É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia"

Transcrição

1 Fagner Ferraz

2 É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através dos respectivos elementos de trabalho. 2

3 QUANTIDADE: O ar, para ser comprimido, se encontra em quantidades ilimitadas. TRANSPORTE: O ar comprimido é facilmente transportável por tubulações, mesmo para distâncias consideravelmente grandes. ARMAZENAMENTO: Não é necessário que o compressor esteja em funcionamento contínuo. O ar pode ser sempre armazenado em um reservatório. 3

4 TEMPERATURA: O trabalho realizado com ar comprimido é insensível às oscilações da temperatura (funcionamento seguro). SEGURANÇA: Não existe o perigo de explosão (não são necessários o acréscimo de custos de proteção contra explosões). LIMPEZA: O ar comprimido é limpo. não polui o ambiente no escape. 4

5 CONSTRUÇÃO DOS ELEMENTOS: Os elementos de trabalho são de construção simples e portanto, de custo vantajoso. VELOCIDADE: Alcança-se altas velocidades de trabalho com o ar comprimido. 5

6 PREPARAÇÃO: Impureza e umidade devem ser evitadas, pois provocam desgastes nos elementos pneumáticos. COMPRESSIBILIDADE: Não é possível manter uniforme e constante as velocidades dos atuadores pneumáticos. FORÇAS: O trabalho com o ar comprimido é limitado pela pressão de 7 bar. ESCAPE DE AR: O escape de ar é ruidoso.. 6

7 7

8 COMPRESSIBILIDADE ELASTICIDADE 8

9 EXPANSIBILIDADE DIFUSIBILIDADE 9

10 10

11 Simbologia Pistão ou Êmbolo Mais utilizado atualmente Suporta pressões acima de 10 bar Contamina o ar com óleo Compressão pulsante Baixo custo 11

12 Simbologia 4 bar 1 estágio 15 bar 2 estágios >15bar 3 ou mais estágios Duplo Pistão 12

13 Simbologia Isento de contaminação Não atinge alta pressão Compressão pulsante Baixa vazão Aplicações em indústrias alimentícias, farmacêuticas e químicas. Pistão com Membrana 13

14 Simbologia Palhetas Isento de lubrificação Não atinge alta pressão Compressão contínua, sem pulsação Pode ser utilizado também como bomba de vácuo Silencioso 14

15 Simbologia Roots ou Lóbulo Isento de lubrificação Não atinge alta pressão Compressão contínua Grandes vazões Alto nível de ruído 15

16 Simbologia Isento de lubrificação Alta vazão Baixa manutenção Custo elevado Grande aplicação na indústria Parafuso 16

17 Resfriar o ar auxiliando a eliminação do condensado Armazenar o ar comprimido Estabilizar o fluxo de ar Simbologia 17

18

19

20 Ar Úmido Ar Seco Pré-Resfriador Resfriador Principal Resfria o ar; Necessita de energia externa; Separador Compressor Refrigeração Reduz a umidade pela condensação do ar; Dreno Condensado By-Pass Muito utilizado na indústria metalúrgica Freon Simbologia 20

21 FUNÇÕES: Armazenar o ar comprimido; Resfriar o ar auxiliando a eliminação do condensado; Estabilizar o fluxo de ar. 21

22 22

23 Funções: Comunicar a fonte produtora com os equipamentos consumidores. Funcionar como um reservatório para atender às exigências locais. 23

24 Simbologia Simbologia simplificada 24

25 Musculares Mecânicos Pneumáticos Elétricos Combinados 25

26 26

27 2 (A) Simbologia 1 (P) 2(A) 2(A) 1(P) 1(P) 2/2 Vias NF Acionamento por Came Retorno por Mola 27

28 (A) 2 (P) 1 3 Simbologia (R) 2(A) 2(A) 1(P) 3(R) 1(P) 3(R) 3/2 Vias NA Acionamento por Came Retorno por Mola 28

29 (A) 2 (P) 1 3 Simbologia (R) 2(A) 2(A) 1(P) 3(R) 1(P) 3(R) 3/2 Vias NF Acionamento por Came Retorno por Mola 29

30 (A) 2 (P) 1 3 Simbologia (R) 12(Z) 12(Z) 2(A) 3(R) 1(P) 2(A) 3(R) 1(P) 3/2 Vias NF Acionamento por Simples Piloto 30

31 (A) 2 2(A) (P) 1 3 Simbologia (R) 3(R) 2(A) 1(P) 3(R) 1(P) 3/2 Vias NF Acionamento por Botão Retorno por Mola 31

32 12(Z) 12(Z) 1(P) 3(R) 1(P) 3(R) 4(A) 2(B) 4(A) 2(B) 4/2 Vias Acionamento por Simples Piloto 32

33 14(Z) (A) (P) Simbologia (B) 12(Y) (R) 4(A) 3(R) 2(B) 4(A) 3(R) 2(B) 14(Z) 1(P) 12(Y) 14(Z) 1(P) 12(Y) 4/2 Vias Acionamento por Duplo Piloto 33

34 (A) 4 2 (B) 4(A) 2(B) 14(Z) (R) 5 Simbologia 1 (P) (Y) (S) 14(Z) 5(R) 1(P) 3(S) 12(Y) 4(A) 2(B) 14(Z) 5(R) 1(P) 3(S) 12(Y) 5/2 Vias Acionamento por Duplo Piloto Vedação tipo Acento 34

35 Aplicação: Diagrama trajeto-passo Mov 1 Mov 2 Mov 3 1A 2A Diagrama algébrico 1A+ 2A+ (1A- 2A-) 35

36 Simbologia Válvula de Retenção 36

37 2 (A) (X) 1 1 (Y) 2(A) Simbologia 1(X) 1(Y) 2(A) 1(X) 1(Y) Alternadora (OU) 37

38 2 (A) (X) 1 1 (Y) 2(A) Simbologia 1(X) 1(Y) 2(A) 1(X) 1(Y) Simultaneidade (E) 38

39 1(P) 3(R) Simbologia 1(P) 3(R) 1(P) 3(R) Limitadora de Pressão (montante/alívio) 39

40 (A) 2 (P) 1 3(R) Simbologia Reguladora de Pressão (jusante) 40

41 Simbologia Reguladora de Fluxo Bidirecional 41

42 Simbologia Reguladora de Fluxo Unidirecional 42

43 43

44 Efeito Venturi 44

45 45

46 Atuadores Lineares Outros Rotativos Simples Ação Dupla Ação Garras Músculo Giro Limitado Motores Antigiro 46

47 Simbologia Simples Ação 47

48 Simbologia Dupla Ação 48

49 Simbologia Dupla Ação (Amortecimento Pneumático Regulável) 49

50 Simbologia Dupla Ação (Haste Passante) 50

51 Simbologia Dupla Ação (Tandem) 51

52 Êmbolo Retângular Êmbolo Oval Anti-giro 52

53 Paralela Radial Garras Pneumáticas 3 Pontos Angular 53

54 Simbologia Rotativo (Giro Limitado) 54

55 Simbologia 55

56 56

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA COMPARAÇÃO DESVANTAGENS VANTAGENS: Preparação; Compressibilidade; Potência; Escape de ar; Custo;

PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA COMPARAÇÃO DESVANTAGENS VANTAGENS: Preparação; Compressibilidade; Potência; Escape de ar; Custo; PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA É um sistema que torna possível a utilização do ar para geração de energia mecânica. SENAI CETEMP Mecânica Boa força Ótimas velocidades Ótima precisão Hidráulica Ótima força Baixas

Leia mais

Atuadores Pneumáticos Rotativos

Atuadores Pneumáticos Rotativos UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 2 Atuadores Pneumáticos Rotativos Aula 9 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior https://www.youtube.com/watch?v=-65-t7st6tw Atuadores oscilantes

Leia mais

Simbologia dos componentes

Simbologia dos componentes Simbologia dos componentes 1. Símbolos básicos 2. Símbolos funcionais 3. Linhas de escoamento e conexões 4. Tipos de acionamento 2 L1 5. Unidades de conversão e armazenamento de energia L1 6. Distribuição

Leia mais

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos 1 - INTRODUÇÃO Os atuadores pneumáticos são componentes que transformam a energia do ar comprimido em energia mecânica, isto é, são elementos

Leia mais

Atuadores Pneumáticos Lineares

Atuadores Pneumáticos Lineares UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 02 Atuadores Pneumáticos Lineares EME-26/EME610 Aula 08 03-11-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Introdução Atuadores pneumáticos incluem cilindros

Leia mais

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA 1 SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA Neste item apresentaremos o resumo dos símbolos usuais empregados em diagramas pneumáticos e hidráulicos. A Tabela 1 apresenta alguns símbolos para os atuadores, conforme a norma

Leia mais

Automação Pneumática. DIDACTIC Automação Pneumática 1

Automação Pneumática. DIDACTIC Automação Pneumática 1 Automação Pneumática DIDACTIC Automação Pneumática 1 Comparação qualitativa: força, velocidade e precisão Mecânica Boa força Ótimas velocidades Ótima precisão Hidráulica Ótima força Baixas velocidades

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

ATUADORES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS

ATUADORES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS ATUADORES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS Em um sistema hidráulico ou pneumático, os atuadores são equipamentos capazes de converter energia hidráulica em energia mecânica que é utilizada para a movimentação

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Pneumática Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivos: Objetivo e Considerações O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

Opções disponíveis GX 2-5 AP GX 2-5 FF GX 7-11 AP GX 7-11 FF

Opções disponíveis GX 2-5 AP GX 2-5 FF GX 7-11 AP GX 7-11 FF Especificações técnicas GX 2-5 e GX 7-11 MODELO DO COMPRESSOR Pressão máxima de trabalho. Capacidade (FAD)* Potência do motor Nível de ruído db(a) ** Peso (kg)*** bar(g) psi l/s m 3 /min cfm kw cv db(a)

Leia mais

Atuadores e Sistemas Hidráulicos

Atuadores e Sistemas Hidráulicos 1 Atuadores e Sistemas Hidráulicos Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Aula 1 Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos Introdução 2 Hidráulica é o ramo da engenharia

Leia mais

Eletropneumática. Aula 01

Eletropneumática. Aula 01 Eletropneumática Aula 01 Pneumática é o ramo da engenharia que estuda a aplicação do ar comprimido para a tecnologia de acionamento e comando. Na verdade, o uso do ar comprimido como fonte de energia pelo

Leia mais

Compressores de anel líquido são compressores de deslocamento rotativo. Um eixo com lâminas radiais rígidas, as quais correm dentro da carcaça

Compressores de anel líquido são compressores de deslocamento rotativo. Um eixo com lâminas radiais rígidas, as quais correm dentro da carcaça Compressores de anel líquido são compressores de deslocamento rotativo. Um eixo com lâminas radiais rígidas, as quais correm dentro da carcaça excêntrica, faz o líquido de vedação girar. Um anel líquido

Leia mais

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04 Cálculos envolvendo tuadores Hidráulicos EME-26 ula 04 21-09-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior tuador hidráulico de dupla ação tuador hidráulico

Leia mais

Atlas Copco Compressores de Parafuso Rotativo Lubrificado GX 2-11 (2-11 kw/3-15 hp)

Atlas Copco Compressores de Parafuso Rotativo Lubrificado GX 2-11 (2-11 kw/3-15 hp) Atlas Copco Compressores de Parafuso Rotativo Lubrificado GX 2-11 (2-11 kw/3-15 hp) Nova série GX: compressores de parafuso compactos construídos para durar Os compressores de parafuso da Atlas Copco sempre

Leia mais

3. DISTRIBUIÇÃO DO AR COMPRIMIDO

3. DISTRIBUIÇÃO DO AR COMPRIMIDO 3. DISTRIBUIÇÃO DO AR COMPRIMIDO 3.1. Reservatório de ar comprimido FUNÇÃO: estabilizar a distribuição do ar comprimido, eliminar as oscilações de pressão na rede distribuidora e, quando há um momentâneo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS ARARAQUARA/SP BIBLIOGRAFIA

UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS ARARAQUARA/SP BIBLIOGRAFIA PNEUMÁTICA MARCOS DORIGÃO MANFRINATO UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS ARARAQUARA/SP 2009 BIBLIOGRAFIA 1. Ariveltro Bustamante Fialho. Automação Pneumática projetos, dimensionamento e análise de circuitos.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES: CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL 108/2016

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES

CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES 1 CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES 2 SMCT01 Automação Pneumática Carga horária: 16 Horas (2 dias) Este treinamento tem o objetivo de treinar o participante quanto ao correto entendimento, dimensionamento

Leia mais

Apresentação Técnica. Secadores por refrigeração a ar COOL. People. Footer Passion. Performance.

Apresentação Técnica. Secadores por refrigeração a ar COOL. People. Footer Passion. Performance. Apresentação Técnica Secadores por refrigeração a ar COOL People. Passion. Performance. 1. Agenda Visal geral da linha de produtos Aplicações Principais benefícios Características Técnicas Fluxograma Cuidamos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I Profa. Lívia Chaguri E-mail: lchaguri@usp.br Conteúdo Bombas Parte 1 - Introdução - Classificação - Bombas sanitárias - Condições

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE GOIÁS - CEFET/GO ELEMENTOS DE MÁQUINAS E COMANDOS INDUSTRIAIS ACIONAMENTOS PNEUMÁTICOS ELETROPNEUMÁTICOS

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE GOIÁS - CEFET/GO ELEMENTOS DE MÁQUINAS E COMANDOS INDUSTRIAIS ACIONAMENTOS PNEUMÁTICOS ELETROPNEUMÁTICOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE GOIÁS - CEFET/GO Disciplinas: ELEMENTOS DE MÁQUINAS E COMANDOS INDUSTRIAIS Tópicos: ACIONAMENTOS PNEUMÁTICOS E ELETROPNEUMÁTICOS Notas e Apontamentos de Aula Prof.

Leia mais

Laboratório de Hidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Hidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Hidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS VÁLVULAS Vimos que para os atuadores funcionarem é necessário que o ar comprimido chegue até eles. Ainda não explicamos como isso ocorre, porém não é difícil imaginar uma tubulação de aço, borracha ou

Leia mais

Circuitos Pneumáticos

Circuitos Pneumáticos www.iesa.com.br 1 Circuitos Pneumáticos Exemplos: 1) Comando de um cilindro de ação simples ) Comando de um cilindro de ação dupla 3) Comando indireto de um cilindro de ação simples 4) Comando indireto

Leia mais

Produção de ar comprimido. Tubulações e cuidados com a instalação. Professor: Eduardo Yuji Sakurada

Produção de ar comprimido. Tubulações e cuidados com a instalação. Professor: Eduardo Yuji Sakurada Produção de ar comprimido Tubulações e cuidados com a instalação Professor: Eduardo Yuji Sakurada TUBULAÇÃO DE AR COMPRIMIDO FUNÇÕES Comunicar a fonte produtora com os equipamentos consumidores. Funcionar

Leia mais

1 Introdução 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS HIDRÁULICA. Prof. Ezequiel de Souza Costa Júnior (CEFET-MG)

1 Introdução 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS HIDRÁULICA. Prof. Ezequiel de Souza Costa Júnior (CEFET-MG) HIDRÁULICA Prof. Ezequiel de Souza Costa Júnior (CEFET-MG) 1 Introdução 1.1 Histórico: Existem apenas três métodos conhecidos de transmissão de potência na esfera comercial: mecânica, elétrica e fluídica.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Válvulas de controle (funções, componentes, tipos e aplicações) Patrícia Lins de Paula 25/03/2012 154 VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar

Leia mais

MANIPULAÇÃO E EQUIPAMENTOS

MANIPULAÇÃO E EQUIPAMENTOS MANIPULAÇÃO E EQUIPAMENTOS 10 Garras angulares GW Tipo... Fluido... Curso (± 1 )... Temperatura... Modelos... Momento total (apertura)... Momento total (fechamento)... Tempo de fechamento... Freqüência

Leia mais

Compressores Parte 1. Na refrigeração são utilizados praticamente todos os tipos de compressores: Alternativos. Deslocamento positivo

Compressores Parte 1. Na refrigeração são utilizados praticamente todos os tipos de compressores: Alternativos. Deslocamento positivo Compressores Parte 1 Na refrigeração são utilizados praticamente todos os tipos de compressores: Deslocamento positivo Dinâmicos Alternativos Rotativos Centrífugos Parafuso Scroll Pistão Rolante Palhetas

Leia mais

Compressores a Pistão CPR_CD. People. Passion. Performance.

Compressores a Pistão CPR_CD. People. Passion. Performance. Compressores a Pistão CPR_CD 2012 People. Passion. Performance. Compressor a Pistão CPR_CD 2. Compressores a Pistão 3. Generalidades Válvula de segurança entre estágios Bomba Transmissão Motor elétrico

Leia mais

Apresentação Técnica. Dreno Automático de Condensados Linha LD. People. Footer Passion. Performance.

Apresentação Técnica. Dreno Automático de Condensados Linha LD. People. Footer Passion. Performance. Apresentação Técnica Dreno Automático de Condensados Linha LD People. Footer Passion. Performance. 1. Date Agenda Visal geral da linha de produtos Aplicações Principais benefícios Comparativos Características

Leia mais

MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão

MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão Principais Aplicações A bomba MC foi projetada basicamente para aplicações de energia, tais como alimentação de caldeira auxiliar, redução de óxidos de

Leia mais

Circuito de Refrigeração Mecânica

Circuito de Refrigeração Mecânica Pressão Circuito de Refrigeração Mecânica Sub-resfriado Condensação Superaquecido Líquido Válvula de expansão Condensador Mistura Saturada Trocador de Calor Compressor Evaporador Gás Entalpia Parte 1 Introdução

Leia mais

Secador e Filtros para Ar e Gases

Secador e Filtros para Ar e Gases Secador e Filtros para Ar e Gases Garantia de ar comprimido puro e seco, ampliação da capacidade produtiva e melhoria da qualidade do ar na linha de produção. Série H Internacional A Série H Internacional,

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA MODELO: EE0070 FINAME: 3251458 APRESENTAÇÃO Bancada didática construída em estrutura de perfil de alumínio 40x40mm, com 04 rodízios giratórios reforçados,

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

26/08/ Agosto/2012

26/08/ Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Refrigeração. 26/08/2012 2 Circuito Frigorifico O ciclo de refrigeração ou ciclo frigorífico é um ciclo termodinâmico que constitui o modelo matemático que define o funcionamento

Leia mais

Parker no Brasil. Folheto 1005 BR

Parker no Brasil. Folheto 1005 BR Parker no Brasil Folheto 1005 BR A Parker Hannifin A Parker é uma empresa líder mundial na fabricação de componentes destinados ao mercado de Movimento e Controle do Movimento, dedicada a oferecer excelência

Leia mais

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico Apresentação Características da hidráulica Evolução dos sistemas hidráulicos Sistema hidráulico Circuito hidráulico básico Unidade hidráulica Apresentação Com a constante evolução tecnológica há no mercado

Leia mais

Efetuadores e Atuadores

Efetuadores e Atuadores elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Efetuadores e Atuadores Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Efetuadores: Tipos principais; Exemplos. Atuadores: Requisitos; Tipos principais:

Leia mais

2. ACIONAMENTO E CIRCUITOS PNEUMÁTICOS

2. ACIONAMENTO E CIRCUITOS PNEUMÁTICOS . ACIONAMENTO E CIRCUITOS PNEUMÁTICOS O termo Pneumático deriva do radical grego Pneumos ou Pneuma (vento ou sopro), e define o ramo da física que estuda a dinâmica e os fenômenos relacionados aos gases

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica S Introdução à automação e robótica Estudo de ambientes robotizados. Modelagem de cadeias cinemáticas abertas Cinemática e dinâmica. Planejamento de trajetórias. Automação e Robótica - EEK557 Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR Prof. FERNANDO BÓÇON, Dr.Eng. Curitiba, setembro de 2015 IV - TURBINAS A VAPOR 1. GENERALIDADES 1.1

Leia mais

AUTOMAÇÃO XH117 BANCO DE ENSAIOS PARA PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA. Soluções EXSTO em Educação Tecnológica

AUTOMAÇÃO XH117 BANCO DE ENSAIOS PARA PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA. Soluções EXSTO em Educação Tecnológica AUTOMAÇÃO XH117 BANCO DE ENSAIOS PARA PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA Soluções EXSTO em Educação Tecnológica ÍNDICE EXSTO TECNOLOGIA 3 CARACTERÍSTICAS 4 MATERIAL DIDÁTICO 5 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 6 COMPOSIÇÃO

Leia mais

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 300Q. People. Footer Passion. Performance.

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 300Q. People. Footer Passion. Performance. Apresentação Técnica Compressores Portáteis 300Q People. Footer Passion. Performance. 1. Date 300Q Índice O Produto Características Técnicas; Layout Detalhes do Produto; Desenho Dimensional; Fluxograma;

Leia mais

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP VRP9-01 pressão de trab. 07bar WWW.ARFUSION.COM.BR Resfriador de painel VORTEX Os Resfriadores com Ar Comprimido - Vortex são destinados à aplicações especiais

Leia mais

Engenharia do silo Putzmeister

Engenharia do silo Putzmeister Engenharia do silo Putzmeister Para lamas altamente desidratadas e viscosas Industrial Technology Mining Energy Environment Oil & Gas Tecnologia do silo Os silos Putzmeister foram desenvolvidos especialmente

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano. Prof. Jorge Nhambiu

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano. Prof. Jorge Nhambiu Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 3 Componentes do Motor Cabeça; Bloco; Cárter; Válvulas; Árvore de Cames; Cambota; Pistão; Biela. 2 Constituição dos Motores O motor de combustão interna é um conjunto

Leia mais

PNEUMÁTICA SENAI CETEMP

PNEUMÁTICA SENAI CETEMP PNEUMÁTICA SENAI CETEMP PNEUMÁTICA É um sistema que torna possível a utilização do ar para geração de energia mecânica. Exemplos Exemplos Comparação Energia Hidráulica Elétrica Pneumática Transmissão

Leia mais

Válvula com comando por botão. Válvula com comando tipo «cogumelo»

Válvula com comando por botão. Válvula com comando tipo «cogumelo» Válvulas 3/ para painel Série MT - M5 Tipo... Montagem... Temperatura ambiente.. Temperatura do fluido Fluido... Pressão de trabalho... Vazão nominal... s... Materiais... Válvula 3/ para painel, atuação

Leia mais

Comandos Pneumáticos e Hidráulicos

Comandos Pneumáticos e Hidráulicos Comandos Pneumáticos e Hidráulicos Noções Básicas de Hidráulica Hidráulica: utiliza um líquido confinado (óleo/água) para transmitir movimento multiplicando forças. Para ganhar em força, perde-se em deslocamento.

Leia mais

ATUADOR CILÍNDRICO PNEUMÁTICO. smar

ATUADOR CILÍNDRICO PNEUMÁTICO. smar ATUADOR CILÍNDRICO PNEUMÁTICO smar DESCRIÇÃO O Atuador Cilíndrico Pneumático ACP301 alia a força de cilindros pneumáticos às potencialidades do posicionador inteligente microprocessado FY301, permitindo

Leia mais

Automação Pneumática

Automação Pneumática Automação Pneumática Prof. Carlos Alberto G. Pegollo Engenharias Elétrica, Mecânica, de Produção e da Computação 1. Origem do Termo A palavra pneumática deriva do termo grego πνευµατικός (pneumatikos =

Leia mais

Rede de Ar Comprimido

Rede de Ar Comprimido Objetivo: O objetivo de uma rede de ar comprimido é fornecer à fonte consumidora de ar comprimido: Pressão; Vazão; Qualidade. Isto é: Conduzir o ar comprimido desde o reservatório, instalado após a unidade

Leia mais

Apostila de Pneumática

Apostila de Pneumática Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos PMR 2480 - SISTEMAS FLUIDOMECÂNICOS Apostila de Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva : São Paulo, 2002 Índice 1.

Leia mais

RECALQUE. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

RECALQUE. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes   Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ INSTALAÇÕES DE RECALQUE Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ MÁQUINA DESIGNAÇÃO GENÉRICA DADA A TODO TRANSFORMADOR DE ENERGIA. ELA ABSORVE

Leia mais

Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque

Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque Introdução São motores de baixa rotação e altíssimo torque e que podem ser aplicados em várias áreas que exigem estas características. Podem

Leia mais

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo 1 Refrigeração II Aplicações e Certificação Equipamentos, Sistemas e Instalações Capítulo VIII LEGENDA: 1 Fluido frigorigéneo 2 Capilar 3 Compressor hermético 4 Evaporador estático 5 Temperatura de condensação

Leia mais

Análise de Modos de Falha e Efeitos

Análise de Modos de Falha e Efeitos Análise de Modos de Falha e Efeitos Patriota de Siqueira 3 Sistema de Resfriamento. Arrefecimento Falta ventilação Ventilador Aquecimento do motor Resfriar a água do sistema entre forçada quebrado Ventilador

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 22 Sistema de Lubrificação Centrífuga de Alta Performance para os Compressores Frigoríficos 09/05 No passado, os compressores frigoríficos com eixos horizontais eram normalmente projetados

Leia mais

COMPRESSORES DE PARAFUSO ROTATIVOS

COMPRESSORES DE PARAFUSO ROTATIVOS PT 03 COMPRESSORES DE PARAFUSO ROTATIVOS VELOCIDADE FIXA VELOCIDADE VARIÁVEL (RS) L-AIRSTATION L07 L 22 L07RS L 22RS INTELLIGENT AIR TECHNOLOGY DESIGN AVANÇADO TECNOLOGIA FIXA E DE VELOCIDADE VARIÁVEL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO-CECAU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO-CECAU UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO-CECAU ELEMENTOS DE PNEUMÁTICA E AUTOMAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE ATUADORES:

Leia mais

VOCÊ ESCOLHE O MODELO. NÓS GARANTIMOS A QUALIDADE.

VOCÊ ESCOLHE O MODELO. NÓS GARANTIMOS A QUALIDADE. 118 Redutores de pressão e válvulas de enchimento automático REDUTORES DE PRESSÃO E VÁLVULAS DE ENCHIMENTO AUTOMÁTICO R153P MODELO DE PISTÃO R153M MODELO DE MEMRANA R153C MODELO COMPACTO DE PISTÃO VOCÊ

Leia mais

Série 700. estidas ANSI Classes 150 e 300 DIN PN 10 a PN 40

Série 700. estidas ANSI Classes 150 e 300 DIN PN 10 a PN 40 Série 7 1 Válvulas Macho Revestidas estidas ANSI Classes e DIN PN 1 a PN 4 As válvulas macho da série 7 foram projetadas para necessidades específicas de válvulas industriais onde se requer estanqueidade

Leia mais

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 ELETROPNEUMÁTICA ELETROPNEUMÁTICA 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 4 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner

Leia mais

01 PLP R00 BOMBA DE PALHETAS DE DESLOCAMENTO VARIÁVEL 1/9 2 - SIMBOLOGIA HIDRÁULICA 1 - PRINCÍPIO OPERACIONAL

01 PLP R00 BOMBA DE PALHETAS DE DESLOCAMENTO VARIÁVEL 1/9 2 - SIMBOLOGIA HIDRÁULICA 1 - PRINCÍPIO OPERACIONAL 01 PLP BOMBA DE PALHETAS DE DESLOCAMENTO VARIÁVEL 1 - PRINCÍPIO OPERACIONAL 2 - SIMBOLOGIA HIDRÁULICA - Como resultado de atividades de pesquisa constantes realizadas com o objetivo de introduzir novos

Leia mais

4. Temperatura ambiente de trabalho: -40Cº até +60Cº. 5. Meio de pressão: óleo hidráulico à base de óleo mineral

4. Temperatura ambiente de trabalho: -40Cº até +60Cº. 5. Meio de pressão: óleo hidráulico à base de óleo mineral Série V Z50 Comando hidráulico monobloco elétrico - Vazão nominal: 50 l/min - Pressão máxima: 250 bar - De 1 até 6 secções - Acionamento elétrico: 12V ou 24V Especificações 1. Comando hidráulico monobloco

Leia mais

CHAVE DE IMPACTO EM L

CHAVE DE IMPACTO EM L *Imagens meramente ilustrativas CHAVE DE IMPACTO EM L Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS CHAVE DE IMPACTO EM L Modelo V8 Chave de impacto em L Rotação a vazio 160 RPM Consumo médio

Leia mais

Hidráulica e Eletrohidráulica

Hidráulica e Eletrohidráulica Hidráulica e Eletrohidráulica Professor: Leonardo Leódido Elementos de Máquinas Sumário Mangueiras e Conexões Válvula de Controle de Pressão Mangueiras e Conexões Tipos: Mangueiras e Conexões Tipos: Tubo

Leia mais

Manual de Instruções do Atuador Elétrico Linha SD

Manual de Instruções do Atuador Elétrico Linha SD Manual de Instruções do Atuador Elétrico Linha SD TMS-300-SD 1 ÍNDICE 1. LISTA DE COMPONENTES 2. MONTAGEM 3. CONEXÕES ELÉTRICAS 4. AJUSTE DE ATUADORES ¼ VOLTA E REDUTORES COM FIM DE CURSO MECÂNICO 5. AJUSTE

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2016-2017 PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MECATRÓNICA AUTOMÓVEL DISCIPLINA: TECNOLOGIAS E

Leia mais

Válvula Globo de Assento Angular, Metálica

Válvula Globo de Assento Angular, Metálica Válvula Globo de Assento Angular, Metálica Construção A válvula GEMÜ de / vias, acionada pneumaticamente, possui um atuador pneumático de pistão em termoplástico. Dependendo do tamanho e do modelo, a vedação

Leia mais

Cilindros Extra Grande

Cilindros Extra Grande Cilindros Extra Grande Construídos com guarnições de Buna-N ou Viton, êmbolo com construção projetada para facilitar a manutenção das guarnições. Fornecidos nos diâmetros de 10" e 12". Pressão máxima de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá APOSTILA DE COMANDOS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS CURSOS : 3ª A - MECÂNICA 3ª B

Leia mais

HIDRÁULICA 2/7/2007 1

HIDRÁULICA 2/7/2007 1 HIDRÁULICA 1 Introdução Vem se destacando e ganhando espaço como um meio de transmissão de energia nos mais variados segmentos do mercado. Áreas de automatização foram possíveis com a introdução da hidráulica

Leia mais

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 400Q. People. Footer Passion. Performance.

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 400Q. People. Footer Passion. Performance. Apresentação Técnica Compressores Portáteis 400Q People. Footer Passion. Performance. 1. Date 400Q Índice O Produto Características Técnicas; Layout Detalhes do Produto; Desenho Dimensional; Fluxograma;

Leia mais

VÁLVULAS HIDRÁULICAS E PNEUMÁTICAS. 1 Introdução. 2 Válvulas de controle direcional

VÁLVULAS HIDRÁULICAS E PNEUMÁTICAS. 1 Introdução. 2 Válvulas de controle direcional VÁLVULAS HIDRÁULICAS E PNEUMÁTICAS 1 Introdução Os cilindros pneumáticos, componentes para máquinas de produção, para desenvolverem suas ações produtivas, devem ser alimentados ou descarregados convenientemente,

Leia mais

Compressores de Parafusos Rotativos Isentos de Óleo Séries DSG-2/DSG-2 SFC & FSG-2/FSG-2 SFC

Compressores de Parafusos Rotativos Isentos de Óleo Séries DSG-2/DSG-2 SFC & FSG-2/FSG-2 SFC www.kaeser.com Compressores de Parafusos Rotativos Isentos de Óleo Séries DSG-2/DSG-2 & FSG-2/FSG-2 Vazões de 13,5 a 50 m 3 /min, Pressões de 3 a 11 bar,,8 a 51,8 m³/min O que você pode esperar de um compressor

Leia mais

Tecnologia aliada à força. LANÇAMENTOS 2015/16

Tecnologia aliada à força. LANÇAMENTOS 2015/16 LANÇAMENTOS 2015/16 VÁLVULAS DIRECIONAIS 2 posições e 3 vias - NF Configuração 2 posições e 3 vias - NF Ar comprimido Roscas dos Pórticos G 1/8" Faixa de 0 a 10 bar Faixa de Temperatura de Trabalho -5

Leia mais

Tecnologia Pneumática Industrial

Tecnologia Pneumática Industrial Tecnologia Pneumática Industrial Tecnologia Pneumática Industrial Transparência M00 Março 00 Índice Propriedades Físicas do Ar...3 Peso e Existência do Ar.4 Pressão Atmosférica.. 5 Lei Geral dos Gases,

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte III 14/02/2015 1 Atuadores 14/02/2015 2 Atuador Pneumático Os atuadores pneumáticos, assim como os atuadores hidráulicos, são componentes que

Leia mais

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008 Bombas Hidráulicas Nelson R. Amanthea Jun2008 Objetivos Introdução Máquinas Hidráulicas Bombas Hidráulicas Recalque Sistemas de Bombeamento Denominação o Deslocamento Direto o Cinéticas Bombas Centrífugas

Leia mais

Tecnologia Pneumática Industrial. Apresentação M BR

Tecnologia Pneumática Industrial. Apresentação M BR Tecnologia Pneumática Industrial Apresentação M1001-3 BR Índice Princípios físicos do ar.. 3 Compressibilidade e elasticidade.... 4 Peso do ar e ar quente.. 5 Pressão atmosférica.. 6 Efeito combinado e

Leia mais

Convecção natural. É o termo usado quando o movimento do fluido se dá devido às diferenças de densidade em um campo gravitacional.

Convecção natural. É o termo usado quando o movimento do fluido se dá devido às diferenças de densidade em um campo gravitacional. CAPÍTULO 6 - SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO INTRODUÇÃO O Sistema de Refrigeração tem por objetivo impedir que os elementos mecânicos do motor atinjam uma temperatura muito elevada ao contato com os gases da combustão.

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 13 PREFÁCIO... 15 1 INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES GERAIS... 19 1.1 Aplicações da Simulação Dinâmica... 20 1.2 Tipos de Modelos para Sistemas Dinâmicos... 21 1.3 Modelos Matemáticos...

Leia mais

Aula 02 - Etapas da Produção e Preparação do Ar Comprimido

Aula 02 - Etapas da Produção e Preparação do Ar Comprimido Aula 02 - Etapas da Produção e Preparação do Ar Comprimido 1. PRODUÇÃO DO AR COMPRIMIDO 1.1 - Compressores alternativos de pistão 1.2 - Compressores de parafusos 2. PREPARAÇÃO DO AR COMPRIMIDO 2.1 - UMIDADE

Leia mais

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULA PILOTO 3 E 5 VIAS VÁLVULA SOLENÓIDE 3 E 5 VIAS VÁLVULA 5 VIAS CENTRO FECHADO VÁLVULA NAMUR...

VÁLVULAS VÁLVULA PILOTO 3 E 5 VIAS VÁLVULA SOLENÓIDE 3 E 5 VIAS VÁLVULA 5 VIAS CENTRO FECHADO VÁLVULA NAMUR... VÁLVULAS VÁLVULA PILOTO 3 E 5 VIAS......................................... 02-06 VÁLVULA SOLENÓIDE 3 E 5 VIAS..................................... 07-11 VÁLVULA 5 VIAS CENTRO FECHADO.................................

Leia mais

AULA 4. Gustavo Franchetto Pereira. 29 de agosto de 2012

AULA 4. Gustavo Franchetto Pereira. 29 de agosto de 2012 AULA 4 Gustavo Franchetto Pereira 29 de agosto de 2012 0 Ementa 11) Noções de especificação; 12) Instalação; 13) Operação e controle; 14) Manutenção; 15) Fotos e vídeos; 16) Referências. 1 12) Instalação

Leia mais

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO BOMBAS Bombas Para deslocar um fluido ou mantê-lo em escoamento é necessário adicionarmos energia, o equipamento capaz de fornecer essa energia ao escoamento do fluido é denominamos de Bomba. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Código: ET 700.018 Data: 05/08/2011 MOTOR 3LD1500 LINTEC PRODUTO: MOTOR APROVADO: Adelair Colombo ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MODELO: MOTOR 3LD1500 ELABORADO:

Leia mais

Máquinas Térmicas: Turbinas a Vapor

Máquinas Térmicas: Turbinas a Vapor Máquinas Térmicas: Entre os chamados prime-movers (motores), a turbina a vapor é um dos equipamentos mais versáteis, sendo amplamente utilizado em termelétricas, propulsão marítima e indústrias de processos

Leia mais

AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS. APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo

AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS. APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo Aplicação 1: aperto em máquinaferramenta Queremos apertar

Leia mais

UTILIZAR SEMPRE LUBRIFICADOR DE LINHA;

UTILIZAR SEMPRE LUBRIFICADOR DE LINHA; 1 de 10 1. AFIADORA MEGAMASTER A1P Características Principais: Consumo de ar comprimido: Rotação: Peso (sem mangueiras): Pressão de água: 40 pcm a 120 psi 20.000 rpm 1,00 Kg Mín. 1 bar / Máx. 4 bar Bitola

Leia mais

Modelo: MULTIGRAMP Grampo: PCN; PCS; 80/PCW; PINO 11; BL. MANUAL DO USUARIO E MECÂNICO. GRAMPEADOR MULTIGRAMP M1, M2, M3, FP8, BL.

Modelo: MULTIGRAMP Grampo: PCN; PCS; 80/PCW; PINO 11; BL. MANUAL DO USUARIO E MECÂNICO. GRAMPEADOR MULTIGRAMP M1, M2, M3, FP8, BL. Modelo: MULTIGRAMP Grampo: PCN; PCS; 80/PCW; PINO 11; BL. Máquinas e Equipamentos para a Indústria de Móveis e Calçados MANUAL DO USUARIO E MECÂNICO. GRAMPEADOR MULTIGRAMP M1, M, M3, FP8, BL. M1 PARA GRAMPO

Leia mais