TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG"

Transcrição

1

2 TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA área restrita vários sistemas experiência individual pequena

3 TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA Nº de lesões Mortalidade Guerra de Secessão (EUA) % Guerra Espanhola Americana Primeira Guerra Mundial % 11% Segunda Guerra Mundial 851 7% Prática Civil Atual 36% MATTOX, 2005

4 TRAUMA CERVICAL MECANISMO DE TRAUMA

5 TRAUMA CERVICAL MECANISMO DE TRAUMA

6 TRAUMA CERVICAL MECANISMO DE TRAUMA FECHADO Laringe Coluna cervical Fraturas hipofaringe/esôfago PENETRANTE platisma Zonas cervicais

7 TRAUMA CERVICAL ZONAS CERVICAIS

8 TRAUMA CERVICAL ZONAS CERVICAIS Estruturas vitais Compartimentos estanques Fáscias limitam sangramento Comprometem via aérea ROON & CHRISTIANSEN,1979

9 TRAUMA CERVICAL ZONAS CERVICAIS Associação com lesão torácica Lesão mediastinal Investigação Agressiva Acesso combinado ROON & CHRISTIANSEN,1979

10 TRAUMA CERVICAL ZONAS CERVICAIS Região cervical propriamente dita Adequada exposição ROON & CHRISTIANSEN,1979

11 TRAUMA CERVICAL ZONAS CERVICAIS Dificuldade de abordagem arteriografia (carótida interna) aparelho respiratório e digestório estudo pouco útil ROON & CHRISTIANSEN,1979

12 TRAUMA CERVICAL ATENDIMENTO INICIAL ATLS A B C D E

13 TRAUMA CERVICAL Avaliação Secundaria DISFONIA ODINOFAGIA HEMATOMA EM EXPANSÃO DISFAGIA SAÍDA DE AR PELO ORIFÍCIO INSTABILIDADE HEMODINÂMICA SAÍDA DE SALIVA PELO ORIFÍCIO ENFISEMA HEMORRAGIA HEMOPTISE ESTRIDOR CERVICOTOMIA DÉFICIT NEUROLÓGICO TRAUMÁTICA

14 TRAUMA CERVICAL Exames Complementares DOENTES ESTÁVEIS CARÁTER DIAGNÓSTICO INFORMAÇÕES ADICIONAIS RX SIMPLES ESOFAGOGRAMA BARITADO BRONCOSCOPIA ESOFAGOSCOPIA (RÍGIDA/FLEX GIDA/FLEXÍVEL) TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CENTRO COM RECURSOS ARTERIOGRAFIA / USG DOPPLER AngioTC/RNM

15 TRAUMA CERVICAL RX

16 TRAUMA CERVICAL Endoscopia

17 TRAUMA CERVICAL Tomografia

18 TRAUMA CERVICAL Angiografia

19 TRAUMA CERVICAL Condutas Cervicotomia Mandatória Ferimento Penetrante = Cervicotomia Até 89 % Centro sem recursos Cervicotomia Seletiva Sintomáticos = Cervicotomia Custo Lesões desapercebidas Recursos

20 TRAUMA CERVICAL CONDUTA GERAL OPERAÇÃO IMEDIATA 12% RISCO DE MORTE insuficiência respiratória ou hemorragia OPERAÇÃO SELETIVA 21% BASEADA EM EXAMES lesões do Tratamento Aerodigestório Alto ou vasculares TRATAMENTO NÃO OPERATÓRIO 66% baseado em exames e observação clínica Gonçalves, 1993

21 TRAUMA CERVICAL Serviço de Emergência Sta Casa de SP DOENTES 13 ex. clínico positivo ( cirurgia imediata) 51 ex. clínico negativo ( 7 ex. compl. positivos) 1 Lesão de esôfago não diagnosticada ( abscesso) Tratamento cirúrgico 21 pacientes ( 33%) Tratamento não operatório 43 pacientes (67%) SPT, 1998

22 TRAUMA CERVICAL Tratamento LESÕES VASCULARES arteriais menores ligadura carótida interna reparo carótida externa reparo / ligadura carótida comum reparo Jugular interna reparo / ligadura demais ligadura Ducto torácico ligadura

23 TRAUMA CERVICAL Tratamento TRATO AERODIGESTÓRIO Boca operar / observar Orofaringe / rinofaringe observar Hipofaringe / esôfago operar (SNE) Laringe reparo + traqueostomia Traquéia reparo + traqueostomia (ferimento) Tireóide sutura hemostática / ressecção

24 FERIMENTOS CERVICAIS PENETRANTES ORIENTAÇÃO DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA COM BASE NA AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL Grupo Orientação A Exploração de princípio nº % B Conduta seletiva nº % Exploração cirúrgica imediata Exames + cirurgia Exames + observação Só observação ,9 21,2 50,6 15,3 TOTAL ,0 Fonte : Gonçalves, 1993

25 FERIMENTOS CERVICAIS PENETRANTES ANÁLISE DO GRUPO B ORIENTAÇÃO TERAPÊUTICA E RESULTADOS Variáveis Orientação Casos Nº % Óbitos Nº % Complicações Nº % Cervicotomia Nº % Operações imediata ,3 Exames x Cirurgia ,7 7 8,2 2 2,3 Exames X Obsevação ,7 7 8,2 Só Observação TOTAL , ,2 2 2,3 Fonte : Gonçalves, 1993

26 FERIMENTOS CERVICAIS PENETRANTES ÓBITOS 1981 / 1992 Grupo Causa A Operação de princípio nº % B Conduta seletiva nº % Total nº % Trauma Raquimedular Trauma crânioencefálico Infecção e Insuficiência Múltiplos Órgãos e Sistemas Hemorragia Indeterminado ,3 1,7 1,7 3, ,8 1,2 1,2 1, ,9 1,4 1,4 1,4 0,6 Total Óbitos Total Casos , , ,7 100 Fonte : Gonçalves, 1993

27 TRAUMA CERVICAL ALGORITMO TRAUMA CERVICAL PENETRANTE EXAME FÍSICO + HEMORRAGIA OBSTRUÇÃO DE VIA AÉREA HEMATOMA EM EXPANSÃO ENFISEMA SUBCUTÂNEO PROGRESSIVO EXAMES COMPLEMENTARES Broncoscopia Endoscopia Rx Arteriografia Tomografia ZONA II ZONA I e III + CIRURGIA CIRURGIA ARTERIOGRAFIA + l TRATAMENTO CONSERVADOR

28 TRAUMA CERVICAL RESUMO ABCDE Operação imediata e não de princípio Conduta seletiva é a regra Sistematização diagnóstica Restaurar as artérias Reparar precoce: faringe, esôfago, laringe e traquéia Grave se lesar medula Não operar: A MAIORIA DOS CASOS Rinofaringe / Orofaringe Parede Posterior Laringe pequenos hematomas Medula e Cérebro

29 Antonio José Gonçalves

Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing (avaliação manutenção resp e mecânica resp) C circulation D disability (avaliação esta

Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing (avaliação manutenção resp e mecânica resp) C circulation D disability (avaliação esta Trauma torácico Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU TRAQUEOTOMIA Profa Livre Docente Regina H. Garcia Martins DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU Unesp TRAQUEOTOMIA X TRAQUEOSTOMIA INDICAÇÕES DE TRAQUEOTOMIA DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

Leia mais

Presença de necrose e presença de pus

Presença de necrose e presença de pus Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS Situação-Problema 1 A) Aneurisma de aorta abdominal Aneurisma de aorta Dilatação aneurismática da aorta

Leia mais

Traumatismo do Tórax. Prof. Dr. Sergio Marrone Ribeiro

Traumatismo do Tórax. Prof. Dr. Sergio Marrone Ribeiro Traumatismo do Tórax Prof. Dr. Sergio Marrone Ribeiro Traumatismo do Tórax Penetrante Não Penetrante (Fechado) Causas Iatrogênicas Costelas São freqüentes as fraturas de costelas, simples ou múltiplas.

Leia mais

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR 1. Trauma: Considerações Iniciais O Traumatizado Prioritário Funções Vitais Comprometidas; Lesões Orgânicas;

Leia mais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais Trauma de tórax VII Encontro de Enfermagem em Emergência São José do Rio Preto Trauma de TóraxT Lesões torácicas estão entre as 04 principais causas de morte nos traumatizados Nos EUA estima-se que ocorram

Leia mais

Conseqüências da Lesão

Conseqüências da Lesão Trauma de Tórax O trauma torácico é responsável por 20% dos óbitos por traumatismos nos EUA. A toracotomia é realizada em menos de 10% dos traumas fechados e de 15 a 30% nos traumas abertos. Revisão de

Leia mais

DIVERTÍCULO DE ZENKER. R1 Jean Versari - HAC

DIVERTÍCULO DE ZENKER. R1 Jean Versari - HAC DIVERTÍCULO DE ZENKER R1 Jean Versari - HAC Divertículo de Zenker Evaginação da mucosa e submucosa do esôfago posterior por área de fraqueza entre as partes tireofaríngea e cricofarínega do músculo constritor

Leia mais

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas Anatomia Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Sistema Nervoso Central (SNC) Cérebro Medula espinhal Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos Cranianos Nervos Espinhais Fisiologia

Leia mais

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame DISFONIA Justificativa Tipos N máximo de Videolaringoscopia: é um exame Disfonias Funcionais: São alterações realizado com anestesia tópica e permite uma detalhada avaliação da estrutura anatômica da hipofaringe

Leia mais

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Dr. José Jukemura Assistente Doutor da Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo FMUSP Classificação WHO 2004 TEBD-PB

Leia mais

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Salomón S. O. Rojas, Januário M. de Souza, Viviane C. Veiga, Marcos F. Berlinck, Reinaldo W. Vieira, Domingo M.

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma INTRODUÇÃO Elevado número de mortes anuais Óbitos antes do atendimento hospitalar Vítimas de TCE apresentam invalidez O atendimento

Leia mais

Trauma Urogenital Proteus 2016

Trauma Urogenital Proteus 2016 Trauma Urogenital Proteus 2016 Fernando Ferreira Gomes Filho Medico do Departamento de Urologia - Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia Trauma Renal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES Maria Gabriela Guimarães / Jobert Mitson 2012 OBJETIVOS Jobert Mitson

Leia mais

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP Colégio Brasileiro de Cirurgiões Capítulo de São Paulo COLECISTITE AGUDA Tercio De Campos TCBC-SP São Paulo, 28 de julho de 2007 Importância 10-20% população c/ litíase vesicular 15% sintomáticos 500.000-700.000

Leia mais

Diretriz Assistencial. Ataque Isquêmico Transitório

Diretriz Assistencial. Ataque Isquêmico Transitório Diretriz Assistencial Ataque Isquêmico Transitório Versão eletrônica atualizada em Março- 2010 Introdução: O ataque isquêmico transitório (AIT) é definido como um episódio transitório de disfunção neurológica

Leia mais

Diagnóstico é discernir pelo conhecimento.

Diagnóstico é discernir pelo conhecimento. Leticia Pedroso Hipócrates foi o primeiro a usar a palavra diagnóstico, que significa discernimento, formada do prefixo dia, através de, em meio de + gnosis = conhecimento. Diagnóstico é discernir pelo

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Situação-Problema 1 A) Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar maciço TEP TEP maciço

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR Situação-Problema 1 A) Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar maciço B) Angiotomografia

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA SISTEMA CARDIOVASCULAR Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA: OBJETIVOS GERAIS ESCLARECIMENTO DO

Leia mais

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem Avaliação inicial do traumatizado SANTA CASA DE SÃO PAULO Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos. Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia Assepsia Microorganismos Contaminação Presença de microorganismos

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005 Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005 O Secretário de Atenção à Saúde Substituto, no uso de suas atribuições, e Considerando a Portaria GM/MS nº 1.161,

Leia mais

Broncoscopia. Certificado pela Joint Commission International. Padrão Internacional de qualidade em atendimento médico e hospitalar.

Broncoscopia. Certificado pela Joint Commission International. Padrão Internacional de qualidade em atendimento médico e hospitalar. Broncoscopia Certificado pela Joint Commission International Padrão Internacional de qualidade em atendimento médico e hospitalar. Centro de Endoscopia 11 3549 1428 Agendamento de Exames 11 3549 1000 O

Leia mais

O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados

O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados Trauma de tórax O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados ao avanço tecnológico, como meio de transportes

Leia mais

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Cirurgia Geral e Cirurgia Geral Programa Avançado. O Presidente da Comissão Nacional de Residência

Leia mais

TRAUMATISMOS ABDOMINAIS. Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas)

TRAUMATISMOS ABDOMINAIS. Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas) TRAUMATISMOS ABDOMINAIS Trauma Abdominal Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas) Trauma Aberto Penetrante com acesso

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUI-MEDULAR TRM TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TRM Traumatismo Raqui Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou permanente

Leia mais

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1 ATENDIMENTO A PCR Prof. Fernando Ramos -Msc 1 HISTÓRICO Primeira reanimação - bíblia Trotar sobre um cavalo com a vítima debruçada sobre este, rolar a vítima sobre um barril 1899 - Prevost e Batelli introduziram

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

CLAN 2000 XXIX Congresso Latino-Americano de Neurocirurgia. 11 a 16 de junho/ 2000 Centro de Convenções Fortaleza - Ceará - Brasil

CLAN 2000 XXIX Congresso Latino-Americano de Neurocirurgia. 11 a 16 de junho/ 2000 Centro de Convenções Fortaleza - Ceará - Brasil CLAN 2000 XXIX Congresso Latino-Americano de Neurocirurgia 11 a 16 de junho/ 2000 Centro de Convenções Fortaleza - Ceará - Brasil Drenagem dos hematomas intracerebrais por fibrinólise Dr. Kunio Suzuki

Leia mais

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Prof André Montillo Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Alta Energia Fraturas: Instabilidade:

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização. Emergência e Primeiros Socorros Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais M.V. Guilherme Sposito Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia

Leia mais

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA Principal função do ESÔFAGO : conduzir o alimento da faringe para o estômago, peristaltismo primário e secundário Peristaltismo Primário: continuação da

Leia mais

CORPOS ESTRANHOS ESOFÁGICO: NOSSA EXPERIÊNCIA EM 5 ANOS NO HOSPITAL CENTRAL DA BEIRA. Dr. Pedro R. Machava Otorrinolaringologista HCB

CORPOS ESTRANHOS ESOFÁGICO: NOSSA EXPERIÊNCIA EM 5 ANOS NO HOSPITAL CENTRAL DA BEIRA. Dr. Pedro R. Machava Otorrinolaringologista HCB CORPOS ESTRANHOS ESOFÁGICO: NOSSA EXPERIÊNCIA EM 5 ANOS NO HOSPITAL CENTRAL DA BEIRA Dr. Pedro R. Machava Otorrinolaringologista HCB OBJECTIVO GERAL Descrever o comportamento de corpos estranhos esofágica

Leia mais

TRAUMA DE LARINGE. Artigo Original Trauma de Laringe LARYNGEAL TRAUMA INTRODUÇÃO MÉTODO

TRAUMA DE LARINGE. Artigo Original Trauma de Laringe LARYNGEAL TRAUMA INTRODUÇÃO MÉTODO Artigo Original ISSN 0100-6991 Rev. Col. Bras. Cir. TRAUMA DE LARINGE LARYNGEAL TRAUMA Gustavo Pereira Fraga, TCBC-SP 1 ; Mario Mantovani, TCBC-SP 2 ; Elcio Shiyoiti Hirano, ACBC-SP 3 ; Agrício Nubiato

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta?

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Profa Dra Eliana Marisa Ganem CET/SBA do Depto. de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP BNP - 50.233 lesão neurológica - 12

Leia mais

N.º INSCRIÇÃO: CONCURSO PÚBLICO EDITAL HCRP N.º 45/2015 AGENTE TÉCNICO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (FONOAUDIÓLOGO)

N.º INSCRIÇÃO: CONCURSO PÚBLICO EDITAL HCRP N.º 45/2015 AGENTE TÉCNICO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (FONOAUDIÓLOGO) CONCURSO PÚBLICO EDITAL HCRP N.º 45/2015 AGENTE TÉCNICO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (FONOAUDIÓLOGO) DISTURBIOS DA DEGLUTIÇÃO E DA COMUNICAÇÃO EM ADULTOS E IDOSOS PROVA OBJETIVA / DISSERTATIVA ATENÇÃO: Antes

Leia mais

FERIMENTOS CERVICAIS: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 191 CASOS

FERIMENTOS CERVICAIS: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 191 CASOS Bahten Artigo et Original al. Vol. 30 - Nº 5: 374-381, Set. / Out. 2003 FERIMENTOS CERVICAIS: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 191 CASOS NECK INJURIES: RETROSPECTIVE ANALYSIS OF 191 Luiz Carlos Von Bahten, TCBC-PR

Leia mais

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Hospital São Lucas SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA José Antônio de Figueiredo Pinto DEFINIÇÃO Lesão arredondada, menor que 3.0 cm

Leia mais

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann Urgência e emergência na atenção primária Enfª Karin Bienemann ATENDIMENTO INICIAL À VÍTIMA CRÍTICA PANORAMA ATUAL: Como andam as Urgências? AS URGÊNCIAS NO PAÍS Distribuição inadequada da oferta de serviços

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

(modelo n o 2). com a identificação de suas diferentes porções. Figura 2 O stent totalmente expandido, em três diferentes tamanhos.

(modelo n o 2). com a identificação de suas diferentes porções. Figura 2 O stent totalmente expandido, em três diferentes tamanhos. Figura 1 Stent Braile (modelo n o 2). com a identificação de suas diferentes porções Figura 2 O stent totalmente expandido, em três diferentes tamanhos. Figura 3 Durante o exame diagnóstico, a realização

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC) Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC) Imagem 01. TC do encéfalo sem meio de contraste, cortes axiais Imagem 02. TC do encéfalo sem meio de contraste, reconstrução sagital Paciente masculino,

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

Paulo do Nascimento Junior

Paulo do Nascimento Junior Circulação Ex xtracorpórea Cirurgia de Aor rta Ascendente Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia da Facu uldade de Medicina de Botucatu, UNESP Curiosidades 1952 1ª ressecção de aneurisma

Leia mais

CIRURGIAS RESPIRATÓRIO CICATRIZAÇÃO RESPIRATORIO CRIPTORQUIDECTOMIA

CIRURGIAS RESPIRATÓRIO CICATRIZAÇÃO RESPIRATORIO CRIPTORQUIDECTOMIA CIRURGIAS RESPIRATÓRIO CICATRIZAÇÃO RESPIRATORIO CRIPTORQUIDECTOMIA Prof. Esp. Walderson Zuza 1 CIRURGIA DO TRATO RESPIRATÓRIO EM EQUINOS 2 TRAQUEOSTOMIA Pode ser realizada de urgência ou eletiva. As situações

Leia mais

DSTC DEFINITIVE SURGICAL TRAUMA CARE COURSE CUIDADOS DEFINITIVOS NA CIRURGIA DE TRAUMA

DSTC DEFINITIVE SURGICAL TRAUMA CARE COURSE CUIDADOS DEFINITIVOS NA CIRURGIA DE TRAUMA DSTC DEFINITIVE SURGICAL TRAUMA CARE COURSE CUIDADOS DEFINITIVOS NA CIRURGIA DE TRAUMA Course Director Carlos Mesquita International Course Faculty Carlos Mesquita Sandro Rizoli Local Course Faculty Tércio

Leia mais

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II 0209030011 - HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA Nome: HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA 0209040017 - BRONCOSCOPIA (BRONCOFIBROSCOPIA) CBO: 223120 0301010170 - CONSULTA/AVALIAÇÃO

Leia mais

Curso Continuado de Cirurgia Geral

Curso Continuado de Cirurgia Geral Curso Continuado de Cirurgia Geral Aspectos Práticos de Cirurgia de Cabeça e Pescoço para o Cirurgião Geral 30/05/2015 TCBC Fábio Montenegro Afecções do Pescoço de Interesse ao Cirurgião Geral Avaliação

Leia mais

DRENAGEM DE TÓRAX. Prof. Gustavo Santos. Medicina 4º. Bloco

DRENAGEM DE TÓRAX. Prof. Gustavo Santos. Medicina 4º. Bloco DRENAGEM DE TÓRAX Prof. Gustavo Santos Medicina 4º. Bloco INTRODUÇÃO Espaço pleural: espaço virtual (3 a 15 ml) Pleura parietal espaço pleural pleura visceral Parietal: 1 camada célula: poros Visceral:

Leia mais

OFICIAIS DE SÁUDE DA PM DE MINAS GERAIS.

OFICIAIS DE SÁUDE DA PM DE MINAS GERAIS. OFICIAIS DE SÁUDE DA PM DE MINAS GERAIS 1 Como passar no Concurso para Oficiais de Sáude da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG)? Plano de Estudo / Manual da Aprovação Querida (o) Aluna (o), Hoje conversaremos

Leia mais

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO)

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) Medidas dos sinais vitais e nível de consciência Glasgow < FR < ou > 9 Escore de trauma pediátrico < 9 PAS 9 mmhg Escore de trauma revisado < Avaliação de lesões anatômicas

Leia mais

II Combined Meeting ABORL-CCF

II Combined Meeting ABORL-CCF Dia 02 de Junho HORÁRIOS SALA 01 - SALA 02 - SALA 03 - / MEDICINA DO 08:00 08:45 Neurolaringologia visão do especialista 08:00-09:15 Rinossinusite na Infância Do diagnóstico ao Tratamento Clínico e Cirúrgico

Leia mais

O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA

O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA PODE SER COPIADO COM A FINALIDADE DE ESTUDO NÃO PODE SER REPRODUZIDO PARA OUTRAS FINALIDADES DISCIPLINA

Leia mais

(PRECOCE-TARDIO ). *MEDIATO.

(PRECOCE-TARDIO ). *MEDIATO. PÓS-OPERATÓRIO PERÍODOS IMEDIATO. (PRECOCE-TARDIO ). *MEDIATO. PÓS-OPERATÓRIO COMPLICAÇÕES DO P.O. IMEDIATO S.C.V. : PRESSÃO,RITMO,FREQUÊNCIA. (anestesia,volemia,hipóxia ) S.R. : HIPÓXIA (anest.,volemia,mecânica).

Leia mais

Avaliação da utilização da tomografia computadorizada no trauma cervical penetrante. Evaluation of the use of tomography in penetrating neck trauma

Avaliação da utilização da tomografia computadorizada no trauma cervical penetrante. Evaluation of the use of tomography in penetrating neck trauma DOI: Avaliação 10.1590/0100-69912015004004 da utilização da tomografia computadorizada no trauma cervical penetrante 215 Avaliação da utilização da tomografia computadorizada no trauma cervical penetrante

Leia mais

PROVA PARA O PROGRAMA DE ECOGRAFIA VASCULAR COM DOPPLER DADOS DO CANDIDATO

PROVA PARA O PROGRAMA DE ECOGRAFIA VASCULAR COM DOPPLER DADOS DO CANDIDATO PROVA PARA O PROGRAMA DE ECOGRAFIA VASCULAR COM DOPPLER DADOS DO CANDIDATO NOME: INSCRIÇÃO: CADEIRA: COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA CEREM BAHIA Processo Seletivo Unificado de Residência Médica

Leia mais

VIDEO LAPAROSCOPIA NO TRAUMA ABDOMINAL PROF. DR FRANCISCO CESAR MARTINS RODRIGUES SERVIÇO DE EMERGÊNCIA FCM SANTA CASA SP

VIDEO LAPAROSCOPIA NO TRAUMA ABDOMINAL PROF. DR FRANCISCO CESAR MARTINS RODRIGUES SERVIÇO DE EMERGÊNCIA FCM SANTA CASA SP VIDEO LAPAROSCOPIA NO TRAUMA ABDOMINAL PROF. DR FRANCISCO CESAR MARTINS RODRIGUES SERVIÇO DE EMERGÊNCIA FCM SANTA CASA SP VÍDEO LAPAROSCOPIA NO TRAUMA DIAGNÓSTICO TERAPÊUTICA ORIENTAR TRATAMENTO VÍDEO

Leia mais

REVISÃO / REVIEW TRAUMA RENAL

REVISÃO / REVIEW TRAUMA RENAL REVISÃO / REVIEW TRAUMA RENAL 1 1 1 Flávio R. C. Grillo, André R. B. de Oliveira, Marcelo Miranda, 1 Ricardo Colombo, Joseph C. Dib Neto, Saul Gun ANÁLISE RETROSPECTIVA pacientes () foram vítimas de acidente

Leia mais

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE GEAMBERG MACÊDO ABRIL - 2006 INTRODUÇÃO Câncer de cabeça e pescoço : 6º lugar. 90% são

Leia mais

PROTOCOLO MANCHESTER. Paciente Recepcionado Identificado. Acolhido Classificado

PROTOCOLO MANCHESTER. Paciente Recepcionado Identificado. Acolhido Classificado Construção coletiva (revisão):, SMS, SAMU, UPA, PAM (12/02/2015) PROTOCOLO MANCHESTER Paciente Recepcionado Identificado Acolhido Classificado Emergência vermelho - IMEDIATO laranja (10 min) amarelo (60

Leia mais

CIRURGIA DO PÂNCREAS

CIRURGIA DO PÂNCREAS UNIFESP CIRURGIA DO PÂNCREAS PANCREATITE CRÔNICA Educação Continuada - 2007 Cirurgia Geral CBC-SP EJL PANCREATITE CRÔNICA Alterações pancreáticas parenquimatosas e ductais evolutivas e de caráter irreversível

Leia mais

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Doença carotídea Doença arterial periférica Isquemia aguda Estenose da artéria renal

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TCE Traumatismo Cranioencefálico Cerca de 50 %das mortes por trauma estão associadas com o trauma cranioencefálico (TCE). Os traumatismos

Leia mais

20/08 PRÉ CONGRESSO - MANHÃ

20/08 PRÉ CONGRESSO - MANHÃ 20/08 PRÉ CONGRESSO - MANHÃ 08:00 12:00 h CURSO 2 COMUNICAÇÃO CURSO 3 VENTILAÇÃO MECÂNICA CURSO 4 EMERGÊNCIA CURSO 1 PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM TERAPIA INTENSIVA Acesso venoso central: anatomia, escolha

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NO TRAUMA MÚSCULOESQUELÉTICO

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NO TRAUMA MÚSCULOESQUELÉTICO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NO TRAUMA MÚSCULOESQUELÉTICO Andréia Rodrigues 1, Raquel Colenci 2 1 Aluna do Curso Superior de Tecnologia de Radiologia, Faculdade de Tecnologia de Botucatu,SP, Brasil. email:alcw@ig.com.br

Leia mais

. Intervalo livre de sintomatologia até 12h (perda de consciência seguindo-se período de lucidez);

. Intervalo livre de sintomatologia até 12h (perda de consciência seguindo-se período de lucidez); Hematomas Cranianos Hematoma Epidural. Calote e dura Educação Doente/família. Associada # (artéria meningea média). Intervalo livre de sintomatologia até 12h (perda de consciência seguindo-se período de

Leia mais

Ingestão de corpo estranho

Ingestão de corpo estranho 1. INTRODUÇÃO A ingestão de corpo estranho é ocorrência comum de urgência. Geralmente a passagem e eliminação pelo trato digestivo ocorre espontaneamente sem a necessidade de intervenção. A morbidade grave

Leia mais

TRAQUEOTOMIA : INDICAÇÕES E TECNICA. Dr. Machava

TRAQUEOTOMIA : INDICAÇÕES E TECNICA. Dr. Machava TRAQUEOTOMIA : INDICAÇÕES E TECNICA Dr. Machava DEFINIÇÃO Consiste na realização de um orificio na parede anterior da tráquea para comunicar a sua luz com o exterior, atravéz duma incisão nos tecidos moles

Leia mais

Existem indicações para utilização do fixador occipi,0to-cervical em detrimento de outras técnicas de artrodese posterior?

Existem indicações para utilização do fixador occipi,0to-cervical em detrimento de outras técnicas de artrodese posterior? Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 09/2005 Tema: Fixador occipito-cervical - Cervifix I Data: 17/02/2005 II Grupo de Estudo: Dr. Adolfo Orsi Parenzi Dra. Silvana Márcia Bruschi Kelles Dra.

Leia mais

Guia prático para indicações de exames de TÓRAX

Guia prático para indicações de exames de TÓRAX Guia prático para indicações de exames de TÓRAX Guia prático para indicações de exames de TÓRAX O uso da tomografia computadorizada (TC) para avaliação da cavidade torácica revolucionou o diagnóstico e

Leia mais

Síndrome de Boerhaave: relato de caso

Síndrome de Boerhaave: relato de caso Revista de Medicina e Saúde de Brasília RELATO DE CASO : relato de caso Boerhaave syndrome: a case report Rodrigo Helou 1, Teófilo Alvarenga Netto 1, Ana Lívia Prado de Meneses Lopes 2, Gleim Dias de Souza

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE 2014 Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos Atualizado em 25 de fevereiro de 2014 RADIOSCOPIA DIAGNÓSTICA AMB HCO HSO RADIOSCOPIA PARA

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2010 CIRURGIA DA MÃO Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique se você recebeu um CADERNO DE QUESTÕES

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL).

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). Eu, abaixo assinado, autorizo o Dr....e/ou os seus assistentes a realizar uma PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (remoção

Leia mais

AVCI NA FASE AGUDA Tratamento clínico pós-trombólise. Antonio Cezar Ribeiro Galvão Hospital Nove de Julho

AVCI NA FASE AGUDA Tratamento clínico pós-trombólise. Antonio Cezar Ribeiro Galvão Hospital Nove de Julho AVCI NA FASE AGUDA Tratamento clínico pós-trombólise Antonio Cezar Ribeiro Galvão Hospital Nove de Julho AVCI: suporte clínico inicial Assegurar ventilação adequada (S/N: intubar + VM) Hidratação adequada

Leia mais

I FÓRUM DE CIRURGIA GERAL DO CFM ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA DIGESTIVA PRÉ-REQUISITOS, CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E DURAÇÃO DO PROGRAMA

I FÓRUM DE CIRURGIA GERAL DO CFM ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA DIGESTIVA PRÉ-REQUISITOS, CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E DURAÇÃO DO PROGRAMA I FÓRUM DE CIRURGIA GERAL DO CFM ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA DIGESTIVA PRÉ-REQUISITOS, CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E DURAÇÃO DO PROGRAMA QUAIS AS COMPETÊNCIAS DO CIRURGIÃO GERAL QUAIS AS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Total de processo analisados pela Câmara Técnica Nacional de Intercâmbio. Quantidade de Processos

Total de processo analisados pela Câmara Técnica Nacional de Intercâmbio. Quantidade de Processos Total de processo analisados pela Câmara Técnica Nacional de Intercâmbio Ano Quantidade de Processos 2008 373 2009 1.149 2010 1.828 Outros casos: Pulseira de identificação R$2,10 CD do vídeo do procedimento

Leia mais

Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP Ventilação Não Invasiva Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP Introdução Indicações Exacerbação da IRpA com ph 45mmHg e FR>25rpm Desconforto respiratório com uso da

Leia mais

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Câncer do Laringe Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Prof. Dr. Luiz Roberto de Oliveira - 2004 Revisão Anatômica Divisão

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito

Leia mais

SUMÁRIO A...4 C...4 D... 6 E... 6 G... 6 H...7 I...7 M...7 N... 8 O... 8 P... 8 Q... 9 R... 9 T... 9 U...10

SUMÁRIO A...4 C...4 D... 6 E... 6 G... 6 H...7 I...7 M...7 N... 8 O... 8 P... 8 Q... 9 R... 9 T... 9 U...10 GLOSSÁRIO CLIENTE INTRODUÇÃO Este glossário foi desenvolvido pela Unimed Vale do Sinos com o objetivo de aproximar o cliente e a comunidade da cooperativa, por meio de esclarecimentos de diversos conceitos

Leia mais

CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO

CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO DEFINIÇÃO Abertura cirúrgica da bexiga. Kystis = bexiga + tomia = incisão INDICAÇÕES: Cálculos principal indicação PRÉ-OPERATÓRIO: Suspeita ou diagnóstico Anamnese Avaliações

Leia mais

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Epidemiologia Mundo - 10 milhões/ano internações 3ª maior causa morte Homens > Mulheres (2:1) Jovens Causas: Acidente trânsito Quedas Agressões

Leia mais

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR - 2015 Introdução: Este documento foi elaborado de acordo com o auxilio de radiologistas que atuam nas diversas áreas de estudo da tomografia e

Leia mais

Fratura exposta DEFINIÇÃO. Rodrigo Salim Fernando Herrero

Fratura exposta DEFINIÇÃO. Rodrigo Salim Fernando Herrero Fratura exposta Rodrigo Salim Fernando Herrero n DEFINIÇÃO Fraturas expostas são as que apresentam comunicação com o meio externo por meio de uma lesão de partes moles ou com cavidades contaminadas, como

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira: história, 2 abrangência, princípios e missão

Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira: história, 2 abrangência, princípios e missão Conteúdo Programático - Geral 1 Marcos históricos na Saúde Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira: história, 2 abrangência, princípios e missão 3 Código de ética profissional 4 Bioética

Leia mais

1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, INDEFERIDOS

1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, INDEFERIDOS NÍVEL SUPERIOR Questões 1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, 100 - INDEFERIDOS QUESTÃO 1 Além de rara (1/35000

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Embolização nas Hemorragias Digestivas

Embolização nas Hemorragias Digestivas Embolização nas Hemorragias Digestivas Francisco Leonardo Galastri Cirurgião Endovascular e Radiologista Intervencionista Departamento de Radiologia Vascular Intervencionista do Hospital Israelita Albert

Leia mais