China O potencial do Acordo CEPA para as empresas lusófonas em Macau - China. Dezembro 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "China O potencial do Acordo CEPA para as empresas lusófonas em Macau - China. Dezembro 2016"

Transcrição

1 China O potencial do Acordo CEPA para as empresas lusófonas em Macau - China Dezembro 2016

2 Protocolo Acordo do qual beneficiam todas as empresas legalmente estabelecidas em Macau aduaneira autónoma. Assinado sob um mecanismo semelhante ao uma parceria comércio livre, um país com uma região aduaneira autónoma. Tem como objetivo promover a prosperida e senvolvimento comuns do interior da China e da Região Administrativa Macau. Este acordo abrange 3 âmbitos: Comércio serviços Facilitação no Investimento Acordo para alargamento da cooperação na facilitação do comércio e serviço em 10 áreas. Para os prestadores serviço Macau que invistam no interior da China nos setores e serviços liberalizados para Macau previstos neste Acordo, para além dos terminados setores, os contratos e estatutos constituição e alteração sociedas, em vez estarem sujeitos a autorização, passam apenas a necessitar registo. Acordo para facilitar as condições acesso ao mercado setores serviços Macau. A esta data existem 153 serviços Macau que estão liberalizados no interior da China, representando 95,6% dos 160 serviços classificados segundo os critérios da Organização Mundial do Comércio. Comércio Mercadorias O interior da China comprometeu-se concer isenção direitos aduaneiros às mercadorias Macau. Todas as mercadorias com origem em Macau, cujos critérios origem tenham sido estabelecidos entre as duas partes e obtido o respetivo Certificado Origem stinado ao CEPA, para efeitos comprovativo fabrico em Macau, pom ser exportados para o interior da China com isenção direitos aduaneiros, com exceção dos produtos proibidos pela China.

3 Facilitação do Comércio e Investimento Principais áreas e medidas Conceito e Conteúdo É um mecanismo indispensável para a liberalização do comércio mercadorias e serviços entre o interior da China e Macau que permite o alargamento contínuo do âmbito e espaço cooperação entre ambas as partes. O interior da China e Macau promovem a facilitação do comércio e investimento através do reforço da transparência, da adoção padrões comuns e troca informação As áreas cooperação são 10: Áreas cooperação Alteração nos contratos e constituição sociedas 1. Promoção do comércio e do investimento. 2. Facilitação das formalidas alfangárias. 3. Inspeção mercadorias, quarentena animais e plantas, segurança alimentar, controlo sanitário, certificação e acreditação e gestão padronizada. 4. Comércio eletrónico 5. Transparência da legislação 6. Cooperação entre PME 7. Cooperação industrial 8. Proteção da proprieda intelectual 9. Cooperação em matéria marcas 10. Cooperação em matéria educação Nos setores do comércio e serviços liberalizados para Macau, os contratos e estatutos constituição e alteração sociedas, em vez estarem sujeitos a autorização, passam apenas a necessitar registo.

4 Comércio Mercadorias Principais requisitos e regras A empresa requerente Macau ve ter licença industrial válida, e as respetivas mercadorias vem cumprir os critérios origem estipulados no Acordo. Entida emitente e Prazo Requisitos Regras Origem A entida governamental emitente com a responsabilida emissão do Certificado Origem é a Direção dos Serviços Economia (DSE). O formulário autorizado tem a valida 1 ano. 1. Origem em Macau são consiradas quando as mercadorias são integralmente provenientes Macau: 2. Transformação substancial - Quando não são integralmente provenientes Macau, só se consiram com origem se tiverem sido submetidas a uma transformação substancial que engloba: o Processos fabricação ou transformação estes serem realizados em Macau o Mudança código tarifário a operação fabrico ou transformação produtos matérias-primas importadas efetuada em Macau que resulte num outro produto a que corresponda, na Nomenclatura do Sistema Harmonizado, um código tarifário quatro dígitos diferentes o Percentagem Ad Valorem o valor total matérias-primas, componentes, custos mão obra e custos senvolvimento do produto suportados exclusivamente em Macau tem ser igual ou superior a 30% do FOB das mercadorias a exportar e que as operações finais fabrico ou tratamento foram realizadas em Macau. Se as matérias primas são originárias da China po, também, ser calculado como percentagem Ad-Valorem quando a percentagem é igual ou superior a 15% do calculo subtraído do valor das matérias primas ou componentes originários do interior da China o Outros critérios que venham a ser adotados por acordo do interior da China e Macau e Critérios Mistos, isto é, quando dois ou mais critérios acima intificados são utilizados para terminação da origem.

5 Comércio Serviços Principais medidas liberalização Princípio tratamento nacional Acordo Guangdong Maior liberalização e alargamento em nome individual No âmbito do alargamento do CEPA foi assinado em novembro 2015 a liberalização do comércio serviços a toda a região do Interior da China e Macau. Este acordo é o primeiro a ser assinado acordo com os princípios e regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), sob um princípio que estipula um Tratamento Nacional a alguns setores serviços Macau previamente ao estabelecimento ao estabelecimento das suas empresas, usando uma lista negativa para a liberalização plena do comércio serviços. A lista negativa permite às partes contratantes elaborar uma lista anexa ao Acordo reservando medidas ou setores que são compatíveis com as das condições Tratamento Nacional. No âmbito ste alargamento u-se um elevado grau liberalização: 153 setores do comércio e serviços foram liberalizados; 58 serviços gozam Tratamento Nacional, incluindo serviço publicida, fotográfico, reunião, hotelaria e restauração, guia turístico, transporte rodoviário mercadorias, entre outro; Os prestadores serviços Macau, pom entrar no mercado do interior da China através da forma presença comercial na província Guangdong; Os resintes Macau pom registra-se na província Guangdong como operadores dos estabelecimentos comerciais e industriais em nome individual, nos termos da respetiva legislação do Interior da China; 5 novas atividas: comércio por grosso bebidas e comidas, pensões normais, outra indústria hospedagem, serviços mediação imobiliária e operações sobre imóveis próprios.

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Serviços Prestados Indicadores de Qualidade dos Serviços Previsibilidade de Cumprimento Taxa de Cumprimento 2012 1 Extensão de Patente de

Leia mais

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau»

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Com o objectivo de reforçar o intercâmbio e a cooperação económica e comercial entre o

Leia mais

CONGRESSO DE DIREITO ADUANEIRO

CONGRESSO DE DIREITO ADUANEIRO CONGRESSO DE DIREITO ADUANEIRO CLASSIFICAÇÃO, ORIGEM E VALOR ADUANEIRO JOSÉ RIJO Lisboa, 29 de Janeiro de 2014 Janeiro 2014 JOSÉ RIJO 1 Classificação Pautal, Origem e Valor Aduaneiro TRÊS PILARES ESTRURANTES

Leia mais

ESTABELECIMENTO - MODIFICAÇÃO

ESTABELECIMENTO - MODIFICAÇÃO TIPO DE MODIFICAÇÃO Ampliação ou redução da área de venda ou de armazenagem Categoria de produtos comercializados Domicílio fiscal Método de venda Modalidade de venda Nome ou insígnia N.º de máquinas em

Leia mais

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial São Paulo Brasil I Outubro 2015 Comércio e Investimento Comércio e Investimento Acordos comerciais em vigor Acordos comerciais assinados, que ainda não entraram em vigor Acordos de Cooperação em Investimento

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 17 e 18 de Fevereiro 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

Importações sujeitas a Licenciamento Automático

Importações sujeitas a Licenciamento Automático Importações sujeitas a Licenciamento Automático Estão sujeitas a licenciamento automático as seguintes importações: Produtos relacionados no SISCOMEX e disponíveis no endereço eletrônico do MDIC; Operações

Leia mais

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 36 CELEBRADO ENTRE OS PAÍSES DO MERCOSUL E BOLÍVIA

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 36 CELEBRADO ENTRE OS PAÍSES DO MERCOSUL E BOLÍVIA ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 36 CELEBRADO ENTRE OS PAÍSES DO MERCOSUL E BOLÍVIA Os produtos constantes do Programa de Liberalização do ACE Nº 36 para se beneficiarem das reduções tarifárias deverão

Leia mais

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA Nº18 ACE18 NOVAS REGRAS DE ORIGEM. VIGÊNCIA : 27 de junho de 2015

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA Nº18 ACE18 NOVAS REGRAS DE ORIGEM. VIGÊNCIA : 27 de junho de 2015 1- Artigo 3.- Serão considerados originários: a) Os produtos totalmente obtidos: ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA Nº18 ACE18 NOVAS REGRAS DE ORIGEM VIGÊNCIA : 27 de junho de 2015 i) produtos do reino

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Controle Administrativo no Comércio Exterior São Paulo, 18 de setembro de 2013 Controle administrativo 1. O que é o controle administrativo? 2. Aspectos

Leia mais

ANEXO Quinto Aditamento e Revisão dos Compromissos Específicos do Interior da China no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1

ANEXO Quinto Aditamento e Revisão dos Compromissos Específicos do Interior da China no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1 ANEXO Quinto Aditamento e Revisão dos Específicos do Interior da China no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1 1. Serviços Comerciais A. Serviços Profissionais b. Serviços de Contabilidade,

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 53 BRASIL - MÉXICO APROVADO PELO DECRETO Nº DE 23/09/2.002

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 53 BRASIL - MÉXICO APROVADO PELO DECRETO Nº DE 23/09/2.002 NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 53 BRASIL - MÉXICO APROVADO PELO DECRETO Nº 4.383 DE 23/09/2.002 Notas Explicativas 1. Declaração 1.1. As solicitações de certificados de

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.1.2016 COM(2016) 18 final 2016/0005 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à celebração do Acordo de Parceria Económica entre a União Europeia e os seus Estados-Membros,

Leia mais

IV WORKSHOP DO INFOSUCRO / IE-UFRJ MESA 3: COMÉRCIO INTERNACIONAL, BARREIRAS E POLÍTICAS MARTA LEMME (IE-UFRJ) NOVEMBRO/2011

IV WORKSHOP DO INFOSUCRO / IE-UFRJ MESA 3: COMÉRCIO INTERNACIONAL, BARREIRAS E POLÍTICAS MARTA LEMME (IE-UFRJ) NOVEMBRO/2011 IV WORKSHOP DO INFOSUCRO / IE-UFRJ MESA 3: COMÉRCIO INTERNACIONAL, BARREIRAS E POLÍTICAS MARTA LEMME (IE-UFRJ) NOVEMBRO/2011 1 Imposto de Importação Barreiras Não Tarifárias Alíquotas Ad Valorem Alíquotas

Leia mais

BARREIRAS À EXPORTAÇÃO

BARREIRAS À EXPORTAÇÃO BARREIRAS À EXPORTAÇÃO QUESTÕES FITOSSANITÁRIAS RIAS José Fernandes ALIMENTARIA LISBOA, 29 de Março BARREIRAS À EXPORTAÇÃO QUESTÕES FITOSSANITÁRIAS RIAS Organizações Internacionais/ Normas Internacionais

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2009 Número 28 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2009 Número 28 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2009 Número 28 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Iniciaram-se as negociações entre o Interior da China e Macau sobre o Suplemento

Leia mais

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI 3 REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI DL nº 209/2008 de 29 de Outubro todas as adegas estão obrigadas ao licenciamento obras necessárias

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Cooperativista da Guiana (doravante denominados Partes ),

O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Cooperativista da Guiana (doravante denominados Partes ), ACORDO DE ALCANCE PARCIAL DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 38, SUBCRITO AO AMPARO DO ARTIGO 25 DO TRATADO DE MONTEVIDÉU 1980, ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA COOPERATIVISTA DA GUIANA

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL

PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL INFORMAÇÃO SINTETIZADA OBJETO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização do risco das operações

Leia mais

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 20/2012, de 14 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei altera a Lei n.º 64-B/2011, de

Leia mais

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel:

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel: A Global Lawyers, Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados Sociedade de Advogados, R. L. resulta da fusão de vontades de vários profissionais com vasto curriculum

Leia mais

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva.

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. : Ao preencher o questionário é importante ser honesto e objectivo. Respostas

Leia mais

Funda. Fundo ppara o Desenvolvimento das Atividades Portuárias. Receita de ICMS

Funda. Fundo ppara o Desenvolvimento das Atividades Portuárias. Receita de ICMS Funda Fundo ppara o Desenvolvimento das Atividades Portuárias Receita de ICMS CONCEITO Incentivo Financeiro LEGISLAÇÃO Lei nº 2.508, de 22/05/1970 e suas alterações. REGULAMENTAÇÃO Inicialmente pelo Decreto

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistemas de Preferências (item 3 do Programa) COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistema Geral de Preferência

COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistemas de Preferências (item 3 do Programa) COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistema Geral de Preferência Sistemas Preferenciais e Acordos Regionais: Blocos Econômicos Prof.Nelson Guerra (item 3 do Programa) Preferências: É o percentual de redução na alíquota de imposto do país importador que assinou um acordo

Leia mais

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos,

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, Alfândegas Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 Alfândegas O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, com

Leia mais

Controle administrativo no comércio exterior

Controle administrativo no comércio exterior Controle administrativo no comércio exterior O que é o controle administrativo Controle exercido com o objetivo de verificar a consonância da operação pretendida em relação às normas comerciais, técnicas,

Leia mais

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA DESPACHO PC 8/2013 - MANDATO 2013/2017 DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS I - De acordo com o disposto no art.º 36º, n.º 2, da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, resolvo delegar nos Vereadores adiante indicados

Leia mais

EQUIDADE NA REPARTIÇÃO DE VALOR

EQUIDADE NA REPARTIÇÃO DE VALOR EQUIDADE NA REPARTIÇÃO DE VALOR REGULAMENTAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO 09 outubro 2012 Regulamentação e Autorregulação Tema discutido na reunião extraordinária 11/04 Seguindo-se 3 reuniões técnicas do GT Autorregulação

Leia mais

Guia para a passagem alfandegária de medicamentos veterinários a importar Licença de importação de bens e tecnologias de duplo uso

Guia para a passagem alfandegária de medicamentos veterinários a importar Licença de importação de bens e tecnologias de duplo uso Resumo dos procedimentos relativos ao pedido de documentação necessária para obter, junto da administração nacional, a declaração para as mercadorias do CEPA Para que os exportadores / importadores de

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material

Leia mais

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

Assunto: Acordo Económico e Comercial Global entre o Canadá, por um lado, e a União Europeia e os seus Estados-Membros, por outro

Assunto: Acordo Económico e Comercial Global entre o Canadá, por um lado, e a União Europeia e os seus Estados-Membros, por outro Conselho da União Europeia Bruxelas, 14 de setembro de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0206 (NLE) 10973/16 ADD 13 WTO 195 SERVICES 20 FDI 16 CDN 12 ATOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

SISCOSERV Sistema Integrado do Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio

SISCOSERV Sistema Integrado do Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Sistema Integrado do Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio Atos Normativos Os principais atos que regem o registro no Siscoserv estão

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 1 eidas o novo Regulamento Europeu sobre certificação digital que substitui a legislação Portuguesa O que é o eidas? No próximo dia 1 de Julho entra em vigor o Regulamento nº910/2014 do Parlamento e do

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ALADI

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ALADI NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ALADI APTR 04 BRASIL ARGENTINA BOLIVIA-CHILE-CUBA- COLÔMBIA- EQUADOR MÉXICO- PERU VENEZUELA APROVADO PELA RESOLUÇÃO Nº 252 DE 30/12/1.999

Leia mais

Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015

Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015 Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015 AGENDA 1 Linha de Apoio à Qualificação da Oferta 2 Linha de Apoio à Qualificação da Oferta Apoio ao Empreendedorismo 3 Circuito de Decisão

Leia mais

Índice. Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas?

Índice. Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas? Índice Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas? Como efetuar uma operação de renovação da certificação? A operação de Renovação da

Leia mais

Folheto Informativo Sobre O Reconhecimento Profissional

Folheto Informativo Sobre O Reconhecimento Profissional Este folheto informativo foi-lhe entregue por: Folheto Informativo Sobre O Reconhecimento Profissional Exmos. Senhores e Senhoras, Para lhes possibilitar um apoio devidamente pormenorizado no reconhecimento

Leia mais

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO ANEXOS VERSÃO

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO ANEXOS VERSÃO 1 ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO VERSÃO abril 2016 1 VERSÕES DATA AUTOR VERSÃO COMENTÁRIO Criação do Documento 01-02-2016 Ana Bela Ferreira 1ª (original) 20-04-2016 Ana Bela Ferreira 2ª versão

Leia mais

Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique. Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013

Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique. Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013 Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013 1 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

ª Fase AECVEXE10_04

ª Fase AECVEXE10_04 AECVEXE10_04 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos 20 pontos 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos TOTAL 200 pontos Exame Nacional de Economia A 10.º/11.º Anos, 2007, 2.ª fase in www.gave.min-edu.pt

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MAIO DE 2016 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de março 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

Recomendação de políticas Fluxos de dados através das fronteiras

Recomendação de políticas Fluxos de dados através das fronteiras Recomendação de políticas Fluxos de dados através das fronteiras A oportunidade Em um mundo cada vez mais interligado, a capacidade de transferir informação digital através é essencial para o crescimento

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL POLÓNIA VARSÓVIA

MISSÃO EMPRESARIAL POLÓNIA VARSÓVIA VARSÓVIA SEMINÁRIO LOGIN>PT & ENCONTROS EMPRESARIAIS 4 A 10 DE DEZEMBRO UM PROJECTO MISSÃO EMPRESARIAL DO SETOR TICE SUMÁRIO DA MISSÃO A QUEM SE DIRIGE ESTA MISSÃO? Esta Missão Empresarial é destinada

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011 27 de Maio 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos dos prédios

Leia mais

China: Oportunidades e Desafios. O Caso EMBRAER. Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas

China: Oportunidades e Desafios. O Caso EMBRAER. Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas China: Oportunidades e Desafios O Caso EMBRAER Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas Evento: Desafios Emergentes: A Ascenção econômica de China e índia e seus efeitos para o Brasil

Leia mais

Regulamento de Certificação de Técnicos

Regulamento de Certificação de Técnicos Regulamento de Certificação de Técnicos O presente documento estabelece o Regulamento de certificação dos técnicos responsáveis pela instalação, deteção de fugas, recuperação e manutenção ou assistência

Leia mais

A CEDEAO tem uma superfície de seis milhões de km2

A CEDEAO tem uma superfície de seis milhões de km2 A CEDEAO tem uma superfície de seis milhões de km2 A ESTRUTURA DA TEC Ø CONTEXTO DA TEC Ø Arquitetura e Estrutura da TEC Ø Medidas de acompanhamento Ø Medidas complementares de proteção A TEC da CEDEAO

Leia mais

Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Português: Língua de oportunidades. Números que falam Português: Língua de oportunidades Números que falam Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia 3 4 5 6 IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2 507 260 Slide 3 Economia Características

Leia mais

Capitulo 7. Barreiras não tarifárias. Barreiras Não Tarifárias

Capitulo 7. Barreiras não tarifárias. Barreiras Não Tarifárias Capitulo 7 Barreiras Não Tarifárias Barreiras não tarifárias Quotas de importação; Restrições Voluntárias á Exportação (VER); Subsídios á exportação; Outros instrumentos de politica comercial Créditos

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 A Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), alterada pela Lei n.º 7-A/2016 de 30 de

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título Emissão Gases com Efeito Estufa TE GEE.235.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, 14 Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, 31 Dezembro, 230/2005, 29

Leia mais

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Fórum Estadão de Competitividade Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Confederação Nacional da Indústria 1

Leia mais

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra IMP.PS.01.431.02 IMP.PS.01.431.03 COMUNICAÇÃO DE ABERTURA AO PÚBLICO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EM CASO DE AUSÊNCIA DE AUTORIZAÇÃO PARA FINS TURÍSTICOS (ao abrigo do artigo 31º do Decreto-lei nº 39/2008,

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Assinatura do Suplemento ao CEPA com maior liberalização 2. Conferência

Leia mais

DIALOGO AFRICANO SOBRE TRIBUTAÇÃO

DIALOGO AFRICANO SOBRE TRIBUTAÇÃO DIALOGO AFRICANO SOBRE TRIBUTAÇÃO Workshop: A eliminação das tarifas aduaneiras na SADC e EAC: Será que as barreiras não tarifárias seguirão o mesmo caminho? Por: Guilherme Mambo, Autoridade Tributaria

Leia mais

LISTA DE ANEXOS E PROTOCOLOS

LISTA DE ANEXOS E PROTOCOLOS LISTA DE ANEXOS E PROTOCOLOS Anexo I: Lista de produtos agrícolas e de produtos agrícolas transformados dos capítulos 25 a 97 do Sistema Harmonizado previstos nos artigos 7.º e 12.º Anexo II: Lista dos

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA. Portaria CAT 174, de

SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA. Portaria CAT 174, de SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 174, de 28-12-2012 Dispõe sobre os procedimentos que devem ser observados na aplicação da alíquota de 4% nas operações interestaduais

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região Autónoma dos Açores como Mercado

Leia mais

15,50 15, por fogo ou unidade de ocupação. 10,50 10, prazo - por cada mês ou fracção

15,50 15, por fogo ou unidade de ocupação. 10,50 10, prazo - por cada mês ou fracção izaç ARTIGO 41º Quadro I Alvará de licença ou autorização de loteamento e de obras de urbanização 1. Emissão do alvará de licença ou de autorização 1.1 Acresce, ao montante referido no número anterior:

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

(centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos)

(centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos) (centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos) Direção Geral de Alimentação e Veterinária Direção de Serviços de Proteção Animal Largo da Academia Nacional de Belas Artes, 2

Leia mais

SUCATA E LINGOTES E TARUGOS DE METAIS NÃO-FERROSOS

SUCATA E LINGOTES E TARUGOS DE METAIS NÃO-FERROSOS SUCATA E LINGOTES E TARUGOS DE METAIS NÃO-FERROSOS atualizado em 29/03/2016 ÍNDICE 1. CONCEITOS INICIAIS...4 1.1. Sucata...4 1.2. Diferimento...4 2. SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO...4 3. NA AQUISIÇÃO DA SUCATA

Leia mais

O Governo da República Socialista Federativa da Iugoslávia,

O Governo da República Socialista Federativa da Iugoslávia, aprofundar ACORDO DE COMÉRCIO E PAGAMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDE- RATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA SOCIALISTA FEDERATIVA DA IUGOSLÁVIA e O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1 NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/2015 1 Rev 1 [Operações públicas FEDER] 1 Não aplicável a operações enquadradas no Sistema de Incentivos às Empresas e a operações cofinanciadas pelo FSE. CONTROLO DO DOCUMENTO

Leia mais

ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA

ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados Parte

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional

Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional O princípio que norteia o quadro normativo português é o da não discriminação do

Leia mais

Em 27 de fevereiro de DCal/DE/CCAC/DAI/ 9 /821.2(42)(82) Senhor Embaixador,

Em 27 de fevereiro de DCal/DE/CCAC/DAI/ 9 /821.2(42)(82) Senhor Embaixador, DCal/DE/CCAC/DAI/ 9 /821.2(42)(82) Em 27 de fevereiro de 1958. Senhor Embaixador, Tenho a honra de comunicar a Vossa Excelência que o Govêrno brasileiro, tendo em vista a inclusão da Áustria no sistema

Leia mais

FAIRTRADE: Manual de certificação e licenciamento

FAIRTRADE: Manual de certificação e licenciamento FAIRTRADE: Manual de certificação e licenciamento Fairtrade International (FLO) é uma organização sem fins lucrativos. O comércio justo é uma abordagem alternativa ao comércio convencional baseado em uma

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Panorama

Leia mais

1. O desafio da qualidade da legislação, no contexto da transposição das novas diretivas

1. O desafio da qualidade da legislação, no contexto da transposição das novas diretivas 1. O desafio da qualidade da legislação, no contexto da transposição das novas diretivas 2 3 Estados-Membros não podem proibir as suas autoridades adjudicantes de recorrer a atividades de compras centralizadas

Leia mais

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCMD Conceito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2016 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2016 e anexos. IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

Dados do fabricante x despacho aduaneiro: redobre a sua atenção

Dados do fabricante x despacho aduaneiro: redobre a sua atenção Dados do fabricante x despacho aduaneiro: redobre a sua atenção O conceito de fabricante é do conhecimento de todos porque de fácil assimilação: fabricante é todo aquele que fabrica um produto. Porém,

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

REGIME JURÍDICO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS REGIME JURÍDICO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS PORTO, 18 JUNHO 2015 José Luís Esquível LEI 52/2015, de 09.06 Aprova o RJSPTP Extinção das Autoridades Metropolitanas de Lisboa e do Porto

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás Capacitação da Indústria Nacional e Perspectivas de Ampliação do Fornecimento Local de Bens e Serviços para o Setor de Óleo e Gás 1 Agentes Governamentais Indústria Nacional Operadoras de P&G Missão Maximizar

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 09 Auditoria Energética a Elevadores em Edifícios de DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

Departamento Farmacêutico

Departamento Farmacêutico REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Departamento Farmacêutico Entidade Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde Tania V. Sitoie Outubro de 2016 Bio Latim America São Paulo 1 Estrutura Departamento

Leia mais

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Quanto ao nome do ficheiro: Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Anexos Conteúdo Nomenclatura do ficheiro Prestação de informação por perito Ficheiro de dados

Leia mais

Medidas Sanitárias e Fitossanitárias - SPS

Medidas Sanitárias e Fitossanitárias - SPS Medidas Sanitárias e Fitossanitárias - SPS Introdução O desenvolvimento do comércio agrícola necessita de garantias quanto à segurança dos alimentos. Produção agropecuária requer medidas de proteção contra

Leia mais