Juventudes Contemporâneas. Um mosaico de possibilidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juventudes Contemporâneas. Um mosaico de possibilidades"

Transcrição

1

2 Juventudes Contemporâneas Um mosaico de possibilidades

3 Juarez Dayrell, Maria Ignez Costa Moreira e Márcia Stengel (Organizadores) Todos os diretos reservados. Este livro ou parte dele não pode ser reproduzido por qualquer meio sem autorização escrita da editora. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Grão-Chanceler Dom Walmor Oliveira de Azevedo Reitor Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães Vice-reitora Patrícia Bernardes Pró-reitoria de Pesquisa e de Pós-graduação Sérgio de Morais Hanriot Editora PUC Minas Coordenação editorial Cláudia Teles de Menezes Teixeira Assistente editorial Maria Cristina Araújo Rabelo Revisão Michel Gannan Divulgação Danielle de Freitas Mourão Comercial Maria Aparecida dos Santos Mitraud Projeto gráfico e formatação Comissão editorial João Francisco de Abreu (PUC Minas); Maria Zilda Cury (UFMG); Mário Neto (Fapemig); Milton do Nascimento (PUC Minas); Oswaldo Bueno Amorim Filho (PUC Minas); Regina Helena de Freitas Campos (UFMG) Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais S612j Simpósio Internacional sobre Juventude Brasileira (4. : : Belo Horizonte, MG) Juventudes contemporâneas: um mosaico de possibilidades / Organizadores: Juarez Dayrell, Maria Ignez Costa Moreira, Márcia Stengel. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, p.: il. ISBN: Juventude Aspectos sociais. 2. Juventude - Brasil. 3. Juventude Comportamento sexual. 4. Juventude e violência. I. Dayrell, Juarez. II. Moreira, Maria Ignez Costa. III. Stengel, Márcia. IV. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. CDU: Editora PUC Minas Rua Dom Lúcio Antunes, Coração Eucarístico Belo Horizonte MG Brasil Tel.: 55 (31) Fax: 55 (31)

4 Juventudes Contemporâneas Um mosaico de possibilidades Juarez Dayrell Maria Ignez Costa Moreira Márcia Stengel Organizadores Belo Horizonte, 2011

5

6 Sumário Prefácio... 8 Carta de Belo Horizonte Introdução A socialização da juventude e os espaços institucionais Adolescentes, jóvenes y socialización: entre resistencias, tensiones y emergencias Marcelo Urresti Sociabilidade juvenil, mídias e outras formas de controle social Maria da Graça Jacintho Setton Juventude e escola Mônica Dias Peregrino Ferreira Entre sonhos e projetos de jovens, a escola Geraldo Leão Juventude, trabalho e educação: crônica de uma relação infeliz em quatro atos Naira Lisboa Franzoi Participación en proyectos y desarrollo integral de adolescentes y jóvenes Olga Nirenberg

7 Juventude, sexualidade, gênero e violência Visibilidade e invisibilidade do trabalho de garotos de programa Rubens de Camargo Ferreira Adorno Geraldo Pereira da Silva Junior O lugar dos homens e das masculinidades no debate sobre juventude Jorge Lyra Enigmas do medo juventude, afetos e violência Glória Diógenes Casamento forçado e violência. O contexto francês Edwige Rude-Antoine Adolescentes, jovens, direito e família: questionando saberes sobre proteção a direitos sexuais e reprodutivos Mary Garcia Castro Ingrid Radel Ribeiro Discussões de gênero e sexualidade no meio escolar e o lugar da jovem mulher no ensino médio Wivian Weller Iraci Pereira da Silva Nivaldo Moreira Carvalho

8 Participação juvenil e a dimensão dos direitos Os jovens podem falar? Sobre as possibilidades políticas de ser jovem hoje Lucia Rabello de Castro Notas sobre o passe livre e o poder e fazer de uma juventude Leo Vinicius Maia Liberato Hierarquias, sujeitos políticos e juventudes: os chamados movimentos juvenis circunscrevem um sujeito político na contemporaneidade? Marco Aurélio Maximo Prado Juliana Perucchi Juventude e saúde: concepções e políticas públicas Cássia Baldini Soares Sobre a participação da família no processo socioeducativo Hebe Signorini Gonçalves Vinte anos do Estatuto da Criança e do Adolescente e as políticas para infância e juventude Benedito Rodrigues dos Santos Juventude, pesquisa e extensão: interfaces, diálogos e possibilidades Sônia M. Gomes Sousa Sobre os autores

9 8 Prefácio O IV Jubra - Simpósio Internacional sobre Juventude Brasileira: juventudes contemporâneas, um mosaico de possibilidades, foi realizado nos dias 16 a 18 de junho de 2010 na PUC Minas com o objetivo de evidenciar a pluralidade da juventude e os diversificados olhares do campo das ciências e da sociedade sobre esse segmento, que apresenta múltiplas possibilidades como sujeitos que contribuem para a transformação social. A sua programação incluiu três dias de debates, com mesas-redondas, painéis e grupos de trabalho em torno de dez eixos temáticos, agregando pesquisadores brasileiros e estrangeiros, estudantes das mais diversas áreas, como psicologia, educação, ciências sociais, ciências da saúde e saberes afins; bem como profissionais dos campos da saúde, assistência social e educação; profissionais de ONGs, de fundações, de governo nos níveis municipal, estadual e federal e de associações da sociedade civil; lideranças jovens que estão à frente de grupos e redes, dentre outros. Nesse sentido, o IV Jubra significou um importante fórum para a discussão e a circulação de trabalhos de pesquisa e intervenção no campo das juventudes, além de contribuir para a consolidação do campo de estudos das juventudes no âmbito da pós-graduação brasileira. Podemos destacar a exposição e a circulação das produções oriundas da pós-graduação através da apresentação das pesquisas resultantes dos programas de pós-graduação, bem como da publicação desses trabalhos na forma dos resumos e textos completos e agora na forma desta coletânea, que divulga boa parte dos artigos apresentados nas mesas-redondas. Ao mesmo tempo, o Jubra acolheu os trabalhos de iniciação científica e, na sua estrutura de GT (Grupos de Trabalho), permitiu o contato de bolsistas de iniciação científica com os alunos da pós-graduação, o que contribui para a promoção da desejável articulação entre a pós-graduação e a graduação.

10 9 É importante destacar a participação de aproximadamente 150 jovens inseridos em Projeto de Extensão Universitária da PUC Minas Jubra Jovem. Esses jovens, organizados em pequenos grupos, iniciaram em março de 2010 um trabalho sobre a situação atual dos jovens, promovendo o diálogo e a reflexão crítica sobre a diversidade de práticas socio-históricas empreendidas por adolescentes e jovens no mundo contemporâneo. Estimulando o debate em torno das temáticas propostas pelo simpósio, apresentaram no IV Jubra o resultado de suas reflexões. Outro aspecto significativo foi o lançamento da Carta de Belo Horizonte (anexa), um manifesto dos pesquisadores reunidos solicitando o lançamento pelas agências de fomento à pesquisa de editais para pesquisa interdisciplinar especificamente voltados para o tema da juventude. Esperamos que esta coletânea possa contribuir para a disseminação das reflexões em torno da juventude, fortalecendo o movimento existente em prol dos direitos desse segmento da população, bem como para a ampliação e consolidação das políticas públicas voltadas para os jovens brasileiros. Os organizadores

11 10 Carta de Belo Horizonte O Jubra Simpósio Internacional sobre Juventude Brasileira é um evento acadêmico, interinstitucional e interdisciplinar que congrega pesquisadores brasileiros e estrangeiros para a discussão de pesquisas, programas e projetos sociais referentes à juventude. O objetivo primordial do evento é potencializar o fluxo de intercâmbios e ampliar a rede de cooperação entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros que estudam a temática a partir de diferentes referenciais e campos de saber. Além disso, pretende também produzir em curto, médio e longo prazos impactos na produção de conhecimento e ampliar a troca de experiências acerca das ações públicas e da sociedade civil no sentido de garantia dos direitos dos adolescentes e jovens. O Jubra foi realizado pela primeira vez em outubro de 2004, na Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. A iniciativa de realização partiu do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Intercâmbio para a Infância e Adolescência Contemporâneas (Nipiac). Contou com o apoio institucional do Comitê de Pesquisa Sociológica da Juventude da ISA (International Sociological Association), do Observatoire Jeunes et Société Universidade de Quebec e do Comitê da Infância e Juventude da IUAES (International Union of Antropological and Ethnological Sciences). O Jubra, em sua IV edição, tem como tema central Juventudes contemporâneas: um mosaico de possibilidades, contando com um público composto por pesquisadores e estudantes de psicologia, educação, ciências sociais, ciências da saúde e saberes afins; bem como profissionais dos campos da saúde, assistência social e educação; profissionais de ONGs, de fundações, de governo nos níveis municipal, estadual e federal e de associações da socie-

12 11 dade civil, lideranças jovens que estão à frente de grupos e redes, entre outros, tendo em média 800 participantes e mais de 500 trabalhos inscritos. O Jubra tem contado com o apoio das instituições oficiais de fomento CNPq, Capes e das fundações estaduais de amparo à pesquisa. É um evento que vem se consolidando como um importante espaço para os pesquisadores da juventude. Considerando a importância da temática da juventude no contexto da realidade brasileira e a relevância da produção de conhecimento científico como subsídio para a elaboração de políticas públicas que respondam às demandas e necessidades das juventudes, os pesquisadores da área, reunidos neste IV Jubra, solicitam ao CNPq que lance um edital de pesquisa específico sobre a temática da juventude, de caráter interdisciplinar, para potencializar a produção científica na área. Belo Horizonte, 18 de junho de 2010.

13 12 Introdução Esta obra busca compreender a complexidade das juventudes brasileiras na contemporaneidade, para além dos marcadores etários. As juventudes são tomadas como uma categoria social transversalizada pelas categorias de gênero, de classe social, de etnia e de geração, dentre outras variáveis. Outro ponto que possibilita o diálogo entre os diversos autores é a consideração de que os processos de subjetivação dos jovens se desenvolvem em contextos socio-históricos nos quais são sujeitos ativos capazes de transformar esses contextos e, ao mesmo tempo, transformarem-se a si mesmos. Os diversos autores afirmam em suas reflexões os jovens como sujeitos em construção, mas sujeitos também do tempo presente e não somente como um vir-a-ser adulto. Os jovens vistos como portadores de direitos e seres políticos capazes de intervir no espaço coletivo revelam no cotidiano as contradições, os impasses e os antagonismos nas relações com os próprios pares e com os demais segmentos sociais, tornando visível, como um iceberg, a complexidade da sociedade contemporânea. Os artigos foram organizados em três blocos temáticos. No primeiro, encontramos os trabalhos cujo eixo de reflexão refere-se à produção social dos jovens, discutindo os processos de socialização em diferentes espaços institucionais, como a escola, o trabalho e a mídia, com suas contradições, possibilidades e limites. O segundo eixo trata da sexualidade, corpo e gênero e finalmente, no terceiro bloco, os autores se dedicam a compreender a participação política dos jovens, a relação das políticas públicas de saúde e de proteção destinadas aos jovens, o contexto de afirmação dos jovens pertencentes a um segmento social portador de direitos específicos. É o que vamos comentar a seguir.

14 13 A socialização dos jovens e os espaços institucionais Neste bloco foram agrupados os trabalhos que refletem sobre a produção social dos jovens, discutindo os processos de socialização em diferentes espaços institucionais, como a escola, o trabalho e a mídia, ou mesmo a participação em projetos sociais, com suas contradições, possibilidades e limites. A socialização da juventude O texto de Marcelo Urresti, Adolescentes, jóvenes y socialización: entre resistencias, tensiones y emergencias, reflete sobre as mutações existentes nos processos de socialização da juventude contemporânea, apontando os desafios e impasses existentes. Para o autor, vem ocorrendo um debilitamento das instituições socializadoras, o que aponta para um crescente processo de autossocialização das novas gerações, cada vez mais autônomas se as compararmos com as gerações anteriores. Mas, adverte ele, todo esse processo é contraditório, promovendo também a reprodução da desigualdade social em novos termos. Ao desenvolver o seu argumento, Urresti discute as fases da adolescência e da juventude como momentos específicos de transição para a vida adulta, marcados pela diversidade do contexto socioeconômico e cultural. Ao discutir as mutações existentes nos modos de ser jovem, faz uma recuperação histórica, situando a década de 1960 como um marco na construção contemporânea da juventude na sociedade ocidental. Para Urresti, as expressões das culturas juvenis, às quais dá especial atenção, tendem atualmente a uma proliferação de formas e de estilos que fragmenta o espaço cultural, no qual o alternativo, o minoritário e o disperso ganham cada vez mais relevo. É esse contexto, acrescido das transformações socioeconômicas, que explica o debilitamento da capacidade de socialização das instituições, dentre elas a família e a escola. Diante delas, ganham força os grupos de pares, a

15 14 indústria cultural, os meios audiovisuais e as tecnologias digitais, dentre outros, que facilitam o acesso a vozes múltiplas e a construção de mundos próprios e identidades compartilhadas. Nesse contexto, os jovens tendem a se tornarem independentes da opinião e do parecer dos adultos com os quais interagem, com uma equiparação nas condições de informação e formação e com a consequente redução das assimetrias com as gerações adultas. Todo esse processo interfere nas instituições como a escola, pela falta de interesse crescente dos jovens, ou o trabalho, no qual a ética da produção vem sendo substituída pela ética do consumo. Finalmente, Urresti nos adverte de que estamos diante de novas expressões da desigualdade social. Segundo o autor, em sociedades nas quais os recursos materiais, afetivos, didáticos etc. são escassos ou estão desigualmente distribuídos, as possibilidades das distintas juventudes inserirem-se socialmente tenderão a ser tão díspares quanto os suportes com os quais possam contar, sendo necessário redefinir os sentidos das instituições educativas. Com posições semelhantes a Urresti, Maria da Graça Setton reflete em seu artigo Sociabilidade juvenil, mídias e outras formas de controle social sobre a dinâmica do campo da socialização e, em decorrência, do campo das sociabilidades na contemporaneidade, discutindo a tensão entre os agentes sociais e buscando apreender a luta simbólica de valores existente entre eles. A autora parte de uma discussão sobre as transformações institucionais e culturais da realidade social contemporânea, evidenciando o ambiente social no qual o jovem encontra condições de forjar um sistema de referências que mescla as influências familiar, escolar e midiática, dentre outras. Um sistema de esquemas coerente, no entanto híbrido e fragmentado. Compreende assim a socialização do jovem e, como decorrência, sua sociabilidade entre os pares e com as mídias com base em uma perspectiva relacional de análise e, sobretudo, com o apoio do conceito de fenômeno social total, forjado por Marcel Mauss.

16 15 A autora sustenta a hipótese de que jovens, sociabilidade e consumo midiático podem encerrar tensas e intensas articulações entre subjetividades e coerção social. Para ela, no caso específico das investigações de ordem sociológica, a complexidade derivada da diversidade das dimensões estruturais e simbólicas do mundo social torna-se por vezes obscura, em função dos imponderáveis da ação e da criação dos sentidos dos sujeitos sociais. Isso posto, a sociabilidade jovem através do consumo midiático deveria ser pensada em sua ambiguidade constitutiva ora oferecendo margens para a construção de uma identidade jovem autônoma, ora fortalecendo o controle e a tirania do grupo de pares. As relações entre juventude e escola Dois artigos discutem as relações entre juventude e escola, com posições que se complementam. O primeiro deles, de Geraldo Leão, intitulado Entre sonhos e projetos de jovens, a escola... centra sua análise na realidade do ensino médio brasileiro, evidenciando os limites da escola pública na sua tarefa de garantir o acesso a uma educação de qualidade como um direito de todos os jovens. Ao desenvolver o seu argumento, Leão constata a expansão da escolarização, em especial do ensino médio, ocorrida no Brasil a partir dos anos 1990, o que gerou, dentre outras consequências, a entrada de um novo contingente de jovens alunos que antes não tinham acesso a esse nível de ensino. Passam a trazer para o interior da escola as tensões e contradições de uma sociedade marcada pela desigualdade. Nesse sentido, evidencia o autor, um dos desafios da escola pública é reconhecer o jovem existente no aluno, ou seja, as trajetórias juvenis, suas práticas sociais e culturais, sua relação com o mundo do trabalho, com os amigos e com o lazer, dentre outras dimensões, como condição para compreender os sentidos, motivações, atitudes e práticas que desenvolvem na sua inserção em processos educativos, que é muito diferente dos jovens alunos das gerações anteriores.

17 16 Ao mesmo tempo, denuncia as contradições existentes nesse processo de expansão do ensino médio, no qual persistem os altos índices de desigualdade social. Esta aparece na precariedade da estrutura física e do funcionamento das escolas, na precarização da condição docente, dentre outros fatores que apontam para a existência de uma pedagogia da precariedade. Conclui que a expansão da escolarização no Brasil representou muito mais um quadro de massificação da educação, de expansão do acesso, do que um processo real de democratização. Nesse contexto, passa a analisar a relação dos jovens com a escola, evidenciando que as motivações e sentidos em relação à escola parecem resultar da conjugação entre o quadro mais amplo das relações sociais em que eles se inserem e aspectos ligados à trajetória individual e familiar. Dependendo dos suportes a que têm acesso via apoio familiar, redes sociais e institucionais, os jovens podem tecer diferentes modos de ser estudante, expressando um continuum diferenciado de posturas na sua relação com a escola. Sobre os projetos de futuro, constata que os jovens manifestam uma gama diferenciada de desejos e sonhos, uma diversidade de projetos, sentidos e motivações que pode ser a expressão dos conflitos de uma sociedade que expandiu a escolaridade e o consumo, mas no contexto de baixas perspectivas de mobilidade social, na qual persiste a reprodução da desigualdade social. A escola pública, conclui o autor, parece estar diante de um dilema. Ela pode continuar prometendo ser um passaporte para um futuro distante, do qual os jovens desconfiam, tendo em vista que a sua experiência lhes ensina que o futuro é incerto nessa sociedade. Por outro lado, ela pode ser uma referência para os jovens, o lugar de acolher e discutir com eles seus medos, angústias, dilemas e alternativas. Para isso, um primeiro passo seria reconhecer os jovens alunos nas suas especificidades e identidades. Em outra perspectiva analítica, o artigo de Mônica Peregrino, Juventude e escola: elementos para a construção de duas abordagens, ao tratar também da relação dos jovens com a escola, chega a conclusões semelhantes às de Leão, principalmente no que diz respeito à produção das desigual-

18 dades escolares. A autora busca analisar as consequências da expansão da escolarização ocorrida no Brasil no ponto de vista dos jovens, perguntandose sobre os tipos possíveis de escola que surgiram com tal expansão e sobre as experiências de escolarização que tal instituição passou a proporcionar. Ao mesmo tempo, pergunta-se em que medida a escola amplia as possibilidades de experimentação da condição juvenil. A análise de Peregrino nos mostra que o processo de expansão escolar das últimas décadas é baseado na lógica do fazer mais com menos, a exemplo de Leão, fazendo com que a expansão das vagas pela aceleração dos processos de aprendizagem e do tempo de habitação da escola pelo jovem antes excluído desta não agregue valor aos processos de escolarização. Dessa forma cria-se, dentro das instituições, uma espécie de habitação escolar sem escolarização, constatando-se que a expansão da escolarização, nessa lógica, vem perpetuando a reprodução das desigualdades escolares. Segundo a autora, uma das formas mais importantes de manifestação de tais desigualdades refere-se à existência, dentro de um mesmo espaço institucional, de modos diversos de escolarização, seja o modo pleno ou o precário. Esses modos implicam trajetórias diferentes e desiguais no interior de uma mesma instituição e possibilidades desiguais de apropriação dos conhecimentos que a escola devia, por princípio, disseminar, de acordo com o modo de escolarização ao qual se é submetido. Nesse sentido, a escola estaria instalando uma nova forma de desigualdade, indicando possibilidades desiguais de enraizamento institucional, e, portanto, disponibilidade desigual e limitada de incorporação dos jovens por parte da instituição. A partir daí Peregrino se pergunta pelo lugar que essa escola ocupa na vida dos jovens. Para a autora, a escola ocupa um lugar importante principalmente na sua relação com outras instituições igualmente importantes nos processos de transição dos jovens para a vida adulta. Constata que a experiência de escolarização, combinada a outras variáveis, a outras modalidades institucionais, produz efeitos diversos, mesmo quando se tomam como referência posições sociais semelhantes. 17

19 18 Juventude, trabalho e participação Outra instância de socialização analisada nesse bloco é o trabalho, no artigo Juventude, trabalho e educação: crônica de uma relação infeliz em quatro atos de Naira Lisboa Franzoi. Nele, a autora busca analisar a relação entre juventude, trabalho e educação, discutindo a histórica negação das especificidades do trabalho e do aluno trabalhador pela escola pública, as complexas relações entre a qualificação profissional e a inserção no mundo do trabalho, as modalidades de oferta de ações de qualificação profissionais escolares e não escolares para jovens e as possíveis relações com a escola. Finalmente, analisa algumas experiências exitosas de educação profissional, apontando certos elementos para uma formação integral dos jovens na sua relação com o mundo do trabalho. Ao longo do texto, a autora reitera as análises de Leão e Peregrino ao evidenciar que a escola pública, composta em grande parte por alunos trabalhadores, não leva em conta no seu cotidiano a realidade do trabalho, muito menos as demandas e necessidades dos jovens alunos, reproduzindo no seu interior a histórica negação do trabalho na tradição cultural brasileira. Essa realidade reforça a ausência de sentido da escola para os jovens, que projetam um futuro melhor através das credenciais escolares, mas não conseguem conectá-lo ao presente. Para Franzoi, os jovens alunos trabalhadores são estrangeiros em uma escola que não fala sua língua. A falta de opções de uma educação profissional pública de qualidade tende a empurrar boa parte dos jovens para qualquer curso de qualificação profissional, grande parte deles de qualidade duvidosa. A autora constata que, embora busquem a profissão desejada no plano de suas iniciativas formativas, as condições objetivas não são favoráveis a ponto de permitirem alcançá-la no plano de sua inserção no mercado de trabalho. Significa dizer que a relação entre formação e emprego não é linear, e as credenciais e a formação atuam de modo diferente segundo redes de pertença social, cultural, familiares ou locais, dentre outras variáveis. Para Franzoi, a certificação

20 adquirida nesses espaços se assemelha a uma senha para uma fila de espera que pode não chegar ao seu fim ou que pode apontar em uma direção bastante diferente daquela para a qual o indivíduo se preparou. Finalmente Franzoi analisa algumas experiências educativas consideradas exitosas, evidenciando que a escola pública pode vir ao encontro das demandas e anseios dos jovens e que é necessária uma vontade política para que o novo possa nascer do velho. Ao descrever algumas dessas experiências, ela vai pontuando alguns aspectos considerados essenciais. Em termos mais gerais, lembra a autora, é fundamental um reforço na oferta de ensino técnico de nível médio e de ensino médio integrado e, nestes, criar uma rede de suporte aos jovens alunos, por meio de bolsas associadas a estágios efetivamente supervisionados e/ou outros tipos de auxílio, como alimentação, transporte, entre outros. Em termos da organização curricular, ela pontua a necessidade de formar os jovens não apenas para o consumo ou adaptação de tecnologias, mas também para a sua produção. Nesse sentido, torna-se necessário educar cidadãos capazes de intervir, em diferentes níveis, nos rumos dados à sua produção e utilização. Outro aspecto é a necessidade de superar a visão reduzida de ensino para articular, de forma orgânica, o ensino e a pesquisa produzida no próprio processo de formação. Acrescenta-se ainda a importância da formação cultural dos jovens, em uma articulação entre ciência, tecnologia e cultura, levando para a escola pontos de contato com a identidade juvenil. Conclui evidenciando a importância de a escola deslocar a ênfase das carências dos alunos, daquilo que lhes falta, para o que os alunos já trazem, para as suas experiências socioculturais, ou seja, reforça a posição de Leão ao lembrar a necessidade de a escola reconhecer o jovem existente no aluno. Finalmente, o último artigo desse bloco, Participación en proyectos y desarrollo integral de adolescentes y jóvenes, de Olga Niremberg, trata da participação dos jovens em projetos sociais, um âmbito muito presente na socialização dos jovens, principalmente dos mais pobres, trazendo uma rica reflexão sobre possíveis critérios para sua avaliação. 19

21 20 Ao desenvolver seus argumentos, a autora faz uma crítica às formas reduzidas de compreensão da juventude como etapa de preparação para a vida adulta ou a sua patologização, advogando a compreensão dessa fase da vida na sua diversidade, com ênfase nas suas potencialidades. A autora, ao analisar e avaliar projetos sociais na América Latina, ressalta algumas categorias que deveriam estar presentes nas ações socioeducativas. Uma delas é a resiliência, entendida como a capacidade humana para enfrentar, superar, aprender, fortalecer-se e transformar-se a partir das situações mais adversas. Associado a ela, propõe o enfoque de habilidades para a vida como uma estratégia sinérgica para enfrentar riscos e adversidades e contribuir para o desenvolvimento integral dos jovens. Depois de discutir a importância da noção de capital social e capital humano nos projetos sociais, a autora defende a necessidade de estratégias para favorecer o empoderamento dos jovens, como meio de alcançar níveis mais altos de autonomia e liberdade, possibilitando a construção da cidadania pelos próprios jovens. Para Niremberg, os projetos e programas sociais, ao assumir tais categorias, poderiam constituir espaços de oportunidade para a inserção social dos jovens, contribuindo para a tomada de consciência, realização e disseminação de seus direitos, significando o início de um processo participativo mais geral e criador de sentido, além de um espaço de exercício de valores e práticas democráticas. A partir daí a autora discute a importância da participação efetiva dos jovens no cotidiano das ações educativas, descentralizando os núcleos de poder no interior das instituições e incorporando o olhar e a voz dos jovens, gerando novas formas de vínculo e envolvimento deles no cotidiano. Finalmente Niremberg levanta vários atributos desejáveis para os programas e projetos voltados para os jovens, que podem servir como um guia na avaliação de projetos sociais e para o debate em torno das políticas públicas de juventude. Sexualidade, gênero e violência Os textos agrupados nesse bloco tratam da sexualidade, em especial da masculina, da questão do gênero na sociedade brasileira e finalmente de algumas manifestações da violência.

22 21 Como vimos em artigos anteriores desta coletânea, uma ideia frequente sobre juventude é que o sujeito, nessa fase da vida, é um vir-a-ser, pois ainda não é maduro o suficiente para decidir os seus destinos, nem é responsável para sustentar suas decisões. Dessa forma, ele precisa ser tutelado, seja pela família, pela escola e/ou pelo Estado. Nessa visão, a juventude é considerada uma fase de transição, um momento de preparação para a vida adulta, o que determina representações, práticas sociais e até políticas públicas direcionadas a esse público. Mas ao percebermos que os jovens já são sujeitos, quais os impactos e impasses dessa representação em seus cotidianos? Como pensar o exercício da sexualidade e o uso do corpo que os jovens estabelecem? A masculinidade entre jovens Em dois artigos a tônica refere-se à masculinidade entre jovens, abordados de forma diferenciada. O trabalho de Rubens de Camargo Ferreira Adorno e Geraldo Pereira da Silva Júnior, Visibilidade e invisibilidade do trabalho de garotos de programa, traz a pesquisa realizada com jovens garotos de programa moradores de bairros periféricos de São Paulo. Ele mostra que, no espaço das cidades, muitas vezes, os jovens costumam ter visibilidade, apresentando-se como sujeitos ativos, ora em posições valorizadas socialmente, ora em posições discriminadas. Todavia, também há jovens que podem passar despercebidos, invisíveis, como são os garotos de programa. Apesar de atualmente haver um reconhecimento institucional relativo aos profissionais do sexo categoria em que os garotos de programa podem ser inseridos não há um reconhecimento moral, o que, somado a outros aspectos, contribui para a invisibilidade desses jovens. A invisibilidade também ganha contornos nas relações pessoais dos garotos de programa, na medida em que a família e os amigos desconhecem sua atividade, marcando, mais uma vez, o não reconhecimento moral da atividade. Finalmente, outro aspecto que parece contribuir para

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira Fortalecendo as escolas na rede de proteção à criança e ao adolescente

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos PROGRAMAÇÃO

60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos PROGRAMAÇÃO VIII Semana do Assistente Social 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos 12 a 15 de maio de 2008 Escola de Serviço Social da PUC Minas Apoio: Núcleo de Direitos Humanos - Pró-Reitoria de Extensão

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS PRISCILA NUNES FRANÇA DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO), CARLA TATIANA MUNIZ SOUTO MAIOR (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO).

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais

Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais André Lodeiro Castanheira andre_castanha@hotmail.com Magali Oliveira Kleber magali.kleber@gmail.com Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas

serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas Conselho Editorial Bertha K. Becker Candido Mendes Cristovam Buarque Ignacy Sachs Jurandir Freire Costa Ladislau Dowbor Pierre Salama Mônica de Castro

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES Cristina Ferreira Assis 1 Rosa Maria da Exaltação Coutrim 2 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO A pesquisa ora apresentada refere-se ao ser

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DE/PARA E COM JOVENS: ponderações sobre a participação juvenil

ORGANIZAÇÕES DE/PARA E COM JOVENS: ponderações sobre a participação juvenil ORGANIZAÇÕES DE/PARA E COM JOVENS: ponderações sobre a participação juvenil Maria do Socorro Sousa de Araújo 1 Maria Betânia Silva Magalhães 2 Resumo: Apresentação dos dados da pesquisa visando identificar

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010 CAPA Dreamstime 18 Desenvolvimento março/abril de 2010 Como nossos pais? Bruno De Vizia de Brasília Mudança no perfil etário da população, crescimento econômico e melhor acesso à educação ressaltam importância

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

II JORNADA NORDESTE DE SERVIÇO SOCIAL: Interdisciplinariedade, Formação Profissional, Questões Urbanas e os Desafios para o Projeto Ético Político

II JORNADA NORDESTE DE SERVIÇO SOCIAL: Interdisciplinariedade, Formação Profissional, Questões Urbanas e os Desafios para o Projeto Ético Político II JORNADA NORDESTE DE SERVIÇO SOCIAL: Interdisciplinariedade, Formação Profissional, Questões Urbanas e os Desafios para o Projeto Ético Político 1) OBJETIVOS DA II JNSS: Fortalecer e difundir a produção

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE CRIANÇA E INFÂNCIA NA PESQUISA E NA EXTENSÃO DO NUREGS/UEPG 1

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE CRIANÇA E INFÂNCIA NA PESQUISA E NA EXTENSÃO DO NUREGS/UEPG 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ALGUMAS REFLEXÕES

Leia mais

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL Jéssica Caroline Medeiros SILVA 1 RESUMO: O presente estudo traz à discussão a família, visualizando-a na perspectiva critica como uma construção histórica. Analisamos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais