Das veredas do silêncio à construção do mito (A propósito do sertão) Aguinaldo José Gonçalves 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Das veredas do silêncio à construção do mito (A propósito do sertão) Aguinaldo José Gonçalves 1"

Transcrição

1 Das veredas do silêncio à construção do mito (A propósito do sertão) Aguinaldo José Gonçalves 1 Nas veredas do silêncio As camadas de sol se entrelaçam Como capas de lâmina Como perfuradores de concreto No metal do ser. Sertão é o estado anímico de ver longe Sem poder pôr as mãos De tão dentro de si Se contrair Assim se processa sempre. Assim sempre se processará. O desenho do vazio na busca do essencial. Para que se proceda a esse foco, é fundamental que perscrute o insondável. Do vazio ao silêncio um círculo no interior de um quadrado. Sol intenso nas formas de ramagens secas. A rua ensolarada vista da janela distante. A focalização de um secreto universo. Minha infância foi marcada por profundo isolamento sertanejo. O longe delineou meus olhos e meus pensamentos. O sertão é muito longe. O sertão reflete no perto do coração e congela os sonhos, mas alimenta as fantasias destinadas pelo sofrimento. Sertão é um estado do ser no mundo de extremo isolamento; é um defrontar se permanente, sem dar trégua, com um si mesmo, sem lhe dar parâmetro para que se possa tentar uma possibilidade. Da minha janela eu olhava para lá. Para bem longe. Lá no fim da linha eu via o encontro do céu extremamente azul ensolarado com um filete verde do arvoredo. E não via mais nada. Nas margens da espera Uma fina linha de dor e de desassossego Parece ficar em permanente alerta: O que há de vir em forma de vida do outro lado, Da outra esfera de existir. Destinar se à espera é estar no mundo sertão. Blocos de pedras contornam as formas derretendo se (arde a vontade de chegar ou de vivenciar a chegada do que não se sabe) 1 Poeta, ensaísta e teórico das relações homológicas entre texto e imagem. Principais obras: Transição e Permanência. Miro/João Cabral: da tela ao texto (Iluminuras, 1989); Laookoon Revisitado relações homológicas entre texto e imagem (Edusp, 1994); Vermelho (poesia) (Ateliê Editorial, 2000); Museu Movente o signo da arte em Marcel Proust (Editora Unesp, 2004).

2 Às margens da espera Só resta o estado fetal De dissolver se ao mito De desfazer se ao pó. A espera do que se sabe como objeto esperado já alonga no ser seu estado de equilíbrio. O desolamento de quem se coloca à mercê da espera para demover todos os fragmentos do corpo e da alma. Esperar consiste num profundo exercício de submissão que pode transformar em rudimentos do ser por estilhados de emoções até mesmo desconhecidas, que passam a constituir o estado de inércia inicial. Nessa forma de longevidade da espera constrói se uma outra faceta do sertão: o ato de esperar num universo em que a concepção de tempo e de espaço se confundem, como proporia H. Bergson, nos Dados imediatos da memória. Esperar é buscar o encontro materializado em algo, mas que significa o encontro com o próprio mundo do que espera. Daí ter esperança que acaba levando o indivíduo a ultrapassar a realidade como analisa Hanna Arendt ao discutir o medo para ela forma de contrair a alma e a esperança como forma de ultrapassar a realidade. O sertão como espera coloca cara a cara o estado ácido de esperar com o delineio da impossibilidade. A realidade não pode ser ultrapassada, pois ela se alimenta do próprio ato de esperar o insondável: algo há de chegar; algo há de desencadear uma ação. Às margens da espera Só resta o estado fetal De dissolver se ao mito De desfazer se ao pó. Como volver ao eterno retorno Se a partida se congela pelo silêncio das passadas Do que não veio mas se anuncia como um filete de sol Ou como uma sombra móvel que aterrissa e decola sem ser vista The Waste Land construiu em círculos A dialética congelada da esterilidade do homem e da humanidade Sem pedir licença a Walter Benjamin Camus de O Estrangeiro e de A Peste Desenhou a crayon, Os traços da avassaladora condição No entre fio do desespero Cochichando com Arthur Schopenhauer E deixou vir à luz As farpas da perda de uma ilusão estéril, Apesar do medo que Nietzsche nutriria pela solidão.

3 Uma das marcas do sertão é a ausência de grandes povoações, ou ao menos distância das regiões mais povoadas. Numa outra denominação, sertão se caracteriza como região agreste, distante das terras cultivadas. Ainda é considerado sertão terreno coberto de mato, longe do litoral; e finalmente interior pouco povoado. Saindo do sentido aparentemente factual ou aparentemente literal e indo, do mesmo modo para o sentido considerado metafórico, podemos atingir as instâncias mais complexas e, portanto, mais próximas daquilo que reside nas gamas semânticas de sertão. Por isso: Sertões Cena 1: (o enterro) Cinco horas em ponto Badaladas na igreja matriz Surge ao longe o enterro E segue pelas ruas muito planas Segue pelas ruas de terra vermelha O caixão roxo de tecido Que reveste madeira mole O sino continua a entoar as badaladas E as mulheres entoam, de véu, a ladainha Os homens de chapéu se revezam Ao conduzirem o esquife lentamente. A criança descalça chora Ao sentir os olhos arderem Pela poeira trazida pelo vento. É um sem fim de ir se indo pelo canto Em vozerio marcado pelo espanto De não ver ainda que visto A eterna passagem pelo encanto resignado De esperar ondefor indaque Nem sem mesmo que lá Ao redor de si em forma de querer Sem horas e sem enterro Do próprio ser Mais que a morte populosa, a morte desolada do sertão. A atmosfera fica suspensa. Parece que o sol estatela se doído dentro de cada um. O caixão vai, vai e vai pela rua em movimento rítmico da tristeza que pesa. O corpo pesa e o sol dói. Ele é mais quente. Diria João Cabral de Melo Neto: Dói na vida tanta luz: impõe filtros. As folhas das árvores parecem recusar a brisa da tarde, tudo sofre o passamento e o tempo encolhe. A morte por quilo paira nas esquinas, no fundo do quintal, no interior dos quartos, como coisa que rumina ao roer, que rasga ao se arrastar como latas velhas, sempre novas no mais íntimo de nosso ser. Como clara de ovo que se lança na gordura

4 quente sem se queimar, a morte no sertão se estatela e se instala no calor da tarde mantendo se esquálida e indiferente ao se estender no nada. Cena 2: (a representação) Vladimir e Estragon Esperam Godot Sob uma árvore à beira da estrada. Esperam Godot eternamente Esperam Godot sem piedade. Na estrada principal desta jornada Sob uma árvore Vladimir e Estragon Esperam Godot Vagabundos sem eira nem beira Vagabundos sem determinação Eles têm o compromisso de esperar Esperar Godot na contramão? Passam Pozzo e Lucky e conversam Dialogam tranqüilos na jornada Sobre Godot, que não vem, Mas que eles esperam, Obstinados que são por essa causa. Dias a fio a espera é o grande ato Eterno ato sem esperar que nada se faça Não acontece o visível não acontece Mas no gesto de esperar tudo acontece. De Godot só veio a notícia Trazida pelo menino, trazida pela lembrança. Samuel Beckett desenhou no teatro a mimese da angústia do homem moderno que vive entre populações urbanas muito grandes. A condição humana não se diferencia do espaço em que cada um vive. Sertão é apenas uma desmascarada condição do estar só com a ausência. O não saber o que se espera longe de tudo o que é civilizado é apenas a face genuína da nossa condição. Esperar consiste na confiança de conseguir o que se almeja, mesmo que não se saiba o que seja isso. Ao esperar a volta do filho pródigo apenas se adiou o verdadeiro objeto da espera: o grande desconhecido aquele sinal distante que se escondia na linha do horizonte, quando meus olhos ardentes pela terra vermelha buscavam aos seis anos, lá longe, no sertão. Cena 3: (da linguagem ao mito)

5 traços pegadas grifos hieroglifos exercício do código ou ato de compor signos que puxem signos plasmação do corpo feito palavras marcada pelo desejo ou pelo profundo silêncio: recôndito perdido neste espaço intransitivo: madrugada na brisa que se dispersa ou virgindade eterna da memória túnel silencioso oco escuro e luminoso cavado por marcas espaciais in illo tempore forma de desagregação dos elos, das amarras que impregnam camadas epidérmicas do corpo e ocupa as fontes primordiais aqui o embate se prefigura e enforma como única possibilidade de não fugir ao embate: é preciso preparar com cuidado a empreitada: incômodo do não reconhecimento do próximo contorno e a certeza de que a sintaxe menos é o testemunho da possibilidade de continuar contornando os obstáculos e abrindo fendas no espesso emaranhado é possível palmilhar as finas redes segurando quase nada que se converte em pó. * * * eis o testemunho do exercício de possibilidades que trafegam pelo ar e pelas veredas de um universo de maneira alguma compreensível girando como giram os pensamentos diante de uma nebulosa em noite de verão sem que a distância force ou forje uma renúncia do olhar sem que se incapacite ao próprio corpo da palavra rastejar pela terra seca estéril extraindo de sua pele os crespos filamentos de ervas daninhas ou de uma crepuscular ressurreição inesperada de tempos imemoriais. eis que o testamento se inscreve num intervalo entre as dimensões incontroláveis da inteligência e os dedos que plasmam graxos residuais e daí os mais recônditos sortilégios emergem emergem emergem e se configuram numa forma advinda além da matéria e pela matéria se demove ao fundo de tudo o que há de menos incorruptível. e o amor se pronuncia como o ato de mastigar sem ter dentes e de cuspir sem ter saliva. Quantas vezes lhe disse: verifique se está tudo no lugar, meu amor. Verifique se resgatou cada fio de teus cabelos no momento fatal. Era meio dia e nem sequer saltou para o outro lado do muro para procurar as tâmaras que encomendara e que não sabia de modo algum o que fazer com elas na sua festa de aniversário. Olhando agora para estas unhas esmaltadas, para essas rubras unhas enfiadas na pele esfacelada, não posso acreditar, não posso acreditar... A imagem projetada em águas claras não é mesma que o espelho projeta. Amor é cegueira

6 deserta que nos leva à alquimia dos sentidos. Tudo isso é metamorfose de bolhas perdidas. O mais genuíno exercício de sertão. E só. Rio Preto, 28 de outubro 2006

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO CISNE BRANCO 1 2 JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO 3 Copyright 2011 José Araújo Título: Cisne Branco Editoração e Edição José Araújo Revisão e diagramação José Araújo Capa José Araújo Classificação: 1- Literatura

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

CARA METADE EXPOSIÇÃO. Desenhos FRANCISCO PAIVA Textos ANTONIETA GARCIA

CARA METADE EXPOSIÇÃO. Desenhos FRANCISCO PAIVA Textos ANTONIETA GARCIA CARA EXPOSIÇÃO METADE Desenhos FRANCISCO PAIVA Textos ANTONIETA GARCIA A exposição CARA METADE resulta do encontro improvável entre artistas, que generosamente aceitaram o desafio da COOLABORA: Francisco

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado A flor amiga O ser mais belo e culto Emoções e corações Sentimentos envolvidos Melhor amiga e amada O seu sorriso brilha como o sol Os seus

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

claudia houdelier - maternidade maternidade

claudia houdelier - maternidade maternidade claudia houdelier - maternidade maternidade dedicatória para alexandre, meu único filho. de fora para dentro Tudo começa no ventre materno com certeza, a nossa história começa aqui. Uma história de uma

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões 1 e 2. O MELHOR DE CALVIN /Bill Watterson MÃE, O

Leia mais

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO 2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO NOME: Jaguarari, outubro de 2010. CADERNO DO 6º E 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 Numa carta de Papai Noel destinada às crianças, ele comunica que não será

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa

Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa Esclarecimento Este trabalho nasceu após os estudos que fiz com Dr Moacyr Castellani sobre Psicologia Integral. Na bibliografia recomendada, dentre outros

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

Elegia para uma morta. Uma borboleta tropeça nas frias colunas do sono. que veste a brevidade inútil do homem e sua solidão.

Elegia para uma morta. Uma borboleta tropeça nas frias colunas do sono. que veste a brevidade inútil do homem e sua solidão. Elegia para uma morta Uma borboleta tropeça nas frias colunas do sono que veste a brevida inútil do homem e sua solidão. E um morcego vem feito anjo velar sobre a fotografia da morta moça triste que traz

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

92. EXT. ACAMPAMENTO AO MESMO TEMPO - ANOITECER 92

92. EXT. ACAMPAMENTO AO MESMO TEMPO - ANOITECER 92 POTTER E AS RELÍQUIAS... PT. 1 Rev. 11/06/10 73. 92. EXT. ACAMPAMENTO AO MESMO TEMPO - ANOITECER 92 Harry vira o CACO DE ESPELHO em seus dedos, então vê Hermione colher flores à distância. Ela está linda.

Leia mais

sinal de tristeza. Sinal de morte!

sinal de tristeza. Sinal de morte! CULTO FAMÍLIA: Reflexão sobre a morte e o luto Acreditamos que todos nós já sofremos a perda de alguém, seja familiar, amigo, vizinho ou apenas conhecido. Nos sentimos impotentes, indefesos, medrosos diante

Leia mais

CADERNOS DE PARIS NOTEBOOK FROM PARIS

CADERNOS DE PARIS NOTEBOOK FROM PARIS CADERNOS DE PARIS NOTEBOOK FROM PARIS Maria do Ceu Diel de Oliveira 1 Para falar dos desenhos... enquanto percorro os caminhos para as livrarias e museus meus olhos saltavam das árvores secas do inverno

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel 1.º Prémio A vida é uma folha de papel A vida pode ser Escura como a noite, Ou clara como as águas cristalinas Que brilham ao calor do sol. A vida pode ser Doce como o mel Ou amarga como o fel. A vida

Leia mais

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Tobias através de Geoffrey Hoppe www.crimsoncircle.com Inspirando Consciências OS DOZE SIGNOS DO SEU DESPERTAR DIVINO Tobias através de Geoffrey Hoppe Por favor,

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Ciço ao Seminário da Prainha depois de uma viagem de mais de um mês, montado a cavalo, desde a região do Cariri até a capital, Fortaleza. Trazia uma

Leia mais

O livro por escrever. Poderiam ser o início de um livro Fosse eu capaz de as libertar!

O livro por escrever. Poderiam ser o início de um livro Fosse eu capaz de as libertar! O livro por escrever Poderiam ser o início de um livro, estas palavras De um livro sem princípio nem fim Aquele espaço em que para me encontrar Teria de me ausentar por uma eternidade Afastar-me dos sons

Leia mais

Es c o l h e r p e n s a r

Es c o l h e r p e n s a r Es c o l h e r p e n s a r As fotografias de Daniel Costa (1973-2000) apresentadas aqui constituem parte de um conjunto que ele próprio concebeu como alternância de duas séries a de fotografias de nuvens

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço.

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço. IN EXTREMIS Nunca morrer assim! Nunca morrer num dia Assim! de um sol assim! Tu, desgrenhada e fria, Fria! postos nos meus os teus olhos molhados, E apertando nos teus os meus dedos gelados... E um dia

Leia mais

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento.

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. CAPÍTULO PRIMEIRO Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. Já alguém tinha dado por ele quando ainda vinha à distância,

Leia mais

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e 11 a caixa 2007 Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e passar pela janela quebrada, vendo então

Leia mais

Pós-Modernismo (Poesia)

Pós-Modernismo (Poesia) Pós-Modernismo (Poesia) Texto I (Décio Pignatari) Texto II (Haroldo de Campos) Texto III Para mim, a poesia é uma construção, como uma casa. Isso eu aprendi com Le Corbusier. A poesia é uma composição.

Leia mais

(Léon Bloy, Pélerin de l Absolu)

(Léon Bloy, Pélerin de l Absolu) O menor de nossos atos repercute em profundezas infinitas e faz estremecer todos os vivos e mortos, de forma que cada um entre as milhares de criaturas humanas se encontre realmente sozinho na presença

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Questão 01.O texto abaixo apresenta, basicamente, três partes: a realidade, o sonho

Leia mais

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS Diana Carvalho (E. M. Argentina Sala de Leitura) Eixo temático: Fazendo escola com múltiplas linguagens RESUMO Este texto relata uma experiência em leitura

Leia mais

Uma história de amor. Elisa Tiegs Gnewuch

Uma história de amor. Elisa Tiegs Gnewuch Uma história de amor Elisa Tiegs Gnewuch Capa TSA - sobre arquivo livre do banco de imagens Morguille (morguefile.com) Todos os direitos desta obra são exclusivos da autora. As mais lindas palavras de

Leia mais

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Valéria Rangel Soares Uma pergunta antiga que desde a Antiguidade despertou a curiosidade do homem. Como Vemos as

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação de Linguagens Aula 145 Revisão e avaliação de Linguagens

3º BIMESTRE 2ª Avaliação de Linguagens Aula 145 Revisão e avaliação de Linguagens 2 3º BIMESTRE 2ª Avaliação de Linguagens Aula 145 Revisão e avaliação de Linguagens 3 Brincadeiras tradicionais Numa sociedade cada vez mais industrializada os jogos de computador e brinquedos eletrônicos

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

COLACIO. J SLIDES APRESENTA

COLACIO. J SLIDES APRESENTA COLACIO. J SLIDES APRESENTA A LIÇÃO RECEBIDO POR E-MAIL DESCONHEÇO A AUTORIA DO TEXTO: CASO VOCÊ CONHEÇA O AUTOR, ENTRE EM CONTATO QUE LHE DAREI OS DEVIDOS CRÉDITOS Éramos a única família no restaurante

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A Poesia de Rolando Toro

A Poesia de Rolando Toro A Poesia de Rolando Toro Rolando Toro, criador da Biodanza, também era poeta, com vários livros editados. No final do ano fizemos uma seleção de algumas de suas poesias para ler durante a aula do grupo

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL 1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL O Serta chegou a esta proposta depois de 6 anos de tentativa de capacitar agricultores para a compreensão e prática de uma agricultura mais natural e orgânica. Isso sem

Leia mais

João Carlos Luz. Poemas. Violência e Poesia

João Carlos Luz. Poemas. Violência e Poesia Violência e Poesia Rio de Janeiro, milhares de soldados do exercito vigiando o que supostamente é certo. Garantir o voto sem ser manipulado pelo esperto. Violências fatias no dia a dia sem perder o show

Leia mais

CINCO ELEMENTOS E OS DESEQUILÍBRIOS ESTÉTICOS FACIAIS. Por Luciana Silva Terapeuta Natural/Ortomolecular/Acupunturista

CINCO ELEMENTOS E OS DESEQUILÍBRIOS ESTÉTICOS FACIAIS. Por Luciana Silva Terapeuta Natural/Ortomolecular/Acupunturista CINCO ELEMENTOS E OS DESEQUILÍBRIOS ESTÉTICOS FACIAIS Por Luciana Silva Terapeuta Natural/Ortomolecular/Acupunturista Cinco Elementos e as Emoções Elemento Madeira Estação do Ano: Primavera Propriedade:

Leia mais

Pós-Modernismo. Literatura Professor: Diogo Mendes 19/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo. Texto I. Poema Brasileiro

Pós-Modernismo. Literatura Professor: Diogo Mendes 19/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo. Texto I. Poema Brasileiro Pós-Modernismo Texto I Poema Brasileiro No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes de completar 8 anos de idade No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes de completar 8 anos

Leia mais

o coração ruge como um leão diante do que nos fizeram.

o coração ruge como um leão diante do que nos fizeram. um o coração ruge como um leão diante do que nos fizeram. 11 pois eles tinham coisas para dizer os canários estavam lá, e o limoeiro e a mulher velha com verrugas; e eu estava lá, uma criança e eu tocava

Leia mais

O despertador ainda não havia tocado quando abri os

O despertador ainda não havia tocado quando abri os I O despertador ainda não havia tocado quando abri os olhos na manhã do dia cinco de abril de mil novecentos e noventa e nove. Abri os olhos por intuição e virei o rosto na direção do relógio que estava

Leia mais

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986 José Rosa Sampaio * O Vermelho do Capim Poemas da Guerra Colonial ** Ficha Técnica: Título: O Vermelho do Capim: poemas da Guerra Colonial Autor: José Rosa Sampaio, 1949- Tiragem: 30 exemplares fora do

Leia mais

PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES FEMININAS

PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES FEMININAS PATRÍCIA CARLA DE MELO MARTINS PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES FEMININAS Do catolicismo à cultura letrada: O modelo civilizatório europeu sobre o Brasil, no início do século XX 2011 Patrícia Carla de Melo Martins

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Carta do Chefe índio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854, em resposta à proposta do Governo norte-americano de comprar grande parte das terras da sua tribo Duwamish, oferecendo

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Cor. Módulo III. Objectivos. Identificar o sistema de captação da cor. Reconhecer a teoria das cores - seus princípios básicos -o seu potencial

Cor. Módulo III. Objectivos. Identificar o sistema de captação da cor. Reconhecer a teoria das cores - seus princípios básicos -o seu potencial Módulo III Cor Objectivos. Identificar o sistema de captação da cor. Reconhecer a teoria das cores - seus princípios básicos -o seu potencial. Compreender os princípios da psicodinâmica das cores e relacionar

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

Tutorial Como Fazer Ferrugem. Como fazer Ferrugem

Tutorial Como Fazer Ferrugem. Como fazer Ferrugem Como fazer Ferrugem Quando se constrói um modelo naval há de se ter em mente os dois casos, ou meu modelo vai ser um modelo novo recém lançado ao mar ou outros, ou vai ser um modelo que já sofreu as intempéries

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS José Filipe Farela Neves Funchal, Outubro 2012 Comunicação de más notícias Tarefa complexa, difícil. Em intensivos, frequentemente inesperada. Pouco tempo para estabelecer relação

Leia mais

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Fany Aktinol o tom da infância o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Eu me chamo Françoise e escrevo para não esquecer, para não deixar morrer, mas principalmente para lembrar e preencher

Leia mais

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver.

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. ELDER DE SOUZA PINTO CAPITULO I: REFLEXÕES E PENSAMENTOS A ARTE DE SER Ser é a arte de se inventar

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias

Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias IMAGEM REFERENTE A QUESTÃO 1 O sentido da charge se constrói a partir da ambiguidade de determinado termo. O termo em questão é: A) fora B) agora C) sistema D) protestar E) ar Meus heróis morreram de overdose

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Os Quatros Elementos Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:12

Os Quatros Elementos Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:12 O estudo das forças ocultas da natureza presente nos quatro elementos e seus elementais, são comuns a todas as culturas por tratar-se de uma necessidade latente do ser humano. A Iniciação Hermética quase

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB HISTÓRICO Por volta de 12h do dia 19 de junho de 2015, o Sr. Jonas Tiburtino Nóbrega, de 32 anos, que trabalha na operação tapaburacos do Departamento

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

futebol (peça de diego pinheiro)

futebol (peça de diego pinheiro) futebol (peça de diego pinheiro) A verdade é que eu amo a humanidade, e por isso me considero uma pessoa de maldade eterna... sonhei ontem com um mosteiro... um mosteiro de tamanho colossal. liguei imediatamente

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

Ano: 9 Turmas: 9.1 e 9.2

Ano: 9 Turmas: 9.1 e 9.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2013 Disciplina: PORTUGUÊS Professor (a): Cris Souto Ano: 9 Turmas: 9.1 e 9.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

CÓPULA CLODOALDO TURCATO

CÓPULA CLODOALDO TURCATO CÓPULA CLODOALDO TURCATO 2 CÓPULA Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 Titulo Original Cópula Primeira Edição 3 Copyright @ 2012 by Clodoaldo Turcato Copyright da edição @

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESCOLA DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL - EFETI PROJETO SEMESTRAL. EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESCOLA DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL - EFETI PROJETO SEMESTRAL. EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá NOME DO PROFESSOR: Andréia Roque Vizinho Gonçalves EIXO : M.E.L. ATELIÊ: Brincadeiras de Rua SEMESTRE: Primeiro ANO: 2013 Tema do Projeto: Brincadeiras de Rua Nome do Projeto:

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 27 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 27 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 27 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 1. TEMA: Obediência e Resignação. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: Levar as crianças

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

Palavras primitivas terminadas em S acrescenta-se INHO: Chinês = Chinesinho Um pequeno chinês é um chinesinho.

Palavras primitivas terminadas em S acrescenta-se INHO: Chinês = Chinesinho Um pequeno chinês é um chinesinho. FICHA DA SEMANA 5º ANO A e B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo Contornando os prejuízos de comunicação: Ensino de Comportamento Verbal Robson Brino Faggiani Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo 1 O que é Comportamento Verbal? 2 Análise Funcional

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CONHECIMENTOS GERAIS 01 A poluição atmosférica vem aumentando devido ao crescimento dos grandes centros urbanos. Estudos demonstram que a temperatura desses locais varia de acordo com o aumento da poluição.

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial. Delimitando o céu para o estudo da Astronomia

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial. Delimitando o céu para o estudo da Astronomia SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial Páginas 3-4 1. Esperam-se respostas como: Lua, estrelas, nuvens, Sol, pássaros, aviões, satélites etc. 2. Resposta pessoal. Caso os alunos

Leia mais

a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum

a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum Copyright Adonis for the Arabic text Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que

Leia mais

Gabriel José Nascente, de nome literário Gabriel Nascente,

Gabriel José Nascente, de nome literário Gabriel Nascente, Poesia Poemas inéditos Gabriel Nascente Gabriel José Nascente, de nome literário Gabriel Nascente, nasceu em Goiânia, em 23 de janeiro de 1950. Fez o jardim da infância e o primário no Instituto Araguaia.

Leia mais