PONTE SOBRE O RIO TUA, E PONTE SOBRE O RIO CEIRA - PROCESSOS CONSTRUTIVOS E EQUIPAMENTOS.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTE SOBRE O RIO TUA, E PONTE SOBRE O RIO CEIRA - PROCESSOS CONSTRUTIVOS E EQUIPAMENTOS."

Transcrição

1 PONTE SOBRE O RIO TUA, E PONTE SOBRE O RIO CEIRA - PROCESSOS CONSTRUTIVOS E EQUIPAMENTOS. Autor: Nuno Henriques Engenheiro Civil (UP) Telemóvel n.º / Diretor de Obra da Mota-Engil Engenharia e Construção SA R. Mário Dionísio 2, Linda-a-Velha Sumário A presente comunicação tem como objetivo descrever e analisar os processos construtivos e equipamentos utilizados na construção de duas pontes de dimensões invulgares e recentemente concluídas: a Ponte sobre o Rio Tua no IC5, e a Ponte sobre o Rio Ceira no IC3. Palavras-chave: Tua; Ceira; processos construtivos; deslize; carro de avanço. 1 INTRODUÇÃO No âmbito da construção da Ponte sobre o Rio Tua, e da ponte sobre o Rio Ceira, teve o empreiteiro a oportunidade de em parceria com o Projetista, respetivamente a ARMANDO RITO ENGENHARIA SA, e a LCW CONSULT SA, de integrar no projeto de execução os equipamentos disponíveis e os processos construtivos, que mais garantias davam de cumprimento dos objetivos do Empreendimento. 2 PONTE SOBRE O RIO TUA A Ponte sobre o Rio Tua está inserida no lanço entre Murça (IP4) e o Nó de Pombal no IC5, e vence o vale do Tua a uma altura máxima de cerca de 140 metros cruzando a Linha Ferroviária do Tua. A superstrutura é constituída por uma tabuleiro em viga caixão de três tramos de grandes dimensões, com vão de m perfazendo um comprimento total de 500 metros entre eixos de apoio nos encontros. Figura 1. Alçado da Ponte sobre o Rio Tua O tabuleiro é constituído por um caixão monocelular, em betão armado pré esforçado, com uma secção transversal constituída por duas almas, com espessura variável, que são ligadas inferiormente por uma laje, 1

2 também de espessura variável decrescente dos pilares para os vãos, e superiormente pela laje que comporta a faixa de rodagem, as bermas e os passadiços. Figura 2. Secção transversal do tabuleiro da Ponte sobre o Rio Tua O comprimento das aduelas foi alterado na fase de projeto de execução, de forma a permitir a utilização dos equipamentos disponíveis do Empreiteiro. Figura 3. Alçados com definição de comprimentos de aduelas 2

3 Os pilares, um por eixo de apoio do tabuleiro, são construídos em betão armado e são formados por uma seção transversal oca com dimensões exteriores constantes nos 35 metros superiores, a secção transversal aumenta no pilar mais alto e de acordo com uma variação parabólica, à medida que se aproximam da sua base. Na zona superior as dimensões exteriores dos pilares são iguais a 7 8 metros, aumentando até aos 12,27 x 14,02 metros, junto à base do pilar P2. As almas têm uma espessura constante de 0,70 metros. O pilar P1 tem uma altura na ordem dos 55 metros enquanto o pilar P2 apresenta uma altura de cerca de 85 metros. Figura 4. Pilar P1 da Ponte sobre o Rio Tua Figura 5. Pilar P2 da Ponte sobre o Rio Tua 3

4 3 PONTE SOBRE O RIO CEIRA A obra de arte é constituída por duas estruturas distintas: a do atravessamento do Rio Ceira, e a do viaduto de acesso. Geometricamente, a obra desenvolve-se em S e cada uma das estruturas apresenta a inclinação transversal sempre para o mesmo lado, ou seja, o pilar de transição (P4) entre as duas estruturas corresponde a uma zona de inflexão (Figura 6). Figura 6. Alçado e Planta da Ponte sobre o Rio Ceira O atravessamento do Ceira é efetuado por um pórtico múltiplo com tabuleiro contínuo em betão armado préesforçado, entre o encontro E1 e o pilar P4, com 582 m de extensão, cuja distribuição de vãos é m. Este tabuleiro apresenta-se em viga-caixão monocelular com almas inclinadas, variando de 14.5 m de altura sobre os pilares P2 e P3 até 5.5 m na zona de fecho central do vão entre aqueles pilares e nas secções entre o encontro E1 e o pilar P1 e junto ao pilar P4. Figura 7. Cortes Transversais do Tabuleiro 4

5 O viaduto de acesso é constituído por tabuleiro em laje vigada contínua em betão armado pré-esforçado com 4 vigas, numa extensão de m, com a distribuição de vãos 35.5 m+7 vãos x 40 m+30 m. 4 PROCESSO CONSTRUTIVO DOS PILARES A Mota-Engil, é pioneira em Portugal no uso das cofragens deslizantes, tem ao longo destes anos construído por deslize um significativo número de obras onde é possível aplicar o sistema, tais como silos, chaminés, torres de telecomunicações, pilares de pontes, caixas de escada e elevadores entre outras estruturas. Os pilares de ambas as pontes foram mais um exemplo de sucesso na aplicação deste sistema. O processo de cofragem deslizante, mais comumente designado por deslize, é um sistema que permite realizar betonagens contínuas sem qualquer interrupção, permitindo assim não haver juntas de betonagem e rapidez de execução. 4.1 Ponte sobre o Rio Tua O pilar Sul (P2) atinge os 90 m de altura, tem fuste tubular de seção constante num troço superior, sendo o necessário acréscimo de seção na zona inferior conferido pelas dimensões variáveis das 4 nervuras de canto (figura 8). O pilar P1 possui assim dimensões exteriores de 9,0 x 8,0 m, enquanto no pilar P2, a partir dos 50m contados da base, essas dimensões aumentam numa variação parabólica até 15,0 x13,3m na sua base. Para a execução deste pilar foi necessário construir uma estrutura metálica de suporte da cofragem que possibilitasse a transição da zona parabólica para a zona recta. Figura 8. Alçado do Pilar P2 Foi possível executar o pilar P1 (com 55 metros de altura) em 11 dias e o Pilar P2 (com 85 metros de altura) em apenas 3 semanas, apesar da variação da geometria transversal que este apresentava. 5

6 Figura 9 e Figura 10. Projeto da cofragem deslizante Figura 11, Figura 12 e Figura 13. Fotografias da execução dos pilares P2 e P3 4.2 Ponte sobre o Rio Ceira Fuste dos pilares da Ponte Foi, igualmente, utilizado o sistema de Cofragem Deslizante, de forma a permitir um ritmo de construção compatível com o prazo disponível. Em cada alinhamento dos pilares P2 e P3 foram deslizadas, em simultâneo, as duas lâminas com secção de caixão. Para facilidade de circulação das equipas, entre lâminas-caixão, foi montado um passadiço com cerca de 6

7 15 m de vão, permitindo assim uma rápida e segura circulação das equipas entre os dois sistemas de deslize independentes. (Fig. 15) Figura 14. Geometria do pilar P2 Figura 15 e Figura 16. Planta de Localização dos Postos (Esq.). Foto (Dir.) 4.3 Ponte sobre o Rio Ceira Fuste dos pilares do Viaduto de Acesso Em cada alinhamento foram deslizados, em simultâneo, os dois fustes, permitindo a rotatividade da equipa que operava o sistema. 7

8 Figura 17 e Figura 18. Planta e Corte Transversal (Esq.). Foto Geral (Dir.) 5 PROCESSO CONSTRUTIVO DOS TABULEIROS 5.1 Ponte sobre o Rio Tua Para a execução do tabuleiro da Ponte foram utilizados cimbres de avanços sucessivos, mais concretamente, 2 pares de carros de avanço superiores com capacidade para aduelas de 500ton. Um dos cimbres foi adquirido em específico para esta obra enquanto o outro fazia parte do parque de equipamentos do empreiteiro. Este foi adaptado à geometria em questão. Figura 19. Alçado e corte de um dos carros de avanço 8

9 Optou-se por executar betonagens assimétricas nas aduelas iniciais devido ao pouco espaço existente na Aduela zero para a montagem do par de Carros, e ainda evitar a utilização de Crossmember (ligação entre carros na Aduela 1). Figura 20, Figura 21, Figura 22 e Figura 23. Fotografias da sequência de execução dos carros de avanço 5.2 Ponte sobre o Rio Ceira Tabuleiro da Ponte Para a construção das aduelas do tabuleiro, recorreu-se a dois pares de carros de avanço com um peso próprio de 100 t com capacidade de 500 t. Os carros são propriedade do Empreiteiro, tendo a sua estrutura sido alterada para adaptação à geometria do tabuleiro em questão. Cada par de carros foi alvo de um projeto de recondicionamento independente, da responsabilidade do Gabinete Técnico da MEEC, visto que cada um dos pares tem características distintas, tendo sido utilizados na obra da Ponte sobre o Rio Tua: 1 Par de Carros de nome Régua (Figuras 24 e 25) 1 Par de Carros de nome Tua (Figuras 26 e 27) Sendo a aduela mais alta de 13,5 m, toda a conceção da estrutura teve de ter em conta diversos níveis de plataformas com os respetivos acessos, de modo a que todos os trabalhos decorressem em segurança. 9

10 Figura 24 e Figura 25. Fotos do Carro de Avanço Régua Figura 26 e Figura 27. Fotos do Carro de Avanço Tua 5.3 Ponte sobre o Rio Ceira Tabuleiro do Viaduto Para a execução do tabuleiro do viaduto de acesso foi utilizada uma Viga de Lançamento Superior, com um comprimento total de 95,45 m (Figura 28): Nariz dianteiro treliçado 25,95 m Corpo principal em caixão 46,00 m Nariz traseiro treliçado 23,50 m Figura 28. Corte Transversal da Viga de Lançamento Tem ainda uma largura transversal máxima de 22 m e um peso total de cerca de 400 t (Estrutura Superior e Cofragem). 10

11 Figura 29. Corte Transversal da Viga de Lançamento Sendo esta a viga disponível, optou-se já na fase de conceção/projeto do viaduto, pela execução do tabuleiro em três fases, tendo a sua estrutura, essencialmente a cofragem, sido alterada para se adaptar à geometria do tabuleiro em questão. Figura 30, Figura 31 e Figura 32. Fotos Gerais da utilização da Viga de Lançamento em Obra 11

12 6 CONCLUSÕES Apenas um trabalho profundo e comprometido de todas as entidades intervenientes (Dono de Obra; Projetista; e Empreiteiro), permitiu planear e executar de uma forma eficiente e dentro do prazo disponível ambas as obras. De sublinhar a interação com o Projetista durante a fase de conceção da obra de arte, nos seguintes aspetos: Desenvolvimento do traçado; Definição das secções transversais dos fustes dos pilares, e armadura dos mesmos, adaptando á tecnologia do deslize; A definição do comprimento dos vãos, a respetiva secção transversal, e o comprimento de cada aduela, adaptando ao equipamento do Empreiteiro. Figura 33. Vista geral da Ponte sobre o Rio Ceira na fase de construção. 7 AGRADECIMENTOS O autor agradece ao Gabinete Técnico da Mota-Engil, em particular à Eng.ª Vânia Vilhena, que projetaram as cofragens de deslize, e o recondicionamento dos carros de avanço, entre outras estruturas e equipamentos utilizados nas duas obras. 8 REFERÊNCIAS 1. Gabinete Técnico da Mota-Engil Engenharia e Construção, Ponte sobre o Rio Ceira Processos Construtivos, 5 as Jornadas Portuguesas de Engenharia de Estruturas, Lisboa,

Ponte de São Vicente sobre o Rio Cacheu, na Guiné-Bissau

Ponte de São Vicente sobre o Rio Cacheu, na Guiné-Bissau BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Ponte de São Vicente sobre o Rio Cacheu, na Guiné-Bissau Pedro Cabral 1 Manuel Loureiro 2 Raquel Reis 3 Armando Rito

Leia mais

Obras de Arte Especiais da Ligação Vasco Gil Fundoa (Cota 500) na Ilha da Madeira

Obras de Arte Especiais da Ligação Vasco Gil Fundoa (Cota 500) na Ilha da Madeira BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Obras de Arte Especiais da Ligação Vasco Gil Fundoa (Cota 500) na Ilha da Madeira Paulo Soares 1 João Pinho 2 Alexandre

Leia mais

Infra-estruturas de Transporte G R U P O

Infra-estruturas de Transporte G R U P O Vigas T G R U P O T70 - VTS70 - T90 - VTS90 - T110 damos forma ao progresso Infra-estruturas de Transporte Infra-estruturas de Transporte G R U P O Indice Pag. Introdução 1 Vantagens da Solução Construtiva

Leia mais

PONTE MAPUTO KATEMBE: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Apresentação por Ocasião da Investidura dos Órgãos Directivos da OrdEM

PONTE MAPUTO KATEMBE: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Apresentação por Ocasião da Investidura dos Órgãos Directivos da OrdEM PONTE MAPUTO KATEMBE: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Apresentação por Ocasião da Investidura dos Órgãos Directivos da OrdEM Hotel Cardoso, Maputo, 5 de Maio de 2016 1 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO (1/2) 1 Maputo Sul,

Leia mais

PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL

PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL Tema 5 Realizações 627 de Autores PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL JÚLIO APPLETON Eng. Civil A2P Consult, Lda. J. NUNES DA SILVA Eng. Civil A2P Consult,

Leia mais

PASSAGENS SUPERIORES MISTAS EM CURVA

PASSAGENS SUPERIORES MISTAS EM CURVA PASSAGENS SUPERIORES MISTAS EM CURVA Mário Veloso a, Vítor França b, Rui Veloso Mendes c, Hugo Sousa d a, b Director de Projectos, TRIEDE,S.A, c, d Chefe de Projectos, TRIEDE,S.A, Resumo. O presente artigo

Leia mais

MOTA-ENGIL ENGENHARIA PREFABRICADOS

MOTA-ENGIL ENGENHARIA PREFABRICADOS MOTA-ENGIL ENGENHARIA PREFABRICADOS A Mota-Engil Engenharia é líder destacada em Portugal na sua área de atuação, encontrando-se muito bem posicionada na rota de expansão à escala internacional. Com 70

Leia mais

Soluções prefabricadas em betão. Edifícios

Soluções prefabricadas em betão. Edifícios Soluções prefabricadas em betão Edifícios A solução Edifícios A Mota-Engil Engenharia Prefabricados executa edifícios com base em elementos prefabricados em betão. A estrutura de um edifício pode ser dividida

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES TIPOLOGIAS DE TABULEIROS NO PROJETO DE ALARGAMENTO E AMPLIAÇÃO DE UM VIADUTO

A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES TIPOLOGIAS DE TABULEIROS NO PROJETO DE ALARGAMENTO E AMPLIAÇÃO DE UM VIADUTO A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES TIPOLOGIAS DE TABULEIROS NO PROJETO DE ALARGAMENTO E AMPLIAÇÃO DE UM VIADUTO José Afonso Pereira Vitório Engenheiro Civil Vitório & Melo Projetos Estruturais e Consultoria Ltda.

Leia mais

Lajes Aligeiradas

Lajes Aligeiradas www.ferca.pt Lajes Aligeiradas Princípios O sistema de moldes FG assenta em princípios de racionalização económica que permitem a execução de lajes das unidireccionais ou bidireccionais vulgarmente referenciadas

Leia mais

Produzimos Solidez. produzimos solidez

Produzimos Solidez. produzimos solidez Produzimos Solidez produzimos solidez www.pribetoes.com PRODUZIMOS SOLIDEZ A PriBetões, estuda, desenvolve e produz sistemas estruturais pré-fabricados para o Sector Público, Indústria, Comércio e Habitação.

Leia mais

VIADUTO EXPO2015 EM MILÃO - CONCEPÇÃO GLOBAL E PROCESSO CONSTRUTIVO

VIADUTO EXPO2015 EM MILÃO - CONCEPÇÃO GLOBAL E PROCESSO CONSTRUTIVO VIADUTO EXPO2015 EM MILÃO - CONCEPÇÃO GLOBAL E PROCESSO CONSTRUTIVO Cecil Balmonda, António Adão da Fonsecab, Renato Bastosb, Tiago Alvesb e António Pimentel Adão da Fonsecab a b Balmond/Studio Art+Structure.

Leia mais

Gestão de Obras e Estaleiros

Gestão de Obras e Estaleiros Gestão de Obras e Estaleiros Planeamento Grupo 13 Ricardo Dias Nº31209 Tânia Henriques Nº33099 Pedro Duarte Nº33787 Semestre Inverno 2011/12 Índice GESTÃO DE OBRAS E ESTALEIROS Introdução... 3 Sequência

Leia mais

CRIL CIRCULAR REGIONAL INTERNA DE LISBOA TÚNEL DE BENFICA. Suspensão dos Aquedutos das Águas Livres e Francesas.

CRIL CIRCULAR REGIONAL INTERNA DE LISBOA TÚNEL DE BENFICA. Suspensão dos Aquedutos das Águas Livres e Francesas. CRIL CIRCULAR REGIONAL INTERNA DE LISBOA TÚNEL DE BENFICA Suspensão dos Aquedutos das Águas Livres e Francesas. 1 Auditório da FEUP, Porto, 26 de fevereiro de 2014 António Campos e Matos Domingos Moreira

Leia mais

SISTEMA DE COFRAGEM PLANA

SISTEMA DE COFRAGEM PLANA SISTEMA DE COFRAGEM PLANA Cofragem Plana Ligeira Montagem Simples e Rápida O Cofiber é um sistema de cofragem ligeiro constituído por um reduzido número de componentes. As vigas primárias são designadas

Leia mais

Disciplina: Vias de Comunicação. Parte I - Traçado em Planta (1/2)

Disciplina: Vias de Comunicação. Parte I - Traçado em Planta (1/2) Licenciatura em Engenharia Civil e em Engenharia do Território Disciplina: Vias de Comunicação Prof. Responsável: Prof. Paulino Pereira Parte I - Traçado em Planta (1/2) Instituto Superior Técnico / Licenciaturas

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Cofrafoz Construção Civil, Lda. Obras realizadas

CURRICULUM VITAE. Cofrafoz Construção Civil, Lda. Obras realizadas CURRICULUM VITAE Cofrafoz Construção Civil, Lda Apartado 17- Rua Alto da Carreira, nº.24 Fonte do Ramilo - Alhadas 3090 411 Figueira da Foz N. Contribuinte: 502165545 Telefone: 233 939 858 Correio electrónico:

Leia mais

PONTES José J. Oliveira Pedro

PONTES José J. Oliveira Pedro PONTES José J. Oliveira Pedro IST - DECivil - Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas Engenharia Civil e Ambiente Dezembro de 2007 PONTES 1. Introdução 2. Condicionamentos 3. Soluções estruturais 4.

Leia mais

Simulação da construção do tabuleiro de pontes composto por vigas pré-fabricadas apoiada na tecnologia de Realidade Virtual

Simulação da construção do tabuleiro de pontes composto por vigas pré-fabricadas apoiada na tecnologia de Realidade Virtual Simulação da construção do tabuleiro de pontes composto por vigas pré-fabricadas apoiada na tecnologia de Realidade Virtual Luís Filipe Duarte Viana Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

PONTES SOBRE OS RIOS CUÍLO, CALUANGO E LUANGUE

PONTES SOBRE OS RIOS CUÍLO, CALUANGO E LUANGUE PONTES SOBRE OS RIOS CUÍLO, CALUANGO E LUANGUE Miguel Santos 1, Ricardo Antunes 2, Eva Jerónimo 3 e João Robalo 4 1, Eng. Civil, COBA, S.A., Avenida 5 de Outubro, 323, 1649-011 Lisboa, Portugal email:

Leia mais

Sistemas Estruturais: Pontes em Pórtico e em Arco

Sistemas Estruturais: Pontes em Pórtico e em Arco UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE PONTES Sistemas Estruturais: Pontes em

Leia mais

O sistema LiderA em Obra de Infraestrutura rodoviária

O sistema LiderA em Obra de Infraestrutura rodoviária O sistema LiderA em Obra de Infraestrutura rodoviária EN6 Reabilitação e Reforço da Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao km 1+550, do muro de contenção da plataforma rodoviária da zona da Gibalta, da PS ao

Leia mais

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia I. CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/70 5. FASES CONSTRUTIVAS estrutura pórtico sapatas vigas de fundação

Leia mais

PONTES DE CONCRETO ARMADO

PONTES DE CONCRETO ARMADO PONTES DE CONCRETO ARMADO CLASSIFICAÇÃO DAS PONTES Aula 3 CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO Material da Superestrutura; Comprimento; Natureza do Tráfego; Desenvolvimento Planimétrico; Desenvolvimento Altimétrico;

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T Introdução Nas estruturas de concreto armado, com o concreto moldado no local, na maioria dos casos as lajes e as vigas que as suportam estão fisicamente interligadas, isto

Leia mais

A DTGR é desde a sua fundação, uma empresa associada da AECOPS, Associação das Empresas de Construção e Obras Públicas, com o número de sócio

A DTGR é desde a sua fundação, uma empresa associada da AECOPS, Associação das Empresas de Construção e Obras Públicas, com o número de sócio A DTGR é desde a sua fundação, uma empresa associada da AECOPS, Associação das Empresas de Construção e Obras Públicas, com o número de sócio 12195. Em 2002, a DTGR obteve o alvará de Obras Públicas tendo

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada MEMÓRIA DE CÁLCULO MODELOS DE ANÁLISE O procedimento usado na análise da estrutura baseia-se em modelos diferenciados em função dos objetivos. Para a análise global da estrutura utilizou-se um modelo de

Leia mais

1.4. Sistemas estruturais em madeira

1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4.1. Análise estrutural Estuda as estruturas se preocupando basicamente com a determinação dos esforços e das deformações a que elas estão submetidas quando solicitadas

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO PRÉMIO SECIL UNIVERSIDADES ENGENHARIA CIVIL Fig.1 Vista tridimensional do modelo de cálculo local da viga caixão

MEMÓRIA DE CÁLCULO PRÉMIO SECIL UNIVERSIDADES ENGENHARIA CIVIL Fig.1 Vista tridimensional do modelo de cálculo local da viga caixão MEMÓRIA DE CÁLCULO MATERIAIS Para evitar que uma nova estrutura se torne ostensiva relativamente a outra existente no mesmo local, a solução mais convencional incide em adoptar para a nova construção os

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM EDIFICIOS R. ANTÓNIO CARNEIRO, nº 373, 375, 381, 385 e 389, PORTO PORTO MARÇO DE 2009 ÍNDICE 01 INTRODUÇÃO 02 DESCRIÇÃO SUMÁRIA

Leia mais

AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA

AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA SEGADÃES TAVARES & ASSOCIADOS, Lda AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA Dono da Obra: ANAM Aeroportos e Navegação Aérea da Madeira, SA AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA A MADEIRA NO MUNDO

Leia mais

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento Estruturas de concreto Armado I Aula II Pré-Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios Prof. Libânio M. Pinheiro UFSCAR Apostila Projeto de Estruturas

Leia mais

Viga Parede Notas de aula Parte 4

Viga Parede Notas de aula Parte 4 Prof. Eduardo Thomaz 1 VIGA PAREDE Armaduras adicionais Caso 1 : Cargas aplicadas na parte superior da viga parede : Em cada face da viga parede deve ser colocada uma malha ortogonal de barras horizontais

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DECivil Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS Exercícios 7 Dimensionamento de estruturas metálica. Ricardo

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA Módulo 3 Sumário Módulo 3 Dimensionamento das vigas a flexão 3.1 Dimensionamento de vigas de Perfil I isolado página 3 3.2 Dimensionamento

Leia mais

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Para se escolher a estrutura do pavimento-tipo, começa-se por decalcar a planta de alvenaria deste pavimento, desenhando-se no CAD a posição das

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA AVALIAÇÃO DAS SOLUÇÕES ESTRUTURAIS DEFINITIVAS DE INTEGRAÇÃO DA CORTINA DE ESTACAS DO EDIFÍCIO Nº 41, REALIZADA NO ALINHAMENTO ADJACENTE À AV. FONTES PEREIRA DE MELO EDIFÍCIO

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Cálculo Estrutural EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Objetivo: Projeto e dimensionamento de estruturas estáticas ou dinâmicas

Leia mais

1.º CICLO DO CURSO BIETÁPICO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL BETÃO ARMADO I ÉPOCA NORMAL 1ª CHAMADA

1.º CICLO DO CURSO BIETÁPICO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL BETÃO ARMADO I ÉPOCA NORMAL 1ª CHAMADA 21 de Janeiro de 2006 ÉPOCA NORMAL 1ª CHAMADA 08h30 - Todos os valores que apresentar e que não constem do presente enunciado terão de ser obrigatoriamente justificados; - Resolva cada problema em grupos

Leia mais

Alargamento e Reabilitação do Viaduto V276 (A) da Baixa do Mondego - A1 Sublanço Coimbra Sul/Coimbra Norte

Alargamento e Reabilitação do Viaduto V276 (A) da Baixa do Mondego - A1 Sublanço Coimbra Sul/Coimbra Norte Alargamento e Reabilitação do Viaduto V276 (A) da Baixa do Mondego - A1 Sublanço Coimbra Sul/Coimbra Norte Júlio Appleton António Costa Cristina Martins Marco Figueiredo João Saraiva Nuno Travassos RESUMO

Leia mais

Ponte sobre o Canal das Laranjeiras (Laguna-SC) Palestrante: Eng. Catão Francisco Ribeiro

Ponte sobre o Canal das Laranjeiras (Laguna-SC) Palestrante: Eng. Catão Francisco Ribeiro Ponte sobre o Canal das Laranjeiras (Laguna-SC) Palestrante: Eng. Catão Francisco Ribeiro Duplicação da BR-101/Sul Capacidade atual: mais de 20 mil veículos diários Ampliação e modernização da rodovia

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Área Departamental de Engenharia Civil

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Área Departamental de Engenharia Civil INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ISEL Área Departamental de Engenharia Civil ACOMPANHAMENTO DA CONSTRUÇÃO DA SUBCONCESSÃO DO PINHAL INTERIOR / OBRAS DE ARTE NANCI DE JESUS (Licenciada em Engenharia

Leia mais

Aspectos da Concepção e do Projeto de Dois Novos Viadutos em Fortaleza. Joaquim E. Mota 1, Magnólia C. Mota 2, Hugo C. Mota 3

Aspectos da Concepção e do Projeto de Dois Novos Viadutos em Fortaleza. Joaquim E. Mota 1, Magnólia C. Mota 2, Hugo C. Mota 3 Aspectos da Concepção e do Projeto de Dois Novos Viadutos em Fortaleza. Joaquim E. Mota 1, Magnólia C. Mota 2, Hugo C. Mota 3 1,2 Universidade Federal do Ceará /Professor / jemota@fortalnet.com.br 3 COPPE-UFRJ

Leia mais

UNL V l á ter e J. J. G. G. Lú L c ú i c o Universidade Nova de Lisboa 16 de Maio de 2012

UNL V l á ter e J. J. G. G. Lú L c ú i c o Universidade Nova de Lisboa 16 de Maio de 2012 PROJETO DE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS PARA EDIFÍCIOS Válter J. G. Lúcio Universidade Nova de Lisboa 16 de Maio de 2012 PROJETO DE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS PARA EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO Tipos estruturais

Leia mais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais LAJES PRÉ-MOLDADAS Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni GRADUAÇÃO Florestal AULA 10 Aula 10b Lajes pré-moldadas 1 1. Definições São estruturas de concreto armado ou mistas,

Leia mais

Construção de Obras de Arte de médio vão através do método construtivo de Viga de Lançamento (V.L.).

Construção de Obras de Arte de médio vão através do método construtivo de Viga de Lançamento (V.L.). INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ISEL Construção de Obras de Arte de médio vão através do método construtivo de Viga de Lançamento (V.L.). RICARDO ALEXANDRE DE SOUSA DIAS Licenciado em Engenharia

Leia mais

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA CONSTRUÇÃO DE QUARTEL / SEDE DA ASSOCIAÇÃO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO BOMBARRAL PRAÇA DA RÉPUBLICA BOMBARRAL

Leia mais

O sistema de cofragem mais adequado para lajes aligeiradas

O sistema de cofragem mais adequado para lajes aligeiradas O sistema de cofragem mais adequado para lajes aligeiradas O sistema de cofragem está formado por cocôs recuperaveis nas zonas leves da laje e por paineis nas zonas mais maciças. Segurança total do sitema

Leia mais

SOLUÇÕES EM ACESSO SEJA QUAL FOR O SEU DESAFIO EM ACESSO, A MILLS TEM A SOLUÇÃO.

SOLUÇÕES EM ACESSO SEJA QUAL FOR O SEU DESAFIO EM ACESSO, A MILLS TEM A SOLUÇÃO. SOLUÇÕES EM ACESSO SEJA QUAL FOR O SEU DESAFIO EM ACESSO, A MILLS TEM A SOLUÇÃO. PLATAFORMA CREMALHEIRA Sistema versátil que permite acesso a fachadas com produtividade e segurança. O equipamento não ocupa

Leia mais

ELEMENTOS ESTRUTURAIS

ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS Fundações Superficiais (diretas): blocos e sapatas Profundas: estacas e tubulões Pilares Pequena altura: maciços ou formados por fustes ligados por vigas transversais Grande altura:

Leia mais

Perseguir as zero mortes no estaleiro!

Perseguir as zero mortes no estaleiro! Especializaç Especialização em Seguranç Segurança no Trabalho da Construç Construção A Gestão do Planeamento da Prevenç Prevenção em obra PERSPETIVAS ATUAIS DA SEGURANÇ SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇ

Leia mais

2. SOLUÇÕES ESTRUTURAIS DE LAJES 1. APRESENTAÇÃO

2. SOLUÇÕES ESTRUTURAIS DE LAJES 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO A Ferca Moçambique Engenharia, Lda. é uma empresa de engenharia que tem dedicado todos os seus esforços baseando-se em conceitos estruturais que permitem a realização de soluções de lajes,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Curso: Engenharia Civil Disciplina: ENG2004 - Estruturas de Concreto Armado I Semestre: 2015.2 Painel de Lajes Maciças apoiadas em vigas apoiadas

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas Belgo

Telas Soldadas Nervuradas Belgo Telas Soldadas Nervuradas Belgo As Telas Soldadas de Aço Nervurado são uma armadura pré-fabricada, constituída por fios de aço Belgo 60 nervurado longitudinais e transversais, de alta resistência mecânica,

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

Pontes. Principais Tipos de Pontes. Conceituação. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo

Pontes. Principais Tipos de Pontes. Conceituação. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo Pontes O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido 14 Objetivo Fornecer os elementos estruturais constituintes das pontes para permitir melhor entendimento de sua concepção. Conceituação Pontes

Leia mais

Cimbres Metálicos Autolançáveis na Construção de Tabuleiros de Pontes

Cimbres Metálicos Autolançáveis na Construção de Tabuleiros de Pontes Filipe Ferraz Bastos Licenciado em Ciências de Engenharia Civil Cimbres Metálicos Autolançáveis na Construção de Tabuleiros de Pontes Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil - Perfil

Leia mais

LAJES COGUMELO e LAJES LISAS

LAJES COGUMELO e LAJES LISAS LAJES COGUMELO e LAJES LISAS Segundo Montoja são consideradas lajes cogumelo as lajes contínuas apoiadas em pilares ou suportes de concreto, ou seja, sem vigas. Podem ser apoiadas diretamente nos pilares

Leia mais

PAVILHÕES PARA INDÚSTRIA E AGRICULTURA. Sistemas em aço para apoio e armazenamento. Catálogo Geral XFRAME

PAVILHÕES PARA INDÚSTRIA E AGRICULTURA. Sistemas em aço para apoio e armazenamento. Catálogo Geral XFRAME PAVILHÕES PARA INDÚSTRIA E AGRICULTURA Sistemas em aço para apoio e armazenamento Catálogo Geral 016.01 0 PAVILHÕES CHAVE NA MÃO SOLUÇÃO INTEGRAL Solução desenvolvida e industrializada de forma a ser facilmente

Leia mais

Projeto de Estrutura em Betão com Arktec Tricalc (sobre DWG) Arktec Portugal Lda

Projeto de Estrutura em Betão com Arktec Tricalc (sobre DWG) Arktec Portugal Lda Bem-vindos ao Webinário com Arktec Tricalc (sobre DWG) Arktec Portugal Lda A Arktec iniciou nas últimas semanas um conjunto de Webinários que visam dar a conhecer, de uma forma prática e objetiva, as características

Leia mais

O VIADUTO DE ODIVELAS DA LINHAAMARELA DO METROPOLITANO DE LISBOA

O VIADUTO DE ODIVELAS DA LINHAAMARELA DO METROPOLITANO DE LISBOA Tema 5 Realizações 617 O VIADUTO DE ODIVELAS DA LINHAAMARELA DO METROPOLITANO DE LISBOA JÚLIO APPLETON Eng. Civil A2P Consult, Lda. J. NUNES DA SILVA Eng. Civil A2P Consult, Lda NUNO TRAVASSOS Eng. Civil

Leia mais

SUGESTÃO DE UM POSSÍVEL MECANISMO DE RUPTURA DO VIADUTO GENERAL OLYMPIO MOURÃO FILHO

SUGESTÃO DE UM POSSÍVEL MECANISMO DE RUPTURA DO VIADUTO GENERAL OLYMPIO MOURÃO FILHO 1 /23 SUGESTÃO DE UM POSSÍVEL MECANISMO DE RUPTURA DO VIADUTO GENERAL OLYMPIO MOURÃO FILHO Objetivo Nosso único objetivo é colaborar com os colegas engenheiros que, muito oportunamente, estão participando

Leia mais

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado AULA 5 Materiais de Construção II II Aços para Construção Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado; Estruturas de Aço;. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

Leia mais

PONTES. Prof. Esp. Márcio Matos

PONTES. Prof. Esp. Márcio Matos PONTES Prof. Esp. Márcio Matos Introdução Definições Classificações Considerações Preliminares de Projeto Sistemas estruturais Ações Linha de Influência Ações Permanentes Ações Variáveis Ações Excepcionais

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA Módulo 4 Sumário Módulo 4 Dimensionamento de Pilares Mistos 4.1. Considerações Gerais página 3 4.2. Critérios de dimensionamento página 3 4.3. Dimensionamento

Leia mais

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Realização: 2014 Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Luiz Antonio Nascimento Maria Diretor da Método Engenharia Caracteristicas

Leia mais

Projecto de Estruturas e Fundações do Edifício Centre For The Unknown da Fundação Champalimaud em Lisboa

Projecto de Estruturas e Fundações do Edifício Centre For The Unknown da Fundação Champalimaud em Lisboa Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Projecto de Estruturas e Fundações do Edifício Centre For The Unknown da Fundação Champalimaud em Lisboa RESUMO Luís Gião Marques

Leia mais

As escadas são elementos estruturais que servem para unir, através degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção.

As escadas são elementos estruturais que servem para unir, através degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção. 6 Escadas 6.1 Introdução As escadas são elementos estruturais que servem para unir, através degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção. 6. Terminologia dos Elementos Constituintes A linha

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS. Alexandre L. Vasconcellos Diretor Método Estruturas

ESTRUTURAS MISTAS. Alexandre L. Vasconcellos Diretor Método Estruturas ESTRUTURAS MISTAS Alexandre L. Vasconcellos Diretor Método Estruturas ESTRUTURAS MISTAS Lajes Mistas Vigas de Aço Vigas Mistas Ligações Parafusadas MÉTODO ENGENHARIA/SCHAIN HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS Arquitetura:

Leia mais

A ENGENHARIA PORTUGUESA DE PONTES NOS ÚLTIMOS 25 ANOS

A ENGENHARIA PORTUGUESA DE PONTES NOS ÚLTIMOS 25 ANOS A ENGENHARIA PORTUGUESA DE PONTES NOS ÚLTIMOS 25 ANOS ARMANDO RITO RESUMO A partir de meados dos anos 80 a engenharia portuguesa de pontes foi desafiada a colaborar na rápida expansão da rede rodoviária

Leia mais

Fundações Diretas Rasas

Fundações Diretas Rasas Fundações Diretas Rasas Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manoel Vitor O que são fundações? Elementos estruturais cuja função

Leia mais

Projetista: Renata Bontempo Teixeira dos Santos. Empresa: Premo Construções e Empreendimentos S/A. Categoria: Edifício altos de múltiplos pavimentos

Projetista: Renata Bontempo Teixeira dos Santos. Empresa: Premo Construções e Empreendimentos S/A. Categoria: Edifício altos de múltiplos pavimentos Projetista: Renata Bontempo Teixeira dos Santos Empresa: Premo Construções e Empreendimentos S/A. Obra: Boulevard Shopping Categoria: Edifício altos de múltiplos pavimentos Localização: Av. dos Andradas,

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL CONSTRUÇÃO CIVIL 2007 1 2 1 3 4 2 5 6 3 7 8 4 9 10 5 11 12 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS O Plano de Segurança e Saúde

Leia mais

LEVANTAMENTO DA GEOMETRIA DAS PASSAGENS PEDONAIS SOBRE LINHAS FERROVIÁRIAS EXISTENTES EM PORTUGAL. Relatório A1.T1.IST.1.

LEVANTAMENTO DA GEOMETRIA DAS PASSAGENS PEDONAIS SOBRE LINHAS FERROVIÁRIAS EXISTENTES EM PORTUGAL. Relatório A1.T1.IST.1. LEVANTAMENTO DA GEOMETRIA DAS PASSAGENS PEDONAIS SOBRE LINHAS FERROVIÁRIAS EXISTENTES EM PORTUGAL Relatório A1.T1.IST.1 Novembro de 2009 PROJECTO PONTALUMIS Desenvolvimento de uma ponte pedonal em materiais

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO DESLIZAMENTO/EXPLORAÇÃO DAS PLATAFORMAS MÓVEIS. 1 Criação (PA) (CG) (VS)

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO DESLIZAMENTO/EXPLORAÇÃO DAS PLATAFORMAS MÓVEIS. 1 Criação (PA) (CG) (VS) 1 de 10 REGISTO DE ALTERAÇÕES: EDIÇÃO DESCRIÇÃO Elaborado Verificado Aprovado Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data 1 Criação (PA)

Leia mais

Exemplos de lajes mistas

Exemplos de lajes mistas Lajes Mistas Exemplos de lajes mistas Exemplos de utilização de lajes mistas Estruturas novas Reabilitação de estruturas Edifícios comerciais Edifícios industriais Edifícios de escritórios Armazéns logísticos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA.

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA. RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA São Paulo 2008 1 RESUMO Nenhum sistema construtivo pode ser apontado como

Leia mais

Introdução aos Sistemas Estruturais

Introdução aos Sistemas Estruturais Introdução aos Sistemas Estruturais Tipos de Elementos Estruturais Com uma dimensão predominante: (vigas; cabos; tirantes; pilares; e bielas (barras bi-rotuladas comprimidas). Com duas dimensões predominantes:

Leia mais

Estruturas de Betão da concepção à execução IST 30 de Setembro de História das construções em betão. Concepção das Estruturas o estudo prévio

Estruturas de Betão da concepção à execução IST 30 de Setembro de História das construções em betão. Concepção das Estruturas o estudo prévio Estruturas de Betão da concepção à execução IST 30 de Setembro de 2013 Sumário: História das construções em betão Concepção das Estruturas o estudo prévio Projecto de execução a pormenorização Execução

Leia mais

Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V

Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V 4.º Ano, 7.º semestre 4 ECTS / 4 h semanais TMTC V 2. Sistemas estruturais Princípios físicos TMTC V Estrutura Elemento ou conjunto de elementos construídos

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 10618 (51) Classificação Internacional: E04B 1/24 (2006) (12) FASCÍCULO DE MODELO DE UTILIDADE (22) Data de pedido: 2010.09.20 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS 160x210 A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS ARAÚJO, J. M. Projeto Estrutural de Edifícios de Concreto Armado. 3. ed., Rio Grande: Dunas, 2014. Prof. José Milton de Araújo FURG 1 1 O PROJETO ESTRUTURAL E A DEFINIÇÃO

Leia mais

Este procedimento refere-se à execução de paredes moldadas com a geometria e os materiais definidos nos desenhos de construção.

Este procedimento refere-se à execução de paredes moldadas com a geometria e os materiais definidos nos desenhos de construção. Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento refere-se à execução de paredes moldadas com a geometria e os materiais definidos nos desenhos de construção. 1.1.

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R Página 1/5 LAJE ALVEOLADA LA 12 -R DESCRIÇÃO Painel pré-fabricado em betão pré-esforçado, com armadura constituída por fios de aço aderentes, de secção vazada, com as faces prontas a pintar. As lajes apresentam-se

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 5 Lajes Vigadas Estados Limites

Estruturas de Betão Armado II 5 Lajes Vigadas Estados Limites Estruturas de Betão Armado II 1 ESTADO LIMITE ÚLTIMO DE RESISTÊNCIA À FLEXÃO Nas lajes vigadas, em geral, os momentos são baixos, pelo que se pode utilizar expressões aproximadas para o dimensionamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Av2 Av3 Av4. PRÉ-ESFORÇO (MPa) (1) Diâmetro (f pk = 1770 MPa, f p0.1k = 1550 MPa) Nível (mm)

FICHA TÉCNICA. Av2 Av3 Av4. PRÉ-ESFORÇO (MPa) (1) Diâmetro (f pk = 1770 MPa, f p0.1k = 1550 MPa) Nível (mm) CIPROL Produtos Pré-Esforçadas do Oeste, Lda. Vigotas pré-esforçadas para pavimentos de vigotas e blocos de cofragem 0866-CPR-2010/CE.0136 10 NP EN 15037-1 Av2 Av3 Av4 Tipo (kg/m) Av2 18,3 Av3 18,4 Av4

Leia mais

Vigas Pré-Moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 40 metros de Vão

Vigas Pré-Moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 40 metros de Vão Vigas Pré-Moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 40 metros de Vão Rodrigo Ruas Bastos 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Benjamin Ernani Diaz 3 Resumo Os projetos atuais de vigas pré-moldadas

Leia mais

O melhor sistema de cofragem para vigas

O melhor sistema de cofragem para vigas O melhor sistema de cofragem para vigas Superfície de cofragem mínima Apenas se há-de efectuar a cifragen do fundo das vigas e aplicar topos aos laterais no caso das vigas salientes. Segurança total do

Leia mais

Estrada de Rodagem Elementos Geométricos Longitudinais

Estrada de Rodagem Elementos Geométricos Longitudinais Estrada de Rodagem Elementos Geométricos Longitudinais Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução As qualidades boas ou más de um projeto rodoviário

Leia mais

Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias Lisboa LNEC > 13 de Novembro de 2008.

Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias Lisboa LNEC > 13 de Novembro de 2008. Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias Lisboa LNEC > 13 de Novembro de 2008 Patrocínio: Índice 1. Introdução ao Departamento de Estudos e Projecto

Leia mais

Projecto Base de uma Ponte Ferroviária com Tabuleiro de Betão Armado Pré-esforçado Executado por Lançamento Incremental

Projecto Base de uma Ponte Ferroviária com Tabuleiro de Betão Armado Pré-esforçado Executado por Lançamento Incremental INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa Projecto Base de uma Ponte Ferroviária com Tabuleiro de Betão Armado Pré-esforçado Executado por Lançamento Incremental Rui Pedro Carrasco Pãosinho

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA BETONAGEM 2 DESCRIÇÃO Entende-se por betonagem, a colocação de argamassas de cimento fresco em zonas limitadas, normalmente por cofragem, bem

Leia mais

Sistemas estruturais em madeira e suas possibilidades formais no projeto

Sistemas estruturais em madeira e suas possibilidades formais no projeto Sistemas estruturais em madeira e suas possibilidades formais no projeto Peças de madeira serrada - vigas Limites de vãos: 5,0 m (Extrativismo) 4,0 m (Reflorestamento) Limites de altura: 30cm (Extrativismo)

Leia mais

Projetista: Charles José Reis Hipólito. Empresa: Cassol Pré-Fabricados Ltda. Obra: Edifício Garagem Deck Park Praia de Belas

Projetista: Charles José Reis Hipólito. Empresa: Cassol Pré-Fabricados Ltda. Obra: Edifício Garagem Deck Park Praia de Belas Projetista: Charles José Reis Hipólito Empresa: Cassol Pré-Fabricados Ltda. Obra: Edifício Garagem Deck Park Praia de Belas www.cassol.ind.br INFORMAÇÕES GERAIS DA OBRA Localização da Obra : Av. Praia

Leia mais

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 04 LAJES CONCEITOS, DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DE REAÇÕES NAS VIGAS - 2 - NA_04/2011 SISTEMAS ESTRUTURAIS NOTAS DE AULA

Leia mais

VIADUTO SOBRE A AUTO-ESTRADA A1 NO CARREGADO

VIADUTO SOBRE A AUTO-ESTRADA A1 NO CARREGADO 1 VIADUTO SOBRE A AUTO-ESTRADA A1 NO CARREGADO Júlio Appleton A2P Consult, Lda Engenheiro Civil Director Técnico Lisboa José Delgado A2P Consult, Lda Engenheiro Civil Lisboa António Costa A2P Consult,

Leia mais

Elementos Componentes da Mesoestrutura

Elementos Componentes da Mesoestrutura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE PONTES Elementos Componentes da Mesoestrutura

Leia mais