SÓCIO ECONÔMICO

AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 A 8 ANOS: A INFLUÊNCIA DO NÍVEL SÓCIO ECONÔMICO AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 A 8 ANOS: A INFLUÊNCIA DO NÍVEL SÓCIO ECONÔMICO Palavras Chave: Criança, Fala, Desenvolvimento da Linguagem Introdução: A aquisição do sistema fonológico ocorre durante

Leia mais

FORMALIZAÇÃO DA VARIAÇÃO FONOLÓGICA NA AQUISIÇÃO

FORMALIZAÇÃO DA VARIAÇÃO FONOLÓGICA NA AQUISIÇÃO GUTIERRES, A.; DORNELLES FILHO, A. A. Formalização da variação fonológica na aquisição da nasal velar em inglês pelo ORTO Ajuste Paramétrico. ReVEL, vol. 15, n. 28, 2017. [www.revel.inf.br] FORMALIZAÇÃO

Leia mais

Fonologia. Sistemas e padrões sonoros na linguagem. Sónia Frota Universidade de Lisboa (FLUL)

Fonologia. Sistemas e padrões sonoros na linguagem. Sónia Frota Universidade de Lisboa (FLUL) Fonologia Sistemas e padrões sonoros na linguagem Sónia Frota Universidade de Lisboa (FLUL) Conteúdos Sistemas e padrões sonoros na linguagem (< propriedades fonéticas), universais e nem tanto Sistemas

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

O ACRE ENTRE OS GRUPOS AFRICADORES DO BRASIL. Autora: Carina Cordeiro de Melo* 1 INTRODUÇÃO

O ACRE ENTRE OS GRUPOS AFRICADORES DO BRASIL. Autora: Carina Cordeiro de Melo* 1 INTRODUÇÃO O ACRE ENTRE OS GRUPOS AFRICADORES DO BRASIL Autora: Carina Cordeiro de Melo* 1 INTRODUÇÃO No Brasil, ainda nos ressentimos da falta de dados lingüísticos e fonéticos em número significativo que nos permitam

Leia mais

O Segmento Lateral /l/ em Rima Interna. Sonoridade e Nuclearização em Português Europeu. *

O Segmento Lateral /l/ em Rima Interna. Sonoridade e Nuclearização em Português Europeu. * O Segmento Lateral /l/ em Rima Interna. Sonoridade e Nuclearização em Português Europeu 53 O Segmento Lateral /l/ em Rima Interna. Sonoridade e Nuclearização em Português Europeu. * Marcos Garcia marcos.garcia.gonzalez@usc.es

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS 314 O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS The pretonic mid vowels raising in Minas Gerais dialects: the data Fernando Antônio Pereira Lemos * Maria do Carmo Viegas ** RESUMO:

Leia mais

FUSÃO E ESPALHAMENTO NAS LÍNGUAS MATIS E MARUBO (PANO) (FUSION AND DISPERSION ON MATIS AND MARUBO (PANO) LANGUAGES)

FUSÃO E ESPALHAMENTO NAS LÍNGUAS MATIS E MARUBO (PANO) (FUSION AND DISPERSION ON MATIS AND MARUBO (PANO) LANGUAGES) FUSÃO E ESPALHAMENTO NAS LÍNGUAS MATIS E MARUBO (PANO) (FUSION AND DISPERSION ON MATIS AND MARUBO (PANO) LANGUAGES) Vitória Regina SPANGHERO 1 (Universidade Estadual de Campinas) ABSTRACT: In this work

Leia mais

As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental

As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental (The pretonic medial vowels of the verbs in the dialect of the northwest of São

Leia mais