Influência do ph da água no desenvolvimento das formas imaturas do Aedes aegypti (Linnaeus, 1762)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Influência do ph da água no desenvolvimento das formas imaturas do Aedes aegypti (Linnaeus, 1762)"

Transcrição

1 REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN Volume 12 - Número 1-1º Semestre 2012 Influência do ph da água no desenvolvimento das formas imaturas do Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) RESUMO Danillo Menezes dos Santos 1 ; Jamile Santos Costa 1 ; Cláudia Moura Melo 2 O ph ou potencial de hidrogênio iônico é um índice que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de um meio. Aedes aegypti é um mosquito originário provavelmente da África e, acredita-se que por meio das grandes navegações marítimas, ocorreu sua dispersão pela América e outros continentes de clima tropical e subtropical. Vários estudos relatam que fatores climáticos como a temperatura, umidade, pluviosidade e altitude, interferem no desenvolvimento do seu ciclo vital, que em condições ideais podem ocorrer entre sete e dez dias. Entretanto, não há registros que indiquem se o ph da água interfere ou não no seu processo de metamorfose. Desta forma, o objetivo deste estudo foi avaliar a influência do Ph sobre as formas imaturas do A. aegypti. Foram delineados três grupos experimentais em recipientes plásticos de cor preta contendo 150 ml de água declorada cada, sendo acrescentado ao grupo A, Labcon Acid, ao grupo B Labcon Alcali e no C (controle), o ph foi mantido neutro. Em cada um dos grupos foram colocadas ovitrampas, utilizadas para calcular índices de oviposição de fêmeas, contendo ovos do mosquito A. aegypti. A taxa de sobrevivência sofreu influência das diferentes condições do ph da água, uma vez que os ovos inseridos no grupo A não apresentaram eclosão, e os ovos submetidos às condições dos grupos B e C apresentaram taxa de eclosão e viabilidade das larvas semelhantes. Palavras-chaves: Aedes aegypti, Desenvolvimento, ph. Influence of ph of water in the development of immature forms of Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) ABSTRACT The ph or hydrogen ion potential is an index that indicates the acidity, neutrality or alkalinity of a medium. Aedes aegypti is a mosquito probably originating from Africa and it is believed that through the great sea voyages, there are spread around America and other continents in tropical and subtropical climate. Several studies report that climatic factors as temperature, humidity, rainfall and altitude, interfere with development of its life cycle, which under ideal conditions may occur between seven and ten days. However, there are no records to indicate when the ph of the water interfered with the process of metamorphosis. Thus, the purpose of this study was to evaluate the influence of ph on the immature forms of A. aegypti. Three experimental groups were delineated in black plastic bags containing 150 ml of dechlorinated tap water each, and added to the group A, Labcon Acid, group B Labcon Alkali and control (C), the ph was kept neutral. In each group were placed ovitraps, used to calculate rates of oviposition of females containing eggs of the mosquito A. aegypti. The survival rate was influenced by the different conditions of ph, since the eggs placed in group A showed no hatching eggs and subject to the conditions of groups B and C showed hatching rates and larvae viability similar. Keywords: Aedes aegypti, Development, ph. 89

2 INTRODUÇÃO Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) Díptera: Culicidae é um mosquito vetor de arbovírus que infecta o homem, que no Brasil, apresenta relevantes índices de infestação em 3592 municípios. (HONÓRIO; OLIVEIRA, 2001). O Aedes aegypti é provavelmente originário da África, região da Etiópia e acredita-se que tenha sido introduzido na América em época precoce da colonização, por meio das embarcações provenientes daquele continente. Distribui-se amplamente nas regiões tropicais e subtropicais do globo terrestre, principalmente entre os paralelos 45º de latitude norte e 35º de latitude sul, não se adapta bem a grandes altitudes. Trata-se de um mosquito de hábito essencialmente doméstico e dotado de grande antropofilia. Seu habitat está intimamente ligado às condições domiciliares ou peridomiciliares a ele ofertadas pelo modo de vida das populações humanas (PONTES e NETTO, 1994). Diante da grande capacidade de adaptação do Aedes aegypti em face de conjunturas sociais e urbanas diferenciadas, muitos pesquisadores têm se dedicado a examinar a ecologia destes mosquitos, procurando desvendar seus comportamentos e hábitos preferenciais na natureza e no espaço habitado pelo homem. Entre as principais linhas de investigação está a ecologia dos vetores, pilar central da vigilância entomológica. Contudo, ainda há muito a ser investigado sobre o comportamento do A. aegypti e de outros vetores (GAMA, 2005; DONALÍSIO e GLASSER, 2002; LOPES, 1993). Mesmo cientes que é na fase adulta que os mosquitos transmitem doenças, convém ressaltar algumas particularidades das formas imaturas de Aedes aegypti, que ajudam a explicar o grau de adaptabilidade que essa espécie conquistou no que tange suas relações com a espécie humana (NATAL, 2002). Como outros culicídeos, no período larvário ocorrem três mudas, que culmina com a larva de quarto estágio que dará origem posteriormente à pupa (FORANTTINI, 2003). Esta etapa de desenvolvimento está na dependência direta da temperatura e atingirá seu pico de desenvolvimento, entre 20 e 30ºC (NATAL, 2002). A temperatura é um dos fatores ecológicos que influi, tanto direta como indiretamente, sobre os insetos, seja no seu desenvolvimento, seja na sua alimentação. Vários autores demonstram os efeitos da temperatura sobre o ciclo de vida dos insetos e de como este fator ecológico pode ser utilizado no melhor entendimento da dinâmica populacional de vetores e no controle de doenças. (BRAGA, 2007; BESERRA, et al. 2006; NETO et al, 1976; COSTA et al, 1994; NATAL, 2002). Muitos trabalhos já foram realizados abordando a influência das condições climáticas (temperatura, pluviosidade, altitude, umidade) no desenvolvimento do ciclo vital dos vetores, além da adaptação das espécies a diferentes contextos ecológicos e sociais. (DONALÍSIO e GLASSER, 2002; BRASIL, 2001; GADELHA, 1985). Verificou-se também que a disponibilidade de alimento e a densidade das larvas no criadouro, são fatores que interferem no rápido desenvolvimento das formas imaturas (BRASIL, 2001). Marques e Miranda (1992) relataram que na atividade de oviposição de culicídeos, a seleção do criadouro pode estar associada a fatores presentes na água, tais como: matéria orgânica, compostos químicos e presença de imaturos, entre outros. O sucesso reprodutivo de mosquitos está intimamente relacionado à seleção do local de oviposição, fator crítico para a sobrevivência e dinâmica de populações que influencia a distribuição larval em campo e é resultante da interação de uma complexa rede de fatores químicos e físicos, que envolvem respostas visuais, táticas e olfatórias (SERPA et al, 2008). Poucos são os estudos existentes sobre a influência do ph no desenvolvimento das formas imaturas do Aedes aegypti ou ainda que compare este desenvolvimento com o ph da água do criadouro onde vivem. Honório e Oliveira, (2001) realizaram um trabalho onde aferiram o ph da água contida em cada um dos pneus, utilizado como criadouros, porem nada relataram sobre o desenvolvimento das formas imaturas do A. aegypti. No entanto, essa influência tem sido relatada para outras espécies, sendo que, a resposta às variações do 90

3 ph da água é muito importante, uma vez que os indivíduos estarão submetidos a elas durante as diversas fases de seu desenvolvimento (FERREIRA et al, 2001). O objetivo deste estudo foi avaliar a influência do ph da água sobre as fases do desenvolvimento das formas imaturas (ovo e larva) do Aedes aegypti. METODOLOGIA Os experimentos foram realizados no Laboratório Central de Sergipe (LACEN), mais especificamente no Laboratório de Entomologia, localizado na cidade de Aracaju- SE, no período de outubro de 2009 a fevereiro de 2010, com ovitrampas positivas (com presença de ovos) que foram oriundas das atividades de controle realizadas pelos agentes de endemias do município de Aracaju-SE. Três grupos experimentais foram delineados utilizando-se recipientes plásticos de cor preta, identificados como A, B e C. Em cada um deles foi adicionado 150 ml de água declorada. Em seguida foi acrescentado no recipiente A Labcon Acid, que é composto por água destilada e Ácido Clorídrico, de uso veterinário acidificado para corrigir o ph da água, com o intuito de deixar o ph ácido (0-6). No recipiente B foi utilizado Labcon Alcali, que é composto por água destilada e Carbonato de Sódio, de uso veterinário alcalinizado para corrigir o ph da água, deixando o ph básico (8-14), e no recipiente C (controle), o ph foi mantido neutro, ou seja, igual a 7,0. As paredes internas dos recipientes foram previamente lavadas com água e detergente neutro para que fossem eliminadas eventuais partículas existentes. Em cada um dos recipientes foi colocada uma ovitrampa, contendo ovos do mosquito Aedes aegypti, que configura-se em uma armadilha de oviposição artificial adaptada em vasos pretos, com uma palheta de eucatex (12 cm de altura x 2 cm de largura) imersa em água, sobre a qual ocorre a oviposição da fêmea do mosquito do Aedes aegypti (OLIVEIRA et al, 2006; RODRIGUES, 2005) (Figura 01). Figura 01 - Recipientes plásticos contendo ovitrampas utilizados no decorrer do trabalho. 91

4 Os recipientes foram mantidos, durante o tempo de duração do experimento, em uma gaiola, 40 cm x 30 cm x 30 cm, telada com haste de madeira ou metal, específica para se trabalhar com estes mosquitos. Diariamente, no início do período matutino, o ph de cada um dos recipientes, A, B e C, foi aferido e registrado, este último corrigido com os produtos citados anteriormente, sempre que um dos recipientes apresentasse disparidade em relação aos valores do ph. O ph foi medido com o auxílio de fitas universais indicadoras de ph(fix 0-14). Para acompanhar a interferência de condições variáveis de ph da água sobre o desenvolvimento das formas imaturas do Aedes aegypti, procedeu-se observação diária, no horário citado anteriormente, com o auxílio de um Estereomicroscópio de marca Olympus SZ61 (aumento de 10x), onde foi possível contabilizar os ovos presentes em cada uma das ovitrampas. Desta forma, foi possível calcular a Taxa de Eclosão (TE), 24 horas após as ovitrampas serem submetidas aos meios ácido, básico e controle, e a Taxa de Viabilidade das larvas (TV), 48 horas após a eclosão dos ovos. Padronizou-se o uso de quinze ovitrampas por recipiente experimental. Verificou-se também a influência do ph de forma direta sobre as larvas, uma vez que, foram coletadas 400 larvas obtidas a partir do meio utilizado como controle (C), e posteriormente submetidas aos meios ácido e básico para observar a viabilidade destas hora a hora, durante 24 horas. Para comparar se há diferenças entre a Taxa de Eclosão e a Taxa de Viabilidade das larvas dos grupos B e C, foi utilizado o teste t de comparação, a um nível de significância α = 5%. em 1909, pelo bioquímico dinamarquês Soren Peter Lauritz ( ). A temperatura média registrada no decorrer do experimento variou de 23ºC a 29ºC e a umidade relativa do ar (URA), variou de 46% a 73%. Sabe-se que a temperatura e a umidade são fatores bioclimáticos de fundamental importância no desenvolvimento das formas imaturas desse vetor (BESERRA, et al. 2006; NATAL, 2002) e mesmo que esses fatores estejam nas condições consideradas ótimas para que ocorra uma metamorfose completa, foi possível verificar que existe uma influência do ph no meio aquático. Segundo Zeilder et al, (2008), a coleta de ovos por ovitrampas é um método prático para monitoramento da população do vetor, fornecendo alta positividade mesmo quando sua densidade populacional na região é baixa. Serpa et al, (2008) realizaram um estudo onde foi avaliado em laboratório o efeito da água de criação larval de culturas puras de Aedes aegypti, Aedes albopictus e cultura mista pelas duas espécies na oviposição de fêmeas grávidas do A. aegypti, no entanto não fez relato algum sobre o ph desta água. O número total de ovos contabilizados nas 15 palhetas de ovitrampas, submetidas às condições do grupo ácido (A) foram de 1473 ovos, o do grupo básico (B) de 1761 e o do grupo controle (C) de 1620 ovos. O recipiente que foi induzido a permanecer com o ph ácido durante a realização dos experimentos, não apresentou eclosão de ovos e consequentemente uma não viabilidade de larvas. Entre os 1761 ovos submetidos ao meio básico, foi verificado aproximadamente um quantitativo de 1409 ovos eclodidos e 1197 larvas viáveis, dos 1620 ovos que foram submetidos ao grupo controle houve um quantitativo de aproximadamente 1215 ovos eclodidos e 982 larvas viáveis. (Gráfico 01). RESULTADOS E DISCUSÃO O ph ou potencial de hidrogênio iônico é um índice que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de um meio. Este símbolo ph significa poder, intensidade da concentração de íons hidrogênio (SEELEY, et al, 2003; BAPTISTA, 2007). O termo ph foi introduzido, 92

5 Gráfico 01 - Frequência absoluta total de ovos eclodidos e do total de larvas viáveis em cada um dos recipientes Grupo A Grupo B Grupo C Total de ovos Ovos Eclodidos Larvas Viáveis A taxa de sobrevivência sofreu forte influência das diferentes condições do ph da água, uma vez que, a TE e TV do grupo (A) foi igual a 0 (zero), Ferreira et al, (2001) realizaram um trabalho sobre a influência do ph sobre ovos e larvas de jundiá, uma espécie de peixe, onde todos os ovos incubados em ph igual a 4,0 (ácido) morreram. O grupo (B) apresentou uma TE de 80,01% e TV de 67,9% e o grupo C uma TE de 75% e uma TV 60,6% (Quadro 02). Quadro 02 - Valores referentes ao ph, taxa de eclosão (TE) e taxa de viabilidade das larvas (TV), nos diferentes recipientes utilizados no decorrer do experimento. ph ph Médio Variância TE TV Ácido 1,0 2,6 0% 0% Básico 11,4 0,86 80,01% 67,9% Controle 7,0 0,0 75% 60,6% Os recipientes B e C, que possuíam um ph básico e neutro respectivamente, apresentaram um índice semelhante com relação ao desenvolvimento das formas imaturas, pois apresentaram uma baixa quantidade de ovos não eclodidos além de uma baixa mortalidade larval, possibilitando desta forma todo o desenvolvimento das formas imaturas do A. aegypti, nos meios aos quais foram submetidos. Em relação a TE e a TV dos grupos B e C, os valores calculados de t (0,287 e 0,321) respectivamente, portanto, foi possível concluir que, em média, a eclosão dos ovos e a viabilidade das larvas submetidas aos dois tipos de ph (básico e neutro) são praticamente iguais, ao nível de significância estabelecido neste experimento. Entre as 400 larvas viáveis retiradas do grupo controle, 200 foram acrescentadas ao meio ácido e 200 ao meio básico de forma direta. No decorrer de uma hora, pode-se observar que as larvas submetidas no meio ácido, apresentavam uma taxa de mortalidade de 100%, e as larvas presentes no meio básico, permaneceram viáveis durante toda a observação, completando todo o ciclo evolutivo deste inseto vetor. De acordo com Foranttini, (2003) estudos relacionados aos aspectos físicoquímicos da água e ao comportamento de oviposição de fêmeas de A. aegypti são oportunos para esclarecer a biologia e o controle deste vetor. CONCLUSÃO Com a realização do presente trabalho, foi possível verificar através de uma comparação dos resultados obtidos entre os três recipientes, A, B e C, que os ovos e larvas que foram submetidos aos meios B e C, não sofreram influência alguma do ph da água para 93

6 o desenvolvimento das formas imaturas, ou de algum outro fator bioclimático. O mesmo não ocorreu com os ovos e larvas do grupo A. Foi possível concluir que existe uma influência significativa do ph da água sobre o desenvolvimento das formas imaturas do A. aegypti, uma vez que, quando submetidos a um meio de ph ácido, mesmo que estas estejam em condições de temperaturas e umidade favoráveis, não é viável para o desenvolvimento das formas imaturas do A. aegypti. O baixo teor de oxigênio existente no meio ácido contribuiu para que não houvesse o desenvolvimento dessas formas. Um estudo mais aprofundado sobre o efeito do ph da água sobre o processo de desenvolvimento das formas imaturas do Aedes aegypti, pode se tornar um forte aliado na luta ao combate deste inseto vetor, uma vez que as indústrias produtoras de larvicidas poderiam acrescentar na composição dessas substâncias uma determinada proporção de ácidos que não sejam tão fortes ou agressivos a saúde humana, e nem prejudiciais à outras espécies, mas que causaria uma maior mortalidade das larvas de um determinado reservatório e dessa forma, impedir o desenvolvimento dessas formas. Este método seria uma forma de minimizar a população deste inseto vetor, em paralelo com a conscientização da população e dos trabalhos realizados pelos agentes de endemias dos municípios que poderia reduzir consequentemente a proliferação da doença. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem à orientadora: Professora Dr. Cláudia Moura Melo, pelo incentivo, correções e sugestões no desenvolvimento deste Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Aos familiares, aos companheiros e aos amigos. Agradecemos ao ITP (Instituto de Tecnologia e Pesquisa), a todos do LDIP (Laboratório de Doenças Infecciosas e Parasitárias) e aos funcionários do laboratório de Entomologia do LACEN (Laboratório Central de Saúde Pública) pela disponibilização do laboratório e dos materiais utilizados no desenvolvimento deste trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAPTISTA, A. Importância do ph. Escola Secundária de Póvoa de Lanhoso. Fev, BESERRA E. B.; CASTRO F.P.; SANTOS J. W.; SANTOS T. S.; FERNANDES C. R. M. Biologia e exigências térmicas de Aedes aegypti (L.) (Díptera: Culicidae) provenientes de quatro regiões bioclimáticas da Paraíba. Neotropical Entomology, Londrina, v. 35, n. 6, p , BRAGA, I. A.; VALLE, D. Aedes aegypti: vigilância, monitoramento da resistência e alternativas de controle no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 16, n. 4, p , BRASIL. Ministério da Saúde. Funasa. Dengue, Instruções para pessoal de Combate ao Vetor: Manual de Normas Técnicas. 3. ed. rev. Brasília, COSTA, P. R. P.; VIANNA, E. E. S.; JUNIOR, S. P.; RIBEIRO, P. B. Influência da temperatura na longevidade e viabilidade do ciclo aquático do Culex quinquefasciatus Say, 1823 (Diptera: Culicidae) em condições de laboratório. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária. São Paulo, v.3, n.2, p.87-92, DONALÍSIO, M. R.; GLASSER C. M. Vigilância entomológica e controle de vetores do dengue. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 5, n. 3, p , FERREIRA, A. A.; NUÑER A. P. O; ESQUIVEL, J. R. Influência do ph sobre ovos e larvas de jundiá, Rhamdia quelen (Osteichthyes, Siluriformes). Acta Scientiarum. Biological Sciences, Maringá, v. 23, n. 2, p , FORATTINI, O. P.; BRITO M. Reservatórios domiciliares de água e controle do Aedes aegypti. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.37, n.5, p , GADELHA, D. T. A. Biologia e comportamento do Aedes aegypti. Revista 94

7 Brasileira de Malariologia e Doenças Tropicais, Rio de Janeiro, v. 37, p , GAMA, R. A.; ALVES K. C.; MARTINS R. F.; EIRAS A. E. RESENDE M. C. Efeito da densidade larval no tamanho de adultos de Aedes aegypti criados em condições de laboratório. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, São Paulo, v. 38, n. 1, p , HONÓRIO, N. A.; OLIVEIRA, R. L. Freqüência de larvas e pupas de Aedes aegypti e Aedes albopictus em armadilhas, Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.35 n. 4, p , LOPES, J.; SILVA, M. A. N., BORSATO, A. M.; OLIVEIRA, V. D. R.; OLIVEIRA, F. J. A. Aedes (Stegomyia) aegypti L. e a culicideologia associada em área urbana da região Sul, Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 27, n. 5 p , MARQUES, C. C. A.; MIRANDA, C. Influência de extratos de formas evolutivas sobre atividades de oviposição de fêmeas de Aedes (S) albopictus (Skuse). Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 26 n. 04, p , NATAL, D. Bioecologia do Aedes aegypti. Biológico, São Paulo, v. 64, n. 2, p , NETO, S. S.; NAKANO, O.; BARBIN, D.; VILLANOVA, N. A. Manual de ecologia dos insetos. São Paulo: Agronômica Ceres, p. OLIVEIRA, J.C.; LIMA, S. C.; LEMOS, J.C., CASAGRANDE, B.; BORGES, E. A.; SILVA, D. B.; FERRET, J. A.; REZENDE, K. A utilização da ovitrampa como prevenção do Aedes e controle do Dengue no Distrito de Martinésia, Uberlândia (MG). In: III ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE, 23-26, 2006, Anais do III Encontro da ANPPAS, Brasília, ANPPAS, 16 p. PONTES, R. J. S.; NETTO A. R. Dengue em localidade urbana da região sudeste do Brasil: aspectos epidemiológicos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 28, n. 3, p , RODRIGUES, Elisângela de Azevedo Silva. Vigilância de Aedes aegypti e Aedes albopictus com armadilhas tipo ovitrampa no setor oeste da cidade de Uberlândia MG, 2005, 31 p. Monografia (Trabalho de Graduação em Geografia Bacharelado) Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, SEELEY, R. R.; Stephens, T. D.; TATE, P. Anatomia e Fisiologia. 6ª edição [s.1.]: Lusociência, p , SERPA, L. L. N.; MONTEIRO, S. C. B.; VOLTOLINI, J. C. Efeito da água de criação larval na oviposição de Aedes aegypti em laboratório. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 41, n. 5, p , SILVA, H. H.; SILVA, I. G. Influência do período de quiescência dos ovos sobre o ciclo de vida de Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera, Culicidae) em condições de laboratório. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 32, n.4, p , SOARES, V. A. R. C.; RODRIGUES, W. C.; CABRAL, M. M. O. Estudo de áreas e depósitos preferenciais de Aedes albopictus (Skuse, 1894) e Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) no Município de Paracambi Rio de Janeiro, Brasil. EntomoBrasilis, v. 01, n. 3, p , ZEIDLER, J. D.; ACOSTA P. O. A.; BARRÊTO P. P.; CORDEIRO J. S. Vírus dengue em larvas de Aedes aegypti e sua dinâmica de infestação, Roraima, Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 6, p ,

8 [1] - Acadêmicos do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Tiradentes- UNIT, Aracaju (SE). [2] - Prof. Dr. da Universidade Tiradentes - UNIT/ Doenças Infecciosas e Parasitárias - ITP, Aracaju (SE). 96

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes

Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes Mariana B. da Silva 1, Kaline J. S. do Nascimento 1, Kelly C. da S. Matos 1, Paulo S. Lucio

Leia mais

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública Adulto a eclodir Adulto Ciclo vida mosquito Ovos Maria João Alves Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

SUBSTÂNCIAS QUE INVIABILIZAM O DESENVOLVIMENTO DOS OVOS DE Aedes aegypti E SUA IMPORTÂNCIA NO CONTROLE DO DENGUE SUZE SILVA ARAÚJO

SUBSTÂNCIAS QUE INVIABILIZAM O DESENVOLVIMENTO DOS OVOS DE Aedes aegypti E SUA IMPORTÂNCIA NO CONTROLE DO DENGUE SUZE SILVA ARAÚJO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISA DA AMAZÔNIA - INPA COOEDENAÇÃO DE PESQUISAS EM CIENCIAS DA SAÚDE - CPCS LABORATÓRIO RIO DE MALÁRIA E DENGUE SUBSTÂNCIAS QUE INVIABILIZAM O DESENVOLVIMENTO DOS OVOS DE Aedes

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

Revista Eletrônica de Biologia

Revista Eletrônica de Biologia REB Volume 1 (3): 21-30, 2008 ISSN 1983-7682 Revista Eletrônica de Biologia "Influência do Parque da Biquinha como foco de Aedes (Stegomyia) aegypti em relação a área urbana " Heidi S. M. Utsunomiya 1

Leia mais

A utilização da ovitrampa como prevenção do Aedes e controle do Dengue no Distrito de Martinésia, Uberlândia (MG).

A utilização da ovitrampa como prevenção do Aedes e controle do Dengue no Distrito de Martinésia, Uberlândia (MG). III Encontro da ANPPAS 23 a 26 de maio de 2006 Brasília DF A utilização da ovitrampa como prevenção do Aedes e controle do Dengue no Distrito de Martinésia, Uberlândia (MG). João Carlos de Oliveira(1),

Leia mais

Ciclo de vida de Aedes (Stegomyia) aegypti (Diptera, Culicidae) em águas com diferentes características

Ciclo de vida de Aedes (Stegomyia) aegypti (Diptera, Culicidae) em águas com diferentes características 281 Ciclo de vida de Aedes (Stegomyia) aegypti (Diptera, Culicidae) em águas com diferentes características Eduardo B. Beserra 1, Eraldo M. de Freitas 1, José T. de Souza 2, Carlos R. M. Fernandes 3 &

Leia mais

Boletim Epidemiológico da Dengue

Boletim Epidemiológico da Dengue Boletim Epidemiológico da Dengue Dados Referentes às Semanas Epidemiológicas: 01 a 03 - Períodos de 03/01/2016 a 23/01/2016 Ano: 09 Número: 03 Data de Produção: 22/01/2016 Esse boletim está na web: www.natal.rn.gov.br/sms

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Laboratório de Estatística Aplicada ao Processamento de Imagens e Geoprocessamento INFLUÊNCIA DOS AGENTES

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Desenvolvimento de larvas de Aedes aegypti L. (Diptera: Culicidae) em diferentes tipos de água Gervina B. M. Holanda Ivna R. S. Melo Raissa M. Braga Rebecca B. Silva Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

O Aedes (Stegomyia) aegypti (DIPTERA: CULICIDAE) L. 1735, ANTE OS HÁBITOS CULTURAIS HUMANOS EM DOIS BAIRROS DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB

O Aedes (Stegomyia) aegypti (DIPTERA: CULICIDAE) L. 1735, ANTE OS HÁBITOS CULTURAIS HUMANOS EM DOIS BAIRROS DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB O Aedes (Stegomyia) aegypti (DIPTERA: CULICIDAE) L. 1735, ANTE OS HÁBITOS CULTURAIS HUMANOS EM DOIS BAIRROS DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB Carlo Rivero Moura Fernandes 1 ; Renata da Silva Leandro 2,

Leia mais

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Resultado do LIRAa Março / 2014 Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Levantamento Rápido de Índices LIRAa O LIRAa foi desenvolvido em 2002,

Leia mais

Opresente estudo visa definir as melhores condições para esta

Opresente estudo visa definir as melhores condições para esta Revista da Fapese, v.4, n. 2, p. 97-112, jul./dez. 2008 97 Estabelecimento de Colônia de Aedes aegypti por Meio de Amostra Proveniente do Bairro Porto Dantas - Aracaju - Sergipe Daniela Passos Vieira Bispo

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE DAS AÇÕES PREVENTIVAS Marcelo Henrique Otenio 1 Regina H. F. Ohira 2 Simone Castanho S. Melo 3 Ana Paula Lopes Maciel 4 Edmara Janey

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DA DISTRIBUIÇÃO DO AEDES AEGYPTI (DIPTERA: CULICIDAE) EM DIFERENTES ÁREAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE ESPACIAL DA DISTRIBUIÇÃO DO AEDES AEGYPTI (DIPTERA: CULICIDAE) EM DIFERENTES ÁREAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ANÁLISE ESPACIAL DA DISTRIBUIÇÃO DO AEDES AEGYPTI (DIPTERA: CULICIDAE) EM DIFERENTES ÁREAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Reis IC 1 ; Honório N.A. 1 ; Codeço C.T. 3, Barcellos C 2, Magalhães M.A.F.M 2 1 Laboratório

Leia mais

ARTIGO/ARTICLE. Rosina Djunko Miyazaki 1, Ana Lúcia Maria Ribeiro 2, Marta Gislene Pignatti 3, José Holanda Campelo Júnior 4 e Marina Pignati 1 RESUMO

ARTIGO/ARTICLE. Rosina Djunko Miyazaki 1, Ana Lúcia Maria Ribeiro 2, Marta Gislene Pignatti 3, José Holanda Campelo Júnior 4 e Marina Pignati 1 RESUMO ARTIGO/ARTICLE Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42(4):392-397, jul-ago, 2009 Monitoramento do mosquito Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera: Culicidae), por meio de ovitrampas no

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle de mosquito. Mosquitos. Reservatórios. Aedes aegypti. Criadouro. Culicidae.

PALAVRAS-CHAVE: Controle de mosquito. Mosquitos. Reservatórios. Aedes aegypti. Criadouro. Culicidae. Comunicação rápida Prevenção da dengue: implicações do uso de tela no controle de Aedes aegypti em reservatórios de água para consumo humano Dengue prevention: implications of the meshes used in household

Leia mais

CLIMA E SAÚDE: ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO TEMPO ATMOSFÉRICO NO NÚMERO DE NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR.

CLIMA E SAÚDE: ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO TEMPO ATMOSFÉRICO NO NÚMERO DE NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR. CLIMA E SAÚDE: ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO TEMPO ATMOSFÉRICO NO NÚMERO DE NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR. YOKOO, Sandra Carbonera, Geografia, FECILCAM, sandracarbonera@ibest.com.br

Leia mais

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS MAIO/2015 E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA E.E. DR. João Ponce de Arruda Rua: Conceição do Rio Pardo, Nº: 1997 Centro.

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 018/2012 DATA: 31/10/2012 Luta anti vetorial contra Aedes aegypti Luta anti vetorial; Aedes aegypti; Dengue Autoridades de saúde; Departamentos e Unidades

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Prof.ª Rosana Chagas. Elaboração da Situação de Aprendizagem MGME- CIÊNCIAS

Prof.ª Rosana Chagas. Elaboração da Situação de Aprendizagem MGME- CIÊNCIAS Elaboração da Situação de Aprendizagem MGME- CIÊNCIAS 1 CONHECENDO O CICLO DE VIDA DO Aedes Aegypti Prof.ª Rosana Matias Das Chagas 2 Tempo previsto: Conteúdos e temas: Público Alvo: Competência e habilidades:

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

Polo EAD de Nova Friburgo

Polo EAD de Nova Friburgo Polo EAD de Nova Friburgo CEDERJ UAB Aplicações da Biotecnologia no combate a dengue No sábado 14 de maio, a equipe da disciplina Tópicos em Biotecnologia, do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas,

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO TÍTULO:AVALIAÇÃO DA INCIDÊNCIA DA DENGUE NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA CONFIRMAÇÃO SOROLÓGICA AUTORES: Cavalcanti, A. C.; Oliveira A. C. S. de; Pires, E. C. ; Lima, L.

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON Curso: Introdução à Educação Digital Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica Fique de na Dengue! ATENÇÃO: A dengue é uma doença muito dolorosa, deixa

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO

Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO Parecer Técnico sobre Entomologia Consultor: Prof. Dr.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti Prevenção e controlo do mosquito Aedes aegypti Aedes aegypti É um mosquito fácil de reconhecer por ser riscado de branco e preto. 2 Distribuição geográfica O mosquito terá tido origem no continente africano.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS E CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO AOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE ASSIS CHATEAUBRIAND, PR

IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS E CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO AOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE ASSIS CHATEAUBRIAND, PR IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS E CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO AOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE ASSIS CHATEAUBRIAND, PR Carlos Donizete dos Santos Biazoto Agrônomo graduado pela Universidade Estadual

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

MONITORAMENTO ENTOMOLÓGICO E EDUCAÇÃO EM DENGUE EM CAMPOS DOS GOYTACAZES

MONITORAMENTO ENTOMOLÓGICO E EDUCAÇÃO EM DENGUE EM CAMPOS DOS GOYTACAZES MONITORAMENTO ENTOMOLÓGICO E EDUCAÇÃO EM DENGUE EM CAMPOS DOS GOYTACAZES Gabriela Calegario 1 ; Lívia Ferreira da Silva 1 ; Diana Rangel de Azeredo 1 ; Maurício Gonçalves da Silva 1 ; Marilvia Dansa de

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso:

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso: Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA Parte 01 Nome: Curso: Data: / / 1 - Introdução Diversas são as definições que podem ser atribuídas à Ecologia. Segundo diversos autores, Ecologia é: a) O estudo das

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

Análise das relações entre as variáveis ambientais e a incidência de Dengue no município de Campo Grande-MS

Análise das relações entre as variáveis ambientais e a incidência de Dengue no município de Campo Grande-MS Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8437 Análise das relações entre as variáveis ambientais e a incidência de Dengue

Leia mais

Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue

Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue Funchal, Novembro de 2012 ÍNDICE Resumo executivo... 2 I Introdução... 4 II Objetivo... 5 III Estratégia de atuação... 5 IV Área de

Leia mais

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Coordenação Geral Programa Nacional de Controle da Dengue, Chikungunya e Zika - CGPNCD Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde dengue@saude.gov.br

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti LIRAa, de outubro de 2015, demonstra que 0,6% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte conta com a presença

Leia mais

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640 MUNICÍPIO DE PORTÃO População: 28583 (Censo IBGE 2007) Imóveis: 9981 (Censo IBGE 2007) Agentes de Endemias: 4 agentes Dpt VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ENDEREÇO: Rua 09 de Outubro, 313 3 Andar TELEFONE:

Leia mais

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias Treinamento de Agentes de Combate as Endemias 1 OPERAÇÕES DE CAMPO Tratamento Lucivaldo Farias Maciel AG. Endemias SVS/MS Educador em Saúde e Mob. Social 3ªCRES/SESA Lucivaldo.maciel@saude.ce.gov.br 2

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde

Secretaria de Estado da Saúde Aedes aegypti ovos larvas pupas Inseto adulto Aedes aegypti É o mosquito que transmite Dengue Leva em média 7 dias de ovo a adulto; Tem hábitos diurnos; Vive dentro ou próximo de habitações humanas; A

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA 20 a 24 de outubro de 2008 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA Ana Carla Zarpelon 1 ; Rejane Cristina Ribas 1 ; Fernando Henrique das Mercês Ribeiro

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Carrara, João Alfredo; Zambrano Tanaka, Érika; David Bonaldo, Claudia CONHECIMENTO

Leia mais

VOCÊ PENSA QUE SEU HOGAR É UM LUGAR SEGURO E QUE DENTRO DELE VOCÊ E A SUA FAMILIA ESTÃO A SALVO?

VOCÊ PENSA QUE SEU HOGAR É UM LUGAR SEGURO E QUE DENTRO DELE VOCÊ E A SUA FAMILIA ESTÃO A SALVO? VOCÊ PENSA QUE SEU HOGAR É UM LUGAR SEGURO E QUE DENTRO DELE VOCÊ E A SUA FAMILIA ESTÃO A SALVO? EXISTE UM INIMIGO PERIGOSO QUE JÁ PODE ESTAR DENTRO DA TUA CASA NESTE MOMENTO E SÓ ESPERA O MOMENTO DE CRESCER

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

MODELO PREDITIVO PARA A POPULAÇÃO INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS: TEMPERATURA E PLUVIOSIDADE. DE MOSQUITOS Aedes aegypti SOB

MODELO PREDITIVO PARA A POPULAÇÃO INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS: TEMPERATURA E PLUVIOSIDADE. DE MOSQUITOS Aedes aegypti SOB CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL MODELO PREDITIVO PARA A POPULAÇÃO DE MOSQUITOS Aedes aegypti SOB INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS

Leia mais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Luciana T. Gomes, Laécio C. de Barros, Depto de Matemática Aplicada, IMECC, UNICAMP 133-59, Campinas, SP E-mail: ra@ime.unicamp.br,

Leia mais

GEOGRAFIA - RECUPERAÇÃO

GEOGRAFIA - RECUPERAÇÃO 1ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - RECUPERAÇÃO 1. Associe os tipos de chuva às suas respectivas características. ( ) Resulta do deslocamento horizontal do ar que,

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014 CEVS/DVAS/PECD/PEVAa Programa Estadual de Controle da Dengue Programa Estadual de Vigilância do Aedes aegypti e Seção de Reservatórios e Vetores/ Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central /

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS ETAPA 2 CURSO INTRODUTÓRIO INSTRUÇÕES

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO TODOS CONTRA O MOSQUITO A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO Sobre o Aedes aegypti O mosquito Aedes aegypti é o transmissor da Dengue, Chikungunya e e a infecção acontece após a pessoa receber uma picada do

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22 Animais de companhia: O verme do coração do cão Quando se fala em vermes, as primeiras imagens que vêm à mente das pessoas são: "lombrigas"

Leia mais

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Comunicação e Marketing Ltda Veículo: Editoria: Notícias www.acritica.uol.com.br Coluna: -- Assunto: Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Origem:

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS FEVEREIRO 2011 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE DIRETOR: JOSÉ CANDIDO DE CASTRO NETO COORDENADORA: FÁTIMA SURIANO

Leia mais

OTIMIZANDO CUSTOS NO COMBATE DA DENGUE ATRAVÉS DE ALGORITMOS

OTIMIZANDO CUSTOS NO COMBATE DA DENGUE ATRAVÉS DE ALGORITMOS OTIMIZANDO CUSTOS NO COMBATE DA DENGUE ATRAVÉS DE ALGORITMOS GENÉTICOS L. S. Barsante, R. T. N. Cardoso, J. L. Acebal Mestranda em Modelagem Matematica e Computacional Centro Federal de Educação Tecnológica

Leia mais

PERÍODO DE INCUBAÇÃO SEIS DIAS INSETICIDAS QUÍMICOS (VENENO) QUALQUER PESSOA VÍRUS

PERÍODO DE INCUBAÇÃO SEIS DIAS INSETICIDAS QUÍMICOS (VENENO) QUALQUER PESSOA VÍRUS VETOR PICAR UMA INFECTADA PERÍODO DE INCUBAÇÃO NÃO EXISTE ELIMINAÇÃO DOS OVO TRINTA DIAS SEIS DIAS INTERIOR DAS CASAS NOTIFICAÇÃO E MULTA DOIS BILHÕES DE REAIS QUÍMICOS (VENENO) Aedes aegypti e Aedes albopictus

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07

VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07 VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07 DENGUE A DOENÇA Doença febril aguda, de etiologia viral, transmitida pela fêmea do mosquito Aedes aegypti.. Existem 4 sorotipos do

Leia mais

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Biologia do Aedes Aegypti, O mosquito Aedes aegypti se desenvolve por meio de metamorfose completa e seu ciclo de vida

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.29 - Programa de Controle e Prevenção de Doenças P.30 - Plano de Ação e Controle da Malária CHTP RA 1/12 P.29 E P.30 0613 INTEGRANTES EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL

Leia mais

DENGUE EM LONDRINA: DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS

DENGUE EM LONDRINA: DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS 1 POLIDORO, Maurício Graduando em Geografia Universidade Estadual de Londrina Bolsista do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina mauricio.polidoro@londrina.pr.gov.br Resumo A dengue é

Leia mais

SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE

SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE É necessário promover exaustivamente, a educação em saúde até que a comunidade adquira conhecimentos e consciência do problema para que possa participar efetivamente. A população

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil da Silva, Vanderlei C; Scherer, Paulo O; Falcao, Simone S; Alencar, Jeronimo; Cunha, Sergio P; Rodrigues, Iram M;

Leia mais

Otimização Multiobjetivo no Controle de Gastos com Inseticidas e Machos Estéreis no Combate da Dengue

Otimização Multiobjetivo no Controle de Gastos com Inseticidas e Machos Estéreis no Combate da Dengue Otimização Multiobjetivo no Controle de Gastos com Inseticidas e Machos Estéreis no Combate da Dengue L. S. Barsante 1, R. T. N. Cardoso 2, J. L. Acebal 2 1 Mestranda em Modelagem Matematica e Computacional

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de um artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE!

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! 1 PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! JUSTIFICATIVA: O ano de 2015 começa com aumento dos casos de dengue, em relação a 2010. Tendo em vista a epidemia que assola muitas cidades do

Leia mais

Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8.

Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8. Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8. O que é e como surgiu o zika vírus 9. Sintomas 10. Diferença

Leia mais

2 Dengue: Características Relevantes

2 Dengue: Características Relevantes 2 Dengue: Características Relevantes 2.1 Apresentação da Doença A dengue é uma arbovirose encontrada em regiões tropicais e subtropicais do mundo inteiro. Sua ocorrência está associada a quatro sorotipos

Leia mais

CONHECIMENTO DOS ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL II SOBRE DENGUE

CONHECIMENTO DOS ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL II SOBRE DENGUE CONHECIMENTO DOS ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL II SOBRE DENGUE Camila Aline Romano (Universidade Federal de Goiás Mestrando) José Firmino de Oliveira Neto (Universidade Federal de Goiás Mestrando) Marco

Leia mais

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the Análise da associação entre variáveis meteorológicas e a incidência de dengue na região noroeste do Rio Grande do Sul: estudo de caso da cidade de Giruá Resumo Shawana S. Mayer 1, Anderson S. Nedel 2,

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

Avaliação das ações de controle da dengue em Santa Maria, Distrito Federal, Brasil. Artigo original

Avaliação das ações de controle da dengue em Santa Maria, Distrito Federal, Brasil. Artigo original Densidade mineral óssea em fibrocísticos Artigo original Avaliação das ações de controle da dengue em Santa Maria, Distrito Federal, Brasil Evaluation of dengue control measures in Santa Maria, Distrito

Leia mais