HEMOGRAMA COMPLETO Valores de Referencia (Adultos - Masculino) ERITROCITOS...: 5.54 milhoes/mm3 4.5 a 6.0

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEMOGRAMA COMPLETO Valores de Referencia (Adultos - Masculino) ERITROCITOS...: 5.54 milhoes/mm3 4.5 a 6.0"

Transcrição

1 Resultados Página: 1/10 HEMOGRAMA COMPLETO Valores de Referencia (Adultos - Masculino) ERITROCITOS...: 5.54 milhoes/mm3 4.5 a 6.0 HEMOGLOBINA...: 16.1 g/dl 13.0 a 20.0 Exame assinado eletronicamente por Edna Luzia de Oliveira - CRB 33391/01-D

2 Resultados Página: 2/10 HEMATOCRITO...: 47.8 % 36.0 a 52.0 VCM...: 86.3 u a HCM...: 29.1 pg 26.0 a 34.0 CHCM...: 33.7 g/dl 31.0 a 37.0 RDW...: 13.2 % 10.0 a 16.0 Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS.TOTAIS...: 8.1 mil/mm3 4.0 a 10.0 Exame assinado eletronicamente por Edna Luzia de Oliveira - CRB 33391/01-D

3 Resultados Página: 3/10 BLASTOS...: 0.0 % PRO-MIELOCITOS...: 0.0 % MIELOCITOS...: 0.0 % METAMIELOCITOS...: 0.0 % BASTONETES...: 0.0 % a a 700 SEGMENTADOS...: 50.3 % a a LINFOCITOS...: 42.0 % a a LINFOCITOS.ATIPICOS...: 0.0 % a a 400 MONOCITOS...: 5.0 % a a 800 PLASMOCITOS...: 0.0 % EOSINOFILOS...: 2.6 % a a 400 BASOFILOS...: 0.1 % a a 200 PLAQUETAS...: 284 mil/mm3 130 a 400 VPM...: 11.3 u3 6.0 a 10.0 MATERIAL SANGUE TOTAL COM EDTA Exame conferido e liberado pelo Dr. Joao A. Vozza Jr. CRM 66698

4 Resultados Página: 4/10 GLICEMIA DE JEJUM RESULTADO...: 90 mg/dl MATERIAL Soro VR:60 A 99 mg/dl * 100 A 125 mg/dl = GLICEMIA INAPROPRIADA ** * The Expert Commitee on The Diagnosis and classiciation of Diabetes Mellitus. Follow-up Report on the Diagnosis of Diabetes Melittus. Diabetes Care 2003;26(11): ** Nestes casos, deve se realizar o teste oral de tolerancia a glicose com medidas no jejum e 2 horas apos sobrecarga. Para o diagnostico de Diabetes Mellitus, e necessario glicemia de jejum igual ou superior a 126 mg/dl em duas ocasioes, ou glicemia igual ou superior a 200 mg/dl apos 2 horas no teste oral de sobrecarga, ou glicemia igual ou superior a 200 mg/dl colhida em qualquer horario desde que na presenca de sintomas de diabetes. American Diabetes association. ATENCAO PARA OS NOVOS VALORES DE REFERENCIA. METODO : GLICOSE OXIDASE (SEGUNDO TRINDER) EM ANALISADOR AUTOMATICO (HITACHI).

5 Resultados Página: 5/10 COLESTEROL TOTAL E FRACOES, DOSAGEM SERICA TRIGLICERIDES...: 151 mg/dl COLESTEROL.TOTAL...: 228 mg/dl

6 Resultados Página: 6/10 HDL.COLESTEROL...: 54 mg/dl VLDL.COLESTEROL...: 30.2 mg/dl

7 Resultados Página: 7/10 LDL.COLESTEROL...: mg/dl PARA VALORES DE TRIGLICERIDES > 400 mg/dl, O CALCULO DOS OUTROS PARAMETROS NAO SERA REALIZADO SUGERIMOS DOSAGEM ENZIMATICA MATERIAL Soro METODO : COLESTEROL, TRIGLICERIDES E HDL DOSADOS ENZIMATICAMENTE. LDL CALCULADO. DESEJAVEL LIMITROFE ELEVADO MUITO ELEVADO (mg/dl) (mg/dl) (mg/dl) (mg/dl) COLESTEROL TOTAL > 19 ANOS < A 239 > A 19 ANOS < A 169 >169 HDL COLESTEROL > 19 ANOS >60 02 A 19 ANOS >45 VLDL COLESTEROL <40 TRIGLICERIDES > 19 ANOS < A A 499 > A 19 ANOS < A 129 >129 LDL COLESTEROL 02 A 19 ANOS: ADULTOS MAIORES QUE 19 ANOS: DESEJAVEL...: < 100 mg/dl OTIMO...: < 100 mg/dl LIMITROFE...: 100 A 129 mg/dl DESEJAVEL...: 100 A 129 mg/dl ELEVADO...: > 129 mg/dl LIMITROFE...: 130 A 159 mg/dl ELEVADO...: 160 A 189 mg/dl MUITO ELEVADO.: > 189 mg/dl SEGUNDO V DIRETRIZ BRASILEIRA DE DISLIPIDEMIAS E PREVENCAO DA ATEROSCLE- ROSE (outubro, 2013) Exame conferido e liberado pelo Dr. Joao A. Vozza Jr. CRM 66698

8 Resultados Página: 8/10 AST/TGO - ASPARTATO AMINOTRANSFERASE RESULTADO...: 20 U/L MATERIAL SORO VR:06 A 38 U/L METODO : CINETICA UV SEM PIRIDOXAL FOSFATO (ROCHE) EM ANALISADOR AUTOMATICO (HITACHI).

9 Resultados Página: 9/10 ALT/TGP - ALANINA AMINOTRANSFERASE RESULTADO...: 40 U/L MATERIAL SORO VR:11 a 39 U/L METODO : CINETICA UV SEM PIRIDOXAL FOSFATO (ROCHE) EM ANALISADOR AUTOMATICO (HITACHI).

10 Resultados Página:10/10 GAMA GLUTAMILTRANSFERASE (GGT), DOSAGEM SERICA RESULTADO...: 53 U/L MATERIAL SORO VR:HOMENS...: 10 A 71 U/L MULHERES...: 6 A 42 U/L METODO : CINETICA (SZASZ) EM ANALISADOR AUTOMATICO. Observações Gerais: RESULTADO TECNICAMENTE COMPROVADO SEGUNDO AS NORMAS DO CONTROLE DE QUALIDADE

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400 Resultados Página: 1/13 HEMOGRAMA ERITROGRAMA Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3 04.50 a 06.10 HEMOGLOBINA: 13.5 g/dl 13.00 a 16.50 HEMATOCRITO: 41.1 % 36.00 a 54.00 VCM:

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 AUTENTICIDADE: 755339 Set.Tecnico Imunoensaio T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 Resultado 108.6 ng/dl Referencial: Criancas ate 5 anos 105.0 a 269.0 ng/dl 5 a 10 anos 94.0 a 241.0 ng/dl Maiores

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL Emissão: 28/06/2015 às 17:42 Fl.: 1 PROLACTINA Método: ELETROQUIMILUMINESCÊNCIA RESULTADO: 6,9 ng/ml V.R.: Mulher não grávida: 3,0-18,6 ng/ml Homens: 3,7-17,9 ng/ml GLICOSE RESULTADO: 92 mg/dl V.R.: Jejum:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PERFIL HEMATOLÓGICO E BIOQUÍMICO SÉRICO DE GATOS DOMÉSTICOS (Felis catus - Linnaeus, 1758), DA RAÇA PERSA E MESTIÇOS Álisson Souza Costa

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante.

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação O hemograma é um exame complementar muito importante. Doenças do sangue Anemias Doenças hemorrágicas: hemofilia, cirrosse hepática,

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

Preparo para Exames Laboratoriais

Preparo para Exames Laboratoriais Preparo para Exames Laboratoriais Seção: Bioquímica 1) Dosagem de Colesterol 1.1) Dosagem de colesterol (sangue) :Dosagem de Colesterol Total 2.1) Permanecer em jejum, à exceção de água, durante 12 a 14

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Manual do Exame Médico

Manual do Exame Médico 1 Manual do Exame Médico Guia completo e atualizado de recomendações sobre a etapa do exame médico em concursos (com foco no concurso da Polícia Federal) Este material não deve ser comercializado em nenhuma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR CASOS CLÍNICOS Coordenação: Lidia Maria da Fonte de Amorim Patricia

Leia mais

ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS E DOS NÍVEIS DE FERRO SÉRICO EM GESTANTES DO CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE DE IJUÍ (RS)

ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS E DOS NÍVEIS DE FERRO SÉRICO EM GESTANTES DO CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE DE IJUÍ (RS) ANEXO B PLANILHA DE VERIFICAÇÃO DE REGISTRO JUNTO AO ÓRGÃO SANITÁRIO Número de registro no Ministério da Saúde: CNPJ completo: ANEXO C PLANILHA DE VERIFICAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DOS MEDICAMENTOS Monofitoterápico

Leia mais

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 BILIRRUBINA DIRETA 6 BILIRRUBINA TOTAL 7 CÁLCIO 8 CÁLCIO AZUL DE METILTIMOL 9 CLORETO 10 COLESTEROL 11 COLESTEROL HDL 12 CREATININA 13 CREATINO KINASE MB (CK-MB)

Leia mais

Exames Laboratoriais. Especialização CTBMF - Fundecto - USP. Profº Coordenador: Dr. Marcos V. Gayotto Profº Preceptor: Dr. Almir A.

Exames Laboratoriais. Especialização CTBMF - Fundecto - USP. Profº Coordenador: Dr. Marcos V. Gayotto Profº Preceptor: Dr. Almir A. Exames Laboratoriais Especialização CTBMF - Fundecto - USP Profº Coordenador: Dr. Marcos V. Gayotto Profº Preceptor: Dr. Almir A. Feitosa PRÉ-OPERATÓRIO PRÉ-OPERATÓRIO Anamnese Exame Físico Exames Complementares

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www6.ufrgs.br/bioquimica

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO ERITOGRAMA:

HEMOGRAMA COMPLETO ERITOGRAMA: HEMOGRAMA COMPLETO Método: Automação ERITOGRAMA: Referências Hemácias...: 4,58 milhões /mm3 4.00 a 5.20 milhôes/mm3 Hemoglobina...: 14,40 g % 11.7 a 15.7 g% Hematócrito...: 41,5 % 36.0 a 47.0 % Volume

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150 Indice ÁCIDO ÚRICO - MONO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 ALT / TGP 6 AST / TGO 7 BILIRRUBINA DIRETA 8 BILIRRUNINA TOTAL 9 CÁLCIO ASX 10 CÁLCIO 11 CK NAC 12 CK MB 13 CLORO 14 COLESTEROL 15 CREATININA 16 DESIDROGENASE

Leia mais

25 de janeiro de 2010

25 de janeiro de 2010 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Processo Seletivo de Residência Médico Veterinária PUCPR Janeiro/2010 25 de janeiro de 2010 ESPECIALIDADE: PATOLOGIA E CLÍNICA VETERINÁRIA N.º DO CARTÃO NOME

Leia mais

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro HEMOGRAMA Profª. Francis Fregonesi Brinholi fbrinholi@hotmail.com. Hb = 0,8 g/dl Microcítica VCM < 78fL VCM:? Dosagem de ferritina Baixa Normal Alta Microcítica VCM < 78fL Normocítica VCM: 78-98fL Macrocítica

Leia mais

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário HEMATOLOGIA: Células LE Sangue sem anticoagulante Jejum desnecessário Coombs Direto Sangue total com EDTA Jejum desnecessário Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. POP: H-05 Página 1 de 7 1. Sinonímia: Dosagem de hemoglobina. Mnemônico HB. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Útil no

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00033/2014 (SRP)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00033/2014 (SRP) 14/10/2014 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Pregão Eletrônico CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00033/2014 (SRP) Às 16:20 horas do dia 14

Leia mais

Diário da diabetes CONTROLAR A DIABETES. Este diário pertence a:

Diário da diabetes CONTROLAR A DIABETES. Este diário pertence a: CONTROLAR A DIABETES Diário da diabetes Este diário destina-se a ajudá-lo a manter actualizadas informações importantes que o podem ajudar na gestão diária da sua diabetes. Também estão incluídas neste

Leia mais

Diário do diabetes no dia a dia

Diário do diabetes no dia a dia Diário do diabetes no dia a dia Este diário foi projetado para ajudá-lo a acompanhar as informações importantes para controle do diabetes no dia a dia. Neste diário, estão incluídas também perguntas sugeridas

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso Mariane Pacheco dos Santos 1, Gabriela Morais Madruga 2, Renato Linhares Sampaio 3, Rodrigo Supranzetti

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS ESPÍRITO SANTO SAÚDE CONDIÇÕES Check-Up Hospital da Luz / Clínica Parque dos Poetas / Centro Clínico da Amadora Consultas > 45 anos < 45 anos Menopausa > 38 anos < 38 anos Consulta de Oftalmologia Consulta

Leia mais

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA Manual de Automação MEGA LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol * ÍNDICE KIT PÁGINA ALBUMINA...01-02 ALT/TGP CINÉTICA...03-04 AMILASE CNPG...05-06 AST/TGO CINÉTICA...07-08 CÁLCIO ARSENAZO (LANÇAMENTO)...09-10

Leia mais

COMO SÃO APROVADOS OS MEDICAMENTOS CONTRA O HIV?... 3 AS ANÁLISES DE LABORATÓRIO... 6 A BIOQUÍMICA DO SANGUE... 8

COMO SÃO APROVADOS OS MEDICAMENTOS CONTRA O HIV?... 3 AS ANÁLISES DE LABORATÓRIO... 6 A BIOQUÍMICA DO SANGUE... 8 COMO SÃO APROVADOS OS MEDICAMENTOS CONTRA O HIV?... 3 POR QUE DEMORA TANTO APROVAR NOVOS MEDICAMENTOS?... 3 QUAIS SÃO AS "FASES" DOS ENSAIOS CLÍNICOS?... 3 COMO SABEMOS SE UM MEDICAMENTO FUNCIONA?... 4

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Ana Paula Rodrigues RESUMO Com o objetivo de estabelecer a freqüência de hemoglobinas variantes e β-talassemias

Leia mais

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo Material Necessário Seringa 5ml com agulha 25x7 Alcool 70% (iodado) Garrote Tubo vacuun EDTA ( tampa roxa ) microscópio lâminas para microscopia

Leia mais

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS O material coletado e conservado adequadamente torna-se de grande valor, proporcionando informações importantes para o clínico chegar a um diagnóstico. Uma coleta

Leia mais

Residência Saúde 2013 PROVA OBJETIVA NUTRIÇÃO PROVA DISCURSIVA. Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso ORGANIZADOR

Residência Saúde 2013 PROVA OBJETIVA NUTRIÇÃO PROVA DISCURSIVA. Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso ORGANIZADOR Residência Saúde 2013 NUTRIÇÃO Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso 1 CONTEÚDO GERAL Em um ambulatório de geriatria, a equipe multiprofissional atende a um idoso de 85 anos, que comparece acompanhado

Leia mais

MEGACARIÓCITO partes de seu citoplasma dão origem às plaquetas, responsáveis pela coagulação sanguínea.

MEGACARIÓCITO partes de seu citoplasma dão origem às plaquetas, responsáveis pela coagulação sanguínea. Introdução Hematologia é o ramo da biologia que estuda o sangue. A palavra é composta pelos radicais gregos: Haima (de haimatos), "sangue" e lógos, "estudo, tratado, discurso". A Hematologia estuda, particularmente,

Leia mais

REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB T P CRTEST TURBIDIMÉTRICO

REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB T P CRTEST TURBIDIMÉTRICO Manual de Automação VITALAB ECLIPSE PLUS REVISÃO: 06 (04/2012) A SLOTEST TURBIDIMÉTRICO CKMB MICROALBUMINÚRIA T URBIDIMÉTRICO P CRTEST TURBIDIMÉTRICO ÍNDICE REVISÃO: 06 (04/2012) KIT PÁGINA ALBUMINA...01

Leia mais

Avaliação Bioquímica do estado nutricional

Avaliação Bioquímica do estado nutricional Avaliação Bioquímica do estado nutricional Prof. Me. Natanael Moura natanael.ftc@gmail.com INTRODUÇÃO Parâmetros bioquímicos método objetivo de avaliação do estado nutricional. Têm como objetivo confirmar,

Leia mais

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia Automonitorizar a sua glicemia Quando verifica diariamente a sua glicemia, obtém uma fotografia do nível nesse momento. Os testes HbA1c feitos pelo seu médico indicam a média dos seus níveis de glicemia

Leia mais

Hemograma. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Hemograma. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hemograma Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hemograma Avalia os elementos celulares do sangue Quantitativamente Qualitativamente Triagem e controle de doenças Útil na

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Efeito do diabetes mellitus gestacional sobre a estabilidade de eritrócitos humanos

Efeito do diabetes mellitus gestacional sobre a estabilidade de eritrócitos humanos Revista Mineira de Ciências da Saúde. Patos de Minas: UNIPAM, (2):52 60, 2010 ISSN 2176 2244 Efeito do diabetes mellitus gestacional sobre a estabilidade de eritrócitos humanos Effect of gestational diabetes

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP Tema Citológico : Diagnóstico laboratorial diferencial entre anemia

Leia mais

Interpretação de Exames Complementares na Síndrome Plurimetabólica

Interpretação de Exames Complementares na Síndrome Plurimetabólica Interpretação de Exames Complementares na Síndrome Plurimetabólica Vamos lembrar Hipócrates Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja o seu remédio Integração É importante buscar um estado

Leia mais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais

Sexo e fontes de lipídeos sobre os parâmetros sanguíneos de ovinos confinados*

Sexo e fontes de lipídeos sobre os parâmetros sanguíneos de ovinos confinados* Sexo e fontes de lipídeos sobre os parâmetros sanguíneos de ovinos confinados* David Attuy Vey da Silva, Antônio Carlos Homem Júnior 2 e Jane Maria Bertocco Ezequiel 3+ ABSTRACT. Silva D.A.V., Homem Júnior

Leia mais

CellaVision TM DM96. Sistema Automatizado Digital para Morfologia Celular

CellaVision TM DM96. Sistema Automatizado Digital para Morfologia Celular CellaVision TM DM96 Sistema Automatizado Digital para Morfologia Celular Eficiência, Proficiência, Conectividade e Colaboração Localização e pré-classificação automáticas de células que melhoram a utilização

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MAX DADA GALLIZZI BIOLOGIA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MAX DADA GALLIZZI BIOLOGIA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MAX DADA GALLIZZI BIOLOGIA 07 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PRAIA GRANDE - SP Roteiro de Estudo - Fazer científico: Teses

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano TECIDO CONJUNTIVO 9º ano O tecido conjuntivo apresenta células separadas por matriz intercelular. É quase sempre vascularizado. (exceção tecido cartilaginoso) TIPOS DE TECIDO CONJUNTIVO TCP D TCP D Frouxo

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET3121) http://www6.ufrgs.br/bioquimica

Leia mais

POLICOSANOL 40% Auxilia na diminuição do colesterol. Informações Técnicas. INCI Name: 1-OCTACOSANOL CAS number: 557-61-9

POLICOSANOL 40% Auxilia na diminuição do colesterol. Informações Técnicas. INCI Name: 1-OCTACOSANOL CAS number: 557-61-9 Informações Técnicas POLICOSANOL 40% Auxilia na diminuição do colesterol INCI Name: 1-OCTACOSANOL CAS number: 557-61-9 DESCRIÇÃO Policosanol é uma mistura de álcoois alifáticos primários superiores (álcoois

Leia mais

Estudos de casos clínicos em hematologia, tecnologia e outras curiosidades

Estudos de casos clínicos em hematologia, tecnologia e outras curiosidades Estudos de casos clínicos em hematologia, tecnologia e outras curiosidades Slide 1: Esta é uma versão traduzida para o português da apresentação realizada por Jery Walters, biomédica com especialização

Leia mais

Proposta Programa Saúde Sob Medida Check up diferenciado ABGS

Proposta Programa Saúde Sob Medida Check up diferenciado ABGS Proposta Programa Saúde Sob Medida Check up diferenciado ABGS 1 Informações da proposta Nossa proposta é composta por um Check Up Completo, Check up Feminino e Avaliação Esportiva direcionada aos associados

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DOXIFIN NO TRATAMENTO DA DIROFILARIOSE CANINA

UTILIZAÇÃO DE DOXIFIN NO TRATAMENTO DA DIROFILARIOSE CANINA UTILIZAÇÃO DE DOXIFIN NO TRATAMENTO DA DIROFILARIOSE CANINA Aluna: Camila Almeida de Queiroz Orientadora: Alessandra Moreira Martins Rio de Janeiro, out. 2013 INTRODUÇÃO: A Dirofilariose também conhecida

Leia mais

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN)

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) MIELOGRAMA Medula Óssea Mielograma Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) Biópsia de Medula Óssea Crista ilíaca insere-se agulha para retirada de fragmento ósseo Mielograma (aspirativo) Biópsia de Medula Óssea

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PATOLOGIA CLINICA I ALUNOS

CASOS CLÍNICOS PATOLOGIA CLINICA I ALUNOS CASOS CLÍNICOS PATOLOGIA CLINICA I ALUNOS 1 HEMOGRAMA 1 VALORES DE REFERÊNCIA(Adulto feminino) Hemácias...: 4.590.000/mm3 3.800.000 a 5.200.000/mm3 Hemoglobina...: 9.7 g/dl 12.0 a 16.0 g/dl Hematócrito...:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA E PATOLÓGICA DA TALASSEMIA MENOR UM ESTUDO DE CASO

CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA E PATOLÓGICA DA TALASSEMIA MENOR UM ESTUDO DE CASO CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA E PATOLÓGICA DA TALASSEMIA MENOR UM ESTUDO DE CASO Sara de Carvalho Barros 1 Wagner dos Santos Mariano 2 1.Graduanda em Biologia na Universidade Federal de Tocantins, Bolsista do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ANEMIA EM GRUPOS DE IDOSOS NO MUNICÍPIO DE ERECHIM

AVALIAÇÃO DE ANEMIA EM GRUPOS DE IDOSOS NO MUNICÍPIO DE ERECHIM UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA BIOQUÍMICA CLÍNICA CRISTIANE KLEIN AVALIAÇÃO DE ANEMIA EM GRUPOS

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE UM PCMSO INTEGRADO AO SÉCULO S

A ELABORAÇÃO DE UM PCMSO INTEGRADO AO SÉCULO S A ELABORAÇÃO DE UM PCMSO INTEGRADO AO SÉCULO S XXI (PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO M DE SAÚDE OCUPACIONAL - NR-7) Dr. José Carlos T. Dias Ferreira CRM 46.101 DEPTO. DE MEDICINA E SEGURANÇA DO TRABALHO - CIESP

Leia mais

Interpretação de Exames Bioquímicos Nutricionais: uma visão integrada Aula 2

Interpretação de Exames Bioquímicos Nutricionais: uma visão integrada Aula 2 Interpretação de Exames Bioquímicos Nutricionais: uma visão integrada Aula 2 HENRIQUE FREIRE SOARES Pós graduado em Nutrição clínica Consultor esportivo pela ISSNHP Mestre em Nutrição humana Pós graduado

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? Franklim A. Moura Fernandes http://www.melhorsaude.org Introdução Os triglicerídeos, também chamados de triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem

Leia mais

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.193, DE 24 DEZEMBRO DE 2008

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.193, DE 24 DEZEMBRO DE 2008 Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.193, DE 24 DEZEMBRO DE 2008 Altera a Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde - SUS.

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO PAULO Fundação Paulistana de Educação e Tecnologia da Faculdade e Escola Técnica de Saúde Pública Cidade Tiradentes

PREFEITURA DE SÃO PAULO Fundação Paulistana de Educação e Tecnologia da Faculdade e Escola Técnica de Saúde Pública Cidade Tiradentes PREFEITURA DE SÃO PAULO Fundação Paulistana de Educação e Tecnologia da Faculdade e Escola Técnica de Saúde Pública Cidade Tiradentes CONCURSO PÚBLICO 04. Professor de Ensino Técnico Análises Clínicas

Leia mais

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF Metabolismo de Aminoácidos Degradação de Proteínas e Aminoácidos - Degradação de aminoácidos em excesso na alimentação - Absorção pelo fígado, retirada grupo amino - Degradação espontânea de proteínas

Leia mais

Identificação: E.G.F., 61 anos, feminina, casada, aposentada, caucasiana, natural de Campos dos Goytacazes. Queixa principal: Vômitos frequentes.

Identificação: E.G.F., 61 anos, feminina, casada, aposentada, caucasiana, natural de Campos dos Goytacazes. Queixa principal: Vômitos frequentes. Serviço e Disciplina de Clínica Médica Sessão Clínica- 31/08/2015 Auditório Honor de Lemos Sobral- Hospital Escola Álvaro Alvim Orientador: Prof. Dr. Alcino Hauaji Relator: Dr. Eduardo Abi-Kair Miguel

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN Érica Caroline de Santis* Lara Ribeiro Sisti** Luisa Philippsen*** Lucievelyn Marrone**** Rosália Hernandes Fernandes Vivan*****

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

TIPO A CARGO 60 MÉDICO HEMATOLOGIA INSTRUÇÕES CRONOGRAMA

TIPO A CARGO 60 MÉDICO HEMATOLOGIA INSTRUÇÕES CRONOGRAMA P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E S Ã O L U Í S / M A C O N C U R S O P Ú B L I C O CARGO 60 MÉDICO HEMATOLOGIA TIPO A INSTRUÇÕES Confira seus dados pessoais e verifique se o tipo de caderno de

Leia mais

PERFIL HEMATOLÓGICO E BIOQUÍMICO DE Cebus libidinosus Spix, 1923 e Alouatta caraya Humboldt, 1812 DE VIDA LIVRE NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS

PERFIL HEMATOLÓGICO E BIOQUÍMICO DE Cebus libidinosus Spix, 1923 e Alouatta caraya Humboldt, 1812 DE VIDA LIVRE NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SAÚDE PERFIL HEMATOLÓGICO E BIOQUÍMICO DE

Leia mais

REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS

REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS 2 O BIMESTRE O bocejo geralmente ocorre quando estamos respirando suavemente, sob a ação de poucos estímulos. É o que ocorre quando estamos nos preparando

Leia mais

Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015

Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015 Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015 ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO VALOR 01 02.02.05.001-7 ANÁLISE DE CARACTERES FÍSICOS, 3,70 ELEMENTOS E SEDIMENTOS NA URINA (EQU)

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

Exames laboratoriais

Exames laboratoriais Exames laboratoriais BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Hemograma: Avaliação quantitativa e qualitativa dos elementos do sangue. BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Hemograma: Pode ser subdividido em 3 partes conforme

Leia mais

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO ANEMIAS OBSTETRÍCIA A anemia é definida como síndrome caracterizada por diminuição de massa eritrocitária total. Laboratorialmente, definimos anemia como hemoglobina menor que 12 g/dl em mulheres ou 13

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

A Leishmaniose Visceral como doença oportunista em um geronte portador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA)

A Leishmaniose Visceral como doença oportunista em um geronte portador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) A Leishmaniose Visceral como doença oportunista em um geronte portador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) Visceral Leishmaniasis as an Opportunistic Infection in an Elderly Patient with AIDS

Leia mais

HEMATOLOGIA Resultados de pacientes anêmicos - contagem de reticulócito sem ônus. Prazo (dias úteis)

HEMATOLOGIA Resultados de pacientes anêmicos - contagem de reticulócito sem ônus. Prazo (dias úteis) HEMATOLOGIA Resultados de pacientes anêmicos - contagem de reticulócito sem ônus Hemograma 1 (Eritrograma C/ ret, leucograma, cont. plaq. + proteína plasmática total) Hemograma 2 (Hemograma 1+ pesq. Hematoz.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PERFIL LIPÍDICO DE RATOS WISTAR SUBMETIDOS À ALIMENTAÇÃO SUPLEMENTADA COM OVO EM PÓ RANÍSIA PEREIRA 1 ; LUCIANA PEREIRA RIBEIRO 2 ;ÍVINA CATARINA OLIVEIRA GUIMARÃES 3 ; ROSEANE MARIA EVANGELISTA OLIVEIRA

Leia mais

GRUPO A - AZUL. Retorno. Alta. Reavaliar caso. Orientar tratamento no domicílio. Orientar tratamento no domicílio

GRUPO A - AZUL. Retorno. Alta. Reavaliar caso. Orientar tratamento no domicílio. Orientar tratamento no domicílio GRUPO A - AZUL Exames laboratoriais (desejáveis) Hematócrito, plaquetas, linfócitos totais sem diferencial Exames laboratoriais disponíveis Tratar como GRUPO B AMARELO Orientar tratamento no domicílio

Leia mais

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição João Paulo Meirelles Graduando em Medicina Veterinária Samanta

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS Juliane Mara Sabatini 1 ; Rafael Cardia Sardim Barros

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Anemias carenciais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Anemias carenciais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Anemias carenciais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Definição Deficiência de oxigênio para os tecidos por : Hematócrito GV Hemoglobina O hematócrito e níveis de hemoglobina

Leia mais

ANEMIAS CARENCIAIS NO BRASIL: ABORDAGEM MULTIPROFISSIONAL

ANEMIAS CARENCIAIS NO BRASIL: ABORDAGEM MULTIPROFISSIONAL ANEMIAS CARENCIAIS NO BRASIL: ABORDAGEM MULTIPROFISSIONAL Dra. Karlla Greick Batista Dias Penna PUC-Goiás Departamento de Biomedicina karllagreick@gmail.com Etimologia Anemia: an = prefixo de negação haima

Leia mais

Tempo de Jejum para realização de Exames

Tempo de Jejum para realização de Exames Tempo de Jejum para realização de Exames Jejum não necessário Amilase, Bilirrubina, Células LE, CKMB, Coombs Direto, Coombs Indireto, CPK, Desidrogenase Lática, Gasometria, Pesquisa de Drepanócitos, Eletroforese

Leia mais

Doenças cardiovasculares: Causas: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares:

Doenças cardiovasculares: Causas: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Farmácia Período: 4 período Disciplina: Nutrição Professora: Sabrina Dias arterial; Doença arterial coronariana; Acidente vascular cerebral; Geralmente acomete

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais