Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional"

Transcrição

1 Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional

2 Padrão alimentar da população brasileira Mudanças no consumo alimentar e os desafios para a agenda de redução do consumo de sódio: Alimentos básicos Alimentos processados Alimentação fora do domicílio Grande participação do sal de adição como fonte de sódio Inadequação de consumo de micronutrientes

3 Discussões atuais da agenda de redução do consumo de sódio - Fortalecimento das ações de educação e informação. - Monitoramento populacional da redução. - Reformulação dos alimentos processados. - Monitoramento do perfil dos alimentos. - Alimentação fora do domicílio. - Controle das deficiências de iodo: sal como veículo para fortificação. - Potássio: substituto ao sódio, benefícios populacionais, públicos de risco. -Articulação com outras políticas públicas.

4 Ações de informação, educação e comunicação - Campanhas e materiais institucionais do MS: quando abordado, o tema é tratado em conjunto com agendas afins (DCNTs, alimentação saudável). - Parceria com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras): realização de piloto como avançar? - Necessidade de articulação com outros parceiros governamentais, assim como de outras representações, sociedades e associações (consumidores, profissionais de saúde, setor privado etc.).

5 Monitoramento populacional do consumo de sódio no Brasil Importância dos inquéritos populacionais: garantir regularidade, representatividade e indicadores. - Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF/IBGE): fontes de sódio, estimativas de ingestão e inadequação. - Pesquisa Nacional de Saúde (PNS/IBGE): prevalência de hipertensão arterial e avaliação da ingestão de sódio (exceção urinária de sódio e de iodo) em adultos. - Outros - Pesquisa Nacional de Impacto da Iodação do Sal (Pnaisal exceção urinária de sódio e iodo em escolares, acesso a sal iodado), Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS acesso a sal iodado nos domicílios e ingestão de micronutrientes por gestantes).

6 Reformulação dos alimentos processados Continuidade e aprofundamento das reduções nos teores de sódio nos alimentos prioritários até Desafios tecnológicos e sensoriais: alterações no processo de produção, aceitação dos consumidores, necessidade de substitutos ao sódio. - Necessidade de alcançar as empresas não vinculadas à Abia: compromissos restringem-se às associadas. - Discussão dos modelos adotados em diferentes países: voluntário e gradual X baseado em regulação.

7 Modelo de pactuação no Brasil Negociação com Associação das Indústrias Decisão de negociar com associações em vez de indústrias individuais. A Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (ABIA) representa de 70% a mais de 90% do mercado de alimentos processados: oportunidade de alcançara maior parte do mercado consumidor de uma vez. Existência de Termo de Cooperação Técnica (assinado, primeiramente, em 2007), no qual está incluída a reformulação de alimentos processados (mediante a redução dos teores de açúcar, gorduras e sódio). Primeiras iniciativas: eliminação das gorduras trans ( ) Na renovação do Termo de Cooperação (2010): compromisso com a redução do sódio.

8 Modelo de pactuação no Brasil Critérios para as negociações Levantamento, pelo MS. de informações sobre iniciativas de redução do sódio em outros países e definição de critérios nacionais para orientar a negociação com as indústrias de alimentação: Seleção de alimentos prioritários. Linha de base para redução e fontes de informação Critérios para o estabelecimento de metas significativas: cronograma até 2020, com metas bianuais, e critérios para reduzir a média de sódio nos produtos e alcançar o máximo de produtos no mercado. Reduções voluntárias e sustentáveis no limite máximo de sódio na categoria. Estrutura e responsabilidades do monitoramento. Principais parceiros no processo de negociação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e, para alimentos de origem animal, o Ministério da Agricultura. Outros parceiros, para monitoramento e avaliação: outros setores de governo, sociedades profissionais e médicas, universidades, instituições de pesquisa, associações de defesa do consumidor etc.

9 Modelo de pactuação no Brasil Escolha de categorias prioritárias Consumo de sal no Brasil: Contribuição dos grupos de alimentos, excetuando sal e condimentos à base de sal, para a ingestão de sódio para a população brasileira (POF ).

10 Modelo de pactuação no Brasil Etapas das negociações Estabelecimento de um cronograma para as negociações por categoria de alimento. A Abia reúne informações sobre o conteúdo de sódio dos produtos de seus representados e perspectivas e desafios da redução desses teores, bem como traz propostas iniciais de metas. Outras associações de categorias específicas podem ser envolvidas para apoiar as discussões sob a perspectiva do setor, além de serem potenciais atores na capacitação e transferência de tecnologia. Análise das propostas do setor produtivo, com base nos critérios para o estabelecimento de metas e comparações com outras fontes de dados (pesquisas de rotulagem, análises laboratoriais). Decisões podem levar a acordos em relação às propostas do setor produtivo ou a novas rodadas de discussão com vistas a alcançar as maiores reduções possíveis. Decisão oficial: assinatura de termo de compromisso entre MS e Abia.

11 Monitoramento do perfil nutricional dos alimentos processados Monitoramento do teor de sódio para avaliação do cumprimento das metas de redução e conhecimento do perfil de alimentos no mercado. - Importância do fortalecimento das ações da rede de VISA: capacidade de coleta de amostras para garantia de representatividade geográfica e de marcas das análises. - Importância do fortalecimento da rede de laboratórios públicos: capacidade física e técnica para análise dos alimentos (referências estaduais e ou regionais). - Outras fontes de dados atualização de tabelas de composição de alimentos, pesquisas de rotulagem etc.

12 Alimentação fora do domicílio e ambientes saudáveis Necessidade de fortalecer as discussões no âmbito da Câmara Setorial de Alimentos e outros fóruns: - Guia de Boas Práticas Nutricionais para Refeições Coletivas: finalização e publicização. - Articulação com associações representativas: pactuação de reduções no teor de sódio nas preparações, ações educativas, ações complementares. - Ambientes saudáveis: trabalho, escolas etc.

13 Controle da deficiências de iodo Redução do consumo de sal e sal como veículo para fortificação com iodo Evidências de consumo excessivo de iodo no Brasil: -Dados preliminares Pnaisal: Mediana da excreção urinária de iodo >300 µg/l (excesso moderado/grave). - Manutenção de elevado consumo de sal (POF e ): ~12g/dia - Revisão da faixa de iodação do sal de 20 a 60 mg/kg para 15 a 45 mg/kg (2013).

14 Redução do consumo de sal e sal como veículo para fortificação com iodo Preocupação global Reunião Técnica da OMS (Março, 2013): - Preocupação internacional com a harmonização de estratégias de redução do consumo de sal e controle dos DDI: OMS, Unicef, ICCIDD, países, especialistas. Reuniões regionais do ICCIDD (Novembro, 2013): - Garantir a sustentatibilidade do controle e prevenção dos DDIs em conjunto com a redução do consumo de sódio. -Reforçar monitoramento conjunto da ingestão de sódio e iodo nas populações, principalmente em públicos vulneráveis (ex: gestantes). - Construir estratégias conjuntas de comunicação.

15 Sódio e potássio na agenda de DCNTs Guias da OMS: sódio e potássio (2012) Sódio: - Revisão das evidências sobre o impacto da redução do consumo de sódio sobre a redução da hipertensão arterial e doenças cardiovasculares em adultos e crianças. - Reforço à recomendação de menos de 2000mg sódio/dia para adultos. - Importância de ajustar o limite para crianças. Potássio: - Revisão das evidências sobre o impacto do aumento do consumo de potássio. - Adultos: recomendação forte de aumento da ingestão de potássio a partir de alimentos e condicional de uma ingestão mínima de 3510mg/dia - Crianças: recomendação condicional para aumento da ingestão.

16 Potássio Possíveis pontos para discussão - Baixo consumo de potássio pela população brasileira (POF ): mediana da ingestão para adultos é de 2581mg para homens e 2074mg para mulheres. - Recomendação do aumento do consumo: benefícios populacionais para redução da pressão arterial. - Fontes de potássio: como trabalhar na alimentação como um todo (fontes naturais alimentos, adicionado, suplementos) - Desafios tecnológicos e sensoriais como substituto ao sódio: funções e gosto residual. - Questões financeiras: maior custo. - Possíveis públicos de risco: problemas na excreção de potássio.

17 Agenda regulatória internacional: discussões no Codex Alimentarius sobre DCNTs Comitê de Rotulagem de Alimentos (CCFL): - Discussão da declaração de sódio na rotulagem nutricional. Comitê de Nutrição e de Alimentos para Fins Especiais (CCNFSDU): - NRVs para nutrientes associados a doenças crônicas (ex: sódio e potássio).

18 Força-Tarefa ( )/ Grupo Técnico Assessor para a Prevenção de Doenças Cardiovasculares mediante a Redução do Sódio nas Dietas (2011-hoje): Eixos de atuação e discussão: -Advocacy e disseminação de informação (ex: consequências do consumo excessivo de sódio, custo-efetividade da redução, experiências nacionais e regionais) -Monitoramento do consumo de sódio e das principais fontes de sódio na dieta das populações: pesquisas, inquéritos, composição de alimentos, comportamento. -Engajamento das indústrias de alimentos. -Articulação da redução do consumo de sódio com as políticas de fortificação do sal com iodo. -Intercâmbio de experiências entre os países. -Recomendações para os países.

19 Grupo Técnico Assessor para a Prevenção de Doenças Cardiovasculares mediante a Redução do Sódio nas Dietas (Opas) Discussões atuais: - Padronização de metodologias para avaliação do consumo de sódio e suas fontes: excreção urinária de sódio, composição de alimentos (Latinfoods). - Discussão sobre modelos de redução adotados pelos países: intercâmbio de experiências, prós e contras. - Discussão sobre as potencialidades e limites das parcerias com entes privados (PAFNCD) e sua relação com o Grupo Técnico Assessor.

20 Fórum Pan-Americano de Ação sobre as DCNTs (PAFNCD) Consórcio Multilateral para a Redução do Consumo de Sal Saltsmart Consortium (reuniões em 2012 e 2013): - Opas, governos, academia, defesa do consumidor, indústria. - Fortalecer as agendas de comunicação social e de reformulação regional dos alimentos processados.

21 GTSAN Grupo de Trabalho de Segurança Alimentar e Nutricional do Mercosul Plano de Ação Regional (diretrizes): preocupação com consumo adequado de sódio e iodo. - Prevenção e controle da má nutrição (por déficit ou excesso) e das enfermidades crônicas associadas à alimentação e nutrição: promover o desenvolvimento de estratégias de redução do consumo de sódio nas populações. - Prevenção e controle das carências de micronutrientes: reavaliar os possíveis efeitos das recomendações de redução do consumo de sal e seu impacto nos programas de iodação do sal.

22 Articulação com outras políticas governamentais Fortalecimento da temática dentro da educação alimentar e nutricional nos espaços e programas públicos e na redução do sódio nas políticas de segurança alimentar e nutricional: - Equipamentos sociais (MDS) - PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) - PNAE (Programa Nacional de Alimentação do Escolar) - PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador)...

23 Outros desafios e perspectivas: - Redução de açúcares e gorduras. -Publicidade e promoção de alimentos ricos em açúcar, gorduras e sódio, especialmente para crianças e adolescentes. - Aspectos regulatórios: informações nutricionais obrigatórias, informação nutricional complementar, critérios para adição de nutrientes e alegação de propriedade funcional etc. -Necessidade permanente de aprimoramento das fontes de dados (inquéritos mais frequentes e mais detalhados, atualização de tabelas de composição nutricional, produção científica sobre reformulações, estudos econômicos e outras lacunas de pesquisa). - Envolvimento de mais parceiros (sociedades médicas e de outros profissionais de saúde, associações de trabalhadores e empregadores, associações de consumidores, Sistema S).

24 Obrigado! Melhorar sua vida, nosso compromisso

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO XIV REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO INTERINSTITUCIONAL PARA PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Encontro com as referências estaduais de Alimentação e Nutrição 16 e 17/06/2015 - Brasília/DF Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

Mesa II. Consumo alimentar, tecnologia de alimentos e o papel da indústria.

Mesa II. Consumo alimentar, tecnologia de alimentos e o papel da indústria. I Seminário Nacional sobre a Redução do Consumo de Açúcar Mesa II. Consumo alimentar, tecnologia de alimentos e o papel da indústria. Perspectivas do setor industrial na redução do açúcar em alimentos

Leia mais

Consulta pública para revisão do teor de iodo no sal

Consulta pública para revisão do teor de iodo no sal Consulta pública para revisão do teor de iodo no sal Consulta Pública nº 35, de 07 de agosto de 2011 Por que o Iodo é tão importante? Promove o crescimento e o desenvolvimento normal do organismo; Promove

Leia mais

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 ESTRATÉGIAS SOCIAIS EM NUTRIÇÃO, EDUCAÇÃO E COMBATE À POBREZA Data: 17-18 de maio de 2007 Instituto de Estudos Avançados Universidade

Leia mais

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17 ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha São Paulo junho/17 Estudo VIGITEL 2016* do Ministério da Saúde aponta: brasileiros trocam alimentos naturais por industrializados

Leia mais

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando RESOLUÇÃO CNS Nº O Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua 192ª Reunião Ordinária, realizada nos dias 10 e 11 de dezembro de 2008, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas

Leia mais

Balanço de ações da CGAN em 2011 e perspectivas para 2012

Balanço de ações da CGAN em 2011 e perspectivas para 2012 Balanço de ações da CGAN em 2011 e perspectivas para 2012 BALANÇO 2011 PNAN aprovação na CIT: 27/10 publicação da Portaria nº 2715, de 17 de novembro de 2011 Elaboração do PPA 2012-2015: PNAN está expressa

Leia mais

A importância da rotulagem para a saúde pública o olhar do consumidor

A importância da rotulagem para a saúde pública o olhar do consumidor A importância da rotulagem para a saúde pública o olhar do consumidor Mariana Garcia I Simpósio de Rotulagem de Alimentos - CRQ-IV O que é o Idec? Organização não governamental fundada em 1987, sem fins

Leia mais

alimentar e nutricional das populações, em especial as mais vulneráveis socialmente. Em nosso país esta realidade torna-se mais agressiva quando

alimentar e nutricional das populações, em especial as mais vulneráveis socialmente. Em nosso país esta realidade torna-se mais agressiva quando CARTA DE PERNAMBUCO No período de 26 a 29 de setembro de 2012 a cidade de Olinda, em Pernambuco sediou o CONBRAN 2012 - XXII Congresso Brasileiro de Nutrição, III Congresso Ibero- americano de Nutrição,

Leia mais

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde Situação Alimentar e Nutricional no Brasil e no Mundo - O rápido declínio da desnutrição infantil no Brasil e o papel das políticas públicas na redução das desigualdades Coordenação-Geral da Política de

Leia mais

Fortalecimento da Agenda de Segurança Alimentar e Nutricional na Saúde. Subsídios para as Conferências de Saúde e de Segurança Alimentar e Nutricional

Fortalecimento da Agenda de Segurança Alimentar e Nutricional na Saúde. Subsídios para as Conferências de Saúde e de Segurança Alimentar e Nutricional Associação Brasileira de Saúde Coletiva Grupo Temático Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva Fortalecimento da Agenda de Segurança Alimentar e Nutricional na Saúde Subsídios para as Conferências de

Leia mais

Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil

Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil Patricia Constante Jaime Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde Audiência Pública da Comissão de

Leia mais

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN Prevista na Lei n.º 8.080/90 - Art. 13 item I Reinstalada pela Resolução CNS n.º 299, de maio de 1999. OBJETIVO DA CIAN Integrar a Política Nacional

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE 10 ELEMENTOS CHAVE Objetivo Apresentar o componente nutricional inserido na alimentação escolar Metodologia

Leia mais

Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016

Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016 Desafios e Estratégias adotadas pela ANVISA para promover a convergência regulatória internacional e facilitar a inserção de produtos brasileiros em mercados de interesse. Renato Alencar Porto Brasília

Leia mais

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012 Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil São Paulo, novembro de 2012 Plano de enfrentamento DCNT 2012-2022 Eixo I Eixo II Eixo III Vigilância, monitoramento e avaliação

Leia mais

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Maria Laura da Costa Louzada Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Efeito

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

PERSPECTIVAS DO GOVERNO

PERSPECTIVAS DO GOVERNO I Seminário Nacional sobre a Redução do Consumo de Açúcar - PERSPECTIVAS DO GOVERNO Antonia Maria de Aquino Gerência Geral de Alimentos Brasília, 04 de junho de 2013 O perfil de saúde da população brasileira

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia 2014 Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia Desafios Regulatórios Cenário Brasileiro: É membro Codex É membro MERCOSUL Temos 2 órgãos regulatórios:

Leia mais

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e as oportunidades para o aprimoramento no monitoramento e avaliação de políticas públicas em nível subnacional: reflexões a partir da experiência da SAGI/MDS Paulo

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Alimentação e Nutrição na Cidade do Rio de Janeiro. Instituto de Nutrição/UERJ

Alimentação e Nutrição na Cidade do Rio de Janeiro. Instituto de Nutrição/UERJ Construindo a Política Municipal de Alimentação e Nutrição na Cidade do Rio de Janeiro I tit t d N t i ã A Di /SPS/SUBPAV/SMSDC Instituto de Nutrição Annes Dias/SPS/SUBPAV/SMSDC Instituto de Nutrição/UERJ

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

Ministério da Saúde, Junho de 2016

Ministério da Saúde, Junho de 2016 PROMOÇÃO DA SAÚDE Redução Clique para de adicionar sódio nos alimentos um processados título Clique para adicionar um subtítulo Ministério da Saúde, Junho de 2016 Consumo Clique para de sódio adicionar

Leia mais

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Tópicos Cenário Atual Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Estratégias e custo efetividade Envelhecimento Populacional Mais Idade Mais DCNT Mortalidade DCNT = 63% dos

Leia mais

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS João Tavares Neto Superintendente de Correlatos e Alimentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

Novo Guia Alimentar para a População Brasileira

Novo Guia Alimentar para a População Brasileira Novo Guia Alimentar para a População Brasileira Prof Ms. Lovaine Rodrigues/CRN2 4956 Esp. Nutrição Infantil- UNIFESP MSc. Pediatria UFRGS Docente - UNISINOS Guia Alimentar Conjunto de informações, análises,

Leia mais

COMPROMISSO SOCIAL PARA A REDUÇÃO DA ANEMIA POR CARÊNCIA DE FERRO NO BRASIL

COMPROMISSO SOCIAL PARA A REDUÇÃO DA ANEMIA POR CARÊNCIA DE FERRO NO BRASIL COMPROMISSO SOCIAL PARA A REDUÇÃO DA ANEMIA POR CARÊNCIA DE FERRO NO BRASIL...O acesso à alimentação é um direito humano em si mesmo, na medida em que a alimentação constitui-se no próprio direito à vida...

Leia mais

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Patrícia Maria de Oliveira Machado Florianópolis, 2015 Histórico do processo e marcos legais ESTADUAL 2011

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

Equipe Estadual. Coordenador (a): Adriana Bouças Ribeiro. Equipe técnica: Técnicos da Divisão de DCNT

Equipe Estadual. Coordenador (a): Adriana Bouças Ribeiro. Equipe técnica: Técnicos da Divisão de DCNT ESTADO DE SÃO PAULO Equipe Estadual Coordenador (a): Adriana Bouças Ribeiro Equipe técnica: Técnicos da Divisão de DCNT Contextualização da Coordenação na estrutura e organograma da Secretaria de Estado

Leia mais

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Patrícia Maria de Oliveira Machado Objetivos da webconferência - Apresentar os marcos históricos e legais da Política Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016)

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Relembrando, a PNAN tem como propósito melhorar as condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira,

Leia mais

Cantinas Escolares Saudáveis

Cantinas Escolares Saudáveis PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO AMBIENTE ESCOLAR: Cantinas Escolares Saudáveis Patrícia Constante Jaime Coordenadora-Geral de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Fortaleza, 25 de outubro de 2012 TÓPICOS

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson Redução do Consumo de Açúcar no Brasil Perspectivas de Governo Eduardo Nilson Coordenador Substituto de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Brasília, 04 de junho de 2013 Cenário Alimentar e Nutricional do

Leia mais

Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN

Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN Simpósio de Segurança Alimentar Bento Gonçalves RS, 22 de agosto de 2008 Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN Ana Beatriz Vasconcellos Coordenadora da Política de Alimentação

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 ESTRUTURA BÁSICA DO PLANO MUNICIPAL DE

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Coordenação: Deborah Carvalho Malta Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis

Leia mais

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.861, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. Cria a Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN), no âmbito do Sistema Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO Excesso de peso infantil no Brasil A prevalência de excesso de peso triplicou no Brasil nos últimos 20 anos (IBGE,

Leia mais

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações WORKSHOP SOBRE ANTIOXIDANTES ILSI BRASIL Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações Ana Paula de R. Peretti Giometti GPESP / GGALI / ANVISA São Paulo,

Leia mais

Pacto Federativo para a Promoção da Alimentação Adequada e Saudável

Pacto Federativo para a Promoção da Alimentação Adequada e Saudável Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN Secretaria-Executiva Pacto

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Assessorar tecnicamente a gestão e promover a implementação e articulação interprogramática das atividades relacionadas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O PAPEL DA ANVISA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA A DOS ALIMENTOS NO BRASIL III SEMINÁRIO PRO TESTE DE DEFESA DO CONSUMIDOR Alimentos: o consumidor está seguro? Gerência

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 XXVIII Congresso de Secretários Municipais de do Estado de São Paulo CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 CRS Coordenadoria de Regiões de da Secretaria de Estado da de São Paulo

Leia mais

Rafael Moreira Claro

Rafael Moreira Claro Estimativa do consumo de açúcar da população brasileira Rafael Moreira Claro rafael.claro@gmail.com Departamento de Nutrição UFMG Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde - USP O açúcar

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Roda de discussão Alimentação Saudável: O que isso tem a ver com Sustentabilidade?

Roda de discussão Alimentação Saudável: O que isso tem a ver com Sustentabilidade? Roda de discussão Alimentação Saudável: O que isso tem a ver com Sustentabilidade? Gabriela Rodrigues Bratkowski Nutricionista - Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE UFRGS) Porto

Leia mais

Regulamentação da Lei nº , de 2016

Regulamentação da Lei nº , de 2016 PROPOSTAS DE RESOLUÇÕES-RDC PARA REGULAMENTAÇÃO DA LEI Nº 13.305, DE 4 DE JULHO DE 2016. GERÊNCIA-GERAL DE ALIMENTOS 20 DE SETEMBRO DE 2016 INFORMAÇÕES GERAIS: Regulamentação da Lei nº 13.305, de 2016

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE

RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE Realizada de 08 a 11 de agosto de 2012 MÁRIO DOS SANTOS BARBOSA Assessor Especial para Assuntos Internacionais Coordenador da I CNETD

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A OMS? As novas orientações consolidadas de tratamento da OMS representam mais um salto adiante para uma

Leia mais

Oficina Base. A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN

Oficina Base. A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN Oficina Base A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN Programação da Oficina 10h Histórico da SAN no Brasil 10h40 Intervalo 11h Construindo o conceito de SAN 12h Almoço 14h Check-in da tarde

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Enfermeira Sandra Joseane F. Garcia Promoção da Saúde- Divisão de Vigilância Epidemiológica/SC. Divisão de doenças e Agravos

Leia mais

Política Nacional de

Política Nacional de Programas de Prevenção e Controle de Carências Nutricionais Política Nacional de Alimentação e Nutrição 5ª diretriz prevenção e controle dos distúrbios nutricionais e de doenças associadas à alimentação

Leia mais

Codex Alimentarius. 5º módulo.

Codex Alimentarius. 5º módulo. Codex Alimentarius 5º módulo CCAB Comitê do Codex Alimentarius do Brasil CCAB CCAB foi criado em 1980; Coordenação e a Secretaria Executiva responsabilidade do INMETRO; Ponto de Contato MRE. Membros do

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA Seminário Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida. Porto Seguro, 16 a 18 de setembro

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS O aumento da longevidade e o rápido crescimento do peso relativo da população idosa, aliados às deficiências no sistema público

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Tendências Regulatórias em Alimentos

Tendências Regulatórias em Alimentos VI Encontro de Profissionais da Garantia da Qualidade Campinas, 30 de maio de 2017 Tendências Regulatórias em Alimentos Laila Sofia Mouawad Gerência de Inspeção e Fiscalização de Alimentos GIALI/GGFIS/ANVISA

Leia mais

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Luciana Costa Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças

Leia mais

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Página 6 B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL 17. Neste relatório de progresso se destina a oferecer uma visão integral da maneira

Leia mais

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I: Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

Alimentação e Nutrição no SUS: Perspectivas para

Alimentação e Nutrição no SUS: Perspectivas para Alimentação e Nutrição no SUS: Perspectivas para 2015-2018 Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Brasília, agosto de 2015 O Brasil é o único país com mais de 200 milhões de habitantes que assumiu

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 9º Diálogos da MEI ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL JAILSON BITTENCOURT DE ANDRADE SECRETÁRIO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS

Leia mais

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Vídeo: A Força de quem FAZ O SISTEMA FIEMG A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais representa as indústrias do Estado e atua na defesa

Leia mais

DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO ADEQUADA

DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO ADEQUADA NOSSA MISSÃO Contribuir para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada, fiscalizando, normatizando e disciplinando o exercício profissional do nutricionista e do técnico em Nutrição e Dietética,

Leia mais

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Patrícia Ferrari Andreotti Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos GGMED/DIARE/ANVISA Brasília,

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

Programa Ibero-americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Proposta de Ação Estratégica para a Convocatória 2017

Programa Ibero-americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Proposta de Ação Estratégica para a Convocatória 2017 Programa Ibero-americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Proposta de Ação Estratégica para a Convocatória 2017 Área da Saúde: Investigação da diabetes, sobrepeso e obesidade na Ibero-América:

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA: SAUDÁVEL

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA: SAUDÁVEL ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO VIVER SAUDÁVEL Veruska Prado Alexandre Universidade Federal de Goiás Faculdade de Nutrição veruskaprado@yahoo.com.br

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL PERNAMBUCO RELATÓRIO FINAL COMISSÃO EECUTIVA Pesqueira/PE Setembro/2011 1 IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE Objetivo do Programa OFERTA DE REFEIÇÕES SAUDÁVEIS EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PNAE - Crescimento; - Aprendizagem; - Desenvolvimento biopsicossocial;

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente

A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 26 de

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS

IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS Eng.º João Santos Gonçalves Director para a área alimentar - ARFA Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos alimentos, 07 a 09 de Novembro, 2011 - Praia

Leia mais

Promoción al consumo de frutas y hortalizas en Latinoamérica

Promoción al consumo de frutas y hortalizas en Latinoamérica TALLER Montevideo 22 de mayo de 2007 Promoción al consumo de frutas y hortalizas en Latinoamérica Presentación de caso: Brasil Prof. Dr. Paulo César Tavares de Melo USP/ESALQ Departamento de Produção Vegetal

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

CARTA DE PORTO ALEGRE

CARTA DE PORTO ALEGRE CARTA DE PORTO ALEGRE No período de 26 a 29 de outubro de 2016 a cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, sediou o CONBRAN 2016 - XXIV Congresso Brasileiro de Nutrição, IV Simpósio Iberoamericano

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as "Partes"),

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes), AJUSTE COMPLEMENTAR AO ACORDO DE COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES Seminário em prol do Desenvolvimento Socioeconômico do Xingu Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES 16/06/2015 1 Atuação do BNDES no Entorno de Projetos A Política de Atuação no Entorno busca

Leia mais

AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE

AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE Segundo definição da OIT, Trabalho Decente é um trabalho adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, eqüidade e segurança, capaz de garantir uma vida

Leia mais