NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais"

Transcrição

1 NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação, orientação e supervisão da política nacional em matéria de investimento privado, no quadro da Lei 20/11, de 20 de Maio. Findo o ano de 2013 impõe-se a necessidade de balancear o investimento privado tramitado em sede da Lei do investimento privado. O presente Relatório do Movimento do Investimento Privado em 2013 constitui um instrumento importante para avaliar o desempenho do investimento privado no país Organização do Relatório O Relatório aborda de forma dinâmica o comportamento do investimento privado em Angola. De forma geral, os indicadores foram sistematizados e apreciados comparando o ano de 2013 ao período homólogo anterior. O Relatório está estruturado da seguinte forma: (i) introdução (ii) propostas de investimento entradas (iii) propostas de investimento avaliadas; (iv) investimentos aprovados; (v) investimentos e criação de emprego; (vi)conclusões e recomendações. 3

2 ropostas de investimentos entradas A carteira de propostas de investimento que deram entrada na ANIP em 2013 compôs-se de um total de 215 projectos de investimento no valor de USD ,35 (sete bilhões, trezentos e cinquenta e um milhões, duzentos e vinte um mil, quinhentos e quarenta e cinco dólares dos EUA e trinta e cinco cêntimos), avaliadas pelo Departamento de Avaliação, das quais 06 propostas no regime especial no valor de USD ,00 (dois bilhões, quinhentos e oitenta e dois milhões e quinhentos mil dólares dos EUA), entre estas 03 no sector petrolífero no valor de USD ,00 (dois bilhões e quarenta e sete milhões de dólares dos EUA) para efeitos de registo. Comparado com o período homólogo anterior o ano 2013 registou a entrada de mais 83 projectos de investimento, o que representa um aumento de 63%. Em termos monetários as entradas de 2013 foram superior as verificadas em 2012 no montante de USD ,35 (quatro bilhões, novecentos e cinquenta e cinco milhões, trezentos e quarenta mil, setecentos e sessenta e cinco dólares dos EUA e trinta e cinco cêntimos) portanto um crescimento de 207%. 4

3 Propostas de investimentos avaliadas Em 2013 foram avaliadas um total de 215 propostas de investimento, das quais 186 de montante inferior a USD 10 milhões, cuja competência de aprovação pertence a ANIP, 23 de montante superior a USD 10 milhões cuja competência da aprovação pertence ao Titular do Poder Executivo e 06 do regime especial. As propostas de investimento avaliadas no período em análise totalizaram o montante de USD ,35 (sete bilhões, trezentos e cinquenta e um milhões, duzentos e vinte um mil, quinhentos e quarenta e cinco dólares dos EUA e trinta e cinco cêntimos). No período homólogo anterior foram avaliadas um total de 131 projectos de investimento no valor de USD ,00 (um bilhão, setecentos e onze milhões, quinhentos e quarenta e cinco mil, setecentos e quarenta dólares dos EUA), sendo 11 no regime especial no valor de USD ,00. Em relação ao período homologo anterior, em 2013 o número de propostas avaliadas cresceu 63% e o volume de investimento 330%. 5

4 Das propostas de investimento avaliadas em 2013 a luz da Lei n.º 20/11, de 20 de Maio, cerca de 186 propostas foram projectos de investimento com valor inferior a USD 10 milhões, representam 8% do volume de investimento avaliado, 13 projectos foram de valor entre USD 10 milhões e USD 50 milhões e representam 5% do volume de investimento avaliado, 10 projectos de valor acima de USD 50 milhões, que totalizaram o montante de USD ,00 (quatro bilhões, dois milhões, noventa e cinco mil, trezentos e sessenta e três dólares dos EUA), representam cerca de 54% do volume de investimento avaliado e 06 no regime especial no valor de USD ,00 (dois bilhões, quinhentos e oitenta e dois milhões e quinhentos mil dólares dos EUA), o que representa cerca de 33% do volume de investimento avaliado neste período. 6

5 Os grandes projectos (acima de USD 50 milhões), apesar de pouco numerosos, tiveram um peso significativo no volume global do investimento avaliado em Propostas de investimentos avaliadas por sector económico Das propostas avaliadas em 2013, destacam-se os sectores da indústria transformadora, prestação de serviço, construção civil, comércio, que juntos representaram cerca de 84% do número de propostas avaliadas. Em termos monetários, o destaque vai para o sector das telecomunicações, impulsionado pelo projecto UNITEL, cujo objectivo é a inovação das redes de fibra optica e LTE, avaliado em USD ,00 (um bilhão, novecentos e trinta e um, novecentos e trinta e um milhões, novecentos e noventa mil e quinhentos e trinta e quatro dólares dos EUA), seguindo-se o da indústria transformadora com o projecto Fabrica de Cimento do 7

6 Kwanza Sul, orçado em USD ,00 (novecento e sete milhões, novecentos e noventa e oito mil e trezentos e oitenta dólares dos EUA). Podemos ainda destacar o sector da agricultura, com a proposta de aumento de investimento do projecto BIOCOM, orçada em USD ,00 (quatrocentos e cinquenta e um milhões e setecentos e vinte um mil dólares dos EUA). Estas três propostas representam 45% do investimento avaliado em 2013 e são propostas de investimento de origem nacional. Volume de investimento avaliado por sector económico Ano 2012 Ano 2013 Sector de Actividade Volume de Invest (USD) Volume de Invest (USD) Variação % Construção Civil e obras públicas , ,92 180% Industria Transformadora , ,97 84% Prestação de serviço e act. Imobiliarias , ,00 86% Agricultura , , % Comércio , ,92 389% Saúde ,00 serviços de Telecomunicações ,34 Hotelaria e serviços de Restauração , ,00 38% Pescas ,00 Educação , ,00-11% Exploração petrolifera, actividades financeiras e seguros , ,00 416% Total , ,35 Há claramente um aumento do investimento avaliado em 2013, em 8

7 todos os sectores económicos, comparado com o periodo homologo anterior, exceptuando o sector da educação que sofreu uma redução de 11%. O investimento privado no sector produtivo aumentou, com destaque para o sector industrial. Em 2012 esta Agência avaliou um total de 41 projectos industriais no valor de USD ,00, em 2013 esse número passou para um total de 53 projectos no valor de USD ,97, em termos numéricos registou-se um incremento de 29%, e o de volume de investimento para o sector cresceu cerca de 84%. Houve também um aumento de propostas avaliadas no sector dos serviços com um total de 59 projectos avaliados em 2013 contra 21 em 2012, portanto um crescimento de 181%. A mesma tendencia verificou-se nos sectores do comércio, construção civil e hotelaria Origem das propostas de investimentos avaliadas As propostas avaliadas têm origens diversas, com destaque para o investimento nacional com um total de 59 propostas de investimento avaliadas em 2013, contra 32 propostas avaliadas no ano anterior, registando um crescimento de 78%, seguido de investimentos de origem portuguesa no total 28, contra os anteriores 32 verificados em 2012 e os investimentos chineses 24 no total avaliados em 2013, contra os anteriores 14 verificados em Temos assistido a um aumento do investimento de origem nacional, no geral investimentos qualificados e estruturantes. No período em análise, esta Agência avaliou propostas de investimento nacional no montante de USD ,24 (quatro bilhões, trezentos e quarenta milhões, novecentos e sessenta e seis mil e trezentos e cinquenta e sete dólares dos EUA e vinte e quatro cêntimos), o que representa 59% do investimento avaliado em Do investimento de origem externa, destacam-se investimentos de origem chinesa e portuguesa, sendo que os investimentos chineses avaliados totalizaram o montante de USD ,00 (setenta e um milhões e novecentos e vinte quatro mil dólares dos EUA) e os 9

8 portugueses USD ,00 (quarenta e quatro milhões, novecentos e quarenta e cinco mil dólares dos EUA), comparados com período homólogo anterior o investimento chinês em Angola aumentou 116%, ao passo que o investimento português sofreu uma redução de 35%. 10

9 NVESTIMENTOS APROVADOS ======================================= 3.1 Contexto Geral Em 2013 foram aprovados um total de 181 projectos de investimento no valor de USD ,74 (quatro bilhões, setecentos e três milhões, quinhentos e cinquenta e cinco mil, setecentos e noventa e três dólares dos EUA e setenta e quatro cêntimos) e 11 propostas acima de USD 10 Milhões no valor de USD ,38 (três bilhões, cento e noventa e um milhões, quatrocentos e sessenta mil, oitocentos e vinte e sete dólares dos EUA e trinta e oito cêntimos) avaliadas aguardam a aprovação dos incentivos fiscais e publicação pelo Titular do Poder Executivo. Dos projectos aprovados 156 foram aprovadas pela ANIP, 19 pelo Titular do poder executivo e 06 no regime especial. Comparando com o período homólogo anterior, em 2013 o número de projectos aprovados cresceu 71%, um aumento absoluto 75 projectos. O volume de investimento aprovado em 2013, em termos absolutos 11

10 aumentou em USD ,74 (dois bilhões, oitocentos e um milhões, quinhentos e sessenta e um mil, setecentos e noventa e três dólares dos EUA e setenta e quatro cêntimos) comparado com o período homólogo anterior, representa um crescimento de 147%. Foram aprovados um total de 156 projectos de valor inferior a USD 10 milhões, cuja competência da aprovação é desta Agência, estes representaram cerca de 86% dos projectos aprovados em 2013, 19 de valor superior a USD 10 milhões, cuja competência de aprovação é do Titular do Poder Executivo, que representaram cerca de 10% dos projectos aprovados no período em análise e 06 no regime especial, cerca de 3% do total de projectos aprovados. 12

11 Os projectos aprovados pela ANIP são no valor de USD ,97, o que representa 10% do investimento aprovado neste período, os aprovados pelo Titular do Poder Executivo estão avaliados em USD ,77 e representam 35% do investimento aprovado em 2013 e os do regime especial no valor de USD ,00, representam 55% do investimento aprovado no período em análise. 13

12 Distribuição Geográfica dos Investimentos Aprovados Origem dos Investimentos Aprovados De uma forma geral as diversas regiões do mundo apresentaram propostas de investimento privado em Angola no ano de 2013, com destaque para o continente Africano com um total de 63 propostas, seguida da Europa e Ásia com um total de 58 e 29 propostas aprovadas respectivamente. Relativamente ao período anterior, o número de propostas oriundas de Africa registaram um crescimento de 26, o que equivale a um incremento de 59,45%, as oriundas da Europa cresceram em mais 17, o que significou um aumento de 26,79%, tendo as demais regiões registadas as performances apresentadas no quadro n.º 3, abaixo indicado. REGIÃO DE ORIGEM AFRICA ASIA EUROPA RESTO DO MUNDO TOTAL Continuamos a destacar o investimento nacional, em 2013 foram aprovados um total de 43 projectos de investimento nacional no valor de USD ,86 (um bilhão, quinhentos e noventa e dois milhões, novecentos e setenta e sete mil, duzentos e setenta e três dólares dos EUA e oitenta e seis cêntimos), representa 60% do investimento aprovado neste período. Importa realçar que as propostas de investimento nacional aprovadas são na sua maioria destinadas ao sector produtivo, com incidência para a indústria transformadora. Destacam-se também os países baixos (Holanda), Portugal e China com investimentos aprovados no valor de USD ,00, USD 14

13 ,23 e USD ,15 respetivamente Destino Territorial dos Investimentos Aprovados A tendência manteve-se em 2013, com a zona litoral do país a concentrar a maior parte do investimento aprovado, com especial destaque para a província de Luanda, onde serão implantados 153 projectos dos 181 aprovados, portanto cerca de 85% dos projectos aprovados destinam-se a província de Luanda. Os restantes serão destinados as províncias de Benguela com 07, Bengo com 05, Huambo e K. Norte com 03 cada, Malange e Cabinda com 02 cada uma delas, e K.Kubango e Lunda norte com 01 projecto aprovado cada uma. Destino territorial do número dos investimentos aprovados Províncias Número Percentagem Bengo ,89% 3% Benguela ,96% 4% Bié ,00% 0,00% Cabinda ,92% 1,10% K.Kubango ,96% 0,55% K.Norte ,96% 1,66% 15

14 K.Sul ,89% 0,00% Cunene ,00% 0,00% Huambo ,89% 1,66% Huila ,92% 0,00% Luanda ,88% 86% L.Norte ,00% 0,55% L.Sul ,00% 0,00% Malanje ,96% 1,10% Moxico ,00% 0,00% Namibe ,00% 0,00% Uíge ,96% 0,00% Zaíre ,92% 0,00% Multilocalização ,89% 1,66% Total % 100% As províncias que receberam maior volume de investimentos foram as províncias de Luanda com um total de USD ,14, Bengo USD ,10, Benguela USD ,60, K. Norte USD ,00 e Malange com um total de USD ,00. Sem o efeito dos projectos do regime especial, o volume de investimento destinado para a Província de Luanda representa 70% do investimento privado aprovado em

15 Destino dos Projectos Aprovados Por Zonas de Desenvolvimento A partir do gráfico que se segue, verifica-se que no período em análise, os investimentos aprovados direccionaram-se privilegiadamente para a Zona de Desenvolvimento A, apesar de assistir-se um maior direccionamento de propostas aprovadas, para a Zona B relativamente ao período homologo anterior. A zona C continua a não receber atenção dos investidores quer nacionais como externos. Em termos de volume de investimento, em 2013 a Zona de Desenvolvimento A manteve a mesma dinâmica de liderança, com investimentos valorados em USD ,74 (dois bilhões, quatrocentos e dezanove milhões, novecentos e vinte e dois mil, novecentos e quarenta e dois dólares dos EUA e setenta e quatro cêntimos) cerca de 51% do total aprovado neste período. 17

16 Relativamente ao período homólogo anterior, o investimento aprovado destinado as zonas de desenvolvimento A e B aumentou, não se tendo verificado o mesmo para a zona de desenvolvimento C relativamente a zona C, que em 2013 sofreu uma diminuição do volume do investimento aprovado. Importa realçar que 03 projectos do regime especial no valor de USD ,00 (dois bilhões e quarenta e sete milhões de dólares dos EUA) abrangem simultaneamente duas zonas de desenvolvimento, isto é estão repartidos entre as províncias de Luanda, Zaíre e Cabinda, portanto abrangem as zonas de desenvolvimento A e C. Propostas aprovadas por Zonas de Desenvolvimento (em USD 1.000,00) Zona/Ano (%) 2013 (%) A , ,942 48,51% 91% B , ,303 7,84% 7% C , ,548 43,65% 2% Total , % 100% 18

17 Projectos Aprovados por Sector Económico Quanto aos sectores de actividade económica, verifica-se que, ao longo do período em análise, foram os sectores não prioritários que observaram maiores números de projectos aprovados, com destaque para prestação de serviços e comércio. A nível dos sectores prioritários o destaque vai para Indústria transformadora com um total de 46 propostas aprovadas o que representa 25% do total dos projectos aprovados e o sector da construção civil com um total de 34 projectos aprovados cerca de 19% dos projectos aprovados no período em análise. Assim sendo, em 2012 dos 38 projectos aprovados nos sectores considerados prioritários, o maior destaque vai para o sector da indústria transformadora com 32 projectos representando cerca de (84,21%), sendo os restantes 15,79% distribuídos nos sectores da Agricultura, Alojamento e Restauração e Educação, com 3, 2 e 1 propostas respectivamente. O mesmo cenário verificou-se em 2013, a Indústria Transformadora continuou a liderar a aprovação de projectos nos sectores considerados prioritários com 46 propostas, representando 52%, num 19

18 total de 88 projectos aprovados, seguindo-se da construção civil com 34 projectos aprovados cerca de 39%, a Agricultura, Alojamento e Restauração, Saúde, Pesca e educação com 3, 2, 2 e 1 projectos, respectivamente. Para os sectores considerados não prioritários foram aprovados em 2013 um total de 87 projectos de investimento. O destaque continua a recair para as actividades imobiliárias e prestação de serviços e o comércio com 51 e 28 projectos aprovados respectivamente. Importa destacar que no regime especial foram registadas 06 propostas de investimento. Resumindo, podemos constatar que houve um aumento de termos relativos de projectos aprovados em sectores prioritários no período em análise, passando de 36,54% no período homólogo anterior para 49% em Em termos absolutos, registou-se um aumento de 50 projectos, saindo dos 38 aprovados em 2012 para 88 em Sem o efeito do regime especial, os sectores com maior volume de investimento aprovado em 2013 são os da hotelaria e indústria transformadora, com destaque também para a construção civil, comércio e prestação de serviços. 20

19 NVESTIMENTO E CRIAÇÃO DE EMPREGO ======================================= 4.1. Força de trabalho por sector de actividade Os projectos aprovados no período em análise preveem criar cerca de postos de trabalhos directos, dos quais destinam-se a trabalhadores nacionais e destinam-se a força de trabalho expatriada, sendo que estes serão substituídos paulatinamente por trabalhadores nacionais. Comparando com o período homólogo anterior, prevê-se para o ano de 2013 a criação de mais postos de trabalho directos, o que significa um crescimento de cerca de 26%. O aumento de postos de trabalho destinados a trabalhadores nacionais é de cerca de 30%, ao passo que para a força de trabalho expatriada a previsão é que para o ano de 2013 esta decresça em cerca de 2% comparado com o período homólogo anterior. O destaque para a criação de emprego vão para os sectores da indústria, construção civil, agricultura, actividades imobiliárias, prestação de serviço, e comércio que juntos preveem criar cerca de postos de trabalhos directos, cerca de 88% dos postos trabalhos previstos para o ano 2013 do total do investimento aprovado. 21

20 Distribuição da Força de Trabalho por Sector de Actividade SECTORES TOTAL % TOTAL % Agricultura 240 1, Pescas 0 0, ,014 Ind. Trans , Construção Civil , Comércio 581 4, Alojtº e Restauração 187 1, Transp. e Telec , Imob. e Prest.serviço , Educação 35 0, ,07 Saude e Acção Social 00 0, ,46 Distribuição, Electr. e Gás 261 1, ,67 Outras activ. e serviços 81 0, ,14 TOTAL , ,00 Constatamos que em 2012 o peso da mão-de-obra expatriado no total de postos de trabalho criado foi de 11,89%, em 2013 estima-se que este peso diminui para 10%. O país ainda necessita do concurso de trabalhadores estrangeiros, principalmente nos projectos de elevada complexidade técnica como os aprovados para o sector petrolífero, indústria transformadora, em serviços tecnológicos e não só. Postos de Trabalho por Nacionalidade - Ano 2012 Expatriados 13% Nacionais 87% 22

21

22 ONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES No geral, foram os sectores de elevado efeito estruturante, onde se destacam os sectores da indústria transformadora e construção civil que mais receberam propostas de investimento, superando os sectores do comércio e prestação de serviços, apesar destes conhecerem também crescimento fruto das oportunidades que a economia nacional oferece. Continuamos a assistir um fraco investimento na agricultura, apesar de que em 2013 em termos monetários termos registado investimentos avultados neste sector, mas por força de um único projecto, o mesmo acontece com os sectores sociais como a educação e saúde. O nosso país continua a atrair investimento externo, mas o investimento nacional tem aumentado não só em volume mas também o número de propostas, sinalizando assim uma confiança cada vez maior dos investidores nacionais na economia nacional. Por outro lado sinaliza também a necessidade de um esforço maior de captação do investimento externo, não só em quantidade, mas sobretudo em qualidade. Os últimos dois anos permitiram-nos constatar uma tendência do aumento do investimento privado no sector produtivo com destaque para a indústria transformadora, o que indicia a revitalização deste sector. A consolidação pelo executivo de politicas de investimento direccionadas as infraestruturas produtivas e não só, contribuirão para o aumento do investimento no sector produtivo, uma vez que proporcionará capacidade competitiva aos produtores nacionais, através da redução de custos de contexto como energia, água, transportes fundamentais para estimular a localização de projectos de investimento no interior do país. Quanto a atracção do investimento de origem externa, destacamos o aumento do investimento de origem chinesa e a diminuição do investimento proveniente da Europa com particular realce para 24

23 Portugal. 25

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

Síntese do Relatório Anual de Actividades

Síntese do Relatório Anual de Actividades Síntese do Relatório Anual de Actividades Luanda, 23 de Janeiro de 2014 Índice 1. Ambiente de Negócios 03 2. Avaliação de Projectos..19 3. Acompanhamento de Projectos....39 Mapa de empresas visitadas Mapa

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Operações de investimento estrangeiro (%) Outros investimentos 2 Processo de investimento externo Reinvestimento externo ETAPAS DE INVESTIMENTO 3 INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

1. Ambiente de Negócios 03. 2. Avaliação de Projectos...09. 3. Acompanhamento de Projectos...45

1. Ambiente de Negócios 03. 2. Avaliação de Projectos...09. 3. Acompanhamento de Projectos...45 Índice 1. Ambiente de Negócios 03 2. Avaliação de Projectos...09 3. Acompanhamento de Projectos....45 4. Mapa das Declarações para Concessão de Vistos Privilegiados 71 5. Mapa das Multas 72 6. Promoção

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Aprovação da nova Lei do Investimento Privado em Angola Lei nº 14/15, de 11 de Agosto Investimento Privado Para efeitos da presente Lei, considera-se

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta São Paulo, 15 de junho de 2011. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Assembléia Geral Extraordinária a realizar-se em 30/06/2011

Leia mais

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte:

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte: LEI N.º /03 de de A existência de uma Lei Geral Tributária é hoje corrente em muitos Estados, representando um instrumento de racionalização, de estruturação e de estabilidade dos sistemas tributários.

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público Depois de inflação de 3 dígitos em 2002 Consolidação Macroeconómica

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por:

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: Manuel Alfredo Resende de Oliveira (Engenheiro Civil Instituto Superior Técnico) Valério

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

ESTADO MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VARZEA GRANDE NOTIFICAÇÃO DE RECEBIMENTO DE RECURSOS FEDERAIS

ESTADO MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VARZEA GRANDE NOTIFICAÇÃO DE RECEBIMENTO DE RECURSOS FEDERAIS 03.507.548/0001-10 Arrecadação: 661/13 03/01/2013 SUS-MAC-MEDIA ALTA COMPLEX. AMB. HOSP-624.004-1 Fonte de recursos: 0202 - Recurso de Convênio e Programa Saúde Total geral : Fica liquidada a importância

Leia mais

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária REUNIÃO DOS DIRECTORES DE PRODUÇÃO ANIMAL, RECURSOS ANIMAIS EM AFRICA de 14 15 de Abril de 2013 - ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado LEI No.17/03 de 25 de JULHO Artigo 1.º Âmbito da aplicação A presente lei regula os procedimentos, os tipos e modalidades de concessão

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 1 ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 LEI Nº 9.979/13 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício Financeiro de 2013. PROJETO DE LEI Nº 307/13

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS MINUTA DA ATA NR.8/2014 MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA REALIZADA NO DIA DEZASSETE DE ABRIL DO ANO DE DOIS MIL E QUINZE ---------------------------------------------------------------------- ---------

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.913, DE 18 DEZEMBRO DE 2013 (publicada no DOU de 19/12/13, Seção 1, página 19) Abre ao Orçamento Fiscal da União, em favor

Leia mais

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 Data Tema Acontecimento 21/02 Economia 01/03 Preços 01/03 Economia 01/03 Emprego 02/03 Indústria 03/03 Economia INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060221-2/d060221-2.pdf

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO A Assessoria de Controle Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre ASCOI, em cumprimento às determinações legais, apresenta o Relatório de Análise da Gestão Orçamentária,

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO 1 Caracterizacao do Sector Industrial; Os Grandes Objectivos do Sector Industrial e as Accoes em curso; As Infra-estruturas de Apoio as Actividades Produtivas; As Oportunidades de Negocios no Sector Industrial

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Extrato de Dispensa de Licitação nº 094/2015. Contratante: Município de Laje. Objeto: junho de 1993. Valor global R$ 14.130,48 (quatorze mil cento e trinta reais e quarenta e oito centavos). Contratado:

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO CAPITAL: LISBOA CAPITAL: LUANDA AIA Março 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Caracterização do Mercado Angolano 1,2 milhões de Km2 Fronteiras com RDC, Zâmbia

Leia mais

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MOGADOURO 28-10-2013 MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

Como Investir em Angola

Como Investir em Angola Como Investir em Angola 1 2 ANIP -Agência AgênciaNacional Nacionalpara parao InvestimentoPrivado A ANIP é a entidade governamental responsável pela execução da política nacional relativa ao investimento

Leia mais

Desafios da Regulação Regional

Desafios da Regulação Regional Desafios da Regulação Regional A perspectiva da Movicel no contexto da implementação da nova rede G/ U Carlos Brito Data: 14 de Abril de 2011 Agenda 01. A Movicel no contexto das Telecomunicações Móveis

Leia mais

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email: A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.759 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 3.759 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 3.759 Estabelece as condições para a concessão de financiamentos passíveis de subvenção econômica pela União, destinados à aquisição e produção de bens de capital e à inovação tecnológica.

Leia mais

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Por ENE-E.P. ENE-E.P. Empresa Nacional de Electricidade (ENE-E.P).

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

CTT Correios de Portugal, S.A. Âmbito e limite do Relatório Tem sido objectivo da empresa fazer uma cobertura de reporte progressivamente alargada das empresas do Grupo. Estas são bastante diversas entre

Leia mais

MODELO E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

MODELO E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO : 31.157.589/0001-60 5.200.000,00 (Cinco milhões e duzentos mil reais) Nº / ANO: 001/2014 Data: 03/01/2014 7º I b - FI 100% Títulos TN Aplicação na conta previdenciária nº 89-4 de recursos provenientes

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Workshop Mercado de Angola

Workshop Mercado de Angola Papel das Instituições Financeiras Multilaterais e dos Instrumentos Financeiros de Cooperação Bilateral Competências do Coordenação da actividade do MFAP no âmbito das relações internacionais Gestão da

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação Constituição Federal do Brasil art. 179; Decreto 3.000/99 arts. 185 a 206 (RIR/99); IN SRF

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------- Contrato Nº..: 63/2013 Contratada...: INSTITUTO SINERGIA E EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO Valor...: 41.810,00 (quarenta e um mil oitocentos e dez reais) Vigência...: Início: 08/04/2013 Término: 31/12/2013 Licitação...:

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 JORNADAS TÉCNICAS SUBSAHARIANAS DE ÁGUA E SANEAMENTO PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009 Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 1-CONSTRUÇÃO

Leia mais

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA ACTUALIZAÇÃO DA PREVISÃO SAZONAL PARA A ÉPOCA 2013/2014 REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO-FEVEREIRO-MARÇO DE 2014 JANEIRO, 2014 LUANDA-ANGOLA 1 1. INTRODUÇÃO Os peritos da área do clima dos países da Comunidade

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS TRIMESTRE: ABRIL - JUNHO DE 2008

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS TRIMESTRE: ABRIL - JUNHO DE 2008 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTA MARIA IPASSP SM DIRETORIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 01. A REDE NACIONAL DE PLATAFORMAS LOGISTICAS 01. INTRODUÇÃO 02. PRIORIDADES NA CONSTRUÇÃO DE NOVAS 02.

Leia mais

MERSADEV. www.mersadev.co.ao MERSAGROUP

MERSADEV. www.mersadev.co.ao MERSAGROUP MERSADEV www.mersadev.co.ao MERSAGROUP O QUE NOS DIFERENCIA MÉTODO FLEXÍVEL RESULTADOS FORMAÇÃO 80% PRÁTICA GESTÃO DE PROJECTO QUALITY CONTROL DISPONIBILIDADE QUALQUER HORÁRIO NA SUA EMPRESA 90% DE SATISFAÇÃO

Leia mais

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique "Tendências do Investimento Privado em Moçambique: questões para reflexão" Nelsa Massingue da Costa Maputo, Setembro 2013 TENDÊNCIAS

Leia mais

Company Profile 2013. 18 anos a movimentar o futuro de Angola

Company Profile 2013. 18 anos a movimentar o futuro de Angola 2013 18 anos a movimentar o futuro de Angola 1 - Apresentação A Cimertex Angola, Sociedade de Máquinas e Equipamentos Lda., é uma empresa de direito Angolano, constituída em 1995 ao abrigo da então Lei

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. FIBRIA CELULOSE S.A. (nova denominação social de Votorantim Celulose

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Se tivermos em atenção os factos, comprovados pelos registos e estatísticas mais ou menos oficiais, de cariz económico,

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO 1. Evolução dos fundos de pensões 2. Composição das carteiras 2 SUMÁRIO Nos primeiros nove meses de 2015, ocorreu a extinção de três

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.141, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012. Documento normativo revogado pela Resolução nº 4.170, de 20/12/2012.

RESOLUÇÃO Nº 4.141, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012. Documento normativo revogado pela Resolução nº 4.170, de 20/12/2012. RESOLUÇÃO Nº 4.141, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 Documento normativo revogado pela Resolução nº 4.170, de 20/12/2012. Estabelece as condições para contratação dos financiamentos passíveis de subvenção econômica

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS NOVOS PARA O EXERCÍCIO DE 2008 Cirilo Rupp, Prefeito em exercício do Município de Campos Novos, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO c TRIBUNAL DE JUSTIÇA Auditoria Administrativa de Controle Interno

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO c TRIBUNAL DE JUSTIÇA Auditoria Administrativa de Controle Interno Relatório de Auditoria Prestação de Contas Anual - FERMOJU 2012 página 1 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO c TRIBUNAL DE JUSTIÇA Objeto: Prestação de Contas Anual Origem: Fundo Especial de Reaparelhamento

Leia mais

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n.

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 6 de maio de 2014 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 263/2014 Mandata o Dr. Paulo Jorge Figueiroa de França Gomes para, em

Leia mais

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola Apresentação Institucional FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola 1 Índice 1. Grupo Importrading 2. Fermat Company Profile 3. Produtos comercializados 4. Nova

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO

CONTRATO DE FORNECIMENTO 1 CÂMARA MUNICIPAL CONTRATO DE FORNECIMENTO Proc. n.º 8/2015 DPO/SP AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO PARA MODERNIZAÇÃO DE DATA CENTER Entre: Primeiro: José Artur Tavares Neves, casado, residente na rua cidade

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABAIANA FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE ITABAIANA CONTRATO N 071/2014

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABAIANA FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE ITABAIANA CONTRATO N 071/2014 CONTRATO N 071/2014 CONTRATADA: EMPRESA: WD COMERCIAL E EQUIPAMENTOS MÉDICOS LTDA EPP (CNPJ: 10.492.910/0001-92). VALOR: R$ 116.794,50 (cento e dezesseis mil seiscentos setecentos e noventa e quatro reais

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais