ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso."

Transcrição

1 ÁCIDO ÚRICO Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. # Usar os calibrador protéico da Katal. Verificar os parâmetros da aplicação usando soros controle com valores dentro do intervalo de linearidade do método. Limite de Diluição: 25 mg/dl. Test Name: ACIDO URICO Chemistry Name: ACUR No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 546 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 4 µl Start Read: 250 sec Start Read: 420 sec End Read: 300 sec End Read: 720 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: REACTION Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: OBS.: O FILTRO DE LEITURA DEVE SER O MAIS PROXIMO, POSSÍVEL, DO 540nm

2 ALBUMINA Primary Inject (A): Reagente de Cor Transferir o conteúdo do frasco Reagente de Cor-Estoque (1) para um balão volumétrico de 500 ml e completar o volume com água destilada ou deionizada. Armazenar em frasco de vidro âmbar. Este reagente é estável 06 meses se armazenado entre 2 a 8 C. Verificar os parâmetros da aplicação usando soros controle com valores dentro do intervalo de linearidade do método. Limite de Diluição: 6,0 g/dl Test Name: ALBUMINA Chemistry Name: ALB No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT ] Calibrator 1: # Units: [ g/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 650 ] Secondary Wavelength: [ NONE ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 0 sec Start Read: 0 sec End Read: 180 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT 6.00 REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

3 ALT/GPT Primary Inject (A) : Reagente 1 Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,25 ml do conteúdo do frasco de Reagente Enzimático (2) e 0,25 ml do conteúdo do frasco de Coenzima (3) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira a- penas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 0,200 Test Name: ALT/GPT Chemistry Name: ALT No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [RATE 1] Calibrator 1: # Units: [ U/L ] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 160 µl [ B ] Vol: 40 µl Sample Volume: 20 µl Start Read: 270 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

4 α-amilase Gal-G2 CNP Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Ler cuidadosamente as Instruções de Uso do produto. Atenção: Não contaminar a vidraria ou o reagente com saliva ou suor, devido aos seus altos conteúdos em α-amilase. Não soprar a pipeta utilizada. Não conversar nas proximidades do frasco destampado, pois o reagente pode se contaminar irreversivelmente. O aparecimento de cor amarelada no reagente é sinal de contaminação por α-amilase. Limite de Diluição: 1500 U/L Test Name: AMILASE Chemistry Name: AMI No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 2 ] Calibrator 1: # Units: [U/L] 2: # Primary Wavelength: [ 410 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 4 µl Start Read: 64 sec Start Read: 30 sec End Read: 300 sec End Read: 90 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

5 AST/GOT Primary Inject (A) : Reagente 1 Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,25 ml do conteúdo do frasco de Reagente Enzimático (2) e 0,25 ml do conteúdo do frasco de Coenzima (3) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira a- penas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 0,200 Test Name: AST/GOT Chemistry Name: AST No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [U/L] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 160 µl [ B ] Vol: 40 µl Sample Volume: 20 µl Start Read: 250 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 240 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

6 CÁLCIO Primary Inject (A) :Reagente de Trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Misturar volumes iguais dos Reagentes Tampão (1) e Reagente de Cor (2) em frasco de plástico e homogeneizar bem. Aguardar 15 minutos antes do uso. Este reagente é estável 12 horas na temperatura ambiente. Recomenda-se preparar apenas a quantidade necessária para 1 dia de trabalho. Limite de Diluição: 19 mg/dl. Test Name: CALCIO Chemistry Name: CAL No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT ] Calibrator 1: # Units: [mg/dl] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 560 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 225 µl [ B ] Vol: 75 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 0 sec Start Read: 0 sec End Read: 120 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

7 COLESTEROL Primary Inject (A) :Reagente de Cor. O Reagente Enzimático está pronto para uso. Este reagente é estável até a data de vencimento do kit, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 500 mg/dl. Test Name: COLESTEROL Chemistry Name: COL No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 300 sec End Read: 320 sec End Read: 320 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

8 COLESTEROL HDL Primary Inject (A) : Reagente de Cor (Colesterol Total 27B) Precipitação: Pipetar em tubo de ensaio 12x75, 0,25 ml de soro e adicionar 0,25 ml de Precipitante. Agitar vigorosamente durante 30 segundos e deixar em repouso por 10 minutos na temperatura ambiente. Centrifugar durante 15 minutos a 3000 rpm. Pipetar o sobrenadante límpido imediatamente após a centrifugação e proceder à determinação do colesterol HDL u- tilizando o método enzimático para determinação do colesterol total. Usar o sistema Colesterol Total, código 27B para a etapa de colorimetria. # Para a calibração utilizar o padrão que acompanha o produto. Test Name: COLESTEROL HDL Chemistry Name: CHDL No. of Calibrators: [ 1 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: 40 Units: [ mg/dl ] 2: 0.00 Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 220 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 22 µl Start Read: 300 sec Start Read: 600 sec End Read: 320 sec End Read: 620 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

9 CREATININA Primary Inject (A) : Reagente de Trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Misturar 04 volumes de Tampão com 01 volume de Ácido Pícrico. Estável 24 horas na temperatura ambiente. Limite de Diluição: 10 mg/dl Test Name: CREATININA K Chemistry Name: CREA No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 125 µl [ B ] Vol: 75 µl Reagents (Secondary Inject): [ C ] Vol: 50 µl Add Time: 16 sec Sample Volume: 20 µl Start Read: 250 sec Start Read: 30 sec End Read: 300 sec End Read: 90 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

10 FOSFATASE ALCALINA Primary Inject (A): Reagente de Trabalho. Adicionar o conteúdo do frasco de Substrato (2) ao frasco de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 30 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 1200 U/L Test Name: FOSF. ALCALINA Chemistry Name: FAL No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [ U/L ] 2: # Primary Wavelength: [ 410 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ B ] Vol: 50 µl Sample Volume: 5 µl Start Read: 64 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

11 FÓSFORO UV Primary Inject (A) :Reagente de Cor O Reagente está pronto para uso. Este reagente é estável até a data de vencimento do kit, se armazenado entre 15 a 25 C. Após a manipulação do kit, sugerimos armazenar o frasco do padrão entre 2 a 8 C, para evitar evaporação. Limite de Diluição: 15g/dL Test Name: FOSFORO UV Chemistry Name: FOSF No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.X ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ B ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 0 sec Start Read: 300 sec End Read: 30 sec End Read: 360 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

12 γ-gt Primary Inject (A):Reagente de Trabalho. Preparo do Reagente de Trabalho: Aquecer um frasco contendo Substrato (Nº 2) durante 1 a 2 minutos em banho-maria a 56ºC para a dissolução completa dos cristais. Adicionar o conteúdo do frasco de Substrato (Nº 2) ao frasco de Tampão (Nº 1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 30 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Havendo formação de cristais no Reagente de Trabalho durante o período de armazenamento, aquecê-lo em banho-maria a 56ºC durante 1 a 2 minutos. Limite de Diluição: 700 U/L Test Name: GAMA GT Chemistry Name: GGT No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [U/L] 2: # Primary Wavelength: [ 410 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 240 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 12 µl Start Read: 96 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

13 GLICOSE GOD-PAP Primary Inject (A) :Reagente de Cor. Os reagentes estão prontos para uso. O aparecimento de coloração rósea no Reagente Enzimático é normal e não afeta sua qualidade. Limite de Diluição: 400 mg/dl Test Name: GLICOSE Chemistry Name: GLI No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Primary Wavelength: [ 505 ] Secondary Wavelength: [ 650 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 280 sec End Read: 300 sec End Read: 300 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

14 LACTATO Primary Inject (A) : Reagente de trabalho Ler cuidadosamente as Instruções de Uso do produto.observar dois quadros de procedimento técnico, visando pequenas, médias e grandes rotinas. Atenção: Não contaminar os reagentes com saliva, pois esta é rica em lactato. Não soprar, portanto, nas pipetas utilizadas. Limite de Diluição: 120 mg/dl Test Name: LACTATO Chemistry Name: LAC No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ END POINT ] Calibrator 1: # Units: [ mmol/l ] 2: # Decimal Precision X, X 3: 0.00 Reaction Direction: POSITIVE 5: 0.00 Calculation Factor: 6: 0.00 Math Model: LINEAR Primary Wavelength: [ 540 ] Secondary Wavelength: [ 630 ] Reagents (Primary Inject): Vol: 300 µl Vol: 0 µl Reagents (Secondary Inject): NONE Vol: 0 µl Add Time: 0 sec Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 280 sec End Read: 300 sec End Read: 300 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0,00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: - 0,100 Reaction Low ABS Limit: -0,100 High ABS Limit: 0,300 High ABS Limit: 1,500 Initial Rate: 99,999 Delta ABS: 1,500

15 LDH Primary Inject (A) : Reagente de trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,1 ml de Coenzima (2) a 10 ml de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 0,200. Test Name: LDH-UV Chemistry Name: LDH No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [ U/L ] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ B ] Vol: 50 µl Sample Volume: 5 µl Start Read: 96 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 180 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

16 MAGNÉSIO Primary Inject (A) : Reagente de Cor O Reagente de Cor é fornecido pronto para uso. Recomenda-se o uso de vidraria tratada com ácido clorídrico 50% (v/v) afim de se evitar contaminação com magnésio. Limite de Diluição: 4,5 mg/dl Test Name: MAGNESIO Chemistry Name: MAG No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 520 ] Secondary Wavelength: [ NONE ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 250 µl [ B ] Vol: 0 µl Reagents (Secondary Inject): [ C ] Vol: 0 µl Add Time: 0 sec Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 300 sec End Read: 300 sec End Read: 330 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT 4.50 High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.000

17 PROTEÍNAS TOTAIS Primary Inject (A) : Biureto de Uso. Preparo do Reagente de Biureto de Uso: Transferir o conteúdo do frasco Biureto-Estoque (1) para um balão volumétrico de 500 ml e completar o volume com água destilada ou deionizada. Armazenar em frasco de plástico ao abrigo da luz. Este reagente é estável seis meses entre 15 e 25ºC. Limite de Diluição: 11g/dL Test Name: PROTEINAS Chemistry Name: PROT No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ g/dl ] 2: # Decimal Precision [ X.XX ] 3: 0.00 Primary Wavelength: [ 560 ] Secondary Wavelength: [ NONE ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 200 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 4 µl Start Read: 270 sec Start Read: 300 sec End Read: 300 sec End Read: 320 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 1.500

18 TRIGLICÉRIDES Primary Inject (A) : Reagente de Cor. Preparo do Reagente de Cor: Adicionar o conteúdo de um dos frascos de Enzimas (2) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 60 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 1200 mg/dl Test Name: TRIGLICERIDES Chemistry Name: TRIG No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ ENDPOINT 2 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Primary Wavelength: [ 560 ] Secondary Wavelength: [ 700 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 270 sec Start Read: 600 sec End Read: 300 sec End Read: 660 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 0.800

19 URÉIA UV Primary Inject (A) : Reagente de Trabalho Preparo do Reagente de Trabalho: Adicionar 0,5 ml do conteúdo do frasco de Enzimas (2) e 0,5 ml do conteúdo do frasco de Coenzima (3) a um dos frascos de Tampão (1) e homogeneizar bem. Este reagente é estável 15 dias, se mantido fora da geladeira apenas o tempo necessário para as dosagens. Limite de Diluição: 250 mg/dl Test Name: UREIA Chemistry Name: UREA No. of Calibrators: [ 2 ] Reaction Type: [ RATE 1 ] Calibrator 1: # Units: [ mg/dl ] 2: # Reaction Direction: [ NEGATIVE ] 5: 0.00 Primary Wavelength: [ 340 ] Secondary Wavelength: [ 380 ] Reagents (Primary Inject): [ A ] Vol: 300 µl [ NONE ] Vol: 0 µl Sample Volume: 3 µl Start Read: 250 sec Start Read: 60 sec End Read: 300 sec End Read: 120 sec Usable Range: LOWER LIMIT 0.00 UPPER LIMIT REAGENT BLANK Low ABS Limit: Reaction Low ABS Limit: High ABS Limit: High ABS Limit: Initial Rate: Delta ABS: 0.330

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso.

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. LEITURA MONOCROMÁTICA FILTRO 546 nm Estabilidade do Reagente de Uso: TEMPERATURA

Leia mais

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR ACIDO URICO : mg/dl MODO LECTURA : MONOCROMÁTICA : 546nm TIEMPO ESTABIL. : 1 VOL.ASP. :800 TIPO DE REACCION : CRESCIENTE ESTANDAR : * Reagente de trabalho: Pronto para uso. Estabilidade: 18 meses, se armazenado

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000 ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO CÓDIGO VOLUME (ml) Nº. TESTES 100/100-100 100 333 100/100-200 200 666 AUR Pt. Final Único Filtros (A/B) 510 mg/dl Trinder Number of Needle Washes 1 Incub. Reagentes (Sec) 300 Tempo

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000 ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430M ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430 100 Determinações - Volume: 100 ml 200 Determinações - Volume: 200 ml 3-Para a Calibração, usar o Padrão do kit ou Calibrador Gold Analisa Cat. 410. 4-É importante

Leia mais

Protocolos de Aplicação

Protocolos de Aplicação Protocolos de Aplicação IN VITRO Diagnóstica MEGA Rua Cromita 278 - Distrito Industrial - Itabira - MG Telefax: 31 3834-6400 e.mail: dsa@invitro.com.br ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO Cat: 10687 Volume: 100 ml

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 O número de determinações (brancos, calibradores e amostras) corresponde

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150 Indice ÁCIDO ÚRICO - MONO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 ALT / TGP 6 AST / TGO 7 BILIRRUBINA DIRETA 8 BILIRRUNINA TOTAL 9 CÁLCIO ASX 10 CÁLCIO 11 CK NAC 12 CK MB 13 CLORO 14 COLESTEROL 15 CREATININA 16 DESIDROGENASE

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Página 1 Página 2 Indice ÁCIDO ÚRICO 03 ALBUMINA 04 -AMILASE 05 ALT/TGP 06 AST/TGO 07 BILIRRUBINA DIRETA (MONO) 08 BILIRRUBINA DIRETA (BI) 09 BILIRRUBINA TOTAL (MONO) 10 BILIRRUBINA TOTAL (BI) 11 CÁLCIO

Leia mais

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA Manual de Automação MEGA LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol * ÍNDICE KIT PÁGINA ALBUMINA...01-02 ALT/TGP CINÉTICA...03-04 AMILASE CNPG...05-06 AST/TGO CINÉTICA...07-08 CÁLCIO ARSENAZO (LANÇAMENTO)...09-10

Leia mais

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P Manual de Automação A15 REVISÃO: 14 (11/2013) M A F R C SLOTEST C P P H T OLESTEROL OLESTEROL T U URBIDIMÉTRICO T HDLD LDL D T IRETO IRETO ERRITINA TURBIDIMÉTRICA EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA CRTEST CRTEST

Leia mais

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO α-amilase 027 120 ml 120 MODO: CIN IMPRESSÃO: EXTENSA WL1: 405 INTERVALO CINÉTICO: 60 WL2: - Nº INTERVALOS: 2 BLANK: NÃO DA/min: 0.220 BLANK- AMOSTRA / PAD: NAO % LIM. LIN: 20 CUB. FLUXO: SIM DIR: INCR

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RGM: ATIVIDADE PRÁTICA 2 1) DETERMINAÇÃO DE URÉIA E CREATININA

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O ECLIPSE PLUS

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O ECLIPSE PLUS ALBUMINA PP - Cat. 419 500 Determinações - Volume: 250 ml Antes da execução da metodologia, é importante uma leitura atenciosa das Instruções de Uso do produto. ALBUMINA ENDPOINT Filter 620 Temp 25 g/dl

Leia mais

α1 Glicoproteína Ácida Mono

α1 Glicoproteína Ácida Mono α1 Glicoproteína Ácida Mono Artigo 4080050K 4080100K Apresentação 2 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida 4 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida Protocolo de Automação - DIMENSION

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS AULA PRÁTICA Nº - 02 03 / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS FUNDAMENTO: Os taninos são determinados segundo metodologia descrita por Price, Hagerman e Buther (1980), que utiliza

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Àcido Lático Ácido Úrico Albumina Alfa 1 Glicoproteína Lactato Oxidase mg/dl 20,2 3,7 TODOS OS PARTICIPANTES mg/dl 18,6 5,2 mg/dl 18,7 5,2 DE mg/dl 13,4 9,1 Fosfotungstato mg/dl 3,2 0,6 Uricase colorimétrico

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Indice α-1-glicoproteína ÁCIDA 3 APO A 4 APO B 5 ASO TURBILATEX 6 COMPLEMENTO C3 7 COMPLEMENTO C4 8 FATOR REUMATOIDE 9 FERRITINA 10 HbA1c 11 IMUGLOBULINA A (IgA) 12 IMUGLOBULINA G (IgG) 13 IMUGLOBULINA

Leia mais

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di.

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di. ANEXOS A-ÁCIDO ÚRICO ANEXOS PRINCÍPIO: O ácido úrico é oxidado enzimaticamente pela uricase A alantoina com produção de dióxido de carbono e Água oxigenada, a qual, em união com o reativo peroxidase/4-aminofenazona

Leia mais

REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB T P CRTEST TURBIDIMÉTRICO

REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB T P CRTEST TURBIDIMÉTRICO Manual de Automação VITALAB ECLIPSE PLUS REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB MICROALBUMINÚRIA T URBIDIMÉTRICO P CRTEST TURBIDIMÉTRICO ÍNDICE REVISÃO: 06 (04/2012) KIT PÁGINA ALBUMINA...01

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Íon Seletivo mg/dl 6,9 2,0 Lactato Oxidase mg/dl 7,3 1,0 Roche mg/dl 7,6 0,4 Siemens Advia mg/dl 6,6 0,5 Ácido Lático Siemens Dimension mg/dl 6,1 1,0 U.V. mg/dl 7,4 1,4 TODOS OS PARTICIPANTES mg/dl 7,2

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS AULA PRÁTICA Nº - 08 05 / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca FUNDAMENTO: DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS Este método baseia-se na propriedade que alguns açúcares apresentam em reduzir o Cu+2 (Íon Cúprico)

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Íon Seletivo mg/dl 7,1 0,4 Lactato Oxidase mg/dl 7,1 0,8 Bioclin U.V. mg/dl 7,4 0,8 Johnson & Johnson mg/dl 6,3 1,5 Roche mg/dl 7,1 0,5 Ácido Lático Siemens Advia mg/dl 6,2 0,7 Siemens Dimension mg/dl

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO 1 ml de soro refrigerado Jejum de 4 horas Refrigerada(2-8 ºC): 3 dias;

ÁCIDO ÚRICO 1 ml de soro refrigerado Jejum de 4 horas Refrigerada(2-8 ºC): 3 dias; EXAME BIOQUÍMICOS MATERIAL CONDIÇÕES DE COLETA ESTABILIDADE DA AMOSTR ÁCIDO ÚRICO 1 ml de soro refrigerado Jejum de 4 horas Refrigerada(2-8 ºC): 3 dias; Congelada(-20 ºC): 6 meses. ALBUMINA 1 ml de soro

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE LL-HARDWALL F. Determinação Potenciométrica de F -

MÉTODO DE ANÁLISE LL-HARDWALL F. Determinação Potenciométrica de F - Determinação Potenciométrica de F - Comentários: O LL - Hardwall F contém 7,5% de F -, isto é, adicionando-se 1 g/lt aumenta-se o F - contido no tanque em cerca de 75 ppm Quando o equipamento Dosing Cad

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 10 IMT-POP-BB-0 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Extração de DNA de sangue total POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos Parte A BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 05 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Esta apostila foi desenvolvida originalmente

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,38 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

MF-612.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM SUSPENSÃO NO AR POR COLORIMETRIA

MF-612.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM SUSPENSÃO NO AR POR COLORIMETRIA MF-612.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM SUSPENSÃO NO AR POR COLORIMETRIA 1. OBJETIVO Definir o método de determinação de nitratos em suspensão no ar, por colorimetria, utilizando 2,4 dimetilfenol

Leia mais

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 BILIRRUBINA DIRETA 6 BILIRRUBINA TOTAL 7 CÁLCIO 8 CÁLCIO AZUL DE METILTIMOL 9 CLORETO 10 COLESTEROL 11 COLESTEROL HDL 12 CREATININA 13 CREATINO KINASE MB (CK-MB)

Leia mais

APTT Hemostasis Ref. 502

APTT Hemostasis Ref. 502 APTT Hemostasis Ref. 502 Princípio O reagente contendo ativador plasmático (ácido elágico) desencadeia o mecanismo de coagulação da via intrínseca através da ativação do fator XII (Hageman), que forma

Leia mais

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso.

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso. Úrico Ácido Úrico Padrão 4 20 Reduzir 10 Pto final Onda primária 505 Reag. Nulo 16 20 Tempo reação 38 42 Decimal 0.1 mg/dl Int linear 0 20 Serum inferior/superior 3,6---8,2 Water + topkal ALB Albumina

Leia mais

MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL).

MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL). MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL). Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 686, de 25 de julho de 1985. Publicada no DOERJ de 14 de julho de 1985. 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão DOSAGEM DO COLESTEROL HDL COLESTEROL HDL-PP POD

Procedimento Operacional Padrão DOSAGEM DO COLESTEROL HDL COLESTEROL HDL-PP POD COLESTEROL HDL-PP Página 1 de 5 FUNDAMENTO Os quilomicrons, as lipoproteínas de muita baixa densidade (VLDL) e as lipoproteínas de baixa densidade (LDL) são quantitativamente precipitadas com fosfotungstato

Leia mais

PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR

PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR Objetivo PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR Avaliar a concentração de N-NH 4+, na forma de íon, por técnica colorimétrica, utilizando-se espectrofotômetro. A análise é feita através de

Leia mais

SUMÁRIO. Wagner Luz18/08/2014 ÍNDICE: ÁREA. Número 02 Título. Selecione o verificador do Documento: Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS

SUMÁRIO. Wagner Luz18/08/2014 ÍNDICE: ÁREA. Número 02 Título. Selecione o verificador do Documento: Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Wagner Luz/BRA/VERITAS em 18/08/2014 Verificado por Cintia Kikuchi em 18/08/2014 Aprovado por Ruben Verdier/BRA/VERITAS em 20/08/2014 ÁREA IPT Tipo Instrução Técnica Número 02

Leia mais

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO 1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO I. INTRODUÇÃO Solução é uma mistura homogênea de uma ou mais substâncias. A substância presente em maior quantidade é denominada solvente, e as outras substâncias na

Leia mais

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO Notas: Revisão aprovada pela Deliberação CECA nº 0102, de 04 de setembro de 1980. Publicada no DOERJ de 18 de setembro de 1980. 1. OBJETIVO

Leia mais

MF-0407.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE COLÔNIAS DE BACTÉRIAS QUE PRECIPITAM O FERRO (FERROBACTÉRIAS), PELA TÉCNICA "POUR PLATE"

MF-0407.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE COLÔNIAS DE BACTÉRIAS QUE PRECIPITAM O FERRO (FERROBACTÉRIAS), PELA TÉCNICA POUR PLATE MF-0407.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE COLÔNIAS DE BACTÉRIAS QUE PRECIPITAM O FERRO (FERROBACTÉRIAS), PELA TÉCNICA "POUR PLATE" Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 3.966, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Orientações aos interessados na aquisição dos itens listados abaixo:

Orientações aos interessados na aquisição dos itens listados abaixo: Aquisição de MATERIAL DE CONSUMO MEDICO HOSPITALAR pelo Sistema de Registro de Preços/UFV Pregão 079/2017 Processo 002723/2017 Vigência da ata: 06/06/2018 Orientações aos interessados na aquisição dos

Leia mais

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Bioquímicos Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Ácidos biliares totais (2 dosagens- jejum e pós prandial) 250,00 4 dias Soro sanguíneo Ácido úrico 47,00 48 horas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina. Soluções e cálculos de soluções

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina. Soluções e cálculos de soluções Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Aula Soluções e cálculos de soluções Prof. Isac G. Rosset Isac G. Rosset -UFPR Mistura vs Composto Mistura Os componentes podem ser

Leia mais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais SÓDIO ENZIMÁTICO Instruções de Uso Ref.:24 MS 000900230 Finalidade. Sistema para determinação quantitativa do íon sódio em amostras de soro, por reação enzimática, em modo cinético. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental:

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental: Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100 1. Num tubo eppendorf misturar 1ml de água desionizada estéril com uma mancha de sangue com aproximadamente 3mm²; 2. Incubar à temperatura ambiente no

Leia mais

BIOQUÍMICA E A G E N. R E A G E N T E S Linha completa de reagentes e equipamentos para todas as rotinas laboratoriais E Q U I P A M E IMUNOLOGIA

BIOQUÍMICA E A G E N. R E A G E N T E S Linha completa de reagentes e equipamentos para todas as rotinas laboratoriais E Q U I P A M E IMUNOLOGIA T BIOQUÍMICA R BIOLOGIA MOLECULAR E A AUTOIMUNIDADE IMUNOLOGIA G E N E IMUNO-HEMATOLOGIA URINÁLISE R E A G E N T E S Linha completa de reagentes e equipamentos para todas as rotinas laboratoriais S COAGULAÇÃO

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO AULA PRÁTICA Nº - 07 28 / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO FUNDAMENTO: A determinação do nitrogênio total (NT) proposta por Kjeldahl em 1883, ainda é muito usada por ser uma

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA DE SANGUE (LEUCÓCITOS)

EXTRAÇÃO DE DNA DE SANGUE (LEUCÓCITOS) EXTRAÇÃO DE DNA DE SANGUE (LEUCÓCITOS) A) Obtenção de Leucócitos 1. Coletar 5mL de sangue em tubos contendo EDTA potássio (50uL de EDTA (k 3) a 15%). O EDTA é uma substância anticoagulante. Existem outras

Leia mais

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros Página 1 de 5 1 Escopo Este método determina o teor de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros, cujo parâmetro está relacionado à qualidade do produto segundo a Instrução Normativa nº

Leia mais

PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA

PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 008 09/2014 T 008 pg 1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico ARTERIS

Leia mais

COBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃO JULHO 2004. Visite nosso site :

COBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃO JULHO 2004. Visite nosso site : CBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃ JULH 2004 Av. Pedroso de Morais, 613, 3 º andar CEP 05419-000 - São Paulo SP Brasil Fone: (11) 3816 5968 Fax: (11) 3212 3017 e-mail: labinbraz@wiener-lab.com.br Visite nosso site

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO Laboratório Clínico Professor Archangelo P. Fernandes www.profbio.com.br Padronização no Laboratório Clínico Etapa pré analítica Etapa analítica Etapa pós-analítica

Leia mais

Introdução. radiação ultravioleta SUBSTÂNCIA radiação fluorescente e visível excitação após a desativação λ i

Introdução. radiação ultravioleta SUBSTÂNCIA radiação fluorescente e visível excitação após a desativação λ i Introdução Substância fluorescente: radiação ultravioleta SUBSTÂNCIA radiação fluorescente e visível excitação após a desativação λ i λ f UV Violeta Azul Verde Amarelo Alaranjado Vermelho IV < 380 400

Leia mais

Dosagem de Colesterol em Massas. 1.Introdução

Dosagem de Colesterol em Massas. 1.Introdução Dosagem de Colesterol em Massas 1.Introdução Colesterol é um lipídeo encontrado nas células de todos os tecidos. Existe uma crença, inclusive entre os químicos, que plantas não contém colesterol. Este

Leia mais

Exercício 1. Calcule a concentração dos reagentes listados abaixo em mol L -1 Tabela 1. Propriedades de ácidos inorgânicos e hidróxido de amônio.

Exercício 1. Calcule a concentração dos reagentes listados abaixo em mol L -1 Tabela 1. Propriedades de ácidos inorgânicos e hidróxido de amônio. ATIVIDADE 2 - CÁLCULO DE CONCENTRAÇÃO Exercício 1. Calcule a concentração dos reagentes listados abaixo em mol L -1 Tabela 1. Propriedades de ácidos inorgânicos e hidróxido de amônio. Exercício 2. Calcule

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO

HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO REFERENCIAIS PARA ADULTOS ------------------------- Homem Mulher Hemácias em Milhoes/mL...: 4,58 4,5 a 6,5 3,9 a 5,8 Hemoglobina em gdl...: 14,7 13,5 a 18,0 11,5 a 16,4 Hematócrito

Leia mais

Data de liberação: 20/01/ :31

Data de liberação: 20/01/ :31 SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVIRUS Anticorpos de Classe IgG: Superior a 250.0 UA/mL Anticorpos de Classe IgM: Não Reagente Método: Imunoensaio por Quimioluminescência Valores de Referência IgG: Não reagente:

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO Folha : 1 de 5 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Definição 4_ Aparelhagem / reagentes 5_ Execução do ensaio 6_ Padronização da solução de dicromato de potássio 0,05 N 7_ Resultados 1_ OBJETIVO

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Fevereiro / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE VITAMINA C

AULA PRÁTICA Nº / Fevereiro / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE VITAMINA C AULA PRÁTICA Nº - 01 25 / Fevereiro / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE VITAMINA C FUNDAMENTO: O teor de ácido Ascórbico pode ser determinado pelo método de Tillmans que é um método titulométrico.

Leia mais

2. Reagente Armazenar entre 2-8ºC. 3. Padrão - - Cálcio 10 mg/dl - Armazenar entre 2-30ºC. CÁLCIO Liquiform Instruções de Uso

2. Reagente Armazenar entre 2-8ºC. 3. Padrão - - Cálcio 10 mg/dl - Armazenar entre 2-30ºC. CÁLCIO Liquiform Instruções de Uso CÁLCIO Liquiform Instruções de Uso Ref.:90 MS 0090067 Finalidade. Sistema para a determinação do cálcio por reação de ponto final em amostras de sangue e urina. Uso profissional. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche Andréa Calado andreabelfort@hotmail.com ELISA O teste identifica e quantifica Ag ou Ac, utilizando um dos dois conjugados com enzimas; PRINCIPAIS TIPOS: INDIRETO:

Leia mais

AMILASE CNPG Liquiform

AMILASE CNPG Liquiform AMILASE CNPG Liquiform Instruções de Uso Ref.:14 MS 10009010053 Finalidade. Sistema para determinação da α-amilase em amostras de sangue, urina e outros líquidos biológicos. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE ATIVIDADE EXPERIMENTAL N o 1 DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE Materiais: 01 balão volumétrico

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO N. 714/PMM PREGÃO PRESENCIAL Nº 003/2017 SRP ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 002/2017

PROCESSO ADMINISTRATIVO N. 714/PMM PREGÃO PRESENCIAL Nº 003/2017 SRP ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 002/2017 PROCESSO ADMINISTRATIVO N. 714/PMM PREGÃO PRESENCIAL Nº 003/2017 SRP ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 002/2017 A PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÉS, pessoa jurídica de direito público interno, inscrita no CNPJ

Leia mais

02/05/2016. Normas de laboratório INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO:

02/05/2016. Normas de laboratório INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Análise de Alimentos Normas de laboratório INTRODUÇÃO Acidente de trabalho é todo evento: inesperado e indesejável que

Leia mais

URÉIA CE Instruções de Uso

URÉIA CE Instruções de Uso URÉIA CE Instruções de Uso Ref.:27 MS 10009010011 Finalidade. Sistema enzimático-colorimétrico para a determinação da uréia em amostras de sangue e urina, por reação de ponto final. Uso profissional. [Somente

Leia mais

FÓSFORO. 01 Português - Ref.: 42. Ref.:42 MS Instruções de Uso

FÓSFORO. 01 Português - Ref.: 42. Ref.:42 MS Instruções de Uso FÓSFORO Instruções de Uso Ref.:42 MS 10009010008 Finalidade. Sistema para a determinação do Fósforo Inorgânico em amostras de sangue, urina e líquido amniótico com reação de ponto final. [Somente para

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL Determinação da concentração plasmática de triglicéridos por um método enzimático O conteúdo em triglicéridos pode ser determinado

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

PRÁTICA 8 Determinação de ferro em leite em pó por F AAS

PRÁTICA 8 Determinação de ferro em leite em pó por F AAS Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química PRÁTICA 8 Determinação de ferro em leite em pó por F AAS Professor: Renato C Matos Tutora: Aparecida M S Mimura

Leia mais

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar

Leia mais

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2 PRÁTICA 2 DETERMINAÇÃ DE CÁLCI EM LEITE Metodologia de análise: Volumetria de Complexação MATERIAIS Bureta de 25 ml Béquer 100 e 250 ml Erlenmeyer de 250 ml Proveta de 50 ml Balão volumétrico 100 ml Pipetas

Leia mais

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata)

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) FISH em tecido incluído em parafina: Four Colour PTEN Deletion Probe O protocolo de FISH descrito abaixo é recomendado para cortes

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR Introdução O silício é um elemento nutritivo para algumas espécies, pois entra na composição de frústulas, espículas e outras

Leia mais

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,48 3,90 a 5,40 Hemoglobina g/dl...: 12,70 11,00 a 16,10 Hematócrito %...: 38,00 35,00 a 47,00 Vol. Glob. Média em fl...: 84,82 80,00 a 98,00 Hem. Glob.

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 10 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Extração de RNA total de sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de RNA total de sangue Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Método de Ensaio Página 1 de 6 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa o procedimento a ser usado na determinação do de material termoplástico para demarcação viária. Prescreve a aparelhagem,

Leia mais

Labtest. Reagentes Labtest TRADIÇÃO, INOVAÇÃO E EXCELÊNCIA EM DIAGNÓSTICOS LABORATORIAIS.

Labtest. Reagentes Labtest TRADIÇÃO, INOVAÇÃO E EXCELÊNCIA EM DIAGNÓSTICOS LABORATORIAIS. LINHA DE REAGENTES Labtest Uma empresa moderna, certificada e reconhecida nacional e internacionalmente. A Labtest Diagnóstica é referência no mercado de diagnósticos in vitro. Instalada em um parque industrial

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 )

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 ) Padronização Folha : 1 de 6 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Aparelhagem 4_ Procedimento 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação prescreve o método de fatoração da solução de azul de metileno utilizada

Leia mais

CONTROLE Rh Monoclonal

CONTROLE Rh Monoclonal CONTROLE Rh Monoclonal PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Controle negativo das classificações Rh - Hr PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8 C Não

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 12 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Processamento de Sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação Profa.

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA

LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA BIO-QUIMICA LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA Professora Msc. Melissa Kayser BIO-QUIMICA Ramo do laboratório clínico no qual os métodos químicos e bioquímicos são aplicados para pesquisa de uma doença.

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA DE CÉLULAS BACTERIANAS PARA MEIO LÍQUIDO

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA DE CÉLULAS BACTERIANAS PARA MEIO LÍQUIDO Ministério da Agricultura e do Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia-CNPAB ISSN 0104-6187 PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA

Leia mais

RESULTADOS DOS PACIENTES HANSENIANOS

RESULTADOS DOS PACIENTES HANSENIANOS Anexo 1 RESULTADOS DOS PACIENTES HANSENIANOS Anexo 1 RESULTADOS DOS PACIENTES HANSENIANOS Anexo 1a - RESULTADOS DOS PACIENTES HANSENIANOS Anexo 1a - RESULTADOS DOS PACIENTES HANSENIANOS Anexo 2 - RESULTADOS

Leia mais

5. Diluente - do Conjugado - Armazenar entre 2-8 ºC.

5. Diluente - do Conjugado - Armazenar entre 2-8 ºC. T4 TOTAL Instruções de Uso Ref.:905 MS 10009010262 Finalidade. Sistema para a determinação quantitativa da tiroxina total (T4 Total) no soro e plasma. [Somente para uso diagnóstico in vitro.] Introdução.

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS*

COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS* COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS* CARLA FABIANA SOARES, SÉRGIO HENRIQUE NASCENTE COSTA,IASMIM RIBEIRO DA COSTA

Leia mais

AST/GOT Liquiform. 01 Português - Ref.: 109. Ref.:109 MS Instruções de Uso. Metodologia. Finalidade. Reagentes. Princípio.

AST/GOT Liquiform. 01 Português - Ref.: 109. Ref.:109 MS Instruções de Uso. Metodologia. Finalidade. Reagentes. Princípio. AST/GOT Liquiform Instruções de Uso Ref.:109 MS 10009010018 Finalidade. Sistema para determinação da Aspartato Amino Transferase (AST) ou Transaminase Glutâmico Oxalacética (GOT) em modo cinético. [Somente

Leia mais

FERRITINA TURBIQUEST PLUS

FERRITINA TURBIQUEST PLUS FERRITINA TURBIQUEST PLUS Instruções de Uso Ref.:334 MS 10009010199 Finalidade. Sistema para determinação quantitativa de ferritina em amostras de soro por imunoturbidimetria. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Introdução 1

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Introdução 1 ÍNDICE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Introdução 1 Técnicas / Equipamentos Utilizados Bioquímica 2 1. Cálculo Urinário 3 2. Contagem de Addis 4 3. Espermograma 5 4. Grau de digestão das Fezes 6 5. Pesquisa de Drogas

Leia mais

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO)

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0424, de 24 de fevereiro

Leia mais

MF-0428.R-1 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FENÓIS (AMINO ANTIPIRINA)

MF-0428.R-1 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FENÓIS (AMINO ANTIPIRINA) MF-0428.R-1 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FENÓIS (AMINO ANTIPIRINA) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0045, de 01 de fevereiro de 1979. Publicado no DOERJ de 25 de abril de 1979. 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

2. Reagente Armazenar entre 2-8 ºC.

2. Reagente Armazenar entre 2-8 ºC. LDH Liquiform Instruções de Uso Ref.:86 MS 000900056 Finalidade. Sistema para determinação da Desidrogenase Láctica (LDH) em soro por método cinético. Uso profissional. [Somente para uso diagnóstico in

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante Lote LOTE 01 00001 00029574 TUBO DE ENSAIO DE VIDRO 12X75MM - TUBO 600,0 00002 00032308 TUBO DE ENSAIO DE VIDRO 13 X 100 MM - 600,0 00003 00029575 TUBO DE ENSAIO DE VIDRO 15X100MM - TUBO 300,0 00004 00005

Leia mais

LDH Liquiform. 01 Português - Ref.: 86. Ref.:86 MS Instruções de Uso. Metodologia. Finalidade. Reagentes. Princípio.

LDH Liquiform. 01 Português - Ref.: 86. Ref.:86 MS Instruções de Uso. Metodologia. Finalidade. Reagentes. Princípio. LDH Liquiform Instruções de Uso Ref.:86 MS 000900056 Finalidade. Sistema para determinação da Desidrogenase Láctica (LDH) em soro por método cinético. [Somente para uso diagnóstico in vitro] Princípio.

Leia mais

Eritrograma. Leucograma

Eritrograma. Leucograma Pág.: 1 / 9 HEMOGRAMA Material: SANGUE TOTAL Coletado em: 10/07/2013 07:32 Método: Automação Cell-Dyn Eritrograma Eritrócitos...: 4,96 milhões/mm Hemoglobina...: 14,40 g% Volume globular...: 42,2 % Volume

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO

MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO 1. Objectivo Neste trabalho, ir-se-á observar a degradação do glicogénio ao longo tempo: i) em meio ácido e à temperatura de 100ºC (degradação química); ii) em

Leia mais