BOLETIM DA DÍVIDA PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLETIM DA DÍVIDA PÚBLICA"

Transcrição

1 BOLETIM DA PÚBLICA REPÚBLICA DE ANGOLA PERÍODO DE - (1º Trimestre) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS UNIDADE DE GESTÃO DA PÚBLICA CONTEÚDO QUADRO 1. COMPOSIÇÃO E INDICADORES DA PÚBLICA (Em Mil Milhões de ) I. Introdução 1 II. Abreviaturas e Siglas 2 III. Notas Técnicas 2 IV. Índice de Quadros e Gráficos 3 V. Desempenho da Dívida Pública 4 VI. Dívida Externa 6 VII. Dívida Interna 8 VIII. Projecções para a Dívida Pública 8 IX. Rácios 9 X. Perfil de Risco XI. Anexos Estatísticos I. INTRODUÇÃO O Ministério das Finanças elaborou o presente boletim em obediência ao estabelecido no Regime Jurídico da Unidade de Gestão da Dívida Pública (UGD), aprovado pelo Decreto Presidencial n.º 169/10 de 9 de Agosto e as melhores práticas exigidas pelas instituições nacionais e internacionais, como garante de transparência e exigência das questões relativas à gestão da dívida pública. Neste Boletim Informativo os dados são apresentados na perspectiva da evolução anual no período compreendido entre os anos de e, e é igualmente feita uma breve referência aos dados do primeiro trimestre do ano corrente. O conteúdo é dividido em onze secções principais, para além desta Introdução, Abreviaturas e Notas Técnicas, compõem igualmente este Boletim a Vª secção que se ocupa do desempenho da dívida pública no período em análise, a VIª apresenta os dados relativos à divida externa, a VIIª dedicada à dívida interna, que está subdividida em mercado de dívida doméstica, emissão de títulos públicos (Obrigações e Bilhetes do Tesouro) e os movimentos relativos aos Atrasados e dívidas contingentes de exercícios orçamentais findos, a VIIIª apresenta as Projecções para a Dívida Pública, a IXª secção que inclui Rácios, a Xª que aborda o perfil de riscos da dívida pública e, finalmente, a XIª secção com os anexos estatísticos. 1º Trim. da Stock da Dívida Pública 34,84 30,86 32,40 33,87 33,06 Dívida Governamental 29,55 23,43 22,54 24,77 24,44 Dívida Interna 2 13,92 12,34 12,35 12,08 Dívida Externa 9,55 9,51 10,20 12,41 12,36 Dívida Pública / PIB 5% 37,45% 31,14% 30,14% 27,84% Dívida Governamental / PIB 44,11% 28,43% 21,66% 22,04% 20,58% 13,13 7,56 11,12 9,77 0,41 11,63 4,06 7,12 8,27 0,41 Dívida Interna (Emissão) 8,90 2,38 4,93 4,37 Dívida Externa 2,72 1,68 2,20 3,91 0,41 1,50 3,50 4,00 1,50 Dívida Externa de Empresas Públicas Desembolsos da Dívida Pública Dívida Governamental Dívida Externa de Empresas Públicas Desembolsos Totais / PIB 19,60% 9,17% 10,69% 8,70% 0,35% Desembolsos Governamentais / PIB 17,36% 4,93% 6,84% 7,36% 0,35% de Serviço da Dívida Pública 14,38 12,99 11,26 13,54 1,54 Serviço da Dívida Governamental 12,04 11,45 9,12 10,94 0,98 Dívida Interna 9,94 9,25 7,22 8,81 0,51 Dívida Externa 2,10 2,20 1,91 2,13 0,47 Dívida Externa de Empresas Públicas 2,35 1,54 2,13 2,60 0,56 Serv. da Dívida / Exportações 35,23% 25,67% 16,78% 19,05% 8,99% Serv. da Dívida / Receitas do Estado 62,13% 36,74% 22,46% 27,22% 15,80% 113,89% 70,87% 36,96% 41,10% 4,60% PIB 66,99 82,41 104,04 112,37 118,72 17,14 Serv. da Dív. / Reservas Internacionais Memória: Exportações 40,83 50,59 67,09 71,08 Receitas do Estado 23,15 35, ,74 9,75 Reservas Internacionais 12,63 18,33 30,46 32,94 33,51 GRÁFICO 1. RELAÇÃO GOVERNAMENTAL/PIB 5% 4% 44,11% 3% 28,43% 2% 21,66% 22,04% 20,58% 1% % 1º Trim 1

2 II. ABREVIATURAS E SIGLAS AFU AOA/ AOD BNA BP BT DDE DMA DMFAS DNT EP FAD FIDA FMI IDA MINFIN MINPLAN OGE OPEC FUND OT PAE PIB PIP RIL SIGMA SNL SRD TAAG TBC UGD UNCTAD African Fund Unit Moeda de Angola (kwanza) Assistência Oficial para o Desenvolvimento Banco Nacional de Angola Balança de Pagamento Departamento da Dívida Externa Departamento de Mercados de Activos Debt Management and Financial Analysis System Direcção Nacional do Tesouro Empresa Pública Fundo Africano para o Desenvolvimento Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola Fundo Monetário Internacional Internacional Development Associacion Ministério das Finanças Ministério do Planeamento Orçamento Geral do Estado The Organization of the Petroleum Exporting Countries Fund Plano Anual de Endividamento Produto Interno Bruto Programa de Investimentos Públicos Reservas Internacionais Líquidas Sistema de Gestão de Mercados de Activos Sonangol Special Drawing Rights Linhas Aéreas de Angola Títulos do Banco Central Unidade de Gestão da Dívida Pública United Nations Conference on Trade and Development III. NOTAS TÉCNICAS Metodologia de Informação da Dívida Externa Pública As análises sobre a dívida externa elaboradas e respectivas tabelas, têm como fonte os dados provenientes do DMFAS, que é um sistema administrado pelo Departamento da Dívida Externa do Banco Nacional de Angola. Os dados estatísticos da dívida pública externa de Angola não contemplam informações sobre a dívida privada. A gestão da dívida interna é efectuada pelo Ministério das Finanças, através da UGD, com a participação activa do Departamento de Mercados de Activos do BNA. Os dados da dívida externa são geridos e administrados pelo Sistema de Gestão e Análises da Dívida (SIGADE-DMFAS), desenvolvido pela UNCTAD (United Nations Conference on Trade and Development), e da dívida interna titulada pelo aplicativo do Sistema de Gestão de Mercados de Activos (SIGMA) desenvolvido pela empresa MONTRAN. 2 Os princípios que norteiam a elaboração da estatística da dívida pública baseiam-se em normas definidas no Guia de Compilação de Estatísticas da Dívida Externa e na 5ª edição do Manual da Balança de Pagamentos desenvolvidos pelo FMI. A dívida pública externa inclui financiamentos obtidos de: Agências multilaterais; Governos estrangeiros e agências bilaterais; Bancos comerciais e outras instituições financeiras e; Fornecedores privados. Os instrumentos do mercado doméstico utilizados são: Médio e longo prazo; Bilhetes de Tesouro Curto prazo, e; Títulos do Banco Central - Curto prazo. O boletim reflecte a dívida pública (interna e externa) segundo o critério de residência do credor. Os instrumentos de mercado prevêem pagamento de juros ocorridos no período calculado com base nas características de emissão do título. Os instrumentos da dívida estão calculados em valor nominal e os seus vencimentos são em valor original. Dívida Pública Neste boletim considera-se a dívida do Governo Central e das entidades públicas com, e sem, garantia. No cálculo do stock e fluxos da dívida pública externa convencionou-se retirar os montantes referentes ao FMI e assim como tratar a dívida externa da SNL separadamente. Relativamente ao tratamento da dívida externa das empresas públicas, considerou-se a SNL e a TAAG - Linha Aéreas de Angola, apenas no caso dos aparelhos Boeing ER recentemente adquiridos e que a empresa está a realizar o serviço da dívida. Quanto ao stock da dívida interna, para além dos títulos do tesouro nacional (BT e OT), contratos de mútuo, foram igualmente contabilizados os atrasados e passivos contingentes de exercícios orçamentais findos. Fontes de Informação A divulgação dos dados estatísticos da dívida de Angola é da responsabilidade do MINFIN. Site do Ministério das Finanças:

3 IV. ÍNDICE DE QUADROS E GRÁFICOS QUADROS GRÁFICOS 1. Composição e Indicadores da Dívida Pública 1 1. Relação Dívida Governamental/PIB 1 2. Variações do Stock da Dívida Pública 4 2. Composição da Dívida Pública 4 3. Projecção da Dívida Pública Titulada Emissões e Amortizações (Em Mil Milhões) 9 3. Evolução do Stock da Dívida Pública 4 4. Indicadores Macroeconómicos/Rácios da Dívida 9 4. Dívida Externa Governamental - Fluxos líquidos 4 5. Dívida Interna Governamental - Fluxos líquidos 5 6. Composição do Stock da Dívida Governamental 5 5. Perfil de Risco - Indexação Perfil de Risco - Tipo de Juro Perfil de Risco - Prazo Composição do Stock da Dívida Externa Governamental 5 8. Fluxos da Dívida Externa Governamental Composição do Stock da Dívida Externa 5 9. Stock da Dívida Externa Governamental por Prazo Evolução do Stock da Dívida Externa Stock da Dívida Externa de Empresas Públicas por Prazo Composição do Stock da Dívida Pública Externa Stock da Dívida Externa Governamental por Fonte de Financiamento Fontes de Financiamento da Dívida Externa Governamental Stock da Dívida Externa de Empresas Públicas por Fonte de Financiamento Distribuição Sectorial dos Desembolsos da Dívida Externa Desembolsos por Credor da Dívida Externa Governamental Composição do Serviço da Dívida Externa () Stock da Dívida Externa Governamental por tipo de taxa de juros Composição do Serviço da Dívida Externa (%) Emissão de Títulos de Dívida Interna Stock da Dívida Externa de Empresas Públicas por tipo de taxa de juros Composição do Stock da Dívida Interna Emissão da Dívida Interna Stock da Dívida Externa Governamental por Prazo e Tipo de Serviço da Dívida Interna / rubricas Stock da Dívida Governamental em Moeda Nacional e Estrangeira Composição do Serviço da Dívida Interna Serviço da Dívida das Stock da Dívida Externa de Empresas Públicas em Moeda Estrangeira Evolução da Taxa de dos Relação Dívida Publica/PIB Dívida Interna: Existência, Emissões e Serviço Perfil de Risco - Indexação Dívida Interna: Serviço das, Contratos de Mútuo, Comissões e Atrasados Perfil de Risco - Tipo de Juro Projecção do Serviço da Dívida Interna: Exposição à Taxa de Perfil de Risco - Prazo Projecção do Serviço da Dívida OT Projecção do Serviço das da Dívida Interna Projecção do Serviço da Dívida BT Stock da Dívida Externa: tipo de juros Projecção do Serviço dos da Dívida Interna Evolução da Emissão de Títulos de Dívida Interna Projecção do Serviço da Dívida Interna com exposição cambial Stock da TAAG: MSN Stock da TAAG: MSN

4 V. DESEMPENHO DA PÚBLICA QUADRO 2. VARIAÇÕES DO STOCK DA PÚBLICA Em 31 de Março de, o stock da dívida pública era de 33,06 mil milhões, dos quais 24,44 mil milhões (73,93%) correspondem à dívida governamental e os restantes mil milhões (26,08%) à dívida externa de empresas públicas. 1º Trim. Stock 34,84 30,86 32,40 33,87 33,06-3,98 1,54 1,47-0,82-11,4% 5,0% 4,5% -2,4% Absoluta Variações GRÁFICO 2. COMPOSIÇÃO DA PÚBLICA Iº TRIMESTRE (%) % A trajectória do stock da dívida pública deveu-se à geração de fluxos líquidos positivos durante os anos de a na componente da dívida externa governamental. Como se pode constatar, os fluxos líquidos apresentam uma tendência muito semelhante à evolução do stock da dívida pública. 26,08% Dívida Pública Interna 36,54% Dívida Pública Externa Dívida Pública Externa de Empresas Públicas 37,38% GRÁFICO 4. EXTERNA GOVERNAMENTAL FLUXOS LÍQUIDOS 4,50 3,91 4,00 Em Mil Milhões - 3,50 No período em análise, ou seja, em,,, e no Iº trimestre de, o stock da dívida pública situou-se em torno do intervalo [ 30,86, 34,84] mil milhões, em ( 34,84 mil milhões), seguida de uma redução acentuada em, e um crescimento que fez com que o stock atinge-se os 33,87 mil milhões em, estando nesta altura numa trajectória descendente, conforme demonstra o gráfico abaixo. 2,72 3,00 2,17 2,50 1,68 1,56 1,50 1,50 2,20 1,74 1,48 1,16 0,72 0,50 0,18 GRÁFICO 3. EVOLUÇÃO DO STOCK DA PÚBLICA -0,50 Desembolsos 36,00 35,00 34,84 33,87 Em Mil Milhões - 33,00 33,06 32, ,86 29,00 28,00 4 Fluxos Líquidos 34,00 3 1º Trim Para estes resultados contribuíram os desembolsos da dívida externa que durante o período de a somaram, 10,51 mil milhões, enquanto as amortizações atingiram 5,88 mil milhões. Em resposta ao movimento favorável das expectativas dos investidores sobre os mercados emergentes, foi possível contratar financiamentos em condições mais vantajosas. No que concerne ao contributo da dívida interna deve-se adiantar que os fluxos líquidos foram sempre negativos durante o mesmo período em análise, ( a ), uma vez que as amortizações (incluindo a regularização de atrasados de exercícios orçamentais findos) foram sempre superiores aos desembolsos (emissões de títulos do tesouro, os contratos de financiamento de mútuo).

5 Importa igualmente frisar que durante o ano de, o mercado interno de dívida pública titulada esteve praticamente inactivo, dados patentes na trajectória dos desembolsos, como se pode verificar no gráfico abaixo. GRÁFICO 5. INTERNA GOVERNAMENTAL FLUXOS LÍQUIDOS Nota-se a inversão da tendência de crescimento da dívida interna relativamente à dívida externa. No período em análise, a (Iº Trimestre), o somatório do stock da dívida externa governamental é composto principalmente, por (i) Instituições Bilaterais, 58,26%, (ii) Bancos Comerciais e Outras Instituições Financeiras, 28,83% e (iii) Fornecedores com 8,26% ,14 8,90 8,00 8,70 8,10 0,33% 4,32% 6,63 6,00 8,26% 4,93 4,37 4,00 Em Mil Milhões - GRÁFICO 7. COMPOSIÇÃO DO STOCK DA EXTERNA GOVERNAMENTAL (%) - (1º Trimestre) 28,83% 2,38-0,24-58,26% -4,00-1,71-3,73-6,00-6,32-8,00 Desembolsos Fluxos Líquidos Comercial Fornecedores Bilateral Multilateral Outros Não obstante os factos acima referidos, o peso da dívida interna tem crescido de forma sustentável, com vista a potenciar o desenvolvimento do mercado interno. Por outro lado, o crescimento da dívida externa reflecte o aumento da credibilidade do país no mercado financeiro internacional. Quanto à composição da dívida pública governamental por moeda, em média, no período de a (Iº Trimestre), constata-se que o portofólio da dívida externa é composto por 74,27% Dólares Americanos, 20,64% Euros, 3,85% SRD (Special Drawing Rights) e 1,24% outras moedas; enquanto que na dívida interna, os Kwanzas representam 79,25% e os Dólares Americanos 25,75%. GRÁFICO 6. COMPOSIÇÃO DO STOCK DA GOVERNAMENTAL No que concerne ao tipo de taxa de juro, 38,32% do total da dívida externa governamental é expressa em taxas fixas e os restantes 61,68% em taxa variável. (1º Trim) 12,08 Quanto à dívida das empresas públicas é exclusivamente expressa em taxas variáveis. 12,36 12,35 Em Mil Milhões -12,41 12,34 10,20 GRÁFICO 8. COMPOSIÇÃO DO STOCK DA EXTERNA (1º Trim) 12,36 9,55 5,00 Dívida Interna 1 15,00 Dívida Externa 2 12,41 2 9,51 13,92 25,00 10,20 3 Em Mil Milhões - 9,51 Em resultado desta tendência, durante o período em análise, a (Iº Trimestre), o stock da dívida governamental é composto, em média, por 54,69% ( 14,14 mil milhões) de dívida interna e 43,31% ( 10,80 mil milhões) de dívida externa. 9,55 5,00 Dívida Governamental 1 15,00 2 Dívida das Empresas Públicas 25,00 Em Mil Milhões - 5

6 VI. EXTERNA Em 31 de Março de, o peso da dívida externa relativamente ao stock da dívida pública era de 63,46%. GRÁFICO 9. EVOLUÇÃO DO STOCK DA EXTERNA Em Mil Milhões - 25, ,00 21,52 20,98 16,94 14,83 Em termos de proporções, deve-se salientar que em média o stock da dívida externa, no período em análise, a (Iº Trimestre), é composto por 57,27% ( 10,80 mil milhões) de dívida governamental e 42,73% ( 8,06 mil milhões) de dívida externa das empresas públicas. Das fontes de financiamento da dívida externa, foram desembolsados, no período em análise de a, em média, 2,63 mil milhões, dos quais 1,37 mil milhões (52,25%) provenientes dos Credores Privados e 1,25 mil milhões (47,25%) de Credores Oficiais. GRÁFICO 11. FONTES DE FINANCIAMENTO DA EXTERNA GOVERNAMENTAL (%) - 1 5,00 1º Trim Dívida Externa 47,75% 52,25% Ao longo do período em análise o stock da dívida externa apresenta uma tendência de crescimento sustentada, i.e., sem variações bruscas. Importa sublinhar, que o stock da dívida externa é composto pela dívida governamental e pela dívida externa das empresas públicas, que na prática é constituída pela dívida da SONANGOL E.P e da TAAG Linhas Aéreas de Angola, que adquiriu em dois aparelhos Boing ER, com o objectivo de renovar e modernizar a frota de longo curso e assim abrir novas rotas. O montante do financiamento foi de 255,64 milhões (ver tabelas anexas). Actualmente, o stock da dívida desta empresa é de 226,56 milhões e o total do serviço da dívida já realizado é de 42 milhões, dos quais 29,08 milhões de capital e 12,96 milhões de juros. GRÁFICO 10. COMPOSIÇÃO DO STOCK DA PÚBLICA EXTERNA (%) - (1º TRIMESTRE) 42,73% Dívida Governamental 6 57,27% Dívida de Empresas Públicas Credores privados Credores oficiais A posição de destaque assumida pelas rubricas de Credores de Privados e Organizações Bilaterais ( 2,63 mil milhões - 98,94%) deve-se, em grande medida, ao programa de reconstrução nacional e à consequente necessidade de financiamento dos projectos inseridos no Programa de Investimentos Públicos (PIP), com recursos provenientes das Linhas de Crédito Externas. Durante o período que decorreu entre o ano de e o I trimestre de, foram rubricados um total de novos contratos avaliados em 3,23 mil milhões e EUR mil milhões. Entre os contratos assinados em Dólares Americanos podemos destacar a República Popular da China (Eximbank da China e Banco de Desenvolvimento da China), com 1,63 mil milhões (50,54%), e a República Federativa do Brasil (BNDES), com 1,46 mil milhões (45,18%), enquanto que em Euros temos um total de EUR mil milhões, dividido entre a Republica de França (BNP Paribas) - EUR mil milhões e Reino de Espanha (Banco Banesto) - EUR mil milhões, Reino Unido (Banco HSBC) - EUR mil milhões, dados que demonstram as boas relações que existem com estes estados e o importante papel que os mesmos desempenham no financiamento dos projectos inseridos no PIP. Relativamente à distribuição do total dos desembolsos realizados no Iº trimestre do ano corrente, por sector de actividade, podemos destacar a Construção e Obras Públicas com 39,80%, os Transportes com 35,51% e a Energia e Águas 8,18%.

7 GRÁFICO 12. DISTRIBUIÇÃO SECTORIAL DOS DESEMBOLSOS DA EXTERNA (%) 1º TRIMESTRE GRÁFICO 14. COMPOSIÇÃO DO SERVIÇO DA EXTERNA (%) - 0,59% 2,98% 8,18% 1,96% 6,62% 4,99% 6,00% 39,80% 0,92% 68,53% 23,93 35,51% Construção e Obras Públicas Agricultura e Pescas Transportes Indústria Saúde Energia e Águas Outros Comercial Fornecedores Bilateral Outros Multilaterais O serviço da dívida externa manteve uma tendência estável no período de a, tendo, em média, atingido a cifra de 4,23 mil milhões, dos quais 79,79% ( 3,37 mil milhões) correspondem à amortização de capital e 20,21% ( 0,85 mil milhões) aos juros e comissões. GRÁFICO 13. COMPOSIÇÃO DO SERVIÇO DA EXTERNA 5,00 4,50 4,00 0,09 0,09 0,99 0,22 0,63 0,52 3,50 Em Mil Milhões - 0,79 3,00 2,50 1,50 3,97 3,37 3,30 2,86 VII. INTERNA Em 31 de Março de, o peso da dívida interna stock da dívida pública era de 36,54%. A dívida interna compreende à dívida titulada (bilhetes e obrigações do tesouro), os contratos de mútuo e os atrasados e os passivos contingentes de exercícios orçamentais findos. O stock da dívida interna apresenta, durante o período em análise, uma tendência decrescente, variando entre os 2 mil milhões em e os 12,08 mil milhões no primeiro trimestre de. Esta redução é resultante da estratégia implementada na gestão da dívida pública que comporta a redução da emissão da dívida de curto prazo e a captação gradual de financiamentos de médio e longo prazo, promovendo a construção de uma curva de rendimentos com vértices mais longos. GRÁFICO 15. EMISSÃO DE TÍTULOS DE INTERNA 1 8,00 Comissões Em Mil Milhões - 0,50 4,39 6,00 4,00 4,25 1,35 As componentes Bancos Comerciais e Outras Instituições Financeiras e Organizações Bilaterais representam, em média, 68,53% ( 2,90 mil milhões) e 23,93% ( 1,01 mil milhões) do total do serviço da dívida externa, respectivamente. Bilhetes de Tesouro 3,31 1,06 2,65 1,45 7

8 Relativamente à composição do stock da dívida interna no período em análise, a (Iº Trimestre), pode-se adiantar que, em média, as obrigações do tesouro (OT) representam 77,48% ( 9,31 mil milhões), os atrasados 11,34% ( 1,36 mil milhões) e os bilhetes de tesouro (BT), 9,23% ( 1,11 mil milhões). GRÁFICO 18. SERVIÇO DA INTERNA / RUBRICAS (%) - 3,29% 29,54% GRÁFICO 16. COMPOSIÇÃO DO STOCK DA INTERNA 25,00 Em Mil Milhões ,00 1 5,00 21,23% 45,94% 0,30 8,83 0,23 0,35 1,27 1,70 3,27 1,11 1,36 1,08 2,69 9,17 9,31 8,03 9,80 Contratos de Mútuo Bilhetes de Tesouro Atrasados Obrigações de Tesouro Quanto à emissão da dívida titulada e à assinatura de contratos de mútuo, em média, o total emitido entre e, foi de 5,14 mil milhões, repartidos em 2,84 mil milhões (55,14%) de BT, 2,03 mil milhões (39,43%) de OT e, finalmente, 0,28 mil milhões (5,43%) referente aos contratos de mútuo. Contratos de Financ. de Mútuo Atrasados Do total do serviço da dívida, em média, as amortizações representam a esmagadora maioria, com 8,14 mil milhões (92,49%) e os juros com 0,66 mil milhões (7,51 %). GRÁFICO 19. COMPOSIÇÃO DO SERVIÇO DA INTERNA (%) - 7,51% GRÁFICO 17. EMISSÃO DA INTERNA (%) - 92,49% 5,43% Amortizações 39,43% 55,14% Contratos de Financ. de Mútuo O serviço da dívida, no mesmo período atingiu, em média, 8,80 mil milhões, dos quais se destacam os atrasados com 2,60 mil milhões (29,54%), os BT com 4,04 mil milhões (45,94%) e as OT s com 1,87 mil milhões (21,23%). 8 Bilhete do Tesouro Analisando especificamente as, constata-se que as mesmas dividem-se em em Moeda Nacional (OT-MN) e em Moeda Externa (OT ME). Assim, no período em análise,, o total serviço da dívida (em média) das OT-MN, foi de 1,46 mil milhões dos quais, 1,21 mil milhões (82,49%) de amortizações, e 0,26 mil milhões (17,51%) de juros, quanto as OT-ME, o total foi de 0,41 mil milhões dos quais, 0,28 mil milhões (67,58%) de amortizações, e mil milhões (32,42%) de juros.

9 IX. RÁCIOS GRÁFICO 20. SERVIÇO DA DAS OBRIGAÇÕES DO TESOURO - OT-ME 0,28 OT-M/N 1,21 0,26 1,50 0,50 Amortizações Em Mil Milhões - Ao longo do período em análise assistiu-se a implementação de uma estratégia iniciada no final de, que permitiu uma redução substancial do custo de captação de financiamento. Assim sendo, conforme se demonstra o gráfico 21, as taxas juros medias apresentam um redução acentuada em todas as maturidades a partir de. Em Mil Milhões dias 11,37% 8,65% 8,05% 6,00% 4,57% % As tabelas a seguir consistem num exercício da projecção das emissões e amortizações da Dívida Pública Titulada no quinquénio -2017, tendo em conta os pressupostos e indicadores macroeconómicos implícitos no Plano Nacional de Desenvolvimento para o referido quinquénio. QUADRO 3. PROJECÇÕES DA PUBLICA TITULADA - EMISSÕES E AMORTIZAÇÕES 537,74 349,53 188,21 289,69 158,29 131,40 5,50 3,58 1,93 2,96 1,62 1, Stock da Dívida Pública Externa 14,83 Stock da Dívida Pública 34,84 Indicadores Macroeconómicos PIB em valores correntes Exportações Receitas Totais Receitas Fiscais Saldo Global Reservas Internacionais Liquidas Serviço da Dívida Pública da Dívida Pública Dívida Externa - Rácio Dívida Externa / PIB Dívida Externa / Exportações º Trim QUADRO 4. INDICADORES MACROECONÓMICO/ RÁCIOS DA (em mil milhões de ) VIII. PROJECÇÕES PARA A PÚBLICA ,84% % 3,91% 3,40% Desembolsos Amortizações 30,14% 1% 4,00% 37,45% 3% 2% 7,26% 6,93% 5% 4% 31,14% 1% 8,00% 5% 180 dias 11,98% 10,70% Igualmente a relação dívida governamental/pib, apresentou, uma tendência decrescente no período em análise, tendo atingido no primeiro trimestre de os 20,58%. 91 dias 13,78% 12,56% 1% A comparação do stock dívida pública em função do Produto Interno Bruto (PIB), como se pode verificar no gráfico abaixo, apresenta uma evolução muito favorável, estando actualmente nos 27,84%. GRÁFICO 22. RELAÇÃO PUBLICA/PIB (%) GRÁFICO 21. EVOLUÇÃO DA TAXA DE JUROS DOS BILHETES DO TESOURO 14,00% Esta secção apresenta, de maneira concisa, os principais números relativos ao endividamento público (stock, amortizações e juros), colocando-os em perspectiva face aos principais indicadores macroeconómicos, para assim obter os rácios de sustentabilidade da Dívida Pública. 604,90 604,90 6,11 6,11 609,90 609,90 6,10 673,30 6,10 673,30 6,55 6,55 424,20 424,20 4,28 4,28 466,40 466,40 4,54 4,54 7,40 7, Dívida do Sector Público - Rácios Resultado Fiscal / PIB Dív. Pública / Receitas Totais Serv. da Dív. Pública / Receitas Fiscais da Dív. Pública / Receitas Fiscais Indicadores de Endividamento - Rácio Dívida de Curto Prazo / Dívida Dívida Interna de Curto Prazo / Dívida Dívida Externa de Curto Prazo / Dívida 16, ,52 30,86 32,40 33,87 66,99 40,83 23,15 22,24-3,29 12,63 1 1,69 82,41 50,59 36,18 33,97 5,66 18,33 11,50 1,21 104,04 67,09 50,80 48,17 10,65 30,46 9,27 0,90 112,37 71,08 52,28 49,73 9,97 32,94 11,18 1,05 22,14% 36,32% 20,56% 33,49% 19,28% 29,89% 19,15% 30,27% -4,90% 150,47% 53,94% 7,61% 6,87% 85,30% 33,86% 3,56% 10,23% 63,77% 19,24% 1,86% 8,87% 64,79% 22,48% 2,12% 5,40% 4,89% 0,50% 3,96% 3,60% 0,37% 8,64% 8,31% 0,33% 3,50% 3,19% 0,31% 9

10 X. PERFIL DE RISCO A análise do perfil de risco no final do Iº trimestre de é elaborada tendo como base a dívida interna titulada ( 10,79 mil milhões) e a dívida externa governamental ( 12,36 mil milhões), que totalizam 23,15 mil milhões. As restantes componentes da dívida governamental interna, não foram contabilizadas por apresentarem uma exposição mínima. GRÁFICO 23. PERFIL DE RISCO - INDEXAÇÃO (%) 1º TRIMESTRE 17,85% 82,15% Esta apreciação envolve três principais vertentes: (a) Exposição à variação nas taxas de câmbio; (b) Exposição à variação nas taxas de juros e; (c) Risco de refinanciamento. Dív. Indexada Risco de Taxa de Câmbio Estão sujeitos às variações cambiais o total da dívida externa mais a parcela da dívida interna que está indexada à taxa de câmbio. Risco de Taxa de Juro Ao final de Março de, a soma destas duas parcelas representava 82,15% ( 19,02 mil milhões) do stock da dívida governamental, um montante que a princípio parece ser elevado. Entretanto, considerando que cerca de 80% das receitas fiscais de Angola são denominadas em dólares e que o seu volume anual é substancialmente maior que o stock do endividamento indexado ao dólar, eventuais depreciações do Kwanza não terão impacto negativo sobre a sustentabilidade da dívida. Esta afirmação baseia-se nos seguintes pressupostos: Em relação à dívida externa: o impacto da depreciação seria relativamente nulo, já que a moeda do serviço da dívida é praticamente a moeda determinante das Receitas do Estado; e Em relação a dívida interna, uma depreciação do Kwanza ocasiona um incremento nas receitas fiscais em proporções acima do potencial incremento no serviço da dívida. QUADRO 5. PERFIL DE RISCO INDEXAÇÃO (%) Dívida total Dívida Indexada Dívida s/ Indexação Dív.s/ Indexação A dívida com taxas de juros fixas responde a 6% ( 13,90 mil milhões) do stock da dívida governamental externa mais a dívida interna titulada, estando os outros 39,98% ( 9,26 mil milhões), expostos à taxas de juros variáveis. A dívida externa apresenta uma componente com taxa de juros fixa da ordem dos 51,62% ( 6,38 mil milhões), ao passo que no que toca à dívida interna titulada este percentual é de 69,36% ( 7,52 mil milhões). Estes valores percentuais indicam que existe uma razoável previsibilidade para o serviço da dívida nos próximos anos. QUADRO 6. PERFIL DE RISCO - TIPO DE JURO (%) 1º Trimestre Dívida total Dív. Fixos Dív. Variável % 2.216, ,48 886,43 23,15 13,90 9,26 6% 39,98% GRÁFICO 24. PERFIL DE RISCO - TIPO DE JUROS (%) 1º TRIMESTRE 1º Trimestre % 2.216, ,24 395,66 23,15 19,02 4,13 82,15% 17,85% 39,98% 6% Dív. Fixos Dív. Variável 10

11 Risco de Refinanciamento A composição da dívida governamental maioritariamente constituído por empréstimos de médio e longo prazo, e a recente evolução positiva dos indicadores macroeconómicos dos país, potenciam a melhoria da capacidade de endividamento pelo Estado. GRÁFICO 26. PROJECÇÃO DO SERVIÇO DA OT - 0,83 Dez-13 Nov-13 0,30 Out-13 0,14 QUADRO 7. PERFIL DE RISCO PRAZO (%) Set-13 0,28 Ago-13 0,07 Dívida total Dív. C. Prazo Dív. M/L Prazo Jul-13 1º Trimestre % 2.216,91 102, ,25 23,15 1, ,63% 95,37% Jun-13 0,07 Mai-13 0,35 Abr-13 Mar-13 GRÁFICO 25. PERFIL DE RISCO - PRAZO (%) 1º TRIMESTRE Fev-13 4,63% 0,20 0,40 0,30 0,50 0,60 0,70 0,80 0,90 Em Mil Milhões - 95,37% GRÁFICO 27. PROJECÇÃO DO SERVIÇO DA BT - 0,22 0 Dez-13 Dív. C. Prazo Dív. M/L Prazo 0,20 Nov-13 6 Out-13 5 No que tange à maturação da dívida em, os meses com maiores volume de resgates de OT MN são, por ordem, os seguintes: Dezembro ( 0,83 mil milhões); Abril ( 0,35 mil milhões); e Outubro ( 0,30 mil milhões). Para os BT, a amortização prevista no período Abril 13 a Março 14 situa-se em 1,98 mil milhões. Deste total, cerca de 43%, são BT com prazo de maturidade de 364 dias. Set Ago-13 4 Jul-13 3 Jun-13 Mai ,09 Abr-13 4 Mar-13 4 Fev ,15 0,20 0,25 Em Mil Milhões - 11

12 QUADRO 11. STOCK DA EXTERNA GOVERNAMENTAL FONTE DE FINANCIAMENTO (em mil milhões de ) XI. ANEXOS ESTATÍSTICOS QUADRO 8. FLUXOS DA EXTERNA GOVERNAMENTAL (em mil milhões de ) 1º Trim. Multilateral Comissões Bilateral Comissões Comercial Comissões Fornecedores Comissões Outros Comissões 2,10 1,17 0,42 0,74 0,61 0,44 0,15 0,29 0,27 2,20 1,02 0,49 0,52 0,84 0,71 0,16 0,17 0,16 1,91 0,90 0,69 0,20 0,81 0,63 2,13 0,97 0,75 0,21 0,75 0,62 0,27 0,25 0,47 0,22 0,19 0,14 0,07 1º Trim. Multilateral Bilateral Comercial Fornecedores Outros 9,55 0,45 5,45 2,88 0,71 9,51 0,44 5,82 2,39 0,79 10,20 0,45 6,22 2,44 1,02 12,41 0,49 6,98 3,97 0,97 12,36 0,49 7,00 3,89 0,97 QUADRO 12. STOCK DA EXTERNA DE EMPRESAS PÚBLICAS FONTE DE FINANCIAMENTO (em mil milhões de ) 1º Tri. Comercial QUADRO 9. STOCK DA EXTERNA GOVERNAMENTAL (em mil milhões de ) Curto Prazo Mutilateral Bilateral Comercial Fornecedores Médio e Longo Prazo Mutilateral Bilateral Comercial Fornecedores Outros 9,55 0,18 9,37 0,45 5,44 2,82 0,60 9,51 9,40 0,44 5,81 2,39 0,69 10,20 10,09 0,45 6,22 2,44 0,92 12,41 12,31 0,49 6,98 3,96 0,87 1º Trim. 12,36 12,25 0,49 7,00 3,89 0,87 QUADRO 10. STOCK DA EXTERNA DE EMPRESAS PÚBLICAS PRAZO (em mil milhões de ) 1º Trim. Médio e Longo Prazo Comercial QUADRO 13. DESEMBOLSOS POR CREDOR DA EXTERNA GOVERNAMENTAL (em mil milhões de ) 1º Tri. Credores Oficiais Multilateral CONFUND FOR COMMODIT F.A.D F.I.D.A I.D.A OPEC FUND Bilateral BRASIL ÍNDIA ITÁLIA POLÓNIA PORTUGAL CHINA COREIA Credores Privados FORTIS BANK-BÉLGICA DEUTSCHE/ESPANHA ESSENK BANK FIRSTRAND BANK LTED STANDARD BANK-A.S. CREDIT SUISSE-BAHAMA SOC.GENERALE CANADA BANCO BILBAO BANESTO CAIXANOVA HSBC BANK-ESPANHA BNP/PARIBAS STE GENERALE BANQUE NORTHERN LIGHTS ING BANK-HOL JBIC CAIXA G DE DEPOSITOS AKA BANK BANK OFCHINA LIMITED CHINA DEVELOPMENT BA NORDEA BANK Outros Provedores 2,72 1,42 1,68 0,92 2,20 1,15 3,91 1,54 0,41 0,25 1,39 0,77 0,18 0,39 1,31 0,25 0,62 0,07 0,25 0,90 0,15 0,17 0,56 0,77 0,24 0,17 0,23 1,12 0,44 0,18 0,47 1,05 0,20 0,07 0,35 1,49 0,68 0,70 2,37 0,24 0, ,14 0,28 0,20 0,23 0,20 0,16 12

13 QUADRO 14. STOCK DA EXTERNA GOVERNAMENTAL POR TIPO DE TAXA DE JUROS (em mil milhões de ) GRÁFICO 28. STOCK DA EXTERNA: TIPO DE JUROS 1º TRIMESTRE (em percentagem) 1º Trim. TOTAL Taxas Variáveis LIBOR 30 Dias LIBOR 3 meses CIRR LIBOR 6 meses LIBOR 9 meses LIBOR 12 meses EURIBOR 6 meses EURIBOR 12 meses KFW FMI Taxas Fixas 9,55 4,84 2,11 0,86 2,16 0,36 4,70 9,51 4,51 2,64 0,75 1,93 0,88 5,00 10,20 4,51 2,85 0,93 1,84 1,18 5,68 12,41 6,29 4,23 1,37 1,87 1,32 6,13 12,36 6,38 4,36 1,35 1,77 1,24 5,98 LIBOR 12 MESES % KFW % LIBOR 30 DIAS % EURIBOR 12 0,28% CIRR 0,51% LIBOR 9 MESES 0,27% LIBOR 6 MESES 10,92% EURIBOR 6 QUADRO 15. STOCK DA EXTERNA DE EMPRESAS PÚBLICAS POR TIPO DE TAXA DE JUROS (em mil milhões de ) 14,31% LIBOR 3 MESES 32,23% TAXAS FIXAS 1º Trim. 38,32% % 1% 2% 3% 4% Em Percentagem Taxas Variáveis LIBOR 3 Meses LIBOR 30 Dias 0,25 9,61 0,23 8,39 0,23 8,87 QUADRO 16. STOCK DA EXTERNA GOVERNAMENTAL POR PRAZO TIPO DE JUROS (em mil milhões de ) 1º Trim. Curto Prazo Mádio e Longo Prazo Taxa Fixa Taxa Variável Taxa Fixa Taxa Variável Taxa Fixa Taxa Variável 0,17 0,18 4,53 4,89 5,58 6,02 5,87 4,84 4,51 4,51 6,29 6,38 9,37 9,40 10,09 12,31 12,25 4,70 5,00 5,68 6,13 5,98 4,84 4,51 4,51 6,29 6,38 9,55 9,51 10,20 12,41 12,36 QUADRO 17. STOCK DA GOVERNAMENTAL EM MOEDA NACIONAL E ESTRANGEIRA Dívida Externa Dívida em Moeda Externa AFU CHF EUR GBP JPY SDR SEK Dívida Interna Dívida em Moeda Estrangeira Dívida em Moeda Nacional AOA Moeda Original Moeda Original Moeda Original 1º Trim. Moeda Original Moeda Original 1,78 0,26 6,53 9,55 2,57 0,40 6,53 1,68 0,26 6,84 9,51 2,22 0,39 6,84 1,65 3,08 0,26 7,57 10,20 2,13 0,40 7,57 1,64 14,14 0,29 9,58 12,41 2,18 0,16 0,44 9,58 1,62 16,12 0,29 9,63 12,36 2,06 0,17 0,44 9,63 3,23 3,23 3,20 3,20 3,17 3,17 2,15 2,15 2,15 2, ,74 14,90 940,56 10,19 854,85 8,99 995,24 10,35 827,70 8,64 13

14 QUADRO 18. STOCK DA DA EXTERNA DAS EMPRESAS PÚBLICAS EM MOEDA ESTRANGEIRA (em mil milhões de ) 1º Trim. Dívida Externa de Empresas Públicas QUADRO 19. INTERNA: EXISTÊNCIA, EMISSÕES E SERVIÇO 2 9,17 1,70 8,83 0,30 8,90 4,25 4,39 0,27 9,94 0,52 9,41 9,14 0,24 8,90 0,80 0,28 0,51 da Dívida Interna Atrasados Contratos de Mútuo Emissões Contratos de Financ de Mútuo Serviço (a+b) (sem comissões) Contratos de Financ de Mútuo Atrasados Amortizações (a) Contratos de Financ de Mútuo Atrasados Atrasados -11 (b) Contratos de Financ de Mútuo 1.780,16 816,05 151,68 785,74 26,69 792,24 377,91 390,43 23,91 884,39 45,97 837,04 1,39 813,20 21,48 791,71 71,20 24,48 45,33 1,39 13,92 9,31 1,11 3,27 0,23 2,38 1,35 9,25 1,81 1,76 5,56 8,70 1,40 1,64 0,09 5,56 0,55 0, ,73 859,23 102,41 301,55 21,54 219,39 124,60 92,38 2,41 853,64 167,25 162, ,61 802,82 128,97 151,68 8,55 513,61 50,83 38,28 11,09 1,46 12,34 8,03 2,69 1,27 0,35 4,93 1,06 3,31 0,56 7,22 2,81 1,93 0,48 6,63 2,40 1,79 0,44 0,58 0,41 12,35 9,80 1,08 1,36 4,37 1,45 2,65 0,27 8,81 2,34 3,08 0,55 2,84 8,10 1,88 2,87 0,51 1,27 1,57 0,71 0,45 0, ,12 763,42 255,85 120,54 33,31 468,21 101,18 314,16 52,87 685,84 266,92 183,04 45,90 189,98 630,44 228,15 170,56 41,74 189,98 55,40 38,77 12,48 4,16 1º Trim ,52 941,40 103,87 130,88 10,36 419,63 139,43 254,68 25,51 846,70 224,63 295,95 53,14 272,98 778,34 181,02 275,51 48,82 121,83 151,16 68,37 43,61 20,44 4,32 12,08 9,83 0,97 1,18 0,51 0,20 0,18 0,40 0,19 0, ,93 940,90 92,50 113,17 10,36 48,89 12,45 18,67 0,07 17,71 38,77 2,87 18,19 17,71 1 9,57 0,48 0,07 GRÁFICO 29. EVOLUÇÃO DA EMISSÃO DE TÍTULOS DE INTERNA (em mil milhões de ) 2,65 1,45 3,31 1,06 1,35 4,25 3,00 4,00 4,39 5,00 6,00 7,00 8,00 9,00 Em Mil Milhões - 14

