FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes UNIDADE I BALANÇO DE PAGAMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes UNIDADE I BALANÇO DE PAGAMENTOS"

Transcrição

1 FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes UNIDADE I BALANÇO DE PAGAMENTOS

2 CONCEITOS BÁSICOS E PROBLEMAS DE MENSURAÇÃO Balanço de pagamentos é um registro contábil das transações de um país com o resto do mundo. BP de um país é um registro sistemático das transações econômicas entre residentes nacionais e residentes do resto do mundo num determinado período de tempo. registra a inumerável quantidade de transações que ocorrem entre indivíduos, empresas e governos de todo o mundo. todos os agentes: empresas, famílias e governo

3 TRANSAÇÃO ECONÔMICA INTERNACIONAL Uma transação econômica internacional é uma troca de valores, envolvendo a transferência de propriedade de bens, serviços, títulos, ações, dinheiro e outros ativos, de residentes de um país para residentes de outro. O BP deve cobrir todas as transações econômicas com estrangeiros e não apenas aquelas que se realizam através do mercado de câmbio. Algumas transações contabilizadas no BP podem não envolver o uso, nem implicar um fluxo, de moeda estrangeira.

4 RESIDÊNCIA Residência: em princípio associada ao local em que indivíduos, empresas e instituições realizam as suas transações (centro econômico de interesse). Exemplos de residentes: Empresas multinacionais e suas subsidiárias. Turistas, funcionários diplomáticos e pessoal militar em serviço no exterior, imigrantes temporários, estudantes ou indivíduos em tratamento médico em hospitais no exterior.

5 CLASSIFICAÇÃO Classificação pelo agente responsável pela transação (indivíduos, empresas, bancos, governo, etc.) ou pela natureza da transação (correntes ou de capital ou financeiras). Classificação por transações autônomas e transações compensatórias. Transações autônomas: exportações e importações, as transferências unilaterais e os investimentos diretos e de portfolio. Transações compensatórias: venda de reservas de moeda estrangeira pelos bancos centrais, operações de empréstimo junto a entidades internacionais ou a governos estrangeiros.

6 A NOVA ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS Em 1993 houve uma alteração no Manual de Balanço de Pagamentos do Fundo Monetário Internacional FMI com a publicação da 5ª edição. Neste documento, visando modernizar e padronizar o Balanço de Pagamentos de todos os países, várias mudanças foram propostas. A partir de 2001 o Banco Central passa a apresentar o BP do Brasil segundo os critérios da 5ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI.

7 ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Balança comercial (FOB) 1.1 Exportações 1.2 Importações 2. Serviços 3. Rendas 4. Transferências unilaterais correntes 5. (= ) Transações correntes 6. Conta capital e financeira 6.1 Conta capital 6.2 Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 7. Erros e omissões 8. (= ) Resultado do balanço 9. Variação das reservas (= - 8)

8 CONTA CORRENTE E CONTA DE CAPITAL E FINANCEIRA Conta Corrente: exibe todos os fluxos de receitas e despesas que afetam diretamente a renda nacional presente. Mercadorias (Balança Comercial) Serviços (Balança de Serviços) Rendimentos de trabalho e investimentos (Rendas) Doações (Transferências unilaterais correntes) Conta de Capital e Financeira: registra os fluxos de todos os ativos internacionais que irão afetar a renda nacional futura.

9 CONTA CORRENTE E CONTA DE CAPITAL E FINANCEIRA A Conta Corrente subdivide-se em: balança comercial (BC) balança de serviços (BS) balanço de rendas (R) transferências unilaterais correntes (TU) Balanço de Transações Correntes: é o somatório dessas quatro subcontas. TC = BC + BS + R + TU

10 A BALANÇA COMERCIAL (BC) Balança Comercial: registra o intercâmbio de bens tangíveis, que são as exportações e importações de mercadorias. Seu saldo é dado pela diferença entre exportações (X) e importações (M): BC = X - M Há duas maneiras de contabilizar exportações e importações: FOB (free on board), que representa o valor de embarque da mercadoria, e CIF (cost, insurance and freight), que inclui, além do custo da mercadoria, os fretes e seguros relacionados ao transporte. Na balança comercial, tanto as exportações quanto as importações são registradas pelo valor FOB.

11 O BALANÇO DE SERVIÇOS Agrega transações com intangíveis de modo geral Viagens internacionais. Transportes. Seguros. Financeiros. Serviços de computação. Royalties e licenças. Aluguel de equipamentos. Serviços governamentais. Outros Serviços. ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Balança comercial (FOB) 1.1 Exportações 1.2 Importações 2. Serviços 3. Rendas 4. Transferências unilaterais correntes 5. (= ) Transações correntes 6. Conta capital e financeira 6.1 Conta capital 6.2 Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 7. Erros e omissões 8. Resultado do balanço 9. Variação das reservas (= - 8)

12 O BALANÇO DE RENDAS ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS O Balanço de Rendas, registra as remessas de renda de capitais estrangeiros e as receitas auferidas pelos capitais nacionais no exterior além das rendas de trabalho. Conta de Rendas compreende duas subcontas: Rendas de trabalho Renda de Investimentos 1. Balança comercial (FOB) 1.1 Exportações 1.2 Importações 2. Serviços 3. Rendas 4. Transferências unilaterais correntes 5. (= ) Transações correntes 6. Conta capital e financeira 6.1 Conta capital 6.2 Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 7. Erros e omissões 8. Resultado do balanço 9. Variação das reservas (= - 8)

13 BALANÇO DE RENDAS: RENDA DE INVESTIMENTOS Conta Renda de Investimentos corresponde à remuneração das diversas modalidades de investimentos que estão detalhadas na Conta Financeira (da Conta Capital e Financeira). Esta conta se desdobra em três subcontas: Renda de Investimentos Diretos, Renda de Investimentos em Carteira (ou portfolio) Renda de Outros Investimentos. As rendas de investimento correspondem a: lucros, juros e dividendos que remuneram os investimentos diretos, os empréstimos, as compras de títulos e ações registrados na Conta Capital e Financeira.

14 RENDA DE INVESTIMENTOS DIRETOS Subconta Renda de Investimentos Diretos registra: os lucros e dividendos relativos a participações no capital de empresas e os juros correspondentes aos empréstimos intercompanhias nas modalidades de empréstimos diretos e títulos de qualquer prazo. OBSERVAÇÃO: ganhos de capital que, pela sistemática antiga eram incluídos como renda, agora são reclassificados como investimento direto, passando a fazer parte da Conta Financeira.

15 RENDA DE INVESTIMENTOS EM CARTEIRA Subconta Renda de Investimentos em Carteira registra: lucros, dividendos e bonificações relativos às aplicações em ações; e juros correspondentes a aplicações em títulos de emissão doméstica (títulos da dívida interna pública, debêntures e outros títulos privados) e de emissão no exterior (como Bônus, Notes e Commercial Papers).

16 RENDA DE OUTROS INVESTIMENTOS Subconta Renda de Outros Investimentos abrange: os juros de créditos comerciais (de fornecedores - ou supplier credits - de empréstimos de agências governamentais, de organismos internacionais e de bancos privados); e os juros de depósitos e outros ativos e passivos. Nesta categoria incluem-se os juros de financiamento à importação e os juros sobre pagamento antecipado de exportações.

17 O BALANÇO DE TRANSFERÊNCIAS UNILATERAIS CORRENTES Representam pagamentos ou recebimentos, tanto em moeda quanto em bens, sem contrapartida. Transferências unilaterais em correntes - aquelas destinadas exclusivamente ao consumo corrente. Nas Transferências Unilaterais Correntes destacamse: recursos destinados a reparações de guerra, transferências de legados e heranças, donativos privados, doações, pagamentos de pensões a cidadãos nacionais residindo no exterior, e remessas enviadas por imigrantes que trabalham no exterior.

18 O BALANÇO DE CAPITAL E FINANCEIRO Duas novas contas: Conta Capital e Conta Financeira (CCF). Conta Capital Registra as transferências unilaterais de capital relacionadas com patrimônio de migrantes e a aquisição/alienação de bens não financeiros não produzidos, tais como cessão de direitos autorais e patentes. Conta Financeira - registra os fluxos decorrentes de transações internacionais com ativos e passivos financeiros entre residentes e não residentes. Abrange quatro grupos de fluxos: 1. Investimento Direto. 2. Investimento em Carteira. 3. Derivativos financeiros. 4. Outros Investimentos.

19 ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Balança comercial (FOB) 1.1 Exportações 1.2 Importações 2. Serviços 3. Rendas 4. Transferências unilaterais correntes 5. (= ) Transações correntes 6. Conta capital e financeira 6.1 Conta capital 6.2 Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 7. Erros e omissões 8. (= ) Resultado do balanço 9. Variação das reservas (= - 8)

20 CONTA FINANCEIRA: INVESTIMENTOS DIRETOS Investimentos Diretos compreendem ativos e passivos detidos por nacionais (ativos) e estrangeiros (passivos). participação no capital de empresas: incluem as aquisições totais ou parciais do capital social de empresas, os ganhos de capital relativos à alienação de bens, as conversões de obrigações e os recursos utilizados em privatizações de empresas estatais. empréstimos intercompanhias: compreendem os empréstimos diretos concedidos pelas matrizes a suas afiliadas ou mediante a colocação de títulos (sem distinção de prazo) e as amortizações de tais empréstimos.

21 CONTA FINANCEIRA: INVESTIMENTOS EM CARTEIRA Investimentos em Carteira: registram os fluxos de ativos e passivos constituídos pela emissão de títulos de crédito (ações e títulos de renda fixa), negociados em mercados secundários de papéis. Os componentes principais de investimentos em carteira são: títulos de participação no capital e títulos de dívida. Os títulos de dívida incluem bônus, notes e commercial papers.

22 CONTA FINANCEIRA: DERIVATIVOS FINANCEIROS Derivativos Financeiros: compreende os fluxos relativos à liquidação de haveres e obrigações decorrentes de operações de swaps, opções e futuros e os fluxos relativos a prêmios de opções. Essas operações eram antes alocadas na conta de "serviços" ou na conta de capitais de curto prazo.

23 CONTA FINANCEIRA: OUTROS INVESTIMENTOS Outros Investimentos: compreendem uma diversidade de outros instrumentos financeiros: empréstimos de curto e longo prazos, algumas modalidades de créditos comerciais, moeda em circulação e depósitos em moeda, o uso do crédito do FMI, os desembolsos desta instituição e as amortizações a ela pagas, outros empréstimos com objetivos de regularização de organizações internacionais e governamentais, subscrições de capital de organizações não-monetárias e diversas contas a receber e a pagar.

24 Erros e Omissões (EO) Em função de imperfeições na forma de registro das informações, nem sempre se consegue a necessária equivalência entre o total de créditos e o total de débitos do balanço de pagamentos. O lançamento ERROS E OMISSÕES é calculado para tornar nula a soma de débitos e créditos do balanço de pagamentos. ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Balança comercial (FOB) 1.1 Exportações 1.2 Importações 2. Serviços 3. Rendas 4. Transferências unilaterais correntes 5. (= ) Transações correntes 6. Conta capital e financeira 6.1 Conta capital 6.2 Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 7. Erros e omissões 8. Resultado do balanço 9. Variação das reservas (= - 8)

25 IDENTIDADES DO BALANÇO DE PAGAMENTOS Do ponto de vista contábil, A conta de transações correntes (TC) representa o somatório da balança comercial, da balança de serviços, do balanço de rendas e de transferências unilaterais correntes: 1. TC = BC + BS + R + TU

26 O RESULTADO DO BALANÇO PAGAMENTOS 2. BP = TC + CCF + EO A conta capital e financeira registra os investimentos, empréstimos, financiamentos e demais fluxos de capitais financeiros entre países. Somando o SALDO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS EM TRANSAÇÕES CORRENTES a CONTA CAPITAL E FINANCEIRA e considerando eventuais ERROS E OMISSÕES, chega-se ao SALDO TOTAL DO BALANÇO DE PAGAMENTOS ou RESULTADO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS. ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Balança comercial (FOB) 1.1 Exportações 1.2 Importações 2. Serviços 3. Rendas 4. Transferências unilaterais correntes 5. (= ) Transações correntes 6. Conta capital e financeira 6.1 Conta capital 6.2 Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 7. Erros e omissões 8. (= ) Resultado do balanço 9. Variação das reservas (= - 8)

27 Resultado do BP e Variação de Reservas A conta variação das reservas demonstra o resultado do BP, ou seja, mostra seu impacto sobre o nível de reservas, mas com o sinal trocado. O saldo total do balanço de pagamentos deve ser idêntico ao saldo da conta de Haveres da Autoridade Monetária (variação de reservas internacionais) com sinal trocado: BP = - HAM 3. HAM = - BP ou BP + HAM = 0

28 Discriminação Balança comercial (FOB) Serviços Rendas Transferências unilaterais correntes Transações correntes Conta capital e financeira Conta capital 1/ Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 2/ Erros e omissões Resultado do balanço Variação das reservas

29 Resultado do BP e Variação de Reservas um saldo negativo no balanço de pagamentos significa que, no período em questão, o país teve de utilizar parte de suas reservas para saldá-lo. Registra-se com sinal positivo o saldo da variação das reservas ou Haveres da Autoridade Monetária, o que significa um redução das reservas. BP = -10 => HAM = 10 (diminuição de reservas) um saldo positivo no balanço de pagamentos indica um aumento das reservas que se registra com sinal negativo na conta de Haveres da Autoridade Monetária. BP = 10 => HAM = -10 (aumento de reservas) Ou seja, um BP positivo implica em um HAM negativo

30 O PRINCÍPIO DAS PARTIDAS DOBRADAS Os registros de um BP são realizados com base no princípio contábil das partidas dobradas (a cada crédito corresponde um débito, e a cada lançamento a débito em uma conta ocorre um de crédito em outra). Portanto, do ponto de vista contábil, o total do BP é sempre zero ou o BP está sempre equilibrado (Resultado do BP + Haveres da A.M. = 0).

31 O PRINCÍPIO DAS PARTIDAS DOBRADAS Contas operacionais: correspondem às transações geradoras de pagamentos e recebimentos (Conta Corrente, Conta Capital e Financeira). As receitas de mercadorias, serviços, rendas e transferências; redução de ativos e aumento de passivos externos (entrada de capitais) constituem crédito. As despesas com mercadorias, serviços, rendas e transferências; aumento de ativos e redução de passivos externos (saída de capitais) constituem débito.

32 O PRINCÍPIO DAS PARTIDAS DOBRADAS Contas de caixa (Haveres da Autoridade Monetária): registram o movimento dos meios de pagamentos internacionais à disposição do país. Aumento reservas internacionais registrase com sinal negativo: Uma exportação (+) gera aumento de ativos externos (reservas, por exemplo) e, consequentemente para zerar o BP, o aumento de ativos externos (aumento de reservas internacionais) deve ter sinal negativo (-)

33 O PRINCÍPIO DAS PARTIDAS DOBRADAS Redução de reservas internacionais registra-se com sinal positivo: Uma importação (-) gera diminuição de ativos externos (reservas, por exemplo) e, consequentemente para zerar o BP, a redução de ativos externos (redução de reservas internacionais) deve ter sinal positivo (+)

34 A Contabilidade do Balanço de Pagamentos Exemplos dos lançamentos no balanço de pagamentos: Balança Comercial Exportações(à vista): crédito Haveres: débito Importações (à vista): débito Haveres: crédito Balança de Serviços Operação dá origem a entrada de recursos: crédito Haveres: débito Operação dá origem a saída de recursos: débito Haveres: crédito Balança de Rendas Operação dá origem a entrada de recursos: crédito Haveres: débito Operação dá origem a saída de recursos: débito Haveres: crédito

35 A Contabilidade do Balanço de Pagamentos Transferências Unilaterais (em divisas) Operação dá origem a entrada de recursos: crédito Haveres: débito Operação dá origem a saída de recursos: débito Haveres: crédito Conta capital e financeira Operação dá origem a entrada de recursos: crédito Haveres: débito Operação dá origem a saída de recursos: débito Haveres: crédito Haveres da Autoridade Monetária (Variação de Reservas) Redução das reservas: crédito Acréscimo das reservas: débito

36 Transações sem movimentação de divisas Quando a movimentação de divisas não existe, a contrapartida não ocorre na conta Haveres. Na operação lucros reinvestidos, o lançamento é feito a débito na conta rendas de capital. Contudo, como tal operação não gerou saída de divisas, a conta a ser creditada não pode ser a conta variação de reservas. A conta que então é creditada é a conta reinvestimentos, na conta financeira. Quando ocorrem doações recebidas em mercadorias, o lançamento é feito a crédito na conta Transferências unilaterais. Contudo, como tal operação não gerou entrada de divisas, a conta a ser debitada não pode ser a conta variação de reservas. A conta que então é debitada é a conta importações.

37 Transações sem movimentação de divisas Lucros reinvestidos Débito: rendas Crédito: reinvestimento Doações recebidas em mercadorias crédito: TU débito: importação Doações enviadas em mercadorias débito: TU crédito: exportação

38 Transações sem movimentação de divisas Importações financiadas Débito: importações Crédito: outros investimentos Exportações financiadas crédito: exportações débito: outros investimentos Juros refinanciados débito: rendas crédito: outros investimentos

39 Transações sem movimentação de divisas Amortizações refinanciadas Débito: outros investimentos Crédito: outros investimentos

40 Os Usos e Fontes de recursos do BP constituem forma alternativa de apresentar as contas externas, incluindo todos os itens do BP reorganizados, de forma a ilustrar como os recursos são supridos (Fontes) para atender às demandas de transações correntes e amortizações de empréstimos externos (Usos). USOS E FONTES

41 O balanço de pagamentos de acordo com o BPM5 tem a mesma cobertura da versão anterior, contemplando os mesmos lançamentos a débito e crédito. As diferenças residem, exclusivamente, nos critérios de classificação das transações e na nomenclatura das contas. As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são: MANUAL BP5 X MANUAL BP4 a) introdução, na conta corrente, de clara distinção entre bens, serviços, renda e transferências correntes, com ênfase no maior detalhamento na classificação dos serviços;

42 MANUAL BP5 X MANUAL BP4 b) introdução da conta capital, que registra as transações relativas às transferências unilaterais de patrimônio de migrantes e a aquisição/alienação de bens não financeiros não produzidos (cessão de marcas e patentes); c) introdução da conta financeira, em substituição à antiga conta de capitais, para registrar as transações relativas à formação de ativos e passivos externos, como investimento direto, investimento em carteira, derivativos e outros investimentos. A conta financeira foi, portanto, estruturada de forma a evidenciar as transações ativas e passivas, as classes dos instrumentos financeiros de mercado e os prazos das transações;

43 MANUAL BP5 X MANUAL BP4 d) inclusão, no item investimentos diretos, dos empréstimos intercompanhia (empréstimos praticados entre empresas integrantes de mesmo grupo econômico), de qualquer prazo, nas modalidades de empréstimos diretos e colocação de títulos; e) reclassificação de todos os instrumentos de portfolio, inclusive bônus, notes e commercial papers, para a conta de investimentos em carteira; f) introdução de grupo específico para registro das operações com derivativos financeiros, anteriormente alocados na conta serviços e nos capitais a curto prazo; g) estruturação da conta de rendas de forma a evidenciar as receitas e despesas geradas por cada uma das modalidades de ativos e passivos externos contidas na conta financeira.

44 Balanço de pagamentos no Brasil US$ bilhõ es Discriminação Balança comercial (FOB) Serviços Rendas Transferências unilaterais correntes Transações correntes Conta capital e financeira Conta capital Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos Erros e omissões Resultado do balanço Variação das reservas

45 Balanço de pagamentos US$ bilhõ es Discriminação Balança comercial (FOB) Serviços Rendas Transferências unilaterais correntes Transações correntes Conta capital e financeira Conta capital 1/ Conta financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Derivativos Outros investimentos 2/ Erros e omissões Resultado do balanço Variação das reservas

46 US$ bilhões Milagre Econômico II PND Transações Correntes do Brasil: Ajuste Externo Planos de Estabilização Collor Itamar Plano Real Da Estabilização à Crise Externa II FHC Metas de Inflação e Câmbio Flutuante Lula Metas de Inflação e Câmbio Flutuante Balança comercial Conta corrente 0 Serviços Rendas -60 Balança Comercial Serviços Rendas Transf. Unilaterais Transações Correntes

47 US$ bilhões Transações Correntes do Brasil: Balança comercial Serviços Conta corrente Rendas -20 Balança Comercial Serviços Rendas Transf. Unilaterais Transações Correntes

48 US$ bilhões Transações Correntes do Brasil: Balança Comercial Serviços Rendas Transf. Unilaterais Transações Correntes

49 US$ bilhões Transações Correntes do Brasil: Balança Comercial Serviços Rendas Transf. Unilaterais Transações Correntes

50 US$ bilhões Transações Correntes do Brasil: % 6% Ajuste Externo Itamar II FHC Metas de Inflação e Câmbio Flutuante Lula Metas de Inflação e Câmbio Flutuante 4% Plano Real 2% Milagre Econômico II PND Planos de Estabilização Collor Da Estabilização à Crise Externa 0% -2% -4% -6% -8% BC/PIB BS/PIB R/PIB TU/PIB TC/PIB

51 EXERCÍCIOS 1. Considere os seguintes saldos, em unidades monetárias, para as contas dos Balanços de Pagamentos: Balanço comercial: - 700; Balanço de serviços: ; Balanço de rendas: ; Transferências unilaterais: ; Conta Capital: + 300; Investimento Direto: ; Investimento em Carteira: ; Derivativos: - 200; Outros investimentos na conta financeira = ; Erros e omissões: Considerando esses lançamentos, é correto afirmar que a conta Haveres da Autoridade Monetária apresentou saldo de: a) b) c) d) zero e)

52 Resolução: Somamos os saldos de todos os itens apresentados, pois eles correspondem exatamente aos itens do Balanço de Pagamentos como apresentados no quadro abaixo: Balança comercial -700 TRANSAÇÕES CORRENTES (I) Balança de serviços Rendas Transferências Unilaterais Conta capital +300 Investimento direto CONTA CAPITAL E FINANCEIRA (II) Investimento em carteira Derivativos -200 Outros investimentos ERROS E OMISSÕES (III) RESULTADO DO BP (=I + II + III) HAVERES DA AUTORIDADE MONETÁRIA (= - RESULTADO DO BP) 2100 Resultado do BP = = 2100 Como Haveres da Autoridade Monetária = BP Então, HAM = A resposta é o item e) 2.100

53 2. Num determinado país, ocorreram as seguintes transações com o exterior, no ano-calendário, em bilhões de unidades monetárias (u.m.): - Exportações de Mercadorias Importações de Mercadorias Fretes pagos Seguros pagos Juros remetidos Lucros remetidos Lucros reinvestidos Doações recebidas em mercadorias Empréstimos recebidos Investimentos diretos recebidos O balanço de pagamentos dessa economia, nesse ano, considerando-se que não houve erros e omissões na sua elaboração,deve registrar um saldo positivo de (em bilhões de u.m.): (A) 13. (B) 11. (C) 9. (D) 7. (E) 5.

54 RESOLUÇÃO: O quadro abaixo mostra os lançamentos das operações apresentadas na questão: Item Lançamentos Crédito Débito Exportações de Mercadorias BC, Exportações: +600 Haveres: -600 Importações de Mercadorias Haveres: +565 Importações: -565 Fretes pagos Haveres: +10 Serviços: -10 Seguros pagos Haveres: +5 Serviços: -5 Juros remetidos Haveres: +40 Rendas: -40 Lucros remetidos Haveres: +16 Rendas: -16 Lucros reinvestidos Investimentos diretos: +4 Rendas: -4 Doações recebidas em mercadorias T. unil: +2 Importações: -2 Empréstimos recebidos Emprestimos: +32 Haveres: -32 Investimentos diretos recebidos Investimentos Diretos: +13 Haveres: -13

55 Agrupamos os lançamentos nas contas do BP apresentado abaixo: TRANSAÇÕES CORRENTES (I) = a+ b+c+d = -40 Balança comercial (a) =33 Balança de serviços (b) -10-5=-15 Rendas (c) =-60 Transferências Unilaterais (d) 2 CONTA CAPITAL E FINANCEIRA (II)= e+ f + g + h 49 Conta capital (e) Investimento direto (f) Investimento em carteira (g) Outros investimentos (h) +32 ERROS E OMISSÕES (III) 0 RESULTADO DO BP (=I + II + III) =9 HAVERES DA AUTORIDADE MONETÁRIA (= - RESULTADO DO BP) -9 Como a conta de Transações Correntes apresentou saldo de -40 e a Conta Capital e Financeira teve saldo de 49, o BP apresentou saldo de 9. A resposta correta está no item c.

56 3. Uma economia realizou durante um ano as seguintes transações com o exterior: (a) Recebimento de doações humanitárias em moeda forte, no valor de US$ 1 bilhão. (b) Importações de mercadorias no valor FOB de US$ 7 bilhões. (c) Pagamento de US$ 13 bilhões em amortizações da dívida externa. (d) Pagamentos de juros da dívida externa no valor de US$ 5 bilhões. (e) Exportações de mercadorias no valor FOB de US$ 15 bilhões. (f) Recebimento de novos empréstimos e financiamento do exterior, no valor de US$ 16 bilhões. (g) Pagamentos de fretes internacionais no valor de US$ 3 bilhões. Balanço de pagamentos Discriminação Balança comercial (FOB) 8 Exportações Importações -7-7 Serviços -3-3 Rendas -5-5 Transferências unilaterais correntes (líquido) 1 1 Transações correntes 1 Conta capital e financeira 3 Conta capital 1/ 0 Conta financeira 3 Investimento direto (líquido) 0 Investimentos em carteira 0 Derivativos 0 Outros investimentos 2/ Erros e omissões 0 Resultado global do balanço 4 Variação de reservas ( - = aumento)

57 Balanço de pagamentos Discriminação Balança comercial (FOB) 8 Exportações Importações -7-7 Serviços -3-3 Rendas -5-5 Transferências unilaterais correntes (líquido) 1 1 Transações correntes 1 Conta capital e financeira 3 Conta capital 1/ 0 Conta financeira 3 Investimento direto (líquido) 0 Investimentos em carteira 0 Derivativos 0 Outros investimentos 2/ Erros e omissões 0 Resultado global do balanço 4 Variação de reservas ( - = aumento) Com base nas informações acima, julgue os itens que se seguem: a) O saldo do balanço em transações correntes é de US$ 1 bilhão. CERTO b) O saldo da conta financeira é de US$ -2 (menos dois) bilhões. ERRADO c) O saldo do balanço de pagamentos é de US$ 4 bilhões. CERTO d) O saldo do balanço de serviços é de US$ -3 (menos três) bilhões. CERTO

58 4. Julgue os itens subsequentes, relativos ao balanço de pagamentos. (...) No balanço de pagamentos brasileiro, os gastos com viagens internacionais dos brasileiros e os empréstimos concedidos pelo Banco Mundial são registrados, respectivamente, na balança de serviços e renda e na rubrica outros investimentos da conta financeira. CERTO (...) Caso uma empresa brasileira tenha financiado, por meio de um banco norte-americano, importações de matéria-prima no valor de US$ 2 milhões, esse montante deverá ser registrado como débito na balança de transações correntes e como crédito na conta capital e financeira. CERTO (...) Quando cidadãos norte-americanos adquirem ou aumentam o controle sobre uma empresa no Brasil, essa transação é contabilizada na conta financeira do balanço de pagamentos do brasil. CERTO (...) O saldo positivo no balanço de pagamentos num determinado período é igual ao volume de reservas, em moeda estrangeira, da economia. ERRADO

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

CARTA-CIRCULAR 2.826 --------------------

CARTA-CIRCULAR 2.826 -------------------- CARTA-CIRCULAR 2.826 -------------------- Divulga relacao de operacoes e situacoes que podem configurar indicio de ocorrencia dos crimes previstos na Lei n. 9.613, de 03.03.98, e estabelece procedimentos

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS EMPRESA INDUSTRIAL ÁREA FÁBRIL ÁREA COMERCIAL Eliabe Moraes de Oliveira FUNDAMENTOS DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Matéria Prima Materiais diversos Aluguel Energia

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Balanço de Pagamentos (BP)

Balanço de Pagamentos (BP) Balanço de Pagamentos (BP) Trata-se do registro sistemático das transações entre residentes e não residentes de um país num determinado período de tempo. Portanto, o estudo do BP torna-se relevante, uma

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Setor externo estatísticas do comércio exterior

Setor externo estatísticas do comércio exterior Setor externo estatísticas do comércio exterior O comércio é mutuamente benéfico. Duas pessoas não trocam bens e serviços a não ser que ambas esperem obter um benefício. No nosso dia a dia dependemos de

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

o Setor Externoe a Determinação

o Setor Externoe a Determinação o Setor Externoe a Determinação da Taxa de Câmbio 1 o BALANÇODE PAGAMENTOS A partir do momento em que um país começa a comercializar com outros, surge a necessidade de se estabelecer um controle sobre

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 22

Luciano Silva Rosa Contabilidade 22 Luciano Silva Rosa Contabilidade 22 SUSEP 2010 sugestões de recursos Olá, colegas Abaixo, algumas sugestões de recursos da prova de contabilidade geral do concurso da SUSEP, aplicado pela ESAF. Prova 2.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL.

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. 1. Valdir Alcântara de Souza Junior. 2. Anderson Mateus Batista de Rezende. Introdução. As empresas que fazem importações

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Contas Externas

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Contas Externas Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Contas Externas com informações até fevereiro de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Contas Externas

Leia mais

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6)

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Novembro de 2014 1. Introdução A partir de abril de 2015, o Banco Central

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Logística Internacional

Logística Internacional Logística Internacional Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS De acordo com o princípio contábil do custo como base de valor, o custo de aquisição de um ativo ou dos insumos necessários para fabricá-lo e colocá-lo em condições

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

2.3. Balança de Pagamentos

2.3. Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos (BP): Registo contabilístico (sistemático e equilibrado) dos valores das transações económicas entre agentes residentes e não residentes ocorridas durante um determinado período de

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 CONTROLE DE CÂMBIO Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 Por Que o Brasil Controla o Câmbio? Moeda forte é um item escasso no Brasil. Tanto o Governo Brasileiro como as empresas

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Balança de Pagamentos

Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos Conceitos e Rubricas Definições Registo sistemático que se destina a medir as transacções económicas que se estabelecem entre os residentes (sectores internos) e os não residentes

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 937. Documento normativo revogado pela Circular 906, de 21/12/1984.

CARTA-CIRCULAR Nº 937. Documento normativo revogado pela Circular 906, de 21/12/1984. CARTA-CIRCULAR Nº 937 Documento normativo revogado pela Circular 906, de 21/12/1984. Aos Estabelecimentos Bancários Comunicamos que, tendo em vista as disposições da Circular nº 816, desta data, fica criado

Leia mais

GUIA PARA A PREPARAÇÃO DE PEDIDOS DE DESEMBOLSO

GUIA PARA A PREPARAÇÃO DE PEDIDOS DE DESEMBOLSO Banco Interamericano de Desenvolvimento GUIA PARA A PREPARAÇÃO DE PEDIDOS DE DESEMBOLSO Empréstimos, Cooperações Técnicas e Pequenos Projetos Representação no Brasil Setor Fiduciário Rev.: Abril / 2009

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção Notas Explicativas Eduardo Assumpção 1 Notas Explicativas Os Casos Práticos que Serão Apresentados 4 Marco Regulatório da Convergência IFRS Pequenas e Médias Empresas I F R S P M E 5 Conteúdo Programático

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores e vendedores são normalmente

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFONICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2009

RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFONICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2009 RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFONICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2009 TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA Olá, amigos! Reta final de preparação da Receita Federal do Brasil e eis uma pequena amostra do que vocês podem esperar na prova vindoura! Segue abaixo uma listagem de questões pertinentes a assuntos certamente

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber:

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber: 1. B/Pgtos, p. 1 Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 1A. BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Definição: O B/P é o registro contábil dos recebimentos e pagamentos feitos pelos diversos agentes

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional Reta Final Escriturário Banco do Brasil Disciplina: Conhecimentos Bancários Prof.: Rodrigo Barbati Data: 09/09/2007 CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI Garantias do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 Ativo Imobilizado Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 RECONHECIMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS FINANÇAS CORPORATIVAS

FINANÇAS CORPORATIVAS FINANÇAS CORPORATIVAS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP Doutorando em Economia Rural

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. 18/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Conceito...

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior Area Profissional: ECONOMIA Area de Atuacao: GESTAO FINANCEIRA/ECONOMIA Administrar os

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 15/9/14 a 19/9/14

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 15/9/14 a 19/9/14 Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 15/9/14 a 19/9/14 Mercado Primário Na quinta-feira, 18 de setembro, foram realizados os leilões tradicionais do Tesouro para a

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre o plano de regularização de

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento; RESOLUCAO 3.844 --------------- Dispõe sobre o capital estrangeiro no País e seu registro no Banco Central do Brasil, e dá outras providências. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (BV2010) Índice Item ALCANCE 1

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Ajustes de Avaliação Patrimonial.

Ajustes de Avaliação Patrimonial. Ajustes de Avaliação Patrimonial. (Lei 6.404/76, art. 178 2 ) Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos um breve comentário sobre a conta Ajustes de Avaliação Patrimonial, criada pela

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Informações ao BACEN sobre operações de Crédito SCR. RB Capital DTVM

Informações ao BACEN sobre operações de Crédito SCR. RB Capital DTVM Informações ao BACEN sobre operações de Crédito SCR RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Este documento tem como objetivo estabelecer um guia do registro das operações de crédito no Sistema de Informações

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE PROF. M.Sc. RICARDO GONÇALVES DOS SANTOS LINS-SP/2012 1 TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO

Leia mais

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização

Leia mais

03 (CESGRANRIO/BR DISTRIBUIDORA 2008) FLUXO DE CAIXA

03 (CESGRANRIO/BR DISTRIBUIDORA 2008) FLUXO DE CAIXA FLUXO DE CAIXA 01 (CARLOS CHAGAS/TRT 18ª REGIÃO 2008) Um dos objetivos da Demonstração do Fluxo de Caixa, recém tornada obrigatória em virtude da modificação introduzida pela Lei nº 11.638/2007 na Lei

Leia mais

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito Disciplinas (*) Modalidade H/A (**) Núcleo Contabilidade Contabilidade Financeira Presencial 24 Contabilidade dos Investimentos em Participações Societárias

Leia mais

SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010.

SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. MERCADO CAMBIAL Definição e funcionamento Operações Prontas e Futuras Balanço de Pagamentos CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 CÓDIGO 1 BENS 11 Mercadorias Gerais 111 Exportações / Importações de Mercadorias 11101 Açúcar de Cana ou de Beterraba no Estado Sólido 11102 Água Mineral Natural ou Artificial

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições:

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições: SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre o registro do investimento estrangeiro direto no País, em moeda nacional ou estrangeira, efetuado de forma declaratória e por meio eletrônico

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 Ativo Imobilizado Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 RECONHECIMENTO

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais