INFORMAR PERFIS DE INVESTIMENTO AJUSTADOS AO MOMENTO DO PARTICIPANTE MANUAL DE DEFINIÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAR PERFIS DE INVESTIMENTO AJUSTADOS AO MOMENTO DO PARTICIPANTE MANUAL DE DEFINIÇÃO"

Transcrição

1 INFORMAR PERFIS DE INVESTIMENTO AJUSTADOS AO MOMENTO DO PARTICIPANTE MANUAL DE DEFINIÇÃO

2 Índice Introdução... 3 O que é Ciclo de Vida?... 4 Objetivo do Ciclo de Vida... 5 Estudos realizados... 6 Composição das Carteiras Definição dos Perfis Relação Risco x Retorno Prazos para escolha

3 Ciclo de Vida Introdução Caro Participante, Nós, da Previbayer, estamos sempre em busca de aprimoramento. Atingir melhores resultados, que possam contribuir para o planejamento da aposentadoria dos nossos Participantes, é o nosso maior objetivo. Pensando nisso, realizamos estudos frequentes, monitoramos tendências no Brasil e no mundo, analisamos o mercado, as necessidades dos nossos Participantes e a realidade à nossa volta. Aqui, apresentamos a você o Manual de Definição dos Novos Perfis do Ciclo de Vida, passo alcançado por meio de muito estudo. Boa leitura! Equipe Previbayer 3

4 O que é Ciclo de Vida? O Programa de Perfis de Investimento Ciclo de Vida é uma forma de fazer gestão dos recursos em planos de previdência ainda pouco explorada pela indústria brasileira de Entidades Fechadas de Previdência Complementar, porém amplamente utilizada pelas entidades abertas e em outros países do mundo, especialmente na Europa e nos Estados Unidos. O Programa Ciclo de Vida tem como principal característica ajustar os investimentos de cada Participante à sua idade e ao seu momento atual, compreendendo suas necessidades e sua disposição ao risco nesta etapa da vida. 4

5 Ciclo de Vida Objetivo do Ciclo de Vida O Ciclo de Vida conta com uma estratégia que busca proporcionar uma relação balanceada entre risco e retorno ao longo do período de acumulação de capital. Estudos demonstram que Participantes mais jovens são beneficiados ao alocar seus investimentos em ativos de risco, pois possuem prazo maior para buscar seus objetivos, alongando o prazo de maturação das estratégias. Em contrapartida, os Participantes aposentados, ou próximos a aposentadoria, beneficiam-se ao correr menos riscos, pois instituem assim maior previsibilidade ao retorno de suas carteiras e do tempo de duração de seus saldos, o que contribui para um planejamento financeiro mais eficiente de sua aposentadoria. EM FUNÇÃO DA IDADE DO PARTICIPANTE, OS INVESTIMENTOS SÃO AJUSTADOS, OBSERVANDO EM QUE MOMENTO ELE SE ENCONTRA: se está bem longe da aposentadoria e, em função disso, está disposto a arriscar mais, em busca de ganhos maiores; se precisa compor mais sua renda e pode correr certo risco, pois tem um bom tempo ainda para se aposentar; se está perto de se aposentar, precisa continuar acumulando recursos, mas com nível baixo de risco; se vive o momento de usufruir sua reserva, incorrendo em baixíssimo risco, já que depende hoje desta reserva para viver. 5

6 Estudos realizados A discussão em relação ao Ciclo de Vida passou pela necessidade de revisar a atual estrutura de Perfis de Investimento e sua eficiência dentro desta nova estratégia. Diversas análises e simulações foram realizadas por nossa consultoria financeira, com resultados consolidados em novembro de A heterogeneidade da massa de Participantes do Plano e os processos de alteração dos perfis colocaram um desafio adicional ao estudo, mais especificamente no número de perfis que deveriam ser implementados. Os Participantes oriundos do Plano BD (que estavam acostumados com menor volatilidade nos resultados de sua carteira) e os Participantes aposentados do Plano CD precisavam de uma carteira com menor exposição ao risco, em relação às carteiras atuais. Com isso, surgiu a alternativa de um perfil ainda mais conservador, denominado Perfil Aposentado. Ao mesmo tempo, foram revistas as métricas de carteira dos outros perfis, de modo a identificar se suas respectivas exposições ao risco estavam condizentes ao nível de retorno esperado. 6

7 Ciclo de Vida Como definir o nível de retorno esperado? A métrica utilizada para definir o retorno esperado foi o nível de salário atingido pelo Participante ao entrar em benefício. Para isso, foi definido um Participante padrão, com as características descritas a seguir: PARTICIPANTE PADRÃO Idade: 30 ANOS Idade de Aposentadoria: 60 ANOS Contribuição Participante: 3,80% Contribuição Patrocinadora: 7,60% Crescimento real salarial: 2,00% AO ANO Número de Contribuições/Ano: 12 Número de Benefícios/Ano: 13 Após esta definição, foram realizadas inúmeras simulações, com o objetivo de encontrar Carteiras que conseguissem gerar retorno suficiente nos primeiros anos, para compensar a queda de rentabilidade no período de gozo de benefícios (uma vez que uma carteira menos volátil foi definida para esta população). O objetivo era encontrar Carteiras que mantivessem uma expectativa de benefício de 60% do último salário. 7

8 SIMULAÇÕES 20 ou mais anos p/ Aposentadoria De 10 a 20 anos p/ Aposentadoria 10 anos para Aposentadoria Aposentado Simulação 1 4,28% 4,28% 4,28% 4,28% Simulação 2 6,00% 5,50% 5,00% 4,28% Simulação 3 6,50% 6,00% 5,50% 4,28% Simulação 4 7,00% 6,50% 6,00% 4,28% Simulação 5 7,50% 7,00% 6,50% 4,28% Simulação 6 8,42% 6,52% 5,68% 4,28% RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES % do último salário (Benefício de 30 anos) Tempo de duração do saldo, considerando benefício de 60% Simulação 1 29% 9 anos Simulação 2 34% 12 anos Simulação 3 37% 13 anos Simulação 4 40% 15 anos Simulação 5 43% 17 anos Simulação 6 40% 15 anos As simulações demonstraram que o nível de retorno das Carteiras ao longo do Ciclo de Vida influencia diretamente o nível de benefício desejado pelo Participante do Plano. Observe, por exemplo, a Simulação 1, que contempla (em sua grande maioria) investimentos em Renda Fixa de curto prazo e Crédito Privado durante o período de acumulação e benefício. Observou-se também que o principal fator para mudança no nível de retorno é a exposição em Renda Fixa de longo prazo, que podemos entender como os ativos que utilizam como referência os índices da família IMA da ANBIMA, e especialmente a exposição em Renda Variável. 8

9 Ciclo de Vida Torna-se praticamente impossível obter os 60% desejados, contando apenas com o retorno proveniente da carteira de investimentos. Este patamar só pode ser atingido com aumento de contribuição, ou seja, através de um aporte voluntário do participante. Constatada esta restrição, as simulações começaram a ser analisadas a partir de uma métrica de orçamento de risco e da relação risco/retorno em função da idade. Como podemos analisar, a Simulação 4 atinge um retorno de 40% do último salário, mas com uma carteira com risco elevado, para Participantes próximos da Aposentadoria e incluídos no Perfil 10 anos para a Aposentadoria. Para este nível de retorno, projeta-se uma exposição de 60% de ativos com alto VaR (que é uma medida estatística, usada para estimar a perda esperada), divididos entre Renda Fixa e Renda Variável, o que não condiz com a idade destes Participantes. Sendo assim, foram realizadas simulações que apresentassem reduções consideráveis no risco, de acordo com a migração do Perfil, condizente com a estratégia do Ciclo de Vida. A simulação que melhor se enquadrou a esta dinâmica populacional e à necessidade de redução de risco com o passar dos anos, foi a de número 6. Nesta condição, a redução do risco está proporcionalmente equivalente à queda no retorno e próxima à média apresentada pelos Planos de Previdência, nos anos que antecedem a Aposentadoria. 9

10 Composição das Carteiras Ao escolher a simulação 6, é possível analisar o comportamento do saldo do Participante padrão e, com isso, estimar eventual contribuição adicional (ou joia) Saldo O Ciclo de Vida para este Participante apresentou a seguinte evolução de carteira, com investimento em diversas estratégias, definidas através de mandatos específicos: 100% 80% 60% 40% 20% 0% Alocação Idade Renda Fixa Curto Prazo Renda Fixa Longo Prazo Investimentos no Exterior Risco Moderado Renda Variável Alto Risco 10

11 Ciclo de Vida RENDA FIXA CURTO PRAZO Representa os investimentos em Fundos de Renda Fixa, com objetivo de rentabilidade atrelado ao CDI ou Selic, predominantemente compostos por Títulos Públicos. Pode contar, também, com títulos privados emitidos por instituições financeiras e não financeiras. RENDA FIXA LONGO PRAZO Representa os investimentos em ativos indexados à inflação ou pré-fixados, predominantemente compostos por Títulos Públicos, com prazos de vencimento mais longos. Pode contar, também, com títulos privados emitidos por instituições financeiras e não financeiras. Em geral, esses ativos possuem maior oscilação (volatilidade) do que os ativos de curto prazo, tendo por isso uma expectativa de retorno maior. RENDA VARIÁVEL ATIVA Esse mandato engloba os investimentos em ativos de Renda Variável, ações na bolsa de valores de São Paulo, com menor correlação com os índices tradicionais do mercado, e que buscam atingir retornos diferenciados no longo prazo. INVESTIMENTO NO EXTERIOR Esse mandato engloba os investimentos em ativos de Renda Variável com menor correlação com os índices tradicionais do mercado, e que buscam atingir retornos diferenciados no longo prazo. Por ser um investimento fora do país, da acesso a empresas multinacionais de grande porte e que tenham pouca ou nenhuma representatividade na bolsa brasileira. Exemplos são do setor de IT com ações como Google e Apple e ações do setor de Life Science como as ações Bayer AG. O mandato multimercado é uma alternativa para os mandatos de crédito e investimento no exterior, tornando-se uma importante ferramenta para alocação tática. A Previbayer pode alocar neste segmento sem no entanto, aumentar o risco total das carteiras. 11

12 Definição dos Perfis Após a construção das carteiras, definiu-se a estratégia de cada um dos perfis de investimento em termos de objetivo. PERFIL 20 ANOS OU MAIS para a aposentadoria Este perfil destina-se a Participantes que possuem até 40 anos e é composto em sua maioria por ativos de Renda Fixa com foco no longo prazo, possui também exposição em ativos de renda variável e investimentos no exterior, estes últimos somados representam cerca de 40% do portfólio. PERFIL DE 10 A 20 ANOS para a aposentadoria Este perfil destina-se a Participantes que possuem de 40 a 50 anos e é composto em sua maioria por ativos de Renda Fixa, divididos entre a estratégia de curto e longo prazo, possui também exposição em ativos de renda variável e investimentos no exterior, estes últimos somados representam cerca de 30% do portfólio. PERFIL DE 0 A 10 ANOS para a aposentadoria Este perfil destina-se a Participantes que possuem de 50 a 60 anos e é composto em sua maioria por ativos de Renda Fixa com foco no curto prazo, possui também exposição em ativos de renda variável e investimentos no exterior, estes últimos somados representam cerca de 20% do portfólio. PERFIL APOSENTADO Este perfil destina-se a Participantes com mais de 60 anos é composto exclusivamente por ativos de Renda Fixa, sendo a maior parte alocado em ativos de curto prazo, indexados à taxa de juros pós-fixada. Além da dinâmica, adotada no Perfil Ciclo de Vida. 12

13 Ciclo de Vida Relação Risco x Retorno Quanto mais tempo o Participante tem até a Aposentadoria, mais ele pode buscar retorno para seus investimentos: a rentabilidade vai crescendo, e o risco também. 100% REDUÇÃO GRADUAL DO RISCO Renda Fixa Curto Prazo Renda Fixa Longo Prazo Investimentos no Exterior Risco Moderado 0% 20 ou mais anos 0 a 10 anos Renda Variável Alto Risco 10 a 20 anos Aposentado O Ciclo de Vida respeita a regra de que a pessoa deva seguir uma diminuição paulatina de risco conforme vai envelhecendo. 13

14 Prazos para escolha O período de escolha dos Perfis será feito anualmente, no mês de março. Excepcionalmente, por ocasião do lançamento do Programa Ciclo de Vida, em 2016 esta opção foi prorrogada para maio, com efetivação no mês de junho. 14

15 15 Ciclo de Vida

16 Estamos sempre à sua disposição. Compartilhe conosco suas dúvidas e comentários. Queremos ouvi-lo! Site: Tel. (11) ou INFORMAR INSTRUIR ORIENTAR

Fluxo de Recebimentos de Juros e Vencimentos

Fluxo de Recebimentos de Juros e Vencimentos PERFIL SUPER CONSERVADOR - 31/07/2017 2017 375.828,68 0,00 335.766.543,74 336.142.372,42 2018 901.988,83 0,00 49.752.876,09 50.654.864,92 2019 901.988,83 0,00 8.289.486,51 9.191.475,33 2020 901.988,83

Leia mais

PLANO PORTOPREV II MATERIAL EXPLICATIVO

PLANO PORTOPREV II MATERIAL EXPLICATIVO Perfis de Investimento Diversificados PLANO PORTOPREV II MATERIAL EXPLICATIVO quem está seguro, tem futuro. Perfis de Investimento Diversificados www.portoprev.org.br Introdução Este Material Explicativo

Leia mais

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Agosto de 2016

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Agosto de 2016 Relatório de Análise dos Investimentos da OABPREV SP Agosto de 2016 1. Introdução O presente Relatório de Análise dos Investimentos visa fornecer algumas análises quantitativas do mercado (indicadores

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA SOCIAL DE ALVINÓPOLIS

INSTITUTO DE PREVIDENCIA SOCIAL DE ALVINÓPOLIS INSTITUTO DE PREVIDENCIA SOCIAL DE ALVINÓPOLIS MÊS REFERENCIA: OUTUBRO 2014 VISAO GERAL GRAFICO RENTABILIDADE CAPITAL PROTEGIDO ENQUADRAMENTO COMENTÁRIO RATING BALANCEAMENTO POLITICA INVESTIMENTO DAIR

Leia mais

ENTENDA OS REFLEXOS DA TAXA DE JUROS E DA LEGISLAÇÃO SOBRE O PLANO DE BENEFÍCIOS. anos

ENTENDA OS REFLEXOS DA TAXA DE JUROS E DA LEGISLAÇÃO SOBRE O PLANO DE BENEFÍCIOS. anos ENTENDA OS REFLEXOS DA TAXA DE JUROS E DA LEGISLAÇÃO SOBRE O PLANO DE BENEFÍCIOS anos APRESENTAÇÃO NOVAS REGRAS CNPC 09 Esta cartilha tem como objetivo esclarecer, aos Participantes, os efeitos no Plano

Leia mais

Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Apresentação do cenário e etapas do processo. São Paulo, Março de 2014

Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Apresentação do cenário e etapas do processo. São Paulo, Março de 2014 Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Apresentação do cenário e etapas do processo São Paulo, Março de 2014 Agenda 1. Programa de Previdência Privada Complementar LANXESS Estrutura atual do Programa

Leia mais

DUAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES

DUAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES Você está trabalhando, construindo sua vida e de sua família. Tudo vai bem. Mas... Você já começou a pensar na sua aposentadoria? Quando se aposentar, você receberá o benefício do INSS, mas ele será suficiente?

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária 03 INVESTIMENTOS

Educação Financeira e Previdenciária 03 INVESTIMENTOS Educação Financeira e Previdenciária 03 INVESTIMENTOS Novembro de 2015 Educação Financeira e Previdenciária Saiba o que considerar HORA DE INVESTIR? Além de poupar para a realização dos seus sonhos, sejam

Leia mais

ALTERAÇÃO DE PERFIL E % DE CONTRIBUIÇÃO Dezembro/2015

ALTERAÇÃO DE PERFIL E % DE CONTRIBUIÇÃO Dezembro/2015 ALTERAÇÃO DE PERFIL E % DE CONTRIBUIÇÃO Dezembro/2015 PORQUE TER UM PLANO DE APOSENTADORIA PRIVADA? TETO ATUAL DO INSS ATUALIZADO SOMENTE PELO INPC: R$ 4.663,00 INDEPENDENTE DO SEU SALÁRIO NA ATIVA, O

Leia mais

Alocação Estratégica em Planos CD Benchmark de Longo Prazo

Alocação Estratégica em Planos CD Benchmark de Longo Prazo Alocação Estratégica em Planos CD Benchmark de Longo Prazo Funpresp Seminário Perfis de Investimentos Novembro, 2016 Arthur Lencastre 2016 Willis Towers Watson. Todos os direitos reservados. Que fatores

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento OBJETIVO O presente documento apresenta como principal objetivo a defi nição de uma estrutura de Perfis de Investimento para os Participantes do Plano de Aposentadoria PREVIPLAN.

Leia mais

Relatório. Anual. Resumo 2015

Relatório. Anual. Resumo 2015 Relatório Anual Resumo 2015 2 Mensagem da Diretoria O ano de 2015 foi marcado por um cenário volátil e conturbado com inflação alta, PIB negativo, escândalos políticos, rebaixamento de grau de investimento

Leia mais

a) Pré Fixado: quando a taxa de remuneração do ativo fica definida no início da operação e o valor de resgate já é conhecido.

a) Pré Fixado: quando a taxa de remuneração do ativo fica definida no início da operação e o valor de resgate já é conhecido. Outubro de 2016 TÍTULOS PRÉ Na nossa carta do mês passado salientamos a importância do ajuste fiscal na engrenagem macroeconômica, criando condições para a queda das taxas de juros e consequente crescimento

Leia mais

Classificação ANBIMA

Classificação ANBIMA Classificação ANBIMA A fim de facilitar a categorização e a identificação dos fundos conforme seus principais fatores de risco e estratégias, a classificação está baseada em 3 (três) níveis, que devem

Leia mais

Resumo das Políticas de Investimentos

Resumo das Políticas de Investimentos Plano Promon MultiFlex O Conselho Deliberativo da Fundação Promon, em reunião ocorrida em 14 de dezembro de 2016, aprovou a revisão da Política de Investimentos do plano MultiFlex, válida para o período

Leia mais

Palestras semestrais. Dez/2016. João Carlos Ferreira

Palestras semestrais. Dez/2016. João Carlos Ferreira Palestras semestrais Dez/2016 João Carlos Ferreira O que vamos abordar Elegibilidade aos benefícios e institutos. Quando terei acesso ao meu plano de previdência? Contribuição voluntária. Como obter o

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira.

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 11/2015 O Comitê

Leia mais

perfis de investimento MATERIAL EXPLICATIVO

perfis de investimento MATERIAL EXPLICATIVO perfis de investimento MATERIAL EXPLICATIVO INTRODUÇÃO Este material explicativo vai apresentar a você uma grande novidade que a Fundação Itaúsa Industrial criou para os participantes do Plano PAI: os

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução...4 Sobre o Plano Previplan...5 Adesão...5 Benefícios do Plano...6 Entenda o Plano...7 Rentabilidade...8 Veja como funciona a Tributação...9

Leia mais

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015 Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras Sávio Borba Maio 2015 Gestão Ativa/Passiva Gestão de recursos em um maneira geral, consiste na otimização da alocação dos recursos em ativos que

Leia mais

Perfis de Investimento Ciclo de Vida baseado em Target Date Funds

Perfis de Investimento Ciclo de Vida baseado em Target Date Funds Perfis de Investimento Ciclo de Vida baseado em Target Date Funds Seminário Funpresp Fabio Alvarez Brasília, 10 de novembro de 2016 2 PLANO ODEPREV Perfis de Investimento baseados em Datas-Alvo Desde Abr/14

Leia mais

Etapa 1. Etapa 2. Etapa 3. Etapa 4

Etapa 1. Etapa 2. Etapa 3. Etapa 4 São Paulo, 02 de janeiro de 2015 PREZADO (A) PARTICIPANTE DO PLANO III, Conforme já divulgado na Edição nº 10 Dezembro/2014 do nosso Jornal e no site, o Plano III da BRF Previdência passará por mudanças

Leia mais

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Gestão Visão Prev Bradesco Custódia e Administração VP Finanças Telefonica-Vivo Conselho Deliberativo Comitê Investimentos Conselho Fiscal Diretoria Executiva

Leia mais

a redução vai afetar o seu plano

a redução vai afetar o seu plano Como a redução da taxa de juros da meta atuarial vai afetar o seu plano Novos tempos O crescimento econômico vivido pelo Brasil nos últimos anos levou o país a reduzir as suas taxas de juros. Essa tendência

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL DE INVESTIMENTOS MAIO/2017 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

INFORMATIVO MENSAL DE INVESTIMENTOS MAIO/2017 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS OBJETIVO Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar Plano CV Prevdata Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar A entidade Nossos números Patrimônio de R$ 1,1 bilhão (dez/2016) 2 planos de benefícios e plano de gestão administrativa 36

Leia mais

Linha do Tempo Previdenciária Secretaria do Ministério da Fazenda

Linha do Tempo Previdenciária Secretaria do Ministério da Fazenda Contextualizando Linha do Tempo Previdenciária 2016 Secretaria do Ministério da Fazenda Taxa de juros Rentabilidade dos Fundos de Pensão entre 1995 e 2012, em dezoito anos, apenas cinco apresentaram rentabilidades

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI RF LP PRECOS / Informações referentes a Fevereiro de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI RF LP PRECOS / Informações referentes a Fevereiro de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV

REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV 1) Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF:

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Janeiro de 2017 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II)

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II) ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II)! Como calcular o retorno usando dados históricos?! Como calcular a variância e o desvio padrão?! A análise do retorno através da projeção de retornos

Leia mais

relatório mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII

relatório mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII relatório mensal Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII AGOSTO 2013 Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário - FII O fundo Imobiliário I FII iniciou suas atividades em 4 de agosto

Leia mais

Opção de contribuição e perfil de investimento. Maio/2016

Opção de contribuição e perfil de investimento. Maio/2016 Opção de contribuição e perfil de investimento Maio/2016 Introdução As contribuições mensais feitas para os Planos HP e Agilent administrados pela HP Prev são investidas de acordo com o perfil de investimento

Leia mais

Investimentos na Duprev

Investimentos na Duprev Investimentos na Duprev Plano de Aposentadoria Duprev CD Contribuições Participantes + = aposentadoria Contribuições da empresa Saldo para Patrimônio Investido Perfis de Investimento Alternativas de aplicação

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Somos únicos. A previdência é um investimento

Somos únicos. A previdência é um investimento Somos únicos Ninguém é igual a ninguém. Por mais que existam algumas semelhanças entre um grupo de pessoas, sempre seremos diferentes uns dos outros, seja pelos anseios, sonhos, habilidades e objetivos

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Introdução - Entenda o Conceito da Previdência Complementar PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - Você precisa O que é Previdência complementar pode ser definida como o patrimônio que irá garantir uma vida digna

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Educação Financeira e Previdenciária EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Educação Financeira e Previdenciária 02 Outubro de 2015 EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Educação Financeira e Previdenciária Seu futuro Por que planejar a aposentadoria? O tempo passa depressa e é preciso pensar

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCO BELVEDERE ADMINISTRAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCO BELVEDERE ADMINISTRAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCO BELVEDERE ADMINISTRAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. MAIO 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCOS 1. Objetivo O objetivo da política de investimentos

Leia mais

VENHA PARA A SP-PREVCOM. A melhor parceira do seu futuro. 1 Indicado para os servidores do CENTRO PAULA SOUZA

VENHA PARA A SP-PREVCOM. A melhor parceira do seu futuro. 1 Indicado para os servidores do CENTRO PAULA SOUZA VENHA PARA A SP-PREVCOM A melhor parceira do seu futuro 1 Indicado para os servidores do CENTRO PAULA SOUZA Prezado Colaborador, Como representante no Conselho Deliberativo da SP-PREVCOM, venho incentivar

Leia mais

BOLETIM. Fundos de Investimento. Recuo dos juros favorece aplicações em renda fixa. Destaque do Mês. Indústria de Fundos em Números - Abr/12

BOLETIM. Fundos de Investimento. Recuo dos juros favorece aplicações em renda fixa. Destaque do Mês. Indústria de Fundos em Números - Abr/12 Fundos de Investimento BOLETIM Ano VII Nº 73 Maio/2012 Recuo dos juros favorece aplicações em renda fixa Indústria de Fundos em Números - Abr/12 MERCADO DOMÉSTICO R$ 2.032,4 bi de PL 0,3% Variação % do

Leia mais

PDI. Vou aderir ao PDI.

PDI. Vou aderir ao PDI. Vou aderir ao PDI. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego, na doença,

Leia mais

Asset Allocation em Renda Fixa

Asset Allocation em Renda Fixa Asset Allocation em Renda Fixa TAXAS DE MERCADO Dez/2005 Jul/2008 Dez/2008 Dez/2012 Jun/2013 Cupom NTN-B 9,05% (2045) 6,85% (2045) 7,39% (2045) 3,94% (2045) 5,44% (2045) NTN-F 15,61% (2012) 13,74% (2017)

Leia mais

Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS.

Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS. Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS. IPSETUR Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Turmalina - MG. RELATÓRIO TRIMESTRAL SITE: www.investorbrasil.com

Leia mais

INVESTIMENTOS DE EFPCS. Fortaleza, 29/11/2013 Lauro Araujo

INVESTIMENTOS DE EFPCS. Fortaleza, 29/11/2013 Lauro Araujo 1 INVESTIMENTOS DE EFPCS Fortaleza, 29/11/2013 Lauro Araujo 2 Risco e Retorno Probabilidade de ocorrência. O que você prefere? 1. Qualquer número que sair, ganho de R$100,00 (quem quer dinheiro?); 2. Números

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Base de Dados do Varejo. Abaixo são listadas as principais dúvidas e respostas referentes ao preenchimento do formulário:

PERGUNTAS E RESPOSTAS Base de Dados do Varejo. Abaixo são listadas as principais dúvidas e respostas referentes ao preenchimento do formulário: PERGUNTAS E RESPOSTAS Base de Dados do Varejo Abaixo são listadas as principais dúvidas e respostas referentes ao preenchimento do formulário: Dúvidas Gerais 1. Quem é obrigado enviar o formulário? São

Leia mais

Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015

Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015 Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015 2 Introdução Consideramos que o ambiente econômico vigente e as perspectivas futuras são bastante desafiadoras para a gestão dos recursos financeiros.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI RF LP PRECOS / Informações referentes a Março de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI RF LP PRECOS / Informações referentes a Março de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Demonstração do Simulador de Saldo e Benefícios

Demonstração do Simulador de Saldo e Benefícios Demonstração do Simulador de Saldo e Benefícios Disponível na área do participante www.prhosper.com.br área do participante acesso com logine senha Bem vindo(a) ao novo simulador PRhosper! O seu futuro

Leia mais

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%)

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%) Carteira: CARTEIRA MODELO - AGRESSIVA Patrimônio: R$300.000,00 Índice de comparação: Extrato Carteira CDI Data Início: 30/08/2013 (melhor data) Data Referência: 28/09/2016 SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO Rodrigo Leandro de Moura 1 MAIO DE 2014 1940.07 1943.01 1945.07 1948.01 1950.07 1953.01 1955.07 1958.01 1960.07 1963.01 1965.07 1968.01

Leia mais

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%)

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%) Carteira: CARTEIRA MODELO - MODERADA Patrimônio: R$300.000,00 Índice de comparação: Extrato Carteira CDI Data Início: 31/10/2013 (melhor data) Data Referência: 11/11/2016 SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR

Leia mais

Janeiro/2016 RADAR F8A INFLAÇÃO ACUMULADA É A MAIOR DESDE NOVEMBRO DE 2003

Janeiro/2016 RADAR F8A INFLAÇÃO ACUMULADA É A MAIOR DESDE NOVEMBRO DE 2003 Janeiro/2016 RADAR F8A INFLAÇÃO ACUMULADA É A MAIOR DESDE NOVEMBRO DE 2003 2 Introdução Com a divulgação do IPCA de janeiro, a inflação acumulada nos últimos 12 meses (10,71%) é a maior desde novembro/2003

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2016 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2016, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE NANUQUE Fevereiro/2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO MENSAL Em atendimento a Resolução CMN 3.922/10 de acordo com os artigos: Art. 4º. Os responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2016 RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2 MENSAGEM DA DIRETORIA Há quem diga que 2016 ficará para a história. De fato, foi um ano marcado por reviravoltas nos âmbitos político e econômico no cenário nacional e internacional.

Leia mais

Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA. Certificação Dados obtidos até: Relatório Gerado em:

Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA. Certificação Dados obtidos até: Relatório Gerado em: Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA Certificação Dados obtidos até: 30.06.2016 Relatório Gerado em: 13.07.2016 Números consolidados dos Exames de Certificação ANBIMA CPA-10 CPA-20 CGA* CEA Total Inscrições

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015?

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? 13/11/2014 Relatório Mensal-Novembro Rua Laplace 74, conj. 51 São Paulo - SP CEP: 04622-000 Tel.: 11-4305-03-29 E-mail: comercial@fmdassset.com.br R E L A

Leia mais

Visão Mais Perto Visão Prev

Visão Mais Perto Visão Prev Visão Mais Perto 2015 Visão Prev 2016 Perfil de Investimentos Estrutura Gestão Visão Prev Entendendo Conceitos Renda Fixa Os investimentos em renda fixa podem ser feitos em títulos públicos ou títulos

Leia mais

Plano Futuro Inteligente é transferido para a Fundação Itaú Unibanco

Plano Futuro Inteligente é transferido para a Fundação Itaú Unibanco w w w. u b b p r e v. c o m. b r Informativo bimestral da UBB PREV Previdência Complementar julho/agosto2012 ano4 nº20 Plano Futuro Inteligente é transferido para a Fundação Itaú Unibanco Aprovada pela

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, Bairro Jardim (11) Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13)

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, Bairro Jardim (11) Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) EM TEMPOS DE CRISE, APRENDA A INVESTIR SEU DINHEIRO APRESENTAÇÃO: A inflação oficial do país, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), encerrou o ano passado com alta de 10,67%. Desde 2002,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FI MM LP CP NANKING INSTITUC / Informações referentes a Março de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FI MM LP CP NANKING INSTITUC / Informações referentes a Março de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CREDITO PRIVADO IONAL. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no

Leia mais

Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA. Certificação Dados obtidos até: Relatório Gerado em:

Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA. Certificação Dados obtidos até: Relatório Gerado em: Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA Certificação Dados obtidos até: 31.12.2016 Relatório Gerado em: 13.01.2017 Números consolidados dos Exames de Certificação ANBIMA CPA-10 CPA-20 CGA** CEA Total Inscrições

Leia mais

Marcelo Rabbat e Fernando Lovisotto

Marcelo Rabbat e Fernando Lovisotto Marcelo Rabbat e Fernando Lovisotto Desafios dos planos CDs num cenário de juros declinantes e alocação eficiente pelo gestor. Marcelo Rabbat e Fernando Lovisotto Desafios dos planos CDs O cumprimento

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS - 5 CUIDADOS QUE O INVESTIDOR DEVE TER

FUNDOS DE INVESTIMENTOS - 5 CUIDADOS QUE O INVESTIDOR DEVE TER FUNDOS DE INVESTIMENTOS - 5 CUIDADOS QUE O INVESTIDOR DEVE TER Antes, é importante considerar se terá capacidade de fazer a gestão por conta própria ou se seria mais adequado contratar um gestor especialista,

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais Sobre o QUEST ACOES FIC FI ACOES

Lâmina de Informações Essenciais Sobre o QUEST ACOES FIC FI ACOES Lâmina de Informações Essenciais Sobre o QUEST ACOES FIC FI ACOES Informações referentes a Dezembro de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o QUEST AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

APOSENTADORIA PROGRAMADA SERPROS ESCLARECE

APOSENTADORIA PROGRAMADA SERPROS ESCLARECE APOSENTADORIA PROGRAMADA SERPROS ESCLARECE APRESENTAÇÃO A previdência complementar tem como objetivo proporcionar ao empregado aposentado um padrão de vida próximo ao da sua fase laborativa. Os participantes

Leia mais

Towers Watson Perspectivas

Towers Watson Perspectivas Towers Watson Perspectivas O cenário da previdência complementar no Brasil hoje e na próxima década Por Felinto Sernache Inserida num ambiente com alto grau de regulação e com mais de três décadas de funcionamento,

Leia mais

Folheto explicativo PLANO A

Folheto explicativo PLANO A Folheto explicativo PLANO A Como está o seu planejamento para a aposentadoria? Você já parou para pensar que a vida está passando rápido demais? A gente sabe que ao longo dos anos muitas prioridades surgem

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria

PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria 2016 DUPREV Entidade Fechada da Previdência Complementar Sociedade Civil sem fins lucrativos independente da DuPont Regulada

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundos de Investimento BALANÇO ANUAL 10/01/2012 1. Evolução do Patrimônio Líquido A Indústria de Fundos registra R$ 1,9 tri de PL sob gestão, o que representa US$ 1,0 trilhão. O PL da indústria apresentou

Leia mais

Plantão de Dúvidas Campanha de Migração dos Perfis 2016

Plantão de Dúvidas Campanha de Migração dos Perfis 2016 Plantão de Dúvidas Campanha de Migração dos Perfis 2016 Fundação Itaú Unibanco Outubro 2016 Agenda I - CENÁRIO ECONÔMICO II - CARTEIRA E PERFORMANCE DOS PERFIS III - ESPECIAL: AJUSTES NOS PERFIS Cenário

Leia mais

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa ANBIMA - Seminário Conta de Liquidação e Compromissada Intradia Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa Paulo Fontoura Valle Subsecretário da Dívida Pública Secretaria do Tesouro Nacional

Leia mais

Nova Classificação de Fundos. Novembro/15

Nova Classificação de Fundos. Novembro/15 Nova Classificação de Fundos Novembro/15 Classificação ANBIMA de Fundos Para que serve? Facilitar o processo de decisão de investimento Contribuir para aumentar a transparência no mercado Permitir uma

Leia mais

93,60% Renda Variável ,09. 5,02% Investimento Imobiliário ,56. 0,00% Empréstimos e Financiamentos 0,00

93,60% Renda Variável ,09. 5,02% Investimento Imobiliário ,56. 0,00% Empréstimos e Financiamentos 0,00 Resumo do DI - VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREV COMPLEMENTAR Demonstrativo de Investimentos - DI Ano de 2015 (Posição dos Investimentos: 31/12/2015) Com objetivo de atender a legislação vigente, informamos

Leia mais

Folheto explicativo PLANO D

Folheto explicativo PLANO D Folheto explicativo PLANO D Como está o seu planejamento para a aposentadoria? Plano D Previ Novartis Veja algumas vantagens do plano: 1 2 Flexibilidade para planejar o seu futuro; Contrapartida da empresa

Leia mais

Regime de trabalho FAPI

Regime de trabalho FAPI Regime de trabalho Pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) Pelos Estatutos dos Servidores Públicos Civis INSS Previdência Complementar de natureza privada Institutos de Previdência (RPPS) Entidade

Leia mais

Na aba "Dados do Participante", o saldo acumulado está posicionado no último dia do mês anterior ao da simulação.

Na aba Dados do Participante, o saldo acumulado está posicionado no último dia do mês anterior ao da simulação. O simulador de renda do Plano Petros-2 foi criado com o objetivo de ajudar o Participante a projetar o valor de sua renda de aposentadoria, respeitando as regras previstas no Regulamento do Plano. Esse

Leia mais

ANÁLISE DA RENTABILIDADE E DA PERFORMANCE DOS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA DA CATEGORIA ANBIMA - PREVIDÊNCIA AÇÕES 1

ANÁLISE DA RENTABILIDADE E DA PERFORMANCE DOS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA DA CATEGORIA ANBIMA - PREVIDÊNCIA AÇÕES 1 ANÁLISE DA RENTABILIDADE E DA PERFORMANCE DOS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA DA CATEGORIA ANBIMA - PREVIDÊNCIA AÇÕES 1 Anderson Felipe Cezar Coracini 2, Daniel Knebel Baggio 3, Vanessa Leal De Souza 4. 1 Resultados

Leia mais

SF2 Investimentos. Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

SF2 Investimentos. Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez SF2 Investimentos Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Dezembro 2015 1. OBJETIVOS Estabelecer e formalizar as diretrizes dos processos utilizados para o gerenciamento de liquidez de fundos de investimento

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 7,2 bilhões Saldo: R$ 500,8 bilhões Financiamentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO MULTIPREV CARTEIRA 14 FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO MULTIPREV CARTEIRA 14 FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: MULTIPREV CARTEIRA 14 FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA MT IPREAF

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA MT IPREAF REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA MT IPREAF 29 janeiro, 2016 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 RESUMO DO REGULAMENTO DOS INVESTIMENTOS... 3 3 MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA DOS INVESTIMENTOS...

Leia mais

Uma Reforma Previdenciária Abrangente

Uma Reforma Previdenciária Abrangente Uma Reforma Previdenciária Abrangente Eqüidade x Redistribuição Se a Previdência Social for entendida como Seguro Compulsório visando garantir renda ao indivíduo ou grupo familiar quando da perda da capacidade

Leia mais

Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper

Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua Centro de Políticas Públicas do Insper Dezembro de 2016 Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Outubro/2016 1. Objetivo Esta Política de Gestão de Riscos foi elaborada de acordo com as políticas internas da MAGNETIS GESTORA DE RECURSOS LTDA. ( Gestora ), inclusive o Código

Leia mais

PREVIDÊNCIA. previd. Guia para Escolha do Perfil de Investimento. do Plano de Contribuição Definida

PREVIDÊNCIA. previd. Guia para Escolha do Perfil de Investimento. do Plano de Contribuição Definida futuro PREVIDÊNCIA Guia para Escolha do Perfil de Investimento do Plano de Contribuição Definida previd uia Caro participante Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos,

Leia mais

SEMINARIO INVESTIDOR INSTITUCIONAL

SEMINARIO INVESTIDOR INSTITUCIONAL SEMINARIO INVESTIDOR INSTITUCIONAL 25jun2013 1 Diretoria de Investimentos e Patrimônio INVESTIDOR INSTITUCIONAL 1.AS CIRCUNSTÂNCIAS ECONÔMICAS 2.TREINO É TREINO, JOGO É JOGO 3. OS PREÇOS DOS ATIVOS FINANCEIROS

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2010 As perspectivas do crédito à produção na construção civil e impactos no custo de funding dos empreendimentos Roberto Sampaio

Leia mais

2º Semestre de

2º Semestre de 1 2 2º Semestre de 2010 Informações sobre a nova estrutura do Plano de Benefícios PreviSenac 3 Introdução: Este folheto é destinado aos participantes do Plano de Benefícios PreviSenac que, até a data da

Leia mais

Novo cenário, maiores benefícios

Novo cenário, maiores benefícios Manual de Aderentes Novo cenário, maiores benefícios A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) aprovou a implantação do Plano de Benefícios Previdenciários PrevAmazônia (CNPB nº.

Leia mais

INVESTIMENTO PARA INICIANTES: COMO COMEÇAR COM SEGURANÇA E RENTABILIDADE

INVESTIMENTO PARA INICIANTES: COMO COMEÇAR COM SEGURANÇA E RENTABILIDADE INVESTIMENTO PARA INICIANTES: COMO COMEÇAR COM SEGURANÇA E RENTABILIDADE Introdução...3 Como saber a hora certa para investir...6 Investir em tempos de crise...11 5 tipos de investimentos para iniciantes...14

Leia mais

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII Abril 2015 BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo BB Recebíveis Imobiliários FII iniciou

Leia mais

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita!

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! Previdência Saúde Vou aderir ao PDVA. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego,

Leia mais

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório.

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório. 1 O PLEBISCITO 1.1 Para que serve este Plebiscito? Consultar a opinião dos Participantes sobre as alternativas de solução para os planos de benefícios da FUNCEF, com saldamento do REG/REPLAN e implementação

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais