ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso."

Transcrição

1 ÁCIDO ÚRICO Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. # Usar os calibrador protéico da Katal. Verificar os parâmetros da aplicação usando soros controle com valores dentro do intervalo de linearidade do método. Limite de Diluição: 25 mg/dl. Test Name: ACIDO URICO Chemistry Name: ACUR No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 546 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 4 µl Start Read: 250 sec Start Read: 420 sec End Read: 300 sec End Read: 720 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: REACTION Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: OBS.: O FILTRO DE LEITURA DEVE SER O MAIS PROXIMO, POSSÍVEL, DO 540nm

2 ALBUMINA Primary Inject (A): Reagente de Cor Transferir o conteúdo do frasco Reagente de Cor-Estoque (1) para um balão volumétrico de 500 ml e completar o volume com água destilada ou deionizada. Armazenar em frasco de vidro âmbar. Este reagente é estável 06 meses se armazenado entre 2 a 8 C. Verificar os parâmetros da aplicação usando soros controle com valores dentro do intervalo de linearidade do método. Limite de Diluição: 6,0 g/dl Test Name: ALBUMINA Chemistry Name: ALB No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT ] Calibrator 1: # Units: [ g/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 650 ] Secondary Wavelength: [ NONE ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 0 sec Start Read: 0 sec End Read: 180 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT 6.00 REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

3 ALT/GPT Primary Inject (A) : Reagente 1 Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,25 ml do conteúdo do frasco de Reagente Enzimático (2) e 0,25 ml do conteúdo do frasco de Coenzima (3) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira a- penas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 0,200 Test Name: ALT/GPT Chemistry Name: ALT No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [RATE 1] Calibrator 1: # Units: [ U/L ] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 160 µl [ B ] Vol: 40 µl Sample Volume: 20 µl Start Read: 270 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

4 α-amilase Gal-G2 CNP Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Ler cuidadosamente as Instruções de Uso do produto. Atenção: Não contaminar a vidraria ou o reagente com saliva ou suor, devido aos seus altos conteúdos em α-amilase. Não soprar a pipeta utilizada. Não conversar nas proximidades do frasco destampado, pois o reagente pode se contaminar irreversivelmente. O aparecimento de cor amarelada no reagente é sinal de contaminação por α-amilase. Limite de Diluição: 1500 U/L Test Name: AMILASE Chemistry Name: AMI No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 2 ] Calibrator 1: # Units: [U/L] 2: # Primary Wavelength: [ 410 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 4 µl Start Read: 64 sec Start Read: 30 sec End Read: 300 sec End Read: 90 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

5 AST/GOT Primary Inject (A) : Reagente 1 Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,25 ml do conteúdo do frasco de Reagente Enzimático (2) e 0,25 ml do conteúdo do frasco de Coenzima (3) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira a- penas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 0,200 Test Name: AST/GOT Chemistry Name: AST No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [U/L] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 160 µl [ B ] Vol: 40 µl Sample Volume: 20 µl Start Read: 250 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 240 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

6 CÁLCIO Primary Inject (A) :Reagente de Trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Misturar volumes iguais dos Reagentes Tampão (1) e Reagente de Cor (2) em frasco de plástico e homogeneizar bem. Aguardar 15 minutos antes do uso. Este reagente é estável 12 horas na temperatura ambiente. Recomenda-se preparar apenas a quantidade necessária para 1 dia de trabalho. Limite de Diluição: 19 mg/dl. Test Name: CALCIO Chemistry Name: CAL No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT ] Calibrator 1: # Units: [mg/dl] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 560 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 225 µl [ B ] Vol: 75 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 0 sec Start Read: 0 sec End Read: 120 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

7 COLESTEROL Primary Inject (A) :Reagente de Cor. O Reagente Enzimático está pronto para uso. Este reagente é estável até a data de vencimento do kit, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 500 mg/dl. Test Name: COLESTEROL Chemistry Name: COL No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 300 sec End Read: 320 sec End Read: 320 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

8 COLESTEROL HDL Primary Inject (A) : Reagente de Cor (Colesterol Total 27B) Precipitação: Pipetar em tubo de ensaio 12x75, 0,25 ml de soro e adicionar 0,25 ml de Precipitante. Agitar vigorosamente durante 30 segundos e deixar em repouso por 10 minutos na temperatura ambiente. Centrifugar durante 15 minutos a 3000 rpm. Pipetar o sobrenadante límpido imediatamente após a centrifugação e proceder à determinação do colesterol HDL u- tilizando o método enzimático para determinação do colesterol total. Usar o sistema Colesterol Total, código 27B para a etapa de colorimetria. # Para a calibração utilizar o padrão que acompanha o produto. Test Name: COLESTEROL HDL Chemistry Name: CHDL No. of Calibrators: [ 1 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: 40 Units: [ mg/dl ] 2: 0.00 Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 220 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 22 µl Start Read: 300 sec Start Read: 600 sec End Read: 320 sec End Read: 620 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

9 CREATININA Primary Inject (A) : Reagente de Trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Misturar 04 volumes de Tampão com 01 volume de Ácido Pícrico. Estável 24 horas na temperatura ambiente. Limite de Diluição: 10 mg/dl Test Name: CREATININA K Chemistry Name: CREA No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 125 µl [ B ] Vol: 75 µl Reagents (Secondary Inject): [ C ] Vol: 50 µl Add Time: 16 sec Sample Volume: 20 µl Start Read: 250 sec Start Read: 30 sec End Read: 300 sec End Read: 90 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

10 FOSFATASE ALCALINA Primary Inject (A): Reagente de Trabalho. Adicionar o conteúdo do frasco de Substrato (2) ao frasco de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 30 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 1200 U/L Test Name: FOSF. ALCALINA Chemistry Name: FAL No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [ U/L ] 2: # Primary Wavelength: [ 410 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ B ] Vol: 50 µl Sample Volume: 5 µl Start Read: 64 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

11 FÓSFORO UV Primary Inject (A) :Reagente de Cor O Reagente está pronto para uso. Este reagente é estável até a data de vencimento do kit, se armazenado entre 15 a 25 C. Após a manipulação do kit, sugerimos armazenar o frasco do padrão entre 2 a 8 C, para evitar evaporação. Limite de Diluição: 15g/dL Test Name: FOSFORO UV Chemistry Name: FOSF No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.X ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ B ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 0 sec Start Read: 300 sec End Read: 30 sec End Read: 360 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

12 γ-gt Primary Inject (A):Reagente de Trabalho. Preparo do Reagente de Trabalho: Aquecer um frasco contendo Substrato (Nº 2) durante 1 a 2 minutos em banho-maria a 56ºC para a dissolução completa dos cristais. Adicionar o conteúdo do frasco de Substrato (Nº 2) ao frasco de Tampão (Nº 1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 30 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Havendo formação de cristais no Reagente de Trabalho durante o período de armazenamento, aquecê-lo em banho-maria a 56ºC durante 1 a 2 minutos. Limite de Diluição: 700 U/L Test Name: GAMA GT Chemistry Name: GGT No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [U/L] 2: # Primary Wavelength: [ 410 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 240 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 12 µl Start Read: 96 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

13 GLICOSE GOD-PAP Primary Inject (A) :Reagente de Cor. Os reagentes estão prontos para uso. O aparecimento de coloração rósea no Reagente Enzimático é normal e não afeta sua qualidade. Limite de Diluição: 400 mg/dl Test Name: GLICOSE Chemistry Name: GLI No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Primary Wavelength: [ 505 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 280 sec End Read: 300 sec End Read: 300 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

14 LACTATO Primary Inject (A) : Reagente de trabalho Ler cuidadosamente as Instruções de Uso do produto.observar dois quadros de procedimento técnico, visando pequenas, médias e grandes rotinas. Atenção: Não contaminar os reagentes com saliva, pois esta é rica em lactato. Não soprar, portanto, nas pipetas utilizadas. Limite de Diluição: 120 mg/dl Test Name: LACTATO Chemistry Name: LAC No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ END POINT ] Calibrator 1: # Units: [ mmol/l ] 2: # Decimal Precision X, X 3: 0.00 Reaction Direction: POSITIVE 5: 0.00 Calculation Factor: 6: 0.00 Math Model: LINEAR Primary Wavelength: [ 540 ] Secondary Wavelength: [ 630 ] Reagents (Primary Inject): Vol: 300 µl Vol: 0 µl Reagents (Secondary Inject): NONE Vol: 0 µl Add Time: 0 sec Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 280 sec End Read: 300 sec End Read: 300 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0,00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: - 0,100 Reaction Low ABS Limit: -0,100 High ABS Limit: 0,300 High ABS Limit: 1,500 Initial Rate: 99,999 Delta ABS: 1,500

15 LDH Primary Inject (A) : Reagente de trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,1 ml de Coenzima (2) a 10 ml de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 0,200. Test Name: LDH-UV Chemistry Name: LDH No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [ U/L ] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ B ] Vol: 50 µl Sample Volume: 5 µl Start Read: 96 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 180 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

16 MAGNÉSIO Primary Inject (A) : Reagente de Cor O Reagente de Cor é fornecido pronto para uso. Recomenda-se o uso de vidraria tratada com ácido clorídrico 50% (v/v) afim de se evitar contaminação com magnésio. Limite de Diluição: 4,5 mg/dl Test Name: MAGNESIO Chemistry Name: MAG No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ NONE ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 250 µl [ B ] Vol: 0 µl Reagents (Secondary Inject): [ C ] Vol: 0 µl Add Time: 0 sec Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 300 sec End Read: 300 sec End Read: 330 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT 4.50 High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.000

17 PROTEÍNAS TOTAIS Primary Inject (A) : Biureto de Uso. Preparo do Reagente de Biureto de Uso: Transferir o conteúdo do frasco Biureto-Estoque (1) para um balão volumétrico de 500 ml e completar o volume com água destilada ou deionizada. Armazenar em frasco de plástico ao abrigo da luz. Este reagente é estável seis meses entre 15 e 25ºC. Limite de Diluição: 11g/dL Test Name: PROTEINAS Chemistry Name: PROT No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ g/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 560 ] Secondary Wavelength: [ NONE ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 4 µl Start Read: 270 sec Start Read: 300 sec End Read: 300 sec End Read: 320 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

18 TRIGLICÉRIDES Primary Inject (A) : Reagente de Cor. Preparo do Reagente de Cor: Adicionar o conteúdo de um dos frascos de Enzimas (2) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 60 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 1200 mg/dl Test Name: TRIGLICERIDES Chemistry Name: TRIG No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Primary Wavelength: [ 560 ] Secondary Wavelength: [ 700 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 600 sec End Read: 300 sec End Read: 660 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 0.800

19 URÉIA UV Primary Inject (A) : Reagente de Trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,5 ml do conteúdo do frasco de Enzimas (2) e 0,5 ml do conteúdo do frasco de Coenzima (3) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 250 mg/dl Test Name: UREIA Chemistry Name: UREA No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 250 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 0.330

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso.

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. LEITURA MONOCROMÁTICA FILTRO 546 nm Estabilidade do Reagente de Uso: TEMPERATURA

Leia mais

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR ACIDO URICO : mg/dl MODO LECTURA : MONOCROMÁTICA : 546nm TIEMPO ESTABIL. : 1 VOL.ASP. :800 TIPO DE REACCION : CRESCIENTE ESTANDAR : * Reagente de trabalho: Pronto para uso. Estabilidade: 18 meses, se armazenado

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000 ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO CÓDIGO VOLUME (ml) Nº. TESTES 100/100-100 100 333 100/100-200 200 666 AUR Pt. Final Único Filtros (A/B) 510 mg/dl Trinder Number of Needle Washes 1 Incub. Reagentes (Sec) 300 Tempo

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000 ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430M ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430 100 Determinações - Volume: 100 ml 200 Determinações - Volume: 200 ml 3-Para a Calibração, usar o Padrão do kit ou Calibrador Gold Analisa Cat. 410. 4-É importante

Leia mais

Protocolos de Aplicação

Protocolos de Aplicação Protocolos de Aplicação IN VITRO Diagnóstica MEGA Rua Cromita 278 - Distrito Industrial - Itabira - MG Telefax: 31 3834-6400 e.mail: dsa@invitro.com.br ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO Cat: 10687 Volume: 100 ml

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 O número de determinações (brancos, calibradores e amostras) corresponde

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150 Indice ÁCIDO ÚRICO - MONO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 ALT / TGP 6 AST / TGO 7 BILIRRUBINA DIRETA 8 BILIRRUNINA TOTAL 9 CÁLCIO ASX 10 CÁLCIO 11 CK NAC 12 CK MB 13 CLORO 14 COLESTEROL 15 CREATININA 16 DESIDROGENASE

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Página 1 Página 2 Indice ÁCIDO ÚRICO 03 ALBUMINA 04 -AMILASE 05 ALT/TGP 06 AST/TGO 07 BILIRRUBINA DIRETA (MONO) 08 BILIRRUBINA DIRETA (BI) 09 BILIRRUBINA TOTAL (MONO) 10 BILIRRUBINA TOTAL (BI) 11 CÁLCIO

Leia mais

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA Manual de Automação MEGA LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol * ÍNDICE KIT PÁGINA ALBUMINA...01-02 ALT/TGP CINÉTICA...03-04 AMILASE CNPG...05-06 AST/TGO CINÉTICA...07-08 CÁLCIO ARSENAZO (LANÇAMENTO)...09-10

Leia mais

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P Manual de Automação A15 REVISÃO: 14 (11/2013) M A F R C SLOTEST C P P H T OLESTEROL OLESTEROL T U URBIDIMÉTRICO T HDLD LDL D T IRETO IRETO ERRITINA TURBIDIMÉTRICA EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA CRTEST CRTEST

Leia mais

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO α-amilase 027 120 ml 120 MODO: CIN IMPRESSÃO: EXTENSA WL1: 405 INTERVALO CINÉTICO: 60 WL2: - Nº INTERVALOS: 2 BLANK: NÃO DA/min: 0.220 BLANK- AMOSTRA / PAD: NAO % LIM. LIN: 20 CUB. FLUXO: SIM DIR: INCR

Leia mais

α1 Glicoproteína Ácida Mono

α1 Glicoproteína Ácida Mono α1 Glicoproteína Ácida Mono Artigo 4080050K 4080100K Apresentação 2 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida 4 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida Protocolo de Automação - DIMENSION

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O ECLIPSE PLUS

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O ECLIPSE PLUS ALBUMINA PP - Cat. 419 500 Determinações - Volume: 250 ml Antes da execução da metodologia, é importante uma leitura atenciosa das Instruções de Uso do produto. ALBUMINA ENDPOINT Filter 620 Temp 25 g/dl

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Àcido Lático Ácido Úrico Albumina Alfa 1 Glicoproteína Lactato Oxidase mg/dl 20,2 3,7 TODOS OS PARTICIPANTES mg/dl 18,6 5,2 mg/dl 18,7 5,2 DE mg/dl 13,4 9,1 Fosfotungstato mg/dl 3,2 0,6 Uricase colorimétrico

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS AULA PRÁTICA Nº - 02 03 / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS FUNDAMENTO: Os taninos são determinados segundo metodologia descrita por Price, Hagerman e Buther (1980), que utiliza

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Indice α-1-glicoproteína ÁCIDA 3 APO A 4 APO B 5 ASO TURBILATEX 6 COMPLEMENTO C3 7 COMPLEMENTO C4 8 FATOR REUMATOIDE 9 FERRITINA 10 HbA1c 11 IMUGLOBULINA A (IgA) 12 IMUGLOBULINA G (IgG) 13 IMUGLOBULINA

Leia mais

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di.

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di. ANEXOS A-ÁCIDO ÚRICO ANEXOS PRINCÍPIO: O ácido úrico é oxidado enzimaticamente pela uricase A alantoina com produção de dióxido de carbono e Água oxigenada, a qual, em união com o reativo peroxidase/4-aminofenazona

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Íon Seletivo mg/dl 6,9 2,0 Lactato Oxidase mg/dl 7,3 1,0 Roche mg/dl 7,6 0,4 Siemens Advia mg/dl 6,6 0,5 Ácido Lático Siemens Dimension mg/dl 6,1 1,0 U.V. mg/dl 7,4 1,4 TODOS OS PARTICIPANTES mg/dl 7,2

Leia mais

REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB T P CRTEST TURBIDIMÉTRICO

REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB T P CRTEST TURBIDIMÉTRICO Manual de Automação VITALAB ECLIPSE PLUS REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB MICROALBUMINÚRIA T URBIDIMÉTRICO P CRTEST TURBIDIMÉTRICO ÍNDICE REVISÃO: 06 (04/2012) KIT PÁGINA ALBUMINA...01

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Íon Seletivo mg/dl 7,1 0,4 Lactato Oxidase mg/dl 7,1 0,8 Bioclin U.V. mg/dl 7,4 0,8 Johnson & Johnson mg/dl 6,3 1,5 Roche mg/dl 7,1 0,5 Ácido Lático Siemens Advia mg/dl 6,2 0,7 Siemens Dimension mg/dl

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 10 IMT-POP-BB-0 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Extração de DNA de sangue total POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos Parte A BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 05 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Esta apostila foi desenvolvida originalmente

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 BILIRRUBINA DIRETA 6 BILIRRUBINA TOTAL 7 CÁLCIO 8 CÁLCIO AZUL DE METILTIMOL 9 CLORETO 10 COLESTEROL 11 COLESTEROL HDL 12 CREATININA 13 CREATINO KINASE MB (CK-MB)

Leia mais

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso.

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso. Úrico Ácido Úrico Padrão 4 20 Reduzir 10 Pto final Onda primária 505 Reag. Nulo 16 20 Tempo reação 38 42 Decimal 0.1 mg/dl Int linear 0 20 Serum inferior/superior 3,6---8,2 Water + topkal ALB Albumina

Leia mais

APTT Hemostasis Ref. 502

APTT Hemostasis Ref. 502 APTT Hemostasis Ref. 502 Princípio O reagente contendo ativador plasmático (ácido elágico) desencadeia o mecanismo de coagulação da via intrínseca através da ativação do fator XII (Hageman), que forma

Leia mais

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental:

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental: Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100 1. Num tubo eppendorf misturar 1ml de água desionizada estéril com uma mancha de sangue com aproximadamente 3mm²; 2. Incubar à temperatura ambiente no

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão DOSAGEM DO COLESTEROL HDL COLESTEROL HDL-PP POD

Procedimento Operacional Padrão DOSAGEM DO COLESTEROL HDL COLESTEROL HDL-PP POD COLESTEROL HDL-PP Página 1 de 5 FUNDAMENTO Os quilomicrons, as lipoproteínas de muita baixa densidade (VLDL) e as lipoproteínas de baixa densidade (LDL) são quantitativamente precipitadas com fosfotungstato

Leia mais

PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR

PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR Objetivo PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR Avaliar a concentração de N-NH 4+, na forma de íon, por técnica colorimétrica, utilizando-se espectrofotômetro. A análise é feita através de

Leia mais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais SÓDIO ENZIMÁTICO Instruções de Uso Ref.:24 MS 000900230 Finalidade. Sistema para determinação quantitativa do íon sódio em amostras de soro, por reação enzimática, em modo cinético. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Bioquímicos Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Ácidos biliares totais (2 dosagens- jejum e pós prandial) 250,00 4 dias Soro sanguíneo Ácido úrico 47,00 48 horas

Leia mais

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros Página 1 de 5 1 Escopo Este método determina o teor de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros, cujo parâmetro está relacionado à qualidade do produto segundo a Instrução Normativa nº

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO Laboratório Clínico Professor Archangelo P. Fernandes www.profbio.com.br Padronização no Laboratório Clínico Etapa pré analítica Etapa analítica Etapa pós-analítica

Leia mais

Dosagem de Colesterol em Massas. 1.Introdução

Dosagem de Colesterol em Massas. 1.Introdução Dosagem de Colesterol em Massas 1.Introdução Colesterol é um lipídeo encontrado nas células de todos os tecidos. Existe uma crença, inclusive entre os químicos, que plantas não contém colesterol. Este

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche Andréa Calado andreabelfort@hotmail.com ELISA O teste identifica e quantifica Ag ou Ac, utilizando um dos dois conjugados com enzimas; PRINCIPAIS TIPOS: INDIRETO:

Leia mais

COBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃO JULHO 2004. Visite nosso site :

COBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃO JULHO 2004. Visite nosso site : CBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃ JULH 2004 Av. Pedroso de Morais, 613, 3 º andar CEP 05419-000 - São Paulo SP Brasil Fone: (11) 3816 5968 Fax: (11) 3212 3017 e-mail: labinbraz@wiener-lab.com.br Visite nosso site

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO

HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO REFERENCIAIS PARA ADULTOS ------------------------- Homem Mulher Hemácias em Milhoes/mL...: 4,58 4,5 a 6,5 3,9 a 5,8 Hemoglobina em gdl...: 14,7 13,5 a 18,0 11,5 a 16,4 Hematócrito

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar

Leia mais

Data de liberação: 20/01/ :31

Data de liberação: 20/01/ :31 SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVIRUS Anticorpos de Classe IgG: Superior a 250.0 UA/mL Anticorpos de Classe IgM: Não Reagente Método: Imunoensaio por Quimioluminescência Valores de Referência IgG: Não reagente:

Leia mais

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2 PRÁTICA 2 DETERMINAÇÃ DE CÁLCI EM LEITE Metodologia de análise: Volumetria de Complexação MATERIAIS Bureta de 25 ml Béquer 100 e 250 ml Erlenmeyer de 250 ml Proveta de 50 ml Balão volumétrico 100 ml Pipetas

Leia mais

AMILASE CNPG Liquiform

AMILASE CNPG Liquiform AMILASE CNPG Liquiform Instruções de Uso Ref.:14 MS 10009010053 Finalidade. Sistema para determinação da α-amilase em amostras de sangue, urina e outros líquidos biológicos. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL Determinação da concentração plasmática de triglicéridos por um método enzimático O conteúdo em triglicéridos pode ser determinado

Leia mais

FÓSFORO. 01 Português - Ref.: 42. Ref.:42 MS Instruções de Uso

FÓSFORO. 01 Português - Ref.: 42. Ref.:42 MS Instruções de Uso FÓSFORO Instruções de Uso Ref.:42 MS 10009010008 Finalidade. Sistema para a determinação do Fósforo Inorgânico em amostras de sangue, urina e líquido amniótico com reação de ponto final. [Somente para

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR Introdução O silício é um elemento nutritivo para algumas espécies, pois entra na composição de frústulas, espículas e outras

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 4

Química Geral Experimental - Aula 4 Química Geral Experimental - Aula 4 Título da Prática: Determinação do teor de álcool etílico na gasolina. Objetivos: Determinar o teor de álcool etílico na gasolina Comercial. Determinar o teor de água

Leia mais

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 DHS PPGERHA - UFPR AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos 1. Série de sólidos Resíduos ou sólidos são todas as matérias suspensas ou dissolvidas na água, provenientes

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 12 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Processamento de Sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação Profa.

Leia mais

PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES

PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 1- INTRODUÇÃO Análise volumétrica refere-se a todo procedimento no qual o volume de um reagente necessário para reagir com um constituinte em análise é medido. - Em

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA DE CÉLULAS BACTERIANAS PARA MEIO LÍQUIDO

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA DE CÉLULAS BACTERIANAS PARA MEIO LÍQUIDO Ministério da Agricultura e do Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia-CNPAB ISSN 0104-6187 PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA

Leia mais

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO)

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0424, de 24 de fevereiro

Leia mais

MF-472.R-0 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE ARSÊNIO (Dietilditiocarbamato de prata)

MF-472.R-0 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE ARSÊNIO (Dietilditiocarbamato de prata) MF-472.R-0 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE ARSÊNIO (Dietilditiocarbamato de prata) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 3.971, de 16 de janeiro de 2001 Publicado no DOERJ de 23 de janeiro de 2001 1 OBJETIVO

Leia mais

Eritrograma. Leucograma

Eritrograma. Leucograma Pág.: 1 / 9 HEMOGRAMA Material: SANGUE TOTAL Coletado em: 10/07/2013 07:32 Método: Automação Cell-Dyn Eritrograma Eritrócitos...: 4,96 milhões/mm Hemoglobina...: 14,40 g% Volume globular...: 42,2 % Volume

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO

MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO 1. Objectivo Neste trabalho, ir-se-á observar a degradação do glicogénio ao longo tempo: i) em meio ácido e à temperatura de 100ºC (degradação química); ii) em

Leia mais

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO POP

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO POP 1 Objetivo Determinar a concentração de íons s através das técnicas de íon seletivo 2 Aplicação Página 1 de 6 Este Método é aplicável a água potável,águas (superficiais e subterrâneas), e efluentes(domésticos

Leia mais

Consulta Pública 38/2009

Consulta Pública 38/2009 ALOE Aloe vera folium Aloe vera (L.) Burm.f. - ASPHODELACEAE A droga vegetal é constituída pelas folhas frescas de Aloe vera (L.) Burm. f., contendo gel incolor, mucilaginoso, obtido das células parenquimáticas,

Leia mais

Concentração de soluções e diluição

Concentração de soluções e diluição Concentração de soluções e diluição 1. Introdução Uma solução é uma dispersão homogênea de duas ou mais espécies de substâncias moleculares ou iônicas. É um tipo especial de mistura, em que as partículas

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Introdução 1

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Introdução 1 ÍNDICE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Introdução 1 Técnicas / Equipamentos Utilizados Bioquímica 2 1. Cálculo Urinário 3 2. Contagem de Addis 4 3. Espermograma 5 4. Grau de digestão das Fezes 6 5. Pesquisa de Drogas

Leia mais

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações.

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. EXPERIMENTO 2 Preparação e Padronização de Soluções OBJETIVOS Rever os conceitos de concentração de soluções. Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. Exercitar

Leia mais

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA)

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA) SUMÁRIO Método de Ensaio Folha : 1 de 6 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem/reagentes 6_ Preparação das soluções 7_ Execução do ensaio 8_ Segurança

Leia mais

FERRITINA TURBIQUEST PLUS

FERRITINA TURBIQUEST PLUS FERRITINA TURBIQUEST PLUS Instruções de Uso Ref.:334 MS 10009010199 Finalidade. Sistema para determinação quantitativa de ferritina em amostras de soro por imunoturbidimetria. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE LL-WM 80 L NOVO PROCESSO PARA ANODIZAÇÃO DO ALUMÍNIO. Procedimento para a padronização da solução de Sulfato Cérico 0,1N

MÉTODO DE ANÁLISE LL-WM 80 L NOVO PROCESSO PARA ANODIZAÇÃO DO ALUMÍNIO. Procedimento para a padronização da solução de Sulfato Cérico 0,1N Reagentes Necessários Solução de Ácido Sulfúrico 50% Solução de Sulfato Cérico 0,1 N Solução de Ácido Oxálico 0,1 N Solução de Sulfato Ferroso de Amônia (F.A.S.), 0,1 N Solução Ferroin como indicador Modo

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 7ª AULA PRÁTICA Determinação

Leia mais

VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO.

VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO. 13 Técnica 1. VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO. PADRONIZAÇÃO DA SOLUÇÃO APROXIMADAMENTE 0,1 M DE HCl COM SOLUÇÃO PADRÃO 0,05 M DE Na 2 CO 3. Colocar no erlenmeyer exatamente 10 ml de solução padrão 0,05 M de

Leia mais

MF-0418.R-1 - MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL

MF-0418.R-1 - MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL MF-0418.R-1 - MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 042 de 04 de janeiro de 1979 Publicado no DOERJ de 16 de março de 1979 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

SurTec 874 Processo de Cromo Duro Fluoretado

SurTec 874 Processo de Cromo Duro Fluoretado SurTec 874 Processo de Cromo Duro Fluoretado 1- DESCRIÇÃO O processo SurTec 874 é um processo utilizado em cromação dura, com sistema de mistura de catalisadores solúveis, com fácil controle. O processo

Leia mais

NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO BASE

NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO BASE NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO BASE O que se pretende Determinar a concentração desconhecida de uma solução aquosa de um ácido forte por titulação com uma base forte através de dois métodos. Num dos

Leia mais

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE FOSFATO INORGÂNICO DISSOLVIDO (PID) NA ÁGUA DO MAR

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE FOSFATO INORGÂNICO DISSOLVIDO (PID) NA ÁGUA DO MAR PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE FOSFATO INORGÂNICO DISSOLVIDO (PID) NA ÁGUA DO MAR Objetivo Avaliar a concentração de fósforo inorgânico dissolvido na água do mar, na forma de íons HPO4-2 e PO4-3, por técnica

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

Hibridação in situ por fluorescência FISH

Hibridação in situ por fluorescência FISH Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA Hibridação in situ por fluorescência FISH O protocolo descrito a seguir foi baseado nos procedimentos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante Lote LOTE 01 00001 00029574 TUBO DE ENSAIO DE VIDRO 12X75MM - TUBO 600,0 00002 00032308 TUBO DE ENSAIO DE VIDRO 13 X 100 MM - 600,0 00003 00029575 TUBO DE ENSAIO DE VIDRO 15X100MM - TUBO 300,0 00004 00005

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS*

COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS* COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS* CARLA FABIANA SOARES, SÉRGIO HENRIQUE NASCENTE COSTA,IASMIM RIBEIRO DA COSTA

Leia mais

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ESCOLA SECUNDÁRIA /3 GARCIA DE ORTA Utilização e organização dos laboratórios escolares Oficina de Formação ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ANA LUÍSA SANTOS ÍNDICE pág. ÍNDICE 2 GUIÃO FORNECIDO

Leia mais

Determinação de acidez em mel por potenciometria

Determinação de acidez em mel por potenciometria Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a acidez em mel. 2 Fundamentos Este método consiste na neutralização da solução ácida de mel, mediante o uso de uma solução de hidróxido

Leia mais

Aula prática 1: Materiais de laboratório, exatidão e precisão. 1. Material de laboratório

Aula prática 1: Materiais de laboratório, exatidão e precisão. 1. Material de laboratório Aula prática 1: Materiais de laboratório, exatidão e precisão 1. Material de laboratório 1.1.Material de vidro o Tubo de ensaio utilizado para efetuar reações químicas em pequena escala. o Béquer recipiente

Leia mais

GUIA DE DILUIÇÃO, ESTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS

GUIA DE DILUIÇÃO, ESTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA G3 Atualizada em 08/12/2010 GUIA DE DILUIÇÃO, E DE ANTIMICROBIANOS NOME

Leia mais

MF-411.R-4 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE CROMO POR COLORIMETRIA COM DIFENILCARBAZIDA

MF-411.R-4 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE CROMO POR COLORIMETRIA COM DIFENILCARBAZIDA MF-411.R-4 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE CROMO POR COLORIMETRIA COM DIFENILCARBAZIDA Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 743 de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 20 de novembro de 1985 1.

Leia mais

Volumetria de Neutralização Ácido-Base. Preparação & Padronização de Soluções. Concentração de Soluções

Volumetria de Neutralização Ácido-Base. Preparação & Padronização de Soluções. Concentração de Soluções Volumetria de Neutralização Ácido-Base Preparação & Padronização de Soluções Concentração de Soluções ETEC Tiquatira (SP) Professor Daniel e Professor Barbosa Página 1 de 11 Volumetria de Neutralização

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Ref. 73

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Ref. 73 ÁCIDO ÚRICO Liquiform Ref. 73 Princípio O ácido úrico é oxidado pela uricase à alantoína e peróxido de hidrogênio. O peróxido de hidrogênio na presença da peroxidase reage com o DHBS e a 4-aminoantipirina,

Leia mais

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B.

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B. Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N 2016 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio 1 1. Um extrato de proteínas foi obtido a partir da

Leia mais

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC.

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC. ANEXO I - SOLUÇÕES A Para expansão dos hibridomas Meio de cultura (solução-estoque) Meio RPMI - Roswell Park Memorial 10,4 g Institute (Gibco, Invitrogen) NaHCO 3 2 g HEPES 4,68 g Antibiótico/antimicótico

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE. TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE Cd, Cu, Fe, Pb E

MÉTODO DE ANÁLISE. TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE Cd, Cu, Fe, Pb E TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE Cd, Cu, Fe, Pb E Mn PELO MÉTODO ABSORÇÃO ATÔMICA Pág.: 1/7 1.0. OBJETIVO Determinar a concentração de Cádmio, Chumbo, Cobre, Manganês e Ferro pelo método Absorção Atômica em Óxido

Leia mais

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata)

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) FISH em tecido incluído em parafina: Four Colour PTEN Deletion Probe O protocolo de FISH descrito abaixo é recomendado para cortes

Leia mais

LABORATÓRIO BOM JESUS

LABORATÓRIO BOM JESUS GLICEMIA...: 74 Metodo: Colorimetrico Valor de Referencia: 70 a 110,0 mg/dl UREIA...: 32 Metodo : Urease/GluDH Valor de Referencia: 15 a 38 mg/dl CREATININA...: 0,65 Metodo : Picrato Alcalino Homens :

Leia mais

T4 LIVRE. 01 Português - Ref.: 906. Ref.:906 MS Instruções de Uso

T4 LIVRE. 01 Português - Ref.: 906. Ref.:906 MS Instruções de Uso T4 LIVRE Instruções de Uso Ref.:906 MS 10009010263 Finalidade. Sistema para a determinação quantitativa da tiroxina não ligada (T4 Livre) no soro e plasma. [Somente para uso diagnóstico in vitro.] Introdução.

Leia mais

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico Página 1 de 10 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a porcentagem de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico (Gerber). 2 Fundamentos Baseia-se na separação e quantificação

Leia mais

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário DIAGNOSTICA CATARINENSE COMERCIO DE PRODUTOS LABOR (10792)

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário DIAGNOSTICA CATARINENSE COMERCIO DE PRODUTOS LABOR (10792) Página: 1/8 1 HDL COLESTEROL COLOR 50ML LIQUIDO PRECIPITANTE UNID ANALISA 0 15,0000 1 4 ASLO LATEX 2,5ML COMPLETO C/100 UNID BIOMARCHESINI PRODUTOS CIENTIFICOS LTDA (10129) EBRAM 0 61,3100 1 WAMA 0 106,5000

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: I123 Página 1 de 8 1. Sinonímia Quantificação da carga viral do HIV-1. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares técnicos e estagiários do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O Vírus da Imunodeficiência

Leia mais

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S.

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Química Geral Experimental II Experimento Nº2 Fatores que Favorecem uma Reação Química Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Fogaça Este material pode ser utilizado exclusivamente para fins

Leia mais

Documentos 104. Procedimento da Embrapa Milho e Sorgo para Extração de DNA de Tecido Vegetal em Larga Escala

Documentos 104. Procedimento da Embrapa Milho e Sorgo para Extração de DNA de Tecido Vegetal em Larga Escala ISSN 1518-4277 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 104 Procedimento da

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão DOSAGEM DO ÁCIDO ÚRICO ÁCIDO ÚRICO-PP

Procedimento Operacional Padrão DOSAGEM DO ÁCIDO ÚRICO ÁCIDO ÚRICO-PP Página 1 de 4 ÁCIDO ÚRICO-PP FUNDAMENTO O ácido úrico é oxidado pela uricase (UOD) em alantoína, gás carbônico (CO 2 ) e água oxigenada (H 2 O). Através de uma reação de copulação oxidativa catalisada

Leia mais

CREATININA K VET. Ref.:1010. Instruções de Uso. Metodologia. Finalidade. Reagentes. Princípio. Características do sistema.

CREATININA K VET. Ref.:1010. Instruções de Uso. Metodologia. Finalidade. Reagentes. Princípio. Características do sistema. CREATININA K VET Instruções de Uso Ref.:1010 Finalidade. Sistema para a determinação da creatinina em soro, plasma, urina e líquido amniótico por cinética de dois pontos. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ACTIVIDADE DE ENZIMAS DA GLICÓLISE EM EXTRACTOS DE CÉLULAS DE LEVEDURA. Glucose + 2Pi + 2ADP + 2NAD! 2CH COCOO " 2ATP " 2NADH " 2 H

DETERMINAÇÃO DA ACTIVIDADE DE ENZIMAS DA GLICÓLISE EM EXTRACTOS DE CÉLULAS DE LEVEDURA. Glucose + 2Pi + 2ADP + 2NAD! 2CH COCOO  2ATP  2NADH  2 H DETERMINAÇÃ DA ACTIVIDADE DE ENZIMAS DA GLICÓLISE EM EXTRACTS DE CÉLULAS DE LEVEDURA 1. Introdução A glicólise é um caminho metabólico quase universal no qual a glucose é convertida em piruvato com síntese

Leia mais

FOSFATASE ALCALINA Liquiform

FOSFATASE ALCALINA Liquiform FOSFATASE ALCALINA Liquiform Instruções de Uso Ref.:79 MS 0090050 Finalidade. Sistema para determinação em modo cinético da Fosfatase Alcalina no soro. [Somente para uso diagnóstico in vitro.] Princípio.

Leia mais

V - SEPARAÇÃO DE DUAS ENZIMAS POR CROMATOGRAFIA DE PERMUTA IÓNICA

V - SEPARAÇÃO DE DUAS ENZIMAS POR CROMATOGRAFIA DE PERMUTA IÓNICA V - SEPARAÇÃO DE DUAS ENZIMAS POR CROMATOGRAFIA DE PERMUTA IÓNICA INTRODUÇÃO Cromatografia de permuta iónica A cromatografia é um conjunto de técnicas para a separação de compostos existentes numa mistura.

Leia mais

Órgão/Entidade : SECRETARIA DA SAUDE Unidade Licitação : FUNDO ESTADUAL DE SAUDE - HOSPITAL GERAL DO ESTADO. Preço Total: Preço Total: Preço Total:

Órgão/Entidade : SECRETARIA DA SAUDE Unidade Licitação : FUNDO ESTADUAL DE SAUDE - HOSPITAL GERAL DO ESTADO. Preço Total: Preço Total: Preço Total: Licitação : PP154/2014 Data e Hora da Entrega das Propostas: 03/10/2014-09:00 Grupo :027-Materiais e Equip. de Uso Hospitalar, Odontológico, Veterinário e de Laboratório Órgão/Entidade : SECRETARIA DA

Leia mais