PROFISSIONAL DE ATENDIMENTO INTEGRADO EDUCADOR FÍSICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFISSIONAL DE ATENDIMENTO INTEGRADO EDUCADOR FÍSICO"

Transcrição

1 22 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o tema da REDAÇÃO (com valor de 40,0 pontos) e o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição: Questões Objetivas N o das Questões Valor por questão Total Conhecimentos Básicos Língua Portuguesa 1 a 8 Conhecimentos de Informática 9 a 12 1,00 ponto 25,00 pontos Legislação SUS 13 a 25 Conhecimentos Específicos 26 a 60 2,00 pontos 70,00 pontos Redação ,00 pontos b) 1 folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO grampeada ao CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas das questões objetivas formuladas nas provas Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO-RESPOSTA. Caso contrário, notifique o fato IMEDIATAMENTE ao fiscal Após a conferência, o candidato deverá assinar, no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta A REDAÇÃO deverá ser feita com caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras, portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: 06 - Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO- -RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído se, no ato da entrega ao candidato, já estiver danificado em suas margens superior e/ou inferior - BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado SERÁ ELIMINADO do Concurso Público o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RES- POSTA grampeado à folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO; c) se recusar a entregar o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA e/ou a folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO, quando terminar o tempo estabelecido. d) não assinar a LISTA DE PRESENÇA e/ou o CARTÃO-RESPOSTA. Obs.: O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOS- TA e/ou a folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO, a qualquer momento Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no CADERNO DE QUESTÕES NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA Quando terminar, entregue ao fiscal o CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA grampeado à folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS E DE REDAÇÃO É DE 4 (QUATRO) HORAS E 30 (TRINTA) MINUTOS, incluído o tempo para a marcação do seu CARTÃO-RESPOSTA, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA grampeado à folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br). 1

2 RASCUNHO 2

3 REDAÇÃO Texto I Estatuto do idoso Art. 1 o É instituído o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. Art. 2 o O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, para preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade. Art. 3 o É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária. Art. 15. É assegurada a atenção integral à saúde do idoso, por intermédio do Sistema Único de Saúde SUS, garantindo-lhe o acesso universal e igualitário, em conjunto articulado e contínuo das ações e serviços, para a prevenção, promoção, proteção e recuperação da saúde, incluindo a atenção especial às doenças que afetam preferencialmente os idosos. Art. 18. As instituições de saúde devem atender aos critérios mínimos para o atendimento às necessidades do idoso, promovendo o treinamento e a capacitação dos profissionais, assim como orientação a cuidadores familiares e grupos de autoajuda. Art. 46. A política de atendimento ao idoso far-se-á por meio do conjunto articulado de ações governamentais e não governamentais da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Art. 47. São linhas de ação da política de atendimento: I políticas sociais básicas; II políticas e programas de assistência social, em caráter supletivo, para aqueles que necessitarem; III serviços especiais de prevenção e atendimento às vítimas de negligência, maus-tratos, exploração, abuso, crueldade e opressão; IV serviço de identifi cação e localização de parentes ou responsáveis por idosos abandonados em hospitais e instituições de longa permanência; V proteção jurídico-social por entidades de defesa dos direitos dos idosos; VI mobilização da opinião pública no sentido da participação dos diversos segmentos da sociedade no atendimento do idoso. BRASIL. Lei n o , de 1 de outubro de Estatuto do idoso. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 3 out Adaptado. Texto II Rumo a um mundo de centenários Quem tem por volta de 40 anos de idade hoje, ou menos, pode ir se preparando: se os especialistas estiverem certos, suas chances de chegar aos cem serão muito maiores, e em condições muito próximas das que vive atualmente. Este acréscimo na expectativa e qualidade de vida virá de diversos avanços esperados para as próximas décadas em áreas como medicina regenerativa, células-tronco e biologia molecular que, segundo alguns, não só vão interromper o processo de envelhecimento como podem até revertê-lo. Nos últimos 100 anos houve um aumento da expectativa de vida em mais de 30 anos. Agora, os cálculos são que, nos próximos 30 anos, a cada ano que você vive, vai conseguir viver mais um em virtude do que está sendo descoberto e aplicado pela medicina. Há um avanço muito grande que mostra que há formas de subverter ou manipular essa expectativa de vida entendendo melhor como funcionam as células e o organismo, afirma o neurocientista Stevens Rehen. BAIMA, Cesar. Rumo a um mundo de centenários. Ciência/Saúde. O Globo. 3 jul p. 46. Adaptado. 3

4 O envelhecimento populacional tem sido considerado uma das principais conquistas científicas e sociais dos séculos XX e XXI, trazendo grandes desafios para as políticas públicas. A legislação brasileira incorporou grande parte das sugestões das assembleias internacionais, mas é preciso garantir que essas leis melhorem, efetivamente, o cotidiano dos idosos em nosso país. As mudanças nos sistemas de seguridade social têm contribuído para o bem-estar dos indivíduos nessa etapa da vida. É importante, agora, garantir acesso universal aos serviços de saúde pública, em todos os aspectos envolvidos. Tomando como ponto de partida essas reflexões, elabore um texto dissertativo-argumentativo, em que você DISCUTA AS POLÍTICAS PÚBLICAS, ENTRE ELAS A DA SAÚDE, NECESSÁRIAS PARA ENFRENTAR O IMPACTO SOCIOECONÔ- MICO DO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO EM NOSSO PAÍS. Justifique sua posição com argumentos. Instruções: a) ao desenvolver o tema proposto, selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista, elaborando propostas para a solução do problema discutido em seu texto; b) a produção do texto deverá demonstrar domínio da língua escrita padrão; c) a Redação não deverá fugir ao tema; d) o texto deverá ter, no mínimo, 25 linhas e, no máximo, 30 linhas, mantendo-se no limite de espaço a ele destinado; e) o texto não deve ser escrito em forma de poema (versos) ou de narrativa; f) o texto definitivo deverá ser passado para a folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO, pois não será considerado o que for escrito na Folha de Rascunho; g) a Redação definitiva deverá ser feita com caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta; h) a Redação deverá ser feita com letra legível, sem o que se torna impossível a sua correção; i) a Redação não deverá ser identificada por meio de assinatura ou qualquer outra marca ou sinal. 4

5 Texto I LÍNGUA PORTUGUESA A FORÇA DO PENSAMENTO Leia a seguir a entrevista com o neurocientista Miguel Nicolelis sobre seu novo livro, em que discute como a ligação entre cérebro e máquina revolucionará a medicina e o modo como iremos nos relacionar. No futuro, controlaremos máquinas e resolveremos problemas de saúde pelo comando da mente. Revista Galileu: O que é uma interface cérebro-máquina? Miguel Nicolelis: Basicamente, é o envio de informações por pensamento. Transferimos o sinal elétrico do cérebro, codificado de forma digital, sem fio, a equipamentos adaptados para receber esse comando. Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. A curto prazo, a paralisia é nosso foco. Trabalhamos para fazer quadriplégicos andarem usando uma espécie de esqueleto externo controlado pela mente. A longo prazo, tentaremos encontrar formas de reduzir o processo neurodegenerativo ou as lesões neuronais. Mais adiante, o objetivo será chegar à melhora de funções cognitivas. Revista Galileu: A interação direta com as máquinas mudará o modo como nos comunicamos? Miguel Nicolelis: Por completo. Internet, redes sociais e voz são interfaces lentas. Digitação, e até mesmo a linguagem, são imprecisas. Se você pudesse interagir com milhões de pessoas por pensamento ao mesmo tempo, aumentaria a velocidade de comunicação e essas interações seriam muito mais vívidas e reais. Não haveria interface entre você e a máquina, seria uma interação quase que como uma fusão, um inconsciente coletivo, uma rede social feita apenas por pensamentos. A linguagem passa a se transformar num meio secundário de comunicação. Isso só ocorrerá daqui a centenas e centenas de anos. Revista Galileu: Que mudanças ocorreriam em uma sociedade que se comunica assim? Miguel Nicolelis: Essa tecnologia pode realmente libertar a percepção dos limites. Com o cérebro, conseguiremos controlar os mais diferentes artefatos mecânicos, robóticos, virtuais, computacionais. Além disso, poderemos também criar novos sentidos. PAVARIN, Guilherme. A força do pensamento: entrevista com Miguel Nicolelis. Revista Galileu, n. 236, São Paulo: Globo. mar. 2011, p Adaptado. 1 Segundo o neurologista entrevistado, a sociedade do futuro transformará a linguagem em meio secundário de comunicação porque (A) artefatos robóticos serão responsáveis por emitir mensagens automaticamente. (B) equipamentos modernos serão responsáveis pela digitação das mensagens. (C) sistemas virtuais permitirão que o cérebro envie informações por pensamento. (D) máquinas eficientes terão a capacidade de registrar por escrito as mensagens. (E) linguagens de caráter visual serão criadas para substituir a linguagem verbal. 2 Normalmente, utiliza-se a conjunção porque para expressar a relação lógica de causalidade entre duas ideias em um texto. Mas essa relação pode ocorrer, também, entre duas frases que se relacionam sem a presença explícita dessa conjunção, como em (A) Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. A curto prazo, a paralisia é nosso foco. (l ) (B) A longo prazo, tentaremos encontrar formas de reduzir o processo neurodegenerativo ou as lesões neuronais. Mais adiante, o objetivo será chegar à melhora de funções cognitivas. (l ) (C) Internet, redes sociais e voz são interfaces lentas. Digitação e, até mesmo, a linguagem são imprecisas. (l ) (D) A linguagem passa a se transformar num meio secundário de comunicação. Isso só ocorrerá daqui a centenas e centenas de anos. (l ) (E) Essa tecnologia pode realmente libertar a percepção dos limites. Com o cérebro, conseguiremos controlar os mais diferentes artefatos mecânicos, robóticos, virtuais, computacionais. (l ) 3 Os critérios que regulam o emprego do sinal indicativo da crase, na língua escrita padrão, determinam os casos em que seu uso é obrigatório, facultativo ou proibido. Na frase Transferimos o sinal elétrico do cérebro, codificado de forma digital, sem fio, a equipamentos adaptados para receber esse comando. (l ) o uso desse sinal é PROIBI- DO, porque, nesse caso, se aplica a mesma regra que em (A) Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. (l ) (B) [...] tentaremos encontrar formas de reduzir o processo neurodegenerativo ou as lesões neuronais. (l ) (C) Não haveria interface entre você e a máquina [...] (l. 30) (D) A linguagem passa a se transformar num meio secundário de comunicação. (l ) (E) Essa tecnologia pode realmente libertar a percepção dos limites. (l ) 5

6 4 Considere as afirmativas a seguir acerca das palavras em destaque. I Em Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. (l ), a palavra destacada refere-se a sistemas que existem apenas potencialmente, não como realidade. II Em Internet, redes sociais e voz são interfaces lentas. (l ), a palavra destacada refere-se aos meios pelos quais o usuário interage com um programa ou sistema operacional. III Em [...] essas interações seriam muito mais vívidas e reais. [...] (l. 29), a palavra destacada se refere a interações mais verdadeiras. IV Em Com o cérebro, conseguiremos controlar os mais diferentes artefatos mecânicos, [...] (l ), a palavra destacada se refere a aparelhos ou dispositivos. São corretas APENAS as afirmativas (A) I e II (B) II e III (C) I, II e III (D) I, II e IV (E) I, III e IV Texto II A história de nós mesmos Somos dependentes da memória e é justificável que sejamos. É essa faculdade que nos permite desde executar tarefas básicas do dia a dia como escovar os dentes, ir ao mercado e encontrar o caminho de volta para casa até aprender (e fixar) conceitos, procedimentos ou teorias complexas. E é fundamental para nossa proteção, pois nos lembrarmos de que fogo queima e que nos envolvermos em certas situações é prejudicial (ou até fatal) muitas vezes garante a sobrevivência física e o bem-estar emocional. É também a capacidade mnêmica que nos possibilita conectar informações e transmitir nossas histórias tanto coletivas quanto pessoais. E oferece o contorno de nossa identidade, permitindo até mesmo planejar o futuro. Recentemente, pesquisadores comprovaram que as áreas cerebrais envolvidas na produção de projeções e planejamentos são as mesmas usadas na manutenção de recordações. 20 Essa constatação vai ao encontro de uma ideia com a qual a psicanálise trabalha há mais de um século: elaborar o que se viveu para escapar da repetição e encontrar possibilidades de futuro. Hoje os cientistas sabem que nossas recordações não são reproduções fiéis do que vivemos. LEAL, Gláucia. Revista Mente e Cérebro, Edição especial n. 27. São Paulo: Ediouro Duetto Editorial Ltda. Adaptado. 5 De acordo com o Texto II, a memória é fundamental para nossa proteção porque (A) assegura a sobrevivência física e também o bem-estar emocional. (B) impede que seres humanos se beneficiem de experiências passadas. (C) oferece informações práticas sobre hábitos saudáveis ao organismo. (D) possibilita a descoberta de como o cérebro produz lembranças. (E) revive as recordações traumáticas que devemos esquecer. 6 A justificativa do emprego do sinal de pontuação está ERRADA em (A) Somos dependentes da memória e é justificável que sejamos. (l. 1-2) - Emprego do travessão para introduzir um comentário. (B) É essa faculdade que nos permite desde executar tarefas básicas do dia a dia como escovar os dentes, ir ao mercado e encontrar o caminho de volta para casa [...] (l. 2-5) - Emprego do travessão para introduzir uma enumeração. (C) [...] pois nos lembrarmos de que fogo queima e que nos envolvermos em certas situações é prejudicial (ou até fatal) muitas vezes garante a sobrevivência física e o bem-estar emocional. (l. 7-11) - Emprego dos parênteses para acrescentar uma informação. (D) É também a capacidade mnêmica que nos possibilita conectar informações e transmitir nossas histórias tanto coletivas quanto pessoais. (l ) - Emprego do travessão para inserir um detalhamento da informação. (E) E oferece o contorno de nossa identidade, permitindo até mesmo planejar o futuro. (l ) - Emprego da vírgula para indicar a supressão de uma palavra. 6

7 7 O ofício é a forma de correspondência oficial em que se estabelece a comunicação entre órgãos oficiais, ou de um órgão oficial para uma pessoa. Deve ser redigido no padrão culto da língua, segue um esquema preestabelecido e não deve apresentar rasura. O texto que segue é um exemplo de ofício. SECRETARIA DE CULTURA DO ESTADO X Ofício n o 10/2011 Cidade Y, 30 de junho de Exmo. Senhor J. Cardoso Governador do Estado X Senhor Governador, Será realizada, no próximo dia 15 de julho, às 14 horas, em sessão pública, uma homenagem ao escritor N. Fernandes. Será para nós uma grande honra se V. Ex a. puder prestigiar esse evento com sua presença. Atenciosas saudações, A. Miranda Secretário de Cultura do Estado X A respeito desse tipo de correspondência, considere as afirmações abaixo. I Um ofício deve conter identifi cação do destinatário, agradecimento, recibo, mensagem. II Um ofício deve conter fundamentação legal, saudação fi nal, experiência profi ssional. III Um ofício deve conter local e data, mensagem, saudação fi nal, assinatura e cargo do remetente. IV Um ofício deve conter número do documento, saudação fi nal, identifi cação do destinatário. Estão corretas APENAS as afirmações (A) I e II (B) I e III (C) II e III (D) II e IV (E) III e IV 8 A correspondência oficial é uma espécie formal de comunicação, estabelecida entre os órgãos do poder público para elaborar atos normativos e comunicações. É pautada por uma padronização de linguagem e de estrutura, que se caracteriza por: padrão culto da linguagem, impessoalidade, formalidade, clareza, concisão, uniformidade, uso adequado dos pronomes de tratamento. Para que as comunicações sejam compreendidas por todo e qualquer cidadão, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico. Ofícios, memorandos, atas são exemplos de correspondência oficial. Com relação ao emprego dos pronomes de tratamento, é INCORRETO afirmar que (A) esses pronomes exigem forma verbal conjugada na terceira pessoa gramatical. (B) o pronome Vossa Excelência é utilizado em correspondência dirigida às altas autoridades do governo. (C) o gênero gramatical do adjetivo relacionado a um pronome de tratamento deve coincidir com o sexo da pessoa a que se refere. (D) o pronome Vossa Eminência deve ser empregado em correspondência dirigida a reitores de universidades. (E) os pronomes possessivos referidos aos pronomes de tratamento são flexionados na terceira pessoa. 7

8 CONHECIMENTOS DE INFORMÁTICA 9 Sobre os sistemas operacionais Microsoft Windows que suportam as tecnologias de 32 bits e de 64 bits, considere as afirmativas a seguir. I - A versão de 64 bits processa grandes quantidades de RAM (memória de acesso aleatório) com efi ciência superior à de um sistema de 32 bits. II - Os drivers para versões de 32 bits funcionam corretamente em computadores que executam versões de 64 bits. III - Se um programa for especialmente projetado para a versão de 64 bits, ele funcionará normalmente na versão de 32 bits. Está correto APENAS o que se afirma em (A) I (B) II (C) III (D) I e II (E) II e III 10 Qual dispositivo possibilita a comunicação entre redes de arquiteturas distintas? (A) Buster (B) Channel (C) Gateway (D) Firmware (E) Display 11 No modelo TCP/IP, a interface com redes Ethernet e Token Ring, entre outras, é feita na camada (A) de Rede (B) de Aplicação (C) de Transporte (D) Física (E) Síncrona 12 Criar cópias de si mesmo de um computador para outro de forma automática, com capacidade de se replicar em grande volume, é característica de uma praga eletrônica denominada (A) Trojan Horse (B) Opteron (C) Freeware (D) Shareware (E) Worm LEGISLAÇÃO SUS 13 O Sistema Único de Saúde implica ações e serviços públicos de saúde que integram uma rede regionalizada hierarquizada e que, de acordo com a Constituição Federal, organizar-se-á por algumas diretrizes. A esse respeito, considere as afirmativas abaixo. I - A descentralização é uma diretriz do SUS, com direção única em cada esfera de governo. II - O SUS busca, como diretriz, um atendimento parcial, com prioridade para as atividades assistencialistas, sem prejuízo dos serviços assistenciais. III - O SUS tem como uma das diretrizes a participação da comunidade. É correto APENAS o que se afirma em (A) I (B) II (C) III (D) I e III (E) II e III 14 Para os efeitos do Código Municipal de Saúde, art. 37 da Lei municipal n o 5.504/1999, (Salvador-BA), considera(m)-se informação(ões) epidemiológica(s) (A) a execução das ações de controle de higiene (B) as notificações facultativas sobre acidentes do trabalho (C) as declarações de nascimento e óbitos (D) o registro das ações de controle do meio ambiente (E) os resultados de investigação de poluição do meio ambiente 15 A Portaria GM/MS n o 698, de 30 de março de 2006, define que o custeio das ações de saúde é responsabilidade das três esferas de gestão do SUS, estatuindo cinco blocos de financiamento. NÃO está de acordo com o estabelecido nessa Portaria a afirmação de que (A) os recursos federais para custeio de ações e serviços de saúde serão transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios, de forma automática, fundo a fundo, observando os atos normativos específicos referentes a cada bloco. (B) os recursos de cada Bloco de Financiamento devem ser aplicados, exclusivamente, nas ações e serviços de saúde relacionados ao Bloco. (C) no Bloco de Financiamento da Assistência Farmacêutica, os recursos devem ser aplicados, exclusivamente, nas ações definidas para cada Componente que compõem o Bloco. (D) o Bloco da Atenção Básica será constituído por dois componentes: Piso de Atenção Básica PAB Fixo e Piso da Atenção Básica Variável PAB Variável. (E) o Bloco de Financiamento para a Vigilância em Saúde será constituído por um componente: o da Vigilância em Gestão de Limpeza. 8

9 16 Os Recursos do Fundo Nacional de Saúde, de acordo com a Lei n o 8.142, de 1990, serão alocados como (A) investimentos previstos no Plano Anual do Ministério do Planejamento (B) investimentos previstos no Plano Quinquenal do Ministério da Saúde (C) investimentos previstos em lei orçamentária, de iniciativa do Poder Executivo e aprovados pelo Conselho Nacional (D) cobertura das ações e serviços, em geral, do Ministério da Previdência (E) despesas de custeio e de capital do Ministério do Planejamento 17 A Lei Federal n o 8.080/1990 prevê que (A) a participação complementar dos serviços privados para garantir a cobertura assistencial do SUS será formalizada mediante concessão, estabelecida por normas predominantemente privadas. (B) a utilização do critério baseado no perfil demográfico é vedada para o estabelecimento de valores a serem transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios. (C) os cargos e funções de chefia, direção e assessoramento, no âmbito do SUS, só poderão ser exercidos em regime de tempo integral. (D) os Municípios, dentre as atribuições estatuídas nessa lei, ficam vedados de administrar os recursos orçamentários e financeiros destinados à saúde, em cada ano. (E) os serviços de saúde das Forças Armadas, em tempo de guerra, serão integrados ao Sistema Único de Saúde, independente de formalização de convênio. 18 O art. 198 da Constituição brasileira estabelece que as ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único. Rede regionalizada e hierarquizada significa que os (A) serviços de saúde devem estar ancorados em uma rede de atenção básica em cada região de saúde. (B) serviços de saúde devem ser organizados em bases territoriais definidas, de acordo com a distribuição da população e o nível de complexidade dos serviços. (C) serviços hospitalares de nível terciário devem necessariamente estar contidos em cada região de saúde. (D) ambulatórios, postos de saúde e as clínicas de saúde da família devem subordinar-se a hospitais de nível secundário e terciário em cada região. (E) hospitais especializados constituem o ponto de coordenação do sistema de saúde em uma dada região. 19 A Lei Federal n o 8.080/1990 que regula, em todo o território nacional, as ações e serviços de saúde, estabelece, em seu art. 7 o, o princípio de integralidade dos cuidados de saúde. Esse princípio obriga a que (A) os pacientes portadores de doenças agudas sejam tratados em locais distintos daqueles dos portadores de doenças crônicas. (B) os serviços coletivos sejam prestados pelos municípios, e os curativos, pelas outras esferas de governo, de maneira integrada. (C) o conjunto das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema, deve compor um conjunto articulado e integrado. (D) as equipes de saúde devem ser sempre multiprofissionais, capazes de dar conta da unidade biopsicossocial dos pacientes. (E) serviços de prevenção no âmbito da saúde pública devem ser organizados para tratamento na rede de hospitais e postos de saúde, e os de reabilitação em centros especializados. 20 A Política Nacional de Atenção Básica (Portaria GM/MS n o 648/2006) estabelece a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e para o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Visando à operacionalização da Atenção Básica, definem- -se como áreas estratégicas para atuação em todo o território nacional a eliminação da (A) AIDS, o controle de acidentes de trânsito, o controle do diabetes e da hipertensão. (B) hanseníase, o controle da tuberculose, o controle da hipertensão arterial, o controle do diabetes mellitus, a eliminação da desnutrição infantil, a saúde da criança, a saúde da mulher, a saúde do idoso, a saúde bucal e a promoção da saúde. (C) desnutrição infantil, o controle dos acidentes do trabalho, o controle da tuberculose e a saúde da mulher. (D) hanseníase, o controle da tuberculose, o controle da hipertensão arterial, o controle do diabetes mellitus, a eliminação da desnutrição infantil, a saúde da criança e da mulher, a eliminação da AIDS. (E) hanseníase, o controle da tuberculose, o controle da hipertensão arterial, a saúde da mulher, da criança e do idoso, o controle de acidentes de trânsito. 9

10 21 O chamado Pacto pela Saúde, estabelecido pela Resolução MS n o 399/2006, determina um conjunto de prioridades para intervenções em saúde no subcapítulo Pacto pela Vida, de acordo com o perfil epidemiológico brasileiro. As prioridades estabelecidas neste Pacto para as endemias e doenças emergentes são (A) malária, tétano neonatal, tuberculose, hanseníase e AIDS (B) malária, leptospirose visceral, dengue e tuberculose (C) malária, dengue, hepatites e tuberculose (D) dengue, hanseníase, tuberculose, malária e influenza (E) dengue, hanseníase, tuberculose e doença de Chagas 22 A estratégia de Saúde da Família visa à reorganização da Atenção Básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde (Portaria GM/MS n o 648/2006). Além dos princípios gerais da Atenção Básica, a estratégia Saúde da Família deve (A) atuar no território, realizando cadastramento domiciliar, diagnóstico situacional, ações dirigidas aos problemas de saúde de maneira pactuada com a comunidade onde atua, buscando o cuidado dos indivíduos e das famílias ao longo do tempo, mantendo sempre postura proativa frente aos problemas de saúde-doença da população. (B) dirigir-se aos problemas de saúde de maneira pactuada com a comunidade onde atua, buscando o cuidado dos indivíduos e das famílias ao longo do tempo, mantendo sempre postura reativa frente aos problemas de saúde-doença da população. (C) dirigir-se exclusivamente aos problemas mais frequentes de saúde do território onde atua. (D) articular-se com as outras formas de atenção básica, sem necessariamente ter caráter substitutivo. (E) rever permanentemente as tecnologias mais adequadas para o enfrentamento das endemias locais. 23 Quando da identificação em uma unidade básica de saúde de um caso de tuberculose pulmonar bacilífero, sem complicações clínicas maiores, o médico de família deve (A) transferir o paciente para ser acompanhado pelo enfermeiro da unidade. (B) encaminhar o paciente para um serviço de controle de tuberculose da unidade mais próxima. (C) convocar, por carta ou telefonema à unidade, todos os membros da família para revisão junto à unidade. (D) divulgar, publicamente, o caso para que todos os que tenham mantido contato com o paciente agendem visitas à unidade. (E) solicitar aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) que compareçam ao domícilio do paciente, desenvolvam ações educativas e agendem consultas dos expostos à unidade. 24 Quantas equipes de saúde da família são necessárias para atender a um município de habitantes? (A) 5 (B) 10 (C) 15 (D) 20 (E) Um paciente portador de câncer de pâncreas intratável, em fase terminal, apresenta um quadro de pneumonia aguda com insuficiência respiratória aguda, está lúcido e recusa-se a ser internado, preferindo permanecer em seu domicílio. De acordo com a Portaria GM/MS n o 1.820/2009, o médico deve (A) sedar o paciente e transportá-lo para um hospital. (B) reunir a família e solicitar autorização para internação compulsória. (C) abandonar o caso, solicitando ao paciente que procure outro profissional. (D) suspender qualquer medida terapêutica para abreviar o sofrimento do paciente. (E) respeitar a vontade do paciente e tratá-lo com os recursos possíveis em seu domicílio. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 26 Um sujeito de 27 anos de idade deseja realizar um programa de exercícios físicos de modo orientado. Ele apresenta IMC (Índice de Massa Corporal) de 20,2, razão cintura/quadril de 0,79, pressão arterial de 120/70 mmhg e tem respostas negativas para o PAR-Q (Physical Activity Readiness Questionnaire Questionário de Prontidão para a Atividade Física). Nesse caso, o profissional de educação física (A) somente deverá prescrever exercícios físicos aeróbios após liberação médica, uma vez que apresenta três importantes fatores de risco cardiovasculares. (B) somente deverá prescrever quaisquer exercícios físicos (aeróbios ou de força) após liberação médica, uma vez que o sujeito apresenta um número elevado de fatores de risco cardiovasculares. (C) somente deverá prescrever exercícios físicos aeróbios, uma vez que o sujeito apresenta vários fatores de risco cardiovasculares. (D) poderá prescrever exercícios físicos aeróbios ou de força, embora o sujeito apresente hipertensão arterial. (E) poderá prescrever exercícios físicos aeróbios e de força, uma vez que o sujeito não apresenta fatores de risco cardiovasculares. 10

11 27 Análises históricas permitem observar algumas tendências na Educação Física brasileira. Não obstante essas tendências aparecerem em determinados momentos históricos, percebem-se resquícios de algumas delas na atualidade. Os princípios e objetivos da concepção de Educação Física Higienista, por exemplo, persistem até os dias atuais e dizem respeito à atitude (A) de entender os problemas da educação física a partir do contexto socioeconômico. (B) de entender a educação física como promotora da educação pelo movimento. (C) de entender a educação física como promotora de hábitos considerados saudáveis. (D) de voltar à prática esportiva para a busca de ludicidade e cooperação. (E) competitivista e de superação individual como valores fundamentais da sociedade. 28 O conteúdo das aulas de educação física abrange três dimensões: conceitual, procedimental e atitudinal. A esse respeito, um exemplo de dimensão atitudinal consiste em (A) conhecer as formas adequadas de execução de diferentes atividades físicas, tais como levantar objetos do chão e ter postura correta para sentar. (B) conhecer e experimentar os fundamentos básicos de diferentes práticas corporais, como os esportes, as danças, as ginásticas. (C) reconhecer as condutas não preconceituosas em relação ao sexo, à raça, à religião, à habilidade. (D) reconhecer as mudanças que ocorreram na sociedade em relação aos hábitos de vida e associá-las às necessidades atuais de exercícios físicos. (E) reconhecer as alterações que ocorreram nos esportes, tais como as mudanças nas regras no voleibol ou a noção de que o futebol era praticado pela elite. 29 A conduta adequada em relação a um procedimento de avaliação para iniciar um programa de atividades físicas associado à saúde, com pessoas entre 50 e 60 anos de idade, é realizar (A) um exame médico, realizar um teste físico anaeróbio e prescrever uma dieta. (B) um exame médico, realizar um teste de esforço aeróbio e realizar avaliação postural. (C) um exame médico, medir a agilidade e realizar um teste físico anaeróbio. (D) teste físico anaeróbio, prescrever uma dieta e realizar avaliação postural. (E) teste físico anaeróbio, medir a agilidade e realizar teste de força máxima. 30 Um projeto social em atividade física e saúde contará com profissionais de educação física, nutricionistas, médicos e psicólogos, e deverá atender aproximadamente 50 pessoas, de ambos os sexos, na faixa etária entre 55 e 70 anos. Para os alunos recém-chegados, será proposto um sistema de avaliação que deverá identificar (A) possíveis fatores de risco cardiovasculares e/ou doenças, verificar a condição física inicial dos alunos, e, a partir daí, tomar decisões. (B) somente se os alunos precisam emagrecer, verificar a condição física anaeróbia inicial dos alunos, e, a partir daí, prescrever exercícios e dietas. (C) somente se os alunos precisam reduzir a pressão arterial, verificar a condição física anaeróbia inicial dos alunos, e, a partir daí, prescrever exercícios e dietas restritivas de sal. (D) somente a presença de doenças crônico-degenerativas, verificar a força máxima, e, a partir daí, liberar os alunos para a prática de esportes coletivos. (E) se os alunos estão sedentários, verificar a frequência cardíaca de repouso dos alunos, e, a partir daí, prescrever exercícios de agilidade. 31 O VIGITEL (Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico), realizado pelo Ministério da Saúde, estabelece estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal. Em relação à adesão à prática de exercícios físicos no Brasil, observou-se que a(s) (A) maioria absoluta da população brasileira pratica exercícios físicos no tempo livre. (B) faixa etária e a escolaridade não têm influenciado a prática de exercícios físicos no tempo livre. (C) pessoas entre 18 e 24 anos de idade praticam menos exercícios físicos que aquelas entre 45 e 54 anos de idade. (D) pessoas de maior escolaridade praticam mais exercícios físicos no tempo livre do que as de menor escolaridade. (E) mulheres praticam mais exercícios físicos no tempo livre que os homens. 32 Durante os últimos anos, temos assistido a uma elevação relevante na expectativa de vida de diferentes populações. No entanto, o envelhecimento vem acompanhado de uma série de alterações. Uma alteração que ocorre com o envelhecimento é a (A) elevação da frequência cardíaca máxima (B) elevação da taxa metabólica basal (C) redução da pressão arterial (D) redução da massa óssea (E) redução da glicose sanguínea 11

12 33 A inserção de pessoas portadoras de deficiências físicas em práticas esportivas teve sua origem com a reabilitação dos veteranos da Segunda Guerra Mundial. No entanto, o acesso a essas práticas tem sido relativamente difícil, uma vez que nem todos os centros esportivos oferecem práticas para grupos especiais, há dificuldades sociais, econômicas, e ainda existem preconceitos. Nesse sentido, o possível benefício proporcionado pela prática esportiva aos portadores de deficiências físicas é o(a) (A) aumento da capacidade cognitiva (B) melhoria nos relacionamentos sociais (C) redução da aptidão física (D) redução da capacidade de recuperação (E) recuperação física completa 34 Um estudo publicado em uma conceituada revista de saúde pública no Brasil apresentou alguns fatores associados ao sedentarismo em adolescentes de área urbana. A Tabela 1 apresenta a prevalência de sedentarismo por variáveis sociodemográficas. Tabela 1. Prevalência de sedentarismo entre os adolescentes de acordo com variáveis sociodemográficas e comportamentais. Pelotas, 2002 Prevalência de sedentarismo Razão de prevalência (IC 95%) Variáveis n % Sexo Masculino ,2 Referência Feminino ,5 2,45 (2,06-2,92) Idade ,9 Referência ,0 0,99 (0,97-1,01) ,0 0,79 (0,64-0,98) ,5 0,83 (0,66-1,04) Escolaridade do adolescente 9 anos ,6 Referência 5-8 anos ,9 1,08 (0,90-1,30) 4 anos 52 57,7 1,57(1,19-2,08) Classe Social AB ,9 Referência C ,3 1,43 (1,13-1,80) DE ,6 1,71 (1,38-2,13) OEHLSCHLAEGER, M. H. K. et al. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo em adolescentes de área urbana. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 2, p , abr Os dados apresentados indicam que (A) os indivíduos de classes sociais mais baixas gostam menos de exercícios físicos que os das classes sociais mais altas. (B) os indivíduos de classes sociais mais baixas e os de baixo nível educacional gostam menos de exercícios físicos que os das classes sociais mais altas e os de alto nível educacional. (C) os indivíduos de classes sociais mais altas e de elevado nível educacional são obrigados a realizar exercícios físicos regulares. (D) há grupos que estão mais vulneráveis e, talvez por isso, não conseguem engajar-se de modo regular em programas de exercícios físicos. (E) há grupos que estão menos vulneráveis economicamente e que poderiam, se quisessem, realizar mais exercícios físicos regulares. 12

13 35 A falta de exercícios físicos regulares tem sido considerada um dos fatores relacionados à maior probabilidade de adoecimento durante e após a gestação. Assim, a literatura científica sugere que a manutenção dos exercícios físicos durante a gravidez pode proporcionar inúmeros benefícios à saúde da mulher. Contudo, será uma contraindicação ao exercício durante a gravidez a(o) (A) dor lombar (B) idade entre 20 e 30 anos (C) história familiar de hipertensão (D) sobrepeso (E) sangramento uterino 36 Uma das preocupações em relação à prática de exercícios físicos por um sujeito diabético insulino-dependente refere-se ao fato de se iniciar o exercício no momento da ação máxima da insulina. Essa situação poderá provocar (A) elevação perigosa da pressão arterial (B) elevação perigosa da glicemia (C) elevação perigosa do cortisol (D) redução perigosa da glicemia (E) redução perigosa do cortisol 37 Atualmente, em diferentes sociedades, tem sido observado o incentivo a um padrão de corpo e de beleza baseados na magreza. Assim, a mídia, de um modo geral, parece oferecer um conjunto de imperativos que determinam o modo como as pessoas devem estar em relação à sua aparência física. Entretanto, esses padrões preestabelecidos podem influenciar sentimentos de culpa e insatisfações com o próprio corpo. Nesse sentido, para qual situação a insatisfação corporal tem sido considerada um importante fator de risco? (A) Anorexia nervosa (B) Esquizofrenia (C) Psicopatia (D) Síndrome do overtraining (E) Síndrome do burnout 38 De acordo com regulamentação da profissão de Educação Física no Brasil, faz parte das competências do profissional de Educação Física, no que se refere às áreas de atividades físicas e desportivas, (A) propor políticas públicas. (B) debater leis e diretrizes da área. (C) prestar primeiros socorros e encaminhar para terapia. (D) realizar seminários e congressos científicos, além de publicar livros. (E) participar de equipes multidisciplinares e interdisciplinares, bem como elaborar informes técnicos, pedagógicos e científicos. 39 Um projeto de atividade física e de promoção da saúde está sendo financiado por uma empresa produtora de refrigerantes. Algumas das ações dessa empresa consistem no fornecimento de transporte para a condução a torneios esportivos, no oferecimento de bebidas gasosas açucaradas (refrigerantes) após a prática esportiva, e na disponibilização de material esportivo para as crianças, estampando nele sua marca. Para que a Educação Física funcione como veículo e objeto de educação, de conscientização social e de promoção da saúde e qualidade de vida, é papel do profissional dessa área (A) estimular o consumo de refrigerante pós-atividade física, uma vez que, por ser rico em potássio, é uma boa maneira de hidratação. (B) estimular o uso da marca da empresa financiadora, considerando que ela prima pela promoção da saúde, expressando clara responsabilidade social. (C) questionar o consumo dos refrigerantes dessa marca, estimulando o consumo dos refrigerantes da concorrente. (D) abrir mão de envolver-se com questão extraclasse e, portanto, continuar prescrevendo os exercícios físicos. (E) questionar tal tipo de acordo, uma vez que há forte conflito de interesses entre as ações que o profissional de educação física deve ter e as promoções da empresa de refrigerantes. 40 Existem abordagens pedagógicas da educação física escolar, como as seguintes: desenvolvimentista, construtivista-interacionista, crítico-superadora, crítico-emancipatória e de saúde renovada. A esse respeito, considere as afirmações abaixo. A abordagem crítico-emancipatória diz respeito às intervenções em que o professor somente procura melhorar a resistência aeróbia, a força ou a resistência muscular, a flexibilidade e a composição corporal. PORQUE A abordagem crítico-emancipatória tem como princípio promover a aptidão física relacionada à saúde e por objetivo mudar os hábitos dos alunos para promover a melhoria da saúde e qualidade de vida. Analisando as afirmações acima, conclui-se que (A) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. (B) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira. (C) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. (D) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. (E) as duas afirmações são falsas. 13

14 41 Considerando o Código de Ética dos Profissionais de Educação Física, NÃO diz respeito às responsabilidades e aos deveres dos profissionais, em relação à saúde, a atitude de (A) promover uma educação física no sentido de que ela se torne um meio efetivo para a conquista de um estilo de vida ativo dos seus beneficiários, através de uma boa educação para promoção da saúde e ocupação saudável do tempo de lazer. (B) manter o beneficiário informado sobre eventuais circunstâncias adversas que possam influenciar o desenvolvimento do trabalho que lhe será prestado. (C) oferecer a seu beneficiário, de preferência por escrito, uma orientação segura sobre a execução das atividades e dos exercícios recomendados. (D) elaborar o programa de atividades do beneficiário em função de suas condições gerais de saúde. (E) interromper a prestação de serviços sem justa causa e sem notificação prévia ao beneficiário. 42 Treinamento Total tem sido entendido como a composição de diferentes fatores com vistas a garantir o aumento do rendimento. Assim, dentro dos preceitos éticos e científicos, o que pode contribuir para aumentar os níveis de força muscular de um sujeito, além do treinamento na sala de musculação, é a (A) boa alimentação, o uso de anabolizantes e a abstenção de bebidas alcoólicas (B) boa alimentação, a abstenção de bebidas alcoólicas e o treinamento aeróbio (C) boa alimentação, horas de sono adequadas e a recuperação entre as sessões (D) boa alimentação, horas de sono adequadas e o uso de anabolizantes (E) abstenção de bebidas alcoólicas, horas de sono adequadas e o uso de anabolizantes 43 É possível considerar que as pessoas aderem à prática regular de exercícios físicos e a mantêm em razão do gosto, da norma ou da utilidade. A adesão à prática de exercícios físicos motivada pelo gosto se relaciona com o fato de o(a) (A) médico recomendar a prática de exercícios físicos aeróbios para prevenção de doença arterial coronariana. (B) indivíduo jogar futebol na praia com os amigos. (C) preparador físico de uma equipe de voleibol determinar a prática de musculação. (D) educação física ser uma disciplina obrigatória na escola. (E) prática de exercícios físicos regulares ser influenciada pela condição socioeconômica. 44 No quadro Medida Certa, veiculado em um programa de variedades de uma emissora de televisão brasileira, a proposta era reprogramar o corpo em 90 (noventa) dias. Nele, dois repórteres tinham como meta diminuir medidas, ajustando seus corpos e vidas a certos parâmetros biométricos considerados ideais para uma vida saudável. Para avaliá-los, a fim de caracterizar o estado patológico em que estavam, foram usados, basicamente, o IMC (Índice de Massa Corpórea) e a Circunferência Abdominal como indicadores a partir dos quais uma série de prescrições seria feita, incluindo a prática regular de atividades físicas. A partir da descrição acima, o quadro Medida Certa NÃO adota a perspectiva de que (A) a concepção de saúde é meramente biológica, restrita a indicadores baseados em medidas biométricas. (B) o corpo é considerado como uma espécie de máquina reprogramável, sendo necessário e suficiente apenas inserir as informações certas para alcançar as mudanças desejadas. (C) o indivíduo saudável é aquele que está adequado às medidas ideais, cabendo a todos se submeter aos parâmetros por elas estabelecidos. (D) um indivíduo fora da medida certa deve ser categorizado como em estado patológico, o que implica risco de vida. (E) os parâmetros usados são insuficientes para categorizar um indivíduo como em estado de risco iminente à vida, e a adequação a eles não necessariamente garante uma vida saudável. 45 O Código de Ética dos Profissionais de Educação Física propõe a articulação das dimensões técnica e social com a dimensão ética, de forma a garantir, no desempenho do Profissional de Educação Física, a união de conhecimento científico e atitude, referendando a necessidade de um saber e de um saber fazer que venham a efetivar-se como um saber bem e um saber fazer bem. No processo de formulação desse código, tomou-se por base, além da legislação referente à Educação Física e a seus profissionais nas esferas federal, estadual e municipal, a (A) Declaração de Helsinki, a Constituição Federal do Brasil, o Tratado de Kyoto (B) Declaração de Salamanca, o Código Civil Brasileiro, a Declaração de Helsinki (C) Carta de Ottawa, a Carta de Adelaide, as Declarações Universais de Direitos Humanos e da Cultura (D) Carta Brasileira de Educação Física 2000, as Declarações Universais de Direitos Humanos e da Cultura, a Agenda 21 (E) Quarta Convenção de Genebra, a Carta de Ottawa, e a Carta Brasileira de Educação Física

15 46 No Código de Ética dos Profissionais de Educação Física, lê-se que o ideal da profissão é definido pela prestação de um atendimento melhor e mais qualificado a mais pessoas, fundamentado em um conjunto de princípios, normas e valores éticos livremente assumidos, tanto no plano individual quanto no coletivo, pelos profissionais de Educação Física. Segundo esse Código, dentre os princípios que devem pautar o exercício profissional, podem-se destacar pelo menos três: (A) a sustentabilidade do meio ambiente, a responsabilidade social, o respeito à ética nas diversas atividades profissionais (B) a livre iniciativa, a interdisciplinaridade, a preocupação com o desenvolvimento das tecnologias (C) a autonomia, a criticidade, o pragmatismo (D) a conflituosidade, a equidade, a prestação do melhor serviço a um número maior de pessoas (E) a responsabilidade social, a responsabilidade fiscal, a promoção da diversidade de gênero 47 A relação entre saúde, educação e moralidade, com fins de regeneração dos indivíduos, confere à Educação Física um papel civilizatório e de aperfeiçoamento das forças humanas. Fernando de Azevedo, signatário do Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova, defendia que a Educação Física/ginástica escolar tinha uma importância fundamental, chegando a afirmar que o país que não tem Educação Física está morto. NÃO se aplica à concepção do referido autor a ideia de que a Educação Física/ginástica escolar (A) se subdivide em educativa e higiênica. (B) se refere, dentre outros, a aspectos físico-motores ou fisiológicos e morais. (C) diz respeito primordialmente à adequação aos modelos estéticos vigentes e à formação de atletas. (D) é uma disciplina médico-pedagógica. (E) visa à prevenção e à promoção de vida saudável, bem como serve à regeneração do povo. 48 Em aprendizagem motora, o termo feedback diz respeito à informação intrínseca ou extrínseca que o executante percebe ou recebe e que indica algo em relação ao estado real do movimento executado. Assim, a partir dessa informação, o executante procurará corrigir o movimento. Nesse sentido, o feedback extrínseco se expressa pela (A) ação reflexa provocada pelo fuso muscular. (B) ação reflexa provocada pelos órgãos tendinosos de Golgi. (C) percepção da velocidade da bola antes de golpeá-la. (D) explicação do treinador. (E) visão de que há um companheiro livre para receber o passe. 49 Não obstante a tendência interpretativa no campo da Saúde Coletiva, a saúde vem sendo rivalizada por duas grandes vertentes: uma que a considera como reunindo apenas aspectos biológicos; outra que entende que há outros aspectos além do biológico, como, por exemplo, psicossociais, econômicos, culturais, ambientais, religiosos, etc. Considerando essa concepção de saúde, no que diz respeito ao lazer, cabe ao profissional de Educação Física (A) determinar que o indivíduo pratique a atividade física aeróbia, independente de sua condição socioeconômica. (B) determinar que o indivíduo participe de palestras sobre fatores de risco cardiovasculares, nutrição adequada, higiene e primeiros socorros, para capacitá-lo a cuidar da saúde de tal modo que ele mantenha uma vigilância contínua sobre si e sobre as pessoas do seu convívio. (C) organizar passeios a florestas, praias e parques, ressaltando a necessidade de um estilo de vida ativo, independente da faixa etária do indivíduo e do seu nível socioeconômico. (D) propor práticas corporais (físicas e/ou artísticas), considerando aspectos culturais e socioeconômicos. (E) prescrever, a partir de uma avaliação do público-alvo, atividades físicas preestabelecidas, a fim de combater hábitos sedentários no tempo livre. 50 De acordo com a literatura científica, algumas qualidades físicas poderiam contribuir para prevenção de determinadas doenças. A seguir, são apresentadas algumas dessas qualidades físicas e possíveis intervenções do profissional de Educação Física. Associe as qualidades físicas com as intervenções, apresentadas a seguir. I - Resistência aeróbia II - Força dinâmica III - Flexibilidade As associações corrertas são: (A) I - Q ; II - S ; III - S (B) I - Q ; II - S ; III - P (C) I - R ; II - S ; III - P (D) I - Q ; II - R ; III - S (E) I - S ; II - P ; III - Q P - Prescrever exercícios de alongamentos musculares. Q - Prescrever corridas com duração de 30 minutos. R - Prescrever corridas de velocidade máxima. S - Prescrever exercícios contrarresistidos com halteres. 15

16 51 O Ministério da Saúde destaca alguns dados importantes referentes ao cenário da saúde mental no Brasil: 3% da população geral sofrem com transtornos mentais severos e persistentes; mais de 6% da população apresentam transtornos psiquiátricos graves decorrentes do uso de álcool e outras drogas; 12% da população necessitam de algum atendimento em saúde mental, seja ele contínuo ou eventual; 2,3% do orçamento anual do SUS são destinados à Saúde Mental. A partir da Reforma Psiquiátrica, no Brasil foram criados os Centros de Assistência Psicossocial (CAPS), os quais exercem um trabalho multidisciplinar. Qual a intervenção do profissional de Educação Física nesse contexto? (A) Estimular práticas corporais com características anaeróbias. (B) Estimular práticas corporais individuais, visando ao elevado rendimento atlético. (C) Estimular treinamento de força máxima. (D) Estimular práticas corporais expressivas, associadas à música e às artes plásticas. (E) Estimular a prática de coordenação motora. 52 A noção de estilo de vida é um pressuposto que traz à tona a ideia de que a mudança em determinados comportamentos poderá trazer benefícios à saúde dos indivíduos. Contudo, estudiosos em Saúde Coletiva têm apontado para alguns problemas associados a tal ideia. A esse respeito, considere as afirmações abaixo. I - A noção de estilo de vida desconsidera que o sujeito é responsável não só por sua saúde, mas também pela de seus familiares. II - A noção de estilo de vida, em última instância, acaba culpabilizando a própria vítima por seus problemas de saúde, embora, muitas vezes, o indivíduo não tenha condições de enfrentar algumas situações que ponham a saúde em risco. III - A noção de estilo de vida desconsidera que nem todos os indivíduos têm conhecimento e/ou renda para adotar um comportamento considerado saudável. IV - A noção de estilo de vida desconsidera que existem comportamentos específi cos, denominados comportamentos de risco, que contribuem, sobremaneira, para o adoecimento. São corretas APENAS as afirmações (A) I e II (B) I e IV (C) II e III (D) I, III e IV (E) II, III e IV 53 De acordo com o Plano Municipal de Saúde de Salvador (PMS, ), os problemas de saúde entre as crianças são diversos. Entre esses, podem-se destacar três para os quais a atuação do profissional de educação física pode contribuir terapeuticamente: obesidade, doenças respiratórias e dificuldade psicomotora. Uma ação interdisciplinar a ser realizada pelo profissional de educação física, para minimizar essa prevalência, é (A) levar o problema à direção da escola local para que ela trabalhe com as crianças e suas famílias. (B) visitar domicílios em conjunto com outros profissionais para conhecimento da realidade e implementação de uma ação conjunta de orientações. (C) prescrever dietas e natação, visando à redução da gordura corporal e à melhoria da condição respiratória e da coordenação motora. (D) prescrever apenas práticas regulares de exercícios físicos, visando à redução da gordura corporal e à melhora da coordenação motora. (E) proferir palestras independentemente dos outros trabalhadores da saúde, procurando ensinar os cuidados referentes a esses agravos à saúde. 54 A atenção básica à saúde é considerada a porta de entrada do SUS, e uma de suas funções é reduzir as demandas secundárias e terciárias. Alguns dados estatísticos demonstram que uma das principais causas de atendimento a idosos é decorrente de quedas. Que tipo de ação o profissional de Educação Física pode realizar para tentar contribuir para a diminuição dessas quedas? (A) Mudanças arquitetônicas na região (B) Melhoria de atendimento nos hospitais públicos (C) Parcerias com planos de saúde para atendimento das ocorrências (D) Exercícios de agilidade para idosos para fortalecimento da musculatura (E) Exercícios contrarresistidos para idosos para fortalecimento da musculatura 55 O conhecimento sobre os fatores de risco cardiovasculares pode orientar a conduta do profissional de educação física ao prescrever um programa de exercícios físicos para um determinado indivíduo. NÃO é considerado fator de risco cardiovascular o(a) (A) tabagismo (B) sedentarismo (C) colesterol elevado (D) história familiar de doença cardiovascular (E) baixa ingestão de sódio 16

17 56 A prática de exercícios físicos por adultos, realizada sob forte calor durante um período de 60 minutos contínuos, torna necessário que eles ingiram 150 a 250 ml de bebidas isotônicas a cada 15 minutos. PORQUE A ingestão regular de bebidas isotônicas possibilitará reabastecer a quantidade de líquido e sais minerais necessária. Analisando-se as afirmações acima, conclui-se que (A) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. (B) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira. (C) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. (D) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. (E) as duas afirmações são falsas. 57 Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) foram elaborados com o intuito de promover condições para que os jovens tivessem acesso ao conjunto de conhecimentos socialmente reconhecidos como necessários ao exercício da cidadania. Entre outros objetivos, é necessário que a educação física, dentro de sua especificidade, aborde temas transversais, apontados como temas de urgência para o país como um todo. Com relação à educação física, NÃO caracteriza um tema transversal a(o) (A) saúde (B) ética (C) formação de atletas (D) orientação sexual (E) meio ambiente 58 A prática regular de exercícios físicos deve ser estimulada entre pessoas que estejam em recuperação do abuso do álcool. PORQUE O exercício pode aumentar a atividade das enzimas hepáticas envolvidas no metabolismo do álcool. 59 A Estratégia de Saúde da Família, à qual um profissional de Educação Física está vinculado, realiza parcerias com uma academia de musculação ao ar livre. Esse profissional de Educação Física foi procurado por um homem de 45 anos, diabético tipo II e hipertenso estágio I, relatando que faz um treinamento para hipertrofia muscular há cerca de três meses e começou a perceber que sua pressão arterial está muito instável. Quais procedimentos devem ser efetuados pelo profissional de Educação Física com esse homem? (A) Realizar anamnese e prescrever o treinamento de força e exercícios anaeróbios. (B) Realizar teste de esforço máximo e prescrever exercícios anaeróbios e de força. (C) Alterar o treinamento de força, independentemente da avaliação clínica. (D) Analisar qual treinamento está sendo realizado e encaminhar o indivíduo para atendimento médico. (E) Verificar a pressão arterial e prescrever um novo treinamento de força. 60 A Política Nacional de Promoção da Saúde destaca, em suas estratégias mais imediatas, a atividade física/práticas corporais e cita iniciativas para a implementação dessas estratégias na Rede Básica. Considere as afirmações abaixo sobre essas estratégias. I - A Estratégia de Saúde da Família deve estimular a prática de atividade física. II - A Estratégia de Saúde da Família deve estimular a prática de campeonatos de futebol para quaisquer comunidades assistidas. III - A Estratégia de Saúde da Família deve estimular a prática de atividade física entre os defi cientes físicos. IV - A Estratégia de Saúde da Família deve promover a educação permanente para a prática de atividade física. É correto o que se afirma em (A) I, II e III, apenas. (B) I, II e IV, apenas. (C) I, III e IV, apenas. (D) II, III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV. Analisando-se as afirmações acima, conclui-se que (A) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. (B) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira. (C) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. (D) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. (E) as duas afirmações são falsas. 17

PROFISSIONAL DE ATENDIMENTO INTEGRADO ASSISTENTE SOCIAL

PROFISSIONAL DE ATENDIMENTO INTEGRADO ASSISTENTE SOCIAL 20 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o tema da REDAÇÃO (com valor de 40,0 pontos) e o enunciado

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 10 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE 18 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

FISCAL DE CONTROLE SANITÁRIO FISCAL SANITÁRIO ENFERMEIRO

FISCAL DE CONTROLE SANITÁRIO FISCAL SANITÁRIO ENFERMEIRO 08 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o tema da REDAÇÃO (com valor de 40,0 pontos) e o enunciado

Leia mais

SANITARISTA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

SANITARISTA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 56 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o tema da REDAÇÃO (com valor de 40,0 pontos) e o enunciado

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

FISCAL DE CONTROLE SANITÁRIO FISCAL SANITÁRIO ENGENHEIRO SANITARISTA

FISCAL DE CONTROLE SANITÁRIO FISCAL SANITÁRIO ENGENHEIRO SANITARISTA 11 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o tema da REDAÇÃO (com valor de 40,0 pontos) e o enunciado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 7 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 7 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Página1 SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA E EQUIPE MULTI FUNCIONAL PARA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - 2011 PROVA PARA PSICOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC 26/07/2015 Nome do Candidato: CADERNO DE PROVA INSTRUÇÕES GERAIS: Caro (a) Candidato (a): Leia com o máximo de atenção e siga as seguintes

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE)

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE) 02 TARDE SETEMBRO / 2010 FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este Caderno, com o enunciado das

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE 16 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 14 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

Mais informações: www.saude.gov.br/academiadasaude http://www.atencaobasica.org.br/comunidades/academia-da-saude

Mais informações: www.saude.gov.br/academiadasaude http://www.atencaobasica.org.br/comunidades/academia-da-saude Ministério da Saúde Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde Brasília - DF 2014 CARTILHA INFORMATIVA Quais são as políticas que subsidiam o Programa Academia da Saúde? Política Nacional de Atenção Básica

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) Institui o Programa Nacional do Esporte Solidário para o Idoso PNESI, e dá outras

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE PSICOLOGIA) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE PSICOLOGIA) 2 a FASE 25 BNDES EDITAL EDITAL N N o 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO

ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO 3 CEFET LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com o enunciado das 40 (quarenta) questões objetivas, sem repetição ou

Leia mais

Movimento Pró Autista

Movimento Pró Autista POLÍTICAS PÚBLICAS DE ATENDIMENTO PARA AS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Saúde Educação Trabalho Cultura, Esportes e Lazer Transporte Especializado Centros de Convivência Moradias Assistidas

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

AUDITOR EM SAÚDE PÚBLICA AUDITOR MÉDICO

AUDITOR EM SAÚDE PÚBLICA AUDITOR MÉDICO 04 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os enunciados das 70 (setenta) questões das Provas

Leia mais

AUDITOR EM SAÚDE PÚBLICA AUDITOR ENFERMEIRO

AUDITOR EM SAÚDE PÚBLICA AUDITOR ENFERMEIRO 02 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os enunciados das 70 (setenta) questões das Provas

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SDH/PR n. 11/2014

CHAMADA PÚBLICA SDH/PR n. 11/2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Setor Comercial Sul B, Quadra 09, Lote C, Torre A, 8ª andar, Edifício Parque Cidade Corporate CEP: 70308-200 Fone: (61) 2025-3684 - FAX: (61) 2025-9747

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE CURUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ - CONCURSO PÚBLICO - Edital N.º 001/2009 REALIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA: 23 de Agosto de 2009 NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Flávia J.Rodrigues de Sá Pinheiro de Melo Assistente Social Especialista em Saúde Mental e Moléstias Infecciosas - Unicamp Serviço Atenção

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 9 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

INCENTIVO PARA O FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS POR CASAS DE APOIO PARA PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS

INCENTIVO PARA O FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS POR CASAS DE APOIO PARA PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 32/2011 INCENTIVO PARA O FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS POR CASAS DE APOIO PARA PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS Brasília, 18 de agosto de 2011. INCENTIVO PARA O FINANCIAMENTO DAS AÇÕES

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

E P E ADVOGADO ÁREA JURÍDICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

E P E ADVOGADO ÁREA JURÍDICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 E P E ADVOGADO ÁREA JURÍDICA EDITAL N o 001/2012 - EPE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os enunciados das 50 (cinquenta) questões

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM NOTA TÉCNICA 41 2013 POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM DISPÕE SOBRE O REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS DE CUSTEIO A MUNICIPIOS, ESTADOS E DISTRITO FEDERL PARA A EXECUÇÃO DE AÇÕES DE

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais