UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL"

Transcrição

1 UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE ART. 1º. O Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Agroindustrial, fundado em 25 de Outubro de 2001, sociedade civil, sem fins lucrativos, apartidária, com sede e foro na cidade de Barra do Bugres MT é o órgão de representação estudantil do curso de Engenharia de Produção Agroindustrial do Campus Universitário Deputado Estadual Renê Barbour. Parágrafo Primeiro O Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Agroindustrial, a seguir denominado de CAEPA, reconhece o Diretório Acadêmico Vale do Rio Bugres, o Diretório Central dos Estudantes Livre Pulo Freire, DCE Livre da UNEMAT e a UNE (União Nacional dos Estudantes), como legítimo de representação dos estudantes, nos seus respectivos níveis de atuação, reservando, face a elas, sua autonomia. Parágrafo Segundo Toda ação efetuada em nome da Engenharia de Produção Agroindustrial, com fundamento neste Estatuto e de conformidade com suas cláusulas, provém do poder delegado pelos estudantes e em seus nomes será exercido. ART. 2º O CAEPA tem por objetivos: a. Reconhecer, estimular e levar adiante a luta dos estudantes do curso de Engenharia de Produção Agroindustrial do Campus Universitário Deputado Estadual Renê Barbour em defesa de seus interesses. b. Lutar pela ampliação da participação da representação estudantil nos órgãos colegiados. c. Organizar e orientar a luta dos estudantes, ao lado do povo, para a construção de uma sociedade livre, democrática e sem exploração. d. Estimular e defender qualquer tipo de movimento ou organização democrática, que estejam orientados no sentido dos objetivos que constam neste estatuto. e. Organizar os estudantes de Engenharia de Produção Agroindustrial na luta por uma Universidade pública crítica, autônoma, democrática, gratuita e universal.

2 CAPÍTULO II DOS ELEMENOS DA ENTIDADE ART. 3º. São elementos do CAEPA: I - Seus patrimônios; II - Seus sócios; Seção I Do Patrimônio ART. 4º. O patrimônio da entidade é constituído pelos bens que possui e por outros que venha a adquirir, cujos rendimentos serão aplicados na satisfação dos seus encargos. ART. 5º. A receita da entidade é constituída por dividendos: a. Auxilio e subvenções; b. Doações e legados; c. Renda auferida em promoções realizadas pelos Acadêmicos de Engenharia de Produção Agroindustrial, na base de 5% (cinco) por cento, calculados sobre toda Renda líquida que obtiverem em eventos realizados com fins de levantar fundos. Seção II Dos Sócios ART. 6º. São sócios do CAEPA todos os acadêmicos regularmente matriculados no curso de graduação de Engenharia de Produção Agroindustrial do Campus Universitário Deputado Renê Barbour, UNEMAT. ART. 7º. São direitos dos sócios: a. Votar e ser votado, conforme as disposições do presente estatuto; b. Participar de todas as atividades promovidas pelo CAEPA; c. Reunir-se, associar e manifestar-se nas dependências do CAEPA, bem como utilizar seu patrimônio para realizar e desenvolver qualquer atividade que não contrarie o presente estatuto; d. Ter acesso aos livros e documentos do CAEPA. ART. 8º. São deveres dos sócios: a. Cumprir e fazer cumprir o presente estatuto, bem como as deliberações das instâncias do CAEPA; b. Lutar pelo fortalecimento da entidade;

3 c. Zelar pelo patrimônio moral e material da entidade; d. Exercer com dedicação e espírito de luta a função de que tenham sido investidos. CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO E DO FUNCIONAMENO DA ENTIDADE ART. 9º. São instâncias do CAEPA: a. Assembléia Geral; b. Diretoria Seção IV Da Assembléia Geral ART. 10º. A Assembléia Geral é instância máxima de deliberação da entidade. ART. 11º A Assembléia Geral realizar-se-a: a. Por iniciativa de metade mais um dos membros da diretoria; b. Tendo o quorum de 40% dos alunos matriculados no Curso de Engenharia de Produção Agroindustrial. Parágrafo Primeiro Toda Assembléia Geral será convocada através de um Edital afixado em murais, na sede do CAEPA e no recinto da universidade. Parágrafo Segundo O Edital será fixado com o prazo de 15 dias de antecedência e conterá a data, o horário, o local e a pauta estabelecida. ART. 12º. A Assembléia Geral se realizará em seção matutina, e deliberada com a presença de metade mais um dos sócios. Parágrafo Único Para efeito de quorum, será considerada a soma dos presentes na seção. ART. 13º. São atribuições da Assembléia Geral: a. Aprovar seu regimento interno; b. Aprovar a reforma do Estatuto, pelo voto de 2/3 (dois terços) dos alunos matriculados no Curso de Engenharia de Produção Agroindustrial; c. Aprovar e alterar o regulamento eleitoral; d. Criar medidas de interesses dos sócios; e. Deliberar sobre casos omissos do presente Estatuto. Seção V Da Diretoria

4 ART. 14º. A Diretoria é a instância responsável pelo encaminhamento e execução das atividades cotidiana da entidade. ART. 15º. Compete à Diretoria: a. Representar os estudantes do curso de Engenharia de Produção Agroindustrial da Universidade Estadual de Mato Grosso Campus Universitário Deputado Estadual Renê Barbour ; b. Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, bem como divulgá-lo entre os sócios; c. Respeitar e encaminhar as decisões do CAEPA; d. Planejar e viabilizar a vida econômica da entidade; e. Convocar a Assembléia Geral; f. Convocar as eleições para a Diretoria CAEPA; g. Apresentar relatório de suas atividades e balanço ao término do mandato. SEÇÃO IV DA DIRETORIA FUNÇÃO DAS COORDENADORIAS: ART. 16º. A coordenadoria compõe-se dos seguintes membros: a. Coordenadoria Geral; b. Vice-Coordenadoria Geral; c. Coordenadoria de Secretaria; d. Vice-Coordenadoria de Secretaria; e. Coordenadoria de Finanças; f. Coordenadoria de Eventos; g. Coordenadoria de Esportes e Cultura; h. Coordenadoria de Divulgação. ART. 17º. É função das coordenadorias: I. Coordenadoria Geral O referido Coordenador Geral tem por atribuições presidir as reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral; orientar e executar todos os sócios perante o Estatuto. I-a- Cabe ao Vice-Coordenador Geral substituir o Coordenador Geral em suas atribuições, na sua ausência. II. Coordenadoria de Secretaria Refere-se à atividade da Secretaria da entidade, a qual lavrará as atas das reuniões da Assembléia Geral, bem como terá arquivado toda e qualquer informação dos sócios.

5 II-a- Cabe ao Vice-Coordenador de Secretaria substituir o coordenador de Secretaria em suas atribuições, na sua ausência. III. Coordenadoria de Finanças São atividades da Coordenadoria de Finanças, executar o planejamento econômico aprovado pela Diretoria e também juntamente com o Coordenador Geral movimentar a conta bancária da entidade, sendo responsável pelos balancetes e livros contábeis. IV - Coordenadoria de Eventos Ligar-se-á a atividades comemorativas da entidade. V - Coordenadoria de Esportes e Cultura Tem como responsabilidade as atividades ligadas a esportes e cultura, sub-julgando o que seja necessário aos sócios. VI - Coordenadoria de Divulgação Tem a responsabilidade direta pelas informações que se vincularão ou não na mídia, bem como atualizar as informações do referente curso. CAPÍTULO IV DA ELEIÇÃO DA DIRETORIA ART. 18º. A Diretoria se elege por maioria simples, através do sufrágio universal, direto e secreto, em eleição por chapas, para mandato de um ano, com direito a uma recondução. Parágrafo Primeiro A eleição deverá ser convocada com no mínimo um mês de antecedência. Parágrafo Segundo O prazo máximo para as inscrições de chapas é de 48 (quarenta e oito) horas antes da realização das eleições. Parágrafo Terceiro As chapas devem apresentar, no ato da inscrição, os nomes de seus membros efetivos e seus cargos. Parágrafo Quarto Sendo a eleição por chapa, não é permitido o voto nominal para cada cargo. ART. 19º. A chapa vencedora tomará posse até, no máximo, 15 (quinze) dias após a apuração dos votos. CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS. ART. 20º. O presente Estatuto somente poderá ser reformado, total ou parcialmente, se assim for requerido por 2/3 (dois terços) dos sócios. ART. 21º. A reforma do Estatuto deverá ser aprovada em Assembléia Geral, convocada para este fim e com quorum de 40% (quarenta por cento) dos sócios.

6 ART. 22º. Os sócios não respondem, nem mesmo subsidiariamente, pelas obrigações contraídas em nome do CAEPA. ART. 23º. Os Diretores não são pessoalmente responsáveis pelas obrigações contraídas em nome do CAEPA, em virtude de ato regular de gestão. ART. 24º. Não é permitido voto por procuração. ART. 25º. O presente Estatuto entra em vigor na data de sua aprovação pela Assembléia Geral. Barra do Bugres MT, 18 de abril de 2002.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA. Capitulo I. Da Entidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA. Capitulo I. Da Entidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Capitulo I Da Entidade Artigo 1º - O Centro Acadêmico de Licenciatura em Química foi fundado em 28/08/2014,

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico de Engenharia Química da UFPB (CAEQ)

Estatuto do Centro Acadêmico de Engenharia Química da UFPB (CAEQ) Estatuto do Centro Acadêmico de Engenharia Química da UFPB (CAEQ) Capítulo I - Da Entidade, sede, fins e foro. Artigo 1º - O Centro Acadêmico de Engenharia Química da Universidade Federal da Paraíba CAEQ

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA CAPÍTULO I - Da Entidade Art. 1º: O Centro Acadêmico do curso

Leia mais

Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS

Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo 17 de Abril de 2013, institui-se o Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química (CA-ENQ) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DO SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE Art. 1 O Centro

Leia mais

Artigo 1 Parágrafo 1º Parágrafo 2 Parágrafo 3º Parágrafo 4º Artigo 2 - Artigo 3º Artigo 4º Artigo 5 Artigo 6 Artigo 7 Parágrafo 1 Parágrafo 2º

Artigo 1 Parágrafo 1º Parágrafo 2 Parágrafo 3º Parágrafo 4º Artigo 2 - Artigo 3º Artigo 4º Artigo 5 Artigo 6 Artigo 7 Parágrafo 1 Parágrafo 2º Capítulo I Do Centro e seus Fins Artigo 1 O Centro Acadêmico Visconde de Cairu é associação civil sem fins lucrativos de duração indeterminada, fundado no dia 19 de junho de 1946, sem filiação político-partidária,

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO ESTATUTO SOCIAL

CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO ESTATUTO SOCIAL CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO C.N.P.J.: 53.286.548/0001-06 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA ENTIDADE Artigo 1º O Centro Acadêmico "XI de Agosto", fundado em 1903, associação civil sem fins lucrativos, apartidária,

Leia mais

Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba

Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba Capítulo I: Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito Artigo 1 Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito (D.A

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFPEL

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFPEL ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFPEL CAPÍTULO I Da natureza e dos fins do Centro Acadêmico Art. 1º O Centro Acadêmico dos Cursos de Ciências Biológicas da Universidade

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DA AGRONOMIA 2016 ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - O Diretório Acadêmico do curso de Agronomia das Faculdades

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO APROVADO EM 18 DE JUNHO DE 2012 CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração.

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO I - Da denominação, Natureza, Foro e Duração: Art. 1º O CAPE, é o CAPE dos Estudantes de Pedagogia da UEPA, denominado

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO PROF. MORAES JUNIOR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO PROF. MORAES JUNIOR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO PROF. MORAES JUNIOR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º. O DIRETÓRIO ACADÊMICO DOS ALUNOS da FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO é entidade máxima de representação dos estudantes

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE FÍSICA

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE FÍSICA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE FÍSICA CAPÍTULO I - Da Entidade. Art. 1 O Diretório Acadêmico de Física, sociedade civil, sem fins lucrativos, apartidária, com sede e foro na cidade de Barreiras, Bahia,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ 1 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DA FORMAÇÃO Art. 1 O CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA (CAP-UFPR) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, único

Leia mais

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS RESTINGA CAGEL. TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA SEDE E DOS OBJETIVOS Art. 1 O Núcleo de Estudos em Linguagens, Leitura e Escrita, também identificado pela sigla NELLE, entidade

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia CACIS UFU TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I

Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia CACIS UFU TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia CACIS UFU TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DO CACIS E SEUS FINS Art. 1º - O Centro Acadêmico do curso de

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

Estatuto da Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa

Estatuto da Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa Estatuto da Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa Título I Da denominação, da sede e da duração da entidade Art. 1º A Associação dos Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa,

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII

PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII ESTATTUTO DA NOVA ASSOCIAÇÃO DE PAIS, MÃES E RESPONSÁVEIS DE ALUNOS E ALUNAS DO COLÉGIO PEDRO II -CAMPI SÃO CRISTÓVÃO - NAPA CPII CAPÍTULOI Da Denominação, da Natureza,da

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR FRANCISCO FERNANDES LOPES ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede 1 - A Associação de Estudantes do Agrupamento

Leia mais

Estatuto do Grêmio. Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração.

Estatuto do Grêmio. Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração. Estatuto do Grêmio Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração. Art.1º- O grêmio estudantil do Colégio Elvira Brandão fundado em 2005 funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

Capitulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração

Capitulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS ESTUDANTES DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE Capitulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo 1 - O Centro Acadêmico

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013)

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013) ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013) CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins e duração Art.1 - O Grêmio Estudantil

Leia mais

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza)

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza) ESTATUTOS Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº (Natureza) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, também designada abreviadamente

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO São Paulo 2011 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza e das Finalidades

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO LUPE COTRIM. CAPÍTULO I Da Entidade, da Denominação, da Duração, da Sede, do Foro e da Formalidade

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO LUPE COTRIM. CAPÍTULO I Da Entidade, da Denominação, da Duração, da Sede, do Foro e da Formalidade 1 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO LUPE COTRIM CAPÍTULO I Da Entidade, da Denominação, da Duração, da Sede, do Foro e da Formalidade Artigo 1º O Centro Acadêmico Lupe Cotrim, neste estatuto denominado simplesmente

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - Fundação Cultura Artística de Londrina, Funcart, com sede e foro na cidade de Londrina,

Leia mais

Estatuto de Centro Acadêmico de Administração Pública IX de Setembro

Estatuto de Centro Acadêmico de Administração Pública IX de Setembro Estatuto de Centro Acadêmico de Administração Pública IX de Setembro Aprovado em 19 de outubro de 2012. Título I Do Centro Acadêmico Art. 1º O Centro Acadêmico de Administração Pública XI de Setembro (CAAP)

Leia mais

Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP-Gestão

Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP-Gestão Estatuto do Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Capítulo 1 Da denominação, sede, finalidades e duração da gestão Artigo 1º O grêmio estudantil

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) 15 de Fevereiro de 2013 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 - A Associação

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos CAPÍTULO 1 DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO Artigo 1º O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do Departamento de Ciência

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO,. I. DA CARACTERIZAÇÃO, DA DURAÇÃO E DA SEDE Art. 1º. A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviço e Empreendedorismo, constituída

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO 1 E S T A T U T O TÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ABRANGÊNCIA E FINALIDADE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA SEDE Art. 1º- A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, doravante denominada UNCME, entidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA CAMED- UNIFAP

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA CAMED- UNIFAP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA CAMED- UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA CAPÍTULO I Do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES ESTATUTOS Capítulo 1 ARTIGO 2º Princípios Gerais Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes, adiante designada por AE, e a organização representativa dos alunos do

Leia mais

ESTATUTO DA FEDERAÇÃO DOS ESTUDANTES DE AGRONOMIA DO BRASIL FEAB

ESTATUTO DA FEDERAÇÃO DOS ESTUDANTES DE AGRONOMIA DO BRASIL FEAB ESTATUTO DA FEDERAÇÃO DOS ESTUDANTES DE AGRONOMIA DO BRASIL FEAB CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 o - A Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), fundada a 04 de agosto de 1989, antiga

Leia mais

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação (Aprovado em 22 de dezembro de 2004, em Brasília-DF) Capítulo I Do Sindicato e seus

Leia mais

Instituto Federal Farroupilha Câmpus São Vicente do Sul Estatuto Grêmio Estudantil

Instituto Federal Farroupilha Câmpus São Vicente do Sul Estatuto Grêmio Estudantil Instituto Federal Farroupilha Câmpus São Vicente do Sul Estatuto Grêmio Estudantil Capítulo I: Da Denominação Artigo 1 - O Grêmio Estudantil Olhos para o Futuro, do Instituto Federal Farroupilha - Câmpus

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico de História - UDESC

Estatuto do Centro Acadêmico de História - UDESC Estatuto do Centro Acadêmico de História - UDESC Título I - Disposições Preliminares Art. 1º - O Centro Acadêmico de História, associação civil sem fins econômicos, com duração indeterminada, é a entidade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIPAMPA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA ENTIDADE

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIPAMPA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA ENTIDADE ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIPAMPA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DA ENTIDADE Art. 1 o O Diretório Acadêmico de Engenharia de Produção DAEP, é uma entidade civil,

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Agronomia do IFGoiano - Câmpus Ceres

Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Agronomia do IFGoiano - Câmpus Ceres Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Agronomia do IFGoiano - Câmpus Ceres CAPÍTULO I DA ENTIDADE (Da Entidade, seus fins, símbolos e duração). Art. 1. O Centro Acadêmico de Agronomia (CAAGRO), fundado

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO Art. 1º O Centro Acadêmico da Universidade Estadual de Londrina, CAUEL, é entidade máxima

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 98/2009

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 98/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 98/2009 EMENTA: Solicitação de aprovação do Regimento Interno do Conselho Deliberativo do HUAP. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAÍ ETEVI Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAÍ ETEVI Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88 ESCOLA TÉCNCA DO VALE DO TAJAÍ ETEV Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88 GRÊMO ESTUDANTL ETEV CAPÍTULO 1 Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1 o - O Grêmio Estudantil da ETEV, assim denominado,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA Este Estatuto foi aprovado em Assembléia Extraordinária realizada em 18 de dezembro de 2004. Capítulo I Da Fundação - Denominação - Fins e Sede Art. 1º - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA. Capítulo II DA DENOMINAÇÃOO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA. Capítulo II DA DENOMINAÇÃOO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA Capítulo I DA DENOMINAÇÃOO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º O Centro Acadêmico de Farmácia da Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 123/ CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 123/ CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 123/2016 - CONSU/UEAP Dispõe sobre o Regimento do Comitê das Atividades de Extensão da Universidade do Estado do Amapá O Presidente

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015.

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. Altera o Regimento Interno da Comissão Especial de Acompanhamento e Fiscalização dos Programas de Bolsas da Secretaria de Estado da Educação de Santa

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA TÍTULO I: DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFV. CAPÍTULO I: Das Definições

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO São José do Rio Preto 2015 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS São João do Barro Preto Interior - Caixa Postal 38 CEP 98130-000 Júlio de

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DERMEVAL SAVIANI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ-CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO.

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DERMEVAL SAVIANI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ-CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO. ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DERMEVAL SAVIANI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ-CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO. TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I DAS DENOMINAÇÕES, SEDES E FINS ART. 1

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º. A Associação Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. Aprova a criação e o Regulamento do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino (Nufope), da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA TÍTULO I: DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFV. CAPÍTULO I: Das Definições

Leia mais

PROGRAMA DE ELEIÇÒES PARA O CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMÇÃO

PROGRAMA DE ELEIÇÒES PARA O CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMÇÃO PROGRAMA DE ELEIÇÒES PARA O CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMÇÃO - 2016.1 Edital de eleição para o centro acadêmico do curso de Sistemas de Informação para o mandato de 2016/1 a 2016/2 do

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO - ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE - Arroio do Tigre/RS. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO Artigo 1 - A ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE, fundada

Leia mais

ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO. CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos

ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO. CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓIRA SEÇÃO MATO GROSSO ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos Art. 1º - A Associação Nacional

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 043, de 15 de outubro de 2012. Aprova Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico de Ciência da Computação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa.

Estatuto do Centro Acadêmico de Ciência da Computação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa. Estatuto do Centro Acadêmico de Ciência da Computação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa. Capítulo I Da denominação, natureza,duração, regimento e sede Artigo 1º - O Diretório

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Comissão de Capacitação dos Servidores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL N. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL N.º 02/2014 Eleição de Diretoria do CAEP - Centro Acadêmico do Curso de Bacharelado

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes da Escola Básica e Secundária

Leia mais

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR PREÂMBULO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO FARMACÊUTICA ABEF ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, FORO, SEDE E OBJETIVOS.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO FARMACÊUTICA ABEF ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, FORO, SEDE E OBJETIVOS. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO FARMACÊUTICA ABEF ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, FORO, SEDE E OBJETIVOS. Art. 1º - A Associação Brasileira de Educação Farmacêutica (Abef), fundada em São Paulo,

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 046, de 29 de outubro de 2012. Aprova o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente Resolução n 002/2010-CD Aprova o Regimento Interno do Conselho Diretor da Universidade Federal de Roraima. O PRESIDENTE DO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA INSTITUTO LATINO-AMERICANO DE ARTE, CULTURA E HISTÓRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA INSTITUTO LATINO-AMERICANO DE ARTE, CULTURA E HISTÓRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA INSTITUTO LATINO-AMERICANO DE ARTE, CULTURA E HISTÓRIA REGIMENTO INTERNO DO CONSUNI ILAACH TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I Art. 1º - Fica criado o DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DCE, órgão exclusivo de representação dos os acadêmicos da HORUS FACULDADES,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. APROVA O REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRR. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

E S T A T U T O TÍTULO I DA NATUREZA, CONSTITUIÇÃO E DURAÇÃO

E S T A T U T O TÍTULO I DA NATUREZA, CONSTITUIÇÃO E DURAÇÃO E S T A T U T O TÍTULO I DA NATUREZA, CONSTITUIÇÃO E DURAÇÃO Art. 1º - O Fórum Nacional de Extensão e Ação Comunitária, ForExt, instituído em 29 de outubro de 1999 1 é entidade representativa das Universidades

Leia mais

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST PORTARIA N 023/2005/FEST DISCIPLINA A COMPOSIÇÃO, O FUNCIONAMENTO E AS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO SUPERIOR CONSUP - DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SANTA TEREZINHA. A DIRETORA GERAL da Faculdade de Educação Santa

Leia mais

CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO ESTUDANTIL

CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO ESTUDANTIL CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO ESTUDANTIL Art. 1º. Fica convocada a eleição para a representação estudantil do Centro Acadêmico dos cursos de Licenciatura e Bacharelado de Educação Física da UFVJM Campus Diamantina.

Leia mais

estabelecimento; e) viabilizar assistência ao reeducando e à sua família, com ou sem participação de outras pessoas ou instituições; f) estimular a

estabelecimento; e) viabilizar assistência ao reeducando e à sua família, com ou sem participação de outras pessoas ou instituições; f) estimular a ESTADO DE SERGIPE ESTATUTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE NA EXECUÇÃO PENAL COM ATUAÇÃO PERANTE A VARA DE EXECUÇÕES CRIMINAIS E CORREGEDORIA DOS PRESÍDIOS DO ESTADO DE SERGIPE Capítulo I - Da Composição e Finalidades

Leia mais

Proposta de alteração aos Estatutos

Proposta de alteração aos Estatutos Proposta de alteração aos Estatutos Exma. Sra. Presidente da Mesa da Assembleia Geral, Rúben Miguel da Costa Rodrigues, na qualidade de Presidente da Direção da Associação de Estudantes do Externato Frei

Leia mais

Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária

Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária Capítulo I Da Denominação, Composição, Duração e Finalidades Artigo 1º Sob a denominação de Associação Brasileira de Radiologia Veterinária,

Leia mais

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE, AUTONOMIA E SEDE Art. 1º O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva é uma entidade de trabalho interdisciplinar, sem fins lucrativos, com finalidades científicas na área

Leia mais

IFCE CAMPUS CAUCAIA GRÊMIO ESTUDANTIL

IFCE CAMPUS CAUCAIA GRÊMIO ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO IFCE CAMPUS CAUCAIA Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração Art. 1 - O grêmio estudantil IFCE CAMPUS CAUCAIA do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia (IFCE) Campus

Leia mais

DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESTATUTO

DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESTATUTO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESTATUTO TÍTULO I Disposições preliminares do Diretório Central dos Estudantes seus princípios e finalidades. Da Personalidade: Art. 1º

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 DE 11 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 DE 11 DE AGOSTO DE 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Pró-Reitoria de Extensão PROEX RESOLUÇÃO Nº 02/2015 DE 11 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta o funcionamento da Estação Ecológica da UFMG e aprova seu Regimento Interno

Leia mais

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 REGIMENTO INTERNO Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação F A C T E Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 Araraquara-SP 1 A Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ONCOLOGIA - ONCOLOGIA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A ONCOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da Universidade José do

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise

Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise 1 Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise CAPITULO I Da Associação Art. 1º. A Sociedade Brasileira de Catálise, doravante denominada apenas SBCat, fundada em 18 de setembro de 1997, é uma sociedade

Leia mais

Ministério da Educação MEC Universidade Federal de São Paulo Unifesp Escola Paulista de Política, Economia e Negócios EPPEN Campus Osasco

Ministério da Educação MEC Universidade Federal de São Paulo Unifesp Escola Paulista de Política, Economia e Negócios EPPEN Campus Osasco REGIMENTO DA COMISSÃO DE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS - CAMPUS DE OSASCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAPITULO I DA COMISSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1 º. A Associação Paulista de Saúde Pública, APSP, fundada em 15 de dezembro de 1972, Sociedade Civil, sem fins

Leia mais

ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG. CAPÍTULO I Da denominação, Sede e Objetivos

ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG. CAPÍTULO I Da denominação, Sede e Objetivos ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG O presente estatuto tem como objetivo estabelecer as normas sob as quais o Grêmio vai funcionar, explicando como serão as eleições, a composição da Diretoria, como a entidade

Leia mais

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I Da Comissão Eleitoral Das Generalidades Art. 1º - A Comissão Eleitoral do Sindicato dos Servidores Municipais de Canela

Leia mais