6 PROCESSAMENTO DE DADOS GEOGRÁFICOS VETORIAIS NO gvsig

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6 PROCESSAMENTO DE DADOS GEOGRÁFICOS VETORIAIS NO gvsig"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO AO gvsig Autores Helen de Camargos Costa PIBIC Marcos Vinícius Alexandre da Silva PIVIC Orientação Prof. Dr. Nilson C. Ferreira 1

2 Introdução ao gvsig 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE gvsig 2 - EXIBIÇÃO DE DADOS NO gvsig 3 - DADOS PARA O gvsig 4 - PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS NO gvsig 5 TRABALHANDO COM DADOS TABULARES NO gvsig 6 PROCESSAMENTO DE DADOS GEOGRÁFICOS VETORIAIS NO gvsig 7 - PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA NO gvsig 8 - A EXTENSÃO SEXTANTE 2

3 CONCEITOS BÁSICOS DE gvsig 3

4 O QUE É O gvsig? Um programacomputacional livre Dá a liberdade de utilizá-lo sem a necessidade de compra; Dá a liberdade de poder observar o código-fonte; Dá a liberdade de alterar o código-fonte; Dá a liberdade de distribuir cópias originais e/o alteradas. Um programa computacional para Sistemas de Informações Geográficas O gvsig dispõe de funções para aquisição, armazenamento, gerenciamento, manipulação, processamento, exibição e publicação de dadosd e informações geográficas; Programa computacional desenvolvido em Valência Espanha Generalitat Valenciana e IVER Financiado pela Comunidade Européia Site : 4

5 O QUE É O gvsig? A base filosófica do gvsig Portabilidade d gvsig pode ser executado em diferentes plataformas de hardware/software (Linux, Windows, Mac). Sua linguagem de desenvolvimento é Java; Modularidade gvsig é extensível com novas funções que suas funções não contemplam; Código Aberto o código fonte original do gvsig está disponível; Sem licenças Não é necessário pagar para utilizar o gvsig, não existe limites de computadores e/ou de tempoparautilizar o programa; Interoperável gvsig pode acessar dados de outros programas computacionais proprietários, tais com ArcGIS, AutoCAD, Microstation sem necessidade de alterar seu formato; Respeita padrões gvsig segue os padrões do OpenGIS Consortium (OGC) 5

6 ESTRUTURA DO PROGRAMA gvsig 6

7 ESTRUTURA DE UM PROJETO gvsig Um projeto pode conter : Vários documentos tipo Vistas; Várias documentos tipo Tabelas; Vários documentos tipo Vistas 3D; Vários documentos tipo Mapas; Vários gráficos (linhas, polígonos, textos, hachuras, imagens, etc) 7

8 ESTRUTURA DO gvsig, ORIENTADA AO PROJETO Gerenciamento de projeto Gerenciamento de Mapa Gerenciamento de Tabela Gerenciamento de Vista Gerenciamento de Vista 3D 8

9 INTERFACE PADRÃO DO gvsig Vista 3D Mapa Vista Tabela 9

10 INTERFACE PADRÃO DO gvsig O gvsig se caracteriza por possuir uma interface fácil de usar e em pouco tempo, mesmo um usuário com pouca experiência em geoprocessamento, pode utilizá-lo sem maiores problemas. Na figura anterior, é possível observar a janela de projeto, quando sedetermina o nome do projeto, o seu título passa a ser o nome do projeto. Da janela de projetos, o usuário pode criar ou abrir vistas, tabelas, mapas e vistas 3D. VISTAS : janela onde são exibidos dados geográficos (shapefiles, imagens, base de dados e arquivos CAD); VISTAS 3D : janela onde são exibidos dados geográficos em 3 dimensões; TABELAS : janela onde se pode criar, editar e manipular dados tabulares e MAPAS : janela onde se pode construir mapas interativamente. 10

11 DOCUMENTOS DO gvsig Vistas Vistas 3D Mapas Tabelas 11

12 DOCUMENTOS DO gvsig O gvsig suporta uma variedade de fontes de dados e apresenta cada uma em sua própria janela, chamada de janela documento. Cada tipo de documento também possui sua própria interface. Vistas- Ambiente onde o usuário cria, edita, digitaliza, visualiza, consulta, analisa várias fontes de dados geográficos ( Shapefiles, Arquivos CAD, Bases de dados SDE, Oracle, PostGIS, Imagens, Dados de Servidores Web.) Tabelas- Ambiente onde o usuário cria, edita, visualiza, consulta, importa e exporta dadosd tabulares que podem ou não ser associados a dadosd geográficos. Mapas - Ambiente onde o usuário pode compor, editar, exportar e imprimir documentos cartográficos contendo dados geográficos tabulares textuais etc documentos cartográficos contendo dados geográficos, tabulares, textuais, etc. Vistas 3D- Ambiente onde o usuário visualiza dados geográficos em três dimensões. 12

13 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS Camadas de Dados (Legenda) Ferramentas e funções para manipular Vistas Dd Dados Geográficos Localizador 13

14 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS Ao tornar uma Vista ativa (criando, abrindo ou clicando sobre a barra de título), o usuário tem a sua disposição um ambiente próprio para manipular a Vista ativa. Os menus, botões e ferramentas que o gvsig disponibilizar são próprios para manipular essa Vista e na janela de projetos o usuário pode ver a lista das Vistas disponíveis no projeto. Ao adicionar temas (dados geográficos vetoriais e matriciais) na Vista, o gvsig ativa alguns menus, botões e ferramentas para que o usuário possa trabalhar com a Vista ativa ou com os dados que estão contidos na Vista. Uma Vista pode estar fechada, aberta ou ativa, porém na janela de projetos o usuário pode a qualquer q momento m criar e abrir Vistas existentes e novas. Ao abrir uma Vista, esta fica automaticamente ativa e todo ambiente do gvsig preparado para a manipulação da mesma. Para abrir uma Vista, o usuário pode dar um duplo click em uma Vista disponível na janela do projeto ou então selecionar uma Vista na janela de projetos e então clicar o botão Abrir da janela de projetos. 14

15 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS Menus, Botões e Ferramentas padrões utilizados para trabalhar com Vistas. Essa interface pode ser alterada 15

16 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS Quando se tem uma Vista ativa, o gvsig disponibiliza os menus e ferramentas ilustradas na página anterior. Os menus e ferramentas para se trabalhar com Vistas, possibilitam acessar funções para salvar projetos, adicionar temas na Vista, alterar propriedades p de temas ativos, exibir editor de legendas, abrir tabelas de feições, encontrar feições de temas com determinadas características, construir expressões lógicas para pesquisar temas, visualização de temas (aproximar, afastar e encaixar temas na Vista), selecionar feições a partir de gráficos, limpar seleções, obter ajuda, clicar sobre uma feição e visualizar seus atributos, manipular vértices, selecionar feições interativamente com o mouse, medir distâncias, hotlink ( com imagens, textos, etc), rotular feições, desenhar (pontos, linhas e polígonos), definir escalas, alterar as propriedades de uma vista (projeção, cor de seleção), carregar extensões, etc. O ambiente para trabalhar com Vistas pode ser alterado por meio de customizações. 16

17 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM TABELAS Botões, Ferramentas e Menus de tabelas Tabelas do projeto Dados Tabulares 17

18 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM TABELAS Ao tornar uma tabela ativa, o usuário tem a sua disposição um ambiente próprio para manipular essa tabela. Os menus e ferramentas que o gvsig disponibilizaribili são próprios para manipular essa tabela e na janela de projetos o usuário pode ver a lista das tabelas disponíveis no projeto. Uma tabela pode estar fechada, aberta ou ativa, porém na janela de projetos o usuário pode a qualquer momento abrir e adicionar novas tabelas. Ao abrir uma tabela, esta fica automaticamente ativa e todo ambiente do gvsig preparado para a manipulação da mesma. Para abrir uma tabela, o usuário pode dar um duplo click em uma tabela disponível na janela do projeto ou então selecionar uma tabela na janela de projetos e então clicar o botão Abrir da janela de projetos. 18

19 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM TABELAS Menus e Ferramentas utilizados para trabalhar com Tabelas. Essa interface pode ser alterada conforme a customização. 19

20 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM TABELAS Quando se tem uma Tabela ativa, o gvsig disponibiliza os menus e ferramentas ilustradas na página anterior. Os menus e ferramentas para se trabalhar com Tabelas, possibilitam acessar funções para salvar projetos, manipular conteúdos de células (recortar, copiar e colar), manipular seleções de registros (selecionar todos registros, limpar a seleção e inverter seleção), montar expressões para realizar pesquisas, agrupar registros selecionados, relacionar tabelas por um campo comum, calcular valores para campos de tabelas, ordenar colunas (crescente, decrescente), selecionar registros interativamente, editar o conteúdo de uma célula, editar tabelas, alterar as propriedades de uma tabela, etc. O ambiente para trabalhar com Tabelas pode ser alterado por meio de customizações do gvsig. 20

21 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM MAPAS Ferramentas e menus de Mapas Mapa Mapas do projeto 21

22 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM MAPAS Ao tornar um mapa ativo, o usuário tem a sua disposição um ambiente próprio para manipular esse documento. Os menus, botões e ferramentas que o gvsig disponibilizar são próprios para manipular esse mapa, e na janela de projetos o usuário pode ver a lista de mapas disponíveis no projeto. Um mapa pode estar fechado, aberto ou ativo, porém na janela de projetos o usuário pode a qualquer momento abrir e construir novos mapas. Ao abrir bi um layout, este fica automaticamente ti t ativo e todo ambiente do gvsig preparado para a manipulação do mesmo. Para abrir um mapa, o usuário pode dar um duplo click em um mapa disponível na janela do projeto ou então selecionar um mapa na janela de projetos e então clicar o botão Abrir da janela de projetos. 22

23 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM MAPAS Menus,e Ferramentas utilizados para trabalhar com mapas. Essa interface pode ser alterada conforme o nível de customização. 23

24 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM MAPAS Quando se tem um Mapa ativo, o gvsig disponibiliza os menus, botões e ferramentas ilustradas na página anterior. Os menus, botões e ferramentas para se trabalhar com Mapas, possibilitam acessar funções para salvar o projeto, manipular os elementos do mapa (recortar, copiar e colar), acessar e alterar as propriedades do mapa, agrupar e desagrupar entidades gráficas, alterar a ordem de exibição dos elementos do mapa, visualizar o mapa (aproximar, afastar, enquadrar, deslocar), imprimir o mapa, selecionar e redimensionar elementos do mapa, alterar vértices de elementos, inserir textos no mapa, inserir entidades gráficas (pontos, linhas e polígonos), inserir documentos no mapa. O ambiente para trabalhar com Mapas pode ser alterado por meio de customizações do gvsig. 24

25 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS 3D Botões e Menus de Vistas 3D Vista 3D Vistas 3D do projeto 25

26 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS 3D Ao tornar uma Vista 3D ativa, o usuário tem a sua disposição um ambiente próprio para manipular esse documento. Os menus e ferramentas que o gvsig disponibilizar são próprios para manipular essa Vista 3D e na janela de projetos o usuário pode ver a lista das Vistas 3D disponíveis no projeto. Uma Vista 3D pode estar fechada, aberta ou ativada, porém na janela de projetos o usuário pode a qualquer momento abrir e construir novas Vistas 3D. Aoabrir bi uma Vista 3D, esta fica automaticamente ti t ativa e todo ambiente do gvsig preparado para a manipulação da mesma. Para abrir uma Vista 3D, o usuário pode dar um duplo click em uma Vista 3D disponível na janela do projeto ou então selecionar uma Vista 3D na janela de projetos e então clicar o botão Abrir da janela de projetos. 26

27 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS 3D Menus e Ferramentas padrões utilizados para trabalhar com Vistas 3D. Essa interface pode ser alterada conforme o nível de customização. 27

28 AMBIENTE PARA TRABALHAR COM VISTAS 3D Quando se tem uma Vista 3D ativa, o gvsig disponibiliza os menus e ferramentas ilustradas na página anterior. Os menus e ferramentas para se trabalhar com Vistas 3D permitem, principalmente a manipulação para visualização de modelos digitais de terreno, sendo possível girá-los, aproximá-los, deslocá-los, etc. O ambiente para trabalhar com Vistas 3D pode ser alterado por meio de customizações do gvsig. 28

29 AS CONFIGURAÇÕES DO gvsig 29

30 AS CONFIGURAÇÕES DO gvsig Além das características anteriormente apresentadas, o gvsig ainda pode ser configurado para facilitar sua utilização. O usuário pode alterar a aparência da interface do gvsig, pode configurar os diretórios onde estão dados e projetos. O usuário pode ainda habilitar e desabilitar as extensões do gvsig As extensões do gvsig são conjuntos de programas (escritos na linguagem de programação Java). As extensões podem ser construídas pelos usuários sou então podem ser obtidas gratuitamente t na Internet. t As extensões geralmente inserem novas ferramentas nos ambientes de trabalho das Vistas, Tabelas, Mapas, etc. Atualmente, tem-se disponível extensões que atendem uma grande quantidade de necessidades. A extensão Sextante possui mais de 200 funções para manipulação de dados geográficos. Essa extensão pode ser obtida no site 30

31 Exercícios 1 - Quais os documentos básicos que um projeto gvsig pode conter? 2 - De a definição do que são os documentos Vistas. 3 - De a definição do que são os documentos Tabelas. 4-Deadefinição do que são os documentos Mapas 5 - De a definição do que são os documentos Vistas 3D 6 Visiteit o site do gvsig (www.gvsig.gva.es), acesse a área de downloads do gvsig Desktop, acesse o espaço de comunicação e veja as listas de distribuição disponíveis. No site de gvsig é possível se manter atualizado com as inovações do gvsig, fazer downloads do gvsig e de suas extensões, participar de listas de discussão. (Acesse o vídeo ex01_06.htm) 31

32 Exercícios 7 Inicie o gvsig, acesse as preferências e altere alguns parâmetros, tais como a projeção cartográfica das Vistas (UTM, fuso 22, SAD-69), altere os caminhos para dados e projetos do gvsig. É possível ainda alterar a aparência da interface do gvsig. (Acesse o vídeo ex01_07.htm) 07 8 Inicie o gvsig, acesse e altere as propriedades p do projeto, crie uma Vista 3D de propriedade plana com exagero vertical 2.0 e altere outras propriedades. Crie uma Vista 2D e altere as propriedades desta Vista, crie um documento do tipo tabela, adicione a tabela log.dbf e altere as propriedades deste documento. Crie um documento do tipo mapa e altere as propriedades deste documento. (Acesse o vídeo ex01_08.htm) 9 Manipule as barras de ferramentas do gvsig, é possível descolar as barras de ferramentas, posicioná-las na área de trabalho do gvsig e ao fechar as barras de ferramentas ela retorna para a parte de baixo do menu. (Acesse o vídeo ex01_09.htm) 10 Grave todas a modificações realizadas, no projeto Goiânia.gvp. O projeto do gvsig é um arquivo XML e pode ser visualizado e editado em um editor de textos simples. (Acesse o vídeo ex01_10.htm) 32

33 EXIBIÇÃO DE DADOS NO gvsig 33

34 O QUE SÃO DADOS GEOGRÁFICOS? DADOS GRÁFICOS - (Pixels, Linhas, Pontos, Polígonos, Nós e Anotações) são utilizados para representar graficamente elementos geográficos g (drenagem, sistema viário, relevo, vegetação, limitei político etc.). DADOS TABULARES - Os dados tabulares são relacionados aos dadosd gráficos e tem como função descrever mais detalhadamente d t os elementos geográficos. FONTES DE DADOS GRÁFICOS - Mapas Analógicos, INTERNET, Mapas Digitais, Memoriais Descritivos, GPS, etc. FONTES DE DADOS TABULARES - Tabelas, Sistemas de Bancos de Dados, INTERNET, arquivos ASCII, etc. 34

35 ESTRUTURAS DE DADOS GEOGRÁFICOS Os dados geográficos podem possuir estruturas vetoriais ou matriciais 35

36 ESTRUTURAS DE DADOS GEOGRÁFICOS As diferenças entre os dados geográficos de estrutura vetorial e estrutura matricial são inúmeras : Precisão Geométrica : Os dados de estrutura vetorial possuem uma precisão geométrica maior que os dados de estrutura matricial. Tamanho do Arquivo : Os dados de estrutura vetorial necessitam de menor espaço em disco para serem armazenados. Processamento : O processamento de dados matriciais é mais simples, os dados matriciais são indicados para o processamento de elementos da superfície contínua. Exibição : Os dados de estrutura vetorial são mais rápidos para serem exibidos. 36

37 DADOS GEOGRÁFICOS VETORIAIS NO gvsig Arquivo de estrutura matricial Arquivo de estrutura vetorial Poligonal (tema ativo) Dado geográfico vetorial no gvsig, polígono tem seus atributos em uma tabela relacionada (feição) Atributos associados ao dado vetorial poligonal selecionado Feição poligonal selecionada 37

38 DADOS GEOGRÁFICOS VETORIAIS NO gvsig O gvsig suporta dadosd vetorias (pontos, linhas e polígonos) das mais diversas fontes : Shapefiles (formato nativo do gvsig), CAD (DXF, DWG, DGN), arquivos textos tabelados com vírgula, etc. Um arquivo vetorial é adicionado em uma Vista do gvsig como um tema, e geralmente um tema é composto de várias feições do mesmo tipo (ou pontos, ou linhas, ou polígonos). Cada feição possui um registro em uma tabela associada, e esse registro pode ser composto de vários itens ou colunas. Cada feição de um tema tem um registro na tabela, então se tivermos um tema de lotes, com 100 unidades, cada lote será um polígono e cada polígono terá um registro, desta forma a tabela do tema lotes possuirá 100 registros ou linhas. 38

39 DADOS GEOGRÁFICOS MATRICIAIS NO gvsig Arquivo de estrutura matricial Atributos associados a um pixel (ou célula) do arquivo matricial 39

40 DADOS GEOGRÁFICOS MATRICIAIS NO gvsig O gvsig suporta dados matriciais (imagens) das mais diversas fontes: TIFF, BMP, JPEG, MrSID, ECW, etc. Um arquivo matricial é adicionado em uma Vista do gvsig como um tema, para se manipular arquivos matriciais no gvsig, é necessário a instalação de extensões tais como raster pilot e sextante, que serão detalhadas mais adiante. Na figura anterior, podemos observar uma ortofoto digital e podemos ver os atributos de um determinado pixel em uma determinada posição. 40

41 CONSTRUINDO VISTAS ADICIONA (TEMAS) IMAGENS, ARQUIVOS CAD, COORDENADAS E SHAPEFILES NA VISTA LEGENDA VISTA LOCALIZADOR 41

42 CONSTRUINDO VISTAS A construção de vistas é realizada primeiro, abrindo ou criando a vista, em seguida o usuário deve adicionar temas (imagens, shapefiles, etc) para esta vista. No lado esquerdo da vista fica a legenda dos temas que pode ser editada. Na vista ainda tem o espaço denominado Localizador onde são inseridos dados que ficam geograficamente ligados com os dados que estão na Vista. O usuário pode utilizar o Localizador para acessar áreas geográficas mais rapidamente. Shapefiles são arquivos que podem ser construídos e editados no gvsig. Estes arquivos possuem dados descritivos armazenados em tabelas. Muitos 42

43 ADICIONANDO TEMAS NA VISTA tema NAVEGAÇÃO Files Types : (Shapefiles, CAD, Imagens, Outros) 43

44 ADICIONANDO TEMAS NA VISTA Para adicionar i temas em uma VISTA, ousuário deve acionar o segundo ícone na barra de botões, isto causará a abertura de uma caixa de diálogo onde o usuário pode navegar pelos diretórios e procurar as temas, shapefiles e imagens. Os dados espaciais são exibidos na janela esquerda da caixa de diálogo, no caso de uma tema que possui topologia de polígono, linha, etc., aparece um ícone verde e amarelo, dando apenas um clique neste ícone, o usuário pode escolher a feição da tema que deseja exibir. É possível também adicionar dados de servidores de Internet (WFS, WCS, WMS e ArcMap). Ainda é possível adicionar dados oriundos de bancos de dados geográficos (PostGIS, HSQLDB, MySQL e Oracle) em ambientes coorporativos. 44

45 ESTADOS DE UM TEMA TEMA LIGADO E EM EDIÇÃO NÃO ATIVO TEMA LIGADO E ATIVO TEMA DESLIGADO E DESATIVADO TEMA LIGADO 45

46 ESTADOS DE UM TEMA Quando um tema está adicionado em uma Vista, ele pode assumir vários estados : Tema Ligado : Quando o conteúdo do tema está exibido na Vista, o tema pode estar desligado, para que um tema esteja ligado, o usuário deve dar um clique no quadrado d em que está junto ao nome do tema. O usuário pode ligar e desligar o tema conforme for a necessidade. Tema Desligado : Quando o conteúdo do tema não está aparecendo na Vista e o quadrado junto ao nome do tema não está marcado, dizemos que o tema está desligado. TemaAtivo:Quandoaáreadonomeelegendadotemaestáemnegritoe circundado, dizemos que o tema está ativo, devemos ativar um tema toda vez que vamos consultá-lo ou realizar alguma manipulação ou processamento com o mesmo. Para ativar um tema, basta dar um clique sobre o nome do mesmo. Podemos ativar vários temas, basta segurar a tecla Shift pressionada e ir clicando nos vários temas que desejamos ativar. Tema em Edição : Quando o nome do tema está vermelho, dizemos que o tema está em edição. Para colocar um tema em edição, devemos ativá-lo e em seguida selecionar a opção Start Edition no menu superior do gvsig. Podemos ter vários temas em edição, mas somente um tema em edição ativo, ou seja, para editar um tema ele deve estar em edição e ativo. 46

47 EDIÇÃO DE LEGENDAS 47

48 EDIÇÃO DE LEGENDAS A edição de legendas se iniciai quando ousuário pressiona o botão direitoit do mouse sobre um tema e então escolhe a opção Propriedades no menu de contexto. Esta ação causará a abertura de uma caixa de diálogo onde o usuário pode modelar a legenda e a forma de exibição do tema. O usuário pode selecionar quatro tipos de legendas, onde os tipos de legendas mais utilizados para simbolizar temas são Símbolo Único, Valores Únicos, Intervalos e Densidade de Pontos. Nas propriedades do tema é possível etiquetar (colocar textos) as feições. No editor de legendas o usuário pode montar a simbologia com o qual o tema será exibido, o usuário pode escolher um estilo de hachura ou linha ou ponto ou texto, em seguida é possível escolher as cores para o estilo escolhido. É possível escolher cor de fundo, frente, contorno, etc. O usuário pode ainda definir com que tamanho um símbolo pode ser exibido, bd bom como o tamanho de um texto. O usuário pode associar imagens (ícones) para pontos, pode ainda especificar a porcentagem de transparência dos temas para visualizar vários temas de uma só vez. 48

49 EDIÇÃO DE LEGENDAS Símbolo Único Intervalos Valores Únicos Densidade de Pontos 49

50 EDIÇÃO DE LEGENDAS Símbolo Único: Todas as feições no tema são exibidos com as mesmas cores e símbolos. Intervalos: As feições são exibidas com o mesmo tipo de símbolo, mas as cores representam um progressão de valores para um dado atributo especificado. O atributo deve ser do tipo numérico obrigatoriamente. Este tipo de legenda é utilizado na produção de mapas quantitativos. Valores Únicos: Cada valor único em um tema é representado como um único símbolo. Neste caso, o atributo pode ser do tipo texto ou do tipo numérico. Este tipo de legenda é utilizado na produção de mapas qualitativos. DensidadedePontos: As feições de um tema de polígonos são exibidos com um número de pontos correspondente a um valor. Neste caso, o atributo deve ser do tipo numérico. Este tipo de legenda é utilizado na produção de mapas quantitativos. 50

51 CONFIGURAÇÃO DE SÍMBOLOS 51

52 CONFIGURAÇÃO DE SÍMBOLOS Na edição de legenda, o usuário pode desejar alterar algum símbolo, para isto o usuário deve clicar duas vezes sobre o tipo de símbolo que deseja alterar sobre o editor de legendas. Isto causará a abertura de uma caixa de legenda onde o usuário pode selecionar o padrão de preenchimento (hachuras, linhas e pontos), as cores, a espessura de linhas e tamanho de pontos, e finalmente a porcentagem de transparência para o tema. 52

53 Legenda de Símbolo Único Cor de Preenchimento Tipo de Preenchimento Cor da Linha de Contorno Tipo de Linha de Contorno Sincroniza Cor da Linha com Cor de Preenchimento Espessura da Linha de Contorno Porcentagem de Transparência Todas as feições são desenhadas utilizando-se um único estilo de símbolo em uma única cor 53

54 Legenda de Símbolo Único Quando se carrega um tema em uma Vista, geralmente o tema todo é representado com um único estilo de símbolo em uma única cor. Na maioria das vezes deseja-se alterar esse tipo de símbolo e/ou sua cor, para melhorar a representação. Se necessitamos representar todas as feições de um tema da mesma forma, podemos escolher a legenda de símbolo único, como mostrado na página anterior, podemos escolher o estilo do símbolo e em seguida as cores com que esse símbolo será exibido. 54

55 Legenda de Intervalo Utiliza-se um item numérico e divide-se os valores desses itens em classes, cada classe de valores recebe uma intensidade de cor. Geralmente as cores mais claras são destinadas para as classes de valores menores. 55

56 Legenda de Intervalo Em muitas aplicações, é necessário construir mapas quantitativos. Um mapa quantitativo pode ser construído no gvsig de duas maneiras, uma delas é utilizando-se intervalo de cores. Um mapa de intervalo de cores, geralmente ilustrada as pequenas quantidades utilizando-se de cores claras, e as grande quantidades com cores mais intensas, como pode ser observado na figura anterior. O editor de legendas do gvsig fornece várias ferramentas para se construir um mapa quantitativo com intervalo de cores. Primeiro o usuário deve fornecer um item do tema geográfico que seja numérico (gvsig já separa todos os itens numéricos), em seguida o usuário pode escolher faixas de cores disponíveis no gvsig e também especificar o número de classes e o método de classificação para graduar as cores. É possível que o usuário altere o texto da legenda, para isso basta editar o texto que se encontra no campo etiqueta do editor de legendas. Se for necessário, o usuário pode alterar alguma cor específica ou ainda pode eliminar ou alterar a cor, tipo e espessura da linha de contorno. 56

57 Legenda de Valor Único Utiliza-se legenda de valor único, para representar feições que se enquadram na mesma categoria. 57

58 Legenda de Valor Único Em muitas aplicações, é necessário construir mapas qualitativos. Um mapa qualitativo pode ser construído no gvsig utilizando-se a opção de legenda de valores únicos. Em muitos casos, os temas geográficos possuem grupos de feições que se enquadram em uma determinada característica e o que se deseja nesse caso é simbolizar cada categoria de feições com um símbolo único e específico Para construir um mapa qualitativo, o usuário deve fornecer um item do tema geográfico que pode sernumérico éi ou não (gvsig fornece a lista de todos os itens), em seguida o usuário pode alterar as cores disponíveis na legenda. É possível que o usuárioaltereotextodalegenda,paraissobastaeditaro texto que se encontra no campo etiqueta do editor de legendas. Se for necessário, o usuário pode alterar alguma cor específica ou ainda pode eliminar ou alterar a cor, tipo e espessura da linha de contorno. 58

59 Legenda de Densidade de Pontos Para se ter esse tipo de representação, é necessário utilizar um item numérico, para então representar um certo valor desse item por um ponto. 59

60 Legenda de Densidade de Pontos Um mapa de densidade de pontos é também um mapa quantitativo. Nesse tipo de mapa, onde existem maiores quantidades de pontos, existem a maior presença de uma certa característica ou evento. Num mapa de densidade de pontos geralmente um único ponto representa uma certa quantidade do item que se está representando. No exemplo anterior, cada ponto que aparece no mapa representa m 2. O editor de legendas do gvsig fornece várias ferramentas para se construir um mapa de densidade de pontos. Primeiro o usuário deve fornecer um item do tema geográfico que seja numérico (gvsig já separa todos os itens numéricos), em seguida o usuário deve definir a quantidade que cada ponto irá representar. Se for necessário, o usuário pode alterar a cor do ponto, bem como alterar a cor da borda dos polígonos. 60

61 Métodos de Classificação Intervalos Naturais Método Default do gvsig, baseia-se na minimização da variância dentro de cada classe (Método estatístico de Jenk). Intervalos Quartis Nesse método os valores são ordenados, d depois é obtido o valor da mediana e as partes inferiores e superiores da mediana são subdivididas. Intervalos Iguais Divide a faixa de variação em sub-faixas de valores iguais, considerando o valor menor e o valor maior do conjunto. 61

62 Métodos de Classificação Quando se está produzindo mapas quantitativos, o gvsig fornece vários métodos de classificação : Intervalos Naturais Este é o método de classificação padrão. Esse método identifica as quebras entre as classes utilizando uma fórmula estatística (Otimização de Jenk). Este método consiste basicamente na minimização da soma da variância dentro de cada classe. Intervalos Quartis Nesse método de classificação, cada classe contém o mesmo número de feições. Inicialmente os dados à serem classificados são ordenados e é encontrado o valor da mediana, em seguida, os sub-conjuntos acima e abaixo da mediana são subdivididos. Intervalos Iguais Este método divide a amplitude dos valores de atributos em sub-faixas de igual tamanho. Então as feições são classificadas baseadas nas sub-faixas. Este tipo de classificação não apresenta bons resultados quando o conjunto de dados em classificação não apresenta linearidade. 62

63 GRAVANDO E LENDO AS LEGENDAS Realiza a gravação de legenda Realiza a leitura de legenda 63

64 GRAVANDO E LENDO AS LEGENDAS Muitas vezes temos que utilizar várias vezes um mesmo tema em vários projetos gvsig diferentes, porém queremos que este tema seja simbolizado da mesma forma nos vários projetos. Desta forma, podemos gravar a legenda deste tema, de tal forma, que não precisaremos gastar tempo parasimbolizaromesmotemaváriasvezes,damesma forma. Para fazer isso, basta clicar no botão Guardar Legenda do editor de legendas e depois informar o diretório e o nome do arquivo de legenda que deverá ser gravado. Quando for necessário reutilizar uma legenda anteriormente gravada, basta abrir oeditordelegendas e então clicar no botão Recuperar Legenda do editor de legendas. 64

65 ETIQUETANDO TEMAS 65

66 ETIQUETANDO TEMAS Para produzir mapas ou ainda explorar dados geográficos, muitas vezes é necessário colocar o conteúdo de atributos do tema como textos vinculados ao dado, a este procedimento damos o nome de etiquetagem. Acessandoaspropriedadesdotema,acessamosaabaSimbologiaedepoisescolha aopção Etiquetas, selecione o atributo utilizado para etiquetar o tema, é possível escolher a fonte, tamanho, cor e tipo do texto. Se o dadod geográfico possuir atributos tibt com informações sobre o tamanho e rotação do texto, estes atributos podem ser utilizados para auxiliar no posicionamento das etiquetas. 66

67 EXERCÍCIOS 1 - Inicie o gvsig, abra o projeto Goania.GVP, GVP abra a vista Goiânia 2D, adicione os temas (dados vetoriais) "bai.shp" "lot.shp" "mfi.shp" "pedl.shp" "qdr.shp, contidos do diretório Curso_gvSIG\Dados. Ordene os temas de forma que todos possam ser visualizados. Adicione o tema (dado matricial) Orto.SID, novamente organize os temas para que todos os dados possam ser visualizados. (Acesse o vídeo ex02a_01.htm). 2 Adicione a imagem orto.shp no localizador da vista Goiânia 2D. (Acesse o vídeo ex02a_02.htm). 3 Desligue os temas pedl.shp, lot.shp, mfi.shp e qdr.shp. Altere a legenda do tema bai.shp para símbolo único, coloque este tema com transparência de 128. Lique os temas qdr.shp e lot.shp, retire a cor de preenchimento destes dois temas e escolha as cores das linhas de contorno. Ordene os temas se for necessário. Ligue o tema mfi.shp e coloque a cor da linha para esse tema para cor branca. (Acesse o vídeo ex02a_03.htm). 4 Deixe somente os temas bai.shp e orto.sid ligados. Escolha a opção Zoom Completo, altere a legenda do tema bai.shp, escolha o tipo de legenda para Intervalos, selecione o campo de classificação para Área, escolha a cor inicial e final, quatro classes, escolha o tipo de intervalo para Intervalos naturais, calcule os valores e aplique a legenda. Altere o tipo de intervalo para Intervalos iguais, calcule os valores e aplique a legenda, finalmente altere o tipo de intervalo para Intervalos quartis, calcule os valores e aplique a legenda. Verifique as características e diferenças dos métodos de classificação. (Acesse o vídeo ex02a_04.htm). 67

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Ministério da Defesa Exército Brasileiro Maio/2012 Sumário 1- Introdução...2 1.1- O que é o BDGEx?...2 1.2- Entrando no Sistema...2 1.3- Apresentando a Área de Trabalho

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView Essa aula apresenta o software TerraView apresentando sua interface e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados neste documento bem como o executável

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Aprendendo a Usar o ArcExplorer

Aprendendo a Usar o ArcExplorer Aprendendo a Usar o ArcExplorer O ArcExplorer é um software simples de visualização e consultas de arquivos utilizados em geoprocessamento. Muito embora seja um software livre e conseqüentemente, para

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

AULA 2 Planos, Vistas e Temas

AULA 2 Planos, Vistas e Temas 2.1 AULA 2 Planos, Vistas e Temas Essa aula apresenta os conceitos de Plano de Informação, Vista e Tema e suas manipulações no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado na AULA 1. Abra o

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Nesse capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 1 Índice Portal CopaGIS...3 1 - Como se cadastrar...4 2 - Serviços do Portal de Geoprocessamento...8 3 - Serviço de Consulta...9 3.1 - Dados informativos... 10

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Introdução ao gvsig portable v1.11 SIG-RB Módulo Básico

Introdução ao gvsig portable v1.11 SIG-RB Módulo Básico Introdução ao gvsig portable v1.11 SIG-RB Módulo Básico Equipe SIG-RB: Alex Joci dos Santos Arlei Benedito Macedo Fábio Rodrigo de Oliveira Gilberto Cugler Lays dias Silva Marcelo da Silva AUTORES Revisão:

Leia mais

Iniciando o ArcView 3.2

Iniciando o ArcView 3.2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS DEGEO LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Iniciando o ArcView 3.2 Selma Regina Aranha Ribeiro Ricardo Kwiatkowski Silva Carlos André

Leia mais

Manual de Sistema - 03/2014 Versão 4.15.0.4766

Manual de Sistema - 03/2014 Versão 4.15.0.4766 Manual de Sistema - 03/2014 Versão 4.15.0.4766 O Geocloud depende de alguns softwares para o seu melhor funcionamento. Depois de diversos testes e ajustes, para oferecer aos nossos usuários a melhor experiência

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word PowerPoint 2013 Sumário Introdução... 1 Iniciando o PowerPoint 2013... 2 Criando Nova Apresentação... 10 Inserindo Novo Slide... 13 Formatando Slides... 15 Inserindo Imagem e Clip-art... 16 Inserindo Formas...

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça CAVG Disciplina: Informática Apresentação Gráfica

Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça CAVG Disciplina: Informática Apresentação Gráfica Apresentação Gráfica Microsoft Office Power Point 1 Sumário 1. MICROSOFT POWER POINT... 4 1.1. INICIANDO O MICROSOFT POWER POINT... 4 2. CONHECENDO A INTERFACE DO POWER POINT... 5 2.1. O DOCUMENTO DO POWER

Leia mais

4ª aba do cadastro: Mapa Orientações para upload de shapefiles

4ª aba do cadastro: Mapa Orientações para upload de shapefiles Conteúdo: 1. Como fazer upload de arquivos espaciais no SiCAR-SP? Formato dos arquivos Características do shapefile Sistema de Coordenadas requerido Como preparar o shapefile para o upload 2. O que fazer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP OpenJUMP No início foi chamado apenas de JUMP (JAVA Unified Mapping Platform), e se tornou popular no mundo livre de SIG(Sistema de informação Geográfica), desenhado por Vivid Solutions. Atualmente é desenvolvido

Leia mais

BASE 2.0. Conhecendo BrOffice.org Base 2.0 Básico

BASE 2.0. Conhecendo BrOffice.org Base 2.0 Básico BASE 2.0 1 Autor: Alessandro da Silva Almeida alessandroalmeida.teledata@ancine.gov.br Elaborado em : Final Janeiro de 2006. Licença: O manual segue os termos e condições da Licença Creative Attribution-NonCommercial-ShareAlike

Leia mais

Microsoft PowerPoint

Microsoft PowerPoint Microsoft PowerPoint Microsoft PowerPoint é utilizado para desenvolver apresentações. Os trabalhos desenvolvidos com este aplicativo normalmente são apresentados com o auxílio de um datashow. Apresentações

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Aplicado a Bacias Hidrográficas Aula 1. Frederico Damasceno Bortoloti

Sistema de Informações Geográficas Aplicado a Bacias Hidrográficas Aula 1. Frederico Damasceno Bortoloti Sistema de Informações Geográficas Aplicado a Bacias Hidrográficas Aula 1 Frederico Damasceno Bortoloti Agenda Revisão das funcionalidades do ArcGIS Criação de documentos de mapa Classificação de camadas

Leia mais

OpenOffice Calc. Por: Leandro Dalcero

OpenOffice Calc. Por: Leandro Dalcero OpenOffice Calc Por: Leandro Dalcero Índice... 1. Iniciando o Calc 1.0 2. Componentes básico da janela do Calc...... 3. Menu Arquivo... 3.1.Novo 3.2.Abrir... 3.3.Piloto Automático...... 3.4.Fechar 3.5.Salvar......

Leia mais

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14 Guia do Usuário idocsscan v.2.1.14 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 5 Instalação... 7 Inicializando a aplicação... 12 Barras de acesso e informações... 13 Teclas de atalho... 14 Barra de Ferramentas...

Leia mais

MAPA - Orientações. Conteúdo desse documento:

MAPA - Orientações. Conteúdo desse documento: Conteúdo desse documento: 1. Como fazer upload de arquivos espaciais no CAR 1.a. Formato do arquivo 1.b. Características do shapefile 1.c. Sistema de coordenadas requerido 1.d. Como preparar o shapefile

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

[CURSO DE FÉRIAS FIREWORKS] JULHO / 2011

[CURSO DE FÉRIAS FIREWORKS] JULHO / 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO DO FIREWORKS... 2 1.1 - Diferença entre imagem Vetorial e Bitmap... 2 1.2 - Formato de Arquivos... 3 2. AMBIENTE DO FIREWORKS... 3 2.1 - INICIANDO UM PROJETO... 4 3. DESENHANDO NO

Leia mais

Objetivo: desenvolver um Plano de Bacia Hidrográfica

Objetivo: desenvolver um Plano de Bacia Hidrográfica Tutorial de Aplicações do geoprocessamento em Sistema de Informação Geográfica livre Elaborado por: ¹Loide Angelini Sobrinha; ²Leandro Guimarães Bais Martins; ³João Luiz Boccia Brandão ¹ ²Engenheiro(a)

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

BREVE TUTORIAL DO PAINT PARTE I Prof. Reginaldo Brito - Informática

BREVE TUTORIAL DO PAINT PARTE I Prof. Reginaldo Brito - Informática BREVE TUTORIAL DO PAINT PARTE I Prof. Reginaldo Brito - Informática O Paint é o programa de edição de imagens padrão do Windows, ao instalar o sistema o Paint é instalado automaticamente. Provavelmente,

Leia mais

Basicão de Estatística no EXCEL

Basicão de Estatística no EXCEL Basicão de Estatística no EXCEL Bertolo, Luiz A. Agosto 2008 2 I. Introdução II. Ferramentas III. Planilha de dados 3.1 Introdução 3.2 Formatação de células 3.3 Inserir ou excluir linhas e colunas 3.4

Leia mais

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal Word 1 - Introdução O Word para Windows ou NT, é um processador de textos cuja finalidade é a de nos ajudar a trabalhar de maneira mais eficiente tanto na elaboração de documentos simples, quanto naqueles

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Autor: Júlio Battisti www.juliobattisti.com.br

Autor: Júlio Battisti www.juliobattisti.com.br Autor: Júlio Battisti www.juliobattisti.com.br Livro: Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 Avançado, Análise de Dados e Cenários, Tabelas e Gráficos Dinâmicos, Macros e Programação VBA - Através de Exemplos

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLIGIA DA INFORMAÇÃO CGTI I3GEO MÓDULO BÁSICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLIGIA DA INFORMAÇÃO CGTI I3GEO MÓDULO BÁSICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLIGIA DA INFORMAÇÃO CGTI I3GEO MÓDULO BÁSICO Brasília Setembro de 2007 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 1.1. O QUE É I3GEO?...3 2. UTILIZANDO O I3GEO...4

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

GIMP 2.8 Guia para Remoção do Pixel Valor Zero nas Imagens Landsat-8

GIMP 2.8 Guia para Remoção do Pixel Valor Zero nas Imagens Landsat-8 GIMP 2.8 Guia para Remoção do Pixel Valor Zero nas Imagens Landsat-8 Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 4 O Problema do Pixel Valor Zero... 4 1.1 Transformação Radiométrica... 4 1.2 Equalização

Leia mais

INTRODUÇÃO WORKCAD NA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

INTRODUÇÃO WORKCAD NA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO O WorkCAD é uma ferramenta para criação, edição e impressão de projetos assistidos por computador (CAD - Computer Aided Design) que inclui a criação e gerenciamento de projetos 3D, maquetes

Leia mais

BrOffice Impress Módulo 06 ÍNDICE

BrOffice Impress Módulo 06 ÍNDICE ÍNDICE VÍDEO 1 Trabalhando com o BrOffice.org Impress VÍDEO 2 Conhecendo o BrOffice.org Impress VÍDEO 3 Criando uma nova apresentação VÍDEO 4 Estrutura de tópicos VÍDEO 5 Layout VÍDEO 6 Trabalhando com

Leia mais

Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados.

Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados. Windows Menu Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados. Minimizar Fechar Maximizar/restaurar Uma janela é composta de vários elementos

Leia mais

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8 Sumário O Software... 3 O IrrigaCAD...3 Versões do AutoCAD...3 Configurações Mínimas...3 Acionamento... 4 Elementos Gráficos... 4 Apresentando as Ferrametas...5 Barra de Títulos e Agrupamentos...5 Ferramentas

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK 1 SÚMARIO ASSUNTO PÁGINA Componentes da Lousa... 03 Função Básica... 04 Função Bandeja de Canetas... 05 Calibrando a Lousa... 06

Leia mais

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Informática Básica Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Introdução O editor de textos Microsoft Word oferece um conjunto de recursos bastante completo, cobrindo todas as etapas de preparação, formatação e impressão

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

para Windows OpenOffice.org 1.0: Manual do usuário

para Windows OpenOffice.org 1.0: Manual do usuário para Windows Secretaria da Administração Cia de Processamento de Dados do Estado da Bahia Cia de Processamento de Dados do Estado da Bahia Introdução Bem vindo ao. O contém informações sobre como utilizar

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Tour pela área de trabalho

Tour pela área de trabalho Tour pela área de trabalho Bem-vindo ao CorelDRAW, um programa abrangente de desenho e design gráfico baseado em vetor para o profissional gráfico. Neste tutorial, você se familiarizará com a terminologia

Leia mais

APOSTILA WORD BÁSICO

APOSTILA WORD BÁSICO APOSTILA WORD BÁSICO Apresentação O WORD é um editor de textos, que pertence ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de textos, cartas, memorandos, documentos, mala

Leia mais

Uruaçu - 2009. Professoras Formadoras do NTE Uruaçu

Uruaçu - 2009. Professoras Formadoras do NTE Uruaçu Professoras Formadoras do NTE Uruaçu Uruaçu - 2009 Núcleo de Tecnologia Educacional de Uruaçu Rua Maranhão Quadra 02 Lote 01 Bairro JK Uruaçu Goiás Telefone: (62)3357-4237 - Fax : 3357-4217 E-mail nteuruacu@hotmail.com

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Microsoft Word INTRODUÇÃO

Microsoft Word INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O Word é uma ferramenta utilizada para o processamento e editoração eletrônica de textos. O processamento de textos consiste na possibilidade de executar e criar efeitos sobre um texto qualquer,

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite. Excel. Profª Leticia Lopes Leite

Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite. Excel. Profª Leticia Lopes Leite Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite Excel Profª Leticia Lopes Leite 1 Indice 1 Indice 2 2 Introdução 4 2.1 Área de Trabalho 4 2.2 Barra de Ferramentas 5 2.2.1 Ferramenta Pincel 5 2.2.2 Classificar

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

AULA 2 Planos, Vistas e Temas

AULA 2 Planos, Vistas e Temas 2.1 AULA 2 Planos, Vistas e Temas Essa aula apresenta os conceitos de Plano de Informação, Vista e Tema e suas manipulações no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado na AULA 1. Abra o

Leia mais

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Helio Larri Vist Geógrafo Mestre em Sensoriamento Remoto Ayr Müller Gonçalves Educador Físico e Graduando em Segurança da Informação Rai Nunes dos Santos

Leia mais

OpenOffice Writer. Por: Leandro Dalcero

OpenOffice Writer. Por: Leandro Dalcero OpenOffice Writer Por: Leandro Dalcero Índice 1 Iniciando o Writer... Pág. 1 2 Componentes básicos da janela do Writer... Pág. 1 3 Menu Arquivo... Pág. 3 3.1 Novo... Pág. 3 3.2 Abrir... Pág. 3 3.3 Piloto

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso Manual de Apoio ao Treinamento Expresso 1 EXPRESSO MAIL É dividido em algumas partes principais como: Caixa de Entrada: local onde ficam as mensagens recebidas. O número em vermelho entre parênteses refere-se

Leia mais

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica;

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica; Mapas Destinado especialmente aos Utilizadores do GEOPORTAL, nele são descritas e explicadas as diferentes funcionalidades existentes no FrontOffice (GEOPORTAL). O GEOPORTAL é baseado em tecnologia Web,

Leia mais

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE ÍNDICE Vídeo 01: Introdução ao BrOffice Vídeo 02: Componentes Vídeo 03: Outras funções Vídeo 04: Formato de arquivo Vídeo 05: Uso Vídeo 06: Multiplataforma Vídeo 07: Conhecendo a interface Vídeo 08: Experimentando

Leia mais

Planilha de Cálculo - Windows. Manual do usuário. Campus Frederico Westphalen-RS

Planilha de Cálculo - Windows. Manual do usuário. Campus Frederico Westphalen-RS Planilha de Cálculo - Windows Manual do usuário Campus Frederico Westphalen-RS Introdução Bem vindo ao OpenOffice.org 1.0: Manual do usuário. O OpenOffice.org 1.0: Manual do usuário contém informações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

MICROSOFT PowerPoint 2000 SUMÁRIO

MICROSOFT PowerPoint 2000 SUMÁRIO MICROSOFT PowerPoint 2000 SUMÁRIO 01 - INTRODUÇÃO 02 - INICIANDO O PowerPoint 2000 03 - ASSISTENTE DE AUTOCONTEÚDO 04 - MODELO DE ESTRUTURA 05 - INICIAR COM UM MODELO DE ESTRUTURA 06 - ESCOLHER UM AUTOLAYOUT

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instruções para Uso do Software VISIO Fevereiro/2006 Instruções para uso do Visio... 03 Instruções para Uso do Software VISIO 2 Instruções para uso do Visio O Visio 2003...

Leia mais

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento Configurar o Word FIGURA 1.26 Serviços ligados 1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento O Microsoft Office 2013 apenas tem disponíveis ligações a serviços de armazenamento proprietários da Microsoft.

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

Introdução ao GeoGebra

Introdução ao GeoGebra Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Introdução ao GeoGebra Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior AGOSTO 2010 Sumário 1 Primeiros Passos com o GeoGebra 4 1.1 Conhecendo o Programa............................

Leia mais

Importação de arquivos Raster e Vetorial no Terraview

Importação de arquivos Raster e Vetorial no Terraview MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Executiva Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH DIVISÃO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO - TDE Apostila do BrOffice.org

Leia mais

WINDOWS EXPLORER Pro r f. f. R o R be b rt r o t A n A d n r d a r de d

WINDOWS EXPLORER Pro r f. f. R o R be b rt r o t A n A d n r d a r de d WINDOWS EXPLORER Prof. Roberto Andrade Roteiro desta aula 1. OqueéoWindowsExplorer 2. Acionamento do Windows Explorer 3. Entendendo Unidades, Pastas e Arquivos 4. Ambiente gráfico(janela, Barras e Botões)

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

Tutorial de gvsig básico aplicado a estudos históricos

Tutorial de gvsig básico aplicado a estudos históricos Tutorial de gvsig básico aplicado a estudos históricos Sumário O Hímaco Parte I Definições Importantes O que é SIG? - Objetivos diversos de um SIG - Criando um SIG histórico - O gvsig - Características

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Página 1 Índice Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 1 O que é o EasyReader? 4 Abrir um livro 5 Abrir um novo livro de um CD/DVD 5 Abrir um novo livro

Leia mais

Processamento Eletrônico de Documentos / NT Editora. -- Brasília: 2013. 128p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Processamento Eletrônico de Documentos / NT Editora. -- Brasília: 2013. 128p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

Microsoft Office Word 2007

Microsoft Office Word 2007 Microsoft Office Word 2007 Criando ou editando um documento no MS-Word 1 O Microsoft Word É o processador de textos mais conhecido e utilizado do mundo. A nova interface é agradável, com comandos e funções

Leia mais

6.10 Exercício...38 7 ORDENAÇÃO OU CLASSIFICAÇÃO DE DADOS...39 7.1 Autofiltro...39 7.2 Filtro padrão...39 7.3 Exercício...39 8 GRÁFICO...40 8.

6.10 Exercício...38 7 ORDENAÇÃO OU CLASSIFICAÇÃO DE DADOS...39 7.1 Autofiltro...39 7.2 Filtro padrão...39 7.3 Exercício...39 8 GRÁFICO...40 8. Sumário 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 O que é uma planilha...5 1.2 Importância do uso de planilhas eletrônica...5 1.3 Quais os Software disponíveis...5 1.4 O que é BrOffice.org Calc?...5 1.5 Exercício...5 2 APRESENTANDO

Leia mais