Configuração de Rede Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Configuração de Rede Prof. João Paulo de Brito Gonçalves"

Transcrição

1 Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

2 CONFIGURAÇÃO DE REDE A configuração de rede envolve, em geral, informar a configuração básica de rede associada a uma interface ou dispositivo de rede, seja ele cabeado, sem fio, etc. Entre as informações necessárias, constam: nome da máquina no ambiente de rede; o roteador (gateway) utilizado para o acesso à internet; o endereço IP e a máscara de rede utilizada; endereço do servidor responsável pela resolução de nomes (DNS).

3 Nome da máquina O arquivo que guarda o nome da máquina é o /etc/hostname. Sua função é apenas guardar este nome, então, geralmente ele possui uma única linha. Para alterar dinamicamente o nome da máquina, pode-se usar o comando hostname <nome_da_maquina>. Após isto, para conferir o nome da máquina, é só usar o comando hostname. No arquivo /etc/hosts fica a relação de nomes das máquinas da rede, que podem ser usadas para fazer uma resolução de nomes primitiva, sem usar o DNS. Na prática, o importante é que exista o nome da própria máquina e seu respectivo endereço IP neste arquivo, como por exemplo: /etc/hosts localhost trinity

4 Configuração da rede Observe que, além das interfaces tradicionais, a máquina possui uma interface de loopback, com IP Essa interface é usada para tráfego TCP ou UDP local. Mesmo que a máquina não esteja conectada a uma rede, essa interface é essencial para vários serviços, entre eles o servidor gráfico. Isso ocorre porque a arquitetura do Linux foi montada sobre TCP/IP. Assim, mesmo não estando conectado à internet, se a rede não estiver habilitada, vários serviços deixam de funcionar. Para isso, ao menos a interface de loopback precisa estar habilitada, o que geralmente ocorre por padrão. A configuração de rede pode ser feito pelo uso do comando ifconfig atribuindo-se um IP a uma interface de rede. Além disso, é necessário a configuração das rotas da rede local, em especial a rota padrão, através do comando route.

5 A ferramenta ifconfig O ifconfig apresenta várias informações quando chamado em sua forma básica, sem nenhum parâmetro. Uma breve descrição destes parâmetros é: Encapsulamento do Link: Ethernet Informa qual é o protocolo utilizado para encapsular os dados pode assumir valores como: Point-to-Point, local, Endereço de HW Mostra o endereço MAC da placa de rede inet end.: Informa o endereço IP associado a placa de rede Bcast: Endereço de Broadcast da rede Masc: Mascara de rede UP Informa que a interface está levantada e está apta a enviar e receber pacotes BROADCAST Informa que a interface suporta broadcast. MULTICAST Permite a entrega de informações para vários clientes ao mesmo tempo.

6 A ferramenta ifconfig MTU: significa Maximum Transmission Unit expressa o tamanho máximo de cada pacote o valor padrão é 1500, esse valor pode ser aumentado ou diminuído mas pode causar fragmentação de pacotes ou buffer overflow. TX e RX packets: Informa a quantidade de pacotes enviados e recebidos. Além disso, mostra a quantidade de pacotes com erro, e quantos pacotes foram descartados. É muito útil para diagnosticar defeito na placa de rede. colisões: Este valor também é interessante pois informa a quantidade de colisões que estão ocorrendo na rede. txqueuelen: Este parâmetro informa o tamanho da fila de transmissão em bytes. RX bytes,tx bytes: Demonstra a quantidade de dados recebidos e transmitidos respectivamente. IRQ, Endereço de E/S São definidos pelo sistema operacional.

