Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio"

Transcrição

1 Método de Gretener Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio

2 INTRODUÇÃO Um método com estas características, ágil, de fácil aplicação e rápida utilização, tem que aglutinar muita informação num reduzido espaço, exigindo a selecção dos aspectos mais importantes e ignorando os de menor relevância.

3 Factores Próprios das Instalações: Factores do Método de Gretener Construção Situação Processos Concentração Destrutibilidade Propagabilidade Factores de Protecção: Detecção Automática Extintores Rede de bocas de incêndio armadas interior Rede de hidrantes exteriores Equipas de intervenção em incêndios Planos de auto-protecção e emergência interna

4 Factores Próprios das Instalações

5 Factores de Construção Altura do Edifício Entende-se como tal a diferença de cotas entre o nível do solo ou ultima cave no caso de existirem pisos abaixo do solo e a cobertura. De entre o coeficiente relativo à altura do edifício e o relativo ao número de pisos, escolher-se-á o menor. Quando o edifício for constituído por corpos com diferentes alturas, considerar-se-á a mais alta apenas quando esta ocupe uma área de 25% ou mais.

6 Factores de Construção Maior Sector de Incêndio É a maior zona do edifício limitada por paredes resistentes ao fogo por, pelo menos, 120 minutos. Resistência ao Fogo Entende-se como resistente ao fogo uma estrutura de betão. Uma estrutura metálica será considerada incombustível e os restantes tipos combustíveis. Quando tiver características mistas, tomar-se-á intermédio de acordo com as tabelas de dados. um coeficiente

7 Factores de Construção Tectos Falsos De acordo com as suas características de combustibilidade, a pontuação a considerar está indicada nas tabelas de dados.

8 Factores de Situação Distância aos Bombeiros Tomar-se-á preferencialmente o coeficiente relativo ao tempo de resposta dos bombeiros. Acessibilidade do Edifício Classificar-se-á de acordo com a largura da via, em função da maior ou menor facilidade de acesso dos meios de auxílio, de ataque ao incêndio e da evacuação das pessoas em risco. Largura mínima da via: 5 metros. Altura mínima livre da via: 4 metros. Capacidade de suporte da via: superior a kg/cm2 Em torno do edifício não devem existir obstáculos a menos de 6 metros e a uma altura inferior á do edifício. A via deve permitir o acesso ao edifício até um máximo de 10 metros e a via principal não deve estar a mais de 30 metros.

9 Factores de Concentração de Valores Factores de valor económico dos bens - Concentração de valores A pontuação correspondente a considerar está indicada nas tabelas de dados.

10 Factores de Processos / Actividade Perigo de activação Pretende quantificar a possibilidade de se iniciar um incêndio. Há a considerar, antes de mais, o factor humano da ignição do incêndio. Outros factores devem considerar-se: - Instalação eléctrica, postos de transformação, protecções, manutenção, dimensionamento. - Caldeiras a vapor, água quente, óleo térmico. Localização de depósitos de combustível e respectiva distribuição. - Operações de chama aberta, soldaduras, envernizamentos e pinturas. A pontuação a considerar está indicada nas tabelas de dados.

11 Factores de Processos / Actividade Carga eléctrica Quantidade de calor libertada em MJoule por m2, em resultado da combustão dos produtos e incluindo as partes combustíveis dos edifícios. Baixa se Q < 500 MJoule/m2 Média se 500 < Q < 1.00 MJoule/m2 Alta se Q > 1.00 MJoule/m2 A pontuação a considerar está indicada nas tabelas de dados.

12 Factores de Processos / Actividade Inflamabilidade dos combustíveis Os materiais classificam-se de M1 a M6, por ordem crescente de inflamabilidade: Baixa se M1 ou M2 Media se M3 ou M4 Alta se M5 ou M6 A pontuação a considerar está indicada nas tabelas de dados.

13 Factores de Processos / Actividade Ordem, limpeza e manutenção Será sempre um conceito com alto grau de subjectividade. Quando existam e se respeitem zonas delimitadas de armazenamento, os produtos estejam devidamente armazenados, não exista sujidade nem desperdícios espalhados pela nave, poderemos dizer estarmos perante um nível alto de ordem e limpeza Armazenamento em altura Por simplificação, apenas se contempla a forma de armazenamento mais gravosa em termos de incêndio. A pontuação correspondente a considerar está indicada nas tabelas de dados.

14 Factores de Destrutibilidade Calor Reflecte a influência do aumento da temperatura sobre os equipamentos e materiais. Será baixa sempre que a existências não se destruam por acção do calor e não existam equipamentos de precisão que possam deteriorar-se por dilatações Será média se as existências se degradam sem se destruir e as máquinas são escassas Será alta sempre que os produtos se destruam com o calor.

15 Factores de Destrutibilidade Fumos Estudam-se os danos causados pelos fumos nos equipamentos e nas existências. A afectação será: - Baixa sempre que os produtos não sejam afectados por acção dos fumos ou seja fácil a posterior recuperação. - Média se as existências se degradam parcialmente. - Alta sempre que os fumos destruam totalmente os produtos

16 Factores de Destrutibilidade Corrosão Toma-se em conta a destruição do edifício, máquinas e existências em consequência da formação de libertados na combustão. Especialmente em conta deve ser tomado o HCl (Ácido Clorídrico) produzido na decomposição do PVC. Baixa se não se prevê a formação de gases corrosivos ou se os produtos não se destroem por corrosão. Média quando se prevê a formação de gases oxidantes que não afectem as existências, nem de forma importante o edifício. Alta quando se prevê a formação de gases corrosivos, que afectem o edifício e os equipamentos de forma importante.

17 Factores de Destrutibilidade Água Traduz o grau de afectação pela água usada na extinção. A pontuação correspondente a considerar está indicada nas tabelas de dados.

18 Factores de Propagabilidade Vertical Reflecte a maior ou menor facilidade de propagação entre pisos A pontuação correspondente a considerar está indicada nas tabelas de dados. Horizontal Traduz a facilidade de propagação na horizontal em função da qualidade e distribuição dos materiais. A pontuação correspondente a considerar está indicada nas tabelas de dados.

19 Factores de Protecção

20 INTRODUÇÃO Este método pondera de forma muito importante a existência de meios de protecção. Com uma protecção total o resultado da sua aplicação conduz sempre a uma classificação não inferior a 5. Pondera-se de forma importante a vigilância humana permanente, entendida como a presença de uma pessoa devidamente adestrada no uso dos meios de extinção existentes, todos os dias do ano, e dispondo de um plano de alarme. Os meios existentes devem ser de qualidade e adaptados ao risco em causa.

21 Detecção Automática Pondera-se a sua existência na globalidade das instalações. Um sistema de sprinklers é, para este efeito, considerado um sistema de detecção. A vigilância humana supõe a presença de vigilantes qualificados efectuando rondas controladas ou vigiando através de meios electrónicos, fora das horas de serviço. Em qualquer dos casos está entendido que o acesso quer a zonas de incêndio quer ao controlo dos sistemas está assegurado. É valorizada a ligação a central receptora de alarmes.

22 Extintores Cobertura em termos de qualidade e quantidade, sinalização e manutenção Rede de Bocas-de-Incêndio Armadas Interior Pondera-se a sua existência na globalidade das instalações Rede de Hidrantes Exteriores Pondera-se a sua existência na globalidade das instalações

23 Equipas de Intervenção em Incêndios Valoriza-se a existência de brigadas de incêndio de primeira e de segunda intervenção. O pessoal que as integre tem que ter formação teórico-prática adequada, estar distribuído por todas as secções e turnos e dispor de material de extinção bem mantido EPI 1 membro por cada 250 m2 ou de 3 a 8 membros por cada 100 empregados. ESI 1 membro por cada 1000 m2 ou 3 membros por cada 100 empregados

24 Planos de Auto-Protecção e Emergência Interna Valoriza-se a existência de planos de evacuação e de emergência

25 OBRIGADA PELA VOSSA ATENÇÃO!

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

O MÉTODO HIERÁRQUICO NA AVALIAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS URBANOS PARTE I APRESENTAÇÃO DO MÉTODO

O MÉTODO HIERÁRQUICO NA AVALIAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS URBANOS PARTE I APRESENTAÇÃO DO MÉTODO 1º CILASCI Congresso Ibero-Latino-Americano sobre Segurança Contra Incêndios Natal Brasil Março 2011 O MÉTODO HIERÁRQUICO NA AVALIAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO A ANPC já publicou o a ultima versão dos esclarecimentos sobre os procedimentos para a implementação das medidas de autoproteção. http://www.proteccaocivil.pt/segurancacontraincendios/pages/planosdeseguranca.aspx

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL L ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL 2008 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA IDENTIFICAÇÃO EM PLANTA DE: ESPAÇO ESCOLAR VIAS DE ACESSO DE VIATURAS DE SOCORRO QUARTEL DOS BOMBEIROS DA ÁREA ESQUADRA DA GUARDA NACIONAL

Leia mais

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS Estrutura da prova específica da especialidade Disciplina Capítulo Nº de questões no BCQ Nº de questões a sair no Teste Organização e Sistemas de

Leia mais

(atualizada em 11/2006) NBR 5667-1:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Parte 1 - Hidrantes de Coluna NBR 5667-2:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro dúctil - Parte 2 - Hidrantes

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE RISCO DE INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES - MÉTODO DE GRETENER

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE RISCO DE INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES - MÉTODO DE GRETENER MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE RISCO DE INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES - MÉTODO DE GRETENER Valdir Pignatta e Silva Escola Politécnica da Universidade de São Paulo A segurança da vida e do patrimônio pode ser verificada

Leia mais

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos Título 1 Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos 2 Em Locais de Risco Centrais (desinfecção e esterilização) utilizando oxido de acetileno. Centrais e depósitos

Leia mais

Plano de Emergência Serviço Municipal de Proteção Civil

Plano de Emergência Serviço Municipal de Proteção Civil Plano de Emergência Serviço Municipal de Proteção Civil Escola: EBI Pedras Salgadas CM Vila Pouca de Aguiar Novembro de 2012 CM de Vila Pouca de Aguiar AE Pedras Salgadas Plano de Emergência ÍNDICE Objetivos

Leia mais

Pontos críticos da instalação e manutenção da deteção de incêndio

Pontos críticos da instalação e manutenção da deteção de incêndio Título 1 Pontos críticos da instalação e manutenção da deteção de incêndio 2 Pontos chave Nesta apresentação iremos focar os principais factores geradores de problemas nos sistemas SADI que são: Cablagem

Leia mais

1 - Elementos Caracterizadores do Curso

1 - Elementos Caracterizadores do Curso 1 - Elementos Caracterizadores do Curso 1.1. Denominação: O curso terá a seguinte designação: Formação na área específica de SCIE para elaboração de projectos e planos de 3ª e 4ª categoria de riscos Formação

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares

Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares Contextualização Nota Técnica n.º 09 [Sistemas de Proteção Passiva] Selagem de vãos Aberturas para passagem de cablagens e condutas Nota Técnica n.º 10

Leia mais

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO 2017 EM ATUALIZAÇÃO CURSOS CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 Portfólio com 37 cursos de formação Mais de 2.900 formandos desde 2008 Mais de metade dos nossos formandos realizam mais do

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS 2.1 Diretrizes gerais de projeto para atender aos requisitos de desempenho 2.1.1 Segurança no uso e operação 2.1.2 Segurança contra

Leia mais

Projeto de prevenção e proteção contra incêndio e pânico: principais parâmetros Parte I

Projeto de prevenção e proteção contra incêndio e pânico: principais parâmetros Parte I Projeto de prevenção e proteção contra incêndio e pânico: principais parâmetros Parte I Prof: Paulo Gustavo von Krüger Mestre e Doutor em Estruturas Metálicas SUMÁRIO 1. Introdução 1.1. Dinâmica do fogo

Leia mais

Segurança contra incêndios

Segurança contra incêndios 2013/2014 Segurança contra incêndios MEIC 201304116 Fabiana Mendes 201305663 Sara Fernandes 201303477 Mariana Melo 201303982 Filipe Cruz Sumário Este trabalho foi desenvolvido no âmbito da disciplina Projeto

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 29 Sistema Predial de Prevenção e Combate ao Incêndio Profª Heloise G. Knapik 1 Projetos e especificações

Leia mais

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO Decreto 56818/11 e ITs CLASSIFIQUE A ALTURA Decreto, artigo 3º nº I ; I Altura da Edificação: a. para fins de exigências

Leia mais

Segurança Contra Incêndio

Segurança Contra Incêndio Segurança Contra Incêndio Negrisolo, Walter. (Negrí). Oficial da Reserva do Corpo de Bombeiros SP. Doutor FAUSP. Segurança Contra Incêndio Área da Ciência com desenvolvimento recente Principais eventos

Leia mais

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Extintores 2,1m 3 Os extintores devem ser convenientemente distribuídos, sinalizados sempre que necessário e instalados em

Leia mais

RISCO E PROPAGAÇÃO DE INCÊNDIO EM CENTROS URBANOS ANTIGOS

RISCO E PROPAGAÇÃO DE INCÊNDIO EM CENTROS URBANOS ANTIGOS 1º CILASCI Congresso Ibero-Latino-Americano sobre Segurança Contra Incêndios Natal Brasil Março 2011 RISCO E PROPAGAÇÃO DE INCÊNDIO EM CENTROS URBANOS ANTIGOS Cecilia P. Barra Mestre em SCIU UC - Coimbra

Leia mais

Reação ao fogo de materiais e revestimentos

Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo é a forma como determinado material reage quando arde, ou seja a quantidade de calor e fumo que produz, se ao arder deita gotas incandescentes,

Leia mais

O MÉTODO HIERÁRQUICO NA AVALIAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS URBANOS PARTE II APLICAÇÃO DO MÉTODO

O MÉTODO HIERÁRQUICO NA AVALIAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS URBANOS PARTE II APLICAÇÃO DO MÉTODO 1º CILASCI Congresso Ibero-Latino-Americano sobre Segurança Contra Incêndios Natal Brasil Março 2011 O MÉTODO HIERÁRQUICO NA AVALIAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO RJ-SCIE Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios

Leia mais

Trabalho com painéis estruturais de poliestireno expandido

Trabalho com painéis estruturais de poliestireno expandido Trabalho com painéis estruturais de poliestireno expandido Trabalho com painéis estruturais de poliestireno expandido Uma série de regras simples pode reduzir o risco ao trabalhar com painéis tipo sanduíche

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Método de cálculo simplificado

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Método de cálculo simplificado ao fogo de lajes mistas aço-betão simplificado Objetivo do método de cálculo 3 Conteúdo da apresentação em situação de incêndio simplificado de lajes de betão reforçadas a 0 C Modelo da laje de pavimento

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

Proteção passiva contra incêndio no projeto de arquitetura das edificações

Proteção passiva contra incêndio no projeto de arquitetura das edificações Seminário internacional de proteção passiva contra incêndio 1 Proteção passiva contra incêndio no projeto de arquitetura das edificações ARQ. MARCOS V. VALENTIN VARGAS VALENTIN PROJETOS A concepção do

Leia mais

ABNT NBR Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP

ABNT NBR Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP ABNT NBR 15514 Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP OBJETIVOS Ao final dessa lição os participantes serão capazes de: Definir termos técnicos associados ao tema; Conhecer condições

Leia mais

3 - Cablagem estruturada

3 - Cablagem estruturada Capítulo 3 3 - Cablagem estruturada 1 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização da cablagem A identificação de um cabo é imediata (basta pôr-lhe a etiqueta correcta!!!!)

Leia mais

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento.

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento. Os termómetros bimetálicos pertencem ao conjunto de sensores ou elementos primários, instrumentos que estão em contacto com as unidades processuais e que integram um anel de controlo. São constituídos

Leia mais

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção ÍNDICE Capítulo I - MANUTENÇÃO INDUSTRIAL - CONCEITOS GERAIS Pág. Definição..................... 7 Condições ideais de funcionamento.......... 8 Espírito do pessoal de manutenção... 9 Manutenção organizada...

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO em EDIFÍCIOS NOTAS TÉCNICAS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO em EDIFÍCIOS NOTAS TÉCNICAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO em EDIFÍCIOS NOTAS TÉCNICAS Edição - 2015 NT 16 Sistemas Automáticos de Extinção Incêndio por Água Ed. 2015 EDIÇÃO ANTERIOR EDIÇÃO 2015 Consequência 2013-10-03 P1532/2008 EN 12845

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

TABELA A NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS ( ) 20.1 Líquidos combustíveis.

TABELA A NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS ( ) 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS (120.000-3) Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 Publicação -D.O.U. 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL ABRIGO DE GÁS DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 CÓDIGO ABR GLP Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a instalação que utiliza o gás GLP em botijão

Leia mais

3. A segurança contra incêndio e o projeto arquitetônico. 21/10/2013 Prof. Dr. Macksuel Soares de Azevedo - UFES 1

3. A segurança contra incêndio e o projeto arquitetônico. 21/10/2013 Prof. Dr. Macksuel Soares de Azevedo - UFES 1 3. A segurança contra incêndio e o projeto arquitetônico 21/10/2013 Prof. Dr. Macksuel Soares de Azevedo - UFES 1 3.1. Medidas de Proteção contra Incêndio Proteção Passiva: Conjunto de medidas de proteção

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. 1.º Objecto

TEXTO INTEGRAL. 1.º Objecto DATA: 15 de Janeiro de 2009 NÚMERO: 10 SÉRIE II EMISSOR: Autoridade Nacional de Protecção Civil DIPLOMA / ACTO: Despacho n.º 2074/2009 SUMÁRIO: Define os critérios técnicos para determinação da densidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Descrever a especificidade deste sistema complementar de compartimentação cujas caracteristicas de funcionamento são equivalentes às

Leia mais

Tecnologias e inovações na extinção de incêndio. Nuno Azevedo

Tecnologias e inovações na extinção de incêndio. Nuno Azevedo Tecnologias e inovações na extinção de incêndio Nuno Azevedo Temas: 1- Classes de fogos; 2- Agentes Extintores; 3- Extintores portáteis; 4- Utilização de um extintor. 2 Classes de Fogo Para o estudo dos

Leia mais

Proteção e Combate a Incêndios NR-20 e NR-23. Acadêmica: Regiane Ovando

Proteção e Combate a Incêndios NR-20 e NR-23. Acadêmica: Regiane Ovando Proteção e Combate a Incêndios NR-20 e NR-23 Acadêmica: Regiane Ovando Apresentação PROTEÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS NR-20 Líquidos Combustíveis e Inflamáveis NR-23 Proteção Contra Incêndios Introdução NR

Leia mais

PROJETO DE SEGURANÇA

PROJETO DE SEGURANÇA PROJETO DE SEGURANÇA FATORES DE SUCESSO 1 Carlos Ferreira de Castro Objetivo do projeto de Objetivo do projeto de : Contribuir para que a do edifício seja efectuada em condições de. O projeto de, elaborado

Leia mais

Segurança na Armazenagem de Produtos Químicos

Segurança na Armazenagem de Produtos Químicos Cargas Fracionadas Quais são os perigos envolvidos no processo de estocagem de produtos químicos (matérias primas e acabados ) em invólucros de baixo volume? Que legislações e normalizações devem ser atendidas

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Estabelecer um critério de classificação de todas as notas técnicas que permita listá-las. APLICAÇÃO ÍNDICE Para interpretar ou complementar

Leia mais

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 1 Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 2 Tema: Seminário: Como Minimizar os riscos no Trabalho Questões Geradoras:

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA Mapa dos relatórios de Vistorias, Inspeções e Fiscalizações Ref.ª relatório ¹ () Vistorias Inspeções Fiscalizações Outros anexos ² Vistorias/Inspeções/Fiscalizações

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Dec. Lei 220/2008 de 12 novembro (224/2015 de 9/10) Regime Jurídico

Leia mais

Manual. Manual Brigada de Incêndio

Manual. Manual Brigada de Incêndio Manual Manual Brigada de Incêndio Sumário 1...Objetivo... 3 2. Características... 3 3. Desenvolvimento... 3 4. Composição... 4 5. Formação - Nível de Treinamento... 5 5.1. Parte teórica de combate a incêndio...5

Leia mais

1

1 1 12.07.11 Seguradoras, Corretores e resseguradores. 12.08.11 Reunião técnica 1: Levantamento dos problemas e sugestões. 16.09.11 Reunião técnica 2. Desenvolvimento das sugestões. 17.10.11 Reunião técnica

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/ [ NT 22 : NOTA TÉCNICA Complementar do RG-SCIE / Ref.ª VIII.I.02 / 2007-05-31 ] NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/2007-05-31 RESUMO Definir a estrutura das plantas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2007 de 11 de Setembro. DIRECTIVA

Leia mais

CÓDIGO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

CÓDIGO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO CÓDIGO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO A CIDADE É DINÂMICA NOVO CÓDIGO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO DAS MEDIDAS PREVENTIVAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO DA CLASSIFICAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES

Leia mais

3as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 28 de Maio de 2013

3as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 28 de Maio de 2013 3as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 28 de Maio de 2013 COMPARAÇÃO DA APLICAÇÃO DE UMA REGULAMENTAÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS BASEADA NO DESEMPENHO COM

Leia mais

Chaminé Parede dupla para caldeiras

Chaminé Parede dupla para caldeiras 3.4 Chaminé rede dupla para caldeiras Terminal saída cónica (DWECO 32C) ra todas as aplicações indicadas utiliza-se o sistema nas diferentes versões em (gás natural e gasóleo em condições secas) e 316

Leia mais

Reação e Resistência ao Fogo

Reação e Resistência ao Fogo Exigências de segurança contra incêndio aplicadas aos perfis pultrudados: Reação e Resistência ao Fogo Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br Reação ao Fogo dos Materiais Comportamento dos materiais em

Leia mais

SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN CONTROLE DOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS EDIFICAÇÕES

SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN CONTROLE DOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS EDIFICAÇÕES SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN CONTROLE DOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS EDIFICAÇÕES ANTONIO FERNANDO BERTO afberto@ipt.br Reação ao Fogo dos Materiais Comportamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD FICHA TÉCNICA Nº5 AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) Referências: AN STANDARD Para Isolamento Térmico Regranulados Calibre 2 / 9 e 4,5 / 15 mm Nota: Por encomenda, fabricam-se ainda outros

Leia mais

AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO

AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO Obra: AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO PLANO DE ESTALEIRO Elaborado por: Verificado por: Validado por: Aprovado por: Data: Data: Data: Data: Mod I/0871.1 Índice 1 - INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

Ler este manual antes da instalação UMBER KGT-75 UMBER KGT-100. Motor de ataque ao veio. Página 1

Ler este manual antes da instalação UMBER KGT-75 UMBER KGT-100. Motor de ataque ao veio. Página 1 Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2010 UMBER KGT-75 UMBER KGT-100 Motor de ataque ao veio Página 1 Na instalação e utilização deve ter muita Atenção 1) Cuidado! Para sua segurança, é importante

Leia mais

PP 1 - Acessibilidade dos Meios de Socorro ao Edifício e Hidrantes Exteriores

PP 1 - Acessibilidade dos Meios de Socorro ao Edifício e Hidrantes Exteriores PP 1 - Acessibilidade dos Meios de Socorro ao Edifício e Hidrantes Exteriores Os locais previstos para acesso aos bombeiros ao estabelecimento e as respetivas vias de acesso devem ser mantidos permanentemente

Leia mais

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - Alexandre Landesmann, Prof. Associado, D.Sc. Dep. Estruturas (FAU) e Lab. Estruturas

Leia mais

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014 INSTALAÇÕES DE GÁS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2014 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: Gás natural; Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Gás natural É composto por uma mistura

Leia mais

Quadros Eléctricos de Entrada

Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Entrada de uma instalação Eléctrica Quadro de Entrada Definição, implantação e localização Condições de escolha do Equipamento Em função do aparelho

Leia mais

Catálogo Geral

Catálogo Geral Catálogo Geral www.cfdoors.pt Painel de Frio Painel de Cobertura Painel Fachada Painel Fachada em Lã Rocha Painel Acústico Painel Cobertura Telha 2 Simbologia Simbologia dos revestimentos CF Doors identificando

Leia mais

Explosão de pó. Explosão. Como sucedem as explosões. 5ª Edição Maio / 2016

Explosão de pó. Explosão. Como sucedem as explosões. 5ª Edição Maio / 2016 Explosão de pó O objetivo do presente boletim consiste em demonstrar o risco de explosão de pó em silos de armazenamento, bem como indicar as medidas preventivas. Explosão Uma explosão é um processo caracterizado

Leia mais

MODELAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO DO CENTRO HISTÓRICO DO FUNCHAL

MODELAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO DO CENTRO HISTÓRICO DO FUNCHAL MODELAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO DO CENTRO HISTÓRICO DO FUNCHAL Rui A. F. Figueira 1, A. Leça Coelho 2 & João Paulo C. Rodrigues 3 1 Serviço de Protecção Civil da Câmara Municipal do Funchal, Portugal. ra.figueira@gmail.com

Leia mais

SENSOR LIGHT MANUAL DE UTILIZAÇÃO #461. LED branca Acabou de fazer a aquisição de uma das unidades de iluminação automática mais sofisticadas.

SENSOR LIGHT MANUAL DE UTILIZAÇÃO #461. LED branca Acabou de fazer a aquisição de uma das unidades de iluminação automática mais sofisticadas. MANUAL DE UTILIZAÇÃO #461 A LER ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO SENSOR LIGHT PARABÉNS! LED branca Acabou de fazer a aquisição de uma das unidades de iluminação automática mais sofisticadas. INTRODUÇÃO Funções

Leia mais

Equipamentos elétricos em atmosferas de risco

Equipamentos elétricos em atmosferas de risco Equipamentos elétricos em atmosferas de risco Equipamentos elétricos em atmosferas de risco INTRODUÇÃO Grandes incêndios e explosões ocorreram nas instalações onde os vapores e gases inflamáveis, e particulados

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS. UMA BREVE ANÁLISE DO NOVO QUADRO LEGAL DE SCIE João Lopes Porto

ORDEM DOS ENGENHEIROS. UMA BREVE ANÁLISE DO NOVO QUADRO LEGAL DE SCIE João Lopes Porto ORDEM DOS ENGENHEIROS UMA BREVE ANÁLISE DO NOVO QUADRO LEGAL DE SCIE João Lopes Porto PAINEL sobre a REGULAMENTAÇÃO de SCIE NOVOS DESENVOLVIMENTOS Lisboa, 27 de Maio de 2009 ESQUEMA GERAL NOTA PRÉVIA DL

Leia mais

DECRETO Nº , DE 28 DE ABRIL DE 1997.

DECRETO Nº , DE 28 DE ABRIL DE 1997. Eng. Gerson Medeiros Fabrício CREA 89.100 1/6 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Protecção contra incêndios

Protecção contra incêndios 2.5. Isolamento técnico Protecção contra incêndios Dentro do sector da construção, as Directivas Europeias transpostas para a legislação Portuguesa pelos Decretos Lei 220/2008 de 12 Novembro, e 1532/2008

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO EB1 de Fonte da cal - Balugães ÍNDICE

PLANO DE PREVENÇÃO EB1 de Fonte da cal - Balugães ÍNDICE ÍNDICE I FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 1) Identificação do estabelecimento de ensino 2) Caracterização do espaço 3) Organização interna 4) Espaços livres 5) Acessos 6) Organismos de apoio 7) Características

Leia mais

Manual. Brigada de Incêndio

Manual. Brigada de Incêndio Manual Brigada de Incêndio Sumário 1. Objetivo...3 2. Características...3 3. Desenvolvimento...4 4. Composição...4 5. Formação - Nível de Treinamento...4 5.1. Parte teórica de combate a incêndio...4 5.2.

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Prof. Me. Victor de Barros Deantoni

Prof. Me. Victor de Barros Deantoni Prof. Me. Victor de Barros Deantoni Sistemas prediais de combate à incêndio Como todo projeto em engenharia civil deve seguir a Norma Técnica do assunto: Instruções técnicas do corpo de bombeiros do estado

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) Revisão: 03 Aprovação: 17/06/2015 Página 1 de 6 RIZE CHLOR

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) Revisão: 03 Aprovação: 17/06/2015 Página 1 de 6 RIZE CHLOR Revisão: 03 Aprovação: 17/06/2015 Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Código interno: Uso do produto: Empresa: Endereço: - Rize Chlor. - 010122. - Usado para limpeza de pisos,

Leia mais

A Lei de Murphy na instalação de sistemas de deteção automática de incêndio. Casos de insucesso. JOÃO PAULO AJAMI LOGO

A Lei de Murphy na instalação de sistemas de deteção automática de incêndio. Casos de insucesso. JOÃO PAULO AJAMI LOGO A Lei de Murphy na instalação de sistemas de deteção automática de incêndio. Casos de insucesso. JOÃO PAULO AJAMI 1 SINOPSE Edward Aloysius Murphy Jr. foi um engenheiro aeroespacial da Força Aerea Americana

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Cartacoat AP1 liq 0050 nº Material: 236023 nº Material:236023 Código Interno de Produto : 000000362404 Identificação

Leia mais

Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros

Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros Bruno Geraldo Rodrigues da Silva INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 07/2011 Separação entre edificações (isolamento de risco) Sumario Objetivo Aplicação Definições e

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

ESTADO DA BAHIA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 43/2016. Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes

ESTADO DA BAHIA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 43/2016. Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 43/2016 ESTADO DA BAHIA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 43/2016 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Aplicação

Leia mais

Formação Profissional na área de Caldeiras, Cogeração e Electricidade

Formação Profissional na área de Caldeiras, Cogeração e Electricidade I - CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE FORMADORA Denominação Social: Sindicato dos Fogueiros, Energia e Industrias Transformadoras - SIFOMATE Endereço: Rua Chã, 132-1º - 4000-165 PORTO Telef: 22 3393120 - Fax:

Leia mais

Análise do Risco de Incêndio de uma Unidade Industrial de Fabricação de Papel Grupo Portucel Soporcel

Análise do Risco de Incêndio de uma Unidade Industrial de Fabricação de Papel Grupo Portucel Soporcel Departamento de Engenharia Civil Análise do Risco de Incêndio de uma Unidade Industrial de Fabricação de Papel Grupo Portucel Soporcel Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PERMANGANATO DE POTÁSSIO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PERMANGANATO DE POTÁSSIO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (0XX11)

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: H5 Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+ Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do MACS+ Sumário Nova metodologia MACS+ MACS+ Breve descrição da obra Projeto base Solução Blocotelha - Metodologia tradicional

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

CALDEIRAS ZANTIA A LENHA

CALDEIRAS ZANTIA A LENHA ZANTIA A LENHA MODELO Glasgow 25 Glasgow 35 Glasgow 45 Potência (kw) Combustível Serviços 29,1 40,7 52,3 Quadro Controlo Ventilador Câmara de combustão Manchester 29 R Manchester 43 R Manchester 52 R Manchester

Leia mais

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR 8 e NR-10 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-8 Edificações Dispõe sobre os requisitos técnicos mínimos que devem ser observados nas edificações

Leia mais

AQUASTAR ACU PLUS. Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para. Caldeira mural a gás ZWSE 35-6 MFA (2008/03) PT

AQUASTAR ACU PLUS. Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para. Caldeira mural a gás ZWSE 35-6 MFA (2008/03) PT Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para Caldeira mural a gás AQUASTAR ACU PLUS ZWSE 5-6 MFA 6 70 66 779 (008/0) PT 6 70 66 75 087-00.O Índice Índice Indicações de segurança e esclarecimentos

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS. Equipamentos Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS. Equipamentos Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS Equipamentos Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso, misto Fluido quente

Leia mais

Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para

Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para Caldeira mural a gás AQUASTAR ZWC 4/8-3 MFA M ZSC 4-3 MFA M 6 70 63 897-00.O 6 70 63 87 PT (007/) OSW Índice Índice Indicações de segurança e esclarecimentos

Leia mais

18.1 ROCIADOR DE INCÊNDIOS

18.1 ROCIADOR DE INCÊNDIOS UNIDADE: 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 18. SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 18.1 ROCIADOR DE INCÊNDIOS Um Rociador de incêndios (em inglês Sprinkler) é um dispositivo para a extinção de incêndios.

Leia mais

Nota de Encomenda de Material de SHT. Identificação do cliente Nome: Cont. nº

Nota de Encomenda de Material de SHT. Identificação do cliente Nome: Cont. nº Nota de Encomenda de Material de SHT Colaborador Data Identificação do cliente Nome: Cont. nº Morada: Telefone: Contribuinte: Cliente (Assinatura): Localidade: Código Postal: Modo Entrega* (Prazo de entrega

Leia mais