PAIXÃO HÍBRIDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A PAIXÃO DE CRISTO EM CANUDOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAIXÃO HÍBRIDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A PAIXÃO DE CRISTO EM CANUDOS"

Transcrição

1 PAIXÃO HÍBRIDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A PAIXÃO DE CRISTO EM CANUDOS Humberto Jardel Freitas de MELO * As dramatizações de Paixão de Cristo constituem-se manifestações das mais expressivas do teatro popular existente em Belém do Pará. Têm seu valor cultural fundamentado no fato de ser uma das únicas formas de expressão dos sentimentos de compaixão, penitência e sacrifício que povoam o imaginário da cidade no período da quaresma. O presente artigo pretende fazer uma reflexão sobre as formas como o hibridismo se faz presente na Paixão de Cristo em Canudos, bairro de Belém, através especialmente de sua visualidade (cenário, adereços, composição de elementos no espaço cênico, etc.). Deve ser destacado que se compreende o hibridismo não como um fenômeno raro, intencional, que atribui qualidade aos produtos artísticos ou os desvaloriza, mas, como algo presente em grande parte das manifestações culturais atualmente, uma vez que, conforme Santaella (1996), uma das características da cultura das mídias 1 é a mobilidade, ou seja, a capacidade que a informação tem de transitar de mídia a mídia e desfazer as fronteiras entre os níveis de cultura (erudita, popular, de massa) favorecendo, assim, o hibridismo, as intersecções de linguagens e referências. Assim, percebeu-se a necessidade de destacar alguns fatores que demonstram o aspecto hibrido da Paixão de Cristo em Canudos, uma vez que ele é bastante evidente nesta e em outras Paixões, particularizando-as. Pretende-se, a partir disso, compreender as potencialidades cênicas da Paixão de Canudos, visando a constituição de sua identidade a partir da construção de cenários, adereços e figurinos feitos por mim, auxiliado por uma equipe de técnicos e atores, dialogando com os agentes da manifestação (direção, atores, técnicos, colaboradores, coordenação da comunidade eclesial de base que promove o espetáculoprocissão), buscando trabalhar elementos que façam referência ao sentimento de sacrifício presente no imaginário dos expectadores e dos * Graduado em Educação Artística (hab. Em Artes Plásticas) pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e cenógrafo do espetáculo Paixão de Cristo em Canudos 1 A cultura das mídias é aquela que, segundo Santaella, está relacionada à comunicação e cultura de massa informatizadas e interativas. 76 ENSAIO GERAL, Belém, v1, n.2, jul/dez 2009

2 que produzem a Paixão na Amazônia, conforme destacou Jansen (2003). Convém destacar que o caráter híbrido da Paixão de Cristo em Canudos pode ser observado, primeiramente, a partir da relação simbiótica entre o teatro e a liturgia, pois esta manifestação consiste em uma procissão, com rezas e cantos litúrgicos em que há encenação dos últimos momentos da vida de Cristo. Os elementos religiosos e artísticos, próprios à manifestação, apontam para dois campos referenciais quando se reporta ao conceito de cultura: a religiosidade e a arte que são, consoante Arantes (2004, p.59), esferas referenciais para abordagem de cultura, na medida em que são constituídas socialmente como instâncias de reflexão e ação simbólica por excelência. Nesse sentido, a convivência do ritualístico com o dramatúrgico valoriza a manifestação, já que reflete não apenas os valores religiosos dos expectadores, mas, também, os estéticos. Estes são indissociáveis na medida em que o prazer estético é reforçado, ou acontece a partir do momento em que o público identifica, ali, as convenções ou padrões partilhados pelo grupo social ao qual pertence. Estes padrões possuem relação com a aparência de alguns atores e o seu desempenho na cena (O ator que interpreta Jesus deve ser magro, com cabelos e barbas grandes; a atriz que interpreta Maria deve chorar no encontro com o personagem Jesus). O conteúdo estético da manifestação, próprio dos produtos artísticos, é, então, condicionado pelo conteúdo convencional 2, que é baseado em padrões de ordem religiosa. Então, o prazer estético, próprio das manifestações artísticas, é vivenciado pelo público a partir do reconhecimento das convenções religiosas no espetáculo. Esta intersecção entre o litúrgico e o dramatúrgico pode ser observada em um dos adereços que vão à frente do cortejo (figura 1). É uma associação entre a luminária e o estandarte, dois elementos litúrgicos presentes em procissões. Apresenta o cartaz da campanha da fraternidade, realizada pela igreja católica no período da quaresma. Mas também é um elemento cênico, original, construído com objetivo estético e que compõe o cenário da crucificação e de outras cenas (figura 2). Outra questão considerada importante para destacar o caráter híbrido da encenação, diz respeito à aliança entre o tradicional e o contemporâneo. 2 Conforme Costela (1997), o conteúdo de uma obra de arte pode ser subdividido em vários pontos de vistas, entre eles estão o conteúdo estético, que está relacionado à sensação de prazer, bem estar, alívio; e conteúdo convencional, que está relacionada às convenções partilhadas por grupos sociais retratadas na arte. ENSAIO GERAL, Belém, v1, n.2, jul/dez

3 Figura1 - Estandarte durante a procissão. Figura 2 - Estandarte compondo o cenário da cena em que Maria Madalena encontra Jesus ressuscitado. As paixões de Cristo são formas de teatro originadas na idade média e que foram trazidas ao Brasil, pelos monges jesuítas, como formas de catequização. Sua natureza tradicional reside não somente neste fato, mas, também, na articulação entre o litúrgico e o dramatúrgico, como já foi mencionado. Isto atribui ao espetáculo um aspecto primitivo, pois aqui se vê o teatro relacionado ao rito, à transcendência, fazendo uma ligação com a divindade, como acontecia na pré-história ou no período medieval. A este atributo tradicional se associa a inovação que pode ser percebida através da utilização de elementos contemporâneos, como o carro-som ou a bike-som, utilizados durante o cortejo para amplificar a voz dos narradores e dos cantores e, ainda, fica evidente nos adereços construídos com materiais industrializados, sem que haja a preocupação de esconder por completo ou disfarçar as características desses objetos (figura 3). Figura 3 - Detalhe de um dos estandartes Um outro aspecto interessante da Paixão de Cristo em Canudos, e que faz referência ao caráter híbrido da manifestação, diz respeito 78 ENSAIO GERAL, Belém, v1, n.2, jul/dez 2009

4 à grande influência exercida pela linguagem cinematográfica no fazer e na percepção da Paixão. Isto fica evidente no gosto pela representacionalidade dos fatos, característica do cinema, pois o público espera presenciar, ao vivo, a reprodução daquilo que foi experienciado nas telas da TV ou do cinema. Como cenógrafo do espetáculo, recebo cobranças, por parte do público e da direção do espetáculo, para que o cenário da crucificação e da ressurreição tenha um grande painel de fundo que, além de esconder completamente a paisagem atrás do palco (casas, postes, árvores), possa fazer um recorte da realidade, como faz a tela do cinema. Para boa parte do público, isto atribuiria àquele espaço e àquele tempo do espetáculo, maior grau de ficção. Esta separação bem definida entre a área real e a área do espetáculo pode ser percebida, também, na delimitação do espaço da encenação, durante o cortejo, por um cordão humano formado por uma equipe de apoio que visa fazer o distanciamento entre o público e os atores. Ou seja, como no cinema, os expectadores são alheios ao espaço da encenação (fig. 4). Além do mais, devido à identificação com o representacional, ainda se estranha a inserção de elementos simbólicos, característicos da linguagem teatral, na manifestação. Pode-se citar, como exemplo, o estandarte com o rosto de Cristo (fig. 5) que vai à frente da procissão. Quando ele foi inserido no cortejo, em 2004, comentou-se, pejorativamente, que o cortejo se assemelhava a um bloco de carnaval. Atualmente, a importância deste elemento já é reconhecida pelos agentes da Paixão. Figura 5 - Estandarte que vai a frente do cortejo. Figura 4 - Cena da Paixão na rua em que se visualiza o cordão humano uniformizado, ao fundo, isolando a cena. ENSAIO GERAL, Belém, v1, n.2, jul/dez

5 Outro ponto que convém ser destacado, relativo ao hibridismo, e que, consoante Jansen (2003), está relacionado à intersecção entre as linguagens do teatro e do cinema é a presença, no espetáculo, de dois atores para um mesmo personagem. Ou seja, os atores interpretam os personagens com o corpo e dublam as falas ditas pelo ator-narrador ao microfone. Este fato incorporado à estética do espetáculo surgiu a partir da necessidade que o grupo teve de amplificar as vozes dos atores, à medida que o número de expectadores foi aumentando. A dublagem na Paixão de Cristo em Canudos condiciona uma especificidade também em sua visualidade, pois o ator-narrador não está presente no espaço cênico delimitado pelo grupo que faz o isolamento da cena. Mas está situado fora deste espaço, no carro som ou em uma plataforma ao lado da cena. Além disso, a presença do carro-som, assim como a dos narradores, é constante durante o cortejo, sempre posicionado fora do espaço cênico. Provavelmente, porque é considerado visualmente estranho à cena, apesar de a voz dos atores-narradores e os sons que ambientam o espetáculo partirem dele. O carro-som, portanto, não se integra por completo à cena, ficando distante dela porque, talvez, o público o perceba como algo que não favorece a construção da ficção que, para o público das Paixões, está relacionada à representacionalidade dos fatos, característica da linguagem cinematográfica. Nesse sentido, penso que o processo de criação da Paixão de Cristo em Canudos, incluindo seus cenários e seus adereços, pode acontecer de forma a trabalhar uma linguagem híbrida, que represente a intersecção entre o aspecto ritualístico e o dramatúrgico, teatral; entre a linguagem do cinema, que exerce bastante influência sobre os construtores da Paixão e a linguagem teatral; e entre os elementos tradicionais, históricos e os elementos contemporâneos, as novas tecnologias e os produtos industrializados, com vistas a criar uma atmosfera de sacrifício, de compaixão, na qual os espectadores possam ver refletidos no espetáculo seus valores artísticos, culturais e religiosos. Pode-se explorar o potencial dramático, cenográfico presente nos rituais católicos e se deixar influenciar pelo teatro popular e pelas narrativas populares, especialmente aquelas relacionadas à cultura quaresmal. REFERÊNCIAS ARANTES, Antônio Augusto. O que é cultura popular. São Paulo: Brasiliense, COSTELLA, Antônio F. Para apreciar a Arte: roteiro didático. São Paulo: SENAC, JANSEN, Ana Karine. Belém apaixonada: Processos de criação do ator das Paixões de Cristo na construção do corpo devoto Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) Universidade Federal da Bahia e Universidade Federal do Pará, SANTAELLA. Lúcia. Cultura das mídias. São Paulo: Experimento, ENSAIO GERAL, Belém, v1, n.2, jul/dez 2009

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO 1º Bimestre Para o 1º Ano do Ensino Médio, propomos o estudo do Teatro Popular Tradicional, uma modalidade de representação

Leia mais

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14 Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc- 76517/14 Duração: 25 horas presenciais Número de Créditos: 1 Destinatários: Educadores de

Leia mais

por trás Cenografia, Iluminação e Seus Caminhos

por trás Cenografia, Iluminação e Seus Caminhos por trás Cenografia, Iluminação e Seus Caminhos Por Denilson Marques 1 Trabalhar com a criação da luz é como trabalhar com uma tela em branco, em que cada dia novas cores são pintadas. Como em uma obra

Leia mais

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários O TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO ÍNDICE PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO Leitura de cartazes publicitários CATEGORIAS DO TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO. Tem

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá Perspectivas Musicais na Educação Infantil Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá - 2011 Ementa Reflexão sobre a produção sonora contemporânea e suas implicações para o viver em sociedade. Apresentação das

Leia mais

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO Tipos de Letras Diferenciação entre o espaço bi e tridimensional, espaço e volume e suas conexões com as formas o espaço teatral, o corpo em movimento e o som no espaço. Cores Arte rupestre 6ª ANO 5ª SÉRIE

Leia mais

ARTES CÊNICAS Cenografia: Segunda-feira 16h55 às 18h30 14 vagas Dramaturgia I: Segunda-feira 18h35 às 20h10 15 vagas Dramaturgia II:

ARTES CÊNICAS Cenografia: Segunda-feira 16h55 às 18h30 14 vagas Dramaturgia I: Segunda-feira 18h35 às 20h10 15 vagas Dramaturgia II: ARTES CÊNICAS Cenografia: A disciplina trabalhará a criação da cenografia para um espetáculo teatral. Desenvolverá os processos de análise dramatúrgica, pesquisa sobre as especificidades do texto teatral,

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

Edital de Inscrição do ECAET Encontro capixaba de estudantes de teatro

Edital de Inscrição do ECAET Encontro capixaba de estudantes de teatro Edital de Inscrição do ECAET Encontro capixaba de estudantes de teatro A Rede Imanemo de produção torna ao público as condições gerais para a inscrição no 4º Ecaet Presente neste regulamento. 1.0 DA REALIZAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO ESTRUTURA DO ESPETÁCULO Grupo Um grupo teatral deve pesquisar acerca do conhecimento da história do teatro, épocas, instruir-se, informar-se, discutir, participar, descobrir-se, criar, questionar e divulgar

Leia mais

de patrocínio Apresenta:

de patrocínio Apresenta: de patrocínio Apresenta: Apresenta da obra de O PROJETO O Projeto consiste na produção de uma temporada teatral baseada no conto O Grande Viúvo de Nelson Rodrigues, apresentada de forma inédita no Brasil:

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Currículo dos Cursos (por estrutura)

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Currículo dos Cursos (por estrutura) Ano do Currículo/Versão: 20/1 - Resolução UNIRIO Nº 4.150, DE 09 DE JULHO DE 2013 Exigida Máxima Créditos Exigidos Créditos Máximo Hora: 1:15 Estrutura Curricular: Créditos Mínimo : Mínima : 540 1.EIXO

Leia mais

DISCIPLINAS OPTATIVAS OFERECIDAS PELO DEPARTAMENTO DE INTERPRETAÇÃO PARA O 1º SEMESTRE DE 2015.

DISCIPLINAS OPTATIVAS OFERECIDAS PELO DEPARTAMENTO DE INTERPRETAÇÃO PARA O 1º SEMESTRE DE 2015. 1 SALA LABORATÓRIO DE MULTIMÍDIA DENISE TELLES N. HOFSTRA TERÇA: 19 às 23 horas Anexo Sala Nelly Laport Entrevista + Pré-projeto 10 alunos Investigação de processos criativos em Multilinguagens e Multimídia,

Leia mais

O jogo quinário na criação do espetáculo teatral

O jogo quinário na criação do espetáculo teatral 1 I Introdução O jogo quinário na criação do espetáculo teatral Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Professor, autor e diretor de teatro UNIRIO UERJ Palavras-chave: jogo sistema quinário espetáculo teatral

Leia mais

X FESTMAR DE VERÃO Festival Internacional de Teatro de Rua do Aracati- CE

X FESTMAR DE VERÃO Festival Internacional de Teatro de Rua do Aracati- CE X FESTMAR DE VERÃO Festival Internacional de Teatro de Rua do Aracati- CE PROPOSTA O X FESTMAR DE VERÃO - Festival Internacional de Teatro de Rua do Aracati é um evento cultural de caráter Internacional

Leia mais

SEGUNDAS E QUARTAS: 10 às 12h

SEGUNDAS E QUARTAS: 10 às 12h 1 PROFESSOR: CAPOEIRA ANGOLA JOSÉ DAMIRO DE MORAES SEGUNDAS E QUARTAS: 10 às 12h SALA: 302 Não há NÚMERO DE VAGAS 30 EMENTA: Introdução do aprendizado da Capoeira Angola, através de seus elementos básicos,

Leia mais

Teatro e Cinema PROFESSORA: HILANETE PORPINO 7 ANO/2017 PARNAMIRIM/RN

Teatro e Cinema PROFESSORA: HILANETE PORPINO 7 ANO/2017 PARNAMIRIM/RN COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO Teatro e Cinema PROFESSORA: HILANETE PORPINO 7 ANO/2017 PARNAMIRIM/RN O QUE É TEATRO? Teatro é uma forma de arte em que um ator ou conjunto de atores interpreta uma história

Leia mais

Artefatos culturais e educação...

Artefatos culturais e educação... Artefatos culturais e educação... USO DAS TDIC NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROFª. JOICE ARAÚJO ESPERANÇA Vídeos: artefatos culturais? Vídeos Filmes Desenhos animados documentários Propagandas Telenovelas

Leia mais

regulação e comunicação nos seres vivos e nas máquinas. c. apenas pode ser visualizada; arte se resume apenas a obras que podem ser vistas.

regulação e comunicação nos seres vivos e nas máquinas. c. apenas pode ser visualizada; arte se resume apenas a obras que podem ser vistas. Atividade extra Arte e cotidiano Exercício 1 A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas, como

Leia mais

CORPO E ARTE BARROCA: O SAGRADO E O PROFANO ATRAVÉS DAS OBRAS DE BERNINI

CORPO E ARTE BARROCA: O SAGRADO E O PROFANO ATRAVÉS DAS OBRAS DE BERNINI CORPO E ARTE BARROCA: O SAGRADO E O PROFANO ATRAVÉS DAS OBRAS DE BERNINI Lucas Martinucci (PROART, UEL), Jardel Dias Cavalcanti (Orientador) e-mail: jardeldias1@hotmail.com Universidade Estadual de Londrina/

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO. ENSINO RELIGIOSO REVISÃO GERAL III TRIMESTRE 7ºs ANOS

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO. ENSINO RELIGIOSO REVISÃO GERAL III TRIMESTRE 7ºs ANOS COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO. ENSINO RELIGIOSO REVISÃO GERAL III TRIMESTRE 7ºs ANOS Tema: Deus se mostra as pessoas: o simbolismo nas religiões. CAPÍTULOS 9 AO 12 DO LIVRO DIDÁTICO (RSE). Professor: Roberto

Leia mais

Diálogos entre Cinema e Teatro no Curta Metragem Rua Dos Bobos

Diálogos entre Cinema e Teatro no Curta Metragem Rua Dos Bobos Diálogos entre Cinema e Teatro no Curta Metragem Rua Dos Bobos Ohana Sousa Resumo O cinema contemporâneo vale-se da criação de novos dispositivos e outras formas de diálogo para construção dos seus discursos.

Leia mais

DISCIPLINAS OPTATIVAS OFERECIDAS PELO DEPARTAMENTO DE INTERPRETAÇÃO PARA O 1º SEMESTRE DE SEGUNDAS E QUARTAS: 10 às 12h

DISCIPLINAS OPTATIVAS OFERECIDAS PELO DEPARTAMENTO DE INTERPRETAÇÃO PARA O 1º SEMESTRE DE SEGUNDAS E QUARTAS: 10 às 12h 1 PROFESSOR: CAPOEIRA ANGOLA JOSÉ DAMIRO DE MORAES SEGUNDAS E QUARTAS: 10 às 12h : 301 Não há 30 : Introdução do aprendizado da Capoeira Angola, através de seus elementos básicos, preparação e expressão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL PLANO DE ENSINO 2012-1 DISCIPLINA: Antropologia PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h II EMENTA A partir de uma perspectiva histórico-evolutiva, a disciplina

Leia mais

GRAFFITI & MOVIMENTO

GRAFFITI & MOVIMENTO GRAFFITI & MOVIMENTO Comunicação: Relato de Experiência Amanda Cristina de Sousa * Mariza Barbosa de Oliveira ** Vanessa Bianca Sgalheira *** Resumo: O projeto Graffiti & Movimento foi aprovado pela Lei

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES ESCOLA DE TEATRO BACHARELADO EM ATUAÇÃO CÊNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES ESCOLA DE TEATRO BACHARELADO EM ATUAÇÃO CÊNICA 1 MAPA DE EQUIVALÊNCIAS ENTRE AS S PERÍODO AIT0001 Interpretação I AIT0074 Atuação Cênica I AIT0008 AEM0032 ATT0046 ATT0020 AEM0007 ADR0031 ADR0001 Expressão Corporal I Música e Ritmo Cênico I Fundamentos

Leia mais

EDUCAÇÃO ARTÍSTICA ARTES CÊNICAS

EDUCAÇÃO ARTÍSTICA ARTES CÊNICAS EDUCAÇÃO ARTÍSTICA ARTES CÊNICAS 01) Considere o texto a seguir.... é o resultado de um processo voluntário e premeditado de criação, em que a espontaneidade e o intuitivo também exercem papel de importância.

Leia mais

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional PERFIL PROFISSIONAL / IDENTIFICAÇÃO DA OCUPAÇÃO: Ocupação: FIGURINISTA CBO: 2624-10 Educação Formação Inicial e Continuada - Carga Horária Profissional: Nível da Eixo Produção Cultural 2 Qualificação:

Leia mais

Palavras-chave: teatralidade; análise de imagens; Marc Chagall; dramaturgia.

Palavras-chave: teatralidade; análise de imagens; Marc Chagall; dramaturgia. Teatralidade nas obras de Marc Chagall. Hayaldo Copque Fraga de Oliveira (Hayaldo Copque) Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas UFBA Mestrando Dramaturgia Or a. Prof a. Dr a. Catarina Sant'Anna Ator

Leia mais

Sonoplastia e/ou entorno acústico: seu lugar na cena teatral César Lignelli

Sonoplastia e/ou entorno acústico: seu lugar na cena teatral César Lignelli Sonoplastia e/ou entorno acústico: seu lugar na cena teatral César Lignelli Universidade de Brasília Palavras-chave: sonoplastia, entorno acústico, cena teatral O presente artigo remete-se ao conceito

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão O teatro épico, cujo principal nome é Bertolt Brecht (-), e o chamado teatro do absurdo, de autores como Samuel Beckett (0-) e Eugène Ionesco (0-), figuram entre as correntes que marcaram a dramaturgia

Leia mais

Teatro de Formas Animadas

Teatro de Formas Animadas Teatro de Formas Animadas O Teatro de Formas Animadas, ou teatro de animação, é um gênero teatral que inclui bonecos, máscaras, objetos, formas ou sombras, representando o homem, o animal ou ideias abstratas.

Leia mais

Reprodução técnica, Teatro, morte e renascimento

Reprodução técnica, Teatro, morte e renascimento Reprodução técnica, Teatro, morte e renascimento Ana Paula Teixeira Atriz e professora de teatro Universidade Federal de Uberlândia (PPGHIS/UFU) Resumo: Os meios técnicos de reprodução da obra teatral

Leia mais

OBJETIVOS CONTEUDOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Compreensão da dança a partir da especificidade da linguagem.

OBJETIVOS CONTEUDOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Compreensão da dança a partir da especificidade da linguagem. SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE CURITIBA DEPARTAMENTO DE ENSINO FUNDAMENTAL GERÊNCIA DE CURRÍCULO ARTE 1º ANO ARTE - DANÇA Compreensão da dança como OBJETIVOS CONTEUDOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Compreensão

Leia mais

II SEARA TEATRAL REGULAMENTO GERAL

II SEARA TEATRAL REGULAMENTO GERAL II SEARA TEATRAL Festival de Teatro Científico da Seara da Ciência REGULAMENTO GERAL II SEARA TEATRAL é o Festival de Teatro Científico da Seara da Ciência, que visa fomentar o diálogo entre a ciência

Leia mais

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo PROF. ALEMAR S. A. RENA www.fluxos.org SUJEITOS FICCIONAIS ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO CONCEITO INSEPARÁVEIS SUJEITO DA ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO EX. Maria escreveu um

Leia mais

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Turismo Histórico-Cultural diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Proposta de Recorte para a Conceituação de Turismo Cultural l o MTur, em parceria com o Ministério da Cultura e o IPHAN,

Leia mais

Palavras-chave: Teatro, cinema, pós-dramático, dramaturgia, ator

Palavras-chave: Teatro, cinema, pós-dramático, dramaturgia, ator O Pós-dramático e Sua Aplicabilidade: Teatro e Cinema Rafael Conde Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - UNIRIO Doutorando - Artes Cênicas Orientadora: Beatriz Resende Professor do Departamento

Leia mais

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO CR CHS AULAS PR ART501 Jogos Teatrais I - 3 60 2 2 1º ART503 Expressão Vocal I - 3 60 2 2 1º ART507

Leia mais

8. Tabela com sugestões de acessibilidade comunicacional para as diversas áreas da produção cultural (modelo Funcultura PE)

8. Tabela com sugestões de acessibilidade comunicacional para as diversas áreas da produção cultural (modelo Funcultura PE) 8. Tabela com sugestões de acessibilidade comunicacional para as diversas áreas da produção cultural (modelo Funcultura PE) Liliana Tavares O quadro abaixo mostra as formas de acessibilidade comunicacionais

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo Questão Conceitue texto dramático apontando as características desse tipo de texto e descrevendo-as, à luz das discussões a respeito dos conceitos de texto, leitura, subjetividade e interpretação. Resolução

Leia mais

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista Gisele da S. Gonçalves Roberta de S. Ramalho Palavras-chave: Percepção ambiental.

Leia mais

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos por Samir Selman Jr. De uma maneira geral, a Lei Rouanet foi criada para estimular a cultura nacional, como já detalhamos em outros artigos, como em "A

Leia mais

A Lenda do Menino da Gralha

A Lenda do Menino da Gralha 1 A Lenda do Menino da Gralha Ou a história do menino que vivia no meio do mar e queria ter asas 2 O Teatro do Mar, dando prossecução ao seu projeto de resgatar elementos da identidade cultural da região

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto definitivo

Resolução da Questão 1 Texto definitivo Questão O texto teatral no Brasil alcança a sua maioridade com as peças do dramaturgo Nelson Rodrigues (-0), equiparando-se ao que de mais significativo se produziu no Ocidente ao longo do século

Leia mais

LITERATUANDO Justificativa: Objetivos: Fantochia Produções

LITERATUANDO Justificativa: Objetivos: Fantochia Produções LITERATUANDO Justificativa: O projeto é uma iniciativa do Grupo Fantochia, visando o estímulo a leitura. Grupo Fantochia iniciou o projeto de contação de história, que percorreu diversas escolas da região

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 MÊS: maio Área de Conteúdo Domínio Objetivos Estratégias Formação Pessoal e Social

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

EDITAL nº 020/2015 MESTRADO EM LETRAS. (Recomendado pela CAPES na 156ª Reunião do CTC - dezembro/2014).

EDITAL nº 020/2015 MESTRADO EM LETRAS. (Recomendado pela CAPES na 156ª Reunião do CTC - dezembro/2014). EDITAL nº 020/2015 MESTRADO EM LETRAS (Recomendado pela CAPES na 156ª Reunião do CTC - dezembro/2014). DISCIPLINA ISOLADA 1º semestre de 2016 A Reitoria do CES/JF, no uso das atribuições que lhe foram

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS)

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS) 1 Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS) Curso de Licenciatura em Música DISCIPLINAS ELETIVAS / EMENTAS Análise Musical

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITECE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA Comissão do Concurso

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITECE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA Comissão do Concurso Departamento: CIÊNCIAS SOCIAIS Setor de Estudo: ANTROPOLOGIA 1. Historia e teoria antropológica. 2. Trabalho de campo: o método etnográfico. 3. Abordagens contemporâneas em etnografia. 4. Família, parentesco

Leia mais

A dramaturgia do ator e o processo de composição cênica

A dramaturgia do ator e o processo de composição cênica A dramaturgia do ator e o processo de composição cênica Andréa Stelzer Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas- UNIRIO Doutorado Processos e Métodos da Criação Cênica Or.Walder Virgulino de Souza Bolsa

Leia mais

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO A HIPERMÍDIA É UM NOVO A HIPERMÍDIA É UM NOVO PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO O texto identifica e organiza os elementos constitutivos da roteirização de produções audiovisuais como o cinema ou a televisão, e

Leia mais

CURSO STORYTELLING. O Poder das Narrativas. Realização. Co-realização. giramundo

CURSO STORYTELLING. O Poder das Narrativas. Realização. Co-realização. giramundo Realização Co-realização giramundo Integrar competências, conhecimento e prestígio, convergentes à área de marketing, de maneira fraterna, que promova e estabeleça as diretrizes para a aplicação e expansão

Leia mais

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Definição de Patrimônio l Patrimônio cultural é um conjunto de bens materiais e imateriais representativos da cultura de um grupo ou de uma sociedade. Problematização

Leia mais

O Grupo de Pesquisa Teatral Cena Aberta foi formado em Atualmente o grupo é formado por alunos do curso de Licenciatura em Educação Artística

O Grupo de Pesquisa Teatral Cena Aberta foi formado em Atualmente o grupo é formado por alunos do curso de Licenciatura em Educação Artística O Grupo de Pesquisa Teatral Cena Aberta foi formado em 2001. Atualmente o grupo é formado por alunos do curso de Licenciatura em Educação Artística Habilitação em Artes Cênicas e Licenciatura em Teatro.

Leia mais

COMO FORMATAR O SEU ROTEIRO HUGO MOSS

COMO FORMATAR O SEU ROTEIRO HUGO MOSS COMO FORMATAR O SEU ROTEIRO HUGO MOSS (Workshop Laboratório Sundance - 1996) Os elementos do roteiro Cabeçalhos Em inglês sluglines ou scenes headers. São escritos em maiúsculas e dão três informações:

Leia mais

Em busca da Felicidade E.E. Profª Irene Ribeiro

Em busca da Felicidade E.E. Profª Irene Ribeiro Em busca da Felicidade E.E. Profª Irene Ribeiro Professor(es) Apresentador(es): Tatiana Yukie Nakamoto Elenice Fernandes Realização: Foco do Projeto A cultura circense foi trazida para o contexto escolar

Leia mais

Jogo Coreográfico um exemplo co-autoral de protocolo de criação da dança carioca

Jogo Coreográfico um exemplo co-autoral de protocolo de criação da dança carioca Jogo Coreográfico um exemplo co-autoral de protocolo de criação da dança carioca Lígia Losada Tourinho UFRJ Palavras-chave: dramaturgia processo de criação interatividade Este é um artigo em primeira pessoa,

Leia mais

TEATRO - EMPRESARIAL

TEATRO - EMPRESARIAL TEATRO - EMPRESARIAL TEATRO-EMPRESARIAL Desenvolvido para pessoas que trabalham no mercado formal e que não possuem experiência teatral ou mesmo intimidade com a oratória e exposição social. Sua metodologia

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo Questão Considerando que a mais célebre das poéticas, a de Aristóteles, embasa-se, sobretudo, no teatro, redija um texto dissertativo acerca da poética da tragédia, abordando, necessariamente, os seguintes

Leia mais

EDUCAÇÃO PELO CINEMA XI: CINEMA CONTEMPORÂNEO E INCLUSÃO SOCIAL 1. Palavras-Chave: Educação, Inclusão social, Educação Especial.

EDUCAÇÃO PELO CINEMA XI: CINEMA CONTEMPORÂNEO E INCLUSÃO SOCIAL 1. Palavras-Chave: Educação, Inclusão social, Educação Especial. EDUCAÇÃO PELO CINEMA XI: CINEMA CONTEMPORÂNEO E INCLUSÃO SOCIAL 1 SILVA, Andreone de Amorim 2 NASCIMENTO, Grazielly Vilhalva Silva SILVA, Aline Maira 3 Palavras-Chave: Educação, Inclusão social, Educação

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUSTRÍLIO CAPILÉ CASTRO KÁTIA PATRÍCIA RIBEIRO O CASAL MAIS DIFERENTE E AMADO DOS ANOS 80 AINDA É LEMBRADO: EDUARDO E MÔNICA.

ESCOLA ESTADUAL AUSTRÍLIO CAPILÉ CASTRO KÁTIA PATRÍCIA RIBEIRO O CASAL MAIS DIFERENTE E AMADO DOS ANOS 80 AINDA É LEMBRADO: EDUARDO E MÔNICA. ESCOLA ESTADUAL AUSTRÍLIO CAPILÉ CASTRO KÁTIA PATRÍCIA RIBEIRO O CASAL MAIS DIFERENTE E AMADO DOS ANOS 80 AINDA É LEMBRADO: EDUARDO E MÔNICA. NOVA ANDRADINA MS MAIO DE 2015 Identificação. Título: O casal

Leia mais

Figurino na Amazônia: Investigações e Reflexões no contexto de

Figurino na Amazônia: Investigações e Reflexões no contexto de Figurino na Amazônia: Investigações e Reflexões no contexto de Belém do Pará. Graziela Ribeiro 1 Resumo: Este trabalho realiza um estudo sobre trajes de cena, englobando figurino teatral, cinematográfico,

Leia mais

CURSO DE TEATRO LICENCIATURA

CURSO DE TEATRO LICENCIATURA CURSO DE TEATRO LICENCIATURA AUTORIZAÇÃO: Resolução nº 5/1986 CONSUNI RECONHECIMENTO: Portaria Ministerial (MEC) nº 1466/1993 renovado pelo Decreto Estadual nº 700/2011 PERÍODO DE CONCLUSÃO: Mínimo: 4,5

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Professor Isaac Antonio Camargo 1 Licenciado em Desenho e Plástica UNAERP/SP Mestre em Educação UEL/PR Doutor em Comunicação e Semiótica PUC/SP 6. Arte e Valor Antes de pensarmos a Arte

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD Professor-Carlos Juscimar de Souza Série: 1º Turma:D Período:NOTURNO Ano: 2014 ESTRUTURANTE: ESPECÍFICO: Objetivo/Justificativa Metodologia Critério de. História Conhecer, contextualizar e da Arte: desenvolver

Leia mais

Em 2004 na II MOSTRA DO TEATRO CANDANGO: Prêmio de Melhor Ator e teve três indicações: Melhor Atriz, Melhor Cenografia e Melhor Espetáculo.

Em 2004 na II MOSTRA DO TEATRO CANDANGO: Prêmio de Melhor Ator e teve três indicações: Melhor Atriz, Melhor Cenografia e Melhor Espetáculo. CNPJ: 04.345.480/0001-83 Inscrição Estadual: 07.447.383/001-24 E-mail: mundinciadeteatro@gmail.com Website: http://mundinciadeteatro.blogspot.com Facebook: MundinCiaDeTeatro A Mundin Cia de Teatro é uma

Leia mais

SEMANA SANTA NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA LUZ COMUNIDADES DA MATRIZ E DA BARREIRA

SEMANA SANTA NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA LUZ COMUNIDADES DA MATRIZ E DA BARREIRA SEMANA SANTA NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA LUZ COMUNIDADES DA MATRIZ E DA BARREIRA A Paróquia de Nossa Senhora da luz, através das Comunidades da Matriz e da Barreira, convida você e sua família que reside

Leia mais

Histórico e ideal do grupo

Histórico e ideal do grupo Histórico e ideal do grupo O grupo de teatro de rua Nativos Terra Rasgada, foi fundado em 10 de janeiro de 2003. Até chegar a formação atual, passou por várias oficinas, workshops e cursos. A formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Unidade Curricular:

Leia mais

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho A Exposição Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho Quadro Geral da Disciplina Museológica 1 Museologia Geral Teoria museológica (fato museológico) História dos museus Administração museológica Curadoria

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus

Leia mais

CLIPAGEM. Páscoa» Espetáculo da Paixão de Cristo encenado por alunos do colégio Santa Emília

CLIPAGEM. Páscoa» Espetáculo da Paixão de Cristo encenado por alunos do colégio Santa Emília Páscoa» Espetáculo da Paixão de Cristo encenado por alunos do colégio Santa Emília Publicação: 18/03/2013 14:00 Atualização: Alunos do Colégio Santa Emília irão encenar nos dias 25, 26 e 27 de março, na

Leia mais

AGENDA OUTUBRO /QUARTA. artísticas comunitárias: abordagem poética do real* 19h30 às 21h30 Por uma pedagogia da dignidade 06/QUINTA

AGENDA OUTUBRO /QUARTA. artísticas comunitárias: abordagem poética do real* 19h30 às 21h30 Por uma pedagogia da dignidade 06/QUINTA AGENDA OUTUBRO 2016 01/SÁBADO 9h30 às 18h30 O som em cena* 10h às 17h Memória, Patrimônio e Museologia Social: germinações e irradiações** 10h às 17h Práticas artísticas comunitárias: abordagem poética

Leia mais

Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori

Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori - SUMÁRIO SINOPSE... 4 ESPETÁCULO... 5 FICHA TÉCNICA... 6 FOTOS... 7 MAPA TÉCNICO... 9 SINOPSE A montagem da

Leia mais

Grade Curricular - Comunicação Social. Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino

Grade Curricular - Comunicação Social. Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino Grade Curricular - Comunicação Social Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino SEMESTRE 1 CCA0218 Língua Portuguesa - Redação e Expressão Oral I 4 0 4 CCA0258 Fundamentos de Sociologia Geral

Leia mais

Livro e DVD reúnem artigos e filmes sobre experimentos em Antropologia da Performance

Livro e DVD reúnem artigos e filmes sobre experimentos em Antropologia da Performance Antropologia e Performance Ensaios Napedra Coleção Antropologia Hoje Organizadores: John C. Dawsey, Regina P. Müller, Rose Satiko G. Hikiji e Marianna F. M. Monteiro Livro e DVD reúnem artigos e filmes

Leia mais

PLANEJAMENTO Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES

PLANEJAMENTO Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES O homem e sua relação com o Transcendente LIDERANÇA CHAMADOS PARA FORMAR UMA NAÇÃO Favorecer

Leia mais

TEORIAS DO ESPETÁCULO E DA RECEPÇÃO

TEORIAS DO ESPETÁCULO E DA RECEPÇÃO TAPETE... O VOADOR TEORIAS DO ESPETÁCULO E DA RECEPÇÃO Marcus Mota * Universidade de Brasília-UnB marcusmota@unb.br Robson Corrêa de Camargo ** Universidade Federal de Goiás UFG robson.correa.camargo@gmail.com

Leia mais

Sobre pontos, retas e planos: a cenografia na composição em tempo real em dança contemporânea

Sobre pontos, retas e planos: a cenografia na composição em tempo real em dança contemporânea Sobre pontos, retas e planos: a cenografia na composição em tempo real em dança contemporânea On points, lines and planes: the scenography composition on real time in contemporary dance Emilliano Alves

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES APRENDIZAGENS A PROMOVER Construção da identidade e da auto estima *Conhecer e aceitar as suas caraterísticas pessoais

Leia mais

O Impressionismo é um movimento artístico surgido na França no século XIX que criou uma nova visão conceitual da natureza utilizando pinceladas

O Impressionismo é um movimento artístico surgido na França no século XIX que criou uma nova visão conceitual da natureza utilizando pinceladas O Impressionismo é um movimento artístico surgido na França no século XIX que criou uma nova visão conceitual da natureza utilizando pinceladas soltas dando ênfase na luz e no movimento. Geralmente as

Leia mais

Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009

Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009 Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009 Módulo Figuras e adereços dos folguedos populares Facilitadora Maria Cristina Meirelles

Leia mais

Diários de Pesquisa Visual - dispositivos para pensar a formação inicial em artes visuais

Diários de Pesquisa Visual - dispositivos para pensar a formação inicial em artes visuais Diários de Pesquisa Visual - dispositivos para pensar a formação inicial em artes visuais Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado Universidade Federal de Santa Maria Thais Raquel da Silva Paz Orientadora:

Leia mais

publicidade contemporânea através de análise fílmica de campanha da cerveja Polar Dupla Grenal

publicidade contemporânea através de análise fílmica de campanha da cerveja Polar Dupla Grenal publicidade contemporânea através de análise fílmica de campanha da cerveja Polar Dupla Grenal Augusto Rodrigues Parada 2 Resumo - - - Após a decupagem das cenas e dos roteiros dos comerciais da campanha

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 13 DE JUNHO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 13 DE JUNHO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.297, DE 13 DE JUNHO DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

apresenta Grupo Girino espetáculo

apresenta Grupo Girino espetáculo apresenta Grupo Girino espetáculo Apresentação MetaForMose é um espetáculo de teatro de bonecos que aborda a temática da metamorfose e das transformações e anseios da condição humana. O espetáculo é fruto

Leia mais

E d u c a ç ã o e C u l t u r a

E d u c a ç ã o e C u l t u r a A Menina de Pedra Lisboa Aula Magna 20 novembro 2015 09h30 11h00 14h00 Foco Musical Portugal Calçadas das Lajes, lt 21, lj E 1900-291 Lisboa, Portugal Tel.: (+351) 218 429 800 E-mail: geral@focomusical.pt

Leia mais

TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: ARTES VISUAIS

TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: ARTES VISUAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Niamey Granhen Brandão da Costa (IFCH/UFPA-CCBS/UNAMA) INTRODUÇÃO A escola é uma das instituições

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

Coleção Chamados à Vida Chamados À Vida, Chamados À Vida Em Jesus Cristo,

Coleção Chamados à Vida Chamados À Vida, Chamados À Vida Em Jesus Cristo, Coleção Chamados à Vida Em preparação à Eucaristia 1ª Etapa: Chamados à vida 2ª Etapa: Chamados à vida em Jesus Cristo 3ª Etapa: Chamados à vida em Comunidade. 4ª Etapa: Chamados à vida para amar e servir.

Leia mais

Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / EA EM APRENDIZAGEM S - SIM NO NÃO OBSERVADO N - NÃO. 1. Área de Formação Pessoal e Social

Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / EA EM APRENDIZAGEM S - SIM NO NÃO OBSERVADO N - NÃO. 1. Área de Formação Pessoal e Social 4 Anos Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / Momentos de Avaliação A Educadora de Infância O Encarregado de Educação 1º Período / / 2º Período / / 3º Período / / Código de Avaliação S - SIM N - NÃO EA

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I ANEXO I QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I Desemho básico Desemho intermediário Desemho básico de observação Desenho de observação Fotografia

Leia mais

1º Ao finalizar o 3º semestre do curso, os alunos optarão por cursar Artes Cênicas Licenciatura ou Artes Cênicas Bacharelado.

1º Ao finalizar o 3º semestre do curso, os alunos optarão por cursar Artes Cênicas Licenciatura ou Artes Cênicas Bacharelado. RESOLUÇÃO Nº 157 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA, no uso de suas atribuições legais e considerando o contido no Processo Nº. 23005.002262/2008-20, resolve:

Leia mais