Professora: Susana Rolim S. Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora: Susana Rolim S. Silva"

Transcrição

1 Professora: Susana Rolim S. Silva

2 Sociólogo, filósofo e antropólogo francês. Conferiu a Sociologia o reconhecimento acadêmico. Considerado por muitos o pai da Sociologia. Sua grande preocupação: estabelecer o objeto de estudo e o método de investigação da Sociologia. A Sociologia deveria tornar-se independente.

3 Tinha uma visão otimista da sociedade capitalista. Para ele, a divisão do trabalho não gerava conflitos, mas sim solidariedade. Não atribuía aos fatores econômicos as causas da crise nas sociedades européias. Para ele, o grande problema da sociedade moderna não era de cunho econômico, mas moral. Definiu o objeto de estudo da Sociologia

4 - Conjunto de teorias que apontam para a determinação da funcionalidade de certas instituições sociais sobre as formas de existência cultural. - Predominância da cultura sobre a economia e a política. - A partir das funções das instituições culturais é que os grupos humanos vão desenvolvendo suas estratégias de vida e organização social.

5 Consistem eles em maneiras de fazer ou de pensar, reconhecíveis pela particularidade de serem suscetíveis de exercer influência coercitiva sobre as consciências particulares. Apresentam uma maneira de ser constante. Possuem existência própria; o indivíduo encontra-os formados e não consegue impedi-los de existir, nem modificá-los. Institui certas maneiras de agir e de pensar.

6 O conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma sociedade. Sistema com vida própria e difusa em toda a sociedade. Pertence a uma instância moral e difere da consciência individual, embora se realiza nos indivíduos. Consciência coletiva nas sociedades simples ou arcaicas e nas sociedades complexas.

7 GENERALIDADE: Os fatos sociais estão presentes em todas as sociedades. EXTERIORIDADE: Eles são exteriores ao indivíduos. O devoto ao nascer encontra prontas as crenças e as práticas. COERCITIVIDADE: Eles impõem determinadas maneiras de agir e de pensar ao indivíduo. Vítimas de uma ilusão, acreditamos ser produto de nossa própria elaboração aquilo que nos é imposto do exterior.

8 O normal como padrão. O patológico: fere a consciência coletiva, agride os preceitos morais e põe em risco a integração social. O crime: normal ou patológico? Ele é geral e útil à sociedade: a transgressão favorece o fortalecimento dos valores feridos. A criminalidade e o suicídio: fatos sociais normais. O aumento de suas taxas os tornam patológicos. Anomia: carência de regulamentação social, de regras

9 Considerar os fatos sociais como coisas, cuja natureza não é passível de fácil modificação. Não que os fatos sociais sejam coisas materiais, e sim que constituem coisas tais como as coisas materiais, embora de maneira diferente. É preciso desconfiar sempre das primeiras impressões, afastar-se de todas as prenoções (base do método) e libertar-se de falsas evidências. Recusa a explicar o mais complexo pelo mais simples.

10 É todo objeto de conhecimento que a inteligência não penetra de maneira natural, tudo aquilo que não podemos formular uma noção adequada por simples processo de análise mental... É tudo o que é dado, tudo que se oferece à observação. Só podemos conhecer por meio da observação e experimentação, passando das características mais exteriores e mais acessíveis para as menos visíveis e mais profundas.

11 Para ele a divisão do trabalho, onde cada um é treinado e especializado numa determinada área, cria dependência entre os indivíduos. E essa dependência propicia o desenvolvimento de uma cooperação, de uma solidariedade entre os homens. Para que haja essa solidariedade é preciso que haja um consenso moral, ou seja, uma aprovação e aceitação por parte de todos os membros.

12 Implica consenso moral. Tipo de coesão social no qual todos os membros de um grupo se ajudam mutuamente movidos simplesmente por um impulso de solidariedade. Nessa forma de solidariedade os indivíduos estão unidos por laços de parentesco. O Direito Repressivo e Justiça Retributiva.

13 Forma de coesão baseada nas relações de troca, dentro de uma divisão diferenciada do trabalho (cada indivíduo dedica-se a uma especialidade e não têm como produzir tudo o que necessita- a troca de produtos). É fruto das diferenças sociais, já que são essas diferenças que unem os indivíduos pela necessidade de troca de serviços. Direito Restitutivo e Justiça Restaurativa.

14 Para melhor explicar a progressão de uma solidariedade a outra, ele examinou o desenvolvimento do sistema de leis, que segundo ele, são as prescrições morais, ou seja, aquilo que se recomenda praticar na sociedade. E todas as leis envolvem sanções que expressam o caráter obrigatório dos códigos morais. Nesse sentido, as leis e sanções vão servir como uma espécie de guia da conduta humana, mostrando aquilo que deve e não deve ser feito.

15 São aquelas características do direito civil e comercial e envolvem a restauração do estado de coisas que existiam antes da transgressão da lei. Seu objetivo é o reajustamento. Essas sanções servem para restituir a sociedade naquilo que lhe foi tirado. Exemplo: a obrigação de devolver ou pagar um bem que fora roubado.

16 São aquelas que se associam com a lei penal e consistem na aplicação de alguma forma de repressão ou de sofrimento. Exemplo: a perda da liberdade.

17 DURKHEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Editora Nacional, FILHO, Arnaldo Lemos et al. Sociologia Geral e do Direito. 3. ed. Campinas: Alínea, GIDDENS, Anthony. As ideias de Durkheim. São Paulo: Cultrix, MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, 2006.

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah 3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah QUEM FOI DURKHEIM? BIOGRAFIA Francês, nascido em Épinal, em 1858. Inaugurou o estudo da Sociologia. CONTEXTO / INFLUÊNCIAS Revolução Industrial / Neocolonialismo. Influenciado

Leia mais

Aula 6: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Émile Durkheim (I).

Aula 6: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Émile Durkheim (I). Aula 6: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Émile Durkheim (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

2. Explique o conceito de fato social e dê um exemplo da nossa realidade social que o represente.

2. Explique o conceito de fato social e dê um exemplo da nossa realidade social que o represente. Lista de Exercícios 1 - A Sociologia de Émile Durkheim 1. Cite e explique as características dos fatos sociais. 2. Explique o conceito de fato social e dê um exemplo da nossa realidade social que o represente.

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

TRÊS VISÕES SOBRE A SOCIEDADE MODERNA: positivismo, racionalismo, materialismo-histórico SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIN ( )

TRÊS VISÕES SOBRE A SOCIEDADE MODERNA: positivismo, racionalismo, materialismo-histórico SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIN ( ) TRÊS VISÕES SOBRE A SOCIEDADE MODERNA: positivismo, racionalismo, materialismo-histórico SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIN (1858-1917) Compreender a sociedade moderna = observar as diferentes contribuições

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917)

A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917) A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917) Instituto de Filosofia, Sociologia e Política Disciplina: Fundamentos de Sociologia Prof. Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015 I CONCEPÇÃO DE CIÊNCIA

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

CSO 001 Introdução à Sociologia. Aula 6 16/05/2016 auladesociologia.wordpress.com

CSO 001 Introdução à Sociologia. Aula 6 16/05/2016 auladesociologia.wordpress.com CSO 001 Introdução à Sociologia Aula 6 16/05/2016 dmitri.fernandes@udf.edu.br auladesociologia.wordpress.com As Regras do Método Sociológico Sociólogos haviam se preocupado pouco com a questão do método

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) Segundo Marx,as relações de produção ou a natureza da produção e a organização do trabalho, determinam a organização de uma sociedade em um específico momento histórico. Em relação ao pensamento de

Leia mais

Desigualdades e identidades sociais. Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais

Desigualdades e identidades sociais. Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais Desigualdades e identidades sociais Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais As classes sociais e as desigualdades sociais Uma desigualdade social consiste na repartição não uniforme, na

Leia mais

Sociologia pertence ao grupo das ciências sociais e humanas.

Sociologia pertence ao grupo das ciências sociais e humanas. Sociologia pertence ao grupo das ciências sociais e humanas. A Sociologia utiliza um conjunto de conceitos, técnicas e métodos de investigação, para poder explicar a vida social. VIDA SOCIAL A vida social

Leia mais

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Positivismo de Augusto Comte, Émile Durkheim e Karl Marx Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo;

Leia mais

Solidariedade e Vida Social entre os brasileiros

Solidariedade e Vida Social entre os brasileiros Professora Cíntia Solidariedade e Vida Social entre os brasileiros Professora Cíntia 1 Conceito Solidariedade é o substantivo feminino que indica a qualidade de solidário e um sentimento de identificação

Leia mais

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo:

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: A produção teórica dos clássicos da Sociologia. 2 Habilidade: Conhecer as teorias sociológicas clássicas e seus principais objetos de estudos.

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917)

Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917) Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917) O que é fato social: Durkheim definiu o objeto de estudo, o método e as aplicações da Sociologia como ciência. Objeto de estudo da Sociologia definido

Leia mais

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA A consciência de nossa humanidade nesta era planetária deveria conduzir-nos à solidariedade e à comiseração recíproca, de indivíduo para indivíduo, de todos

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos parte1

Os Sociólogos Clássicos parte1 Os Sociólogos Clássicos parte1 Augusto Comte Comte e a reforma da sociedade Émilie Durkheim A teoria dos fatos sociais em Durkheim Solidariedade Social Teoria do Suicídio Música: Suicídio em sete cores

Leia mais

Durkheim. Durkheim. Tipologia Social. Sociologia. Consciência Coletiva. Divisão Social do Trabalho SOCIEDADE HOMEM

Durkheim. Durkheim. Tipologia Social. Sociologia. Consciência Coletiva. Divisão Social do Trabalho SOCIEDADE HOMEM Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Ciências naturais Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade Mecânica (SSM): arcaicas Solidariedade Orgânica (SSO): avançadas Objetividade

Leia mais

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Sociologia Professor Scherr PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Comunismo primitivo os homens se unem para enfrentar os desafios da natureza. Patriarcal domesticação de animais, uso

Leia mais

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Correntes de pensamento que tem o objetivo de explicar a origem do direito; Cada uma afirma que o direito provém de uma fonte

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO AULA 1 MORAL, ÉTICA E DIREITO OBJETIVO Distinguir Direito, de Ética e de Moral MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL - MORAL - ÉTICA - REGRAS DE TRATO SOCIAL - RELIGIÃO SÓ DESCREVEM

Leia mais

SUIÇA POLÍTICA CRIMINAL SOBRE DROGAS

SUIÇA POLÍTICA CRIMINAL SOBRE DROGAS SUIÇA POLÍTICA CRIMINAL SOBRE DROGAS SUIÇA o SITUADA NA EUROPA CENTRAL, CAPITAL BERNA; o FRONTEIRA COM A FRANÇA, ALEMANHA, ITÁLIA E LIECHTENSTEIN; o POPULAÇÃO DE 7,86 MILHÕES DE HABITANTES; o LÍNGUAS OFICIAIS:

Leia mais

A teoria social Émile. Durkheim 1858-1917. Prof. Dieikson de Carvalho

A teoria social Émile. Durkheim 1858-1917. Prof. Dieikson de Carvalho A teoria social Émile Durkheim 1858-1917 1917 Prof. Dieikson de Carvalho Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

Bateria de Sociologia I trimestre

Bateria de Sociologia I trimestre Colégio: Nome: Nº Professor (a): Série: 1º ano Data: / /2014 Bateria de Sociologia I trimestre Turma: 01. Qual é o papel da reforma protestante na ideia do individuo. 02. Qual é o papel da língua para

Leia mais

Émile Durkheim (1858-1917) Por: lucmodes www.sociobox.wordpress.com

Émile Durkheim (1858-1917) Por: lucmodes www.sociobox.wordpress.com Émile Durkheim (1858-1917) Por: lucmodes www.sociobox.wordpress.com Durkheim Nasceu em Epinal, na Alsácia, descendente de uma família de rabinos. Lecionou Sociologia em Bordéus, primeira cátedra dessa

Leia mais

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro AULA AO VIVO Professora Laira Pinheiro Folha de São Paulo, São Paulo, 28 out., 1993, pg.6, cad.4. Você sabe o que é ética? Será que ela tem preço? Qual é o seu valor? A ética está em crise? Vivemos numa

Leia mais

Facebook.com/concursovirtual Gestão de pessoas Trabalho em equipe O que é um grupo? Grupo primário x Grupo Secundário Os grupos podem ser formais ou informais. Formais - designados pela organização. Criados

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA Mais uma vez a UFPR oferece aos alunos uma prova exigente e bem elaborada, com perguntas formuladas com esmero e citações muito pertinentes. A prova de filosofia da UFPR

Leia mais

O ESTUDO DA FILOSOFIA NA FORMAÇÃO JURÍDICA. PALAVRAS-CHAVE: Filosofia, ensino, educação, Curso de Graduação em Direito.

O ESTUDO DA FILOSOFIA NA FORMAÇÃO JURÍDICA. PALAVRAS-CHAVE: Filosofia, ensino, educação, Curso de Graduação em Direito. O ESTUDO DA FILOSOFIA NA FORMAÇÃO JURÍDICA. Flávio Bento. UNOPAR. flavio@unopar.br Marcia Hiromi Cavalcanti Bento. marciacavalcantibento@gmail.com RESUMO O presente estudo tem como objeto analisar o estudo

Leia mais

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia.

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia. Platão era filho da aristocracia ateniense. Foi discípulo de Sócrates. Sua obra reflete o momento caótico pelo qual passou Atenas no decorrer de sua vida A crise da sociedade ateniense está ligada à guerra

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA Exposição de motivos A sociedade moderna tem por obrigação fornecer os instrumentos

Leia mais

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes Lei de Parcerias - Lei nº 13.019/14 Fundamentos Princípios Diretrizes Lei nº 13.019/14 Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros,

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 04. DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 04. DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 04 DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO

DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO Fernanda Luiza Fontoura de Medeiros Pesquisadora do CNPq Doutora em Direito (UFSC/Coimbra) Mestre em Direito (PUCRS) Professora Adjunta

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

6. MATRIZ CURRICULAR 6.1. Núcleos de conhecimento estruturais do curso e respectivos componentes curriculares

6. MATRIZ CURRICULAR 6.1. Núcleos de conhecimento estruturais do curso e respectivos componentes curriculares 6. MATRIZ CURRICULAR 6.1. Núcleos de conhecimento estruturais do curso e respectivos componentes curriculares O perfil de profissional a ser formado pelo Curso de Graduação em da UFSCar/Sorocaba baseia-se

Leia mais

Émile Durkheim 1858-1917

Émile Durkheim 1858-1917 Émile Durkheim 1858-1917 Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele concebia a relação entre indivíduo e sociedade

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

Sociologia Organizacional

Sociologia Organizacional Sociologia Organizacional Aula 2 Organização da Aula Aula 2 - a institucionalização da sociologia: o estudo de August Comte e Emile Durkheim Prof. Me. Anna Klamas A perspectiva sociológica da análise social

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Revisão Antropologia II Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Evolucionismo Tylor, Fraser, Morgan Unidade humana, compreensão das diferenças através de uma linha evolutiva da humanidade,

Leia mais

(1724-1804) Immanuel. Kant

(1724-1804) Immanuel. Kant Prof. José Leopoldo Ferreira Antunes Immanuel Kant (1724-1804) Movimento intelectual da segunda metade do século XVIII ("século das luzes") que enfatizava a ciência e a razão como formas efetivas para

Leia mais

ECONOMIA POLÍTICA MATERIAL PREPARADO PARA A DISCIPLINA DE ECONOMIA POLÍTICA, PROFESSORA CAMILA MANDUCA.

ECONOMIA POLÍTICA MATERIAL PREPARADO PARA A DISCIPLINA DE ECONOMIA POLÍTICA, PROFESSORA CAMILA MANDUCA. ECONOMIA POLÍTICA AULA BASEADA NO CAPÍTULO 2 CATEGORIAS DA CRÍTICA DA ECONOMIA POLÍTICA, DO LIVRO ECONOMIA POLÍTICA- UMA INTRODUÇÃO CRÍTICA, DE JOSÉ PAULO NETTO E MARCELO BRAZ MATERIAL PREPARADO PARA A

Leia mais

Disciplina de Filosofia. Prof.ª Ana Paula

Disciplina de Filosofia. Prof.ª Ana Paula Disciplina de Filosofia Prof.ª Ana Paula Eixo: Ética Tema: Moral e Ética Objetivo Geral: Refletir sobre os conceitos de Moral e Ética. Reflexão... A Fábula da Convivência [Leitura e Discussão] Imagem ilustrativa

Leia mais

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito 2016-2 HORÁRIO DO 1º SEMESTRE 1ª Aula Humanidades em Direito Redação e Linguagem Jurídica Filosofia e Direito Ciência Política e Teoria do Estado Introdução ao Estudo do Direito 2ª Aula Humanidades em

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina DT Introdução ao Estudo do Direito - Ativa desde: 01/01/2016. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36

Pré-requisito Coreq Disciplina DT Introdução ao Estudo do Direito - Ativa desde: 01/01/2016. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36 1 de 6 Nível:BACHARELADO Início: 20021 01 - - DT16101 - Introdução ao Estudo do Direito - Ativa desde: DT16102 - Língua Portuguesa - Ativa desde: DT16103 - Filosofia - Ativa desde: DT16104 - Metodologia

Leia mais

LEMBREM-SE QUE O ALUNO SÓ PODERÁ FAZER UMA PROVA SUPLETIVA - OU DA PROVA INTERMEDIÁRIA OU DA PROVA FINAL

LEMBREM-SE QUE O ALUNO SÓ PODERÁ FAZER UMA PROVA SUPLETIVA - OU DA PROVA INTERMEDIÁRIA OU DA PROVA FINAL TURMA 1D-1M 7:30/9:10 PORTUGUES INSTRUMENTAL AULA 9:30/11:10 PORTUGUES INSTRUMENTAL AULA 7:30/9:10 HISTÓRIA DO DIREITO FORMAÇÃO DO MUNDO CONTEPORÂNEO PROVA 9:30/11:10 MÉTODOS E TÉCNICAS DA PESQUISA JURÍDICA

Leia mais

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL BASTOS, Rachel Benta Messias Faculdade de Educação rachelbenta@hotmail.com Os seres humanos produzem ações para garantir a produção e a reprodução da vida. A ação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: SOCIOLOGIA I 0560055 1.2. Unidade:

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

CALENDÁRIO DE PROVAS INTERMEDIÁRIAS 1º SEMESTRE/2016 TURMA 1D-1N

CALENDÁRIO DE PROVAS INTERMEDIÁRIAS 1º SEMESTRE/2016 TURMA 1D-1N TURMA 1D-1N 19:00/20:40 TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO 20:55/22:35 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DO DIREITO 19:00/20:40 TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO 20:55/22:35 PORTUGUÊS - EAD 19:00/20:40 CIÊNCIA POLÍTICA

Leia mais

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Recolha e tratamento da informação;

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Recolha e tratamento da informação; ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ECONOMIA C 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Sociologia 12) Assinale

Leia mais

EMILE DURKHEIM E O FATO SOCIAL

EMILE DURKHEIM E O FATO SOCIAL EMILE DURKHEIM E O FATO SOCIAL EMILE DURKHEIM (1858-1917) -Livro: as regras do Método Sociológicos (1895) -Relações entre indivíduo e sociedade -Contribuição: a sociologia é uma disciplina que pode ser

Leia mais

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos,

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, Alfândegas Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 Alfândegas O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, com

Leia mais

A sociologia de Marx. A sociologia de Marx Monitor: Pedro Ribeiro 24/05/2014. Material de apoio para Monitoria

A sociologia de Marx. A sociologia de Marx Monitor: Pedro Ribeiro 24/05/2014. Material de apoio para Monitoria 1. (Uel) O marxismo contribuiu para a discussão da relação entre indivíduo e sociedade. Diferente de Émile Durkheim e Max Weber, Marx considerava que não se pode pensar a relação indivíduo sociedade separadamente

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política

Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política Introdução Esta dissertação procura explorar a importância dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política de cooperação para

Leia mais

UNIDADE = LEI CONCEITO

UNIDADE = LEI CONCEITO UNIDADE = LEI CONCEITO Preceito jurídico (norma) escrito, emanado (que nasce) de um poder estatal competente (legislativo federal, estadual ou municipal ou poder constituinte) com características (ou caracteres)

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: SOCIOLOGIA GERAL E JURÍDICA Código da Disciplina: Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 2º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de:

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 1 INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise da relação entre indivíduo e sociedade na obra durkheimiana.

Leia mais

DIFERENÇA ENTRE MORAL E ÉTICA. Ms Karla Carioca

DIFERENÇA ENTRE MORAL E ÉTICA. Ms Karla Carioca DIFERENÇA ENTRE MORAL E ÉTICA CONHECENDO O PROFESSOR Karla Jeanny Falcão Carioca Mestre em Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com MBA em Gestão de Negócios de Energia Elétrica pela

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais PROJECTO DE RESOLUÇÃO Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exmo. Sr. Presidente do Governo Exma. Sra. e

Leia mais

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes.

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes Professora Renata Lourdes. renatalourdesrh@hotmail.com CONCEITO DE ÉTICA Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR DEFINIÇÃO E FUNÇÕES DE TEORIA Prof. Bento QUESTÕES Pré-teste Doc. # 1 Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA

Leia mais

Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA

Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA FUNDAÇÃO FORD IIDH Instituto Interamericano de Direitos Humanos

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI BRI 009 Teorias Clássicas das RI Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI Janina Onuki IRI/USP janonuki@usp.br 23 e 24 de setembro de 2015 ESCOLA INGLESA Abordagem que busca se diferenciar do debate

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 25/XIII

PROPOSTA DE LEI N.º 25/XIII PROPOSTA DE LEI N.º 25/XIII PROCEDE À ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 215/89, DE 1 DE JULHO E À ALTERAÇÃO DO CÓDIGO DO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS, APROVADO

Leia mais

Aula 2 Teoria Geral do Processo. DEFINIÇÃO DE TEORIA GERAL DO PROCESSO.

Aula 2 Teoria Geral do Processo. DEFINIÇÃO DE TEORIA GERAL DO PROCESSO. Aula 2 Teoria Geral do Processo. DEFINIÇÃO DE TEORIA GERAL DO PROCESSO. Teoria, qual o seu significado? É um corpo de conceitos sistematizados que nos permite conhecer determinado domínio da realidade.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Sociologia Aplicada Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2 1 - Ementa (sumário, resumo) Teorias sociológicas e seus relacionamentos

Leia mais

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS Sumário Apresentação... 11 A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS 1. Razões de nosso interesse por este assunto. Por que usamos a imagem do vale de lágrimas... 21 2. A geologia do vale de lágrimas e

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

Introdução. 1. Sociedade e Sociologia.

Introdução. 1. Sociedade e Sociologia. SOCIOLOGIA I 1 Introdução Você já parou para pensar por que você se veste desta maneira? Por que gosta de tal estilo de música e não gosta de outro por que fala português e não outra língua ou ainda, por

Leia mais