ESTUFAGEM DE CONTÊINERES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUFAGEM DE CONTÊINERES"

Transcrição

1 ESTUFAGEM DE CONTÊINERES

2 Conteudo 1. Introdução Tensões causadas durante o transporte em contêineres Tensões mecânicas Tensões climáticas Tensões biológicas Tensões químicas Preparações para o transporte em contêineres Limites e distribuição de peso de contêineres padrão Plano de estufagem Funções das embalagens Regras gerais de estufagem de contêineres Dispositivos de amarração de cargas em contêineres Regras gerais de amarração de carga Inspeção do contêiner antes da estufagem Inspeção do contêiner após a estufagem Devolução do contêiner Proteção climática Proteção contra umidade Carga em contêineres de temperatura controlada Carga sob atmosfera controlada Materiais de amarração de carga Comentários gerais Materiais para colocação em baixo da carga (suporte) Materiais de cintagem Materiais de preenchimento

3 6. Estufagem e amarração de vários tipos de cargas Caixas e caixotes Cargas paletizadas Tambores e baldes plásticos Sacos e fardos Rolos e bobinas Placas de aço Veículos Chapas de vidro Couro úmido e peles Líquidos Carga a granel Cargas longas Animais vivos Carga com excesso de dimensões e pesada Comentários gerais Cargas pré-cintadas Carga convencional Informações adicionais e endereços para contatos

4 1. Introdução O transporte tem importante papel na nossa era globalizada, e toda empresa que deseja desenvolver novos mercados, ou implantar locais de produção, depende de prestadores de serviços e canais de distribuição confiáveis. A Hapag-Lloyd está presente nos cinco continentes. Nossos escritórios estão conectados mundialmente através do sistema padronizado IT, o qual é líder na indústria. Temos sido parceiros do segmento de comércio exterior há mais de 160 anos. Atualmente, estamos entre os cinco maiores armadores em transporte de contêineres. Nossa abrangente rede de serviços fornece mais de 80 linhas para os principais portos do mundo. Estamos constantemente aumentando a nossa frota para suprir as crescentes exigências dos nossos clientes. Temos aproximadamente 115 navios modernos de contêineres com capacidades entre e contêineres padrões, portanto oferecemos maior capacidade de carga para as rotas principais, assim como serviços especializados. Estamos constantemente aumentando as nossas frotas de navios e contêineres, mantendo a vida média dos nossos contêineres em apenas seis anos, para assim atender a futura demanda e acompanhar o crescimento do mercado.

5 Além dos contêineres padrões, oferecemos uma larga escala de unidades, incluindo contêineres refrigerados (reefers) para mercadorias sensíveis à temperatura, contêineres abertos (open-tops) ou de teto-removivel (hard-tops) para cargas com excesso de altura ou que requerem o uso de guindastes, contêineres com altura extra (high-cube) para caixas leves e mercadorias volumosas e também os flat-racks (plataformas) para cargas que, devido às suas dimensões ou peso, não cabem num contêiner fechado. Todos os contêineres são inspecionados antes da entrega para assegurar que funcionem eficientemente e estejam limpos. A Hapag-Lloyd também garante que os seus prestadores de serviços estejam dentro dos padrões de sua gestão interna de qualidade, a qual é certificada de acordo com a norma ISO A Hapag-Lloyd busca ajudar a garantir que os produtos de seus clientes cheguem a seus respectivos destinos rapidamente e, sobretudo, de forma confiável. As cargas estão sujeitas às influências climáticas, e algumas vezes às tensões mecânicas, enquanto estão sendo transportadas pelas rodovias, ferrovias e oceanos do mundo inteiro. Este catálogo foi elaborado para lhe ajudar a estufar e amarrar sua carga adequadamente, e assim evitar avarias. Ele é baseado na experiência de nossos especialistas em carregamentos e tripulações de navios, assim como nas análises de avarias de carga que aconteceram no passado. A estufagem segura de carga em contêineres envolve gastos, porém o retorno vale a pena. Pois se a carga for danificada, os custos geralmente são bem mais elevados. Este catálogo não pode, logicamente, mencionar todos os aspectos relacionados à amarração de carga em contêineres. Os nossos peritos em nossos escritórios de vendas perto de você terão o prazer em lhe ajudar com informação detalhadas. Favor nos contatar. Os endereços estão no site 5

6 2. Tensões causadas durante o transporte em contêineres 2.1. Tensões mecânicas As amarrações de carga devem suportar as tensões resultantes do transporte marítimo e terrestre, e também das movimentações de contêineres. Os contêineres fechados não podem ser inspecionados durante o transporte. As amarrações não podem ser melhoradas ou alteradas depois que o contêiner foi fechado. Sendo assim, a empresa de estufagem tem que conhecer os tipos de tensões que ocorrem durante o transporte marítimo. Basicamente, diferenciamos entre dois tipos de tensões mecânicas. As forças estáticas são causadas pelo empilhamento e permanência da carga sobre o piso do contêiner. O principal fator é a pressão de empilhamento, que causa o dobramento e a torção, principalmente nas camadas inferiores. A pressão de empilhamento depende da dimensão, peso, forma e altura das unidades empilhadas. As forças dinâmicas ocorrem durante o carregamento, transporte terrestre ou marítimo e operações de movimentação. Existem diferenças entre as forças de aceleração, impacto e vibração. Aceleração e solavancos ocorrem durante o carregamento, frenagem, desvios, movimentações, levantamentos, abaixamentos e curvas. No mar, a aceleração constante é causada pela navegação, balanço e movimentação vertical. As vibrações são causadas, por exemplo, pelos motores dos navios, caixas de câmbio, hélices, suspensões dos caminhões e superfícies das rodovias e ferrovias e ocorrem em ampla escala de freqüências e amplitudes. up to 1,5 g up to 0,6 g up to 0,6 g up to 1,0 g up to 1,0 g Aceleração potencial durante o transporte rodoviário up to 1,5 g 6

7 As forças de aceleração que se espera ocorrer sobre o contêiner são geralmente conhecidas antecipadamente e podem ser previstas apenas com base na experiência. Estes níveis são dados abaixo. A letra g significa a aceleração gravitacional (g=9,81 m/s 2 ). A aceleração pode ser maior que o indicado durante pequenos impactos e vibrações. up to 0,4 g up to 0,4 g up to 0,4 g up to 4,0 g up to 4,0 g Aceleração potencial durante o transporte ferroviário up to 1,0 g up to 1,0 g up to 0,8 g up to 0,4 g up to 0,5 g up to 0,4 g up to 0,8 g Aceleração potencial durante o transporte marítimo up to 2,0 g up to 0,5 g up to 1,0 g 2.2. Tensões climáticas As cargas estão frequentemente sujeitas às tensões climáticas enquanto estão sendo transportadas. Elas acontecem até mesmo durante a armazenagem e enquanto os contêineres estão sendo estufados. As tensões climáticas são causadas por alterações nas condições climáticas durante do transporte rodoviário, marítimo ou 7

8 ferroviário e especialmente, quando a carga a bordo de navios transoceânicos passa através de várias zonas climáticas. Tensões climáticas extremas podem ocorrer no inverno sob temperaturas negativas, em zonas tropicais, durante a travessia através de zonas de clima tropical ou durante a passagem de uma zona tropical para uma de clima temperado. Os contêineres completamente fechados protegem a carga em seu interior das influências climáticas externas, tais como: chuva, neve, água do mar, maresia, neblina e radiação ultravioleta (UV). Mesmo com a carga protegida das influências externas, a condensação pode ocorrer dentro do contêiner. A umidade relativa dentro do contêiner é determinada pela umidade do ar na ocasião da estufagem e pela temperatura atual. São fontes de umidade: o ar dentro do contêiner, a própria carga, sua embalagem e os materiais de amarração. Algumas cargas emitem uma quantidade considerável de umidade durante um longo período, enquanto a maioria das embalagens, materiais de amarração e algumas cargas absorvem umidade. A maior parte do ar condensa quando a temperatura ambiente cai abaixo do ponto de orvalho, a condensação se forma primeiro nas embalagens, paredes e/ou teto do contêiner. Daí, a condensação goteja do telhado sobre a carga, causando danos, tais como: oxidação, manchas, marcas, mofo, descoloração, colagem de caixas molhadas, descolagem de etiquetas ou queda da pilha. A temperatura dentro do contêiner depende da temperatura exterior e da posição do mesmo no navio. O contêiner pode ser aquecido pela radiação solar que incide diretamente sobre o convés ou pelos tanques de combustível aquecidos próximos ao porão. Água condensada no teto (a bolsa absorvente está completamente encharcada) 8

9 A temperatura no interior do contêiner pode divergir do ambiente em 20 a 30 C. Portanto, temperaturas de até 60 C são possíveis dentro do contêiner. A temperatura pode também variar devido ao calor espontâneo da carga Tensões biológicas Altas temperaturas, umidade e baixa ventilação dentro do contêiner podem levar a carga ou embalagens a serem atacadas por insetos, fungo, mofo, bactérias e microorganismos. Na maioria das vezes, a carga está contaminada antes de ser carregada no contêiner. A infestação por insetos do exterior para dentro de um contêiner fechado é quase impossível. Consequentemente, a carga deve ser carregada com o maior cuidado possível. Alguns países regulam legalmente a fumigação de embalagens e amarrações. O cliente deve então exigir um certificado dizendo que a madeira utilizada está livre de insetos Tensões químicas As tensões químicas dependem da temperatura, umidade e movimentação da embarcação. Alguns produtos químicos podem sofrer auto-aquecimento. Materiais perigosos devem ser transportados de acordo com os regulamentos de carga perigosa, baseado no Código Marítimo Internacional de Mercadorias Perigosas (IMDG Code), publicado pela Organização Marítima Internacional (IMO). A Hapag-Lloyd possui seu próprio departamento para mercadorias perigosas, o qual terá o prazer em responder qualquer pergunta. 9

10 3. Preparações para o transporte em contêineres 3.1. Limites e distribuição de peso de contêineres padrão Os limites de peso dos contêineres da Hapag-Lloyd correspondem ao padrão 668 da ISO internacional. O peso bruto permitido na maioria dos contêineres padrão de 20 e 40 pés é de kg. Alguns contêineres mais modernos permitem pesos brutos mais elevados. Dependendo do modelo, a carga máxima permitida é igual ao peso bruto menos o peso do contêiner vazio, o qual varia. Detalhes são dados no catálogo Container Specification da Hapag-Lloyd Além do limite máximo de carga para cada modelo de contêiner, os limites de peso para o transporte rodoviário e ferroviário de cada país devem ser observados. Detalhes sobre tais restrições estão disponíveis em todos os escritórios da Hapag-Lloyd. As barras transversais inferiores dos contêineres são os elementos de sustentação da carga e que suportam o peso da mesma. Se o peso permitido for totalmente utilizado, todas as barras transversais devem ser carregadas por igual. Portanto, o peso da carga tem que ser distribuído sobre todo o comprimento do contêiner. Os pisos dos contêineres não são construídos para suportar pesos elevados em área concentrada. Se a carga é curta ou ocupa um pequeno comprimento do piso, a carga de piso permitida será reduzida. Para contêineres de 20 pés, a carga máxima é de 4,5 toneladas por metro linear e 3 toneladas por metro linear para os contêineres de 40 pés. Para calcular a carga de piso, divide-se o peso da carga (t) pelo comprimento da carga (m). Exemplo: peso da carga de 10 t e comprimento de sustentação de 4m: 10/4=2,5 t/m. Estrutura de um contêiner padrão e vigas de madeira necessárias para sustentação de cargas pesadas A B 10

11 Vigas de madeira podem ser colocadas longitudinalmente para a distribuição de pesos elevados. Elas devem ter tamanho determinado e uma distância mínima do centro do contêiner. Tipo de contêiner 20' 40' A Largura mínima da viga de madeira 10 cm 15 cm B Distância transversal mínima entre o centro 40 cm 40 cm do container e a viga de madeira Uma carga relativamente pesada e com pequena área de apoio deve ser colocada no piso do contêiner, de tal maneira que a carga máxima de piso não seja excedida. O comprimento de sustentação poderá ser prolongado, caso seja necessário. Isto pode ser feito através da colocação de vigas de madeira (suportes) no sentido longitudinal do contêiner e depois colocando a carga sobre eles ou, caso a carga exija, colocando uma outra camada de vigas de madeira no sentido transversal. Caso o comprimento dos suportes seja longo, as extremidades livres de cada lado, sobre as quais não há peso apoiado, não deverá ser maior do que 1 metro. Suporte prolongado para maior distribuição de peso Se uma carga exceder os limites de peso, deve ser carregada em contêineres flat-racks (plataformas), os quais têm o piso reforçado. Nossos especialistas podem dar maiores detalhes sobre o uso de flat-racks. Todos os contêineres da Hapag-Lloyd seguem as recomendações ISO 1496/1, as quais incluem regras, por exemplo, sobre o uso de empilhadeiras. Uma empilhadeira pode entrar num contêiner quando não exceder os seguintes limites: Item Limite Peso do eixo dianteiro (empilhadeira + tara) max kg Área de contato por pneu min. 142 cm 2 Largura do pneu min. 18 cm Espaço entre os pneus (em um eixo) min. 76 cm 11

12 O peso da carga deve estar igualmente distribuído dentro do contêiner. O centro de gravidade da carga deve permanecer dentro dos seguintes limites: Tipo de contêiner 20' 40' Sentido longitudinal max. 60 cm max. 90 cm do centro do contêiner Sentido transversal no centro do contêiner Altura abaixo ou na meia altura do contêiner Todos os contêineres de Hapag-Lloyd estão de acordo com as seguintes exigências da ISO 1496/1 para os testes de resistência das paredes laterais, paredes de extremidades e teto: Elemento estrutural Paredes laterais Parede frontal e porta Teto Teste de peso 0,6 vezes a carga permitida 0,4 vezes a carga permitida 300 kg em uma área de 60 x 30 cm 3.2. Plano de estufagem Há três razões principais para preparar um plano de estufagem antes de carregar um contêiner: Para alcançar a utilização da capacidade máxima do contêiner Para simplificar e agilizar a estufagem e desova Para previamente calcular os dispositivos de amarração necessários Antes da elaboração do plano de estufagem, é necessário tomar em consideração detalhes precisos sobre a embalagem, pesos e medidas da carga, assim como as dimensões internas e restrições de peso do contêiner. Detalhes sobre os contêineres da Hapag-Lloyd são dados no catálogo Container Specification ou no site Antes de preparar o plano de estufagem, o contêiner compatível tem que ser escolhido levando em conta os seguintes fatores: Os limites de carga e a distribuição de peso permitida do contêiner As restrições de peso para o transporte terrestre nos países do remetente e do destinatário As instalações do destinatário para a retirada da carga do contêiner 12

13 O plano de estufagem pode ser feito de várias maneiras. Programas de computador (softwares) podem ser utilizados para fazer desenhos em escala de vários ângulos, ou pode-se fazer uma pré-estufagem em uma área livre e demarcada no tamanho do contêiner. Deve-se observar que a porta e o teto são geralmente menores do que as dimensões internas do contêiner Funções das embalagens A embalagem deve: Proteger a carga Permitir que a carga seja empilhada Permitir que a carga seja levantada, movimentada e amarrada Fornecer informações sobre as características e manuseio da carga O contêiner é um meio de transporte. Portanto, a carga deve ser geralmente embalada para o transporte em contêineres. O tipo e quantidade de embalagem necessária dependem do tipo de contêiner e do meio de transporte utilizado. Se mercadorias de vários tamanhos e pesos forem estufadas juntas, embalagens mais estáveis são necessárias. Se caixas ou caixotes forem empilhados em diversas camadas, uns sobre os outros, a camada mais inferior deve ser capaz de suportar as superiores. A necessária resistência ao empilhamento depende do material da embalagem, da duração do transporte e da umidade. Os contêineres padrão podem ser equipados com forros para o transporte de granel seco, varais para roupas ou materiais absorventes. Se a carga for carregada em contêineres open-tops (teto-aberto) ou em flat-racks (plataformas), a embalagem deve suportar os efeitos do clima, do tempo e da travessia durante todo processo do transporte Regras gerais de estufagem de contêineres As seguintes cargas não podem ser estufadas juntas: Cargas empoeiradas junto com cargas sensíveis à poeira Cargas que emitem odor (cheiro) junto com cargas sensíveis ao odor Mercadorias ou embalagens que soltem umidade com cargas ou embalagens sensíveis à umidade Itens com pontas perfurantes (quinas e beiradas cortantes) com mercadorias em embalagens frágeis e sensíveis (exemplo: sacos ou fardos) Mercadorias úmidas com mercadorias secas Pacotes pesados não devem ser colocados em cima de pacotes leves 13

14 Caso a estufagem combinada não possa ser evitada, a carga úmida deve ser colocada embaixo da carga seca e os dois tipos de mercadorias devem ser separados com tábuas finas ou materiais de estufagem. Tábuas ou pó-de-serra devem ser colocados debaixo da carga úmida. Para as cargas perigosas, as regras relevantes do Código IMO (IMDG-Code) e da Hapag-Lloyd devem ser seguidas. Os tipos diferentes de embalagem devem ser efetivamente separados um dos outros (exemplo: caixas de papelão e caixotes de madeira). Cargas com embalagens danificadas não devem ser embarcadas, a não ser que as embalagens sejam cuidadosamente reparadas antes do carregamento. Folhas de papel e lonas plásticas devem ser usadas para forrar contêineres que carreguem mercadorias frágeis. Os contêineres utilizados para transportar mercadorias sensíveis ao cheiro devem estar limpos, caso contrário devem ser limpos antes da estufagem. Os contêineres usados para transportar cargas que emitem odor (cheiro), ou cargas que possam contaminar o contêiner no caso de vazamentos, devem ser forrados com lonas plásticas e materiais absorventes (tais como: pó-de-serra ou gel de sílica), os quais devem ser colocados para evitar desnecessários custos de limpeza. A Hapag-Lloyd não transporta minério em contêineres Dispositivos de amarração de cargas em contêineres Há muitas maneiras de amarrar (fixar) a carga em um contêiner padrão. Existem pontos de cintagem ao longo dos trilhos longitudinais no piso, no teto e perto das colunas de canto. Cada ponto de cintagem tem Carga Segura de Trabalho de 1 tonelada. As ondulações nas paredes laterais podem ser usadas para calçar a carga no sentido longitudinal, através de vigas de madeira colocadas transversalmente. Tenha em mente que as paredes laterais e das extremidades podem suportar somente grandes superfícies de carga e não são feitas para suportar pesos em pontos concentrados. A seguinte tabela fornece uma explicação geral dos dispositivos de amarração dos contêineres e de seus usos. Elemento estrutural Pontos de cintagem nas colunas de canto, nos trilhos longitudinais do teto e do piso, ou anéis nos pisos Ondulações nas paredes laterais Colunas de canto Amarração de carga Para amarração de cordas, cintas plásticas, ganchos de metais, travas, etc. (para restrições de cargas, vide as Container Specification ). Para a sustentação de carga no sentido longitudinal. Madeiramento colocado transversalmente pode ser encaixado nas ondulações. Para calçar cargas pesadas e evitar deslizamento horizontal. 14

15 Pontos de cintagem em um contêiner padrão na beirada do teto, nas colunas de canto e pequenos orifícios para a compensação da pressão de ar 3.6. Regras gerais de amarração de carga Durante a estufagem de um contêiner ou amarração de carga, as Normas de Estufagem e Amarração de Cargas em Contêineres para Transporte Terrestre e Marítimo (Normas de Estufagem de Contêineres), emitido pela Organização Internacional Marítima (IMO International Maritime Organization) e pela Organização de Trabalho Internacional (ILO International Labour Organization) devem ser seguidas. Ao contrário das amarrações de carga normais para o transporte terrestre, a carga transportada no mar deve ser também amarrada dentro do contêiner para estar protegida dos movimentos do navio, tais como, balanços, inércia e mudanças de rumo. A melhor maneira de proteger a carga é distribuí-la sobre toda a área do piso, sem deixar nenhum espaço. Caso isto não seja possível, os espaços entre as embalagens e as paredes do contêiner devem ser preenchidos com sacos infláveis, tábuas ou outros materiais de amarração. Cargas individuais que não enchem o contêiner devem ser amarradas por apoios e cintas. Pontos de cintagem estão disponíveis nos trilhos longitudinais no piso, no teto e nas colunas de canto. 15

16 A carga é protegida contra a movimentação longitudinal através de vigas de madeira encaixadas nas ondulações das paredes laterais. As extremidades quadradas da viga de madeira devem encaixar na forma da parede lateral A carga é protegida contra a movimentação longitudinal através de vigas de madeira, as quais são encaixadas nos vãos das colunas de canto. O espaço livre é então preenchido com outras vigas A caixa é calçada contra as paredes laterais por uma grande área de apoio, na esquerda por tábuas e na direita por sacos infláveis 16

17 3.7. Inspeção do contêiner antes da estufagem Todo contêiner utilizado em rotas internacionais deve ter uma placa CSC de Aprovação de Segurança válida, conforme acordado na Convenção Internacional para Segurança de Contêineres de Todos os contêineres da Hapag-Lloyd possuem esta placa. Placa CSC de contêiner padrão de 20 pés. Os contêineres são inspecionados após cada uso. Além desta inspeção, nós recomendamos que o cliente faça sempre uma inspeção cuidadosa dos seguintes itens após receber o contêiner: Lista de inspeção externa: Sem furos ou rachaduras nas paredes e no teto As portas podem ser abertas e fechadas facilmente As travas e alavancas funcionam corretamente Sem etiquetas adesivas da carga anterior (exemplo: etiquetas de IMDG); as etiquetas de materiais perigosos são permitidas somente quando há materiais perigosos no contêiner Itens adicionais a ser observados para os contêineres especiais: Flat-rack (plataforma): as paredes das extremidades devem estar levantadas e firmemente travadas Open-top (teto-aberto): a lona não deve estar danificada, deve ter o tamanho correto, e suas cordas não devem estar danificadas. 17

18 Hard-top (teto removível): o teto não deve estar danificado, as travas do teto encaixam e funcionam corretamente. Nos contêineres com conexões elétricas, as condições dos equipamentos elétricos (ex. cabos e tomadas) devem ser inspecionadas antes da unidade ser conectada à fonte de eletricidade. O contêiner é á prova de água. Método de teste: entre dentro do contêiner, feche bem ambas as portas e verifique se passa alguma luz através de rachaduras, furos ou da vedação da porta. O interior do contêiner deve estar completamente seco. Retire toda condensação ou cristais de gelo para evitar corrosão e danos à carga causados pela umidade. O contêiner deve estar livre de sujeira e resíduos de carga, limpo e sem cheiro. Sem pregos ou qualquer objeto perfurante que possa danificar a carga. Se a carga for estufada dentro do contêiner do próprio cliente, deve certificar-se de que a placa CSC está válida. A regra da Hapag-Lloyd é que a inspeção tenha sido efetuada dentro de um prazo de 18 meses. Caso contrário, o contêiner deve ser carregado convencionalmente. Caso haja quaisquer irregularidades, os escritórios da Hapag-Lloyd devem ser imediatamente informados, para que um contêiner não danificado possa ser fornecido Inspeção do contêiner após a estufagem Os seguintes itens devem ser inspecionados após a estufagem: O contêiner deve estar carregado de acordo com as exigências da carga, para que possa suportar as possíveis tensões durante o transporte e suprir as exigências do próprio contêiner. O peso da carga não deve exceder o limite máximo de carga do contêiner. Uma cópia do Packing List (lista de embarque), para as inspeções alfandegárias e outras, deve ser colocada de forma visível dentro do contêiner. Se madeira for utilizada como material de embalagem, em algumas circunstâncias, terá que seguir as regras de quarentena do país de destino. Um certificado de fumigação, ou declaração de que a madeira foi tratada, deverá ser colocado de forma visível no contêiner. Os regulamentos e informações são geralmente obtidos junto das autoridades sanitárias dos países em questão. As portas, e também os tetos removíveis, devem estar bem fechados. Grave o número do lacre. Cabos de aço reforçados e cadeados de contêiner protegem a carga contra roubos. A Hapag-Lloyd recomenda os lacres de alta segurança de acordo com os padrões ISO

19 Nos contêineres open-tops, a lona dever servir corretamente e as cordas devem estar devidamente colocadas (lacre alfandegário). As lonas, usadas para proteger a carga em contêineres especiais, devem estar amarradas firmemente. As etiquetas adesivas velhas devem ser removidas. Para contêineres refrigerados, a correta temperatura e ventilação deve ser ajustada, o gravador de temperatura (caso seja fornecido) deve estar funcionando e a temperatura deve ser mostrada. Para o embarque de carga perigosa, as relevantes exigências de estufagem e segregação devem ser cumpridas e a correta etiqueta da IMO deve ser colocada no lado de fora do contêiner. O Departamento para mercadorias perigosas da Hapag-Lloyd terá o prazer em fornecer o apoio necessário. Toda a documentação deve estar em dia e corretamente preenchida. Caso o contêiner seja sobrecarregado ou tenha amarrações incorretas, o transporte será interrompido, e o seguro não cobrirá possíveis avarias Devolução do contêiner Após o transporte, o contêiner é geralmente devolvido a um pátio predeterminado. O contêiner deve estar: Limpo e livre de resíduos (sem restos de carga e materiais de amarração) Livre de odores (cheiros) de outras fontes Sem pregos ou danos no piso Sem danos nas paredes e portas Sem etiquetas, placas e avisos de carga Sem danos na lona (no caso de contêineres open-tops) Completo e com todos os acessórios 19

20 4. Proteção climática 4.1. Proteção contra umidade A umidade é o principal fator de danos à carga. O capítulo 2.2. descreve as tensões climáticas que incidem sobre a carga durante o transporte. Conselhos como proteger a carga são dados abaixo: Antes de estufar o contêiner, é necessário determinar que tipo de proteção a carga necessita. As condições gerais de tempo das zonas climáticas e o sentido em que se passa por estas zonas devem ser levados em consideração. Se a viagem for de uma zona quente para uma fria, o risco de condensação é muito mais elevado do que no contrário (de uma zona fria para uma zona quente). Modernos navios possuem mais posições de contêineres no convés do que abaixo dele. Os porões podem ser ventilados por meio de ventiladores elétricos. A temperatura abaixo do convés é similar às condições no convés. A maioria dos contêineres padrões têm aberturas muito pequenas para compensar a pressão. Essas aberturas não são apropriadas para a ventilação. A Hapag-Lloyd tem uma pequena quantidade de contêineres de 20 pés com aberturas de ventilação ao longo das beiradas do teto e do piso para uma equalização de ar passiva. Porém, se um específico volume de ar fresco for necessário, um contêiner refrigerado (Reefer) deve ser usado. A umidade relativa do ar dentro do contêiner depende da umidade da carga, dos materiais de embalagem, do ar durante a estufagem e da temperatura exterior durante a viagem. Os seguintes pontos são algumas precauções para proteger a carga contra as avarias causadas pela umidade: As cargas sensíveis à umidade não devem ser carregadas junto com mercadorias que libertam umidade. Caso isto seja inevitável, as mercadorias devem ser bem separadas e protegidas. A carga e os materiais de amarração devem ser colocados o mais seco possível dentro do contêiner. Portanto, armazene-os em locais secos, pois se forem mantidos em locais abertos ou úmidos, absorverão umidade do ambiente. A carga deve ser amarrada somente com materiais que não causem avarias decorrentes das influências climáticas, exemplo: use cintas e cabos de aço inoxidável ao invés de aço comum, o qual evita pontos de ferrugem na carga. Durante do transporte de mercadorias sensíveis a umidade, materiais absorventes de umidade (exemplo: papel), devem ser colocados no topo da carga ou abaixo do teto do contêiner. Diversos fornecedores oferecem vários tipos de produtos, como por 20

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte 0 1 INTRODUÇÃO A primeira embalagem de papelão ondulado surgiu há mais de 100 anos e percorreu um longo caminho até os dias de hoje, evoluindo gradativamente

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Guia do Transporte Saiba como enviar sua encomenda. Dicas gerais CARGOBR oferece uma ferramenta simples

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 552, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015. Considerando o disposto no art. 102 e no seu parágrafo único, do CTB;

RESOLUÇÃO Nº 552, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015. Considerando o disposto no art. 102 e no seu parágrafo único, do CTB; RESOLUÇÃO Nº 552, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015. Fixa os requisitos mínimos de segurança para amarração das cargas transportadas em veículos de carga. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO (CONTRAN), usando da competência

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS Vantagens: Possibilitam operações ininterruptas, mesmo sob intempéries Incrementam a produtividade Minimizam o tempo de movimentação

Leia mais

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Instruções Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Recebimento IMPORTANTE A entrega de equipamentos às empresas de transporte pela Rockwell Automation é

Leia mais

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Índice Capítulo Título Página 1 Informações Gerais 3 2 Segurança 4 3 Especificações Técnicas 5 4 Ferramentas, Instrumentos e Materiais 6

Leia mais

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES 6.6.1 Disposições Gerais 6.6.1.1 As exigências deste capítulo não se aplicam: - à classe 2 exceto artigos incluindo aerossóis; -

Leia mais

X20 30 36 AC GEARLESS

X20 30 36 AC GEARLESS 3141 pt - 02.1999 / a Este manual deve ser entregue ao usuário final X20 30 36 AC GEARLESS Manual de instalação e manutenção Com o objetivo de obter o máximo de desempenho de sua nova máquina GEARLESS,

Leia mais

Colocação de material

Colocação de material Colocação de material Este capítulo inclui: Material suportado na página 2-2 Carregando material na bandeja 1 na página 2-8 Colocação de material na bandeja 2, 3 ou 4 na página 2-14 Copyright 2005 Xerox

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM

Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM Descrição O Miller SkyORB TM é um dispositivo de ancoragem portátil com braço giratório especialmente projetado para sistemas de elonamento, carregamento/

Leia mais

Procedimentos de embalagem e transporte

Procedimentos de embalagem e transporte 1. Introdução Procedimentos de embalagem e transporte 1.1 O escopo deste documento é estabelecer normas mínimas para a proteção, embalagem e etiquetagem de móveis, utensílios e equipamentos enviados para

Leia mais

Obrigado por adquirir os produtos Formare. Você escolheu qualidade e a Formare Metais preza por isso.

Obrigado por adquirir os produtos Formare. Você escolheu qualidade e a Formare Metais preza por isso. Obrigado por adquirir os produtos Formare. Você escolheu qualidade e a Formare Metais preza por isso. TERMOS UTILIZADOS VÃOS 1- VÃOS TRANSPORTE, RECEBIMENTO E ARMAZENAGEM 1.1 - TRANSPORTE 1 - TRANSPORTE,

Leia mais

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 024/2010 EM REVISÃO Sistema de chuveiros automáticos para áreas de

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA

TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA Manual Sobre Segurança e Utilização de equipamentos Hidráulicos de Alta Pressão. Página 1 de 24 DE TORVEL PARA VOCÊ... EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43

Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43 Como funciona seu produto Comece por aqui. Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43 Frost Free Seu refrigerador

Leia mais

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário.

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Somente trabalhadores devidamente treinados e capacitados

Leia mais

MTS Criterion Série 60

MTS Criterion Série 60 MTS Criterion Série 60 Instruções para Levantamento e Movimentação 100-238-533 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação Proprietária Validação e verificação do

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1

Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1 Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas específicas de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DEFINIÇÕES MERCADORIA: qualquer produto que seja objeto do comércio CARGA: qualquer mercadoria entregue a terceiros para: - ser transportada - ser armazenada

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Uso e cuidados

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC Utilização 3 em 1 (sistema travel system) bebê conforto adaptável ao carrinho Altura regulável das alças para empurrar o carrinho 3 posições de regulagem de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Versão: 4.0 Data:01/2015 Ind. e Com. Eletro Eletronica Gehaka Ltda. CNPJ: 13005553/0001-23 Av. Duquesa de Goiás, 235 - Real Parque 05686-900 - São

Leia mais

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar.

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. Catálogo Técnico Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. m a t e r i a i s p a r a c o n s t r u i r m e l h o r. Vigas leves de alta resistência A LP Viga I é fabricada pela LP Building

Leia mais

Manual do usuário. Monitor LCD LED. www.reibrasil.com.br. Monitor 10,2 TFT Fixo Teto Monitor 15,4 TFT Fixo Teto Monitor 23 TFT Fixo Parede

Manual do usuário. Monitor LCD LED. www.reibrasil.com.br. Monitor 10,2 TFT Fixo Teto Monitor 15,4 TFT Fixo Teto Monitor 23 TFT Fixo Parede Manual do usuário Monitor LCD LED Monitor 10,2 TFT Fixo Teto Monitor 15,4 TFT Fixo Teto Monitor 23 TFT Fixo Parede Obrigado por escolher a REI do Brasil. Precisa de ajuda com rapidez? Leia seu Manual do

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS!

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS! MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO Página 1- Indicações de uso AVISOS! *Não é permitido para pessoas que não entenderam o manual de instruções, dirigirem a mini-moto. *Deve ser utilizado a mistura de gasolina

Leia mais

Amarração e Transporte

Amarração e Transporte Amarração e Transporte 5:8 Amarração Tensionador de Corrente, GT 6:2-6:4 Amarração 1-10 toneladas 6:5 Amarração para Máquinas de Construção 6:6 Informações Técnicas Uso Seguro e Manutenção 6:7-6:8 Propriedades

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Linha de Fornos a gás Modelos: S651/S652/S653/S656/S657/S658/S660/S661/S662/ S665/S666/S667/S670/S671/S672/S675/S676/S677 ATENÇÃO! - Leia e siga rigorosamente as instruções deste manual

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

UC SYSTEM (PATENTEADO)

UC SYSTEM (PATENTEADO) UC SYSTEM (PATENTEADO) Solução única para a rápida e eficaz limpeza interna, a seco e em segundos de tubulações industriais. Desenvolvido para utilização em tubulações de indústrias farmacêuticas, químicas,

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 25/02/2014 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

Transporte liquido em Box - Container para produtos alimentícios e não alimentícios

Transporte liquido em Box - Container para produtos alimentícios e não alimentícios -1- EasyFlexitank Transporte liquido em Box - Container para produtos alimentícios e não alimentícios EasyFlexitanks com tampas de metal Dirk-Kappes-Consulting Hofstrasse 115 D - 40723 Hilden Tel. +49-2103-492606

Leia mais

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência.

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Leveza e conforto aliados à eficiência. As novas telhas termoacústicas TopSteel da Brasilit são de fácil transporte

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.01 14032012] Obrigado por adquirir o ventilador Eros Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações contidas

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes!

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks Os paletes revolucionaram a logística, ao unitizar as cargas e reduzir custos drasticamente. Agora, uma nova revolução tem

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

Aquecedor à Óleo de Ambiente. Manual do Usuário

Aquecedor à Óleo de Ambiente. Manual do Usuário Aquecedor à Óleo de Ambiente Manual do Usuário Índice 1. Segurança... 5 1.1 Medidas Importantes de Segurança... 5 1.2 Segurança Elétrica... 6 2. Descrição dos Componentes... 7 3. Instalação... 7 4. Utilização...

Leia mais

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso TF-830 MOTOCICLETA Leia cuidadosamente antes do uso Leia este manual cuidadosamente antes de usar este produto. O manual o informará como operar e montar o produto de uma forma correta para que nenhuma

Leia mais

By Columbus McKinnon

By Columbus McKinnon By Columbus McKinnon DICAS PARA OPERAR CARGA COM SEGURANÇA. Estudar o Manual do Fabricante, mesmo que você seja um operacor experiente em movimentacão de cargas. Manter sempre a talha centralizada sobre

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011 Instrução Técnica nº 24/2011 - Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósito 519 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton Exercícios 6 plicações das Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Partículas em Equilíbrio 1. Determine a intensidade e o sentido de F de modo que o ponto material esteja em equilíbrio. Resp: = 31,8 0,

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

Cuidados e Precausões

Cuidados e Precausões 1 P/N: AK-PRONET04AMA SERVO DRIVER AKIYAMA ESTUN Servoacionamento Serie Cuidados e Precausões Recomendamos a completa leitura desde manual antes da colocação em funcionamento dos equipamentos. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM INSTALAÇÕES DE ARMAZENAGEM Complexo de espaços de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas,

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E 2 PARABÉNS!!!! Você adquiriu um SPA Jacuzzi Premium, feito na mais alta exigência de qualidade. Apenas com alguns cuidados, seu SPA pode proporcionar anos de alegria

Leia mais

MTS Criterion Série 40 Manual Title

MTS Criterion Série 40 Manual Title MTS Criterion Série 40 Manual Title Instruções para Levantamento Additional e Movimentação Information be certain. 100-238-293 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Parabéns, você acabou de adquirir a Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa! Um produto ideal para você cuidar da sua saúde e do seu corpo

Leia mais

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER Schoeller.indd 1 9/24/12 11:34 AM PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER O Grupo Schoeller, referência de qualidade, está presente em mais de 50 países, em todo o mundo. O emprego da alta tecnologia e a adoção de

Leia mais

Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES

Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES A U T O M A Ç Ã O Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES Recomendamos a completa leitura deste manual antes da colocação em funcionamento dos equipamentos. 1 Sumário Garantia Estendida Akiyama 3

Leia mais

AC 3.1/0308. Adega Climatizada Manual de Instruções

AC 3.1/0308. Adega Climatizada Manual de Instruções AC 3.1/0308 Adega Climatizada Manual de Instruções ISO9001: 2000 GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS A Tocave assegura ao comprador/usuário deste aparelho garantia contra defeitos de fabricação, pelo prazo de

Leia mais

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS Manual do Operador COMPONENTES e ACESSÓRIOS Tampa do tanque de produtos químicos Bocal Lança Tanque de produtos químicos Vela de ignição Acionador de

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Manual para Instalação e Operação Design de simulação de motocicleta Funções para frente e para trás Função de reprodução de música na parte frontal O produto

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES 2 ESCADAS / ESCADOTES Antes de utilizar uma escada ou escadote, leia cuidadosamente estas intruções! Guarde estes textos em local de fácil acesso para futuras consultas.

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS ALTOSUL INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA Fone /Fax (47) 3533-5330 Rua Presidente Nereu, 1300 Ituporanga-sc - Cep 88400-000 Sumario Sumario... 1 A Empresa... 2 Contatos... 2

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP!

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! CATÁLOGO DE PRODUTOS A Empresa EUROTOP - Uma empresa do Grupo Estrutural. Localizada em Itu - SP, possui duas unidades de produção, contando com a mais alta tecnologia

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS LA BELLE PAC900

MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS LA BELLE PAC900 MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS LA BELLE PAC900 Obrigado por adquirir a Prancha de Cabelos PAC900. Um produto de alta tecnologia, seguro, eficiente, barato e econômico. É muito importante ler atentamente

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

MINI KIT MARTELINHO DE OURO

MINI KIT MARTELINHO DE OURO MINI KIT MARTELINHO DE OURO *Imagens meramente ilustrativas Manual de Instruções Prezado Cliente Este Manual tem como objetivo orientá-lo na instalação, operação e informações gerais de seu Mini Kit Martelinho

Leia mais

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO A estocagem e o manuseio de tubos e conexões devem obedecer a preceitos mínimos que assegurem a integridade dos materiais, bem como o desempenho esperado.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ETERMAX www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Qualidade aliada à versatilidade Atende às mais variadas soluções arquitetônicas,

Leia mais

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto MANUAL TÉCNICO Kit Porta Pronto Carga e Descarga Os produtos são carregados na empresa e preparados de modo a assegurar sua proteção. Durante o transporte até o cliente é imprescindível que sejam mantidas

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 107páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A MADEIRAS ECOLÓGICAS

INFORMAÇÕES SOBRE A MADEIRAS ECOLÓGICAS INFORMAÇÕES SOBRE A MADEIRAS ECOLÓGICAS O piso MADEIRAS ECOLÓGICAS é um sistema de pavimentação modular especificamente para uso ao ar livre, robusto e inovador. O resultado estético final se integra perfeitamente

Leia mais

Para se obter os melhores resultados, é essencial seguir exatamente as instruções de colocação.

Para se obter os melhores resultados, é essencial seguir exatamente as instruções de colocação. Para se obter os melhores resultados, é essencial seguir exatamente as instruções de colocação. PREPRÇÃO s réguas de piso devem permanecer e climatizar durante 48 horas dentro da embalagem fechada sob

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO Mini Desumidificador Desidrat

MANUAL DE INSTRUÇÃO Mini Desumidificador Desidrat MANUAL DE INSTRUÇÃO Mini Desumidificador Desidrat Parabéns, você acabar de adquirir o Desidrat Mini, o mini desumidificador que vai resolver o problema de mofo, bolor e mau cheiro de dentro dos seus armários.

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO E DIREÇÃO DEFENSIVA

TRANSPORTE RODOVIÁRIO E DIREÇÃO DEFENSIVA TRANSPORTE RODOVIÁRIO E DIREÇÃO DEFENSIVA APRESENTAÇÃO ORIENTAÇÃO DE CARGA SEGURANÇA NO TRANSPORTE A empresa A Cooperativa dos Transportadores Autônomos de Cargas do Norte Coopertan, atua há mais de 15

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA sca.com.br Parabéns! Agora, a mudança faz parte da sua vida. Neste manual, você encontrará as principais informações para garantir que seu mobiliário S.C.A.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 354 DE 24 DE JUNHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 354 DE 24 DE JUNHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 354 DE 24 DE JUNHO DE 2010. Estabelece requisitos de segurança para o transporte de blocos e chapas serradas de rochas ornamentais. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, no uso da atribuição

Leia mais