Investimento em Tecnologia da Informação e seu impacto na eficiência das empresas: um estudo envolvendo Análise Envoltória de Dados (DEA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Investimento em Tecnologia da Informação e seu impacto na eficiência das empresas: um estudo envolvendo Análise Envoltória de Dados (DEA)"

Transcrição

1 Ivetimeto em Tecologia da Ifomação e e impacto a eficiêcia da empea: m etdo evolvedo Aálie Evoltóia de Dado (DEA) Li Edado Madeio Gede Íi Fimio Cadoo Miiam Cadoo Cota Patícia Ft Remo: Váia empea vêm bcado apefeiçoameto em e poceo viado ma melhoa da a pefomace, tato a getão de cto qato a geação de eceita. Nete etido o ivetimeto em tecologia vem e motado fdametal a bca pela eficiêcia. O obetivo cetal do tabalho é baliza a tomada de decião de ivetimeto em Tecologia de Ifomação (TI) em qato Poto: Eqipameto, Teiameto, Capacidade de Amazeameto de Ifomação e Reco Hmao. Deta foma é impotate avalia eta empea de maio detaqe (bechma) com o obetivo de idetifica qai apecto deta caam maioe impacto em e eltado, cotido aim m modelo de ditibição do ivetimeto em TI qe poa e tilizado, a vião etatégica do plaeameto da política de ivetimeto da empea, com o obetivo de alcaça a eficiêcia. Áea temática: Aplicação de Modelo Qatitativo a Getão de Cto

2 Ivetimeto em Tecologia da Ifomação e e impacto a eficiêcia da empea: m etdo evolvedo Aálie Evoltóia de Dado (DEA) Li Edado Madeio Gede (COPPE/UFRJ) Íi Fimio Cadoo (ENCE) Miiam Cadoo Cota (ENCE) Patícia Ft (ENCE/IBGE) Remo Váia empea vêm bcado apefeiçoameto em e poceo viado ma melhoa da a pefomace, tato a getão de cto qato a geação de eceita. Nete etido o ivetimeto em tecologia vem e motado fdametal a bca pela eficiêcia. O obetivo cetal do tabalho é baliza a tomada de decião de ivetimeto em Tecologia de Ifomação (TI) em qato poto: Eqipameto, Teiameto, Capacidade de Amazeameto de Ifomação e Reco Hmao. Deta foma é impotate avalia eta empea de maio detaqe (bechma) com o obetivo de idetifica qai apecto deta caam maioe impacto em e eltado, cotido aim m modelo de ditibição do ivetimeto em TI qe poa e tilizado, a vião etatégica do plaeameto da política de ivetimeto da empea, com o obetivo de alcaça a eficiêcia. Palava-chave Aálie Evoltóia de Dado, DMU Atificial, Ivetimeto em TI, Aálie de deempeho de empea. Áea Temática: Aplicação de Modelo Qatitativo a Getão de Cto.. Itodção No último ao diveo etoe da ecoomia mdial vêm edo macado pelo alto ível de cocoêcia. Sabedo qe a maioe compahia vêm coegido maio detaqe o mecado, a demai empea bcam ma etatégia paa atigi m ível imila de deempeho e gaati a competitividade o mecado. Nete etido o ivetimeto em tecologia vem e motado fdametal ea bca pela eficiêcia. Segdo Gaeml (998), é impotate qe o exectivo aibam como a a Tecologia de Ifomação (TI) e tafomá-la em m difeecial competitivo tetável, gaatido ma poição ao lado da empea mai bem cedida o mecado. Paa io faze eceáio m plaeameto adeqado da tilização dea feameta. O peete etdo faz o da metodologia DEA (Data Evelopmet Aalyi) com o obetivo de dicimia algma empea como Eficiete e Ieficiete. Com ee eltado eão detacada a empea coideada eficiete a aálie, obevado o plaeameto de ivetimeto tilizado po cada ma paa gaati a a eficiêcia, além de veifica qai deciõe tomada pela empea ieficiete poam te caado ee deempeho. Ete tabalho etá ettado em ei pate, a pimeia pate é voltada ao Ivetimeto em TI e a impotâcia do e plaeameto coeto, egido de ma beve decição da metodologia DEA a limitaçõe e vatage; poteiomete ão decito alg tabalho á ealizado obe a tilização dea metodologia a avaliação de empea e de Ivetimeto em TI; a qata pate deceve o poceo de obteção e tatameto da bae

3 de dado e, ate da aálie fial do eltado, é itodzido o coceito de DMU Atificial empegado ete tabalho viado ma aálie mai cítica do eltado. 2. Plaeameto de Ivetimeto em TI Segdo Gaeml (998), a eceidade de m alto ível de ivetimeto em Tecologia de Ifomação paa o ceo de ma empea é m coceito commete difdido, poém é eecial qe o exectivo aibam ditigi a difeeça ete gata e iveti em TI. O coceito de depea etado omalmete aociado a gato eceáio e de eltado imediato afeta egativamete a vião do exectivo em elação ao obetivo picipal qe o leva a iveti em TI. Ao coidea ee eto como ma depea eceáia, po mita veze, o tomadoe de deciõe gatam qatia mito alta ão obtedo o etoo epeado; o qe leva à fala impeão de qe a Tecologia de Ifomação ão iflecia o melho deempeho da empea. Deve-e te em mete qe o ivetimeto em tecologia podem leva algm tempo paa agega valo a empea; deta foma o poceo de decião ão deve e tomado omete com bae ma aálie cto/beefício, ma etdado e plaeado cidadoamete a etatégia qe e qe egi. É tamete o apecto de plaeameto dee eto qe o exectivo devem coceta a ateçõe. Nm mecado ode qalqe empea pode te aceo à tecologia, aida qe ão de pota, a tilização adeqada dee eco é eecial paa tafoma a TI em ma feameta eficaz o deempeho de ma empea. 3. Metodologia O CCR, modelo oigiáio da técica de DEA, defie a eficiêcia como a oma podeada do otpt dividido pela oma podeada do ipt. Ea defiição exige qe m coto de peo ea atibído, o qê, coideado qe ee coto deve e aplicado a toda a DMU, toa-e ma taefa batate complicada. Chae, Coope e Rhode (978) apeetaam ma eolção paa ete poblema, agmetado qe cada idade idividal poi m itema de valoe paticla e po i ó tem legitimidade paa defii e pópio coto de peo, o etido de maximiza a eficiêcia. A úica limitação impota é qe toda a idade teham eficiêcia meo o igal a. Abaixo ege a fomlação do modelo CCR, paa maximização de otpt e miimização de ipt,

4 Miimização de ipt - CCR I Pimal (Mltiplicadoe) Max Eff = = Seito a: v i x i = y y vi xi, K =,2,.. = e vi, Mi θ Seito a: i Dal (Evelope) = = θ xi xiλ, i,..., y + y λ,,..., = = λ Repeetação Gáfica Mi Eff Maximização de Otpt CCR-O Seito a: y Pimal (Mltiplicadoe) = = v i x i vi xi y, K =,2,.. = e vi, i Max θ Seito a: Dal (Evelope) θ y + y λ, i =,..., = xi + xiλ,,..., = = λ Repeetação Gáfica Otpt B A C B A C Ipt Ipt ode: Eff eficiêcia da DMU ;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x i, y ipt i e otpt da DMU K ; x i, y ipt i e otpt da DMU K ; Na fomlação do modelo, pode-e ve qe a difeeça ete a ótica etá a poição da vaiável h, em elação à etiçõe. Também é poível obeva qe a fção de podção, epeetada pela foteia de eficiêcia, é empe cecete, admitido qe a podção de otpt empe pode cece, dede qe haa cecimeto do ipt. Po io, cocli-e qe o modelo tem etoo cotate de ecala (CRS). O modelo BCC, deevolvido po Bae, Chae, Coope (984), gi como ma foma eltate da patição da eficiêcia do modelo CCR em da compoete: a eficiêcia técica e a eficiêcia de ecala. A medida de eficiêcia técica, eltate do modelo BCC, idetifica a coeta tilização do eco à ecala de opeação da DMU. A eficiêcia de ecala é igal ao qociete da eficiêcia BCC com a eficiêcia CCR e dá ma medida da

5 ditâcia da DMU em aálie até ma DMU fictícia, qe opea com o tamaho da ecala mai podtivo. Abaixo egem a fomlaçõe do modelo. Miimização de Ipt BCC- I Maximização de Otpt BCC-O Pimal (Evelope) Pimal (Evelope) Mi θ Max θ Seito a: Seito a: = = θ xi xiλ, i,..., y + y λ,,..., = = = λ = λ θ y + y λ, i,..., = = xi + xiλ, =,..., = = λ = λ Max h Dal (Mltiplicadoe) = Seito a: v i x i = = y y vi xi *, K =,2,.. = e vi, i Repeetação Gáfica * Modelo BCC-I Mi h Seito a: Dal (Mltiplicadoe) = vi xi * y = vi xi y *, K =,2,.. = e vi, i Repeetação Gáfica Modelo BCC-O Otpt B A C Otpt B A C Ipt Ipt ode: Eff eficiêcia da DMU ;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x i, y ipt i e otpt da DMU K ; x i, y ipt i e otpt da DMU K ; Vialmete, a difeeça ete a fomlaçõe do modelo BCC e CCR é a etição de covexidade. Poém, a epeetaçõe gáfica demotam aida qe o modelo apeetam algma ota difeeça a foma da fção de podção, detemiada pela etição de covexidade, difeeciado o obetivo a bca pela eficiêcia, do modelo BCC e CCR. Nete tabalho, tilizaemo o modelo BCC, oietado paa miimização de ipt, devido à eceidade de e tiliza vaiávei otpt com valoe egativo.

6 3.. Limitaçõe e Vatage da DEA Segdo Gede (22), a DEA, po e m método de avaliação ão paamético, tem algma caacteítica difeeciada em elação a oto método. Cotatado com método paamético, ode o obetivo é otimiza m plao de egeão imple, a DEA otimiza idividalmete cada ma da obevaçõe, ma em elação à demai, paa aim, detemia a foteia de eficiêcia. A aálie paamética tadicioal aplica a mema fção de podção a cada ma da obevaçõe. Potato, o foco da DEA etá a otimizaçõe, em cotapatida à etimaçõe de paâmeto da apoximaçõe etatítica tilizada po oto método. Ota vatagem da DEA é a de ão eqee ehma foma fcioal da vaiávei evolvida a aálie. Além dio, também ão é eceáio faze ehma poição a epeito da ditibição da vaiávei. O fato de e pode tabalha com múltiplo otpt e ipt também é ma impotate vatagem. Poém, a ecolha da vaiávei peete o modelo deve e feita com batate cidado, poi qato mai vaiávei peete, meo é o pode dicimiatóio do modelo. Em cotapatida à vatage decita, há ma devatagem elacioada à técica de etimação paamética. A pioi, a hipótee ão podem e tetada com o igo etatítico, bem como o eo elativo à etimação da foteia, ma vez qe o imo e podto podem e vaiávei aleatóia. Poém, baeado em eltado obtido em tabalho ateioe, pode-e cocli qe o modelo é eficiete aqilo a qe e popõe. Obevamo qe ealmete é poível, atavé de ma aálie compaativa, detaca ívei de eficiêcia e, coeqüetemete, toma deciõe de foma mai ega e com mai agilidade DEA a avaliação de empea A metodologia DEA é tilizada po peqiadoe com obetivo de avalia a eficiêcia em diveo ceáio. Maçada e Bece (2) ealizaam m etdo ode mediam a eficiêcia do ivetimeto em tecologia da ifomação em 9 baco baileio, tedo como bae o etdo qe mede o impacto de TI em 22 baco o Etado Uido. Coclíam a eceidade de mda a etatégia de ivetimeto em TI o baco baileio, á qe o baco qe mai ivetiam foam o meo eficiete. Na tee do dotoado da Kaai (22), tilizo o método a aálie de Demotaçõe Cotábei, viado cotibi a avaliação do deempeho de empea, apeetado vatage e limitaçõe, compaado o eltado fazedo o do idicado cotábil tadicioal. A aalie de DEA de peíodo pemiti a veificação da eficiêcia elativa da empea etdada do gpo em elação ao tempo. Mello et al (23) pblico o atigo da eficiêcia e do Bechma paa Compahia Aéea Baileia, o modelo DEA ado levo em coideação o etoo de ecala, atavé da compaação de cada compahia com a qe opeam em ecala emelhate. O tabalho deevolvido po Goçalve (23) teve extema impotâcia, ão ó paa a difão da aplicação da metodologia a avaliação de ititiçõe fiaceia, como também paa o deevolvimeto da DEA como feameta qe cotempla a opiião de epecialita. Nete tabalho foi popoto m teoema paa gaatia de eqivalêcia ete m coto de etiçõe ao peo e a iclão de ma DMU atificial. Fez-e também ma aplicação com dado eai de m coto de fdo de ivetimeto fiaceio baileio. Maqe et al. (24) deevolveam m etdo qe aalia e compaa 9 baco comeciai e múltiplo qe atam o Bail. O doi modelo CCR e BCC foam deevolvido paa o 9 baco, coideado fatoe de cto (ipt) e gaho o

7 etabilidade (otpt). O atoe também tilizaam ete tabalho ma aálie de egeão paa elacioa a ieficiêcia de ecala do baco de maio pote. Macedo et al (25), pblico m etdo com obetivo de aalia a eficiêcia do ivetimeto em TI, atavé da avaliação do beefício alcaçado pelo ivetimeto feito. Aplico o modelo CRS, oietado a otpt. Como ipt coideo o Pecetal do Fatameto Ivetido em TI o ao de 23: calclado com a ifomaçõe efeete ao valoe de ivetimeto em TI e Fatameto da empea; e como otpt, efeete ao cecimeto ete 22 e 23, Númeo de Micocomptadoe; Númeo de Sevidoe e Capacidade de Amazeameto. De acodo com Macedo (24) a epota igificate dete método é a caacteização de ma medida de eficiêcia, o qal a decião fica giada po ma úica efeêcia cotída a pati de váia abodage de atação difeete. Do modelo tilizado coegiam idetifica e claifica a ogaizaçõe eficiete e ieficiete, ecohecedo a eficiêcia elativa de cada ma em elação a coideada em aálie. Júio et al. (26) apeeta o etdo de eficiêcia e deempeho do tapote aéeo egioal baileio, focado a eficiêcia da picipai empea áea egioai baileia e e picipai fatoe de podção. O etdo foi baeado em peqia empíica com modelagem matemática, tilizado DEA paa calcla a eficiêcia elativa da maioe empea. O tabalho ealizado po Feaza, Gede e Gome (26), aalie de eficiêcia do mecado bacáio, tilizaam à metodologia DEA paa o etdo de eficiêcia em coto com a técica de I-O Stepwie paa eleção de vaiávei. Com itito de adicioa ao modelo a apeciação do epecialita e com obetivo de cofei ao eltado, itodziam o etdo a ciação e a imlação de idade podtiva atificiai o ão obevávei, DMU Atificiai DEA em avaliação de Ivetimeto em TI Sabedo a impotâcia da avaliação do deempeho geal do baco e o moitoameto de a itaçõe fiaceia paa a ociedade e picipalmete paa o goveo; Maçada e Bece (2), avaliam o impacto de TI a eficiêcia em 9 baco baileio, atavé do o da metodologia DEA. Com a mtaçõe do ceáio mdial, a idútia bacáia apimoa a opeaçõe evolvedo a tilização de ova tecologia picipalmete o qe e efee a Tecologia de Ifomação (TI). A eleção de vaiávei de ipt e de otpt adeqada é a qetão mai impotate a tilização do DEA, eceitado de ma lita iicial de vaiávei qe poam epeeta medida útei de eficiêcia a eem coideada paa avalia o deempeho da DMU (Uidade Tomadoa de Decião) em etdo. O modelo tilizado o etdo foi deevolvido po Wag, Gopal e Ziot (995), o qal etdaam o beefício da tilização da metodologia DEA paa medi o impacto da TI em 22 baco do Etado Uido. Paa o baco baileio, Maçada e Bece (2) tilizaam a vaiávei: gato com TI, patimôio líqido e úmeo de fcioáio como vaiávei ipt e depóito como otpt, o pimeio etágio. Já o egdo etágio da avaliação, tilizaam depóito como ipt e eltado líqido e empétimo ecpeado como otpt. O atoe coclíam qe a idútia bacaia baileia qe ivetiam mai em TI foam meo eficiete do qe o baco com m volme de ivetimeto igificatemete meo. Deta foma, exite eceidade de ma ova etatégia de aplicaçõe dee ivetimeto.

8 4. Apecto iiciai da aálie: bae de dado e decição da vaiávei tilizada 4.. Coleta do dado Paa a cocetização dete etdo foi tilizada a pblicação efeete à oa peqia A Empea Mai Ligada do Bail ealizada pela INFO. Paa m etdo mai elaboado também foam tilizada a vaiávei Retabilidade do patimôio atado e Númeo de fcioáio obtida atavé da pblicação Melhoe e Maioe dipoibilizada pela evita EXAME 2. Date o poceo de ogaização da bae foam matida omete a vaiávei qe pdeem te elação dieta com o deempeho, de acodo o a ótica popota o etdo. A vaiávei foam elecioada com bae a opiião de epecialita e a liteata dipoível obe ivetimeto em TI. A egi eá poível ve a decição de cada ma da vaiávei elecioada e a elação ititva com o deempeho da empea Decição da vaiávei DEA é ma feameta da etatítica ão-paamética qe avalia a eficiêcia de idade tomadoa de decião, compaado etidade qe ealizam taefa imilae e e difeeciam pela qatidade de eco tilizado (ipt) e de be podzido (otpt). Qalqe eco ado pela DMU deve e iclído como ipt. Uma DMU covete eco paa podzi otpt. A decição dete deve e completa, devedo icli a qalidade e qatidade de podto o eviço podzido pela DMU (vatage meávei podzida). No modelo paa a maximização do otpt teta ecota o maio ameto popocioal da podção da DMU em aálie, de foma qe eta aida atifaça a limitaçõe o ipt. A vaiávei de ipt epeetam qato ótica do ivetimeto em TI: Eqipameto, Teiameto, Capacidade de Amazeameto de Ifomação e Reco Hmao. Epecialita lgam qe ete ão o poto mai impotate do ivetimeto em TI. O tabalho ão eta o méito de coidea a qalidade do eqipameto, poi ão exitem vaiávei dipoívei paa ito Vaiávei de Ipt Mico: epeeta o úmeo de micocomptadoe a empea. Vaiável epeetativa da ótica do ivetimeto em eqipameto. Ititivamete e epea qe qato maio o úmeo de micocomptadoe maio ea o deempeho da empea, eta vaiável etá dietamete ligada o otpt fatameto. Sevidoe: úmeo de evidoe a empea. Vaiável qe epeeta o ivetimeto em Capacidade de amazeameto de Ifomação da empea. Epea-e qe qato maio a capacidade de amazeameto melho eá o deempeho. Etá dietamete ligada com o opt fatameto. Admit: pocetagem da admiitação feita pela itaet. Vaiável epeetativa do ivetimeto em teiameto foecido ao fcioáio. Epea-e qe qato maio, melho eá o deempeho. Eta vaiável etá dietamete ligada ao otpt etabilidade, poi qato mai admiitação feita pela itaet meo o cto da empea com poceo iteo. INFO Exame, edição º27 de Abil de 24. Pág.: 67 ; Matéia: TI a alma do egócio - Saiba o qe a empea high tech fazem paa ltapaa a cocoêcia. 2 Dado efeete ao ao de 24.

9 Razaofci: pecetal de pofiioai de ifomática cotatado dividido pelo úmeo de fcioáio da empea. Vaiável epeetativa do ivetimeto em eco hmao da empea. Epea-e qe qato maio, melho eá o deempeho. Eta vaiável etá dietamete ligada ao otpt etabilidade, poi qato mai fcioáio em TI, maio é a atomatização do poceo e teiameto e, coeqüetemete, meo o cto admiitativo da empea.. Ivti: total, em milhae de dólae, ivetido pela empea em Tecologia de Ifomação o ao de 23. Vaiável qe mota de ma maeia global como foi a capacidade de ivetimeto em TI, em eta aociada dietamete a ehm do fatoe epeetado pela demai vaiávei, poi epeeta toda imltaeamete. Etá dietamete ligada ao doi otpt Vaiávei de Otpt Retabilidade do patimôio atado: mede a eficiêcia da empea, o cotole de cto e o apoveitameto da opotidade qe gem o mdo do egócio, edo m do picipai compoete da geação de valo paa o acioita. Recebem poto apea a empea co ídice de etabilidade ea poitivo. É tilizado como citéio de deempate ete empea qe apeetem o memo úmeo de poto o deempeho geal. Fatameto: ifomaçõe foecida pela empea em eai dividido pela taxa média de veda do dóla em 23 foecida pelo Baco Cetal do Bail (3,75 eai). Mede o tamaho da empea, a capacidade podtiva e a paticipação o mecado Tatameto do Dado Somete ma vaiável teve qe ofe algm tatameto paa qe pdee eta a aálie. A metodologia DEA ão poibilita a aálie de otpt com valoe egativo, etão paa o o adeqado da vaiável Retabilidade, co meo valo obevado foi de -39,, tilizo-e m poceo de delocameto da vaiável acecetado-e ma cotate (c=) a cada m do cao o qe, além de elimia o valoe egativo, popocioo ma odem de gadeza azoável qado compaada ao oto otpt Uiveo aaliado Com o obetivo de tabalha com m baco de dado mai completo poível, foam exclída a empea ca vaiávei ecolhida paa etdo ão cotiham epota, ao todo 46 DMU foam etiada da aálie po ete motivo. Paa evita iflêcia de otlie, a DMU Petobá também teve de e exclída, poi eta poi ceca de 35,6% do Fatameto total da empea etdada. Deta foma a bae qe oigialmete ea compota po empea foi edzida a 53, fomado aim o baco de dado a e tabalhado. 5. DMU Atificiai: itodzido a opiião do epecialita Segdo Figeiedo (25), a flexibilidade a ecolha do peo exitete a metodologia DEA cláica é impotate a idetificação da DMU ieficiete, o ea, qe apeetam baixo deempeho iclive com peo defiido de foma mai favoável. Cotdo, em DEA, a atibição de peo ão é ma taefa de baixa complexidade. A ecolha

10 do peo itodzida o PPL atavé de etiçõe pode gea iviabilidade a olção do poblema. Roll e Golay (99) cotataam qe cada peo em DEA, etitamete poitivo, ea eqivalete a ma DMU ão obevada (DMU atificial), itodzida ete a demai o mometo da aálie. Alle et al. (997) geealizaam ea obevação paa o cao de múltiplo ipt e/o otpt, paa DMU qe opeam com etoo cotate de ecala o paa a qe opeam com etoo vaiávei de ecala. Deta foma, a iclão de ma DMU Atificial ao coto oigial de DMU fcioa como método alteativo de imlação de m coto de etiçõe ao peo, edo o ídice de eficiêcia dee ovo coto calclado pelo método cláico, em etiçõe ao peo, o memo qe o obtido com o coto iicial de DMU tilizado etiçõe ao peo ao ivé de DMU atificiai. A coodeada ecolhida paa a DMU Atificiai ão fdametai paa a efetividade da olção. Como obevamo em Goçalve (23), o modelo CCR, a DMU Atificiai podem e defiida com a tilização da eqaçõe (4.) o (4.2), em qe haa difeeça o eltado. Amba imlam a etiçõe ARI e ARII. (4.) (4.2) Já paa o modelo BBC, a eficiêcia é depedete da oietação do modelo. Aim, a defiição da DMU Atificial, tilizado cotação do ipt cofome eqaçõe expea em (4.3), ão podz o memo eltado e fo tilizada a expaão do otpt, cofome eqaçõe expea em (4.4). (4.3) (4.4) Figeiedo (25) fez a geealização da etiçõe de Goçalve (23) paa poblema mltidimeioai. No cao paticla do tabalho, etabelece-e como cote a média do fatameto, ito é, ehma empea com fatameto ifeio a média podeia e eficiete. Eta etatégia foi ma adaptação da metodologia paa o cao paticla do tabalho, oigialmete, ehma DMU abaixo do cote etabelecido ão podeia e mai eficiete qe ma ota qe etea acima do cote, codição qe foi elaxada o algoitmo tilizado o tabalho. Eta decião foi tomada paa miimiza o úmeo de iteaçõe do algoitmo e po e lga atifatóio o fato de qe a DMU com etabilidade abaixo do cote omete ão pdeem e coideada eficiete. Sedo aim, ete cao, foi itodzida ma DMU atificial, chegado-e ao total de 6 iteaçõe, paa qe foe poível chega ao eltado fiai. A defiição do cote foi fdametal paa a aplicação da etiçõe de Goçalve (23), poi em eta defiição eia impoível aplica a metodologia. 6. Aálie do Reltado A tilização do algoitmo da DMU atificiai ameto o pode dicimiatóio do modelo. Como pode e vito a tabela, da 53 DMU aaliada omete idade foam coideada eficiete.

11 Tabela : Reltado do modelo BCC-O Empea Eficiecia Empea Eficiecia Empea Eficiecia ABN Amo Real 83,4 Cotçõe Camago Coêa 95,34 Roche 83,33 Alcoa 78,55 Cotax 72,67 Sadia Ale Combtívei 96,74 Coeio São Palo Alpagata 97, Ateto 68,2 CPTM 78,87 Sepo 69,82 Atla Schidle 94,9 CSN Soza Cz Baco do Bail 97,9 Embaco 73,96 Telefôica Empea 63,78 Baco Sato* 72,6 Embae 89,9 Telefôica São Palo Badeiate Eegia 82,47 Embatel 75,62 Telemig Cella 8,22 BaBoto 68,53 Fiat Atomóvei 95,4 Tapeto 94, Baf 96,24 Gpo Ulta 95,2 Uibaco 84,45 Badeco 99,72 Itaú V&M Bail Telecom 87,4 Itatec Philco 8,7 Votoatim 87,39 Bge Fetilizate 99,3 Loa Colombo 82,9 WEG Idútia 94,2 Caixa Ecoômica Fedeal 82,76 MRS Logítica Atific Camago Coêa Cimeto 99,39 Nata 99,34 Atific2 Cabocloo Nobeto Odebecht 99,56 Atific3 Cagill Agícola Pão de Açúca 99,9 Atific4 Caa Peambcaa 79,72 Pielli Pe 92,42 Atific5 Citiba 45,45 Poto Fio 79,49 Atific6 Compahia Szao 98,4 Ripaa 9,39 Com bae ee eltado decidi-e epaa a aálie em doi etágio. Pimeiamete, fazedo ma aalie do eltado da idade eficiete e a egi da ieficiete, paa, deta foma, coegi mapea qai ão o fatoe qe levam ma empea a e eficiete o ivetimeto em TI, e qai o e poto cítico. Abaixo podem e vito o pimeio eltado elacioado a DMU eficiete. Tabela 2: Cotibição da vaiávei paa o cálclo da eficiêcia - DMU' Eficiete Empea Paticipação Vital Mico azaofci Sevidoe INVTI ADMINT FATURAMENTO Retabilidade Cabocloo 8,88 9,2,69 98,3 Cagill Agícola 34,69 42,79 22,53 24,39 75,6 Coeio,5 99,5 6,89 83, CSN 77,2 3,7 9,73 8,32 8,68 Itaú 9,73 8,27 MRS Logítica 3,2 96,98 Sadia 24,94 75,6 2,5 87,5 Soza Cz 27,99 24,5 47,96 9,44 8,56 Telefôica São Palo 33,3 66,7 V&M,84 89,6,46 98,54 Na tabela 2, pode-e ve qe toda a DMU têm pelo meo ma vaiável com cotibição, ito é, algm peo atibído a algma vaiável. Io igifica qe a vaiável foi depezada o cálclo da eficiêcia da DMU, povavelmete, poqe e ela foe levada em coideação, a empea (DMU) podeia ão mai e eficiete o, implemete, poqe a olção ecotada pelo modelo ão foi a qe coidea peo difeete de paa toda a vaiávei, podedo ela exiti, podedo-e aim coidea a DMU ealmete eficiete. Em ma avaliação geal, pode-e pecebe qe a empea eficiete etategicamete cocetaam efoço a vaiávei Razão de Fcioáio e Admiitação a Itaet. Eta vaiávei têm impacto dieto o otpt Retabilidade, o qe leva a ce qe a empea eficiete coideam o ivetimeto em TI como fato fdametal paa baixa e cto de admiitação itea. Alg cao paticlae podem e aaliado. A CSN e V&M do egmeto ideúgico egiam a mema liha etatégica, com alto peo paa o otpt Retabilidade do Patimôio Liqido, eta etatégia evela qe cetamete a iteção do ivetimeto em TI ão tem foco a geação de eceita, poi peo baixo foam dado ao ipt Micocomptadoe e Sevidoe. A MRS Logítica e o Coeio, petecete ao memo

12 egmeto, também tiveam etatégia difeete paa baixa e cto, eqato o Coeio e cocetaam a Admiitação pela Itaet paa melhoa e poceo iteo, a MRS Logítica foco, povavelmete, em deevolvimeto (alta cotibição da Razão de Fcioáio) paa dimii e cto de opeação. Cetamete ete doi egmeto a eceidade do ivetimeto em TI paa geação de egócio é mai faca. Na tabela 3 podeemo ve alg eltado da idade ieficiete. Tabela 3: Cotibição da vaiavei paa o cálclo da eficiêcia - DMU' Ieficiete Paticipação Vital Paticipação Vital Empea Empea Mico azaofci Sevidoe INVTI ADMINT FATURAMENTO Retabilidade Mico azaofci Sevidoe INVTI ADMINT FATURAMENTO Retabilidade ABN Amo Real,,, 4,29 95,7 9,2 9,79 Embae,,, 53,56 46,44 7,53 82,47 Alcoa,,,,, 9,2 9,88 Embatel,,,,, 23,46 76,54 Ale Combtívei,,,,, 26,64 73,36 Fiat Atomóvei,,,,,,, Ateto,,,,,,, Gpo Ulta,,,,, 3,6 86,94 Atla Schidle, 9,7 8,3 47,46 24,8,, Itatec Philco, 6,89, 52, 3,,97 98,3 Baco do Bail,,,,, 27, 72,9 Loa Colombo, 82,97, 7,3,,, Baco Sato*,,,,,,, Nata,44,,, 98,56 2,3 97,87 Badeiate Eegia 37,42 4,36,, 48,22 9,9 9,9 Nobeto Odebecht, 35,3, 64,69, 23,52 76,48 BaBoto,,,,, 9,43 9,57 Pão de Açúca,,,,, 29,74 7,26 Baf,, 53,7, 46,83 8,32 8,68 Pielli Pe, 9,, 9,99,,, Badeco,,,,, 22,55 77,45 Poto Fio, 9,87,, 9,3,, Bail Telecom,,,,, 3,22 68,78 Ripaa 6,72, 3,87, 34,4 7,79 82,2 Bge Fetilizate,, 49,8, 5,92 35,94 64,6 Roche,,,,,,73 98,27 Caixa Ecoômica Fedeal,,,,,,68 88,32 São Palo Alpagata, 54,49, 28,59 6,92,, Camago Coêa Cimeto 3,6 69,62 6,77,,,, Sepo,,,,,,, Caa Peambcaa, 48,,, 5,9 4,29 95,7 Telefôica Empea 2,58,,, 79,42 3,25 96,75 Citiba,,,,,,68 88,32 Telemig Cella,,,,,,76 98,24 Compahia Szao,, 27,52, 72,48 34,32 65,68 Tapeto, 8,46 3,55, 4,99,, Cotçõe Camago Coêa, 59,79, 4,2,,, Uibaco,,,,, 3,98 86,2 Cotax,,,,,,, Votoatim 2,6,,, 97,39 3,26 96,74 CPTM 5, 88,95 6,5,,,, WEG Idútia,,, 45,67 54,33 6,7 93,93 Embaco, 88,5,,85,,, Aaliado o dado da tabela 3, ão é poível idetifica de maeia claa a tedêcia motada pela idade eficiete de pioiza o ivetimeto em TI como foco a dimiição do cto. A etatégia etão batate plveizada e vaiam de empea paa empea. Apea deta tedêcia ão e detectada a aálie baeada o ipt, qado fazemo a aálie voltada paa o otpt vemo. qe também ete a ieficiete, o obetivo do ivetimeto em TI é baixa o cto, poi a cotibiçõe aociada a Retabilidade ão, em média, maioe qe a aociada ao Fatameto. Alg cao paticlae também podem e aaliado, ete a idade ieficiete. A Bail Telecom foco em Capacidade de Amazeameto paa obte mai Retabilidade, etatégia qe too e ivetimeto em TI ieficiete paa o obetivo qe e popha. Cotdo, aida aim, eta empea apeeto eficiêcia peio a 85%, o qe mota qe peqeo ate a a política de ivetimeto em TI podem facilmete toa-la mai eficiete. A Telefôica Empea é oto cao iteeate paa aálie. Com alta ieficiêcia (Ecoe de 63% de eficiêcia) elacioada a política de ivetimeto em TI. O úmeo de Micocomptadoe teve ma igificativa cotibição o cálclo da eficiêcia deta idade, ceca de 2%, eqato o otpt com mai peo foi a etabilidade. Ito leva a ce qe o obetivo ceta da empea é tiliza o ivetimeto em TI paa baixa o cto. Cotdo m peo igificativo foi dado a vaiável Micocomptadoe e ehm peo dado a Razão de Fcioáio. Um cao qe chama a ateção é o da DMU Fiat Atomóvei, co otpt Retabilidade apeeto cotibição coeqetemete o Fatameto apeeta cotibição de %; io idica qe eta empea foco todo o e ivetimeto em TI a geação de eceita, fato qe ão e moto adeqado a bca pela eficiêcia.

13 Tabela 4: Vaiação pecetal o otpt paa atigi a eficiêcia Empea Obevado Poeção Vaiação Empea Obevado Poeção Vaiação ABN Amo Real Cotax FATURAMENTO ,9 FATURAMENTO ,6 Retabilidade ,9 Retabilidade ,6 Baco do Bail Fiat Atomóvei FATURAMENTO ,5 FATURAMENTO ,8 Retabilidade 5 8 2,5 Retabilidade ,8 Badeiate Eegia Itatec Philco FATURAMENTO ,26 FATURAMENTO ,2 Retabilidade ,26 Retabilidade 23 23,2 Badeco Poto Fio FATURAMENTO ,28 FATURAMENTO ,8 Retabilidade 2 2,28 Retabilidade ,8 Bail Telecom Telefôica Empea FATURAMENTO ,42 FATURAMENTO ,78 Retabilidade 6 2 4,42 Retabilidade ,78 Camago Coêa Cimeto Cotçõe Camago Coêa FATURAMENTO ,6 FATURAMENTO ,89 Retabilidade 5 6,6 Retabilidade 5 4,89 Na tabela 4 é poível ve qai ão o icemeto elacioado ao otpt eceáio paa qe a idade e toem eficiete. A Camago Coêa Cimeto, po exemplo, pecia de peqeo ate paa aliha o ivetimeto com o obetivo. Fato imila acotece aida com o Badeco, Baco do Bail e FIAT Atomóvei. Poém, algma empea, como po exemplo a Cotex e Telefôica Empea, peciam de ate mai pofdo a a política de ivetimeto em TI. 7. Coclõe. A técica de aálie evoltóia de dado DEA, com a itodção da opiião de epecialita, é ma feameta batate podeoa paa o plaeameto etatégico da política de ivetimeto em TI da empea. Um fato claamete idetificado o tabalho é a tedêcia de tilização do ivetimeto em TI como feameta paa baixa cto. Qae toda a idade eficiete focaam a cotibição paa o cálclo da eficiêcia em vaiávei elacioada com o otpt Retabilidade do Patimôio Liqido. O modelo de plaeameto do ivetimeto em TI qe pode e extaído da aálie é aqele qe dedica maio ateção ao Reco Hmao e Teiameto da empea com a fialidade de edzi o cto admiitativo. Um modelo lógico paa m edimeto adeqado o otpt Fatameto eia aqele co Eqipameto e Capacidade de Amazeameto de ifomação foem pioizado; poém a empea etdada claamete focaam e efoço a Retabilidade o qe ão popocioo ma aálie da eficiêcia qe podeia e obtida po ete foco o plaeameto. Em a maioia, a empea qe foam claificada como ieficiete peciam de peqeo ate em a política de ivetimeto em TI paa e toaem eficiete. Ete fato leva a ce qe ela tem obetivo clao, ma focado em eco iadeqado paa atigi ete obetivo. Refeecia ALI, A.I.; SEIFORD, L.M. Talatio ivaiace i Data Evelopmet Aalyi. Opeatio Reeach lette, 9, p , 99. ALLEN, R.; ATHANASSOPOULOS, A.; DYSON, R.G. Weight etictio ad vale dgemet i Data Evelopmet Aalyi: Evoltio, developmet ad fte diectio. Aai of Opeatio Reeach, v. 73, J.C. Baltze AG, Sciece Pblihe. 997.

14 BANKER, R. D., CHARNES, A., COOPER W. W., Some model fo etimatig Techical ad Scale iefficieci i Data Evelopmete Aalyi. Maagemet Sciece, 984, vol. 3, º 9, p BCB (Baco Cetal do Bail). Dipoível em <http://www.bcb.gov.b>. Aceo em: 6 otbo 25. BERGER, A.N.; HUMPHREY, D.B. Efficiecy of fiacial itittio: iteatioal vey ad diectio fo fte eeach. Eopea Joal of opeatioal Reeach, 98, p , 997. CARVALHO, F.J.C, Reeha obe Sitema Fiaceio. Dipoível em: <http://www.me.gov.b>. Aceo em: dezembo 25. CERETTA, P.S.; NIEDERAUER, C.A.P. Retabilidade do eto bacáio baileio, 24º Ecoto Nacioal da ANPAD Aociação Nacioal de Pogama de Pó Gadação em Admiitação. Floiaópoli, -3 et. 2. CHARNES, A., COOPER, W. W., RHODES, E. Meaeig the Efficiecy of Deciio- Maig Uit. Eopea Joal of Opeatioal Reeach, 978, vol. 2, p DRAKE, L., HALL, M. J. B.; SIMPER, R. Ba Modellig Methodologie: A Compaative No- Paametic Aalyi of Efficiecy i Japoee Baig Secto, 25. FIGUEIREDO, D.S. de. Ídice Híbido de Eficácia e Eficiêcia paa Loa de Vaeo. 25. Dietação (Metado). Niteói: Ecola de Egehaia/UFF. FREAZA, F.P, GUEDES, L.E.M, GOMES, L.F.A.M. Aálie de eficiêcia do mecado bacáio baileio tilizado a metodologia da Aálie Evoltóia de Dado. XXXVIII SOBRAPO, SBPO, 26. GONÇALVES, D.A. Avaliação de Eficiêcia de Fdo de Ivetimeto Fiaceio: Utilização de DMU` Atificiai em Modelo DEA com Otpt Negativo. Rio de Jaeio, 23. Tee de Dotoado. COPPE/UFRJ. GUEDES, L.E.M. Uma aálie da eficiêcia a fomação de alo do co de egehaia civil da ititiçõe de eio peio baileia. 22. Dietação (Metado). Rio de Jaeio: COPPE/UFRJ. GRAEML, A. R. A idéia com a qai e pea a avaliação de poeto de tecologia da ifomação. I: Aai do XVIII ENEGEP (Ecoto Nacioal de Egehaia de Podção), Niteói, et JÚNIOR, A.H.A.; AVELLAR, J.V.G.; MARINS, F.A.S.; MILIONI, A.Z. Eficiêcia e deempeho do tapote aéeo egioal baileio. I: Simpóio de Peqia Opeacioal e Logítica da Maiha, 9., Rio de Jaeio, ago. 26, p KASSAI, S. Utilização da Aálie po Evoltóia de dado (DEA) a Aálie de Demotaçõe Cotábei. 22. Tee de Dotoado. São Palo: FEA-USP.

15 KITTELSEN, S.A.C. Stepwie DEA: chooig vaiable fo meaig techical efficiecy i Nowegia electicity ditibtio. Memoadm Nº 6/93 fom Depatmet of Ecoomic, Uiveity of Olo, 993. LINS, M. P. E.; MEZA, L.A. Aálie Evoltóia de Dado: Pepectiva de itegação o Ambiete do Apoio à Decião. Rio de Jaeio: Coppe/UFRJ, 2. LOVELL, C.A.K.; PASTOR, J.T. Uit ivaiat ad talatio ivaiat DEA model. Opeatio Reeach lette, 8, p. 47-5, 995 MACEDO, M. A. S. A Utilização da Aálie Evoltóia de Dado (DEA) a Coolidação de Medida de Deempeho Ogaizacioal. Aai do XI Cogeo Baileio de Cto. Poto Sego: ABC, 24. MACEDO, M. A. da S.; SANTOS, R. do; ANDRADE, J. E. A.; BENAC, M. A.. Avaliação da eficiêcia do ivetimeto em TI de empea de Tecologia atavé da Aálie Evoltóia de Dado (DEA). I: Semiáio em Admiitação FEA-USP (VIII SemeAd). São Palo, ago 25. Dipoível em: <http://www.ead.fea.p.b/semead/8emead>. Aceo em: 22 de ovembo de 26. MARQUES, F.T.; MATIAS, A.B.; CAMARGO JUNIOR, A.S. Deempeho do Baco Comeciai e Múltiplo de Gade Pote o Bail, CLADEA, 24. MAÇADA, A.C.G.; BECKER, J.L.. Meaig the efficiecy of ivetmet i Ifomatio Techology i Bazilia Ba. I: Secod Iteatioal Cofeece o Opeatio ad Qatitative Maagemet (ICOQM-II), 999, Ahmedabad. ICOQM - II. New Delhi: McGaw-Hill Pblihig Compay, 999. v.. p MELLO, J.C.C.B.S;. MEZA, L.A.; GOMES, E.G.; SERAPIÃO, B.P.; LINS, M.P.E. Aálie de Evoltóia de Dado o Etdo da Eficiêcia e do Bechma paa Compahia Aéea Baileia. Revita Peqia Opeacioal, v.23,.2, p , maio/ago. 23. NIETO, B. GUTIÉREZ; CINCA, C. SERRANO; MOLINERO, C. MAR Micofiace Itittio ad Efficiecy. Dicio Pape i Accotig ad Fiace, 24. NORMAN, M.; STOKER, B. Data Evelopmet Aalyi: the aemet of pefomace. Chichete: Joh Wiley,99. PASTOR, J. T. Talatio ivaiace i data evelopmet aalyi: a geealizatio. Aal of Opeatio Reeach, v.73, p. 9-5, 997. PEREZ JR., J.H.; BEGALLI, G. A. Elaboação da Demotaçõe Cotábei. 2 ed. São Palo: Atla, 999. ROLL, Y.; GOLANY, B. Cotollig facto weight i DEA. IIE Taactio, 23 (), 99. SILVA, A.C.M. da. Aálie da eficiêcia da ititiçõe fiaceia, egdo a metodologia do Data Evelopmet Aalyi (DEA). 2. Dietação (Metado) Ititto de Pó Gadação em Admiitação, da Uiveidade Fedeal do Rio de Jaeio. Rio de Jaeio:

16 COPPEAD/UFRJ. STAVÁREK,D. (25): Efficiecy of Ba i Regio at Diffeet Stage of Eopea Itegatio Poce. Eoomie a Maagemet, vol. 5, o., pp YUDISTIRA, D., 22, The Impact of Ba Capital Reqiemet i Idoeia, Ecoomic Woig Pape Achive at WUSTL, 2.

Análise de Eficiência dos Terminais Portuários do Mercosul

Análise de Eficiência dos Terminais Portuários do Mercosul Aálie de Eficiêcia do Temiai Potáio do Mecol Li Edado Madeio Gede Depto. Egehaia de Podção, COPPE/UFRJ Uiveidade Fedeal do Rio de Jaeio, Ilha do Fdão - Cidade Uiveitáia - Ceto de Tecologia -Bloco F - Sala

Leia mais

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Aálie de Eficiêcia do Mecado Bacáio Baileio Utilizado a Metodologia da Aálie Evoltóia de Dado Flávio Paim Feaza Metado em Admiitação pela Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada,

Leia mais

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil Uma aálie de deempeho o mecado de coceão de cédito de como o Bail Miiam Cadoo Cota Potifica Uiveidade Católica do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Idtial Ra Maqê de São Vicete, 225, ala 95L miiam@alo.pc-io.b

Leia mais

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy 1 - CORRELAÇÃO LINEAR IMPLE Em pesquisas, feqüetemete, pocua-se veifica se existe elação ete duas ou mais vaiáveis, isto é, sabe se as alteações sofidas po uma das vaiáveis são acompahadas po alteações

Leia mais

AULA 23 FATORES DE FORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA

AULA 23 FATORES DE FORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA Notas de aula de PME 336 Pocessos de Tasfeêcia de Calo e Massa 98 AULA 3 ATORES DE ORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA Cosidee o caso de duas supefícies egas quaisque que tocam calo po adiação témica ete si. Supoha

Leia mais

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes Capítulo 4 Vaiáveis Aleatóias Discetas Pof. Fabício Maciel Gomes Picipais Distibuições de Pobabilidade Discetas Equipovável Beoulli Biomial Poisso Geomética Pascal Hipegeomética Distibuição Equipovável

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra 5. Campo Gavítico ómalo elação ete o potecial gavítico e o potecial omal é dada po: W ( x, y, z = U( x, y,z + ( x, y,z O campo gavítico aómalo ou petubado é etão defiido pela difeeça do campo gavítico

Leia mais

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO CURSO: Física DISCIPLINA: Ifomática paa o Esio de Física CONTEUDISTA: Calos Eduado Aguia AULA 4 TÍTULO:

Leia mais

Problemas de Valor de Contorno para Equações Diferenciais Ordinárias

Problemas de Valor de Contorno para Equações Diferenciais Ordinárias EQE-358 MÉTODOS NUMÉICOS EM ENGENHI QUÍMIC OFS. EVISTO E GIMIO Caítlo 9 oblema de Valo de Cotoo aa Eqaçõe Dfeea Odáa Codee o eemlo ltatvo da dfão-eação em ma atíla atalíta eféa e ooa: Balaço de maa: etado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS Luiz Facisco da Cuz Depatameto de Matemática Uesp/Bauu CAPÍTULO ESPAÇOS VETORIAIS 1 Históico Sabe-se que, até pelo meos o fial do século XIX, ão havia ehuma teoia ou cojuto de egas bem defiidas a que se

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

Material Teórico - Módulo Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Mateial Teóico - Módulo Elemento áico de Geometia Plana - Pate 1 Conceito Geomético áico itavo no Pof. Ulie Lima Paente 1 Conceito pimitivo ideia de ponto, eta e plano apaecem natualmente quando obevamo

Leia mais

Esquemas simétricos de cifra

Esquemas simétricos de cifra Esquemas siméticos de cifa Notas paa a UC de Seguaça Ifomática Iveo de 12/13 Pedo Félix (pedofelix em cc.isel.ipl.pt) Istituto Supeio de Egehaia de Lisboa Sumáio Pimitivas de cifa em bloco Pimitivas iteadas

Leia mais

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.)

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.) EOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Egehaia Témica e Fluidos Foma Itegal das Equações Básicas paa Volume de Cotole (cot.) Teoema do Taspote de Reyolds: elação geal ete a taxa de vaiação de qq. popiedade

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida. 8 ENSINO FUNMENTL 8-º ano Matemática tividade complementae Ete mateial é um complemento da oba Matemática 8 Paa Vive Junto. Repodução pemitida omente paa uo ecola. Venda poibida. Samuel aal apítulo 6 Ete

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

Critérios para a tomada de decisão em obras rodoviárias sustentáveis

Critérios para a tomada de decisão em obras rodoviárias sustentáveis Citéios paa a tomada de decisão em obas odoviáias sustetáveis Citeia fo decisio makig i sustaiable oad woks Feado Silva Albuqueque Washito Pees Núñez Feado Silva Albuqueque Ceto de Ciêcias Exatas e Tecologia,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO 2011-2012 Geometia no Epaço NOME: Nº TURMA: Geometia é o amo da Matemática que etuda a popiedade e a elaçõe ente ponto, ecta,

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A. Tarefa nº 7 do plano de trabalho nº 1

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A. Tarefa nº 7 do plano de trabalho nº 1 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A Taefa º 7 do plao de tabalho º. Comece po esolve o execício 3 da págia 0.. Muitas das geealizações feitas as divesas ciêcias,

Leia mais

06/02/2017. Teste de Hipóteses. Principais Conceitos. Teste de Hipóteses. Tipos de Erros. Tipos de Testes. Bioestatística

06/02/2017. Teste de Hipóteses. Principais Conceitos. Teste de Hipóteses. Tipos de Erros. Tipos de Testes. Bioestatística 6/2/217 Uiveridade Etadual do Oete do Paraá - Uioete Tete de Hipótee Curo de Medicia/Nutrição Bioetatítica Profeora Tete de Hipótee (TH) é uma ferrameta etatítica que também é utilizado para fazer iferêcia

Leia mais

Rentabilidade e Concentração do Setor Bancário Brasileiro no Período

Rentabilidade e Concentração do Setor Bancário Brasileiro no Período 1 Retabilidade e Cocetação do Seto Bacáio Basileio o Peíodo 2002-2009 Camilo aueto José uis Oeio RESUMO: O pocesso de eestutuação bacáia iiciado a metade dos aos 1990 com os pogamas popostos pelo Goveo

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES CÓDIGOFO 7.5./0 REVISÃO 0 PÁGINA de CONCURSO DOCENTES EFETIVOS DO COLÉGIO PEDRO II DATA//0 CARGO/ARÉA MATEMÁTICÁ CONTEÚDO PROGRAMÁTICOSISTEMAS LINEARES/ VETORES NO R /GEOMETRIA ANALÍTICA EMR. NÍVEL DE

Leia mais

Óptica de cristais. Óptica de cristais. 14.1 Propagação de luz em meios anisotrópicos. r t r. χ χ. S. C. Zilio Óptica Moderna Fundamentos e Aplicações

Óptica de cristais. Óptica de cristais. 14.1 Propagação de luz em meios anisotrópicos. r t r. χ χ. S. C. Zilio Óptica Moderna Fundamentos e Aplicações Óptica de citai 69 Óptica de citai 4 4. Popagação de lu em meio aiotópico A aplicação de um campo elético em meio iotópico idu uma polaiação que é paalela ao campo aplicado e popocioal à ucetibilidade

Leia mais

Descontos desconto racional e desconto comercial

Descontos desconto racional e desconto comercial Descontos desconto acional e desconto comecial Uma opeação financeia ente dois agentes econômicos é nomalmente documentada po um título de cédito comecial, devendo esse título conte todos os elementos

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

7. Vibrações Cristalinas

7. Vibrações Cristalinas 7 Vibaçõ Citalia 7 - Falha do odlo d Ío Etático No último capítlo, vimo q a idia d tta citalia como m cojto d ío ocpado poiçõ gla tática o paço (modlo d ío tático foi capaz d xplica diva obvaçõ xpimtai,

Leia mais

Conteúdos Exame Final e Avaliação Especial 2016

Conteúdos Exame Final e Avaliação Especial 2016 Componente Cuicula: Matemática Séie/Ano: 8º ANO Tuma: 18B, 18C e 18D Pofeoa: Liiane Mulick Betoluci Conteúdo Eame Final e Avaliação Epecial 16 1. Geometia. Monômio e Polinômio 3. Fatoação Algébica 4. Façõe

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Matemática A 1º Ao de Escolaridade Prova 65/Época Especial 1 Págias Dração da Prova: 150 mitos Tolerâcia: 0 mitos

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Propriedades de Sistemas Tipados. Análise Semântica e checagem de tipos

Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Propriedades de Sistemas Tipados. Análise Semântica e checagem de tipos Compiladoe Veificação de tipo Supote ao untime Análie Semântica e checagem de tipo Intodução: o que ão tipo, paa que evem...? Repeentação de tipo Exemplo de veificação de tipo: Uma linguagem imple Declaaçõe,

Leia mais

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados Demostações Geométicas, Algébicas e Solução de Equações Discetas utilizado as Sequêcias de Númeos Figuados José Atoio Salvado Depatameto de Matemática - CCET - Uivesidade Fedeal de São Calos 3565-905,

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Somas de elementos em Linhas, Colunas e Diagonais do Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M.

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Somas de elementos em Linhas, Colunas e Diagonais do Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M. Módulo: Bômo de Newto e o Tâgulo de Pascal Somas de elemetos em Lhas, Coluas e Dagoas do Tâgulo de Pascal ao do EM Módulo: Bômo de Newto e o Tâgulo de Pascal Somas de elemetos em Lhas, Coluas e Dagoas

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 08/03/14 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 08/03/14 PROFESSOR: MALTEZ RSOLUÇÃO VLIÇÃO MTMÁTI o NO O NSINO MÉIO T: 08/03/14 PROFSSOR: MLTZ QUSTÃO 01 Na figua, a eta e ão pependiculae e a eta m e n ão paalela. m 0º n ntão a medida do ângulo, em gau, é igual a: 0º m alteno

Leia mais

Revisão Vetores em R n

Revisão Vetores em R n Revisão Vetoes em R Deiição O espaço vetoial R é o cojuto R : {( x1,, x) xi R, i 1,, } o qual deiimos as opeações: a) Se u ( x 1,, x ) e v ( y 1,, y ) estão em R temos que u + v ( x1 + y1,, x + y) ; b)

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

Geometria de Posição. Continuação. Prof. Jarbas

Geometria de Posição. Continuação. Prof. Jarbas Geometia de Poição Continuação Pof. Jaba POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE DUAS RETAS NO ESPAÇO O que ão eta coplanae? São eta contida num memo plano. O que ão eta evea? São eta que não etão contida num memo plano.

Leia mais

Exemplos de I.C. (1 ) 100% para a mådia (e para diferença entre mådias)

Exemplos de I.C. (1 ) 100% para a mådia (e para diferença entre mådias) Exemplo de I.C. ( )% para a mådia (e para difereça etre mådia) Exemplo : Tete de compreão foram aplicado em dua marca de cimeto para avaliar a reitêcia em cocreto. Foram produzido 5 corpo de prova de cada

Leia mais

Algoritmia e Programação APROG. Modularidade. Algoritmia e Java. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/29

Algoritmia e Programação APROG. Modularidade. Algoritmia e Java. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/29 APROG Algotma e Pogamação Moduladade Algotma e Java Nelo Fee (ISEP DEI-APROG 01/1) 1/9 Moduladade Sumáo Itodução Noção de Moduladade Eecução de Pogama Modula Motvaçõe paa Ua Foma de Comucação ete Módulo

Leia mais

Amostragem Casual Simples. Professor Gilson Fernandes da Silva Departamento de Engenharia Florestal Centro de Ciências Agrárias CCA/UFES

Amostragem Casual Simples. Professor Gilson Fernandes da Silva Departamento de Engenharia Florestal Centro de Ciências Agrárias CCA/UFES Amotragem Caual Simple Profeor Gilo Ferade da Silva Departameto de Egeharia Floretal Cetro de Ciêcia Agrária CCA/UFES 1 Itrodução Coforme apreetado o capítulo aterior, o método de ivetário podem er probabilítico

Leia mais

ESCOAMENTO DE FLUIDO VISCOELÁSTICO EM UMA GEOMETRIA COM CONTRAÇÃO

ESCOAMENTO DE FLUIDO VISCOELÁSTICO EM UMA GEOMETRIA COM CONTRAÇÃO Depatamento de Engenhaia Mecânica ESCOAMETO DE FLUIDO VISCOELÁSTICO EM UMA GEOMETRIA COM COTRAÇÃO Alno: Leonado Eckhadt Machado Oientado: Mônica Feijó accache Intodção Motiação ete tabalho é analiado o

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

é a variação no custo total dada a variação na quantidade

é a variação no custo total dada a variação na quantidade TP043 Micoeconomia 21/10/2009 AULA 15 Bibliogafia: PINDYCK - CAPÍTULO 7 Custos fixos e vaiáveis: Custos fixos não dependem do nível de podução, enquanto que custos vaiáveis dependem do nível de podução.

Leia mais

Desempenho dos Bancos Comerciais e Múltiplos de Grande Porte no Brasil. Resumo

Desempenho dos Bancos Comerciais e Múltiplos de Grande Porte no Brasil. Resumo Desempeho dos Bacos Comerciais e Múltiplos de Grade Porte o Brasil. Resumo Os Bacos Comerciais e Múltiplos têm fuções de grade importâcia o desevolvimeto ecoômico de um pais. Auxiliam idiretamete o Baco

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA Vanea Silva RESENDE Eduado Yohio NAKANO RESUMO: O modelo tadicional de análie conunta upõe que a nota atibuída eguem uma ditibuição Nomal.

Leia mais

Soluções Composição qualitativa

Soluções Composição qualitativa Soluções oposição qualitativa As soluções são istuas de difeetes substâcias. Ua solução te dois tipos de copoetes: o solvete a substâcia ode se dissolve o soluto e os solutos as substâcias que se dissolve.

Leia mais

Seção 8: EDO s de 2 a ordem redutíveis à 1 a ordem

Seção 8: EDO s de 2 a ordem redutíveis à 1 a ordem Seção 8: EDO s de a odem edutíveis à a odem Caso : Equações Autônomas Definição Uma EDO s de a odem é dita autônoma se não envolve explicitamente a vaiável independente, isto é, se fo da foma F y, y, y

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/004, de de Março Prova Escrita de Matemática A 1.º Ao de Escolaridade Prova 5/1.ª Fase 11 Págias Dração da Prova: 150 mitos. Tolerâcia: 0 mitos. 009

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

Unidade XI Análise de correlação e regressão

Unidade XI Análise de correlação e regressão Uvedade Fedeal do Ro Gade Iuo de Maemáca, Eaíca e Fíca Dcpla Pobabldade e Eaíca Aplcada à Egehaa CÓDIGO: Iodução Poceo de quema de maa ceâmca de pavmeo Udade XI Aále de coelação e egeão Vvae Lee Da de

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Física I. Oscilações - Resolução

Física I. Oscilações - Resolução Quetõe: Fíica I Ocilaçõe - Reolução Q1 - Será que a amplitude eacontantenafae de um ocilador, podem er determinada, e apena for epecificada a poição no intante =0? Explique. Q2 - Uma maa ligada a uma mola

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

CAPÍTULO 3 DEPENDÊNCIA LINEAR

CAPÍTULO 3 DEPENDÊNCIA LINEAR Luiz Fancisco da Cuz Depatamento de Matemática Unesp/Bauu CAPÍTULO 3 DEPENDÊNCIA LINEAR Combinação Linea 2 n Definição: Seja {,,..., } um conjunto com n etoes. Dizemos que um eto u é combinação linea desses

Leia mais

Movimento unidimensional com aceleração constante

Movimento unidimensional com aceleração constante Movimento unidimensional com aceleação constante Movimento Unifomemente Vaiado Pof. Luís C. Pena MOVIMENTO VARIADO Os movimentos que conhecemos da vida diáia não são unifomes. As velocidades dos móveis

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 12: - Itervalo de Cofiaça - Tete de Hipótee (webercampo@gmail.com) INTERVALO DE CONFIANÇA 1. INTERVALO DE CONFIANÇA PARA A MÉDIA O proceo de cotrução do itervalo de cofiaça

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A º Ao Dração: 9 mitos Maio/ 9 Nome Nº T: Classificação O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

2 Cargas Móveis, Linhas de Influência e Envoltórias de Esforços

2 Cargas Móveis, Linhas de Influência e Envoltórias de Esforços 2 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 21 Introdução Para o dimenionamento de qualquer etrutura é neceário conhecer o eforço máximo e mínimo que ela apreentará ao er ubmetida ao carregamento

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Dimensionamento de uma placa de oifício Henique Bum* Duante a seleção de assuntos paa elaboa atigos paa a EQ na Palma da Mão, me depaei com a data de anivesáio da minha fomatua. Fazendo um etospecto, ecodei

Leia mais

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte 5 Capítulo Capítulo Execícios e outas páticas sobe as aplicações da emodinâmica Química 1 a pate Só queo sabe do que pode da ceto Não tenho tempo a pede. (leta da música Go Back, cantada pelo gupo itãs.

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

Ambientes de Execução. Compiladores. Representação de tipos básicos. Questões Importantes. Representação de tipos estruturados

Ambientes de Execução. Compiladores. Representação de tipos básicos. Questões Importantes. Representação de tipos estruturados Ambiente de Execução Compiladoe Ambiente de execução Relaciona o código fonte com açõe a eem executada em tempo de execução Conjunto de otina (un-time uppot package) caegado junto com o código objeto geado

Leia mais

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Colégio de S. Goçalo - Amarate - F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Este método, sob determiadas codições, apreseta vatages sobre os método ateriores: é de covergêcia mais rápida e, para ecotrar as raízes, ão

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A º Ao Dração: 9 mitos Maio/ Nome Nº T: Classificação O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS NO CURSO TÉCNICO EM COMÉRCIO PROEJA DO IFMT CAMPUS CONFRESA 1

A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS NO CURSO TÉCNICO EM COMÉRCIO PROEJA DO IFMT CAMPUS CONFRESA 1 A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS NO CURSO TÉCNICO EM COMÉRCIO PROEJA DO IFMT CAMPUS CONFRESA 1 Maa Maia Duta; Thiago Beiigo Lopes; Macelo Fanco Leão Mesta em Ciências Ambientais; Meste

Leia mais

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1 DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1 Eika Cistina Peeia Guimaães; Univesidade Fedeal do Tocantins-email:eikacistina0694@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PROFMAT MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PROFMAT MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PROFMAT MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CRIANDO MENSAGENS SECRETAS NA ESCOLA BÁSICA UTILIZANDO A CRIPTOGRAFIA RSA

Leia mais

TRABAJO. Empresa o Entidad Daimon Engenharia e Sistemas Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA

TRABAJO. Empresa o Entidad Daimon Engenharia e Sistemas Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA Título Análise de Patida de Motoes de Indução em Redes de Distibuição Utilizando Cicuito Elético Equivalente Obtido po Algoitmo Evolutivo Nº de Registo (Resumen 134 Empesa o Entidad Daimon Engenhaia e

Leia mais

VOLUME ESPECÍFICO DE LNAPLs EM AQUÍFEROS: ALGORITMO E ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS

VOLUME ESPECÍFICO DE LNAPLs EM AQUÍFEROS: ALGORITMO E ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS VOLUME EPECÍFICO DE LNAPLs EM AQUÍFERO: ALGORITMO E ETIMATIVA DO PARÂMETRO.. Cota 1 e R. Kichheim 2 Resumo - Este tabalho baseia-se na implementação de um algoitmo paa estimativa de volumes específicos

Leia mais

Aluno(a): Professor: Chiquinho

Aluno(a): Professor: Chiquinho Aluo(a): Pofesso: Chquho Estatístca Básca É a cêca que tem po objetvo oeta a coleta, o esumo, a apesetação, a aálse e a tepetação de dados. População e amosta - População é um cojuto de sees com uma dada

Leia mais

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM QUESTÕES DE PROBABILIDADE.

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM QUESTÕES DE PROBABILIDADE. DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM QUESTÕES DE PROBABILIDADE. Iuy Feeia Gaspa Gaduando em Pedagogia, Univesidade Fedeal do Tocantins UFT, iuyfgaspa@gmail.com Andey Patick Monteio

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades. a) Indicando os montantes finais possuídos por Carlos, Luís e Sílvio por C, L e S, respectivamente, temos:

Seu pé direito nas melhores faculdades. a) Indicando os montantes finais possuídos por Carlos, Luís e Sílvio por C, L e S, respectivamente, temos: Seu pé dieio na melhoe faculdade. FUVEST/00 a Fae TEÁTI 0. alo, Luí e Sílvio inham, juno, 00 mil eai paa invei po um ano. alo ecolheu uma aplicação que endia ao ano. Luí, uma que endia 0% ao ano. Sílvio

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Welbe Teinamentos S/C LTDA Nome Fantasia: Micolins Data de fundação: 25/01/2002 Númeo de funcionáios:

Leia mais

Análise de Tensões em Placas Circulares Utilizando Elementos Finitos Axissimétricos

Análise de Tensões em Placas Circulares Utilizando Elementos Finitos Axissimétricos UIVERSIDADE FEDERA DE ITAJUBÁ ISTITUTO DE EGEHARIA MECÂICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA MECÂICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Aálise de Tesões em Placas Ciculaes Utiliado Elemetos Fiitos Aissiméticos

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Codificação de Fonte

Codificação de Fonte Sistemas de Comicações Capítlo Codificação de Fote A Codificação de Fote é o processo qe visa redzir o máximo possível a iformação reddate da Seqüêcia de Iformação em sa saída seqüêcia esta obtida a partir

Leia mais

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Lui Fancisco da Cu Depatamento de Matemática Unesp/Bauu CAPÍTULO VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Vetoes no plano O plano geomético, também chamado de R, simbolicamente escevemos: R RR {(,), e R}, é o conunto

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

Campo Magnético, Campo Eléctrico de Indução Devido ao Movimento e Binário da Máquina de Corrente Contínua

Campo Magnético, Campo Eléctrico de Indução Devido ao Movimento e Binário da Máquina de Corrente Contínua Campo Magnético, Campo Eléctico de Indução evido ao Movimento e Bináio da Máquina de Coente Contínua V. Maló Machado, I.S.T., Maio de 2008 A máquina de coente contínua, epeentada de foma etilizada na Fig.

Leia mais

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica.

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 25 6 a 2 Outubo de 2005 Cutba - Paaá GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO EM MERCADOS DE ENERGIA ELÉTRICA - GME EXTENSÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

Cinemática Direta. 4 o Engenharia de Controle e Automação FACIT / Prof. Maurílio J. Inácio

Cinemática Direta. 4 o Engenharia de Controle e Automação FACIT / Prof. Maurílio J. Inácio Cnemáta Deta 4 o Engenhaa de Contole e Automação FACI / 9 Pof. Mauílo J. Ináo Cnemáta Deta Cnemáta do manpulado Cnemáta é êna que tata o movmento em ondea a foça que o auam. Na nemáta ão etudado: poçõe,

Leia mais

Equivalências em modelos MOLP-DEA que fornecem bechmarks para unidades ineficientes o modelo MORO-D-R

Equivalências em modelos MOLP-DEA que fornecem bechmarks para unidades ineficientes o modelo MORO-D-R INGEPRO Iovação, Getão e Podução Maço de, vol., o. 3 ISSN 984-693 www.gepo.com.b Equvalêca em modelo MOLP-DEA que foecem bechmak paa udade efcete o modelo MORO-D-R Slvo Fgueedo Gome Júo (UFF) João Calo

Leia mais

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real.

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real. Resumo. O estudo das séries de termos reais, estudado as disciplias de Aálise Matemática da grade geeralidade dos cursos técicos de liceciatura, é aqui estedido ao corpo complexo, bem como ao caso em que

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva. Teste de MATEMÁTICA A 12º Ano. Duração: 90 minutos Março/ Nome Nº T:

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva. Teste de MATEMÁTICA A 12º Ano. Duração: 90 minutos Março/ Nome Nº T: Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A º Ao Dração: 9 mitos Março/ Nome Nº T: Classificação O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico O potencial elético Imagine dois objetos eletizados, com cagas de mesmo sinal, inicialmente afastados. Paa apoximá-los, é necessáia a ação de uma foça extena, capaz de vence a epulsão elética ente eles.

Leia mais

Árvores Digitais. Fonte de consulta: Szwarcfiter, J.; Markezon, L. Estruturas de Dados e seus Algoritmos, 3a. ed. LTC. Capítulo11

Árvores Digitais. Fonte de consulta: Szwarcfiter, J.; Markezon, L. Estruturas de Dados e seus Algoritmos, 3a. ed. LTC. Capítulo11 Ávoes Digitais Fonte de consulta: Szwacfite, J.; Makezon, L. Estutuas de Dados e seus Algoitmos, 3a. ed. LTC. Capítulo Pemissas do que vimos até aqui } As chaves têm tamanho fixo } As chaves cabem em uma

Leia mais

Tabela A4.2. MIR obtido com simulação 1. Para 2 S 4, estimar os parâmetros associados a uma mistura de s componentes e avaliar rs = ms+

Tabela A4.2. MIR obtido com simulação 1. Para 2 S 4, estimar os parâmetros associados a uma mistura de s componentes e avaliar rs = ms+ Tabela A4.2. MIR obtido com imulação. Para 2 S 4, etimar o parâmetro aociado a uma mitura de compoete e avaliar r = m+ m r ecotra-e defiido o Apêdice 2); 2. para S=2, gerar 99 amotra paramétrica boottrap

Leia mais

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS VETORES GRANDEZAS VETORIAIS Gandezas físicas que não ficam totalmente deteminadas com um valo e uma unidade são denominadas gandezas vetoiais. As gandezas que ficam totalmente expessas po um valo e uma

Leia mais

Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Matemática

Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Matemática Uivesidade de Lisboa Facldade de Ciêcias Depatameto de Matemática A temática das Scessões os cíclos de Matemática Aa Magaida Caasco Coeia Tocão Dissetação Mestado em Matemática paa Pofessoes 0/ 0 (Não

Leia mais

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca Validação do método de dimeioameto do úmero médio ideal de emete por aca Quitiliao Siqueira Schrode Nomelii 1, Dayae Alve Cota 1, Luca Floretio Silva 1, Alie Sato Ferreira 1, Jaer Moura Pereira 2, Nádia

Leia mais

MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES APLICADOS NA ANÁLISE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES APLICADOS NA ANÁLISE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES APLICADOS NA ANÁLISE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Robet Schiaveto de Souza e Fazal Hussai Chaudhy Resumo - Este tabalho ealiza uma compaação ete os métodos

Leia mais

GEOMETRIA. Noções básicas de Geometria que deves reter:

GEOMETRIA. Noções básicas de Geometria que deves reter: Noçõe báica de Geometia que deve ete: nte de iniciae qualque tabalho geomético, deve conhece o conjunto de intumento que deveá te empe: lgun cuidado a te: 1 Mante égua e equado limpo. 2 Não ua x-acto ou

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA ESTIMAÇÃO DO CONJUGADO ELETROMAGNÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO

ESTRATÉGIA PARA ESTIMAÇÃO DO CONJUGADO ELETROMAGNÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO Univeidade Fedeal da Paaíba Cento de Tecnoloia PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - Metado - Doutoado ESTRATÉGIA PARA ESTIMAÇÃO DO CONJUGADO ELETROMAGNÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO Po Alexande

Leia mais