15 QUADRO 20. INTERNA: SERVIÇO DAS OBRIGAÇÕES DO TESOURO, CONTRATOS DE MÚTUO, COMISSÕES E ATRASADOS do Serviço da Dívida Interna Amortizações Bilhetes do tesouro (BT S) Obrigações do tesouro (OT S) OT s em Moeda Nacional OT s em Moeda Externa Contratos de Financiamento de Mútuo Atrasados do PIP de Atrasados do PIP de - Bilhetes do tesouro (BT S) Obrigações do tesouro (OT S) OT s em Moeda Nacional OT s em Moeda Externa de Contratos de Financ. de Mútuo Comissões 1º Tri. 9,94 9,14 8,90 0,24 0,21 0,80 0,51 0,28 0,16 884,39 813,20 791,71 21,48 18,90 2,58 71,20 45,33 24,48 10,16 14,32 1,39 9,25 8,70 1,64 1,40 1,37 0,09 5,56 0,55 0,41 0,29 862,07 811,24 151,68 128,97 126,21 2,76 8,55 513,61 50,83 11,09 38,28 26,72 11,55 1,46 7,22 6,63 1,79 2,40 2,37 0,44 0,58 0,41 0,29 710,50 655,09 170,56 228,15 225,30 2,85 53,57 202,82 55,40 12,48 38,77 27,46 11,31 4,16 0,67 8,81 8,10 2,87 1,88 0,87 1,01 0,51 1,27 1,57 0,71 0,21 0,45 0,33 873,68 805,58 275,51 181,02 83,84 97,18 48,75 185,43 114,87 68,10 20,17 43,61 31,82 11,79 4,32 0,51 0,40 0,19 0,18 48,89 38,77 18,19 2,87 2,87 17,71 1 0,48 9,57 5,74 3,83 0,07 QUADRO 21. PROJECÇÃO DO SERVIÇO DA INTERNA: EXPOSIÇÃO À TAXA DE JUROS Fixos Ano Vencimento em em 2014 em 2015 em 2016 em 2017 em 2018 em 2019 em 2032 Variáveis Ano 6,37 613,15 3,48 335,19 0,82 1,60 0,79 0,76 1,42 0,99 78,58 153,63 76,03 73,26 136,65 95,00 1,30 0,15 0,14 1,64 0,14 125,62 14,29 13,72 7,70 158,13 13,72 QUADRO 23. PROJECÇÃO DO SERVIÇO DOS BILHETES DO TESOURO DA INTERNA Vencimento em em 2014 em 2015 em 2016 em 2017 Amortizações Serviços 0,36 34,49 11, ,23 11, ,72 5,04 7,36 7,36 7,36 7,36 1,61 2,42 2,42 2,42 2,42 154,69 233,39 233,39 233,39 233,39 1,66 2,50 2,50 2,50 2,50 159,72 240,75 240,75 240,75 240,75 QUADRO 22. PROJECÇÃO DO SERVIÇO DAS OBRIGAÇÕES DO TESOURO DA INTERNA Vencimento em em 2014 em 2015 em 2016 em 2017 Amortizações Serviços 3,80 366,35 11, ,87 15, ,22 0,58 0,66 0,77 0,89 0,92 55,46 63,09 74,03 85,27 88,50 2,12 1,62 1,54 2,10 3,89 204,20 155,80 147,93 202,07 374,87 2,70 2,27 2,30 2,98 4,81 259,65 218,89 221,96 287,34 463,37 QUADRO 24. PROJECÇÃO DO SERVIÇO DA INTERNA COM EXPOSIÇÃO CAMBIAL Vencimento em em 2014 em 2015 em 2016 em 2017 em 2018 em 2019 em 2032 Com Exposição Cambial Com Exposição Cambial 6,69 644,72 3,15 303,63 1,39 1,20 0,72 0,48 1,12 1,64 0,14 133,87 115,48 69,27 46,01 108,24 158,13 13,72 0,73 0,42 0,22 0,43 0,37 0,99 70,33 40,16 21,05 40,98 36,11 95,00 15

16 QUADRO 25. STOCK DA TAAG: MSN (em milhões de ) Stock Julho 11 Outubro 11 Janeiro 12 Abril 12 Julho 12 Outubro 12 Janeiro ,51 124,37 122, ,84 115,63 113,37 Serviço (a+b) (sem comissões) Amortizações (a) (b) 2,14 2,14 2,18 2,22 2,21 2,25 1,08 1,08 1,04 0,96 3,22 3,22 3,22 3,22 3,22 3,22 QUADRO 26. STOCK DA TAAG: MSN (em milhões de ) Stock Junho 11 Setembro 11 Dezembro 12 Março 12 Junho 12 Setembro 12 Dezembro 12 Março ,13 126,91 124,67 122,41 120,14 117,85 115,53 113,19 Serviço (a+b) (sem comissões) Amortizações (a) (b) 2,22 2,24 2,26 2,27 2,29 2,32 2,34 1,03 0,98 0,97 0,95 0,93 0,90 3,24 3,24 3,24 3,24 3,24 3,24 3,24 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DE ANGOLA Edifício do MinFin, Largo da Mutamba, Luanda - Angola Telefone: +(244) (informação geral ao público) Correio Electrónico: 16

UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA

UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA REPÚBLICA DE ANGOLA ---------- --------- MINISTÉRIO DAS FINANÇAS UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA TÍTULOS DO TESOURO RELATÓRIO TRIMESTRAL 2014 Luanda, Novembro de 2014 Ficha Técnica Propriedade Ministério

Leia mais

X - DÍVIDA PÚBLICA. 10.1 Enquadramento Legal

X - DÍVIDA PÚBLICA. 10.1 Enquadramento Legal X - DÍVIDA PÚBLICA 10.1 Enquadramento Legal A Dívida Pública compreende as obrigações financeiras assumidas com entidades públicas e privadas, dentro ou fora do território nacional, em virtude de leis,

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA IIIº Trimestre 2015 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO... 5 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 6 2.1

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2012

INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2012 CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2012 RELATÓRIO Nº 15 30 JULHO 2012 www.bancokeve.ao CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2012

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

TABELA 2.6.1.a DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL DE RESPONSABILIDADE DO TESOURO NACIONAL. Mapa Analítico - DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL - CONSOLIDADO

TABELA 2.6.1.a DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL DE RESPONSABILIDADE DO TESOURO NACIONAL. Mapa Analítico - DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL - CONSOLIDADO 2.6 - GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA 2.6.1. Variação do Estoque da Dívida Pública Federal A Dívida Pública Federal DPF de responsabilidade do Tesouro Nacional apresentou, no ano de 2009, crescimento nominal

Leia mais

BOLETIM ANUAL DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO

BOLETIM ANUAL DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DE ESTUDOS E RELAÇÕES ECONÓMICAS INTERNACIONAIS (GEREI) BOLETIM ANUAL DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2008 Luanda, Dezembro de 2009 Boletim

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO TAXA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA 30.06.2015 1. Política de Investimentos O Património do

Leia mais

Av. 4 de Fevereiro nº 151, Luanda, Angola Caixa Postal 1243 Telefone/Fax: (+244) 222 339 125 www.bna.ao

Av. 4 de Fevereiro nº 151, Luanda, Angola Caixa Postal 1243 Telefone/Fax: (+244) 222 339 125 www.bna.ao Relatório de Inflação I trimestre de 2012 Av. 4 de Fevereiro nº 151, Luanda, Angola Caixa Postal 1243 Telefone/Fax: (+244) 222 339 125 www.bna.ao Relatório de Inflação I trimestre de 2012 3 Índice Sumário

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Estratégia de Médio Prazo para Gestão da Dívida Pública 2012 2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Estratégia de Médio Prazo para Gestão da Dívida Pública 2012 2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Estratégia de Médio Prazo para Gestão da Dívida Pública 2012 2015 Setembro de 2012 ABREVIATURAS BADEA Banco Árabe para o Desenvolvimento Económico em África BAD Banco Africano para

Leia mais

METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA

METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA Índice Página METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DE 2013... 9 POSIÇÃO DO

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Dívida Pública Federal Brasileira Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Fevereiro 2011 B R A S Í L I A D Í V I D A P Ú B L I C A F E D E R A L B R A S I L E I R A Dívida

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 2º SEMESTRE 2012. RELATÓRIO Nº 16 31 DEZEMBRO 2012 www.bancokeve.ao

CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 2º SEMESTRE 2012. RELATÓRIO Nº 16 31 DEZEMBRO 2012 www.bancokeve.ao CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 2º SEMESTRE 2012 RELATÓRIO Nº 16 31 DEZEMBRO 2012 www.bancokeve.ao CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 2º SEMESTRE

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS R EE P Ú B LL II C A D EE A N G O LL A M II N II SS TT ÉÉ R II O D A SS FF II N A N Ç A SS D II R EE C Ç Ã O N A C II O N A LL D O TT EE SS O U R O Rellatóriio TÍTULOS DO TESOURO 2007-2008 Luanda, 31 de

Leia mais

CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2013. RELATÓRIO Nº 17 30 JULHO 2013 www.bancokeve.ao

CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2013. RELATÓRIO Nº 17 30 JULHO 2013 www.bancokeve.ao CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2013 RELATÓRIO Nº 17 30 JULHO 2013 www.bancokeve.ao CONJUNTURA ECONÓMICA INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO ANGOLA 1º SEMESTRE 2013

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Fundos de Investimento Mobiliário Julho 2013 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos 1 10 de Março de 2015 Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos As taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro (BT) angolano, títulos de dívida de curto prazo (inferior a

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Metodologia de cálculo alguns rácios e indicadores... 23. I. Indicadores mensais...26. II. Meios de pagamento (M3)...27

Metodologia de cálculo alguns rácios e indicadores... 23. I. Indicadores mensais...26. II. Meios de pagamento (M3)...27 Indicadores do Mercado Financeiro 1º Semestre 2014 Banco Keve 3 Índice Síntese da análise dos indicadores 1º semestre de 2014... 05 Análise sumária...06 Regulamentação relevante publicada no 1º semestre

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO... 3 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1. BALANÇO (em 31 Dezembro de 2011)... 4 2.2. BALANCETE de 31 Dezembro de 2011...

Leia mais

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By nov-5 abr-6 set-6 fev-7 jul-7 dez-7 mai-8 out-8 mar-9 ago-9 jan-1 jun-1 nov-1 abr-11 set-11 fev-12 jul-12 dez-12 mai-13 out-13 mar-14 ago-14 jan-15 jun-15 nov-15 abr-16 Dep. Estudos Económicos e Financeiros

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte)

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) 1 26 de Outubro de 2015 A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) Em Outubro de 2014 o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2015 previa uma taxa de crescimento real

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Agosto 2015 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 1 1.2.1. Crédito à Economia... 2

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO

RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2 0 1 4 O OGE é o principal instrumento de gestão, contendo a previsão das receitas e despesas públicas. O Relatório de Fundamentação constitui a

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA (ao abrigo do n.º 3 do art.º 18º da Lei Orgânica) Banco de Cabo Verde Novembro de 2011 Banco de Cabo Verde / Novembro 2011 BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Cabo Verde Capítulo II II.2.1. Síntese Como pequena economia aberta numa envolvente cada vez mais globalizada e competitiva, Cabo Verde é muito condicionado pela conjuntura externa, tendo também em conta

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS ÍNDICE I. Importância do Sector Bancário na Economia II. III. Actividade de Crédito Financiamento IV. Solvabilidade V. Regimes de Recapitalização Pública e de Concessão

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA QUADRO OPERACIONAL PARA A POLÍTICA MONETÁRIA

BANCO NACIONAL DE ANGOLA QUADRO OPERACIONAL PARA A POLÍTICA MONETÁRIA BANCO NACIONAL DE ANGOLA QUADRO OPERACIONAL PARA A POLÍTICA MONETÁRIA Luanda, 29 de Setembro de 2011 INDICE 1. Principais Pontos do Quadro Operacional da Política Monetária... 3 2. Instrumentos de Política

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Documento Trabalho. 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0

Documento Trabalho. 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0 Setembro, 2006 Índice: 1. Posição relativa dos Municípios face às Administrações Públicas; 3 2. Enquadramento da Proposta de Lei das Finanças Locais com o

Leia mais

Este depósito não garante uma remuneração mínima.

Este depósito não garante uma remuneração mínima. Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentesou associados Perfil de cliente recomendado Condições

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DP NETB@ANCO 90 DIAS

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DP NETB@ANCO 90 DIAS DP NETB@ANCO 90 DIAS Designação Condições de acesso Modalidade Prazo Mobilização antecipada DP Netb@nco 90 Dias Clientes aderentes ao NetB@nco (constituição e movimentação exclusiva através do canal NetB@nco).

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei nº 6/07 de 31de Dezembro O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que, expresso em termos de valores, para um período de tempo

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL Índice: 1. Introdução 3 2. Evolução das finanças públicas em Portugal 7 3. Perspectivas macroeconómicas para 2005 19 3.1 Comparação com o cenário

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais