PNCV MINUTA DO GUIA PRÁTICO (INSTRUÇÕES OPERACIONAIS) CONTROLE DE VELOCIDADE. Barreira Eletrônica. Avanço de Sinal e Parada Sobre Faixa.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PNCV MINUTA DO GUIA PRÁTICO (INSTRUÇÕES OPERACIONAIS) CONTROLE DE VELOCIDADE. Barreira Eletrônica. Avanço de Sinal e Parada Sobre Faixa."

Transcrição

1 2011 Diretoria de Infraestrutura Rodoviária CONTROLE DE VELOCIDADE Barreira Eletrônica Coordenação Geral de Operações Rodoviárias Coordenação de Operações Laços detetores PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE ELETRÔNICO DE VELOCIDADE Avanço de Sinal e Parada Sobre Faixa PNCV Radar Fixo Versão /03/2011 MINUTA DO GUIA PRÁTICO (INSTRUÇÕES OPERACIONAIS) 1 1

2 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE ELETRÔNICO DE VELOCIDADE - PNCV ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS 2 FINALIDADE 2 SUPORTE 3 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE VELOCIDADE 3 ROTEIRO DA OPERAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS (ITEM 9.1 DO TERMO DE REFERENCIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) 5 AFERIÇÃO 6 OPERAÇÃO EDUCATIVA 7 REQUISITOS E CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS PARA FUNCIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS 8 REGIME DE FUNCIONAMENTO 15 RESUMO DAS ETAPAS DO PROCESSAMENTO DA IMAGEM DO VEÍCULO ATÉ O ENVIO DA NOTIFICAÇÃO DE AUTUAÇÃO OU DE PENALIDADE AO 16 INFRATOR DOCUMENTOS A SEREM GERADOS PELA CONTRATADA (ITEM 9.4 DO TERMO DE REFERÊNCIA) 16 INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DADOS E IMAGENS GERADOS PELOS EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE VELOCIDADE (ITENS E DO TERMO DE REFERÊNCIA) RELATÓRIOS COMPLEMENTARES A SEREM APRESENTADOS AO DNIT E SUA PERIODICIDADE (ITEM DO TERMO DE REFERÊNCIA) 20 REMOÇÃO DOS EQUIPAMENTOS APÓS O ENCERRAMENTO DO CONTRATO 24 CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS PARA CAPTURA DAS IMAGENS DOS VEÍCULOS 24 CARACTERÍSTICAS DO PROCESSAMENTO DE IMAGENS E DADOS E DO SOFTWARE DE PROCESSAMENTO (ITEM 9.5 DO TERMO DE REFERÊNCIA 24 MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS E SINALIZAÇÃO VIARIA (ITEM 9.7 DO TERMO DE REFERENCIA) 24 PROCESSO DE MEDIÇÃO MENSAL JUNTO AO DNIT E APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE PARALISAÇÃO MÁXIMO - IPM 25 DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DOS RELATÓRIOS GERENCIAIS 34 ATUALIZAÇÃO DO GUIA PRÁTICO 35 ANEXO I 36 ANEXO II 47 ANEXO III 52 ANEXO IV 55 ANEXO V 57 1

3 PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE ELETRÔNICO DE VELOCIDADE - PNCV 01. INTRODUÇÃO Este Guia Prático visa orientar e padronizar os procedimentos operacionais relativos à execução dos contratos e dos serviços necessários ao controle viário nas rodovias federais sob a jurisdição do DNIT, com a disponibilização, instalação, operação e manutenção de equipamentos eletrônicos para o controle do excesso de velocidade, avanço de sinal vermelho e parada sobre a faixa de pedestres, com coleta, armazenamento e processamento de dados estatísticos e dados e imagens de infrações na forma, quantidades, especificações técnicas e demais condições expressas no Edital 471/09-00 e seus anexos, Código de Trânsito Brasileiro - CTB e legislação complementar. O entendimento das normas e procedimentos relacionados a esta operação é de fundamental importância para o sucesso deste projeto, sendo para tanto primordial o bom relacionamento entre as equipes das empresas contratadas e o DNIT. 02. OBJETIVOS Orientar quanto aos procedimentos de operação de fiscalização de excesso de velocidade, de modo a torná-la aderente com a legislação vigente; Estabelecer critérios e padronização dos procedimentos; Oferecer soluções racionais, ágeis, adequadas e capazes de suprir as necessidades do Monitoramento Eletrônico do Trânsito em pontos críticos das rodovias federais. 03. FINALIDADE Oferecer subsídios que permitam garantir que a operação do controle de velocidade aconteça estritamente de acordo com a legislação vigente; Estabelecer critérios que possibilitem padronizar procedimentos, tarefas e atividades presentes na operação do controle de velocidade; Oferecer técnicas que valorizem o trabalho, para que a operação possa ser executada de forma correta, organizada e eficaz; Resguardar os colaboradores que direta ou indiretamente estejam ligados à operação do controle de velocidade de veículos com informações que garantam a eficiente execução dos trabalhos; Esclarecer as modificações promovidas na legislação referentes a esta à esta atividade; 2

4 Reduzir o índice de acidentes em áreas urbanas e rurais nas rodovias federais; Prestar informações e promover facilidades visando à melhoria do gerenciamento e fiscalização de trânsito em tomadas de decisões. 04. SUPORTE Eventuais dúvidas, questionamentos e sugestões, poderão ser encaminhadas à Coordenação Geral de Operações Rodoviárias - CGPERT Links úteis: DNIT: acesse o menu Rodoviário/Operações Rodoviárias/Controle de Velocidade ou Link do Plano Nacional de Controle de Velocidade - PNCV: Link de Estatística de Acidentes: ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE VELOCIDADE Condições prévias à instalação dos equipamentos, conforme item 9, do Termo de Referencia do Edital: Emissão da Ordem de Serviço pelo DNIT após publicação do Extrato do Contrato no Diário Oficial da União DOU,conforme item 7.3 do Termo de Referência do Edital; Elaboração dos Estudos técnicos, pelas empresas contratadas, em atendimento ao disposto na Resolução 146/2003, alterada pela 214/2006, ambas do CONTRAN, conforme item do Termo de Referência do Edital e orientações de preenchimento contidas no Anexo I, que deverão ser encaminhadas à Coordenação Geral de Operações Rodoviárias/CGPERT/DIR, que aprovará e emitirá a Nota de Instalação dos equipamentos. A instalação dos equipamentos seguirá prioritariamente a previsão dos locais conforme definido no Capítulo I, Letra A, item 2 do Edital, por tipo de equipamento. As Superintendências Regionais deverão se reunir com os representantes das empresas contratadas para estabelecer os locais e informações necessários para elaboração dos Estudos Técnicos. Havendo necessidade de ajuste no segmento ou rodovia ou equipamentos, caberá à Superintendência Regional a sua manifestação formal à CGPERT/DIR, para análise e decisão. A elaboração dos Estudos Técnicos deverão seguir as seguintes premissas: 3

5 o Coletar dados de acidentes do trecho, publicados no site do DNIT, o Realizar inspeções in loco, conforme Anexo II; o A velocidade a ser adotada para a fiscalização eletrônica para cada equipamento será aquela regulamentada para o local da via, salvo determinação em contrário da Superintendência Regional, que deverá informar, formalmente, a empresa contratada a nova velocidade. Cópia da formalização do ato deverá ser juntada ao Anexo I. o Elaborar relatório fotográfico, com no mínimo duas fotos, capaz de permitir a verificação da conformidade das escolhas dos possíveis locais de instalação dos equipamentos, Anexo II, item II-B; o Elaborar croqui do local previsto para instalação de cada equipamento apresentado no formato A3, devendo informar, no mínimo, os dados conforme abaixo: Utilizar o carimbo disposto no Anexo III; Posicionamento do equipamento na via com suas interferências caso houver (exemplo: escolas, hospitais, passarelas, etc.); Sinalização viária, conforme Anexo V, com indicação de pintura de faixas, tachões, placas e dispositivos de segurança ; Tipo de equipamento (Barreira Eletrônica ou Radar Fixo ou Avanço de Sinal Vermelho e Parada Sobre Faixa de Pedestre com controle de velocidade). o Exceto quanto ao croqui, toda documentação dos Estudos técnicos deverá ser impressa em formato A4. o Após a elaboração dos Estudos Técnicos a empresa contratada encaminhará os mesmos à Superintendência Regional, em duas vias e em mídia digital. Cada Estudo Técnico deverá ser gravado em mídia digita no formato pdf, tendo o nome do arquivo no mesmo formato do código do desenho descrito no Anexo III. o As Superintendências Regionais terão prazo máximo de 10 dias úteis para analisarem os Estudos Técnicos elaborados pelas empresas contratadas e informar a essas sobre a adequação ou não dos estudos. Após análise, os Estudos Técnicos deverão ser encaminhados à Coordenação Geral de Operações Rodoviárias/CGPERT/DIR para aprovação e emissão da Nota de Instalação dos equipamentos. o Após a aprovação dos Estudos Técnicos a Coordenação Geral de Operações Rodoviárias /CGPERT/DIR, assinará o item 10- Responsável Técnico do Órgão de Trânsito perante o CREA, que encaminhará cópia dos mesmos às Superintendências Regionais, DENATRAN e empresas contratadas. 4

6 o A CGPERT definirá os locais onde deverá ser instalado o sistema de identificação automático de caracteres de placas de veículo OCR e o Sistema de Visualização de Tráfego em Tempo Real. A emissão da Nota de Instalação NI do(s) equipamento(s) dependerá de dotação orçamentária. Após o recebimento da Nota de Instalação a empresa contratada terá um máximo de até 30 dias para implantação dos equipamentos e sua operação se iniciará um dia após a aferição dos mesmos pelo INMETRO. Após a implantação dos equipamentos, a contratada deverá encaminhar num prazo máximo de 60 (sessenta) dias à Coordenação Geral de Operações Rodoviárias /CGPERT/DIR o as built, tomando por base o croqui do Estudo Técnico contendo os dados de localização do equipamento, ponto quilométrico, localização da sinalização viária, dispositivos de segurança e tipo de equipamento. O as-built deverá ser impresso em formato A3, assinado pelo responsável técnico da contratada. Cada as-built deverá ser gravado em mídia digita no formato pdf, tendo o nome do arquivo no mesmo formato do código do desenho descrito no Anexo III. 06.ROTEIRO DA OPERAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS (ITEM 9.1 DO TERMO DE REFERENCIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) Disponibilizar, instalar e aplicar a manutenção preventiva e corretiva de medidores de velocidade fixos (Discretos e Ostensivos). Disponibilizar, instalar e aplicar a manutenção preventiva e corretiva de equipamento eletrônico de controle de avanço de sinal vermelho e parada sobre faixa de pedestre com controle de velocidade. Solicitar junto ao INMETRO, para que este execute a aferição inicial e as subseqüentes dos equipamentos medidores de velocidade do tipo fixo (Discreto e Ostensivo) e emita os laudos de aprovação. Solicitar junto ao INMETRO, para que este execute a aferição inicial e subseqüentes dos Equipamentos de controle de avanço de sinal vermelho e parada sobre a faixa de pedestre com controle de velocidade para a função controle de velocidade e emita os laudos de aprovação. Com relação aos equipamentos eletrônicos de controle semafórico, esses deverão ser certificados pelo INMETRO, conforme determina a Resolução do CONTRAN n 165/04, altera da pela Resolução n 174/05. 5

7 07. AFERIÇÃO Para um controle mais efetivo de aferição dos equipamentos de controle de velocidade pelo DNIT, as empresas contratadas deverão encaminhar periodicamente e imediatamente após a fiscalização pelo INMETRO, todos os Laudos de Aferição originais. Deverá ser encaminhado pela contratada a CGPERT planilha com Relatório de Localização dos Equipamentos Instalados, em formato de arquivo xls (Excel), conforme modelo abaixo. Os relatórios deverão ser encaminhados mensalmente, até o quinto dia subseqüente do mês de referência, para o O padrão da caixa assunto do deverá ser o seguinte: Numero do contrato Relatório de Instalação dd-mmaaaa (dia-mês-ano). Exemplo: TT-XXX/2010-Relatório de Instalação O padrão do nome do arquivo em EXCEL deverá ser o seguinte: Numero do contrato Relatorio de Instalacao-aaaamm-dd (ano-mês-dia). Xls. Exemplo: TT-XXX relatorio-de-instalacao xls Esse relatório será disponibilizado no site do DNIT. 6

8 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA TERRESTRE DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS Informar Mês/ano: Informar Numero contrato RELATORIO DE LOCALIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS INSTALADOS Informar se BARREIRA ELETRÔNICA ou RADAR FIXO ou AVANÇO DE SINAL VERMELHO E PARADA SOBRE FAIXA DE PEDESTRE UF RODOVIA KM LOCALIZAÇÃO EQUIPAMENTO COORDENADAS UTM INÍCIO DA MUNICÍPIO TRECHO QTD CÓDIGO MODELO OPERAÇÃO N E CE BR-116/CE 3,500 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 26/10/2001 CE BR-116/CE 3,500 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 11/12/2001 CE BR-116/CE 3,550 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 26/10/2001 CE BR-116/CE 3,550 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 27/10/2001 CE BR-222/CE 1,050 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 7/12/2001 CE BR-222/CE 1,050 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 25/9/2001 CE BR-222/CE 1,050 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 8/12/2001 CE BR-222/CE 1,050 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 21/9/2001 CE BR-222/CE 1,700 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 4/12/2001 CE BR-222/CE 1,700 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 20/9/2001 CE BR-222/CE 1,700 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 20/9/2001 CE BR-222/CE 1,700 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 21/9/2001 CE TOTAL DF BR-020/DF 4,100 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 31/3/2005 DF BR-020/DF 4,100 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 31/3/2005 DF BR-040/DF 3,000 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 14/4/2005 DF BR-040/DF 3,000 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 8/4/2005 TOTAL 9 4 ES BR-101/ES 251,000 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 17/1/2002 ES BR-101/ES 251,000 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 17/1/2002 ES BR-101/ES 253,000 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 17/1/2002 ES BR-101/ES 253,000 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 17/1/2002 TOTAL 4 4 GO BR-040/GO 0,210 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 9/2/2000 GO BR-040/GO 0,370 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 9/2/2000 GO BR-040/GO 3,000 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 9/2/2000 GO BR-040/GO 3,040 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 9/2/2000 GO BR-040/GO 7,500 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 14/4/2000 TOTAL 10 5 TOTAL GERAL Legenda: QTD = Quantidade.de eqipamento instalado. CÓDIGO DO EQUIPAMENTO: É o número de idenficação fornecido pelo fabricante. MODELO DO EQUIPAMENTO: Informar o modelo 08. OPERAÇÃO EDUCATIVA Não haverá operação em caráter educativo. A operação inicializara um dia após a aferição do equipamento pelo INMETRO (D+1). 7

9 09. REQUISITOS E CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS PARA FUNCIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS 9.1 Requisitos mínimos obrigatórios As características exigidas como mínimas obrigatórias aplicam-se a todos os equipamentos componentes do objeto deste edital Características funcionais Os equipamentos eletrônicos medidores de velocidade e equipamentos eletrônicos de controle de avanço de sinal vermelho e parada sobre faixa de pedestre com controle de velocidade e os aplicativos a serem utilizados deverão atender às condições mínimas de desempenho, características operacionais do equipamento fixo, para medição de velocidade e registro das imagens dos veículos automotivos em excesso de velocidade; Capturar, automaticamente, as imagens digitalizadas dos veículos em velocidade superior à permitida, com todas as características definidas nesse instrumento e com o devido acréscimo de tolerância estabelecido pelo INMETRO, em todas as faixas de trânsito monitoradas; Permitir a detecção e registro de qualquer tipo de veículo automotor, inclusive motocicletas. Nesse último caso para as funções de excesso de velocidade onde a captura da imagem for realizada pela traseira; Possibilitar uso continuado, para fins de registro de infrações, durante as 24 (vinte e quatro) horas do dia; Permitir diversas configurações, tais como: Possibilitar, sempre que desejado, a entrada em funcionamento em horário programado; Possibilitar a alteração, sempre que desejado, da velocidade programada do equipamento, desde que solicitada pelo DNIT. Neste caso, o reinício da operação do equipamento somente ocorrerá após nova aferição realizada pelo INMETRO; Os equipamentos devem ser capazes de monitorar, de maneira independente, as faixas de tráfego, bem como coletar dados estatísticos de fluxo da via; O equipamento deve registrar: Imagem do veículo no momento do cometimento da infração, com possibilidade de verificação da placa do mesmo; Velocidade aferida no momento da infração em km/h; Data (dia, mês e ano) e horário (hora, minutos e segundos) da infração O equipamento deverá detectar velocidades de todos os tipos de veículos automotivos (motos, veículos de passeio, de carga em geral e ônibus) e registrar as imagens dos veículos infratores, pelas dianteiras ou traseiras dos veículos de acordo com cada ponto de instalação e solicitação do DNIT; Capacidade de capturar a imagem de veículos trafegando na contramão de direção nas vias de mão dupla dotadas de uma faixa de trânsito para cada sentido, sem canteiro central e com faixa central contínua; 8

10 Deverá ter a capacidade de registro de no mínimo duas imagens por segundo por faixa de rolamento monitorada; Permitir identificar em qual faixa o veículo infrator foi captado, Independente do tipo de infração; Permitir o agendamento para troca automática do horário de verão Características Físicas Os equipamentos deverão: Os equipamentos deverão possuir estrutura rígida, com acessórios necessários para ser fixado no local de sua instalação; Os equipamentos deverão possuir sensores adequados à sua finalidade; Os equipamentos deverão possuir dispositivo que possibilite a identificação do veículo com o qual tenha sido cometido a infração; Os equipamentos deverão ser dotados de dispositivos que os torner existentes às intempéries; Os equipamentos deverão ser capazes de processar e registrar as informações coletadas; Características Elétricas Os equipamentos deverão estar aptos a funcionarem com alimentação de110/220 Volts, com variação de mais ou menos 10% Os equipamentos deverão ser providos de dispositivo de proteção contra sobre-tensão ou corrente, na alimentação elétrica; Conter obrigatoriamente o aterramento no momento de sua instalação; Ser provido de circuito de proteção contra quaisquer interferências eletrostáticas; Possuir, preferencialmente, como principio de funcionamento a alteração do campo magnético de laços indutivos quando da passagem do veículo pelo local monitorado Sempre que houver queda e restabelecimento de energia elétrica o equipamento deverá emitir aviso sonoro visual à central de controle; O sistema deverá individualizar, indicando quais equipamentos que sofreram a queda de energia; Características das imagens capturadas Gravar as imagens e dados em dispositivo magnético ou ótico de armazenamento com capacidade de, pelo menos (mil e quinhentas) imagens,para posterior coleta e processamento; As imagens registradas pelo equipamento deverão permitir a perfeita identificação visual da marca, modelo e placa dos veículos infratores; As imagens originais dos veículos serão analisadas e homologadas pelo DNIT, visando à produção dos dados necessários a emissão das notificações; O padrão de arquivamento das imagens deverá ser BMP, JPG, PCX, TIF ou similar; Imagens de excesso de velocidade As imagens capturadas pelos equipamentos devem: Registrar: 9

11 a) Imagem do veículo no momento do cometimento da infração, com possibilidade de verificação da placa do mesmo; b) Velocidade aferida no momento da infração em km/h; c) Data (dia, mês e ano) e horário (hora, minutos e segundos) da infração Conter: a) A velocidade regulamentada para o local da via em km/h; b) O local da infração identificado de forma descritiva ou codificada; c) A identificação do instrumento ou equipamento utilizado, mediante numeração estabelecida pelo DNIT (alfanumérico); d) Os dados do INMETRO (Marca, Nº INMETRO, Nº e data de verificação), e demais itens obrigatórios de acordo com a legislação vigente; Imagens de avanço de sinal vermelho As imagens capturadas pelos equipamentos devem: Registrar: a) Imagem do veículo no momento do cometimento da infração, com possibilidade de verificação da placa do mesmo; b) Data (dia, mês e ano) e horário (hora, minutos e segundos) da infração Conter: a) Tempo transcorrido do indicador vermelho do semáforo no momento da infração (em segundos); b) Local da infração identificado de forma descritiva ou codificado; c) Identificação do instrumento ou equipamento utilizado, mediante numeração estabelecida pelo DNIT (alfanumérico); d) Número do Selo do INMETRO para infrações não metrológicas Imagens de Parada sobre a Faixa As imagens capturadas pelos equipamentos devem: Registrar: a) Imagem do veículo no momento do cometimento da infração, com possibilidade de verificação da placa do mesmo; b) Data (dia, mês e ano) e horário (hora, minutos e segundos) da infração Conter: a) Tempo transcorrido do indicador vermelho do semáforo no momento da infração (em segundos); b) Local da infração identificado de forma descritiva ou codificado; b) Tempo em que o veículo encontra-se parado sobre a faixa; c) Local da infração identificado de forma descritiva ou codificado; d) Identificação do instrumento ou equipamento utilizado, mediante numeração estabelecida pelo DNIT (alfanumérico); e) Número do Selo do INMETRO para infrações não metrológicas Imagens de Contramão As imagens capturadas pelos equipamentos devem: Registrar: a) Imagem do veículo no momento do cometimento da infração, com possibilidade de verificação da placa do mesmo; b) Velocidade aferida no momento da infração em km/h; c) Data (dia, mês e ano) e horário (hora, minutos e segundos) da infração. 10

12 Conter: a) Velocidade regulamentada para o local da via em km/h; b) Local da infração identificado de forma descritiva ou codificado; c) Identificação do instrumento ou equipamento utilizado, mediante numeração estabelecida pelo DNIT (alfanumérico); d) Data de verificação do equipamento pelo INMETRO; e) Indicativo (codificado ou não), na imagem, de que os veículos e encontrava na contramão de direção Os dados acima deverão ser registrados e anexados na imagem do veículo, no momento da sua captura pelo equipamento, de forma automática, sem necessidade e possibilidade de intervenção posterior de operador para inserção das referidas informações no corpo da imagem do veículo; Características de Segurança O software residente no equipamento deverá capturar e armazenar as imagens criptografadas, com algoritmo de no mínimo 512 bits, de forma que não possam ser visualizadas por software comercial; O software residente no equipamento deverá, no momento de sua captura, assinar digitalmente as imagens, com algoritmo de no mínimo 512 bits, de modo a garantir que o software de leitura das mesmas confirme sua originalidade no momento do processamento; Os equipamentos deverão possuir alarmes sonoros que indiquem a tentativa de acesso de pessoas não autorizadas ao gabinete do equipamento; Na inicialização, deverá executar auto teste que garanta as condições operacionais do equipamento gerando arquivo de log para consultas posteriores; Deverão detectar falha em qualquer um dos módulos do equipamento gerando arquivo de log para posterior consulta; Deverá retornar à operação normal, automaticamente sem intervenção humana, quando da volta da alimentação de energia elétrica em caso de ocorrência do desarme por interrupção da mesma; Quando da falta de energia elétrica na rede de alimentação dos equipamentos, mesmo que por períodos prolongados, o equipamento deverá manter o horário correto; As imagens e dados captados deverão ser armazenados de forma a não serem afetados por eventuais falhas, mesmo que essas falhas perdurem por qualquer período Possibilitar a manutenção preventiva e corretiva do equipamento sem que a via seja interrompida para a passagem dos veículos, salvo quando se tratar de manutenção nos sensores instalados no asfalto; Características de funcionalidade OCR Os equipamentos com o sistema de Identificação Automático de Caracteres de Placas de Veículos OCR (Optical Character Recognition) deverá possibilitar: a) O funcionamento diurno e noturno; 11

13 b) Qualquer operação (controle de velocidade, consulta ao banco de dados, impressão de imagens), não deverá interromper a continuidade do controle; c) Identificação dos caracteres das placas dos veículos; d) Consulta automática ao banco de dados, base Renavan fornecida pelo DNIT, dos veículos irregulares (online); e) O sistema deverá informar à central de controle através de dispositivos sonoros e visuais sempre que a conexão com equipamentos for perdida; f) A leitura dos caracteres da placa para qualquer velocidade com tempo de processamento até 01 (hum) segundo; g) Relatórios estatísticos dos registros armazenados; Relatórios estatísticos dos registros armazenados deverão conter: a) O local da infração identificado de forma descritiva ou codificado; b) A indicação do tipo de irregularidade; c) A imagem do veículo fiscalizado O equipamento deverá, ainda, ser capaz de detectar e reconhecer, automaticamente, a placa de veículo automotor, que utiliza placas de acordo com a Figura I da Resolução do CONTRAN Nº 241, publicada no Diário Oficial da União em 04/07/2007 com as alterações subseqüentes da legislação em específico, e que estejam dentro das faixas de rolagem nos locais monitorados, inclusive com velocidades superiores a 80 Km/h O sistema de Identificação Automático de Caracteres de Placas de Veículos deverá ser capaz de ler placas de: diferentes cores e tipos de caracteres alfanuméricos; veículos com ângulo modelado de incidência dos raios solares; veículos em condições moderadas de chuva e/ou neblina; veículos em períodos diurno e noturno; veículos em qualquer velocidade; veículos posicionados, no mínimo, a 30 cm das extremidades de uma faixa de rolamento de até 3,5 m de largura; pelo menos automóveis, ônibus e caminhões; Reconhecimento automático de placas de veículos, com índice mínimo de 60% de leitura correta Para o cálculo do índice de acerto previsto, deverão ser descartados os veículos com placas ilegíveis a olho nu e placas de motocicletas, quando for o caso; Os veículos (automóveis, ônibus e caminhões) não registrados pelo sistema serão considerados como erros de leitura O sistema de Identificação Automático de Caracteres de Placas de Veículos deverá estar associado a um banco de dados apropriado O DNIT fornecerá o Cadastro Geral de Veículos, contendo as informações necessárias, em arquivo digital no formato "txt", a partir do qual a Contratada deverá providenciar os bancos de dados específicos para cada aplicação O Banco de Dados a ser utilizado no sistema de Identificação Automático de Caracteres de Placas de Veículos, poderá ser instalado em campo (no próprio equipamento/sistema fixo) ou no Centro de Processamento 12

14 de Imagem, conforme a solução técnica adotada pela Contratada, desde que atenda a todos os requisitos deste instrumento O conjunto equipamento-sistema e o meio de telecomunicação utilizado deverá permitir a transmissão e a disponibilização da placa do veículo, com sua respectiva situação constante do banco de dados, em até 6 (seis) segundos após sua passagem pelo ponto monitorado Previsão de instalação em 10% (dez por cento) dos Equipamentos Eletrônicos Medidores de Velocidade tipo fixo discreto e ostensivo. A instalação de tais equipamentos poderá ser ou não nos mesmos Equipamentos Eletrônicos Medidores de Velocidade tipo fixo discreto e ostensivo onde serão instalados os equipamentos previstos no item Monitoramento visual do tráfego, em tempo real Sistema de visualização de tráfego em tempo real, agregado ao Equipamento Eletrônico Medidor de Velocidade tipo fixo discreto, ostensivo econtrole semafórico (avanço de sinal vermelho e parada sobre faixa de pedestre com controle de velocidade), que permita o planejamento viário, o gerenciamento de trânsito e a segurança pública e podendo ser aplicado em locais a serem definidos pelo DNIT, com as seguintes características mínimas: A câmera deve permitir a visualização de imagens a distâncias de até 2 km do ponto instalado; Deve permitir visualizar as imagens em 360º do ponto instalado; Deve permitir o controle remoto completo PTZ (pan-tilt-zoom horizontal vertical-aproximação) em tempo real. O meio de comunicação será disponibilizado e mantido às expensas da contratada; Deve permitir que a câmera seja controlada diretamente pelo operador do DNIT ou automaticamente via software; Deve permitir gravar imagens em um computador, em modo digital e intervalos programáveis para consulta posterior; Deve possibilitar o uso continuado durante as 24 (vinte e quatro) horas do dia, para fins de monitoramento em tempo real. O meio de comunicação será disponibilizado e mantido às expensas da Contratada; O equipamento deverá possibilitar a conexão à sede do DNIT, em Brasília, sendo que o meio de comunicação será disponibilizado e mantido pela contratada Deverá ser possível visualizar as imagens da câmera a partir da Web através de acesso seguro mediante identificação de usuário e senha Deve possuir sistema para gravação na central da contratada de todas as câmeras monitoradas durante as 24 horas de operação, por período não inferior a 7dias corridos; Previsão de instalação em 10% (dez por cento) dos Equipamentos Eletrônicos Medidores de Velocidade tipo fixo discreto e ostensivo e controle semafórico (avanço de sinal vermelho e parada sobre faixa de pedestre com controle de velocidade). A instalação de tais equipamentos poderá ser ou não nos mesmos Equipamentos Eletrônicos Medidores de Velocidade tipo fixo 13

15 discreto e ostensivo onde serão instalados os equipamentos previstos no item Características específicas mínimas e obrigatórias dos equipamentos Medidores de Velocidade Fixos (Ostensivos) Possuir características físicas e dimensionais que possibilite a sua visualização pelo condutor na rodovia a uma distância mínima de 100 (cem) metros a partir do ponto em que estiver instalado, e ter sistema sinalizador integrado no corpo do equipamento que permita comunicação visual com o público composto de: Dispositivo luminoso (lâmpada amarela) piscante, localizado no corpo do equipamento, preferencialmente no topo, indicando sua presença e que serve como sinalização de segurança; Dispositivo luminoso verde, que seja acionado automaticamente, em conjunto com dispositivo sonoro, quando for detectado veículo trafegando dentro do limite de velocidade programada (pode ser o próprio display indicador da velocidade medida); Dispositivo luminoso de cor amarela, laranja, âmbar ou tom similar que não seja vermelha - que seja acionado automaticamente, em conjunto com dispositivo sonoro, quando for detectado veículo trafegando acima da velocidade programada (pode ser o próprio display indicador da velocidade medida); O equipamento deverá possuir painel (display) integrado no corpo do mesmo, que indique a velocidade do veículo monitorado, com pelo menos dois dígitos com o mínimo de 25 cm de altura e 100 candelas de intensidade luminosa por dígito (medida com a intensidade do dígito 8 aceso), possibilitando a perfeita visão do mesmo a qualquer hora e/ou condições climáticas desfavoráveis; Os equipamentos quando habilitados somente para monitorar a velocidade deverão ser equipados com dispositivo de iluminação imperceptível a visão humana (infravermelho) Medidores de Velocidade Fixos (Discretos) Os equipamentos quando habilitados somente para monitorar a velocidade deverão ser equipados com dispositivo de iluminação imperceptível à visão humana (infravermelho) Equipamento eletrônico de controle de semáforo (avanço de sinal vermelho e parada sobre a faixa de pedestre com controle de velocidade) Monitorar a obediência à sinalização semafórica, registrando qualquer tipo de veículo automotor que venha a praticar o avanço do sinal vermelho ou a parada sobre a faixa de pedestres; Monitorar as fases semafóricas (verde, amarelo, vermelho), de modo que ao detectar falha na passagem de alguma dessas fases, não realize as funções de captura de infrações por avanço de semáforo e parada sobre a faixa de pedestres até que um próximo ciclo completo se realize, quando então deverá voltar a capturaras infrações citadas (avanço de semáforo e parada sobre a faixa de pedestres). 14

16 Monitorar a obediência ao limite de velocidade estabelecido, registrando qualquer tipo de veículo automotor que venha a excedê-lo Características funcionais: Possuir configuração parametrizável, de segundo em segundo, que possibilite determinar a partir de qual instante do início do vermelho se iniciará a fiscalização dos veículos pela desobediência a essa fase semafórica (tempo de retardo); Possuir configuração parametrizável de segundo em segundo que possibilite detectar infração cometida por parar sobre a faixa de pedestre, sendo capaz de executar o registro do veículo estacionado segundo esse parâmetro (tempo de permanência); Possuir câmera panorâmica colorida capaz de registrar imagem que mostre, no mínimo, todas as faixas de rolamento da aproximação, a faixa de retenção e o foco vermelho do semáforo; Ser equipado com dispositivo de iluminação imperceptível à visão humana (infravermelho); Permitir identificar em qual faixa o veículo infrator foi captado, independente do tipo de infração A fim de identificar claramente as infrações de parada sobre a faixa de pedestre e avanço de sinal vermelho, o equipamento deverá ser capaz de gravar para cada infração 1 vídeo, em padrão avi e/ou mpeg ou outro similar pela traseira mantendo o sincronismo da gravação do filme com a infração O vídeo deve ser de no mínimo 8 (oito) quadros por segundo, iniciando 5 (cinco) segundos antes e até 5 (cinco) segundos após a infração, devendo estes tempos serem configuráveis. No vídeo, quadro a quadro, devem estar gravados os dados em tempo real dos acontecimentos, tais como data, hora, minuto, segundo cor do foco (verde, amarelo ou vermelho) e tempo de vermelho Detectar o veículo infrator com 2 (duas) imagens panorâmicas que registrem o tempo decorrido desde a entrada do vermelho expresso em milésimos de segundo. A primeira panorâmica registrará a entrada no vermelho e o cometimento da infração. A segunda imagem comprovará o deslocamento durante a fase vermelha a qual é gerada até 1 (um) segundo após a primeira; Permitir a captura da imagem da placa do veículo sem que seja necessária intervenção humana ou de software para isso. Admitir a possibilidade da existência de outra câmera com zoom que funciona em sincronismo com a câmera panorâmica, gerando uma terceira imagem; Neste caso a imagem noturna da câmera zoom poderá ser em preto e branco com o auxílio de iluminação infravermelha. 10. REGIME DE FUNCIONAMENTO O regime de funcionamento de todos os equipamentos de controle de velocidade será de 24 (vinte e quatro) horas diárias, ininterruptamente, inclusive 15

17 sábados, domingos e feriados, conforme condições descritas no item do Edital, exceto quando houver determinação em contrário pelo DNIT ou judicial. 11. RESUMO DAS ETAPAS DO PROCESSAMENTO DA IMAGEM DO VEÍCULO ATÉ O ENVIO DA NOTIFICAÇÃO DE AUTUAÇÃO OU DE PENALIDADE AO INFRATOR: No anexo IV encontra-se fluxograma com as rotinas básicas do processamento da imagem e dados do veículo para envio das Notificações de Autuação ou de Penalidade ao infrator. 12. DOCUMENTOS A SEREM GERADOS PELA CONTRATADA (ITEM 9.4 DO TERMO DE REFERÊNCIA) Os documentos a serem gerados pela contratada e fornecidos ao DNIT, em sua sede em Brasília, serão os seguintes: Diariamente: o Notificações de Autuação de Infração - NA e Notificações de Imposição de Penalidade NP impressas para postagens. o Os modelos (layouts) das Notificações de Autuações e Notificações de Penalidades a serem impressas pela contratada serão fornecidas pela Coordenação Geral de Operações Rodoviárias/CGPERT/DIR. Notificação de Autuação NA é o documento encaminhado via Aviso de Recebimento - AR, onde o infrator é informado da infração cometida e dado um prazo de até 30 (trinta) dias, caso queira recorrer através da defesa prévia. Notificação de Penalidade - NP é a multa propriamente dita, encaminhado via Aviso de Recebimento AR e emitida no prazo mínimo de trinta dias após a Notificação de Autuação-NA, desde que não haja apresentação de Defesa Prévia, onde é informado o valor da multa em forma de boleto bancário para que seja efetuado o pagamento devido ou apresentação de recurso. Semanalmente (item do Termo de Referencia) o Relatório das Notificações de Autuação de Infração e Notificações de Imposição de Penalidade impressas e em meio magnético ou óptico contendo a imagem (após a validação pela Autoridade de Trânsito do DNIT) do respectivo veículo no momento do cometimento da infração, conforme o que prescreve o Código de Trânsito Brasileiro e as normas vigentes pertinentes do DENATRAN e CONTRAN que devera seguir os dados mencionados no item 13 a seguir; o Imagens e dados válidos de todos os veículos infratores que compõem os respectivos Autos de Infração, os quais serão 16

18 armazenados em mídia magnética ou óptica para eventual impressão, de forma que as informações contidas não sejam alteradas sob nenhuma hipótese; o Todas as imagens não válidas captadas pelos equipamentos e seus dados. Mensalmente (item do Edital) o Enviar impresso e em meio magnético (EXCEL) à Coordenação Geral de Operações Rodoviárias CGPERT/DIR os Relatórios de funcionamento e manutenção de todos os equipamentos instalados conforme gráfico e planilha abaixo: o As planilhas deverão ser encaminhadas para o o O padrão da caixa assunto do deverá ser o seguinte: Numero do contrato Relatório de Funcionamento e Manutenção-dd-mm-aaaa (dia-mês-ano). Exemplo: TT- XXX/2010- Relatório Funcionamento e Manutenção o O padrão do nome do arquivo em EXCEL deverá ser o seguinte: Numero do contrato Relatorio de Funcionamento e Manutencao-aaaa-mm-dd (ano-mês-dia). XLS Exemplo: TT-XXX-2010-relatorio-de-funcionamento-emanutencao xls 17

19 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA TERRESTRE DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS Informar Mês/ano: Informar Numero contrato Edital 471/09 - Item do Termo de Referência RELATORIO DE FUNCIONAMENTO POR EQUIPAMENTO Informar se BARREIRA ELETRÔNICA ou RADAR FIXO ou AVANÇO DE SINAL VERMELHO E PARADA SOBRE FAIXA DE PEDESTRE COORDENADAS LOCALIZAÇÃO EQUIPAMENTO IMAGENS NOTIFICAÇÕES AUTUAÇÃO PRIMEIRA INÍCIO DA ÚLTIMA SITUAÇÃO VÁLI DAS UF NI PONTO LADO RODOVIA KM Cód.. PNV Nº FAIXAS QTD CAPTADAS CANCELADAS CANCELADAS VÁLI DAS N E MUNICÍPIO TRECHO CÓDIGO MODELO AFERIÇÃO OPERAÇÃO AFERIÇÃO ATUAL (C ) = (A) - (A) (B) (D) (E ) = (C) - (D) (B) CE 33 1 A BR-116/CE 3, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 25/10/ /10/ /10/2005 Ativado CE 33 1 B BR-116/CE 3, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 10/12/ /12/ /11/2004 Ativado CE 33 2 A BR-116/CE 3, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 25/10/ /10/ /10/2005 Ativado CE 33 2 B BR-116/CE 3, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 26/10/ /10/ /11/2005 Ativado CE 18 1 A BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 6/12/2001 7/12/2001 4/1/2006 Ativado CE 18 1 B BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 24/9/ /9/ /2/2006 Ativado CE 18 1 C BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 7/12/2001 8/12/ /11/2005 Ativado CE 18 1 D BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 20/9/ /9/ /11/2005 Ativado CE 18 2 A BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 3/12/2001 4/12/2001 4/8/2005 Ativado CE 18 2 B BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 19/9/ /9/2001 4/1/2006 Ativado CE 18 2 C BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 19/9/ /9/ /9/2005 Ativado CE 18 2 D BR-222/CE 1, BCE0015 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 20/9/ /9/ /9/2005 Ativado CE TOTAL DF 29 5 A BR-020/DF 4, BDF0014 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 30/3/ /3/ /2/2006 Ativado DF 29 5 B BR-020/DF 4, BDF0014 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 30/3/ /3/ /3/2006 Ativado DF 3 5 A BR-040/DF 3, BDF0010 Informar Informar Informar Informar 3 Informar Informar 1 13/4/ /4/2005 3/4/2006 Ativado DF 3 5 B BR-040/DF 3, BDF0010 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 7/4/2005 8/4/ /8/2005 Ativado TOTAL ES A BR-101/ES 251, BES2290 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 16/1/ /1/ /3/2006 Ativado ES B BR-101/ES 251, BES2290 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 16/1/ /1/ /3/2006 Ativado ES 11 9 A BR-101/ES 253, BES2290 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 16/1/ /1/2002 9/12/2005 Ativado ES 11 9 B BR-101/ES 253, BES2230 Informar Informar Informar Informar 1 Informar Informar 1 16/1/ /1/ /6/2006 Ativado TOTAL GO 5 15 A BR-040/GO 0, BGO0030 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 8/2/2000 9/2/2000 7/3/2006 Ativado GO 5 15 B BR-040/GO 0, BGO0030 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 8/2/2000 9/2/ /5/2006 Ativado GO 5 16 B BR-040/GO 3, BGO0030 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 8/2/2000 9/2/2000 9/8/2006 Ativado GO 5 16 A BR-040/GO 3, BGO0030 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 8/2/2000 9/2/ /5/2006 Ativado GO 5 17 A BR-040/GO 7, BGO0030 Informar Informar Informar Informar 2 Informar Informar 1 13/4/ /4/2000 5/5/2004 Ativado TOTAL TOTAL GERAL Legenda: NI = Nota de Instalação. Ponto = Item da Nota de Instalação. Lado = A ou B é a indicação do sentido da pista, quando ocorrer mais de um equipamento instalado no mesmo local. QTD = Quantidade. CÓDIGO DO EQUIPAMENTO: É o número de idenficação fornecido pelo fabricante. MODELO DO EQUIPAMENTO: Informar o modelo 18

20 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA TERRESTRE DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS COORDENAÇÃO DE OPERAÇÕES Informar Mês/ano: Edital 471/09 - Item do Termo de Referência Volume de Imagens e Postagens por Ponto informar o mês, exemplo: janeiro/2011 Informar aqui o nº do Contrato nn nnn/nn Informar se Barreira Eletrônica ou Radar Fixo ou Avanço de Sinal Vermelho e Parada sobre Faixa IMAGENS CAPTADAS POSTAGENS VÁLIDAS BR 222/CE Km 1,05 Lado C BR 040/DF Km 3 Lado A BR 040/GO Km 3 Lado B BR 040/DF Km 3 Lado B BR 101/ES Km 253 Lado B BR 222/CE Km 1,05 Lado B BR 116/CE Km 3,5 Lado A BR 040/GO Km 3,04 Lado A BR 222/CE Km 1,7 Lado D BR 020/DF Km 4,1 Lado A BR 116/CE Km 3,55 Lado B BR 101/ES Km 251 Lado B BR 040/GO Km 0,21 Lado A BR 222/CE Km 1,05 Lado D BR 116/CE Km 3,5 Lado B BR 116/CE Km 3,55 Lado A BR 040/GO Km 7,5 Lado A BR 222/CE Km 1,7 Lado C BR 222/CE Km 1,7 Lado A BR 222/CE Km 1,05 Lado A BR 101/ES Km 253 Lado A BR 222/CE Km 1,7 Lado B BR 101/ES Km 251 Lado A BR 040/GO Km 0,37 Lado B BR 020/DF Km 4,1 Lado B

21 13. INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DADOS E IMAGENS GERADOS PELOS EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE VELOCIDADE (ITENS E DO TERMO DE REFERÊNCIA) Fornecer mensalmente ao DNIT, em CD-ROM/DVD e de forma online arquivo de consulta dos dados da infração acessando pelos seguintes dados: o Número do Auto de Infração; o Número de Aviso de Recebimento; o CPF ou CNPJ; o Placa do veículo; o Numero do RENAVAM. O arquivo disponibilizado ao DNIT deverá conter, no mínimo, os seguintes dados: o Dados do proprietário (CPF/CNPJ, nome e endereço completo); o Dados do veículo (placa, marca/modelo/espécie); o Dados da infração (Nº do Auto de Infração, código e descrição da o infração, tipificação, pontuação, velocidades: aferida e permitida, local, data e hora da infração, valor da multa, código do equipamento medidor de velocidade); o Dados de Notificação (data de postagem e número do Aviso de Recebimento); O layout da tabela e estrutura do banco de dados para troca de informações das infrações entre o DNIT e as empresas contratadas será em SQL, nos padrões do RENAINF e será fornecida no momento oportuno pela Coordenação Geral de Operações Rodoviárias/CGPERTDIR. 14.DOS RELATÓRIOS COMPLEMENTARES A SEREM APRESENTADOS AO DNIT E SUA PERIODICIDADE (ITEM DO TERMO DE REFERÊNCIA) A Contratada deverá emitir relatórios mensais, com dados gerados automaticamente pelos equipamentos, referentes ao volume de tráfego por faixa de velocidade, à faixa horária, nas 24 horas do dia, com o número e a porcentagem de veículos com velocidade acima da fixada para o local, contendo a localização dos equipamentos, além da data de instalação, do número de infrações registradas no sistema de infrações de trânsito e das demais atividades desenvolvidas no período, conforme modelo abaixo. 20

22 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS VEÍCULOS POR CATEGORIA POR HORA Estado Goiás Municipio Goiânia BR 153 Localização km m Ponto de Referência Fábrica de pré-moldados Código PNV 153BGO0570 Trecho /Sentido N : Coordenada RADAR FIXO ou BARREIRA ELETRÔNICA ou AVANÇO Tipo do Equipamento (UTM) E : SINAL Consórcio ou Empresa: Contrato Mês/ano Faixa horária Classe 1 Classe 2 Classe 3 Classe 4 Sem categoria Total Qtde % Qtde % Qtde % Qtde % Qtde % Qtde % 00:00-00: , , , ,90 0 0, ,01 01:00-01: , , , ,54 0 0, ,78 02:00-02: , , , ,43 0 0, ,57 03:00-03: , , , ,34 0 0, ,43 04:00-04: , , , ,32 0 0, ,42 05:00-05: , , , ,77 0 0, ,86 06:00-06: , , , ,08 0 0, ,58 07:00-07: , , , ,36 0 0, ,52 08:00-08: , , , ,39 0 0, ,33 09:00-09: , , , ,67 0 0, ,80 10:00-10: , , , ,98 0 0, ,28 11:00-11: , , , ,51 0 0, ,50 12:00-12: , , , ,62 0 0, ,00 13:00-13: , , , ,63 0 0, ,14 14:00-14: , , , ,41 0 0, ,00 15:00-15: , , , ,32 0 0, ,19 16:00-16: , , , ,91 0 0, ,70 17:00-17: , , , ,61 0 0, ,82 18:00-18: , , , ,81 0 0, ,51 19:00-19: , , , ,10 0 0, ,50 20:00-20: , , , ,91 0 0, ,13 21:00-21: , , , ,73 0 0, ,08 22:00-22: , , , ,25 0 0, ,38 23:00-23: , , , ,41 0 0, , , , , , , , Quantidade de veículos Horários Classe 1 Classe 2 Classe 3 Classe 4 Sem Categoria ( < 5 metros) (5,0 < comprimento > 10 metros) (10 < comprimento > 15 metros) ( > 15 metros) 21

23 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS VELOCIDADE MÉDIA POR HORA (km/h) Estado Goiás Municipio Goiânia BR 153 Localização km m Ponto de Referência Fábrica de pré-moldados Código PNV 153BGO0570 Trecho /Sentido N : Tipo do Equipamento RADAR FIXO ou BARREIRA ELETRÔNICA Coordenada (UTM) ou AVANÇO SINAL E : Consórcio ou Empresa: Contrato Mês/ano Faixa horária FAIXA 01 FAIXA 02 FAIXA 03 FAIXA N Média das faixas 1 a N 00:00-01:00 48,50 48,47 50,87 50,87 01:01-02:00 48,73 48,10 50,92 50,92 02:01-03:00 48,61 48,76 50,84 50,84 03:01-04:00 48,56 48,62 51,08 51,08 04:01-05:00 48,55 48,86 50,76 50,76 05:01-06:00 49,30 49,57 51,14 51,14 06:01-07:00 50,09 48,66 51,39 51,39 07:01-08:00 50,25 47,83 51,20 51,20 08:01-09:00 50,01 48,36 51,19 51,19 09:01-10:00 50,08 48,78 51,56 51,56 10:01-11:00 50,04 48,72 51,74 51,74 11:01-12:00 50,16 48,72 51,87 51,87 12:01-13:00 49,95 48,81 51,97 51,97 13:01-14:00 49,82 48,39 51,83 51,83 14:01-15:00 49,34 48,32 51,56 51,56 15:01-16:00 49,13 48,35 51,48 51,48 16:01-17:00 48,84 47,85 51,19 51,19 17:01-18:00 48,71 46,93 50,95 50,95 18:01-19:00 47,59 45,46 49,97 49,97 19:01-20:00 47,28 45,49 50,16 50,16 20:01-21:00 47,54 45,91 50,51 50,51 21:01-22:00 47,98 47,01 50,62 50,62 22:01-23:00 48,12 47,34 50,89 50,89 23:01-24:00 48,48 48,04 50,86 50, FAIXA 01 FAIXA 02 FAIXA 03 FAIXA N EXEMPLO PARA PISTA DUPLA COM 2 OU MAIS FAIXAS 22

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA DE VEÍCULOS. Especificações Técnicas

SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA DE VEÍCULOS. Especificações Técnicas SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA DE VEÍCULOS Características Gerais Especificações Técnicas. Ser de fácil transporte, acondicionado em estrutura resistente a sua condução, formada pelo conjunto dos elementos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL

AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL ANEXO 4 AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL CONCORRÊNCIA Nº 02/2012 ANEXO 4 - FL. 2 DA AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS A empresa LICITANTE detentora da melhor proposta, deverá

Leia mais

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 19 da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

Atividade 1 - Análise

Atividade 1 - Análise PARTE 1 Introdução A continuidade do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade, em uma nova versão, está sendo discutida pelos diversos atores envolvidos, especialmente os técnicos do DNIT

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 007, de 11 de janeiro de 2007.

Leia mais

ANEXO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

ANEXO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ANEXO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1. Com a utilização desses sistemas multifuncionais é possível exercer o controle de velocidade com processamento de infrações e envio das informações para autoridade competente,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 223, de 18 de dezembro de 1996. O Diretor

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DA ERRATA Nº 1 ITEM 18 (PÁG:7/9)

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DA ERRATA Nº 1 ITEM 18 (PÁG:7/9) Mediante solicitação do TCE, estamos encaminhando, as informações complementares ao item 18 da ERRATA nº 1 (pág: 7/9): Software aplicativo de controle e gerenciamento de tráfego compatível com todos os

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo)

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) *C0052969A* C0052969A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FISCALIZAÇÃO EXTERNA IT. 06 08 1 / 9 1. OBJETIVO Coordenar, programar e acompanhar a execução do trabalho de fiscalização executado pelos agentes/analistas de fiscalização, com o objetivo de fiscalizar

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro Ref.: Inquérito Civil Público n.º 1.26.001.000170/2013-45 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO EGRÉGIA 1ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Trata-se de Representação formulada em desfavor

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 094, de 24 de setembro de 1999.

Leia mais

ANEXO III TERMO DE REFERÊNCIA CAPÍTULO V REQUISITOS TÉCNICOS DOS EQUIPAMENTOS, PRODUTOS E SERVIÇOS.

ANEXO III TERMO DE REFERÊNCIA CAPÍTULO V REQUISITOS TÉCNICOS DOS EQUIPAMENTOS, PRODUTOS E SERVIÇOS. ANEXO III TERMO DE REFERÊNCIA CAPÍTULO V REQUISITOS TÉCNICOS DOS EQUIPAMENTOS, PRODUTOS E SERVIÇOS. 5.1. Os equipamentos medidores de velocidade e os aplicativos deverão atender as condições mínimas de

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI

Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI 1. Esta Especificação destina se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada aplicação,

Leia mais

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização.

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização. Aprovação das alterações das cláusulas do Regulamento Interno (trechos destacados em amarelo e azul são trechos que foram feitas mudanças e/ou alterações) DA SEGURANÇA Art. 1º - Cada novo morador receberá

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

Radares de Velocidade. Número de vias 49. Número de pontos com infra-estrutura 137. Número de pontos com equipamento em operação (rodízio)

Radares de Velocidade. Número de vias 49. Número de pontos com infra-estrutura 137. Número de pontos com equipamento em operação (rodízio) A multifuncionalidade apresentada na utilização dos equipamentos eletrônicos nas vias de Campinas. José Vieira de Carvalho; Atílio André Pereira; Jeany Lúcia da Silva Oliveira. EMDEC Empresa Municipal

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários MEMORIAL DESCRITIVO Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários FINALIDADE O presente memorial tem por finalidade orientar a elaboração do projeto de programação visual

Leia mais

ÍNDICE. 2.1. Funcionalidades... 5

ÍNDICE. 2.1. Funcionalidades... 5 ÍNDICE 1. PRIMEIRO ACESSO AO SITE... 3 2. MAPA DO SITE... 4 2.1. Funcionalidades... 5 3. ENVIO DE COBRANÇAS ELETRÔNICAS... 5 3.1. Solicitações... 7 3.1.1. Internação... 7 3.1.2. Prorrogação... 8 3.1.3.

Leia mais

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências.

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 214, de 13/11/2006 Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN,

Leia mais

Sumário. Manual Frota

Sumário. Manual Frota Sumário Apresentação... 2 Home... 2 Definição do Idioma... 3 Aba Frota... 4 Abastecimento... 4 Calendário... 26 Agenda Data... 38 Agenda Km... 59 Agendamento... 81 Agendas realizadas...104 Agenda...123

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Centro Integrado de Segurança do Poder Judiciário (CISPJ) Analisado por: Departamento de Segurança Patrimonial (DESEP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria Geral de Segurança Institucional

Leia mais

Projetos de publicidade na faixa de domínio da rodovia

Projetos de publicidade na faixa de domínio da rodovia Projetos de publicidade na faixa de domínio da rodovia Os projetos deverão apresentar: a. Requerimento devidamente preenchido (anexo 1); b. Fotos (no mínimo uma panorâmica e uma localizada) indicando o

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

Soluti Orientações SIOPS 22/03/2013 SOLUTI

Soluti Orientações SIOPS 22/03/2013 SOLUTI SOLUTI Orientações para a Emissão do Certificado Digital, tipo A3, Pessoa Física, com Financiamento pelo Ministério da Saúde para Operadores da Funcionalidade Restrita do Sistema de Informações sobre Orçamentos

Leia mais

SGF Sistema de Gerenciamento da Fiscalização

SGF Sistema de Gerenciamento da Fiscalização SGF Sistema de Gerenciamento da Fiscalização Perfil Agente Vice-Presidência de Relacionamento, Desenvolvimento e Tecnologia Gerência de Treinamento a Clientes Centro Educacional Prodam SGF Sistema de Gerenciamento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO O presente Regulamento institui a normatização adotada pelo Conselho

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

Instrução Normativa 02/2013 DIRGE/DIRGRAD

Instrução Normativa 02/2013 DIRGE/DIRGRAD Instrução Normativa 02/2013 DIRGE/DIRGRAD Estabelece os procedimentos para o encaminhamento das ocorrências registradas de servidores e discentes pelo serviço de vigilância no âmbito do Câmpus Dois Vizinhos

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE.

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. Autores João Carlos Lindau Roberto de Azevedo Ferreira GRUPO CEEE RESUMO Cada

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS TERMO DE REFERÊNCIA DO OBJETO Contratação de empresa especializada para elaboração de projeto, fornecimento de materiais e instalação de Circuito Fechado de TV (CFTV) para o Museu da Língua Portuguesa.

Leia mais

Certidão Online Manual do Usuário

Certidão Online Manual do Usuário JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Certidão Online Manual do Usuário Versão 3.1 Lista de Tópicos - Navegação Rápida CADASTRANDO O USUÁRIO... 3 ACESSANDO O SISTEMA... 5 CERTIDAO SIMPLIFICADA NADA

Leia mais

Manual do usuário. isic5 - iphone e ipod Touch

Manual do usuário. isic5 - iphone e ipod Touch Manual do usuário isic5 - iphone e ipod Touch isic5 - iphone e ipod Touch Este manual irá auxiliá-lo na instalação e utilização do software para visualização das imagens dos DVRs e Câmera Speed Dome IP

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

ESTACIONAMENTO ROTATIVO PÚBLICO

ESTACIONAMENTO ROTATIVO PÚBLICO PROBLEMAS SOLUÇÕES Crescente número de veículos Vagas restritas Cobrança ilegal do estacionamento (Flanelinhas) Falta de controle de gestão (vagas, arrecadação, tempo, infrações, etc...) Sinalização Falta

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

MANUAL SITE PEPER ESCOLA

MANUAL SITE PEPER ESCOLA INTRODUÇÃO O Peper não é reconhecido no mercado somente pelas suas vantagens e benefícios. A tecnologia é um dos diferenciais do PEPER. No portal www.peper24horas.com.br, o controle e acompanhamento dos

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1 OBJETO O objeto da presente licitação é a Seleção de empresa especializada para Execução de Serviços Técnicos de Vídeo Registro da Rede Rodoviária Federal Pavimentada com

Leia mais

MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS)

MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS) MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS) Sumário 1 - Procedimentos para obter 1ª ART Eletrônica... 2 2 Como obter o Termo de Responsabilidade Técnica... 3 3 - Encaminhar documentos

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 2.1 Formas de controle do tráfego em interseção ou seção de via... 9 2.2 Princípios da Sinalização Semafórica... 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

Leia mais

Departamento Estadual de Trânsito DETRAN

Departamento Estadual de Trânsito DETRAN Assessoria de Comunicação Social Departamento Estadual de Trânsito DETRAN Salvador, Bahia Quarta-Feira 17 de dezembro de 2014 Ano XCIX N o 21.598 Extrato de Portarias de 16 de dezembro de 2014 Diretoria

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Auto Download

Manual do usuário. Mobile Auto Download Manual do usuário Mobile Auto Download Mobile Auto Download Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Sumário PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ETIQUETAS DE REPARO...3 Figura 1.0...3 Figura 2.0...4 Figura 3.0...5 Figura 4.0...5 1. Proprietário

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

: Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e

: Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e Produto : RM NUCLEUS - 11.52.61 Processo Subprocesso : Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e : Integração com o TSS / TopConnect / CT-e Data

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO

SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO Macaé, Outubro de 2010 SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO Página 1 de 38 Controle de Revisões Data Comentário Responsável 01/10/2010 Revisão e correção de texto Marcos Lemos 01/10/2010 Correção

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 116, de 27 de outubro de 1999.

Leia mais

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE Guia do Usuário ÍNDICE ÍNDICE Setembro /2009 www.4rsistemas.com.br 15 3262 8444 IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 3 Sou localizado no município... 4 Não sou localizado no município... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 Tela

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX)

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX) ANEXO 2 INFORMAÇÕES GERAIS VISTORIA 1. É obrigatória a visita ao hospital, para que a empresa faça uma vistoria prévia das condições, instalações, capacidade dos equipamentos, migração do software e da

Leia mais

Renovação Online de certificados digitais A3 (Voucher)

Renovação Online de certificados digitais A3 (Voucher) Renovação Online de certificados digitais A3 (Voucher) Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2012 página 1 de 19 Requisitos para a Renovação Certificados A3 Em Cartão/Token (Navegador

Leia mais

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Noções Gerais: Pg. 02 Instruções para instalação Pg. 02 Ferramentas úteis Pg. 04 Menu Arquivos Empresas Usuárias Pg. 05 Ativar Empresa

Leia mais

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300.

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução s de armazenamento (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução de armazenamento do

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 30 de Novembro de 2010 Obriga a sinalização de fiscalização eletrônica de velocidade fixa efetuada por meio de radar nas vias urbanas do Município de Sumaré e proíbe sua instalação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado eletronicamente, de existência apenas digital, para vincular os documentos fiscais

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA

INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA Estas instruções regulamentam e estabelecem condições para a fixação de engenhos publicitários

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0247, de 10 de dezembro de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0247, de 10 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0247, de 10 de dezembro

Leia mais

RDO. Sistema de Registro Diário de Ocorrências. DNIT - Setor de Pesagem Coordenação Geral de Operações Rodoviárias

RDO. Sistema de Registro Diário de Ocorrências. DNIT - Setor de Pesagem Coordenação Geral de Operações Rodoviárias RDO Sistema de Registro Diário de Ocorrências 1 Tela 1 1º Acesso Logo após a instalação do RDO - Sistema de Registro Diário de Ocorrências, será criado o ícone de acesso do Sistema na área de trabalho.

Leia mais

ÍNDICE. Operações com o Cartão Ticket Car...

ÍNDICE. Operações com o Cartão Ticket Car... ÍNDICE Operações com o Cartão Ticket Car... POS Ticket Car :... Funções... Mensagens... Terminal TEF: Ticket Car Novo... Funções... Mensagens... Transação de Venda Manual... Procedimento... Obter boleto...

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox Manual Software Controle de Jukebox Versão 1.0 2014 Sumário 1. Principais Características... 2 2. Software Controle de Jukebox... 3 I. Tela Principal... 4 1 Data Cobrança... 4 2 Linha... 4 3 Cobrador...

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

Manual do Aplicativo de Configurações

Manual do Aplicativo de Configurações Registrador Eletrônico de Ponto Manual do Aplicativo de Configurações Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis Código Postal 83.322-010 Pinhais - Paraná

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX Atualizado em 27.05.2011 MANUAL DO USUÁRIO 1. Apresentação 1.1. Acessando o Sistema 1.2. Tela Principal 2. Página Principal SUMÁRIO 3. Módulo Corregedoria

Leia mais

Sistema de Estacionamento DMP Parking

Sistema de Estacionamento DMP Parking Sistema de Estacionamento DMP Parking Dimensões: Indisponível Características Gerais Sistema de Estacionamento DMP Parking para o controle e gerenciamento de todas as funções automatizadas no estacionamento,

Leia mais

http://www.certificado.caixa.gov.br

http://www.certificado.caixa.gov.br Exmo. Sr. Magistrado e, Sr. Servidor, Para obter a Identidade Digital através da Autoridade Certificadora CAIXA é necessário: Entrar no Site: http://www.certificado.caixa.gov.br e em Serviços on-line para

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

Manual de Utilização Site Peper

Manual de Utilização Site Peper Manual de Utilização Site Peper - Corretor - Introdução Com o objetivo de otimizar a produção e o controle operacional ligados ao PEPER Proteção Escolar Permanente, a Patente Seguros e o Colégio 24 Horas,

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos;

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos; CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 10 - O presente regulamento dispõe sobre o serviço de transporte de carga, na modalidade denominada motoentrega, consiste no serviço de entrega e coleta de

Leia mais

ANTEVENDO O FUTURO E PROTEGENDO SEU CAIXA!!!

ANTEVENDO O FUTURO E PROTEGENDO SEU CAIXA!!! JJR ESTA RESOLVE!!! ANTEVENDO O FUTURO E PROTEGENDO SEU CAIXA!!! ESCRITÓRIOS: Porto Real (24) 3353-4054 Quatis (24)3353-6444 SITE: WWW.JJR.SRV.BR - VISITE-NOS TEMOS NOVIDADES. E-MAIL: CONTATO@JJR.SRV.BR

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Cria o Assentamento Funcional Digital - AFD e estabelece orientação aos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Publica

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais