PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PSA-CAP) EM 2011 Í N D I C E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PSA-CAP) EM 2011 Í N D I C E"

Transcrição

1 PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PSA-CAP) EM 2011 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira, Do Corpo e Do Curso) 2 - Das vagas 3 - Das inscrições Das condições para a inscrição Das inscrições pela Internet Das inscrições via Organizações Militares da Marinha Da isenção de pagamento da taxa de inscrição 4 - Da identificação dos candidatos 5 - Do Processo Seletivo 6 - Das provas escritas objetivas de conhecimentos profissionais (eliminatórias e classificatórias) e da prova de expressão escrita 7 - Dos recursos das provas escritas 8 - Dos eventos complementares 9 - Da Verificação de Dados Biográficos (VDB) (eliminatória) 10 - Da Seleção Psicofísica (SP) (eliminatória) 11 - Do Teste de Suficiência Física (TSF) (eliminatório) 12 - Do resultado da Seleção Inicial 13 - Do Período de Adaptação, da Verificação de Documentos e da Avaliação Psicológica (eliminatórios) 14 - Das disposições complementares PARTE 2 - ANEXOS Anexo I - Cidades de realização das provas e eventos complementares e Organizações Responsáveis pela Divulgação (ORDI) Anexo II - Calendário de Eventos Anexo III - Programas e bibliografias sugeridas para a prova escrita objetiva de Conhecimentos Profissionais Anexo IV - Seleção Psicofísica (SP)

2 COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 18 DE JULHO DE 2011 PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PSA-CAP) EM 2011 A Diretoria de Ensino da Marinha (DEnsM), na qualidade de Órgão Supervisor, torna público que, no período de 01/08/11 a 01/09/11, estarão abertas as inscrições do Processo Seletivo em O presente Edital estará à disposição dos candidatos na Internet, no endereço ou nos locais de inscrição listados no Anexo I. As datas relativas às diversas etapas e eventos do Processo Seletivo encontram-se disponíveis no Calendário de Eventos do Anexo II. PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - DOS PRINCIPAIS ASPECTOS: I - DA CARREIRA MILITAR Todo cidadão, após ingressar na Marinha do Brasil (MB), prestará compromisso de honra, no qual firmará a sua aceitação consciente das obrigações e dos deveres militares e manifestará a sua firme disposição de bem cumpri-los Os deveres militares emanam de um conjunto de vínculos racionais e morais que ligam o militar à Pátria e ao serviço, e compreendem, essencialmente: I - a dedicação e a fidelidade à Pátria, cuja honra, integridade e instituições devem ser defendidas mesmo com o sacrifício da própria vida; II - o culto aos símbolos nacionais; III - a probidade e a lealdade em todas as circunstâncias; IV - a disciplina e o respeito à hierarquia; V - o rigoroso cumprimento das obrigações e das ordens; e VI - a obrigação de tratar o subordinado dignamente e com urbanidade O acesso na hierarquia militar, fundamentado principalmente no valor moral e profissional, é seletivo, gradual e sucessivo e será feito mediante promoções, em conformidade com a legislação e atendidos os requisitos constantes do Plano de Carreira de Praças da Marinha. II - DO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS O Corpo Auxiliar de Praças (CAP) destina-se, primordialmente, a suprir a Marinha com Praças que ocupem cargos relativos às áreas de administração, de hidrografia, de informática, de saúde e de manutenção dos meios existentes, exercendo funções inerentes à carreira militar. III - DO CURSO DE FORMAÇÃO O candidato que obtiver sucesso nas diversas fases do Processo Seletivo e, ao final deste, encontrar-se classificado e selecionado dentro do número de vagas, doravante chamado de "candidato titular" realizará o Curso de Formação (CF) que tem por propósito o preparo do candidato para o exercício de funções no Serviço Ativo da Marinha (SAM), ministrando-lhe a necessária instrução militar-naval O candidato será matriculado no CF como Praça Especial, no grau hierárquico de Grumete, e ao lograr a aprovação no Curso, que terá a duração de até 17 (dezessete) semanas, será nomeado Cabo do CAP O Curso tem por finalidade o preparo do candidato para o exercício de funções conforme as suas qualificações e atendendo à conveniência do serviço, por meio da necessária instrução militar-naval. Após a conclusão do Curso de Formação, as movimentações dos Cabos serão realizadas de modo a atender às necessidades da Tabela de Lotação dos Setores de Distribuição de Pessoal da Marinha do Brasil, em todo o território nacional, atendendo a conveniência do serviço, onde cumprirá um Estágio Inicial (EI), destinado à avaliação do desempenho ao longo do primeiro ano de serviço Pela legislação em vigor, a última graduação na carreira de Praça é a de Suboficial. 2 - DAS VAGAS O presente Processo Seletivo destina-se ao preenchimento de vagas nas especialidades abaixo discriminadas: ESPECIALIDADES TITULAÇÕES ACEITAS (*) VAGAS Administração Técnico em Administração

3 Administração Hospitalar Técnico em Gerência em Saúde e Técnico em Registros em Informação em Saúde. 04 Contabilidade Técnico em Contabilidade. 75 Desenho de Arquitetura Técnico em Desenho de Construção Civil. 04 Desenho Mecânico Técnico em Eletromecânica. 14 Edificações Técnico em Edificações. 02 Eletrônica Técnico em Equipamentos Biomédicos, Técnico em Automação Industrial, Técnico em Eletroeletrônica, Técnico em Eletrônica e 30 Técnico em Mecatrônica. Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica. 70 Enfermagem Técnico em Enfermagem. 100 Estatística Serão aceitos os candidatos que possuam o Registro de Técnico em Estatística de nível médio, conforme o art. 6º, da Resolução 11 CONFE nº. 145, de 16 de novembro de Estruturas Navais Técnico em Construção Naval. 35 Geodésia e Cartografia Técnico em Geodésia e Cartografia, Técnico em Geoprocessamento e Técnico em Agrimensura. 11 Gráfica Técnico em Pré-Impressão Gráfica, Técnico em Impressão Gráfica e Técnico em Impressão Offset. 15 Higiene Dental Técnico em Saúde Bucal. 02 Mecânica Técnico em Eletromecânica, Técnico em Manutenção Automotiva, Técnico em Mecânica, Técnico em Mecatrônica, Técnico em Refrigeração e Climatização e Técnico em 40 Fabricação Mecânica. Metalurgia Técnico em Metalurgia. 40 Meteorologia Técnico em Meteorologia. 20 Motores Técnico em Automação Industrial e Técnico em Manutenção Automotiva. 40 Nutrição e Dietética Técnico em Nutrição e Dietética 02 Patologia Clínica Técnico em Análises Clínicas, Técnico em Citopatologia e Técnico em Hemoterapia. 20 Processamento de Dados Técnico em Informática, Técnico em Informática para Internet, Técnico em Manutenção e Suporte em Informática, Técnico em Programação de Jogos Digitais e Técnico em Redes de 86 Computadores. Prótese Dentária Técnico em Prótese Dentária. 04 Química Técnico em Química. 35 Radiologia Médica Técnico em Radiologia. 03 Secretariado Técnico em Secretariado. 05 Telecomunicações Técnico em Sistemas de Comutação, Técnico em Sistemas de Transmissão e Técnico em Telecomunicações. 10 TOTAL 778 (*) Além das titulações relacionadas para cada especialidade, serão considerados válidos os documentos comprobatórios de conclusão de cursos técnicos de nível médio cujas denominações anteriormente utilizadas constem na Tabela de Convergência do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, disponível no sítio eletrônico do Ministério da Educação (MEC), na Internet 3 - DAS INSCRIÇÕES DAS CONDIÇÕES PARA A INSCRIÇÃO A inscrição é obrigatória para todos os candidatos e deverá ser feita, em nível nacional, preferencialmente via Internet, pelo próprio candidato ou via Organização Responsável pela Divulgação (ORDI), previstas no Anexo I São condições necessárias à inscrição: a) ser brasileiro nato (ambos os sexos); b) ter 18 (dezoito) anos completos e menos de 25 (vinte e cinco) anos de idade no primeiro dia do mês de janeiro de 2012; - 3 -

4 c) ter idoneidade moral e bons antecedentes para a situação de futuro militar da MB (art. 11 da Lei nº 6.880/ Estatuto dos Militares). Se militar ou membro da Polícia ou do Corpo de Bombeiros Militar, em atividade, apresentar, na data do início do Período de Adaptação, atestado de idoneidade moral e bons antecedentes, emitido pela autoridade a quem estiver subordinado, conforme modelo constante na página oficial da DEnsM, na Internet e disponível nas ORDI do Anexo I; d) encontrar-se em dia com as obrigações civis e militares (art. 14, 1º, inciso I da Constituição Federal de 1988 e art. 2º da Lei nº 4.375/ Lei do Serviço Militar); e) estar autorizado pela respectiva Força Armada ou Força Auxiliar, em se tratando de militar ou membro da Polícia ou do Corpo de Bombeiros Militar, em atividade; f) não ter sido condenado por sentença penal transitado em julgado; g) não estar no serviço ativo das Forças Armadas por força de decisão judicial não transitada em julgado; h) não ser portador de certificado de isenção do Serviço Militar, devido às suas condições morais, físicas ou mentais; i) ter concluído ou concluir o curso técnico de nível médio relativo à especialidade a que concorre, até a data prevista no Calendário de Eventos para a verificação de documentos, em 18 de julho de 2012; j) estar registrado no órgão fiscalizador da profissão a que concorre, quando existir, até a data prevista no Calendário de Eventos para a verificação de documentos; k) não ter sido reprovado, por insuficiência de nota de conceito ou por falta disciplinar incompatível com a condição de militar, em Curso de Formação ou Estágio de Aplicação de Processo Seletivo anterior; l) efetuar o pagamento da taxa de inscrição; m) possuir registro no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); n) possuir documento oficial de identificação, com fotografia, dentro da validade; e o) cumprir as demais instruções específicas para o Processo Seletivo O valor da taxa de inscrição será de R$ 20,00 (vinte reais) O número do CPF e do documento oficial de identificação serão exigidos no ato da inscrição Os documentos comprobatórios das condições de inscrição serão exigidos dos candidatos na data estabelecida no Calendário de Eventos do Anexo II, para Verificação de Documentos A não apresentação de qualquer dos documentos comprobatórios das condições de inscrição na apresentação para o Período de Adaptação, importará na sua eliminação do Processo Seletivo e perda dos direitos decorrentes No caso de declaração de informações inverídicas, serão ainda aplicadas as sanções devidas à falsidade de declaração, conforme estabelecido no parágrafo único do art. 68 do Decreto-Lei nº 3.688/41 - Lei das Contravenções Penais A inscrição no Processo Seletivo implicará na aceitação irrestrita das condições estabelecidas neste Edital, permitindo que a MB proceda às investigações necessárias à comprovação do atendimento dos requisitos previstos como inerentes ao cargo pretendido, não cabendo ao candidato o direito de recurso para obter qualquer compensação pela sua eliminação, pela anulação da sua inscrição ou pelo não aproveitamento por falta de vagas As inscrições dos candidatos que realizaram o pagamento da taxa de inscrição através de agendamento bancário, cuja compensação não ocorrer dentro do prazo previsto para o pagamento, não serão aceitas Em caso de desistência da realização no Processo Seletivo ou falta à realização das provas escritas, o valor pago da taxa de inscrição não será restituído Encerrado o período de inscrições, o candidato que deseje promover a alteração/atualização dos dados cadastrais fornecidos (exceto CPF), deverá fazê-lo por requerimento em uma das organizações listadas no Anexo I, até 30 (trinta) dias antes da realização das provas escritas DAS INSCRIÇÕES PELA INTERNET As inscrições poderão ser realizadas, em nível nacional, na página oficial da DEnsM, no endereço no link Concursos As inscrições poderão ser solicitadas somente entre 08h do dia 01 de agosto e 23h59 do dia 01 de setembro de 2011, horário oficial de Brasília/DF Acessada a referida página, o candidato digitará os dados no formulário de inscrição e imprimirá o boleto bancário para pagamento da taxa de inscrição O pagamento poderá ser efetuado por débito em conta-corrente ou pela apresentação do boleto bancário impresso, em qualquer agência bancária O pagamento da taxa de inscrição por meio do boleto bancário será aceito até o dia 06 de setembro de 2011, no horário bancário dos diversos Estados do País

5 As solicitações de inscrição via Internet, cujos pagamentos forem efetuados após a data estabelecida no subitem anterior, não serão aceitas Aceita a inscrição, com a comprovação do pagamento da taxa de inscrição, o candidato será incluído no cadastro de inscritos O candidato deverá verificar a confirmação de sua inscrição na página da DEnsM na Internet, no link Concursos Externos, a partir do 5º dia útil subsequente ao pagamento da inscrição. Nesta ocasião, o candidato deverá imprimir o comprovante de inscrição, sendo de sua exclusiva responsabilidade a obtenção desse documento, que será exigido nas diversas etapas e Eventos do Processo Seletivo Em caso de erro ou omissão de dados no preenchimento do formulário de inscrição, da não comprovação do pagamento da taxa de inscrição ou de pagamento da taxa de inscrição fora do prazo estipulado, a inscrição do candidato não será efetivada, impossibilitando sua participação no Processo Seletivo. Caso o pagamento da taxa de inscrição tenha sido efetuado, o valor pago não será restituído A DEnsM não se responsabiliza por solicitação de inscrição via Internet não recebida por motivos de ordem técnica dos computadores, falhas ou congestionamento nas linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados Em caso de dúvidas, no procedimento descrito anteriormente, o candidato deverá estabelecer contato com uma das organizações listadas no Anexo I Caso o candidato deseje promover a alteração/atualização dos dados cadastrais (exceto CPF) durante o período de inscrição, poderá fazê-lo diretamente no próprio link "Concursos" na página da DEnsM na Internet DAS INSCRIÇÕES VIA ORGANIZAÇÕES MILITARES DA MARINHA Os candidatos poderão também efetuar suas inscrições nas ORDI relacionadas no Anexo I As inscrições poderão ser realizadas nos dias úteis entre 01 de agosto e 01 de setembro de 2011, das 08h30 às 16h A inscrição nas Organizações Militares da Marinha será da responsabilidade do candidato Efetuada a inscrição, o candidato receberá o boleto bancário impresso para realizar o pagamento da taxa de inscrição, nas agências bancárias, até o dia 06 de setembro de 2011, no horário bancário dos diversos Estados do País O candidato poderá retornar ao local de inscrição, a partir do 5º dia útil subsequente ao pagamento da inscrição, com o boleto bancário pago, para receber o comprovante de inscrição, ou imprimi-lo acessando a página oficial da DEnsM, no endereço no link Concursos Externos Aceita a inscrição, com a comprovação do pagamento da taxa de inscrição, o candidato será incluído no cadastro de inscritos Em caso de erro ou omissão de dados no preenchimento do formulário fornecido, da não comprovação do pagamento da taxa de inscrição ou de pagamento da taxa de inscrição fora do prazo estipulado, a inscrição do candidato não será efetivada, impossibilitando sua participação no Processo Seletivo. Caso o pagamento da taxa de inscrição tenha sido efetuado, o valor pago não será restituído Caso o candidato deseje promover a alteração/atualização dos dados cadastrais (exceto CPF) durante o período de inscrição, poderá fazê-lo em uma das organizações listadas no Anexo I DA ISENÇÃO DE PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO Em conformidade com o Decreto nº 6.593, de 2 de outubro de 2008, haverá isenção do valor da taxa de inscrição para o candidato que estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CadÚnico, de que trata o Decreto nº 6.135, de 26 de junho de 2007, e for membro de família de baixa renda, nos termos deste último Decreto O candidato que solicitar a isenção deverá realizar sua inscrição normalmente, de acordo com os itens 3.2 ou 3.3, não efetuando o pagamento da referida taxa, aguardando o deferimento do Requerimento O candidato deverá preencher e entregar, em uma das ORDI do Anexo I, o Requerimento de solicitação de isenção de pagamento de taxa de inscrição, cujo modelo estará disponibilizado na página da DEnsM, na Internet, entre os dias 01 de agosto e 01 de setembro de 2011, das 08h às 16h30, contendo: a) indicação do Número de Identificação Social (NIS), atribuído pelo CadÚnico; e b) declaração de que é membro de família de baixa renda O Requerimento de isenção poderá, ainda, ser encaminhado via Carta Registrada, considerada a data final de postagem em 02 de setembro de 2011, para a Diretoria de Ensino da Marinha Divisão de Inscrição Rua Visconde de Itaboraí, nº 69 - Centro - Rio de Janeiro/RJ - CEP A declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei, aplicando-se, ainda, o disposto no parágrafo único do art. 10 do Decreto nº /

6 A relação dos pedidos de isenção deferidos será divulgada a partir do dia 19 de setembro de 2011, na página da DEnsM, na Internet, e disponível nas ORDI relacionadas no Anexo I No caso do indeferimento do Requerimento caberá Recurso Administrativo, devendo este ser apresentado até o primeiro dia útil subsequente, após a divulgação da relação dos pedidos de isenção deferidos. Será divulgado oportunamente, com o resultado do Recurso, o procedimento para o pagamento da taxa de inscrição do candidato que tiver o pedido de isenção indeferido O candidato que tiver seu pedido de isenção indeferido e que desejar, mesmo assim, participar do Processo Seletivo, sem interpor Recurso Administrativo, deverá solicitar por meio de Requerimento até o primeiro dia útil subsequente após a divulgação da relação dos pedidos de isenção deferidos, uma nova emissão de boleto bancário para efetuar o pagamento da taxa de inscrição, com nova data de vencimento a ser definida. 4 - DA IDENTIFICAÇÃO DOS CANDIDATOS O candidato deverá apresentar, em todas as etapas do Processo Seletivo, o comprovante de inscrição e um documento oficial de identificação, original, com fotografia e dentro da validade Serão considerados válidos os documentos originais de identidade, com assinatura e fotografia recente, emitidos por qualquer órgão oficial de identificação do Território Nacional, tais como: carteiras expedidas pela Marinha, Exército e Aeronáutica; pelas Secretarias de Segurança Pública, Institutos de Identificação, Polícias e Corpos de Bombeiros Militares; carteiras expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (Ordens, Conselhos etc); passaporte; Certificado de Reservista; carteiras funcionais expedidas por órgão público que, por lei federal, valem como identidade; Carteira de Trabalho e Carteira Nacional de Habilitação Por ocasião da realização das etapas e eventos do Processo Seletivo, o candidato que não apresentar documento de identificação, na forma definida no subitem acima, não poderá realizar o evento e, no caso da realização das provas escritas, será automaticamente eliminado Não será aceita cópia de documento de identificação, ainda que autenticada, nem protocolo de solicitação de documento Não serão aceitos como documentos de identificação: certidões de nascimento, CPF, títulos eleitorais, carteiras de estudante, carteiras funcionais sem valor de identidade, nem documentos ilegíveis, não-identificáveis e/ou danificados Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia da realização de qualquer etapa do Processo Seletivo, em especial na data da realização das provas escritas, documento de identificação original, por motivo de perda, roubo ou furto, deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido há, no máximo, 30 (trinta) dias, ocasião em que será submetido à identificação especial, compreendendo coleta de assinaturas, filmagem ou fotografia A identificação especial será exigida também do candidato cujo documento de identificação apresente dúvidas relativas à fisionomia ou à assinatura do portador O candidato que, por ocasião da realização das provas escritas, for submetido à identificação especial, terá que apresentar, até 15/11/2011, um documento oficial de identificação, original, com fotografia e dentro da validade, na ORDI responsável pela aplicação de sua prova. A não apresentação do documento importará na sua eliminação do Processo Seletivo. 5 - DO PROCESSO SELETIVO A Seleção Inicial (SI), é constituída dos seguintes eventos: a) Prova Escrita de Conhecimentos Profissionais; b) Prova de Expressão Escrita; e c) Eventos complementares constituídos de: I) Verificação de Dados Biográficos (VDB) Fase preliminar; II) Seleção Psicofísica (SP); e III) Teste de Suficiência Física (TSF) A prova escrita de conhecimentos profissionais terá caráter eliminatório e classificatório. A prova de expressão escrita, a Verificação de Dados Biográficos (fase preliminar e final), a Seleção Psicofísica, o Teste de Suficiência Física, a Avaliação Psicológica e a Verificação de Documentos terão caráter eliminatório Será eliminado do Processo Seletivo o candidato que deixar de comparecer a qualquer dos eventos programados, ainda que por motivo de força maior ou caso fortuito É da inteira responsabilidade do candidato inteirar-se das datas, horários e locais de realização dos eventos do Processo Seletivo, devendo para tanto consultar a página da DEnsM na Internet ou uma das ORDI do Anexo I, tendo como base o Calendário de Eventos do Anexo II As despesas com transporte e hospedagem para a realização das provas escritas e demais eventos complementares serão custeadas pelo próprio candidato

7 6 - DO CURSO DE FORMAÇÃO: O Curso de Formação (CF) é composto de: I) Período de Adaptação; II) Verificação de Documentos; III) Avaliação Psicológica (AP); IV) Verificação de Dados Biográficos (VDB) Fase final; e V) Curso de Formação propriamente dito O Curso de Formação, propriamente dito, terá caráter eliminatório e classificatório. 7 - DAS PROVAS ESCRITAS OBJETIVAS DE CONHECIMENTOS PROFISSIONAIS (eliminatórias e classificatórias) E DA PROVA DE EXPRESSÃO ESCRITA (eliminatória) A Prova Escrita de conhecimentos profissionais será objetiva e terá como propósito verificar a formação básica e profissional do candidato. Constará de 50 (cinquenta) questões elaboradas de acordo com os programas descritos no Anexo III A Prova de Expressão Escrita terá como propósito verificar a capacidade de expressão escrita do candidato na língua portuguesa Será constituída de uma redação dissertativa, que deverá ser escrita em letra cursiva, com idéias claras, coerentes e objetivas, cujo título versará sobre assunto considerado de importância pela Administração Naval (no PSA-CAP2011, NÃO será cobrada a nova regra ortográfica, pois, de acordo com o Decreto nº 6.583, de 29 setembro de 2008, a implementação do Acordo obedecerá ao período de transição de 1º de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2012, durante o qual coexistirão a norma ortográfica atualmente em vigor e a nova norma estabelecida ) Sua correção será procedida por Bancas Examinadoras específicas, designadas pelo Diretor de Ensino da Marinha, de acordo com as Normas estabelecidas pela Administração Naval Não poderá ser escrita em letra de imprensa e deverá ter no mínimo 20 (vinte) linhas contínuas, considerando o recuo dos parágrafos, e no máximo 30 (trinta) linhas. Não poderá conter qualquer marca identificadora ou assinatura, o que implicará na atribuição de nota 0 (zero) à mesma Serão descontados 5 (cinco) pontos por cada linha não preenchida ou preenchida em excesso, em relação ao número mínimo e máximo de linhas determinado As redações receberão duas notas, atribuídas por 2 (dois) Membros da Banca, valendo como nota da prova a média aritmética dessas duas notas, caso a média obtida seja igual e/ou superior a 50 (cinquenta) pontos, o candidato será considerado Aprovado na Prova de Expressão Escrita, caso contrário, será considerado Não Aprovado Caso as notas atribuídas a uma mesma redação apresentem uma diferença de pontuação maior que 20 (vinte) pontos, esta será submetida à apreciação do Presidente da Banca ou Membro mais experiente presente, para validação, que, caso necessário, atribuirá uma terceira nota, considerando-a então como final Aspectos a serem considerados na correção da Prova de Expressão Escrita: a) Estrutura e conteúdo 50 (cinquenta) pontos, sendo: I) Coesão e coerência até 30 (trinta) pontos; e II) Tema e assunto até 20 (vinte) pontos. b) Expressão até 50 (cinquenta) pontos Serão corrigidas as Provas de Expressão Escrita dos candidatos com as maiores notas na Prova Escrita de Conhecimentos Profissionais até o limite do número correspondente a 4 (quatro) vezes ao das vagas estabelecidas, considerando-se os empates na última posição Serão considerados eliminados nas provas escritas os candidatos que: a) obtiverem nota inferior a 50 (cinquenta) em uma escala de 0 (zero) a 100 (cem) na prova escrita de conhecimentos profissionais; ou b) não se classificarem entre as maiores notas na prova escrita de conhecimentos profissionais, até o limite do número correspondente a 4 (quatro) vezes o número de vagas estabelecidas, considerando-se os empates na última posição; ou c) classificarem-se dentro do limite descrito na alínea b) anterior, mas que obtiverem nota inferior a 50 (cinquenta) em uma escala de 0 (zero) a 100 (cem) na Prova de Expressão Escrita As provas escritas serão realizadas nas cidades relacionadas no Anexo I, na data e horário constantes do Calendário de Eventos do Anexo II. A responsabilidade pela escolha de uma destas cidades é do candidato, sendo feita por ocasião do preenchimento dos formulários de inscrição Serão disponibilizados na página da DEnsM, na Internet e nas ORDI dessas cidades os locais de prova com os respectivos endereços, na época prevista no Calendário de Eventos do Anexo II

8 Não haverá, sob pretexto algum, segunda chamada para as provas escritas, bem como a aplicação dessas fora do horário, data e local pré-determinados Em casos excepcionais, mediante requerimento escrito fundamentado, apresentado até 20 (vinte) dias antes da data prevista para sua realização, poderá ser autorizado que as provas escritas sejam realizadas em cidade diferente da escolhida pelo candidato, dentre as oferecidas no Anexo I Caso haja um elevado número de candidatos inscritos, poderá haver mais de um dia de aplicação de provas, a ser distribuído por profissão. O candidato deverá consultar a página da DEnsM na Internet ou as ORDI (pessoalmente ou através dos telefones disponíveis) para obter a data e o endereço do local onde realizará as provas escritas, conforme previsto no Calendário de Eventos, do Anexo II O candidato deverá estar no local de realização das Provas Escritas, com a antecedência necessária, observando que os portões de acesso aos locais de realização das provas serão abertos às 07h30 e fechados às 08h30 (horário de Brasília). Após o fechamento dos portões, o limite para se apresentar na Sala ou Setor para identificação será até às 09h00. A prova terá início às 10h15 (horário de Brasília) e duração de 4 (quatro) horas. Os candidatos que chegarem ao local de realização das provas após o fechamento dos portões serão considerados eliminados O candidato deverá portar consigo o comprovante de inscrição e um documento oficial de identificação, original, com fotografia, dentro da validade, caneta esferográfica azul ou preta, lápis e borracha Não será permitido, durante a realização das provas escritas, o uso de celulares, "pagers", mochilas, "palm-tops", calculadoras, pastas ou volumes similares, exceto o material suplementar, que poderá ser permitido para a realização das provas escritas de determinadas profissões, previsto no Evento 2 do Calendário de Eventos do Anexo II A DEnsM não se responsabiliza por pertences esquecidos ou perdidos pelos candidatos Nos recintos de prova serão lidas as instruções gerais ao candidato. Após a leitura, o candidato deverá preencher os campos: nome, assinatura e nº de inscrição da Folha de Respostas. Somente será autorizada a troca da Folha de Respostas, nesta ocasião, por motivo de rasura nos campos acima descritos Iniciada a prova escrita, não haverá mais esclarecimentos. O candidato somente poderá deixar o seu lugar, devidamente autorizado pelo Supervisor/Fiscal, para se retirar definitivamente do recinto de prova ou, nos casos abaixo especificados, devidamente acompanhado por militar designado para esse fim: - atendimento médico por pessoal designado pela MB; - fazer uso de banheiro; e - casos de força maior, comprovados pela supervisão do certame, sem que aconteça saída da área circunscrita à realização da prova Em nenhum dos casos haverá prorrogação do tempo destinado à realização da prova e, em caso de retirada definitiva do recinto de prova, esta será corrigida até onde foi solucionada O tempo mínimo de permanência dos candidatos no recinto de aplicação de provas é de 30 (trinta) minutos. O candidato não poderá levar a prova após sua realização. Será disponibilizado, na contracapa da prova, um modelo da Folha de Respostas para que o candidato preencha o seu gabarito para posterior conferência. A prova escrita será disponibilizada oportunamente na página da DEnsM na Internet Os candidatos militares deverão realizar as provas fardados. Se militares da MB, o uniforme é o do dia, na área de seus respectivos Distritos Navais. Para as demais Forças, o uniforme correspondente Ao término do tempo concedido para a realização da prova, o candidato interromperá a resolução da mesma no ponto em que estiver, reunirá seus pertences, levantar-se-á e, ordenadamente, deixará o recinto de prova, entregando a Folha de Respostas ao Fiscal, juntamente com suas respectivas provas Os 3 (três) últimos candidatos remanescentes deverão, obrigatoriamente, deixar o recinto de prova ao mesmo tempo Será eliminado sumariamente do Processo Seletivo, e as suas provas não serão levadas em consideração, o candidato que: a) der ou receber auxílio para a execução de qualquer prova; b) utilizar-se de qualquer material não autorizado; c) desrespeitar qualquer prescrição relativa à execução das provas; d) escrever o nome ou introduzir marcas identificadoras em outro lugar que não o determinado para esse fim; e) cometer ato grave de indisciplina; e f) comparecer ao local de realização das provas após o horário previsto. 8 - DOS RECURSOS DAS PROVAS ESCRITAS O candidato que desejar interpor Recurso, para as Provas Escritas objetivas de conhecimentos profissionais, disporá de três (3) dias úteis contados do dia seguinte ao da divulgação dos gabaritos na página da - 8 -

9 DEnsM na Internet, e em Boletim de Ordens e Notícias (BONO) da MB, disponível aos candidatos nas ORDI, listadas no Anexo I Caberá Recurso contra: a) questões das provas escritas objetivas; e b) erros ou omissões nos gabaritos das provas escritas objetivas; O candidato que desejar interpor Recurso, para as Provas Escritas objetivas de conhecimentos profissionais, deverá: a) acessar a página da DEnsM na Internet, no link Concursos Externos e imprimir a Guia de Recolhimento da União (GRU), relativa ao Processo Seletivo a que está concorrendo, uma para cada questão recorrida; b) preencher os campos nome e CPF; c) efetuar o pagamento, no valor unitário de R$ 4,00 (quatro reais), pela apresentação da GRU impressa, em qualquer agência do Banco do Brasil S./A.; e d) após efetuar o pagamento, o candidato deverá anexar a GRU ao referido Recurso, mantendo uma cópia em seu poder O resultado dos Recursos contra questões, erros ou omissões no gabarito das provas escritas objetivas de conhecimentos profissionais será dado a conhecer, coletivamente, pela alteração ou não do gabarito, em caráter irrecorrível na esfera administrativa, na página da DEnsM na Internet, e em BONO da MB, disponível aos candidatos nas ORDI, listadas no Anexo I O Recurso deverá ser: a) redigido de acordo com o modelo constante na página oficial da DEnsM na Internet e disponível nas ORDI do Anexo I, devidamente fundamentado, incluindo bibliografia pesquisada. Deverá conter todos os dados que informem a identidade do requerente, seu número de inscrição, endereço completo e assinatura; b) se manuscrito, redigido em letra de imprensa com caneta esferográfica azul ou preta; c) apresentado com argumentação lógica e consistente, indicando o Processo Seletivo, prova (profissão e cor), número da questão, a resposta marcada pelo candidato e a divulgada pelo gabarito e a sua finalidade; d) um para cada questão; e e) entregue pessoalmente em uma das ORDI listadas no Anexo I, das 08h30 às 16h30, observado o prazo estabelecido no subitem Quando, decorrente de exame dos Recursos, resultar anulação de questões, os pontos correspondentes a essas questões serão atribuídos a todos os candidatos, independentemente de os terem requerido O candidato poderá requerer vista da Prova de Expressão Escrita e/ou Recurso Administrativo, caso considere necessário, que serão realizados em três (3) dias úteis contados do dia seguinte ao da divulgação das notas das Provas Escritas, estabelecido no Calendário de Eventos do Anexo II, sendo os dois primeiros dias, destinados à vista de Prova e o terceiro dia exclusivamente, para interposição de Recursos A vista será realizada da seguinte forma: - Os candidatos oriundos da ORDI DEnsM, cidade do Rio de Janeiro, deverão se apresentar, durante o horário de expediente, no auditório da Diretoria de Ensino da Marinha, localizado no 3º andar do Serviço de Seleção do Pessoal da Marinha, situado na Praça Barão de Ladário, s/nº - Centro - Rio de Janeiro/RJ. - Os demais candidatos realizarão a vista de prova em suas respectivas ORDI, em horários por elas estabelecidos O candidato que desejar interpor Recurso, para a Prova de Expressão Escrita, deverá: a) acessar a página da DEnsM na Internet, no link Concursos Externos e imprimir a Guia de Recolhimento da União (GRU), relativa ao Processo Seletivo a que está concorrendo; b) preencher os campos nome e CPF; c) efetuar o pagamento, no valor unitário de R$ 4,00 (quatro reais), pela apresentação da GRU impressa, em qualquer agência do Banco do Brasil S./A.; e d) após efetuar o pagamento, o candidato deverá anexar a GRU ao referido Recurso, mantendo uma cópia em seu poder O requerimento para o Recurso Administrativo poderá ser entregue diretamente na ORDI (cidades relacionadas no Anexo I), no Posto de Inscrição da DEnsM ou a ele encaminhado, via Sedex, para o seguinte endereço: Rua Visconde de Itaboraí, nº 69 - Centro - Rio de Janeiro/RJ - CEP.: A postagem dos requerimentos dos Recursos será custeada pelo próprio candidato Recursos em desacordo com estas instruções não serão analisados. 9 - DOS EVENTOS COMPLEMENTARES Os candidatos não eliminados nas provas escritas serão dispostos em uma relação ordenada por número de inscrição

10 9.2 - Serão convocados, para a realização dos eventos complementares de Seleção Psicofísica e Teste de Suficiência Física, os candidatos não eliminados na quantidade de 3 (três) vezes o número de vagas estabelecidas, entre aqueles com as maiores notas, considerando-se os empates na última posição A relação dos candidatos convocados será divulgada na página da DEnsM na Internet, nas ORDI listadas no Anexo I e em BONO da MB Em casos excepcionais, mediante requerimento escrito fundamentado, poderá ser autorizado, a critério da Administração Naval, que o candidato possa realizar quaisquer das etapas dos eventos complementares em data e horário diferentes daqueles estipulados por ocasião da chamada para os mesmos, desde que não ultrapasse o período determinado no Calendário de Eventos As cidades para realização dos eventos complementares serão as mesmas relacionadas no Anexo I. A responsabilidade pela escolha de uma destas cidades é do candidato, por ocasião do preenchimento do formulário de inscrição Os eventos complementares serão realizados nos períodos constantes do Calendário de Eventos do Anexo II. Os candidatos convocados deverão consultar as Organizações listadas no Anexo I quanto aos locais e horários dos eventos, com os respectivos endereços, na época prevista no Calendário de Eventos O candidato deverá estar no local previsto para a realização de cada evento complementar, pelo menos uma hora antes do seu início, portando o comprovante de inscrição e documento oficial de identificação, original, com fotografia e dentro da validade Durante a realização dos eventos complementares ou ao seu término, caso o número de candidatos convocados não seja suficiente para o preenchimento do número de vagas, a critério da Administração Naval, poderão ser chamados tantos candidatos não eliminados, quantos forem necessários, respeitando-se a ordem de classificação anteriormente estabelecida Caso não haja candidatos em condições de serem chamados na forma do subitem acima, o número de candidatos chamados para os eventos complementares ficará limitado ao número de candidatos convocados anteriormente DA VERIFICAÇÃO DE DADOS BIOGRÁFICOS (VDB) (eliminatória) A VDB terá como propósito verificar se o candidato preenche os requisitos de idoneidade moral e de bons antecedentes de conduta para ingresso na MB, de acordo com o art. 11 da Lei nº 6880/1980 (Estatuto dos Militares), através de consulta às Secretarias de Segurança Pública Estaduais, às Superintendências Regionais do Departamento de Polícia Federal, dentre outros órgãos A VDB será realizada em duas fases, como mencionado anteriormente: - Fase preliminar: inicialmente através da análise e investigação dos dados informados pelo candidato no formulário de inscrição; e - Fase final: pelo preenchimento do Questionário Biográfico Simplificado (QBS) fornecido pela Organização Militar de formação por ocasião da apresentação para o início do Período de Adaptação, para os candidatos classificados e convocados para o preenchimento do número de vagas Durante o Processo Seletivo ou o Período de Adaptação, o candidato poderá vir a ser eliminado do Processo Seletivo ou desligado do Curso de Formação, se não atender os requisitos de idoneidade moral e bons antecedentes de conduta, dispostos no Estatuto dos Militares DA SELEÇÃO PSICOFÍSICA (SP) (eliminatória) A SP é a perícia médica que visa verificar se o candidato preenche os padrões de saúde exigidos para a carreira na MB A SP será realizada nas áreas dos Distritos Navais, de acordo com exames e procedimentos médicopericiais específicos, observando-se as condições incapacitantes e os índices mínimos exigidos descritos no Anexo IV, no período previsto no Calendário de Eventos do Anexo II, conforme programação elaborada e anunciada pelas ORDI (dia, horário e local) O candidato deverá comparecer ao local previsto para Seleção Psicofísica em jejum de doze horas, portando o comprovante de inscrição e documento oficial de identidade com fotografia através do qual possa ser reconhecido Os candidatos julgados incapazes na Inspeção de Saúde (IS), realizada pela Junta Regular de Saúde (JRS) para ingresso, poderão requerer IS em grau de recurso em até 5 (cinco) dias a contar da data da comunicação do laudo pela JRS. Os candidatos que não comparecerem na data e hora marcadas para realização de IS em grau de recurso serão considerados desistentes, e sua IS arquivada por falta de comparecimento O recurso deverá ser: a) redigido de acordo com o modelo constante na página oficial da DEnsM na Internet e disponível nas ORDI do Anexo I, devendo ter a finalidade enunciada de forma clara e ser circunstanciado, de modo a permitir

11 uma completa apreciação do caso pela autoridade competente e ser instruído por documentos que possam dar apoio às pretensões do requerente; e b) entregue pessoalmente em uma das ORDI listadas no Anexo I Os militares de carreira da ativa da MB realizarão todos os exames comparecendo à Junta de Saúde responsável portando os seus Prontuários Médicos Individuais (PMI) Além das condições incapacitantes que serão rigorosamente observadas durante as inspeções poderão, no entanto, ser detectadas outras causas que conduzam à inaptidão, precoce ou remota, durante a carreira naval, conforme laudo da JRS Os candidatos que forem julgados aptos na IS, mas com recomendação de não realizarem o Teste de Suficiência Física, por qualquer motivo, serão considerados eliminados do Processo Seletivo A confirmação de gestação, em qualquer etapa do processo pericial, implicará no cancelamento imediato da Inspeção de Saúde da candidata, sem emissão de laudo, interrompendo a realização da Seleção Psicofísica (SP) e impossibilitando a candidata da realização do Teste de Suficiência Física (TSF). Tal candidata realizará os demais Eventos Complementares e deverá ser reapresentada para realizar nova Inspeção de Saúde no ano seguinte, se à época do resultado final do Processo Seletivo da qual ela participou, estiver classificada dentro do número de vagas previstas A candidata reapresentada para nova Inspeção de Saúde, no ano seguinte, e sendo aprovada nesta e nas demais etapas, terá garantida uma vaga, além das vagas previstas no Processo Seletivo daquele ano, mesmo que não esteja prevista abertura de vaga para sua especialidade O candidato que se seguir na classificação ocupará o lugar da gestante, de modo que todas as vagas previstas sejam preenchidas DO TESTE DE SUFICIÊNCIA FÍSICA (TSF) (eliminatório) O TSF tem como propósito aferir se a aptidão física do candidato preenche os padrões físicos exigidos para a carreira da MB e será realizado de acordo com os subitens abaixo, no período previsto no Calendário de Eventos do Anexo II, conforme programação elaborada e anunciada pelas ORDI (dia, horário e local) Apenas o candidato julgado apto na SP realizará o TSF, que terá caráter eliminatório, constituindo-se das seguintes provas: a) natação; e b) corrida O candidato será submetido ao TSF em 2 (dois) dias não consecutivos, sendo-lhe permitido executar duas tentativas em cada uma das provas, em dias subsequentes Para não ser eliminado do Processo Seletivo, em TSF, o candidato deverá: a) Nadar o percurso de 25 (vinte e cinco) metros no tempo de 50 (cinquenta) segundos (para o sexo masculino) e 1 (um) minuto (para o sexo feminino), levando em consideração as observações abaixo descritas: - A saída poderá ser feita de fora da piscina (borda ou bloco de partida) ou de dentro da piscina, a critério do candidato; e - O candidato deverá utilizar apenas os recursos inerentes ao seu próprio corpo, não sendo permitido nenhum apoio no fundo, na borda lateral e/ou raiamento da piscina. b) Correr o percurso de 2400 (dois mil e quatrocentos) metros no tempo de 16 (dezesseis) minutos (para o sexo masculino) e 17 (dezessete) minutos (para o sexo feminino). A corrida poderá ser realizada em pista oficial de atletismo ou em qualquer percurso plano previamente demarcado Caso o candidato seja reprovado em uma ou em ambas as provas, mesmo após as duas tentativas, serlhe-á concedida uma última tentativa, em dia a ser determinado pela Comissão de Avaliação, após a aplicação do TSF em todos os candidatos. As datas da última tentativa não poderão ultrapassar o último dia do período para o TSF previsto no Calendário do Anexo II O resultado do TSF será informado ao candidato pela Comissão de Avaliação, logo após sua conclusão, no próprio local de realização, ocasião em que cada candidato deverá assinar a folha que contém os resultados por ele obtidos Além do comprovante de inscrição e do documento de identificação, o candidato deverá levar tênis, calção, camiseta para ginástica, sunga de banho ou maiô para a natação e o comprovante de apto da SP O médico pertencente à Comissão de Avaliação, presente no local de aplicação do TSF, poderá impedir de realizar ou retirar do TSF, a qualquer momento, o candidato que apresentar qualquer condição de risco à própria saúde DO RESULTADO DA SELEÇÃO INICIAL Após a realização de todos os Eventos Complementares, será divulgado o Resultado da Seleção Inicial do Processo Seletivo na página da DEnsM na Internet, e por meio do BONO da MB, disponível aos candidatos nas

12 ORDI listadas no Anexo I. O resultado constará da relação dos candidatos classificados dentro do número de vagas previsto (candidatos titulares) e dos candidatos reservas, por profissão e pela ordem decrescente da nota da prova escrita objetiva de conhecimentos profissionais, aproximada a centésimos Os candidatos que obtiverem a mesma nota na prova escrita objetiva de conhecimentos profissionais serão posicionados entre si, de acordo com a seguinte ordem de prioridade: a) maior nota na prova de expressão escrita; e b) maior idade O candidato aprovado em todas as etapas, mas não classificado no número de vagas existentes, será considerado candidato reserva A listagem de candidatos reservas tem por finalidade permitir a convocação imediata para preenchimento de vagas, não completado em razão de eventual desistência de candidatos titulares, desde que tal convocação se dê dentro da vigência do Processo Seletivo Em caso de convocação de candidato reserva será adotada estritamente a ordem de classificação discriminada pela ordem decrescente da nota da prova escrita objetiva de conhecimentos profissionais, considerando os critérios de desempate previstos no subitem Os candidatos reservas deverão acessar a página da DEnsM na Internet, durante o Período de Adaptação do Curso de Formação, especificado no Calendário de Eventos do Anexo II, a fim de tomar conhecimento de uma possível convocação de candidatos reservas para substituição de candidatos titulares DO PERÍODO DE ADAPTAÇÃO, DA VERIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA (eliminatórios) Serão chamados para apresentação para o início do Período de Adaptação do Curso de Formação (CF), na data prevista no Calendário de Eventos, os candidatos titulares Esses candidatos serão apresentados ao Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), no endereço: Avenida Brasil, nº Penha - Rio de Janeiro/RJ, para matrícula no CF O candidato, servidor público civil deverá entregar no CIAA, no início do Período de Adaptação, documento comprobatório do seu pedido de exoneração do Serviço Público. O candidato militar, inclusive o pertencente à MB deverá apresentar o documento comprobatório do seu pedido de desligamento ou de seu licenciamento O candidato, militar de outras Forças ou de Forças Auxiliares será matriculado como praça especial no grau hierárquico de grumete, independentemente de sua graduação anterior, cabendo a sua Força de origem licenciá-lo e desligá-lo O candidato, prestando o Serviço Militar Inicial (SMI) ou o Serviço Militar Voluntário (SMV), na Marinha do Brasil, será licenciado pelo respectivo Distrito Naval após a divulgação do resultado final e antes da data de concentração, apresentando-se ao Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA) na condição de civil O candidato, militar de carreira da Marinha do Brasil, será movimentado pela DPMM/CPesFN e licenciado ex officio, com efeitos na data de sua matrícula no CIAA e será matriculado como praça especial no grau hierárquico de grumete, independentemente de sua graduação anterior As despesas com transporte e hospedagem de candidato, da sua ORDI, cidade de realização das provas, até a apresentação na OM onde fará o Curso de Formação (CF), para o Período de Adaptação, Verificação de Documentos e realização da Avaliação Psicológica, serão custeadas pela Marinha, por intermédio das ORSR, ou seja, dos Comandos de Distritos Navais. O custeio destas despesas não se aplica aos candidatos que realizaram a inscrição pela ORDI DEnsM (cidade do Rio de Janeiro-RJ) Os candidatos deverão dispor de recursos próprios para o custeio de alimentação e despesas pessoais nos trajetos para o Centro de Formação Por ocasião da apresentação no Período de Adaptação, os candidatos convocados na página da DEnsM, na Internet, e por meio do BONO da MB, disponível nas ORDI listadas no Anexo I, deverão entregar cópias autenticadas ou simples, acompanhadas dos originais, para verificação dos seguintes documentos, de modo a confirmar as condições exigidas para inscrição: a) Certidão de Nascimento ou Casamento; b) Título de Eleitor e comprovante de votação na última eleição ou correspondente justificação; c) Certificado de Reservista ou prova de quitação com o Serviço Militar; d) Diploma/Certificado do curso técnico na profissão a que concorre e de conclusão do curso de Ensino Médio, oficialmente reconhecido e devidamente registrado ou certidão/declaração de conclusão do curso contendo, entre outros dados, a data do término do curso (não serão aceitos certificados de cursos livres), acompanhada de histórico-escolar; e) Registro profissional expedido pelo órgão fiscalizador da profissão, quando existir;

13 f) Se militar ou membro da Polícia ou do Corpo de Bombeiros Militar, em atividade, autorização para inscrição pela respectiva Força Armada ou Força Auxiliar, e atestado de idoneidade moral e bons antecedentes emitido pela autoridade a quem estiver subordinado, conforme modelo constante na página da DEnsM na Internet e disponível nas ORDI do Anexo I; g) Cartão de Inscrição no Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou documento oficial com este dado; e h) Documento Oficial de Identificação, com fotografia, dentro da validade Na apresentação para o início do Período de Adaptação será entregue aos candidatos, para preenchimento e devolução, o Questionário Biográfico Simplificado (QBS) para a VDB Fase final A não apresentação de qualquer documento exigido, bem como qualquer rasura ou outra irregularidade constatada nos documentos entregues, implicará na eliminação do candidato do Processo Seletivo ou do Curso de Formação No caso de apresentação de documentos falsos, serão ainda aplicadas as sanções previstas na legislação vigente O candidato desistente, que não se apresentar na data e horário marcados para o início do Período de Adaptação, que durante o Período de Adaptação cometer falta disciplinar grave, e que for considerado eliminado na Verificação de Documentos ou na VDB, terá a matrícula cancelada, podendo ser substituído, a critério da Administração Naval, durante o Período de Adaptação, pelo candidato reserva que se seguir na classificação Os candidatos titulares convocados para concentrar-se no Curso de Formação para o início do Período de Adaptação serão submetidos à Avaliação Psicológica (AP) A AP terá caráter eliminatório A AP tem como propósito avaliar os candidatos mediante a utilização de testes, técnicas e instrumentos psicológicos cientificamente reconhecidos, aferindo o grau de compatibilidade das características intelectivas, motivacionais e de personalidade com o perfil psicológico exigido pela carreira militar A AP avaliará os seguintes aspectos: - intelectivo destinado à verificação das aptidões gerais e/ou específicas dos candidatos em relação às exigências da atividade pretendida; e - personalógico destinado à verificação das características de personalidade e motivacionais do candidato em relação às exigências da atividade pretendida Para a avaliação do aspecto intelectivo, será utilizado um dos seguintes modelos: a) somatório de notas padronizadas - expresso pela transformação dos escores obtidos pelos candidatos nos diversos testes em graus comparáveis entre si; ou b) Regressão Linear Múltipla (RLM) - expresso pela estimativa do critério de desempenho na atividade, a partir da ponderação dos escores obtidos nos testes Para a avaliação do aspecto personalógico serão aplicados testes, inventários, entrevistas e/ou outros instrumentos de avaliação O resultado da AP será expresso como Apto (A) ou Inapto (I) O Aluno que obtiver o resultado I na AP, durante o Período de Adaptação ou Curso de Formação, propriamente dito, será eliminado ou desligado O candidato I na AP poderá requerer uma Entrevista de Apresentação de Resultados (EAR) e Recurso Administrativo. No caso de EAR, os requerimentos poderão ser encaminhados à DEnsM, em até 3 (três) dias úteis após a divulgação do resultado da AP. No caso de Recurso, em até 3 (três) dias úteis findo o prazo para a realização da EAR A EAR visará tão somente a prestar esclarecimentos técnicos, não afetando o resultado obtido nem servindo como fonte de informações complementares a qualquer outro órgão, e será realizada no Serviço de Seleção do Pessoal da Marinha (SSPM), por um psicólogo designado especialmente para esse fim No caso de Recurso Administrativo, será designada uma Comissão composta por Oficiais do SSPM que não participaram da AP, que terá por atribuição reavaliar o material do candidato, não consistindo em uma outra aplicação das técnicas realizadas ou correspondentes Na hipótese de Recurso Administrativo, o candidato poderá ser assessorado por psicólogo que não tenha feito parte da Comissão Avaliadora Após concluir o Período de Adaptação e ser aprovado na Avaliação Psicológica, o candidato terá a matrícula no Curso de Formação de Oficiais efetuada por ato do Comandante do CIAA Nenhuma documentação de candidato matriculado no CF poderá ser retirada ou devolvida, a não ser por motivo de desligamento DAS DISPOSIÇÕES COMPLEMENTARES Ao tratar de assunto relativo ao Processo Seletivo, o candidato deverá comparecer aos locais de inscrição, listados no Anexo I, apresentando documento oficial de identidade, dentro da validade e comprovante de

14 inscrição. As solicitações de atestados, declarações, informações ou dúvidas poderão ser consolidadas através da apresentação de requerimento Não será autorizada a entrada de candidatos em trajes de banho nos locais de realização de prova ou etapas complementares Não será permitido adentrar nos locais de realização de prova e etapas complementares, candidatos portando armas de qualquer espécie, mesmo em se tratando de militar e/ou civil, em efetivo serviço ou com autorização de porte de arma Caso seja observado, durante a realização da prova, candidato portando arma de qualquer espécie, será solicitada a sua retirada do recinto e este estará, automaticamente, eliminado do Processo Seletivo No decorrer do Processo Seletivo as vagas que não forem preenchidas nas diversas profissões poderão ser remanejadas ou sofrer acréscimo, a critério da Administração Naval A DEnsM informa aos candidatos que a MB não possui nenhum vínculo com qualquer curso ou escola preparatória, bem como material didático comercializado pelas mesmas O prazo de validade do Processo Seletivo e o aproveitamento de candidatos reservas terminará na data do encerramento do Período de Adaptação Os casos omissos serão resolvidos pelo Diretor de Ensino da Marinha. PARTE 2 - ANEXOS ANEXO I CIDADES DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS E EVENTOS COMPLEMENTARES E ORGANIZAÇÕES RESPONSÁVEIS PELA DIVULGAÇÃO (ORDI) Cidades de realização das provas e eventos complementares Rio de Janeiro / RJ. Vila Velha / ES. Salvador / BA. Natal / RN. Olinda / PE. Fortaleza / CE. Belém / PA. São Luís / MA. Rio Grande / RS. Porto Alegre / RS. Florianópolis / SC. Ladário / MS. Organizações Responsáveis pela Divulgação (ORDI) Diretoria de Ensino da Marinha - Rua Visconde de Itaboraí, nº 69 - Centro - Rio de Janeiro/RJ - CEP Tel.: (21) Escola de Aprendizes-Marinheiros do Espírito Santo (EAMES) - Enseada do Inhoá, s/nº - Prainha - Vila Velha/ES - CEP Tel.: (27) / Serviço de Recrutamento Distrital do Comando do 2º Distrito Naval - Avenida das Naus, s/nº - Comércio - Salvador/BA - CEP Tel.: (71) /3727/3780. Serviço de Recrutamento Distrital do Comando do 3º Distrito Naval - Rua Aristides Guilhem, nº Alecrim - Natal/RN - CEP Tel.: (84) Escola de Aprendizes-Marinheiros de Pernambuco (EAMPE) - Avenida Olinda, s/nº - Complexo de Salgadinho - Olinda/PE - CEP: Tel.: (81) Escola de Aprendizes-Marinheiros do Ceará (EAMCE) - Avenida Coronel Filomeno Gomes, nº 30 - Jacarecanga - Fortaleza/CE - CEP Tel.: (85) Serviço de Recrutamento Distrital do Comando do 4º Distrito Naval - Praça Carneiro da Rocha, s/nº - Cidade Velha - Belém/PA - CEP Tel.: (91) / 4042 / Departamento do Ensino Profissional Marítimo da Capitania dos Portos do Maranhão - Avenida José Sarney, s/nº - Complexo Jenipapeiro /Camboa São Luís/MA - CEP Tel.: (98) / Serviço de Recrutamento Distrital do Comando do 5º Distrito Naval - Rua Almirante Cerqueira e Souza, nº Centro - Rio Grande/RS - CEP Tel.: (53) Delegacia da Capitania dos Portos em Porto Alegre - Rua dos Andradas, nº Centro - Porto Alegre/RS - CEP Tel.: (51) ramais 39 e 42. Escola de Aprendizes-Marinheiros de Santa Catarina (EAMSC) Avenida Marinheiro Max Schramm, nº Estreito - Florianópolis/SC - CEP Tel.: (48) ramal 2121 / Serviço de Recrutamento Distrital do Comando do 6º Distrito Naval - Rua 14 de Março, s/nº - Centro Ladário/MS - CEP Tel.: (67)

15 Brasília / DF. São Paulo / SP. Manaus / AM. Santos / SP. Serviço de Recrutamento Distrital do Comando do 7º Distrito Naval - Esplanada dos Ministérios - Bloco "N" - Térreo - Prédio Anexo ao do Comando da Marinha - Brasília/DF - CEP Tel.: (61) Comando do 8º Distrito Naval - Rua Estado de Israel, nº Vila Clementino São Paulo/SP - CEP Tel.: (11) / Comando do 9º Distrito Naval - Rua Bernardo Ramos, s/nº - Centro - Ilha de São Vicente - Manaus/AM - CEP Tel.: (92) Núcleo de Apoio às Atividades da Capitania dos Portos de São Paulo Avenida Conselheiro Nébias, nº Encruzilhada - Santos/SP - CEP Tel.: (13) / 9901 / 9906 ramais 206/213 ou 203 (FAX). ANEXO II CALENDÁRIO DE EVENTOS EVENTO DATA ATIVIDADES 01 01/08/11 a 01/09/11 Período de inscrições. 02 A partir de 04/10/11 O candidato deve consultar a página da DEnsM na Internet ou as ORDI (pessoalmente ou através dos telefones disponíveis) para obter o endereço do local onde realizará as provas escritas e o material No mês de novembro de 2011 em dia a ser a ser definido. Consultar evento anterior. A partir de 5 (cinco) dias úteis da data da realização da prova escrita. suplementar necessário à realização das mesmas. Prova escrita objetiva de conhecimentos profissionais e expressão escrita, das 10h15 às 14h15 (horário de Brasília). ATENÇÃO! Os portões de acesso aos locais de realização das provas serão abertos às 07h30 e fechados às 08h30 (horário de Brasília). Os candidatos deverão observar o subitem 7.7. Divulgação dos gabaritos na Internet e por BONO da MB. 05 A partir de 10/01/12 Divulgação das notas dos candidatos aprovados nas provas escritas, na Internet e em BONO da MB, à disposição dos candidatos nas ORDI. 06 A partir de 07/02/12 Divulgação dos candidatos aprovados nas provas escritas e convocação para a realização dos eventos complementares na Internet e em BONO da MB, à disposição dos candidatos nas ORDI /02/12 a 30/03/12 Seleção Psicofísica (SP) /03/12 a 27/04/12 Teste de Suficiência Física (TSF) para os candidatos aptos na Seleção Psicofísica (SP). 09 A partir de 22/05/12 Divulgação do Resultado Final do Processo Seletivo na Internet e por BONO. 10 No mês de julho de 2012 em dia a ser a ser divulgado. Concentração dos candidatos titulares, no Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), para o início do Período de Adaptação, Apresentação de Documentos para Verificação, preenchimento do Questionário Biográfico Simplificado (QBS) e realização da Avaliação Psicológica /07/12 a 31/07/ /08/12 Início do Curso. Período de Adaptação. (Possibilidade de convocação de candidatos reservas). ANEXO III PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS SUGERIDAS PARA A PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PROFISSIONAIS TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO NOÇÕES BÁSICAS - Administração e organização: conceitos, princípios, escolas (administração científica e teoria clássica), tipos de organização, liderança, organização formal e informal; Administração de pessoal: funções gerais, cargo (conceito), desenho de cargo (conceito), descrição de cargo, análise de cargo, treinamento e política salarial; Administração de material: conceitos, estrutura organizacional, compras, gestão de estoques,

16 armazenamento; O&M: gráficos da organização, O&M na empresa, centralização x descentralização, tecnologias de gestão organizacional (Arquitetura Organizacional, Balanced Scorecard, Benchmarking e Reengenharia); Contabilidade e Custos: conceitos contábeis básicos, ativo, passivo e situação líquida, registros e sistemas contábeis, conceito de custos, objetivo e meios, e classificação dos custos; Estatística: população e amostra, variáveis aleatórias (discretas e contínuas), arredondamento, séries e gráficos estatísticos, distribuições de frequências e médias (aritmética simples e ponderada); Gestão pela qualidade total: melhoria contínua, Kaizen, qualidade total, gerenciamento da qualidade total e técnica de qualidade total; Gestão Pública: o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (Gespública), planejamento estratégico, avaliação de desempenho, Prêmio Nacional de Qualidade (PNQ), Prêmio Qualidade do Governo Federal (PQGF); Meios de comunicação: caixas postais eletrônicas, , icq, videoconferência, chat, fax, correios e telégrafo; Documentação: conceituação, importância, natureza, finalidade, características, normalização, fases do processo de documentação e classificação; Arquivística: conceitos, importância, organização, arquivos de prosseguimento, referências cruzadas, transferência, centralização x descentralização, microfilmagem, equipamentos e acessórios; Informática e os aplicativos referentes à automação de escritório: hardware, software, rede local, rede remota, internet, editor de textos, apresentação gráfica e planilha de cálculos; Direito Público - Noções básicas: organização do Estado, organização dos Poderes, defesa do Estado e Administração Pública Federal (organização e princípios); e Licitação: conceitos, princípios, modalidades, tipos, dispensa e inexigibilidade, contratos. BIBLIOGRAFIA SUGERIDA BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. (atualizada).. Decreto nº 5378, de 23 de fevereiro de 2005: Gespública.. Decreto nº 5450, de 31 de maio de 2005: Pregão Eletrônico.. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, DOU, Seção 1, 22/06/93. (atualizada). CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 8. ed. Rio de Janeiro: Campus.. Recursos Humanos. 9. ed. Ed. Compacta. São Paulo: Campus. CRESPO, Antônio Arnot. Estatística Fácil. 19. ed. São Paulo: Saraiva. CURY, Antonio. Organização e Métodos: uma Visão Holística. 8. ed. São Paulo: Atlas, EQUIPE PROFESSORES DA FEA/USP. Contabilidade Introdutória (livro texto). 11. ed. São Paulo: Atlas. FEDELI, Ricardo Daniel; POLLONI, Enrico Guilio Franco; PERES, Fernando Eduardo. Introdução à Ciência da Computação. 2. ed. Cengage Learning, MANZANO, José Augusto N. G. Br. Office. Org Guia Prático de Aplicação. Érica, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 10. ed. São Paulo: Atlas. MARTINS, Petrônio Garcia; CAMPOS, Paulo Renato. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. 3. ed. São Paulo: Saraiva. MEDEIROS, João Bosco; HERNANDES, Sônia. Manual da Secretária. 12. ed. São Paulo: Atlas. PEREIRA, José Matias. Manual de Gestão Pública Contemporânea. 3. ed. São Paulo: Atlas. ROSA, Márcio Fernando Elias. Direito Administrativo - Sinopses Jurídicas ed. São Paulo. Saraiva. OBSERVAÇÃO: 1) A legislação acima relacionada poderá ser consultada na Internet no endereço: 2) A bibliografia sugerida não limita nem esgota o programa. Serve apenas como orientação para as bancas elaboradoras de provas e para os candidatos. TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR ADMINISTRAÇÃO GERAL - Conceitos, fundamentos, teorias, as empresas (conceitos, características, alinhamento e recursos), o administrador, estratégia empresarial, planejamentos (estratégico, tático e operacional) e legislação. ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL - Gerência de pessoal, liderança, recrutamento, seleção, capacitação, teorias do processo motivacional, estrutura e cultura organizacional. CONTABILIDADE - Tipos (financeira, custos e gerencial): funções, terminologias, bases conceituais, instrumentos, métodos de custeio (absorção, direto, ABC) e usos dos custos nas organizações de saúde

17 ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR - Hospital: organização estrutural e funcional (aspectos e tipos), níveis de atenção médica e de atenção em saúde, graus de complexidade, ambiente e biossegurança; Sistema de Informação Hospitalar; Responsabilidade e Ética; Estatística: conceitos, importância e indicadores de saúde; Serviço de Higienização e Limpeza Hospitalar: a necessidade de higienização nos estabelecimentos assistenciais de saúde, classificação de áreas, tipos de higienização, resíduos de serviços de saúde (gerenciamento, classificação e segurança ocupacional); Serviço de Lavanderia Hospitalar: estrutura organizacional, instalações, equipamentos, localização, transporte e armazenagem de roupas, importância do serviço de lavanderia na prevenção e controle das infecções hospitalares; Administração de Hotelaria Hospitalar: hotelaria (clássica ou adaptada e humanização do ambiente hospitalar), administração hospitalar no novo contexto, perfil atual do cliente da saúde; Fundamentos da Humanização Hospitalar: conceitos, procedimentos, atitudes e valores que interferem nas relações interpessoais, cultura, lazer, entretenimento e a comunicação dentro dos hospitais; Abastecimento e fornecimento de material: generalidades, planejamento, funções, administração, aquisições, controle de estoque, classificação e padronização dos produtos; e Serviço de Arquivo Médico: prontuário médico (importância, legislação, registro geral, movimentação, os aspectos éticos e legais sobre o preenchimento, manuseio e cópias). GESTÃO DA QUALIDADE - Ferramentas de gerenciamento, ciclo PDCA, conceitos, fundamentos e critérios do modelo de excelência do PNQ. BIBLIOGRAFIA SUGERIDA ANVISA. Regulamento Técnico para o Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - RDC nº BEULKE, Rolando; BERTÓ, Dalvio José. Gestão de Custos e Resultado na Saúde: Hospitais, Clínicas, Laboratórios e Congêneres. 3. ed. São Paulo: Saraiva, BRITO, L. F. M. et al. Segurança Aplicada às Instalações Hospitalares. 4. ed. São Paulo: Senac, CHIAVENATO, Idalberto. Administração - Teoria, Processo e Prática. 4. ed. Rio de janeiro: CAMPUS, Iniciação à Administração de Recursos Humanos. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Manole, CHING, Hong Yuh. Manual de Custos de Instituições de Saúde - Sistemas Tradicionais de Custos e Sistemas de Custeio Baseado em Atividades (ABC). São Paulo: Atlas S.A., CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.605/2000. Brasília: Conselho Federal de Medicina, Resolução nº 1.821/07. Brasília: Conselho Federal de Medicina, GODOI, Adalto Felix de. Hotelaria Hospitalar e Humanização no Atendimento em Hospitais. São Paulo: Ícone, KURCGANT, Paulina. Administração em Enfermagem. 9ª reimpressão. São Paulo: EPU, LONDONO, Malagón et al. Administração Hospitalar. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Manual de Higienização de Estabelecimentos de Saúde e Gestão de seus Resíduos. Rio de Janeiro: IBAM/COMLURB, MARSHALL JUNIOR, Isnard et al. Gestão da Qualidade. 8. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006 (8ª reimpressão, 2008). MEZZOMO, Augusto A. et al. Fundamentos da Humanização Hospitalar - uma Visão Multiprofissional. São Paulo: Loyola, Normas para Licitações e Contratos da Administração Pública e suas Alterações. Lei nº 8666 de 21 de junho de Presidência da República. Casa civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral Fácil. 6. ed. São Paulo: Editora Saraiva, TARABOULSI, Fadi Antoine. Administração de Hotelaria Hospitalar. 3. ed. São Paulo. Atlas, Terminologia Básica em Saúde. Brasília: Secretaria Nacional de Organização e desenvolvimento de Serviços de Saúde/Centro de Documentação do Ministério da Saúde, Textos de Apoio em Registros de Saúde. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Org.). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1999 (2ª reimpressão, 2005). v. 1. Textos de Apoio em Administração - Série Trabalho e Formação em Saúde. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (ORG). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, OBSERVAÇÃO: A bibliografia sugerida não limita nem esgota o programa. Serve apenas como orientação para as bancas elaboradoras de provas e para os candidatos

18 TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE GERAL - Contabilidade: conceito, objeto e campo de atuação, usuários, atos e fatos administrativos; Patrimônio: conceito, bens, direitos, obrigações e patrimônio líquido; Demonstrações contábeis: conceito e principais demonstrações contábeis; Balanço Patrimonial: composição e grupo de contas; Demonstração do Resultado do Exercício: demonstração dedutiva, receita líquida, lucro bruto, custo de vendas, lucro operacional, lucro antes e depois do imposto de renda, e distribuição do lucro; Regimes de contabilidade: regime de caixa e regime de competência; Balanço Patrimonial x Demonstração do Resultado do Exercício e o regime de competência; Escrituração contábil: partidas dobradas, teoria das contas, contas, débito, crédito e saldo, e transferência dos saldos das contas de resultado para as contas de apuração do resultado do exercício; Plano de Contas: conceitos, finalidades e estrutura; e Princípios Fundamentais de Contabilidade (Resolução nº 750/93, do CFC). ORÇAMENTO E CONTABILIDADE PÚBLICA - Contabilidade Pública: conceito, campo de atuação e sistemas (orçamentário, financeiro, patrimonial e de compensação); Regimes Contábeis: conceito, princípios e regimes (de caixa e de competência); Orçamento Público: definição, processo de planejamento-orçamento; Plano Plurianual; Lei de Diretrizes Orçamentárias; Lei de Orçamento Anual; Princípios Orçamentários: universalidade, unidade, anualidade, equilíbrio e exclusividade; Ciclo Orçamentário: elaboração, estudo e aprovação, execução, avaliação; Orçamento por Programas e Classificação Institucional e Funcional-Programática; Créditos adicionais: conceito, classificação, créditos suplementares, especiais e extraordinários; Receita Pública: conceito, classificação, receita orçamentária e extra-orçamentária, contabilização, estágios da receita e sua escrituração, restituição e anulação de receitas e sua escrituração, dívida ativa e sua escrituração; Despesa Pública: conceito, classificação, despesa orçamentária e extra-orçamentária, contabilização, estágios da despesa e sua escrituração; Restos a pagar: conceito e escrituração contábil; Dívida Pública: conceito, dívida flutuante e fundada; Regime de adiantamento: disposições básicas; Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal - (SIAFI): noções básicas; Patrimônio Público e as suas variações patrimoniais: espécies e contabilização; Balanços: Orçamentário, Financeiro, Patrimonial; Demonstração das variações patrimoniais; e Plano de Contas: estrutura do plano de contas, regra de codificação numérica, elenco de contas (sistema financeiro, sistema patrimonial, sistema de compensação e sistema orçamentário). CONTABILIDADE DE CUSTOS - Definições, terminologia, classificações de custos: definições de gastos, custos, despesas, investimento e perda, custos diretos e indiretos, custos fixos, variáveis, semivariáveis (ou semifixos); Princípios fundamentais de Contabilidade e convenções contábeis aplicadas a custos: realização da receita, confrontação entre despesas e receitas, custo histórico como base de valor, consistência, conservadorismo, materialidade; Apuração de custos: separação entre custos e despesas, apropriação dos custos diretos, alocação dos custos indiretos, contabilização dos custos; Departamentalização; Critério de rateio dos custos indiretos: análise dos critérios de rateio, custos comuns, rateio dos custos dos departamentos, influência dos custos fixos e dos custos variáveis, importância da consistência nos critérios; Taxa de Aplicação de Custos Indiretos de Fabricação (CIF): previsão da taxa de aplicação de CIF, contabilização dos CIF aplicados, uso dos CIF aplicados durante o exercício, análise das variações entre CIF aplicados e reais, considerações acerca da previsão do volume, previsão das taxas de serviços; Materiais diretos e mão de obra direta: critérios de avaliação dos materiais, tratamento contábil das perdas de materiais, tratamento contábil dos subprodutos e das sucatas, o que integra o custo da mão de obra direta, apontamento da mão de obra direta; Métodos de Acumulação de Custos Por Ordem e Por Processo : distinção entre produção por ordem e produção contínua, diferenças no tratamento contábil; Custo Fixo e Margem de Contribuição: problema da alocação dos custos indiretos fixos, conceito de Margem de Contribuição (MC) e sua aplicação, MC e limitações na capacidade de produção; e Métodos de custeio dos estoques: custeio variável e custeio por absorção

19 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DIREITO ADMINISTRATIVO - Serviço Público: conceito, serviço privativo do Estado, serviço de utilidade pública, prestação de serviço de utilidade pública por concessão, prestação de serviço de utilidade pública por permissão, prestação de serviço mista; Administração Pública: conceito, organização político-administrativa brasileira, organização da Administração Pública, Administração Direta, Administração Indireta, Autarquias (conceito e características), Entidades Paraestatais (conceito e características), Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista, Fundações, Serviços Sociais Autônomos; e Licitações: conceituação, modalidades, dispensa, inexigibilidade, tipos de licitação, edital, anexos do edital, procedimento e julgamento, regimes ou formas de execução. ESTATÍSTICA - Organização, resumo e apresentação de dados estatísticos: dados x informação, dados estatísticos, tipos de dados, notação sigma, análise de pequenos conjuntos de dados; Medidas de tendência central: média aritmética, média ponderada, mediana, comparação entre média e mediana, moda; Medidas de dispersão: o intervalo, medidas de dispersão que têm a média como ponto de referência, desvio médio absoluto, variância, desvio padrão; e Análise de grandes conjuntos de dados: distribuições de frequência, construção de distribuição de frequência (para dados contínuos, para dados discretos, para frequência acumulada, para dados nominais e para dados por postos), medidas para dados grupados, determinação da média, mediana e moda de uma distribuição de frequência, determinação do intervalo, da variância e do desvio padrão de uma distribuição de frequência, gráficos de distribuições de frequência. BIBLIOGRAFIA SUGERIDA BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988 (atualizada).. Decreto-lei n 200, de 25 de fevereiro de 1967 (atualizado). Dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 27 fev Lei Complementar n 101, de 4 de maio de 2000: Lei de Responsabilidade Fiscal. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 5 maio Lei n 4.320, de 17 de março de 1964 (atualizada). Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Diário Oficial da União, Brasília, 23 mar Lei n 8.666, de 21 de junho de 1993 (atualizada). Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 22 jun DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 23. ed. São Paulo: Atlas, FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade Básica. 8. ed. São Paulo: Editora Ferreira, IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARTINS, Eliseu; KANITZ, Stephen Charles et al. Contabilidade Introdutória. 11. ed. São Paulo: Atlas, KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública: Teoria e Prática. 11. ed. São Paulo: Atlas, MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. 15. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 33. ed. São Paulo: Malheiros, PISCITELLI, Roberto Bocaccio; TIMBÓ, Maria Zulene Farias; ROSA, Maria Berenice. Contabilidade Pública: uma Abordagem da Administração Financeira Pública. 9. ed. São Paulo: Atlas, SILVA, Ermes Medeiros da et al. Estatística para os Cursos de: Economia, Administração e Ciências Contábeis. 3. ed. São Paulo: Atlas, v. 1. SILVA, Lino Martins da. Contabilidade Governamental: um Enfoque Administrativo. 8. ed. São Paulo: Atlas, STEVENSON, William J. Estatística Aplicada à Administração. São Paulo: Harbra, OBSERVAÇÃO: A bibliografia sugerida não limita nem esgota o programa. Serve apenas como orientação para as bancas elaboradoras de provas e para os candidatos. TÉCNICO EM DESENHO DE ARQUITETURA INSTRUMENTOS E MATERIAIS DE DESENHO - Utilização e tecnologias; e Dimensões e formatos do papel no desenho de arquitetura

20 DESENHO TÉCNICO - Emprego de escalas; Tipos de linhas e sua aplicação em desenhos; e Dimensionamento, apresentação e colocação de cotas. DESENHOS À MÃO LIVRE - Esboços e croquis, sua aplicação em levantamentos e na criação de projetos; e Perspectivas e sombras. CONVENÇÕES DO DESENHO ARQUITETÔNICO - Símbolos gráficos; Representação gráfica de materiais de construção e componentes de uma construção: revestimentos, esquadrias, elementos de composição, itens das instalações prediais, fundações e estruturas, paisagismo; Terminologia; Legendas; Carimbo do projeto; e Convenções de cores. DESENHOS DO PROJETO DE ARQUITETURA - Tipos de plantas do projeto, cortes e fachadas; Detalhes usuais: esquadrias, coberturas, telhados, escadas, banheiros, cozinhas e pavimentações; Desenhos de interiores; e Leiaute dos ambientes e dimensões funcionais. NOÇÕES DE PROJETOS COMPLEMENTARES - Topografia: terreno, implantação, orientação da edificação, movimento de terra (terraplenagem); Instalações prediais: elétrica, hidráulica, sanitárias, mecânica, especiais; e Estrutura e fundações. NOÇÕES DE PROJETO ARQUITETÔNICO - Etapas componentes do projeto: estudo preliminar, anteprojeto e projeto executivo; Coordenação do desenho do projeto de arquitetura com os projetos complementares de estrutura e instalações; Caracterização e características dos cômodos de uma residência; Prédios não residenciais: prédios comerciais, industriais, escritórios e prédios públicos; e Arquitetura de interiores. GEOMETRIA ESPACIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA - Volume dos sólidos regulares; e Perímetro e área das figuras planas. REPRESENTAÇÃO DIGITAL - Aplicação e noções do desenho 2D em AutoCAD - Principais comandos. BIBLIOGRAFIA SUGERIDA ABNT - Normas de Desenho Técnico e Representação de Projeto de Arquitetura - NBR 8196:1999; NBR 8403:1984; NBR 10068:1987; NBR 6492:1994. AZEREDO, Hélio Alves de. O Edifício até sua Cobertura. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, BALDAM, Roquemar; COSTA, Lourenço. Autocad 2009: Utilizando Totalmente. 1. ed. São Paulo: Érica, BEZERRA, Manoel Jairo. Matemática para o Ensino Médio. 5. ed. São Paulo: Scipione, (Série Parâmetros). CHING, Francis D. K. Arquitetura de Interiores Ilustrada. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, Representação Gráfica em Arquitetura. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, CREDER, Hélio. Instalações Elétricas. 15. ed. Rio de Janeiro: LTC, Instalações Hidráulicas e Sanitárias. 6. ed. [S.l.]: LTC, IEZZI, Gelson; DOLCE, Oswaldo. Matemática. Volume único. 4. ed. São Paulo: Atual, JÚNIOR, Roberto de Carvalho. Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura. 1. ed. Edgard Blucher, MACINTYRE, Archibald Joseph. Instalações Hidráulicas - Prediais e Industriais. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC, MONTENEGRO, Gildo A. Desenho Arquitetônico. 4. ed. São Paulo: Edgard Blucher Ltda, NEUFERT, Ernst. Arte de Projetar em Arquitetura. 14. ed. São Paulo: Gustavo Gili do Brasil, OBERG, L. Desenho Arquitetônico. 31. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico S.A., OBSERVAÇÃO: A bibliografia sugerida não limita nem esgota o programa. Serve apenas como orientação para as bancas elaboradoras de provas e para os candidatos. TÉCNICO EM DESENHO MECÂNICO MATERIAL DE DESENHO; LETRAS, ALGARISMOS, LINHAS E SINAIS NORMALIZADOS PELA ABNT; PAPÉIS E LEGENDAS

COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 27 DE MARÇO DE 2009 (PS-QC-CA, QC-FN E QC-IM) EM 2009

COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 27 DE MARÇO DE 2009 (PS-QC-CA, QC-FN E QC-IM) EM 2009 COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 27 DE MARÇO DE 2009 (PS-QC-CA, QC-FN E QC-IM) EM 2009 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA A Diretoria

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav) EM 2009 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav) EM 2009 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav) EM 2009 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos do Corpo de Engenheiros da Marinha

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (PS-T) EM 2010 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (PS-T) EM 2010 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (PS-T) EM 2010 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos do Quadro Técnico do Corpo

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2012

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2012 CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2012 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (CPACN) EM 2014 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (CPACN) EM 2014 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (CPACN) EM 2014 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (da Carreira e do Curso) 2 - Das vagas 3 - Das inscrições

Leia mais

COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 24 DE JANEIRO DE 2011

COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 24 DE JANEIRO DE 2011 COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 24 DE JANEIRO DE 2011 PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (PSAEAM) EM 2011 ÍNDICE PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav) EM 2011 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav) EM 2011 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav) EM 2011 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira, Do Quadro e Do Curso)

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (CP-CAP) EM 2013 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (CP-CAP) EM 2013 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (CP-CAP) EM 2013 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2014

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2014 CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2014 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (CP-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2012 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (CP-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2012 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (CP-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2012 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-T) EM 2012 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-T) EM 2012 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-T) EM 2012 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira, Do Quadro e Do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE CIRURGIÕES-DENTISTAS (CP-CSM-CD) EM 2015 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE CIRURGIÕES-DENTISTAS (CP-CSM-CD) EM 2015 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE CIRURGIÕES-DENTISTAS (CP-CSM-CD) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (da Carreira,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2015

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2015 CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-CapNav) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 193, SEÇÃO 3, PAG 21, DE 07 DE OUTUBRO DE 2014 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 193, SEÇÃO 3, PAG 21, DE 07 DE OUTUBRO DE 2014 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 193, SEÇÃO 3, PAG 21, DE 07 DE OUTUBRO DE 2014 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Altera dispositivos nas Instruções Específicas para o Concurso Público de Admissão

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (CP-CEM) EM 2013 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (CP-CEM) EM 2013 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (CP-CEM) EM 2013 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira, Do Quadro e Do Curso) 2

Leia mais

LIGA DE CIRURGIA DO TRAUMA

LIGA DE CIRURGIA DO TRAUMA LIGA DE CIRURGIA DO TRAUMA EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015/2 PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO PARA MEMBROS EFETIVOS DA LIGA DE CIRURGIA DO TRAUMA (LCT) DO CURSO DE MEDICINA PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 108, SEÇÃO 3, PAG 20, DE 10 DE JUNHO DE 2015 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Altera dispositivos nas Instruções Específicas para o Concurso Público para Ingresso

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 108, SEÇÃO 3, PAG 20, DE 10 DE JUNHO DE 2015 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Altera dispositivos nas Instruções Específicas para o Concurso Público para Ingresso

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (CP-CEM) EM 2015 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (CP-CEM) EM 2015 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (CP-CEM) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira, Do Quadro e Do Curso) 2

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2015 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2015 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos do curso nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE APOIO À SAÚDE (CP-CSM-S) EM 2014 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE APOIO À SAÚDE (CP-CSM-S) EM 2014 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE APOIO À SAÚDE (CP-CSM-S) EM 2014 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (da Carreira, do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-T) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 -

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-T) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DO CORPO AUXILIAR DA MARINHA (CP-T) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira, Do Quadro e Do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PSA-CAP) EM 2010 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PSA-CAP) EM 2010 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PSA-CAP) EM 2010 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PS-CAP) EM 2007 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PS-CAP) EM 2007 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA (PS-CAP) EM 2007 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos do Corpo Auxiliar de Praças e da

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 193, SEÇÃO 3, PAG 21 e 22, DE 07 DE OUTUBRO DE 2014 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Altera dispositivos nas Instruções Específicas para o Concurso Público para

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (CPACN) EM 2016 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (CPACN) EM 2016 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (CPACN) EM 2016 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (da Carreira e do Curso) 2 - Das vagas 3 - Das inscrições

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE APOIO À SAÚDE (CP-CSM-S) EM 2016 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE APOIO À SAÚDE (CP-CSM-S) EM 2016 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE APOIO À SAÚDE (CP-CSM-S) EM 2016 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (da Carreira, do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2013 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2013 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2013 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos do curso nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA O QTPA 1 Da Carreira Militar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (CP-QC-CA e QC-FN) EM 2014 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (CP-QC-CA e QC-FN) EM 2014 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (CP-QC-CA e QC-FN) EM 2014 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE CIRURGIÕES-DENTISTAS (CP-CSM-CD) EM 2014 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE CIRURGIÕES-DENTISTAS (CP-CSM-CD) EM 2014 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA - QUADRO DE CIRURGIÕES-DENTISTAS (CP-CSM-CD) EM 2014 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (da Carreira,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 108, SEÇÃO 3, PAG 20, DE 10 DE JUNHO DE 2015 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Altera dispositivos nas Instruções Específicas para o Concurso Público para Ingresso

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (CPAEN) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (CPAEN) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (CPAEN) EM 2015 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira e Dos Cursos) 2 - Das vagas 3 - Das inscrições

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (PS-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2006 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (PS-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2006 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (PS-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2006 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos dos

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 23 DE SETEMBRO DE 2013

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA (CP-QTPA) em 2013 O Diretor

Leia mais

Edital de convocação para o CONCURSO VESTIBULAR. UERJ Turismo 2010

Edital de convocação para o CONCURSO VESTIBULAR. UERJ Turismo 2010 Edital de convocação para o CONCURSO VESTIBULAR UERJ Turismo 2010 A Universidade do Estado do Rio de Janeiro torna público o presente Edital, com normas, rotinas e procedimentos relativos ao Concurso Vestibular

Leia mais

Corpo Auxiliar de Praças

Corpo Auxiliar de Praças O (CAP) destina-se, primordialmente, a suprir a Marinha com militares para exercerem cargos técnicos de nível médio relativos às áreas de administração, hidrografia, informática, saúde e manutenção dos

Leia mais

ANO 2014 2º SEMESTRE

ANO 2014 2º SEMESTRE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 095/2014, de 25/04/2014 PROCESSO SELETIVO E MATRÍCULA DOS CANDIDATOS APROVADOS NO PROGRAMA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA (PS-CSM) EM

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA (PS-CSM) EM COMANDO DA MARINHA DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 14 DE ABRIL DE 2005 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE SAÚDE DA MARINHA (PS-CSM) EM 2005. A Diretoria de Ensino da Marinha (DEnsM),

Leia mais

EDITAL DO 2 PROCESSO SELETIVO 2015 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE SÃO LUCAS FSL. 1 SEMESTRE 2015 - EDITAL n o 2/2015

EDITAL DO 2 PROCESSO SELETIVO 2015 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE SÃO LUCAS FSL. 1 SEMESTRE 2015 - EDITAL n o 2/2015 EDITAL DO 2 PROCESSO SELETIVO 2015 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE SÃO LUCAS FSL 1 SEMESTRE 2015 - EDITAL n o 2/2015 PROCESSO SELETIVO 19/10/2014 A Faculdade São Lucas FSL

Leia mais

COMANDO DA MARINHA DIRETORIA-GERAL DO PESSOAL DA MARINHA DIRETORIA DO PESSOAL CIVIL DA MARINHA CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE

COMANDO DA MARINHA DIRETORIA-GERAL DO PESSOAL DA MARINHA DIRETORIA DO PESSOAL CIVIL DA MARINHA CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE COMANDO DA MARINHA DIRETORIA-GERAL DO PESSOAL DA MARINHA DIRETORIA DO PESSOAL CIVIL DA MARINHA CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR (CP-PCNS) E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO (CP-PCNI)

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 109, SEÇÃO 3, PAG 18, DE 10 DE JUNHO DE 2014 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Inclui nova cidade para realização de prova para o Concurso Público de Admissão

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO COR- PO AUXILIAR DA MARINHA (PS-CapNav) EM 2011

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO COR- PO AUXILIAR DA MARINHA (PS-CapNav) EM 2011 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO QUADRO DE CAPELÃES NAVAIS DO COR- PO AUXILIAR DA MARINHA (PS-CapNav) EM 2011 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA. edital n 294, 09 de setembro de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA. edital n 294, 09 de setembro de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA edital n 294, 09 de setembro de 2015 seleção para o curso de residência multiprofissional em saúde

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2º SEMESTRE DE 2015

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2º SEMESTRE DE 2015 FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2º SEMESTRE DE 2015 O Diretor da Faculdade Metropolitana São Carlos, credenciada pela Portaria Ministerial 062 de 22/01/2010, publicada em

Leia mais

Edital Nº 003/ 2015 I - DO PROCESSO SELETIVO E DO CURSO

Edital Nº 003/ 2015 I - DO PROCESSO SELETIVO E DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA DE ENFERMAGEM DE NATAL DA UFRN PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO TÉCNICO EM PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM SAÚDE Edital Nº 003/ 2015 A Escola

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE EDITAL N 005/2013. PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATACÃO TEMPORÁRIA DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Educação Superior e Profissional. Edital nº 001 /2009

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Educação Superior e Profissional. Edital nº 001 /2009 Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Educação Superior e Profissional Edital nº 001 /2009 Processo Seletivo para Ingresso nos Cursos Técnico de Nível Médio em Agronegócios

Leia mais

1.4. Cada candidato poderá concorrer a apenas uma das vagas ofertadas neste Edital e deverá usar o próprio CPF para inscrição.

1.4. Cada candidato poderá concorrer a apenas uma das vagas ofertadas neste Edital e deverá usar o próprio CPF para inscrição. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Edital Nº 03/2014/CCV Regulamenta o Teste de Nível das Casas de Cultura Estrangeira, para o período 2014.2. A Presidente da Coordenadoria de

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA DE ARAGUATINS - FAIARA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 01/2012

FACULDADE INTEGRADA DE ARAGUATINS - FAIARA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 01/2012 FACULDADE INTEGRADA DE ARAGUATINS - FAIARA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 01/2012 A FAIARA Faculdade Integrada de Araguatins, através de sua Comissão Permanente do Processo Seletivo CPPS, em conformidade

Leia mais

1 PRÉ-REQUISITOS São pré-requisitos para a inscrição no processo seletivo do qual se refere esse Edital, regulamentado por meio deste instrumento:

1 PRÉ-REQUISITOS São pré-requisitos para a inscrição no processo seletivo do qual se refere esse Edital, regulamentado por meio deste instrumento: EDITAL DO 3 PROCESSO SELETIVO 2015 PARA TRANSFERÊNCIA DE CURSO DA ÁREA DA SAÚDE E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS NO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE SÃO LUCAS 1 SEMESTRE 2015 - EDITAL n o 3/2015 DATA: PROCESSO SELETIVO

Leia mais

CISNE FACULDADE DE QUIXADÁ PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL Nº 04/2015

CISNE FACULDADE DE QUIXADÁ PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL Nº 04/2015 CISNE FACULDADE DE QUIXADÁ PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL Nº 04/2015 O Instituto Educacional e Tecnológico de Quixadá e a CISNE Faculdade de Quixadá, com base no seu Regimento Interno e nas disposições

Leia mais

1.4. O Manual do Candidato estará disponível para os inscritos exclusivamente no sítio www.suprema.edu.br.

1.4. O Manual do Candidato estará disponível para os inscritos exclusivamente no sítio www.suprema.edu.br. EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS 2º SEMESTRE 2015 EDITAL nº 04/2015 A Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora - FCMS/JF SUPREMA torna público que se encontram abertas

Leia mais

EDITAL Nº 5/PROPP, DE 27 DE JANEIRO DE 2012.

EDITAL Nº 5/PROPP, DE 27 DE JANEIRO DE 2012. EDITAL Nº 5/PROPP, DE 27 DE JANEIRO DE 2012. SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA AS VAGAS DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA R3 PARA O ANO DE 2012. O Pró-Reitor de Ensino de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMPERVE - COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR EDITAL Nº 10/2006

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMPERVE - COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR EDITAL Nº 10/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMPERVE - COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR EDITAL Nº 10/2006 Regulamenta a seleção especial para ingresso nos cursos superiores de Tecnólogo

Leia mais

EDITAL Nº 14/2011-PROEN/IFRN PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS SUPERIORES DE PÓS-GRADUAÇÃO CAMPI JOÃO CÂMARA E MACAU 2º SEMESTRE DE 2011

EDITAL Nº 14/2011-PROEN/IFRN PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS SUPERIORES DE PÓS-GRADUAÇÃO CAMPI JOÃO CÂMARA E MACAU 2º SEMESTRE DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRO-REITORIA DE ENSINO EDITAL Nº 14/2011-PROEN/IFRN PROCESSO

Leia mais

Faculdades Unidas de Pesquisa, Ciências e Saúde CNPJ : 08.543.681/0001-46 www.faculdadefapec.com.br

Faculdades Unidas de Pesquisa, Ciências e Saúde CNPJ : 08.543.681/0001-46 www.faculdadefapec.com.br EDITAL 021/2015 DE 15 DE OUTUBRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016.1 A Faculdades Unidas de Pesquisa, Ciências e Saúde FAPEC torna público o Edital do Processo Seletivo Vestibular 2016.1, para

Leia mais

EDITAL Nº 9/PROPP, DE 3 DE ABRIL DE 2012.

EDITAL Nº 9/PROPP, DE 3 DE ABRIL DE 2012. EDITAL Nº 9/PROPP, DE 3 DE ABRIL DE 2012. SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA AS VAGAS REMANESCENTES DOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA E EM PEDIATRIA, DO HU/UFGD, PARA O ANO DE 2012. O Pró-Reitor

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (CPAEN) EM 2012 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (CPAEN) EM 2012 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (CPAEN) EM 2012 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos (Da Carreira e Dos Cursos) 2 - Das vagas 3 - Das inscrições

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (PSACN) EM 2007 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (PSACN) EM 2007 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO COLÉGIO NAVAL (PSACN) EM 2007 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos do curso no Colégio Naval e da carreira militar 2 - Das

Leia mais

Guia do Vestibular / Manual do Candidato Processo Seletivo- Agendado 2014.2 Provas/Matrícula

Guia do Vestibular / Manual do Candidato Processo Seletivo- Agendado 2014.2 Provas/Matrícula Guia do Vestibular / Manual do Candidato Processo Seletivo- Agendado 2014.2 Provas/Matrícula A Faculdade do Vale do Itapecuru FAI, localizada no Município de Caxias/MA, credenciada através da Portaria

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (PSAEAM) EM 2009 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (PSAEAM) EM 2009 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (PSAEAM) EM 2009 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos do curso nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros

Leia mais

Estadual 2015. Edital de Convocação para o Exame de Qualificação do Vestibular

Estadual 2015. Edital de Convocação para o Exame de Qualificação do Vestibular Edital de Convocação para o Exame de Qualificação do Vestibular Estadual 2015 A Universidade do Estado do Rio de Janeiro torna público o presente Edital, com normas, rotinas e procedimentos relativos ao

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES Nº 001/2015

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES Nº 001/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES Nº 001/2015 A Comissão Organizadora do Processo Seletivo, designada através da Portaria nº 096/2015, no uso de suas atribuições

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO SELEÇÃO / 2012 RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA GERAL HOSPITAL SANTA ROSA HOSPITAL SANTA HELENA

MANUAL DO CANDIDATO SELEÇÃO / 2012 RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA GERAL HOSPITAL SANTA ROSA HOSPITAL SANTA HELENA MANUAL DO CANDIDATO SELEÇÃO / 2012 RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA GERAL HOSPITAL SANTA ROSA HOSPITAL SANTA HELENA Página - 1 - de 7 CENTRO DE ESTUDOS DR.CERVANTES CAPOROSSI COREME DO HOSPITAL SANTA ROSA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2012 Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2012 Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE APRENDIZES-MARINHEIROS (CPAEAM) EM 2012 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO 1 - Dos principais aspectos do curso nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros

Leia mais

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 O Instituto de Ensino Superior João Alfredo de Andrade, por sua Comissão Organizadora do Processo Seletivo, instituída em caráter permanente pela Portaria

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (PS-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2010 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (PS-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2010 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA (PS-QC-CA, QC-FN e QC-IM) EM 2010 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos dos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. EDITAL DE SELEÇÃO PARA TRANSFERÊNCIA Ano letivo de 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. EDITAL DE SELEÇÃO PARA TRANSFERÊNCIA Ano letivo de 2015 EDITAL DE SELEÇÃO PARA TRANSFERÊNCIA Ano letivo de 2015 O Diretor da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo torna público, para conhecimento dos interessados, que estarão abertas, no período de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR COMPLETO EDITAL Nº 02/2011

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR COMPLETO EDITAL Nº 02/2011 PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR COMPLETO EDITAL Nº 02/2011 A Fundação de Educação Tecnológica e Cultural da Paraíba FUNETEC/PB, pessoa jurídica

Leia mais

EDITAL 012/2015 DE 18 DE AGOSTO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016.1 I DA DENOMINAÇÃO E RESPECTIVAS HABILITAÇÕES

EDITAL 012/2015 DE 18 DE AGOSTO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016.1 I DA DENOMINAÇÃO E RESPECTIVAS HABILITAÇÕES EDITAL 012/2015 DE 18 DE AGOSTO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016.1 A Faculdade Maria Milza FAMAM torna público o Edital do Processo Seletivo Vestibular 2016.1, para os cursos de Bacharelado em

Leia mais

EDITAL 13 de 15 de março de 2014

EDITAL 13 de 15 de março de 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL 13 de 15 de março de 2014 PROCESSO SELETIVO PARA REINGRESSO, TRANSFÊRENCIA INTERNA E EXTERNA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (PSAEN) EM 2009 Í N D I C E

PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (PSAEN) EM 2009 Í N D I C E PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO À ESCOLA NAVAL (PSAEN) EM 2009 Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 1 - Dos principais aspectos dos cursos da Escola Naval e da carreira militar 2 - Das vagas

Leia mais

EDITAL 09/2015 DE 16 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.2 VAGAS REMANESCENTES

EDITAL 09/2015 DE 16 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.2 VAGAS REMANESCENTES EDITAL 09/2015 DE 16 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.2 VAGAS REMANESCENTES A Faculdade Maria Milza FAMAM torna público o Edital do Processo Seletivo Vestibular 2015.2 Vagas remanescentes,

Leia mais

FACULDADE ARI DE SÁ EDITAL Nº 2, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015, PROCESSO SELETIVO 2016.1

FACULDADE ARI DE SÁ EDITAL Nº 2, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015, PROCESSO SELETIVO 2016.1 FACULDADE ARI DE SÁ EDITAL Nº 2, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015, PROCESSO SELETIVO 2016.1 Em conformidade com as Portarias do MEC nº 1.120 de 16/07/1999 e nº 391 de 07/02/2002 e da Portaria nº 1449 de 23/12/1999

Leia mais

EDITAL 014/2014 DE 05 DE NOVEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.1 - ENGENHARIA CIVIL E VAGAS REMANESCENTES

EDITAL 014/2014 DE 05 DE NOVEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.1 - ENGENHARIA CIVIL E VAGAS REMANESCENTES EDITAL 014/2014 DE 05 DE NOVEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.1 - ENGENHARIA CIVIL E VAGAS REMANESCENTES A Faculdade Maria Milza FAMAM torna público o Edital do Processo Seletivo Vestibular

Leia mais

Atenção: Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição.

Atenção: Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição. EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA CURSO DE ESPECIALIAZAÇÃO EM CANCEROLOGIA CLÍNICA HOSPITAL BENEFICÊNCIA PORTUGUESA E CENTRO DE ONCOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO PARA ANO DE 2014. Atenção: Recomenda-se a leitura

Leia mais

HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO ESTADO DO PARANÁ COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME EDITAL Nº. 02/2012

HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO ESTADO DO PARANÁ COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME EDITAL Nº. 02/2012 HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO ESTADO DO PARANÁ COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME EDITAL Nº. 02/2012 CONCURSO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 A Comissão de Residência Médica do

Leia mais

EDITAL N 0 02/ 2015 CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO ÀS 1 AS SÉRIES E MÓDULOS INICIAIS DO CTUR

EDITAL N 0 02/ 2015 CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO ÀS 1 AS SÉRIES E MÓDULOS INICIAIS DO CTUR 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO COLÉGIO TÉCNICO EDITAL N 0 02/ 2015 CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO ÀS 1 AS SÉRIES E MÓDULOS INICIAIS DO CTUR O Diretor

Leia mais

EDITAL 010/2014 DE 25 DE AGOSTO DE 2014 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.1 I DA DENOMINAÇÃO E RESPECTIVAS HABILITAÇÕES

EDITAL 010/2014 DE 25 DE AGOSTO DE 2014 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.1 I DA DENOMINAÇÃO E RESPECTIVAS HABILITAÇÕES EDITAL 010/2014 DE 25 DE AGOSTO DE 2014 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.1 A Faculdade Maria Milza FAMAM torna público o Edital do Processo Seletivo Vestibular 2015.1, para os cursos de Bacharelado em

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2016. Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC

PROCESSO SELETIVO 2016. Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC PROCESSO SELETIVO 2016 Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC O DayHORC, através de sua Comissão do Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia (CPTMO/DayHORC), no uso de suas atribuições,

Leia mais

Edital para Abertura de Concurso para Residência Médica em Anestesiologia e Radiologia no Hospital Evangélico de Londrina/2013

Edital para Abertura de Concurso para Residência Médica em Anestesiologia e Radiologia no Hospital Evangélico de Londrina/2013 Edital para Abertura de Concurso para Residência Médica em Anestesiologia e Radiologia no Hospital Evangélico de Londrina/2013 A Comissão de Residência Médica (COREME) do Hospital Evangélico de Londrina

Leia mais

Edital - Processo Seletivo 2015 Verão FACULDADE DE ENGENHARIA E INOVAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL EDITAL Nº 007 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014

Edital - Processo Seletivo 2015 Verão FACULDADE DE ENGENHARIA E INOVAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL EDITAL Nº 007 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR VERÃO 2015 1 Edital - Processo Seletivo 2015 Verão FACULDADE DE ENGENHARIA E INOVAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL EDITAL Nº 007 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO/VESTIBULAR

Leia mais

CISNE FACULDADE DE QUIXADÁ PROCESSO SELETIVO 2015.2 EDITAL Nº 03/2015

CISNE FACULDADE DE QUIXADÁ PROCESSO SELETIVO 2015.2 EDITAL Nº 03/2015 CISNE FACULDADE DE QUIXADÁ PROCESSO SELETIVO 2015.2 EDITAL Nº 03/2015 O Instituto Educacional e Tecnológico de Quixadá e a CISNE Faculdade de Quixadá, com base no seu Regimento Interno e nas disposições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio da Comissão Permanente do Vestibular

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO CURITIBA / PARANÁ PROCESSO SELETIVO 2014-2 EDITAL Nº. 001/2014 SG

FACULDADE DOM BOSCO CURITIBA / PARANÁ PROCESSO SELETIVO 2014-2 EDITAL Nº. 001/2014 SG FACULDADE DOM BOSCO CURITIBA / PARANÁ PROCESSO SELETIVO 2014-2 EDITAL Nº. 001/2014 SG O diretor da Faculdade Dom Bosco de Curitiba-PR, mantida por Dom Bosco Ensino Superior Ltda., considerando os termos

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA FLUVIAL DO TIETÊ-PARANÁ

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA FLUVIAL DO TIETÊ-PARANÁ MARINHA DO BRASIL CAPITANIA FLUVIAL DO TIETÊ-PARANÁ EDITAL DO PROCESSO SELETIVO AOS CURSOS DE ADAPTAÇÃO PARA AQUAVIÁRIOS CAAQ-II C (Convés) e CAAQ-II M (Máquinas) 1- Dos principais aspectos dos Cursos

Leia mais

Edital nº 13/2014 PROPP-UEMS de 30 de abril de 2014.

Edital nº 13/2014 PROPP-UEMS de 30 de abril de 2014. Edital nº 13/2014 PROPP-UEMS de 30 de abril de 2014. ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DE SISTEMAS PRODUTIVOS DA UEMS

Leia mais

EDITAL 05/2015 DE 16 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.2

EDITAL 05/2015 DE 16 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.2 EDITAL 05/2015 DE 16 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015.2 A Faculdade Maria Milza FAMAM torna público o Edital do Processo Seletivo Vestibular 2015.2, para os cursos de Bacharelado em Administração,

Leia mais

3. As inscrições ficarão abertas no período de 11/11/2013 a 20/01/2014, às16 horas, exclusivamente no site do IBCC: www.ibcc.org.br.

3. As inscrições ficarão abertas no período de 11/11/2013 a 20/01/2014, às16 horas, exclusivamente no site do IBCC: www.ibcc.org.br. São Paulo, 01 de novembro de 2013. Instituto Brasileiro de Controle do Câncer - IBCC Edital Imagem 2013 O Centro de Estudos Prof. Dr. Sampaio Góes Junior do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer torna

Leia mais

PREFEITURA DE CARUARU CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 002/2006 - PMC

PREFEITURA DE CARUARU CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 002/2006 - PMC PREFEITURA DE CARUARU CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 002/2006 - PMC A Prefeitura Municipal de Caruaru/PE divulga a realização do CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS para o provimento dos cargos de Professor

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PÓS-GRADUAÇÃO IUA nº. 004 de 06/11/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PÓS-GRADUAÇÃO IUA nº. 004 de 06/11/2015 O INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO IUA, em parceria com a UNIVERSIDADE ATLÂNTICA Oeiras-Lisboa/Portugal e a Faculdade Einstein, torna público, para conhecimento dos interessados, que realizará Processo

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO/2016 MEDICINA

EDITAL PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO/2016 MEDICINA EDITAL PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO/2016 MEDICINA De ordem do Magnífico Reitor do Centro Universitário Lusíada - UNILUS, Dr. Nelson Teixeira, torno público que as provas do Processo Seletivo Classificatório

Leia mais

Porto Alegre, 23 de setembro de 2015. FELIPE FERREIRA SILVA Diretor Geral da FBT Faculdade Brasileira de Tributação

Porto Alegre, 23 de setembro de 2015. FELIPE FERREIRA SILVA Diretor Geral da FBT Faculdade Brasileira de Tributação FACULDADE BRASILEIRA DE TRIBUTAÇÃO Edital de Processo Seletivo 2016 Curso de Graduação Tecnológica em Gestão Financeira, com ênfase na Gestão de Tributos 1 ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO A Faculdade Brasileira

Leia mais