E-QP-ECD-095 REV. A 15/Abr/2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-QP-ECD-095 REV. A 15/Abr/2008"

Transcrição

1 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA NIVELAMENTO GEOMÉTRICO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa. SL SERVIÇOS E LOGÍSTICA Este documento normativo tem a validade de 2 (dois) anos a partir da sua edição, prazo máximo para a realização da próxima revisão. Este prazo poderá ser alterado em razão de requisitos operacionais, ou alterações em requisitos dos SNQC s ou Sistema Petrobras. SEQUI CERTIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO E INSPEÇÃO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS E ACESSÓRIOS 5. EXECUÇÃO 6. ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO 7. ANEXO ÍNDICE Apresentação Este procedimento visa estabelecer os critérios, para o Processo de Qualificação de Pessoal, em Nivelamento Geométrico, na especialidade Controle Dimensional, modalidade Topografia. GESTOR: SL/SEQUI/CI APROVADOR: SL/SEQUI/CI EDUARDO POUSA LUCENTE JOSÉ ANTONIO DUARTE Matrícula Matrícula páginas A IMPRESSÃO E REPRODUÇÃO DESTE DOCUMENTO TORNA A CÓPIA NÃO CONTROLADA

2 CONTROLE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO DATA 0 Emissão original. 24/07/2006 A Revisão Geral 15/04/2008 2

3 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer as operações de campo para se fazer o nivelamento geométrico e o contranivelamento de marcos topográficos já materializados. Relacionar os instrumentos e acessórios necessários e apresentar um modelo de planilha de campo e de cálculo, na especialidade Controle Dimensional, modalidade Topografia. 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PI-25-SL/SEQUI Plano de Gestão Integrada do SEQUI. Norma NBR 13133/ Execução de Levantamento Topográfico. E-QP-ECD Procedimento de Controle Dimensional - Verificação de Nível Ótico - Nível Básico E-QP-ECD Procedimento de Controle Dimensional - Instalação de Nível Ótico - Nível Básico 3 TERMINOLOGIA São adotadas as definições constantes do Plano de Gestão Integrada do SEQUI - PI-25- SL/SEQUI-001, além das seguintes: Altitude - Altura de um ponto referida ao nível médio dos mares. Cota - Altura de um ponto referida a uma superfície de nível arbitrária. Leitura de ré - Medida da mira quando colocada em ponto de altura conhecida. Leitura de vante - Medida da mira quando colocada em ponto que se quer determinar a altura. Mira - Régua graduada. Referência de Nível (RN) - Marco topográfico adotado como referência para a determinação das alturas dos demais pontos de interesse. 4 INSTRUMENTOS E ACESSÓRIOS 4.1 INSTRUMENTOS - Nível Ótico - Trena 4.2 ACESSÓRIOS - Mira - Tripé - Nível Cantoneira - Guarda-sol 3

4 4.3 REQUISITOS GERAIS a) Os instrumentos utilizados devem atender as precisões exigidas para a finalidade do serviço e estar com certificado de calibração; b) Os acessórios devem estar em perfeitas condições de uso; c) Antes do início das operações de campo é necessário executar o procedimento de verificação do instrumento conforme procedimento específico. 5 EXECUÇÃO 5.1 REQUISITOS GERAIS a) Fazer o reconhecimento de campo para identificar e verificar as condições dos marcos / pontos, suas altitudes ou cotas determinadas e o marco indicado como referência de nível (RN); b) Orientar o auxiliar para utilizar corretamente a mira, ou seja: garantir a verticalidade e o exato posicionamento dos mesmos nos marcos topográficos; 5.2 REQUISITOS ESPECÍFICOS - NIVELAMENTO a) Ocupar com o instrumento uma posição que permita, preferencialmente, a eqüidistância entre as leituras das mira de ré e vante. (Figura 1). Esta exigência tem como objetivo minimizar os efeitos da curvatura da Terra e da refração atmosférica; =RN Fonte: Leica-Geosystems Figura 1 Posição do nível ótico em relação às miras b) Orientar o instrumento para (A) e realizar a leitura na mira, em seguida colimar na mira colocada no marco (B) e fazer a leitura na mira (Figura 1). O nivelamento é iniciado no marco topográfico definido como RN (Na figura 1 posição A); c) Mudar o instrumento para uma nova posição e repetir a operação descrita no item b, sendo que a primeira leitura de mira será no marco (B) e assim sucessivamente até o último marco topográfico a ser nivelado (Figura 2); 4

5 C B H =RN Fonte: Leica-Geosystems Figura 2 Caminhamento do Nivelamento Geométrico d) Registrar as leituras de mira, em planilha apropriada conforme modelo no anexo REQUISITOS ESPECÍFICOS - CONTRANIVELAMENTO Para se verificar o nivelamento é necessário repetir as operações previstas no item 5.2, porém fazer o caminhamento no sentido contrário ao do nivelamento, ou seja: iniciando as leituras de mira no último ponto do nivelamento e terminando no marco inicial definido como RN; A diferença de nível entre a altura da RN e a determinada no contranivelamento representa o erro do nivelamento que será corrigido se atender a tolerância definida para o serviço; Obs.: Para fins de determinação da tolerância do nivelamento, as medidas que representam o percurso realizado podem ser feitas com o uso da trena ou do método taqueométrico registrando as leituras dos fios estadimétricos, superior (fs) e inferior (fi), utilizando o nível ótico. 6 ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO As condições de aceitação ou rejeição dos serviços e produtos elaborados devem ser estabelecidas considerando as finalidades do levantamento topográfico e a exatidão necessária a cada finalidade. 7 ANEXO ANEXO 1 Planilha de campo/cálculo 5

6 ANEXO 1 PLANILHA DE CAMPO/CÁLCULO Leituras do nivelamento: Marcos Leitura de Ré Leitura de Vante Altura do Instrumento Cota (m) * Planilha para auxilio das medições em campo, pode ser substituida por outra mais conveniente ao candidato 6

7 Leituras do contranivelamento: Marcos Leitura de Ré Leitura de Vante Altura do Instrumento Cota (m) * Planilha para auxilio das medições em campo, pode ser substituida por outra mais conveniente ao candidato Registro das cotas: Marcos Cota Nivelamento Cota Contranivelamento Diferença (mm) * Planilha para auxilio das medições em campo, pode ser substituida por outra mais conveniente ao candidato 7

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA ENGENHARIA QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE CONSTRUÇÃO, MONTAGEM E COMISSIONAMENTO DE INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL 1 Instruções ao Candidato Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados

Leia mais

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Medidas Lineares Diretas e Indiretas: Leitura e Formulação Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Definição de levantamento topográfico NBR13.133/1994

Leia mais

EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO:

EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO: EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO: TESTES PARA APROVAÇÃO DE DISPOSITIVO DE LANÇAMENTO DE EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO a) Testes para

Leia mais

Este procedimento tem por objetivo descrever os instrumentos e processos de controle dimensional empregados na verificação de vasos de pressão.

Este procedimento tem por objetivo descrever os instrumentos e processos de controle dimensional empregados na verificação de vasos de pressão. Página: 1 de 6 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo descrever os instrumentos e processos de controle dimensional empregados na verificação de vasos de pressão. 2. INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO E MATERIAIS

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRO NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA: CARACTERIZAÇÃO DA COTA 100 NO NÚCLEO URBANO

RELATÓRIO TÉCNICO DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRO NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA: CARACTERIZAÇÃO DA COTA 100 NO NÚCLEO URBANO Universidade Federal do Pará RELATÓRIO TÉCNICO DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRO NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA: CARACTERIZAÇÃO DA COTA 100 NO NÚCLEO URBANO SOLICITANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

(a) nivelamento geométrico; e (b) nivelamento trigonométrico.

(a) nivelamento geométrico; e (b) nivelamento trigonométrico. 45 Capítulo III ALTIMETRIA 1. Introdução A altimetria ou nivelamento tem por finalidade determinar a distância vertical ou diferença de nível entre diversos pontos. A diferença de altura entre dois pontos

Leia mais

Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos

Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos Este texto é dividido em duas partes: a primeira descreve os procedimentos para a realização da Inspeção visual e dimensional de

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 004/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 1-INTRODUÇÃO: Equipamento utilizado para indicar o volume de líquidos remanescente dentro de tanques de armazenamento. Baixo

Leia mais

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO LABORATORISTAS ENSAIOS MECÂNICOS EM MATERIAIS METÁLICOS N. º DOCUMENTO: PNCO-LA-CS-001

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO LABORATORISTAS ENSAIOS MECÂNICOS EM MATERIAIS METÁLICOS N. º DOCUMENTO: PNCO-LA-CS-001 NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO LABORATORISTAS ENSAIOS MECÂNICOS EM MATERIAIS METÁLICOS N. º DOCUMENTO: PNCO-LA-CS-001 1 DE 14 1. ESCOPO 3 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 3 3. ABREVIATURAS

Leia mais

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Página 1 de 6 Informações para Preenchimento 1. Este questionário refere-se exclusivamente para solicitações de proposta dos serviços de Certificação de Produtos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária TINE ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE CONCRETO PARA FIXAÇÃO DE TOTEM DO SISTEMA GEST Controle de Revisões Elaborador: Luiz Coelho Alves da Silva Neto

Leia mais

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Labratóri de Bicmbustíveis Avançads da FEQ INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Para se habilitarem para frneciment de Materiais e Mã de Obra para a execuçã d prjet de instalaçã de gases

Leia mais

TUTORIAL LEICA TS02 Versão 2.0 PROGRAMA TOPOGRAFIA

TUTORIAL LEICA TS02 Versão 2.0 PROGRAMA TOPOGRAFIA TUTORIAL LEICA TS02 Versão 2.0 PROGRAMA TOPOGRAFIA www.manfra.com.br suporte@manfra.com.br Página 1/17 OPERAÇÃO DE CAMPO PARA A TS02 Versão 2.0 1. Para ligar/desligar a estação total pressione o botão

Leia mais

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs. Leandr N.Alem 1351/53 -(1871)- Dck Sud Buens Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingeczs.cm ALM1 N480-I MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INSTALAÇÃO...3 1.1 MONTAGEM EM PAINEL...3

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

CO C MP M ONEN E TES E D A D TEL E A ele l ment n o t s de d f i f x i a x çã ç o voltar para o índice

CO C MP M ONEN E TES E D A D TEL E A ele l ment n o t s de d f i f x i a x çã ç o voltar para o índice FERRAMENTAS NECESSÁRIAS Instalação COMPONENTES DA TELA Montagem Instalação elementos de fixação perfil acessórios GUIA DE MONTAGEM Guia da tela correr AJUSTE DA TELA MONTAGEM DA TELA corte dos perfis usinagem

Leia mais

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Página 1 de 5 Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Informações para Preenchimento 1. Este questionário refere-se exclusivamente para solicitações de proposta dos serviços de Certificação de Produtos

Leia mais

Esta orientação de inspeção se refere à inspeção em Silos de Cimento, destinados ao transporte de cimento a granel.

Esta orientação de inspeção se refere à inspeção em Silos de Cimento, destinados ao transporte de cimento a granel. Folha 1 de 20 1. Objetiv o Esta orientação de inspeção se refere à inspeção em Silos de Cimento, destinados ao transporte de cimento a 2. Campo de aplicação Esta orientação deverá ser utilizada por todos

Leia mais

PNQC PR CS 012 Qualificação e certificação de inspetores de mecânica Requisitos

PNQC PR CS 012 Qualificação e certificação de inspetores de mecânica Requisitos PNQC PR CS 012 Qualificação e certificação de inspetores de mecânica Requisitos ELABORADO POR CTS de Inspeção Mecânica VERIFICADO POR Bureau do PNQC APROVADO POR EMISSÃO REV. DATA CNQC 19/05/06 02 23/05/06

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

LEB 340 Topografia e Geoprocessamento I. Prof. Rubens Angulo Filho

LEB 340 Topografia e Geoprocessamento I. Prof. Rubens Angulo Filho LEB 340 Topografia e Geoprocessamento I Tópicos Abordados 7. Levantamento por caminhamento ou poligonação 7.1 Introdução 7.2 Planejamento, seleção de métodos e aparelhagem 7.3 Apoio topográfico planimétrico

Leia mais

Medição a Laser Remota Exata e Modelagem 3D no. Smartphone com Spike da IKEGPS

Medição a Laser Remota Exata e Modelagem 3D no. Smartphone com Spike da IKEGPS Apresentando: Spike. Capture. Meça. Modele. Compartilhe. Medição a Laser Remota Exata e Modelagem 3D no Smartphone com Spike da IKEGPS Spike é o primeiro acessório a laser exato para smartphones, capacitando-lhe

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 PARTICIPAÇÃO NA CEET DA ABNT NBR 14900 e NBR 14991 COORDENAÇÃO DO GT INDÚSTRIA COORDENAÇÃO DO GT AUDITORIA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

Governança da Informação BDQ: geração da PNI AV2 e AV3 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3. Pá giná 1

Governança da Informação BDQ: geração da PNI AV2 e AV3 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3. Pá giná 1 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3 Pá giná 1 Sumá rio 1. Recomendáço es iniciáis 3 1.1 Sobre o Internet Explorer 11 4 2. Ingressár no sistemá 5 3. Gerár provás impressás (PNI) 6 3.1

Leia mais

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 18 1. OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

Disciplina: Topografia I Equipamentos e Acessórios na Planimetria

Disciplina: Topografia I Equipamentos e Acessórios na Planimetria UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Topografia I Equipamentos e Acessórios na Planimetria Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Grandezas

Leia mais

João Carlos Guimarães Lerch

João Carlos Guimarães Lerch 13301 A Rede Metrológica do Estado do Rio Grande do Sul qualifica o Laboratório METROLOGIA WG localizado na Rua Henrique Dias, 630, na cidade de Sapucaia do Sul - RS. Conforme critérios estabelecidos no

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

O Desenvolvimento do Web Site é um processo em separado podendo ser negociado em conjunto com o Sistema de Gerenciamento de Imóveis.

O Desenvolvimento do Web Site é um processo em separado podendo ser negociado em conjunto com o Sistema de Gerenciamento de Imóveis. Objetivo do Sistema: Permite gerenciar os Imóveis da Imobiliária para Locação de Temporada e para Venda, e está 100% integrado ao desenvolvimento do Web Site da Empresa caso ainda não possua. O Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES CONCURSO PÚBLICO FEDERAL INSTRUÇÕES GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES CONCURSO PÚBLICO FEDERAL INSTRUÇÕES GERAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES CONCURSO PÚBLICO FEDERAL Cargo (Nível Médio/Técnico): Técnico de Laboratório / TOPOGRAFIA PROVA PRÁTICA UFAL-HUPAA/2012 CADERNO

Leia mais

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação INSPEÇÃO SUBMARINA - MEDIÇÃO DE ESPESSURA DE PAREDE Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. CONTEC Comissão de Normas Técnicas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

ESTÁTICA DE CORPO EXTENSO: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL. Leonardo Sampaio Motta. Antônio Carlos Fontes dos Santos

ESTÁTICA DE CORPO EXTENSO: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL. Leonardo Sampaio Motta. Antônio Carlos Fontes dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física ESTÁTICA DE CORPO EXTENSO: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO

QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E PÁGINA 01 DE 07 Dispositivo: Trena Padrão (30 m) Periodicidade de calibração: A cada dois anos Uso Método de calibração Tolerância Servir de padrão de referência

Leia mais

PREVISAO DE CONSUMO : TOTAL

PREVISAO DE CONSUMO : TOTAL SUBSECRETARIA DA ADMINISTRACAO CENTRAL DE LICITACOES-CELIC FOLHA- 001 DATA -13/02/2014 HORA - 11:30:28 EDITAL DE LICITACAO DE MENOR PRECO - PREGAO ELETRONICO ATRAVES DA LEI ESTADUAL 13.191/09 E SUJEITANDO-SE

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Tubos de Polietileno - Determinação das Dimensões Método de Ensaio São Paulo Fevereiro - 1999 NTS 051 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

RELÓGIO COMPARADOR RESUMO

RELÓGIO COMPARADOR RESUMO RELÓGIO COMPARADOR Leonardo Vidal 1 - Orientador Gustavo Bueno 2-21170078 Lincoln Ferreira 3-20870070 Samira Ponce 4-21170078 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar o instrumento de medição chamado

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

Manual Básico de Procedimentos Nota Fiscal Eletrônica NF-e no APOLO

Manual Básico de Procedimentos Nota Fiscal Eletrônica NF-e no APOLO Manual Básico de Procedimentos Nota Fiscal Eletrônica NF-e no APOLO 1- Geração e Envio Normal: Quando estiver tudo pronto para a geração da NF-e, selecione a nota, clique com o botão direito do mouse,

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

TABELA PARA 3 BENEFICIÁRIOS (A PARTIR DE 1 TITULAR) AMIL 60. de 03/06/98 ANS 326.305

TABELA PARA 3 BENEFICIÁRIOS (A PARTIR DE 1 TITULAR) AMIL 60. de 03/06/98 ANS 326.305 TABELA PARA 3 BENEFICIÁRIOS (A PARTIR DE 1 TITULAR) Tabela de Vendas PME AMIL 60 FAIXA ETÁRIA AMIL 60 101 QP AMIL 60 102 QP 0 a 18 268.88 376.23 19 a 23 365.67 511.67 24 a 28 402.24 562.84 29 a 33 442.46

Leia mais

Esta norma se aplica aos Técnicos do Inmetro e da RBLMQ-I, executores dos serviços de arqueação de tanques.

Esta norma se aplica aos Técnicos do Inmetro e da RBLMQ-I, executores dos serviços de arqueação de tanques. 1 MINUTA NIE/DIMEL XXX/XX PROCEDIMENTOS PARA TANQUES FIXOS VERTICAIS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 RESPONSABILIDADE 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 6 SIGLAS 7 DEFINIÇÕES

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL POR ULTRASSOM MODELO TN-1070

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL POR ULTRASSOM MODELO TN-1070 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL POR ULTRASSOM MODELO TN-1070 julho de 2013 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

Prestar assistencia tecnica no conserto e reparo de equipamentos eletronicos, domesticos, microprocessadores e microcontrolados.

Prestar assistencia tecnica no conserto e reparo de equipamentos eletronicos, domesticos, microprocessadores e microcontrolados. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500702 - ELETROTECNICA - MOD. Nivel: Tecnico Area Profissional: 0047 - ELETRICA-ELETRONICA-TEC Area de Atuacao: 0349 - ASSIST.TEC./ELETR.-TEC

Leia mais

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+ EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO: Engenharia Mecânica PROFESSOR: José Ricardo Flores Faria Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: Desenho resultante da projeção do objeto, sob um ou mais

Leia mais

Caixas com recipientes cheios na melhor forma

Caixas com recipientes cheios na melhor forma Caixas com recipientes cheios na melhor forma Ele não presta atenção apenas na aparência. Valores internos também são importantes para o HEUFT VGX. O inspetor de caixas cheias examina as características

Leia mais

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB.

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. O Portal Art3 é um sistema que permite uma grande flexibilidade na entrega e aprovação de seus

Leia mais

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO Item 01 02 03 04 05 06 Refere a dcument PQN-02 PQN-02 07 PQN-05 08 09 10 Identificaçã Nme d registr Cntrle de emissã e distribuiçã de dcuments Matriz ds registrs da qualidade Ficha de cntrle de atualizações

Leia mais

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural 1 OBJETIVO Procedimento padrão para recebimento blocos estruturais cerâmicos; 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA NBR 15270-2:2005 Componentes

Leia mais

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Caracterizado no Capítulo 3, à luz da prática internacional de normalização, o sistema normativo do SISMETRA foi objeto de criteriosa análise de

Leia mais

MODELOS POLIAS DE FERRO EM V

MODELOS POLIAS DE FERRO EM V MODELOS POLIAS DE FERRO EM V Tabela 1 Dimensões dos canais das polias NORMAS E PADRÕES UTILIZADOS: Perfil dos Canais Os perfis das polias atendem as seguintes normas: ISO 4183: Perfis Z, A, B, C, D, SPZ,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO RASTREADOR DE FIOS E CABOS NÃO ENERGIZADOS MODELO LT-2012

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO RASTREADOR DE FIOS E CABOS NÃO ENERGIZADOS MODELO LT-2012 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO RASTREADOR DE FIOS E CABOS NÃO ENERGIZADOS MODELO LT-2012 fevereiro de 2010 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1.

Leia mais

Rua Apuanã, 31 Jardim Jaçanã 02318-050 SP Fone (0xx11) 2243-6194 / 2243-6192 Fax (0xx11) 2243-7730 www.panantec.com.br

Rua Apuanã, 31 Jardim Jaçanã 02318-050 SP Fone (0xx11) 2243-6194 / 2243-6192 Fax (0xx11) 2243-7730 www.panantec.com.br SISTEMA DE AQUISIÇÃO DE DADOS PANANTEC ATMI MANUAL DE OPERAÇÃO Rua Apuanã, 31 Jardim Jaçanã 02318-050 SP Fone (0xx11) 2243-6194 / 2243-6192 Fax (0xx11) 2243-7730 www.panantec.com.br Índice Considerações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: MULTÍMETRO DIGITAL Código ETD-00.044 Data da emissão 26.01.2010 Data da última revisão 23.05.2012 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições 4

Leia mais

1. Topografia. 1.1. Conceitos

1. Topografia. 1.1. Conceitos 1. Topografia 1.1. Conceitos Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos" (lugar) e "graphen" (descrever), o que significa, a descrição exata e minuciosa de um lugar. (DOMINGUES,

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

MATRIZ DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO D Credenciamento QUALIFICAÇÃO C QUALIFICAÇÃO B QUALIFICAÇÃO A

MATRIZ DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO D Credenciamento QUALIFICAÇÃO C QUALIFICAÇÃO B QUALIFICAÇÃO A CONTROLES / DISPOSIÇÕES NECESSÁRIAS PARA QUALIFICAÇÃO DE LAJES PRÉ-FABRICADAS MATRIZ DA QUALIDADE Prazos de vigência 6 meses 12 meses 12 meses QUALIFI Credenciamento A.CREDENCIAMENTO / DOCUMENTAÇÃO 1.Protocolo

Leia mais

PROTOCOLO. 1. A Imperio Bonanca e uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal;

PROTOCOLO. 1. A Imperio Bonanca e uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal; ~ ~~ PROTOCOLO Entre, Exercito Portugues, pessoa colectiva numero 600 021 610, devidamente representado neste acto pelo Exmo. Senhor Tenente-General Eduardo Manuel de Lima Pinto, na qualidade de Comandante

Leia mais

RECERTIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 2 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

RECERTIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 2 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS 1 de 5 1 OBJETIVO Este documento tem o objetivo de orientar o candidato para a execução dos exames de recertificação de Inspetor de Pintura Industrial Nível 2 do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação

Leia mais

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril 2011 1 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente

Leia mais

Paquímetro: tipos e usos

Paquímetro: tipos e usos Paquímetro: tipos e usos Um problema Como a empresa fabricou muitas peças fora das dimensões, o supervisor suspendeu o trabalho e analisou a causa do problema. Concluiu que a maioria dos profissionais

Leia mais

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Órgãos acessórios Profª Gersina Nobre Concepção da coleta de esgoto sanitário Para a concepção da coleta de esgoto sanitário é necessária a definição dos dispositivos que serão empregados

Leia mais

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro.

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro. Introdução Milhares de trabalhadores precisam exercer suas atividades utilizando óculos com lentes corretivas ao mesmo tempo que precisam usar óculos de segurança para se proteger contra os riscos inerentes

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados

Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados Uso de martelo hidráulico em obras na Região Nordeste Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados Apresentação Introdução Histórico Prática atual no Recife

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205 Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente: Usina Fortaleza

Leia mais

TOPOGRAFIA {ALTIMETRIA} DICAS

TOPOGRAFIA {ALTIMETRIA} DICAS TOPOGRAFIA {ALTIMETRIA} DICAS 1. MIRAS DE NIVELAMENTO A mira constitui parte integrante do instrumento usado em nivelamento de precisão. Existem dois tipos de miras; a denominada mira falante e a mira

Leia mais

Movimentação de Cargas Equipamentos, acessórios, planejamento e aspectos de segurança

Movimentação de Cargas Equipamentos, acessórios, planejamento e aspectos de segurança Movimentação de Cargas Equipamentos, acessórios, planejamento e aspectos de segurança Semana Universitária 2013 UPE 12/09/2013 Roberto de Souza van der Linden Engenheiro Mecânico Coordenador de Equipamentos

Leia mais

CARTA-CIRCULAR 2.826 --------------------

CARTA-CIRCULAR 2.826 -------------------- CARTA-CIRCULAR 2.826 -------------------- Divulga relacao de operacoes e situacoes que podem configurar indicio de ocorrencia dos crimes previstos na Lei n. 9.613, de 03.03.98, e estabelece procedimentos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Ouvindo a Queda Livre

Ouvindo a Queda Livre Ouvindo a Queda Livre Roteiro do Professor Resumo: Para experimentos de queda livre é natural que se pense num experimento bem simples: Largar uma bolinha de uma determinada altura e pedir para que alguém

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS.

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. Paulo César Francisco Henriques Consultor - Rua Tirol 690 / 206 - Jacarepaguá - Rio de Janeiro RJ 22.750-007 pcfhenriques@ig.com.br

Leia mais

SisDEA Home Windows Versão 1

SisDEA Home Windows Versão 1 ROTEIRO PARA CRIAÇÃO E ANÁLISE MODELO REGRESSÃO 1. COMO CRIAR UM MODELO NO SISDEA Ao iniciar o SisDEA Home, será apresentada a tela inicial de Bem Vindo ao SisDEA Windows. Selecione a opção Criar Novo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Figura 17.1 Exemplo de locação.

Figura 17.1 Exemplo de locação. 196 17 Locação 17.1 - INTRODUÇÃO Uma das atividades vinculadas à Topografia é a locação de pontos no terreno. Para a construção de uma obra, por exemplo, inicialmente é necessário realizar-se o levantamento

Leia mais

Manual Logomarca ITAC Sistemas de Gestão

Manual Logomarca ITAC Sistemas de Gestão Pág.: 1/5 Elaboração Análise Crítica Aprovação Representante da Direção Gerente de Certificação Executivo Sênior Alterações - Revisão 06 Alteração do item 5 1. ESCOPO Este manual aplica-se às empresas

Leia mais

ANEXO VIII CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO

ANEXO VIII CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO ANEXO VIII CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO DERROCAMENTO DE PEDRAIS PARA DESOBSTRUÇÃO E ALARGAMENTO DA FAIXA NAVEGÁVEL DO RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE SOBRADINHO E JUAZEIRO-BA/PETROLINA-PE. ANEXO VIII CRITÉRIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TRABALHO DE PESQUISA LAUDO E PROJETO DE RESISTÊNCIA DE TERRA E NECESSIDADE DE SPDA Orientador: Tibiriçá Krüger Moreira Orientandos: Fabrício

Leia mais

Soluções de Produtividade para Processos Industriais

Soluções de Produtividade para Processos Industriais Soluções de Produtividade para Processos Industriais Milhares de produtos para as necessidades do seu processo industrial Banner Engineering oferece para a Indústria, a mais completa e integrada linha

Leia mais

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS.

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS. Históric de Revisões Revisã Data Descriçã da Revisã Mtiv da Revisã 11 20/08/09 Ajustes de hardware dispar Sirene PST 12 14/11/09 AJUSTES SOFTWARE 13 25/11/09 Ajustes de hardware, falha n mdul GSM na trca

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais