ATLAS DAS PAISAGENS DO VALE DO MINHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATLAS DAS PAISAGENS DO VALE DO MINHO"

Transcrição

1 ATLAS DAS PAISAGENS DO VALE DO MINHO

2 Introdução Biogeografia Ecossistemas Prancha de Ilustrações Projecto - Promoção e Sustentabilidade das Paisagens do Vale do Minho Associação de Municípios do Vale do Minho, 2011

3 Introdução O Vale do Minho, representa um rico e complexo mosaico paisagístico, correspondendo a uma significativa porção da Rede Fundamental de Conservação da Natureza. Ao longo da área de influência do rio Minho, desde que entra em Portugal até à sua foz, encontramos duas áreas protegidas, das quais uma é o único Parque Nacional do país, cinco Sítios de Importância Comunitária e duas Zonas de Protecção Especial. O rio Minho, fronteira natural com Espanha, é um dos rios nacionais que apresenta menor implantação de empreendimentos hidráulicos, sendo a sua bacia hidrográfica, uma das mais importantes para a conservação de espécies piscícolas migradoras. As montanhas que delimitam o vale, albergam unidades vegetais riquíssimas e de elevada biodiversidade, que por sua vez suportam uma importante comunidade animal. Veja-se a título de exemplo o corredor ecológico que passando pelo Corno do Bico liga o Gerês à Serra de Arga, tornando esta no local mais a Noroeste do país com território favorável para a ocorrência de lobo. Pretende-se que este Atlas da Paisagem do Vale do Minho, centrado geograficamente no território compreendido pelos concelhos de Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira, funcione como um guia ilustrado de consulta rápida, permitindo a quem visita o território uma melhor interpretação e compreensão da paisagem. Assim, seleccionaram-se sete habitats que se consideram, pela sua dimensão e importância, serem os mais representativos da paisagem do Vale do Minho. Falar da paisagem do Vale do Minho é também falar da sua população, da sua etnografia, que influenciou e foi influenciada, que unificou e complementou, até se consubstanciar no binómio que hoje conhecemos. O património impar que representam as veigas, as brandas e inverneiras ou os socalcos e terraços, de elevado valor etnográfico e paisagístico, está intimamente ligado à ocupação humana do território e à necessidade de conservação do recurso solo! 3

4 Relevo Litografia 4

5 Biogeografia Os grandes eventos geológicos como as glaciações, migração de continentes, recuo marítimo e formação de montanhas, originaram áreas com padrões comuns a nível climatérico, tipologia de solos e nutrientes, disponibilidade de água, entre outros, permitindo suportar diferentes comunidades animais e vegetais. O estudo biogeográfico destes factores, dos diferentes tipos de paisagem e de comunidades, bem como das etapas ecológicas que as antecederam permitiram criar unidades homogéneas - as bioregiões, que por sua vez se desmultiplicam em unidades geograficamente menores, mas de maior especificidade de parâmetros. Portugal Continental distribui-se por duas regiões biogeográficas: a Região Eurosiberiana e a Região Mediterrânica. O Vale do Minho situa-se na primeira, mais concretamente na Superprovincia Atlântica, Sector Galaico-Português. O Vale do Minho apresenta-se aberto sob a forma de planície aluvionar na zona ocidental, onde se verificam as cotas mais baixas, tornando-se progressivamente mais acidentado para Sul. No sentido Este, verifica-se também um encaixe do rio, com um estreitar acentuado do vale e declives mais abruptos. Em Castro Laboreiro registam-se as cotas mais altas do território: 1330 m. A região apresenta uma litologia predominantemente granítica (72,4 %), distribuída de forma homogénea. Intercalado um pouco por todo o território e sobretudo em cotas mais elevadas, encontra-se xisto-grauvaque (22 %), que origina solos finos e pouco férteis. É aqui que se localizam as cabeceiras da maioria dos afluentes, enquanto que as bacias dos rios Minho e Coura se situam em geologia predominantemente granítica. Destaque ainda para a presença de aplito-pegmatito associado a xisto, em Covas e Castro Laboreiro, que representam um estádio tardio de cristalização do magma. Nos concelhos de Vila Nova de Cerveira, Valença e Monção existem ainda importantes formações sedimentares, dos tipos areias e cascalheiras (4,8 %) e aluviões (0,8 %). 5

6 Temperaturas médias anuais Precipitação 6

7 Biogeografia O clima no Vale do Minho é fortemente influenciado pelo efeito amenizante do Oceano Atlântico, com uma amplitude térmica pouco acentuada - invernos amenos e verões suaves. As temperaturas médias anuais mais elevadas verificadas na região, com valor na ordem dos 17ºC, registam-se nas zonas baixas adjacentes aos rios Minho e Coura. Com o avanço para o interior, começa a verificar-se já alguma influencia climática continental, com uma temperatura média anual menor e com um período de geada mais extenso. Começa igualmente a verificar-se uma mudança na vegetação (natural ou culturas agrícolas), condicionado não tanto pela precipitação, bastante elevada, mas pela existência de um período favorável de crescimento, mais curto. As temperaturas médias anuais mais baixas que se verificam no território, são de cerca de 7ºC, nas zonas mais altas e com especial incidência em encostas viradas a Norte. A precipitação anual é bastante elevada, mantendo-se uma razoável disponibilidade hídrica durante o período estival. Verifica-se uma menor precipitação (1200 mm) na zona ocidental do vale, onde este é mais aberto, aumentando progressivamente com a altitude e a deslocação para Este, culminando em cerca de 3000 mm anuais na zona de Castro Laboreiro, em Melgaço. Em zonas relativamente pequenas, como por exemplo entre as encostas de uma montanha, é possível registar interessantes variações meteorológicas. Tal facto prende-se com os ventos atlânticos dominantes, carregados de humidade, que são forçados a ascender ao contactarem com uma montanha, originando precipitação na encosta Oeste. O ar aquece após transpor o cume - efeito de Foënh, tornando-se mais quente e seco que o inicial, pelo que ocorre menor precipitação na encosta Este. Assim, facilmente se percebe a biodiversidade que em alguns casos existe entre as encostas de uma mesma montanha. 7

8 Ocupação do solo O relevo e a tipologia dos solos, as condições meteorológicas e a proximidade aos rios Minho e Coura, condicionaram a ocupação humana do vale. Assim, constata-se que as sedes de concelho, tal como os principais núcleos populacionais, são sobranceiras aos rios, em zonas de vale mais aberto. Verifica-se também que a ocupação do território em solos mais favoráveis (as zonas aplanadas do vale) apresenta um padrão concêntrico, em que no centro estão os povoados, rodeados de campos agrícolas, que por sua vez estão rodeados por manchas florestais. Por outro lado, nos concelhos de Melgaço e Paredes de Coura, mais montanhosos, as zonas de campos apresentam-se essencialmente sob a forma de socalcos ou terraços, conferindo o elevado valor estético e ambiental ao território adverso de montanha. Estatisticamente, verifica-se que 7 % do território corresponde a área artificializada, 1 % a planos de água, 21 % a zonas agrícolas (dos quais 7 % são dedicados ao cultivo de vinha), 29 % a zonas florestais e 41 % do território é terreno inculto/ improdutivo (utilizado essencialmente para a silvopastorícia). 8

9 Biogeografia As características biogeográficas abordadas no presente capítulo, tornaram o Vale do Minho num importante centro de endemismos (espécies com uma distribuição geográfica altamente localizada), principalmente ao nível da flora, permitindo igualmente a manutenção de algumas bolsas de vegetação climácica (vegetação original). Por sua vez, estas manchas de vegetação permitem a existência de uma importante comunidade animal. A biodiversidade e características paisagísticas do território justificaram a criação de diferentes zonas protegidas situadas total ou parcialmente no Vale do Minho: Parque Nacional da Peneda-Gerês (B), Paisagem Protegida do Corno do Bico (A), Sítios de Importância Comunitária do Rio Minho (E), do Corno do Bico (G), das Serras da Peneda e Gerês (F), Zonas de Protecção Especial da Serra do Gerês (D) e dos Estuários do Rio Minho e Coura (C). Áreas Protegidas 9

10 Melgaço

11 Ecossistemas Neste Atlas da Paisagem do Vale do Minho, aborda-se a região mais montana do vale, de clima Atlântico com alguma influência Continental, excluindo-se assim a área litoral e estuarina, coincidindo a área de estudo com o território formado pelos Municípios de Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira. O atlas apresentado pretende ser uma ferramenta de apoio à visitação e compreensão do território. Assim, foram excluídos alguns habitats que não seriam tão facilmente apreendidos, como as turfeiras e charnecas húmidas, ou as comunidades permanentes de leitos de cheia rochosos, o que em nada lhes deverá retirar valor e relevância conservacionista. A metodologia seguida não foi no entanto cartesiana, compartimentada, procurando-se sim obter uma imagem fiel do Vale do Minho através de uma selecção dos habitats que pela dimensão ou características específicas mais contribuem para a paisagem. Incluíram-se cinco habitats naturais e dois com origem na ocupação humana. Seria impensável restringir este atlas aos habitats naturais, dada a ocupação humana que o Vale do Minho apresenta desde há vários milénios. Se por um lado a presença humana induz a profundas alterações na paisagem (impermeabilização de solos e de margens, indústria extractiva, florestas de produção, entre outros), por outro, as práticas agrícolas tradicionais estão na base da criação de um mosaico de campos e levadas de água, ladeados por sebes e bosques que, para além da sua beleza paisagística, albergam uma elevada biodiversidade animal e vegetal. A flora local integra-se na Flora Atlântica, possuindo como principais unidades o Carvalho-alvarinho (Quercus robur), o Bidoeiro (Betula celtiberica), o padreiro ou falso-plátano (Acer pseudoplatanus), bem como diversas espécies e associações de tojos e urzes. No Vale do Minho existem ainda, espécies características da Flora Mediterrânica muito bem adaptadas, testemunhos de migrações vegetais em épocas mais quentes que a actual, como o Sobreiro (Quercus suber), o Loureiro (Laurus nobilis), o Medronheiro (Arbutus unedo), ou a Gilbardeira (Ruscus aculeatus). 11

12 Paredes de Coura Vila Nova de Cerveira

13 Ecossistemas-Bosques Ribeirinhos Os bosques ribeirinhos ou ripícolas, encontram-se ao longo de rios, ribeiras e das tradicionais levadas de água. Naturalmente desenvolvem-se no sentido longitudinal, acompanhando o curso de água, sendo a sua largura condicionada essencialmente pelo declive do talude. Em taludes encharcados e mais sombrios, a galeria ripícola pode atingir uma largura considerável (ver Prancha de Ilustrações). Estes bosques constituem uma complexa associação de espécies vegetais, capazes de albergar uma importante comunidade animal, que a utiliza de forma tridimensional como corredor ecológico. Geralmente são dominados por um estrato arbóreo composto por Amieiro (Alnus glutinosa) e Freixo (Fraxinus excelsior), encontrando-se também Carvalho-alvarinho (Quercus robur) e nas margens do rio Minho Sobreiros (Quercus suber). O sub-bosque é rico, com a presença de Azevinho (Ilex aquifolium) e Pilriteiro (Crataegus monogyna), bem como diferentes fetos, hepáticas e musgos. Nas margens do rio Coura, destaque para a presença do endemismo ibérico Narcissus cyclamineus. As galerias de vales encaixados, mais torrenciais, possuem um sub-bosque mais pobre, sendo o estrato arbóreo dominado por Bidoeiro (Betula celtiberica) e Salgueiro (Salix spp.). Lontra C h im ap -rabilon go As galerias ripícolas, para além do habitat que representam, têm diferentes funções ecológicas de elevada importância: tais como a estabilização de taludes impedindo a erosão dos solos, regulação de nutrientes e retenção de poluição, controlo de cheias, input de matéria orgânica (através do carbono contido em folhas e troncos) nas linhas de água, que após conversão pelas comunidades fotossintéticas, vai suportar toda a cadeia alimentar do rio. A fauna associada aos bosques ripícolas e às próprias linhas de água é bastante rica e diversificada. Para além de inúmeras espécies de répteis, anfíbios e aves como o Chapimrabilongo (Aegithalus caudatus) ou o Dom-fafe (Pyrrhula pyrrhula), estas galerias representam locais de abrigo e reprodução para importantes espécies de mamíferos, como a Lontra (Lutra lutra) ou a Toupeira-de-água (Galemys pyrenaicus), que encontra nas margens dos afluentes do rio Minho um habitat de excelência. 13

14 Valença Valença

15 Garça-real Ecossistemas-Veiga da Mira Guarda-rios A Veiga da Mira constitui um ecossistema impar na área de estudo. Correspondendo a cerca de 300 ha de linhas de água, lagoas temporárias, bosques palustres e campos agrícolas ladeados por sebes vivas, que apresentam no seu todo uma elevada biodiversidade e muita relevância para a conservação de aves aquáticas invernantes. Justifica-se assim a sua protecção através de diferentes diplomas como a Rede Natura 2000, Reserva Ecológica e Agrícola Nacional e Domínio Público Hídrico. Sendo uma área essencialmente inundável, a entrada de água é feita a partir do rio Minho, das ribeiras de Favais, Pedreira e Formigosa, que se ramificam numa complexa rede de canais. A Veiga da Mira é um importante local para a conservação da Lontra (Lutra lutra). A vegetação arbórea é dominada por bosques paludosos de amieiro (Alnus glutinosa) e Salgueiro (Salix spp.), que rodeiam algumas lagoas, sendo o estrato herbáceo de grandes dimensões. Nos meses de verão, parte dos terrenos adjacentes encontram-se cultivados essencialmente com milho, no entanto, no inverno transformam-se em área alagada. Pensa-se que no passado os bosques paludosos estariam fortemente representados nos terraços de aluvião dos grandes rios portugueses. Actualmente, estas associações vegetais são relíquias. Este ecossistema é um importante habitat e local de observação de pequenos passeriformes como a Escrevedeira-dos-caniços (Emberiza schoeniclus), o Rouxinol-pequeno-dos-caniços (Acrocephalus scirpaceus) ou a Alvéola-amarela (Motacilla flava), de aves aquáticas como o Guarda-rios (Alcedo atthis), o Pato-real (Anas platyrhynchos) ou a Garça-real (Ardea cinerea), de limícolas como Abibe (Vanelus vanelus) e de rapinas como o Tartaranhão-ruivo-dos-pauis (Circus aeruginosus). As zonas húmidas são dos ecossistemas mais ricos e produtivos, possuindo uma elevada biodiversidade e consequentemente muita relevância conservacionista. No entanto, são ecossistemas extremamente sensíveis, encontrando-se fortemente ameaçados pela pressão humana (poluição, urbanização, intensificação da agricultura e piscicultura), pelo que urge aplicar na integra as directrizes resultantes da Convenção RAMSAR relativa à conservação e uso sustentável das zonas húmidas e seus recursos, assinada no Irão em 1971 e ratificada por Portugal em

16 16

17 Ecossistemas 17

18 Ca stanheiro r ho in C valho-alva r a Texugo Valença

19 Ecossistemas - Carvalhais de Carvalho-alvarinho Os carvalhais de Carvalho-alvarinho (Quercus robur), encontram-se predominantemente em solos profundos e frescos, de origem granítica ou xistosa, moderadamente ácidos e ricos em nutrientes, localizados na base de encostas de vales encaixados. Sendo uma espécie tipicamente atlântica, encontra-se essencialmente abaixo dos 600 m de altitude, onde a influência climácica é maior. Maior é também a perturbação humana, uma vez que é também em solos profundos e abaixo dos 600 m que se encontram os terrenos com melhores características para as actividades agrícolas. Os carvalhais traduzem-se em importantes associações vegetais (ver Prancha de Ilustrações). Assim, os carvalhais de maior influência atlântica - carvalhais climácicos apresentam entre outras espécies, Castanheiro (Castanea sativa), Aveleira (Corylus avellana), Pilriteiro (Crataegus monogyna), Azevinho (Ilex aquifolium) e Gilbardeira (Ruscus aculeatus). Nas encostas mais expostas a Sul, é frequente uma associação de cariz mais mediterrânico - carvalhais termófilos - isto é, com espécies como o Sobreiro (Quercus suber), o Medronheiro (Arbutus unedo) ou o Loureiro (Laurus nobilis). O carvalhal climácico, é uma associação vegetal que se encontra na etapa clímax, isto é, num estado de conservação original. Alguns dos ecossistemas presentes no Vale do Minho resultam da sucessão ecológica da degradação (em relação à etapa clímax) de um carvalhal, o que não lhes retira necessariamente valor ao nível da biodiversidade! Por exemplo, um aveleiral natural (típico do Noroeste de Portugal) corresponde a um bosque climácico secundário, um giestal à primeira etapa de degradação de um carvalhal, os matos a etapas mais avançadas. A fauna associada aos carvalhais locais é bastante diversificada, destacando-se alguns carnívoros como o Texugo (Meles meles), a Raposa (Vulpes vulpes) e a Fuínha (Martes foina), ungulados como o Javali (Sus scrofa) e aves como a Trepadeira-azul (Sitta europaea), que se destaca por possuir a capacidade de se deslocar ao longo dos troncos, quer no sentido ascendente como descendente. Monção 19

20 C ho-neg val ra r a l oeiro Vid C o rç o Paredes de Coura

21 Ecossistemas - Carvalhais Galaicoportugueses Os carvalhais galaico-portugueses de Carvalho-alvarinho (Q. robur) e Carvalho-negral (Q. pyrenaica) constituem uma comunidade vegetal autóctone, que representa um importante ecossistema pela biodiversidade que encerra. Enquanto que os carvalhais de Q. robur são preferencialmente climácicos, típicos de solos profundos e vales encaixados, os carvalhais galaico-portugueses situam-se em zonas mais elevadas, geralmente a partir dos 600 m de altitude, onde se verifica alguma influência continental. Naturalmente, as associações vegetais que os compõem são também diferentes dos anteriores, variando com a exposição, precipitação, qualidade do solo, entre outros. Tipicamente, possuem uma elevada cobertura arbórea, pelo que o seu sub-bosque é húmido e sombrio, com pouca variação de temperatura. Assim, apresentam um baixo coberto arbustivo, composto essencialmente por Pereira-brava (Pyrus cordata), Arando (Vaccinium myrtillus) e Pilriteiro (Crataegus monogyna), sendo o sub-bosque dominado por espécies geófitas - que persistem no subsolo sob a forma de bolbos, rizomas ou tubérculos durante os períodos desfavoráveis ao crescimento. São exemplo de espécies geófitas, que aqui encontram o seu habitat, os endemismos ibéricos Narcissus cyclamineos e Narcissus pseudonarcissus nobilis. Narcissus cyclamineus - PPCB As especificidades térmicas e hídricas do sub-bosque dos Carvalhais Galaico-portugueses, tornam-nos ainda num local de excelência a nível micológico, sendo inúmeras as espécies aqui representadas, algumas de valor comercial como Boletus edulis ou C. cibarius. Em algumas bolsas localizadas a maior altitude, verifica-se uma associação dos carvalhais galaico-portugueses com vidoeiros (Betula celtiberica), o que representa um testemunho da época de glaciação da Península Ibérica. Ao nível da fauna destaque para espécies como o Corço (Capreolus capreolus), a Geneta (Genetta genetta), o Esquilo-vermelho (Sciurus vulgaris) e o Lobo (Canis lupus signatus). 21

22 a am l a ndra-lusit ân i ca S Rã-ibérica Paredes de Coura

23 Ecossistemas - Lameiros Os Lameiros ou Prados de Rega de Lima, são ecossistemas semi-naturais, em socalcos ladeados por bosquetes de carvalho e levadas de água ou ribeiras, de grande valor paisagístico e biogenético. Possuem ainda um elevado valor etnográfico na medida em que representam uma centenária prática da agricultura tradicional de montanha. Localizam-se geralmente a uma cota superior a 500 m, em solos férteis e de abundante disponibilidade hídrica. Aliás, o termo Prado de Lima encontra-se ligado a esta disponibilidade hídrica - a rega de lima traduz-se na escorrência constante de água a toda a superfície do solo, passando de socalco para socalco (ver Prancha de Ilustrações), promovendo a regulação térmica, reduzindo assim a formação de geada durante o Inverno e permitindo um crescimento mais rápido na Primavera. A composição vegetal dos lameiros depende da sua utilização humana, podendo ser lameiro de pasto, de erva, ou de feno - os mais interessantes ecologicamente. A utilização dos lameiros pelo gado e o corte anual ( segagem ) do feno ou da erva promovem o equilíbrio nas sucessões vegetais que os compõem. Desempenhando uma importante função de regulação dos ciclos da água e dos nutrientes, supõe-se que este ecossistema ancestralmente já existisse, na forma de prados em pequenas clareiras de bosques mantidos por herbívoros. No entanto a forma e abundância que hoje se verifica, deve-se ao homem. Evidência disso é o facto deste ecossistema se encontrar em recessão devido ao êxodo rural - os lameiros mais afastados das povoações, que representam o habitat de espécies mais raras, encontram-se ao abandono e as espécies herbáceas anuais que os compunham estão a ser substituídas naturalmente por arbustos. Os lameiros são muito ricos em insectos, pelo que a nível faunístico representam um habitat de excelência para espécies insectívoras como o Ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus) e para os endemismos Salamandra-lusitânica (Chioglossa lusitanica) e Rã-Ibérica (Rana iberica). 23

24 Monção Melgaço

25 Ecossistemas - Brandas e Inverneiras As Brandas e Inverneiras são um complexo ecossistema semi-natural, composto por prados de feno, pequenas hortas (logradouros) e alguns bosquetes de Carvalho. Este ecossistema de montanha tem a sua origem numa ímpar estratégia de povoamento do Alto-Minho caracterizado por uma sazonalidade na ocupação humana de vales e cabeceiras de montanha ao longo do ano. A ocupação humana deste território esteve desde sempre intimamente associada à pastorícia. Assim, as Inverneiras representam a povoação principal, situada em zonas de vale, onde o Inverno é menos rigoroso. Em meados de Maio, com o aumento da temperatura e a diminuição da disponibilidade de pastos, associado ao fim das lavouras e da necessidade dos bovinos para o auxílio da agricultura, ocorria a deslocação de alguns habitantes e do gado para as cabeceiras dos montes, geralmente acima dos 600 m, em busca das cabeceiras dos rios e de prados de feno - as Brandas, onde ficariam até meados de Setembro (ver Prancha de Ilustrações). A ocupação humana das Brandas podia traduzir-se em simples abrigos de pastores e dos seus parcos haveres - os cortelhos, ou em alguns casos, em pequenos povoados que recebiam famílias inteiras e onde se cultivavam em pequenas hortas a batata e o centeio. Lebre As Brandas e Inverneiras são mais um exemplo de ocupação sustentada do território, através de práticas tradicionais. Esta ocupação humana modificou a paisagem, criando novos biótopos, contribuindo assim para a diversidade biológica. Presentemente, a sazonalidade entre os vales e as cristas montanhosas já quase não se verifica, mas observa-se uma manutenção destes ecossistemas e da etnografia local com finalidades ecoturísticas. A fauna local é bastante rica e diversificada, sendo possível avistar sem grande dificuldade Coelhos (Oryctolagus cuniculus), Lebres (Lepus granatensis), Corvos (Corvus corax), bem como inúmeras espécies de aves de rapina como águias ou falcões. 25

26 T Lobo Paredes de Coura

27 Ecossistemas - Tojais - urzais a n h ão c aç r a ad t ar or T O matos representam uma unidade paisagística associada a terrenos incultos, que como anteriormente foi referido, correspondem a uma etapa relativamente avançada da degradação de carvalhais. No entanto, muitas das associações que os compõem são biogenéticamente ricas e bastante estáveis ecologicamente. Os Tojais-urzais são um tipo dos vulgarmente designados matos (que também compreendem giestais, charnecas húmidas, entre outros), que integram uma considerável porção da paisagem do Vale do Minho. Dominados pelo Tojo (geralmente Ulex europaeus e U. minor) em associação com Urze-roxa (Erica cinerea) e Torga (Calluna vulgaris), surgem de forma marginal a carvalhais e outras unidades florestais, até uma altitude de cerca de 700 m. A sua composição específica pode no entanto variar dependendo da exposição, tipo de solo e humidade. Este ecossistema desempenha um importante papel de regulação do ciclo da água e dos nutrientes, para além de refúgio de biodiversidade, tendo como principais factores de pressão a pastorícia e as queimadas, muitas vezes ligadas às próprias práticas silvopastoris. Os Tojais-urzais, representam por diferentes condicionantes um bom habitat para diversas espécies animais: os situados na orla de zonas florestadas para o Gato-bravo (Felis silvestris), os situados na orla de campos de cereal para a Perdiz (Alectoris rufa). O Lobo (Canis lupus signatus), espécie de distribuição bastante generalista, encontra também neste ecossistema um importante habitat, por este tender a ser um dos menos propícios à perturbação humana. Curiosa é também a presença de Tartaranhão-caçador (Circus pygargus), rapina típica das grandes áreas cerealíferas do Alentejo, uma vez que caça e nidifica no solo, mas que aqui também encontrou um propício habitat. Melgaço 27

28 Brandas e Inverneiras 28

29 Prancha de Ilustrações Lameiros e Levadas Galeria Ripícola - perfil 29

30 Bordo Bétula valho Car Carvalhais Q. robur Castanheiro Estrado arbustivo Azevinho Estrato arboréo Aveleira nica montan a Pilriteiro cum and pe r i ro y H s um em sa dwardia radi oo n ca W o Ver Musgos Liquens Estrato herbáceo Estrato muscinial/epífito 30

31 o vo Edição Associação de Municípios do Vale do Minho Tel: Fax: Conteúdos e Composição Ecovisão - Tecnologias do Meio Ambiente, Lda. 31

32

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012 Ecologia II: Ecossistemas fluviais Manuela Abelho 2012 3.1 Funções 3. ZONA RIPÍCOLA 2 Zonas ripícolas Espaços abertos que bordeiam os rios estabelecendo o seu limite e constituem a zona de transição entre

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Lamaçães. Realizado por: Afonso Miguel Gomes Ana Luísa Alegria Ana Marta Aguiar Ana Teresa Vieira Ana Maria Marques

Agrupamento de Escolas de Lamaçães. Realizado por: Afonso Miguel Gomes Ana Luísa Alegria Ana Marta Aguiar Ana Teresa Vieira Ana Maria Marques Agrupamento de Escolas de Lamaçães Realizado por: Afonso Miguel Gomes Ana Luísa Alegria Ana Marta Aguiar Ana Teresa Vieira Ana Maria Marques Conhecer o carvalhal típico português Verificar a situação actual

Leia mais

1. Rede Natura 2000 - Sítios de Importância Comunitária (SIC)

1. Rede Natura 2000 - Sítios de Importância Comunitária (SIC) FORMAS DE SUPERFÍCIE NO CONCELHO DE PONTE DE LIMA: UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL E BIÓTOPOS NATURAIS Teresa Jesus Professora associada da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Fernando

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

Validação da Cartografia de Habitats

Validação da Cartografia de Habitats LIFE Natureza Nº LIFE04/NAT/PT/000214: NORTENATUR Validação da Cartografia de Habitats 1. Material a. Fotografia área b. Carta Habitats c. Carta Militar d. Bússola e régua 2. Metodologia de Validação a.

Leia mais

Caracterização Florestal

Caracterização Florestal Caracterização Florestal Enquadramento A. Geral O Concelho de Valença tem uma área de 11 790 ha e situa-se na zona Norte do país, região do Minho, distrito de Viana do Castelo, e faz fronteira fluvial

Leia mais

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS)

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) 1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESTADO DO TEMPO E CLIMA? Estado do tempo É o conjunto de condições atmosféricas que se verificam num determinado lugar, num curto período

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP Rede de Parques Metropolitanos da Grande Área Metropolitana do Porto Rede de Parques Metropolitanos da Grande

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Índice. 4 Plano de Intervenção... 56 5 Planos de Acção... 61

Índice. 4 Plano de Intervenção... 56 5 Planos de Acção... 61 Índice 1 Objectivos e Âmbito do Plano... 2 2 Análise e Diagnóstico... 4 2.1. Enquadramento nas Políticas de Ordenamento e Desenvolvimento do Território.4 2.1.1. Norte 2015 Plano Estratégico da Região Norte

Leia mais

Geografia de Portugal

Geografia de Portugal Geografia de Portugal Lúcio CUNHA Departamento de Geografia CEGOT Universidade de Coimbra Email: luciogeo@ci.uc.pt Europa: o espaço Características gerais da Europa: - A Europa na placa euroasiática Características

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS 2011 Aula III AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA TUNDRA O termo Tundra deriva da palavra finlandesa Tunturia, que significa

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR

LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR 1. LOCALIZAÇÃO A sub-região Douro Superior localiza-se no Interior Norte do país e integra os distritos de Bragança e Guarda,

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia Capítulo 5 A Geografia da União Europeia A Europa é um Continente? América Do Norte EUROPA Ásia OCEANO ÁRTICO América Central África OCEANO PACÍFICO América do Sul OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ÍNDICO Oceania

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

SÍTIO SERRA DA LOUSÃ CÓDIGO PTCON0060 DATA E DIPLOMA DE CLASSIFICAÇÃO Resolução do Conselho de Ministros n.º 76/00 de 5 de Julho ÁREA 15 158 ha CÓDIGOS NUT PT124 - Pinhal Interior Norte - 100 % CONCELHOS

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 5. 1.2 Enquadramento Histórico... 5

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 5. 1.2 Enquadramento Histórico... 5 RESUMO De outubro de 2013 a fevereiro de 2014 decorreu o segundo ano de (re)arborização apoiado pelo projeto Floresta Comum, sendo contudo a terceira campanha de (re)arborização apoiada pelo projeto, tendo

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

Floresta Mediterrânea Europeia. Falésias

Floresta Mediterrânea Europeia. Falésias Floresta Mediterrânea Europeia A4 Sombreiros na Floresta Mediterrânea. Foto: Algefoto/Shutterstock.com O clima mediterrâneo é caracterizado por verões secos e invernos chuvosos, com uma média anual de

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Química Ambiental no Ensino: uma aula de campo no rio Fervença com apoio de recursos digitais

Química Ambiental no Ensino: uma aula de campo no rio Fervença com apoio de recursos digitais Química Ambiental no Ensino: uma aula de campo no rio Fervença com apoio de recursos digitais Estrutura MOTIVAÇÃO PROBLEMÁTICA EM ESTUDO OBJECTIVOS BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO FERVENÇA ESTUDO DE CAMPO PÁGINA

Leia mais

Implantação de sebes no ecossistema vitícola

Implantação de sebes no ecossistema vitícola Implantação de sebes no ecossistema vitícola Quinta das Carvalhas, 29 Outubro 2012 Cristina Carlos LIFE 09 NAT/FR/000584 Porquê melhorar os habitats Promover a sustentabilidade do ecossistema vitícola

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5 Apoio Científico RESUMO Foi na campanha de (re)arborização de 2011/12 (outubro 2011 fevereiro 2012) que se lançou o projeto piloto do Floresta Comum. O Ano Zero deste projeto teve como objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA

Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA Rouxinol-pequeno-dos-caniços Acrocephalus scirpaceus ENCONTRO 2BPARKS Actividades económicas sustentáveis no

Leia mais

UM RETRATO DA BIODIVERSIDADE NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

UM RETRATO DA BIODIVERSIDADE NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UM RETRATO DA BIODIVERSIDADE NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO 05.07.2010 Documento elaborado por: Com o apoio de: Centro Regional de Excelência em Educação para o Desenvolvimento Sustentável da Área Metropolitana

Leia mais

Projecto de candidatura

Projecto de candidatura Projecto de candidatura Resumo O projecto Ensino experimental no bosque de Casal do Rei regeneração da biodiversidade após fogo consiste na monitorização da regeneração da vegetação natural de um bosque

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS VOL. 7. ESTUDO SECTORIAL DA PAISAGEM PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS ESTUDO PRÉVIO NOVEMBRO 2003 CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS VENTURA DA CRUZ PLANEAMENTO LDA. PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

Leia mais

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia Vegetação A actuação na vegetação será diferenciada, à semelhança de outras situações, entre a actuação ao nível das linhas (troços) e das pontuações. A actuação nas pontuações deverá ser por sua vez hierarquizada

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS Jonathan Kreutzfeld FITOGEOGRAFIA É a ciência que estuda a distribuição geográfica dos vegetais de acordo com as suas características. BIÓTOPO: Delimitação de um habitat. Temperatura

Leia mais

Trabalho realizado pelas turmas A, B, C, D e E do 7.º ano. Professoras Responsáveis: Célia Santos Daniela Rosas Sónia Ferreira Susana Marques

Trabalho realizado pelas turmas A, B, C, D e E do 7.º ano. Professoras Responsáveis: Célia Santos Daniela Rosas Sónia Ferreira Susana Marques Escola Secundária de Amares FICHA-RELATÓRIO: GRANITO DE BRAGA Trabalho realizado pelas turmas A, B, C, D e E do 7.º ano Professoras Responsáveis: Célia Santos Daniela Rosas Sónia Ferreira Susana Marques

Leia mais

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital *

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * 25 Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * Introdução Os incêndios florestais, como quaisquer outros fenómenos que se desenrolem à superfície terrestre, são localizáveis.

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II Lab. Geo Física Aula 5 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Domínios vegetacionais e faunísticos Mudanças climáticas e seres vivos Domínios Morfoclimáticos

Leia mais

O que é uma Floresta?

O que é uma Floresta? A FLORESTA E O DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA O que é uma Floresta? É um sistema natural dominado por espécies arbóreas, com diversas espécies vegetais arbustivas e herbáceas e habitada por diferentes

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

M A N E I R O D E L A M E I R O S 1 - INTRODUÇÃO

M A N E I R O D E L A M E I R O S 1 - INTRODUÇÃO M A N E I R O D E L A M E I R O S 1 - INTRODUÇÃO Para os tentar definir de uma forma simples, podemos dizer que os lameiros não são mais do que prados naturais permanentes, cujas bordaduras das parcelas

Leia mais

1.1 - Interacções seres vivos factores abióticos

1.1 - Interacções seres vivos factores abióticos Ciências Naturais 8ªano 1.1 - Interacções seres vivos factores abióticos Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro 1.2 - Interacções seres vivos factores abióticos Dinâmica dos ecossistemas Num ecossistema,

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO - 1 - ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 1 2. ANTECEDENTES--------------------------------------------------------------------------- 1 3.

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats A Mata Nacional do Buçaco :: A Mata Nacional do Buçaco (MNB) constitui um património único, na sua componente natural e arquitetónica,

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Comunicado da Organização Governamental

Comunicado da Organização Governamental À descoberta da E. S. Dr. José Afonso Núcleo Estágio Escola S. Dr. José Afonso O Mundo atravessa uma epidemia a larga escala de uma doença mortífera de origem tropical, vulgarmente conhecida por escolite.

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

O Mosaico Agro-Florestal e a Biodiversidade

O Mosaico Agro-Florestal e a Biodiversidade O Mosaico Agro-Florestal e a Biodiversidade Comissão de Protecção da Natureza 23 de Abril de 2012 PARTE 1 João da Fonseca Caldeira Cabral Introdução A Paisagem como a Vida é constituída por equilíbrios

Leia mais

PORTAS DO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS Programas de eventos e actividades de visitação

PORTAS DO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS Programas de eventos e actividades de visitação PORTAS DO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS Programas de eventos e actividades de visitação PORTA DO LINDOSO Sábado - 29 de Maio Pinturas faciais (motivo das pinturas: fauna do Parque Nacional da Peneda-Gerês)

Leia mais

Morfologia do Terreno

Morfologia do Terreno Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Morfologia do Terreno Natália Cunha Manuela Raposo Magalhães Maria Manuela

Leia mais

A Paisagem Monumental de Loriga

A Paisagem Monumental de Loriga A Paisagem Monumental de Loriga Valor Patrimonial, Ambiental e Cultural Que Futuro? Localização Principais linhas de água e de escoamento de ar frio Área de Paisagem intensamente humanizada Corte fito-climacico

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal Luis Ortiz Torres - UNIVERSIDADE DE VIGO Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal ATIVIDADE 3 - Logística do aproveitamento da biomassa

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Palavras-chave IMPACTE; EFEITO; AMBIENTE; ORIENTAÇÃO; ÁREA PROTEGIDA.

Palavras-chave IMPACTE; EFEITO; AMBIENTE; ORIENTAÇÃO; ÁREA PROTEGIDA. Palavras-chave IMPACTE; EFEITO; AMBIENTE; ORIENTAÇÃO; ÁREA PROTEGIDA. Resumo Em Fevereiro de 2001, no Mesio, área do Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG), tiveram lugar duas etapas do Portugal O Meeting

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais