INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA"

Transcrição

1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

2 TÍTULO I POLÍTICAS DE ACESSO E EXCLUSIVIDADE DE USO. Artigo 1º - O Laboratório está disponível aos alunos, professores e funcionários, nos horários determinados acima. As aulas deverão ser previamente agendadas e todos os recursos pertinentes aos cursos, deverão estar disponíveis nos computadores. CAPÍTULO I DO CONTROLE DE UTILIZAÇÃO Artigo 2º - O controle de utilização dos Recursos Computacionais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA será feito por identificação do Usuário através de assinatura do livro ponto do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. 1º - É expressamente proibida a entrada no LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA sem a apresentação da Carterinha de Identificação. 2º - É expressamente proibida a entrada no LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA para outros fins que não seja a de utilização dos computadores. 3º - A utilização do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA para aulas práticas de Informática somente serão permitidas com agendamento prévio. Esse agendamento é realizado no início de cada semestre pela secretaria acadêmica e/ou coordenador de curso mediante atribuição de aula de informática para o semestre. No ato do agendamento o professor deverá informar dia da semana, hora, curso e turma, bem como quais softwares e equipamentos audiovisuais serão utilizados. Durante a aula o professor e os alunos ficarão responsáveis pelos equipamentos utilizados e, ao término da mesma, o professor deverá solicitar ao Técnico que verifique a integralidade dos equipamentos. A utilização do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA para aulas de qualquer disciplina e/ou trabalhos em grupo poderão ser agendadas antecipadamente pelo professor nos horários estabelecidos acima. A utilização do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA para atividades de pesquisa desenvolvida pelo aluno poderão ser agendadas antecipadamente pelos próprios alunos nos horários estabelecidos acima. 4º - A utilização dos equipamentos audiovisuais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, somente poderão ser feitas com agendamento prévio e nas salas

3 audiovisuais ou nas salas de computadores do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. Não será permitido o deslocamento desses equipamentos, exceto quando da utilização em eventos tais como simpósios, semanas de estudo ou palestras realizadas nos anfiteatros da faculdade; 5º - O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ficará disponível aos Usuários nos dias letivos do ano, de Segunda a Sexta-Feira no período das 12:00 h às 18:00h e das 19:00 h às 22:00 horas. Nos meses de Janeiro e Julho o LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA poderá ficar fechado para manutenção. Horários especiais de utilização deverão ser previamente solicitados a Coordenação dos Cursos. CAPÍTULO II DA RESPONSABILIDADE DO MONITOR Artigo 3º - Constituem responsabilidades do MONITOR: 1º Controlar a entrada nos Laboratórios de Informática, solicitando identificação dos Usuários, registrando data e hora de entrada e saída; auxiliar na utilização dos equipamentos e softwares e fiscalizar sua utilização; 2º Fazer uma verificação de cada equipamento do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA sobre sua responsabilidade, sempre no início e final de seu turno, e toda vez que algum usuário constatar problema em algum equipamento comunicar ao Técnico do Laboratório qualquer problema constatado durante seu período de Monitoria, através do relatório em formulário próprio; 3º Auxiliar professores em aulas práticas sempre que necessário; 4º - Auxiliar e orientar alunos na utilização de aplicativos e linguagens para execução de trabalhos. Entretanto, o Monitor fica expressamente proibido de elaborar, executar ou digitar trabalhos de alunos; 5º - Cuidar do cumprimento das normas de utilização os equipamentos do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, advertindo os Usuários quando os mesmos estiverem infringindo alguma norma e relatando o ocorrido para que sejam tomadas as devidas providências; CAPÍTULO III DA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Artigo 4º - Constituem responsabilidades dos Usuários quando da utilização da INTERNET:

4 1º - É expressamente proibido ao Usuário o uso de qualquer equipamento do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA conectados a INTERNET para acesso a sites de bate-papo, redes sociais, sites com figuras pornográficas ou de qualquer outro tipo que possa gerar congestionamento da Rede ou constrangimento aos demais Usuários no recinto. A FAISA, com o intuito de garantir uma boa qualidade da utilização da INTERNET, se reserva o direito de bloquear sites desta natureza. CAPÍTULO IV DAS PROIBIÇÕES EM GERAL Artigo 5º - Constituem responsabilidade dos Usuários: I - Os Usuários não devem deixar arquivos pessoais nos computadores do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. Nos casos de Usuários autorizados a terem áreas particulares nos computadores (servidores) da Faculdade, será garantido o maior grau possível de confidencialidade no tratamento dos dados dos Usuários, de acordo com as tecnologias disponíveis. Entretanto, o LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA e seus administradores de redes poderão acessar arquivos de dados pessoais mantidos nos seus computadores sempre que isso for necessário para backups ou diagnósticos de problemas nos sistemas, inclusive nos casos de suspeita de violação de regras; II - Os Usuários não podem alterar configurações dos computadores e softwares do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ou de terceiros. É expressamente proibido ao Usuário tentar, permitir ou causar qualquer alteração ou destruição de ambientes operacionais, dados ou equipamentos de processamento ou comunicações instalados no LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ou de qualquer outra pessoa ou instituição fora dela. Essas alterações incluem, mas não se limitam, mudar de lugar, trocar ou destruir qualquer equipamento ou periférico; alterar a configuração de sistemas operacionais ou aplicativos instalados nos computadores do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA; obter senhas de outros Usuários; ou ainda, a partir de um computador e de algum recurso de comunicação do LABORATÓRIODE INFORMÁTICA danificar, sabotar ou obter informações de computadores de outras pessoas ou outras instituições; III - É proibido fumar no recinto do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, bem como em outros locais fechados que contenha algum Recurso Computacional;

5 IV - É proibido consumir qualquer tipo de alimento e bebida no recinto do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA; V - A utilização dos Recursos Computacionais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA para benefício financeiro direto, próprio ou de terceiros fora da FACULDADE, deverá ser feito somente com autorização da Direção permitida a comunicação normal e a troca de dados eletrônicos de interesse para o ensino, a pesquisa e a administração. VI Os Usuários devem respeitar os direitos de propriedade intelectual, em particular a lei de direitos autorais de softwares, sendo proibida a instalação e manipulação de qualquer tipo de software não autorizado ( pirata ); VII O uso de qualquer Recurso Computacional do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA está sujeito às leis Federais, Estaduais, Municipais, as regulamentações da Faculdade e as normas para uso da Internet recomendadas pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil. VIII Durante sua permanência no LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, o Usuário ficara responsável pelo equipamento e periféricos que estiver usando. IX Os Usuários não podem fazer passar por outra pessoa ou camuflar sua identidade quando utilizarem os Recursos Computacionais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, com exceção dos casos em que o acesso anônimo e explicitamente permitido; X Os Usuários são responsáveis pela segurança de suas contas e de suas senhas. Os Usuários são responsáveis por qualquer atividade desenvolvida através de suas contas nos sistemas do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA e pelos eventuais custos dela decorrentes. Os Usuários devem relatar imediatamente ao Monitor ou Técnico qualquer suspeita de tentativa de violação de segurança. CAPÍTULO V DAS PUNIÇÕES

6 Artigo 6º - Visando garantir a adequada utilização dos Recursos Computacionais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, serão aplicadas penalidades aos que violarem a legislação em vigor e as normas dispostas neste REGULAMENTO. 1º - As penalidades a serem aplicadas por infração às normas indicadas no caput, vão desde a redução ou eliminação, temporárias ou permanentes, de acesso aos recursos Computacionais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, ressarcimento de danos materiais podendo, dependendo da gravidade da violação, culminar com a expulsão do Usuário da Faculdade, observados os direitos contratuais do aluno e da legislação em vigor; 2º - Sempre que julgar necessário para a preservação da integridade dos Recursos Computacionais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, a coordenação do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ou a administração da faculdade poderá suspender temporariamente qualquer conta, seja ou não, o responsável pela conta suspeito de alguma violação. Ilha Solteira, 15 de junho de Karla Handressa Castro de Oliveira Diretora Geral Sérgio Takeshi Sato Departamento de Informática

m 2 por estação 40 Processador Core I7-2600; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas ,75 6,48 6,48

m 2 por estação 40 Processador Core I7-2600; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas ,75 6,48 6,48 LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Como apoio às suas atividades didáticas, o curso de Engenharia da Computação, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Tecnologia em Jogos Digitais contam com uma

Leia mais

LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Infraestrutura Campus Sede Laboratório de Aula LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA 24 computadores Processador Intel Celeron E3200 2.4GHz, 1GB RAM, Hd 60 GB Windows XP Laboratório de Pesquisa 12 computadores Processador

Leia mais

Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia

Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Janeiro de 2016 EXPEDIENTE Presidente Antônio de Almeida Lago Filho Diretor de Ensino Médico Iure

Leia mais

Regulamento. Laboratórios de Informática

Regulamento. Laboratórios de Informática Regulamento Laboratórios de Informática REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este regulamento trata da organização, estrutura administrativa, operacional e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

NORMAS E POLÍTICAS DE USO DOS NOTEBOOKS DA BIBCSH

NORMAS E POLÍTICAS DE USO DOS NOTEBOOKS DA BIBCSH NORMAS E POLÍTICAS DE USO DOS NOTEBOOKS DA BIBCSH Sumário 1 QUESTÕES GERAIS... 1 1.1 Dos equipamentos... 1 1.2 Do empréstimo... 2 1.3 Do horário e tempo de uso... 2 1.4 Dos usuários habilitados ao uso...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 1º O presente documento contém a Regulamentação que regem e orientam as condições de utilização dos Laboratórios de Informática. Art. 2º Ficam sujeitos a

Leia mais

REGULAMENTO E POLÍTICAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO E POLÍTICAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO REGULAMENTO E POLÍTICAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ÍNDICE CAPÍTULO I... 1 DAS NORMAS, PROCEDIMENTOS E OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 2 DO FUNCIONAMENTO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 6, DE 31 DE MARÇO DE 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 6, DE 31 DE MARÇO DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 6, DE 31 DE MARÇO DE 2014 Estabelece os procedimentos necessários a criação e funcionamento do Laboratório de Ensino

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS DE COMPUTAÇÃO I E II (LDC)

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS DE COMPUTAÇÃO I E II (LDC) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS DE COMPUTAÇÃO I E II (LDC) Considera-se Laboratório Didático de Computação, o laboratório composto por microcomputadores agrupados num único

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE Regulamento de Utilização dos Laboratórios do Ifes campus Cachoeiro

ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE Regulamento de Utilização dos Laboratórios do Ifes campus Cachoeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo CAMPUS CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE 2015 Regulamento de Utilização dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RESOLUÇÃO Nº 01/2017-SPA, DE 23 DE MARÇO DE 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RESOLUÇÃO Nº 01/2017-SPA, DE 23 DE MARÇO DE 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RESOLUÇÃO Nº 01/2017-SPA, DE 23 DE MARÇO DE 2017 Estabelece a Política de uso dos Laboratórios de Informática da UFPR - Setor Palotina O CONSELHO SETORIAL DO SETOR PALOTINA

Leia mais

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE INHUMAS

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE INHUMAS FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE INHUMAS INHUMAS, GOIÁS SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 03 CAPÍTULO II DOS DEVERES 04 CAPÍTULO III

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS 2016.1/01 QUANTO A MISSÃO DO LADAMS Art.01º A missão do LADAMS é oferecer aos alunos infraestrutura de suporte à execução

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 2015 I. DOS OBJETIVOS DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas da área das

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA LI RSGQ-24.01

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA LI RSGQ-24.01 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA LI RSGQ-24.01 1. Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RESPONSABILIDADE E COMPORTAMENTO... 3 2.1 RESPONSABILIDADE... 3 2.2 COMPORTAMENTO... 3 3. HORÁRIOS... 4 4. UTILIZAÇÃO...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 14 DE OUTUBRO DE 2016.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 14 DE OUTUBRO DE 2016. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 14 DE OUTUBRO DE 2016. Dispõe sobre regulamentação de normas para utilização do laboratório 01 e laboratório 02 do IFMG campus Governador Valadares. O PRESIDENTE

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA 1. Laboratórios de Informática ETF - Palmas Os

Leia mais

CAPÍTULO I DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS

CAPÍTULO I DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE TOPOGRAFIA E GEODÉSIA CAPÍTULO I DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento normatiza o uso e funcionamento do Laboratório de Topografia e Geodésia

Leia mais

DA IMPLANTAÇÃO E DO FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

DA IMPLANTAÇÃO E DO FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA INSTRUÇÃO NORMATIVA SME Nº 007/2013. ESTABELECE NORMAS E DIRETRIZES PARA O FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA NAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA E REVOGA

Leia mais

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER Faculdades Integradas Interamericanas FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DESIGN São Paulo / 2014 2 REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE MEIOS DE EXPRESSÃO - LAMEX

REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE MEIOS DE EXPRESSÃO - LAMEX REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE MEIOS DE EXPRESSÃO - LAMEX REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE MEIOS DE EXPRESSÃO LAMEX CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Meios de Expressão

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP Tupã, SP 2016 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Define as normas internas de utilização do Laboratório de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ DIVISÃO TÉCNICA/SEÇÃO DE INFORMÁTICA NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA/LABIG BELÉM 08/10/2008 NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática

Regulamento dos Laboratórios de Informática MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO Regulamento dos Laboratórios de Informática PATOS DE MINAS,

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 2015 I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas de

Leia mais

REGULAMENTO DO FAB LAB RSGQ-15.01

REGULAMENTO DO FAB LAB RSGQ-15.01 REGULAMENTO DO FAB LAB RSGQ-15.01 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INFRAESTRUTURA... 3 3. RESPONSABILIDADE E COMPORTAMENTO... 4 3.1 DEVERES E RESPONSABILIDADES DO TÉCNICO DO FAB LAB E ESTAGIÁRIOS... 4 3.2

Leia mais

DIREÇÃO GERAL COORDENAÇÃO DE APOIO ACADÊMICO REGULAMENTO NORMAS DE UTILIZAÇÃO

DIREÇÃO GERAL COORDENAÇÃO DE APOIO ACADÊMICO REGULAMENTO NORMAS DE UTILIZAÇÃO DIREÇÃO GERAL COORDENAÇÃO DE APOIO ACADÊMICO REGULAMENTO NORMAS DE UTILIZAÇÃO MAIO 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE

Leia mais

NORMATIVA Nº 001/2013 BIBLIOTECA IFTO - CAMPUS PARAÍSO DO TOCANTINS

NORMATIVA Nº 001/2013 BIBLIOTECA IFTO - CAMPUS PARAÍSO DO TOCANTINS NORMATIVA Nº 001/2013 BIBLIOTECA IFTO - Estabelece normas e orienta os serviços de empréstimo de equipamentos eletrônicos na Biblioteca do IFTO Campus Paraíso do Tocantins e dá outras providências. A Biblioteca

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Política de uso Serviço de conferência web

Política de uso Serviço de conferência web Política de uso Serviço de conferência web Diretoria Adjunta de Gestão de serviços Conteúdo Apresentação 3 Definições 3 Público alvo 4 Oferta do serviço 4 Comunidades 4 Contas de usuários 5 Gravações 5

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 09/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 09/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 09/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Física, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de Centro de Educação Superior

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial - LPMI TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos

Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial - LPMI TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO UNIDADE ACADÊMICA ESPECIAL DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIA Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial -

Leia mais

Regulamento Laboratórios de Informática

Regulamento Laboratórios de Informática Regulamento Laboratórios de Informática Governador Valadares 2015 Este Regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo às

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO BIBLIOTECA FAPPES

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO BIBLIOTECA FAPPES FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO BIBLIOTECA FAPPES Fixa as normas que regulamentam o funcionamento da Biblioteca da FAPPES Faculdade Paulista de Pesquisa e Ensino Superior.

Leia mais

Política de uso: Serviço de Videoconferência. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços

Política de uso: Serviço de Videoconferência. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Política de uso: Serviço de Videoconferência DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Setembro de 2016 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Público alvo... 4 4. Agendamento... 4 5.

Leia mais

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO BACHARELADO

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO BACHARELADO / MG FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO BACHARELADO /MG 2015 / MG SOCIEDADE FRUTALENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA CNPJ:

Leia mais

2. REGULAMENTO 2.1 DA VINCULAÇÃO

2. REGULAMENTO 2.1 DA VINCULAÇÃO NORMAS DE CONDUTA E SEGURANÇA NOS LABORATÓRIOS 2010 1. INTRODUÇÃO Os Laboratórios da Faculdade Evangélica do Paraná prestam serviços de atendimento à comunidade acadêmica, fornecendo recursos (materiais

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN BAURU APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Experimental de Design, o horário

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA DA UNIFAP

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA DA UNIFAP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAD COORDENADORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COEG COLEGIADO DO CURSO DE GEOGRAFIA REGULAMENTO DE USO

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM TUPÃ/SP 2016 SUMÁRIO I DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS III DO FUNCIONAMENTO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 06/2015 Ementa: estabelece sistemática para realização de Visitas Técnicas como atividade integrante dos componentes curriculares dos cursos oferecidos pelo IFPE O

Leia mais

REGULAMENTO PARA FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA IR. IRACEMA FARINA

REGULAMENTO PARA FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA IR. IRACEMA FARINA REGULAMENTO PARA FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA IR. IRACEMA FARINA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A Biblioteca Ir. Iracema Farina atende alunos, professores, coordenadores, diretores acadêmicos,

Leia mais

RESOLUÇÃO CODIR Nº 06, DE 08 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO CODIR Nº 06, DE 08 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO CODIR Nº 06, DE 08 DE JULHO DE 2016. Aprova Regulamento de Uso do Circuito Fechado de TV no IFSC. A PRESIDENTE DO COLÉGIO DE DIRIGENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID RESOLUÇÃO Nº 01/2014 - CEFID Dispõe sobre as normas de funcionamento da Academia-Escola Dolermi Inês Gomes Bastiani. O Presidente do Conselho de Centro - CONCEFID do Centro do Ciencias da Saúde e Esporte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA REGULAMENTAÇÃO N 01, de 17 de dezembro de 2014 Regulamenta o uso do

Leia mais

Av. Prof. Luiz Freire, nº 500, Cidade Universitária Recife-PE -CEP: (81)

Av. Prof. Luiz Freire, nº 500, Cidade Universitária Recife-PE -CEP: (81) NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS DOS CURSOS PRONATEC CAPÍTULO I 1. DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art.1 O presente regulamento interno disciplina a organização, regulamentação

Leia mais

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DOS DESVIOS DA APRENDIZAGEM (LIDA) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Laboratório de Investigação dos Desvios da Aprendizagem (LIDA), da Faculdade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 10/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 10/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Zoologia, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de Centro de Educação Superior

Leia mais

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus Palmas Coordenação do Curso de Licenciatura em Matemática LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LABEMAT REGULAMENTO 01/2015 Regulamento

Leia mais

Política de Uso WIFI- INTEGRADO Sumário

Política de Uso WIFI- INTEGRADO Sumário Política de Uso WIFI- INTEGRADO Sumário 1 Introdução...2 2 Público alvo...3 3 Objetivo......3 4 Informações Técnicas...3 5 Política de uso...4 5.1 Regras gerais para usuários...5 5.2 Violação das regras...6

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012 APROVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012 APROVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.996, de 02 de maio de 2006 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATORIO DE ENSINO E BRINQUEDOTECA. CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA- LICENCIATURA Autorizada pela Portaria MEC 4584/2005

REGULAMENTO DO LABORATORIO DE ENSINO E BRINQUEDOTECA. CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA- LICENCIATURA Autorizada pela Portaria MEC 4584/2005 1 REGULAMENTO DO LABORATORIO DE ENSINO E BRINQUEDOTECA CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA- LICENCIATURA Autorizada pela Portaria MEC 4584/2005 Frutal/MG 2009 2 Mantenedora: SOFES SOCIEDADE FRUTALENSE

Leia mais

Política de Segurança de Informações

Política de Segurança de Informações Política de Segurança de Informações Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Apresentação A Política de Segurança da Informação da Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. ( Edge Investimentos ), aplica-se

Leia mais

SUMÁRIO. Finalidade...3. 1. Horário de Funcionamento do laboratório...3. 2. Competência dos Coordenadores de Cursos junto aos Laboratórios...

SUMÁRIO. Finalidade...3. 1. Horário de Funcionamento do laboratório...3. 2. Competência dos Coordenadores de Cursos junto aos Laboratórios... Instituto Superior de Educação de Barretos - ISEB Mantido pelo Centro de Educação e Idiomas de Barretos Autorizado pela Portaria 71 conforme DOU de 12/01/2005 Cursos: Pedagogia Reconhecido Portaria 663,

Leia mais

TERMO DE CONDUTA E COMPROMISSO DO ALUNO NO MAKER SPACE UNIMONTE

TERMO DE CONDUTA E COMPROMISSO DO ALUNO NO MAKER SPACE UNIMONTE TERMO DE CONDUTA E COMPROMISSO DO ALUNO NO MAKER SPACE UNIMONTE 1 Introdução O Centro Universitário UNIMONTE dispõe, para os seus alunos e integração comunidade/instituição, o MAKER SPACE, sendo este um

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O presente regulamento interno disciplina a organização, regulamentação e critérios para

Leia mais

ORIENTAÇÕES HELPDESK. Esse documento descreve orientações para a comunidade acadêmica acessar os serviços do helpdesk, obedecendo as seguintes regras:

ORIENTAÇÕES HELPDESK. Esse documento descreve orientações para a comunidade acadêmica acessar os serviços do helpdesk, obedecendo as seguintes regras: ORIENTAÇÕES HELPDESK Esse documento descreve orientações para a comunidade acadêmica acessar os serviços do helpdesk, obedecendo as seguintes regras: É proibido ao helpdesk o atendimento de equipamentos

Leia mais

REGULAMENTO. Para: Coordenadores de Curso / Bibliotecas Setoriais Assunto: Normas de Atendimento Rede de Bibliotecas da Faculdade Radial de Curitiba

REGULAMENTO. Para: Coordenadores de Curso / Bibliotecas Setoriais Assunto: Normas de Atendimento Rede de Bibliotecas da Faculdade Radial de Curitiba Curitiba, 27 de janeiro de 2011 Comunicado Interno Biblioteca nº. 001 / 2011 Para: Coordenadores de Curso / Bibliotecas Setoriais Assunto: Normas de Atendimento Rede de Bibliotecas da Faculdade Radial

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 02/2013 Versão: 01 Data da aprovação: 01/03/2013 Publicação: Portal do Ministério Público Unidade Responsável: Departamento de Tecnologia de Informação I - FINALIDADE Dispor

Leia mais

Termos de uso do Guia Balada Vip Net

Termos de uso do Guia Balada Vip Net Termos de uso do Guia Balada Vip Net 1. PARTES 1.1 Estes Termos de Uso aplicam-se entre, de um lado, Jardel Charles Rauber, doravante designada Balada Vip Net, e, de outro lado, a todo e qualquer usuário,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 3 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 SISTEMAS E BACKUPS... 5 SEGREGAÇÃO DE ATIVIDADES... 5 VIGÊNCIA E ATUALIZAÇÃO... 6 POLÍTICA DE SEGURANÇA

Leia mais

Política de Confidencialidade Colaboradores Venturestar

Política de Confidencialidade Colaboradores Venturestar Política de Confidencialidade Colaboradores Venturestar (versão 05.2016) 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 2 INTRODUÇÃO Esta Política de Confidencialidade dos Colaboradores da

Leia mais

FACULDADE SÃO PAULO RECREDENCIADA NO MEC PELA PORTARIA Nº 284, DE 23 DE MARÇO DE 2015 Biblioteca Acadêmica

FACULDADE SÃO PAULO RECREDENCIADA NO MEC PELA PORTARIA Nº 284, DE 23 DE MARÇO DE 2015 Biblioteca Acadêmica BIBLIOTECA PROFESSOR JOSÉ MASTRANGELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos da Biblioteca, satisfazendo ao máximo as necessidades de seus usuários.

Leia mais

Política de segurança da informação Normas

Política de segurança da informação Normas Política de Segurança das Informações Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Anhanguera Taboão da Serra Normas 2 BS 7799 (elaborada pela British Standards Institution). ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

FACULDADE FRUTAL - FAF

FACULDADE FRUTAL - FAF FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOQUÍMICA, BROMATOLOGIA, QUÍMICA, MICROBIOLOGIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO BACHARELADO

Leia mais

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização de estágios nas modalidades de estágio obrigatório e

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Grupo Normas e Processos Referência Governança Corporativa Assunto Propriedade Intelectual Título Segurança da Informação Código MP_3.5 Data 01/04/2016 Versão 1.1 Segurança da Informação Conteúdo Objetivos...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (FAMAG)

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (FAMAG) Ciências Biológicas: Autorizado pela Portaria nº 23 de 10/01/2007 Mantida pela A.E.S.P. Av. Presidente Vargas, 725 Centro Tel.: (67)3437-3804 Ponta Porã MS Home Page: www.magsul-ms.com.br E-mail: magsul@terra.com.br

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Ilha Solteira SP 2014 SUMÁRIO Definição... 2

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE Art. 1º. Este documento tem por objetivo regulamentar as condutas dos alunos, servidores e demais usuários, no que

Leia mais

Bruna Freire Pedroso da Costa Guilherme Carvalho Lucas Henrique Muniz Raul Vinícius Nascimento Vanessa Baptista. D&D Info

Bruna Freire Pedroso da Costa Guilherme Carvalho Lucas Henrique Muniz Raul Vinícius Nascimento Vanessa Baptista. D&D Info Bruna Freire Pedroso da Costa Guilherme Carvalho Lucas Henrique Muniz Raul Vinícius Nascimento Vanessa Baptista D&D Info Sistema de gerenciamento O SisAlu pode ser usado via rede e instalado em até 5 (cinco)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPARTAMENTO DE FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA ESCOLA DE FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPARTAMENTO DE FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA ESCOLA DE FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPARTAMENTO DE FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA ESCOLA DE FONOAUDIOLOGIA REGIMENTO INTERNO PARA ATIVIDADES NA CLÍNICA ESCOLA DO DEPARTAMENTO

Leia mais

Regras e normas de utilização laboratórios de informática Versão 001. Sumário

Regras e normas de utilização laboratórios de informática Versão 001. Sumário Sumário Objetivo:... 2 Normas:... 3 Deveres dos usuários:... 4 Proibições aos usuários:... 5 Deveres dos docentes:... 7 Equipe de informática:... 8 Punições disciplinares:... 8 1 Objetivo: Auxiliar o usuário

Leia mais

III- apostilas; IV- catálogos; V- referências; MANUAL DO ALUNO VII- folhetos e separatas; IX- Fitas de vídeo;

III- apostilas; IV- catálogos; V- referências; MANUAL DO ALUNO VII- folhetos e separatas; IX- Fitas de vídeo; Este manual foi elaborado com o objetivo de informar aos usuários as rotinas e procedimentos de utilização da Biblioteca, permitindo uma interação melhor com os nossos serviços. III- apostilas; IV- catálogos;

Leia mais

GUIA DE SOLICITAÇÃO E AGENDAMENTOS DE AULAS PRÁTICAS DO LAQUIM UAST/UFRPE

GUIA DE SOLICITAÇÃO E AGENDAMENTOS DE AULAS PRÁTICAS DO LAQUIM UAST/UFRPE GUIA DE SOLICITAÇÃO E AGENDAMENTOS DE AULAS PRÁTICAS DO LAQUIM UAST/UFRPE Das Aulas Práticas 1 O laboratório, por ser único, será utilizado para aulas práticas e para o desenvolvimento de pesquisas e trabalhos

Leia mais

Informática. Backup do Windows. Professor Márcio Hunecke.

Informática. Backup do Windows. Professor Márcio Hunecke. Informática Backup do Windows Professor Márcio Hunecke www.acasadoconcurseiro.com.br Informática BACKUP DO WINDOWS Para ajudar a assegurar que você não perderá os arquivos, você deverá fazer o backup

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESOLUÇÃO Nº 275, DE 4 DE JULHO DE 2016.

Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESOLUÇÃO Nº 275, DE 4 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO Nº 275, DE 4 DE JULHO DE 2016. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE CENTRO DO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

Utilização das infraestruturas informáticas, de audiovisuais e de comunicação da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Versão 1

Utilização das infraestruturas informáticas, de audiovisuais e de comunicação da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Versão 1 Utilização das infraestruturas informáticas, de audiovisuais e de comunicação da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Versão 1 Serviço de Informática IDENTIFICAÇÃO Título do Documento UTILIZAÇÃO DAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO Conselho Departamental DECISÃO Nº. 014/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO Conselho Departamental DECISÃO Nº. 014/2013 DECISÃO Nº. 014/2013 O CONSELHO DEPARTAMENTAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO, EM SUA PRIMEIRA SESSÃO ORDINÁRIA, REALIZADA NO DIA VINTE E OITO

Leia mais

Art. 5º. O horário de funcionamento da Biblioteca de segunda-feira a sexta-feira, das 16h às 22h, aos sábados Fechado.

Art. 5º. O horário de funcionamento da Biblioteca de segunda-feira a sexta-feira, das 16h às 22h, aos sábados Fechado. REGULMENTO DA BIBLIOTECA FIPECAFI Este regulamento disciplina o funcionamento da Biblioteca FIPECAFI, em caráter administrativo e organizacional com usuários inscritos bem como Docentes, Alunos e Funcionários

Leia mais

Núcleo de Pesquisa Aplicada à Pesca e Aquicultura NUPA NORTE VIII NOTA TÉCNICA Nº 001/2015-NUPA/IFAC

Núcleo de Pesquisa Aplicada à Pesca e Aquicultura NUPA NORTE VIII NOTA TÉCNICA Nº 001/2015-NUPA/IFAC Rio Branco, 05 de março de 2016. NOTA TÉCNICA Nº 001/2015-NUPA/IFAC O IFAC por meio do Núcleo de Pesquisa Aplicada em Pesca e Aquicultura no Estado do Acre NUPA NORTE VIII faz parte do Programa Certific

Leia mais

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa;

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa; RESOLUÇÃO DO CGAA-ESEF Nº 03/2011. EMENTA: Normatiza a utilização do Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE. O Conselho de Gestão Acadêmica e Administrativa da Escola Superior de Educação Física da Universidade

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS ABRIL 2010 1 INTRODUÇÃO O Serviço Técnico de Informática STI é responsável pela prestação de serviços relacionados com a informática para as áreas de Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC 1 DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC CACOAL 2011 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC Afim de aperfeiçoar as aulas práticas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA AUDITÓRIO TASSO CORREA REGIMENTO DO AUDITÓRIO TASSO CORREA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA AUDITÓRIO TASSO CORREA REGIMENTO DO AUDITÓRIO TASSO CORREA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA AUDITÓRIO TASSO CORREA REGIMENTO DO AUDITÓRIO TASSO CORREA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente

Leia mais

BIBLIOTECA PROFESSORA RUTH DE SOUZA SCHNEIDER REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA PROFESSORA RUTH DE SOUZA SCHNEIDER

BIBLIOTECA PROFESSORA RUTH DE SOUZA SCHNEIDER REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA PROFESSORA RUTH DE SOUZA SCHNEIDER BIBLIOTECA PROFESSORA RUTH DE SOUZA SCHNEIDER REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA PROFESSORA RUTH DE SOUZA SCHNEIDER Aprovado pelo Conselho do Instituto de Física, na 171ª Sessão de 15 de setembro de 2010.

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015)

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários: Manhã (entrada): 7h e 10 min/saída: 12h e 45 min 2ª série na 2ª feira/saída: 13h e

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática Exercício 1: Correspondência Relacione os termos da tabela 1 abaixo com as definições da tabela 2. Para facilitar, os termos da tabela 1 estão colocados

Leia mais

CAPITULO I OBJETIVO CAPITULO II NORMAS GERAIS

CAPITULO I OBJETIVO CAPITULO II NORMAS GERAIS CAPITULO I OBJETIVO ART. 1º Esta Instrução Normativa tem como objetivo estabelecer as normas de controle, utilização, identificação e manutenção dos veículos de propriedade do SENAR-RS. CAPITULO II NORMAS

Leia mais

a) A POLÍTICA DE SEGURANÇA

a) A POLÍTICA DE SEGURANÇA Políticas de uso de recursos tecnológicos, serviços de Infraestrutura de Rede de Computadores e Sistemas de Gestão Acadêmica e Administrativa do UniCEUB POLÍTICA DE SEGURANÇA EM TI Com o objetivo de prover

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02/2016 PROAD DAS COMPETÊNCIAS

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02/2016 PROAD DAS COMPETÊNCIAS ORDEM DE SERVIÇO Nº 02/2016 PROAD O Pró-Reitor de Administração da Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, resolve fixar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 01/2015 De 15 de Outubro de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 01/2015 De 15 de Outubro de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 01/2015 De 15 de Outubro de 2015 Estabelece normas para uso do serviço de correio eletrônico da UFPA.

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS ASSET MANAGEMENT LTDA. Data de Atualização: 06/2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações confidenciais e/ou privilegiadas.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ABRIL / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Objetivos... 3 1.3. Tecnologia da Informação... 3 1.4. Segregação de Atividades...

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA DE VETERINÁRIA DA UFMG

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA DE VETERINÁRIA DA UFMG REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA DE VETERINÁRIA DA UFMG CAPÍTULO I Da finalidade e administração Art.1º - A Biblioteca da Escola de Veterinária da UFMG terá como finalidade proporcionar ao corpo docente,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE APTIDÃO FÍSICA E PERFORMANCE HUMANA LAFIPE CAPITULO I DO OBJETO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE APTIDÃO FÍSICA E PERFORMANCE HUMANA LAFIPE CAPITULO I DO OBJETO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE APTIDÃO FÍSICA E PERFORMANCE HUMANA LAFIPE CAPITULO I DO OBJETO Art. 1º- O Laboratório de Aptidão Física e Performance Humana LAFIPE do curso de Educação Física da Universidade

Leia mais

Regulamento da Biblioteca IBMEC CENTRO

Regulamento da Biblioteca IBMEC CENTRO Regulamento da Biblioteca IBMEC CENTRO 1. Usuários autorizados São considerados usuários desta Biblioteca os alunos, ex-alunos (Alumni), professores e funcionários das unidades do Ibmec MG, RJ e Brasília.

Leia mais