Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná"

Transcrição

1 Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná GOVERNO DO PARANA

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12 5 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ INFRA-ESTRUTURA SISTEMA ELÉTRICO E MALHA VIÁRIA 750 kv ca 138 kv 600 kv cc 69 kv 525 kv 34,5 kv 230 kv Linhas em Construção Subestações Usinas Rodovias Rios Áreas Urbanas, Cidades Torres de Monitoramento Projeto VENTAR ( ) Torres de Monitoramento LACTEC-COPEL ( ) NV NW ESCALA 1 : NE W E SW Projeção UTM Zona 22 S, Datum SAD'69 SE S km

13

14 7 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ 26ºC 25ºC 24ºC 23ºC 22ºC 21ºC 20ºC 19ºC 18ºC 17ºC 16ºC 15ºC 14ºC 13ºC 12ºC 11ºC 10ºC ESCALA 1 : FIGURA Temperatura média anual no Estado do Paraná. TEMPERATURA MÉDIA ANUAL Mapas desenvolvidos a partir de dados climatológicos coletados em 33 estações do IAPAR [38] entre 1972 e 2005, ajustados para altitude conforme equações da atmosfera padrão ISA. 27ºC

15 8 FIGURA 1.7 Temperatura média trimestral no Estado do Paraná. VERÃO OUTONO Janeiro-Março Abril-Junho INVERNO PRIMAVERA Julho-Setembro Outubro-Dezembro

16

17

18

19

20

21

22

23 16 ESCALA 1 : FIGURA Modelo Digital de Rugosidade

24 17 ESCALA 1 : FIGURA Modelo Digital de Relevo

25 18 ESCALA 1 : FIGURA Imagem do Satélite LandSat 5

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35 28 FIGURA Distribuição da intensidade dos ventos e dos regimes diurnos e sazonais sobre o Estado do Paraná MARINGÁ SANTO ANDRÉ ILHA DO MEL (proj. VENTAR 1995) VEN TO S MÉ PALMAS DIOS ANU AIS MAIS INTE NSO S DO DI A QUIRIRI VELOCIDADE NORMALIZADA MÉDIA HORÁRIA / MÉDIA ANUAL HO RA SÃO LUIZ M ÊS DO A NO

36

37

38 31 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ ROSA-DOS-VENTOS ANUAL FREQÜÊNCIAS x DIREÇÃO Resultados do modelamento de mesoescala MesoMAP (TrueWind), calculado a partir de amostragem de dados de reanálise (NCAR) representativos para um período de 15 anos. O mapa de rosa-dos-ventos é sobreposto ao relevo. Torres de Monitoramento Projeto VENTAR ( ) Torres de Monitoramento LACTEC-COPEL ( ) NV NW ESCALA 1 : NE W E SW Projeção UTM Zona 22 S, Datum SAD'69 SE S km

39 32 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ ROSA-DOS-VENTOS ANUAL VELOCIDADES A 50m x DIREÇÃO Resultados do modelamento de mesoescala MesoMAP (TrueWind), calculado a partir de amostragem de dados de reanálise (NCAR) representativos para um período de 15 anos. O mapa de rosa-dos-ventos é sobreposto ao relevo. Torres de Monitoramento Projeto VENTAR ( ) Torres de Monitoramento LACTEC-COPEL ( ) NV NW ESCALA 1 : NE W E SW Projeção UTM Zona 22 S, Datum SAD'69 SE S km

40 33 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ Densidade do ar calculada a partir de dados climatológicos coletados em 33 estações do IAPAR entre 1972 e 2005 [38], ajustados Para Altitude conforme equações da atmosfera padrão ISA. NV NW ESCALA 1 : NE W E SW Projeção UTM Zona 22 S, Datum SAD'69 SE S km

41 34 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ FATOR DE FORMA k DE WEIBULL Calculado a partir do modelo de mesoescala MesoMap (TrueWind Solutions, LLC) e de medições anemométricas em torres de 50m e 60m de altura. k æuö f (u ) = ç C èc ø k -1 e æuö -ç ècø onde C (m/s) é o parâmetro de escala, e k, o parâmetro de forma. Rodovias Rios Cidades Torres de Monitoramento Projeto VENTAR ( ) Torres de Monitoramento LACTEC-COPEL ( ) NV NW ESCALA 1 : NE W E SW Projeção UTM Zona 22 S, Datum SAD'69 SE S km FATOR DE FORMA ANUAL Distribuição Estatística de Weibull, freqüência de ocorrência de uma velocidade v, ou seja, p(v), expressa por k

42

43

44

45 38 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ VERÃO Janeiro-Março OUTONO Abril-Junho INVERNO PRIMAVERA Julho-Setembro Outubro-Dezembro VELOCIDADE MÉDIA A 50m DE ALTURA [m/s] POTENCIAL EÓLICO SAZONAL

46 39 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ VERÃO Janeiro-Março OUTONO Abril-Junho INVERNO PRIMAVERA Julho-Setembro Outubro-Dezembro VELOCIDADE MÉDIA A 75m DE ALTURA [m/s] POTENCIAL EÓLICO SAZONAL

47 40 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ VERÃO Janeiro-Março OUTONO Abril-Junho INVERNO PRIMAVERA Julho-Setembro Outubro-Dezembro VELOCIDADE MÉDIA A 100m DE ALTURA [m/s] POTENCIAL EÓLICO SAZONAL

48

49

50

51

52

53

54

55

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012 0A 99/99/99 Emissão inicial deste documento Sigla Sigla Sigla Rev. Data Descrição da Revisão Elaboração Verificação Aprovação RELATÓRIO ELETROSUL Centrais Elétricas SA CONTRATO/LICITAÇÃO: xxxxxx PECN-P-ELRL-ESM-W05-0001

Leia mais

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ):

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS (Figuras) CLIENTE: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP EXECUTORES: Cartografia, Hidrografia e

Leia mais

Estado do RIO GRANDE DO NORTE

Estado do RIO GRANDE DO NORTE Potencial Eólico Estado do RIO GRANDE DO NORTE Potencial Eólico do Estado do RIO GRANDE NORTE DO Potencial Eólico do Estado do RIO GRANDE NORTE DO 2003 Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento COSERN - ANEEL

Leia mais

COMPLEXO ALTO DOS VENTOS I (BRASIL)

COMPLEXO ALTO DOS VENTOS I (BRASIL) ANEMOMÉTRICAS E CERTIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO ANUAL DE ENERGÍA COMPLEXO ALTO DOS VENTOS I CÓDIGO BRN 075/14 30/06/2014 REVISÃO 00 CERTIFICAÇÃO DAS MEDIÇÕES ANEMOMÉTRICAS E CERTIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO ANUAL DE

Leia mais

Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br

Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br A geração eólica depende diretamente da velocidade do vento. A velocidade do vento

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

Metodologia de Atualização do Atlas Eólico Brasileiro

Metodologia de Atualização do Atlas Eólico Brasileiro Metodologia de Atualização do Atlas Eólico Brasileiro Elaborado por: Fabiano de Jesus Lima da Silva Odilon Antônio Camargo do Amarante Ramon Morais de Freitas Paulo Emiliano Piá de Andrade Para: Agência

Leia mais

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Rafael Gonçalves dos Santos, Wesley Esdras Santiago, Patrick Diesel, Jair Antônio

Leia mais

Metodologia de Atualização do Atlas Eólico Brasileiro

Metodologia de Atualização do Atlas Eólico Brasileiro Atlas Eólico Brasileiro Elaborado por: Fabiano de Jesus Lima da Silva Odilon Antônio Camargo do Amarante Ramon Morais de Freitas Paulo Emiliano Piá de Andrade Frederico Eduardo da Cunha Estante Para: Agência

Leia mais

CLIMATOLOGICA EÓLICA DE SANTA CATARINA

CLIMATOLOGICA EÓLICA DE SANTA CATARINA 1 CLIMATOLOGICA EÓLICA DE SANTA CATARINA Daniel Andrijic Malandrin Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro, Florianópolis -SC CEP 88020-300 danielandrijic@gmail.com

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTAÇÕES DE MEDIÇÃO

Leia mais

Recurso Eólico Sistemas de Pequeno Porte

Recurso Eólico Sistemas de Pequeno Porte Localidade: São Martiho da Serra Ve locidade (m/s ) Altura m Torre Estação Meteorol ógica SMS Altura m Torre Fator de Forma (k):, Fator de Escala (c):, m/s Estação Meteorológica SMS Recurso Eólico Sistemas

Leia mais

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO,

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, 593 o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Elza Correia Sucharov (1) Margarete O. Domingues (2) Ana Lucia M. da Silva (1) (1) Departamento de Meteorologia/UFRJ

Leia mais

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo Brauer Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RIO GRANDE DO SUL RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Estado do Rio Grande do Sul Governador: Olívio Dutra Secretaria de Energia, Minas e Comunicações - SEMC Secretária: Dilma Vana Rousseff A881

Leia mais

p (Watts) turbina, r ugosidade de terreno e condição de estabilidade mecanismo solar-planetário permanente, cuja duração é

p (Watts) turbina, r ugosidade de terreno e condição de estabilidade mecanismo solar-planetário permanente, cuja duração é 3. ENERGIA EÓLICA E TECNOLOGIA 3.1 O VENTO Uma turbina eólica capta uma parte da energia cinética do aerodinâmica nas pás do rotor resulta uma esteira vento, que passa através da área varrida pelo rotor,

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI 0a Revisão nas referências 03/12/2010 KCAR/SMMF 03/12/2010 AQ 0 Emissão inicial 05/11/2010 KCAR/SMMF 05/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS

Leia mais

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003)

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003) Energia Eólica Offshore Carlos Leandro da Silva Júnior M.Sc. Oceanógrafo Diretor da AMBIPETRO FÓRUM NACIONAL EÓLICO Natal - Junho/2009 Contexto Mundial da Energia Eólica A Fonte Eólica foi a que mais cresceu

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DE UMA MICRO-REGIÃO UTILIZANDO UM MODELO DE CAMADA LIMITE ATMOSFÉRICA

ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DE UMA MICRO-REGIÃO UTILIZANDO UM MODELO DE CAMADA LIMITE ATMOSFÉRICA Revista Iberoamericana de Ingeniería Mecánica. Vol. 17, N.º 2, pp. 59-71, 2013 ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DE UMA MICRO-REGIÃO UTILIZANDO UM MODELO DE CAMADA LIMITE ATMOSFÉRICA RAMON MOLINA VALLE 1, GILBERTO

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

Clima de Passo Fundo

Clima de Passo Fundo Clima de Passo Fundo Clima de Passo Fundo - Normais Climatológicas Pela classificação de Köppen, Passo Fundo (28º15 S, 52º 24 W e 687 m de altitude) está localizada na Zona Climática fundamental temperada

Leia mais

LEVANTAMENTO TOPOCLIMÁTICO DA RPPN SANTUÁRIO DO CARAÇA

LEVANTAMENTO TOPOCLIMÁTICO DA RPPN SANTUÁRIO DO CARAÇA LEVANTAMENTO TOPOCLIMÁTICO DA RPPN SANTUÁRIO DO CARAÇA LEVANTAMENTO TOPOCLIMÁTICO DA RPPN SANTUÁRIO DO CARAÇA Alecir Antonio Maciel Moreira * Carla Cristina Alves Pereira ** RESUMO A interatividade dos

Leia mais

Energia Eólica. Energia do carbono às renováveis 3º Ano da Licenciatura em Ciências do Ambiente -1- Joaquim Carneiro

Energia Eólica. Energia do carbono às renováveis 3º Ano da Licenciatura em Ciências do Ambiente -1- Joaquim Carneiro Energia do carbono às renováveis 3º Ano da Licenciatura em Ciências do Ambiente -1- Edificios O Vento Fotovoltaicos Energía y estética en la arquitectura A origem do vento está diretamente relacionada

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES A Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios 2 A Habilidades: Aula 1: Entender como ocorre o movimento de Translação da Terra e

Leia mais

Interconexão energética entre municípios. Inclusão da agroenergia nas estratégias de interconexão energética no eixo agroeconômico Brasil-Argentina.

Interconexão energética entre municípios. Inclusão da agroenergia nas estratégias de interconexão energética no eixo agroeconômico Brasil-Argentina. GVC GruppodiVolontariatoCivile Relatório Técnico Interconexão energética entre municípios. Inclusão da agroenergia nas estratégias de interconexão energética no eixo agroeconômico Brasil-Argentina. Estudo

Leia mais

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE CONFORTO O TÉRMICO EM SALVADOR ADOR Tereza Moura (1) Jussana Nery (1) (1; 2) Telma Andrade Lutz Katzschner (3) INTRODUÇÃO Salvador possui 2.7 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS Rosidalva Lopes Feitosa da Paz 1, Andre de Oliveira Amorim 2 e Raimundo Mainar de Medeiros 3 1 Física e Coordenadora

Leia mais

Monitoramento dos Recursos Hídricos da Bacia do Rio Purus e Impactos dos Jatos de Baixos Níveis na Precipitação sobre a Bacia do Prata

Monitoramento dos Recursos Hídricos da Bacia do Rio Purus e Impactos dos Jatos de Baixos Níveis na Precipitação sobre a Bacia do Prata Monitoramento dos Recursos Hídricos da Bacia do Rio Purus e Impactos dos Jatos de Baixos Níveis na Precipitação sobre a Bacia do Prata Carlos Frederico Angelis Baldemar Mendez Antonio Marília Guedes Nascimento

Leia mais

PEA 5002- ENERGIA EÓLICA FUNDAMENTOS E VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

PEA 5002- ENERGIA EÓLICA FUNDAMENTOS E VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA PEA 5002- ENERGIA EÓLICA FUNDAMENTOS E VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA Aula 6: Potencial eólico do parque eólico Distribuição das turbinas no parque Produção de energia de um parque Recordando: Importante:

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

Estimation of wind power in Palotina, PR

Estimation of wind power in Palotina, PR 94 Estimativa do potencial eólico no Município de Palotina - Paraná Maikel Jumes de Campos 1, Paulo Sergio Vendramini 1, Reginaldo Ferreira Santos 1,2 Luiz Inácio Chaves 2, Helton Aparecido Rosa 2, Samuel

Leia mais

Anexo 5.3 - presentação do

Anexo 5.3 - presentação do RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 5.3 - presentação do Plano Mestre e Plano Urbanístico Básico Os Planos

Leia mais

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Dados divulgados nesta semana das anomalias de temperatura da superfície do mar no Oceano Pacífico indicaram que fenômeno El Niño está na presente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 07 a Aula CARTA INTERNACIONAL DO

Leia mais

A Energia Solar e o Potencial Fotovoltaico do Estado do Paraná

A Energia Solar e o Potencial Fotovoltaico do Estado do Paraná A Energia Solar e o Potencial Fotovoltaico do Estado do Paraná Prof. Dr. Gerson M. Tiepolo - tiepolo@utfpr.edu.br Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Departamento Acadêmico de Eletrotécnica

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE VENTOS EXTREMOS. Função Densidade de Probabilidade para Ventos Extremos Tipo I (Gumbel) exp

DISTRIBUIÇÕES DE VENTOS EXTREMOS. Função Densidade de Probabilidade para Ventos Extremos Tipo I (Gumbel) exp II. DISTRIBUIÇÕES DE VENTOS EXTREMOS A seguir, são apresentadas as distribuições de probabilidade utilizadas no desenvolvimento dos mapas de ventos extremos para o Rio Grande do Sul, conforme descrito

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT 24 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO - GLT ANÁLISE ESTATÍSTICA DA

Leia mais

CE-EÓLICA PUCRS UNIVERSITY CE-EÓLICA PUCRS UNIVERSITY ATIVIDADES CE-OLICA NOVAS TECNOLOGIAS - ETAPAS GERAIS DO PROJETO

CE-EÓLICA PUCRS UNIVERSITY CE-EÓLICA PUCRS UNIVERSITY ATIVIDADES CE-OLICA NOVAS TECNOLOGIAS - ETAPAS GERAIS DO PROJETO ATIVIDADES CE-OLICA Jorge A. Villar Alé CE-EÓLICA villar@pucrs.br AVALIAÇAO DO GERADOR EM BANCADA AVALIAÇAO AERODINÂMICA DE AEROFÓLIOS DESEMPENHO DE TURBINAS EÓLICAS DESEMPENHO AERODINÂMICO DO ROTOR EÓLICO

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

3.2.1 - Climatologia e Meteorologia... 1/23. 3.2.1.1 - Metodologia... 1/23

3.2.1 - Climatologia e Meteorologia... 1/23. 3.2.1.1 - Metodologia... 1/23 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/23 3.2.1.1 - Metodologia... 1/23 3.2.1.2 - Caracterização dos Sistemas Meteorológicos e Eventos Extremos... 3/23 3.2.1.2.1 - Sistemas Meteorológicos

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA MAPAS DE COMPLEMENTARIDADE DOS POTENCIAIS SOLAR E EÓLICO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

ESTUDO DA ENERGIA EÓLICA PARA APROVEITAMENTO EM PEQUENOS EMPREENDIMENTOS

ESTUDO DA ENERGIA EÓLICA PARA APROVEITAMENTO EM PEQUENOS EMPREENDIMENTOS ESTUDO DA ENERGIA EÓLICA PARA APROVEITAMENTO EM PEQUENOS EMPREENDIMENTOS Study Of Wind Energy For Development In Small Enterprises Filipe G. RAMOS Nelson SEIDLER RESUMO A busca por energias renováveis

Leia mais

Bomba de Calor Piscina

Bomba de Calor Piscina Bomba de Calor Piscina 74 Como funciona 80 Detalhe do Sensor de Fluxo Externo 81 Características e benefícios dos produtos Heliotemp Compressor Scroll-Notadamente os compressores mais eficientes e silenciosos

Leia mais

GEOGRAFIA QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA GEOGRAFIA Prof. Rodrigo Zidane QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA SÉRIE SALA 1. (UFRN) Parte considerável da energia que atinge a Terra é proveniente do Sol. A distribuição da insolação na superfície é

Leia mais

Qual o motivo das estações do ano?

Qual o motivo das estações do ano? Qual o motivo das estações do ano? Estações do Ano: W Início da Primavera 23 set Hemisfério Sul Início do Inverno 22 jun Início do Verão 22 dez g Início do Outono 21 mar Estações do Ano: Hemisfério Norte

Leia mais

COMPORTAMENTO DO VENTO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE. Cristiane Nobre Prudente 1 Adma Raia 2 Ruibran Januário dos Reis 3

COMPORTAMENTO DO VENTO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE. Cristiane Nobre Prudente 1 Adma Raia 2 Ruibran Januário dos Reis 3 COMPORTAMENTO DO VENTO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Cristiane Nobre Prudente 1 Adma Raia 2 Ruibran Januário dos Reis 3 RESUMO A ação do vento é de grande importância para diversas áreas, como

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT)

Leia mais

GruppodiVolontariatoCivile. Relatório Técnico

GruppodiVolontariatoCivile. Relatório Técnico GruppodiVolontariatoCivile Relatório Técnico Interconexão energética entre municípios. Inclusão da agroenergia nas estratégias de interconexão energética no eixo agroeconômico Brasil-Argentina. Projeto

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Análise do desempenho de um aerogerador de pequeno porte

Análise do desempenho de um aerogerador de pequeno porte Análise do desempenho de um aerogerador de pequeno porte Ivoni C. Acunha Jr 1 & Jorge A. Almeida 1 Colégio Técnico Industrial FURG, Rio Grande, RS ctiicaj@furg.br Departamento de Física FURG, Rio Grande,

Leia mais

: montante de energia elétrica vendida no mês m na série i em MWmed;

: montante de energia elétrica vendida no mês m na série i em MWmed; 31 4 Desenvolvimento do Modelo No intuito de encontrar o perfil de sazonalização ideal para maximizar os ganos da carteira de contratos foi desenvolvido um modelo de cálculo do lucro anual, o qual foi

Leia mais

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin Departamento de Ciências Atmosféricas - IAG, Universidade de São Paulo - USP, R. do Matão No. 1226 Cidade Universitária,

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

V CONGRESSO PORTUGUÊS DE PARASITOLOGIA

V CONGRESSO PORTUGUÊS DE PARASITOLOGIA V CONGRESSO PORTUGUÊS DE PARASITOLOGIA 23 A 25 DE NOVEMBRO DE 2000 Haemaphysalis punctata ( Canestrini & Fanzago, 1877 ) DA ILHA DA MADEIRA I: UM HABITAT À ALTITUDE DE 1400 m NO PLANALTO DO PAUL DA SERRA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTOS NO ESTADO DO PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTOS NO ESTADO DO PARANÁ CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTOS NO ESTADO DO PARANÁ LÍVIA M. P. PEREIRA 1, PAULO H. CARAMORI 2, WILIAN da S. RICCE 3, DANILO A. B. SILVA 4, DAISE F. ELY 5 JONAS GALDINO 6, ANGELA B. da COSTA 7. 1 Graduanda

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Introdução Equipamentos de entrada de dados são dispositivos que convertem dados analógicos e mapas impressos no papel em mídia m eletrônica ou digital para serem

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG SEMINÁRIO - ENG 797 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, HIDROLÓGICA E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG EQUIPE Prof. Gilberto C. Sediyama - Orientador Prof. Vicente Paulo Soares - Conselheiro Prof.

Leia mais

Informações do Porto de Ilha Guaíba

Informações do Porto de Ilha Guaíba Informações do Porto de Ilha Guaíba Sumário 1. Introdução... 3 2. História e Desenvovimento do Porto... 3 3. Vista Panorâmica de Ilha Guaíba... 4 4. Infra-Estrutura Portuária... 4 4.1. Localização... 4

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO 18 AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO Aline F. Diniz¹ Rosângela Leal Santos² Sandra Medeiro Santo³

Leia mais

Ref.: Relatório executivo de monitoramento local da pluma na Foz do Rio Doce - 12/01/2016.

Ref.: Relatório executivo de monitoramento local da pluma na Foz do Rio Doce - 12/01/2016. Linhares, 12 de janeiro de 2016. Ref.: Relatório executivo de monitoramento local da pluma na Foz do Rio Doce - 12/01/2016. Data e período do sobrevoo 12/01/2016 de 09:00 até 11:10 1. Mapa esquemático

Leia mais

O que é a Projeção UTM?

O que é a Projeção UTM? 1 1 O que é a Projeção UTM? É a projeção Universal Transversa de Mercator. Assim como a Projeção de Mercator, é uma projeção cilíndrica. Como foi visto na aula de projeções, uma projeção transversa é aquela

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS

CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS Daniel Mendes 1 José Luiz Gonçalves Junior 2 Eduardo Oliveira Santos 3 Tiago Oliveira Santos 4 Luiz Alberto Martins 5 A atmosfera, uma mistura mecânica de gases,

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

Ações dos Ventos nas Edificações

Ações dos Ventos nas Edificações Ações dos Ventos nas Edificações Cálculo da pressão do vento atuante nas estruturas FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva UFAM Ação do vento Vento = movimento de massas de ar É produzido

Leia mais

INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ

INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo B. Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail: guetter@simepar.br (1) Instituto

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade

vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade Fatores Climáticos: vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade correntes marítimas disposição do relevo. CORRENTES MARÍTIMAS Radiação Solar TIPOS DE CHUVAS 1- Massa de Ar Equatorial Amazônica:

Leia mais

O CLIMA DA RPPN SESC PANTANAL

O CLIMA DA RPPN SESC PANTANAL Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Biociências Centro de Ecologia Relatório técnico O CLIMA DA RPPN SESC PANTANAL Heinrich Hasenack, coordenador José Luís Passos Cordeiro Gabriel Selbach

Leia mais

Impacte da assimilação de dados de vento provenientes de satélite em ambiente offshore: caso de estudo da Berlenga

Impacte da assimilação de dados de vento provenientes de satélite em ambiente offshore: caso de estudo da Berlenga Impacte da assimilação de dados de vento provenientes de satélite em ambiente offshore: caso de estudo da Berlenga Miguel Fernandes (1), Paulo Costa (1), Ana Estanqueiro (1) miguel.fernandes@ineti.pt,

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Meteorologia e vento Metodologias de mapeamento eólico Resultados do Mapeamento Eólico no Brasil Aquisição e Tratamento de Dados de campo Pesquisas

Meteorologia e vento Metodologias de mapeamento eólico Resultados do Mapeamento Eólico no Brasil Aquisição e Tratamento de Dados de campo Pesquisas XIJEELB Universidade Federal de Uberlândia Abril de 2010 Mapas Eólicos no Brasil Fernando Ramos Martins Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Centro de Ciências do Sistema Terrestre Centro de Previsão

Leia mais

North and Northeast Brazil Offshore Wind Power

North and Northeast Brazil Offshore Wind Power Arthur Gerard Quadros de Souza¹, Felipe Mendonça Pimenta¹, Allan Rodrigues Silva¹, Ewerton Cleudson de Sousa Melo¹, Mário Pereira da Silva¹, Marco Ianniruberto², Hugo Miguel Pedro Nunes² 1) Universidade

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO 674 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO Tayná Freitas Brandão¹; Rosângela Leal Santos². 1. Graduanda em Engenharia Civil

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL CLAUDINO-SALES, V. (1) (1) Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, (vcs@ufc.br) PARENTE, L.P. (2) (2) Instituto de Ciências do

Leia mais

Palavras-chave: Energia solar; energia eólica, sistema híbrido eólico-fotovoltaico. ISSN 1808-8759

Palavras-chave: Energia solar; energia eólica, sistema híbrido eólico-fotovoltaico. ISSN 1808-8759 Revista Energia na Agricultura ISSN 1808-8759 COMPORTAMENTO DA ENERGIA SOLAR E EÓLICA EM UM SISTEMA HÍBRIDO DE PEQUENO PORTE PARA ENERGIZAÇÃO RURAL 1 JAIR ANTONIO CRUZ SIQUEIRA 2 ; ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ PORTARIA SEMA/IAP Nº 001, DE 09 DE JANEIRO DE 2008 (D.O.E.PR. Nº 0000 DE 00/01/2008) Aprova e determina o cumprimento da Instrução Normativa IAP/DEPAM nº 001/2008, referentes às diretrizes para apresentação

Leia mais

Avaliação do potencial eólico do campus da Faculdade Assis Gurgacz em Cascavel (PR)

Avaliação do potencial eólico do campus da Faculdade Assis Gurgacz em Cascavel (PR) 136 Avaliação do potencial eólico do campus da Faculdade Assis Gurgacz em Cascavel (PR) Rafael Gonçalves dos Santos 1, Reginaldo Ferreira Santos 2, Wesley Esdras Santiago 1 e Diego Augusto Fiorese 1 1

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses

Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses Francisco José Lopes de Lima 1, 3, Emerson Mariano da Silva 2, Enilson Palmeira Cavalcanti 3 1 Bolsista CAPES/CNPq do Curso de Mestrado em Meteorologia.

Leia mais

Climas em Relação ao Mapa Mundi

Climas em Relação ao Mapa Mundi Climas em Relação ao Mapa Mundi A Terra é inclinada a o Sol e sua t ranslação compõe oval. em direção um m ovimento Quanto mais perto do equador menor a amplitude térmica O Sol incide c om maior intensidade

Leia mais

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão 26 de Fevereiro de 2014 Departamento de Previsão, Divisão

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 1 Abstract Sensible heat flux has been measured with two eddy-correlation (EC)

Leia mais

DO CARTA GERAL AO SIRGAS-2000, A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO EM PORTO ALEGRE.

DO CARTA GERAL AO SIRGAS-2000, A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO EM PORTO ALEGRE. DO CARTA GERAL AO SIRGAS-2000, A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO EM PORTO ALEGRE. INTRODUÇÃO A cidade de Porto Alegre está realizando um novo mapeamento, utilizando as mais modernas tecnologias empregadas na cartografia.

Leia mais

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais