ARQUITECTURA DE COMPUTADORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARQUITECTURA DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO III AULA I, II e III Abril 2014

2 Índice Aritmética para computadores Intro Adição e subtração Multiplicação Divisão Virgula Flutuante Virgula Flutuante - aritmética

3 Intro Como é feita uma adição? Como são efectuadas multiplicações? E fracções? Como são representadas? E os números reais? Como se converte de decimal para binário? E quando um resultado não cabe em 32bits? Como funciona a ALU?

4 Adição e subtração Como vimos anteriormente, a adição é uma instrução base de aritmética, suportada por qualquer processador. Em MIPS utilizamos a instrução add. Mas o que acontece realmente quando o processador executa um add? Ocorre um soma binária, onde: = = = = = 11

5 Adição e subtração Considere-se os seguintes registos: $s0 = $s1 = Qual o resultados de $t0, em add $t0, $s0,$s1?

6 Adição e subtração Outra operação de base é a subtracção. Em MIPS utilizamos a instrução sub. Mas o que acontece realmente quando o processador executa um sub? Ocorre um soma binária, onde: 1-0 = = = = 1 e vai 1 para subtrair no próximo

7 Adição e subtração Considere-se os seguintes registos: $s0 = $s1 = Qual o resultados de $t0, em sub $t0, $s0,$s1? (1)

8 Adição e subtração O que acontece quando: A + B < 0, sendo A e B ambos 0; A + B 0, sendo A e B ambos < 0; A B < 0, sendo A 0 e B < 0; A B 0, sendo A < 0 e B 0; São casos de Overflow. add, addi e sub reconhecem overflow através do sinal invertido (signed). addu, addiu, e subu ignoram overflow.

9 Adição e subtração Exemplo: Existem compiladores, como por exemplo o compilador de C, que ignoram Overflows, uma vez que compilam somente para instruções unsigned.

10 Adição e subtração Adições, subtrações e lógica são suportadas pela ALU: Arithmetic Logic Unit. Central Processing Unit Input Device Unidade de Controlo Unidade Aritmética/Lógica Output Device Unidade de memória Programa Código Dados

11 Multiplicação Nas aulas anteriores aprendemos que ao efectuar um shift left logic (sll), estamos a multiplicar um determinado valor por m = 2 n. sll $t0, $s0, 2, ou seja, $t0 = 2 2 x $s0. Porém, nem sempre o valor de multiplicação é uma constante, nem uma potência de 2.

12 Multiplicação Regras de multiplicação de base 2: 0 x 0 = 0; 0 x 1 = 0; 1 x 0 = 0; 1 x 1 = 1; Exemplo: 1110 x

13 Multiplicação 0010 x

14 Multiplicação Multiplicação em MIPS: mult $s,$t multu $s,$t O resultado, de 64bits, é colocado em dois registos específicos: LO e HI. mfhi $s, HI -> move o valor de HI para o registo $s mflo $s, LO -> move o valor de LO para o registo $s Multiplicação em MIPS não reconhece overflows

15 Divisão Regras e divisão para base 2 0/1 = 0 1/1 = 1 1/0 = N/A 0/0 = N/A Exemplo: Exemplo:

16 Divisão Exemplo:

17 Divisão Divisão em MIPS: div $s,$t => LO = $s / $t HI = $s % $t divu $s,$t O resultado, de 32bits, é colocado em LO, enquanto que o resto é colocado em HI. mfhi $s, HI -> move o valor de HI para o registo $s mflo $s, LO -> move o valor de LO para o registo $s

18 Índice Aritmética para computadores Intro Adição e subtração Multiplicação Divisão Virgula Flutuante Virgula Flutuante - aritmética Paralelismo e aritmética

19 Floating Point Para além dos números naturais, é comum em computação utilizarem-se números reais. PI = ou 1.0 x ,234,345,000 ou x 10 9 Etc À representação apresentada nos dois últimos exemplos denomina-se de notação científica. A notação científica normalizada não permite zeros à esquerda da vírgula. 1.0 x Normalizado 10.0 x Não Normalizado

20 Floating Point Em computação, a notação científica é também aplicada à numeração binária. Porém, de modo a garantir a normalização da mesma, a base deixa de ser decimal (10), passando a ser binária (2). Exemplo: 10 9 => 2 9 Aritmética computacional com suporte para notação científica de base 2, denomina-se de vírgula flutuante.

21 Floating Point Ao seguir a notação normalizada, existem três benefícios: 1. Simplifica a troca de dados com vírgula flutuante. 2. Simplifica os cálculos aritméticos entre estes números. 3. Aumenta a precisão dos números guardados numa word (32 bits). Uma vez que não gasta bits à esquerda, permite guardar um maior número de casas decimais e assim aumentar a precisão.

22 Floating Point Representação: Na representação de uma vírgula flutuante existem dois parâmetros configuráveis: A fração ou mantissa; O expoente; Considere: 1.xxxxxx x 10 yyyyyy, onde 1.x representa a fração e y o expoente. Maior o x, maior a precisão. Maior o y, maior o alcance. Logo, deve existir um balanço entre precisão e alcance, considerando o limite de uma word.

23 Floating Point Representação em MIPS: s Expoente Fracção 8 bits 23 bits Formula genérica: ( 1) s x F x 2 E Exemplo: x

24 Floating Point Limites: 2.0 x x Tal como nos números inteiros, existe o perigo de overflow em vírgulas flutuantes: Overflow em vírgula flutuante ocorre quando o valor de um expoente positivo é tão grande que não cabe nos bits para ele destinados. Underflow em vírgula flutuante ocorre quando o valor de um expoente negativo é tão grande que não cabe nos bits para eles destinados.

25 Floating Point Uma forma de reduzir o perigo de overflow ou underflow é aumentar o campo destinado ao expoente. Em linguagem C isso é implementado através do tipo double: double precision floating point. Um double utiliza duas words de 32 bits cada. A versão normal denomina-se de single precision floating point, que ocupa somente uma word de 32 bits. Em linguagem C é o tipo float.

26 Floating Point Representação de um double em MIPS: s Expoente Fracção 11 bits 20 bits Fracção (continuação) 32 bits

27 Floating Point Limites de um double: 2.0 x x O formato e codificação dos diferentes modos de representação de virgulas flutuantes são definidos pela norma IEEE 754 floating-point standard, desde 1980.

28 Floating Point Como vimos nos exemplos de números reais a representação de expoentes negativos é também bastante usada. Para representar a negação do expoente, poderíamos seguir a mesma regra do sinal aplicada ao bit mais significativo. Porém, o IEEE 754 define que os expoentes mais negativos devem ser representados por e os mais positivos por A isto chama-se de convenção tendenciosa.

29 Floating Point A convenção tendenciosa, utiliza um valor tendencioso para obter os expoentes no formato pretendido, nomeadamente o número 127 (1023 para double). Assim, o expoente representado é obtido através da soma do expoente mais o valor tendencioso Exemplo: 1.0 x = 126 =

30 Floating Point Sendo assim a formula genérica obtida anteriormente é alterada para: ( 1) s x 1 + F x 2 E Bias Deste modo os limites reais de vírgulas flutuantes simples, são: Exemplo: Menor ± x Maior ± x 2 127

31 Floating Point Exercício: Converta o número real para notação cientifica base 2 e respetiva virgula flutuante simples / 8 #Fração decimal -7 / 2 3 #decimal sobre base binária / 2 3 #Fração binária x 2 3 # Fração invertida x 2 0 # Notação científica x 2 1 # Notação científica normalizada Pode utilizar a calculadora online para verificar o resultado em:

32 Floating Point Exercício: Converta o número real para notação cientifica base 2 e respetiva virgula flutuante simples. Aplicando x 2 1 a ( 1) s x 1 + F x 2 E Bias obtém-se ( 1) 1 x x

33 Floating Point Definições do IEEE 754

34 Floating Point

35 Índice Aritmética para computadores Intro Adição e subtração Multiplicação Divisão Virgula Flutuante Virgula Flutuante - aritmética

36 Floating Point - Adição De modo a somar vírgulas flutuantes ambos os operandos devem ter o mesmo expoente, sendo o expoente igual ao maior entre os dois. Calcule a seguinte operação de base 10, considerando um máximo de 4 bits x x Colocar o segundo operando no formato 10 1 visto ser o maior expoente entre os dois x x 10 1

37 Floating Point - Adição 2. Arrendondar a fração para a quantidade de bits suportada (ex. 4 bits) x x Alinhar ambos os operando pela vírgula e somar x x x 10 1

38 Floating Point - Adição 4. Normalizar o resultado x x Arredondar o resultado para os 4 bits totais x x x 10 2

39 Floating Point - Adição

40 Floating Point - Adição Exercício: Some 0.5 com em base => 1/2 => 1/2 1 => 1.0 x =? Inteiro = 0 + Decimal = x 2 = x 2 = x 2 = x 2 = Logo: = = x 2 1 0x x x x2 3 = = = = Ou: => 7/8 => 7/2 3 => 0111 x 2 3 => 1.11 x 2 1

41 Floating Point - Adição Exercício: Some 0.5 com em base x x x 2 1 Normalizando: x 2 1 => x 2 0 Verificar overflow e underflow: => OK Arredondar caso necessário: x 2 0 => x 2 0

42 Floating Point - Adição Exercício: Some 0.5 com em base 2. Converter para decimal e observar o resultado: x 2 0 = = 1 x x x x 2 3 = = = = 1.375

43 Floating Point - Subtração Exercício: Calcule em base = 1.0 x 2 1 = 0.1 x = 0 + decimal x 2 = x 2 = x 2 = = x x 2 0 = 1.0 x Normalizar: 0.01 x 2 1 = 1.0 x x , logo não existe overflow = 2 3 = = 0.125

44 Floating Point - Multiplicação Tal como na adição, vamos exemplificar com numeração base 10. Considere o seguinte exemplo, com o limite de duas casas decimais: 5.23 x 10 2 x 2.40 x 10 5 Ao contrário da adição, na multiplicação não é necessário alinhar os expoentes. Em contrapartida o expoente resulta da soma dos dois expoentes presentes na operação.

45 Floating Point - Multiplicação Assim: 5.23 x 10 2 x 2.40 x x 10 7 Normalizando: x 10 6 Testar overflow ou underflow: Arredondar: 1.26 x 10 6

46 Floating Point - Multiplicação

47 Floating Point - Multiplicação Exercício: x 2 = x 2 = x 2 = = = 1.1 x 2 2 Calcule x 0.5 em base x 2 = x = 0.1 x 2 2 = 1.0 x 2 1 x 1.0 x x x 0.5 = x 2 3 = = = = Normalizando: OK Testar overflow ou underflow: OK Arredondar: OK

48 Floating Point - Multiplicação Exercício: Divida 1.5 por 0.5 em base x 2 = 1.1 x x 2 = = 0.1 x 2 2 = 1.0 x x x 2 1 = 1.10 x 2 0 x 1.00 x 2 1 = 1.10 x 2 1 Normalizando: OK Testar overflow ou underflow: OK Arredondar: OK 1.5 / 0.5 = x 2 1 = 11.0 = 1 x x 2 1 = 3

49 Floating Point EM MIPS O MIPS suporta a norma IEEE 754, tanto em precisão simples como em double, através das seguintes instruções: Função Instrução Operação Adiciona (precisão simples) add.s $f2, $f4, $f6 $f2 = $f4 + $f6 Subtrai (precisão simples) sub.s $f2, $f4, $f6 $f2 = $f4 - $f6 Multiplica (precisão simples) mul.s $f2, $f4,$f6 $f2 = $f4 x $f6 Divisão (precisão simples) div.s $f2,$f4,$f6 $f2 = $f4 / $f6 Adiciona (precisão dupla) add.d $f2, $f4, $f6 $f2 = $f4 + $f6 Subtrai (precisão dupla) sub.d $f2, $f4, $f6 $f2 = $f4 - $f6 Multiplica (precisão dupla) mul.d $f2, $f4,$f6 $f2 = $f4 x $f6 Divisão (precisão dupla) div.d $f2,$f4,$f6 $f2 = $f4 / $f6

50 Floating Point EM MIPS O MIPS tem um coprocessador próprio para tratar vírgulas flutuantes, denominado de co-processor 1 (C1) O MIPS utiliza uma floating point conditional flag para guardar resultados FP. Função Instrução Operação Load lwc1 $f2, 0( $f6) $f2 = $f6[0] Store swc1 $f2, 0($f6) $f6[0] = $f2 Comparação (precisão simples) c.x.s $f2, $f4 (eq, neq,lt,le,gt,ge) Comparação (precisão dupla) c.x.d $f2, $f4 (eq, neq,lt,le,gt,ge) Se $f2 x $f4 Se $f2 x $f4 coloca a flag a true Atua conforme a flag movet $t0,$t1 Move $t1 para $t0 se flag = true

51 Floating Point EM MIPS O C1 contem 32 registos FP, de $f0 a $f31 de 32 bits cada. Uma vez que os registos $fx são registos de 32 bits, a representação de doubles ocupa dois registos. Para além das instruções apresentadas, existem várias outras instruções para, entre outros: Mover valores entre registos, Mover valores entre registos com base nas flags condicionais Mover valores co co-processador 1 para o 0 e vice-versa, Etc

52 Floating Point EM MIPS

53 Dúvidas e Questões Abril 2014

Na Aula Anterior... Operações Aritméticas e Lógicas

Na Aula Anterior... Operações Aritméticas e Lógicas GBC36Arq. e Org. de Computadores I 29/8/26 Na Aula Anterior... Operações Aritméticas e Lógicas A linguagem Assembly; Montadores; Ligadores; Ligação Estática; Ligação Dinâmica; Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Aula 3 - Representação de Dados

Aula 3 - Representação de Dados Aula 3 - Representação de Dados Marcos A. Guerine Universidade Federal Fluminense mguerine@ic.uff.br Na aula passada... História dos sistemas de numeração Bases de numeração Conversão entre bases Conversão

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Representação e aritmética binária

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Representação e aritmética binária Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Representação e aritmética binária Prof. Renato Pimentel 1 Tipos de informação Representação por meio de sequências binárias: 8 bits (byte) Também

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Eduardo Albuquerque Adaptado do material do Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 Representação de Dados e Aritmética Computacional Roteiro Números inteiros

Leia mais

Aritmética dos Computadores

Aritmética dos Computadores William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 4 Aritmética dos Computadores Unidade Lógica e Aritmética Faz os cálculos lógicos e aritméticos. Tudo, num sistema computador, está

Leia mais

Capítulo 3. Aritmética de Computadores

Capítulo 3. Aritmética de Computadores Capítulo 3 Aritmética de Computadores Aritmética para Computadores Operações com inteiros Adição e subtração Multiplicação e divisão Lidado com estouro aritmético Números reais em ponto flutuante Representação

Leia mais

Aritmética dos Computadores

Aritmética dos Computadores William Stallings Computer Organization and Architecture Capítulo 4 Aritmética dos Computadores Unidade Lógica e Aritmética Faz os cálculos lógicos e aritméticos. Tudo, num sistema computador, está lá

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Aritmética Computacional Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Aritmética Computacional Prof. Helcio Wagner

Leia mais

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores Aritmética de Ponto Flutuante. 1. Da aritmética de Inteiros a aritmética de Pontos Flutuantes : Números inteiros deixam de representar uma parte

Leia mais

Capítulo 2. Representação de números em vírgula flutuante

Capítulo 2. Representação de números em vírgula flutuante Capítulo 2 Representação de números em vírgula flutuante Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Números inteiros Os computadores foram

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 07 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Representação

Leia mais

PARTE I I: ARITMÉTICA COMPUTACIONAL ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR

PARTE I I: ARITMÉTICA COMPUTACIONAL ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR PARTE I I: ARITMÉTICA COMPUTACIONAL ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR Introdução Como representar números em memória? Como representar números negativos e de ponto flutuante?

Leia mais

Aritmética Binária e Caminho de Dados. Aritmética Binária Caminho de Dados

Aritmética Binária e Caminho de Dados. Aritmética Binária Caminho de Dados ritmética Binária Caminho de Dados Ivanildo Miranda Octávio ugusto Deiroz Representação Binárias Representação Hexadecimal Números sem Sinal Números com Sinal Operações ritméticas (soma e subtração) com

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Visão Geral 1 2 3 4 5 O que é Ponto Flutuante Ponto Flutuante em Binário

Leia mais

Guilherme Martini Gustavo Schmid de Jesus Luís Armando Bianchin Márcio José Mello da Silva

Guilherme Martini Gustavo Schmid de Jesus Luís Armando Bianchin Márcio José Mello da Silva Guilherme Martini Gustavo Schmid de Jesus Luís Armando Bianchin Márcio José Mello da Silva Formatos Representações Especiais Arredondamentos Operações Exceções rev. 2008 2 O padrão (ANSI /IEEE Std 754-1985,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS. Prof. Maicon A. Sartin

REPRESENTAÇÃO DE DADOS. Prof. Maicon A. Sartin REPRESENTAÇÃO DE DADOS Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com Representação de Dados Sumário Introdução a Representação de Dados Complemento a 1 Aritmética em C1 Complemento a 2 Aritmética em C2 Aritmética

Leia mais

Operações Aritméticas e Lógicas e Avaliação de Condições

Operações Aritméticas e Lógicas e Avaliação de Condições 3 Operações Aritméticas e Lógicas e Avaliação de Condições Arithmetic is where the answer is right and everything is nice and you can look out of the window and see the blue sky - or the answer is wrong

Leia mais

Dessa forma pode-se transformar qualquer número em qualquer base para a base 10.

Dessa forma pode-se transformar qualquer número em qualquer base para a base 10. Sistemas de numeração e representação dos números Sistemas de Numeração e Somadores Binários I Base Numérica Um número em uma base qualquer pode ser representado da forma: N = An-1.B n-1 + An-2.B n-2 +...+

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 9 Aritmética do computador slide 1 Unidade aritmética e lógica Faz os cálculos. Tudo o mais no computador existe para atender

Leia mais

Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador

Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br URL: http://www.inf.ufsc.br~silveira Material elaborado pelo prof

Leia mais

Ponto Fixo e Ponto Flutuante

Ponto Fixo e Ponto Flutuante Ponto Fixo e Ponto Flutuante Arquitetura de Computadores Introdução (1/2) É trivial para um computador atual tratar e operar com números inteiros. Entretanto, em muitas aplicações do dia a dia é necessário

Leia mais

Organização de Computadores I

Organização de Computadores I Organização de Computadores I Aula 6 Material: Diego Passos http://www.ic.uff.br/~debora/orgcomp/pdf/parte6.html Organização de Computadores I Aula 6 1/17 Tópicos Representação de números não-inteiros.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Aula 10 Ponto Flutuante Parte I. 2002 Juliana F. Camapum Wanderley

Organização e Arquitetura de Computadores. Aula 10 Ponto Flutuante Parte I. 2002 Juliana F. Camapum Wanderley Organização e Arquitetura de Computadores Aula 10 Ponto Flutuante Parte I 2002 Juliana F. Camapum Wanderley http://www.cic.unb.br/docentes/juliana/cursos/oac OAC Ponto Flutuante Parte I - 1 Panorama Números

Leia mais

Aritmética Computacional Aula 01. Professor: André Luis Meneses Silva orgearq20091.wordpress.com

Aritmética Computacional Aula 01. Professor: André Luis Meneses Silva   orgearq20091.wordpress.com Aritmética Computacional Aula 01 Professor: André Luis Meneses Silva E-mail: alms@ufs.br orgearq20091.wordpress.com Agenda Números com sinal e sem sinal Adição e Subtração Multiplicação Divisão Representação

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação Aula 2 Arquitetura do Processador MIPS: características gerais, registradores, formatos de instrução,

Leia mais

Guia Rápido MIPS. Tipos de Dados e Formatações

Guia Rápido MIPS. Tipos de Dados e Formatações Tipos de Dados e Formatações Guia Rápido MIPS Tipos de Dados: Todas as instruções são de 32 bits Byte = 8 bits Halfword = 2 bytes Word = 4 bytes Um caractere ocupa 1 byte na memória Um inteiro ocupa 1

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 1 Conceitos necessários Prof. Leonardo Augusto Casillo Sistema de numeração: conjunto de regras que nos permite escrever e ler

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Representação de Dados Professor: Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REPRESENTAÇÃO DE DADOS: SÍMBOLO: Marca visual ou gráfica que representa um objeto que desejamos identificar

Leia mais

Arquitectura de Computadores I

Arquitectura de Computadores I Representação de Números e Aritmética Binária António M. Gonçalves Pinheiro Departamento de Física Covilhã - Portugal pinheiro@ubi.pt Base Binária Aritmética Binária Base Hexadecimal Base Octal Representação

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Práticas Laboratoriais Semana 2 Prof. Bruno Medeiros Prof. Antonio Pina Sumário Sistemas de numeração e conversão de bases Operações aritméticas e lógicas em base 2 Representação

Leia mais

Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) Resolução:

Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) Resolução: Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) 1. Um microprocessador gera endereços de memória de 14 bits. Desenhe um mapa de memória dos seus endereços de memória fronteira especificados em hexadecimal. Uma

Leia mais

Capítulo 6. Aritmética Computacional. 6.1 Números com Sinal e Números sem Sinal

Capítulo 6. Aritmética Computacional. 6.1 Números com Sinal e Números sem Sinal 61 Capítulo 6 Aritmética Computacional As palavras de um computador são compostas por bits e podem representar números armazenados na memória. Estes números podem ter diferentes significados, como inteiros

Leia mais

Cálculo Numérico Conceitos Básicos

Cálculo Numérico Conceitos Básicos Cálculo Numérico Conceitos Básicos Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/ 1 Princípios usados

Leia mais

Sistemas Digitais INE 5406

Sistemas Digitais INE 5406 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Sistemas Digitais INE 5406 Aula 10-P Refinamento das especificações

Leia mais

Microprocessadores. Arquitectura Geral de Microprocessador

Microprocessadores. Arquitectura Geral de Microprocessador Arquitectura Geral de Microprocessador António M. Gonçalves Pinheiro Departamento de Física Covilhã - Portugal pinheiro@ubi.pt Modelo de von Neuman Barramento de Endereços µprocessador Memória Entrada/Saída

Leia mais

Aula 9: Estouro e Representação em Ponto Flutuante

Aula 9: Estouro e Representação em Ponto Flutuante Aula 9: Estouro e Representação em Ponto Flutuante Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Estouro e Ponto Flutuante FAC 1 / 43 Revisão

Leia mais

Aula 11. A Informação e sua Representação Ponto-Flutuante. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 11. A Informação e sua Representação Ponto-Flutuante. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 11 Aula 11 A Informação e sua Representação Ponto-Flutuante Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Em alguns tipos de cálculo, a faixa de variação dos números envolvidos

Leia mais

Sistemas de Computação. Representação em Ponto Flutuante

Sistemas de Computação. Representação em Ponto Flutuante Representação em Ponto Flutuante Representação IEEE para ponto flutuante IEEE Standard 754 Estabelecido em 1985 como padrão uniforme para aritmética em ponto flutuante A maioria das CPUs suporta este padrão

Leia mais

Estouro e Representação em Ponto Flutuante

Estouro e Representação em Ponto Flutuante Estouro e Representação em Ponto Flutuante Cristina Boeres Insituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Representação de Dados Professor: Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiro@faciplac.edu.br 1 Ao longo dos anos, muitos padrões e convenções foram estabelecidas para determinar certos aspectos da

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Soma de Números Binários. Soma de Números Binários. Exemplos. Exemplos. Aritmética Binária

Circuitos Digitais. Conteúdo. Soma de Números Binários. Soma de Números Binários. Exemplos. Exemplos. Aritmética Binária Ciência da Computação Aritmética Binária Prof. Sergio Ribeiro Material adaptado das aulas de Sistemas Digitais do Prof. Dr. Marcelo Andrade da USP Conteúdo Soma de números binários. Soma de números BCD.

Leia mais

Números binários e erros

Números binários e erros Números binários e erros Alan Costa de Souza 14 de Agosto de 2017 Alan Costa de Souza Números binários e erros 14 de Agosto de 2017 1 / 1 Introdução Calcular a área de uma circunferência de 100 m de raio.

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 4 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 4 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 4 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Unidade III. Sistemas Numéricos e o Computador

Unidade III. Sistemas Numéricos e o Computador III.1 - O Sistema Decimal - Base: 10 - Dígitos: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 Unidade III Sistemas Numéricos e o Computador Raimundo G. Nóbrega Filho - UFPB - CCEN - DI Notas de aula da disciplina Introdução

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Práticas Laboratoriais Semana 2 Prof. Bruno Medeiros Prof. António Pina Números Fracionários Qual o decimal de 1011.101 2? Parte inteira => 1011 -> 11 10 Parte Fracionária => 101

Leia mais

Aritmética Computacional (Multiplicação e Divisão) Capítulo 4

Aritmética Computacional (Multiplicação e Divisão) Capítulo 4 Aritmética Computacional (Multiplicação e Divisão) Capítulo 4 Ch4 1 Problema: ripple carry adder é lento Uma ULA de 3 bits é tão rápida quanto uma ULA de 1 bit? atraso (ent soma ou carry G) n estágios

Leia mais

PSI3441 Arquitetura de Sistemas Embarcados

PSI3441 Arquitetura de Sistemas Embarcados PSI3441 Arquitetura de Sistemas Embarcados - Ponto Flutuante Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Prof. Gustavo Rehder grehder@lme.usp.br Prof. Sergio Takeo kofuji@usp.br Prof. Antonio Seabra

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Básicas. Aula Tópico 2

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Básicas. Aula Tópico 2 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Básicas Aula Tópico 2 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para o compilador

Leia mais

Aula 9: Estouro e Representação em Ponto Flutuante

Aula 9: Estouro e Representação em Ponto Flutuante Aula 9: Estouro e Representação em Ponto Flutuante Fernanda Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides do prof. Diego Passos Fernanda

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Conceitos BásicosB (Parte II) Prof

Leia mais

Métodos Numéricos Erros Ponto Flutuante. Professor Volmir Eugênio Wilhelm Professora Mariana Kleina

Métodos Numéricos Erros Ponto Flutuante. Professor Volmir Eugênio Wilhelm Professora Mariana Kleina Métodos Numéricos Erros Ponto Flutuante Professor Volmir Eugênio Wilhelm Professora Mariana Kleina Representação Numérica O conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Representação de Números em Ponto Flutuante

Representação de Números em Ponto Flutuante Representação de Números em Ponto Fixo char 8, short 16, int 32, long 32, long long 64 Números de 31 bits + sinal 2 31 < n < +(2 31 1) Números positivos de 32 bits 0 < n < +(2 32 1) Representam 2 32 quantidades

Leia mais

étodos uméricos Erros Visão Geral Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

étodos uméricos Erros Visão Geral Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA étodos uméricos Erros Visão Geral Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE JOÃO DEL-REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Introdução. à Ciência da. Representação de Números em Ponto Flutuante. Aula 21. Números Fracionários

Introdução. à Ciência da. Representação de Números em Ponto Flutuante. Aula 21. Números Fracionários Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 21 Representação de Números em

Leia mais

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Um sistema de numeração

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Erros-Ponto Flutuante

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Erros-Ponto Flutuante TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Erros-Ponto Flutuante Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, 2015 Representação Numérica No sistema decimal X (10) = d 3 d 2 d 1 d 0 (número inteiro de 4 dígitos)

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Representação de Números de Ponto Flutuante Aritmética

Leia mais

Capítulo 2. Representação de dados em sistemas computacionais

Capítulo 2. Representação de dados em sistemas computacionais Capítulo 2 Representação de dados em sistemas computacionais Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos [1] Saber somar números

Leia mais

Arquitetura FPU: Implementação MIPS32. Guilherme Fernandes Raphanelli Diogo D. Fonseca dos Santos

Arquitetura FPU: Implementação MIPS32. Guilherme Fernandes Raphanelli Diogo D. Fonseca dos Santos Arquitetura FPU: Implementação MIPS32 Guilherme Fernandes Raphanelli Diogo D. Fonseca dos Santos Introdução O suporte para operações de ponto flutuante nas diferentes arquiteturas é normalmente dado através

Leia mais

SISTEMA DE NUMERAÇÃO. Introdução a Informática. Vinícius Pádua

SISTEMA DE NUMERAÇÃO. Introdução a Informática. Vinícius Pádua SISTEMA DE NUMERAÇÃO Introdução a Informática Sistema de Numeração Métodos científicos para representar os números Tipos Notação não posicional ou Posicional Difere se o algarismo tem valor fixo ou não

Leia mais

SEPS REPRESENTAÇÃO DE Nºs DIGITAIS I

SEPS REPRESENTAÇÃO DE Nºs DIGITAIS I SEPS REPRESENTAÇÃO DE Nºs DIGITAIS I Representação binária inteira sem sinal Exemplo: adição dos nºs 5 e 4 representados com 3bit 1 (5) + 0 (4) 1 001 resultado com 3 bit: errado Se ignorarmos o bit de

Leia mais

Cálculo Numérico Noções básicas sobre erros

Cálculo Numérico Noções básicas sobre erros Cálculo Numérico Noções básicas sobre erros Profa. Vanessa Rolnik 1º semestre 2015 Fases da resolução de problemas através de métodos numéricos Problema real Levantamento de Dados Construção do modelo

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional - Inteiros - Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário A unidade lógico-aritmética Representação de números inteiros

Leia mais

Erros, Precisão Numérica e Ponto Flutuante

Erros, Precisão Numérica e Ponto Flutuante Capítulo 3 Erros, Precisão Numérica e Ponto Flutuante No capítulo anterior introduzimos o conceito de variável em programação. Uma variável é basicamente um nome usado para se referir a algum conteúdo

Leia mais

Aritmética Computacional (Ponto Flutuante) Capítulo 4

Aritmética Computacional (Ponto Flutuante) Capítulo 4 Aritmética Computacional (Ponto Flutuante) Capítulo 4 Ch4 1 Ponto Flutuante Objetivos: representação de números não inteiros aumentar a capacidade de representação (maiores ou menores) Formato padronizado

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES 2017/2018 1 o Semestre 1 o Teste 20 de Novembro de 2018 Duração: 1h15 - O teste é sem consulta e sem calculadora. - Resolva o teste no próprio enunciado, o espaço reservado

Leia mais

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Aritmética de Inteiros

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Aritmética de Inteiros Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores - Aritmética de Computadores "Matemática Real" f: RxR R Aritmética de Inteiros "Matemática no Computador" nº finito de números representáveis

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE NÚMEROS EM BINÁRIO E HEXADECIMAL

REPRESENTAÇÃO DE NÚMEROS EM BINÁRIO E HEXADECIMAL ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP REPRESENTAÇÃO DE NÚMEROS EM BINÁRIO E HEXADECIMAL 1. Hexadecimal [A1] Hexadecimal é o sistema

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL I

ELETRÔNICA DIGITAL I ELETRÔNICA DIGITAL I Parte 2 Aritmética Digital Professor Dr. Michael Klug 1 Sistema Decimal: Sistema Binário: Adição Binária carry 1 472 246 718 A B S C 0 0 0 0 0 1 1 0 1 0 1 0 1 1 0 1 S=AB C=carry 2

Leia mais

a) Calcule o valor médio de CPI apresentado na execução deste programa P, utilizando-se C1 sem e com otimização.

a) Calcule o valor médio de CPI apresentado na execução deste programa P, utilizando-se C1 sem e com otimização. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas de Computação 2016.2 Profa.: Simone Martins Lista 1 1. Um programa P foi compilado com um compilador

Leia mais

Infraestrutura de Hardware

Infraestrutura de Hardware Infraestrutura de Hardware Aritmética Computacional Universidade Federal Rural de Pernambuco Professor: Abner Corrêa Barros abnerbarros@gmail.com Desde os primórdios da sua história os homens tem se deparado

Leia mais

Números Binários. Apêndice A V1.0

Números Binários. Apêndice A V1.0 Números Binários Apêndice A V1.0 Roteiro Histórico Números de Precisão Finita Números Raiz ou Base Conversão de Base Números Binários Negativos Questões Histórico As maquinas do século XIX eram decimais

Leia mais

Números Binários Operações Aritméticas. Prof. Patrícia G. P. Magalhães

Números Binários Operações Aritméticas. Prof. Patrícia G. P. Magalhães Números Binários Operações Aritméticas Prof. Patrícia G. P. Magalhães Soma de números Binários Se faz semelhante as operações com números decimais, mas lembre-se que estamos falando de binários, assim:

Leia mais

Cálculo Numérico - Mat 215. Prof. Dirceu Melo. Prof. Dirceu Melo - MAT215

Cálculo Numérico - Mat 215. Prof. Dirceu Melo. Prof. Dirceu Melo - MAT215 Cálculo Numérico - Mat 215 Prof. Dirceu Melo Prof. Dirceu Melo - MAT215 1 1ª AULA Introdução Sistemas Decimal e Binário Conversão de Sistemas de base Sistema Aritmético de Ponto Flutuante INTRODUÇÃO 3

Leia mais

Cálculo Numérico. Conceitos Básicos

Cálculo Numérico. Conceitos Básicos Cálculo Numérico Conceitos Básicos Profs.: Bruno C. N. Queiroz J. Antão B. Moura Ulrich Schiel Maria Izabel C. Cabral DSC/CCT/UFCG Princípios usados em CN Comuns à análise matemática, C&T 1. Iteração ou

Leia mais

1/50. Conceitos Básicos. Programa Básico

1/50. Conceitos Básicos. Programa Básico 1/50 Conceitos Básicos Programa Básico 2/50 Operações básicas de entrada e saída #include main retorna um inteiro int main() { std::cout

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Organização e Arquitetura de computadores Aritmética computacional Prof. Dr. Luciano José enger Representação de valores Os valores expressos em números inteiros e fracionários necessitam ser representados

Leia mais

Cálculo Numérico. Conjunto de métodos utilizados para a obtenção de resultados de problemas matemáticos através de aproximações.

Cálculo Numérico. Conjunto de métodos utilizados para a obtenção de resultados de problemas matemáticos através de aproximações. CÁLCULO NUMÉRICO Cálculo Numérico Conjunto de métodos utilizados para a obtenção de resultados de problemas matemáticos através de aproximações Problema Físico Modelo Matemático Solução Cálculo Numérico

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Jordana Sarmenghi Salamon jssalamon@inf.ufes.br jordanasalamon@gmail.com http://inf.ufes.br/~jssalamon Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda

Leia mais

Estrutura de Dados Conceitos Iniciais

Estrutura de Dados Conceitos Iniciais Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO Estrutura de Dados Conceitos Iniciais Aula 01 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

Microprocessadores. Arquitecturas Aritméticas Controladores

Microprocessadores. Arquitecturas Aritméticas Controladores Arquitecturas Aritméticas Controladores António M. Gonçalves Pinheiro Departamento de Física Covilhã - Portugal pinheiro@ubi.pt Números Inteiros sem sinal Usam normalmente a representação binária. com

Leia mais

Aritmética Binária e Complemento a Base. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola

Aritmética Binária e Complemento a Base. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Aritmética Binária e Complemento a Base Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Sumário Soma e multiplicação binária; Subtração e divisão binária; Representação com sinal; Complemento a base. Adição

Leia mais

1 Sistemas de numeração

1 Sistemas de numeração 1 Sistemas de numeração Utilizar a notação decimal é interessante para nós seres humanos, principalmente pela associação com o número de dedos. Porém para o computador a manipulação de dados através dessa

Leia mais

Projecto de Sistemas Digitais. Introdução

Projecto de Sistemas Digitais. Introdução Projecto de Sistemas Digitais LEEC -5ºano -1ºsemestre Aritmética em Vírgula Flutuante: Algoritmos e Arquitecturas (aja@fe.up.pt) FEUP, Nov. 2004 http://www.fe.up.pt/~aja/psd2004_05 1 Introdução A representação

Leia mais

PSI3441 Arquitetura de Sistemas Embarcados

PSI3441 Arquitetura de Sistemas Embarcados PSI3441 Arquitetura de Sistemas Embarcados - Instruções de Desvio Loop - Ponto Flutuante - Multiplicação e Divisão - Pseudo-Instruções - Processadores ARM Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS NUMÉRICOS

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS NUMÉRICOS MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS NUMÉRICOS Professor Marlon Marcon Introdução Em nossa condição humana, geralmente realizamos cálculos utilizando o sistema numérico decimal, ou base 10. Isso provavelmente

Leia mais

Erros e Aritmética de ponto flutuante

Erros e Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Noções básicas sobre erros Aritmética de ponto flutuante Prof. Daniel G. Alfaro Vigo dgalfaro@dcc.ufrj.br DCC IM UFRJ Parte I Noções básicas sobre erros Introdução Validação Modelagem

Leia mais

Introdução à Linguagem de Programação C: Variáveis, Constantes, Expressões, Atribuição, Tipos de dados, Entrada e Saída de Dados

Introdução à Linguagem de Programação C: Variáveis, Constantes, Expressões, Atribuição, Tipos de dados, Entrada e Saída de Dados Introdução à Linguagem de Programação C: Variáveis, Constantes, Expressões, Atribuição, Tipos de dados, Entrada e Saída de Dados Disciplina de Programação de Computadores I Universidade Federal de Ouro

Leia mais

Representação e erros numéricos

Representação e erros numéricos Representação e erros numéricos Marina Andretta ICMC-USP 29 de fevereiro de 2012 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires. Marina Andretta (ICMC-USP) sme0500 - cálculo numérico

Leia mais

Home Programa Exercícios Provas Professor Links. 2.1 Representação de um número na base dois. O número binário 101,101 significa, na base dois:

Home Programa Exercícios Provas Professor Links. 2.1 Representação de um número na base dois. O número binário 101,101 significa, na base dois: Curso de Cálculo Numérico Professor Raymundo de Oliveira Home Programa Exercícios Provas Professor Links Capítulo 2 - Representação binária de números inteiros e reais 2.1 Representação de um número na

Leia mais

UNIMINAS. 101.. Só é necessário o armazenamento de: Sinal da mantissa: - (menos). Valor da mantissa: 00110101. Sinal do expoente: -(na realidade, háh

UNIMINAS. 101.. Só é necessário o armazenamento de: Sinal da mantissa: - (menos). Valor da mantissa: 00110101. Sinal do expoente: -(na realidade, háh Representação em Ponto Flutuante Utiliza-se a representação científica normalizada: 2500 = 2,5 x 10 3 0,00009 = 9,0 x 10-5. Mantissa: 1 =< M < 2. Na realidade, trabalha-se na base 2: -1,00110101 x 2-1012

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

Códigos Especiais. Tiago Dezuo DEE - Engenharia Elétrica CCT. ALB0001 Álgebra de Boole JOINVILLE

Códigos Especiais. Tiago Dezuo DEE - Engenharia Elétrica CCT. ALB0001 Álgebra de Boole JOINVILLE Códigos Especiais Tiago Dezuo DEE - Engenharia Elétrica CCT ALB0001 Álgebra de Boole JOINVILLE Introdução contextualização Representação de números em diversas bases Conversão de bases Operações aritmémcas

Leia mais

Sistemas Digitais Módulo 3 Codificações BCD, Gray e ASCII e Números Fracionários

Sistemas Digitais Módulo 3 Codificações BCD, Gray e ASCII e Números Fracionários Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Sistemas Digitais Módulo 3 Codificações BCD, Gray e ASCII e Números Fracionários Graduação em Sistemas de Informação Prof. Dr. Daniel A. Furtado

Leia mais