7 A ferramenta ifconfig O ifconfig é utilizado tanto para configurar uma interface de rede como para consultar o seu estado. Sinopse e principais opções: [interface] - especifica a interface que será utilizada(eth0, ppp0). up/down ativa e desativa a interface [endereço] endereço IP da interface. netmask [endereço] máscara de rede da interface Exemplos: Ifconfig exibe informações a respeito das interfaces de rede ativas. Ifconfig a exibe informações de todas as interfaces de rede Ifconfig eth0 down - desativa a interface de rede eth0. Ifconfig eth netmask up configura a interface eth0 com o endereço IP e sub-máscara de

8 DHCP Em algumas redes, as configurações apresentadas nesta seção são atribuídas de forma dinâmica (endereço IP, gateway, servidor DNS). Isso é feito por meio do DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol), um protocolo para configuração dinâmica de estações. Quando se usa o DHCP, informações como endereço IP, máscara, gateway e servidores DNS já são enviadas para as máquinas junto com o empréstimo do endereço IP, automatizando o processo de configuração da rede. Para renovação de um empréstimo de endereço IP via DHCP, é possível usar o comando dhclient <interface>. Para se visualizar o empréstimo DHCP, pode-se usar dhclient v <interface> Para se liberar a configuração contida na interface, usa-se dhclient r <interface>

9 A ferramenta route O comando route configura e exibe informações a respeito das rotas IP do sistema. Sinopse: route [add/del] [ net/-host <endereço>] [opções] add/del adiciona/remove uma rota -net/-host <endereço> - indica uma rota para uma rede ou para um host. default especifica a criação de uma rota padrão. gw <endereço> - especifica o endereço de um roteador. Exemplos: route del net /24 Remove a rota para a rede /24. route add default gw adiciona uma rota padrão ao sistema, indicando o host como roteador.

10 DNS O DNS permite usar nomes amigáveis em vez de endereços IP para acessar servidores. Faz parte da configuração da rede informar os endereços DNS do provedor(ou qualquer outro provedor que você tenha acesso), que é para quem seu micro irá perguntar sempre que você tentar acessar qualquer site usando um nome de domínio e não um endereço IP. Depois de definir um IP, máscara e gateway, também é necessário indicar os servidores DNS, caso contrário será impossível a navegação na Internet. A última informação necessária à configuração da rede é o IP do servidor de nomes DNS, utilizando o arquivo /etc/resolv.conf. Nele você indica os servidores DNS que serão usados um por linha, como em: nameserver

11 Configuração de rede no UBUNTU Assim como outras configurações do sistema, a configuração da rede é salva em arquivos de configuração, que são lidos pelos serviços responsáveis por ativar a rede. A maioria dos utilitários de configuração nada mais são do que interfaces para a edição destes arquivos. Nas distribuições derivadas do Debian, incluindo o Ubuntu e o Kubuntu, a configuração de rede é salva no arquivo /etc/network/interfaces. O arquivo é dividido em duas partes. A linha auto... lista as interfaces que devem ser ativadas automaticamente e as demais contêm a configuração de cada uma. No próximo slide é possível um exemplo de configuração de rede para este arquivo.

12 Configuração de rede no UBUNTU iface eth0 inet static address netmask network broadcast gateway Onde: - iface eth0 inet static Esta linha estabelece qual é a interface (eth0, eth1, etc) e que a mesma terá IP fixo através do parâmetro static - address o endereço ip a ser atribuído - netmask - máscara de rede - network - endereço da rede - broadcast - endereço que atinge todas as máquinas da rede - gateway - ip da máquina que fará a saída dos pacotes para internet

13 Configuração de rede no WINDOWS - O comando ipconfig é o comando no ambiente Windows utilizado para visualizar a configuração de rede atual de sua máquina. -Para ver o endereço MAC da placa de rede e algumas informações adicionais sobre a configuração de rede, é possível usar o parâmetro /all após o ipconfig para visualizá-las. - Para liberar um endereço obtido via DHCP, use: ipconfig /release - esta configuração liberará qualquer endereço alocado em sua interface de rede Para renovar um empréstimo do endereço no servidor DHCP, use: ipconfig /renew

14 Ferramentas de Rede - PING -O utilitário ping envia uma requisição ECHO ICMP e mede o tempo de resposta. É o utilitário universalmente utilizado para verificar a disponibilidade e responsividade de máquinas na rede. É comum utilizar-se o termo pingar de maneira informal para referir-se à utilização do comando ping. -Sintaxe(Windows): -n <count> - determina o número de requisições a serem enviadas. -t dispara requisições contra o host especificado até ser interrompido. -l modifica o tamanho do pacote -i modifica o campo TTL do pacote -w limita em milisegundos o tempo que aguarda por uma resposta.

15 Ferramentas de Rede - PING -O utilitário ping envia uma requisição ECHO ICMP e mede o tempo de resposta. É o utilitário universalmente utilizado para verificar a disponibilidade e responsividade de máquinas na rede. É comum utilizar-se o termo pingar de maneira informal para referir-se à utilização do comando ping. -Sintaxe(Linux): ping IP -c <n> - especifica o número de requisições a serem enviadas. Se não informado, o programa continua sua execução indefinidamente até ser interrompido. - s modifica o tamanho do pacote -t modifica o valor do campo TTL do pacote

16 Ferramentas de Rede -TRACERT - O comando tracert tenta descobrir a rota percorrido por um pacote IP para chegar a um determinado destino. - Este comando utiliza também o protocolo ICMP para traçar rotas da máquina de origem até o destino. - Para determinar nomes e endereços de roteadores entre a fonte e o destino o tracert envia uma série de datagramas comuns ao destino. O primeiro tem TTL =1, o segundo TTL =2, o terceiro TTL = 3 e assim por diante. Assim, cada vez que envia um datagrama, o roteador decrementa o TTL e envia uma resposta à origem, informando seu nome e IP. Quando o TTL chega a 0, o pacote é descartado. Desta forma, o programa consegue alcançar todos os roteadores situados entre a origem e o destino. - No Linux, o comando similar que faz esta operação é o traceroute

17 Ferramentas de Rede - NETSTAT Através do comando netstat pode-se visualizar o estado das conexões de rede, tanto as já estabelecidas como as em abertura. O netstat é de uso genérico(não é exclusivo para redes internet) e bastante completo. Ao usar o comando netstat com os parâmetros rv, a saída é idêntica ao comando route no Linux, ou ao comando route PRINT no Windows, ou seja, ele mostra as rotas existentes na máquina para a rede. O comando route PRINT exibe as rotas da mesma forma que o faz o comando route, entretanto a sintaxe da saída do comando difere nos dois sistemas operacionais. Em Linux, com o parâmetro t, é possível ver as conexões TCP e com o parâmetro u a comunicação feita via UDP. Um comando semelhante ao netstat em Linux é o ss.

18 Comando NSLOOKUP O nslookup é uma ferramenta, comum ao Windows e ao Linux, utilizada para se obter resoluções de nomes DNS. Em uma busca nslookup padrão, o servidor DNS do provedor de acesso é consultado, e retorna as informações sobre o domínio ou host pesquisado. Para usá-la, basta digitar no prompt nslookup nomedesejado e ele retornará o endereço IP do servidor responsável por aquele nome. A primeira parte da resolução retorna o servidor da rede local que respondeu à sua consulta. A segunda parte é a resposta à consulta realizada.

19 Comando ROUTE PRINT O comando route print é similar ao comando route no Linux, ou seja, ele exibe as rotas IP criadas no sistema. Vamos ver quais campos fazem parte desta tabela de rotas: Endereço de Rede: é o destino a que se visa atingir por meio da rota criada. Máscara: a máscara de sub-rede utilizada para a rede de destino. Endereço do Gateway: endereço IP do roteador para o qual o pacote deve ser enviado. Se for a rota padrão, então neste campo fica o endereço do roteador padrão da rede. Interface: é o endereço da interface na máquina que será usada para enviar os pacotes para fora dela, geralmente sendo a placa de rede do computador. Custo: o custo é um indicativo da distância da rota, entre destino origem, em termos de roteadores.

20 Comando ARP -Para realizar a tarefa de resolver um endereço IP em um endereço MAC da camada de enlace, existe um protocolo chamado de ARP (Address Resolution Protocol Protocolo de Resolução de Endereços). - A mensagem ARP de requisição contém um endereço IP e solicita o endereço MAC correspondente. Ou seja, seria o mesmo que gritar para todos os computadores: Olá, endereço IP ! Qual seu endereço MAC?. Desta forma, a mensagem chegará a todos os computadores, mas só o computador com endereço IP chamado, o endereço , vai efetivamente responder à requisição. -A resposta conterá o endereço IP enviado na requisição e o endereço físico correspondente, o equivalente a responder: Olá! Eu sou Meu endereço MAC é 00:11:22:33:44:55. - Sempre que uma resolução de endereços é feita, a máquina que recebe a resposta a guarda em uma cache de endereços que contém o endereço IP e o endereço MAC de todos os computadores que enviaram esta informação a este computador. Ela pode ser visualizada com o comando arp -a

21 Conceito de Pacote Um pacote é uma maneira de distribuir programas de forma padronizada. Um pacote é um arquivo único, que contém vários outros arquivos, e que também guarda informações variadas sobre o programa, bem como as instruções para instalá-lo e removê-lo do sistema. Ele carrega procedimentos de instalação que podem envolver a execução de programas, testes, configuração do sistema e até mesmo a remoção de versões anteriores, programas antigos ou incompatíveis. Um pacote também traz informações sobre pré-requisitos para seu funcionamento chamadas dependências. Um único pacote pode precisar que vários outros já estejam instalados no sistema para funcionar corretamente. Cada pacote traz diversas informações sobre o programa que abriga entre outras: sua versão, licença, arquitetura, etc

22 Conceito de Pacote O pacote trazer em si todas estas vantagens já é um grande avanço. Mas como são vários os pacotes necessários para se fazer um sistema mínimo operante, também é preciso definir um lugar único para se registrar quais são todos os pacotes instalados, seus arquivos e suas características. Desta forma, os pacotes geralmente são organizados em repositórios, que são servidores onde os programas disponíveis para uma dada distribuição ficam disponíveis para serem acessados e instalados na máquina local. Existem dois formatos de pacotes-padrão em Linux:.rpm usado no Red Hat, Fedora, Mandriva, Cent OS, etc.deb usado no Debian, Kurumin, Ubuntu, etc.

23 Conceito de Pacote Um pacote sozinho não faz nada, ele não é um executável ou instalador como os.exe do mundo Windows. Ele traz consigo o programa, seus dados e os procedimentos de instalação, mas não os executa. O repositório de pacotes também não executa os pacotes, ele simplesmente os armazena e os disponibiliza para download pelas máquinas clientes. Desta forma, está faltando uma peça para fechar o conceito: o gerenciador de pacotes. O gerenciador de pacotes é o programa que efetivamente instala um programa no sistema. Ele é responsável por extrair os dados e informações de um pacote, executando os procedimentos de instalação, atualização e remoção deles no sistema.

24 Gerenciador de Pacotes É o gerenciador de pacotes também que atualiza as informações do repositório, possibilitando que se saiba quais são os pacotes mais recentemente disponíveis para download. O principal gerenciador de pacotes disponível nas distribuições baseadas em Debian é o apt-get apt-get update atualiza a listagem pacotes nos repositórios disponíveis apt-get upgrade atualiza todos os pacotes para as versões mais novas apt-get install <nome_pacote> - instala pacote informado apt-get remove <nome_pacote> - remove pacote informado apt search <nome_pacote> - busca informações específicas de um pacote

25 Gerenciador de Pacotes Para poder utilizar o apt-get em uma rede que utiliza um servidor proxy autenticado, é preciso uma configuração adicional. No diretório /etc/apt/apt.conf.d crie um arquivo de texto chamado 00proxy. Dentro deste arquivo, serão necessárias algumas configurações. Insira as seguintes linhas: Acquire{ } Sendo que user é o usuário que você utiliza para acessar a rede e sua respectiva senha. O endereço corresponde ao proxy da rede e 3128 é a sua porta de conexão.

26 Gerenciador de Pacotes Com esta configuração, sempre que o apt tentar acessar à Internet, ele enviará as informações de autenticação para o servidor proxy que permitirá desta forma que o programa acesse a rede. Pode-se visualizar os pacotes baixados pelo gerenciador no diretório /var/cache/apt/archives As listas de repositórios ficam em /etc/apt/sources.list Os pacotes disponíveis em cada repositório da lista podem ser visualizados em /var/lib/apt/lists juntamente a suas informações sobre versões e dependências

27 Ferramentas de Rede - WIRESHARK O Wireshark é um poderoso sniffer de rede com uma interface gráfica bastante intuitiva, sendo uma ferramenta indispensável para administradores de rede, desenvolvedores e estudantes. Para capturar o tráfego de rede, o Wireshark precisa ser executado com privilégios de usuário root. O maior recurso do Wireshark é a capacidade de interpretar o tráfego. Ao invés de simplesmente mostrar os dados capturados, o Wireshark também verifica qual o protocolo utilizado e o interpreta. Além disso, é capaz de mostrar numa mesma tela a conversação entre um cliente e um servidor qualquer, um recurso muito útil para se encontrar erros em protocolos de rede.

Configuração endereço IP da interface de rede

Configuração endereço IP da interface de rede Configuração endereço IP da interface de rede Download Imprimir Para configurar a interface de sua placa de rede como DHCP para obter um endereço IP automático ou especificar um um endereço IP estático

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Configuração de redes no Gnu/Linux

Configuração de redes no Gnu/Linux Configuração de redes no Gnu/Linux Comando ifconfig: É utilizado basicamente para configurar o ip, a mascara de rede e outras opções de placas de rede. Rodado sem opções ele retorna todas as placas de

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Conteúdo Programático! Interfaces de rede! Ethernet! Loopback! Outras! Configuração dos parâmetros de rede! Dinâmico (DHCP)! Manual! Configuração de DNS

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Curso Técnico em Informática Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Serviços de Rede Windows Apesar do prompt de comando ser muitas vezes marginalizado e relegado a segundo plano, o Windows

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede Introdução Quando uma interface de rede comum, que utiliza o padrão de rede Ethernet, é reconhecida no sistema (seja na inicialização ou acionando o módulo desta interface), o sistema

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Sistemas Operacionais de Redes Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Agenda Conhecer o funcionamento do mecanismo de rede Configurar as configurações básicas de rede Compreender

Leia mais

O que é uma rede de computadores?

O que é uma rede de computadores? O que é uma rede de computadores? A rede é a conexão de duas ou mais máquinas com objetivo de compartilhar recursos entre elas. Os recursos compartilhados podem ser: Compartilhamento de conteúdos do disco

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede 1. Configuração de rede no Windows: A finalidade deste laboratório é descobrir quais são as configurações da rede da estação de trabalho e como elas são usadas. Serão observados a

Leia mais

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina;

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina; Aula prática Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Objetivo Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede. No windows existem

Leia mais

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I UNIDADE 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDES... 3 1.1 TCP/IP - O INÍCIO... 3 1.2 ENTENDENDO O IP... 3 1.3 ENTENDENDO O GATEWAY DE REDE... 5 1.4 O SERVIDOR

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Manual ETHERNET - WIRELESS. Configuração de redes - wireless. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual ETHERNET - WIRELESS. Configuração de redes - wireless. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração de Rede ETHERNET - WIRELESS Configuração de redes - wireless Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração de Rede ETHERNET

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Configurando um servidor DHCP

Configurando um servidor DHCP Configurando um servidor DHCP OBS.: Esse documento retrata uma configuração em uma rede do tipo rede local (192.168.xx.xx), onde existe um servidor contendo duas interfaces de rede, eth0 e eth1. Hoje em

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Para testar se as variáveis foram carregadas, utilize o comando #export

Para testar se as variáveis foram carregadas, utilize o comando #export Configurando Proxy Debian Abra o arquivo /etc/profile: #nano /etc/profile No final do arquivo, adicione as seguintes linhas: export http_proxy=http://172.16.3.1:3128 export https_proxy=http://172.16.3.1:3128

Leia mais

Unidade 5 Utilitários de Redes

Unidade 5 Utilitários de Redes Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 5 Utilitários de Redes 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Troubleshooting em rede básica

Troubleshooting em rede básica Troubleshooting em rede básica - 2 Sumário Capítulo 1 Troubleshooting em rede básica... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.1. Troubleshooting...

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR I

PROJETO INTERDISCIPLINAR I PROJETO INTERDISCIPLINAR I Linux e LPI www.lpi.org João Bosco Teixeira Junior boscojr@gmail.com Certificação LPIC-1 Prova 102 105 Shell, Scripting, e Gerenciamento de Dados 106 Interface com usuário e

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem.

Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem. Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem. Redes de Computadores Aula Prática. Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar

Leia mais

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 3 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ARP Address Resolution Protocol 2 IP utiliza endereços de 32 bits para localização de

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Capítulo 8 Introdução a redes

Capítulo 8 Introdução a redes Linux Essentials 450 Slide - 1 Capítulo 8 Quando falamos de redes de computadores, estamos falando de muitos hosts interconectados por alguns aparelhos especiais chamados roteadores. Vamos aprender um

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Laboratório. Assunto: endereçamento IP e roteamento.

Laboratório. Assunto: endereçamento IP e roteamento. Assunto: endereçamento IP e roteamento. Laboratório Objetivo: verificar conectivade básica com a rede, atribuir (estaticamente) endereços IP, adicionar rotas (manualmente) e verificar o caminho seguido

Leia mais

Administrando o sistema linux TCP/IP

Administrando o sistema linux TCP/IP TCP/IP Principais Ferramentas para Redes - ifconfig Configura Interfaces (ethernet, atm, tun, pppoe e etc.) Ex.: ifconfig eth0 192.168.0.10 netmask 255.255.255.0 ifconfig eth0 ifconfig eth0 up ifconfig

Leia mais

L A B O RATÓRIO DE REDES

L A B O RATÓRIO DE REDES L A B O RATÓRIO DE REDES TRÁFEGO, ENQUADRAMEN TO, DEFAU LT G A TEWA Y E ARP. VALE 2,0 P ONT OS. INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO Nosso laboratório é composto de três hosts Linux, representados pelo símbolo de

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 23: (laboratório) 13 de julho de 2010 1 2 3 ICMP HTTP DNS TCP 4 nslookup Sumário Permite fazer requisições a um servidor DNS O nslookup envia uma requisição para o servidor,

Leia mais

Fundamentos dos protocolos internet

Fundamentos dos protocolos internet Fundamentos dos protocolos internet - 2 Sumário Capítulo 1 Fundamentos dos protocolos internet...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO III ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Maio / 2010 Laboratório III Roteamento

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 2 - DHCP

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 2 - DHCP Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 2 - DHCP Prof.: Roberto Franciscatto O que é? Dynamic Host Configuration Protocol Qual sua função? Distribuir endereços IP aos micros da rede de

Leia mais

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp Aula 2 Servidor DHCP 2.1 dhcp DHCP é abreviação de Dynamic Host Configuration Protocol Protocolo de Configuração de Host (computadores) Dinâmico.Em uma rede baseada no protocolo TCP/IP, todo computador

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers TCP/IP Parte 2 Linux Network Servers Objetivo: Conhecer mais de TCP/IP, mais sobre os arquivos de configuração e configuração de subredes. Aprender ARP e monitoração de tráfego com iptraf e usar o tcpdump.

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Revisão: Seg, 21 de Março de 2011 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4 1.1. Pré Requisitos...4 1.2. Na Prática...4 1.2.1. Download...4

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

Aula Pratica 3 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP

Aula Pratica 3 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP 1 Aula Pratica 3 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como configurar equipamentos em redes Ethernet com os protocolos TCP/IP.

Leia mais

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 http://www.dslink.com.br/ Índice Como conectar o modem DSLink 260E ao meu computador?... 3 Configurando o modem como

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Aula 1 Sistema Operacional Windows. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 1 Sistema Operacional Windows. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais 2 Aula 1 Sistema Operacional Windows Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Porque é preciso saber gerenciar/administrar o sistema operacional Windows? Quais versões encontrarei no

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DHCP Podemos configurar a rede de um cliente para obter IP dinamicamente ou configurar um IP estático. Encontramos configuração dinâmica em modems de banda larga, redes Wi-Fi etc, pois é mais prático para

Leia mais

TUTORIAL COLOCANDO IP FIXO LE3

TUTORIAL COLOCANDO IP FIXO LE3 TUTORIAL COLOCANDO IP FIXO LE3 Já li vários posts de pessoas com dificuldades de colocar o IP Fixo no Linus Educacional 3.0 (LE3). Irei demostrar passo-a-passo como se colocar o IP Fixo e de quebra a criação

Leia mais

Laboratório 1. Configurando as Interfaces de redes

Laboratório 1. Configurando as Interfaces de redes Durante este laboratório iremos configurar as duas interfaces de rede (eth0 e ) do servidor Ubuntu Server. A interface eth0 será configurada como interface de entrada da Internet e a será a interface responsável

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Criado por: Flavio Henrique Somensi flavio@opens.com.br Revisão: qui, 25 de abril de 2013 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Configuração de Redes www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O Linux foi criado por Linus Torvalds em 1991, na época em

Leia mais

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: TCP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Neste laboratório, investigaremos o comportamento do

Leia mais

Gerenciando Pacotes *.deb

Gerenciando Pacotes *.deb Gerenciando Pacotes *.deb Debian são programas colocados dentro de um arquivo identificados pela extensão.deb incluindo arquivos necessários para a instalação do programa, um sistemas de listagem/checagem

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática DCHP Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 5 de novembro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 5 de novembro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius DHCP Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius Histórico O termo DHCP significa Dynamic Host Configuration Protocol Começou a se tornar popular

Leia mais

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian.

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Pré requisitos para pratica desse tutorial. Saber utilizar maquina virtual no virtual Box ou vmware. Saber instalar ubuntu ou debian na maquina virtual.

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP

Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP Objetivo: Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP i) Utilizar aplicativo de análise de pacotes TCPDUMP. TCPDUMP: O tcpdump é um programa cuja utilidade principal é visualizar e analisar o tráfego

Leia mais

Curso de Linux Básico

Curso de Linux Básico Curso de Linux Básico Oficina TecnoJovem Outubro/2013 Instalação de Programas Introdução Pacotes Gerenciamento de Pacotes Exemplos Material baseado na Documentação Ubuntu, disponível na Internet (WIKI)

Leia mais

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Objetivos: Explorar as configurações para replicação de domínios com Active Directory; Configurar os serviços DHCP e WINS em servidores Windows; Ferramentas

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Confguração básica da rede

Confguração básica da rede Confguração básica da rede www.4linux.com.br - Sumário Capítulo 1 Confguração básica da rede...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 13 2.1. Objetivos... 13 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

QUAL O PROCEDIMENTO PARA CONFIGURAR AS IMPRESSORAS DE REDE BROTHER EM UM SISTEMA DEC TCP / IP para VMS (UCX) Procedimento

QUAL O PROCEDIMENTO PARA CONFIGURAR AS IMPRESSORAS DE REDE BROTHER EM UM SISTEMA DEC TCP / IP para VMS (UCX) Procedimento Procedimento Visão geral Antes de usar a máquina Brother em um ambiente de rede, você precisa instalar o software da Brother e também fazer as configurações de rede TCP/IP apropriadas na própria máquina.

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

AULA 7: SERVIDOR DHCP EM WINDOWS SERVER

AULA 7: SERVIDOR DHCP EM WINDOWS SERVER AULA 7: SERVIDOR DHCP EM WINDOWS SERVER Objetivo: Instalar e detalhar o funcionamento de um Servidor de DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) no sistema operacional Microsoft Windows 2003 Server.

Leia mais

Acesso Remoto Placas de captura

Acesso Remoto Placas de captura Acesso Remoto Placas de captura 1 instalar o DVR Siga os passos de instalação informados na caixa do produto, após seu perfeito funcionamento vá para próximo passo. 2 Configurá-lo na rede Local O computador

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes?

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores Módulo LPI Aula 5 Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? 1 [1] NEVES, Júlio César Gerenciamento de Pacotes Por que

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Jonas Willian R Aureliano Resumo prático Professor: Jonas Willian ROTEIRO Arquivo sources.list; Comando apt-get; Arquivo hostname; Arquivo interfaces; ARQUIVO SOURCES.LIST Este é

Leia mais

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Data Autor Descrição Revisão 06/05/2009 Barbarini Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Page 1 / 12 Procedimento de Instalação 1 O módulo deverá ser fixado próximo ao medidor. Para alimentá-lo é necessária

Leia mais

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011 Endereçamento Luciana Balieiro Cosme Permite identificar unicamente um equipamento na rede; O endereço IP não pode ser arbitrariamente atribuído; Cada rede possui uma faixa de endereços que podem ser distribuídos

Leia mais

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute Neste laboratório, iremos investigar o protocolo IP, focando o datagrama IP. Vamos fazê-lo através da analise de um trace de datagramas IP enviados e recebidos por uma execução do programa traceroute (o

Leia mais

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte)

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) 1 Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como testar a conectividade de uma

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Ferramentas de Análise de Rede. Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br

Ferramentas de Análise de Rede. Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br Ferramentas de Análise de Rede Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br Notação O "#" significa que o comando dever ser executado como usuário "root". O "$" significa que o comando deve ser executado como usuário

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO/CONFIGURAÇÃO RASPBERRYPI/DACPYTHON

MANUAL INSTALAÇÃO/CONFIGURAÇÃO RASPBERRYPI/DACPYTHON MANUAL INSTALAÇÃO/CONFIGURAÇÃO RASPBERRYPI/DACPYTHON 1. Primeiramente leia todo o manual, após ler, inicie instalando o sistema no Raspberry conforme tutorial abaixo: 2. Baixe os arquivos e verifique a

Leia mais

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 1.1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES DE COMPUTADORES...16 1.2 O PAPEL DO GERENTE DE REDES...18 1.3 VOCÊ: O MÉDICO DA REDE...20 1.4 REFERÊNCIAS...23 1.4.1 Livros...23

Leia mais

Passo 1: Abra seu navegador e digite http://www.no-ip.com. Passo 2: Na tela que surgir, clique em Get Started.

Passo 1: Abra seu navegador e digite http://www.no-ip.com. Passo 2: Na tela que surgir, clique em Get Started. 1 - Como obter seu DNS Dinâmico no No-IP O No-IP, é um sistema de DNS (Domain Name Server), que converte o seu endereço IP em um nome. O que o No-IP faz, é converter o nome do tipo minhacameraip.no-ip.org

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior.

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior. Introdução ao TCP/IP(TCP (Transmission Control Protocol) e IP(InternetProtocol) ) Objetivo Para que os computadores de uma rede possam trocar informações entre si é necessário que todos os computadores

Leia mais

Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante a prática (para os itens 1, 3, 4, 5, 6 e 7).

Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante a prática (para os itens 1, 3, 4, 5, 6 e 7). EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais e Linux-TCP/IP Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante

Leia mais

Nesse artigo abordaremos os principais aspectos de instalação e uso do NTOP no Fedora Core 4.

Nesse artigo abordaremos os principais aspectos de instalação e uso do NTOP no Fedora Core 4. Diego M. Rodrigues (diego@drsolutions.com.br) O NTOP é um programa muito simples de ser instalado e não requer quase nenhuma configuração. Ele é capaz de gerar excelentes gráficos de monitoramento das

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor DNS

Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Passo Nº 1 Conferir o nome da máquina ( já configurado no passo Servidor Configuração DHCP ). # nano /etc/hostname Passo Nº

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

03 AULA PRÁTICA Domain Name System: DNS (WIRESHARK) (Baseada nas Práticas do livro de James Kurose 4Edição)

03 AULA PRÁTICA Domain Name System: DNS (WIRESHARK) (Baseada nas Práticas do livro de James Kurose 4Edição) Universidade Federal do Ceará (UFC) - Campus Quixadá Disciplina: Redes de Computadores Período 2011.1 Profa. Atslands Rego da Rocha (atslands@ufc.br) Data: 04/2011 03 AULA PRÁTICA Domain Name System: DNS

Leia mais

Guia de conexão. Sistemas operacionais suportados. Instalando a impressora. Guia de conexão

Guia de conexão. Sistemas operacionais suportados. Instalando a impressora. Guia de conexão Página 1 de 5 Guia de conexão Sistemas operacionais suportados Com o CD de Software e documentação, você pode instalar o software da impressora nos seguintes sistemas operacionais: Windows 8 Windows 7

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais