PERÍODO TRANS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA GERAL: O CUIDADO COM ÊNFASE NOS ASPECTOS EMOCIONAIS 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERÍODO TRANS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA GERAL: O CUIDADO COM ÊNFASE NOS ASPECTOS EMOCIONAIS 1"

Transcrição

1 PERÍODO TRANS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA GERAL: O CUIDADO COM ÊNFASE NOS ASPECTOS EMOCIONAIS 1 Marister PICCOLI 2 Jacó Fernando SCHNEIDER 3 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 4 INTRODUÇÃO: Os pacientes que se submeterão a procedimento cirúrgico, e que necessitam de internação, são vitimas de trauma, agudamente doentes, submetidos a grandes cirurgias, que necessitam de cirurgia de emergência, alem daqueles com distúrbios clínicos colaborativos (SMELTZER; BARE, 2002). Nesse sentido, a presente investigação enfoca a assistência de enfermagem no período trans-operatório. A assistência de enfermagem ao ser humano, como um ser não divisível, é um dos pontos abordados pela enfermagem, sendo a atenção integral ao paciente, sua família e aqueles que são importantes a ele enfatizada e ensinada nas escolas (PICCOLI; GALVÃO, 2004). Desta forma, a dor, o sofrimento, a angústia e a morte, passam a fazer parte do processo viver e existir, sendo que o homem considera sua saúde como fonte de vida. No entanto, existe incongruência, quando falamos em ser humano com saúde. A desestabilização sócio-econômica evolutiva, a dificuldade na sobrevivência da saúde pública e o crescimento demográfico levam-nos a pensar que é muito difícil viver com saúde. Não somente na área da saúde, mas sempre que valores como vida, morte, sofrimento, tristeza e perda estão em discussão, os problemas culturais tornam-se 1 Projeto de Pesquisa concluído que teve o seu desenvolvido no período de abril de 2000 a outubro de 2002 na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, cadastrado na Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação. 2 Enfermeira, Doutoranda em enfermagem Fundamental pela EERP/USP. Professora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Rua Paraná, 2447, ap.18. Cascavel, Paraná, 33 Enfermeiro, Doutor em Enfermagem EERP/USP - Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel. 4 Enfermeira, Mestranda em Enfermagem pela UEM. Professora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel.

2 2 intensos quando estão próximos ao que nos é vulnerável. A combinação de diversas disciplinas criou situações proveitosas no relacionamento profissional com o paciente e sua família. A comunicação sugere diversas formas de romper barreiras entre o paciente e o profissional e essas formas devem ser comuns a ambos. O ambiente hospitalar é propício ao desenvolvimento da imaginação, muitas histórias são contadas e os veículos de comunicação, diariamente, contam fatos que as alimentam. Peniche (1998) relata que quanto mais dados da realidade o indivíduo tiver, mais as avaliações cognitivas serão efetivas; que as possibilidades de obtenção de informação poderão ser as mais variadas, desde experiências passadas até a formulação de questionamentos relativos à anestesia e à cirurgia, contribuindo para a diminuição da tensão emocional. Para a autora, as buscas das informações e das emoções vividas com a experiência do momento têm sido objeto de estudo sobre o medo da morte, da anestesia, da deformação, da dor, assim como as dúvidas relacionadas à família, emprego e outros. Levando em consideração que a sistematização não é uma atividade exclusiva para a enfermagem, mas sim, para o paciente, equipe e família, reforçamos a importância e a responsabilidade de uma sistematização embasada cientificamente e acessível a todos que dela possam se utilizar em benefício do paciente, garantido uma assistência integral, consciente de que todos os componentes da equipe necessitam desenvolver um trabalho de colaboração, objetivando a segurança da sistematização da assistência de enfermagem perioperatória. OBJETIVO: identificar os diagnósticos de enfermagem emocionais e sociais encontrados com maior freqüência no período trans-operatório de pacientes adultos submetidos à cirurgia geral. METODOLOGIA: Esta pesquisa foi realizada em um hospital com atendimento privado de médio porte, localizado na região oeste do Estado do Paraná. A coleta de dados foi realizada por meio de um instrumento norteado na literatura específica da área e foi realizada por um dos pesquisadores, nos meses de junho a agosto de 2001, em acompanhamento ao paciente cirúrgico adulto, no período trans-operatório, que estava sendo submetido a procedimento cirúrgico geral de pequeno ou médio porte. Dando seqüência a coleta de dados, procedemos a identificação dos diagnósticos de enfermagem de cada paciente acompanhado, utilizando o processo de raciocínio 2

3 3 diagnóstico descrito por Risner (1990) e após, construímos as afirmativas diagnósticas tendo como referência a taxonomia da NANDA ( ). RESULTADOS E DISCUSSÕES: Foram identificados três diagnósticos de enfermagem emocionais e sociais no período trans-operatório conforme apresentado a seguir: o número e porcentagem foram calculados com base no total de pacientes cirúrgicos entrevistados (n=10) para cada diagnóstico de enfermagem identificado, Interação Social Prejudicada (Família), sete pacientes (70%); Ansiedade, três pacientes (30%) e Medo, um paciente (10%). O enunciado da categoria diagnóstica Interação Social Prejudicada (Família) foi relacionada à necessidade de comunicação da equipe da unidade de centro cirúrgico com a família do paciente. Ressaltamos a necessidade da avaliação de cada caso e também que esta é uma decisão em equipe, beneficiando a família e o paciente. É o momento certo para que haja essa interação, principalmente no caso das visitas pré-operatórias serem realizadas pelo enfermeiro da unidade de centro cirúrgico ao paciente e a família, mantendo assim, o vínculo iniciado no período préoperatório. De acordo com Smeltzer; Bare (2002), é necessário identificar o sistema de apoio social e incentivar o seu uso, tendo em vista que as pessoas solitárias ou isoladas correm risco de falha no processo de recuperação, em que a realidade deve ser encarada e a busca de informações e conselhos com outras pessoas ajuda a analisar a ameaça e desenvolver estratégias para tentar superar sua situação. Os enunciados da categoria diagnóstica Ansiedade, que obteve 30 % de freqüência foram: Ansiedade relacionada ao resultado do procedimento cirúrgico manifestada por comunicação verbal na sala de cirurgia; Ansiedade relacionada ao tempo de espera (1 hora) para o início do procedimento cirúrgico manifestado por comunicação verbal e observação e Ansiedade relacionada à necessidade do procedimento anestésico manifestada por comunicação verbal na sala de cirurgia. Nos enunciados da categoria diagnóstica Ansiedade, 30% dos entrevistados apresentaram este diagnóstico no período trans-operatório. Consideramos que este percentual foi em virtude de todos os pacientes acompanhados receberam visita pré-operatória de enfermagem. Em estudo anterior, Piccoli; Maraschin; Schneider; Viera (2002) identificaram em 66,6 % dos pacientes o diagnóstico de enfermagem ansiedade no período pré-operatório, o que nos mostra claramente a necessidade da visita pré-operatória realizada pelo enfermeiro de centro cirúrgico também com vistas à 3

4 4 assistência emocional. Para Smeltzer; Bare (2002), utilizar técnicas de comunicação poderá diminuir a ansiedade, a atenção ao conforto físico auxilia o paciente a sentir-se confortável e também informar ao paciente quem estará na sala, a duração do procedimento e outros detalhes ajudam o paciente a preparar-se para o procedimento, ter uma sensação de controle sobre si e de estar participando no processo. Quanto ao fator relacionado ao procedimento anestésico, esse sentimento é muitas vezes inespecífico, o paciente sabe que uma mudança ocorrerá, mas como a situação não pode ser modificada, o enfermeiro pode auxiliar o paciente a controlar a ansiedade através de técnicas de apoio, na recepção do paciente na unidade de centro cirúrgico e ainda, na sala de cirurgia nos momentos que antecedem ao procedimento. O enunciado diagnóstico da categoria diagnóstica Medo foi relacionado ao procedimento anestésico manifestado por comunicação verbal na sala de cirurgia. Conforme acima citado, identificamos o diagnóstico Medo em 10 % dos pacientes acompanhados no período trans-operatório. Lembramos novamente que todos os pacientes receberam visita préoperatória de enfermagem, propiciando uma diminuição positiva na identificação dos diagnósticos emocionais. CONCLUSÃO: Sabemos que o ser humano não vive sozinho, ao contrário, vive em um contexto dinâmico, em família. Assim, acreditamos na importância da família, e esperamos que, a cada dia, ela se torne aos olhos da equipe de saúde uma força positiva no tratamento do paciente. Olhando para a unidade de centro cirúrgico, percebemos que atualmente os acompanhantes aguardam o retorno do paciente no quarto. Entendemos a necessidade de a família ser comunicada sobre o término da cirurgia, bem como, que receba o paciente na porta do centro cirúrgico no momento da alta e de seu retorno para a unidade de origem. A assistência de enfermagem ao paciente no perioperatório exige amplo conhecimento do enfermeiro, habilidades interpessoais, levando-se em consideração as condições emocionais do paciente, em que o profissional deve ter claras as ações que identifiquem e minimizem emoções que possam levar à complicações. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 4

5 5 NORTH AMERICAN NURSING DIAGNOSIS ASSOCIATION. Nursing Diagnosis: definitions & classification. Philadelphia: PENICHE, A.C.G. A influência da ansiedade na resposta do paciente no período pósoperatório imediato p. Tese (Doutorado) - Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, PICCOLI, M.; GALVÃO, C.M. Enfermagem perioperatória: identificação dos diagnósticos de enfermagem na visita pré-operatória fundamentada no modelo conceitual de Levine. Cascavel: Edunioeste, PICCOLI, M.; MARASCHIN, M.; SCHNEIDER, J.F.; VIERA,C.S. Ansiedade e medo do paciente cirúrgico e ansiedade da família: identificação de diagnósticos de enfermagem. In: SEMINÁRIO INTERINSTITUCIONAL DE ENFERMAGEM DE CASCAVEL, 1. Cascavel, 2002.Anais. Cascavel, p RISNER, P.B. Diagnosis: analysis and synthesis of data. In: GRIFFITH-KENNEY, J. W.; CRISTENSEN, P.J. Nursing process: apllication of theories frameworks, and Models. Saint Louis: Mosby, p SMELTZER, S.C.; BARE, B.G. Brunner & Suddarth. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

PÓS-OPERATÓRIO TARDIO DE CIRURGIA GERAL: VISUALIZANDO AS NECESSIDADES DO PACIENTE NO MOMENTO DA ALTA 1

PÓS-OPERATÓRIO TARDIO DE CIRURGIA GERAL: VISUALIZANDO AS NECESSIDADES DO PACIENTE NO MOMENTO DA ALTA 1 1 PÓS-OPERATÓRIO TARDIO DE CIRURGIA GERAL: VISUALIZANDO AS NECESSIDADES DO PACIENTE NO MOMENTO DA ALTA 1 Shirley Glauci Berté 2 Marister Piccoli 3 INTRODUÇÃO: O período pós-operatório inicia-se após a

Leia mais

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR III PLANO DE CURSO

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR III PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR III Código: ENF 205 Pré-requisito: ENF-

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 Rosana Rodrigues dos SANTOS 2 Marister PICCOLI 3 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL ESTERILIZADO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL ESTERILIZADO PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL ESTERILIZADO Código:

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 5º PERÍODO

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 5º PERÍODO EMENTÁRIO E E COMPLR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 5º PERÍODO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO Assistência de Enfermagem sistematizada a clientes adultos e idosos em

Leia mais

Patricia Santiago Carvalho Grasiela Scavassa Costa Suelen Catarino Sampaio

Patricia Santiago Carvalho Grasiela Scavassa Costa Suelen Catarino Sampaio Patricia Santiago Carvalho Grasiela Scavassa Costa Suelen Catarino Sampaio Santos Dumont Hospital Média e alta complexidade Inaugurado em 2009 10 leitos UTI geral 10 leitos UCO 69 leitos de internações

Leia mais

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 04 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR

Leia mais

ANALISANDO A VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: O ENFOQUE DO CLIENTE

ANALISANDO A VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: O ENFOQUE DO CLIENTE Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANALISANDO A VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: O ENFOQUE DO CLIENTE Karlos Emilio Toniol 1 ; Juice Ishie Macedo 2. RESUMO:

Leia mais

Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ)

Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ) Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ) Apresentação Inscrições abertas Objetivos Geral Habilitar o profissional de Enfermagem para o Atendimento e Desenvolvimento de ações de específicas em Emergência

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM DOR DURANTE O PERÍODO TRANS-OPERATÓRIO

IDENTIFICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM DOR DURANTE O PERÍODO TRANS-OPERATÓRIO IDENTIFICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM DOR DURANTE O PERÍODO TRANS-OPERATÓRIO Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Marister Piccoli Erineide Marta Brognoli de Matos 1 INTRODUÇÃO: A dor consiste

Leia mais

ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E EMOCIONAIS EVIDENCIADOS EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM MANIFESTAÇÃO DA ANSIEDADE 1

ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E EMOCIONAIS EVIDENCIADOS EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM MANIFESTAÇÃO DA ANSIEDADE 1 ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E EMOCIONAIS EVIDENCIADOS EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM MANIFESTAÇÃO DA ANSIEDADE 1 1 Jean Carlos Broetto Besinella 2 Débora Cristina Ignácio Alves 3 INTRODUÇÃO: O estudo sobre o

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM Iaskara Mazer 1 Ana Paula Modesto 2 Janaina Vall 3 Introdução: É dever do

Leia mais

PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1

PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1 PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1 OLIVEIRA, Luciana Griebeler 2 ; OLIVEIRA, Stefanie Griebeler 3 ; GARCIA, Raquel Pötter

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 4º PERÍODO

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 4º PERÍODO EMENTÁRIO E E COMPLR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 4º PERÍODO ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM Administração do processo de trabalho e da assistência de Enfermagem em instituições hospitalares

Leia mais

ANESTESIA. Guia do Paciente

ANESTESIA. Guia do Paciente ANESTESIA Guia do Paciente ANESTESIA Guia do Paciente Orientações para o Paciente Cirúrgico Caro Paciente e Familiares, Este Guia foi elaborado para contribuir com a sua participação e de seus familiares

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEc Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico de enfermagem Qualificação:

Leia mais

DISCIPLINA: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL

DISCIPLINA: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL DISCIPLINA: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL Disciplina: Enfermagem em Centro Cirúrgico e Centro de Material Carga horária total: 120 horas, sendo 90 teórico-práticas e 30 teóricas Coordenador:

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013

Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Auxiliar de Enfermagem Qualificação: Sem qualificação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Especialização em Enfermagem em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Central de Material Esterilizado

Especialização em Enfermagem em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Central de Material Esterilizado Especialização em Enfermagem em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Central de Material Esterilizado Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 08 --> A evolução na arte de exercer a enfermagem

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: ambiente e saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

CRONOGRAMA ETP/ESAI II - 1º SEMESTRE/2011* MARÇO - 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira 15 PC/PD

CRONOGRAMA ETP/ESAI II - 1º SEMESTRE/2011* MARÇO - 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira 15 PC/PD UFF/EEAAC/MEM/Disciplina: Enfermagem na Saúde do Adulto e do Idoso II Equipe: Profª Dr ª Santana, Prof ª Dr ª Lima, Prof ª Ms ª Gentile, Prof ª Msª Silva Fassarella, Profª Msnda Ribeiro Bitencourt Monitores:

Leia mais

Especialização em Enfermagem em Emergência - NOVO

Especialização em Enfermagem em Emergência - NOVO Especialização em Enfermagem em Emergência - NOVO Apresentação Previsão de Início - Agosto Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep A Pós-Graduação em Enfermagem em Emergência surge para atender a

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 010/2017

FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 010/2017 FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 010/2017 TÉCNICO DE ENFERMAGEM SUMARIO DAS ATRIBUIÇÕES Responsável por prestar assistência

Leia mais

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO)

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO) Enfª Débora Cabral Nunes Hospital Unimed de Sorocaba Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de Enfermagem, Nutrição e Farmácia Hospitalar 2011 Cirurgia Segura-TIME

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município:TUPÃ Eixo Tecnológico:: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação: Auxiliar

Leia mais

Atendimento Pré-hospitalar ao Paciente com Agravo Mental. Enf. Adriana Monteiro

Atendimento Pré-hospitalar ao Paciente com Agravo Mental. Enf. Adriana Monteiro Atendimento Pré-hospitalar ao Paciente com Agravo Mental Enf. Adriana Monteiro Quando me falam de psiquiatria, eu imagino... A psiquiatria no Brasil 1543: Primeiras Santas Casas; 1841: Os primeiros Hospitais;

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM RISCO PARA LESÃO PERIOPERATÓRIA POR POSICIONAMENTO IDENTIFICADO NO PERÍODO TRANSOPERATÓRIO

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM RISCO PARA LESÃO PERIOPERATÓRIA POR POSICIONAMENTO IDENTIFICADO NO PERÍODO TRANSOPERATÓRIO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM RISCO PARA LESÃO PERIOPERATÓRIA POR POSICIONAMENTO IDENTIFICADO NO PERÍODO TRANSOPERATÓRIO Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos * Marister Piccoli ** RESUMO Para a realização

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes; Pode ser: Centralizada Semi-centralizada

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico de Enfermagem

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico de Enfermagem Plano de Trabalho Docente 2013 ETE Paulino Botelho Ensino Técnico Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem Qualificação:

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 DISCIPLINA: ENFERMAGEM NA SAUDE DO ADULTO I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Estudar o estado de doença do indivíduo em sua fase adulta. Intervir adequadamente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Roteiro para elaboração e apresentação de estudos de casos clínicos

Roteiro para elaboração e apresentação de estudos de casos clínicos Roteiro para elaboração e apresentação de estudos de casos clínicos Caros estudantes, Apresentamos a seguir um roteiro que tem o objetivo de ajudá-los a se preparar para a elaboração, apresentação e discussão

Leia mais

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f Comunicação em Cuidados Paliativos Ana Valeria de Melo Mendes Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013

Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Auxiliar de Enfermagem Qualificação: Sem qualificação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR:

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR: PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO TEÓRICA PRÁTICA 45 15 04 VERSÃO

Leia mais

Desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar. Dr. Antonio Issa Ribeirão Preto-SP

Desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar. Dr. Antonio Issa Ribeirão Preto-SP Desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar Dr. Antonio Issa Ribeirão Preto-SP Os desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar (AD) são complexos e envolvem várias diretrizes, argumentos,

Leia mais

Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani

Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani Sistema de Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Um resultado se define como......a criação de diversos instrumentos de avaliação,

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA ENFERMEIROS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA ENFERMEIROS 1- LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA ENFERMEIROS Compreensão e Interpretação de Texto Vocabulário (antonímia, sinonímia, polissemia) Regência (verbal e nominal) Concordância (verbal e nominal)

Leia mais

INDICADORES DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DOS ALUNOS NO ESNINO FUNDAMENTAL (5º. AO 9º. ANO) DE UMA ESCOLA PÚBLICA MINEIRA

INDICADORES DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DOS ALUNOS NO ESNINO FUNDAMENTAL (5º. AO 9º. ANO) DE UMA ESCOLA PÚBLICA MINEIRA INDICADORES DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DOS ALUNOS NO ESNINO FUNDAMENTAL (5º. AO 9º. ANO) DE UMA ESCOLA PÚBLICA MINEIRA Priscila Moreira Corrêa; Lavine Rocha Cardoso Ferreira; Maria Isabel de Araújo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr. José Luiz Viana Coutinho de Jales Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Saúde, Segurança e Trabalho Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL Prof. João Gregório Neto PREVENÇÃO Ato ou efeito de prevenir-se Disposição ou preparo antecipado e preventivo Precaução, cautela Modo de ver antecipado, premeditado

Leia mais

USO DO PICTOGRAMA DE FADIGA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À TELETERAPIA

USO DO PICTOGRAMA DE FADIGA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À TELETERAPIA USO DO PICTOGRAMA DE FADIGA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À TELETERAPIA Enfº Msc. Bruno César Teodoro Martins Doutorando em Ciência da Saúde pela UFG Introdução Fadiga é definida como uma sensação

Leia mais

Regulamento para Obtenção do Título de Especialista de em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização SOBECC 2017

Regulamento para Obtenção do Título de Especialista de em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização SOBECC 2017 Regulamento para Obtenção do Título de Especialista de em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização SOBECC 2017 1. Das condições para a inscrição: A Associação Brasileira

Leia mais

FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 009/2017 ENFERMEIRO

FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 009/2017 ENFERMEIRO FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 009/2017 ENFERMEIRO SUMARIO DAS ATRIBUIÇÕES Responsável por desenvolver a assistência

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60 HORAS CRÉDITOS: 03 CÓDIGO: SCF00019 PROFESSOR: PRÉ-REQUISITOS: FISIOLOGIA

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso ENFERMAGEM Disciplina: ADMINSTRAÇÃO Ano letivo 2011 Série: 3ª Carga Horária:72h/aula Teoria: 72h/aula sem/semestral Professor(a) Claudia Lysia de

Leia mais

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde População brasileira, 16 anos ou mais Setembro de 2015 Índice Introdução Planos de saúde SUS X Plano de saúde Perfil da amostra Principais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

O ENFERMEIRO NO CUIDADO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA ALGUMAS REFLEXÕES 1

O ENFERMEIRO NO CUIDADO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA ALGUMAS REFLEXÕES 1 O ENFERMEIRO NO CUIDADO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA ALGUMAS REFLEXÕES 1 MERTINS, Simone Mathioni²; FELTRIN, Renata³; KOLANKIEWICZ, Adriane Cristina Bernat 4 ; LORO, Marli Maria 4 ; ROSANELLI,

Leia mais

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE É sabido que através da prática esportiva, o indivíduo pode ser norteado a caminhos contrários a violência,

Leia mais

A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS

A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS REVISTA INVESTIGAÇÃO EM ENFERMAGEM - AGOSTO 2016: 36-44 A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS Resumo Objetivo Materiais e Métodos: Considerações Finais THE

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA:

ISSN ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM PACIENTES CIRÚRGICOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO:

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM PACIENTES CIRÚRGICOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM PACIENTES CIRÚRGICOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: Relato de Experiência¹ Camila Amthauer 2 Taís Trombetta Dalla Nora 3 Tamires Patricia Souza 4 Caren Regina Fernandes

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO

Leia mais

INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1

INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1 INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1 SILVA, Suelem Lopes 2 ; KRUEL, Cristina Saling 3 1 Trabalho de Prática de Estágio_UNIFRA 2 Acadêmico do Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

MEDICINA PÓS OPERATÓRIA UNIDADE DE DOR AGUDA

MEDICINA PÓS OPERATÓRIA UNIDADE DE DOR AGUDA MEDICINA PÓS OPERATÓRIA UNIDADE DE DOR AGUDA Sessão Clínica Hospitalar Hospital Fernando Fonseca Departamento de Anestesiologia, Reanimação e Terapêutica da Dor Director : Dr. Lucindo Ormonde Coordenadora

Leia mais

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Métodos de monitorização A monitorização de pacientes internados visa contribuir com o processo de reabilitação e cura.

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

CONSULTA E VISITA PRÉ E PÓS-OPERATORIA DE ENFERMAGEM: ACOMPANHAMENTO DE CASO DE MASTECTOMIA RADICAL

CONSULTA E VISITA PRÉ E PÓS-OPERATORIA DE ENFERMAGEM: ACOMPANHAMENTO DE CASO DE MASTECTOMIA RADICAL CONSULTA E VISITA PRÉ E PÓS-OPERATORIA DE ENFERMAGEM: ACOMPANHAMENTO DE CASO DE MASTECTOMIA RADICAL MATOS, Mariana Valente 1 ; PEREIRA, Heloísa Alves da Costa 1 ; SANTOS, Mauriê Mauryzza Ribeiro dos 1

Leia mais

Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE

Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES: Art.1º - O Grupo Pesquisa em Tecnologias, Informações

Leia mais

Notícias do Medscape Medical. Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD

Notícias do Medscape Medical. Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD Notícias do Medscape Medical Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD Em 2 de outubro de 2012, o Colégio Americano de Cirurgiões (ACS) e a Sociedade Americana

Leia mais

FORMAS DE CUIDAR EM ENFERMAGEM PEDIÁTRICA

FORMAS DE CUIDAR EM ENFERMAGEM PEDIÁTRICA FORMAS DE CUIDAR EM ENFERMAGEM PEDIÁTRICA Profª:GRAÇA PIMENTA UCSal CUIDAR/CUIDADO A Enfermagem Pediátrica deve estar atenta ao seu modo de CUIDAR Forma de Cuidar O Cuidar/Cuidado de qualidade poderá ser

Leia mais

PLANO DE CURSO 8 PERÍODO ANO:

PLANO DE CURSO 8 PERÍODO ANO: PLANO DE CURSO 8 PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: ANESTESIOLOGIA CARGA HORÁRIA: 72 horas PROFESSOR TITULAR: MIGUEL DE LEMOS NETO PROFESSORES: ANDERSON TEIXEIRA EMENTA O ensino da disciplina

Leia mais

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Título 1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Classificação 2.SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM E OS MODELOS ORGANIZACIONAIS:

Leia mais

DADOS DEMOGRÁFICOS: Favor complete os dados à seguir, para que possamos conhecer um pouco sobre você e sobre sua relação com o paciente.

DADOS DEMOGRÁFICOS: Favor complete os dados à seguir, para que possamos conhecer um pouco sobre você e sobre sua relação com o paciente. Numero de identificação: : local no pac. Satisfação da família com os cuidados na Unidade de Terapia Intensiva FS-ICU (24) Como vocês estão indo? Suas opiniões sobre a estadia recente de seu familiar na

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF. UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.CLAUDIA MAINENTI UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN e o PROCESSO DE ENFERMAGEM

Leia mais

Assistência de Enfermagem rio

Assistência de Enfermagem rio Assistência de Enfermagem Pós-operatóriorio Pós-operatório rio O período pós-operatp operatóriorio tem início logo após o término t da operação e vai até a alta do paciente, podendo ainda se estender a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico 333 Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso Etec :Paulino Botelho Código:091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem

Leia mais

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA Denise Rodrigues Mestre em Psicologia Professora, supervisora e coordenadora do Serviço de Psicologia Aplicada da Universidade Estácio de Sá E-mail: deniserodriguespsi@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 Sumário Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 PARTE I Introdução à profissão de enfermagem 1 Enfermagem uma profissão em evolução...21 Visão geral...22 Revisão histórica...22

Leia mais

PSICOLOGIA HOSPITALAR

PSICOLOGIA HOSPITALAR PSICOLOGIA HOSPITALAR 2012 Diogo Batista Pereira da Silva Psicólogo formado pela UNISUL em 2012. Atualmente atuando como palestrante e desenvolvedor estratégico (Brasil) Email: diogobatista.p@gmail.com

Leia mais

Passo 5 O questionário foi criado com 27 questões sendo 35 lacunas para serem preenchidas, utilizando-se uma linha temporal desde o diagnóstico da

Passo 5 O questionário foi criado com 27 questões sendo 35 lacunas para serem preenchidas, utilizando-se uma linha temporal desde o diagnóstico da 3 Método Este estudo realizou uma pesquisa do tipo descritivo tendo uma abordagem de pesquisa pré-planejada e estruturada. (MALHOTRA, 2006). A pesquisa buscou o conhecimento adquirido pela gestante analfabeta

Leia mais

Projeto: Mudando. para. Mudar

Projeto: Mudando. para. Mudar Projeto: Mudando para Mudar Projeto: Mudando para Mudar Viver no casulo é mais seguro, tranquilo e confortante, porém é mais limitador. Abandonar o casulo é liberar o pensamento, a criatividade e voar...

Leia mais

Recrutamento e Seleção Inteligente

Recrutamento e Seleção Inteligente Recrutamento e Seleção Inteligente A MUV RH A Muv Recursos Humanos foi criada em 2012 a partir da vontade de inovar dos sócios. Aliamos conhecimentos da Psicologia e da Tecnologia, assim tocamos nossos

Leia mais

BRINCAR NO HOSPITAL: A CONTRIBUIÇÃO DO LÚDICO NA RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS 1

BRINCAR NO HOSPITAL: A CONTRIBUIÇÃO DO LÚDICO NA RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS 1 BRINCAR NO HOSPITAL: A CONTRIBUIÇÃO DO LÚDICO NA RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS 1 RIZZATTI, Fernanda Lopes 2 ; SILVA, Mariluce Silveira da 3 ; NUNES, Janilse Fernandes 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO Código: ENF-220 Pré-requisito: - ENF

Leia mais

O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo

O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo APRESENTAÇÃO P.p Ana Paula Caterino Pedagoga, Psicopedagoga e Mestranda em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional.

Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Avenida das Acácias, 60, Jardim Pérola D Oeste, 85012-130 Telefone: (42) 3623 3394 / 36235954 Guarapuava / NRE:

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: ENFERMAGEM SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão Formar Enfermeiros qualificados para atuar em todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema

Leia mais