NAVEGANDO EM AMBIENTES VIRTUAIS: METODOLOGIAS E ESTRATÉGIAS PARA O NOVO ALUNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NAVEGANDO EM AMBIENTES VIRTUAIS: METODOLOGIAS E ESTRATÉGIAS PARA O NOVO ALUNO"

Transcrição

1 NAVEGANDO EM AMBIENTES VIRTUAIS: METODOLOGIAS E ESTRATÉGIAS PARA O NOVO ALUNO Mára Lúcia Fernandes Carneiro 1 Marlise Geller 2 Liliana Passerino 3 INTRODUÇÃO A educação, através dos processos de aprendizagem e de ensino, envolve a construção constante de informações e conhecimentos. Em uma sala de aula convencional, imagens e sons fazem parte desta troca: os estudantes vêem e ouvem o professor, o professor vê e ouve os seus alunos e os estudantes vêem e ouvem uns aos outros. A comunicação ocorre verbalmente entre professor e estudantes ou combinada com várias mídias, tais como um projetor de transparências, áudio e vídeo, projetor ligado ao monitor do computador e assim por diante (CARNEIRO et al, 2001, p. 511). No caso da educação a distância, esta comunicação ocorre entre pessoas que já não estão todas no mesmo local e que necessitam, portanto, de recursos tecnológicos que permitam a superação da distância. A introdução deste aparato tecnológico no dia a dia do professor é hoje uma realidade. O barateamento dos computadores pessoais, a disseminação do acesso à Internet e a constante inovação tecnológica trouxeram a tecnologia para dentro da sala de aula, possibilitando outros desenhos antes impossíveis de serem vividos. Este aparato tecnológico propicia vários incrementos nos recursos disponíveis, indo além do ensino presencial e propiciando a expansão da Educação a Distância (EAD), constituindo novos espaços de convivência e aprendizagem (CARNEIRO, 2003). De forma bastante simplificada, pode-se definir Educação a Distância como o processo educacional que se estabelece quando professor e alunos estão separados geograficamente, mas conectados através de recursos de comunicação (como o correio, o telefone, o fax, a Internet, a videoconferência, etc.). Moran (2003) define a educação online como o conjunto de ações de ensinoaprendizagem desenvolvidas por meio de meios telemáticos 4, como a Internet, a videoconferência 5 e a teleconferência 6, destacando que a Educação a Distância é um conceito mais amplo. Por exemplo, um curso utilizando o correio tradicional para a troca de materiais entre professor e seus alunos é um curso a distância, mas não poderia ser caracterizado como um curso online. 1 Dra. em Informática na Educação (UFRGS). Professora do Instituto de Psicologia da UFRGS. 2 Dra. em Informática na Educação (UFRGS). Professora do Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática (ULBRA). 3 Dra. em Informática na Educação (UFRGS). Professora da Faculdade de Educação da UFRGS. 4 A palavra telemática teve origem da junção das palavras tele(comunicação) e (infor)mática e, segundo o Houaiss (2001) é a ciência que trata da transmissão, a longa distância, de informação computadorizada. 5 A videoconferência é um recurso para comunicação entre sistemas conectados através de uma rede, que permite a troca simultânea de áudio e vídeo entre os participantes. 6 A teleconferência envolve a transmissão (unidirecional) de áudio e vídeo, em geral por satélite, a partir de um centro produtor para vários pontos de recepção. A comunicação a partir dos pontos de recepção ocorre pode ocorrer por fax, ou telefone

2 Atualmente, observamos um movimento de consolidação e expansão da Educação a Distância, à medida que novas alternativas tecnológicas estão sendo incorporadas, viabilizando projetos educativos, tanto por parte de instituições de ensino públicas e privadas, como por parte de empresas e organizações não governamentais. Dessa forma, a EAD passa a ser difundida como uma modalidade de educação com potencialidade para ampliar o acesso à formação acadêmica e profissionalizante, colocando-se como uma alternativa séria de democratização da educação e do saber (GELLER, 2004). NOVOS ESPAÇOS, NOVOS PAPÉIS A inserção de tecnologias da informática na educação teve seu início com a instrução programada, de base comportamentalista, com software do tipo CAI (Computer Aided Instruction ou, traduzindo, Instrução Apoiada por Computador). Aos poucos, com os avanços da Inteligência Artificial, da Psicologia Cognitiva, das redes de computadores (como por exemplo, a Internet), uma mudança de paradigma do comportamentalismo para o cognitivismo e o construtivismo vem ocorrendo, não só em termos de desenvolvimento de novas tecnologias, mas principalmente em relação a paradigmas envolvendo o processo de ensino e de aprendizagem. Essas tecnologias podem implicar em novas posturas tanto dos professores quanto dos alunos, como por exemplo: a colaboração e a construção conjunta; a atividade criativa; a exploração da informação, promovendo a aprendizagem por descoberta; um novo perfil de aluno, um aluno construindo ativamente sua aprendizagem; a possibilidade de manter a individualidade, através de ferramentas que levem em conta as características individuais dos alunos. Das tecnologias da informação e da comunicação, atualmente a telemática vem se expandindo, pois permite superar as distâncias e o tempo através de suas ferramentas de comunicação e de seus sistemas de redes. E está promovendo novas diretrizes para o processo de educação a distância, mediado por ambientes virtuais, sobretudo no que se refere à apropriação de novos conhecimentos. Dessa forma, incorporar tecnologias da informação e da comunicação ao processo educativo implica, antes de tudo, compreender as formas de acesso ao conhecimento, os benefícios que advêm delas e com que objetivos utilizá-las. O PROFESSOR NO ESPAÇO VIRTUAL O professor no espaço virtual, em especial na Web, orienta a aprendizagem dos alunos, auxilia no esclarecimento de suas dúvidas, identifica dificuldades, sugere novas leituras ou atividades. Até aí nada muito diferente do que ocorre no espaço de uma sala de aula presencial. O que diferencia esses espaços é, definitivamente, a forma como o professor exercerá essas tarefas. Segundo Moran (s.d), o papel do professor como gerenciador de aprendizagem em listas de discussão, fóruns e bate-papos é fundamental, representando uma mudança em relação às atribuições que o professor estava acostumado a desempenhar em sala de aula. Neste espaço virtual, o professor passa a ser moderador e/ou mediador, encorajando o aluno a se sentir parte atuante desse universo. Isto é, o esforço do professor em um espaço virtual está não apenas no domínio de um conteúdo, mas na capacidade de incentivar a comunidade de alunos em torno da sua própria aprendizagem, fomentando o debate, mobilizando-os para o processo de cooperação.

3 E O ALUNO? Segundo Peters, os alunos que optam pela EAD dispõem, por natureza, de uma experiência de vida maior. Por isso encaram seu estudo de maneira diferente, compreendem-no de outra maneira e o avaliam de modo diferente (PETERS, 2001, p.37). Muitas questões importantes derivam-se das características dos alunos a distância, cujos anseios e objetivos podem ser completamente diferentes dos alunos tradicionais. Alunos adultos têm muitas razões para buscar a educação em um espaço virtual, como por exemplo: falta de tempo, distância, custos, a oportunidade de fazer cursos e a possibilidade de entrar em contato com outros estudantes de diferentes culturas. O aluno, ao fazer sua formação (ou parte dela) através de cursos virtuais na Web, passa a ter maior responsabilidade sobre seus estudos, pois, neste contexto, o processo de aprendizagem é redefinido e apóia-se em uma maior autonomia do aluno. Em um espaço virtual destinado à educação, o aluno não é mero receptor de informações, de mensagens; apesar da distância, busca-se estabelecer relações dialógicas, críticas e participativas entre todos os envolvidos (professor e alunos - alunos e alunos). Segundo diversos autores (BELLONI, 1999; PETERS, 2001; GARCIA ARETIO, 2001), observamos que através do processo educativo em cursos a distância via Web, os alunos adquirem habilidades mais diversificadas, sendo necessários serviços virtuais de acesso a informações administrativas, à biblioteca, matrícula em disciplinas, comunicação com o professor e com outros alunos, entre outros para possibilitar a integração do aluno que está distante fisicamente do local de seu curso. Também dentro desse enfoque, os papéis de professor e aluno se modificam profundamente. O aluno não atua mais como mero receptor de informações ou de conteúdos a serem reproduzidos. O professor passa a atuar como um mediador para a aprendizagem do aluno. Aluno e professor passam a ser parceiros em uma comunidade virtual de aprendizagem. Ser um aluno em um espaço virtual de aprendizagem é ser capaz de atender às demandas dos novos ambientes virtuais de aprendizagem, de se perceber como parte de uma comunidade virtual de aprendizagem, muitas vezes, cooperativa, e desempenhar o novo papel a ele reservado nesse espaço. DICAS PARA SUPERAR AS DIFICULDADES INICIAIS Uma das maiores dificuldades encontradas pelos alunos, ao inscreverem-se em cursos a distância via Internet, é o desconhecimento das características desta nova sala de aula. Como os recursos telemáticos são amplamente utilizados para apoiar os cursos online, o conhecimento e uso destes recursos são essenciais. Da mesma forma, a disciplina necessária, o suporte técnico, as relações que se estabelecem a partir das interações promovidas e apoiadas pelos recursos tecnológicos afetam o desempenho e podem determinar até a desistência dos alunos. Paloff e Pratt (2004) levantam uma série de questões que podem orientar os novos alunos a identificarem previamente algumas dificuldades e encontrar estratégias para superálas.

4 1. Motivação para participar do curso A primeira refere-se à necessidade do aluno realizar o curso, pois é importante saber qual o real motivo que determinou a escolha por um curso a distância. Os alunos em educação a distância, às vezes, desistem devido a circunstâncias pessoais (problemas de saúde, por ex.) ou profissionais (sobrecarga no trabalho, stress, etc.) Ter uma razão forte para fazer o curso ajuda a motivar o aluno. No caso do curso PROINESP, os alunos são professores indicados por suas instituições ou escolas para participar do curso. 2. Tempo de aprender, tempo de estudar, tempo de produzir Outro aspecto que deve ser considerado é o tempo que o aluno dispõe para participar de um curso a distância, pois este vai requer pelo menos tanto tempo quanto os cursos presenciais, senão mais. Justamente pensando neste aspecto é que o curso prevê que a instituição defina carga horária específica para o professor participar do curso. 3. Fazendo parte de um grupo Em um curso online, os alunos podem sentir-se sozinhos, por isso, é importante considerar-se como parte de um grupo (ou turma). Assim, o professor pode propor atividades que possam ser realizadas em conjunto, utilizando os vários recursos disponíveis para apoiar a comunicação e interação entre os participantes. No nosso curso, este aparentemente distanciamento também poderá ser superado com o uso intensivo dos recursos de comunicação, como o correio, bate-papo, fórum, etc. A colaboração e a interação constante com os colegas permitirão a construção de efetivas comunidades de aprendizagem. Para Paloff e Pratt (2002, p. 56), uma comunidade de aprendizagem está em formação quando: interação constante tanto com o conteúdo do curso quanto em relação à comunicação pessoal; aprendizagem colaborativa, evidenciada pelos comentários enviados pelos alunos para outros alunos em maior número do que os enviados pelos estudantes diretamente ao professor; significado construído em conjunto pelo grupo; compartilhamento de recursos entre os alunos; expressões de apoio e de estímulo trocadas entre os alunos; vontade de avaliar criticamente o trabalho dos colegas. 4. Organização e flexibilidade A aparente flexibilidade de horários e agendas que um curso a distância parece oferecer pode trazer alguns problemas. Na verdade, a experiência mostra que talvez seja necessária maior disciplina em um curso online do que nos cursos presenciais. Isto significa que se espera que o aluno ingresse com freqüência no ambiente virtual do curso, realize suas leituras e participe ativamente dos diversos espaços de comunicação (como o correio e fóruns de discussão).

5 Para orientar os alunos e auxiliá-los na organização de seu tempo, serão publicadas Agendas semanais, contendo a proposta de trabalho da semana. 5. Alunos diferentes, ritmos diferentes Ao mesmo tempo, cursos online proporcionam igualdade de condições de trabalho a alunos com ritmos diferentes. Como afirmam HARASIM et alii (1996), os alunos podem refletir sobre o que estão lendo e decidir o que perguntar ou comentar para contribuir em uma discussão, fazer as atividades, tudo em seu próprio tempo. Contudo é necessário autodisciplina, pois com tal tecnologia disponível é muito fácil deixar para amanhã o que pode e deve ser feito hoje. 6. Estilos de aprendizagem Algumas pessoas aprendem melhor pela interação com os colegas e os professores. Outras pessoas aprendem melhor ouvindo, lendo e estudando por conta própria. Em um curso onde se procura a construção conjunta do conhecimento, é muito importante compartilhar suas descobertas e dificuldades com os colegas, pois as trocas são muito ricas e oferecem novas oportunidades de aprendizagem. 7. Orientações via ambiente virtual A participação em cursos online envolve o envio de orientações por escrito pelo professor, em geral, publicadas em um ambiente virtual de aprendizagem 7. Muitos alunos preferem descobrir sozinhos o que o professor quer dizer com tais instruções; outros tentam segui-las e somente pedem ajuda quando sentem necessidade e alguns preferem logo que alguém explique o que deve fazer. A leitura atenta dos materiais disponibilizados é fundamental, assim como a busca de orientações pode ser realizada através de diversos recursos, como o correio, os fóruns de discussão e os bate-papos. Os alunos que obtêm bons resultados na educação a distância sentem-se à vontade em contatar o professor tão logo precisem de ajuda. Por isso, não hesite em expor suas dúvidas. 8. A avaliação e o retorno do professor Ao publicar seus trabalhos, o aluno espera um retorno ou comentário do seu professor. Alguns são mais pacientes, aguardando um ou dois dias pelos comentários. No entanto, os mais ansiosos chegam a enviar várias mensagens aos professores questionando sobre seus trabalhos. O ideal é que o prazo para retorno dos comentários seja combinado antecipadamente para evitar a ansiedade dos alunos. No nosso caso, a presença constante dos monitores e formador no ambiente do curso pretende também reduzir significativamente o tempo de resposta aos alunos. No entanto, precisamos diferenciar as respostas automáticas, oferecidas pelas máquinas e programas, daquela resposta refletida. Muitas vezes os monitores e/ou formador precisarão de um tempo para analisar seu trabalho e buscar subsídios para melhor lhe auxiliar. 7 Ambiente virtual de aprendizagem (ou AVA) é um termo que expressa a reunião de vários recursos telemáticos em um único local visando apoiar a organização e realização de um curso a distância. O TelEduc é um exemplo de um AVA.

6 E AGORA, VAMOS COMEÇAR? Com certeza, tanto esse novo aluno, quanto esse novo professor estão se aperfeiçoando continuamente na prática educativa dentro de um espaço virtual. Que tal agora passar o nosso Fórum e registrar suas reflexões sobre o texto e suas expectativas em relação ao curso, as dificuldades que está encontrando e como pretende superá-las? REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, CARNEIRO, M.L. O acoplamento tecnológico e a comunicação em rede: inventando outros domínios de aprendizagem. Porto Alegre: PGIE/UFRGS, 2003 (Tese de doutorado). CARNEIRO, M. L., MARASCHIN, C., TAROUCO, L. M. R. Interação: fator fundamental em cursos a distância. In: XXIX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, 2001, Porto Alegre. Anais do COBENGE Porto Alegre: ABENGE, 2001, p GARCÍA ARETIO, L. Educación a distancia hoy. Madrid: UNED, GELLER, Marlise. Educação a distância e estilos cognitivos: construindo um novo olhar sobre os ambientes virtuais. Porto Alegre : UFRGS, (Tese de doutorado) HARASIM, L.; HILTZ, S.R.; TELES, L e TUROFF, M. Learning Networks: a field guide to teaching and learning online. Cambridge: MIT Press, HOUAISS, A. E VILLAR, M. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, MORAN, José Manuel. Contribuições para uma pedagogia da educação online. In: SILVA, M. (org.) Educação online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo, Loyola, Disponível na Internet: <http://www.eca.usp.br/prof/moran/contrib.htm>. Consultado em 01/11/04. MORAN, José Manuel. (s.d.) Educando em ambientais virtuais: gerenciamento inovador de cursos presenciais e a distância. Disponível na Internet: <http://www.usp.br/iea/cidade/textos/moran.html>. Acesso em 05 maio PALOFF, R. e PRATT, K. Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço: estratégias eficientes para salas de aula on-line. Porto Alegre, ArtMed, PALOFF, R. e PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre, ArtMed, PETERS, Otto. Didática do ensino a distância: experiência e estágio da discussão numa visão internacional. São Leopoldo: Unisinos, 2001.

7 CAPITULO 2 WEBFOLIO MEU CADERNO VIRTUAL

8 CAPITULO 3 AVALIAÇÃO EM EAD Avaliação da participação em Fóruns de Discussão Auto-avaliação o diário de bordo MEU QUERIDO DIÁRIO: desenvolvendo a reflexão e autonomia na EAD 8 O Diário de Bordo é uma ferramenta bastante usual dentro dos ambientes de educação a distância embasados numa proposta construtivista. Essas ferramentas, inspiradas nos diários de classe tradicionais dos professores e nos registros de campo dos pesquisadores etnográficos, são indispensáveis no processo de construção de conhecimento do aluno virtual 9. Seu acesso pode ser restrito apenas aos seus criadores, como também, serem compartilhados com a turma para permitir as trocas de vivências e opiniões. O nome Diário de Bordo deriva originalmente de termos náuticos (diários de bordo de navios elaborados pelo comandante do mesmo) e foi usado nos ambientes a distância como uma metáfora de navegar na Internet. O Diário de Bordo é visto como... um caderno ou pasta onde o(s) estudante(s) registra(m) as etapas que realiza(m) para desenvolver o projeto, registrando detalhada e precisamente (indicando respectivas datas e locais) todos os fatos, passos, descobertas e indagações, investigações, entrevistas, testes, resultados e respectivas análises. (FEBRACE, 2004). Penteado et alli(2004) definem diário de bordo como o espaço individual do aluno, onde este pode deixar registrado seu percurso de aprendizagem (2004, p.5). Já Zabalza (2004) considera especificamente os diários de aula como documentos em que professores e professoras anotam suas impressões sobre o que vai acontecendo nas suas aulas (p. 13). Para este autor, escrever um diário é como dialogar consigo mesmo, racionalizar uma jornada sobre todos os acontecimentos relevantes,... uma forma de descarregar tensões internas acumuladas, de reconstruir mentalmente a atividade de todo o dia, de dar sentido para mim ao que Maslow (1976) denomina de uma densa experiência (grifo do autor, p. 9) A função do diário de bordo adquire relevância num curso de capacitação de professores porque mostra a dupla dimensão da práxis educativa. Por um lado, as vivências da nossa prática e por outro, a evolução de tais vivências e da nossa atuação ao longo do processo educativo. Para Zalbalza (2004), essa dupla dimensão refere-se à dimensão sincrônica e diacrônica 10 do estilo de ensino. Nessas dimensões surgem a consciência da ação e a informação analítica sobre essa ação. Ambos elementos constituem componentes 8 Mestre em Educação (PUCRS), Doutora em Informática na Educação (PGIE/UFRGS) 9 Entendemos por aluno virtual aquele aluno que participa de um curso a distância. 10 Estes termos foram introduzidos originariamente por Saussere na lingüística e usados depois em outras áreas. Designam o eixo da simultaneidade (sincrônico) e das sucessões (diacrônico) no qual é possível considerar apenas uma coisa por vez, mas onde estão situadas todas as coisas do primeiro eixo com suas mudanças. A dimensão sincrônica constitui o sistema ou estrutura enquanto que a dimensão diacrônica é o conjunto de variações sofridas pelo sistema sob a ação de eventos externos ao mesmo (Abbagnano, 1998)

9 fundamentais na formação continuada dos professores. Logo, o diário como ferramenta para apoio à reflexão permite uma conscientização do nosso trabalho como professores e é, ao mesmo tempo, uma ferramenta de aprendizagem pela reflexão (Emig, 1977, apud Zalbalza, 2004) Os diários constituem-se ótimos recursos para a formação permanente dos docentes, ao contribuírem no desenvolvimento pessoal e profissional da prática educativa no que Zalbalza(2004) denomina de círculo de melhoria. Esse círculo começa pelo desenvolvimento da consciência, continua pela obtenção de uma informação analítica e vai se sucedendo por meio de outra série de fases, a previsão da necessidade de mudanças, a experimentação das mudanças e a consolidação de um novo estilo pessoal de atuação (ZABALZA, 2004, p. 11, grifo do autor) Segundo o Febrace (2004) um diário deve conter: registro detalhado dos fatos, passos, descobertas e indagações dos alunos; das datas e locais das investigações; dos testes e resultados alcançados; assim como, as entrevistas conduzidas, entre outros elementos que o dono do diário achar importante relatar. O que caracteriza um diário não é o registro diário, mas sua periodicidade ou sistematicidade. Um outro aspecto importante, é que os diários são narrações nas que o seu conteúdo pode ser de qualquer espécie. O importante é que esse conteúdo seja importante para o autor do diário e possua riqueza informativa (ZALBALZA, 2004). Zabalza(2004) classifica o conteúdo dos diários como sendo: jornalístico: quando é basicamente descritivo com características próprias do jornalismo; analítico: a narração é orientada para determinados itens que são destacados e servem com guia para a construção do diário; avaliativo: em geral neste tipo de conteúdo, o autor toma posicionamento nas suas colocações realizando um processo avaliativo (próprio, do processo, dos alunos, do contexto, etc.); etnográfico: o conteúdo e o sentido da narração levam em conta todos os aspectos do grupo social (contextos físico, social e cultural) em que ocorrem os fatos; terapêutico: o conteúdo serve mais como uma forma de descontrair as tensões do diaa-dia; reflexivo: neste item, o conteúdo é um dialogar-consigo-mesmo sobre os fatos e acontecimentos registrados; introspectivo: o conteúdo do diário é voltado fundamentalmente sobre o próprio sujeito (sentimentos, vivências); criativo e poético: o conteúdo não reflete apenas a realidade, pois o autor lança mão de recursos literários (com poesias, provérbios, metáforas, etc.) para se expressar.

10 Evidentemente, um diário de bordo pode ser de qualquer tipo e até misturar os estilos, pois depende da criação do sujeito e o seu processo de reflexão. Neste sentido, os diários, especialmente utilizados por professores em formação (seja esta continuada ou não) permitem o desenvolvimento de pesquisa em quatro âmbitos diferenciados: mundo pessoal dos professores; desenvolvimento profissional; explicitação dos próprios dilemas e avaliação e reajustes de processos educativos. Para Miles (1998, apud Zabalza, 2004) o comportamento auto-analítico é, acredito, um instrumento fundamental nas iniciativas de mudança escolar (p.42). Com relação à explicitação dos próprios dilemas, o uso do diário tem se mostrado muito eficaz na tomada de consciência desses dilemas e na busca concreta de soluções para os mesmos, seja pelo compartilhamento dos mesmos, seja pela auto-reflexão. Pois, como afirma Zabalza (2004), nem sempre o professor é consciente do processo de identificação ou de resolução dos dilemas (p.18) Pois, a práxis, não é um processo intervenção previamente fixada, senão que é um processo inserido num contexto flexível articulado por diversas variáveis que perfazem o fazer educativo (Zabala, 1998). A multiplicidade de dimensão dessa prática educativa é, muitas vezes, percebida pelo professor e pelo aluno de forma espontânea, sem a devida conscientização, tão necessária à práxis educativa. Dessa forma, através dos diários e da reflexão que eles promovem os professores tem a oportunidade de refletir sobre a sua prática e sobre os seus dilemas. Os professores serão melhores profissionais tanto quanto mais conscientes forem suas práticas, quanto mais refletirem sobre suas intervenções (ZABALZA, 2004, p. 23) Mas os diários não são apenas instrumentos de reflexão e de conscientização da prática, eles são excelentes ferramentas de avaliação, sejam estes de autoavaliação, como de avaliação do grupo e do processo. É um instrumento de avaliação que permite como os portfólios acompanhar o processo de construção de conhecimento do aluno. E que permitem desenvolver no aluno duas competências básicas: reflexão e escrita analítica-sintética. Entendemos esta última competência como a competência para a produção textual, tão necessária para o professor deste novo milênio, que deve passar de um professor-leitor para se tornar um professor-autor. Por último, o diário de bordo como ferramenta computacional é um ótimo espaço para feedback imediato e permanente e para compartilhamento de crenças e vivências e pode ser usado como técnica de ensino e aprendizagem em conjunto com outros instrumentos como portfólio, grupos de discussão, etc. Referências Bibliográficas ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

11 FEBRACE- Feira Brasileira de Ciências e Engenharia - Criatividade e Inovação. Diário de Bordo. Disponível em 8/11/2004. PENTEADO, F. BASSANI P. e PASSERINO, L. Aprenda a Gerenciar o seu Material através do Tutorial do Ambiente Virtual NEAD. Disponível em: Acesso em 08/11/2004. ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, ZABALZA, M. Diários de Aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: ArtMed, Bibliografia Adicional ALVES, F.C. DIÁRIO - Um Contributo para o desenvolvimento profissional dos professores e estudo dos seus dilemas. Disponível na Internet em: Acesso em 8/11/2004. SILVA, M. H. e DUARTE, M. C. O diário de aula na formação de professores reflexivos: resultados de uma experiência com professores estagiários de biologia/geologia. Disponível na Internet em: Acesso em 8/11/2004

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO GUIA DO ALUNO EAD GUIA DO ALUNO EAD Guia do Aluno Seja bem-vindo(a) às disciplinas EAD! Agora que você já está matriculado na disciplina online, chegou o momento de ficar por dentro de informações muito

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Maio / 2005 154-TC-C3 Ilene Figueiredo Pessoa UVA - Universidade Veiga de Almeida ilene@uva.br Denise Paiva D Ávila Melo UVA - Universidade

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Guia do Aluno - Disciplinas On-line (DOL)

Guia do Aluno - Disciplinas On-line (DOL) GUIA DO ALUNO Seja bem-vindo(a) às disciplinas On-line (DOL) dos cursos de gradução do Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU) e das Faculdades Maurício de Nassau! Agora que você já está matriculado(a)

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

A ATUAÇÃO DO DOCENTE TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A ATUAÇÃO DO DOCENTE TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A ATUAÇÃO DO DOCENTE TUTOR NA DUTRA, Regina Maria¹, PEREIRA, Valdir¹ 1 Docente da Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes. RESUMO A Educação a Distância (EAD) sofreu novo impulso com o surgimento

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

Manual do aluno online

Manual do aluno online Manual do aluno online Os 10 mandamentos do aluno de educação online 1 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é prérequisito para a participação nos cursos

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

REDE DE CAPACITAÇÃO: FORMANDO PROFESSORES PARA USO PEDAGÓGICO DA INTERNET.

REDE DE CAPACITAÇÃO: FORMANDO PROFESSORES PARA USO PEDAGÓGICO DA INTERNET. 1 REDE DE CAPACITAÇÃO: FORMANDO PROFESSORES PARA USO PEDAGÓGICO DA INTERNET. 04/2007 Priscila Gonsales CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária / EDUCAREDE (educarede@cenpec.org.br)

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem Dr. Rubem Mário F. Vargas - engenharia- rvargas@pucrs.br Dra Marilú F.Medeiros - educação- marilu@pucrs.br Dra Maria Bernadette P.Herrlein - educação-

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação Ambiente Virtual As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

XVII SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA. 13 a 15 de agosto de 2008 Brasília - DF

XVII SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA. 13 a 15 de agosto de 2008 Brasília - DF XVII SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA 13 a 15 de agosto de 2008 Brasília - DF MODELOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EaD Informática como ferramenta pedagógica no ensino da Medicina Veterinária

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2 Guia do aluno Título Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008 Abril 2008 2 Índice 1. Introdução... 4 2. Metodologia... 4 3. Aulas online... 5 4. A avaliação... 5

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

INTERAÇÃO E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM COMPARTILHADO E COLABORATIVO NUM FÓRUM DE DISCUSSÃO

INTERAÇÃO E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM COMPARTILHADO E COLABORATIVO NUM FÓRUM DE DISCUSSÃO 1 INTERAÇÃO E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM COMPARTILHADO E COLABORATIVO NUM FÓRUM DE DISCUSSÃO 05/2005 050-TC-C5 Fabiana Martins Vilela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 13 A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marcia Maria Previato de Souza Professora do Centro Universitário de Maringá PR marciapreviato@cesumar.br João Luiz Gasparin

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD Ana Maria Ferreira Carvalho Mariza Russo Nadir Ferreira Alves Nysia Oliveira de Sá CBG/FACC/UFRJ

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL AS VANTAGENS DESSA MODERNA SISTEMÁTICA DO ENSINO SÃO: O PAPEL DO ALUNO PROFESSOR TUTOR AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ACESSO AO AMBIENTE

Leia mais

Tema: Capacitación profesional. 7.- El acceso y la reinserción al mercado laboral mediante el e-learning. SCHLÜNZEN, Elisa Tomoe Moriya 1

Tema: Capacitación profesional. 7.- El acceso y la reinserción al mercado laboral mediante el e-learning. SCHLÜNZEN, Elisa Tomoe Moriya 1 TelEduc: Um Ambiente Virtual na Formação de Educadores à Distância para a Potencializar a Inclusão Social, Digital e Escolar de Pessoas com Necessidades Especiais PNE s. Tema: Capacitación profesional

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet Por Carolina Cavalcanti * Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a maneira que nossa sociedade está

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa 1 Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Solange Rauchbach Garani Escola da Magistratura do Paraná E-mail: solangergarani@yahoo.com.br

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE MARKETING NA MODALIDADE EAD DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE MARKETING NA MODALIDADE EAD DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ 1 A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE MARKETING NA MODALIDADE EAD DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ Maio/2007 Fabiano Palhares Galão - Unopar Universidade

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Texto revisto pela autora, quanto ao conteúdo. Retirada a indicação da instituição pois não atua

Leia mais

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Natal- RN- Maio de 2015 Thais Paulo Teixeira Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - thais.paulo@hotmail.com Nathalia

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Palavras-chave: AVA, informática, matemática e aprendizagem.

Palavras-chave: AVA, informática, matemática e aprendizagem. INTEGRAÇÃO ENTRE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA EM AMBIENTES VIRTUAIS Solange Sardi Gimenes Washington Romao Dos Santos Jonathan Toczek RESUMO A Informática oferece recursos que auxiliam na aprendizagem, tornando

Leia mais

O MUNDO MUDOU. #fato

O MUNDO MUDOU. #fato DO GIZ AO BYTE O MUNDO MUDOU #fato Sociedade da Informação Informação como recurso estratégico Uso intensivo das TIC Interação digital Diversas formas de fazer as mesmas, ou novas coisas Qual é a sua?

Leia mais

A tutoria na Educação a Distância

A tutoria na Educação a Distância XII Workshop NPT em Educação a Distância A tutoria na Educação a Distância AMALI DE ANGELIS MUSSI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS 06 de novembro de 2015 TUTORIA... QUANDO PENSAMOS EM PRÁTICAS

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

Formação docente em serviço para o ensino presencial e a distância. Estudo de caso da UnisulVirtual

Formação docente em serviço para o ensino presencial e a distância. Estudo de caso da UnisulVirtual Formação docente em serviço para o ensino presencial e a distância. Estudo de caso da UnisulVirtual Linhas de ação Cursos a distância - Graduação, Pós- Graduação e Extensão; Disciplinas a Distância DAD

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Estudo e Aprendizado a Distância 69 Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: associar os estilos de aprendizagem às respectivas

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL

VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL Diogo Israel Schwanck (1) Bárbara Bernardine Almeida da Silva (2) Liara Aparecida dos Santos Leal (3) Resumo O presente trabalho

Leia mais

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 Christian Dias Azambuja christian.dias.92@gmail.com Bianca Silveira silveirabianca41@gmail.com Geovânia dos Santos geovania_dos_santos@hotmail.com

Leia mais