Reflexões sobre os mecanismos de solução de controvérsias nos acordos regionais e multilaterais de comércio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reflexões sobre os mecanismos de solução de controvérsias nos acordos regionais e multilaterais de comércio"

Transcrição

1 Reflexões sobre os mecanismos de solução de controvérsias nos acordos regionais e multilaterais de comércio Cadernos de Félix Alfredo Larrañaga Professor da Faculdade de Ciências Econômicas, Contáveis e Administrativas da Universidade Presbiteriana Mackenzie RESUMO As disputas entre parceiros comerciais são tão antigas como o comércio internacional e têm sido tratadas e solucionadas, ao longo do tempo, de formas diversas, desde as negociações diplomáticas tradicionais até o estabelecimento de complexos mecanismos de solução de controvérsias atuais. Porém, esses mecanismos não surgiram automaticamente. Pelo contrário, foram elaborados num longo processo de aperfeiçoamento e institucionalização que ainda não terminou. Para o observador atento aparece, por esse motivo, uma proliferação de instrumentos ou institutos de solução que se aplicam em âmbitos restritos regionais, em acordos bilaterais e, a partir de 1995, em âmbito mundial, com o advento da Organização Mundial de Comércio (OMC). À medida que mais países se incorporam à produção e ao comércio mundial, maior é o número de jurisdições que podem existir para a solução de disputas relacionadas com as transações econômicas internacionais. Este documento trata dessa situação, da proliferação e fragmentação desses mecanismos e dos efeitos que isso pode provocar no comércio regional e mundial. Palavras-chave: Controvérsias. Disputas. Solução. 17 Cad. de em Adm. de Emp. São Paulo, v. 3, n. 1, p , 2003.

2 Cadernos de 1 INTRODUÇÃO Ao longo do primeiro semestre do ano de 2004, diversas circunstâncias aproximaram este autor, do tema motivo do presente texto. Assim, no mês de abril passado participou de um seminário sobre o assunto em Montevidéu, organizado pela Câmara de Comércio e Serviços daquela cidade e patrocinado pelo BID 1, durante o primeiro semestre do corrente ano ministrou cursos de graduação e pós lato sensu sobre OMC e Blocos Regionais de Comércio que incluem o problema da solução de disputas no seu currículo e, finalmente no mês de junho, participou do lançamento do livro Solução de Controvérsias, OMC, União Européia e Mercosul, publicado com o patrocínio da Fundação Konrad Adenauer e apresentado no Estudo L.O. Batista Advogados Associados em 25/06/04, com a presença dos autores. O principal objetivo deste trabalho é a de oferecer um resumo dessas experiências e uma interpretação do estado da arte no assunto. Para isso este texto está organizado com uma introdução, diversas considerações sobre os mecanismos de solução de controvérsias na primeira parte e algumas conclusões na sua segunda parte. Pode-se lembrar que a lei internacional reconhece dez métodos tradicionais de solução de controvérsias, que se remontam aos tratados estabelecidos na Convenção de Háia para a solução de disputas do Pacífico, de 1899 e Elas são (PETERSMANN, 2004, p. 7-9): 1 Negociações bilaterais e/ou multilaterais. 2 Bons ofícios. 3 Mediação. 4 Consultas. 5 Conciliação. 6 Arbitragem institucionalizada ou ad hoc. 7 Solução judicial em cortes permanentes. 8 Recurso a arranjos ou agências regionais. 9 Outros meios de própria escolha. 10 Solução de disputas através de alguma organização internacional. Resulta claro que o assunto em pauta é de características jurídicas por quanto se discutem procedimentos de solução que implicam a existência de regras e processos que dependem da lei aplicada em cada caso. A complexidade da questão, estudada desde o ponto de vista jurídico, deixa a solução de controvérsias quase fora do alcance do homem de comércio internacional. A necessidade de oferecer aos administradores, em geral, uma interpretação operacional deste apaixonante tema, é um segundo objetivo deste trabalho. 18 Cad. de em Adm. de Emp. São Paulo, v. 3, n. 1, p , 2003.

3 2 MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS Entende-se por mecanismo de solução de controvérsias ao conjunto de normas, procedimentos e ritos de negociação que visam a aproximar as partes em conflito por questões comerciais e a eliminar, reduzir, amenizar ou compensar as causas que provocaram o tal conflito. A integração econômica necessariamente requer de instrumentos que estabeleçam a segurança jurídica na solução de disputas a fim de evitar e/ou amenizar as conseqüências de atos unilaterais que possam restringir o comércio ou favorecer a determinados atores em detrimento de outros. O caso da aplicação de subsídios a determinadas produções favorecendo países que de outra maneira não seriam competitivos, a prática do dumping, a aplicação de cláusulas anti-dumping de forma arbitrária procurando, com isso, o bloqueio da entrada de certos produtos a determinados mercados ou, no mínimo, atrasar seu ingresso tanto como possível, são exemplos desse comportamento. Na medida em que os processos de globalização econômica e de regionalização avançam e a concorrência se acirra, os conflitos aumentam com o que a existência e aplicação de mecanismos de solução se fazem indispensável. Hoje se assiste a proliferação destes mecanismos. Podemos falar até de fragmentação. Existe um procedimento de solução de conflitos na ordem multilateral correspondente ao proposto pela OMC, instrumento derivado do mecanismo previsto no GATT. Cabe mencionar que o mecanismo do GATT evoluiu nas mãos de economistas, situação que mudou com o advento da OMC, quando os advogados passaram a ter preponderância na questão. O GATT não tinha em 1947 nenhuma previsão para a solução de disputas, recomendando a solução diplomática de aqueles conflitos existentes, incorporou uma primeira regulamentação em 1952, estabelecendo procedimentos formais para o funcionamento dos painéis e, na Rodada Tóquio, entre 1973 e 1979, acordou uma modificação da prática até então em vigor (KLOR; PIMENTEL; KEGEL; BARRAL, 2004, p ). Posteriormente, em 1995, a OMC estabeleceu o mecanismo atual. Existem também diversos mecanismos regionais que atendem as necessidades de blocos tão diversos como a União Européia (25 países), o Mercosul (6 países na sua forma ampliada), a Corporação Andina de Nações (5 países), o Nafta (3 países), o Mercado Comum Centro-americano (5 países), o Caricom (que supera uma dúzia de países caribenhos), a Alça (projeto que incluiria 34 países), só para mencionar os correspondentes ao Continente Americano e a Europa, parceiros comerciais tradicionais. Para quem opera no comércio internacional, essa diversidade ou fragmentação oferece diversas alternativas para pleitear reivindicações naqueles foros que, circunstancialmente, possam ser mais vantajosos. Assim, o Brasil poderia discutir, negociar ou apresentar suas consultas nos âmbitos do Mercosul, da OMC, da Alça caso esse bloco se concretizar ou, ainda, por meio de uma negociação bilateral, de natureza diplomática, com o país com o qual tivesse uma diferencia. Cadernos de 19 Cad. de em Adm. de Emp. São Paulo, v. 3, n. 1, p , 2003.

4 Cadernos de A eventual assinatura de acordos de livre comércio entre países e blocos ou de blocos entre si provocará a existência de mecanismos de solução diferentes, superpostos e até contraditórios, com as conseqüências negativas que disso se pode esperar sobre o comércio regional. Embora já mencionadas, as razões que provocam o aumento da superposição de mecanismos de solução podem ser resumidas, conforme Petersmann (2004, p. 2-7), da seguinte forma: O aumento do número e diversidade de disputas intergovernamentais. Pela substituição de provisões transitórias para países menos desenvolvidos. O amplo escopo dos acordos da OMC superpõe-se com outros acordos internacionais com aqueles da Convenção de Paris sobre Propriedade Intelectual, a Convenção de Berna sobre a proteção do trabalho artístico e literário etc. O aumento do número de tribunais que tratam das questões relacionadas com as disputas. O aumento do número de tribunais econômicos regionais. Arbitramento internacional, permitindo o acesso aos reclamantes privados. Determinados acordos da OMC permitem o acesso privado aos tribunais domésticos. O reconhecimento mundial dos direitos humanos. Os BIT (Bilateral Investment Treaties), que fornecem garantias de investimento e normas para a solução de disputas (governos, estados investidores, atores nacionais). Numerosas garantias de acesso privado da OMC para os tribunais domésticas. Os acordos de integração regionais americanos mencionados anteriormente agregam outros tantos mecanismos de solução que, juntamente com os da OMC e da União Européia oferecem características judiciais ou quase judiciais uns (OMC, UE), características supranacionais outros (UE) e mecanismos de solução ainda suportados pelo consenso, mas em vias de institucionalização, como no caso do Mercosul (Tratado de Assunção, Protocolo de Ouro Preto, Protocolo de Brasília, Protocolo de Olivos). Dessa forma a proliferação e fragmentação continua em aumento, ratificando as conclusões de Petersmann, mencionadas anteriormente. O resultado que se pode esperar desse comportamento é de dificuldades crescentes nas negociações internacionais, na medida que a complexidade das operações e dos blocos de integração aumente. 3 CONCLUSÕES Ao longo do presente texto foram resumidas as formas tradicionais de solução de controvérsia, assim como a proliferação de blocos regionais de comércio com seus respectivos mecanismos ou procedimentos de solução de disputas. 20 Cad. de em Adm. de Emp. São Paulo, v. 3, n. 1, p , 2003.

5 Também foram identificadas algumas razões para que a fragmentação de mecanismos de solução continue em aumento. Embora este trabalho não inclua um estudo comparativo dos diferentes mecanismos identificados, é uma questão fora de discussão o fato que esses procedimentos não só se superpõem como são potencialmente contraditórios. Dessa forma, os efeitos que se podem esperar não beneficiarão o comércio internacional, porque travarão os fluxos de comércio e favorecerá, indireta-mente, o protecionismo. Uma solução, tal vez utópica, seria a de estabelecer ou adaptar um mecanismo dos existentes para uso geral. Estima-se que a utilização do mecanismo de solução de controvérsias da OMC poderia resolver a maior parte dos problemas aqui discutidos de proliferação e fragmentação. Cadernos de Reflections on the mechanisms of solution of controversies in the regional and multilateral agreement of trade ABSTRACT Disputes among trading partners are as old as the international trade and have been discussed and settled, trough the time, using several ways, from the traditional diplomatic negotiations up to the complex dispute settlement procedures from the present days. However, these mechanisms have not surged automatically. On the contrary, they were performed in a long run process of completion and institutionalization, which have not finished yet. To the attentive observer appear, for this reason, a large proliferation of settlement instruments and institutes, that can be applied in restricted regional environments, in bilateral agreements and, from 1995 in the world environment with the advent of the World Trade Organization (WTO). As more countries join the international production and trade, the more concurrent jurisdictions may exist for settling disputes related to the international economic transactions. This paper discusses this situation, the proliferation and fragmentation of these mechanisms and the effects that these facts can provoque on the regional and world trade. Keywords: Disputes. Conflicts. Settlement. NOTA 1 Seminário projetado, proposto, organizado e conduzido pelo Embaixador Julio Lacarte Miró, que fora representante do Uruguai na Conferência de Havana de 1947, da qual nasceu o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT). 21 Cad. de em Adm. de Emp. São Paulo, v. 3, n. 1, p , 2003.

6 Cadernos de REFERÊNCIAS KLOR, Adriana Dreyzin de; PIMENTEL, Luiz Otávio; KEGEL, Patrícia Kuiza; BARRAL, Welber. Solução de controvérsias: OMC, União Européia e Mercosul. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, PETERSMANN, Ernst-Ubrich. Proliferation and fragmentation of dispute settlement in international trade: WTO dispute settlement procedures and alternative dispute resolution mechanisms. Montevidéu: Câmara de Comércio e Serviços do Uruguai: BID, Cad. de em Adm. de Emp. São Paulo, v. 3, n. 1, p , 2003.

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA MERCOSUL/GMC/RES Nº 16/97 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

Ensaios em Comércio Internacional 2

Ensaios em Comércio Internacional 2 INTRODUÇÃO Na introdução à primeira coletânea de artigos do ABCI, Ensaios em Comércio Internacional, além das referências de praxe sobre os artigos publicados, falei da importância de dar a devida atenção

Leia mais

Mercosul: Antecedentes e desenvolvimentos recentes

Mercosul: Antecedentes e desenvolvimentos recentes Mercosul: Antecedentes e desenvolvimentos recentes O Mercosul, processo de integração que reúne Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, surgiu com a assinatura, em 26 de março de 1991, do "Tratado de Assunção

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA DISPOSIÇÕES SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL EM ACORDOS BILATERAIS E REGIONAIS

PRINCÍPIOS PARA DISPOSIÇÕES SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL EM ACORDOS BILATERAIS E REGIONAIS PRINCÍPIOS PARA DISPOSIÇÕES SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL EM ACORDOS BILATERAIS E REGIONAIS Introdução Durante vários anos, a pesquisa no Instituto Max Planck para o Direito da Propriedade Intelectual

Leia mais

O Contencioso Brasil X EUA do Algodão na Organização Mundial do Comércio *

O Contencioso Brasil X EUA do Algodão na Organização Mundial do Comércio * O Contencioso Brasil X EUA do Algodão na Organização Mundial do Comércio * Rafael Chaves Ferraz 1 RESUMO O governo dos Estados Unidos concedeu grandes subsídios aos seus produtores de algodão, o que fez

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 5 INTRODUÇÃO... 15

SUMÁRIO PREFÁCIO... 5 INTRODUÇÃO... 15 SUMÁRIO PREFÁCIO... 5 INTRODUÇÃO... 15 POLÍTICA COMERCIAL: OS ESTADOS UNIDOS E OS INTERES- SES BRASILEIROS ALUISIO DE LIMA-CAMPOS... 21 Introdução... 21 A anatomia da política comercial nos EUA... 22 1.

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos Inteligência Institucional BRF Abril 2014 INDEX Introdução aos PTAs PTAs hoje -

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

I DISCIPLINA: GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO REGIONAL

I DISCIPLINA: GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO REGIONAL GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO REGIONAL I DISCIPLINA: GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO REGIONAL II PROFESSOR (A): ELIZABETH ACCIOLY III - CARGA HORÁRIA: 30h/a IV OBJETIVOS Hoje é fundamental se entender a estratégia

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

ASPECTOS PRÁTICOS DA ARBITRAGEM. Editora Quartier Latin do Brasil. São Paulo, 2006. Localização: 347.918 A664p Código de barras: STJ00066668

ASPECTOS PRÁTICOS DA ARBITRAGEM. Editora Quartier Latin do Brasil. São Paulo, 2006. Localização: 347.918 A664p Código de barras: STJ00066668 LUIZ FERNANDO DO VALE ALMEIDA GUILHERME Bacharel em Direito pela PUC/SP Mestre em Direito Civil-Comparado Advogado em São Paulo. Sócio de Almeida Guilherme Advogados Associados Professor da Faculdade de

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS

ACORDOS INTERNACIONAIS Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 53 ACORDOS INTERNACIONAIS ONU SDN (Sociedade ou Liga das Nações) Foi criada com a intenção de manter a paz. No seu período de atividade, contudo,

Leia mais

JOSÉ CRETELLA NETO Advogado empresarial; Doutor e Livre-Docente em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da USP.

JOSÉ CRETELLA NETO Advogado empresarial; Doutor e Livre-Docente em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da USP. JOSÉ CRETELLA NETO Advogado empresarial; Doutor e Livre-Docente em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da USP. EMPRESA TRANSNACIONAL E DIREITO INTERNACIONAL exame do tema a luz da globalização

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de política internacional, intercâmbio internacional de experiências em políticas de desenvolvimento rural e atividades de cooperação

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO

O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO Rafael Chaves Ferraz RESUMO O governo norte-americano concedeu grandes subsídios a seus produtores de algodão,

Leia mais

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens O recurso à Arbitragem e as suas vantagens Modo de resolução jurisdicional de controvérsias em que, com base na vontade das partes, a decisão é confiada a um terceiro. Para este efeito, considera-se terceiro

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana ASSEMBLEIA PARLAMENTAR

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO MASTER JURIS RJ Prof. LUIZ OLIVEIRA CASTRO JUNGSTEDT Agosto/2015 Aula 4 73 ASILO INSTITUTO LIGADO À PROTEÇÃO DA PESSOA HUMANA MESMO COM O FORTALECIMENTO DO DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD Fundamentos de Direito Internacional

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS MÉDICOS NO MERCOSUL

DIRETRIZES SOBRE COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS MÉDICOS NO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 13/08 DIRETRIZES SOBRE COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS MÉDICOS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

A DISPUTA DOS PNEUS NO MERCOSUL E NA OMC: REABILITANDO A COMPETIÇÃO REGULATÓRIA NA REGULAMENTAÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL E MEIO AMBIENTE

A DISPUTA DOS PNEUS NO MERCOSUL E NA OMC: REABILITANDO A COMPETIÇÃO REGULATÓRIA NA REGULAMENTAÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL E MEIO AMBIENTE 33 A DISPUTA DOS PNEUS NO MERCOSUL E NA OMC: REABILITANDO A COMPETIÇÃO REGULATÓRIA NA REGULAMENTAÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL E MEIO AMBIENTE Fábio Morosini 1 RESUMO O Brasil está atualmente inserido

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A Organização mundial de comércio em poucas palavras A Organização Mundial de Comércio (OMC) é a única organização internacional que trata das regras que regem o comércio

Leia mais

O Governo da República do Chile (doravante denominados "as Partes"),

O Governo da República do Chile (doravante denominados as Partes), MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO PARA A PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DOS INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DO CHILE O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria índice Apresentação Pedro da Motta Veiga... 7 Política Comerciale Política Externa do Brasil AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria Regina

Leia mais

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Michelle R S Badin COSCEX/FIESP, March 13, 2013 Estratégias Política Econômica Jurídica Zona de influência Alianças Liberalização, contenção ou

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO Fabíola de Moura Sérvulo 1 RESUMO A Organização Mundial do Comércio é a principal organização internacional para questões de comércio. Ainda que não seja uma agência especializada

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

A Arbitragem na União Europeia 1

A Arbitragem na União Europeia 1 A Arbitragem na União Europeia 1 A. A Arbitragem de Investimento 1. Fui convidado para palestrar sobre uma matéria que, até há muito pouco tempo, não existia no Direito Comunitário da União Europeia. Tarefa

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

CONCURSOS 2010 DIREITO INTERNACIONAL E COMUNITÁRIO

CONCURSOS 2010 DIREITO INTERNACIONAL E COMUNITÁRIO CONCURSOS 2010 DIREITO INTERNACIONAL E COMUNITÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 21ª REGIÃO 1. Sobre a Organização Internacional do Trabalho, é correto afirmar: a) foi criada em consequência da segunda

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva LAURA NOBRE VELOSO Assessora Especial Acordos de Promoção e Proteção Recíproca de Investimentos (APPIs) Manaus 30/08/2006 Conceito: São acordos que visam

Leia mais

Gestão de Negócios Internacionais

Gestão de Negócios Internacionais Gestão de Negócios Internacionais Aula-tema 03: Regulação do Comércio Internacional e impactos nos negócios: os acordos de defesa comercial sobre Consequências da Globalização 2-16 Evolução dos Negócios

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP A República de Angola, a República Federativa do Brasil, a República de Cabo Verde, a República da Guiné-Bissau,

Leia mais

MÓDULO INTERNACIONAL INTERNATIONAL BUSINESS LAW

MÓDULO INTERNACIONAL INTERNATIONAL BUSINESS LAW MÓDULO INTERNACIONAL INTERNATIONAL BUSINESS LAW INTERNATIONAL BUSINESS LAW 23 de julho a 07 de agosto de 2016 Coordenação Acadêmica: Prof. Sergio Guerra Apresentação............................. 3 Universidade

Leia mais

Apresentação... 3. Universidade da Califórnia... 3. Temas... 4. Período e Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenação Acadêmica...

Apresentação... 3. Universidade da Califórnia... 3. Temas... 4. Período e Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenação Acadêmica... MÓDULO INTERNACIONAL INTERNATIONAL BUSINESS LAW INTERNATIONAL BUSINESS LAW MÓDULO INTERNACIONAL 18 de julho a 02 de agosto de 2015 Coordenação Acadêmica: Prof. Sergio Guerra Profª Paraskevi Bessa Rodrigues

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_15_Blocos Econômicos Regionais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_15_Blocos Econômicos Regionais BLOCOS ECONÔMICOS REGIONAIS DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. Sites diversos. 1 Blocos Econômicos Muitos

Leia mais

A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos

A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos André de Mello e Souza Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais (DINTE) Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano Ano Lectivo 2002/2003 Coordenador Prof. Doutor Eduardo Paz Ferreira Regente

Leia mais

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional Por que Nos últimos anos, um número crescente

Leia mais

Glossário - OMC. Cartel

Glossário - OMC. Cartel Glossário - OMC C Cartel Cartel é uma prática comercial semelhante ao Truste, porém consistindo na cooperação de empresas independentes, podendo ser utilizado tanto para fixação de preços quanto para a

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC

CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC OS ACORDOS DA OMC COMO INTERPRETADOS PELO ÓRGÃO DE SOLUÇÃO

Leia mais

PAUTAS NEGOCIADORAS DO SGT N 1 COMUNICAÇÕES

PAUTAS NEGOCIADORAS DO SGT N 1 COMUNICAÇÕES MERCOSUL/GMC/RES. Nº 14/08 PAUTAS NEGOCIADORAS DO SGT N 1 COMUNICAÇÕES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução Nº 32/04 do Grupo Mercado Comum; CONSIDERANDO: Que

Leia mais

O MULTISSISTEMA DA REGULAÇÃO DO COMÉRCIO GLOBAL: PROPOSTA DE NOVO REFERENCIAL TEÓRICO E NOVA METODOLOGIA DE ANÁLISE*

O MULTISSISTEMA DA REGULAÇÃO DO COMÉRCIO GLOBAL: PROPOSTA DE NOVO REFERENCIAL TEÓRICO E NOVA METODOLOGIA DE ANÁLISE* O MULTISSISTEMA DA REGULAÇÃO DO COMÉRCIO GLOBAL: PROPOSTA DE NOVO REFERENCIAL TEÓRICO E NOVA METODOLOGIA DE ANÁLISE* Vera Thorstensen ** RESUMO Diante da atual complexidade do quadro regulatório sobre

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Brasil: Planos de estímulo à infraestrutura e às exportações

Brasil: Planos de estímulo à infraestrutura e às exportações Brasil: Planos de estímulo à infraestrutura e às exportações Depois de permanecer estancada durante 2014, a economia brasileira se contraiu durante o primeiro semestre de 2015 e se espera que termine o

Leia mais

Depois da recente Cúpula de

Depois da recente Cúpula de Após a Cúpula de Viena: uma visão sobre a futura cooperação entre Europa e América Latina 189 F ELIX P EÑA Depois da recente Cúpula de Viena, quais são as questões mais relevantes e as modalidades de trabalho

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra A Nova Fronteira? A China na Arena Mundial A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra I - Introdução A acessão da China à OMC Organização

Leia mais

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI Andréia Nádia Lima de Sousa 1 RESUMO: O trabalho tem por objeto estudar a origem da Organização Mundial do Comércio dentro do cenário econômico

Leia mais

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE Jaime de Oliveira 1 PLANO DA APRESENTAÇÃO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE: OHADA, OMC E DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE II. DIFICULDADES

Leia mais

Organizado pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil.

Organizado pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil. O QUE É O ENCOMEX Evento referência de comércio exterior no Brasil: 11 anos de eventos 131 edições realizadas 79.500 participantes Organizado pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE NEGOCIAÇÕES TRABALHISTAS E SINDICAIS DIANTE DA NOVA REALIDADE SÓCIO-ECONÔMICA

PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE NEGOCIAÇÕES TRABALHISTAS E SINDICAIS DIANTE DA NOVA REALIDADE SÓCIO-ECONÔMICA PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE NEGOCIAÇÕES TRABALHISTAS E SINDICAIS DIANTE DA NOVA REALIDADE SÓCIO-ECONÔMICA RAÍZES CULTURAIS E HISTÓRICAS DA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Alternativa para solucionar disputas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS ASPECTOS ECONÔMICOS DE SOLUÇÕES DE CONTROVÉRSIAS: NO CASO MERCOSUL ROSANA ALVES Florianópolis,

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

Manual de Negociações Internacionais

Manual de Negociações Internacionais Manual de Negociações Internacionais MANUAL DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS FEDERAÇÃO E CENTRO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR DEREX GERÊNCIA

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional

Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional Índice 1. INTRODUÇÃO 2. REUNIÃO INICIAL SOBRE GESTÃO DO CASO COM O CLIENTE 2.1 Estratégia processual 2.2 Negociações paralelas e eventual transação

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS LICENCIATURA EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS GONÇALO MATIAS 2013/2014 5.5 ECTS PROGRAMA I Introdução

Leia mais