Índice de quadros. Capítulo 3 Quadro 1 Elenco de conectores contrastivos... 50

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de quadros. Capítulo 3 Quadro 1 Elenco de conectores contrastivos... 50"

Transcrição

1 Índice de quadros Capítulo 3 Quadro 1 Elenco de conectores contrastivos Quadro 2 Elenco de conectores concessivos na tradição gramatical e em outros estudos 51 Quadro 3 Conectores concessivos e valores semânticos.. 84 Capítulo 4 Quadro 2. Valores de MLUw nos corpora textuais de 4.º ano, 6.º ano, 9.º ano e adultos Quadro 2. Valores de TTR nos corpora textuais de 4.º ano, 6.º ano, 9.º ano e adultos. 137 Quadro 3. Valores de types nos corpora textuais de 4.º ano, 6.º ano, 9º ano e adultos. 137 Quadro 4. Elenco de conectores contrastivos, condicionais e causais Quadro 5. Caracterização do corpus de produção espontânea de Santos (2006) Quadro 6. Emergência de conectores no corpus de Santos (2006) Quadro 7. Conectores produzidos por T Quadro 8. Conectores produzidos por I Quadro 9. Conectores produzidos por IM Quadro 10. Proporções de conectores Quadro 11. Conectores contrastivos na fala das mães Quadro 12. Conectores contrastivos e condições no teste de compreensão oral de texto Quadro 13. Respostas certas no teste de compreensão oral de texto Quadro 14. Diferenças de crescimento Quadro 15. Conectores e condições no teste de produção induzida de frases Quadro 16. Resultados na turma de 4.º Ano Quadro 17. Resultados na turma de 6.º Ano Quadro 18. Resultados na turma de 9.º ano Quadro 19. Resultados do controlo com adultos escolarizados Quadro 20. Teste de produção induzida de frases Quadro 21. Elenco de conectores contrastivos, condicionais e causais 170 e

2 Quadro 22. Caracterização do corpus da produção de textos para diagnóstico Quadro 23. Type/Token Ratio na produção de textos para diagnóstico Quadro 24. Primeiras ocorrências de conectores adversativos Quadro 25. Primeiras ocorrências de conectores concessivos conjuncionais Quadro 26. Primeiras ocorrências de conectores concessivos adverbiais. 175 Quadro 27. Primeiras ocorrências de conectores condicionais. 176 Quadro 28. Primeiras ocorrências de conectores causais/explicativos. 176 Quadro 30. Escala de conectores mais precoces no corpus Quadro 31. Escala de frequência de conectores 185 Quadro 32. Elenco de conectores contrastivos Quadro 33. Caracterização do corpus da produção de textos da fase de intervenção didáctica Quadro 34. Type/Token Ratio na produção de textos da intervenção didáctica Quadro 35. Diferenças de produção de conectores conjuncionais adversativos Quadro 36. Diferenças de produção de conectores adverbiais adversativos. 194 Quadro 37. Diferenças de produção de conectores conjuncionais concessivos Quadro 38. Diferenças de produção de conectores adverbiais concessivos Capítulo 5 Quadro 1. Frequência de uso de because e de but (Diessel: 2004, 157) Quadro 2. Ocorrências totais de want e de maar (Evers-Vermeul: 2005, 209) Quadro 3. Frequência de uso de porque e de mas (Costa et al.: 2008, 135) Quadro 4. Produções totais de mas nos dados de T. no corpus Santos (2006) Quadro 5. Enunciados com mas no corpus Santos (2006) 225 Quadro 6. Contextos de ocorrência de mas no corpus Santos (2006) Quadro 7. Valores semânticos de mas no corpus Santos (2006) Quadro 8. Emergência de conectores no corpus de Santos (2006) Quadro 9. Proporções de conectores no corpus de Santos (2006) Quadro 10. Escala de conectores mais precoces na produção de texto Quadro 11. Escala de proporção de conectores na produção de texto f

3 Quadro 12. Totais de conectores contrastivos produzidos pelas mães no corpus Santos (1996) Quadro 13. Usos de conjuntivo em produções escritas de crianças entre os 9;3.13 e os 10; Quadro 14. Tipologia de erros de conjuntivo em produções de crianças entre os 9;3.13 e os 10; Quadro 15. Total de concessivas canónicas e desviantes no corpus de produção de texto Quadro 16. Concessivas de ainda que em produção induzida Capítulo 6 Quadro 3. Amostra 278 Quadro 2. Avaliação de conhecimento metalinguístico g

4 Índice de figuras Capítulo 2 Figura 1. Modelo de Hayes e Flower.. 12 Figura 2. Representação do modelo de «knowledge telling» (Scardamalia e Bereiter: 1987) Figura 3. Representação do processo de «knowledge transforming» (Scardamalia e Bereiter: 1987) Capítulo 4 Figura 1. Percentagens de respostas certas no Teste de Produção Induzida de Frases Figura 2. Gráfico de concessivas em frases complexas correctas. 167 Figura 3. Gráfico de concessivas canónicas em posição inicial e final. 168 Figura 4. Proporções de conectores adversativos Figura 5. Proporções de conectores concessivos Figura 6. Diferença de proporções de conectores concessivos nos textos de escritores menos experientes e nos textos de adultos Figura 7. Diferença de proporções de uso entre conjunções e advérbios com valor concessivo nos corpora de produção de texto Figura 8. Escala de frequência de uso de conectores concessivos Figura 9. Comparação de proporções de conectores adversativos e concessivos. 182 Figura 10. Proporções de conectores condicionais Figura 11. Proporções de conectores causais Figura 12. Proporções de conectores conjuncionais adversativos. 193 Figura 13. Proporções de conectores adverbiais adversativos Figura 14. Recurso a conectores adverbiais adversativos antes e após o ensino explícito 195 Figura 15. Recurso a conectores adverbiais adversativos nos textos das turmas A e B e nos textos da turma de controlo. 196 Figura 16. Proporções de conectores conjuncionais concessivos Figura 17. Proporções de conectores adverbiais concessivos Figura 18. Recurso a conectores conjuncionais concessivos antes e após o ensino explícito. 200 h

5 Figura 19. Recurso a conectores adverbiais concessivos antes e após o ensino explícito Figura 20. Recurso a conectores conjuncionais concessivos nos textos das turmas A e B e nos textos da turma de controlo. 201 Figura 21. Recurso a conectores adverbiais concessivos nos textos das turmas A e B e nos textos da turma de controlo. 201 Figura 22. Resultados da turma de controlo em item de compreensão. 203 Figura 23. Resultados das turmas de intervenção em item de compreensão. 203 Figura 24. Resultados da turma de controlo em item de classificação de adversativa Figura 25. Resultados das turmas de intervenção em item de classificação de adversativa Figura 26. Resultados da turma de controlo em item de classificação de concessiva Figura 27. Resultados das turmas de intervenção em item de classificação de concessiva Capítulo 5 Figura 1. Hipótese baseada na interacção entre «operação básica», «polaridade» e «ordem temporal» Figura 2. Proporções de conectores contrastivos factuais nas produções de adultos escolarizados Figura 3. Proporções de conectores concessivos Capítulo 6 Figura 1. Percentagens de respostas certas no Teste de Compreensão Oral de Texto Figura 2. Percentagens de respostas certas no Teste de Produção Induzida de Frases. 281 Figura 3. Frequência de ocorrência de conectores adversativos Figura 4. Frequência de ocorrência de conectores concessivos Figura 5. Produção média de conectores adversativos e concessivos no 9.º Ano. 284 Figura 6. Produção de conectores adversativos nos textos do 9.º Ano, antes e após a intervenção Figura 7. Produção de conectores adversativos nos textos do 9.º Ano, na turma de controlo Figura 8. Produção de conectores concessivos nos textos do 9.º Ano, antes e após a intervenção. 287 Figura 9. Produção de conectores adversativos nos textos do 9.º Ano, na turma de controlo i

6. Considerações finais

6. Considerações finais 6. Considerações finais No capítulo anterior, foram discutidos os resultados da análise de dados de produção espontânea do corpus de Santos (2006) e os resultados do trabalho experimental realizado com

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Tipologia textual: texto conversacional. Variação e normalização linguística. Língua padrão (traços específicos). Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos 1º Período

Leia mais

Protótipos Textuais A argumentação Ana Luísa Costa (org.)

Protótipos Textuais A argumentação Ana Luísa Costa (org.) Protótipos Textuais A argumentação Sequência argumentativa Esquema tripartido (Ducrot: 1973) A passagem das premissas à conclusão, ou a uma tese nova, é feita através de diversas operações argumentativas

Leia mais

4. Estudo experimental: metodologia e apresentação dos resultados

4. Estudo experimental: metodologia e apresentação dos resultados 4. Estudo experimental: metodologia e apresentação dos resultados Partindo das questões específicas de investigação, enunciadas em 3.2., neste capítulo apresenta-se o estudo experimental desenvolvido com

Leia mais

1. Introdução Questões de investigação

1. Introdução Questões de investigação 1. Introdução 1.1. Questões de investigação A crise no ensino da gramática, sentida em diferentes sistemas educativos, nas décadas de 70 e 80 (Hudson: 1999; Duarte: 1998, e.o.), conduziu à necessidade

Leia mais

368 ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 11.º ano)

368 ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 11.º ano) 368 ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 11.º ano) 1. Objeto de Avaliação Dimensão Sociocultural - Domínios de Referência (Um dos seguintes:) Aprendizagem; Juventude; Cidadania; Trabalho; Língua; Cultura; Viagens;

Leia mais

Coordenação e subordinação

Coordenação e subordinação Coordenação e subordinação As frases complexas podem relacionar-se por coordenação ou por subordinação. A coordenação consiste numa relação entre duas orações da mesma categoria por meio de conjunções

Leia mais

5. Discussão dos resultados: estruturas contrastivas com estabilização tardia

5. Discussão dos resultados: estruturas contrastivas com estabilização tardia 5. Discussão dos resultados: estruturas contrastivas com estabilização tardia Ao longo deste capítulo, destaca-se o contributo da investigação desenvolvida para o aprofundamento do estudo sobre aquisição

Leia mais

Efeitos de modelização no input: o caso da aquisição de conectores 1 Ana Costa, Nélia Alexandre, Ana Lúcia Santos e Nuno Soares

Efeitos de modelização no input: o caso da aquisição de conectores 1 Ana Costa, Nélia Alexandre, Ana Lúcia Santos e Nuno Soares Efeitos de modelização no input: o caso da aquisição de conectores 1 Ana Costa, Nélia Alexandre, Ana Lúcia Santos e Nuno Soares FLUL / Onset-CEL Neste trabalho, discutimos algumas hipóteses sobre o papel

Leia mais

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque.

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. Ex. Ele não precisa do microfone, para que todos o ouçam. I) Proporcional: funciona como adjunto adverbial

Leia mais

Sumário. Apresentação. Parte 1 Período simples 1 Quadro geral dos termos da oração 3 Frase, oração e período 3

Sumário. Apresentação. Parte 1 Período simples 1 Quadro geral dos termos da oração 3 Frase, oração e período 3 Sumário Prefácio Apresentação XIII XV Parte 1 Período simples 1 Quadro geral dos termos da oração 3 Frase, oração e período 3 1. Tipologia do sujeito 6 Método para identificar o sujeito 6 Sujeito simples

Leia mais

Efeitos de modelização no input: o caso da aquisição de conectores 1

Efeitos de modelização no input: o caso da aquisição de conectores 1 Efeitos de modelização no input: o caso da aquisição de conectores 1 Ana Costa, Nélia Alexandre, Ana Lúcia Santos & Nuno Soares FLUL / CLUL Neste trabalho, discutimos algumas hipóteses sobre o papel do

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico Departamento de Línguas Disciplina: Português 8º ano

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico Departamento de Línguas Disciplina: Português 8º ano Cognitivo Domínios CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico Departamento de Línguas Disciplina: Português 8º ano 2018-2019 Domínios de referência Metas de aprendizagem Instrumentos Frequência

Leia mais

Frase simples e frase complexa

Frase simples e frase complexa Frase simples e frase complexa Orações coordenadas e subordinadas 1 I. Frase simples O O José telefonou à Joana. A A senhora traz umas flores. Eu saio. O O meu vizinho foi ao médico. Cada uma destas frases

Leia mais

As conjunções são palavras invariáveis que servem para conectar orações ou dois termos de mesmo valor gramatical, estabelecendo entre eles uma

As conjunções são palavras invariáveis que servem para conectar orações ou dois termos de mesmo valor gramatical, estabelecendo entre eles uma CONJUNÇÕES As conjunções são palavras invariáveis que servem para conectar orações ou dois termos de mesmo valor gramatical, estabelecendo entre eles uma relação de dependência ou de simples coordenação.

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS MECANISMOS DE COESÃO TEXTUAL (PARTE III)

INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS MECANISMOS DE COESÃO TEXTUAL (PARTE III) INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS MECANISMOS DE COESÃO TEXTUAL (PARTE III) Veja como as preposições influenciam os sentidos atribuídos pelos verbos: Vender ao mercado/vender no mercado Lutar contra/lutar por Brotar

Leia mais

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44 sumário APRESENTAÇÃO...13 1. O que se entende por língua Estudando a língua portuguesa...17 1.1 O Vocabulário: nascimento e morte das palavras. Consultando um dicionário...20 1.2 A Semântica: o sentido

Leia mais

PERÍODO COMPOSTO PRO R FES E SORA: A :F ER E NA N N A D N A D A SA S N A T N O T S 1

PERÍODO COMPOSTO PRO R FES E SORA: A :F ER E NA N N A D N A D A SA S N A T N O T S 1 PERÍODO COMPOSTO PROFESSORA: FERNANDA SANTOS 1 CONJUNÇÃO É a palavra ou locução invariável que liga orações ou termos semelhantes da mesma oração. Exemplos: ANÁLISE DO QUE Todos os alunos disseram que

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 10 9 9 11 11 3.º período 9 10 9 9 10 (As aulas previstas

Leia mais

No limiar da escrita argumentativa: um estudo exploratório

No limiar da escrita argumentativa: um estudo exploratório No limiar da escrita argumentativa: um estudo exploratório Ana Luísa Costa Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal e Centro de Linguística da Universidade de Lisboa Abstract: The

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR EDUARDO BELMONTE 2º ANO E. M.

LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR EDUARDO BELMONTE 2º ANO E. M. LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR EDUARDO BELMONTE 2º ANO E. M. PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO Cheguei atrasado, PORQUE o trânsito estava caótico. Oração assindética Conjunção coordenativa Oração coordenada

Leia mais

Português. Conjunções. Professor Arthur Scandelari.

Português. Conjunções. Professor Arthur Scandelari. Português Conjunções Professor Arthur Scandelari www.acasadoconcurseiro.com.br Português CONJUNÇÕES PARTE 1 1. (CESPE SDS-PE 2016) É importante, pois, que o médico estabeleça o momento de ocorrência do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro. Programação Anual 2011/ 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro. Programação Anual 2011/ 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Programação Anual 2011/ 2012 Manual adotado: Club Prisma A2 da Editora Edinumen Espanhol LE II 8º Ano Competências específicas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE ABRANTES DISCIPLINA: Francês ANO: 9º ANO LETIVO 2013/2014 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diálogo professor/aluno.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE ABRANTES DISCIPLINA: Francês ANO: 9º ANO LETIVO 2013/2014 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diálogo professor/aluno. ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE ABRANTES DISCIPLINA: Francês ANO: 9º ANO LETIVO 2013/2014 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Coordenação e subordinação

Coordenação e subordinação Coordenação e subordinação As frases complexas podem relacionar-se por coordenação ou por subordinação. A coordenação consiste numa relação entre duas orações da mesma categoria por meio de conjunções

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diálogo professor/aluno. Concentração auditiva. Jogos de perceção auditiva. Memorização de sequências fónicas.

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diálogo professor/aluno. Concentração auditiva. Jogos de perceção auditiva. Memorização de sequências fónicas. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: Francês (nível 3) ANO: 9.º ANO LETIVO 2013/2014 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS

Leia mais

Dimensão sociocultural Concretizada nos domínios de referência específicos de cada módulo (em anexo).

Dimensão sociocultural Concretizada nos domínios de referência específicos de cada módulo (em anexo). INFORMAÇÃO-PROVA INGLÊS 6 módulos OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova a que esta informação se refere incide nos conhecimentos e nas competências enunciadas no Programa de Inglês do 3º ciclo em vigor e tem por

Leia mais

1 Introdução. 1 CÂMARA JR., J.M, Estrutura da língua portuguesa, p Ibid. p. 88.

1 Introdução. 1 CÂMARA JR., J.M, Estrutura da língua portuguesa, p Ibid. p. 88. 1 Introdução A categoria tempo é um dos pontos mais complexos dos estudos em língua portuguesa. Por se tratar de um campo que envolve, sobretudo, conceitos igualmente complexos como semântica e interpretação

Leia mais

parte I Gramática do Discurso Capítulo 1 Comunicação e enunciação Capítulo 4 Capítulo 2 Capítulo 3

parte I Gramática do Discurso Capítulo 1 Comunicação e enunciação Capítulo 4 Capítulo 2 Capítulo 3 parte I Gramática do Discurso Capítulo 1 Comunicação e enunciação 1. Comunicação e enunciação 11 1.1. Acto de comunicação/enunciação 11 1.2. Sujeitos do acto de comunicação/enunciação 11 1.3. Enunciado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Ano letivo: 2017 / Avaliação formativa e formadora

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Ano letivo: 2017 / Avaliação formativa e formadora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Critérios de Avaliação

Leia mais

Colégio Diocesano Seridoense Disciplina: Língua Portuguesa / 2 Ano Professora: Lusia Raquel. Orações Subordinadas Adverbiais.

Colégio Diocesano Seridoense Disciplina: Língua Portuguesa / 2 Ano Professora: Lusia Raquel. Orações Subordinadas Adverbiais. Colégio Diocesano Seridoense Disciplina: Língua Portuguesa / 2 Ano Professora: Lusia Raquel Orações Subordinadas Adverbiais Caicó RN 2018 CLASSIFICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS SÃO

Leia mais

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15 Capítulo1 Capítulo2 A LÍNGUA E A LINGUAGEM............................................. 9 Linguagem: aptidão inata.............................................. 10 Funções.............................................................

Leia mais

Componente escrita minutos Componente oral minutos

Componente escrita minutos Componente oral minutos Informação 2014 Prova de Equivalência à Frequência de ESPANHOL Código 375 Cursos Científico-Humanísticos 11.º Ano de Escolaridade Tipo de Prova Escrita e oral Estrutura da prova A prova é constituída por

Leia mais

Drummond escreveu poemas e entrou para a história.

Drummond escreveu poemas e entrou para a história. Conjunção Pode-se definir a conjunção como um termo invariável, de natureza conectiva que pode criar relações de sentido (nexos) entre palavras ou orações. Usualmente, as provas costumam cobrar as relações

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova 06 2015 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2º Ciclo

Leia mais

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio Escola E.B. 2, 3 professor Gonçalo Sampaio Departamento de línguas Português - 8ºano Planificação anual simplificada 2014/2015 1º Período Unidade 0 Uma nova viagem

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS PORTUGUÊS 8.º ANO 2015/2016

PLANO DE ESTUDOS PORTUGUÊS 8.º ANO 2015/2016 PLANO DE ESTUDOS PORTUGUÊS 8.º ANO 2015/2016 O aluno, no final do 8.º ano, deve ser capaz de: Domínio da diversificados e recorrendo a mecanismos de Produzir textos orais de Domínio da Domínio da Domínio

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico Departamento de Línguas Disciplina: Português -7º ano

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico Departamento de Línguas Disciplina: Português -7º ano CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico Departamento de Línguas Disciplina: Português -7º ano 2018-2019 Domínios Domínios de referência Aprendizagens essenciais Instrumentos Frequência / Periodicidade

Leia mais

CONJUNÇÃO. É a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes de uma mesma oração.

CONJUNÇÃO. É a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes de uma mesma oração. CONJUNÇÃO É a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes de uma mesma oração. De acordo com o tipo de relação que estabelecem, as conjunções podem ser classificadas em coordenativas

Leia mais

O USO DOS ELEMENTOS DE CONEXÃO POR ALUNOS DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O USO DOS ELEMENTOS DE CONEXÃO POR ALUNOS DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O USO DOS ELEMENTOS DE CONEXÃO POR ALUNOS DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rafael de Moura Dutra (G-Uem) Cristiane Carneiro Capristano(Uem) Resumo: O presente trabalho tem o objetivo de apresentar uma reflexão

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA SEQUÊNCIA DIDÁCTICA

PLANIFICAÇÃO DA SEQUÊNCIA DIDÁCTICA ANEXO 3 PLANIFICAÇÃO DA SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 155 ESCOLA SECUNDÁRIA/3 PADRE ALBERTO NETO - QUELUZ Planificação a curto prazo de Língua Portuguesa 8.º ano de escolaridade Turma C Ano lectivo 2009/2010 Mestranda:

Leia mais

368 ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 11.º ano)

368 ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 11.º ano) 368 ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 11.º ano) INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, a realizar em 2017, nomeadamente: Objeto de

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos de Português 7º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos de Português 7º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos de Português 7º ano Ano letivo 2012 2013 1º PERIODO Descritores temáticos e hipertexto Paratexto; epígrafe Prefácio; posfácio Bibliografia; biografia; biobibliografia

Leia mais

Escola Básica 2, 3 João Afonso de Aveiro. Macrocompetência Comunicativa

Escola Básica 2, 3 João Afonso de Aveiro. Macrocompetência Comunicativa 1.º Período *Cumprimentar, despedir e convenções epistolares * Propor, aceitar e recusar um convite (ampliação). * Telefonar (ampliação). *Informar sobre o estado de saúde ou disposição próprio ou de alguém.

Leia mais

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 8º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos / Descritores

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 8º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos / Descritores Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 8º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos / Descritores Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de

Leia mais

Ano Letivo 2018/2019 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documentos Orientadores: Programa de Espanhol L.E.II- Ensino Básico, QCERL, Projeto Educativo.

Ano Letivo 2018/2019 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documentos Orientadores: Programa de Espanhol L.E.II- Ensino Básico, QCERL, Projeto Educativo. Espanhol L.E.II /8º ano / Nível 2 Página 1 de 5 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documentos Orientadores: Programa de Espanhol L.E.II- Ensino Básico, QCERL, Projeto Educativo. Referências geográficas e culturais dos

Leia mais

Coordenação e subordinação. Porto Editora

Coordenação e subordinação. Porto Editora Coordenação e subordinação Frase simples complexa Frase simples Constituída apenas por um verbo ou por um complexo verbal. Ex.: A Maria brinca muito com o irmão. frase simples (constituída por um verbo)

Leia mais

CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS ADVERBIAIS

CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS ADVERBIAIS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS ADVERBIAIS Causais Introduzem uma ideia de CAUSA. É fundamental relatar que aqui se inicia a relação causa-efeito. Toda causa representa o fato anterior. Já o efeito, o fato posterior.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR EDUARDO BELMONTE 1º ANO E. M.

LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR EDUARDO BELMONTE 1º ANO E. M. LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR EDUARDO BELMONTE 1º ANO E. M. FRASE NOMINAL: enunciado sem verbo. Pois não, senhor... ; senhoras e senhores,... FRASE VERBAL/ORAÇÃO: enunciado COM verbo. Ivo viu a uva.... O

Leia mais

Curso: 3.º Ciclo do Ensino Básico Disciplina: Português Ano: 7º, 8.º e 9.º

Curso: 3.º Ciclo do Ensino Básico Disciplina: Português Ano: 7º, 8.º e 9.º DOMÍNIOS A AVALIAR INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Tipo 1 Leitura, Educação Literária, Gramática e Escrita. Testes de avaliação (leitura, educação literária, gramática e escrita) DOMÍNIO COGNITIVO (COMPETÊNCIAS

Leia mais

Período composto por coordenação

Período composto por coordenação Período composto por coordenação É o período composto por duas ou mais orações independentes. Estas orações podem ser assindéticas ou sindéticas. Orações coordenadas assindéticas Não apresentam conectivos

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO ANO LETIVO: 2015/2016 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Educação literária Texto literário e texto não literário.

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 8º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 8º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 8º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERÍODO ORALIDADE CONTEÚDOS Ouvinte. Locutor e interlocutor. Princípios reguladores da interação discursiva. Diálogo.

Leia mais

Oralidade. Texto narrativo, descrição. Compreensão oral, exposição oral. Leitura e Escrita Educação Literária

Oralidade. Texto narrativo, descrição. Compreensão oral, exposição oral. Leitura e Escrita Educação Literária 1º Período (67aulas, aproximadamente) Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS /Planificação anual 5ºano, de acordo com as metas: conteúdos essenciais a trabalhar com os alunos. O programa homologado

Leia mais

ENQUANTO E/OU ENQUANTO QUE? Víctor Mércia Justino (2013)

ENQUANTO E/OU ENQUANTO QUE? Víctor Mércia Justino (2013) ENQUANTO E/OU ENQUANTO QUE? Víctor Mércia Justino (2013) Neste trabalho, pretendemos explorar os valores semânticos dos conectores enquanto e enquanto que no Português de Moçambique (PM). Sempre que se

Leia mais

@profdecioterror Décio Terror Filho (32)

@profdecioterror Décio Terror Filho (32) @profdecioterror Décio Terror Filho (32) 98447 5981 Compreensão de texto contemporâneo. Reconhecimento de modos de organização de diferentes gêneros de texto. Reconhecimento do uso significativo dos diferentes

Leia mais

ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS

ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS FRASE SIMPLES E FRASE COMPLEXA A frase pode ser constituída por uma ou mais orações. Uma oração é a unidade gramatical organizada à volta de um verbo. FRASE SIMPLES E

Leia mais

ÁTILA ABIORANA LÍNGUA PORTUGUESA

ÁTILA ABIORANA LÍNGUA PORTUGUESA ÁTILA ABIORANA LÍNGUA PORTUGUESA No que se refere às ideias e aos aspectos linguísticos do texto acima, julgue os itens subsequentes. 1) Não haveria prejuízo à correção gramatical ou alteração o sentido

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE Ano letivo de 2016 / 2017 GESTÃO DE CONTEÚDOS Ensino regular Português - 6.º Ano Unidades de Ensino / Conteúdos Nº Aulas Previstas (45 min) Unidades Abordadas: Unidade

Leia mais

5.º ANO ORALIDADE COMPREENSÃO E EXPRESSÃO (20%) LEITURA 10% EDUCAÇÃO LITERÁRIA 15%

5.º ANO ORALIDADE COMPREENSÃO E EXPRESSÃO (20%) LEITURA 10% EDUCAÇÃO LITERÁRIA 15% COMPETÊNCIAS DOMÍNIOS ORALIDADE COMPREENSÃO E EXPRESSÃO (20%) LEITURA 10% EDUCAÇÃO LITERÁRIA ANO LETIVO 2018/2019 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 2º CICLO PERFIL DOS ALUNOS À SAÍDA DA

Leia mais

DISCIPLINA PORTUGUÊS 2º CICLO

DISCIPLINA PORTUGUÊS 2º CICLO DISCIPLINA PORTUGUÊS 2º CICLO 5ºANO DOMÍNIOS CONTEÚDOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PONDERAÇÃO Oralidade Interação discursiva Interpretação de texto Fichas de verificação Observação direta 10% Pesquisa e

Leia mais

ORAÇÕES SUBORDINADAS. Professor: Aramis de Cássio

ORAÇÕES SUBORDINADAS. Professor: Aramis de Cássio ORAÇÕES SUBORDINADAS Professor: Aramis de Cássio ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS As ORAÇÕES SUBORDINADAS funcionam sempre como um termo essencial, integrante e acessório da oração principal.

Leia mais

Inglês maio de º Ano do Ensino Secundário (Despacho Normativo n.º 1-A/2017 de 10 de fevereiro)

Inglês maio de º Ano do Ensino Secundário (Despacho Normativo n.º 1-A/2017 de 10 de fevereiro) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês maio de 2015 Prova 367 2017 11.º Ano do Ensino Secundário (Despacho Normativo n.º 1-A/2017 de 10 de fevereiro) O presente documento divulga informação

Leia mais

Prova 21 Ensino Básico - 9.º Ano de Escolaridade (Despacho normativo n.º 1-A/2017, de 10 de fevereiro)

Prova 21 Ensino Básico - 9.º Ano de Escolaridade (Despacho normativo n.º 1-A/2017, de 10 de fevereiro) INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 2017 Prova 21 Ensino Básico - 9.º Ano de Escolaridade (Despacho normativo n.º 1-A/2017, de 10 de fevereiro) O presente documento divulga informação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TEMPLÁRIOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TEMPLÁRIOS ANO LETIVO 2017/2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TEMPLÁRIOS INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 3.º Ciclo do Ensino Básico 9.º ano Disciplina de Espanhol Prova 15 (Regulamento do Júri Nacional de

Leia mais

Formulário de Resposta aos Recursos CONCURSO IBGE 2004

Formulário de Resposta aos Recursos CONCURSO IBGE 2004 Formulário de Resposta aos Recursos CONCURSO IBGE 2004 CARGO: TECNOLOGISTA JR I / LETRAS PORTUGUÊS / INGLÊS QUESTÃO NÚMERO: 07 O gabarito oficial está correto, letra E. Na opção E a estrutura é de subordinação,

Leia mais

Composição Escrita. Maria Teresa S. N. G. Fragoso de Almeida

Composição Escrita. Maria Teresa S. N. G. Fragoso de Almeida Maria Teresa S. N. G. Fragoso de Almeida A evolução do enfoque sobre a composição escrita Modelos explicativos da composição escrita Modelos orientados para o produto Modelos orientados para o processo

Leia mais

PERÍODO SIMPLES. Observe alguns exemplos de períodos simples e compostos e veja a diferença entre eles:

PERÍODO SIMPLES. Observe alguns exemplos de períodos simples e compostos e veja a diferença entre eles: PERÍODO SIMPLES Período simples é um enunciado de sentido completo construído com uma oração absoluta, ou seja, apenas um verbo. O período é um enunciado de sentido completo formado por duas ou mais orações.

Leia mais

Valor modal e aspetual.

Valor modal e aspetual. ÍNDICE GERAL Índice de conteúdos 4 Apresentação 6 Ficha 1 7 Subclasses de palavras. Ficha 2 12 Classes Palavras convergentes. Ficha 3 17 Subclasses de palavras. Orações coordenadas. Ficha 4 22 Ficha 5

Leia mais

ESCOLA: Secundária Dr.Solano de Abreu DISCIPLINA: Espanhol ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Ä Resolução do teste diagnóstico.

ESCOLA: Secundária Dr.Solano de Abreu DISCIPLINA: Espanhol ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Ä Resolução do teste diagnóstico. ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA: Secundária Dr.Solano de Abreu DISCIPLINA: Espanhol ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS DE APRENDIZAGEM (Registo global

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM 3º CICLO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL PORTUGUÊS 8º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de português do Ensino Básico, Metas Curriculares de

Leia mais

Planificação periódica LÍNGUA PORTUGUESA

Planificação periódica LÍNGUA PORTUGUESA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica LÍNGUA PORTUGUESA 6ºAno 2008/2009 Planificação 1º Período 6º Ano 2008-2009 UNIDADE Conteúdos Actividades O regresso

Leia mais

PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO ORAÇÕES ADVERBIAIS

PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO ORAÇÕES ADVERBIAIS LÍNGUA PORTUGUESA GRAMÁTICA FRENTE B PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO ORAÇÕES ADVERBIAIS Profª. Raquel Freitas Sampaio ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS É aquela que se encaixa na oração principal, funcionando

Leia mais

Programação Anual. 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME

Programação Anual. 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME Programação Anual 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) 1 ọ 2 ọ 1. Amarrando as idéias COESÃO Introdução ao conceito de coesão Introdução aos mecanismos básicos de coesão Ordem das palavras

Leia mais

1. Objeto de avaliação

1. Objeto de avaliação Informação Prova de Equivalência à Frequência (Escrita) Espanhol 3.º Ciclo do Ensino Básico (Código 15) 2019 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa de Espanhol em vigor (homologado

Leia mais

Lista 6 - Língua Portuguesa 1

Lista 6 - Língua Portuguesa 1 Lista 6 - Língua Portuguesa 1 Períodos compostos LISTA 6 - LP 1 - PERÍODOS COMPOSTOS Períodos compostos Em listas anteriores, vimos alguns conceitos sintáticos importantes para o domínio da norma culta

Leia mais

Concurseiro. Espaço do. Português Prof. Joaquim Bispo. Sinta-se a vontade para estudar conosco. O seu espaço de preparação para concursos públicos

Concurseiro. Espaço do. Português Prof. Joaquim Bispo. Sinta-se a vontade para estudar conosco. O seu espaço de preparação para concursos públicos Espaço do Concurseiro Sinta-se a vontade para estudar conosco Português Prof. Joaquim Bispo O seu espaço de preparação para concursos públicos 1 Aulas Aula Conteúdo Página 1 Emprego das classes e palavras

Leia mais

NÃO SEPARAMOS POR VÍRGULA: SEPARAMOS OU MARCAMOS POR VÍRGULA: SUJEITO DO VERBO; VERBO DE SEUS COMPLEMENTOS; VOCATIVO; NOME DE SEUS COMPLEMENTOS

NÃO SEPARAMOS POR VÍRGULA: SEPARAMOS OU MARCAMOS POR VÍRGULA: SUJEITO DO VERBO; VERBO DE SEUS COMPLEMENTOS; VOCATIVO; NOME DE SEUS COMPLEMENTOS NÃO SEPARAMOS POR VÍRGULA: SEPARAMOS OU MARCAMOS POR VÍRGULA: SUJEITO DO VERBO; APOSTO; VERBO DE SEUS COMPLEMENTOS; VOCATIVO; NOME DE SEUS COMPLEMENTOS ORAÇÕES DESLOCADAS OU OU ADJUNTOS. INTERCALADAS;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão: 01 A questão de número 1 pede a complementação da seguinte frase iniciada em seu enunciado: A ideia central e a argumentação do texto se baseiam numa relação de.... A alternativa que complementa

Leia mais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais Ano de escolaridade: 5º Área curricular disciplinar de Língua Portuguesa Origem da língua portuguesa / noção de PALOP Alfabeto: vogais e consoantes Vogais e ditongos orais e nasais Divisão silábica Classificação

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2017/ Espanhol (continuação) 11º Ano. 1. Objeto de avaliação

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2017/ Espanhol (continuação) 11º Ano. 1. Objeto de avaliação INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2017/2018 368 Espanhol (continuação) 11º Ano 1. Objeto de avaliação Prova Escrita A prova a que esta informação se refere incide

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS º ANO A Ano Letivo: 204 / 205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Ex. A garota com quem simpatizei está à sua procura. Os alunos cujas redações foram escolhidas receberão um prêmio.

Ex. A garota com quem simpatizei está à sua procura. Os alunos cujas redações foram escolhidas receberão um prêmio. A) Restritiva: é aquela que limita, restringe o sentido do substantivo ou pronome a que se refere. A restritiva funciona como adjunto adnominal de um termo da oração principal e não pode ser isolada por

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE BARROSELAS Ano Letivo 2017/2018

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE BARROSELAS Ano Letivo 2017/2018 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE BARROSELAS Ano Letivo 2017/2018 1.º Período Unidade 0 Cais de embarque Unidade 1 Primeira etapa História sem palavras (pág. 22) Artigo de imprensa (pág. 25) REM - 1 Elogio

Leia mais

FACULDADE GUANAMBI - FG EDITAL Nº. 09, DE 17 DE SETEMBRO DE 2014 OFICINAS DE APERFEIÇOAMENTO FG

FACULDADE GUANAMBI - FG EDITAL Nº. 09, DE 17 DE SETEMBRO DE 2014 OFICINAS DE APERFEIÇOAMENTO FG FACULDADE GUANAMBI - FG EDITAL Nº. 09, DE 17 DE SETEMBRO DE 2014 OFICINAS DE APERFEIÇOAMENTO FG O DIRETOR ACADÊMICO ADMINISTRATIVO DA FACULDADE GUANAMBI, no uso de suas atribuições legais, e entendendo

Leia mais

1 Introdução. 1 Nesta dissertação, as siglas PL2E, PL2 e PLE estão sendo utilizadas, indistintamente, para se

1 Introdução. 1 Nesta dissertação, as siglas PL2E, PL2 e PLE estão sendo utilizadas, indistintamente, para se 16 1 Introdução O interesse pelo tema deste trabalho, o uso de estruturas alternativas às construções hipotéticas com se e com o futuro simples do subjuntivo, surgiu da experiência da autora ensinando

Leia mais

CONTEÚDOS DIVERSIFICADOS, DE ACORDO COM AS NECESSIDADES LINGUISTICAS, CURRICULARES E DE INTEGRAÇÃO DOS ALUNOS.

CONTEÚDOS DIVERSIFICADOS, DE ACORDO COM AS NECESSIDADES LINGUISTICAS, CURRICULARES E DE INTEGRAÇÃO DOS ALUNOS. COMPETÊNCIAS GERAIS Competências gerais de comunicação: competência lexical, competência gramatical, competência sociolinguística, competência pragmática, competência discursiva, competência estratégica.

Leia mais

Planificação Longo Prazo

Planificação Longo Prazo DEPARTAMENTO LÍNGUAS ANO LETIVO 2017 / 2018 DISCIPLINA PORTUGUÊS ANO 6.ºANO Planificação Longo Prazo Fluência de leitura: palavras e textos. Texto de características narrativas. Texto de enciclopédia e

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO DE PORTUGUÊS 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 8.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes graus de formalidade, finalidade

Leia mais

Língua Portuguesa. Mara Rúbia

Língua Portuguesa. Mara Rúbia Língua Portuguesa Mara Rúbia Atenção! Pare! Um vulto cresce na escuridão. Clarissa se encolhe. É Vasco. Convém que te apresses. Período Composto por Coordenação - Orações sintaticamente independentes.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE GONDOMAR PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS - 7º ANO 2015/2016. Conteúdos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE GONDOMAR PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS - 7º ANO 2015/2016. Conteúdos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE GONDOMAR PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS - 7º ANO 2015/2016 Metas Curriculares (Domínios de Referência, Objetivos e Descritores de Desempenho ORALIDADE 1. Interpretar discursos

Leia mais

APRENDIZAGENS ESSENCIAIS

APRENDIZAGENS ESSENCIAIS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS JULHO DE 2018 ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) Nível B1 INTRODUÇÃO O Português Língua Não Materna (PLNM) constitui

Leia mais

P E D R O E A N E S L O B A T O

P E D R O E A N E S L O B A T O Código 170 872 A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S P E D R O E A N E S L O B A T O Ano Letivo 2018/2019 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Português Língua Não Materna Nível de proficiência A1 Perfil de Aprendizagens

Leia mais

Uso(s) de quando na linguagem culta do Português Brasileiro

Uso(s) de quando na linguagem culta do Português Brasileiro Uso(s) de quando na linguagem culta do Português Brasileiro Vanessa Pernas Ferreira Mestranda - UFRJ nessa_ufrj@yahoo.com.br Resumo: O item quando, há bastante tempo, vem sendo usado com outros valores

Leia mais

1.º PERÍODO DOMÍNIO CONTEÚDOS TEMPOS Oralidade -Registo e tratamento de informação: ideiaschave;

1.º PERÍODO DOMÍNIO CONTEÚDOS TEMPOS Oralidade -Registo e tratamento de informação: ideiaschave; DISCIPLINA DE PORTUGUÊS [9.º] PLANIFICAÇÃO 2018/2019 9.º Ano de Escolaridade 1.º PERÍODO DOMÍNIO CONTEÚDOS TEMPOS Oralidade -Registo e tratamento de informação: ideiaschave; tomar notas. -Tema e assunto.

Leia mais

Relatório. Ano lectivo Dados extraídos da Plataforma Moodle da DGIDC.

Relatório. Ano lectivo Dados extraídos da Plataforma Moodle da DGIDC. Relatório Dados extraídos da Plataforma Moodle da DGIDC. 199.921 acessos de 28 de SETEMBRO 2006 a 28 de Setembro de 2008 (registados no Arquivo 2006-2007 e na versão Ano lectivo 2007-2008 para 2007-2008).

Leia mais

-Alfabeto -Fonema/Grafema. -Os sons: *vogais *consoantes *ditongo *Hiato. -Pontuação

-Alfabeto -Fonema/Grafema. -Os sons: *vogais *consoantes *ditongo *Hiato. -Pontuação Unidades Tipologia de Textos/ Conteúdos Gramática Avaliação -Organização do material -Conhecer o Manual Avaliação de diagnóstico 1º PERÍODO Ponto de Partida Dia de Escola Album de Família Natais -O Dicionário

Leia mais

INTRODUÇÃO. ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) Nível B1

INTRODUÇÃO. ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) Nível B1 APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) Nível B1 INTRODUÇÃO O Português Língua Não Materna (PLNM) constitui uma componente

Leia mais

Orações Subordinadas Adverbiais

Orações Subordinadas Adverbiais Orações Subordinadas Adverbiais A oração subordinada adverbial desempenha a função de adjunto adverbial: indica uma circunstância em que ocorre a ação do verbo da oração à qual se liga. Observe: Normalmente

Leia mais