IX ENCONTRO DA ABCP. Área Temática: Teoria Política SAT 27: Feminismo, autonomia e multiculturalismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IX ENCONTRO DA ABCP. Área Temática: Teoria Política SAT 27: Feminismo, autonomia e multiculturalismo"

Transcrição

1 IX ENCONTRO DA ABCP Área Temática: Teoria Política SAT 27: Feminismo, autonomia e multiculturalismo O PAPEL DA DELIBERAÇÃO NA TEORIA DEMOCRÁTICA: poder, interesses e conflito na democracia deliberativa MAURO VICTORIA SOARES Departamento de Ciência Política Universidade Federal de Pernambuco Brasília, DF 04 a 07 de agosto de 2014

2 O PAPEL DA DELIBERAÇÃO NA TEORIA DEMOCRÁTICA: poder, interesses e conflito na democracia deliberativa Mauro Victoria Soares (DCP-UFPE) Resumo do trabalho: Na visão clássica de democracia deliberativa (concepção originária da noção de política deliberativa de inspiração habermasiana) reside uma crítica radical à lei como mera expressão de uma vontade política sobre outra e a respectiva aposta no atributo racional das decisões políticas oriundas de processos deliberativos adequados. Surge em anos recentes uma visão expandida, apresentando um critério da mútua justificação que tem pretensão menos racionalista, ao substituir o propósito cognitivo inicial da deliberação pública segundo a concepção clássica. Trata-se do reconhecimento da importância no manejo do desacordo no tratamento político das controvérsias, antes sonegado pela visão estrita originária. A agenda da democracia deliberativa renovada, por seu turno, encara a necessidade de se pensar o pluralismo como divergência disseminada quanto aos valores compartilhados em sociedades multifárias. Essas transformações da concepção de democracia deliberativa aproximam-na, assim, de uma visão pluralista do jogo político que admite profunda divergência quanto a interesses e preferências mas que se ocupa de pensar condições para uma disputa mais legítima com relação aos valores políticos e aos bens sociais objeto de contenda. Palavras-chave: democracia deliberativa; competição política, poder político, pluralismo político 1

3 Democracia e deliberação Existe certo grau de dissenso entre os integrantes da corrente que defende uma democracia deliberativa o que se evidencia dos estudos de caso realizados sobre o tema 1. Ainda que a idéia de democracia deliberativa evoque a contraposição ao modelo de viés competitivo e origem liberal, as propostas envolvem iniciativas teóricas de procedência tão variada como o constitucionalismo liberal e a teoria crítica 2. Segundo Bohman (1998: 401) democracia deliberativa corresponde a uma visão pertencente a uma... família de concepções segundo as quais a deliberação pública de cidadãos livres e iguais constitui o cerne da decisão política legítima e do autogoverno. Ainda que a rubrica abrigue uma série de propostas com diferenças significativas entre si, de um modo geral todas elas apostem no debate público como referencial para a crítica e o aperfeiçoamento das instituições democráticas. As visões deliberativas posicionam-se de maneira crítica em relação às concepções de democracia de caráter minimalista, as quais não oferecem recursos teóricos para realizar o diagnóstico das severas assimetrias que comprometem a distribuição de poder político em regimes democráticos eleitoralmente estáveis. Há, contudo, em todas elas um propósito igualitário que é transversal às diferenças específicas que as dividem. Ele aparece de modo distinto se compararmos os trabalhos originários e a literatura mais recente. Uma política deliberativa Na visão deliberativa, o recurso a critérios que se baseiem no intercâmbio de razões opõem como modelo teórico - a prática do diálogo franco e aberto entre as partes em disputa às formas de resolução de questões 1 Veja-se os survey articles de Bohman (1998) e Freeman (2000), assim como a análise de Chambers (2003). 2 A respeito, ver a discussão de Dryzek (2000), cap. 1. 2

4 políticas nas quais a força relativa de cada interessado tenha papel predominante. Se a prática argumentativa for privilegiada diz-se a prevalência da força das melhores razões combaterá as arbitrariedades representadas por recursos desigualmente distribuídos e hierarquias sociais injustificáveis Esse propósito geral que defende uma solução argumentativa para a desigualdade de forças na disputa política tem origem no trabalho de Jürgen Habermas. Em termos gerais, a proposta de uma política deliberativa defendida pela teoria do discurso condiciona o exercício da autoridade política ao emprego de uma argumentação pública não distorcida por parte daqueles sujeitos à influência daquela autoridade. Enfatiza-se, nesse sentido, a prática social do intercâmbio de razões entre os membros de uma comunidade política, na expectativa de que as posições políticas individuais sejam transformadas em decorrência desse processo. Espera-se que a interação comunicativa entre os agentes favoreça o confronto de perspectivas opostas e o manejo desse conflito em termos argumentativos proporcione a devida consideração dos interesses do adversário, facilitando a convergência de opiniões e a proposição de termos de ação concertada [Habermas (1992: 181)]. Segundo o autor, a uma argumentação reflexiva sobre temas públicos, presente em inúmeros níveis de interação comunicativa tenderia a condicionar e orientar o exercício do poder coercitivo. O propósito declarado é resgatar para as sociedades complexas uma reinterpretação da noção de uma comunidade política autodeterminada de cidadãos livres e iguais. Apesar das limitações inerentes a sistemas políticos de larga escala associadas, por exemplo, à necessidade de representação política - o exercício da soberania popular é pensado nesse modelo não segundo a fórmula de Rousseau (a validade de uma vontade coletiva não pode se assentar na mera forma da lei). Em lugar de... qualidades lógico-semânticas de leis abstrato-gerais 3, importa um procedimento de formação da opinião e da vontade realizado no debate público, condições de comunicação que permitiriam fazer supor como 3 Habermas (1989: 103) 3

5 racionais (passíveis de consentimento condicional e provisório) as decisões tomadas com base naquele processo prévio de discussão pública. Nessa lógica, é esse debate livre o que confere validade às decisões tomadas por expressão da vontade majoritária 4 Ao recusar a estruturação do governo nos termos da divisão entre uma elite decisória e uma massa dirigida que tenta regular a performance dos governantes, essa visão entende por democracia uma ordem social baseada nas relações horizontais entre os cidadãos. O principal desafio para tal construção é atribuir um papel regulador efetivo para o debate público: Como pode o diálogo livre entre os interessados ter influência sobre os arranjos políticos? Duas vias A solução apresentada pelo autor é o modelo de duas vias ou estágios, baseado na separação funcional entre práticas deliberativas próprias à esfera pública (informal) de um lado, e de outro procedimentos decisórios (também de caráter dialógico, na medida em que seguirem critérios deliberativos de legitimidade) nas instâncias políticos formais. Esse esquema analítico, embora responda a uma lógica de fundamentação dos desdobramentos políticoinstitucionais próprios à sua teoria do discurso, pode ser interpretado como uma tentativa de articular a noção de uma deliberação pública ampla com os sistemas decisórios característicos das instituições democráticas contemporâneas. Trata-se de uma tradução sociológica das condições de legitimação deliberativa dos processos de escolha democráticos 5, O modelo das duas vias compreende o processo político composto, de um lado, por uma arena pública informal de comunicação política livre, baseada nas múltiplas associações e interações dispersas em uma rede de comunicação política que 4 Idem, p Habermas (1992: 287). 4

6 estrutura a esfera pública e, de outro, por fóruns oficias de tomada de decisão, nas instituições políticas formais. No primeiro caso, temos um cenário de um envolvimento diversificado da sociedade com as questões públicas, suscitadas em múltiplos processos distribuídos por inúmeras arenas: conversações face a face no convívio cotidiano da casa, vizinhança e trabalho; discussões em toda espécie de associação voluntária que formam a sociedade civil (clubes, organizações civis, corporativas ou propriamente de militância política, etc.); a difusão de informação via canais midiáticos 6. No segundo caso, tem-se a complexa rede de instituições governamentais, agências e organismos encarregados da produção de decisões vinculantes. O primeiro estágio seria teoricamente a arena de comunicação irrestrita capaz de tematizar problemas de uma forma não especializada. Seu mérito é contar com contribuições oriundas de fluxos comunicativos dispostos em redes horizontalizadas com alta sensibilidade às pressões sociais. O segundo estágio, por seu turno, conta com um formato institucional mais definido e o propósito de oferecer respostas às demandas da esfera pública, selecionandoas e apresentando critérios que justifiquem a prioridade dada a determinadas questões. Na lógica desse modelo, os resultados desse processo dual poderiam contar com a presunção de razoabilidade 7 dada a estrutura discursiva de formação da opinião (pública) que subjaz, nessa leitura teórica, ao modo como a as interações comunicativas cumprem sua função de integração social. Uma vez dimensionada tal separação nesse enfoque dual, no entanto, como pensar a operação de cada uma das esferas e a conexão necessária entre as duas vias? Habermas (1992: 354) recorre a um modelo de circulação do poder político elaborado por Peters 8. Segundo essa interpretação, cabem às instituições decisória oficias (governo, judiciário administração pública e todas as instâncias de formalização decisória, como processos eleitorais, por 6 Idem (1992: 355). 7 Cohen (1999:400) 8 Peters, Bernhard (1993); Die Integration moderner Gesellschaften; Frankfurt: Suhrkamp Verlag. 5

7 exemplo), as quais compõem o núcleo do sistema político, lidar em termos práticos com as exigências técnicas dos temas em pauta e com a necessidade de se decidir em tempo hábil as questões objeto de análise. Algumas das instâncias que o compõem apresentam mais sensibilidade às reivindicações oriundas de fora dessa arena central (como é o caso do parlamento), mas seu papel fundamental é o da organização do poder político e tomada de decisões formais. De outro lado, a esfera pública informal compõe a periferia desse sistema. Ela se caracteriza pela presença de inúmeras arenas diferenciadas e porosas aos temas candentes, aptas a problematizar questões que podem vir a atingir o núcleo central do sistema político. Para Habermas, é vital para essa instância o confronto entre os múltiplos discursos existentes nas sociedades plurais como as que compõem as modernas democracias de massa. Esse confronto seria a marca da luta, por parte dos integrantes dessas arenas periféricas, por influenciar a esfera pública formal. Supõe-se então um sistema de eclusas que regularia a transição das demandas insurgentes pelos canais restritos que levam às arenas decisórias oficiais. O fundamental, de acordo com o autor (1992: 356), é que as decisões produzidas pelas instâncias políticas formais sejam orientadas pelos processos mais livres de formação de demandas que ocorrem na periferia. Conforme Bohman (1994: 914) tal estratégia teórica de diferenciação centro-periferia tem o objetivo de retirar a sobrecarga que afetaria um modelo deliberativo de democracia que exigisse o envolvimento direto de todos os concernidos nas deliberações relevantes que conduzam às decisões tomadas. Presume-se, ao contrário, que embora possam se conceber variados processos deliberativos disseminados pela esfera pública, existe uma diferenciação importante entre, de um lado, o papel das deliberações voltadas meramente para a composição de opiniões comuns, que se formariam de modo disperso e despretensioso e, de outro, as arenas deliberativas organizadas com vistas à produção de decisões. Na dinâmica desse esquema analítico, as deliberações relevantes ocorrem em ambas as instâncias (esfera pública informal e formal): enquanto o debate difuso do público asseguraria a renovação da agenda política, as 6

8 deliberações formais garantiriam a medida de efetividade às decisões relevantes. A relação entre as duas vias do processo democrático possibilitaria, segundo Habermas (1992: 448) - uma vez assegurado o caráter discursivo de formação da vontade política a suposição (falível) de que os resultados gerados por tal circulação do poder político sejam mais ou menos razoáveis. Importa ao autor, em última análise, assegurar a viabilidade de uma noção de soberania popular 9 (que possa se sobressair à mera acomodação de interesses fragmentados) concebida em termos procedimentais (que não pressuponha, portanto, o engajamento cívico da interpretação republicana) 10, a qual seria distinguível a partir dessa influência dos discursos públicos sobre as decisões políticas oficiais. Em que pesem tais esforços de elaboração teórica, o modelo das eclusas não fornece muitas pistas sobre a conexão entre deliberações políticas sobre temas específicos e o modo como elas podem validar decisões vinculantes tomadas acerca desses temas. Dada a generalidade do esquema explicativo, ele não parece auxiliar na compreensão de mecanismos eficazes de decisão democrática. Como sugere o próprio Cohen (1999: 409), tal modelo limita-se a detectar mobilizações esporádicas de demandas esparsas, não necessariamente integradas à agenda decisória do sistema democrático. Assim, tem-se um deslocamento dos processos propriamente democráticos para fora das instituições decisórias consolidadas dos sistemas políticos. Limites e nova agenda Assim, a despeito do porte da teoria social habermasiana e da complexidade que envolvem as premissas relacionadas à força integradora da comunicação social, o resultado político-institucional de sua explicação é, por fim, bastante similar à lógica tradicional ao pensamento liberal 11 : o sistema político tem uma dinâmica própria e pode apenas ser contido por via das 9 Veja-se Habermas (1989). 10 Cf. Habermas (1991). 11 Dryzek (2000: 26). 7

9 exigências do direito, que por sua vez depende de processos legítimos de elaboração para sua convalidação. A estrutura básica do modelo lembra a do constitucionalismo liberal. Contudo, a particular aposta em formas alternativas de geração de poder comunicativo faz com que a legitimidade das decisões políticas dependa demais da capacidade de inter-relação entre, de um lado, uma esfera pública capaz de tematizar questões alternativas e, de outro, arenas decisórias com seu próprio sistema de emprego do poder administrativo. Ora, sobre pouco especo teórico para se procurar compreender os mecanismos através dos quais grupos e indivíduos específicos são mais ou menos capazes de ocupar centros decisórios relevantes. O modelo discursivo retrata a articulações de demandas políticas a partir de relações intersubjetivas. Privilegia, nessa medida, o papel das interações informais cotidianas na vocalização de interesses - em detrimento, por exemplo, de uma abordagem como a do pluralismo, a qual procura entender as questões políticas em termos de interesses de grupos em disputa. A rigor, o fluxo comunicativo mantêm-se no modelo habermasiano à revelia de qualquer protagonismo individual ou coletivo. Na forma como a perspectiva teórico-discursiva de Habermas entende o exercício meramente procedimental da soberania popular, as comunicações da arena pública são retratadas como desprovidas de sujeito (subjektlos) 12. Importa mais, nessa leitura, a o processo de circulação do poder em fóruns oficiais ou extraoficiais do que a identificação dos agentes, de suas posições e dos recursos de que dispõem. Em contraposição a essa interpretação discursiva originária, Jane Mansbridge e colaboradores (2010) propõem uma visão expandida da democracia deliberativa. Essa autodenominada terceira geração da corrente trabalha com a ideia de sistemas deliberativos. Redefinição busca enfrentar dificuldades de origem da corrente deliberativa, problematizando, por exemplo, mecanismos pelos quais processos de deliberação possam ter influência 12 Habermas(1992: 136) 8

10 decisória e pensando cenários abrangentes nos quais a inter-relação entre arenas possa compor um quadro geral que preserve espaços deliberativos. Nessa nova perspectiva, a pretensão racionalista de Habermas (de geração de acordos normativos legítimos) é substituída o um critério da mútua justificação que tem menor pretensão epistêmica. Em vez da expectativa de que sejam geradas decisões apoiadas em um critério de correição moral, nas novas concepções de deliberação almeja-se apenas a convergência quanto à estruturação do conflito em termos aceitáveis, de modo a que a reciprocidade entre os concernidos possa motivar a cooperação. Essa visão alargada ou expandida procura então fornecer subsídios para se lidar com o conflito. Na perspectiva originária da teoria do discurso, a barganha e a ação estratégica são ações políticas que necessitariam de neutralização através do diálogo. Em vez de imunizar a disputa política em relação ao conflito entre posições autointeressadas, a visão expandida passa a reconhecer a importância do manejo do desacordo no tratamento político das controvérsias. Nesse passo, caminha-se em direção à valorização do arsenal instrumental de mecanismos disponíveis para a solução do conflito político de forma democrática deliberativa ou não que compõe a estrutura institucional do regime democrático. A agenda da democracia deliberativa renovada enfrenta então a necessidade de se pensar o pluralismo como divergência disseminada quanto aos valores compartilhados em sociedades de massa. Mas ainda enxergam mecanismos decisórios como complementares e subordinados aos fóruns de deliberação. Não levam em conta - o que seria mais acertado - o papel instrumental das deliberações em relação aos processos decisórios efetivos (como eleições, p. ex.) 13 Uma interpretação ainda mais realista e menos exigente do papel da deliberação pública, pode concebê-la em termos sistêmicos : em vez de procurar diagnosticar, no processamento político de questões públicas, espaços de referência a uma lógica operativa que favoreça o diálogo, é possível conceber a deliberação como uma competição entre visões 13 Como faz, por exemplo, Christiano (1997). 9

11 alternativas dos projetos políticos em disputa, que ocupam funções colidentes no processamento das demandas políticas. Ao se seguir essa linha de interpretação da confrontação entre visões adversárias vocalizadas em instituições decisórias de competências distintas, um debate público de pretensões epistêmicas bastante reduzidas passa a envolver o embate entre visões adversárias em um mesmo processo. A alusão que faz Pettit (2001), por exemplo, a uma separação entre uma dimensão autoral e uma dimensão editorial da democracia é ilustrativa dessa interpretação. Para além da capacidade de eventualmente mobilizar discursos alternativos às visões dominantes que se sobressaem na disputa política, os mecanismos de revisão e reinterpretação das decisões políticas - situados em instituições de controle alternativas aos órgãos representativas tradicionais podem representar espaços de exercício de uma confrontação indireta de discursos relevantes. Um modelo que valorize essa oposição entre instâncias de poder pode fornecer uma leitura da deliberação pública voltada para o diagnóstico de centros de confronto discursivo em que as ideias políticas em disputa sejam canalizadas com algum poder de influência sobre os centros decisórios estabelecidos. 10

12 Referências: BOHMAN, James; Complexity, pluralism and the constitutional state: on Habermas s Faktizitat und Geltung; Law & Society Review, vol. 28, n. 4; 1994 BOHMAN, James; Public Deliberation: pluralism, complexity and democracy; Cambridge: The MIT Press, 1996 BOHMAN, James; Survey article: the coming of age of deliberative democracy; The Journal of Political Philosophy; vol 6, n. 4; Oxford: Blackwell, 1998 CHRISTIANO, Thomas [1997]; The signficance of public deliberation; in Deliberative Democracy: essays on reason and politics; James Bohman e William Rehg (ed.); Cambridge: The MIT Press, COHEN, Joshua [1989]; Deliberation and democratic legitimacy; in Deliberative Democracy: essays on reason and politics; James Bohman e William Rehg (ed.); Cambridge: The MIT Press, 1999 COHEN, Joshua; Reflections on Habermas on Democracy; Ratio Juris, vol. 12, n. 4; Oxford: Blackwell Publishers; dezembro de 1999 CHAMBERS, Simone; Deliberative Democratic Theory; Annual Review of Political Science, vol. 6; DRYZEK, John S.; Deliberative Democracy and Beyond: liberals, critics, contestations; Oxford University Press, 2000 FREEMAN, Samuel; Deliberative Democracy: a Sympathetic Comment; Philosophy and Public Affairs, vol. 29, n. 4; Princeton University Press; outono de 2000 HABERMAS, Jürgen (1989) Soberania popular como procedimento; trad. de Márcio Suzuki; in Novos Estudos, n. 26; São Paulo: Cebrap, março de 1990 HABERMAS, Jürgen [1991]; Três modelos normativos de democracia; trad. de Gabriel Cohn e Álvaro de Vita; Lua Nova, n. 36; São Paulo, HABERMAS, Jürgen, [1992]; Between Facts and Norms; trad. de William Rehg; Cambridge: The MIT Press,

13 MANSBRIDGE, Jane et al. Self-interest and the role of power in deliberative democracy; The Journal of Political Philosophy, vol. 18, n, 1, 2010 PETTIT, Philip [2001] A theory of freedom: from the psychology to the politics of agency. Oxford University Press 12

Democracia, igualdade política e justificação pública:

Democracia, igualdade política e justificação pública: 38 Encontro Anual da ANPOCS 27 a 31 de outubro de 2014, Caxambu, MG GT 10: Democracia e Desigualdades 1ª sessão: Democracia e desigualdades: desafios teóricos Democracia, igualdade política e justificação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Camila Cardoso de Andrade

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Camila Cardoso de Andrade PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO Ementa do Grupo de Pesquisa Introdução à Filosofia Política de Jürgen Habermas Camila Cardoso

Leia mais

Governança universitária em questão: panorama das tendências internacionais

Governança universitária em questão: panorama das tendências internacionais Governança universitária em questão: panorama das tendências internacionais Profª Drª Elizabeth Balbachevsky Professora Associada, Dep. de Ciência Política USP Vice Diretora: NUPPs/USP Governança: novos

Leia mais

A TENSÃO ENTRE CONSTITUCIONALISMO E DEMOCRACIA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

A TENSÃO ENTRE CONSTITUCIONALISMO E DEMOCRACIA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A TENSÃO ENTRE CONSTITUCIONALISMO E DEMOCRACIA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO Pedro Luiz de Andrade Domingos - Graduando em Direito pela UFES Tratar de Democracia e Constitucionalismo no Brasil não é tarefa fácil.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua Sonia FLEURY (2002) A proliferação de redes de gestão resulta de fatores múltiplos que conformam uma nova realidade política e administrativa.

Leia mais

A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais Paul J. DiMaggio; Walter W.

A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais Paul J. DiMaggio; Walter W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais Paul J. DiMaggio; Walter W. Powell Apresentação por Gislaine Aparecida Gomes da Silva Mestranda

Leia mais

Marcelo Rangel Lennertz. Agências Reguladoras e Democracia no Brasil: entre Facticidade e Validade. Dissertação de Mestrado

Marcelo Rangel Lennertz. Agências Reguladoras e Democracia no Brasil: entre Facticidade e Validade. Dissertação de Mestrado Marcelo Rangel Lennertz Agências Reguladoras e Democracia no Brasil: entre Facticidade e Validade Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013 REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS 10 de Dezembro 2013 I Denominação Fundada no Brasil em 16 de março de 2007, denomina-se REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA o conjunto de organizações da

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.3 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas tem caráter multidisciplinar, integrando em suas disciplinas diversos

Leia mais

Políticas Públicas I. Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda. Julho/2011

Políticas Públicas I. Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda. Julho/2011 Políticas Públicas I Modelos de Análise de Políticas Públicas Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011 Temas Modelos de análise: Institucional e sistêmico; Elitista e pluralista; Da teoria da escolha

Leia mais

Sobre o patriotismo constitucional. Flávio Azevedo Reis. Mestre em Filosofia e Doutorando. Orientador: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Terra

Sobre o patriotismo constitucional. Flávio Azevedo Reis. Mestre em Filosofia e Doutorando. Orientador: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Terra Sobre o patriotismo constitucional. Flávio Azevedo Reis Mestre em Filosofia e Doutorando Orientador: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Terra Departamento de Filosofia, FFLCH-USP 1) Resumo: O objetivo deste trabalho

Leia mais

Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA

Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA Os desdobramentos da Abordagem Estruturalista Teoria da Burocracia Ênfase na Estrutura Abordagem Estruturalista Teoria Estruturalista Ênfase na Estrutura,

Leia mais

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI BRI 009 Teorias Clássicas das RI Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI Janina Onuki IRI/USP janonuki@usp.br 23 e 24 de setembro de 2015 ESCOLA INGLESA Abordagem que busca se diferenciar do debate

Leia mais

Held, David Models of democracy. Stanford: Stanford University Press.

Held, David Models of democracy. Stanford: Stanford University Press. Disciplina: Democracia, poder local e participação Professora: Joana Tereza Vaz de Moura Ementa: Teorias de democracia: pluralismo, democracia deliberativa, democracia participativa, democracia associativa.

Leia mais

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa Elementos para uma teoria libertária do poder Felipe Corrêa Seminário Poder e Estado Florianópolis, março de 2012 DEFINIÇÕES DE PODER - Poder é toda probabilidade de impor a própria vontade numa relação

Leia mais

O AVANÇO DAS POLITICAS SOBRE DROGAS NO BRASIL

O AVANÇO DAS POLITICAS SOBRE DROGAS NO BRASIL O AVANÇO DAS POLITICAS SOBRE DROGAS NO BRASIL O AVANÇO DAS POLITICAS SOBRE DROGAS NO BRASIL Arcabouço de leis ao longo dos últimos anos, foram fundamentais na consolidação do processo das políticas sobre

Leia mais

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 5 Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 1 CONTROLE SOCIAL: O controle social é entendido como a participação do cidadão na gestão

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 07. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 07. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 07 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua Teorias e Modelos de Análise Contemporâneos de Políticas Públicas TEORIA DO EQUILÍBRIO PONTUADO Baumgartner & Jones: PERGUNTA: Por que é que

Leia mais

Inovação substantiva na Administração Pública

Inovação substantiva na Administração Pública Inovação substantiva na Administração Pública XI Encontro Nacional de Escolas de Governo 10 e 11 de dezembro de 2015 Rosana Aparecida Martinez Kanufre Superintendência Instituto Municipal de Administração

Leia mais

SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA ANEXO Ii DISCIPLINA/EMENTA/PERFIL DO CANDIDATO/NÚMERO DE VAGAS VAGA= Vaga imediata CR= Cadastro de Reserva

SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA ANEXO Ii DISCIPLINA/EMENTA/PERFIL DO CANDIDATO/NÚMERO DE VAGAS VAGA= Vaga imediata CR= Cadastro de Reserva 01 02 03 04 DISCIPLINA EMENTA PERFIL DO CANDIDATO VAGA Introdução aos Estudos sobre Segurança Introdução à Educação a Distância Estado, Direito e Cidadania, em perspectiva comparada Antropologia do Direito

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

A FUNDAMENTAÇÃO ÉTICA DOS DIREITOS HUMANOS NA TEORIA DA JUSTIÇA DE JOHN RAWLS

A FUNDAMENTAÇÃO ÉTICA DOS DIREITOS HUMANOS NA TEORIA DA JUSTIÇA DE JOHN RAWLS A FUNDAMENTAÇÃO ÉTICA DOS DIREITOS HUMANOS NA TEORIA DA JUSTIÇA DE JOHN RAWLS Caroline Trennepohl da Silva * RESUMO: A intenção do trabalho é refletir acerca da fundamentação ética dos direitos humanos

Leia mais

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 É necessário conhecer e apreender a realidade de cada instituição escolar que

Leia mais

Revisão de instrumentos de inteligencia artificial e medias sociais em apoio a legitimidade democrática.

Revisão de instrumentos de inteligencia artificial e medias sociais em apoio a legitimidade democrática. Democracias e Politicas Públicas Revisão de instrumentos de inteligencia artificial e medias sociais em apoio a legitimidade democrática. Dr. Fatima Lampreia Carvalho, Researcher CIEO Algarve University

Leia mais

C O N T E X T O S D A J U S T I Ç A

C O N T E X T O S D A J U S T I Ç A CONTEXTOS DA JUSTIÇA Rainer Forst CONTEXTOS DA JUSTIÇA FILOSOFIA POLÍTICA PARA ALÉM DE LIBERALISMO E COMUNITARISMO TRADUÇÃO Denilson Luís Werle Sumário Prefácio... 7 Introdução Liberalismo, comunitarismo

Leia mais

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7 Índice Prefáce de Jean-Louis Laville........................... xiii Prefácio........................................ xvii Nota.......................................... xxi Introdução Geral...................................

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de 2012. Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício da competência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

ALTERNATIVAS PENAIS E REDE SOCIAL

ALTERNATIVAS PENAIS E REDE SOCIAL ALTERNATIVAS PENAIS E REDE SOCIAL Márcia de Alencar 1 Desde 1984, o direito penal brasileiro possibilita que o Estado ofereça uma resposta penal diferenciada aos infratores de baixo e médio potencial ofensivo,

Leia mais

Políticas, gestão pública e inclusão social

Políticas, gestão pública e inclusão social Políticas, gestão pública e inclusão social Telma Maria Gonçalves Menicucci Fundação João Pinheiro Apresentação Relação das políticas públicas com a política Implementação de políticas sociais Políticas

Leia mais

Povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais

Povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais Povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais Instalação e operação de grandes empreendimentos na Amazônia Isabelle Vidal Giannini Cássio Ingles de Sousa Papel da consultoria Apoio na construção

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio TEMA CADERNO 3 : O CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO, SEUS SUJEITOS E O DESAFIO DA FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Moderadora: Monica Ribeiro da Silva Produção: Rodrigo

Leia mais

Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina

Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina Maria Clara Couto Soares Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e

Leia mais

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. SISTEMA DE GARANTIA DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Art. 227 - É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida,

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO "Que tristes os caminhos se não fora a presença distante das estrelas"? (Mario Quintana)

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Aula 4 Custos de transação e Informação: teoria da agência e contratos

Aula 4 Custos de transação e Informação: teoria da agência e contratos Aula 4 Custos de transação e Informação: teoria da agência e contratos A- Teoria da agência A.1- A relação principal e agente A.2- Informação assimétrica e custos de transacção: A.2.1- Risco moral e selecção

Leia mais

Políticas Públicas para a Educação Profissional e Tecnológica

Políticas Públicas para a Educação Profissional e Tecnológica Tópicos a serem abordados: Por quê? Para quê? O papel da SETEC / MEC Antecedentes A Retomada do Processo de Estruturação da Proposta de Políticas Públicas para a Linhas Estratégicas Por quê? Para quê?

Leia mais

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP INSTITUCIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SINP/PMSP

Leia mais

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO GRUPO: ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO DIREITOS E DEVERES Identificar situações de autonomia e responsabilidades partilhadas

Leia mais

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os

Leia mais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais Comissão da Câmara de Educação Superior

Leia mais

Evolução da Administração Pública e do Direito Administrativo

Evolução da Administração Pública e do Direito Administrativo 1 Evolução da Administração Pública e do Direito Administrativo 2 A época medieval Não há qualquer unidade que sirva de referência a um interesse público primário nem a um aparelho organizado destinado

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS Lisboa, 10 de Dezembro 2007 DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS LIÇÕES DE UMA DÉCADA DE EXPERIMENTAÇÃO Alberto Melo Delegado Regional IEFP, Delegação Regional do Algarve

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: Direito Período: 3 o DEPARTAMENTO: Ano: 2016 DISCIPLINA: Direito Constitucional (Teoria Geral da Constituição) CARGA HORÁRIA:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. CESPE Prof. Marcelo Camacho

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. CESPE Prof. Marcelo Camacho ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CESPE Prof. Marcelo Camacho PROGRAMAÇÃO DAS AULAS TRE-PE ANALISTA JUDICIARIO AREA ADMINISTRATIVA AULA 1 1 As reformas administrativas e a redefinição do papel do Estado. 1.1 Reforma

Leia mais

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9 Sumário Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Introdução, 1 Debate sobre Governo e Administração Pública, 1 Gestão Pública no Brasil, 3 Reforma e Modernização do Estado, 4 Papel do Estado no Mundo

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Sumário resumido. As origens da competição e do pensamento estratégico. Aplicação dos fundamentos da estratégia. Gestão competitiva do conhecimento

Sumário resumido. As origens da competição e do pensamento estratégico. Aplicação dos fundamentos da estratégia. Gestão competitiva do conhecimento Sumário resumido Fundamentos da Estratégia e da Competição CAPÍTULO 1 EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ESTRATÉGICO As origens da competição e do pensamento estratégico PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Aplicação

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 03. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 03. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 03 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua Poder, Racionalidade e Tomada de Decisões A RACIONALIDADE E A TOMADA DE DECISÕES NAS POLÍTICAS PÚBLICAS Controvérsia da literatura sobre tomada

Leia mais

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso Aulas 3 e 4 07 a 10 de setembro de 2011 Com base nos textos de

Leia mais

http://bd.camara.leg.br Dissemina os documentos digitais de interesse da atividade legislativa e da sociedade. ISONOMIA ENTRE ENTES FEDERADOS MÁRCIO SILVA FERNANDES Consultor Legislativo da Área I Direito

Leia mais

Outline da carta de Madri de 1998

Outline da carta de Madri de 1998 CLAD - Conselho Latino-Americano de Administração para o Desenvolvimento Outline da carta de Madri de 1998 Este outline foi preparado por Luiz Carlos Bresser- Pereira em 23.2.98 para servir de base para

Leia mais

O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Manaus, abril/2016 www.ifam.edu.br www.ifam.edu.br O QUE É PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL? É um documento teórico metodológico

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados

I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados índice Geral índice de Tabelas 12 índice de Figuras 18 Agradecimentos 23 Introdução 27 I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados CAPÍTULO l Declínio, transformação e confiança

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura

Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura Capítulo I Da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura (CNPdC) Artigo 1º A Comissão Nacional dos Pontos de Cultura (CNPdC) é um colegiado autônomo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O I IDENTIFICAÇÃO Curso: Direito Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Ano Letivo: 2016 Semestre: 2º Semestre Turno:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO 2º CICLO DOMÍNIO DA CRITÉRIOS GERAIS PERFIL DO ALUNO: DESCRITORES GERAIS INSTRUMENTOS INDICADORES DE % Coordenação psico-motora. Sentido de pulsação/ritmo/harmonia/ fraseado. COGNITIVOS: APTIDÕES CAPACIDADES

Leia mais

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 A Ouvidoria na Saúde Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 Cenário Social Nas últimas décadas a sociedade brasileira passou por inúmeras mudanças que determinaram o redimensionamento de políticas públicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Disciplina: Tópicos Especiais em OI: Gestão da Informação, Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) OU PROPOSTA PEDAGÓGICA Representa a ação intencional e um compromisso sociopolítico definido coletivamente

Leia mais

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Plano de Aula 1. Plano de aulas 2. Sobre o curso 3. Estudo de teorias e modelos: definições e problemas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET a) Fixação do nº mínimo de objetivos por carreira: Dirigentes Intermédios (coordenadora Técnica) 4 Objetivos (um funcional, um de relacionamento e um de grau

Leia mais

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira 1 Estratégico OS MODELOS DE PLANEJAMENTO Sem caráter vinculativo, de conteúdo flexível; une objetivos

Leia mais

Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal

Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal Prof. Arlindo Carvalho Rocha e2acr@udesc.br Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE CONCEITO DE SAÚDE Saúde é a resultante das condições de alimento, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade,

Leia mais

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação Dr. Luiz F. Dourado -UFG Brasília, 16.04.08 Democratização gestão e qualidade social da educação = Coneb

Leia mais

Direito Internacional do Trabalho. Prof.: Konrad Mota

Direito Internacional do Trabalho. Prof.: Konrad Mota Direito Internacional do Trabalho Prof.: Konrad Mota SUMÁRIO 1. Direito internacional 1.1. Divisão 2. Direito internacional público 2.1. Conceito 2.2. Objeto 2.3. Problemática central 3. Fontes formais

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

Articulação e Monitoramento ONIP para Implantação da Agenda de Competitividade

Articulação e Monitoramento ONIP para Implantação da Agenda de Competitividade Articulação e Monitoramento ONIP para Implantação da Agenda de Competitividade Caso do Projeto Setembro, 2011 O Desafio Agilizar a implantação da Agenda de Competitividade para a Cadeia Produtiva de Óleo

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

SUMÁRIO. iniciais_.indd 7 25/01/ :11:33

SUMÁRIO. iniciais_.indd 7 25/01/ :11:33 SUMÁRIO CAPÍTULO 1...31 CONTEXTUALIZAÇÃO DA LITIGIOSIDADE REPETITIVA: FUNDAMENTOS PARA A CRIAÇÃO DE TÉCNICAS PROCESSUAIS ESPECIAIS...31 1.1. Necessária adequação da técnica processual: a insuficiência

Leia mais

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL)

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL) OPERDORES MODIS (N INTERFCE LÓGIC E LINGUGEM NTURL) Jorge Campos & na Ibaños Resumo: É muito comum que se fale em lógica em seu sentido trivial e no uso cotidiano da nossa linguagem. Mas, como se supõe

Leia mais

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo O modelo de organização dominante nas sociedades modernas resultou da aplicação da tecnologia nos processos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 Sumário Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 1. O Conceito de Organização...1 2. O Conceito de Processo...2 3. O Conceito de Administração...3 4. O Processo Organizacional...3 4.1. Conceito

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Trabalho e Saúde Mental

Trabalho e Saúde Mental Universidade Federal de Goiás Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e de Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos Humanos Seminário de Integração Institucional 2013 Trabalho

Leia mais

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x São Bernardo de Campo SP, 04 de março de 2015 Contato: James Allen james@olab.com.br Neste relatório,

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 Contextualização O Projeto de Gestão Democrática da Educação foi desenvolvido pela SEE em 2016 e contou

Leia mais

O perfil do eleitorado de Caruaru. Dados do TSE

O perfil do eleitorado de Caruaru. Dados do TSE O perfil do eleitorado de Caruaru Dados do TSE 1 Diretora-Presidente Ivania Porto Diretor Financeiro Vanuccio Pimentel Diretor Administrativo Osório Chalegre Membros Associados Fernando César Lima Fabiana

Leia mais

ABORDAGENS/CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

ABORDAGENS/CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ABORDAGENS/CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Abordagens Pedagógicas Surgem da década de 80 influenciadas por discussões na área educacional com o intuito de romper com o modelo hegemônico do esporte

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

MAPA CONCEITUAL E A MODELAGEM CONCEITUAL DE SISTEMAS DE HIPERTEXTO

MAPA CONCEITUAL E A MODELAGEM CONCEITUAL DE SISTEMAS DE HIPERTEXTO hipertexto MAPA CONCEITUAL E A MODELAGEM CONCEITUAL DE SISTEMAS DE HIPERTEXTO Profa. Gercina Lima 2 DEFINIÇÕES: Modelagem conceitual para sistemas de O mapeamento conceitual envolve a identificação de

Leia mais

Nome do Curso Gestão de equipes. Carga horária: 72h Quantidade de aulas: 20 Docentes responsáveis pelo curso: Osvaldo Gastaldon

Nome do Curso Gestão de equipes. Carga horária: 72h Quantidade de aulas: 20 Docentes responsáveis pelo curso: Osvaldo Gastaldon Nome do Curso Gestão de equipes Carga horária: 72h Quantidade de aulas: 20 Docentes responsáveis pelo curso: Osvaldo Gastaldon Objetivo: Fornecer ao aluno o conhecimento holístico de Gestão de Equipes,

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

Aula 04. Estrutura Organizacional 22/08/2012. Impactos organizacionais

Aula 04. Estrutura Organizacional 22/08/2012. Impactos organizacionais Aula 04 Impactos organizacionais Sistemas de Informação TADS 4. Semestre Prof. André Luís 1 2 Estrutura Organizacional Refere-se às subunidades organizacionais e ao modo como elas se relacionam à organização

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas

Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas Professora: Geralda Luiza de Miranda Agosto/2011 Tema da aula Visões do ciclo de política: clássica; processo simples e linear; Implementação como formulação

Leia mais