ADAPTANDO-SE À NOVA REALIDADE: A MULHER GRÁVIDA E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADAPTANDO-SE À NOVA REALIDADE: A MULHER GRÁVIDA E"

Transcrição

1 Adaptando-se à gravidez e à sexualidade Artigo de Pesquisa ADAPTANDO-SE À NOVA REALIDADE: A MULHER GRÁVIDA E O EXERCÍCIO DE SUA SEXUALIDADE ADAPTING TO THE NEW REALITY: THE PREGNANT WOMAN AND THE EXERCISE OF HER SEXUALITY ADAPTÁNDOSE A LA NUEVA REALIDAD: LA MUJER EMBARAZADA Y EL EJERCICIO DE SU SEXUALIDAD Karla Gonçalves Camacho I Octavio Muniz da Costa Vargens II Jane Márcia Progianti III RESUMO: Trata-se de estudo cujo objetivo foi descrever como a mulher exerce a sexualidade na gravidez. Consiste em pesquisa qualitativa baseada nos pressupostos teórico-metodológicos do Interacionismo Simbólico e Grounded Theory. Coletaram-se dados em 2005, através de entrevistas semiestruturadas, com 12 gestantes, assistidas no prénatal de um Centro Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Atendendo ao preconizado pelo método, a coleta e análise de dados se deram simultaneamente de modo comparativo constante. Os resultados evidenciaram que, embora o desejo sexual estivesse presente durante a gravidez, o exercício da sexualidade é influenciado pelo relacionamento conjugal e depende do adaptar-se à nova realidade: estar grávida. Conclui-se que a gestante, ao experimentar transformações físicas e emocionais, procura escolher melhores maneiras de vivenciar esse período, tendo como fundamento a decisão e ação social de buscar caminhos para adaptar-se. Nessa busca pode influenciar o comportamento do parceiro de modo que a vida sexual seja mais prazerosa. Palavras-Chave: Gravidez; saúde da mulher; sexualidade; enfermagem obstétrica. ABSTRACT: This paper aims at describing the woman s exercise of her sexuality during pregnancy. It is a qualitative piece of research based on Symbolic Interactionism and Grounded Theory. Data were collected in 2005, through semi-structured interviews with 12 pregnant women receiving prenatal assistance at a Municipal Health Center in Rio de Janeiro, Brazil. According to methodological procedures, data collection and analysis were simultaneous, on a comparative constant basis. Results evidenced that, although sexual desire was present during the pregnancy, the exercise of sexuality is influenced by their marital relationship and it depends on adapting to the new reality: being pregnant. Conclusions show that when experiencing the physical and emotional changes of pregnancy, pregnant women look up better ways to go through that stage, making a point about social action to find ways to adapt. In that search they can influence the partner s behavior in such a way that sexual life becomes more pleasant. Keywords: Pregnancy; women s health; sexuality; obstetrical nursing. RESUMEN: El objetivo fué describir como la mujer ejerce la sexualidad durante el embarazo. Es una investigación cualitativa basada en el Interaccionismo Simbólico y en la Grounded Theory. Los datos fueron colectados en 2005, a través de entrevistas semiestructuradas, con 12 embarazadas, asistidas durante el prenatal en un Centro Municipal de Salud de Río de Janeiro, Brasil. La colección y análisis de los datos fueran simultáneas y hechas de manera comparativa constante. Los resultados evidenciaron que, aunque el deseo sexual estuviera presente durante el embarazo, el ejercicio de la sexualidad es influenciado por la relación matrimonial y depende de adaptarse a la nueva realidad: estar embarazada. Se concluye que la mujer embarazada, al experimentar los cambios físicos y emocionales del embarazo, busca mejores maneras de vivir ese período, teniendo como fundamentación la decisión y la acción social de buscar maneras de adaptarse. En esa búsqueda ella puede influir en el comportamiento del compañero para que la vida sexual se ponga más agradable. Palabras Clave: Embarazo; salud de la mujer; sexualidad; enfermería obstétrica. INTRODUÇÃO Este artigo aborda o tema sexualidade na gestação. Quando se fala em sexualidade, enfatiza-se uma abordagem sistêmica remetendo aspectos biológicos, psicológicos, culturais, antropológicos, sociais e comportamentais, entre tantos outros 1,2. No campo teórico, a sexualidade simboliza união I Enfermeira Obstetra e Neonatologista. Mestranda em Enfermagem pelo Departamento de Enfermagem Materno-Infantil da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Coordenadora de Pesquisa Clínica no Instituto Nacional de Câncer/RJ. Rio de Janeiro, Brasil. s: e II Enfermeiro Obstetra. Doutor em Enfermagem. Professor Titular do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Líder do Núcleo de Pesquisa sobre Gênero, Poder e Violência em Saúde e Enfermagem. Rio de Janeiro, Brasil. III Enfermeira Obstetra. Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Coordenadora do Curso de Especialização em Enfermagem Obstétrica da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil. p.32 Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 jan/mar; 18(1):32-37.

2 Artigo de Pesquisa Trata-se de um estudo qualitativo descritivo desenvolvido com base nos pressupostos teóricometodológicos do Interacionismo Simbólico e da Grounded Theory. O Interacionismo Simbólico caracteriza-se por ressaltar o valor do sentido das coisas no comportamento humano. Este reflete o resultado das interações sociais de seus sujeitos, dos significados dos fatos, do compartilhamento do significado destes e o sentido das coisas de um certo ponto de vista, mas principalmente uma resposta às intenções dos outros e/ou com os outros, que por sua vez são transmitidas através de gestos que se mutam em símbolo que é a palavrachave do Interacionismo 12,13. Com o Interacionismo Simbólico é possível obter um conhecimento amplo e significativo das relações sociais. Este pode ser considerado como uma forma de contextualização do problema ou do fato, proporcionando um conhecimento mais estratégico e situacional dos acontecimentos entre os indivíduos 13,14. Tem seu conceito central focalizado no significado das ações individuais e coletivas, embasadas em um conjunto de conceitos básicos como a natureza humana, natureza das ações e identificação da atividade humana que envolve a interação entre seus sujeitos na vida social, ou seja, na relação do ser humano com o mundo 14. A Grounded Theory consiste em estratégia de identificação dos processos sociais básicos no contexto em que estes ocorrem, focalizando não só os fenômenos, mas também os significados destes para os sujeitos da envolvidos. Visa gerar modelos teóricos ou teorias que expliquem o comportamento humano a partir da coleta e análise simultânea dos dados, sendo por isso considerado um método de análise comparativa constante Os sujeitos integrantes dos grupos amostrais deste estudo foram 11 mulheres grávidas, inseridas no estudo à medida que o processo de análise comparativa dos dados era desenvolvido, conforme preconizado pela Grounded Theory 16,17. O primeiro grupo amostral constou de seis gestantes matriculadas no pré-natal, de um Centro Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, que estavam no terceiro trimestre de gestação. A escolha por este grupo inicial deveu-se ao fato de ser um período da gestação em que as modificações corporais são mais evidentes e mais marcantes do ponto de vista externo, o que requer adaptação das mulheres à nova estática e dinâmica corporal. A análise destas entrevistas, conforme preconizado pelo método do estudo, indicou a necessidade de inclusão de gestantes que estivessem vivenciando períodos da gestação, em que as modificações, apesar de evidentes, ainda não representassem tão forte impacde valores e práticas corporais historicamente legitimadas 3 e relaciona-se à dimensão íntima, constituinte da subjetividade das pessoas e relações corporais com seus pares e com o mundo 2,4. Nesse sentido, sexualidade não é tratada apenas como relação sexual, e sim como um processo amplo que envolve relações afetivo-sexuais entre casais, ou seja, extrapola aspectos orgânicos e associam-se a estes fatores psicossociais 5-7. No entanto, na vida cotidiana dos indivíduos, sexo e sexualidade inter-relacionam-se, sendo quase impossível diferenciar os conceitos, pois apresentamse conjugados e sobrepostos fortemente nos relacionamentos humanos. Por isso mesmo, trataremos sexualidade como fusão entre práticas sexuais/sexo e o constructo teórico sexualidade com ênfase nos aspectos relacionados às práticas sexuais. No ciclo gravídico-puerperal, a vivência da sexualidade é influenciada pelas modificações anatômicas, fisiológicas ou psicológicas. Há também a interferência de mitos, tabus, questões religiosas, socioculturais bem como o próprio desconhecimento do casal acerca do seu corpo. 8,9 Esses fatos levaram durante muito tempo a não se aconselhar gestantes a terem relações sexuais nessa fase da vida 10. No entanto, vivemos hoje um momento em que as informações sobre sexualidade estão cada vez mais presentes estimulando uma maior participação no prazer sexual. A vida sexual, presente durante a gravidez, vai muito além do genital. Traz comprometimento e aceitação do outro, com benefícios significativos para os dois. O sexo e a sexualidade podem e devem desenvolver o erotismo na mulher, mesmo grávida, fazendo com que ela possa continuar se sentindo sexualmente desejada, mesmo com as alterações de seu corpo, nesse processo que a tornará mãe 9. Estudos desenvolvidos nas últimas décadas 9,10 demonstram que é possível observar melhora do relacionamento conjugal, com sentimentos de feminilidade aguçada e com maior prazer sexual, quando há liberdade de expressão da sexualidade e de práticas sexuais durante a gestação. Em contrapartida, também é possível observar o abandono do parceiro, violência não física e diminuição da atividade sexual. Há uma miscelânea de sentimentos que repercutem na vivência da sexualidade. Percebe-se conflito interno entre estar gerando um filho e ao mesmo tempo sentindo vontades, desejos, que são sentimentos culturalmente não permitidos na gestação 11. A libido muitas vezes não diminui nesta fase, porém pode ser inibida diante de tantas especulações que giram em torno do casal grávido 9. Diante do exposto, este estudo tem por objetivo descrever como a mulher vivencia a sexualidade na gravidez. Camacho KG, Vargens OMC, Progianti JM REFERENCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 jan/mar; 18(1): p.33

3 Adaptando-se à gravidez e à sexualidade to na dinâmica corporal. Assim, o segundo grupo amostral constou de cinco gestantes matriculadas no mesmo serviço, com as mesmas características, porém que estavam no segundo trimestre da gestação. Para manter a confidencialidade das informações, atribuímos um nome fictício de identificação das falas, com a junção da letra G de gestante, seguido pela ordem numérica das entrevistas, ou seja, a primeira gestante recebeu o codinome de G1 e assim por diante. Foram excluídas somente as gestantes que, mesmo dentro dos critérios de inclusão, não quiseram participar da pesquisa. O término da inclusão de sujeitos ocorreu quando houve saturação dos dados colhidos, isto é, não havia mais distinção entre os antigos e os novos registros 16. A técnica de coleta de dados foi uma entrevista, semiestruturada, cuja frase indutora era: fale-me sobre sua sexualidade durante o período gestacional. As entrevistas com duração de 20 a 40 minutos foram realizadas após a consulta de pré-natal, pela própria pesquisadora, em A análise contemplou as seguintes etapas: transcrição das entrevistas, pela própria pesquisadora, mantendo-se na íntegra os depoimentos; a distribuição vertical e sequencial do discurso 18 ; a codificação substantiva ou codificação aberta; o agrupamento de códigos afins, que permitiu a construção de categorias provisórias; a categorização preliminar; a análise e consolidação das categorias construídas preliminarmente; análise comparativa constante destas categorias; e, por fim, a identificação da categoria central 19 com a descrição do processo social básico. Por último elaborouse um diagrama representativo deste processo social 16,18,19. Ver Figura 1, na seção Discussão. O presente estudo foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Pedro Ernesto e aprovado (Protocolo n o 1125-CEP/HUPE), conforme Resolução n o 196, de 10/10/1996, do Conselho Nacional de Saúde. Todos os sujeitos consentiram em sua participação assinando um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. RESULTADOS O processo de exercício da sexualidade pelas gestantes se deu em duas esferas que permitiram constituir as categorias do estudo: a descoberta do desejo sexual na gravidez, que traz consigo um mundo de mitos, tabus e preconceitos associados e incorporados ao longo do processo de socialização da mulher, e que inclui aqueles relacionados à sexualidade e às práticas sexuais; e a adaptação à nova realidade: a busca de formas adaptativas de sentir prazer sexual durante a gravidez. Artigo de Pesquisa Sentindo Desejo Sexual Durante a Gestação O primeiro ponto de encontro para vivência da sexualidade na gestação está em descobrir desejo sexual na gravidez. Este gera um novo conflito para a mulher que já está em um momento de transição e de identificação próprio da gestação. Conceber que em seu corpo gera-se um novo ser e este mesmo corpo deseja manter relações sexuais gera uma ambivalência de sentimentos em muitas mulheres que às vezes estão vulneráveis às influências socioculturais. E apesar disso grande parte das gestantes considera normal o sexo na gravidez, e mesmo sofrendo influências populares, socioculturais e religiosas, permite-se vivenciar a sexualidade. [...] Eu sempre fui muito gulosa por sexo [...], então não mudou muito, sempre quero fazer (prática sexual) [...] (G3) Em nossa análise, detectamos gestantes que tiveram a libido mais acentuada, sentindo vontade de fazer sexo com mais frequência do que antes da gravidez. [...] Eu acho que eu ficava às vezes com até mais vontade de fazer (sexo) do que antes da gravidez [...] (G4) Identificamos também que o fato de alguns companheiros serem mais afetuosos e carinhosos durante o período gestacional permite a muitas mulheres terem sua sexualidade aflorada e com isso almejam que seus companheiros continuem amorosos mesmo após a gestação e que o sexo continue tão prazeroso quanto nessa fase da vida conjugal. [...] Ficou melhor. Sempre falo para ele ver se aprende e conserva isso depois da gravidez. Ah! Eu adoraria que ficasse assim, carinhoso, atencioso, gentil, preocupado comigo [...] (G6) Dessa forma, percebemos que o primeiro contato das grávidas com o sentimento do desejo sexual, gera uma emoção diferenciada que pode ser encarada como algo positivo a partir do momento em que se consegue compreendê-la de forma saudável. Assim, o exercício da sexualidade torna-se mais prazeroso e intenso na gestação do que no período não gestacional. Não Conseguindo Relacionar-se Sexualmente Durante a Gestação Entre as entrevistadas houve situações em que, embora o desejo sexual estivesse presente ou mesmo mais aguçado, não conseguiam manter atividade sexual. O principal fator relatado pelas gestantes que não conseguiam relacionar-se sexualmente com o parceiro foi a mudança física característica da gravidez, principalmente nos últimos meses de gestação. Nesta situação não pesou muito a falta de interesse, mas sim o desconforto que a gravidez traz: [...] Eu continuo tendo desejo, mas não consigo ter relação [...] (G2) p.34 Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 jan/mar; 18(1):32-37.

4 Artigo de Pesquisa Observamos também que em alguns casos a mulher passa a considerar desfavorável a relação sexual, pelo fato de o companheiro não ter respeito ao seu corpo grávido e muito menos ao seu estado emocional. [...] Assim, às vezes eu até tenho vontade, mas quando ele vem encostar, de qualquer jeito, grosseiro, bruto, daí a vontade passa [...] (G1) Identificamos também a questão da violência física ou moral, em geral relacionadas como resposta a uma gravidez não desejada ou não planejada. Esta condição repercute na vivência da sexualidade do casal, que em muitas vezes não é espontânea e satisfatória para ambas as partes. [...] A gente brigava direto, ele me batia, falava mal, ficou estranho de uns tempos para cá, não botava mais comida em casa [...] (G9) Assim evidencia-se que fatores externos e principalmente internos inerentes ao casal podem dificultar o exercício da sexualidade na gestação. Camacho KG, Vargens OMC, Progianti JM Adaptando-se à Nova Realidade O fato de descobrirem a si mesmas sentindo desejo sexual e ao mesmo tempo estarem enfrentando dificuldades para o relacionamento sexual na gravidez levou estas mulheres a um movimento em direção à busca do prazer e da satisfação sexual, apesar dos fatores negativos até então experimentados por elas. Um dos elementos mais marcantes dessa busca foi o fato de que, entendendo que o prazer não necessariamente estaria relacionado apenas com a relação sexual em que o intercurso vaginal é o ponto culminante, admitiram para si mesmas outras formas de sentir prazer. [...] A gente fica só nas carícias, que para mim sempre foi o melhor... Ficamos só nas preliminares[...] (G8) [...] Mas aí a gente fica namorando, acha outros jeitos de fazer [...] e sinto prazer mesmo [...] (G5) Essa decisão só foi possível porque a mulher tomou para si a iniciativa de determinar como seriam as relações. O parceiro, habitualmente determinante do como e do quando, passou a ter que aceitar uma maneira diferente e determinada por ela de praticar sexo e a sexualidade conjugal. Isso certamente representou uma capacidade de negociação com o parceiro. [...] Sempre falo para ele ver se aprende e conserva isso depois da gravidez, eu adoraria que ficasse assim. [...] Ele aceita o que eu peço [...] (G7) Mais uma vez, é importante ressaltar que o comportamento sexual do parceiro durante a gravidez parece ser o comportamento desejado pelas mulheres. Por isso mesmo seu empenho em convencer seus parceiros a manterem esse comportamento depois da vivência da gestação. DISCUSSÃO Os dados foram analisados na perspectiva interacionista, a partir do modelo teórico explicativo da ação humana 19. Assim entendemos a relação existente entre as categorias encontradas neste estudo e que está representada na Figura 1. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 jan/mar; 18(1): p.35

5 Adaptando-se à gravidez e à sexualidade A descoberta da gravidez revela o primeiro contato com o universo do gerar um novo ser. A confirmação da gestação pode fazer aflorar na mulher sentimentos propriamente maternos, permitindo-lhe experimentar transformações físicas e emocionais inerentes ao processo de gestar. Nesta fase a mulher define metas e considera o futuro 14,19. Porém, mais do que se descobrir grávida, o descobrir a si mesma sentindo desejo sexual durante a gravidez, independente da idade gestacional, gera dúvidas e angústias relacionadas a fatores culturais fortemente influenciadores que impregnam o emocional das gestantes, principalmente se houver falta de conhecimentos científicos por parte delas 20. Além disso, ainda identificamos reflexo remoto da influência das três instituições dominantes: o estado, a igreja e a medicina que ainda têm poder sobre o corpo feminino 21. Nesse âmbito, os mitos estão relacionados com a concepção de impureza e fragilidade do corpo feminino, visto como fonte de poluição 6, e quando atrelados à gestação, deixam a gestante insegura em exercer sua sexualidade na gravidez. Por outro lado, há mulheres que sentem prazer durante a gravidez e não se deixam influenciar por fatores externos impostos pela sociedade sobre sexualidade e a exercem sem nenhum problema 22. Para essas mulheres a consciência desses mitos movimentou-as em busca de recursos que lhes permitissem vivenciar esta nova realidade em suas vidas: estou grávida e ao mesmo tempo sentindo desejo sexual. É a partir disto que esta mulher poderá entrar direta e/ou indiretamente em contato com todo seu referencial interno, com suas experiências prévias ou com o que pode ser representado 16,19. Observa-se constantemente na grávida uma ambivalência dos sentimentos de querer e não querer é a vivência básica da gravidez 3. A gestação afeta a intimidade do casal 9,10 principalmente devido ao abdômen grávido que pode ser um empecilho para as práticas sexuais. Dessa maneira, estratégias alternativas de práticas sexuais são elaboradas na tentativa de melhor adaptar-se e sentir prazer. No entanto é importante salientar que o modo como a gestante se percebe nesse momento da vida repercute em seu relacionamento conjugal. Neste estudo evidenciamos que há gestantes que não conseguem relacionar-se sexualmente, apesar de sentir desejo, pois o universo em que estão inseridas não é favorável. Ainda há relações conjugais em que prevalece o caráter de dominação masculina, destinando à mulher o papel de submissa e obediente 23. Os achados também demonstram que muitas mulheres são vitimas, dentro do casamento, de diferentes formas de violência, como desrespeito, agressão verbal e física 24. E o mais interessante é que a gestante Artigo de Pesquisa permanece sentindo desejo sexual não pelo parceiro, mas um desejo sexual interno, que independe do outro. Algo que surge de sua própria sexualidade feminina que pode ser vista como uma energia vital, criadora e criativa que surge do ser humano 21. A sexualidade não se concentra somente no ato sexual propriamente. Há outras manifestações de amor e carinho que a representam. Nesse contexto, o ato sexual torna-se um momento de expressão de carinho, onde a relação sexual não é vista com mera consumação do desejo carnal, mas de entrega e respeito. Quando um casal é flexível e paciente geralmente encontra posições confortáveis para ambos 7. A vivência da sexualidade na gestação pode ser prazerosa com a libido exacerbada, podendo haver criação de formas sexuais adaptativas para melhor sentir prazer na gestação 12. Sentir prazer e desejo sexual na gestação é algo que depende da interação do casal e pode repercutir sob diversos aspectos no desenvolvimento psíquico da gestante e de seu companheiro, permitindo-lhes criar maneiras sexuais adaptativas 9,10. Cada situação de interação acontece no âmbito de um contexto que certamente influencia os agentes/ objetos sociais presentes, na definição da situação e na determinação da linha de ação 19. Neste estudo o contexto pode ser representado pelo fato de a mulher estar sofrendo influências socioculturais, religiosas e crenças impostas pela sociedade em que está inserida. A partir da integração das categorias foi possível identificar que a vivência da sexualidade depende de como a gestante se vê como mulher e mãe, e também da interação com seu parceiro e com seu meio. Sob o ponto de vista feminino, das gestantes entrevistadas, as modificações gestacionais que mais influenciam na sexualidade e no relacionamento conjugal originam-se das mudanças corporais, principalmente do impacto gerado pelo crescimento do ventre materno e da atuação do parceiro no dia a dia gestacional 10. Assim, exercitar a sexualidade na gestação faz parte do processo de adaptação da mulher ao universo gestacional e envolve fatores no âmbito do imaginário e de vida pública 5,8. É possível manter a sexualidade com a mesma intensidade, interesse e vivência que do período pré-concepcional 22. Há diferentes maneiras de a grávida vivenciar sua sexualidade durante a gestação, entre elas incluise o sentir ou não desejos sexuais, o que a leva à decisão de criar formas adaptativas para exercer positivamente a sexualidade durante a gestação. CONCLUSÕES A sexualidade na gestação é um dos aspectos que valoriza o processo de gestar, porém, isto dependerá de como a mulher se percebe nessa etapa da vida. p.36 Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 jan/mar; 18(1):32-37.

6 Artigo de Pesquisa Para tal, é importante a mulher sentir-se amada e atraente, ter sua autoestima desenvolvida, e independente de qualquer fator, adaptar-se à nova realidade, e isso a permitirá exercer sua sexualidade. O profissional de saúde, em especial o enfermeiro, ao considerar a sexualidade imersa na gestação, compreenderá melhor o que se passa na gestação sob o ponto de vista da gestante e com isso terá a oportunidade de melhor articular com o casal grávido sobre o contexto amplo da gestação e suas implicações. Isso irá proporcionar ao casal assistido pelo profissional e também a todos que estão envolvidos com essa fase maravilhosa da vida captar mais claramente o que for transmitido. É nesse contexto que se insere o profissional, enfermeiro, promotor da saúde e do bem-estar da gestante, participando juntamente à mulher dessas transformações e adaptações que estão acontecendo, podendo orientá-la da melhor forma, quebrando regras e eliminando tabus, para que ela possa usufruir todos os tipos de prazeres e sensações nesse momento da sua vida. REFERÊNCIAS 1.Lupton D. Corpos, prazeres e a prática do eu. Revista Educação & Realidade. 2000; 25(2): Souza LB, Fernandes JFP, Barroso MGT. Sexualidade na adolescência: análise da influência de fatores culturais presentes no contexto familiar. Acta Paul Enferm. 2006; 19(4): Scott J. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Revista Educação & Realidade. 1995; 20(2): Maturana HC, Progianti JM. A ordem social inscrita nos corpos: gravidez na adolescência na ótica do cuidar de enfermagem. Rev enferm UERJ. 2007; 15: Ressel LB, Gualda DMR. A sexualidade como uma construção cultural: reflexões sobre preconceitos e mitos inerentes a um grupo de mulheres rurais. Rev esc enferm USP. 2003; 37(3): Ressel LB, Silva MJP da. Reflexões sobre a sexulidade velada no silêncio dos corpos. Rev esc enferm USP. 2001; 35(2): Silva MA, Mandú ENT. Ideias cristãs frente ao corpo, à sexualidade e contracepção: implicações para o trabalho educativo. Rev Gaúcha Enferm. 2007; 28: Artiles PV, Gutiérrez SMD, Sanfélix GJ. Función sexual Camacho KG, Vargens OMC, Progianti JM femenina y factores relacionados. Aten Primaria. 2006; 38(6): Senkumwong N, Chaovisitsaree S, Rugpao S, Chandrawongse W, Yanunto S. The changes of sexuality in that women during pregnancy. J Med Assoc Thai. 2006; 89(4): Pellegrini JO. A sexualidade na gestação. Femina (Rio de Janeiro) 2003; 31(1): Carvalho FAM. Sexualidade da mulher no ciclo gravídicopuerperal e valores culturais. Fortaleza(CE): s.n; Bazilli C. Interacionismo simbólico e teoria dos papéis: uma aproximação para a psicologia social. São Paulo: EDUC; Blumer H. Symbolic interactionism: perspective and method. London (UK): University of California Press; Carvalho LS, Silva CA, Oliveira ACP, Camargo CL. O interacionismo simbólico como fundamento para pesquisas de enfermagem pediátrica. Rev enferm UERJ. 2007; 15: Merigi MAB, Praça NS. Abordagens teórico-metodológicas qualitativas: a vivência da mulher no período reprodutivo. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; Stern PN. Grounded theory methodology: its uses and process. Image. 1980; 12(1): Glaser BG. The grounded theory perspective: conceptu-alisation contrasted with description. California(USA): Sociology Press; Vargens OMC. Tentando descobrir um modo de fazer enfermagem sem ser enfermeiro: os conflitos do estudante na construção da imagem da profissão. Rio de Janeiro: Edição do autor; Charon JM. Symbolic interacionism: an introduction, an interpretacion, an integracion. 3 a ed. Englewood Cliffs: Prentice Hall; Mouta RJO, Pilotto DTS, Vargens OMC, Progianti JM. Relação entre posição adotada pela mulher no parto, integridade perineal e vitalidade do recém-nascido. Rev enferm UERJ. 2008; 16: Salvador RT, Vargens OMC, Progianti JM. Sexualidade e histerectomia: mitos e realidade. Rev Gaúcha Enferm. 2008; 29: Oriá MOB, Alves MDS, Silva RM. Repercussões da gravidez na sexualidade feminina. Rev enferm UERJ. 2004; 12: Leôncio KL, Baldo PL, João VM, Biffi RG. O perfil de mulheres vitimizadas e de seus agressores. Rev enferm UERJ. 2008; 16: Monteiro CFS, Souza IEO. Vivência da violência conjugal: fatos do cotidiano. Texto contexto-enferm. 2007; 16: Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 jan/mar; 18(1): p.37

VIVENCIANDO REPERCUSSÕES E TRANSFORMAÇÕES DE UMA GESTAÇÃO: PERSPECTIVAS DE GESTANTES

VIVENCIANDO REPERCUSSÕES E TRANSFORMAÇÕES DE UMA GESTAÇÃO: PERSPECTIVAS DE GESTANTES CIENCIA Y ENFERMERIA XVI (2): 115-125, 2010 ISSN 0717-2079 VIVENCIANDO REPERCUSSÕES E TRANSFORMAÇÕES DE UMA GESTAÇÃO: PERSPECTIVAS DE GESTANTES LIVING REPERCUSSIONS AND TRANSFORMATIONS OF A PREGNANCY:

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL RESUMO Jéssica Pricila Zanon 1 Marlei Fátima Cezarotto Fiewski 2 Os cuidados profissionais têm reduzido a morbimortalidade

Leia mais

COMPREENDENDO A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: SIGNIFICADOS SEGUNDO MULHERES VÍTIMAS DE AGRESSÃO

COMPREENDENDO A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: SIGNIFICADOS SEGUNDO MULHERES VÍTIMAS DE AGRESSÃO COMPREENDENDO A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: SIGNIFICADOS SEGUNDO MULHERES VÍTIMAS DE AGRESSÃO Leonora Rezende PACHECO 1 Marcelo MEDEIROS 2 Universidade Federal de Goiás - Faculdade de Enfermagem - Programa de

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS

A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS Kay Francis Leal Vieira UNIPÊ - kayvieira@yahoo.com.br Priscila Monique de Melo Veiga UNIPÊ - prismonique25@hotmail.com Regina Irene Diaz

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

A CONSULTA DE ENFERMAGEM NO CONTEXTO DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL - A PERCEPÇÃO DO CLIENTE*

A CONSULTA DE ENFERMAGEM NO CONTEXTO DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL - A PERCEPÇÃO DO CLIENTE* Rev. latino-am. enfermagem - Ribeirão Preto - v. 6 - n. 1 - p. 27-31 - janeiro 1998 27 A CONSULTA DE ENFERMAGEM NO CONTEXTO DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL - A PERCEPÇÃO DO CLIENTE* Maria da Graça da Silva**

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL De 19 a 22 de Julho de 2013 1) Tipo e título da atividade proposta: a)

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Saúde & Transformação Social / Health & Social Change E-ISSN: 2178-7085 rodrigomoretti@ccs.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Saúde & Transformação Social / Health & Social Change E-ISSN: 2178-7085 rodrigomoretti@ccs.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Saúde & Transformação Social / Health & Social Change E-ISSN: 2178-7085 rodrigomoretti@ccs.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Reisdorfer, Emilene Alterações no desejo sexual durante

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: PERFIL DAS PUÉRPERAS FRENTE À PRÁTICA DO ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: PERFIL DAS PUÉRPERAS FRENTE À PRÁTICA DO ALEITAMENTO MATERNO CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: PERFIL DAS PUÉRPERAS FRENTE À PRÁTICA DO ALEITAMENTO MATERNO Área Temática: Saúde Péricles Martim Reche (Coordenador da Ação de Extensão) Reche, Péricles Martim 1 Trentini,

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE Adriane Ortiz Condé Kreozer 1 Ana Maria Martins 2 Cleonice Cristina Candido 3 Ética e Direitos Humanos INTRODUÇÃO A adolescência é um período de muitas mudanças

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos

Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos CienteFico. Ano III, v. II, Salvador, julho-dezembro 2003 Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos Giovana Dal Bianco Perlin

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA 1142 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA Andrei Souza Teles¹; Thereza Christina Bahia Coelho² 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduando em Enfermagem,

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 BISOGNIN, Patrícia 2 ; SIQUEIRA, Alessandro 2 ; BÖELTER, Débora Cardoso 2 ; FONSECA, Mariana 2 ; PRUNZEL

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Palavras-chave: Gravidez na adolescência; Fatores de riscos; Implicações; Saúde pública.

Palavras-chave: Gravidez na adolescência; Fatores de riscos; Implicações; Saúde pública. FATORES DE RISCOS E IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UMA BUSCA NAS EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS Técia Maria Santos Carneiro e Cordeiro 1 Alan Santos Bonfim 2 Resumo: A adolescência é uma fase da vida

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO ÀS GESTANTES E ÀS SUAS FAMÍLIAS (REDE DE APOIO) NO POSTO DE SAÚDE DO BAIRRO CRUZEIRO DO SUL JUIZ DE FORA MG

ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO ÀS GESTANTES E ÀS SUAS FAMÍLIAS (REDE DE APOIO) NO POSTO DE SAÚDE DO BAIRRO CRUZEIRO DO SUL JUIZ DE FORA MG PROJETO DE EXTENSÃO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO ÀS GESTANTES E ÀS SUAS FAMÍLIAS (REDE DE APOIO) NO POSTO DE SAÚDE DO BAIRRO CRUZEIRO DO SUL JUIZ DE FORA MG. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Nome:

Leia mais

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA BEZERRA, Nanci Candido, Faculdade Santa Maria, nanci.candido26@gmail.com. SILVA, Evandro Dantas, Faculdade Santa Maria.

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO E SEXUALIDADE DA MULHER: UM CORPO SAGRADO 1

ALEITAMENTO MATERNO E SEXUALIDADE DA MULHER: UM CORPO SAGRADO 1 ALEITAMENTO MATERNO E SEXUALIDADE DA MULHER: UM CORPO SAGRADO 1 BITELBRON, Elaine Ramos 2 ; BRANDOLT, Catheline Rubim 3; KRUEL, Cristina Saling 4 RODRIGUES, Suyane Oliveira Tavares 5, SOUTO, Danielle da

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

EESMO Carla de Medeiros EESMO Sandra Vilela Consulta de Obstetrícia

EESMO Carla de Medeiros EESMO Sandra Vilela Consulta de Obstetrícia Menina Grávida Gravidez na Adolescência EESMO Carla de Medeiros EESMO Sandra Vilela Consulta de Obstetrícia Conteúdos Breve caraterização da consulta O EESMO na Consulta Ser grávida adolescente Fatores

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UMA ABORDAGEM

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes Direitos sexuais são direitos humanos universais; Baseiam-se no direito à liberdade, à dignidade e à igualdade para

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL INTRODUÇÃO: Ítala Mônica de Sales Santos Joelma Barros de Sousa Ana Izabel Oliveira Nicolau As Doenças sexualmente transmissíveis, principalmente

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM ALEX FONSECA DOS SANTOS DAIANE CRISTINE FONSECA DE ASSIS DANIELLE CAMPOS MACHADO SEXUALIDADE ENTRE INDIVÍDUOS COM

Leia mais

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: análise dos casos registados Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Publicado em Outras Vozes, nº 7, Maio de 2004 A WLSA Moçambique concluiu

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. & HERCULANO, L. R. F. 2013. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E O SERVIÇO SOCIAL

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. & HERCULANO, L. R. F. 2013. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E O SERVIÇO SOCIAL 13 Artigo original GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E O SERVIÇO SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S 1 ; HERCULANO, L. R. F. Nome Completo: Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido em: 21/05/2013 Aceito em: 30/08/2013

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ).

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ). As práticas do cuidado em saúde num serviço hospitalar de doenças infecciosas e parasitárias do Rio de Janeiro como principal destino do itinerário terapêutico das pessoas que vivem com HIV/aids. Joyce

Leia mais

GRUPO DE GESTANTANTES VINCULADO AO PET-REDES MATERNO- INFANTIL DA USF DR. LUBOMIR URBAN, PONTA GROSSA-PR

GRUPO DE GESTANTANTES VINCULADO AO PET-REDES MATERNO- INFANTIL DA USF DR. LUBOMIR URBAN, PONTA GROSSA-PR 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X)SAÚDE (

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS Manuela Estolano Coordenadora Nacional Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV/Aids REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO

Leia mais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais 4 Introdução Este projeto de pesquisa procura levantar dados que mostrem a qualidade de compreensão dos alunos que compõem o Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) sobre questões

Leia mais

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos Homens, cuidado, saúde e direitos sexuais e reprodutivos Inclusão do homem para mudanças no paradigma de gênero Muitos dos problemas relacionados às sexualidade dos jovens estão ancorados na prática do

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

SER E DURAR: O CUIDADO COM O CORPO NO PARKOUR

SER E DURAR: O CUIDADO COM O CORPO NO PARKOUR SER E DURAR: O CUIDADO COM O CORPO NO PARKOUR Alessandra Vieira Fernandes, UFCG, alessandrafernandes.ale@gmail.com Eltiene Soares Feitosa, UEPB, eltiene@gmail.com Introdução O Parkour trata-se de uma atividade

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais