Portal do PEBC e Eco.AP do Ministério da Saúde. Lisboa, 18 Setembro 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portal do PEBC e Eco.AP do Ministério da Saúde. Lisboa, 18 Setembro 2015"

Transcrição

1 Portal do PEBC e Eco.AP do Ministério da Saúde Lisboa, 18 Setembro 2015

2 AGENDA Introdução Estrutura Descrição Geral Relatórios Análise Gráfica, Alertas e Mensagens Utilização do portal: ponto de situação 2

3 INTRODUÇÃO 3

4 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE MINISTROS N.º 2/2011, DE 12 DE JANEIRO DE 2011 Foi decretado que no prazo de 90 dias, todos os serviços e organismos da administração pública, as universidades, as entidades públicas empresariais, as fundações públicas e as associações públicas ou privadas com capitais maioritariamente públicos, designassem um gestor local de energia (GLEC), responsável pela dinamização e verificação das medidas para melhoria da eficiência energética.

5 O SUCH CRIOU O PORTAL DO PEBC E ECO.AP DO MINISTÉRIO DA SAÚDE Desenvolvido para proporcionar aos GLEC s responsáveis pelas Entidades Públicas do setor da Saúde uma ferramenta que lhes permita dar resposta aos requisitos que derivam das imposições normativas e regulamentares em vigor. 5

6 REGISTAR, CONTROLAR E ANALISAR OS CONSUMOS ENERGÉTICOS E COGERAÇÃO DE QUALQUER UNIDADE DE SAÚDE Eletricidade Gás Natural Gás Propano Gás Butano Água Produção de Resíduos Hospitalares Cogeração 6

7 ESTRUTURA - NÍVEIS 1. Ministério da Saúde Acesso MS Ministério da saúde 2. Região/Administração Central Acesso Regiões/AC Regiões / Administração Central 3.Entidades Acesso Entidades Entidades 4. Instituições - Cogeração/Trigeração Acesso Instituições Cogeração/Trigeração Instituições Edifícios 5. Edifícios Cogeração Calor AQS Consumo de utilities e produção de resíduos 6. Contadores - Consumo de utilities e produção de resíduos Cogeração Calor para Climatização Água Cogeração Eletricidade Eletricidade TIPOS DE ACESSO Cogeração Frio para Climatização Gás Butano GLEC - ACSS - ARS/AC - Entidade Editor Consultor Cogeração Vapor Consumo Gás Natural Gás Natural Gás Propano Resíduos 7

8 DESCRIÇÃO GERAL 8

9 ÁREA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE 9

10 REGIÕES ADMINISTRAÇÃO CENTRAL 10

11 ENTIDADES 11

12 INSTITUIÇÕES 12

13 EDIFÍCIOS 13

14 CONTADORES 14

15 REGISTAR FATURA ÁGUA 15

16 CONSULTAR EDITAR FATURA 16

17 RELATÓRIOS 17

18 RELATÓRIOS ELETRICIDADE E GÁS NATURAL 18

19 RELATÓRIOS COM ANO DE REFERÊNCIA

20 RELATÓRIOS DE COMPARAÇÃO POR FONTE 20

21 RELATÓRIOS PEBC 21

22 RELATÓRIOS PEBC 22

23 RELATÓRIOS PEBC 23

24 ANÁLISE GRÁFICA 24

25 ANÁLISE GRÁFICA 25

26 ANÁLISE GRÁFICA 26

27 ALERTAS E MENSAGENS MENSAGEM DA PÁGINA WEB MENSAGEM DE 27

28 UTILIZAÇÃO DO PORTAL PONTO DE SITUAÇÃO 28

29 UTILIZADORES/ACESSOS UTILIZADORES GLEC Editor Consultor Acessos =

30 ESTRUTURA DESENHADA NO PORTAL Regiões Entidades Instituições Edifícios Contadores Consumo Contadores de Produção ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ADMI. CENTRAL PERIF

31 N.º CONTADORES POR FONTE CONTADORES ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARSLVT- ADMI. CENT. PERIF. Eletricidade Água Gás Natural Gás Propano Gás Butano Resíduos TOTAL 31

32 N.º FATURAS DE CONSUMO ÁGUA Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

33 N.º FATURAS DE CONSUMO ELETRICIDADE Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

34 N.º FATURAS DE CONSUMO GÁS BUTANO Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

35 N.º FATURAS DE CONSUMO GÁS NATURAL Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

36 N.º FATURAS DE CONSUMO GÁS PROPANO Região 1º Trimestre 2º Trimestre Total no portal ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

37 N.º FATURAS DE CONSUMO RESÍDUOS Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

38 N.º FATURAS DE COGERAÇÃO POR FONTE Faturas de Produção - Cogeração Regiões Calor AQS Calor Climatização Eletricidade Frio Climatização Vapor Gás Natural ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARSLVT- ADMI. CENT. PERIF

39 VALORES TOTAIS REGISTADOS - ÁGUA Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE 897, , ,721, ARS DO CENTRO 624, , ,977, ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO 1,540, ,736, ,331, ARS DO ALENTEJO 133, , , ARS DO ALGARVE 256, , ,684, ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP 4, , , ,455, ,899, ,100,

40 VALORES TOTAIS REGISTADOS - ELETRICIDADE Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE 3,680, ,851, ,847, ARS DO CENTRO 3,106, ,896, ,247, ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO 5,037, ,105, ,845, ARS DO ALENTEJO 570, , ,125, ARS DO ALGARVE 581, , ,514, ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP 22, , ,999, ,731, ,613,

41 VALORES TOTAIS REGISTADOS GÁS BUTANO Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

42 VALORES TOTAIS REGISTADOS GÁS NATURAL Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE 1,753, ,054, ,494, ARS DO CENTRO 1,751, ,135, ,604, ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO 1,799, ,060, ,098, ARS DO ALENTEJO 55, , , ARS DO ALGARVE 255, ,12 477, ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP ,615, ,288, ,808,

43 VALORES TOTAIS REGISTADOS GÁS PROPANO Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE 626, , ,058, ARS DO CENTRO 867, , ,175, ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO 23, , , ARS DO ALENTEJO 177, , , ARS DO ALGARVE 102, , , ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP ,797, , ,703,

44 VALORES TOTAIS REGISTADOS RESÍDUOS Região 1º Trimestre º Trimestre 2015 Total no portal ARS DO NORTE 376, , ,080, ARS DO CENTRO 433, , , ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO 1,205, ,102, ,907, ARS DO ALENTEJO 55, , , ARS DO ALGARVE 75, , , ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP ,146, ,030, ,145,

45 VALORES TOTAIS REGISTADOS Contadores de Cogeração Calor Regiões Calor AQS Climatização Eletricidade Frio Vapor Gás Natural Climatização ARS DO NORTE ARS DO CENTRO 89, , , , ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO 270, , , , ,006, ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE , ARSLVT- ADMI. CENT. PERIF , , , , ,233,

46 Número de Entidades que submeteram o relatório PEBC Região 1º Trimestre 2º Trimestre N.º Total Entidades ARS DO NORTE ARS DO CENTRO ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO ARS DO ALENTEJO ARS DO ALGARVE ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO - ACP

47 Muito obrigado pela atenção!

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Luís Inácio Equipa PEBC e ECO.AP do MS PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública

Leia mais

O papel da ACSS na agilização do PO SEUR nas entidades do Ministério da Saúde Unidade de Instalações e Equipamentos

O papel da ACSS na agilização do PO SEUR nas entidades do Ministério da Saúde Unidade de Instalações e Equipamentos O papel da ACSS na agilização do PO SEUR nas entidades do Ministério da Saúde Unidade de Instalações e Equipamentos Sessão de Esclarecimentos sobre Aviso Concurso PO SEUR 03-2016-65 20 de outubro de 2016

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2013 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono Eco.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 1 de outubro de 2014 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

Decreto-Lei 68-A/2015

Decreto-Lei 68-A/2015 15.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS Decreto-Lei 68-A/2015 Ana Oliveira APA Agência Portuguesa do Ambiente 06 de dezembro 2016 Temas Dependência energética do exterior na União Europeia (EU)

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior

Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior A POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA ARSC IP, E O PLANO ESTRATÉGICO DO BAIXO CARBONO PEBC Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior Carlos Borrego e João Ginja Coimbra, 20 de junho de 2013 Consumo

Leia mais

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda 11 Municípios 1 Comunidade Intermunicipal 1 Projeto de Sustentabilidade A RUCI da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, visa desenvolver uma estratégia

Leia mais

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro de higiene e limpeza

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro de higiene e limpeza Anexo V.1 Proposta de preços Lote 1: Fornecimento de consumíveis de casa de banho para a Região Norte Identificação do Candidato 1 2 3 4 2 1 2 1 1 Largura 5 cm Largura 6 cm,35* +,35* +,15* +,5* +,5* +,5*

Leia mais

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Definição Uma rede de aquecimento e arrefecimento urbano

Leia mais

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Cogeração em Centros Hospitalares Projeto CHSJ A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Caracterização infraestrutura Hospital 1100 camas Área de

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2012 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 28 de agosto de 2013 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais SETEMBRO 2016 O SUCH hoje O SUCH - Serviço de Utilização Comum dos Hospitais, é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja Missão visa promover a redução

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 2 (2014)

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 2 (2014) GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE Versão 2 (2014) 1 Enquadramento OpresenteGuiadeboaspráticasenquadra-senoDespachosn.º4860/2013,de9deabril,en.º 8264/2014, de 18 de junho, do Senhor Secretário

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios. Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014

A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios. Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014 A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014 Filiações Associação empresarial de âmbito nacional Cerca de 170 empresas 9.000 postos de trabalho

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 3 (2016)

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 3 (2016) GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE Versão 3 (2016) 1 Enquadramento O presente Guia de boas práticas enquadra-se nos Despachos n.º 4860/2013, de 9 de abril, n.º 8264/2014, de 18 de junho, nº 6749/2015,

Leia mais

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria Carlos Duarte 8 Maio 2017 O Hospital de Santa Maria Inicialmente com o nome de Hospital Escolar de Lisboa, o Hospital de Santa Maria foi projetado em 1938

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil Manuela Almeida Universidade do Minho 12.as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

ENERGIA -OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL

ENERGIA -OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Afirmar o Futuro Políticas Públicas para Portugal ENERGIA -OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Eduardo de Oliveira Fernandes Carlos A. M. Pimenta Fundação Calouste Gulbenkian 1. Energia e sustentabilidade Condicionantes

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo 0 Contratos de Desempenho Energético Jorge Borges de Araújo 1 Agenda 1. APESE 2. Oportunidades de Eficiência Energética 3. Contratos de desempenho energético (Portugal) 2 1. APESE Associação Portuguesa

Leia mais

CALOR & FRIO ALFÉA & PANAMÁ POUPANÇA & CONFORTO

CALOR & FRIO ALFÉA & PANAMÁ POUPANÇA & CONFORTO CALOR & FRIO ALFÉA & PANAMÁ POUPANÇA & CONFORTO APRESENTAMOS UMA SOLUÇÃO IDEAL PARA DESFRUTAR DO MÁXIMO CONFORTO TODO O ANO. E COM UMA POUPANÇA MÁXIMA. ALFÉA & PANAMÁ A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA DESFRUTAR

Leia mais

INQUÉRITO AOS CAMPOS DE GOLFE APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IMPACTE AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL

INQUÉRITO AOS CAMPOS DE GOLFE APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IMPACTE AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL INQUÉRITO AOS CAMPOS DE GOLFE IMPACTE AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 18 de junho de 2015 Carla Simões Turismo de Portugal AGENDA 1. Enquadramento 2. Universo respostas válidas

Leia mais

Cogeração em ambiente urbano

Cogeração em ambiente urbano Cogeração em ambiente urbano MAIO 2010 Miguel Gil Mata 1 Índice Cogeração Conceito Energia térmica vs energia eléctrica Estratégia energética Regulamentação nacional Externalidades Cogeração em ambiente

Leia mais

SNS Consultas Externas Hospitalares

SNS Consultas Externas Hospitalares 1. Total de Consultas Externas* 2.437.439 2.482.865 2.184.029 2.228.715 junho 2015 junho 2016 1.161.393 1.175.765 229.644 235.197 150.681 149.952 ARS Norte ARS Centro ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS Alentejo

Leia mais

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem.

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 86903 e 86906 CENTROS DE ENFERMAGEM ÂMBITO:

Leia mais

Eficiência Energética nos Edifícios da Administração Pública Central

Eficiência Energética nos Edifícios da Administração Pública Central Sessão de Esclarecimentos sobre Aviso Concurso PO SEUR 03-2016-65 Eficiência Energética nos Edifícios da Administração Pública Central João Bernardo Laboratório Nacional de Engenharia Civil 17 de novembro

Leia mais

Será Renovável a Energia obtida a partir de Bombas de Calor?

Será Renovável a Energia obtida a partir de Bombas de Calor? Será Renovável a Energia obtida a partir de Bombas de Calor? Jorge Facão LNEG 15. as Jornadas de Climatização A Climatização na Indústria Ordem dos Engenheiros, Lisboa 22 de outubro de 2015 Introdução

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Eficiência Natural Jefferson Monteiro Gás Natural Fenosa Sistema FIRJAN Encontro de Gestão

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

COGERAÇÃO = CHP COMBINED HEAT AND POWER

COGERAÇÃO = CHP COMBINED HEAT AND POWER COGERAÇÃO = CHP COMBINED HEAT AND POWER DIREITO DA ENERGIA DOCENTE: SUZANA TAVARES DA SILVA REALIZADO POR: ANDREIA CATARINA ALMEIDA ANO 2015/2016 FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Evolução

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Gestão de energia : 2010/2011

Gestão de energia : 2010/2011 Gestão de energia : 2010/2011 Aula # P12 Energia em edifícios - RCCTE Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt as@ist tl Prof.ª Tânia Sousa taniasousa@ist.utl.pt Gestão de Energia Enunciado Enunciado:

Leia mais

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Arthur Cursino IEE/USP Setembro / 2014 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução: Conceitos Sistema de

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

Portugal-Alfragide: Serviços de fornecimento de refeições (catering) 2015/S Anúncio de adjudicação de contrato.

Portugal-Alfragide: Serviços de fornecimento de refeições (catering) 2015/S Anúncio de adjudicação de contrato. 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:105008-2015:text:pt:html Portugal-Alfragide: Serviços de fornecimento de refeições (catering) 2015/S 060-105008 Anúncio

Leia mais

Cerimónia de Lançamento dos Programas Operacionais

Cerimónia de Lançamento dos Programas Operacionais Cerimónia de Lançamento dos Programas Operacionais 19 de dezembro de 2014 Auditório da Fundação Champalimaud Lisboa 1 Prémio Desenvolvimento Regional Objetivo Destacar as intervenções com maiores resultados

Leia mais

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações 1. O que são e onde ocorrem as perdas de energia? O serviço prestado pela Climaespaço consiste no fornecimento

Leia mais

Nacional. Percentagem de 1ª Consulta Hospitalar e de Cirurgia Programada realizadas dentro do Tempo Máximo de Resposta Garantido (TMRG)

Nacional. Percentagem de 1ª Consulta Hospitalar e de Cirurgia Programada realizadas dentro do Tempo Máximo de Resposta Garantido (TMRG) Nacional Percentagem de e de realizadas dentro do Tempo Máximo de Resposta Garantido (TMRG) ARS Norte 70% % ARS Centro 76% 89% ARS Lisboa e Vale do Tejo 74% 86% ARS Alentejo 72% 88% ARS Algarve 66% 67%

Leia mais

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Isabel Cabrita & Ana Marta Paz Divisão de Estudos Investigação e Renováveis DIREÇÃO GERAL DE ENERGIA E GEOLOGIA Workshop oportunidades de valorização

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 30 de novembro e em 15 de dezembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 30 de novembro e em 15 de dezembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em de dezembro Contributo do para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica Em de dezembro a situação de seca meteorológica

Leia mais

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Interoperabilidade na Saúde - Onde Estamos? 26 de novembro de 2013 Auditório Escola Nacional de Saúde Pública Patrocinadores Globais APDSI Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Escola

Leia mais

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia ENERGY FOR YOUR FUTURE Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia Escola Secundária do Fundão Fevereiro 2015 Hélio Fazendeiro QUEM SOMOS A Starenergy é uma empresa especializada que presta

Leia mais

Capitalizar a formação técnica. Jorge Barata Marques

Capitalizar a formação técnica. Jorge Barata Marques Capitalizar a formação técnica Jorge Barata Marques Lisboa, 27 setembro 2016 Capitalizar a formação técnica Empregabilidade a nível global Empregabilidade a nível nacional Build Up Skills O papel da ADENE

Leia mais

ONDE NASCE O NOVO EMPREGO?

ONDE NASCE O NOVO EMPREGO? www.informadb.pt ONDE NASCE O NOVO EMPREGO? 2ª EDIÇÃO DO ESTUDO ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL 63% do novo emprego é criado pelas PEQUENAS EMPRESAS 46% do novo emprego criado vem das EMPRESAS JOVENS

Leia mais

síntese dos resultados obtidos

síntese dos resultados obtidos síntese dos resultados obtidos a. consumos de energia A análise detalhada dos consumos energéticos incluiu uma visita técnica realizada no dia 10 de julho de 2013, a análise das faturas de eletricidade

Leia mais

A Transformação da Administração Pública

A Transformação da Administração Pública A Transformação da Administração Pública Lisboa, 3 e 4 Novembro 2008 www.ama.pt Transformar o Sector Público Definição A mudança de funcionamento do sector público, de um modelo estático, focado na organização,

Leia mais

- Implicações para a Política de Defesa do Consumidor -

- Implicações para a Política de Defesa do Consumidor - Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal e Instituto Europeu da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa A Lei-Quadro das Entidades Reguladoras: primeiras reflexões e perspetivas para

Leia mais

eco.ap Programa de Eficiência Energética na Administração Pública Resolução do Conselho de Ministros n.º 2/2011

eco.ap Programa de Eficiência Energética na Administração Pública Resolução do Conselho de Ministros n.º 2/2011 eco.ap Programa de Eficiência Energética na Administração Pública Resolução do Conselho de Ministros n.º 2/2011 Resolução do Conselho de Ministros n.º 2/2011 Objectivo principal: Obtenção até 2020, nos

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

"A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios

A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios "A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios Ordem dos Engenheiros Lisboa ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema de Certificação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Linhas de Financiamentos - BNDES 12 de julho de 2012. Nelson Granthon Barata Gerente Departamento de Fontes Alternativas de Energia Área de Infraestrutura

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE LISBOA FRANCISCO GENTIL, E.P.E.

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE LISBOA FRANCISCO GENTIL, E.P.E. INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE LISBOA FRANCISCO GENTIL, E.P.E. Dívidas a Terceiros a 31 de Dezembro de 2014 Tipo Fornecedor Intervalo (dias) Rubrica 0 ]0;90] ]90;180] ]180;240] ]240;360] ]360;540]

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 1.3 (2013)

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 1.3 (2013) GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE Versão 1.3 (2013) 1 Enquadramento O presente Guia de boas práticas surge no âmbito da estratégia para a implementação do Plano Estratégico do Baixo Carbono

Leia mais

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços Lisboa, 15 de julho de 2016 Ordem dos Engenheiros Oportunidades de Financiamento

Leia mais

ECONOMIZAR, POUPAR E INVESTIR

ECONOMIZAR, POUPAR E INVESTIR Dia Mundial da Poupança 2016 ECONOMIZAR, POUPAR E INVESTIR O sobre-endividamento, os rendimentos, as despesas e a poupança dos consumidores Economizar, poupar e investir: três etapas para uma boa saúde

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Sumário executivo Em Portugal : 54,9% das empresas têm pelo menos uma mulher nos seus cargos de gestão e direcção: 44,8% têm uma equipa mista,

Leia mais

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Miguel Gil Mata 29 Maio 2009 FEUP Semana da Energia e Ambiente 1 Centrais de Cogeração em edifícios o caso da Sonae Sierra 1. O conceito de Cogeração

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 4 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Local Objetivos Específicos: Os apoios têm como

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de julho e em 15 de agosto de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de julho e em 15 de agosto de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 agosto Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de seca

Leia mais

SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria

SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria março de 2015 Entidade Supervisora: Gestão Operacional: João Paulo Calau ADENE Belém, 5 de março de 2015 SGCIE O Sistema de Gestão dos

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis a) Intervenções que visem o aumento

Leia mais

Relatório Diário. 5 de agosto 2016

Relatório Diário. 5 de agosto 2016 Relatório Diário 5 de agosto 2016 1 Relatório Diário 05.08.2016 10:00 Report Highlights Para o dia 05.08.2016 importa destacar: Aumento da temperatura em todo o país. A partir do dia de hoje previsão de

Leia mais

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES APRESENTAÇÃO O Jornal água&ambiente organiza o Seminário Eficiência Energética: as grandes oportunidades no próximo dia 26 de Junho de 2012, no Hotel Açores, em Lisboa. Numa altura em que a eficiência

Leia mais

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público 16 Novembro Teatro Aveirense - Aveiro Os Modelos ESE Sofia Tavares EDP Comercial Agenda 1 2 ESE Empresas de Serviços Energéticos O conceito Eco.AP

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

PNPOT. Território e Economia Circular. Energia. Gabriela Prata Dias. Lisboa, 27 outubro 2016

PNPOT. Território e Economia Circular. Energia. Gabriela Prata Dias. Lisboa, 27 outubro 2016 PNPOT Território e Economia Circular Energia Gabriela Prata Dias Lisboa, 27 outubro 2016 Temas Eficiência energética em Portugal Energia e economia circular Transição energética para um novo paradigma

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

O crescimento começa nas cidades

O crescimento começa nas cidades O crescimento começa nas cidades O envolvimento do fundo JESSICA Portugal no financiamento de projetos de desenvolvimento urbano sustentável 09/12/2013 Apresentação do Modelo de Governação JESSICA HFP

Leia mais

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 Índice Pág 1. Plano de Contingência para Vagas de Frio (PCVF)... 4 2. Grupos Vulneráveis. 4 3. Objetivos. 5 3.1 Objetivos gerais.

Leia mais

Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde

Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde 2016-02-10 17:16:07 http://justnews.pt/noticias/eu-da-ao-utente-um-papel-mais-ativo-na-gestao-da-sua-saude Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre Formação de Peritos Qualificados no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO AGOSTO 2013 Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde SÍNTESE do período entre 1 e 31 de AGOSTO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA: PERDAS DE ÁGUA E DIMINUIÇÃO DE DISPÊNDIOS NOS MUNICÍPIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA: PERDAS DE ÁGUA E DIMINUIÇÃO DE DISPÊNDIOS NOS MUNICÍPIOS. Gestão do Saneamento 2ª Edição 25 e 26 de Março de 2014 Organização: Hiria Mauricio Dantas GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA: PERDAS DE ÁGUA E DIMINUIÇÃO DE DISPÊNDIOS NOS MUNICÍPIOS. VISÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA

Leia mais

E S T A T Í S T I C A S

E S T A T Í S T I C A S Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Estatísticas dos Empregos Vagos 2º Trimestre - 2013 Portugal Principais resultados No 2º trimestre de 2013,

Leia mais

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO António Curado SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO Índice 1. ENERGIA E CONFORTO TÉRMICO 2. SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS REGULAMENTARES 2.1. REQUISITOS DE DESEMPENHO 2.2. FACHADAS

Leia mais

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Projeto de Execução Memória Descritiva e Justificativa ARSLVT Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo,

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013 Por alteração da Orientação de Gestão da Orientação de Gestão n. º 1/2012 (06-01-2012), n.º 1/2010 (29-03-2010) e da Orientação de Gestão n.º 7/2008 (21-01-2009) REGRAS

Leia mais

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT Investimentos Plano de Desenvolvimento em perspetiva e Investimento da Rede de Transporte Redes Energéticas Nacionais, SGPS de Electricidade 2012-2017 (2022)

Leia mais

Obras licenciadas atenuaram decréscimo

Obras licenciadas atenuaram decréscimo Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2014- Dados preliminares 12 de junho de 2014 Obras licenciadas atenuaram decréscimo No 1º trimestre de 2014 os edifícios licenciados diminuíram

Leia mais

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol 14:00 14:15 Nota de abertura A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol Universidade de Évora 4 de maio de 2015 Universidade de Évora 14:15 14:30 O Panorama

Leia mais

Sabe onde você gasta mais energia? Sabe como reduzir o seu consumo e manter o conforto e produtividade? Sabe como reduzir a sua pegada ecológica?

Sabe onde você gasta mais energia? Sabe como reduzir o seu consumo e manter o conforto e produtividade? Sabe como reduzir a sua pegada ecológica? Sabe onde você gasta mais energia? Sabe como reduzir o seu consumo e manter o conforto e produtividade? Sabe como reduzir a sua pegada ecológica? To measure is to know... If you can not measure it, you

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DAS REDES E SERVIÇOS DE ALTA VELOCIDADE EM LOCAL FIXO - FTTH/B E DOCSIS º TRIMESTRE DE 2017

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DAS REDES E SERVIÇOS DE ALTA VELOCIDADE EM LOCAL FIXO - FTTH/B E DOCSIS º TRIMESTRE DE 2017 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DAS REDES E SERVIÇOS DE ALTA VELOCIDADE EM LOCAL FIXO - FTTH/B E DOCSIS 3.0 1.º TRIMESTRE DE 2017 Redes e Serviços Alta Velocidade 1.º Trimestre de 2017 Versão 2 01/06/2017 Índice

Leia mais

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural Índice A Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 4 Serviço de Atendimento ao Cliente 5 Atendimentos Presenciais 5 Atendimento

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade

Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade Índice A Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 3 Serviço de Atendimento ao Cliente 4 Atendimento Telefónico Comercial

Leia mais

Nacional. Percentagem de 1ª Consulta Hospitalar e de Cirurgia Programada realizadas dentro do Tempo Máximo de Resposta Garantido (TMRG)

Nacional. Percentagem de 1ª Consulta Hospitalar e de Cirurgia Programada realizadas dentro do Tempo Máximo de Resposta Garantido (TMRG) Nacional Percentagem de e de realizadas dentro do Tempo Máximo de Resposta Garantido (TMRG) ARS Norte 70% 93% ARS Centro 76% 90% ARS Lisboa e Vale do Tejo 75% 86% ARS Alentejo 72% 89% ARS Algarve 67% 65%

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

Centrais de aquecimento distrital

Centrais de aquecimento distrital Centrais de aquecimento distrital Feito eletricidade e calor em si Princípio da cogeração Produzir e utilizar com eficiência energética Existem muitos métodos para converter a fontes de energia primária

Leia mais

A água subterrânea como fonte térmica na climatização de edifícios situação em Portugal e perspectivas futuras

A água subterrânea como fonte térmica na climatização de edifícios situação em Portugal e perspectivas futuras A água subterrânea como fonte térmica na climatização de edifícios situação em Portugal e perspectivas futuras Augusto Costa & Helena Amaral Unidade de Águas Subterrâneas do Labº Nacional de Energia e

Leia mais

Promoção do uso sustentável da biomassa florestal para fins energéticos

Promoção do uso sustentável da biomassa florestal para fins energéticos Focus Group IV Sustentabilidade Energética na Agricultura e Florestas Promoção do uso sustentável da biomassa florestal para fins energéticos Ponte de Lima, 03 de outubro de 2013 2000 2003 Comissão de

Leia mais

earte Portal de Arte e Cultura

earte Portal de Arte e Cultura v 2.0 Tutorial Guia Rápido de Utilização 2008-2011 SIQuant Engenharia do Território e Sistemas de Informação, Lda. Web: www.siquant.pt E-mail: mail@siquant.pt Copyright SIQuant 2008-2011. Todos os direitos

Leia mais