GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA PRÁTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA PRÁTICA"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA PRÁTICA MODELOS DE GESTÃO GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA PRÁTICA MODELOS DE GESTÃO 1

2 Modelos de Gestão TOP-DOWN Modelo tipo taylorista-fordista, onde a organização é estruturada nos moldes de uma pirâmide; neste modelo a principal premissa é que somente os altos gerentes são capazes de criar conhecimento; para controlar a criação do conhecimento a partir do topo, o modelo TOP-DOWN despreza o desenvolvimento do conhecimento tácito, cuja geração é comum na linha de frente das organizações;... TOP-DOWN o conhecimento criado pela gerência só serve para ser processado ou implementado; a conversão do conhecimento ocorre de forma parcial: combinação e internalização 2

3 Organização Tradicional Piramidal: Organização Tradicional 3

4 Premissas do modelo piramidal: 1) A maioria dos problemas podem ser previstos; 2) Pode-se lidar com os problemas através de regras e regulamentos; 3) As posições mais altas da hierarquia indica maior conhecimento e competência, como também maiores direitos e poderes; 4) Pré-programação da organização para lidar com a CONTINGÊNCIA; 5) O modelo funciona bem em ambientes estáveis e em condições imutáveis. Organização Tradicional Piramidal: CARACTERÍSTICAS 1) Decisões tomadas por uma pessoa específica na hierarquia; 2) Há um conjunto de regras explícitas governando os direitos e deveres dos empregados; 3) O trabalho é dividido em cargos cuidadosamente descritos; 4) Um conjunto de procedimentos governa como se deve agir diante dos problemas; 4

5 5) Relacionamento são impessoais, objetivos e justos; 6) A seleção e promoção são baseadas em competência técnica; 7) Coordenação é feita através da linha de comando formal; 8) Desacordos entre unidade de mesmo nível são resolvidas pela linha superior; 9) Recompensas tendem a ser formalizadas e uniformes. Estruturas Altas e Flats Estrutura alta (8 níveis) 5

6 Modelos de Gestão BOTTOM-UP Neste processo, tipo pré-taylorista, em lugar da hierarquia e da divisão do trabalho há autonomia; O modelo de conhecimento é criado e freqüentemente controlado pelo próprio indivíduo; a autonomia excessiva dos funcionários da linha de frente torna difícil disseminar e compartilhar o conhecimento dentro da organização;... BOTTOM-UP O conhecimento é criado por determinados indivíduos e não por um grupo de indivíduos que interagem; A conversão do conhecimento se dá de forma parcial: socialização e explicitação 6

7 Modelos de Gestão MIDDLE-UP-DOWN A criação de conhecimento pelos gerentes de nível médio decorre da freqüente liderança de equipes, por meio de um processo em espiral de conversão que envolve tanto a alta gerência quanto o pessoal de nível operacional;...middle-up-down A gerência de nível médio desenvolve conceitos mais concretos a partir de uma visão ou ideal da alta gerência, de forma que o pessoal de nível operacional compreender e implementar; A contradição que existe entre o que a alta gerência espera criar e o que realmente existe, no mundo real, é resolvida pela gerência de nível médio. 7

8 Estruturas Altas e Flats Estrutura flat (3 níveis) MIDDLE-UP-DOWN Fonte Nonaka & Takeuchi p.147 8

9 Características do modelo MIDDLE-UP-DOWN Mais abrangente: KNOW WHO (quem?) quem conhece Mais completo KNOW WHAT (qual?) conhecimento dos fatos Mais flexível KNOW WHY (porque?) conhecimento dos princípios e leis Mais amplo KNOW WHERE (onde?) onde acontece Características relevantes dos modelos de gestão: 9

10 A transformação da gerência: Ø A natureza do trabalho do gerente está se modificando com a ascensão do trabalhador do conhecimento; Ø O trabalho baseado no conhecimento não pode ter sua gerência fundamentada em números, como o trabalho mão-de-obra; Ø Ao contrário, a atividade deste trabalhador tem semelhanças com a do profissional liberal: a avaliação é pelo resultado alcançado e não pela atividade realizada; Ø A gerência do tipo comando e controle está se tornando desnecessária; Ø Saber mais do que os chefes, ter mais sensibilidade e estar mais próximos dos clientes são características comuns aos gerentes das organizações do conhecimento; Ø Os gerentes vêm se agrupando em torno de uma linguagem que engloba termos como valores, visão, trabalho em equipe, facilitador e emponderamento. 10

11 A ORGANIZAÇÃO DO FUTURO Organização do Conhecimento Estrutura em Hipertexto Nonaka e Takeuchi (1997) sugerem uma estrutura organizacional, baseada no conceito de hipertexto, para permitir a criação do conhecimento de forma eficaz e contínua na organização, transformando dinamicamente o conhecimento entre três níveis estruturais: 11

12 1)Nível do sistema de negócios: organizado como uma hierarquia tradicional; 2)Nível de equipe de projeto: organizado como uma força-tarefa típica; 3)O conhecimento gerado nos dois níveis é então re-categorizado e recontextualizado num terceiro nível, a base de conhecimento. 12

13 Princípios da organização em hipertexto: 1) Organização baseada em resultados e não em tarefas; 2) Adicionar valor é mais importante que o gerenciamento; 3) Emponderamento daqueles que atuam; 4) Decisões sobre o trabalho deve ser tomada por quem executa o trabalho; 5) Fazer a maior quantidade de trabalho antes de dar seqüência a outro nível; 6) A principal capacidade organizacional deve ser a habilidade para mudar. O novo ambiente organizacional: Ø Trabalhadores autônomos; Ø Agrupados em equipes; Ø Despojados de conceitos de hierarquia, comando e controle; Ø Menores margens de lucros; Ø Mercados tradicionais reduzidos; Ø Fatias de mercado e posições competitivas altamente vulneráveis; 13

14 Ø A gestão do conhecimento deve, em síntese, conseguir fazer com que o conhecimento individual seja explicitado na forma de conhecimento organizacional; Ø Esta é a maior riqueza das organizações da era do conhecimento e o maior desafio dos executivos deste novo milênio; 14

15 Ø A reconhecida função da gerência de desenvolver os ativos da organização deve ser traduzida na implementação de formas capazes de transformar o conhecimento especializado do indivíduo em procedimentos e métodos organizacionais; Ø A importância dos relacionamentos internos reside nesta atividade de gerenciamento; Ø Os negócios da era do conhecimento exigem, cada vez mais, profissionais com intimidade tanto com os produtos dessas organizações como com o seu gerenciamento; Ø As atividades de trabalho do conhecimento engloba: planejar, supervisionar, programar e gerenciar as atividades, ou seja, transformar mão-deobra em cérebro de obra; 15

16 Ø De fato, a atividade a ser desenvolvida pelo trabalhador do conhecimento consiste em converter informação em conhecimento, utilizando suas próprias competências, contando com o auxílio de fornecedores de informações ou de conhecimento especializado. Disciplina Gestão do Conhecimento Empresarial Prof. Eduardo Giugliani Curso de Engenharia de Produção Faculdade de Engenharia, PUCRS REFERÊNCIAS NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997, 14ª Edição. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento Professor: Dr. Neri dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC 16

CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES

CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Criação do nas Organizações: 1) Os modos de conversão do conhecimento e sua vinculação com a criação do conhecimento organizacional; 2) As condições capacitadoras

Leia mais

Economia do conhecimento

Economia do conhecimento Economia do conhecimento 2ª dimensão à Economia do Conhecimento SOCIEDADE DO CONHECIMENTO ECONONOMIA DO CONHECIMENTO ORGANIZAÇÕES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO TRABALHADORES DO CONHECIMENTO 1 A economia do

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Unidade 4: Implementação e controle do planejamento estratégico 1 SEÇÃO 4.1 A ESTRUTURA E A CULTURA ORGANIZACIONAL NA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA 2 Estrutura organizacional Especifica

Leia mais

Processos de software

Processos de software Processos de software 1 Processos de software Conjunto coerente de atividades para especificação, projeto, implementação e teste de sistemas de software. 2 Objetivos Introduzir modelos de processos de

Leia mais

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO Carolina Vivian da Cunha-UNISC GE: Memórias, Trajetórias e Experiência na Educação. Resumo A formação dos trabalhadores é um assunto a ser

Leia mais

Gestão de Negócios OBJETIVO NESTA AULA. A Pirâmide das Finanças Pessoais - AULA 01

Gestão de Negócios OBJETIVO NESTA AULA. A Pirâmide das Finanças Pessoais - AULA 01 A Pirâmide das Finanças Pessoais - OBJETIVO Formar profissionais com atuação eficaz nas empresas, apresentando uma visão holística das diversas atividades e processos que interagem nos ambientes interno

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

Visão Geral da Gestão de Projetos

Visão Geral da Gestão de Projetos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Visão Geral da Gestão de Projetos Régis Kovacs Scalice, Prof. DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Fernanda Villar Corrêa Vídeos - Empresa como Sistema - Gestão da Qualidade como Subsistema - Envolvem métodos de produção, avaliação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Definindo o conhecimento e aprendizagem organizacional.

Resumo Aula-tema 01: Definindo o conhecimento e aprendizagem organizacional. Resumo Aula-tema 01: Definindo o conhecimento e aprendizagem organizacional. Vivemos uma época de overdose de informação graças, em grande parte, à Internet. Diariamente temos que domar uma avalanche de

Leia mais

2 Gestão de Conhecimento (Knowledge Management)

2 Gestão de Conhecimento (Knowledge Management) 2 Gestão de Conhecimento (Knowledge Management) A área de gestão do conhecimento é bastante vasta, e vem ganhando bastante força nos últimos anos principalmente devido à velocidade com que a informação

Leia mais

Processos de Software by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Contextualização No início dos anos 1960, o Gerenciamento de Projetos foi formalizado como ciência. Os negócios e outras organizações começaram a enxergar o benefício

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.3 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Prof. Sales Filho GERÊNCIA DE PROJETOS AULA 04 1 Objetivos Apresentar a gerência de projetos de software e descrever as suas características particulares; Discutir o planejamento

Leia mais

Metodologias para Avaliação de Desempenho Organizacional Objetivando alcançar a excelência em seu empreendimentoas empresas utilizam indicadores para

Metodologias para Avaliação de Desempenho Organizacional Objetivando alcançar a excelência em seu empreendimentoas empresas utilizam indicadores para Metodologias para Avaliação de Desempenho Organizacional Objetivando alcançar a excelência em seu empreendimentoas empresas utilizam indicadores para a medição de seu desempenho, possibilitando um maior

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar 21/9/2015 Rosely Gaeta Revisão Fundamentos da Administração Introdução àadministração e às organizações Fonte: Felipe Sobral Alketa Peci - Teoria e Prática no Contexto Brasileiro

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF?

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF? Sobre Nós Na Take Off somos especialistas em Consultoria nas vertentes de recursos humanos e desenvolvimento de negócio. Atuamos sob metodologias e procedimentos próprios, os quais assentam na melhoria

Leia mais

Introdução aos sistemas de informação

Introdução aos sistemas de informação Introdução aos sistemas de informação Sistemas de Informação Sistemas de Informação Um conjunto de informações relacionadas que coletam, manipulam e disseminam dados e informações e fornecem realimentação

Leia mais

MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO. Alexandre Fanfa Ribas Sócio

MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO. Alexandre Fanfa Ribas Sócio MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO Alexandre Fanfa Ribas Sócio alexandrefanfa@falconi.com Pensamento Sistêmico Indicadores de Desempenho Lacunas e Metas Planos de Ação

Leia mais

Organização da Aula. Contextualização. Principais Conceitos e Modelos de Gestão. Instrumentalização. Fundamentos da Administração.

Organização da Aula. Contextualização. Principais Conceitos e Modelos de Gestão. Instrumentalização. Fundamentos da Administração. Fundamentos da Administração Organização da Aula Aula 2 Modelos de Gestão Prof. Me. Daniel Francisco Rossi Contextualização Das funções concentradas em comando e controle, a partir dos modelos burocráticos

Leia mais

Desenho Organizacional

Desenho Organizacional Desenho Organizacional Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD 1 Processos Gerenciais Seção 1.1 Requisitos do desenho organizacional 2 1 Processos Gerenciais 3 Processos Gerenciais Seção 1.2 CaracterísFcas

Leia mais

Leitura: Cap : Sommerville; cap20: Pressman

Leitura: Cap : Sommerville; cap20: Pressman Leitura: Cap26-27 - 28: Sommerville; cap20: Pressman Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 6º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1/47 Manutenção de software É modificar um programa depois que

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Prof. Msc. Christien Lana Rachid Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia 2. Introdução a sistemas 3. Empresas e Sistemas

Leia mais

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas TEORIA BUROCRACIA CONCEITO Trabalho baseado em papéis e documentos, movimentados em seqüência contínua entre as várias unidades componentes da estrutura organizacional DESENVOLVIMENTO Europa - Sec. XX

Leia mais

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Mario Caixeta 1 100% COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Autor- Stephen Barley 80% Profissionais Liberais e técnicos Vendas 60% 50% Artesãos e similares 40% 20% Agricultores Operários 1900 1920

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães PESQUISA OPERACIONAL UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional Prof. Me. Carlos Guimarães Objetivo Introduzir o tema Pesquisa Operacional por meio da apresentação: Da sua origem; Das sociedades profissionais

Leia mais

CRIAÇÃO E DIALÉTICA DO

CRIAÇÃO E DIALÉTICA DO GESTÃO DO CONHECIMENTO CRIAÇÃO E DIALÉTICA DO CONHECIMENTO CRIAÇÃO E DIALÉTICA DO CONHECIMENTO O que é dialética? CRIAÇÃO E DIALÉTICA DO CONHECIMENTO A dialética é, propriamente falando, a arte de discutir

Leia mais

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos BSC Para KAPLAN & NORTON (1997), o Scorecard deve contar a história da estratégia, começando pelos objetivos financeiros a longo prazo e relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas

Leia mais

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Kátia Valéria C.T.Peressinotto Marilda Suzani Gonçalves Realização: Foco Desenvolver competências e habilidades

Leia mais

PROFESSOR RINALDO LIMA AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS ANÁLISE DA CONSULTORIA PREMISSAS PARA CONSULTORIA

PROFESSOR RINALDO LIMA AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS ANÁLISE DA CONSULTORIA PREMISSAS PARA CONSULTORIA PROFESSOR RINALDO LIMA Graduado em Ciências e Matemática e Especializado em Reengenharia e Qualidade Total e Engenharia de Telecomunicações. rinaldo@unopar.br AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS Aula

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Apresentação Para praticar Inteligência Competitiva (IC), uma organização deve contar com o apoio de profissionais que priorizam uma administração

Leia mais

Estrutura Organizacional para a Gestão de Projetos

Estrutura Organizacional para a Gestão de Projetos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Estrutura Organizacional para a Gestão de Projetos Régis Kovacs Scalice, Prof. DEPS Departamento de Engenharia de

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE DISCIPLINAS DAS SÉRIES ANTERIORES ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE GESTÃO ESTRATEGICA GESTÃO FINANCEIRA AVANÇADA LOGISTICA

Leia mais

SSC Engenharia de Software. Prof. Paulo C. Masiero

SSC Engenharia de Software. Prof. Paulo C. Masiero SSC - 5764 Engenharia de Software Prof. Paulo C. Masiero Processo de Software: Fases ou Subprocessos DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO MANUTENÇÃO Análise de Sistema Análise de Requisitos Projeto Projeto Processo pelo

Leia mais

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência Plataforma da Informação Fundamentos da Excelência Modelo de Excelência em Gestão Fundamentos da Excelência O Modelo de Excelência em Gestão estimula e apoia as organizações no desenvolvimento e na evolução

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho Divisão Racional do Trabalho Organização Formal x Organização Informal Organização Formal - Heterogênea -Rígida - Hierarquizada -Estática - Limitada Princípios Básicos das Organizações - Divisão do Trabalho

Leia mais

Técnica do PDCA e 5W2H

Técnica do PDCA e 5W2H Ciclo de Deming ou Ciclo PDCA Todo gerenciamento do processo consta em estabelecer a manutenção nas melhorias dos padrões montados na organização, que servem como referências para o seu gerenciamento.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas

Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Esse capitulo estuda o referencial do conhecimento de SI necessário aos usuários finais das empresas e abordagem revista sobre desdobramentos-chaves no

Leia mais

Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario. FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades

Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario. FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades 2 Agenda FDD; Melhores práticas do FDD; Principais papéis; Processos. FDD Metodologia interativa e

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 3 OBJETIVOS OBJETIVOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA O que os administradores precisam saber sobre organizações

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Engenharia de Software Simulado para a 1ª Avaliação Bimestral Professor: Danilo Giacobo - RESPOSTAS

Engenharia de Software Simulado para a 1ª Avaliação Bimestral Professor: Danilo Giacobo - RESPOSTAS Engenharia de Software Simulado para a 1ª Avaliação Bimestral Professor: Danilo Giacobo - RESPOSTAS 1. Com relação à engenharia de software, julgue os itens seguintes. Engenharia de software não está relacionada

Leia mais

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação 2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação Objectivos de Aprendizagem Identificar várias estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar Tecnologias da Informação para confrontar

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Ambiente de Negócio e Marketing Profa. Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br Sociedade da Informação e do Conhecimento A sociedade

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Modelo

Leia mais

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica Antonio Cabral acabral@maua.br Roteiro Desafio; Sistemas; O custo e o valor do controle de processo; Mapeamento; Principais indicadores usados

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

Construindo um Plano de Cargos e Salários

Construindo um Plano de Cargos e Salários O que é: Um Plano de Cargos e Salários é um modelo da estrutura da onde estão descritas as atribuições, deveres e responsabilidades de cada cargo além da especificação do salário para cada um desses cargos.

Leia mais

Soluções de Nivelamento de Cargos

Soluções de Nivelamento de Cargos Towers Watson Soluções de Nivelamento de Cargos Global Grading System (GGS) e Mapa de Carreira A abordagem sistemática da Towers Watson para nivelamento de cargos ajuda as organizações a gerenciar as

Leia mais

Capítulo 3 - L&L SI, 1º. 2013

Capítulo 3 - L&L SI, 1º. 2013 Capítulo 3 - L&L SI, 1º. 2013 Sumário Como SIs impactam Organizações e Empresas Comerciais Impactos econômicos: De forma geral, TI muda os custos relativos de capital e de informação. Diminuição dos custos

Leia mais

Capítulo 4 Recrutamento: análise e descrição de cargos, gestão de talentos

Capítulo 4 Recrutamento: análise e descrição de cargos, gestão de talentos Capítulo 4 Recrutamento: análise e descrição de cargos, gestão de talentos slide 1 Objetivos de aprendizagem 1. Explicar a importância da gestão de talentos. 2. Explicar a análise de cargos, incluindo

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Processos de Engenharia de Requisitos

Processos de Engenharia de Requisitos Processos de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software (SCE-5764) 1º Sem. 2012- Prof. Paulo C. Masiero Introdução Objetivo: criar e manter um documento de requisitos. Quatro subprocessos: Avaliação

Leia mais

as fases contemplam todas as etapas do ciclo de desenvolvimento (requisitos, análise, projeto, implementação, teste e validação);

as fases contemplam todas as etapas do ciclo de desenvolvimento (requisitos, análise, projeto, implementação, teste e validação); Título : B2 Processo de desenvolvimento de Sistemas Conteúdo : A UML estabelece uma abordagem para a construção, o desenvolvimento e a manutenção de software. Atualmente, metodologias utilizadas no desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informação e Decisão II. Douglas Farias Cordeiro

Sistemas de Informação e Decisão II. Douglas Farias Cordeiro Sistemas de Informação e Decisão II Douglas Farias Cordeiro Processos As empresas são grandes coleções de processo! Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo. Não existe

Leia mais

PARTE IV O SISTEMA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO FUNDAMENTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL by Pearson Education

PARTE IV O SISTEMA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO FUNDAMENTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL by Pearson Education PARTE IV O SISTEMA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO 15 FUNDAMENTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 2006 by Pearson Education O QUE É ESTRUTURA ORGANIZACIONAL? Estrutura organizacional Como as tarefas são formalmente

Leia mais

PSICOLOGIA E GERENCIAMENTO DE PESSOAS. DISCIPLINA: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura

PSICOLOGIA E GERENCIAMENTO DE PESSOAS. DISCIPLINA: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura PSICOLOGIA E GERENCIAMENTO DE PESSOAS DISCIPLINA: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Psicologia Objeto de Estudo Psique = alma + logos = estudo Grécia berço da Psicologia Desejo

Leia mais

"Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana". Carl Jung

Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana. Carl Jung Instituição de Coaching, Treinamento & Desenvolvimento Humano, com atuação em todo Brasil com a Missão de disseminar a cultura do Coaching para todas as pessoas que puderem fazer uso da metodologia como

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

03/02/2014. Gestão de Projetos. Tema 1. Motivação. Fatores que influenciaram as empresas ao longo do tempo: Motivação Tecnologia

03/02/2014. Gestão de Projetos. Tema 1. Motivação. Fatores que influenciaram as empresas ao longo do tempo: Motivação Tecnologia Gestão de Projetos Tema 1 A Natureza e a Estrutura da Gestão de Projetos Motivação Fatores que influenciaram as empresas ao longo do tempo: Tecnologia. Mercado. Sociedade. Clientes. Motivação Tecnologia

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 5-16/02/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS INTELIGENCIA COMPETITIVA 2 INTELIGENCIA COMPETITIVA 1. Conceitos 2. Inteligência Competitiva no ambiente dos negócios 3. O Sistema

Leia mais

Remuneração estratégica. Entenda as vantagens de investir em políticas de remuneração variável (PLR)

Remuneração estratégica. Entenda as vantagens de investir em políticas de remuneração variável (PLR) Remuneração estratégica Entenda as vantagens de investir em políticas de remuneração variável (PLR) ÍNDICE Divida o seu conteúdo em capítulos e enumere as páginas dessa maneira Introdução Os desafios atuais

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade IV SUPRIMENTO DE MÃO DE OBRA

Profa. Cláudia Palladino. Unidade IV SUPRIMENTO DE MÃO DE OBRA Profa. Cláudia Palladino Unidade IV SUPRIMENTO DE MÃO DE OBRA Seleção, admissão e avaliação Nesta unidade vamos estudar: Seleção por competências; Processo Admissional; Avaliação do processo de recrutamento

Leia mais

Gestão de recursos humanos: visão geral

Gestão de recursos humanos: visão geral Gestão de recursos humanos: visão geral REFERÊNCIA: CAP.1 LIVRO TEXTO Por que estudar GRH? Empresas competem por meio das pessoas. Sucesso das empresas depende, cada vez mais, da capacidade de gerenciar

Leia mais

Unidade I ELABORAÇÃO E ANÁLISE. Prof. André Medeiros

Unidade I ELABORAÇÃO E ANÁLISE. Prof. André Medeiros Unidade I ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Prof. André Medeiros O que é um projeto? É um empreendimento singular e temporário, com o objetivo de desenvolver um produto ou serviço. Segundo o PMI - Project

Leia mais

Pós- Graduação MARKETING ESTRATÉGICO

Pós- Graduação MARKETING ESTRATÉGICO Pós- Graduação MARKETING ESTRATÉGICO 4ª turma em Santa Catarina Ingresso Março 2015 Informações: ADVB/SC Florianópolis comercial@advbsc.com.br Fone: (48) 3224-5258 Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br

Leia mais

Unidade I PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade I PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade I PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Introdução aos processos organizacionais Qualquer tamanho de empresa, até as informais ou do terceiro setor. Visão moderna de gestão organizacional,

Leia mais

Disciplina: Engenharia de Software. 3 Bimestre Aula 2: EVOLUÇÃO DE SOFTWARE

Disciplina: Engenharia de Software. 3 Bimestre Aula 2: EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Disciplina: Engenharia de Software 3 Bimestre Aula 2: EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Quando termina o desenvolvimento de um software? A maioria das grandes empresas gasta mais na manutenção de sistemas existentes

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2008/1 DC 9481 03/10/07 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 278 do Conselho

Leia mais

Plano de Ensino. Unidade Escolar Interdisciplinar. Ensino Fundamental (8 a 12 anos) - Programação com Scratch

Plano de Ensino. Unidade Escolar Interdisciplinar. Ensino Fundamental (8 a 12 anos) - Programação com Scratch Plano de Ensino Ensino Fundamental (8 a 12 anos) - Programação com Scratch Objetivo geral: Ensinar conceitos básicos da computação relacionados à prática da computação e, colaboração e pensamento computacional

Leia mais

GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL

GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL CAPITAL INTELECTUAL Valor agregado aos produtos da organização por meio de informação e conhecimento. Composto: Habilidades e conhecimentos das pessoas Tecnologia Processos

Leia mais

Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH. O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas

Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH. O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas 1 2 3 A nova economia Início do século XX Papéis determinantes para a empresa: Localização; Mão de obra barata;

Leia mais

Pós- Graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital

Pós- Graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital Pós- Graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital 7ª turma em Santa Catarina Ingresso Agosto de 2017 Informações: Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br Fone: (51) 3218-1426 ESPM

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 2 T&D e Estratégia de RH Treinamento & Desenvolvimento 3 4 Coaching & Mentoring Desenvolvimento de Lideranças 1 T&D e Estratégia de RH Relembrando... Os processos

Leia mais

O mundo do trabalho ontem e hoje

O mundo do trabalho ontem e hoje O mundo do trabalho ontem e hoje 1 O Mundo do Trabalho Ontem Décadas de 1940-70 Hoje A partir de meados da década de 80 1 Relações empresa-empregado Ontem Antigo contrato de trabalho Hoje Novo contrato

Leia mais

Introdução. Paulo C. Masiero

Introdução. Paulo C. Masiero Informação Sistemas de Introdução Paulo C. Masiero DADOS vs INFORMAÇÃO CONHECIMENTO? O que é um SI? Um conjunto inter-relacionado de componentes que coletam (ou recuperam), processam, armazenam e distribuem

Leia mais

2.2 Elementos formais e informais

2.2 Elementos formais e informais 2.2 Elementos formais e informais A produtividade de um grupo e sua eficiência estão estreitamente relacionadas não somente com a competência de seus membros, mas, sobretudo com a solidariedade de suas

Leia mais

Aula 2 Estágios de Uso Estratégico dos Sistemas de Informaçã

Aula 2 Estágios de Uso Estratégico dos Sistemas de Informaçã Aula 2 Estágios de Uso Estratégico dos Sistemas de Informaçã ção Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Agenda Histórico da

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2012 Paradigmas e Processo de Software Engenharia de Software: Abrangência Engenharia de Software possui

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1

CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE MONITORES CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1 CAPACITAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA -14 de agosto a 11 de setembro de 2014 Prof. José

Leia mais

CONTEÚDOS CURRICULARES

CONTEÚDOS CURRICULARES CONTEÚDOS CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES PROCESSOS DE FABRICAÇÃO RESUMO DE CONTEÚDOS Processos de Usinagem em Máquinas Operatrizes, Usinagem a CNC, Ferramentas e Técnicas para Usinagem com Precisão,

Leia mais

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO FECG-SP Curso de Gestão Financeira E Orçamentária 2016 PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. CUSTEIO POR ABSORÇÃO 5 3. CUSTEIO VARIÁVEL 4. BIBLIOGRAFIA 7 8 5. SLIDES 9 2 CURSO

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Silveira, Icleia; Doutoranda; Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC - Rio

Silveira, Icleia; Doutoranda; Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC - Rio A capacidade do branding na criação do conhecimento da marca Branding's Capability on the Creation of the Brand's Knowledge Silveira, Icleia; Doutoranda; Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Leia mais

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital 5ª turma em Santa Catarina Ingresso Agosto 2016 Informações: Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br Fone: (51) 3218-1426 ESPM /

Leia mais

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 Engenharia de Software 2o. Semestre

Leia mais

Pós-Graduação em INOVAÇÃO E GESTÃO EMPRESARIAL

Pós-Graduação em INOVAÇÃO E GESTÃO EMPRESARIAL Pós-Graduação em INOVAÇÃO E GESTÃO EMPRESARIAL Ênfase em Empresas de Comunicação Ingresso 2017 Informações: Informações: Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br Fone: (51) 3218-1426 O objetivo

Leia mais